1 CONCEITO DE CONTAS. Teoria Patrimonalista Patrimoniais (bens, direitos, obrigações e P.L) Resultado (despesa e receita)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1 CONCEITO DE CONTAS. Teoria Patrimonalista Patrimoniais (bens, direitos, obrigações e P.L) Resultado (despesa e receita)"

Transcrição

1 R O T E I R O 1) CONCEITO DE CONTAS 2) ELEMENTOS DE UMA CONTA 3) FUNÇÃO E FUNCIONAMENTO DAS CONTAS 4) MECANISMOS DE DÉBITO E CRÉDITO 5) CONTAS SINTÉTICAS E ANÁLITICAS 6) CONTAS DE RESULTADO 7) CONTAS BILATERAIS E UNILATERAIS 8) PLANO DE CONTAS 9) GRUPO DE CONTAS 10) PLANO DE CONTAS (modelo anexo) 1 CONCEITO DE CONTAS Vários são os conceitos apresentados para contas: É o nome técnico que identifica os elementos patrimoniais (bens, direitos, obrigações e P.L.) e de resultado (despesa e receita). Conta é a representação gráfica dos débitos e créditos que qualifica os componentes patrimoniais Conta é um título que identifica um componente do patrimônio Conta é um termo técnico utilizado pela contabilidade para registrar as ocorrências que envolvem o Patrimônio, as Receitas e as Despesas. Teoria Patrimonalista Patrimoniais (bens, direitos, obrigações e P.L) Resultado (despesa e receita) Teoria Materialista Integrais (bens, direitos e obrigações) Diferenciais (P.L. receita e despesa) Teoria Personalista Contas do Agente Consignatário bens Contas do Agente do Correspondente direitos e obrigações Contas do Proprietário Patrimônio Líquido, despesas e receitas 2 ELEMENTOS DE UMA CONTA Os elementos fundamentais de uma Conta são: TÍTULO É o nome da Conta onde identifica-se o elemento que ela representa. DÉBITO São registros efetuados na coluna de Débito da Conta; representa a situação de dívida da Conta. CRÉDITO São os registros efetuados na coluna de Crédito da Conta; representa o que a Conta tem a haver. HISTÓRICO Relata o fato acontecido em relação ao patrimônio. SALDO É a diferença existente entre o débito e crédito de uma Conta. Uma conta pode apresentar os seguintes Saldos: SALDO DEVEDOR Quando o Débito é maior que o Crédito SALDO CREDOR Quando o Crédito é maior que o Débito SALDO NULO Quando o Débito é igual ao Crédito 13

2 REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DA CONTA: Título Data Histórico D C Saldo RAZONETE Obs.: Para estudos, explicações, resoluções de problemas etc., sempre usamos o gráfico simplificado, denominado conta T, RAZONETE ou RAZONETE EM T, como abaixo: Débito Crédito O lado esquerdo da Conta chama-se Débito, enquanto o lado direito chama-se Crédito. 3 FUNÇÃO E FUNCIONAMENTO DAS CONTAS Função: Registrar as operações que ocorrem com o Patrimônio. Ex.: CONTA FUNÇÃO Caixa Registrar as operações de recebimentos e pagamentos em dinheiro. Veículos Registrar as aquisições e baixas de veículos pertencentes à empresa. Capital Registrar os valores que constituem o Capital Social registrado. etc. Funcionamento: É a forma pela qual a Conta é movimentada. Relaciona-se com os registros a Débito ou a Crédito das Contas. 4 DËBITOS E CRÉDITOS Todas as operações ocasionam aumentos e diminuições no Ativo, Passivo e Patrimônio Líquido. Esses aumentos e diminuições são indicados através dos Débitos e Créditos efetuados nas Contas. DEBITAR uma conta é registrar um valor na coluna do Débito. CREDITAR uma conta é registrar um valor na coluna do Crédito. Exemplo: Caixa Capital Social D C D C 200,00 200, 00 A conta Caixa está debitada por $ 200,00 e a conta Capital Social está creditada por $ 200,00 Data CAIXA Operações D C D/C Saldo X4 a Capital 200 D 200 Data CAPITAL Operações D C D/C Saldo X4 de caixa 200 C 200 SALDO É a diferença entre débito e crédito numa mesma conta CAIXA Débitos > Créditos = Saldo Devedor DÉBITOS CRÉDITOS Créditos > Débitos = Saldo Credor Débitos = Créditos = Saldo Nulo 14

3 5 CONTAS SINTÉTICAS E ANALÍTICAS As Contas sintéticas ou de 1º Grau São as contas principais do plano de contas. As Contas Analíticas ou de 2º Grau São as contas auxiliares das contas sintéticas. Individualizam os registros. CONTA SINTÉTICA BANCO CONTA MOVIMENTO DUPLICATAS A PAGAR (Fornecedores) DUPLICATAS A RECEBER (Clientes) ESTOQUES CONTA ANALÍTICA Banco Bradesco Banco do Brasil Banco Real Petrobrás XEROX do Brasil S.A White Martins. Coca-cola Rede Globo Curso Progressão LTDA. Produtos Acabados Produtos em Elaboração Mercadorias Matéria Prima 6 CONTAS DE RESULTADO O resultado (ou rédito) de uma entidade, num determinado período, poderá ser lucro ou prejuízo. Será lucro, se o total de receitas auferidas pela entidade for maior que o total de despesas. Será prejuízo, caso a despesas ultrapassarem as receitas Ex: Receitas Despesas Lucro ( ) Receitas Despesas Prejuízo DESPESAS São variações negativas do patrimônio líquido entre outras formas, tem origem no consumo de bens e na utilização de serviços. Visam, direta ou indiretamente, à obtenção de Receitas. Ex: Patrimônio da Cia. X antes e após o pagamento do aluguel de março no próprio mês de março no valor de Antes: Ativo: Passivo Exigível: P.L = Após: Ativo: = ( ) 5000 Passivo Exigível: P.L = Ex: Suponhamos que a Cia X pagasse, em abril, o aluguel de março, no valor de a contabilização (reconhecimento da dívida) seria feita em março. O P.L. antes e após a contabilização, seria o seguinte: Antes: Ativo: Passivo Exigível: P.L = Após: Ativo: ( ) 5000 Passivo Exigível: = P.L =

4 RECEITAS São variações positivas do patrimônio Líquido. Entre outras formas, tem origem nas vendas de mercadorias (empresa comercial) de produtos (empresa industrial) os serviços (empresa prestadora de serviço). Ex: A Cia Alfa alugou; para Cia Beta; imóvel de sua propriedade. Em março de 1999, a Cia recebeu da Cia Beta, referente do aluguel do mês. Imediatamente antes do recebimento, o Ativo era de e o passivo de , consequentemente, o P.L após o recebimento da Cia Alfa, teremos: Antes: Ativo: Passivo Exigível: P.L = Após: Ativo: = (+) 3000 Passivo Exigível: P.L = Ex: A comercial Lumex ltda vendeu, à vista lustres por sendo o custo de tais bens, Assim; teremos: Vendas = (receita) Custo = (despesa) Variação do P.L. = = (Lucro) Aluguéis passivo = Despesa de Juros = Aluguéis pagos SINÔNIMOS: Aluguéis ativo = Receitas de Juros = Aluguéis recebidos RESUMO: RECEITA Ingresso de valores no Patrimônio através do Ativo. É uma origem de recursos É creditada. Aumenta o Ativo (Receita a Vista aumenta o Caixa, Receita a Prazo aumenta Duplicatas a Receber). Aumenta o Patrimônio Líquido. DESPESA Saída de valores do Patrimônio. É uma aplicação de recursos. Diminui o Ativo (quando consumida e paga). Aumenta o Passivo (quando consumida e não paga). O mesmo que apropriada. Diminui o Patrimônio Líquido. 7 CONTAS BILATERAIS E UNILATERAIS Considerando os mecanismos de débito e crédito, as contas quanto ao funcionamento podem ser classificadas em: BILATERAL e UNILATERAL. CONTA BILATERAL É aquela que recebe registros tanto a DÉBITO quanto a CRÉDITO. Ex.: Caixa, Duplicatas a Receber (Clientes), Duplicatas a Pagar (Fornecedores), Banco c/movimento, Correção Monetária, etc. CAIXA DUPLICATAS A PAGAR CORREÇÃO MONETÁRIA DO BALANÇO D C D C D C 100,00 20,00 200,00 500,00 100,00 80,00 Uma conta Bilateral pode apresentar tanto saldo devedor como saldo credor. Quando apresenta saldo devedor é chamada BILATERAL ATIVA (ex. caixa) e quando apresenta saldo credor é chamada BILATERAL PASSIVA (Ex. Duplicatas a Pagar). A conta Correção Monetária do Balanço é uma conta de resultado Bilateral. (pode ser ativa ou passiva). CONTA UNILATERAL É aquela que só recebe registros a DÉBITO ou a CRÉDITO. Ex.: Capital Social, Veículos, Imóveis, Contas de Despesas, Contas de Receitas. Uma conta unilateral que recebe somente registros a Débito, apresenta saldo devedor, enquanto que a conta unilateral que recebe somente registros a crédito apresenta saldo credor. 16

5 JUROS ATIVOS ALUGUEL PASSIVO SALÁRIOS D C D C D C DÉBITO CRÉDITO SALDO ATIVO AUMENTA DIMINUI DEVEDOR PASSIVO DIMINUI AUMENTA CREDOR P.L. DIMINUI AUMENTA CREDOR DESPESA AUMENTA DIMINUI DEVEDOR RECEITA DIMINUI AUMENTA CREDOR CONTAS RETIFICADORAS DO ATIVO DIMINUI AUMENTA CREDOR CONTAS RETIFICADORAS DO PASSIVO AUMENTA DIMINUI DEVEDOR Exemplos de contas Retificadoras: ATIVO PASSIVO P.L Duplicatas descontadas Juros a Transcorrer Capital a Realizar Provisão para crédito de liquidação Prejuízos Acumulados duvidosa Depreciação Acumulada Ações em Tesouraria Amortização Acumulada Exaustão Acumulada Provisão para ajuste de mercado Provisão para perdas prováveis 8 PLANO DE CONTAS É um conjunto composto pela relação ordenada e codificada das contas utilizadas pela entidade, bem como de todas as normas e procedimentos adotados pelo seu sistema contábil, objetivando servir como meio de padronização, a fim de facilitar à análise e elaboração dos registros e demonstrações contábeis. Cada empresa deverá elaborar o ser próprio plano de contas, de acordo com o seu porte, ramo de atividades e quaisquer outros fatores que determinem características peculiares relacionadas com seus controles internos e sistemas contábeis. Basicamente, o que irá determinar uma maior ou menor quantidade de informações contidas num plano de contas é o grau de exigência de seus usuários, o qual está diretamente vinculados à complexidade das operações realizadas pela empresa. O Plano de Contas não deve ser rígido e inflexível, ele deve ser organizado, permitindo que seja possível fazer tantas alterações quantas sejam necessárias e será elaborado de acordo com a estrutura e tamanho da empresa, obedecendo o que determina a Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976, quanto ao agrupamento das contas. Composição do Plano de Conta: Elenco de Contas É a estrutura do plano de contas. Compreende a relação ordenada e codificada de todas as contas utilizadas pela entidade. No caso das empresa, a ordenação do plano de contas deve ser de acordo com o disposto na Lei 6.404/76. No caso de entidades ligadas a setores da economia de relevante controle governamental, tais como órgãos públicos, instituições financeiras e seguradoras, o plano de contas é padronizado pelos respectivos órgãos de fiscalização. Manual de Contas Sua função é explicar o uso correto de cada conta componente do plano de contas, definindo os seguintes elementos: 1. Função: Razão da sua existência 2. Funcionamento: Quando a conta será debitada e quando será creditada 3. Natureza: Devedora ou Credora Lançamento Explicativo Usado para registro de acontecimento que raramente ocorre na empresa. Contas de Compensação São contas utilizadas para registro de acontecimentos que não afetam o patrimônio da empresa. Ex: remessa de duplicatas ao Banco Balancete de Verificação É a relação de contas e seus respectivos saldos extraídos do Livro Razão, cujo objetivo é verificar se o total de débitos é igual ao total de créditos. 17

6 Livro razão Balancete Inicial Apuração => Resultado => Distribuição (Dividendos) Balancete Final Balanço ATIVO PASSIVO Ativo Circulante Passivo Circulante Ativo Realizável a Longo Prazo Passivo Exigível a Longo Prazo Ativo Permanente Resultado do Exercício Futuro - Intangível - Investimento Patrimônio Líquido - Imobilizado + Capital Social - Diferido + Reservas de Capital 9 GRUPO DE CONTAS (Lei nº 6404/76) + Reservas de Lucro ( - ) Capital a Realizar ( - ) Ações em Tesouraria ( - ) Prejuízos Acumulados + ou ajuste de avaliação patrimonial ATIVO Art 179. No Ativo as Contas são classificadas do seguinte modo: I No Ativo Circulante: As Disponibilidades, os Direitos Realizáveis no curso do exercício social subsequente e as aplicações de recurso em despesas do exercício seguinte; II No Ativo Realizável a Longo Prazo: Os Direitos Realizáveis após o término do exercício seguinte, assim como os derivados de vendas, adiantamentos ou empréstimos a sociedade coligada ou controlada, diretores, acionistas, que não constituírem negócios usuais na exploração do objeto da companhia; III Em Investimentos: As participações permanentes em outras sociedades e Direitos de qualquer natureza não classificáveis no Ativo Circulante e que não se destinem à manutenção da empresa. IV No Ativo Imobilizado: os direitos que tenham por objeto bens corpóreo destinados à manutenção das atividades da companhia ou da empresa o exercidos com essa finalidade, inclusive os decorrentes de operações que transfiram à companhia os benefícios, riscos e controle desses bens (Redação dada pela Lei n /07); V No Ativo Diferido: despesas pré-operacionais e gastos de reestruturação que contribuirão, efetivamente, para o aumento do resultado de mais de um exercício social e que não configurem apenas uma redução de custos ou acréscimo na eficiência operacional (Redação dada pela Lei n /07); VI No Ativo Intangível: os direitos que tenham por objeto bens corpóreo destinados à manutenção das atividades da companhia ou da empresa o exercidos com essa finalidade, inclusive o fundo de comércio adquirido. (incluído pela Lê n /07). Parágrafo Único: Na companhia em que o ciclo operacional da empresa tiver duração maior que o exercício social, a classificação no circulante ou longo prazo terá por base o prazo desse ciclo Os gastos com reestruturação são os relacionados à criação ou extinção de departamentos, gerências, cargos etc, porém para que estes gastos efetivamente sejam classificados no ativo diferido é necessário que contribuam para o aumento do resultado de dois ou mais exercícios e não configurem apenas uma redução de custos ou acréscimo na eficiência operacional. Parágrafo 2 do artigo 183 da Lei das S.A: A diminuição do valor dos elementos dos ativos imobilizado, intangível e diferido será registrada periodicamente nas contas de: a) depreciação, quando corresponder à perda do valor dos direitos que têm por objeto bens físicos sujeitos a desgaste ou perda de utilidade por uso, ação da natureza ou obsolescência; b) amortização, quando corresponder à perda do valor do capital aplicado na aquisição de direitos propriedades industrial ou comercial e quaisquer outros com existência ou exercício de duração limitada, ou cujo objeto sejam bens de utilização por prazo legal ou contratualmente limitado; c) exaustão, quando corresponder à perda do valor, decorrentes de sua exploração, de direitos cujo objeto sejam recursos minerais ou florestais, ou bens aplicados nessa exploração. PASSIVO Art As Obrigações da companhia, inclusive financiamentos para aquisição de direitos do Ativo Permanente, serão classificados no Passivo Circulante, quando vencerem no exercício seguinte, e no Passivo exigível a Longo Prazo, se tiverem vencimento com prazo maior. RESULTADOS DE EXERCÍCIOS FUTUROS Art Serão classificados como resultados de exercícios futuros as receitas de exercícios futuros, diminuídas dos custos e despesas a ela correspondentes e não sujeitas a devolução de bens ou serviços. O prêmio recebido na emissão de debêntures; 18

7 As doações e subvenções para investimentos. PATRIMÔNIO LÍQUIDO Art.182. A Conta do Capital Social discriminará o montante subscrito e, por dedução, a parcela ainda não realizada (capital a Realizar). 1º Serão classificadas como Reservas de Capital as contas que registrarem: a) A contribuição do subscritor de ações que ultrapassar o valor nominal e a parte do preço de emissão das ações sem valor nominal que ultrapassar a importância destinada à formação do capital social, inclusive nos casos de conversão em ações de debêntures ou partes beneficiárias; b) O produto da alienação de partes beneficiárias e bônus de subscrição; c) Revogada pela Lei n /07 d) Revogada pela Lei n /07 2º Será ainda registrado como Reserva de Capital o resultado da correção monetária do capital realizado, enquanto não capitalizado. 3º Serão classificadas como ajustes de avaliação patrimonial, enquanto não computadas no resultado do exercício em obediência ao regime de competência, as contrapartidas de aumentos ou diminuições de valor atribuído a elementos do ativo e do passivo, em decorrência da sua avaliação a preço de mercado (Redação dada pela Lei n 1.638/07); 4º Serão classificadas como Reserva de Lucros as contas constituídas pela apropriação de lucros da empresa. 5º As Ações em Tesouraria deverão ser destacadas no Balanço como dedução da Conta Patrimônio Líquido que registrar a Origem dos recursos aplicados na sua aquisição. ATIVO CIRCULANTE DISPONÍVEL Caixa Banco conta movimento Aplicações de liquidez imediata PASSIVO CIRCULANTE OBRIGAÇÕES COMERCIAIS A SEREM PAGAS ATÉ O TÉRMINO DO EXERCÍCO SOCIAL SEGUINTE Títulos pagar Fornecedores Duplicatas a pagar Fretes a pagar Adiantamento de clientes CRÉDITOS A SEREM REALIZADOS ATÉ O TÉRMINO DO EXERCÍCO SOCIAL SEGUINTE Icms a recuperar Obrigações fiscais Duplicatas a receber Icms a recolher (-) duplicat5as descontadas Pis a recolher (-) provisão para crédito de liquidação duvidosa Cofins a recolher Adiantamento a fornecedores Provisão para contribuição social Provisão para imposto de renda ESTOQUES mercadorias OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS Produtos em elaboração Salários a pagar Provisão para 13 salário DESPESAS DO EXERCÍCIO SEGUINTE (Aplicações de Fgts a recolher Recursos que Incorrerão no Exercício Social Seguinte) Prêmios de seguros a apropriar Inss a recolher Provisão para contingência REALIZÁVEL A LONGO PRAZO A SEREM REALIZADOS APÓS O TÉRMINO DO EXERCÍCO SOCIAL SEGUINTE CRÉDITOS Duplicatas receber Empréstimos a sócio (OPERAÇÕES NÃO USUAIS COM SÓCIOS, ACIONISTAS, DIRETORES, PROPRIETÁRIO, COLIGADAS E CONTROLADAS) PERMANENTE INVESTIMENTOS Ações de outras sociedades Obras de arte Imóveis de renda OUTRAS OBRIGAÇÕES Financiamentos bancários Aluguéis a pagar EXIGÍVEL A LONGO PRAZO A SEREM PAGAS APÓS O TÉRMINO DO EXERCÍCO SOCIAL SEGUINTE Financiamento bancários Duplicata a pagar IMOBILIZADO (os direitos que tenham por objeto bens corpóreo destinados à manutenção das atividades da companhia ou da empresa o exercidos com essa finalidade, inclusive os decorrentes de operações que transfiram à companhia os benefícios, riscos e controle desses bens) 19 RESULTADOS DE EXERCÍCOS FUTUROS (receitas antecipadas, já deduzidos dos seus respectivos custos e despesas e não sujeitas a devoluções de bens ou serviços)

8 Veículos Móveis e utensílios Imóveis máquinas (-) depreciação acumulada Direito de exploração de minas e jazidas (-) exaustão acumulada Aluguéis ativos a apropriar Prêmios na emissão de debêntures INTANGÍVEL PATRIMÔNIO LÍQUIDO Fundo de comércio Capital social Marcas e patentes Reservas de capital Benfeitorias em imóveis de terceiros + ou (-) justes de avaliação patrimonial (-) amortização acumulada Reservas de lucros (-) ações em tesouraria (-) Prejuízos acumulados DIFERIDO (despesas pré-operacionais e gastos de reestruturação que contribuirão, efetivamente, para o aumento do resultado de mais de um exercício social e que não configurem apenas uma redução de custos ou acréscimo na eficiência operacional) Despesas pré- operacionais (-) amortização acumulada Ill - CONTAS DE RESULTADO Receita Bruta de Vendas Vendas Brutas de Mercadorias Receitas Brutas de Serviços (-) Deduções da Receita Bruta Vendas canceladas Icms sobre a venda Pis sobre faturamento Cofins sobre faturamento Descontos incondicionais concedidos Abatimento sobre a venda bruta = Receita Líquida com vendas (-) Custo das Mercadorias e Serviços Vendidos Custo das Mercadorias Vendidas Custo dos Serviços Vendidos Custo dos Produtos Vendidos = Resultado Operacional Bruto (-) Despesas Operacionais Despesas Administrativas Pessoal Honorários Salários e Ordenados Férias 13 Salário Salário-Familia Aviso Prévio e Indenizações Comissão sobre Vendas Contribuições INSS FGTS Reembolso INSS Autônomos Representação Lanches e Refeições Viagens e Estadias Condução Outras Impostos e Taxas Imposto Sindical Impostos e Taxas sobre Imóveis Impostos e Taxas sobre Veículos 20

9 Incra Multas e Correções Monetárias Outros Outras Luz e Força Telefone Telegramas, Correio e Portes Aluguéis Água Donativos Associação de Classes Assinaturas e Mensalidades Serviços Contratados de Terceiros Taxas e Emolumentos Conservação e Manutenção Combustíveis e Lubrificantes Impressos e Materiais de Escritório Prêmio de Seguro Depreciação, Amortização e Exaustão Outras Despesas com Vendas Comissão de Venda Fretes sobre vendas Propaganda de Publicidade Encargos Financeiros Líquidos Despesas Financeiras Despesas com Juros Descontos Concedidos Despesas e Comissões Bancárias Despesas e Comissões sobre mandamentos Outras Receitas Financeiras Receitas com Juros Descontos Obtidas Outras Outras Despesas Resultados de Participações Contábeis Prejuízos de Controladas Coligadas Prejuízos de Outras Participações Variações e Correções Monetárias passivas Amortização de ágio de investimento + Outras Receitas operacionais Lucro de Controladas Coligadas Lucro de Outras Participações Variações e Correções Monetárias ativas Receita com amortização de deságio de investimento (=) Resultado Operacional Líquido Resultados não Operacionais Perdas não Operacionais Perdas de Capital (Prejuízo na Venda de Imobilizado) Ganhos não Operacionais Ganhos de Capital (Lucro na Venda de Imobilizado) = Resultado Antes da Contribuição Social (-)Contribuição Social = Resultado Antes da Provisão para Imposto de Renda (-) Provisão para Imposto de Renda = Resultado Após a Provisão para Imposto de Renda (-) Participações Debêntures Empregados 21

10 Administradores = Resultado Líquido Observação: Este Plano de Contas abrange empresas comerciais e de serviços simples, não abrangendo as empresas industriais e de serviços complexos, também o ramo financeiro, secundário, agrícola, pecuário, de mineração e outros específicos não estão contemplados. Além disso, trata-se de simples sugestão e não estão todas as possíveis contas elencadas, e sim as principais. Cada profissional deve considerar as necessidades especificas de cada empresa e seus usuários exemplo: a Despesa Operacional poder ser subdividida em Administrativas e de Vendas por filial para depois subdivididas em Pessoal, Encargos etc., também por filial. Classifique: a) Patrimonial ou Resultado b) Ativo, Passivo, Despesa ou Receita c) Devedor ou Credor d) Grupo a que pertence a conta Nº CONTAS a b c d 01 Caixa P A D AC 02 Fornecedores P P C PC 03 Clientes P P D AC 04 Água e Esgoto R A D DO 05 Aluguéis Ativos R R C RO 06 Bancos Cota Movimento P A D AC 07 Participações em outras Empresas P A D AC 08 Duplicatas a Pagar P P C PC 09 Promissórias a Pagar P P C PC 10 Capital P P C PL 11 Reserva Legal P P C PL 12 Aluguéis Passivos R D C DO 13 Café e Lanches R D D DO 14 Descontos Obtidos R R C RO 15 Juros Ativos R R C RO 16 Combustíveis R D D RO 17 Contribuições de Previdência R D D DO 18 Descontos Concedidos R D D DO 19 Lucros ou Prejuízos Acumulados P P D PL 20 Contribuições de Previdência a Recolher P P C PC 21 FGTS a Recolher P P C PC 22 Salários a Pagar P P C PC 23 Despesas de Organização P A D AP 24 Veículos P A D AP 25 Estoque de Mercadorias P A D AC 26 Receitas de Serviço R R C RO 27 Ações de outras Empresas (temporárias) P A D AC 28 Despesas Bancárias R D D DO 29 Impostos e Taxas a Recolher P P C PC 30 Móveis e Utensílios P A D AP 31 Aluguéis a receber P A D AC 32 Aluguéis a pagar P P C PC 33 Aluguéis a vencer P A D AC 22

11 34 Obras de arte P A D AP 35 Empréstimos a pagar a longo prazo P P C ELP 36 Aluguéis ativos a vencer P P C REF 37 Adiantamento a sócio P A D RLP 38 Adiantamento a fornecedor P A D AC 39 Adiantamento de clientes P P C PC 40 Adiantamento de férias P A D AC 41 Impostos a recuperar P A D AC 23

EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL

EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação: a) compra de galpão para a fábrica. b) venda de mercadoria a prazo. c) pagamento de salários

Leia mais

4. Apure o valor da depreciação acumulada em 31/12/20015, sendo dados:

4. Apure o valor da depreciação acumulada em 31/12/20015, sendo dados: 1. Classifique os itens abaixo em: bens, direitos ou obrigações item bens direito obrigação Empréstimos a receber Dinheiro em caixa Dinheiro depositado no banco veículos biblioteca Salários a pagar estoques

Leia mais

Unidade II. No ativo, a disposição das contas obedece ao grau decrescente de liquidez dos elementos nelas registrados.

Unidade II. No ativo, a disposição das contas obedece ao grau decrescente de liquidez dos elementos nelas registrados. Unidade II 8 ATIVO Ativo compreende, como já vimos, os bens e direitos da empresa, classificados de acordo com sua destinação específica, que varia segundo os fins da empresa. No ativo, a disposição das

Leia mais

CONTABILIDADE II CAPÍTULO 01 BALANÇO PATRIMONIAL BP

CONTABILIDADE II CAPÍTULO 01 BALANÇO PATRIMONIAL BP CONTABILIDADE II CAPÍTULO 01 BALANÇO PATRIMONIAL BP ATIVO PASSIVO CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa Fornecedores Banco Conta Movimento Duplicatas a pagar Aplicações Financeiras ICMS a recolher Duplicatas a receber

Leia mais

Módulo Extra Egbert 1

Módulo Extra Egbert 1 Módulo Extra Egbert 1 Conteúdo: Critérios de classificação dos elementos patrimoniais. Noções de Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) 2 1. Balanço patrimonial CLASSIFICAÇÃO CRITÉRIOS AVALIAÇÃO

Leia mais

Modelo de Plano de Contas Detalhado

Modelo de Plano de Contas Detalhado Modelo de Plano de Contas Detalhado Código da Conta Descrição da Conta 1. A T I V O 1.1 ATIVO CIRCULANTE 1.1.01 DISPONÍVEL 1.1.01.01 Caixa 1.1.01.02 Bancos c/ Movimento 1.1 01.03 Aplicações Financeiras

Leia mais

Considerando-se apenas as informações apresentadas, apresente o registro contábil relativo à apuração do ICMS no mês de fevereiro de 2017:

Considerando-se apenas as informações apresentadas, apresente o registro contábil relativo à apuração do ICMS no mês de fevereiro de 2017: CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA: QUESTÕES DE REVISÃO 01) Uma Sociedade Empresária que possui um único estabelecimento apresentava, em 31.1.2017, após a apuração do Imposto sobre Circulação de Mercadorias ICMS,

Leia mais

Plano de Contas Referencial Imunes e Isentas até 2014

Plano de Contas Referencial Imunes e Isentas até 2014 Plano de Contas Referencial Imunes e Isentas até 2014 CÓDIGO DESCRIÇÃO DT_INI DT_FIM TIPO CONTA SUPERIOR NÍVEL NATUREZA 1 ATIVO 01012014 S 1 01 1.01 ATIVO CIRCULANTE 01012014 S 1 2 01 1.01.01 DISPONIBILIDADES

Leia mais

FÓMULAS DE LANÇAMENTOS

FÓMULAS DE LANÇAMENTOS LANÇAMENTO CONTÁBIL Denominação que se dá ao registro de um fato contábil. Para o lançamento utilizaremos o método das partidas dobradas. O princípio fundamental desse método é o de que não há devedor

Leia mais

Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli

Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli USP/FEA/EAC Curso de Graduação em Administração Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli 1 DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DISCIPLINA: EAC0111 NOÇÕES DE CONTABILIDADE PARA

Leia mais

Contabilidade Geral Exercícios de fixação Escrituração 1. Aquisição de mercadorias à vista, em dinheiro, por $

Contabilidade Geral Exercícios de fixação Escrituração 1. Aquisição de mercadorias à vista, em dinheiro, por $ 1 Contabilidade Geral Exercícios de fixação Escrituração 1. Aquisição de mercadorias à vista, em dinheiro, por $ 10.000. 2. Aquisição de mercadorias, a prazo, por $ 10.000. 3. Aquisição de mercadorias,

Leia mais

AGENTE DA POLÍCIA FEDERAL. NOÇÕES DE CONTABILIDADE Profª. Camila Gomes

AGENTE DA POLÍCIA FEDERAL. NOÇÕES DE CONTABILIDADE Profª. Camila Gomes AGENTE DA POLÍCIA FEDERAL NOÇÕES DE CONTABILIDADE Profª. Camila Gomes Contas Natureza da Conta Saldo Aumenta Diminui Patrimoniais Ativo Devedora D C Passivo Credora C D PL Credora C D Resultado Receita

Leia mais

Sumário. Introdução. Patrimônio

Sumário. Introdução. Patrimônio Sumário Sumário Introdução 2 Objeto 3 Finalidade ou objetivo 4 Pessoas interessadas nas informações contábeis 5 Funções 6 Identificação dos aspectos patrimoniais 7 Campo de aplicação 8 Áreas ou ramos 9

Leia mais

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1. Questões: 1 - Comente os principais grupos de contas do Balanço, com exemplos. 2 - Explique o que são curto e longo prazo para a contabilidade. 3 - Quais

Leia mais

PLANO DE CONTAS Critérios Para Elaboração Com base nas Leis nºs /2007 e /2009

PLANO DE CONTAS Critérios Para Elaboração Com base nas Leis nºs /2007 e /2009 Sumário PLANO DE CONTAS Critérios Para Elaboração Com base nas Leis nºs 11.638/2007 e 11.941/2009 1. Introdução 2. Codificação 3. Abertura de Contas Novas 4. Manual de Contas 5. Estrutura e Classificação

Leia mais

Dicas 02. Contabilidade Geral. Professores: Gustavo Jubé e Vicente Chagas. Profs. Gustavo e Vicente 1

Dicas 02. Contabilidade Geral. Professores: Gustavo Jubé e Vicente Chagas.  Profs. Gustavo e Vicente 1 Contabilidade Geral Professores: Gustavo Jubé e Vicente Chagas www.pontodosconcursos.com.br Profs. Gustavo e Vicente 1 Classificações do ativo Além de classificar a conta como ativo, precisamos ser proficientes

Leia mais

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2013

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2013 Elekeiroz S.. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2013 Balanço patrimonial tivo Circulante Nota 31 de dezembro de 2013 31 de

Leia mais

AGENTE DA POLÍCIA FEDERAL. NOÇÕES DE CONTABILIDADE Profª. Camila Gomes

AGENTE DA POLÍCIA FEDERAL. NOÇÕES DE CONTABILIDADE Profª. Camila Gomes AGENTE DA POLÍCIA FEDERAL Profª. Camila Gomes Balanço Patrimonial Ativo Art. 179. As contas serão classificadas do seguinte modo: III - em investimentos: as participações permanentes em outras sociedades

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 (Valores expressos em reais)

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 (Valores expressos em reais) BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 ATIVO NE 31/12/2013 31/12/2012 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO NE 31/12/2013 31/12/2012 CIRCULANTE CIRCULANTE Disponibilidades 4 85.142.911 86.881.544

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em reais)

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em reais) BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 ATIVO Explicativa n o 31/12/2011 31/12/2010 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Explicativa n o 31/12/2011 31/12/2010 CIRCULANTE CIRCULANTE Disponibilidades

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE

NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE Prof. Wanderson S. Paris, M.Eng. prof@cronosquality.com.br NOÇÕES DE CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO BALANÇO PATRIMONIAL DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS X ATIVIDADES

Leia mais

CDD: 657 AC:

CDD: 657 AC: Fonseca, Alan Sales da. F676c Contabilidade : revisão balanço patrimonial e DRE / Alan Sales da Fonseca. Varginha, 2015. 17 slides; il. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de Acesso: World Wide

Leia mais

LFG MAPS. 2 - ( Prova: CESPE - 2012 - Polícia Federal - Agente da Polícia Federal / Contabilidade Geral / Contabilidade -

LFG MAPS. 2 - ( Prova: CESPE - 2012 - Polícia Federal - Agente da Polícia Federal / Contabilidade Geral / Contabilidade - Escrituração Contábil 05 questões Noções Gerais; Escrituração Contábil ) Considere os eventos de I a V listados abaixo. I aquisição de veículo à vista para uso na atividade operacional II baixa de bem

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/ FRAS-LE SA Versão : 1. Balanço Patrimonial Ativo 1. Balanço Patrimonial Passivo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/ FRAS-LE SA Versão : 1. Balanço Patrimonial Ativo 1. Balanço Patrimonial Passivo 2 Índice DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 1 Balanço Patrimonial Passivo 2 Demonstração do Resultado 3 Demonstração do Resultado Abrangente 4 Demonstração do Fluxo de Caixa 5 Demonstração das Mutações

Leia mais

PARA ELABORAR UM PLANO DE CONTAS O PROFISSIONAL PRECISA ANALISAR AS ATIVIDADES DA EMPRESA EM COMENTO. 6. Estrutura das Contas

PARA ELABORAR UM PLANO DE CONTAS O PROFISSIONAL PRECISA ANALISAR AS ATIVIDADES DA EMPRESA EM COMENTO. 6. Estrutura das Contas PLANO DE CONTAS PARA ELABORAR UM PLANO DE CONTAS O PROFISSIONAL PRECISA ANALISAR AS ATIVIDADES DA EMPRESA EM COMENTO. 6. Estrutura das Contas Um bom plano de contas deve seguir alguns preceitos básicos

Leia mais

É com uma grande satisfação que apresentamos para vocês um Plano de Contas Atualizado para Provas de Contabilidade Geral (Contas Patrimoniais).

É com uma grande satisfação que apresentamos para vocês um Plano de Contas Atualizado para Provas de Contabilidade Geral (Contas Patrimoniais). Olá, meus amigos! Tudo bem? É com uma grande satisfação que apresentamos para vocês um Plano de Contas Atualizado para Provas de Contabilidade Geral (Contas Patrimoniais). O plano foi elaborado pelo nosso

Leia mais

Dicas 03. Contabilidade Geral. Professores: Gustavo Jubé e Vicente Chagas. Profs. Gustavo e Vicente 1

Dicas 03. Contabilidade Geral. Professores: Gustavo Jubé e Vicente Chagas.  Profs. Gustavo e Vicente 1 Contabilidade Geral Professores: Gustavo Jubé e Vicente Chagas www.pontodosconcursos.com.br Profs. Gustavo e Vicente 1 Legendas para compreensão das siglas: AC AÑC BP CMV Comp. Desp Ef Ei ELP I Int Inv

Leia mais

Sumário. Capítulo 2. Conceitos Básicos...1. Patrimônio Contabilidade_Geral_Resumida_cap_00.indd 9 14/10/ :44:34

Sumário. Capítulo 2. Conceitos Básicos...1. Patrimônio Contabilidade_Geral_Resumida_cap_00.indd 9 14/10/ :44:34 Sumário Capítulo 1 Conceitos Básicos...1 1. Contabilidade: Conceitos, Objeto, Objetivo, Finalidade e Campo de Aplicação...1 2. Usuários da Informação Contábil...2 3. Principais Tipos de Sociedades Existentes

Leia mais

SICOOB - Contabilidade. Período: 01/10/2015 a 31/10/2015. Conta Cod. Red. Descrição da Conta Saldo Anterior Débitos Créditos Saldo Atual

SICOOB - Contabilidade. Período: 01/10/2015 a 31/10/2015. Conta Cod. Red. Descrição da Conta Saldo Anterior Débitos Créditos Saldo Atual 1.0.0.00.00-7 CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 19.244.544,04 49.953.463,53 49.796.021,80 19.401.985,77 1.1.0.00.00-6 DISPONIBILIDADES 153.537,84 22.398.892,79 22.439.629,90 112.800,73 1.1.1.00.00-9

Leia mais

1.1.3 Outros Créditos

1.1.3 Outros Créditos 1 ATIVO 1.1 ATIVO CIRCULANTE 1.1.1 Disponível 1.1.1.01 Caixa 1.1.1.01.001 Caixa Geral 1.1.1.01.002 Fundo Fixo de Caixa 1.1.1.01.003... 1.1.1.02 Bancos Conta Movimento 1.1.1.02.001... 1.1.1.03 Aplicações

Leia mais

Conta Classificação Registra Natureza do saldo caixa ativo circulante dinheiro e cheques no estabelecimento da devedora

Conta Classificação Registra Natureza do saldo caixa ativo circulante dinheiro e cheques no estabelecimento da devedora 1 Conta Classificação Registra Natureza do saldo caixa dinheiro e cheques no estabelecimento da bancos conta saldos das contas bancárias que a movimento movimenta clientes valores a receber dos clientes

Leia mais

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1. Questões: 1 - Comente os principais grupos de contas do Balanço, com exemplos. 2 - Explique o que são curto e longo prazo para a contabilidade. 3 - Quais

Leia mais

Aula 07 Análise TCU III

Aula 07 Análise TCU III Sumário 1 TCRO Auditor CESPE 2013 - Questão 096 - Análise de Demonstrações Contábeis... 2 2 TCRO Auditor CESPE 2013 - Questão 097 - Análise de Demonstrações Contábeis... 2 3 TCU Analista (CESPE/ 2008)

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL DOS PERÍODOS FINDOS EM 30 DE JUNHO (em milhares de reais)

BALANÇO PATRIMONIAL DOS PERÍODOS FINDOS EM 30 DE JUNHO (em milhares de reais) CIRCULANTE BALANÇO PATRIMONIAL DOS PERÍODOS FINDOS EM 30 DE JUNHO (em milhares de reais) ATIVO CONSOLIDADO 2008 2007 2008 2007 Numerário disponível 1.265 2.072 5.915 6.418 Aplicações no mercado aberto

Leia mais

Unidade III CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA. Prof. Carlos Barretto

Unidade III CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA. Prof. Carlos Barretto Unidade III CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA Prof. Carlos Barretto Capacitar os estudantes a adquirir conhecimentos necessários para o desenvolvimento das seguintes competências: enfatizar a consciência ética

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL - Exercícios

CONTABILIDADE GERAL - Exercícios CONTABILIDADE GERAL - Exercícios 01. Em relação a conceitos contábeis, Lei das S/A s, Demonstrações Contábeis e Patrimônio, julgue os itens a seguir: A importância da Contabilidade prende-se, principalmente,

Leia mais

Balanço Patrimonial - Exercicios Resolvidos

Balanço Patrimonial - Exercicios Resolvidos Balanço Patrimonial - Exercicios Resolvidos ::: Fonte Do Saber - Mania de Conhecimento ::: adsense1 AS RESPOSTAS ESTÃO DE VERMELHO. O BALANÇO PATRIMONIAL - EXERCÍCIOS 1) Aponte a alternativa em que não

Leia mais

Função e Funcionamento das principais contas

Função e Funcionamento das principais contas 2017/09/22 13:54 1/15 e das principais contas e das principais contas 1.1.1.1 CAIXA Registrar a movimentação de dinheiro, cheques e outros documentos compensáveis em poder da empresa. Debita-se pelo recebimento

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E 2014 (Valores expressos em reais)

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E 2014 (Valores expressos em reais) BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E 2014 ATIVO NE 31/12/2015 31/12/2014 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO NE 31/12/2015 31/12/2014 CIRCULANTE CIRCULANTE Disponibilidades 4 90.705.601 82.095.096

Leia mais

Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga Aula 01

Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga Aula 01 PRÁTICAS CONTÁBEIS Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga Aula 01 Estática Patrimonial: o Balanço, Ativo, Passivo e Patrimônio Líquido A contabilidade deve tratar a pessoa

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA CURSO: ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA CURSO: ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA CURSO: ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: EAC0111 NOÇÕES DE CONTABILIDADE PARA ADMINISTRADORES

Leia mais

Curso de Contabilidade Básica

Curso de Contabilidade Básica Curso de Contabilidade Básica Professor Humberto Lucena 3. CONTAS 3.1 Conceito de Conta Conta é o nome que identifica cada componente patrimonial (bem, direito e obrigação) e cada componente do resultado

Leia mais

c) Pressupõe-se que a empresa esteja atrasando um tipo de obrigação. Qual seria, mais provavelmente?

c) Pressupõe-se que a empresa esteja atrasando um tipo de obrigação. Qual seria, mais provavelmente? 1-Estruture o Balanço Patrimonial da Cia Alfa com os dados a seguir (em $ milhões - empresa comercial): (não há problema se sobrarem linhas...) Caixa 100; Ações de Outras Companhias 1.000; Fornecedores

Leia mais

Luigi Martini Edição: 08/2013

Luigi Martini Edição: 08/2013 Edição: 08/2013 SUMÁRIO INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS 1. Contabilidade 4 1.1 Conceito 4 1.2 - Objeto da Contabilidade 4 1.3 Campo de aplicação da Contabilidade 4 1.4 Finalidade da Contabilidade 4 1.5

Leia mais

RESOLUÇÃO EXERCÍCIOS PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS BÁSICOS SEGUNDO O MÉTODO DAS PARTIDAS DOBRADAS 1

RESOLUÇÃO EXERCÍCIOS PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS BÁSICOS SEGUNDO O MÉTODO DAS PARTIDAS DOBRADAS 1 RESOLUÇÃO EXERCÍCIOS PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS BÁSICOS SEGUNDO O MÉTODO DAS PARTIDAS DOBRADAS 1 EXERCÍCIO 1: A seguir estão relacionadas as operações realizadas pela sociedade de prestação de serviços Remendão

Leia mais

Avaliação a Distância AD2. Período - 2012/2º. Disciplina: CONTABILIDADE GERAL II. Coordenadora: TEREZA DE JESUS RAMOS DA SILVA

Avaliação a Distância AD2. Período - 2012/2º. Disciplina: CONTABILIDADE GERAL II. Coordenadora: TEREZA DE JESUS RAMOS DA SILVA Fundação Centro de Ciências e Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro Centro de Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro Avaliação a Distância AD2 Período - 2012/2º Disciplina:

Leia mais

Nivelamento de Conceitos Contábeis

Nivelamento de Conceitos Contábeis Nivelamento de Conceitos Contábeis Demonstrações Contábeis Balanço Patrimonial - BP Demonstração de Resultado do Exercício - DRE Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Substituiu a Demonstração das Origens

Leia mais

VARIAÇÕES PATRIMÔNIO LÍQUIDO

VARIAÇÕES PATRIMÔNIO LÍQUIDO FEA / USP Departamento de Contabilidade e Atuária EAC-106 Contabilidade Introdutória VARIAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO Prof. Fernando Dal-Ri Murcia 1 Variações no Patrimônio Líquido Receita: É a entrada

Leia mais

FUNEPU Demonstrações Contábeis 2009. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS em 31 de dezembro de 2009 acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

FUNEPU Demonstrações Contábeis 2009. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS em 31 de dezembro de 2009 acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS em 31 de dezembro de 2009 acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes 1 FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE UBERABA - FUNEPU CNPJ 20.054.326/0001-09 BALANÇO PATRIMONIAL PARA

Leia mais

Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo

Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. MÓDULO DE QUESTÕES DE CONTABILIDADE

Leia mais

Características. P A S S I V O Origem dos recursos aplicados no Ativo

Características. P A S S I V O Origem dos recursos aplicados no Ativo Balanço Patrimonial conteúdo - características aplicação de recursos - Ativo origem de recursos - Passivo estrutura geral estrutura do Ativo estrutura do Passivo Características Principal demonstrativo

Leia mais

Contabilidade ESTRUTURA PATRIMONIAL SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) FLUXO DE RECURSOS. Fluxo dos recursos SÍNTESE DO FUNCIONAMENTO DAS CONTAS

Contabilidade ESTRUTURA PATRIMONIAL SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) FLUXO DE RECURSOS. Fluxo dos recursos SÍNTESE DO FUNCIONAMENTO DAS CONTAS ESTRUTURA PATRIMONIAL Patrimônio = Bens + Direitos ( ) Obrigações SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) Ativo ( ) Passivo = Situação Líquida (Patrimônio Líquido) FLUXO DE RECURSOS ATIVO Aplicação dos Recursos

Leia mais

Palestra. Apresentação das Demonstrações Contábeis e Notas Explicativas (CPC 03 e 09) Outubro Elaborado por:

Palestra. Apresentação das Demonstrações Contábeis e Notas Explicativas (CPC 03 e 09) Outubro Elaborado por: Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO- DVA FLUXOGRAMA 1 3 (1 2) 5 (3 4) 7 (5+6)

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO- DVA FLUXOGRAMA 1 3 (1 2) 5 (3 4) 7 (5+6) DEMONSTRAÇÃO DO VALOR - DVA FLUXOGRAMA 1 3 (1 2) 5 (3 4) 7 (5+6) VENDAS Vendas Operacionais Vendas não Operacionais PDD- Constituição/Reversão VALOR BRUTO VALOR LIQUIDO VALOR TOTAL A DISTRIBUIR 2 4 6 INSUMOS

Leia mais

LES0665 CONTABILIDADE E ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Prof. Lucilio Rogerio Aparecido Alves. Depto. de Economia, Administração e Sociologia

LES0665 CONTABILIDADE E ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Prof. Lucilio Rogerio Aparecido Alves. Depto. de Economia, Administração e Sociologia LES0665 CONTABILIDADE E ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Prof. Lucilio Rogerio Aparecido Alves Depto. de Economia, Administração e Sociologia BALANÇO PATRIMONIAL: GRUPO DE CONTAS Quais são os grupos

Leia mais

CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Profª Dilci Oliveira

CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Profª Dilci Oliveira CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Profª Dilci Oliveira Contabilidade é a ciência que estuda, registra, controla e interpreta os fatos ocorridos no patrimônio das entidades com fins lucrativos ou não. Objetivos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PROVA DE SELEÇÃO DE TUTORES NA MODALIDADE À DISTÂNCIA GRUPO: CONTABILIDADE DATA: HORÁRIO:

Leia mais

CONTAS DE RESULTADO OPERAÇÕES A VISTA A PRAZO RECEITA + CAIXA + DUPLICATAS A RECEBER DESPESA - CAIXA + CONTAS A PAGAR

CONTAS DE RESULTADO OPERAÇÕES A VISTA A PRAZO RECEITA + CAIXA + DUPLICATAS A RECEBER DESPESA - CAIXA + CONTAS A PAGAR 1/5 CONTAS DE RESULTADO RECEITAS As Receitas correspondem às vendas de produtos, mercadorias ou prestação de serviços. No Balanço Patrimonial, as receitas são refletidas através da entrada de dinheiro

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE)

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE) O artigo 187 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (Lei das Sociedades por Ações) estipula a Demonstração do Resultado do Exercício.

Leia mais

ATIVIDADES DE REVISÃO CONTABILIDADE II:

ATIVIDADES DE REVISÃO CONTABILIDADE II: ATIVIDADES DE REVISÃO CONTABILIDADE II: 01) Classifique as contas: Conta contábil Imóvel Imóvel para aluguel Obras de arte Marca Cliente Caixa Impostos a recolher Impostos a recuperar Fornecedores Veículos

Leia mais

http://www.lgncontabil.com.br/

http://www.lgncontabil.com.br/ 7. LIVROS SOCIAIS DAS SOCIEDADES ANÔNIMAS 7.1 - Introdução A companhia deve ter, além dos livros contábeis e fiscais obrigatórios para as pessoas jurídicas em geral, os livros sociais previstos no art.

Leia mais

TELEFÓNICA, S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E RELATÓRIO DE GESTÃO CORRESPONDENTES AO EXERCÍCIO DE 2008

TELEFÓNICA, S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E RELATÓRIO DE GESTÃO CORRESPONDENTES AO EXERCÍCIO DE 2008 RELATÓRIO DE AUDITORÍA, DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E RELATÓRIO DE GESTÃO DA TELEFÓNICA, S.A. CORRESPONDENTES AO EXERCÍCIO DE 2008 TELEFÓNICA, S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E RELATÓRIO DE GESTÃO CORRESPONDENTES

Leia mais

Conteúdo: Critérios de classificação dos elementos patrimoniais. Critérios de avaliação.

Conteúdo: Critérios de classificação dos elementos patrimoniais. Critérios de avaliação. Módulo 4 Egbert 1 Conteúdo: Critérios de classificação dos elementos patrimoniais. Critérios de avaliação. 2 1. Balanço patrimonial CLASSIFICAÇÃO CRITÉRIOS AVALIAÇÃO 3 ATIVO Antes da Lei 11.638/07 PASSIVO

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/ LOJAS AMERICANAS SA Versão : 1. Balanço Patrimonial Ativo 1. Balanço Patrimonial Passivo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/ LOJAS AMERICANAS SA Versão : 1. Balanço Patrimonial Ativo 1. Balanço Patrimonial Passivo 2 Índice DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 1 Balanço Patrimonial Passivo 2 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 6 Demonstração do Fluxo de Caixa 7 Demonstração das Mutações

Leia mais

1. Elaborar a Demonstração dos Fluxos de Caixa (Método Direto e Indireto). BALANÇO PATRIMONIAL Ativo X1 X2 Variação ATIVO CIRCULANTE

1. Elaborar a Demonstração dos Fluxos de Caixa (Método Direto e Indireto). BALANÇO PATRIMONIAL Ativo X1 X2 Variação ATIVO CIRCULANTE 1. Elaborar a Demonstração dos Fluxos de Caixa (Método Direto e Indireto). C I A. E X E M P L O BALANÇO PATRIMONIAL Ativo X1 X2 Variação ATIVO CIRCULANTE Caixa 2.500 18.400 15.900 Clientes 15.600 13.400

Leia mais

EXERCÍCIOS TEORIA DA CONTABILIDADE Prof. Valbertone Fonte CFC. RESPONDA AS QUESTÕES ABAIXO: 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação:

EXERCÍCIOS TEORIA DA CONTABILIDADE Prof. Valbertone Fonte CFC. RESPONDA AS QUESTÕES ABAIXO: 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação: RESPONDA AS QUESTÕES ABAIXO: 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação: a) compra de galpão para a fábrica. b) venda de mercadoria a prazo. c) pagamento de salários administrativos. d) pagamento

Leia mais

CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE JULHO DE 2013 (Em R$ Mil)

CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE JULHO DE 2013 (Em R$ Mil) CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE JULHO DE 2013 CNPJ 47.902.648/0001-17 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE Caixa e Bancos 314 Fornecedores 36.047 Aplicações Financeiras 2.323 Provisão Férias

Leia mais

02. (FCC MPE-RN/2012). A receita extraorçamentária em 31.12.2011, em reais, era: (A) 50.000,00 (B) 60.000,00 (C) 100.000,00

02. (FCC MPE-RN/2012). A receita extraorçamentária em 31.12.2011, em reais, era: (A) 50.000,00 (B) 60.000,00 (C) 100.000,00 SEMANA 10 - Despesa Pública: Dispêndios orçamentários (Despesa orçamentária) e Extra- Orçamentários; 01. (ESTILO-ESAF/2012) Os dispêndios públicos podem ser de natureza orçamentária ou extraorçamentária.

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO...

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... 19 CAPÍTULO I ESTRUTURA CONCEITUAL BÁSICA DA CONTABILIDADE... 21 1. Conceito de contabilidade... 21 2. Objeto... 22 3. Campo de aplicação... 23 4. Objetivos... 23 5.

Leia mais

Prof. Felipe Mascara

Prof. Felipe Mascara 01 - Considere as afirmativas a seguir, com relação aos Princípios Fundamentais de (PFC), do Conselho Federal de (CFC). I. COMPETÊNCIA: As receitas e as despesas devem ser incluídas na apuração do resultado

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL

BALANÇO PATRIMONIAL 1 de 6 31/01/2015 14:44 BALANÇO PATRIMONIAL Balanço Patrimonial é a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, a posição patrimonial e financeira

Leia mais

08 BALANÇO & CONTAS. em 31 Dezembro 2008

08 BALANÇO & CONTAS. em 31 Dezembro 2008 08 BALANÇO & CONTAS em 31 Dezembro 2008 BALANÇO CÓDIGO DAS CONTAS ACTIVO Activo Bruto 2008 Amortizações e Ajustamentos Activo Líquido 2007 Activo Líquido IMOBILIZADO Imobilizações incorpóreas: 431 Despesas

Leia mais

U F F M B A P G G N GESTÃO CONTÁBIL GERENCIAL Araújo

U F F M B A P G G N GESTÃO CONTÁBIL GERENCIAL Araújo 1 Técnicas e Registro de Operações Contábeis 2 a) A Companhia Belém foi constituída em primeiro de setembro de 20X1 com capital social de $ 20.000 para atuar na revenda de produtos. Os eventos, que a empresa

Leia mais

ASSEMBLÉIA PARAENSE CNPJ /

ASSEMBLÉIA PARAENSE CNPJ / BALANÇO PATRIMONIAL EM: ( Valores em Reais) ATIVO CIRCULANTE 17.802.769,62 10.829.348,39 DISPONIBILIDADE 7.703.537,60 3.824.493,65 Caixa e Bancos 436.727,86 548.337,85 Aplicações Financeiras 7.266.809,74

Leia mais

EXERCICIOS SOBRE DFC. As demonstrações contábeis da Empresa Cosmos, sociedade anônima de capital aberto, em X2, eram os seguintes:

EXERCICIOS SOBRE DFC. As demonstrações contábeis da Empresa Cosmos, sociedade anônima de capital aberto, em X2, eram os seguintes: EXERCICIOS SOBRE DFC As demonstrações contábeis da Empresa Cosmos, sociedade anônima de capital aberto, em 31.12.X2, eram os seguintes: ATIVO X1 X2 PASSIVO X1 X2 Disponível 3.000 1.500 Fornecedores 54.000

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE CONTAS CONTÁBIL. Júlio César Zanluca

COMO ELABORAR UM PLANO DE CONTAS CONTÁBIL. Júlio César Zanluca Page 1 of 5 COMO ELABORAR UM PLANO DE CONTAS CONTÁBIL Júlio César Zanluca Plano de Contas (ou Elenco de Contas) é o conjunto de contas, previamente estabelecido, que norteia os trabalhos contábeis de registro

Leia mais

Sumário. Capítulo Conceito Bens Direitos Obrigações Patrimônio Líquido Estados Patrimoniais...

Sumário. Capítulo Conceito Bens Direitos Obrigações Patrimônio Líquido Estados Patrimoniais... Sumário Capítulo 1 Conceitos Básicos...1 1. Contabilidade...1 1.1. Conceitos...1 1.2. Campo de Aplicação...2 1.3. Funções da Contabilidade...2 1.4. Usuários da Informação Contábil...3 1.5. Técnicas Contábeis

Leia mais

Exercícios de Fixação Estrutura do Balanço Patrimonial

Exercícios de Fixação Estrutura do Balanço Patrimonial Exercícios de Fixação Estrutura do Balanço Patrimonial 1- A seguir são apresentadas algumas informações sobre contas e saldos, organize tais informações em um Balanço Patrimonial utilizando a estrutura

Leia mais

Prática - desenvolvimento de sistemas Av. Assis Brasil 1800/302 - Porto Alegre - RS - CEP: Empresa: Plano referencial 9 - Partidos Políticos

Prática - desenvolvimento de sistemas Av. Assis Brasil 1800/302 - Porto Alegre - RS - CEP: Empresa: Plano referencial 9 - Partidos Políticos 1 ATIVO 1.01 ATIVO CIRCULANTE 1.01.01 ATIVO CIRCULANTE - FUNDO PARTIDÁRIO 1.01.01.01 DISPONÍVEL 1.01.01.01.02 BANCO CONTA MOVIMENTO 1.01.01.01.02.01 Bancos - Conta específica do Fundo Partidário 1.01.01.01.03

Leia mais

Balancete Analítico (Valores em Reais)

Balancete Analítico (Valores em Reais) 00002 10000 1000000000 ATIVO 62.206,96 122.472,48 122.203,57 62.475,87 11000 1100000000 ATIVO CIRCULANTE 52.406,70 122.472,48 122.039,16 52.840,02 11100 1101000000 DISPONIBILIDADES IMEDIATAS 51.588,78

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS ESCOLA DE GESTÃO E NEGÓCIOS CONTABILIDADE AVANÇADA 1/2017 Exercício de Fixação 1

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS ESCOLA DE GESTÃO E NEGÓCIOS CONTABILIDADE AVANÇADA 1/2017 Exercício de Fixação 1 Exercício de Fixação 1 Questão 1: (Auditor Fiscal da Receita Estadual SEFAZ-RJ, 2014): Determinada empresa comercial apresentava as seguintes informações referentes ao primeiro semestre de 2013: Sabe-se

Leia mais

DISCIPLINA CONTABILIDADE BÁSICA I

DISCIPLINA CONTABILIDADE BÁSICA I UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE Campus Avançado de Patu Curso de Ciências Contábeis DISCIPLINA CONTABILIDADE BÁSICA I PROF. ALUISIO DUTRA DE OLIVEIRA 2015.1 I Contabilidade. 1.1 Definição

Leia mais

Unidade IV ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Unidade IV ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade IV 20 RESOLUÇÃO DE UM EXERCÍCIO COMPLETO 5 Resolução de um exercício completo elaborado conforme a legislação em vigor. Todos os demonstrativos contábeis já

Leia mais

CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 28 DE FEVEREIRO DE 2011 (Em R$ Mil)

CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 28 DE FEVEREIRO DE 2011 (Em R$ Mil) CNPJ 47.902.648/0001-17 CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 28 DE FEVEREIRO DE 2011 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE Caixa e Bancos 46 Fornecedores 41.785 Aplicações Financeiras 5.541 Provisão

Leia mais

2 OPERAÇÕES CONTÁBEIS

2 OPERAÇÕES CONTÁBEIS 2 OPERAÇÕES CONTÁBEIS Este capítulo apresenta ao aluno a parte aplicada da Ciência Contábil especificamente ao registro contábil dos eventos patrimoniais, e alguns problemas específicos como Controle e

Leia mais

Exercícios - Soluções

Exercícios - Soluções Propriedades para Investimento CPC 28/ IAS 40 Exercícios - Soluções EAC 0481 Contabilidade Intermediária II 1 Exercício 1 - Resposta Ativo imobilizado até a conclusão da obra (manutenção da atividade O

Leia mais

Lumina Resíduos Industriais S.A. Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010

Lumina Resíduos Industriais S.A. Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras em de 2010 Balanços patrimoniais Em milhares de reais Ativo Nota explicativa 31 de dezembro de 2010 31 de dezembro 1º de janeiro

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL. Questões selecionadas da prova de Analista de Controle Interno MPU/2004

CONTABILIDADE GERAL. Questões selecionadas da prova de Analista de Controle Interno MPU/2004 CONTABILIDADE GERAL Questões selecionadas da prova de Analista de Controle Interno MPU/2004 01. A Firma Varejista Ltda. efetuou as seguintes transações: Compra de máquinas por R$ 5.000,00, pagando entrada

Leia mais

Contabilidade Geral Prova 2 Gabarito 1 Questão 01 A questão solicita que o candidato indique a afirmativa incorreta, que é encontrada na alternativa c : No ativo, as contas serão dispostas em ordem crescente

Leia mais

Exercícios Corrigidos A CONTABILIDADE

Exercícios Corrigidos A CONTABILIDADE Exercícios Corrigidos A CONTABILIDADE Prof. Odair - 2009-1 1) A finalidade da Contabilidade é: a) o Patrimônio b) permitir o estudo e o controle do Patrimônio c) permitir a seus usuários a obtenção de

Leia mais

Balanço patrimonial em 31 de dezembro Em milhares de reais

Balanço patrimonial em 31 de dezembro Em milhares de reais Balanço patrimonial em 31 de dezembro Em milhares de reais Ativo 2016 2015 Passivo e patrimônio líquido 2016 2015 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 6) 25.431 27.730 Fornecedores

Leia mais

CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE NOVEMBRO DE 2009 (Em R$ Mil)

CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE NOVEMBRO DE 2009 (Em R$ Mil) CNPJ 47.902.648/0001-17 CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE NOVEMBRO DE 2009 ATIVO PASSIVO CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e Bancos 207 Fornecedores 34.860 Aplicações Financeiras 4.887 Provisão Férias e Encargos

Leia mais

Data: 23-ABR-2012 16:26 Ano: 2011 Página: 1 de 5. 5 - Balanço Unidade monetária: em Euros Exercícios Código das contas 7.658.947,00 452 7.658.

Data: 23-ABR-2012 16:26 Ano: 2011 Página: 1 de 5. 5 - Balanço Unidade monetária: em Euros Exercícios Código das contas 7.658.947,00 452 7.658. Ano: 2011 Página: 1 de 5 Imobilizado: Bens de domínio público: 451 Terrenos e recursos naturais 452 Edifícios 20.465.336,28 1.870.256,52 18.595.079,76 17.296.259,99 453 Outras construções e infra-estruturas

Leia mais

Balancete Analítico (Valores em Reais)

Balancete Analítico (Valores em Reais) 00002 10000 1000000000 ATIVO 0,00 210.011,35 168.958,79 41.052,56 11000 1100000000 ATIVO CIRCULANTE 0,00 165.870,94 135.276,30 30.594,64 11100 1101000000 DISPONIBILIDADES IMEDIATAS 0,00 139.122,57 111.818,36

Leia mais

Data: 26-ABR-2011 20:53 Ano: 2010 Página: 1 de 5. 5 - Balanço Unidade monetária: em Euros Exercícios Código das contas 7.658.947,00 452 7.658.

Data: 26-ABR-2011 20:53 Ano: 2010 Página: 1 de 5. 5 - Balanço Unidade monetária: em Euros Exercícios Código das contas 7.658.947,00 452 7.658. Ano: 2010 Página: 1 de 5 Imobilizado: Bens de domínio público: 451 Terrenos e recursos naturais 452 Edifícios 18.833.303,86 1.537.043,87 17.296.259,99 17.404.288,49 453 Outras construções e infra-estruturas

Leia mais

Dersa Desenvolvimento Rodoviário S.A. Balanços patrimoniais

Dersa Desenvolvimento Rodoviário S.A. Balanços patrimoniais Balanços patrimoniais em 31 de dezembro de 2014 e 2013 Ativo Nota 2014 2013 Passivo Nota 2014 2013 (Ajustado) (Ajustado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 5 48.650 835 Fornecedores 10

Leia mais

Conceito É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, a posição patrimonial e financeira

Conceito É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, a posição patrimonial e financeira Demonstrações Contábeis Balanço Patrimonial e Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) Balanço Patrimonial Conceito É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente,

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 6) 25.888 67.330 Fornecedores 4.797 8.340 Aplicações financeiras 3.341

Leia mais

Oficina Técnica. Adoção Inicial das Novas Normas Contábeis OUTUBRO 2012. Elaborado por: Elias da Silveira Cerqueira

Oficina Técnica. Adoção Inicial das Novas Normas Contábeis OUTUBRO 2012. Elaborado por: Elias da Silveira Cerqueira Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais