VALE RIO DOCE S/A. No resultado de 2013 a receita líquida da companhia tinha a seguinte divisão:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VALE RIO DOCE S/A. No resultado de 2013 a receita líquida da companhia tinha a seguinte divisão:"

Transcrição

1 VALE RIO DOCE S/A Empresa: A companhia é uma das maiores mineradoras do mundo, sendo a maior das Américas, baseada na capitalização de mercado. É a maior produtora mundial de minério de ferro e pelotas e a segunda maior produtora mundial de níquel. A companhia ainda produz manganês, ferroligas, cobre, carvão térmico e metalúrgico, fosfatados, potássio, cobalto e metais do grupo platina, ouro, prata, e outros fertilizantes. No resultado de 2013 a receita líquida da companhia tinha a seguinte divisão: - 76,0% - Bulk Materials (minério de ferro, pelotas, carvão, manganês e ferros ligas) - 16,0% - Metais Base (níquel, cobre e alumínio) - 6,0% - Fertilizantes - 1,0% - Outros Entre os pontos positivos destaque para: - Diversificada base de ativos. - Qualidade do minério de ferro produzida pela companhia. - Demanda por minério de ferro, por parte da China, principal mercado da companhia, deve permanecer forte. - As necessidades de investimento em infraestrutura no Brasil devem estimular a demanda de minério de ferro no mercado interno. - Forte geradora de caixa. - Sólida disciplina financeira. Em relação aos riscos/pontos negativos vale frisarmos: - Desaceleração da economia da China, país no qual é destinado maior parte das vendas da empresa.

2 - Retração nas economias desenvolvidas. - Provável aumento dos royalties para a atividade de exploração de mineração no Brasil de 2% para 4%, o que poderá afetar a competitividade do minério brasileiro no exterior. Mercado: O setor de mineração é altamente dependente da demanda por produtos siderúrgicos, já que fazem parte da matéria-prima para a fabricação dos mesmos. Com isso tal setor está altamente exposto a atividade econômica global e exige investimento de capital significativo. O setor é bastante competitivo, porém três empresas se destacam, a Vale do Rio Doce, a BHP Billinton e Rio Tinto. Uma das principais características do setor é a alta regulação do estado, já que o estado é quem concede a concessão para a exploração das atividades de mineração. Quanto as perspectivas para o setor de mineração, estas seguem favoráveis, devido ao dinamismo da economia da China, país este que é o principal importador da commodity, e a recuperação da atividade econômica nos países desenvolvidos. No Brasil, as perspectivas também seguem favoráveis, já que a demanda pelo minério de ferro deve ser impulsionada pelos grandes investimentos que precisam ser feitos em infraestrutura. Porém, ainda se tratando de Brasil, há o risco das propostas polêmicas do novo marco regulatório para o setor de mineração, que entre estas está a elevação dos royalties de exploração de 2% para 4%, na qual uma elevação deste valor pode afetar a competitividade do minério brasileiro no exterior.

3 Conclusão e Preço-Alvo: Para calcular o preço justo das ações da companhia optamos pelo modelo de desconto de dividendos que exige a projeção dos principais itens do demonstrativo de resultado para os próximos anos. Assim segue abaixo as principais premissas consideradas para a projeção deste mesmo. DRE (R$ mil) 2014' 2015' 2016' Receita Líquida Custos Bens/Serviços Lucro Bruto Despesas Oper Lucro Operacional Resultado Financeiro LAIR IR Lucro Líquido Receita Bruta Consideramos uma queda de 10,0% em 2014 em função do cenário desafiador para o setor de mineração no curto prazo, na qual o preço da commodity está na mínima dos últimos 2 anos. Para os demais anos consideramos um crescimento de 10,0% devido aos investimentos que estão sendo feitos pela companhia que elevarão a capacidade de produção da mesma para até 450 milhões de toneladas em 2018 e ainda pelas perspectivas favoráveis para o setor de mineração. Margem Bruta- Consideramos a margem bruta de 39% para 2014 em linha com aquela que foi registrada no último resultado da companhia (2T14). Para os demais anos projetamos um ganho de 2 p.p para 41% devido aos esforços da companhia de redução dos custos. Despesas Operacionais Foi projetado o patamar de 8,0% da receita líquida, ou seja acima dos 6% daquela registrada no 2T14 devido as perdas relacionadas ao impairment registradas no 1T14 e que são classificadas dentro do grupo despesas operacionais no demonstrativo de resultado. Para 2015 projetamos também o patamar de 8% sendo que para os demais anos consideramos o ganho de 1 p.p para 7% em razão dos esforços da companhia de redução dos custos. Resultado Financeiro Projetado de acordo com a dívida e o saldo em aplicações financeiras que a empresa tem chegou-se ao nível de 7% da receita líquida em 2014, sendo que nos demais anos

4 projetamos o nível de 8,5%, já que foi considerado que a companhia terá que aumentar a sua divida para fazer frente aos investimentos programados. Considerando as premissas utilizadas acima, as taxas de desconto (wacc) que serviram para descontar os dividendos encontrados em cada ano, o payout de 75% considerado no período estável e o crescimento de 3% no período de perpetuidade que está em linha com o crescimento nominal esperado para a economia brasileira encontramos um preçoalvo de R$ 30,51 o que representa um potencial de valorização de 21,45%. Com isso, recomendamos COMPRA para as ações da Vale, devido a sua atuação destacada num setor que tem perspectivas favoráveis, a sua estratégia de solidificar a diversificação de ativos e ao seu potencial de valorização e atrativos múltiplos mesmo sendo bastante conservador em todas as premissas. Empresa P/L 14 P/VPA 14 ROE 14 Div Yield 14 VALE5 8,74 0,81 9,31% 3,98% Quadro: DRE (R$ mil) 2014' 2015' 2016' Receita Líquida Custos Bens/Serviços Lucro Bruto Despesas Oper Lucro Operacional Resultado Financeiro LAIR IR Lucro Líquido

5 BALANÇO PATRIMONIAL PROJETADO (R$ mil) 2014' 2015' 2016' ATIVO TOTAL ATIVO CIRCULANTE CAIXA CONTAS A RECEBER ESTOQUES OUTROS ATIVOS CIRCULANTES ATIVO REALIZÀVEL A LONGO PRAZO ATIVO IMOBILIZADO PASSIVO TOTAL PASSIVO CIRCULANTE FORNECEDORES EMPRÈSTIMOS E FINANCIAMENTOS C.P OUTROS PASSIVOS CIRCULANTES PASSIVO NÂO CIRCULANTE EMPRÈSTMOS E FINANCIAMENTOS L.P OUTROS PASSIVOS NÃO CIRCULANTES PATRIMÔNIO LÌQUIDO Disclaimer: Disclaimer instrução CVM nº 483 Em conformidade com as disposições da Instrução CVM nº 483 de 06/07/2010, o Analista de Investimento responsável pela elaboração deste relatório Caio Farme d Amoed declara que: (I) As análises e recomendações refletem única e exclusivamente suas opiniões pessoais, às quais foram realizadas de forma independente e autônoma. (II) Pode deter diretamente ou indiretamente ações de emissão da companhia objeto deste Relatório, e desta forma pode estar

6 envolvido na aquisição ou alienação desta ação, dentro dos padrões estabelecidos pela Instrução CVM nº 483. (III) Possui CNPI certificado pela Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais (APIMEC) e é registrado na Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Disclaimer BlueChipInvest Este relatório foi elaborado pela BlueChipInvest para uso exclusivo de seus assinantes, não podendo ser reproduzido ou distribuído por qualquer pessoa sem expressa autorização da BlueChipInvest. As informações, sugestões e opiniões contidas neste relatório tem como objetivo prover informações e sugestões, assim sendo informamos que o retorno e o risco associado de quaisquer decisões de investimento ou desinvestimento tomadas a partir de suas informações e sugestões, são exclusivamente do cliente ou usuário deste relatório. As informações contidas neste relatório são consideradas confiáveis na data de sua publicação. Entretanto, as informações aqui contidas não representam por parte da BlueChipInvest garantia de exatidão das informações prestadas e projeções efetuadas.

PETROBRÁS S/A. No resultado de 2013 a receita líquida da companhia tinha a seguinte divisão: - Refino, Transporte e Comercialização (44%)

PETROBRÁS S/A. No resultado de 2013 a receita líquida da companhia tinha a seguinte divisão: - Refino, Transporte e Comercialização (44%) PETROBRÁS S/A Empresa: É uma companhia que atua na exploração, produção e distribuição de petróleo e derivados. A Petrobrás possui atividades operacionais em 25 países, estando presente em todos os continentes.

Leia mais

Sonae Sierra Brasil. A receita líquida da companhia tem a seguinte composição:

Sonae Sierra Brasil. A receita líquida da companhia tem a seguinte composição: Sonae Sierra Brasil Empresa: A Sonae Sierra Brasil é uma das principais incorporadoras, proprietárias e operadoras de shopping centers no Brasil, tendo em seu portfólio a participação de onze shoppings

Leia mais

Preço: R$18,85 grupos privados do setor de transmissão de energia elétrica no Brasil. A. possui 100% dos ativos de treze concessões.

Preço: R$18,85 grupos privados do setor de transmissão de energia elétrica no Brasil. A. possui 100% dos ativos de treze concessões. TAESA Código: DADOS DETAEE11 MERCADO / VALUATION PERSPECTIVA: POSITIVA A Transmissora Aliança de Energia Elétricas (Taesa) é um dos maiores Preço: R$18,85 grupos privados do setor de transmissão de energia

Leia mais

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon Avaliação de Empresas EVA E MVA Aula 11 EVA Indica a quantia em termos monetários que foi adicionada à riqueza efetiva do acionista em determinado período Diferente do lucro contábil, pois considera o

Leia mais

Nivelamento de Conceitos Contábeis

Nivelamento de Conceitos Contábeis Nivelamento de Conceitos Contábeis Demonstrações Contábeis Balanço Patrimonial - BP Demonstração de Resultado do Exercício - DRE Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Substituiu a Demonstração das Origens

Leia mais

Exercício I Calcule a depreciação anual em cada situação abaixo.

Exercício I Calcule a depreciação anual em cada situação abaixo. Exercício I Calcule a depreciação anual em cada situação abaixo. a. Máquina adquirida por $18.000, com vida útil estimada de 15 anos e valor residual $3.000. b. Veículo adquirido por $30.000, com vida

Leia mais

8.000 ATIVO CIRCULANTE

8.000 ATIVO CIRCULANTE BALANÇO PATRIMONIAL DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO Ativo X0 X1 Receita de Vendas 8.000 ATIVO CIRCULANTE 500 2.150 (-) CPV -5.000 Caixa 100 1.000 Lucro Bruto 3.000 Bancos 200 100 (-) Despesas financeiras -1.500

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

PADRONIZAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PADRONIZAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Flávio Smania Ferreira 5 termo ADMINISTRAÇÃO GERAL e-mail: flavioferreira@live.estacio.br blog: http://flaviosferreira.wordpress.com Etapas básicas do processo

Leia mais

EXERCICIOS SOBRE DFC. As demonstrações contábeis da Empresa Cosmos, sociedade anônima de capital aberto, em X2, eram os seguintes:

EXERCICIOS SOBRE DFC. As demonstrações contábeis da Empresa Cosmos, sociedade anônima de capital aberto, em X2, eram os seguintes: EXERCICIOS SOBRE DFC As demonstrações contábeis da Empresa Cosmos, sociedade anônima de capital aberto, em 31.12.X2, eram os seguintes: ATIVO X1 X2 PASSIVO X1 X2 Disponível 3.000 1.500 Fornecedores 54.000

Leia mais

ISBE 3 - Uberlândia Novo INSTRUÇÕES DA PROVA

ISBE 3 - Uberlândia Novo INSTRUÇÕES DA PROVA Assinatura: Nº Questão: 5 INSTRUÇÕES DA PROVA A prova é individual e intransferível, confira os seus dados. Responda dentro da área reservada ao aluno. Não escreva fora das margens ou atrás da folha. Textos

Leia mais

EARNINGS RELEASE 3T17

EARNINGS RELEASE 3T17 Recuperação do Lucro Líquido e margem EBITDA crescendo em torno de 10 p.p.. São Paulo, 31 de Outubro de 2017 - A Inbrands S.A. ( Inbrands ou Companhia ), uma empresa brasileira consolidadora e operadora

Leia mais

31 de outubro de OdontoPrev Bom resultado no 3T13, em linha com as expectativas

31 de outubro de OdontoPrev Bom resultado no 3T13, em linha com as expectativas Bom resultado no 3T13, em linha com as expectativas Após a divulgação dos resultados do 3T13 e da teleconferência realizada pela, iniciamos nosso preço justo de R$ 11,00 por ação ODPV3, com base em modelos

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 9- Unidade II - A análise tradicional das demonstrações contábeis. Prof.

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 9- Unidade II - A análise tradicional das demonstrações contábeis. Prof. ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aula 9- Unidade II - A análise tradicional das demonstrações contábeis Prof.: Marcelo Valverde Unidade II. Análise tradicional das demonstrações contábeis 2.4. Análise

Leia mais

PRINCIPAIS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

PRINCIPAIS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PRINCIPAIS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Flávio Smania Ferreira 5 termo ADMINISTRAÇÃO GERAL e-mail: flavioferreira@live.estacio.br blog: http://flaviosferreira.wordpress.com Demonstrações Contábeis: Representa

Leia mais

Relatório Analítico 8 de maio de 2012

Relatório Analítico 8 de maio de 2012 MANUTENÇÃO Código de Negociação Bovespa AM AR3 Segmento de Atuação Principal Comércio Categoria segundo a Liquidez 2 Linha Valor de M ercado por Ação (R$) 23,16 Valor Econômico por Ação (R$) 26,30 Potencial

Leia mais

Contabilidade Avançada Prof. João Domiraci Paccez Exercício Nº 17

Contabilidade Avançada Prof. João Domiraci Paccez Exercício Nº 17 Exercício Nº 17 1 Elaboração do Balanço Patrimonial de em moeda de ATIVO Valores Históricos Valores ajustados Quant. de Valores na moeda de Ativo circulante 350.000 105.132,3249 416.324 Caixa 80.000 80.000

Leia mais

Relatório Analítico 30 de abril de 2012

Relatório Analítico 30 de abril de 2012 MANUTENÇÃO Código de Negociação Bovespa ALPA4 Segmento de Atuação Principal Têxtil e Vestuário Categoria segundo a Liquidez 2 Linha Valor de M ercado por Ação (R$) 15,55 Valor Econômico por Ação (R$) 18,67

Leia mais

Nivelamento de Conceitos Contábeis

Nivelamento de Conceitos Contábeis Nivelamento de Conceitos Contábeis Demonstrações Contábeis Balanço Patrimonial - BP Demonstração de Resultado do Exercício - DRE Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Substituiu a Demonstração das Origens

Leia mais

Lista de Exercícios sobre Leasing

Lista de Exercícios sobre Leasing Lista de Exercícios sobre Leasing Ressalva: Em todos os exercícios, foi considerado que as empresas envolvidas adotam as normas CPC/IFRS para publicação Premissa comum: quando necessário, o valor residual

Leia mais

Lojas Americanas Relatório de Atualização

Lojas Americanas Relatório de Atualização Recomendação LAME4 Compra Preço em 19/07/17 (R$) 14,88 Ações (MM) 1.043 Valor Mercado (R$ MM) 22.150 Mín. 52 semanas (R$) 13,20 Máx. 52 semanas (R$) 21,64 Variação 1 Semana (2,6%) Variação 1 Mês 7,2% Variação

Leia mais

Raia Drogasil Teleconferência de resultados

Raia Drogasil Teleconferência de resultados Destaques Participação de mercado crescendo significativamente na região Nordeste (2,3% no 3T15 contra 4,7% no 3T16); Ganho de margem bruta proveniente da existência de estoque comprado antes dos aumentos

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis Aplicações Práticas

Análise das Demonstrações Contábeis Aplicações Práticas Introdução O capítulo desenvolverá aplicações práticas do processo de análise econômico-financeira com base nas demonstrações de uma empresa de eletroeletrônicos Todos os valores dos demonstrativos estão

Leia mais

LFG MAPS. 2 - ( Prova: CESPE - 2012 - Polícia Federal - Agente da Polícia Federal / Contabilidade Geral / Contabilidade -

LFG MAPS. 2 - ( Prova: CESPE - 2012 - Polícia Federal - Agente da Polícia Federal / Contabilidade Geral / Contabilidade - Escrituração Contábil 05 questões Noções Gerais; Escrituração Contábil ) Considere os eventos de I a V listados abaixo. I aquisição de veículo à vista para uso na atividade operacional II baixa de bem

Leia mais

Empresa 4 BETA Balanço Patrimonial em 31/12/X0

Empresa 4 BETA Balanço Patrimonial em 31/12/X0 1. Cenário: 1 A Empresa sec 5fabrica somente o produto. O processo orçamentário começa em outubro, antes do final do período contábil a 31 de Dezembro. Os resultados esperados no ano corrente, a se encerrar

Leia mais

Finanças 1. Aulão Quiz 1

Finanças 1. Aulão Quiz 1 Finanças 1 Aulão Quiz 1 Conceitos 1. Fluxos de caixa financeiros 2. Projeção de crescimento da empresa 3. Análise de fluxos de caixa descontados 4. Análise de projetos 1. Fluxos de caixa financeiros a.

Leia mais

Springs Global Relatório de Atualização

Springs Global Relatório de Atualização Teleconferência do resultado do 2T17 Receita no atacado da América do Sul foi impulsionada, principalmente, pelo maior volume de vendas de produtos intermediários no período, dado que o momento financeiro

Leia mais

Curso: Administração Período: 4º Professor: Hiago Ricardo de Mello Francisco Disciplina: Administração Financeira e Orçamentária II.

Curso: Administração Período: 4º Professor: Hiago Ricardo de Mello Francisco Disciplina: Administração Financeira e Orçamentária II. Curso: Administração Período: 4º 20172 Professor: Hiago Ricardo de Mello Francisco Disciplina: Administração Financeira e Orçamentária II Observações: 1) O trabalho precisa ser entregue impresso com as

Leia mais

Etapas da análise das demonstrações

Etapas da análise das demonstrações Etapas da Análise das Demonstrações Financeiras Etapas da análise das demonstrações Coleta de dados Conferência dos dados coletados Preparação dos dados para análise Processamento dos dados Análise dos

Leia mais

ÁPICE SECURITIZADORA S.A. 1ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários. 65ª Série

ÁPICE SECURITIZADORA S.A. 1ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários. 65ª Série ÁPICE SECURITIZADORA S.A. 1ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários 65ª Série Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015 PARTICIPANTES EMISSORA INSTITUIÇÃO

Leia mais

Cia. Hering D É B O R A D A R I N

Cia. Hering D É B O R A D A R I N Cia. Hering D É B O R A D A R I N G I O VA N N A S A R T O R V E R Í S S I M O C R E D I T S U I S S E A WA R D S 2 0 1 6 0 2 D E J U N H O D E 2 0 1 6 M A R C O A N T O N I O PAT H E F I L H O M A R I

Leia mais

ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES S.A. 3ª Emissão de Debêntures. Série Única. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015

ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES S.A. 3ª Emissão de Debêntures. Série Única. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015 ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES S.A. 3ª Emissão de Debêntures Série Única Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015 PARTICIPANTES EMISSORA COORDENADOR(ES) ESCRITURADOR LIQUIDANTE

Leia mais

Gas Brasiliano Distribuidora S.A.

Gas Brasiliano Distribuidora S.A. Balanço patrimonial em 31 de março (não auditado) Ativo 2016 2015 Passivo e patrimônio líquido 2016 2015 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 78.050 132.536 Fornecedores 23.096 19.064 Contas

Leia mais

Dersa Desenvolvimento Rodoviário S.A. Balanços patrimoniais

Dersa Desenvolvimento Rodoviário S.A. Balanços patrimoniais Balanços patrimoniais em 31 de dezembro de 2014 e 2013 Ativo Nota 2014 2013 Passivo Nota 2014 2013 (Ajustado) (Ajustado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 5 48.650 835 Fornecedores 10

Leia mais

Unidade IV ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Unidade IV ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade IV 20 RESOLUÇÃO DE UM EXERCÍCIO COMPLETO 5 Resolução de um exercício completo elaborado conforme a legislação em vigor. Todos os demonstrativos contábeis já

Leia mais

1. Elaborar a Demonstração dos Fluxos de Caixa (Método Direto e Indireto). BALANÇO PATRIMONIAL Ativo X1 X2 Variação ATIVO CIRCULANTE

1. Elaborar a Demonstração dos Fluxos de Caixa (Método Direto e Indireto). BALANÇO PATRIMONIAL Ativo X1 X2 Variação ATIVO CIRCULANTE 1. Elaborar a Demonstração dos Fluxos de Caixa (Método Direto e Indireto). C I A. E X E M P L O BALANÇO PATRIMONIAL Ativo X1 X2 Variação ATIVO CIRCULANTE Caixa 2.500 18.400 15.900 Clientes 15.600 13.400

Leia mais

FEA- USP, 30 de setembro de AVALIAÇÃO INTERMEDIÁRIA: EAE 422 Análise e Elaboração de Projetos Prof. Dr. Eduardo Luzio. Nome:

FEA- USP, 30 de setembro de AVALIAÇÃO INTERMEDIÁRIA: EAE 422 Análise e Elaboração de Projetos Prof. Dr. Eduardo Luzio. Nome: AVALIAÇÃO INTERMEDIÁRIA: EAE 422 Análise e Elaboração de Projetos Prof. Dr. Eduardo Luzio FEA- USP, 30 de setembro de 2015 Nome: PROVA INDIVIDUAL, SEM CONSULTA. SOMENTE SERÁ PERMITIDO O USO DE CALCULADORAS

Leia mais

ORÇAMENTO EMPRESARIAL

ORÇAMENTO EMPRESARIAL ORÇAMENTO EMPRESARIAL Engenharia de Produção Prof. Flávio Smania Ferreira flavioferreira@live.estacio.br http://flaviosferreira.wordpress.com PROJEÇÃO DE CAIXA Projeção da evolução do Caixa com base no

Leia mais

ALESAT COMBUSTÍVEIS S.A. 1ª Emissão Pública de Debêntures

ALESAT COMBUSTÍVEIS S.A. 1ª Emissão Pública de Debêntures ALESAT COMBUSTÍVEIS S.A. 1ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2013 Alesat Combustíveis S.A. 1ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário

Leia mais

Iochpe-Maxion Relatório de Atualização

Iochpe-Maxion Relatório de Atualização jan-16 mar-16 mai-16 jul-16 set-16 nov-16 Iochpe-Maxion Recomendação Neutro MYPK3 Preço em 04/01/17 (R$) 12,59 Ações (MM) 95 Valor Mercado (R$ MM) 1.187 Mín. 52 semanas (R$) 8,34 Máx. 52 semanas (R$) 20,31

Leia mais

EMPRESA DE ÔNIBUS PÁSSARO MARRON S.A. (sucessora legal da CMP PARTICIPAÇÕES S.A.) 1ª Emissão Pública de Debêntures

EMPRESA DE ÔNIBUS PÁSSARO MARRON S.A. (sucessora legal da CMP PARTICIPAÇÕES S.A.) 1ª Emissão Pública de Debêntures EMPRESA DE ÔNIBUS PÁSSARO MARRON S.A. (sucessora legal da CMP PARTICIPAÇÕES S.A.) 1ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2013 Empresa de Ônibus Pássaro Marron

Leia mais

Destaques 3T17. Receita Líquida. A receita líquida do 3T17 alcançou R$370,8 milhões, aumento de 6,9% sobre o 3T16.

Destaques 3T17. Receita Líquida. A receita líquida do 3T17 alcançou R$370,8 milhões, aumento de 6,9% sobre o 3T16. Nota Importante As declarações a respeito de perspectivas futuras sobre os negócios e projeções de resultados operacionais e financeiros da Companhia são meras estimativas e projeções e, como tal, estão

Leia mais

Balanço Patrimonial consolidado Cia Camilo e Santos S.A e Cia Silva e Silva S.A 31/3/2016 Em R$ Controladora Cia Camilo e Santos S.

Balanço Patrimonial consolidado Cia Camilo e Santos S.A e Cia Silva e Silva S.A 31/3/2016 Em R$ Controladora Cia Camilo e Santos S. O balanço em sequência apresenta a posição final de duas entidades, na data do dia. Cia R$ 200,000,00 Fornecedores - Terceiros R$ 450,000,00 Clientes - Terceiros R$ 150,000,00 R$ 200,000,00 R$ 400,000,00

Leia mais

Brasil Pharma. Conferência de Resultados 2T16 11 de Agosto de 2016

Brasil Pharma. Conferência de Resultados 2T16 11 de Agosto de 2016 Brasil Pharma Conferência de Resultados 2T16 11 de Agosto de 2016 2 Destaques 2T16 Destaques: Margem Bruta Margem bruta de 30,0%, com crescimento de 1,6 p.p. em relação ao 1T16 e 2,4 p.p. em relação ao

Leia mais

Demonstrações Contábeis Obrigatórias

Demonstrações Contábeis Obrigatórias ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NO BRASIL Demonstrações Contábeis Obrigatórias Balanço Patrimonial (BP) Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido

Leia mais

MAKRO ATACADISTA S/A. 1ª Emissão Pública de Debêntures

MAKRO ATACADISTA S/A. 1ª Emissão Pública de Debêntures MAKRO ATACADISTA S/A 1ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2013 Makro Atacadista S/A 1ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício

Leia mais

Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Dantas Soares AULA Apostila nº

Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Dantas Soares AULA Apostila nº Disciplina Estrutura e Análise das Demonstrações Contábeis CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 6º CCN Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Dantas Soares AULA Apostila

Leia mais

Exercício 1 Reservas de Lucros

Exercício 1 Reservas de Lucros Exercício 1 s de Lucros Baseado na DRE ao lado e no saldo atual das contas do PL, faça a contabilização da destinação do lucro do exercício conforme os seguintes critérios: Legal: 5% do lucro líquido,

Leia mais

SOMAR S.A INDÚSTRIAS MECÂNICAS

SOMAR S.A INDÚSTRIAS MECÂNICAS Laudo de Avaliação Patrimonial sobre as Demonstrações Financeiras elaboradas para a data base de 30 de novembro de 2009 Laudo de Avaliação Patrimonial sobre as Demonstrações Financeiras Elaboradas na Data

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Análise Horizontal do Balanço Patrimonial - É um dos indicadores da análise financeira. - Calcula-se o percentual de cada conta em relação ao demonstrativo do período (ano) anterior.

Leia mais

Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC

Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC Rodrigo Pereira 01/02/2017 Fonte: CPC-03 Demonstração dos Fluxos de Caixa Informações sobre o fluxo de caixa de uma entidade são úteis para proporcionar aos usuários

Leia mais

Prof Flávio S. Ferreira

Prof Flávio S. Ferreira Prof Flávio S. Ferreira flavioferreira@live.estacio.br http://flaviosferreira.wordpress.com 1 O Balanço Patrimonial É o mais importante relatório da contabilidade. DEMONSTRA o patrimônio de uma entidade

Leia mais

Balanço patrimonial em 31 de dezembro Em milhares de reais

Balanço patrimonial em 31 de dezembro Em milhares de reais Balanço patrimonial em 31 de dezembro Em milhares de reais Ativo 2016 2015 Passivo e patrimônio líquido 2016 2015 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 6) 25.431 27.730 Fornecedores

Leia mais

Carteira Gráfica Semanal

Carteira Gráfica Semanal Recomendações gráficas para a semana de 06/11/2017: Carteira Gráfica Semanal - Compra Ativo Preço de entrada Alvo Stop (R$) (R$) (R$) Peso Retorno Risco VALE3 33,91 38,00 32,29 20% 12,06% 4,78% LINX3 21,06

Leia mais

Tecnologia em Gestão Financeira MERCADO DE CAPITAIS

Tecnologia em Gestão Financeira MERCADO DE CAPITAIS Tecnologia em Gestão Financeira MERCADO DE CAPITAIS Gustavo Molina Matsumoto Aula 7 ANÁLISE FUNDAMENTALISTA (Umbelina, Cap. 07) Objetivos da aula 1) Análise Gráfica x Fundamentalista 2) Introdução a análise

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 6) 25.888 67.330 Fornecedores 4.797 8.340 Aplicações financeiras 3.341

Leia mais

1º Trimestre de 2016 Resultados Tupy

1º Trimestre de 2016 Resultados Tupy 1º Trimestre de 2016 Resultados Tupy São Paulo, 12 de maio de 2016 1 DISCLAIMER Esta Apresentação pode conter declarações prospectivas, as quais estão sujeitas a riscos e incertezas, pois foram baseadas

Leia mais

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2013

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2013 Elekeiroz S.. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2013 Balanço patrimonial tivo Circulante Nota 31 de dezembro de 2013 31 de

Leia mais

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1. Questões: 1 - Comente os principais grupos de contas do Balanço, com exemplos. 2 - Explique o que são curto e longo prazo para a contabilidade. 3 - Quais

Leia mais

Cemig Relatório de Atualização

Cemig Relatório de Atualização set-15 nov-15 jan-16 mar-16 mai-16 jul-16 Cemig Recomendação CMIG4 Neutra Preço em 13/09/16 (R$) 8,89 Ações (MM) 1.259 Valor Mercado (R$ MM) 11.129 Mín. 52 semanas (R$) 3,89 Máx. 52 semanas (R$) 9,97 Variação

Leia mais

CNPJ / CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE JUNHO DE 2017 (Em R$ Mil)

CNPJ / CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE JUNHO DE 2017 (Em R$ Mil) CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE JUNHO DE 2017 CNPJ 47.902.648/0001-17 ATIVO PASSIVO CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e Equivalentes de Caixa 23.605 Fornecedores 29.103 Contas a Receber 7.623 Provisão Férias

Leia mais

Carteira Gráfica Semanal

Carteira Gráfica Semanal Recomendações gráficas para a semana de 13/11/2017: Carteira Gráfica Semanal - Compra Ativo Preço de entrada Alvo Stop (R$) (R$) (R$) Peso Retorno Risco MAGG3 46,21 51,00 44,24 20% 10,37% 4,26% SAPR4 11,07

Leia mais

MENDES JUNIOR ENGENHARIA S/A 8ª Emissão de Debêntures. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015

MENDES JUNIOR ENGENHARIA S/A 8ª Emissão de Debêntures. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015 MENDES JUNIOR ENGENHARIA S/A 8ª Emissão de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015 PARTICIPANTES EMISSORA COORDENADOR(ES) ESCRITURADOR LIQUIDANTE MENDES JUNIOR

Leia mais

Quais são os objetivos do tópico... TEMA II. DETALHAMENTO DOS REGISTROS CONTÁBEIS. 05. Estoque

Quais são os objetivos do tópico... TEMA II. DETALHAMENTO DOS REGISTROS CONTÁBEIS. 05. Estoque USP-FEA Curso de Administração Disciplina: EAC0111 Noções de Contabilidade para Administração TEMA II. DETALHAMENTO DOS REGISTROS CONTÁBEIS 05. Estoque Profa. Dra. Joanília Cia (joanilia@usp.br) 1 Quais

Leia mais

LOJAS RENNER S.A. 4ª Emissão Pública de Debêntures

LOJAS RENNER S.A. 4ª Emissão Pública de Debêntures LOJAS RENNER S.A. 4ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2014 Lojas Renner S.A. 4ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício

Leia mais

Conceitos. a. Fluxo de caixa operacional. FC O = Lucro Líquido + Juros + Depreciação. FC O = EBIT IR + Depreciação. b. Fluxo de caixa dos ativos

Conceitos. a. Fluxo de caixa operacional. FC O = Lucro Líquido + Juros + Depreciação. FC O = EBIT IR + Depreciação. b. Fluxo de caixa dos ativos Finanças 1 Resumo Conceitos 1. Fluxos de caixa financeiros 2. Projeção de crescimento da empresa 3. Análise de fluxos de caixa descontados 4. Análise de projetos 5. Fluxos de caixa incrementais 6. Análise

Leia mais

BRINOX METALÚRGICA S.A., sucessora por incorporação de CELLE SP PARTICIPAÇÕES S.A. 1ª Emissão Pública de Debêntures

BRINOX METALÚRGICA S.A., sucessora por incorporação de CELLE SP PARTICIPAÇÕES S.A. 1ª Emissão Pública de Debêntures BRINOX METALÚRGICA S.A., sucessora por incorporação de CELLE SP PARTICIPAÇÕES S.A. 1ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2013 Brinox Metalúrgica S.A., sucessora

Leia mais

Relatório de Recomendações de Investimentos

Relatório de Recomendações de Investimentos Relatório de Recomendações de Investimentos Este relatório foi elaborado de acordo com as especificações da Synoro investimentos e destinado apenas para os clientes e funcionários da mesma. 09/08/2017

Leia mais

RESULTADOS 3T14 04 de novembro de 2014

RESULTADOS 3T14 04 de novembro de 2014 RESULTADOS 3T14 04 de novembro de 2014 Aviso Esta apresentação pode conter certas declarações e informações referentes à Paranapanema S.A. (a Companhia ) que refletem as visões atuais e/ou expectativas

Leia mais

NÚCLEO DE GESTÃO DO PORTO DIGITAL

NÚCLEO DE GESTÃO DO PORTO DIGITAL ATIVO CIRCULANTE DISPONIBILIDADE CAIXA 1.028,94 BANCOS-CONTAS CORRENTES 211.547,05 APLICAÇÕES DE LIQUIDEZ IMEDIATA 4.614.347,81 DIREITOS REALIZÁVEIS A CURTO PRAZO TÍTULOS A RECEBER 93.509,62 ADIANTAMENTOS

Leia mais

PÁTRIA COMPANHIA SECURITIZADORA DE CRÉDITOS IMOBILIÁRIOS

PÁTRIA COMPANHIA SECURITIZADORA DE CRÉDITOS IMOBILIÁRIOS PÁTRIA COMPANHIA SECURITIZADORA DE CRÉDITOS IMOBILIÁRIOS 2ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários Série: 1ª Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2013 PÁTRIA COMPANHIA SECURITIZADORA

Leia mais

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1. Questões: 1 - Comente os principais grupos de contas do Balanço, com exemplos. 2 - Explique o que são curto e longo prazo para a contabilidade. 3 - Quais

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T16

Divulgação de Resultados 1T16 São Paulo - SP, 29 de Abril de 2016. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private equity

Leia mais

Carteira Gráfica Semanal

Carteira Gráfica Semanal Recomendações gráficas para a semana de 16/10/2017: Carteira Gráfica Semanal - Compra Ativo Preço de entrada Alvo Stop (R$) (R$) (R$) Peso Retorno Risco FESA4 15,61 17,23 14,87 20% 10,38% 4,74% ESTC3 31,56

Leia mais

Palestra. Apresentação das Demonstrações Contábeis e Notas Explicativas (CPC 03 e 09) Outubro Elaborado por:

Palestra. Apresentação das Demonstrações Contábeis e Notas Explicativas (CPC 03 e 09) Outubro Elaborado por: Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Gas Brasiliano Distribuidora S.A.

Gas Brasiliano Distribuidora S.A. Balanço patrimonial em 31 de março (não auditado) Ativo 2017 2016 Passivo e patrimônio líquido 2017 2016 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 50.383 78.050 Fornecedores 22.725 23.096 Contas

Leia mais

- Assessoria de Mercado de Capitais e Empresarial Ltda - Consultores Ltda

- Assessoria de Mercado de Capitais e Empresarial Ltda - Consultores Ltda 05/03/2010 CONFAB INDUSTRIAL S.A. A Companhia COMPRA Código em Bolsa CNFB4 Setor Bens de Capital Cotação em 04/03/10 R$ 4,82 Preço Alvo R$ 11,10 Potencial de Valorização 130,3% Valor de Mercado (em mil)

Leia mais

Carteira Gráfica Semanal

Carteira Gráfica Semanal Recomendações gráficas para a semana de 11/09/2017: Carteira Gráfica Semanal - Compra Ativo Preço de entrada Alvo Stop (R$) (R$) (R$) Peso Retorno Risco NATU3 30,63 33,50 29,18 20% 9,37% 4,73% HGTX3 27,31

Leia mais

2

2 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 Controladora Consolidado ATIVO Jun 2009 Set 2009 Jun 2009 Set 2009 Circulante Disponibilidades 23,0 37,4 56,1 92,1 Contas a receber de clientes 62,8 72,8 114,2 125,9 Estoques

Leia mais

Unidade IV CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade IV CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro Unidade IV CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Objetivo Essa unidade tem como objetivo interpretar as informações contábeis. Análise e tomada de decisão a partir de dados contábeis. Conhecer os índices

Leia mais

Apresentação do Roadshow Teleconferência de Resultados 1T14

Apresentação do Roadshow Teleconferência de Resultados 1T14 Apresentação do Roadshow Teleconferência de Resultados 1T14 1 Nota Importante As declarações a respeito de perspectivas futuras sobre os negócios e projeções de resultados operacionais e financeiros da

Leia mais

Gafisa Relatório de Atualização

Gafisa Relatório de Atualização set-15 nov-15 jan-16 mar-16 mai-16 jul-16 Recomendação GFSA3 Neutra Preço em 12/09/16 (R$) 2,36 Ações (MM) 378 Valor Mercado (R$ MM) 909 Mín. 52 semanas (R$) 1,71 Máx. 52 semanas (R$) 2,94 Variação 1 Semana

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE

NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE Prof. Wanderson S. Paris, M.Eng. prof@cronosquality.com.br NOÇÕES DE CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO BALANÇO PATRIMONIAL DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS X ATIVIDADES

Leia mais

Abril. Stock Guide CONTEÚDO. 02 Neutras / Não Atrativas 03 Análise de empresas. Atrativas

Abril. Stock Guide CONTEÚDO. 02 Neutras / Não Atrativas 03 Análise de empresas. Atrativas Stock Guide 04 de abril de 2017 Abril CONTEÚDO Guia técnico do mercado brasileiro voltado para investidores de longo prazo. 01 s 02 Neutras / Não s 03 Análise de empresas Analista responsável Victor Benndorf

Leia mais

FLUXO DE CAIXA OPERACIONAL (FCO) X FLUXO DE CAIXA DO ACIONISTA (FCA)

FLUXO DE CAIXA OPERACIONAL (FCO) X FLUXO DE CAIXA DO ACIONISTA (FCA) FLUXO DE CAIXA OPERACIONAL (FCO) X FLUXO DE CAIXA DO ACIONISTA (FCA)! Qual a diferença entre o FCO e o FCA?! Quando utilizar o FCO e o FCA?! Taxa de desconto a ser utilizada para descontar o FCO e o FCA!

Leia mais

BOVESPA Fechamento: SU: Tendência de C/M/L prazos IFR Volume IBOV Variação: +1,77% RE: Baixa / Baixa / Baixa 52,38% R$ 5,65 bi

BOVESPA Fechamento: SU: Tendência de C/M/L prazos IFR Volume IBOV Variação: +1,77% RE: Baixa / Baixa / Baixa 52,38% R$ 5,65 bi Índice Bovespa BOVESPA Fechamento: 62.303 SU: 60.828 Tendência de C/M/L prazos IFR Volume IBOV Variação: +1,77% RE: 70.124 Baixa / Baixa / Baixa 52,38% R$ 5,65 bi +2,11% -3,59% -10,10% -2,99% O IBOV fechou

Leia mais

PARTE 3 INVESTIMENTOS TEMPORÁRIOS

PARTE 3 INVESTIMENTOS TEMPORÁRIOS PARTE 3 INVESTIMENTOS TEMPORÁRIOS 3.1 CONCEITUAÇÃO Basicamente, há dois tipos de investimentos: Temporário e Permanente. Investimentos Temporários: Adquiridos com a intenção de revenda e tendo geralmente

Leia mais

VARIAÇÕES PATRIMÔNIO LÍQUIDO

VARIAÇÕES PATRIMÔNIO LÍQUIDO FEA / USP Departamento de Contabilidade e Atuária EAC-106 Contabilidade Introdutória VARIAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO Prof. Fernando Dal-Ri Murcia 1 Variações no Patrimônio Líquido Receita: É a entrada

Leia mais

LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE S/A 9ª Emissão de Debêntures. 1ª e 2ª Séries

LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE S/A 9ª Emissão de Debêntures. 1ª e 2ª Séries LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE S/A 9ª Emissão de Debêntures 1ª e 2ª Séries Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015 PARTICIPANTES EMISSORA COORDENADOR(ES) ESCRITURADOR

Leia mais

REUNIÃO MATINAL 22 de outubro de 2015

REUNIÃO MATINAL 22 de outubro de 2015 REUNIÃO MATINAL 22 de outubro de 2015 Reunião Matinal Índices Mundiais Bullets: Índices Internacionais Último Dia Mês Ano CHINA 3.368,74 1,45% 10,35% 4,14% HONG KONG 22.845,37-0,63% 9,59% -3,22% JAPÃO

Leia mais

Prof. Eduardo Alexandre Mendes UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

Prof. Eduardo Alexandre Mendes UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANEJAMENTO FINANCEIRO E O SEU NEGÓCIO Prof. Eduardo Alexandre Mendes UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE AGENDA O que é planejamento financeiro? Qual a importância e quais são os benefícios e resultados

Leia mais

ATIVO NÃO CIRCULANTE - INVESTIMENTOS -

ATIVO NÃO CIRCULANTE - INVESTIMENTOS - ATIVO NÃO CIRCULANTE - INVESTIMENTOS - (Cap 10) Prof. Renê Coppe Pimentel Material e conteúdo padronizados elaborados por professores da FEA/USP Renê Coppe Pg. 1 ATIVO NÃO CIRCULANTE - INVESTIMENTOS Conteúdo:

Leia mais

1. (adaptado do ENADE 2009) Em 31/12/X8, os balanços individuais das companhias Controladora e Controlada apresentavam os seguintes valores:

1. (adaptado do ENADE 2009) Em 31/12/X8, os balanços individuais das companhias Controladora e Controlada apresentavam os seguintes valores: UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ATUARIAIS Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Societária 2 Profª.: Márcia

Leia mais

Exercícios - Soluções

Exercícios - Soluções Propriedades para Investimento CPC 28/ IAS 40 Exercícios - Soluções EAC 0481 Contabilidade Intermediária II 1 Exercício 1 - Resposta Ativo imobilizado até a conclusão da obra (manutenção da atividade O

Leia mais

3º Trimestre de 2015 Resultados Tupy

3º Trimestre de 2015 Resultados Tupy 3º Trimestre de 2015 Resultados Tupy São Paulo, 13 de novembro de 2015 1 DISCLAIMER Esta Apresentação pode conter declarações prospectivas, as quais estão sujeitas a riscos e incertezas, pois foram baseadas

Leia mais

Capítulo 12. Tema 10: Análise das demonstrações contábeis/financeiras: noções iniciais. Noções de Contabilidade para Administradores EAC 0111

Capítulo 12. Tema 10: Análise das demonstrações contábeis/financeiras: noções iniciais. Noções de Contabilidade para Administradores EAC 0111 1 Capítulo 12 Tema 10: Análise das demonstrações contábeis/financeiras: noções iniciais Noções de Contabilidade para Administradores EAC 0111 Prof: Márcio Luiz Borinelli Monitor: Wilson Tarantin Junior

Leia mais

Balanço Patrimonial da Cia Salve&Kana

Balanço Patrimonial da Cia Salve&Kana Elaboração da DFC Método Direto A fim de possibilitar melhor entendimento, vamos desenvolver um exemplo passo a passo da montagem da DFC pelo método direto, tomando por base as informações a seguir: Balanço

Leia mais

Em setembro de 2011, ocorreu a cisão parcial de 99,99% de seu patrimônio líquido.

Em setembro de 2011, ocorreu a cisão parcial de 99,99% de seu patrimônio líquido. NUMERAL 80 PARTICIPAÇÕES S.A. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E DE 2011 (Valores expressos em milhares de reais - R$) 1. CONTEXTO OPERACIONAL

Leia mais

1 CONCEITO DE CONTAS. Teoria Patrimonalista Patrimoniais (bens, direitos, obrigações e P.L) Resultado (despesa e receita)

1 CONCEITO DE CONTAS. Teoria Patrimonalista Patrimoniais (bens, direitos, obrigações e P.L) Resultado (despesa e receita) R O T E I R O 1) CONCEITO DE CONTAS 2) ELEMENTOS DE UMA CONTA 3) FUNÇÃO E FUNCIONAMENTO DAS CONTAS 4) MECANISMOS DE DÉBITO E CRÉDITO 5) CONTAS SINTÉTICAS E ANÁLITICAS 6) CONTAS DE RESULTADO 7) CONTAS BILATERAIS

Leia mais

ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Material Adicional Distribuído (Borinelli e Pimentel, 2010) Prof. Renê Coppe Pimentel Prof. Renê Coppe Pimentel Pg. 1 PROGRAMA 1. Apresentação - Objetivo Corporativo

Leia mais