Tel.: (81) Website: Nazareno Habib Bichara Diretor Financeiro

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tel.: (81) Website: Nazareno Habib Bichara Diretor Financeiro"

Transcrição

1 Teleconferência em Português 14 de novembro de h00 (horário de Brasília) 12h00 (horário de Recife) 10h00 (US EST) Tel.: +55 (11) Código: Ser Educacional Replay: +55 (11) Código: Ser Educacional Teleconferência em Inglês 14 de novembro de h30 (horário de Brasília) 13h30 (horário de Recife) 11h30 (US EST) Tel.: +1 (412) Código: Ser Educacional Replay: +1 (412) Código: Janyo Diniz Diretor Presidente e de RI Nazareno Habib Bichara Diretor Financeiro Tel.: (81) Website:

2 Ser Educacional Registra Receita Líquida de R$111,6 Milhões no Terceiro Trimestre de 2013 EBITDA Ajustado da Companhia atinge R$37 milhões, alta de 44,7% em comparação ao mesmo período do ano anterior. Recife, 14 de novembro de 2013 O Ser Educacional S.A (BM&FBovespa SEER3, Bloomberg SEER3:BZ e Reuters SEER3.SA), maior organização privada no setor de ensino superior com atuação no Nordeste e Norte do Brasil, anuncia hoje seus resultados do terceiro trimestre de 2013 (3T13). Todas as informações são apresentadas em IFRS e Consolidado, em Reais (R$) e as comparações referem-se ao terceiro trimestre e aos primeiros nove meses de 2012, exceto se especificado de outra forma. PRINCIPAIS INDICADORES 3T13 x 3T12 113,5 mil alunos +105,5% DESTAQUES Receita Líquida R$111,6 milhões +52,3% Lucro Líquido de R$26,0 milhões +28,7% O Ser Educacional encerrou o 3T13 com uma base de 113,5 mil alunos, 105,5% superior ao 3T12. Desse total, 69,9 mil matriculados nos cursos de graduação (44,7% sobre o ano anterior), 8,2 mil nos cursos de pós-graduação (27,3% acima de 2012) e 35,5 mil nos cursos técnicos. As taxas de rematrícula da graduação presencial do 3T13 atingiram 89%. A Companhia aderiu ao PRONATEC, e foi à instituição de ensino que matriculou o maior numero de alunos no Brasil, mostrando sua eficiência e agilidade na execução bem como a força da sua marca que permitiu uma conversão de mais de 80% das vagas disponibilizadas em matriculas. Do total dos 35 mil matriculados aproximadamente 26 mil alunos compareceram a primeira semana de aula, seguindo o regulamento do MEC foram matriculados aproximadamente 5 mil alunos para repor os alunos evadidos totalizando nesta data aproximadamente 30,5 mil alunos. No terceiro trimestre o nosso EAD teve sua aprovação homologada por unanimidade pelo Conselho Nacional de Educação aguardando apenas a publicação da portaria de autorização para funcionamento. A receita operacional líquida totalizou R$111,6 milhões no 3T13, um aumento de 52,3% em relação ao terceiro trimestre de Nos nove primeiros meses de 2013 a receita foi de R$332,2 milhões, 58,5% acima do 9M12. O aumento da receita líquida ocorreu em virtude principalmente da maior captação de alunos com a introdução de novos cursos de graduação e pós graduação. É importante ressaltar que a receita liquida deste trimestre ainda não reflete o faturamento oriundo do PRONATEC, cujas aulas iniciaram apenas em 21 de outubro de O lucro bruto atingiu R$67,4 milhões, um aumento de 41,2% comparado ao 3T12, em virtude do aumento da captação de alunos. No mesmo período a margem bruta foi de 60,4% (contra 65,1% no 3T12), essa redução se deu principalmente por conta da cisão dos 1

3 imóveis pertencentes ao Grupo ocorrida em 30 de junho, aumento da base de imóveis visando sustentar o crescimento da Companhia e ajustes dos contratos de alugueis existentes. No 9M13 o lucro bruto alcançou R$207,3 milhões com uma margem de 62,4%, contra R$135,9 milhões nos 9M12, com uma margem de 64,8% no 9M12. No período, o EBITDA ajustado alcançou R$37,0 milhões, 44,7% superior ao 3T12. A margem EBITDA ajustada atingiu 33,2%. Nos nove primeiros meses de 2013 O EBITDA ajustado foi de R$123,0 milhões um aumento de 67,4% em comparação aos 9M12 e com uma margem de 37,0%, 2,0 p.p. acima do apresentado no mesmo período de O lucro líquido somou R$26,0 milhões no 3T13, um aumento de 28,7% em relação ao ano anterior, enquanto a margem líquida fechou o período em 23,3% (4,3 p.p. abaixo de 2012). TABELA DE DESTAQUES Destaques (Valores em R$ ('000)) 3T13 3T12 Var. (%) 9M13 9M12 Var. (%) Receita Líquida ,3% ,5% Lucro Bruto ,2% ,6% Margem Bruta 60,4% 65,1% -4,7 p.p. 62,4% 64,8% -2,4 p.p. Resultado Operacional ,9% ,3% Margem Operacional 31,0% 32,8% -1,8 p.p. 33,6% 33,0% 0,6 p.p. EBITDA ,6% ,5% Margem EBITDA 35,6% 36,7% -1,1 p.p. 37,7% 37,0% 0,7 p.p. EBITDA Ajustado ,7% ,4% Margem EBITDA 33,2% 34,9% -1,7 p.p. 37,0% 35,1% 2,0 p.p. Lucro (Prejuízo) Líquido ,7% ,8% Margem Líquida 23,3% 27,5% -4,3 p.p. 28,5% 27,6% 0,9 p.p. MENSAGEM DA ADMINSTRAÇÃO A Ser Educacional é a maior organização privada no setor de ensino superior nas regiões Nordeste e Norte do Brasil. A rede da Companhia é composta por 23 unidades, sendo um Centro Universitário, todas localizadas nas regiões Nordeste e Norte do Brasil, regiões estas que apresentam o maior potencial de crescimento para o ensino superior no País. Isso se deve ao fato dessas regiões apresentarem crescimento econômico acima da média, porém com taxas de penetração do ensino superior abaixo da média nacional. O PIB do Nordeste e Norte no período entre 2004 e 2010 (informações mais recentes disponibilizadas pelo IBGE) cresceu 5,2% e 5,6%, respectivamente, comparado a 4,0% na média nacional, enquanto as atuais taxas de penetração do ensino superior estimadas pelo IBGE/Pnad estão em 10,6% no Nordeste e 10,4% no Norte, comparado a média brasileira de 14,6%. Os resultados desse terceiro trimestre refletem o posicionamento sustentável do Ser Educacional, com sua estratégia baseada em oferecer cursos superiores nas regiões mais promissoras do Brasil e uma proposta diferenciada de valor aos seus estudantes. A Companhia considera preponderante para o sucesso e sustentabilidade de seus negócios, oferecer cursos de qualidade a preços competitivos, instituições de ensino fortes e reconhecidas 2

4 no mercado de trabalho, com marcas que se destacam nas regiões em que atuam como a Maurício de Nassau e Joaquim Nabuco. Essas instituições oferecem cursos em unidades localizadas em espaços privilegiados nos centros urbanos em que atuam, permitindo acesso conveniente a seus estudantes, com uma metodologia de ensino dentro dos conceitos pedagógicos acadêmicos mais avançados do Brasil. Como resultado desse processo acadêmico, 100% dos conceitos globais de autorização e reconhecimento dos cursos são considerados satisfatórios pelo MEC e 80,0% dos cursos que atuavam com o modelo pedagógico da Companhia e que participaram do ENADE 2012 apresentaram resultado satisfatório (ENADE 3 e ENADE 4). Nesse cenário, a Companhia mais que dobrou sua base de estudantes na comparação entre o 3T13 e o 3T12, atingindo a marca dos 113,5 mil alunos o que se refletiu em um aumento de 52,3% na receita líquida em comparação ao mesmo período, com margens operacionais consistentes e acima da média do setor educacional brasileiro, mesmo sem o impacto das receitas do PRONATEC, cujas aulas iniciaram apenas em 21 de outubro de Em agosto de 2013 o Grupo Ser Educacional completou 10 anos de atuação. Com ousadia para empreender, a Companhia soube construir e gerar valor aos seus stakeholders com responsabilidade, tornando-se um grupo firme e sustentável. Essa posição de mercado se deve a um sonho maior: ajudar as regiões Nordeste e Norte a ingressar mais rapidamente aos níveis de desenvolvimento compatíveis com as economias globais, oferecendo educação de qualidade a população brasileira. Janyo Diniz Diretor Presidente e de Relações com Investidores 3

5 DESEMPENHO OPERACIONAL Captação de novos alunos Base de Alunos O Ser Educacional apresentou expressivo crescimento no número de alunos de graduação e em receita líquida nos últimos anos, tendo em vista que entre 31 de dezembro de 2010 e 30 de junho 4

6 de 2013, a sua base de alunos de graduação cresceu a uma taxa composta anual (CAGR) de 41,5%. A Companhia disponibilizou aproximadamente 43 mil vagas para o PRONATEC para as quais cerca de 49 mil alunos se candidataram e 35 mil foram matriculados. Atribui-se ao sucesso do volume de matriculas a força da marca das unidades do Grupo Ser Educacional. Cabe destacar que foram oferecidas vagas para o PRONATEC em apenas 5 de nossas unidades. Evolução do Número de Alunos Total 2T13 x 3T13 A seguir, é apresentada a evolução de alunos do Ensino Superior: Número Total de Alunos Base 2T13 Captação Egressos Evasão Base 3T13 O saldo final do número de alunos no 3T13, considerando as modalidades presenciais da graduação, pós-graduação e ensino técnico apresentam um crescimento de 49,0% em relação a base de alunos do 2T13. O respectivo resultado é derivado do crescimento de 4,6% número de alunos de Graduação e do incremento de, aproximadamente, 35 mil alunos oriundos do PRONATEC. As taxas de rematrícula da graduação presencial do 3T13 atingiram 89,0%. A Companhia tem hoje 72,7% de seus alunos nos primeiro e segundo ano dos cursos. Número de Alunos Graduação Pós-Graduação Cursos Técnicos Total Total Total Total Total Base 2T Captação * Egressos (2.000) (1.315) (516) (3.831) Evasão (8.937) (43) (63) (9.043) Base 3T % Base 3T13 / Base 2T13 4,6% -3,4% N.M. 49,0% * Fonte: SISUTEC 5

7 Crescimento Orgânico A Companhia possui vagas anuais. Em 2013 foram autorizados 43 novos cursos, totalizando um aumento de vagas anuais ofertadas. Adicionalmente no período de 9 meses de 2013, adquirimos 31 cursos equivalendo a um total de vagas anuais A Companhia segue desenvolvendo a sua estratégia de crescimento orgânico, baseado no credenciamento de novas unidades e autorizações de novos cursos. ENADE Ao analisarmos os dados do último ENADE (Exame Nacional de Desempenho de Estudantes), é possível observar a existência de um resultado significativamente superior das turmas que foram desenvolvidas pelo modelo pedagógico do Grupo, quando comparadas àqueles cursos que foram Avaliação Todas as IES do Grupo Avaliação Modelo Pedagógico Ser Educacional Nota Qtd. Qtd. % Cursos Cursos % ENADE ,8 7 20,0 ENADE , ,9 ENADE ,9 6 17,1 Total , =80,0% incorporados das empresas adquiridas. O Grupo Ser Educacional obteve 80,0 % dos cursos avaliados no ENADE com conceitos satisfatórios (ENADE 3 e ENADE 4), isto considerando as instituições que atuavam com o modelo pedagógico da Companhia em Acreditamos que com a implementação do modelo pedagógico do Grupo Ser Educacional o resultado das instituições adquiridas atingirá resultados satisfatórios. 6

8 DESEMPENHO FINANCEIRO Receita Líquida Receita Líquida (Valores em R$ ('000)) 3T13 3T12 Var. (%) 9M13 9M12 Var. (%) Receita Operacional Bruta ,7% ,1% Mensalidades de Graduação ,5% ,4% Mensalidades de Pós Graduação ,3% ,6% Outras ,8% ,9% Deduções da Receita Bruta (24.586) (14.200) 73,1% (65.997) (42.268) 56,1% Descontos e Bolsas (18.958) (10.511) 80,4% (49.613) (31.529) 57,4% Impostos (5.628) (3.689) 52,6% (16.384) (10.739) 52,6% % Descontos e Bolsas/ Receita Operacional Bruta 13,9% 12,0% 1,9 p.p. 12,5% 12,5% 0,0 p.p. Receita Operacional Líquida ,3% ,5% No terceiro trimestre de 2013, a receita líquida dos serviços prestados aumentou em 52,3%, passando de R$73,3 milhões no 2T12, para R$111,6 milhões. O crescimento apresentado devese, principalmente, a esforços comerciais e introdução de novos cursos que levaram a um aumento da captação de alunos. Pelos mesmos motivos, para o período acumulado de 9 meses, o crescimento foi ainda maior, de 58,5%, principalmente em virtude do crescimento da receita de graduação, que foi de 60,4%. Cabe destacar que, desconsiderando o efeito do crescimento da Companhia, a sazonalidade das receitas provenientes das mensalidades e taxas, varia com a taxa de evasão e inadimplência de alunos, que aumenta cumulativamente ao longo do primeiro semestre. Os descontos sobre a receita bruta aumentaram em função da maior participação dos alunos provenientes do FIES, financiados pelo Fundo de Garantia de Operações de Crédito Educativo (FGEDUC). De modo geral, as receitas recuperam-se no terceiro trimestre com novas matrículas e caem novamente no quarto trimestre. Ticket Médio Líquido No 3T13 o ticket médio total cresceu 12,8% quando comparado ao mesmo período do ano anterior. O crescimento observado pode ser explicado pelo repasse acima da inflação do período e pela melhora de mix de produtos. O ticket médio do período foi de R$ 511,86 e R$ 453,78 do 3T12. 7

9 Custo dos Serviços Prestados Composição dos Custos dos Serviços Prestados¹ (Valores em R$ ('000)) 3T13 3T12 Var. (%) 9M13 9M12 Var. (%) Custos Caixa dos Serviços Prestados (42.487) (24.386) 74,2% ( ) (70.781) 69,3% Pessoal e encargos (27.743) (17.651) 57,2% (81.258) (50.713) 60,2% Aluguéis (11.099) (3.445) 222,2% (24.638) (9.710) 153,7% Concessionarias (1.625) (2.022) -19,6% (8.483) (6.825) 24,3% Serviço de terceiros e outros (2.020) (1.268) 59,3% (5.423) (3.533) 53,5% ¹ Excluindo Depreciação Os custos caixa dos serviços aumentaram em 74,2%, passando de R$24,4 milhões no 3T12 para R$42,5 milhões 3T13. Essa variação se deu por conta do aumento das despesas com aluguéis e despesas com pessoal e encargos. O aumento em aluguéis ocorreu em virtude dos seguintes fatores: (i) cisão dos imóveis pertencentes ao Grupo ocorrida em 30 de junho, (ii) aumento da base de imóveis visando sustentar o crescimento da Companhia e (iii) reajustes dos contratos de alugueis existentes. O aumento de custos de pessoal foi em decorrência do aumento do corpo docente para possibilitar a expansão do número de alunos. Como percentual da receita líquida dos serviços prestados, os custos caixa dos serviços prestados passaram de 33,3% para 38,1% no mesmo período. Em termos acumulados, custos caixa dos serviços aumentaram 69,3% no 9T13 em relação ao ano anterior. % em relação à receita operacional líquida 3T13 3T12 Var. (%) 9M13 9M12 Var. (%) Custos Caixa dos Serviços Prestados -38,1% -33,3% 4,8 p.p. -36,1% -33,8% -2,3 p.p. Pessoal e encargos -24,9% -24,1% 0,8 p.p. -24,5% -24,2% -0,3 p.p. Aluguéis -9,9% -4,7% 5,2 p.p. -7,4% -4,6% -2,8 p.p. Concessionarias -1,5% -2,8% -1,3 p.p. -2,6% -3,3% 0,7 p.p. Serviço de terceiros e outros -1,8% -1,7% 0,1 p.p. -1,6% -1,7% 0,1 p.p. Reconciliação do Custo (Valores em R$ ('000)) 3T13 3T12 Var. (%) 9M13 9M12 Var. (%) Custos Caixa dos Serviços Prestados (42.487) (24.386) 74,2% ( ) (70.781) 69,3% (+) Depreciação (1.683) (1.158) 45,3% (5.101) (2.894) 76,3% Custos dos Serviços Prestados (44.170) (25.544) 72,9% ( ) (73.675) 69,5% 8

10 Lucro Bruto Lucro Bruto (Valores em R$ ('000)) 3T13 3T12 Var. (%) 9M13 9M12 Var. (%) Receita Operacional Líquida ,3% ,5% Custos dos serviços prestados (44.170) (25.544) 72,9% ( ) (73.675) 69,5% Lucro Bruto ,2% ,6% Margem Bruta 60,4% 65,1% -4,7 p.p. 62,4% 64,8% -2,4 p.p. (-) Depreciação ,3% ,3% Lucro Bruto Caixa ,3% ,1% Margem Bruta Caixa 61,9% 66,7% -4,8 p.p. 63,9% 66,2% -2,3 p.p. Pelos fatores discutidos acima, o lucro bruto aumentou 41,2%, passando de R$47,7 milhões 3T12 para R$67,4 milhões no 3T13. A margem bruta alcançou 60,4% no 3T13 ante 65,1% no 3T12. Nos nove primeiros meses de 2013 o lucro bruto atingiu R$207,3 milhões, 52,6% acima do mesmo período do ano anterior. Em relação as margens passaram de 64,8% no 9M12 para 62,4% no 9M13. Despesas Operacionais (Comerciais, Gerais e Administrativas) Despesas Operacionais (Valores em R$ ('000)) 3T13 3T12 Var. (%) 9M13 9M12 Var. (%) Despesas Operacionais (32.935) (23.086) 42,7% (92.623) (65.000) 42,5% Pessoal e encargos (13.837) (8.439) 64,0% (36.957) (23.394) 58,0% Serviços Prestados por Pessoa Física e Jurídica (3.769) (2.477) 52,2% (11.070) (7.032) 57,4% Publicidade (5.347) (5.151) 3,8% (13.202) (14.437) -8,6% PDD (2.710) (2.467) 9,9% (11.775) (7.281) 61,7% Depreciação e Amortização (3.442) (1.716) 100,6% (8.430) (5.417) 55,6% Materiais de Expediente (1.551) (1.014) 53,0% (4.051) (2.808) 44,3% Outros (2.279) (1.822) 25,1% (7.138) (4.631) 54,1% As despesas gerais e administrativas aumentaram em 42,7%, passando de R$23,1 milhões no período de três meses encerrado em 30 de setembro de 2012, para R$32,9 milhões no mesmo período de 2013, devido, principalmente, ao aumento de despesas com pessoal e encargos sociais (de R$8,4 milhões no 3T12 para R$13,8 milhões 2013) em virtude do dissidio salarial e aumento de headcount relacionado a expansão e adequação das áreas administrativas para fazer frente ao crescimento da Companhia. 9

11 % em relação à receita operacional líquida 3T13 3T12 Var. (%) 9M13 9M12 Var. (%) Despesas Operacionais -29,5% -31,5% -2,0 p.p. -27,9% -31,0% -3,1 p.p. Pessoal e encargos -12,4% -11,5% 0,9 p.p. -11,1% -11,2% 0,0 p.p. Serviços Prestados por Pessoa Física e Jurídica -3,4% -3,4% 0,0 p.p. -3,3% -3,4% 0,0 p.p. Publicidade -4,8% -7,0% -2,2 p.p. -4,0% -6,9% -2,9 p.p. PDD -2,4% -3,4% -0,9 p.p. -3,5% -3,5% 0,1 p.p. Depreciação e Amortização -3,1% -2,3% 0,7 p.p. -2,5% -2,6% 0,0 p.p. Materiais de Expediente -1,4% -1,4% 0,0 p.p. -1,2% -1,3% -0,1 p.p. Outros -2,0% -2,5% -0,4 p.p. -2,1% -2,2% -0,1 p.p. As despesas operacionais representaram 29,5% da receita líquida no 3T13, gerando um ganho de margem de 2,0 p.p. quando comparado com o 3T12. Vale ainda destacar a evolução da conta de PDD, que gerou um ganho de 0,9 p.p. na comparação trimestral, em função da maior proporção de alunos financiados pelo FIES, que por sua vez também aumentaram sua participação no FGEDUC. Em termos anuais acumulados, a companhia registrou um ganho de margem de 3,1 p.p. quando comparado com o ano anterior. EBITDA Para os períodos encerrados em 30 de setembro de 2012 e 2013 a conciliação entre os valores do EBITDA e EBITDA Ajustado foram realizadas da seguinte forma: EBITDA (Valores em R$ ('000)) 3T13 3T12 Var. (%) 9M13 9M12 Var. (%) Lucro (Prejuízo) Líquido¹ ,7% ,8% (+) Despesas financeiras líquidas² ,6% ,0% (+) Imposto de renda e contribuição social ,4% ,1% (+) Depreciação e Amortização ,3% ,8% EBITDA³ ,6% ,5% Margem EBITDA 35,6% 36,7% -1,1 p.p. 37,7% 37,0% 0,7 p.p. (+) Receita de juros e multa sobre mensalidades ,7% ,7% (+) Custos e Despesas Não Recorrentes ,0% ,0% (-) Aluguéis mínimos pagos 7 (5.225) (2.072) 152,2% (9.368) (6.065) 54,5% EBITDA Ajustado ,7% ,4% Margem EBITDA Ajustada 33,2% 34,9% -1,7 p.p. 37,0% 35,1% 2,0 p.p. 1 Em função da nossa adesão ao PROUNI, temos benefícios fiscais que afetam nosso lucro líquido 2 As despesas financeiras líquidas são compostas pelo nosso resultado financeiro líquido. 3 EBITDA não é uma medida contábil. 4 O EBITDA Ajustado corresponde à soma do EBITDA com (a) resultado financeiro das receitas com multas e juros sobre as mensalidades, (b) custos e despesas não recorrentes e (c) os aluguéis mínimos pagos. 5 Receita de juros e multa sobre mensalidades são compostas pelo nosso resultado financeiro, líquido, oriundo da receita de juros e de multas sobre mensalidades corresponde aos encargos financeiros sobre as mensalidades negociadas e mensalidades pagas em atraso. 6 Os custos e despesas não recorrentes são compostos principalmente por gastos ligados a fusões e aquisições de empresas, os quais não impactariam a geração usual de caixa. 7 Os aluguéis mínimos são compostos pelos contratos de aluguel registrados como arrendamentos financeiros pelo CPC 06, os gastos destes arrendamentos não transitam pelo nosso EBITDA, compondo o EBITDA ajustado. Conforme explanado acima, a geração de caixa medida pelo EBITDA Ajustado para o período 3T13 somou R$37,0 milhões e, para o 3T12, R$25,6 milhões. A margem EBITDA encerrou o trimestre em 33,2%, sendo uma das maiores margens do setor educacional brasileiro, no ensino superior presencial. No acumulado do ano, a margem EBITDA ajustada ficou em 37,0%. 10

12 Resultado Financeiro Resultado Financeiro (Valores em R$ ('000)) 3T13 3T12 Var. (%) 9M13 9M12 Var. (%) (+) Receita Financeira ,6% ,1% Juros sobre Mensalidades e Acordos ,7% ,7% Rendimentos de aplicações financeiras ,3% ,1% Outros ,2% ,8% (-) Despesa Financeira (10.529) (4.440) 137,1% (21.858) (12.902) 69,4% Despesas de Juros (3.520) (1.740) 102,3% (7.482) (5.073) 47,5% Juros de Arrendamentos Mercantis (5.067) (1.824) 177,8% (8.807) (5.393) 63,3% Descontos Concedidos (1.365) (585) 133,3% (3.894) (1.608) 142,2% Outros (577) (291) 98,3% (1.675) (828) 102,3% Resultado Financeiro (7.712) (3.418) 125,6% (13.930) (10.169) 37,0% As receitas financeiras aumentaram em 175,6% passando de R$1,0 milhão no período de três meses encerrado em 30 de setembro de 2012, para R$2,8 milhões no mesmo período de 2013, em decorrência, principalmente, de juros sobre mensalidades pagas em atraso e juros sobre negociação de acordos efetuados, consequência da maior eficiência nos procedimentos de cobrança e negociação implantados pela Companhia. As despesas financeiras aumentaram em 137,1%, passando de R$4,4 milhões no 3T12, para R$10,5 milhões no 3T13, em decorrência, principalmente, de juros de arrendamentos mercantis relativo as novas propriedades alugadas e aumento do endividamento bruto da Companhia. Lucro Líquido Lucro Líquido (Valores em R$ ('000)) 3T13 3T12 Var. (%) 9M13 9M12 Var. (%) Lucro Operacional ,9% ,3% (+) Resultado Financeiro (7.712) (3.418) 125,6% (13.930) (10.169) 37,0% (+) IR / CS do Exercício (911) (452) 101,5% (3.041) (1.222) 148,9% (+) IR / CS Diferidos (13) - 0,0% 58-0,0% Lucro (Prejuízo) Líquido ,7% ,8% Margem Líquida 23,3% 27,5% -4,3 p.p. 28,5% 27,6% 0,9 p.p. O lucro operacional apresentou um crescimento de 43,9%, passando de R$24,0 milhões no 3T12, para R$34,6 milhões no 3T13. Esse aumento deve-se, principalmente, ao robusto crescimento da base de alunos que incide diretamente no aumento das receitas. Pelos motivos expostos acima, o lucro líquido do período aumentou de R$20,2 milhões no período de três meses encerrado em 30 de setembro de 2012, para R$26 milhões no mesmo período de 2013, representando um aumento de 28,7%. Como percentual da receita líquida dos serviços prestados, o lucro líquido do exercício passou de 27,5% para 23,3% nos mesmos períodos, representando uma queda de 4,3 p.p. na margem líquida. 11

13 Em termos anuais acumulados a Companhia registrou um crescimento ainda maior em relação ao ano anterior, de 61,3%. A margem líquida, para o mesmo período, aumentou 0,9 p.p. FIES FIES ('000) Dez/10 Dez/11 Dez/12 2T13 3T13 Alunos Alunos FIES % de Alunos FIES 3,6% 8,6% 32,7% 39,4% 40,7% O Programa de Financiamento Estudantil, ou FIES é um programa do MEC para financiar alunos que não podem arcar com o custo total de sua educação. Para receber os benefícios do FIES, os alunos devem estar regularmente matriculados em uma instituição de ensino superior privada registrada no FIES que tenha avaliação positiva do MEC. Em função do aumento da penetração do FIES como opção de financiamento de nossos alunos, nossa exposição ao repasse das mensalidades do FIES por parte do Governo Federal está aumentando. Os cursos de graduação são o principal componente da receita e representam aproximadamente 97,0% de nossa receita bruta total no final de 9 meses de 2013, os alunos que possuem o crédito educativo do FIES representam 41,7% da receita líquida total da Companhia ao final de 30 setembro de

14 Contas a Receber e Prazo Médio de Recebimento Evolução de Contas e Prazo Médio a Receber (Valores em R$ ('000)) 4T12 1T13 2T13 3T13 Var. (%) Contas a Receber Bruto ,8% Mensalidades de alunos ,7% FIES ,9% Acordos a receber ,2% Créditos Educativos a Receber ,4% Outros ,2% Saldo PDD (45.661) (48.284) (54.726) (13.408) -70,6% Contas a Receber Líquido ,6% Receita Liquida (Últimos 12 meses - FIES+Ex-FIES) ,3% Dias do Contas a Receber Líquido (FIES+Ex-FIES) ,1% Receita Líquida FIES (Últimos 12 meses) ,9% Dias do Contas a Receber Líquido FIES e Receita FIES ,7% A Companhia aumentou seu contas a receber de clientes líquido de R$55,1 milhões em 31 de dezembro de 2012 para R$90,2 milhões em 30 de setembro de Esse aumento justifica-se pelo aumento da base de alunos total e da base de alunos financiados pelo FIES. Já para as contas de longo prazo, teve uma redução de 13,9%, de R$7,7 milhões em 31 de dezembro de 2012 para R$6,2 milhões em 30 de setembro de 2013, em decorrência principalmente do encerramento do sistema de créditos próprios. Em relação ao PDD, A Companhia constitui provisão para crédito de liquidação duvidosa em montante considerado suficiente pela administração para fazer em face de eventuais perdas na realização das contas a receber, considerando os riscos envolvidos. O critério utilizado pela Companhia é provisionar 100% dos recebíveis vencidos a mais de 180 dias, complementados pelo provisionamento do FIES. Aging dos Acordos a Receber (Valores em R$ ('000)) 3T13 Var. (%) 4T12 Var. (%) A vencer ,0% ,4% Vencidas até 30 dias ,6% ,7% Vencidas de 31 a 60 dias ,1% ,8% Vencidas de 61 a 90 dias 853 5,1% ,0% Vencidas de 91 a 179 dias ,1% ,2% Vencidas há mais de 180 dias ,1% ,9% TOTAL ,0% ,0% % sobre o Contas a Receber Bruto 16,1% 20,4% Os acordos a receber de alunos referem-se a renegociações dos alunos inadimplentes da Companhia. Podemos observar na tabela acima que 43,0% dos acordos estavam para vencer em um prazo menor que 30 dias. 13

15 A tabela abaixo mostra a evolução de nosso PDD de 31 de Dezembro de 2012 até 30 de Setembro de 2013: Constituição da Provisão para Devedores Duvidosos na DRE (Valores em R$ ('000)) 31/12/12 Aumento bruto da provisão para inadimplência Baixa 30/09/13 Total (44.028) A provisão para devedores duvidosos da Ser Educacional teve redução de saldo passando de R$45,7 milhões para R$13,4 milhões, principalmente por conta de uma baixa de R$44,0 milhões, vencidos a mais de 360 dias. Investimento (CAPEX) CAPEX (Valores em R$ ('000)) 9M13 % do Total 12M12 % do Total CAPEX Total ,0% ,0% Aquisições de Imóveis/Construção / Reforma de campi ,7% ,3% Equipamentos/Biblioteca/TI ,6% ,6% Licenças MEC ,0% ,2% Veiculos e aeronave ,4% ,3% Aquisições ,2% ,6% Os investimentos realizados no exercício findo em 30 de setembro de 2013 totalizaram R$83,6 milhões, sendo 60,7% ou R$50,7 milhões, destinados a aquisições de imóveis, construção de novos campi e reformas, 19,6% para equipamentos, biblioteca e TI e 15,2% para aquisições. A Companhia está realizando os investimentos de expansão na maioria das praças que atuamos para suportar o crescimento orgânico, e também em novas localizações para abertura de novas unidades que estão em fase de credenciamento pelo ministério da educação. Endividamento Endividamento (Valores em R$ ('000)) 3T13 4T12 Var. (%) Patrimônio líquido ,2% Caixa e disponibilidades ,7% Endividamento bruto ( ) (95.555) 34,6% Empréstimos e Financiamentos ( ) (81.396) 33,3% Curto prazo (19.187) (38.854) -50,6% Longo prazo (89.286) (42.542) 109,9% Compromissos a pagar * (20.162) (14.159) 42,4% Endividamento líquido ( ) (78.373) 38,8% Dívida líquida / EBITDA Ajustado 0,79 0,89-10,2 p.p. * Compromissos a pagar referem-se à parcelas a vencer de aquisições. 14

16 O índice de endividamento da Companhia, calculado pela divisão de nossa dívida líquida pelo EBITDA Ajustado do período dos últimos 12 meses findo em 30 de setembro de 2013, foi de 0,79x inferior ao 4T02 que era de 0,89x. Em relação ao cronograma da dívida, apenas 14,9% é de curto prazo, sendo que, aproximadamente, 60% tem vencimento após Fluxo de Caixa Cronograma da Dívida (Valores em R$ ('000)) 3T13 AH. (%) Curto Prazo ,9% Total Curto Prazo ,9% Longo Prazo ,5% ,9% ,0% ,2% Depois de ,5% Total Longo Prazo ,1% Total de Empréstimos, Financiamentos e compromissos à pagar ,0% O aumento líquido do caixa no período de nove meses encerrado em 30 de setembro de 2013 foi de R$2,7 milhões, sendo que foram gerados R$107,2 milhões com as atividades operacionais, R$83,7 milhões foram investidos nas atividades de investimento e houve uma redução de R$20,9 milhões de caixa líquido proveniente das atividades de financiamento, conforme reconciliação abaixo: Geração de Caixa (Valores em R$ ('000)) 9M13 9M12 Var. (%) Fluxos de caixa das atividades operacionais Caixa líquido gerado pelas atividades operacionais ,6% (-) Fluxo de caixa aplicado nas atividades de investimento (83.638) (63.423) 31,9% (+) Fluxo de caixa aplicado nas atividades de financiamento (20.851) (10.542) 97,8% Aumento de caixa e equivalentes de caixa (10.747) nm Demonstração do aumento líquido de caixa e equivalentes de caixa No início do período ,8% No fim do período ,8% Aumento de caixa e equivalentes de caixa (10.747) nm 15

17 SOBRE O GRUPO SER EDUCACIONAL Fundado em 2003 e com sede em Recife, o Grupo Ser Educacional (BM&FBovespa SEER3, Bloomberg SEER3:BZ e Reuters SEER3.SA) é a maior organização privada no setor de ensino superior nas regiões Nordeste e Norte do Brasil. A Companhia oferece cursos de graduação, pósgraduação e técnicos a estudantes e está presente em 11 estados e 16 cidades, reunindo 23 unidades, mais de 113 mil alunos e 6 mil colaboradores. A companhia opera sob as marcas Faculdades Maurício de Nassau, UNINASSAU Centro Universitário Maurício de Nassau, Faculdades Joaquim Nabuco, Escolas Técnicas Joaquim Nabuco e Maurício de Nassau, através das quais oferece mais de 300 cursos. ANEXOS Demonstração de Resultados Demonstração de Resultados (Valores em R$ ('000)) 3T13 3T12 Var. (%) 9M13 9M12 Var. (%) Receita de Venda de Bens e/ou Serviços ,3% ,5% Custo dos Bens e/ou Serviços Vendidos (44.170) (25.544) 72,9% ( ) (73.675) 69,5% Lucro Bruto ,2% ,6% Despesas/Receitas Operacionais (32.840) (23.707) 38,5% (95.622) (66.636) 43,5% Despesas Gerais e Administrativas (32.935) (23.086) 42,7% (92.623) (65.000) 42,5% Outras Despesas/Receitas Operacionais 95 (621) N.M. (2.999) (1.636) 83,3% Lucro Operacional ,9% ,3% Resultado Financeiro (7.712) (3.418) 125,6% (13.930) (10.169) 37,0% Receitas Financeiras ,6% ,1% Despesas Financeiras (10.529) (4.440) 137,1% (21.858) (12.902) 69,4% Resultado Antes dos Tributos sobre o Lucro ,4% ,5% Imposto de Renda e Contribuição Social sobre o Lucro (924) (452) 104,4% (2.983) (1.222) 144,1% Lucro/Prejuízo Consolidado do Período ,7% ,8% Atribuído a Acionistas da Controladora ,9% ,0% Atribuído a Acionistas Não Controladores - 25 N.M. (23) ,5% Média Ponderada de Ações no Período (em milhares) ,0% Lucro por Ação Atribuído aos Controladores - (Reais / Ação) 0,24 0,19 28,9% 0,88 0,54 64,0% 16

18 Balanço Patrimonial Balanço Patrimonial - ATIVO (Valores em R$ ('000)) 30/09/13 31/12/12 Var. (%) Ativo Total ,7% Ativo Circulante ,2% Caixa e Equivalentes de Caixa ,7% Contas a receber de clientes ,0% Tributos a recuperar ,2% Adiantamentos a fornecedores ,6% Partes relacionadas ,5% Outros Ativos ,4% Ativo Não Circulante ,8% Ativo Realizável a Longo Prazo ,8% Contas a receber de clientes ,3% Outros Ativos ,8% Ativos de indenização N.M. Intangível ,6% Imobilizado ,3% Balanço Patrimonial - PASSIVO (Valores em R$ ('000)) 30/09/13 31/12/12 Var. (%) Passivo Total ,9% Passivo Circulante ,5% Fornecedores ,7% Compromissos a Pagar ,3% Empréstimos e financiamentos ,6% Salários e encargos sociais ,4% Tributos a recolher ,4% Imposto de renda e contribuição social a recolher ,8% Obrigações de Arrendamento Mercantil ,5% Dividendos a pagar N.M. Outros Passivos ,9% Passivo Não Circulante ,2% Empréstimos e financiamentos ,9% Obrigações de Arrendamento Mercantil ,2% Compromissos a pagar ,9% Tributos a recolher - 78 N.M. Parcelamentos de tributos N.M. Provisão para contingências ,0% Patrimônio Líquido Consolidado ,2% Capital Social Realizado ,6% Reservas de Lucros ,5% Lucros/Prejuízos Acumulados N.M. Ajustes de Avaliação Patrimonial (3.285) (4.929) -33,4% Participação dos Acionistas Não Controladores - 23 N.M. Total do Passivo e do Patrimonio Líquido ,7% 17

19 Fluxo de Caixa Fluxo de Caixa (Valores em R$ ('000)) 30/09/13 30/09/12 Var. (%) Lucro Líquido Consolidado do Período Antes do I.R. e da Cont. Social ,5% Caixa Líquido Atividades Operacionais ,6% Caixa Gerado nas Operações ,4% Depreciações e Amortizações ,8% Porvisão para Créditos de Liquidação Duvidosa ,7% Juros e Variação Cambial, Líquida ,6% Variações nos Ativos e Passivos (24.005) (16.722) 43,6% Contas a Receber de Clientes (47.083) (30.342) 55,2% Impostos a Recuperar 732 (765) -195,7% Adiantamentos (3.853) (3.421) 12,6% Outros ativos (2.545) N.M. Fornecedores ,3% Salários, encargos e Contr. Social ,6% Tributos a recolher 206 (38) -642,1% Imposto de Renda e Contribuição Social a Recolher ,2% Provisão 418-0,0% Outros passivos (481) N.M. Outros (8.149) (5.184) 57,2% Juros pagos de empréstimos (5.184) (3.962) 30,8% Imposto de Renda e Contribuição Social Pagos (2.965) (1.222) 142,6% Caixa Líquido Atividades de Investimento (83.638) (63.423) 31,9% Adições ao imobilizado (65.053) (59.594) 9,2% Adições ao intangível (5.845) (1.705) 242,8% Aquisição de Controladas (12.740) (2.124) 499,8% Caixa Líquido Atividades de Financiamento (20.851) (10.542) 97,8% Captação de empréstimos e financiamentos N.M. Amortização de empréstimos e financiamentos (38.271) (2.214) 1628,6% Amortização de arrendamentos mercantis (2.925) (725) 303,4% Partes relacionadas - (441) N.M. Dividendos (34.035) (7.330) 364,3% Aumento (Redução) de Caixa e Equivalentes (10.747) N.M. Saldo Inicial de Caixa e Equivalentes ,8% Saldo Final de Caixa e Equivalentes N.M. 18

DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS 1T10

DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS 1T10 DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS 1T10 TELECONFERÊNCIAS 12/05/2010 (quarta-feira) AGENDA 2010 Uma só empresa, melhor e mais forte SUMÁRIO EXECUTIVO 1 PRESENÇA NACIONAL 2 2 1 720 escolas associadas no Ensino Básico

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE

NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE Prof. Wanderson S. Paris, M.Eng. prof@cronosquality.com.br NOÇÕES DE CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO BALANÇO PATRIMONIAL DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS X ATIVIDADES

Leia mais

Reunião com Investidores 15 de setembro de 2014 9h 18h Local: Recife, auditório da UNINASSAU RSVP: ri@sereducacional.com

Reunião com Investidores 15 de setembro de 2014 9h 18h Local: Recife, auditório da UNINASSAU RSVP: ri@sereducacional.com Teleconferência em Português 15 de agosto de 2014 12h00 (horário de Brasília) 11h00 (horário de Nova York) Tel.: +55 (11) 2188-0155 Código: Ser Educacional Replay: +55 (11) 2188 0155 Código: Ser Educacional

Leia mais

A Vigor Alimentos S.A. divulga os resultados do 3T13

A Vigor Alimentos S.A. divulga os resultados do 3T13 A Vigor Alimentos S.A. divulga os resultados do 3T13 São Paulo, 12 de novembro de 2013 - A Vigor Alimentos S.A. (BM&FBovespa: VIGR3) anuncia hoje os resultados do terceiro trimestre de 2013 (3T13). As

Leia mais

EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL

EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação: a) compra de galpão para a fábrica. b) venda de mercadoria a prazo. c) pagamento de salários

Leia mais

Nivelamento de Conceitos Contábeis

Nivelamento de Conceitos Contábeis Nivelamento de Conceitos Contábeis Demonstrações Contábeis Balanço Patrimonial - BP Demonstração de Resultado do Exercício - DRE Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Substituiu a Demonstração das Origens

Leia mais

Nazareno Habib Bichara Diretor Financeiro. Jânyo Diniz Diretor Presidente. Rodrigo de Macedo Alves Diretor de Relações com Investidores

Nazareno Habib Bichara Diretor Financeiro. Jânyo Diniz Diretor Presidente. Rodrigo de Macedo Alves Diretor de Relações com Investidores Teleconferência em Português 31 de março de 2015 12h00 (horário de Brasília) 11h00 (horário de Nova York) Tel.: +55 (11) 2188-0155 Código: Ser Educacional Replay: +55 (11) 2188 0400 Código: Ser Educacional

Leia mais

Ser Educacional Registra Receita Líquida de R$269,5 Milhões no 1T15

Ser Educacional Registra Receita Líquida de R$269,5 Milhões no 1T15 Ser Educacional Registra Receita Líquida de R$269,5 Milhões no 1T15 EBITDA Ajustado da Companhia atinge R$104,6 milhões no 1T15, alta de 66,6% em comparação ao mesmo período do ano anterior. Recife, 15

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL DOS PERÍODOS FINDOS EM 30 DE JUNHO (em milhares de reais)

BALANÇO PATRIMONIAL DOS PERÍODOS FINDOS EM 30 DE JUNHO (em milhares de reais) CIRCULANTE BALANÇO PATRIMONIAL DOS PERÍODOS FINDOS EM 30 DE JUNHO (em milhares de reais) ATIVO CONSOLIDADO 2008 2007 2008 2007 Numerário disponível 1.265 2.072 5.915 6.418 Aplicações no mercado aberto

Leia mais

Comentário de desempenho 3T15

Comentário de desempenho 3T15 Comentário de desempenho 3T15 04/11/2015 1 Comentário de desempenho Senhoras e Senhores Acionistas, Submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações financeiras da FPC Par Corretora de Seguros S.A.,

Leia mais

MARISA LOJAS S.A. 2ª Emissão Pública de Debêntures

MARISA LOJAS S.A. 2ª Emissão Pública de Debêntures MARISA LOJAS S.A. 2ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2013 MARISA LOJAS S.A. 2ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício

Leia mais

LFG MAPS. 2 - ( Prova: CESPE - 2012 - Polícia Federal - Agente da Polícia Federal / Contabilidade Geral / Contabilidade -

LFG MAPS. 2 - ( Prova: CESPE - 2012 - Polícia Federal - Agente da Polícia Federal / Contabilidade Geral / Contabilidade - Escrituração Contábil 05 questões Noções Gerais; Escrituração Contábil ) Considere os eventos de I a V listados abaixo. I aquisição de veículo à vista para uso na atividade operacional II baixa de bem

Leia mais

Unidade II. No ativo, a disposição das contas obedece ao grau decrescente de liquidez dos elementos nelas registrados.

Unidade II. No ativo, a disposição das contas obedece ao grau decrescente de liquidez dos elementos nelas registrados. Unidade II 8 ATIVO Ativo compreende, como já vimos, os bens e direitos da empresa, classificados de acordo com sua destinação específica, que varia segundo os fins da empresa. No ativo, a disposição das

Leia mais

Resultados da Mills no 1T16

Resultados da Mills no 1T16 Resultados da Mills no 1T16 Relações com Investidores BM&FBOVESPA: MILS3 Rio de Janeiro, 5 de maio de 2016 - A Mills Estruturas e Serviços de Engenharia S.A. (Mills) apresenta os seus resultados referentes

Leia mais

PRINCIPAIS INDICADORES FINANCEIROS E OPERACIONAIS

PRINCIPAIS INDICADORES FINANCEIROS E OPERACIONAIS Resultados positivos, apesar do período adverso Receita Líquida de R$ 194 milhões EBITDA Ajustado de R$ 143 milhões (Margem de 73,5%) Lucro Líquido Ajustado de R$ 102 milhões (Margem de 52,6%) Rio de Janeiro,

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T16

Divulgação de Resultados 1T16 São Paulo - SP, 29 de Abril de 2016. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private equity

Leia mais

GLOBEX UTILIDADES S.A. CNPJ n o. 33.041.260/0001-64 NIRE: 333001-41073

GLOBEX UTILIDADES S.A. CNPJ n o. 33.041.260/0001-64 NIRE: 333001-41073 GLOBEX UTILIDADES S.A. CNPJ n o. 33.041.260/0001-64 NIRE: 333001-41073 Resultados do 1º Trimestre de 2006 Rio de Janeiro, 18 de maio de 2006 Globex Utilidades S.A. (BOVESPA: GLOB4, GLOB3; OTC: GBXPY),

Leia mais

FUNEPU Demonstrações Contábeis 2009. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS em 31 de dezembro de 2009 acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

FUNEPU Demonstrações Contábeis 2009. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS em 31 de dezembro de 2009 acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS em 31 de dezembro de 2009 acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes 1 FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE UBERABA - FUNEPU CNPJ 20.054.326/0001-09 BALANÇO PATRIMONIAL PARA

Leia mais

VALE RIO DOCE S/A. No resultado de 2013 a receita líquida da companhia tinha a seguinte divisão:

VALE RIO DOCE S/A. No resultado de 2013 a receita líquida da companhia tinha a seguinte divisão: VALE RIO DOCE S/A Empresa: A companhia é uma das maiores mineradoras do mundo, sendo a maior das Américas, baseada na capitalização de mercado. É a maior produtora mundial de minério de ferro e pelotas

Leia mais

Oficina Técnica. Adoção Inicial das Novas Normas Contábeis OUTUBRO 2012. Elaborado por: Elias da Silveira Cerqueira

Oficina Técnica. Adoção Inicial das Novas Normas Contábeis OUTUBRO 2012. Elaborado por: Elias da Silveira Cerqueira Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Em setembro de 2011, ocorreu a cisão parcial de 99,99% de seu patrimônio líquido.

Em setembro de 2011, ocorreu a cisão parcial de 99,99% de seu patrimônio líquido. NUMERAL 80 PARTICIPAÇÕES S.A. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E DE 2011 (Valores expressos em milhares de reais - R$) 1. CONTEXTO OPERACIONAL

Leia mais

INSTITUTO COMUNITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS - ICOM

INSTITUTO COMUNITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS - ICOM INSTITUTO COMUNITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS - ICOM DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 E PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES A BDO International é uma rede mundial

Leia mais

ROSSI RESIDENCIAL S. A. COMENTÁRIOS SOBRE O DESEMPENHO CONSOLIDADO NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2.003

ROSSI RESIDENCIAL S. A. COMENTÁRIOS SOBRE O DESEMPENHO CONSOLIDADO NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2.003 ROSSI RESIDENCIAL S. A. COMENTÁRIOS SOBRE O DESEMPENHO CONSOLIDADO NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2.003 PRODUTOS, LANÇAMENTOS E PERFORMANCE COMERCIAL: Durante o primeiro trimestre de 2003, a Rossi Residencial

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA E DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 2012 ---

ANÁLISE FINANCEIRA E DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 2012 --- ANÁLISE FINANCEIRA E DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 2012 --- SUMÁRIO Análise Financeira 04 Resumo Econômico-Financeiro 06 Resultados s 07 Resultado por Área de Negócio 08 Demonstração do Valor Adicionado 08 Liquidez

Leia mais

ANEXO I BALANCETE ANALÍTICO (MODELO)

ANEXO I BALANCETE ANALÍTICO (MODELO) ANEXO I A) - DADOS CONTÁBEIS E FINANCEIROS I. Balancete Contábil BALANCETE ANALÍTICO (MODELO) Período: 01/xx/20xx a 31/xx/20xx CONTA 1 - ATIVO 1.1 - CIRCULANTE 1.1.01 - DISPONIBILIDADES 1.1.01.01 - FUNDO

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2016 - IDEIASNET SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2016 - IDEIASNET SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

Lumina Resíduos Industriais S.A. Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010

Lumina Resíduos Industriais S.A. Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras em de 2010 Balanços patrimoniais Em milhares de reais Ativo Nota explicativa 31 de dezembro de 2010 31 de dezembro 1º de janeiro

Leia mais

Ser Educacional Registra Receita Líquida de R$273,2 Milhões no 2T15

Ser Educacional Registra Receita Líquida de R$273,2 Milhões no 2T15 Divulgação de Resultados 2T15 Ser Educacional Registra Receita Líquida de R$273,2 Milhões no 2T15 EBITDA Ajustado atinge R$78,4 milhões no 2T15, alta de 20,0% em comparação ao mesmo período do ano anterior.

Leia mais

RELATÓRIO DE REVISÃO DOS AUDITORES INDEPENDENTES Aos Acionistas e Administradores da IESA Projetos, Equipamentos e Montagens S.A. Araraquara - SP Introdução Revisamos as informações contábeis intermediárias,

Leia mais

ORIENTAÇÕES (2014/647/UE)

ORIENTAÇÕES (2014/647/UE) 6.9.2014 L 267/9 ORIENTAÇÕES ORIENTAÇÃO DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 3 de junho de 2014 que altera a Orientação BCE/2013/23 relativa às estatísticas das finanças públicas (BCE/2014/21) (2014/647/UE) A COMISSÃO

Leia mais

08 BALANÇO & CONTAS. em 31 Dezembro 2008

08 BALANÇO & CONTAS. em 31 Dezembro 2008 08 BALANÇO & CONTAS em 31 Dezembro 2008 BALANÇO CÓDIGO DAS CONTAS ACTIVO Activo Bruto 2008 Amortizações e Ajustamentos Activo Líquido 2007 Activo Líquido IMOBILIZADO Imobilizações incorpóreas: 431 Despesas

Leia mais

TELEFÓNICA, S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E RELATÓRIO DE GESTÃO CORRESPONDENTES AO EXERCÍCIO DE 2008

TELEFÓNICA, S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E RELATÓRIO DE GESTÃO CORRESPONDENTES AO EXERCÍCIO DE 2008 RELATÓRIO DE AUDITORÍA, DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E RELATÓRIO DE GESTÃO DA TELEFÓNICA, S.A. CORRESPONDENTES AO EXERCÍCIO DE 2008 TELEFÓNICA, S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E RELATÓRIO DE GESTÃO CORRESPONDENTES

Leia mais

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2015

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2015 Elekeiroz S.. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2015 Balanço patrimonial 31 de dezembro de 2015 31 de dezembro de 2014 Passivo

Leia mais

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon Avaliação de Empresas EVA E MVA Aula 11 EVA Indica a quantia em termos monetários que foi adicionada à riqueza efetiva do acionista em determinado período Diferente do lucro contábil, pois considera o

Leia mais

Teleconferência de resultados

Teleconferência de resultados Teleconferência de resultados 2 Aviso importante Este material foi preparado pela Linx S.A. ( Linx ou Companhia ) e pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros.

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T16. 06 de Maio de 2016

Divulgação de Resultados 1T16. 06 de Maio de 2016 Divulgação de Resultados 06 de Maio de 2016 Aviso Importante Algumas das afirmações aqui contidas se baseiam nas hipóteses e perspectivas atuais da administração da Companhia que poderiam ocasionar variações

Leia mais

CENTRAL GERADORA EÓLICA ICARAÍ II S.A.

CENTRAL GERADORA EÓLICA ICARAÍ II S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 Demonstrações Financeiras Em 31 de Dezembro de 2011 Conteúdo Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Balanço Patrimonial

Leia mais

Safra Títulos Públicos DI - Fundo de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2004

Safra Títulos Públicos DI - Fundo de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2004 Safra Títulos Públicos DI - Fundo de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2004 e de 2003 e parecer de auditores independentes Demonstração da composição e diversificação

Leia mais

2 OPERAÇÕES CONTÁBEIS

2 OPERAÇÕES CONTÁBEIS 2 OPERAÇÕES CONTÁBEIS Este capítulo apresenta ao aluno a parte aplicada da Ciência Contábil especificamente ao registro contábil dos eventos patrimoniais, e alguns problemas específicos como Controle e

Leia mais

CENTRAL GERADORA EÓLICA ICARAÍ I S.A.

CENTRAL GERADORA EÓLICA ICARAÍ I S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 Demonstrações Financeiras Em 31 de Dezembro de 2011 Conteúdo Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Balanço Patrimonial

Leia mais

Resultados do 1T16. Rogério Melzi Presidente Pedro Thompson Diretor Financeiro e DRI

Resultados do 1T16. Rogério Melzi Presidente Pedro Thompson Diretor Financeiro e DRI Resultados do Rogério Melzi Presidente Pedro Thompson Diretor Financeiro e DRI Captação Graduação Crescimento da captação presencial (+1,9%) Penetração FIES apenas 8,4% da captação de graduação presencial,

Leia mais

Talk Show: Novas fontes de recursos e de financiamento da educação superior para superar a crise do FIES Daniel Venturini

Talk Show: Novas fontes de recursos e de financiamento da educação superior para superar a crise do FIES Daniel Venturini Talk Show: Novas fontes de recursos e de financiamento da educação superior para superar a crise do FIES Daniel Venturini Visão Geral da Estácio Participações S.A. Descrição da Companhia (1) Visão Geral

Leia mais

Princípio da competência O princípio da competência determina que todas as vendas, os custos e as despesas devem ser considerados na apuração do resultado da empresa no período em que ocorrerem, independentemente

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de outubro de 2013

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de outubro de 2013 Nota de Informação Estatística Lisboa, 1 de outubro de 13 Novas estatísticas das não financeiras da Central de Balanços O Banco de Portugal passa a divulgar no Boletim Estatístico (secção A.19 e Capítulo

Leia mais

SICOOB - Contabilidade. Período: 01/10/2015 a 31/10/2015. Conta Cod. Red. Descrição da Conta Saldo Anterior Débitos Créditos Saldo Atual

SICOOB - Contabilidade. Período: 01/10/2015 a 31/10/2015. Conta Cod. Red. Descrição da Conta Saldo Anterior Débitos Créditos Saldo Atual 1.0.0.00.00-7 CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 19.244.544,04 49.953.463,53 49.796.021,80 19.401.985,77 1.1.0.00.00-6 DISPONIBILIDADES 153.537,84 22.398.892,79 22.439.629,90 112.800,73 1.1.1.00.00-9

Leia mais

Estácio Anuncia Resultados Consolidados: Lucro Líquido ajustado sobe 36% em 2007, para R$81 milhões; EBITDA atinge R$101 milhões.

Estácio Anuncia Resultados Consolidados: Lucro Líquido ajustado sobe 36% em 2007, para R$81 milhões; EBITDA atinge R$101 milhões. Estácio Anuncia Resultados Consolidados: Lucro Líquido ajustado sobe 36% em 2007, para R$81 milhões; EBITDA atinge R$101 milhões. Resultados 4T07 DESTAQUES 19 de Março de 2008 (não-auditados) Considerando

Leia mais

Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI

Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI Renda Fixa Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI O produto O Certificado de Recebíveis Imobiliários (CRI) é um título que gera um direito de crédito ao

Leia mais

Resultados do ano de 2015

Resultados do ano de 2015 Resultados do ano de 2015 2 de março de 2016 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores

Leia mais

BR Towers SPE1 S.A. Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2013 e relatório dos auditores independentes

BR Towers SPE1 S.A. Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2013 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2013 e relatório dos auditores independentes Demonstração do resultado Seis meses findos em 30 de junho de 2013 Exercício findo em 31 de dezembro de 2012

Leia mais

3T14 CRESCIMENTO DA RECEITA, DO EBITDA E DO LUCRO CAIXA

3T14 CRESCIMENTO DA RECEITA, DO EBITDA E DO LUCRO CAIXA CRESCIMENTO DA RECEITA, DO EBITDA E DO LUCRO CAIXA São Paulo, 6 de novembro de 2014. A Linx S.A. (BOVESPA: LINX3; Bloomberg: LINX3:BZ e Reuters: LINX3.SA), líder em tecnologia de gestão empresarial para

Leia mais

Resultados de 2003: Quarto Trimestre

Resultados de 2003: Quarto Trimestre Resultados de 2003: Quarto Trimestre (Rio de Janeiro - 13 de janeiro de 2004) As informações operacionais e financeiras da Aracruz (Bovespa: ARCZ6) são apresentadas com base em números consolidados e em

Leia mais

CENÁRIO ECONÔMICO PLANO UNIFICADO 2º TRI/2015

CENÁRIO ECONÔMICO PLANO UNIFICADO 2º TRI/2015 CENÁRIO ECONÔMICO PLANO UNIFICADO 2º TRIMESTRE DE 2015 1 CENÁRIO ECONÔMICO O segundo trimestre do ano de 2015 demonstrou uma aceleração da deterioração dos fatores macroeconômicos no Brasil, com aumento

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN BC: Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional sobem 0,1% em maio de 2016, acumulando alta de 2,0% em 12 meses O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados

Leia mais

6 C ; > OE O ƐƚĂƚƵƐ 6 > 8 2/ 72 - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0

Leia mais

Indicador Trimestral de PIB do Espírito Santo

Indicador Trimestral de PIB do Espírito Santo SUMÁRIO EXECUTIVO O Produto Interno Bruto (PIB) do estado do Espírito Santo é calculado anualmente pelo Instituto Jones dos Santos Neves (IJSN) em parceria com o Instituto eiro de Geografia e Estatística

Leia mais

2 trimestre de 2011. Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas. Itaú Unibanco Holding S.A.

2 trimestre de 2011. Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas. Itaú Unibanco Holding S.A. 2 trimestre de 2011 Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas Itaú Unibanco Holding S.A. Itaú Unibanco Índice Análise Gerencial da Operação 1 Demonstrações Contábeis Completas 55

Leia mais

1T16 - Release dos resultados do 1º Trimestre de 2016

1T16 - Release dos resultados do 1º Trimestre de 2016 Destaques Financeiros e Operacionais A taxa de ocupação da Rede de Hotéis Othon manteve o víeis de queda, caindo para 66,0% no 1T16, 4,8 pontos percentuais abaixo de igual período do ano anterior (70,8%).

Leia mais

Divulgação de resultados 3T13

Divulgação de resultados 3T13 Brasil Brokers divulga seus resultados do 3º Trimestre do ano de 2013 Rio de Janeiro, 13 de novembro de 2013. A Brasil Brokers Participações S.A. (BM&FBovespa: BBRK3) uma empresa com foco e atuação no

Leia mais

ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE SANTA MARINHA DO ZÊZERE (FUNDADA EM 20 DE OUTUBRO DE 1988) APARTADO 11 4640 SANTA MARINHA DO

ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE SANTA MARINHA DO ZÊZERE (FUNDADA EM 20 DE OUTUBRO DE 1988) APARTADO 11 4640 SANTA MARINHA DO ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE SANTA MARINHA DO ZÊZERE (FUNDADA EM 20 DE OUTUBRO DE 1988) APARTADO 11 4640 SANTA MARINHA DO ZÊZERE RELATÓRIO E CONTAS No cumprimento das disposições

Leia mais

Anhanguera reporta crescimento de 139,1% na Receita Líquida e de 103,0% no EBITDA Ajustado no ano de 2008. 03 de abril de 2009 03 de abril de 2009

Anhanguera reporta crescimento de 139,1% na Receita Líquida e de 103,0% no EBITDA Ajustado no ano de 2008. 03 de abril de 2009 03 de abril de 2009 Anhanguera reporta crescimento de 139,1% na Receita Líquida e de 103,0% no EBITDA Ajustado no ano de 2008 www.unianhanguera.edu.br 4T08 Ricardo Scavazza Vice Presidente Operacional e Relações com Investidores

Leia mais

ULTRAPAR PARTICIPAÇÕES S.A.

ULTRAPAR PARTICIPAÇÕES S.A. ULTRAPAR PARTICIPAÇÕES S.A. (BOVESPA:UGPA4/NYSE: UGP) INFORMAÇÕES E RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2006 (São Paulo, Brasil, 10 de maio de 2006) Diversas iniciativas gerenciais de contenção de custos

Leia mais

1 CONCEITO DE CONTAS. Teoria Patrimonalista Patrimoniais (bens, direitos, obrigações e P.L) Resultado (despesa e receita)

1 CONCEITO DE CONTAS. Teoria Patrimonalista Patrimoniais (bens, direitos, obrigações e P.L) Resultado (despesa e receita) R O T E I R O 1) CONCEITO DE CONTAS 2) ELEMENTOS DE UMA CONTA 3) FUNÇÃO E FUNCIONAMENTO DAS CONTAS 4) MECANISMOS DE DÉBITO E CRÉDITO 5) CONTAS SINTÉTICAS E ANÁLITICAS 6) CONTAS DE RESULTADO 7) CONTAS BILATERAIS

Leia mais

3º Trimestre de 2008. Teleconferência de Resultados. Lançamentos de 2008. Viver São J. Pinhais (São J. Pinhais-PR) 2T08

3º Trimestre de 2008. Teleconferência de Resultados. Lançamentos de 2008. Viver São J. Pinhais (São J. Pinhais-PR) 2T08 3º Trimestre de 2008 Teleconferência de Resultados Lançamentos de 2008 La Vita (Vitoria-ES) 2T08 Beach Park Wellness Resort (Aquiraz-CE) 1T08 Viver Caxias (Caxias do Sul-RS) 3T08 Viver São J. Pinhais (São

Leia mais

Adoção das normas internacionais de contabilidade Diretoria de Finanças, Relações com Investidores e Controle Financeiro de Participações - DFN Superintendência de Controladoria CR 1 Convergência A convergência

Leia mais

Contrato de Câmbio na Exportação.

Contrato de Câmbio na Exportação. Contrato de Câmbio na Exportação. A Momento da Contratação B Liquidação do contrato de câmbio C Alteração D Cancelamento E Baixa do Contrato de Câmbio F Posição de Câmbio: nivelada, comprada e vendida.

Leia mais

Entretanto, este benefício se restringe a um teto de 12% da renda total tributável. O plano VGBL é vantajoso em relação ao PGBL para quem:

Entretanto, este benefício se restringe a um teto de 12% da renda total tributável. O plano VGBL é vantajoso em relação ao PGBL para quem: 2 1 3 4 2 PGBL ou VGBL? O plano PGBL, dentre outras, tem a vantagem do benefício fiscal, que é dado a quem tem renda tributável, contribui para INSS (ou regime próprio ou já aposentado) e declara no modelo

Leia mais

Earnings Release 1T15

Earnings Release 1T15 Santo André, 05 de maio de 2015: A CVC Brasil Operadora e Agência de Viagens S.A. (BM&FBOVESPA: CVCB3), maior operadora de turismo das Américas, informa aos seus acionistas e demais participantes do mercado

Leia mais

VIVER INCORPORADORA E CONSTRUTORA S.A. 4ª EMISSÃO DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2015

VIVER INCORPORADORA E CONSTRUTORA S.A. 4ª EMISSÃO DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2015 VIVER INCORPORADORA E CONSTRUTORA S.A. 4ª EMISSÃO DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2015 Rio de Janeiro, 29 de Abril de 2016. Prezados Senhores Debenturistas, Na qualidade

Leia mais

Resultado Primário e Resultado Nominal. de Contabilidade

Resultado Primário e Resultado Nominal. de Contabilidade Resultado Primário e Resultado Nominal Secretaria do Tesouro Nacional Conselho Federal de Contabilidade 2012 Ementa Programa do Módulo 4 - RREO Resultado Primário e Nominal CH: 04 h Conteúdo: 1. Necessidades

Leia mais

Safra Multicarteira Agressivo - Fundo de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 30 de junho de

Safra Multicarteira Agressivo - Fundo de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 30 de junho de Safra Multicarteira Agressivo - Fundo de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2004 e de 2003 e parecer de auditores independentes Parecer

Leia mais

C O M E N T Á R I O S S O B R E O D E S E M P E N H O 1T15

C O M E N T Á R I O S S O B R E O D E S E M P E N H O 1T15 Senhores (as) Acionistas, A BM&FBOVESPA S.A. Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros ( BM&FBOVESPA, Bolsa ou Companhia ) submete à apreciação de V.Sas. os Comentários da Administração referentes às atividades

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 12/2014

ESTUDO TÉCNICO N.º 12/2014 ESTUDO TÉCNICO N.º 12/2014 Principais resultados da PNAD 2013 potencialmente relacionados às ações e programas do MDS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE AVALIAÇÃO E GESTÃO

Leia mais

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 3 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 Finanças Finança é a ciência de gerenciar recursos, ou a aquela que lida com o emprego do dinheiro num projeto, empresa ou

Leia mais

Mudanças nos Preços Relativos

Mudanças nos Preços Relativos Mudanças nos Preços Relativos Tabela 1 Variação acumulada do IPCA: eiro/ junho/ Discriminação Brasil Belém 1/ Nordeste Sudeste Sul Centro- Gráfico 1 - Alteração no peso do IPCA por segmento de consumo:

Leia mais

Destaques do Período. Crescimento de dois dígitos em Reservas Confirmadas e Embarcadas, EBITDA e Lucro Líquido Ajustado no 2T15

Destaques do Período. Crescimento de dois dígitos em Reservas Confirmadas e Embarcadas, EBITDA e Lucro Líquido Ajustado no 2T15 Santo André, 05 de Agosto de 2015: CVC Brasil Operadora e Agência de Viagens S.A. (BM&FBOVESPA: CVCB3), maior operadora de turismo das Américas, informa aos seus acionistas e demais participantes do mercado

Leia mais

Demonstrações Financeiras da Controladora e Consolidadas. BHG S.A. - Brazil Hospitality Group

Demonstrações Financeiras da Controladora e Consolidadas. BHG S.A. - Brazil Hospitality Group Demonstrações Financeiras da Controladora e Consolidadas BHG S.A. - Brazil Hospitality Group com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras da controladora

Leia mais

RESULTADOS DO 1T11. Destaques do Resultado

RESULTADOS DO 1T11. Destaques do Resultado RESULTADOS DO 1T11 CAPTAÇÃO RECORDE com mais de 73 mil novos alunos (24% acima do 1T10) Aumento de 21% no EBITDA, que totalizou R$48 milhões, e ganho de 1,9 p.p. na Margem, que atingiu 17,4% no 1T11 Rio

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA. Exame 2.ª época de Contabilidade Financeira 2.º semestre 2007/08

FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA. Exame 2.ª época de Contabilidade Financeira 2.º semestre 2007/08 FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Exame 2.ª época de Contabilidade Financeira 2.º semestre 2007/08 Data: 28 de Junho de 2008 Início: 11h30m Duração: 2h15m Cotação e tempo esperado de resolução:

Leia mais

02. (FCC MPE-RN/2012). A receita extraorçamentária em 31.12.2011, em reais, era: (A) 50.000,00 (B) 60.000,00 (C) 100.000,00

02. (FCC MPE-RN/2012). A receita extraorçamentária em 31.12.2011, em reais, era: (A) 50.000,00 (B) 60.000,00 (C) 100.000,00 SEMANA 10 - Despesa Pública: Dispêndios orçamentários (Despesa orçamentária) e Extra- Orçamentários; 01. (ESTILO-ESAF/2012) Os dispêndios públicos podem ser de natureza orçamentária ou extraorçamentária.

Leia mais

RELATÓRIO FINANCEIRO 2014

RELATÓRIO FINANCEIRO 2014 PREPARADOS PARA VENCER RELATÓRIO FINANCEIRO 2014 RT 007/2015 Demonstrações Financeiras Confederação Brasileira de Judô 31 de dezembro de 2014 Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações

Leia mais

A importância dos Indicadores de Atividade dentro da Empresa

A importância dos Indicadores de Atividade dentro da Empresa A importância dos Indicadores de Atividade dentro da Empresa Vanessa da Silva Sidônio vanessa_sidonio@hotmail.com Heber Lavor Moreira Professor Trabalho da Disciplina Análise dos Demonstrativos Contábeis

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL (Não Auditada)

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL (Não Auditada) INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL (Não Auditada) Elementos do Balanço Individual (POC) 30.09.2007 30.09.2006 AB AA AL AL Var. (%) ACTIVO IMOBILIZADO: Imobilizações incorpóreas: Imobilizações incorpóreas

Leia mais

Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer

Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos de Lucratividade e a importância para existência e sucesso das empresas. Proporcionar aos participantes

Leia mais

Orientações para Inscrição. Financiamento Estudantil FIES Faculdades EST

Orientações para Inscrição. Financiamento Estudantil FIES Faculdades EST Orientações para Inscrição Financiamento Estudantil FIES Faculdades EST 2014 Financiamento Estudantil - FIES É um programa do Ministério da Educação destinado a financiar a graduação de estudantes regularmente

Leia mais

Impactos da redução dos investimentos do setor de óleo e gás no PIB

Impactos da redução dos investimentos do setor de óleo e gás no PIB Impactos da redução dos investimentos do setor de óleo e gás no PIB 21 Outubro 2015 1. Apresentação Diversos fatores têm impactado o crescimento econômico do Brasil desde 2014. A mudança nos preços das

Leia mais

Demonstrações Financeiras Consolidadas

Demonstrações Financeiras Consolidadas Demonstrações Financeiras Consolidadas 31 de dezembro de 2010. 1 Página Índice Relatório dos auditores independentes...3 Balanço Patrimonial Consolidado...5 Ouvidoria Demonstrações Financeiras Consolidadas

Leia mais

DATA 29/05/2014 Pagina 2 2.1.3.1.1.00.00.00 FORNECEDORES E CONTAS A PAGAR NACIONAIS A CURTO PR S C 0,00 582,25 3.432,21 2.849,96 C 2.1.3.1.1.01.00.00

DATA 29/05/2014 Pagina 2 2.1.3.1.1.00.00.00 FORNECEDORES E CONTAS A PAGAR NACIONAIS A CURTO PR S C 0,00 582,25 3.432,21 2.849,96 C 2.1.3.1.1.01.00.00 DATA 29/05/2014 Pagina 1 1.0.0.0.0.00.00.00 ATIVO S D 26.200,85 197.350,24 153.749,66 69.801,43 D 1.1.0.0.0.00.00.00 ATIVO CIRCULANTE S D 15.643,04 197.350,24 153.614,51 59.378,77 D 1.1.1.0.0.00.00.00

Leia mais

LOJAS LE BISCUIT S.A. EXERCÍCIO DE 2014

LOJAS LE BISCUIT S.A. EXERCÍCIO DE 2014 LOJAS LE BISCUIT S.A. 2ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2015. Prezados Senhores Debenturistas, Na qualidade de Agente

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS NA CÂMARA MUNICIPAL DE PAULO FRONTIN/PR CADERNO DE PROVA CONTADOR

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS NA CÂMARA MUNICIPAL DE PAULO FRONTIN/PR CADERNO DE PROVA CONTADOR CADERNO DE PROVA CONTADOR Nº. DE INSCRIÇÃO DO(A) CANDIDATO(A) Domingo, 03 de junho de 2012. N.º DE INSCRIÇÃO DO(A) CANDIDATO(A) 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28

Leia mais

... Classificação Descrição Saldo Anterior Débitos Créditos Saldo Atual. 1.1.1.1.2.01.02.02 Caução Wall Mart Brasil Ltda 84.

... Classificação Descrição Saldo Anterior Débitos Créditos Saldo Atual. 1.1.1.1.2.01.02.02 Caução Wall Mart Brasil Ltda 84. Folha: 1 1 ATIVO 8.691.994.154,02D 1.342.304.403,87 1.179.704.682,09 8.854.593.875,80D 1.1 ATIVO CIRCULANTE 3.466.459.417,09D 1.235.880.022,69 1.139.597.863,30 3.562.741.576,48D 1.1.1 Disponível 1.048.640,92D

Leia mais

Grande base de clientes, com CRM visando a fidelização e retenção de clientes

Grande base de clientes, com CRM visando a fidelização e retenção de clientes 1 Pilares Estratégicos 1 Forte cultura corporativa, cujo principal foco é a valorização das pessoas 2 Plataforma de vendas integrada, com múltiplos canais de venda 3 Grande base de clientes, com CRM visando

Leia mais

Produtos Bancários CAIXA. Item 4- FIES Financiamento Estudantil

Produtos Bancários CAIXA. Item 4- FIES Financiamento Estudantil Produtos Bancários CAIXA Item 4- FIES Financiamento Estudantil Produtos Bancários CAIXA Item 4- FIES Financiamento Estudantil Produtos Bancários CAIXA Item 4- FIES Financiamento Estudantil FIES Fundo de

Leia mais

LEI 8.849, DE 28 DE JANEIRO DE 1994

LEI 8.849, DE 28 DE JANEIRO DE 1994 LEI 8.849, DE 28 DE JANEIRO DE 1994 Altera a legislação do Imposto sobre a Renda e proventos de qualquer natureza, e dá outras providências. Faço saber que o presidente da República adotou a Medida Provisória

Leia mais

RESULTADOS 1º TRIMESTRE DE 2016

RESULTADOS 1º TRIMESTRE DE 2016 Dados de Negociação AMAR3 em 31/Mar/16: Preço por ação: R$ 6,90 Número de ações: 204.085.999 Valor de mercado: R$ 1.408,2 milhões Teleconferência de Resultados do 1T16: São Paulo, 02 de Maio de 2016 A.

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER YIELD VIP REFERENCIADO DI CRÉDITO PRIVADO 01.615.744/0001-83 Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER YIELD VIP REFERENCIADO DI CRÉDITO PRIVADO 01.615.744/0001-83 Informações referentes a Maio de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER YIELD VIP REFERENCIADO DI CRÉDITO PRIVADO 01.615.744/0001-83 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

COMPANHIA POTIGUAR DE GÁS POTIGÁS CNPJ: 70.157.896/0001-00

COMPANHIA POTIGUAR DE GÁS POTIGÁS CNPJ: 70.157.896/0001-00 COMPANHIA POTIGUAR DE GÁS POTIGÁS CNPJ: 70.157.896/0001-00 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS PERÍODOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 31 DE DEZEMBRO DE 2010. (Valores expressos em

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P A B R I L, 2 0 1 6 D E S T A Q U E S D O M Ê S São Paulo, 27 de maio de 2016 Crédito imobiliário alcança R$ 3,5 bilhões em abril

Leia mais

Confab Anuncia Resultados para o Primeiro Trimestre de 2008

Confab Anuncia Resultados para o Primeiro Trimestre de 2008 Confab Anuncia Resultados para o Primeiro Trimestre de 2008 São Paulo, 30 de abril de 2008. Confab Industrial S.A. (BOVESPA:CNFB4), uma empresa Tenaris, anunciou hoje os resultados correspondentes ao primeiro

Leia mais

Edital PROAD Nº 01, de 18 de março de 2014

Edital PROAD Nº 01, de 18 de março de 2014 Edital PROAD Nº 01, de 18 de março de 2014 O REITOR DA UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU, no uso de suas atribuições e considerando o disposto no Art. 3º e no Art. 4º da Lei Ordinária do Município de Blumenau

Leia mais

Resolução da Prova de Contabilidade Geral Professor Luciano Moura

Resolução da Prova de Contabilidade Geral Professor Luciano Moura Resolução da Prova de Contabilidade Geral Professor Luciano Moura 1 de 6 Olá queridos alunos, Hoje faremos alguns comentários acerca da prova para o cargo de Auditor Interno da Prefeitura de Salvador,

Leia mais