GESTÃO DE PESSOAS IDALBERTO CHIAVENATO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GESTÃO DE PESSOAS IDALBERTO CHIAVENATO"

Transcrição

1 GESTÃO DE PESSOAS IDALBERTO CHIAVENATO CONCEITO E IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas situa-se num contexto representado por organizações e pessoas que interagem numa relação de dependência mútua, onde a organização possibilita às pessoas o atingimento de objetivos que seriam-lhe intangíveis caso atuassem individualmente e em contrapartida as pessoas formam a força motriz para as organizações atinjam seus objetivos e cumpram suas missões. Empregabilidade: Capacidade das pessoas de conquistar e manter empregos. Empresabilidade: Capacidade das empresas para desenvolver e utilizar as habilidades intelectuias e competitivas de seus membros. A Gestão de Pessoas é contingencial e situacional pois depende de vários aspectos organizacionais como cultura e estrutura organizacional o ambiente em que a organização se encontra entre outros. Nos tempos atuais o processo produtivo só é possivel devido a colaboração de diversos parceiros que continuarão colaborando caso recebam retornos. Sendo assim a organização reúne esses recursos oferecidos, realiza o precesso produtivo e gera retorno para seus parceiros mantendo a continuidade do negócio. O parceiro mais íntimo da organização é o empregado.

2 Nesse contexto a organização tem duas opções: tratar os empregados como recursos ou como parceiros. Como recursos as pessoas devem ser administradas o que envolve planejamento, organização, direção e controle de suas atividades. Já como parceiras as pessoas passam a constituir o capital intelectual da empresa e podem elas mesmas decidir a melhor forma de executar suas atividades. OBJETIVOS DA GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas nas organizações é a função que permite a colaboração eficaz das pessoas para o atingimento de metas organizacionais e inviduias. As pessoas são o principal ativo das organizações. São objetivos da Gestão de Pessoas: 1- Ajudar a organização a alcançar seus objetivos e realizar sua missão: O RH deve conhecer a identidade organizacional (missão, visão de futuro, valores) e atuar sempre vinculado a ela (EFICÁCIA). 2- Proporcionar competitividade à organização: Significa saber empregar a força de trabalho, ou seja, extrair o melhor desempenho possível das pessoas da organização (EFICIÊNCIA). 3- Proporcionar à organização empregados bem treinados e bem motivados: O RH deve saber informar quem é melhor para fazer certa etapa de certo trabalho, isto é, a sua função é, além de treinar e motivar, saber quem está treinado e motivado. 4- Proporcionar a auto-atualização e a satisfação no trabalho: A felicidade na organização e a satisfação no trabalho são fatores determinantes para o sucesso organizacional. 5- Desenvolver a qualidade de vida no trabalho: Um programa de QVT proucura estrutar o trabalho (fatores motivacionais) e o ambiente de trabalho (fatores higiênicos) para satisfazer as necessidades individuais do empregado e tornar a organização um local desejável e atraente. 6- Administrar a mudança: Os profissionais de RH devm saber lidar com as frequëntes mudanças ambientais que ocorrem nos dias atuais.

3 7- Manter políticas éticas e comportamento socialmente responsável. POLÍTICAS Em seu trabalho, cada administrador desempenha quatro funções administrativas que constituem o processo administrativo: planejar, organizar, dirigir e controlar. A ARH está relacionada a todas essas funções do administrador. A ARH refere-se à políticas e práticas para se administrar o trabalho das pessoas. Tais políticas em práticas agrupam-se em processos. Políticas e práticas de RH. Estes processos interagem entre sí e são altamente interdependentes. Por exemplo um processo de recompensar pessoas ruim vai sobrecarregar o processo de manter pessoas. Eles devem ser desenhados de acordo com as influências externas e internas da organização.

4 A ESTRUTURA DO ÓRGÃO DE GESTÃO DE PESSOAS A abordagem sistêmica tirou a ênfase das tarefas e a trouxe para os processos. Isto ocorreu pois a dinâmica da organização dividida em funções (ênfase nas tarefas) é extremamente prejudicada pela alta subobjetivação e falta de cooperação interdepartamental que esta estrutura provoca. Evidentemente o órgão de Gestão de Pessoas não poderia ficar para trás. Subobjetivação: Os objetivos departamentais tornam-se maiores que os objetivos organizacionais.

5 RELAÇÃO DO ÓRGÃO DE GESTÃO DE PESSOAS COM OUTROS SISTEMAS ORGANIZACIONAIS Quem deve gerir as pessoas é o próprio gerente ao qual elas estão subordinadas. O órgão de gestão de pessoas possui apenas uma função de assessor nessa gestão, isto é, ele da orientações e quem decide é o gerente. Gerir pessoas é uma responsabilidade de linha e uma função de staff. Perceba que a tendencia atual é que a a função de RH funcione como uma consultoria interna. Ela deverá preparar o gestores de linha para estes sim tomem decisões em relação aos recursos humanos. Sendo assim o papel do RH é fazer com que tais decisões sejam alinhadas à identidade da empresa. O conceito mais moderno prega a descentralização do RH. CENTRALIZAÇÃO DO RH PRÓS Reúne os especialistas de RH em um só órgão Incentiva a especialização Proporciona elevada integração intradepartamental A área de RH é perfeitamente delimitada Focaliza a função e conseqüentemente as tarefas de RH Ideal para pequenas organizações CONTRAS Excessiva concentação das decisões e ações no staff de RH Monopólio e exclusividade das decisões e ações de RH no staff Homogeneização e padronização das praticas de RH Manutenção e conservação do status quo Distânciamento do foco de ação O órgão de RH torna-se operacional e bucrático Proporciona administração autoritária e burocrática

6 DESCENTALIZAÇÃO DO RH PRÓS Descentraliza as decisões e ações de RH para os gerentes de linha Desmonopolização da decisões e ações de RH Adequação das práticas de ARH às necessidades individuais das pessoas O órgão de RH torna-se consultor interno dos gerentes de linha Focalização no cliente interno Favorece a administração participativa Visão estratégica através das unidades estratégicas de RH CONTRAS O órgão de Gestão de Pessoas perde suas fronteiras e limites Especialistas de RH se dispersam Há necessidade de terceirização de atividades burocráticas SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS A base de todo sistema de informações é o banco de dados. O banco de dados funciona como um sistema de armazenamento e acumulação de dados devidamente codificados e disponíveis para o processamento e obtenção de informações. Os dados quando considerados isoladamente tem pouco valor, porém quando classificados, armazenados e relacionados entre sí, os dados permitem a obtenção de informação. O uso de banco de dados reduz a inconsistência e os erros advindos de arquivos duplicados.

7 A informação apresenta significado e intencionalidade e isso a diferencia do dado simples. Para serem transformados em informações os dados precisam ser processados. O processamento de dados é a atividade que consiste em acumular, agrupar e cruzar dados para obter outros dados ou transformá-los em informação. A manutenção e atualização de banco de dados é responsabilidade de todos na organização.

8 O Sistema de Informações Gerenciais presta-se a servir de base para as decisões do gerente de linha. A seguir uma comparação entre o SIG e SI de ARH.

9 GERENCIAMENTO DE CONFLITOS Conflito é uma interferência ativa ou passiva, mas deliberada para impor um bloqueio sobre a tentativa da outra para alcançar seus objetivos. Pode ocorrer entre duas ou mais partes que podem ser pessoas grupos ou organizações. Há três níveis de conflito: Conflito Percebido: É o conflito latente, que existe potencialmente. Conflito Experienciado: Agora o conflito já existe, porém ainda não é manifestado externamente com clareze, pelo contrário, é dissimulado. Conflito Manifestado : O conflito é aberto e se manifesta sem dissimulação. A solução dos conflitos imprescinde de uma análise de suas causas, estas por sua vez podem ser: 1- Ambiguidade de papel: Expectativas pouco claras podem fazer com as pessoas sintam qe estão trabalhando para propósitos incompatíveis. 2- Objetivos concorrentes: Decorre da subobjetivação. A especialização faz com surjam percepções de objetivos incongruentes. 3- Recursos compartilhados: Os grupos competem por recursos escassos. 4- Interdependência de atividades: Quando o desempenho de um grupo imprescinde do desempenho de outro o não atingimento de metas por uma das partes pode gerar conflitos.

10 Existem três abordagens para administrar conflitos: Reduzir a diferenciação entre os grupos: Consiste em identificar objetivos que possam ser compartilhados pelo grupo ou criar um objetivo maior que deve ser atingido pelos dois em conjunto. Abordagem Estrutural: Aqui são atacadas as causas do conflito. Interferir nos recursos compartilhados: Consiste em adotar uma estratégia de recompensensar esforços em conjunto. Reduzir a interdependência: Os grupos em conflito podem ser separados fisica e/ou estruturalmente. Gerenciamento de Conflitos Abordagem de Processo: Aqui é atacado o episódio de conflito. Pode ser adotado por uma das partes do conflito, por uma pessoa de fora ou por uma terceira parte. Desativação do Conflito: Uma das partes reage cooperativamente encorajando um comportamento menos conflitante ou desarmando o conflito. Reunião de confrontação entre as partes: Ocorre quando o conflito esta prestes a estourar. Colaboração: As partes trabalham juntas buscando soluções do tipo ganhar/ganhar. Abordagem Mista: Inclui intervenções tanto na estrutura quanto no processo de conflito. Adoção de regras para resolução de conflitos: Regras são determinadas previamente para a gestão de conflitos. Criação de Papéis Integradores: Consiste em criar equipes próprias para solução de conflitos. É importante ressasltar que a maneira pela qual as partes reagem ao conflito e a maneira como ele é solucionado exerce uma influência poderosa sobre as percepções, sentimentos e comportamentos que se seguem. As abordagens estruturais são mais fáceis de serem implantadas.

11 A administração de conflitos varia num continuum que vai da assertividade (defesa dos próprios interesses) até a cooperação (satisfação dos interesses alheios). Nesse intervalo podem ser identificados cinco estilos de gestão de conflitos: 1- Evitação: É a fuga do conflito. É usada quando o problema é trivial, quando não há chance de ganhar, quando requer tempo para obter informação ou quando um desacarodo pode ser oneroso ou perigoso. 2- Acomodação: Suavizar as coisa e manter a harmonia, porém sem atacar os pontos chaves do problema. É usado quando o assunto é muito importante, quando se pretende angariar créditos sociais para utilizar em outras situações ou quando manter a harmonia é o mais importante. 3- Competição: É a imposição autoritária do interesse. Pode ser útil em situações urgentes. 4- Compromisso: As partes aceitam ganhos e perdas chegam a um consenso. Ocorre quando os componentes tem igual poder. 5- Colaboração: As partes se engajam em soluções do tipo ganhar/ganhar. É utilizado quando os interesses em jogo são de grande importância e os respectivos pontos de vista A colaboração é a forma mais eficaz de solução de conflitos. É a única que possibilita soluções do tipo ganhar/ganhar.

12 possibilitam uma combinação. O conflito poderá ter efeitos positivos ou negativos, dentre os positivos destacam-se: Conflito desperta a busca por soluções criativas e inovadoras. Auamenta a a união do grupo. Evidencia problemas. CULTURA ORGANIZACIONAL A cultura organizacional é o conjunto de hábitos e crenças estabelecidos através de normas valores atitudes e expectativas compartilhados por todos os membros da organização. Constitui o modo institucionalizado de pensar e agir que existe em uma organização. Toda pessoa tende a ver e julgar outras culturas do ponto de vista da sua cultura. Cada organização possui a sua própria cultura, e isto a diferencia das demais. Ela exprime a identidade da organização e serve de elo entre o presente e o passado contribuindo para a permanência e a coesão da organização. No fundo, é a cultura que define a missão e provoca o nascimento e o estabelecimento dos objetivos da organização. Alguns aspectos da cultura organizacional são percebidos mais facilmente enquanto outro não. A cultura reflete um iceberg. A parte mais visível da cultura a ponta do iceberg é a mais fácil de mudar. A mudança cultural emerge do primeiro nível e, gradativamente, afeta o segundo nível.

13 Toda cultura se apresenta em três diferentes níveis: Artefatos são as coisas concretas que cada um vê, ouve e sente quande se depara com uma organização Incluem os produtos, serviços e o padrão de comportamento dos membros da organização. São os valores relevantes que se tornam importantes para as pessoas e que definem as razões pelas quais elas fazem o que fazem. Funcionam como justificativas aceitas por todos os membros. É o nível mais íntimo e oculto da cultura organizacional. A cultura prescreve a maneira de fazer as coisas na organização, muitas vezes através de pressuposições não escritas e nem sequer faladas. As culturas podem ser adptativas ou conservadoras: - Adaptativas: Caracterizam-se pela criatividade, inovação e mudança. São organizações que mudam suas idéias, laroes e costumes e que podem perder suas caracteristicas próprias se não mantiverem em algum ponto uma ligação com o passado. - Conservadoras: Caracterizam-se pela manutenção de idéias valores, costumes e tradições que permanecem arraigados e que não mudam ao longo do tempo. São organizações conservadoras que se mantêm inalteradas como se nada tivesse mudado no mundo ao seu redor.

14 Apesar da necessidade de mudança, algum grau de estabilidade é essencial para o sucesso da organização. Na verdade a sobrevivência e o crescimento de uma organização existem na medida em que tanto a estabilidade como a adaptabilidade e mudança são elevadas. O processo de introdução de um novo funcionário à cultura organizacional é chamado de Socialização Organizacional. Nesse processo cada uma das partes (organização e funcionário) tenta adaptar o outro aos seus propósitos e conveniências: de um lado a socialização e do outro a personalização. O contrato psicológico condiciona boa parte desse ajustamento mútuo. Ele refere-se às expectativas do invíduo e da organização: cada parte avalia o que está oferecendo e o que está recebendo em troca. Os funcionários aprendem a cultura organizacional através de várias formas: - Histórias: Acertos e erros do passado geralmente ancoram o presente no passado e explicam a legitimação das práticas atuais. - Rituais e Cerimônias: São sequências repetitivas de atividades que expressam e reforçam os valores principais da organização. - Símbolos Materiais: Definem o grau de iguaaldade ou diferenciação entre as pessoas e o tipo de comportamento desejado pela organização. Ex.: Vagas privativas de estacionamento evidenciam uma diferenciação entre superiores hierárquicos e subordinados. - Linguagem: As organizações desenvolvem termos singulares para descrever equipamentos, escritórios pessoas-chave, fornecedores, clientes ou produtos.

Clima e Socialização organizacional

Clima e Socialização organizacional Função Aplicação de pessoas: Clima e Socialização organizacional Livros: CHIAVENATO, Gestão de pessoas TACHIZAMA, et al. Material na xerox (pg.240-255) SOCIALIZAÇÃO ORGANIZACIONAL É a maneira pela qual

Leia mais

Administração. Gestão de Conflitos. Professor Rafael Ravazolo.

Administração. Gestão de Conflitos. Professor Rafael Ravazolo. Administração Gestão de Conflitos Professor Rafael Ravazolo www.acasadoconcurseiro.com.br Administração Aula XX GESTÃO DE CONFLITOS Sempre que existir uma diferença de prioridades ou objetivos, existirá

Leia mais

Gestão de Pessoas MÓDULO II

Gestão de Pessoas MÓDULO II O DIFERENCIAL É O TALENTO HUMANO: Gestão de Pessoas MÓDULO II Prof. Ms. Fábio Lúcio Gomes fabiodobu@gmail.com Administração de RH Abrange o conjunto de técnicas e instrumentos que permitem às organizações

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS Atualizado em 27/10/2015 CONCEITOS BÁSICOS Administração, em seu conceito tradicional, é definida como um conjunto de atividades, princípios, regras, normas que têm

Leia mais

Administração Interdisciplinar

Administração Interdisciplinar Administração Interdisciplinar 21/9/2015 Rosely Gaeta Revisão Fundamentos da Administração Introdução àadministração e às organizações Fonte: Felipe Sobral Alketa Peci - Teoria e Prática no Contexto Brasileiro

Leia mais

Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Cronograma das Aulas. Hoje você está na aula Semana Tema 01 Apresentação do PEA. Fundamentos

Leia mais

Desenvolvimento de pessoas e de organizações

Desenvolvimento de pessoas e de organizações Desenvolvimento de pessoas e de organizações www.profsaravalli.com GESTÃO DE CONCEITOS E NOMENCLATURAS ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL A Gestão de Pessoas (GP) é responsável por um conjunto de políticas e práticas

Leia mais

Núcleo de Materiais Didáticos 1

Núcleo de Materiais Didáticos 1 Gestão de Talentos e Mapeamento por Competências Aula 1 Prof a Cláudia Patrícia Garcia claudiagarcia@grupouninter.com.br MBA em Gestão de Recursos Humanos Mini Currículo Administradora Marketing EAD Metodologia

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

Fundamentos da Direção

Fundamentos da Direção Aula 7 Direção Fundamentos da Direção Inerente a qualquer organização está a necessidade de gerir esforços individuais em função de objetivos organizacionais. A direção é a função da administração responsável

Leia mais

DEFINIÇÃO DE ANÁLISE DO AMBIENTE

DEFINIÇÃO DE ANÁLISE DO AMBIENTE Análise do Ambiente DEFINIÇÃO DE ANÁLISE DO AMBIENTE - É o processo de monitoração do ambiente organizacional que visa identificar os riscos e oportunidades, tanto presentes como futuros, que possam influenciar

Leia mais

Introdução aos Princípios da Gestão Empresarial

Introdução aos Princípios da Gestão Empresarial Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Unidade Curricular Gestão Empresarial ADS 2 M/N Introdução aos Princípios da Gestão Empresarial

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 3.

Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 3. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Dinâmica nas Organizações Prof.: Fernando Hadad Zaidan Unidade 3.3 3 A DINÂMICA DAS ORGANIZAÇÕES E AS ORGANIZAÇÕES DO CONHECIMENTO

Leia mais

Tema 05 Treinamento e Desenvolvimento Autoria: Irma Macário

Tema 05 Treinamento e Desenvolvimento Autoria: Irma Macário Administração de Recursos Humanos Autoria: Irma Macário 6 o semestre Tema 05 Treinamento e Desenvolvimento Tema 05 Treinamento e Desenvolvimento Autoria: Irma Macário Como citar esse documento: MACÁRIO,

Leia mais

Conceito: estratégia de produção. Gestão da Produção Aula 3. Conceito: estratégia de produção. Conceito: estratégia de produção 03/04/2014

Conceito: estratégia de produção. Gestão da Produção Aula 3. Conceito: estratégia de produção. Conceito: estratégia de produção 03/04/2014 Gestão da Produção Aula 3 Estratégia de Produção: Origens e Novas Orientações Uma estratégia de produção é formada a partir de um conjunto de metas, políticas e restrições auto impostas, que descrevem

Leia mais

Gestão de Negócios OBJETIVO NESTA AULA. A Pirâmide das Finanças Pessoais - AULA 01

Gestão de Negócios OBJETIVO NESTA AULA. A Pirâmide das Finanças Pessoais - AULA 01 A Pirâmide das Finanças Pessoais - OBJETIVO Formar profissionais com atuação eficaz nas empresas, apresentando uma visão holística das diversas atividades e processos que interagem nos ambientes interno

Leia mais

Processos Organizacionais, Operacionais e Motivacionais

Processos Organizacionais, Operacionais e Motivacionais Processos Organizacionais, Operacionais e Motivacionais CURSO: Gestão de Pessoas nas Organizações UNIDADE: Marte PROF.: Hélio Senna TÓPICOS: Retenção de Potenciais - Remuneração - Benefícios Auditoria

Leia mais

Administração e Organização II

Administração e Organização II Administração e Organização II Agregar Pessoas Prof. Dr. Marco Antonio Pereira marcopereira@usp.br Agregar Pessoas Recrutamento / Seleção Imagem: http://blog.acelerato.com/gestao/recrutamento-e-selecao-otimizando-o-processo-nas-organizacoes/

Leia mais

Gestão do clima organizacional - Prof. Ms. Marco A. Arbex

Gestão do clima organizacional - Prof. Ms. Marco A. Arbex Gestão do clima organizacional: Introdução Prof. Ms. ORGANIZAÇÃO A Organização pode ser definida como a união de pessoas com objetivos em comum. Exemplos de organizações: Escolas Hospitais Família Exército

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DA QUALIDADE: Benefícios e Aplicações Práticas

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DA QUALIDADE: Benefícios e Aplicações Práticas OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DA QUALIDADE: Benefícios e Aplicações Práticas Rev. 00 de Março/2013 1/208 1/ 42 Rodrigo Sousa Atuação: Instrutor de treinamentos Consultor e Auditor em Sistemas de Gestão da Qualidade

Leia mais

Profa.: Ms. Leila Souza

Profa.: Ms. Leila Souza Profa.: Ms. Leila Souza 1 Origem da APO - 1954 Livro de Peter Druker APO. - Empresas americanas passavam por momentos difíceis : queda nas margens de lucros, intervenções do governo, redução de despesas,

Leia mais

PRINCÍPIOS DA GESTÃO PARA A EDUCAÇÃO

PRINCÍPIOS DA GESTÃO PARA A EDUCAÇÃO PRINCÍPIOS DA GESTÃO PARA A EDUCAÇÃO Prof. Dr. Bernardo Meyer Departamento de Ciências da Administração - CAD Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO - A educação vive um processo

Leia mais

Módulo 16 Relações com os trabalhadores. Segurança, Saúde e Qualidade de Vida no Trabalho.

Módulo 16 Relações com os trabalhadores. Segurança, Saúde e Qualidade de Vida no Trabalho. Módulo 16 Relações com os trabalhadores. Segurança, Saúde e Qualidade de Vida no Trabalho. 16.1 Relações com os trabalhadores O estilo de gestão adotado por uma empresa estrutura toda a forma de condução

Leia mais

Unidade I. Desenvolvimento de. Prof. Especialista Fernando J. Lopes

Unidade I. Desenvolvimento de. Prof. Especialista Fernando J. Lopes Unidade I Desenvolvimento de Recursos Humanos Prof. Especialista Fernando J. Lopes Reestruturação produtiva Os recursos humanos são primordiais para o sucesso das empresas; Vivemos em pleno século XXI

Leia mais

Prof. Fulvio Cristofoli CONCEITOS.

Prof. Fulvio Cristofoli CONCEITOS. CONCEITOS Prof. Fulvio Cristofoli fulviocristofoli@uol.com.br www.fulviocristofoli.com.br O QUE VAMOS APRENDER... Estratégia Administração Estratégica Planejamento Estratégico Decisão Estratégica Eficiência

Leia mais

BUSINESS PARTNER RH. Estratégias, funções e práticas

BUSINESS PARTNER RH. Estratégias, funções e práticas 1 BUSINESS PARTNER RH Estratégias, funções e práticas 2016 BUSINESS PARTNER - RH Estratégias, funções e práticas Dia 18 de agosto 12:30/13:15 Transamerica Expo Center Auditório Principal Espaço Corners

Leia mais

PARTE IV O SISTEMA ORGANIZACIONAL CAPÍTULO FUNDAMENTOS DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL by Pearson Education

PARTE IV O SISTEMA ORGANIZACIONAL CAPÍTULO FUNDAMENTOS DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL by Pearson Education PARTE IV O SISTEMA ORGANIZACIONAL CAPÍTULO 15 FUNDAMENTOS DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL 2006 by Pearson Education O QUE É ESTRUTURA ORGANIZACIONAL? Estrutura organizacional Como as tarefas são formalmente

Leia mais

Promover a competitividade e o desenvolvimento dos pequenos negócios e fomentar o empreendedorismo para fortalecer a economia nacional

Promover a competitividade e o desenvolvimento dos pequenos negócios e fomentar o empreendedorismo para fortalecer a economia nacional Excelência na Gestão Desafio dos Pequenos Negócios INSTITUCIONAL SEBRAE MISSÃO Promover a competitividade e o desenvolvimento dos pequenos negócios e fomentar o empreendedorismo para fortalecer a economia

Leia mais

ADMINISTRAÇãO DE RECURSOS HUMANOS para farmácias

ADMINISTRAÇãO DE RECURSOS HUMANOS para farmácias ADMINISTRAÇãO DE RECURSOS HUMANOS para farmácias ADMINISTRAÇãO DE RECURSOS HUMANOS para farmácias SUMÁRIO 1. Introdução/ prefácio...9 2. O que faz o Gerente quando administra bem os Recursos Humanos da

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico MBA: Gestão Empresarial IESI Planejamento Estratégico Planejamento estratégico: Visão integrada Alcance de objetivos Criar valor, diferencial e identidade Pensamento estratégico Planejamento Estratégico

Leia mais

Estratégia em RH Material para Avaliação

Estratégia em RH Material para Avaliação Estratégia em RH Material para Avaliação Professor Douglas Pereira da Silva 1 Uma consideração importante Na prática, as partes são muito mais interpenetradas. A empresa não precisa terminar a análise

Leia mais

Desenvolvimento de Liderança. Prof. M.e. Fernando Martins Silva

Desenvolvimento de Liderança. Prof. M.e. Fernando Martins Silva Desenvolvimento de Liderança Prof. M.e. Fernando Martins Silva fernando@professorfernandomartins.com.br Fernando Martins Silva Advogado Consultor empresarial Professor universitário Coordenador da pós-graduação

Leia mais

GESPÚBLICA - FMVZ/USP

GESPÚBLICA - FMVZ/USP Universidade de São Paulo Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia GESPÚBLICA - FMVZ/USP Desburocratização & Excelência 2008 O que é GESPÚBLICA? É o programa do Ministério do Planejamento, Orçamento

Leia mais

empreendedorismo UNIDADE iii- PROCESSO EMPREENDEDOR; AMBIENTES E CARACTERÍSTICAS DE NEGÓCIO.

empreendedorismo UNIDADE iii- PROCESSO EMPREENDEDOR; AMBIENTES E CARACTERÍSTICAS DE NEGÓCIO. empreendedorismo UNIDADE iii- PROCESSO EMPREENDEDOR; AMBIENTES E CARACTERÍSTICAS DE NEGÓCIO. PROCESSO EMPREENDEDOR SE DESENVOLVE AO LONGO DO TEMPO E SE MOVE POR MEIO DE FASES DISTINTAS, MAS INTIMAMENTE

Leia mais

PALESTRA COMO DESVENDAR E RETER TALENTOS. educare

PALESTRA COMO DESVENDAR E RETER TALENTOS. educare PALESTRA COMO DESVENDAR E RETER TALENTOS Maria de Lourdes Nogueira Psicóloga, Mestre Administração de Empresas e Pós-Graduada em ADM.RH e Psicologia Organizacional. É professora do curso de Pós - Graduação

Leia mais

Teoria Básica da Administração. Organização. Professor: Roberto César

Teoria Básica da Administração. Organização. Professor: Roberto César Teoria Básica da Administração Organização Professor: Roberto César ORGANIZAÇÃO LINEAR A organização do tipo linear constitui a forma estrutural mais simples e antiga. Origem: Organização dos antigos exércitos

Leia mais

Planejamento estratégico. de pessoas

Planejamento estratégico. de pessoas Planejamento estratégico de pessoas PLANEJAMENTO ORGANIZACIONAL X PLANEJAMENTO DE RH O QUE É GESTÃO POR RESULTADOS? A cada nível hierárquico, o líder reúne-se com os líderes que lhe são imediatamente subordinados

Leia mais

Administração. Arte, Ideologia, Ciência ou Costume Moral

Administração. Arte, Ideologia, Ciência ou Costume Moral Administração Arte, Ideologia, Ciência ou Costume Moral Administração como Arte Os administradores possuem habilidade inatas, uma espécie de talento com o qual já nascem. A administração pode ser aperfeiçoada

Leia mais

Clima Organizacional

Clima Organizacional slide 1 Clima Organizacional Maria Cristina Bohnenberger cristin@feevale.br Conceitos de Clima organizacional É a qualidade ou propriedade do ambiente organizacional que é percebida ou experimentada pelos

Leia mais

TEORIA CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO. HENRI FAYOL França

TEORIA CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO. HENRI FAYOL França DA ADMINISTRAÇÃO HENRI FAYOL França HENRI FAYOL 1841-1925 Nasceu em Constantinopla, morreu em Paris. Desenvolveu a Teoria Clássica na França. Engenheiro de Minas aos 25 anos. Gerente Geral aos 47 anos.

Leia mais

A empresa e o seu ambiente

A empresa e o seu ambiente A empresa e o seu ambiente 1. Noção de empresa A) EMPRESA VS ORGANIZAÇÃO (A. SOUSA, 1994) Perspectiva 1 (externa): Inserção da organização no meio socioeconómico «Entidades que surgem para operar tecnologias

Leia mais

Desenvolvimento Organizacional. Cultura e Clima Organizacional

Desenvolvimento Organizacional. Cultura e Clima Organizacional Cultura e Clima Organizacional Atualizado em 01/03/2016 OBJETIVO: Compreender as implicações das novas configurações e alternativas que permeiam o trabalho no mundo contemporâneo; Compreender e analisar

Leia mais

Estratégia e Marketing. EGI ISEC Denise Lila Lisboa Gil Abril 2008

Estratégia e Marketing. EGI ISEC Denise Lila Lisboa Gil Abril 2008 Estratégia e Marketing EGI ISEC Denise Lila Lisboa Gil Abril 2008 A Estrutura Organizacional é o que vai servir como ponte de ligação entre a Formulação e a Implementação da Estratégia para que a empresa

Leia mais

Grupo de Estudos - Gestão de RH no Varejo. Resolução de Conflitos

Grupo de Estudos - Gestão de RH no Varejo. Resolução de Conflitos Grupo de Estudos - Gestão de RH no Varejo Resolução de Conflitos 15/10/2014 Gestão de Conflitos Somos o resultado de experiências positivas e negativas provenientes das relações inter-pessoais e circunstanciais

Leia mais

ANÁLISE ESTRATÉGICA. Análise SWOT

ANÁLISE ESTRATÉGICA. Análise SWOT ANÁLISE ESTRATÉGICA Análise SWOT 1 SWOT Integra o planejamento estratégico. Ferramenta utilizada pós definição da visão, missão e valores da organização. Pode ser feita por indivíduos ou por equipes. Inicia-se

Leia mais

(esforço). Competência entendida segundo três eixos:

(esforço). Competência entendida segundo três eixos: em Gestão de Projetos Prof. Roberto Paixão Introdução Competência = com (conjunto) + petere (esforço). Competência entendida segundo três eixos: Características da pessoa; Formação educacional; Experiência

Leia mais

Plataforma da Informação. Fundamentos da Excelência

Plataforma da Informação. Fundamentos da Excelência Plataforma da Informação Fundamentos da Excelência Modelo de Excelência em Gestão Fundamentos da Excelência O Modelo de Excelência em Gestão estimula e apoia as organizações no desenvolvimento e na evolução

Leia mais

.:. Aula 6.:. Levantamento de Necessidades de Treinamento. Profª Daniela Cartoni

.:. Aula 6.:. Levantamento de Necessidades de Treinamento. Profª Daniela Cartoni .:. Aula 6.:. Levantamento de Necessidades de Treinamento Profª Daniela Cartoni daniela_cartoni@yahoo.com.br T,D&D Antes: somente conceito de treinamento Hoje: ampliação para desenvolvimento e educação

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Capítulos 4, 5, 6 e 7 Estratégias de nível empresarial, da unidade de negócio e funcional - Depois que a organização delineou sua missão, objetivos gerais e específicos, a alta administração pode formular

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção I

Planejamento e Controle da Produção I Planejamento e Controle da Produção I Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 Introdução Planejamento Agregado: Maximizar os resultados das operações e minimizar os riscos de tomadas

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO POR COMPETÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Atualizado em 22/10/2015 GESTÃO POR COMPETÊNCIAS As competências não são estáticas, tendo em vista a necessidade de adquirir agregar novas competências individuais

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar VII e VIII Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

5. ANÁLISE E ESTRATÉGIA AMBIENTAL 5.1. CADEIA DE VALOR

5. ANÁLISE E ESTRATÉGIA AMBIENTAL 5.1. CADEIA DE VALOR 176 5. ANÁLISE E ESTRATÉGIA AMBIENTAL 5.1. CADEIA DE VALOR O escopo competitivo estabelecido por uma organização corresponde ao campo em que a mesma irá atuar: produtos, segmentos, grau de integração vertical

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Estrutura Organizacional Organização da Empresa: É a ordenação e agrupamento de atividades e recursos, visando ao alcance dos objetivos

Leia mais

Além disso, saber onde seus funcionários precisam melhorar vai ajudar e muito na criação de planos de desenvolvimento.

Além disso, saber onde seus funcionários precisam melhorar vai ajudar e muito na criação de planos de desenvolvimento. Este conteúdo faz parte da série: Avaliação de Desempenho Ver 3 posts dessa série O que é Quando o assunto é gestão de pessoas um dos tópicos mais importantes e falados é a avaliação de desempenho. Esse

Leia mais

Gerência de Projetos de TI

Gerência de Projetos de TI Gerência de de TI Experiência da COPEL SIMPROS 2001 Paulo Henrique Rathunde phr@copel.com Agenda Introdução Gerência de Definição dos Processos Implantação Reflexões 2/33 São Paulo, Brasil 17-20/09/2001

Leia mais

TÉCNICAS DE ADMINISTRAÇÃO DOS CONFLITOS

TÉCNICAS DE ADMINISTRAÇÃO DOS CONFLITOS EDUCAÇÃO EXECUTIVA Soluções em Desenvolvimento Profissional TÉCNICAS DE ADMINISTRAÇÃO DOS CONFLITOS Uma vez sendo identificada a existência de conflito, é importante saber administrá-lo para que o gerente

Leia mais

RECURSOS HUMANOS DEFINIÇÃO DE CARGOS / JOB DESIGN

RECURSOS HUMANOS DEFINIÇÃO DE CARGOS / JOB DESIGN RECURSOS HUMANOS / JOB DESIGN Introdução Conceitos, definição e origens Introdução Conceitos, definição e origens (Re)Definição de cargos? Introdução Conceitos, definição e origens Definição, conceitos

Leia mais

Eficiência e Eficácia

Eficiência e Eficácia Eficiência e Eficácia Desempenho das Organizações A eficiência é determinante da eficácia: caso haja recursos disponíveis, e estes forem utilizados corretamente, a probabilidade de atingir os objetivos

Leia mais

Prof. Carlos Machado. Unidade I GESTÃO DE PESSOAS

Prof. Carlos Machado. Unidade I GESTÃO DE PESSOAS Prof. Carlos Machado Unidade I GESTÃO DE PESSOAS As relações entre pessoas e organizações O indivíduo deve ser eficaz (à medida que o seu trabalho consegue atingir os objetivos organizacionais) e ser eficiente

Leia mais

Gestão Negócios OBJETIVO NESTA AULA. Gestão de resultados e desempenho - AULA 11

Gestão Negócios OBJETIVO NESTA AULA. Gestão de resultados e desempenho - AULA 11 de resultados e desempenho - OBJETIVO Propiciar o entendimento de teorias e métodos de avaliação de desempenho e resultados, identificando as competências essências do colaborador e as oportunidades de

Leia mais

Sumário. parte um INTRODUÇÃO. parte dois COMPORTAMENTO E PROCESSOS INDIVIDUAIS. Capítulo 1 Introdução ao campo do comportamento organizacional...

Sumário. parte um INTRODUÇÃO. parte dois COMPORTAMENTO E PROCESSOS INDIVIDUAIS. Capítulo 1 Introdução ao campo do comportamento organizacional... Sumário parte um INTRODUÇÃO Capítulo 1 Introdução ao campo do comportamento organizacional... 3 BEM VINDO AO CAMPO DO COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL!... 4 o CAMPO DO COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL... 4 Por

Leia mais

Tecnologias da informação com aplicabilidade ao RH. O Modelo Competitivo de Gestão de Pessoas

Tecnologias da informação com aplicabilidade ao RH. O Modelo Competitivo de Gestão de Pessoas Tecnologias da informação com aplicabilidade ao RH O Modelo Competitivo de Gestão de Pessoas 1 2 3 A nova economia Início do século XX Papéis determinantes para a empresa: Localização; Mão de obra barata;

Leia mais

Unidade II MODELOS DE LIDERANÇA. Prof. Gustavo Nascimento

Unidade II MODELOS DE LIDERANÇA. Prof. Gustavo Nascimento Unidade II MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento O líder como administrador de conflitos A dinâmica dos grupos organizacionais é marcada por diferentes conflitos, principalmente do tipo interpessoal,

Leia mais

2ª Parte Competindo com a Tecnologia de Informação

2ª Parte Competindo com a Tecnologia de Informação 2ª Parte Competindo com a Tecnologia de Informação Objectivos de Aprendizagem Identificar várias estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar Tecnologias da Informação para confrontar

Leia mais

Unidade I GESTÃO DAS OPERAÇÕES. Prof. Me. Livaldo dos Santos

Unidade I GESTÃO DAS OPERAÇÕES. Prof. Me. Livaldo dos Santos Unidade I GESTÃO DAS OPERAÇÕES PRODUTIVAS Prof. Me. Livaldo dos Santos Administração de operações produtivas, seus objetivos e estratégia Objetivos da unidade: Entender a função produção nas diversas organizações.

Leia mais

TEORIA CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO

TEORIA CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO TGA II TEORIA CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO Henri Fayol (1841-1925) TEORIA CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO As Funções Básicas da Empresa Funções técnicas: relacionadas com a produção de bens ou serviços da empresa.

Leia mais

CAP. 16 GESTÃO DO CONHECIMENTO E DO CAPITAL INTELECTUAL

CAP. 16 GESTÃO DO CONHECIMENTO E DO CAPITAL INTELECTUAL CAP. 16 GESTÃO DO CONHECIMENTO E DO CAPITAL INTELECTUAL Para ser líder em seu segmento de mercado e garantir vantagem competitiva, as organizações têm que trabalhar com outros recursos valiosos: o conhecimento

Leia mais

Processos Gerenciais Inovação e Criatividade. Curso de Comércio Exterior Professora: Elisangela Lima

Processos Gerenciais Inovação e Criatividade. Curso de Comércio Exterior Professora: Elisangela Lima Processos Gerenciais Inovação e Criatividade Curso de Comércio Exterior Professora: Elisangela Lima lislimas@hotmail.com Centro Universitário Padre Anchieta Processos Gerenciais 22.09.2010 Conceito...

Leia mais

MBA em Gerenciamento de Projetos. Teoria Geral do Planejamento. Professora: Maria Erileuza do Nascimento de Paula

MBA em Gerenciamento de Projetos. Teoria Geral do Planejamento. Professora: Maria Erileuza do Nascimento de Paula MBA em Gerenciamento de Projetos Teoria Geral do Planejamento Professora: Maria Erileuza do Nascimento de Paula SOBRAL - CE 2014 O que é Planejamento É um processo contínuo e dinâmico que consiste em um

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Projeto Integrado Multidisciplinar VII e

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Projeto Integrado Multidisciplinar VII e UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar VII e VIII Manual de orientações - PIM Cursos superiores de Tecnologia em: Recursos Humanos 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Administração Interdisciplinar

Administração Interdisciplinar Administração Interdisciplinar LIVRO Administração, teoria e prática no contexto brasileiro: Filipe Sobral e Alketa Peci (capítulos 1 e 2) Original: Profª Me. Elizete F. Montalvão Adaptado por Prof. Me.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO E CONTROLE

ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO E CONTROLE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO E CONTROLE Fernanda Niehues Professora: Albertina de Souza Centro Universitário Leonardo da Vinci - UNIASSELVI Processos Gerenciais (EMD0110) Prática do Módulo III 05/06/12 RESUMO

Leia mais

Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais I

Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais I Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais I Recursos e PRP (Processo de Realização do Produto) Prof. Marcos César Bottaro Os Recursos RECURSOS: é tudo que gera ou tem a capacidade de gerar riqueza

Leia mais

Vídeos Motivacionais do Prof Marcelo Marques

Vídeos Motivacionais do Prof Marcelo Marques Vídeos Motivacionais do Prof Marcelo Marques Curta minha Fanpage Facebook.com/prof.marcelomarques Baixe o material da aula na Fanpage 19052014 MATERIAL AULA DE ADMINISTRAÇÃO PLANEJAMENTO Definições Características

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: TURISMO NOVA IGUAÇU Missão Formar profissionais humanistas, críticos, reflexivos, capacitados para planejar, empreender e gerir empresas turísticas, adaptando-se ao mercado,

Leia mais

AFINAL, O QUE ROLOU NO CONARH 2016?

AFINAL, O QUE ROLOU NO CONARH 2016? AFINAL, O QUE ROLOU NO CONARH 2016? Bloco - Futuro e tendências - trabalho e RH Constelação Organizacional e a Evolução do Modelo de RH na GE - Ana Lúcia Caltabiano Trabalhabilidade e carreira: novas tendências

Leia mais

Teoria e Análise das Organizações. Prof. Dr. Onofre R. de Miranda Setembro, 2014

Teoria e Análise das Organizações. Prof. Dr. Onofre R. de Miranda Setembro, 2014 Teoria e Análise das Organizações Prof. Dr. Onofre R. de Miranda Setembro, 2014 OBJETIVOS OBJETIVO GERAL: Ressaltar a organização enquanto objeto de estudo científico; OBJETIVOS ESPECÍFICOS: o Comparar

Leia mais

Negociação Comercial

Negociação Comercial Negociação Comercial Aula 6-17/02/09 1 Negociação Comercial CONCEITOS BSC - BALANCE SCORECARD 2 O QUE É BALANCE SCORECARD O BSC é uma nova abordagem para administração estratégica, desenvolvida por Robert

Leia mais

COMPOSIÇÃO HISTÓRICA DA FORÇA DE TRABALHO USA

COMPOSIÇÃO HISTÓRICA DA FORÇA DE TRABALHO USA Mario Caixeta 1 100% COMPOSIÇÃO HISTÓRICA DA FORÇA DE TRABALHO USA Autor- Stephen Barley 80% Profissionais Liberais e técnicos Vendas 60% 50% Artesãos e similares 40% 20% Agricultores Operários 1900 1920

Leia mais

Início, identificar uma necessidade ou oportunidade, o problema e sua solução, e a estimativa inicial dos custos e prazos;

Início, identificar uma necessidade ou oportunidade, o problema e sua solução, e a estimativa inicial dos custos e prazos; O projeto Os projetos estão sempre vinculados às organizações, são de caráter transitório e seu objetivo é satisfazer ou exceder as expectativas dos mercados ou das partes interessadas (stakeholders).

Leia mais

Objetivo: Apresentar os aspectos relevantes do exercício do poder e política nas empresas. Nesta aula:

Objetivo: Apresentar os aspectos relevantes do exercício do poder e política nas empresas. Nesta aula: GESTÃO DE EQUIPES Objetivo: Apresentar os aspectos relevantes do exercício do poder e política nas empresas. Nesta aula: Bases do Poder Dependência Poder e influência na equipe DEFINIÇÕES Ao tratar de

Leia mais

A Liderança das Mulheres no Terceiro Milênio

A Liderança das Mulheres no Terceiro Milênio A Liderança das Mulheres no Terceiro Milênio ANITA PIRES EMAIL: anitap@matrix.com.br FONE/FAX: (48) 223 5152 Características Históricas Ontem: Relações autoritárias; Trabalho escravo; Patrimônio: tangível

Leia mais

Treinamento e Desenvolvimento

Treinamento e Desenvolvimento Aula 8 Treinamento e Desenvolvimento Agenda 1 2 Seminário T&D e Estratégia de RH 3 4 Treinamento & Desenvolvimento Desenvolvimento de Lideranças 1 Seminário 3 The Young and the Clueless Bunker, K. A.;

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS

ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS (FCC) ANALISTA TRT s 07 PROVAS 56 QUESTÕES (2012 2009) A apostila contém provas de Administração de Recursos Humanos de concursos da Fundação Carlos

Leia mais

Gestão Estratégica A BATALHA DE KURSK. Aula 6 Estratégia Competitiva. Prof. Dr. Marco Antonio Pereira

Gestão Estratégica A BATALHA DE KURSK. Aula 6 Estratégia Competitiva. Prof. Dr. Marco Antonio Pereira Gestão Estratégica Aula 6 Estratégia Competitiva Prof. Dr. Marco Antonio Pereira marcopereira@usp.br A BATALHA DE KURSK 1 Modelo de Porter As 5 forças Competitivas Estratégias Genéricas Propósito da Empresa

Leia mais

Estrutura e papéis do RH

Estrutura e papéis do RH Aula 3 Estrutura e papéis do RH Agenda 1 2 3 Competências da organização Estrutura e papéis do RH Competências do profissional de RH 1 Competências da Organização ULRICH, Dave; SMALLWOOD, Norm. Capitalizing

Leia mais

Desenho Organizacional

Desenho Organizacional Desenho Organizacional Prof. Paulo Cesar F. de Oliveira, BSc, PhD 1 Processos Gerenciais Seção 1.1 Requisitos do desenho organizacional 2 1 Processos Gerenciais 3 Processos Gerenciais Seção 1.2 CaracterísFcas

Leia mais

Processo e Agentes da Gestão da Qualidade

Processo e Agentes da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Processo e Agentes da Gestão da Qualidade Fernanda Villar Corrêa Vídeos - Empresa como Sistema - Gestão da Qualidade como Subsistema - Envolvem métodos de produção, avaliação

Leia mais

Gestão de Talentos Tupy RH -Projetos e Processos

Gestão de Talentos Tupy RH -Projetos e Processos Gestão de Talentos Tupy RH -Projetos e Processos Joinville, Fevereiro de 2013 Responsáveis: Equipe Gestão de Talentos 0 Guia para criação de metas Este Guia Rápido tem por objetivo ajudá-lo no alinhamento

Leia mais

Referencial Teórico. Redes de cooperação produtivas:

Referencial Teórico. Redes de cooperação produtivas: Referencial Teórico Redes de cooperação produtivas: Formas de cooperação a partir de alianças estratégicas: Complexos industriais / organizações virtuais / parques tecnológicos / incubadoras de empresas

Leia mais

Curso - Questões comentadas Banca AOCP

Curso - Questões comentadas Banca AOCP Curso - Questões comentadas Banca AOCP Específico para Assistente em Administração AMOSTRA Professor Wellington Silva P r o f. W e l l i n g t o n S i l v a - P á g i n a 1 Caro aluno (a), É com grande

Leia mais

Avaliação de Desempenho Estratégia de Desenvolvimento. Fernanda Allucci Diretora Assistencial Nov/09

Avaliação de Desempenho Estratégia de Desenvolvimento. Fernanda Allucci Diretora Assistencial Nov/09 Avaliação de Desempenho Estratégia de Desenvolvimento Fernanda Allucci Diretora Assistencial Nov/09 Avaliação de desempenho - Estratégia de desenvolvimento Roteiro de apresentação Breve histórico institucional

Leia mais

Prof. Me.Léo Noronha. Unidade I GESTÃO DAS INFORMAÇÕES

Prof. Me.Léo Noronha. Unidade I GESTÃO DAS INFORMAÇÕES Prof. Me.Léo Noronha Unidade I GESTÃO DAS INFORMAÇÕES ORGANIZACIONAIS Objetivos Cultura da informação Informação Estratégica O papel do administrador de sistemas de informação Para entender o papel do

Leia mais

Redefining the Concept of Strategy and the Strategy Formation Process. Redefinindo o Conceito de Estratégia e o Processo de Formação da Estratégia

Redefining the Concept of Strategy and the Strategy Formation Process. Redefinindo o Conceito de Estratégia e o Processo de Formação da Estratégia 1 Redefining the Concept of Strategy and the Strategy Formation Process Redefinindo o Conceito de Estratégia e o Processo de Formação da Estratégia (HAX, Arnoldo C., 1990) A imersão das estratégias constituem

Leia mais

Administração das Operações Produtivas

Administração das Operações Produtivas Administração das Operações Produtivas MÓDULO 14: A VISÃO DA QUALIDADE, DOS SISTEMAS E DOS MELHORAMENTOS Mesmo tendo sido acabado todo o projeto do produto e do processo, resta a atividade contínua do

Leia mais

ROTEIRO ORIENTATIVO PRÊMIO ANTP - ABRATI - EDIÇÃO 2016

ROTEIRO ORIENTATIVO PRÊMIO ANTP - ABRATI - EDIÇÃO 2016 ROTEIRO ORIENTATIVO PRÊMIO ANTP - ABRATI - EDIÇÃO 2016 "BOAS PRÁTICAS DO TRANSPORTE TERRESTRE DE PASSAGEIROS OBJETIVO Esse documento pretende apresentar um roteiro de orientação às empresas que pretendem

Leia mais

05/05/2014 LIDERANÇA ESTILOS DE LIDERANÇA DIFERENCIAR CHEFE DE LÍDER

05/05/2014 LIDERANÇA ESTILOS DE LIDERANÇA DIFERENCIAR CHEFE DE LÍDER LIDERANÇA DIFERENCIAR CHEFE DE LÍDER 1 LIDERANÇA Você já sentiu que não recebeu o reconhecimento merecido quando atingiu uma meta imposta por seu chefe ou realizou uma tarefa com sucesso? E, no entanto,

Leia mais

19/10/2016. Liderança em custo. Processo de administração estratégica. Estratégias corporativas. Duas estratégias corporativas genéricas

19/10/2016. Liderança em custo. Processo de administração estratégica. Estratégias corporativas. Duas estratégias corporativas genéricas Liderança em custo Prof. Francisco César Vendrame Processo de administração estratégica Análise externa Missão Objetivos Escolha da estratégia Implementação da estratégia Vantagem competitiva Análise interna

Leia mais

COLÉGIO CASTRO ALVES - EFMP

COLÉGIO CASTRO ALVES - EFMP COLÉGIO CASTRO ALVES - EFMP TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO Prof. Paulo Sérgio Tagata 1 HABILIDADES DO ADMINISTRADOR 1.1 OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM Ao finalizar o estudo deste capítulo, o aluno deverá

Leia mais