Sonae Sierra Brasil. A receita líquida da companhia tem a seguinte composição:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sonae Sierra Brasil. A receita líquida da companhia tem a seguinte composição:"

Transcrição

1 Sonae Sierra Brasil Empresa: A Sonae Sierra Brasil é uma das principais incorporadoras, proprietárias e operadoras de shopping centers no Brasil, tendo em seu portfólio a participação de onze shoppings centers, onde estes em sua maioria estão localizados no estado de São Paulo. Seus shoppings centers ainda estão localizados nos estados de Distrito Federal (Brasília), Amazonas (Manaus) e Minas Gerais (Uberlândia). A receita líquida da companhia tem a seguinte composição: - 77,1% Aluguel - 6,4% Serviços - 16,5% Outras Entre os principais clientes da companhia, destaque para as empresas do setor de varejo, na qual seus shoppings são voltados para a crescente classe média brasileira. Sobre os riscos específicos da companhia podemos destacar os seguintes: - Alta concentração da receita em apenas três shoppings - As taxas de ocupação e aluguéis não fornecerem retorno adequado ao capital investido - Crescimento na taxa de vacância - Baixo poder de barganha com os varejistas já que alguns de seus shoppings não tem em termos de marca a mesma força que as grandes players do setor. - Alguns de seus shoppings não estão em áreas com alta densidade populacional. - Uma crise na economia poderia desencadear para baixo revisões no aluguel.

2 Mercado: Com relação ao mercado de shopping centers, vale dizer que houve um forte crescimento na década de 90, na qual fora impulsionado por fatores como a estabilidade econômica e o sucesso de alguns empreendimentos na década de 80. Porém vale ressaltar que a participação de shopping centers brasileiros no volume de vendas do varejo nacional é de aproximadamente 18%, número este bem inferior ao de países desenvolvidos como Canadá, EUA e França. É importante ainda frisarmos que o Brasil apresenta uma baixa relação de ABL dos shopping centers por número de habitantes, onde em nosso país há 43m2 de ABL para cada 1000 habitantes, enquanto que nos EUA, esta relação é de 2180m2 para cada 1000 habitantes. Com isso, considerando os fatores ditos acima com a expectativa de elevação na renda da população, manutenção do baixo nível de desemprego e a baixa relação ABL por habitante, as perspectivas para o setor de shopping centers no Brasil são bastante favoráveis, na qual acreditamos que haverá uma tendência a consolidação devido a estas perspectivas e ao fato do setor ser bastante pulverizado. Vale frisar que o setor tem uma alta previsibilidade operacional, e uma grande proteção contra a inflação devido ao fato de que a maior parte da receita do setor, provém do aluguel dos estabelecimentos que são reajustados pelo IGP-M Quanto aos riscos destacamos a forte correlação com o setor varejista, onde qualquer impacto negativo sobre tal setor como uma recessão econômica por conseqüência impactaria negativamente também o setor de shopping centers. Conclusão e Preço-Alvo: Para calcular o preço justo das ações da companhia optamos pelo modelo de desconto de dividendos que exige a projeção dos principais itens do demonstrativo de resultado para os próximos anos. Assim segue abaixo as principais premissas consideradas para a projeção deste mesmo.

3 DRE (R$ mil) 2014' 2015' 2016' Receita Líquida Custos Bens/Serviços Lucro Bruto Despesas Oper Lucro Operacional Resultado Financeiro LAIR IR Lucro Líquido Receita Bruta Consideramos crescimento de 20% em 2014 devido as expansões em desenvolvimento dos shoppings e as perspectivas bastante favoráveis para o setor de atuação. Nos demais anos, até 2018 consideramos um crescimento de 15% devido a expectativa de crescimento populacional em regiões onde estão localizados alguns de seus shoppings, e as perspectivas favoráveis para o setor de atuação. Margem Bruta- Consideramos a margem bruta de 79% que está em linha com a margem divulgada no último ano da companhia. Despesas Operacionais Foi projetado o patamar de 8% que está em linha com aquela divulgada nos últimos anos da companhia. Resultado Financeiro Projetado de acordo com a dívida e o saldo em aplicações financeiras que a empresa detém chegou-se ao nível de -10% da receita líquida. Considerando as premissas utilizadas acima, as taxas de desconto (wacc) que serviram para descontar os dividendos encontrados em cada ano, o payout de 80% considerado no período estável e o crescimento de 3% no período de perpetuidade em linha com o crescimento nominal esperado para a economia encontramos um preço-alvo de R$ 31,53, o que representa um potencial de valorização de 71,17%. Com isso considerando o forte potencial de valorização, os múltiplos projetados abaixo, principalmente o P/L que está sendo negociado com grande desconto em relação aos seus pares, as perspectivas bastante favoráveis e as peculiaridades do setor, como a alta previsibilidade operacional e a situação econômica financeira bastante confortável da companhia, onde vale destacar que a relação

4 dívida bruta/patrimônio líquido é baixa (somente 0,40), recomendamos a COMPRA das ações da Sonae Sierra. Empresa P/L 14 P/VPA 14 ROE 14 Div Yield 14 SSBR3 9,11 0,60 6,62% 2,73% Quadro: DRE (R$ mil) 2014' 2015' 2016' Receita Líquida Custos Bens/Serviços Lucro Bruto Despesas Oper Lucro Operacional Resultado Financeiro LAIR IR Lucro Líquido

5 BALANÇO PATRIMONIAL PROJETADO (R$ mil) ATIVO TOTAL ATIVO CIRCULANTE CAIXA CONTAS A RECEBER ESTOQUES OUTROS ATIVOS CIRCULANTES ATIVO REALIZÀVEL A LONGO PRAZO ATIVO IMOBILIZADO PASSIVO TOTAL PASSIVO CIRCULANTE FORNECEDORES EMPRÈSTIMOS E FINANCIAMENTOS C.P OUTROS PASSIVOS CIRCULANTES PASSIVO NÂO CIRCULANTE EMPRÈSTMOS E FINANCIAMENTOS L.P OUTROS PASSIVOS NÃO CIRCULANTES PATRIMÔNIO LÌQUIDO Disclaimer: Disclaimer instrução CVM nº 483 Em conformidade com as disposições da Instrução CVM nº 483 de 06/07/2010, o Analista de Investimento responsável pela elaboração deste relatório Caio Farme d Amoed declara que: (I) As análises e recomendações refletem única e exclusivamente suas opiniões pessoais, às quais foram realizadas de forma independente e autônoma. (II) Pode deter diretamente ou indiretamente ações de emissão da companhia objeto deste Relatório, e desta forma pode estar

6 envolvido na aquisição ou alienação desta ação, dentro dos padrões estabelecidos pela Instrução CVM nº 483. (III) Possui CNPI certificado pela Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais (APIMEC) e é registrado na Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Disclaimer BlueChipInvest Este relatório foi elaborado pela BlueChipInvest para uso exclusivo de seus assinantes, não podendo ser reproduzido ou distribuído por qualquer pessoa sem expressa autorização da BlueChipInvest. As informações, sugestões e opiniões contidas neste relatório tem como objetivo prover informações e sugestões, assim sendo informamos que o retorno e o risco associado de quaisquer decisões de investimento ou desinvestimento tomadas a partir de suas informações e sugestões, são exclusivamente do cliente ou usuário deste relatório. As informações contidas neste relatório são consideradas confiáveis na data de sua publicação. Entretanto, as informações aqui contidas não representam por parte da BlueChipInvest garantia de exatidão das informações prestadas e projeções efetuadas.

PETROBRÁS S/A. No resultado de 2013 a receita líquida da companhia tinha a seguinte divisão: - Refino, Transporte e Comercialização (44%)

PETROBRÁS S/A. No resultado de 2013 a receita líquida da companhia tinha a seguinte divisão: - Refino, Transporte e Comercialização (44%) PETROBRÁS S/A Empresa: É uma companhia que atua na exploração, produção e distribuição de petróleo e derivados. A Petrobrás possui atividades operacionais em 25 países, estando presente em todos os continentes.

Leia mais

VALE RIO DOCE S/A. No resultado de 2013 a receita líquida da companhia tinha a seguinte divisão:

VALE RIO DOCE S/A. No resultado de 2013 a receita líquida da companhia tinha a seguinte divisão: VALE RIO DOCE S/A Empresa: A companhia é uma das maiores mineradoras do mundo, sendo a maior das Américas, baseada na capitalização de mercado. É a maior produtora mundial de minério de ferro e pelotas

Leia mais

Preço: R$18,85 grupos privados do setor de transmissão de energia elétrica no Brasil. A. possui 100% dos ativos de treze concessões.

Preço: R$18,85 grupos privados do setor de transmissão de energia elétrica no Brasil. A. possui 100% dos ativos de treze concessões. TAESA Código: DADOS DETAEE11 MERCADO / VALUATION PERSPECTIVA: POSITIVA A Transmissora Aliança de Energia Elétricas (Taesa) é um dos maiores Preço: R$18,85 grupos privados do setor de transmissão de energia

Leia mais

Cia. Hering D É B O R A D A R I N

Cia. Hering D É B O R A D A R I N Cia. Hering D É B O R A D A R I N G I O VA N N A S A R T O R V E R Í S S I M O C R E D I T S U I S S E A WA R D S 2 0 1 6 0 2 D E J U N H O D E 2 0 1 6 M A R C O A N T O N I O PAT H E F I L H O M A R I

Leia mais

Lojas Americanas Relatório de Atualização

Lojas Americanas Relatório de Atualização Recomendação LAME4 Compra Preço em 19/07/17 (R$) 14,88 Ações (MM) 1.043 Valor Mercado (R$ MM) 22.150 Mín. 52 semanas (R$) 13,20 Máx. 52 semanas (R$) 21,64 Variação 1 Semana (2,6%) Variação 1 Mês 7,2% Variação

Leia mais

semana mês ano 12 meses -1,31% +0,26% -9,72% +0,81%

semana mês ano 12 meses -1,31% +0,26% -9,72% +0,81% Índice Bovespa BOVESPA Fechamento: 62.565 SU: 60.558 Tendência de C/M/L prazos IFR Volume IBOV Variação: -0,75% RE: 63.745 Lateral / Baixa / Baixa 53,71% R$ 4,73 bi -1,31% +0,26% -9,72% +0,81% O IBOV fechou

Leia mais

31 de outubro de OdontoPrev Bom resultado no 3T13, em linha com as expectativas

31 de outubro de OdontoPrev Bom resultado no 3T13, em linha com as expectativas Bom resultado no 3T13, em linha com as expectativas Após a divulgação dos resultados do 3T13 e da teleconferência realizada pela, iniciamos nosso preço justo de R$ 11,00 por ação ODPV3, com base em modelos

Leia mais

Iochpe-Maxion Relatório de Atualização

Iochpe-Maxion Relatório de Atualização jan-16 mar-16 mai-16 jul-16 set-16 nov-16 Iochpe-Maxion Recomendação Neutro MYPK3 Preço em 04/01/17 (R$) 12,59 Ações (MM) 95 Valor Mercado (R$ MM) 1.187 Mín. 52 semanas (R$) 8,34 Máx. 52 semanas (R$) 20,31

Leia mais

8.000 ATIVO CIRCULANTE

8.000 ATIVO CIRCULANTE BALANÇO PATRIMONIAL DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO Ativo X0 X1 Receita de Vendas 8.000 ATIVO CIRCULANTE 500 2.150 (-) CPV -5.000 Caixa 100 1.000 Lucro Bruto 3.000 Bancos 200 100 (-) Despesas financeiras -1.500

Leia mais

Exercício I Calcule a depreciação anual em cada situação abaixo.

Exercício I Calcule a depreciação anual em cada situação abaixo. Exercício I Calcule a depreciação anual em cada situação abaixo. a. Máquina adquirida por $18.000, com vida útil estimada de 15 anos e valor residual $3.000. b. Veículo adquirido por $30.000, com vida

Leia mais

ISBE 3 - Uberlândia Novo INSTRUÇÕES DA PROVA

ISBE 3 - Uberlândia Novo INSTRUÇÕES DA PROVA Assinatura: Nº Questão: 5 INSTRUÇÕES DA PROVA A prova é individual e intransferível, confira os seus dados. Responda dentro da área reservada ao aluno. Não escreva fora das margens ou atrás da folha. Textos

Leia mais

PRINCIPAIS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

PRINCIPAIS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PRINCIPAIS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Flávio Smania Ferreira 5 termo ADMINISTRAÇÃO GERAL e-mail: flavioferreira@live.estacio.br blog: http://flaviosferreira.wordpress.com Demonstrações Contábeis: Representa

Leia mais

Relatório Analítico 30 de abril de 2012

Relatório Analítico 30 de abril de 2012 MANUTENÇÃO Código de Negociação Bovespa ALPA4 Segmento de Atuação Principal Têxtil e Vestuário Categoria segundo a Liquidez 2 Linha Valor de M ercado por Ação (R$) 15,55 Valor Econômico por Ação (R$) 18,67

Leia mais

APRESENTAÇÃO RESULTADOS 1T16

APRESENTAÇÃO RESULTADOS 1T16 APRESENTAÇÃO RESULTADOS 1T16 10 de maio de 2016 POTENCIAL DE CRIAÇÃO DE VALOR DOS NOVOS SHOPPINGS DA COMPANHIA O Uberlândia, o Boulevard Londrina e o Passeio das Águas representam atualmente 50% da ABL

Leia mais

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon Avaliação de Empresas EVA E MVA Aula 11 EVA Indica a quantia em termos monetários que foi adicionada à riqueza efetiva do acionista em determinado período Diferente do lucro contábil, pois considera o

Leia mais

Contabilidade Avançada Prof. João Domiraci Paccez Exercício Nº 17

Contabilidade Avançada Prof. João Domiraci Paccez Exercício Nº 17 Exercício Nº 17 1 Elaboração do Balanço Patrimonial de em moeda de ATIVO Valores Históricos Valores ajustados Quant. de Valores na moeda de Ativo circulante 350.000 105.132,3249 416.324 Caixa 80.000 80.000

Leia mais

ÁPICE SECURITIZADORA S.A. 1ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários. 65ª Série

ÁPICE SECURITIZADORA S.A. 1ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários. 65ª Série ÁPICE SECURITIZADORA S.A. 1ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários 65ª Série Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015 PARTICIPANTES EMISSORA INSTITUIÇÃO

Leia mais

EXERCICIOS SOBRE DFC. As demonstrações contábeis da Empresa Cosmos, sociedade anônima de capital aberto, em X2, eram os seguintes:

EXERCICIOS SOBRE DFC. As demonstrações contábeis da Empresa Cosmos, sociedade anônima de capital aberto, em X2, eram os seguintes: EXERCICIOS SOBRE DFC As demonstrações contábeis da Empresa Cosmos, sociedade anônima de capital aberto, em 31.12.X2, eram os seguintes: ATIVO X1 X2 PASSIVO X1 X2 Disponível 3.000 1.500 Fornecedores 54.000

Leia mais

Etapas da análise das demonstrações

Etapas da análise das demonstrações Etapas da Análise das Demonstrações Financeiras Etapas da análise das demonstrações Coleta de dados Conferência dos dados coletados Preparação dos dados para análise Processamento dos dados Análise dos

Leia mais

ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES S.A. 3ª Emissão de Debêntures. Série Única. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015

ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES S.A. 3ª Emissão de Debêntures. Série Única. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015 ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES S.A. 3ª Emissão de Debêntures Série Única Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015 PARTICIPANTES EMISSORA COORDENADOR(ES) ESCRITURADOR LIQUIDANTE

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis Aplicações Práticas

Análise das Demonstrações Contábeis Aplicações Práticas Introdução O capítulo desenvolverá aplicações práticas do processo de análise econômico-financeira com base nas demonstrações de uma empresa de eletroeletrônicos Todos os valores dos demonstrativos estão

Leia mais

Ajuste Diário Boi Gordo. 1 x R$ 150,00 x 330 = R$ ,00 1 x R$ 152,00 x 330 = R$ ,00. Ajuste Diário Milho. Dia 1-09:00 Dia 1-15:30

Ajuste Diário Boi Gordo. 1 x R$ 150,00 x 330 = R$ ,00 1 x R$ 152,00 x 330 = R$ ,00. Ajuste Diário Milho. Dia 1-09:00 Dia 1-15:30 XP - Análise Cálculo de Diário BM&F Diário Boi Gordo Dia 1-09:00 Dia 1-16:00 1 x R$ 150,00 x 330 = R$ 49.500,00 1 x R$ 152,00 x 330 = R$ 50.160,00 R$ 152,00 - R$150,00 = R$ 2,00 diário R$ 2,00 x 330 =

Leia mais

Empresa 4 BETA Balanço Patrimonial em 31/12/X0

Empresa 4 BETA Balanço Patrimonial em 31/12/X0 1. Cenário: 1 A Empresa sec 5fabrica somente o produto. O processo orçamentário começa em outubro, antes do final do período contábil a 31 de Dezembro. Os resultados esperados no ano corrente, a se encerrar

Leia mais

1. Elaborar a Demonstração dos Fluxos de Caixa (Método Direto e Indireto). BALANÇO PATRIMONIAL Ativo X1 X2 Variação ATIVO CIRCULANTE

1. Elaborar a Demonstração dos Fluxos de Caixa (Método Direto e Indireto). BALANÇO PATRIMONIAL Ativo X1 X2 Variação ATIVO CIRCULANTE 1. Elaborar a Demonstração dos Fluxos de Caixa (Método Direto e Indireto). C I A. E X E M P L O BALANÇO PATRIMONIAL Ativo X1 X2 Variação ATIVO CIRCULANTE Caixa 2.500 18.400 15.900 Clientes 15.600 13.400

Leia mais

Nivelamento de Conceitos Contábeis

Nivelamento de Conceitos Contábeis Nivelamento de Conceitos Contábeis Demonstrações Contábeis Balanço Patrimonial - BP Demonstração de Resultado do Exercício - DRE Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Substituiu a Demonstração das Origens

Leia mais

Reorganização do Grupo Telemar

Reorganização do Grupo Telemar A Reorganização do 03/06/2011 A Oi, empresa que será resultantee da consolidação societária das empresas do, compostas pela Tele Norte Leste Participações (TNLP), Telemar Norte Leste (TMAR), Brasil Telecom

Leia mais

Dersa Desenvolvimento Rodoviário S.A. Balanços patrimoniais

Dersa Desenvolvimento Rodoviário S.A. Balanços patrimoniais Balanços patrimoniais em 31 de dezembro de 2014 e 2013 Ativo Nota 2014 2013 Passivo Nota 2014 2013 (Ajustado) (Ajustado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 5 48.650 835 Fornecedores 10

Leia mais

MENDES JUNIOR ENGENHARIA S/A 8ª Emissão de Debêntures. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015

MENDES JUNIOR ENGENHARIA S/A 8ª Emissão de Debêntures. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015 MENDES JUNIOR ENGENHARIA S/A 8ª Emissão de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015 PARTICIPANTES EMISSORA COORDENADOR(ES) ESCRITURADOR LIQUIDANTE MENDES JUNIOR

Leia mais

FLUXO DE CAIXA OPERACIONAL (FCO) X FLUXO DE CAIXA DO ACIONISTA (FCA)

FLUXO DE CAIXA OPERACIONAL (FCO) X FLUXO DE CAIXA DO ACIONISTA (FCA) FLUXO DE CAIXA OPERACIONAL (FCO) X FLUXO DE CAIXA DO ACIONISTA (FCA)! Qual a diferença entre o FCO e o FCA?! Quando utilizar o FCO e o FCA?! Taxa de desconto a ser utilizada para descontar o FCO e o FCA!

Leia mais

Unidade IV ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade IV ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Prof. Jean Cavaleiro Unidade IV ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Prof. Jean Cavaleiro Introdução Essa unidade tem como objetivo abordar mais alguns índices importantes para a análise das demonstrações financeiras. Indicadores

Leia mais

SU: Tendência de C/M/L prazos IFR Volume RE: Alta / Baixa / Baixa 53,34% R$ 5,52 bi

SU: Tendência de C/M/L prazos IFR Volume RE: Alta / Baixa / Baixa 53,34% R$ 5,52 bi Índice Bovespa BOVESPA Fechamento: 64.218 IBOV Variação: +1,27% SU: 63.388 Tendência de C/M/L prazos IFR Volume RE: 65.448 Alta / Baixa / Baixa 53,34% R$ 5,52 bi -0,12% -0,62% -7,34% +2,03% Formou-se um

Leia mais

Demonstrações Contábeis Obrigatórias

Demonstrações Contábeis Obrigatórias ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NO BRASIL Demonstrações Contábeis Obrigatórias Balanço Patrimonial (BP) Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido

Leia mais

FEA- USP, 30 de setembro de AVALIAÇÃO INTERMEDIÁRIA: EAE 422 Análise e Elaboração de Projetos Prof. Dr. Eduardo Luzio. Nome:

FEA- USP, 30 de setembro de AVALIAÇÃO INTERMEDIÁRIA: EAE 422 Análise e Elaboração de Projetos Prof. Dr. Eduardo Luzio. Nome: AVALIAÇÃO INTERMEDIÁRIA: EAE 422 Análise e Elaboração de Projetos Prof. Dr. Eduardo Luzio FEA- USP, 30 de setembro de 2015 Nome: PROVA INDIVIDUAL, SEM CONSULTA. SOMENTE SERÁ PERMITIDO O USO DE CALCULADORAS

Leia mais

PÁTRIA COMPANHIA SECURITIZADORA DE CRÉDITOS IMOBILIÁRIOS

PÁTRIA COMPANHIA SECURITIZADORA DE CRÉDITOS IMOBILIÁRIOS PÁTRIA COMPANHIA SECURITIZADORA DE CRÉDITOS IMOBILIÁRIOS 2ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários Série: 1ª Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2013 PÁTRIA COMPANHIA SECURITIZADORA

Leia mais

Nivelamento de Conceitos Contábeis

Nivelamento de Conceitos Contábeis Nivelamento de Conceitos Contábeis Demonstrações Contábeis Balanço Patrimonial - BP Demonstração de Resultado do Exercício - DRE Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Substituiu a Demonstração das Origens

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 6) 25.888 67.330 Fornecedores 4.797 8.340 Aplicações financeiras 3.341

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS

DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS CAPÍTULO 29 DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS 29.1 CONCEITO A demonstração das origens e aplicações de recursos é de elaboração e publicação obrigatórias para as sociedades anônimas. Entretanto,

Leia mais

Propriedades para Investimento CPC 28/ IAS 40. Exemplo: BR Malls DRE e extratos de notas explicativas. EAC 0481 Contabilidade Intermediária II

Propriedades para Investimento CPC 28/ IAS 40. Exemplo: BR Malls DRE e extratos de notas explicativas. EAC 0481 Contabilidade Intermediária II Propriedades para Investimento CPC 28/ IAS 40 Exemplo: BR Malls DRE e extratos de notas explicativas EAC 0481 Contabilidade Intermediária II 1 2 Nota 2 - Apresentação A Administração da Companhia optou

Leia mais

2

2 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 Controladora Consolidado ATIVO Jun 2009 Set 2009 Jun 2009 Set 2009 Circulante Disponibilidades 23,0 37,4 56,1 92,1 Contas a receber de clientes 62,8 72,8 114,2 125,9 Estoques

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 9- Unidade II - A análise tradicional das demonstrações contábeis. Prof.

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 9- Unidade II - A análise tradicional das demonstrações contábeis. Prof. ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aula 9- Unidade II - A análise tradicional das demonstrações contábeis Prof.: Marcelo Valverde Unidade II. Análise tradicional das demonstrações contábeis 2.4. Análise

Leia mais

1. (adaptado do ENADE 2009) Em 31/12/X8, os balanços individuais das companhias Controladora e Controlada apresentavam os seguintes valores:

1. (adaptado do ENADE 2009) Em 31/12/X8, os balanços individuais das companhias Controladora e Controlada apresentavam os seguintes valores: UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ATUARIAIS Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Societária 2 Profª.: Márcia

Leia mais

17 de Fevereiro de 2017

17 de Fevereiro de 2017 : Resultados crescentes, mas ação bem precificada A crise na siderurgia mundial, a recessão no Brasil, a alta dos juros e os baixos preços do minério de ferro impactaram em muito os resultados da até o

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN BC: Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) registra alta de 0,3% em novembro e retração de 2,3% em 12 meses O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados

Leia mais

- Assessoria de Mercado de Capitais e Empresarial Ltda - Consultores Ltda

- Assessoria de Mercado de Capitais e Empresarial Ltda - Consultores Ltda 12/07/2010 FLEURY S.A. A Companhia VENDA Código em Bolsa FLRY3 Setor SAÚDE Cotação em 05/07/10 R$ 20,20 Preço Alvo R$ 20,65 Potencial de Valorização 2,22% Valor de Mercado (em mil) R$ 2.652.230 Cotação

Leia mais

Cemig Relatório de Atualização

Cemig Relatório de Atualização set-15 nov-15 jan-16 mar-16 mai-16 jul-16 Cemig Recomendação CMIG4 Neutra Preço em 13/09/16 (R$) 8,89 Ações (MM) 1.259 Valor Mercado (R$ MM) 11.129 Mín. 52 semanas (R$) 3,89 Máx. 52 semanas (R$) 9,97 Variação

Leia mais

LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE S/A 9ª Emissão de Debêntures. 1ª e 2ª Séries

LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE S/A 9ª Emissão de Debêntures. 1ª e 2ª Séries LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE S/A 9ª Emissão de Debêntures 1ª e 2ª Séries Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015 PARTICIPANTES EMISSORA COORDENADOR(ES) ESCRITURADOR

Leia mais

Unidade IV ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Unidade IV ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade IV 20 RESOLUÇÃO DE UM EXERCÍCIO COMPLETO 5 Resolução de um exercício completo elaborado conforme a legislação em vigor. Todos os demonstrativos contábeis já

Leia mais

Baseado no comprovado método de avaliação de Benjamin Graham, mentor de Warren Buffett, maior investidor de todos os tempos.

Baseado no comprovado método de avaliação de Benjamin Graham, mentor de Warren Buffett, maior investidor de todos os tempos. Baseado no comprovado método de avaliação de Benjamin Graham, mentor de Warren Buffett, maior investidor de todos os tempos. Aviso Importante O autor não tem nenhum vínculo com as pessoas, instituições

Leia mais

Súmario APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO SINOPSES PARA CARREIRAS FISCAIS EDITAL SISTEMATIZADO APRESENTAÇÃO... 21

Súmario APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO SINOPSES PARA CARREIRAS FISCAIS EDITAL SISTEMATIZADO APRESENTAÇÃO... 21 Súmario APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO SINOPSES PARA CARREIRAS FISCAIS... 13 EDITAL SISTEMATIZADO... 15 APRESENTAÇÃO... 21 CAPÍTULO I NOÇÕES DE CONTABILIDADE... 23 1. Noções de contabilidade...23 1.1. Conceitos,

Leia mais

MERCADO FUTURO BOI GORDO BM&F. BGIV16 OUTUBRO 16 (BM&F) Análise Técnica

MERCADO FUTURO BOI GORDO BM&F. BGIV16 OUTUBRO 16 (BM&F) Análise Técnica MERCADO FUTURO BOI GORDO BM&F BGIV16 OUTUBRO 16 (BM&F) Análise Técnica O contrato futuro de Boi Gordo V16 saiu do canal de acumulação de curtíssimo prazo e perdeu Suporte em 166,00, fortalecendo as vendas

Leia mais

CARTA INVA CAPITAL Janeiro/2012 Raphael Cordeiro, CNPI

CARTA INVA CAPITAL Janeiro/2012 Raphael Cordeiro, CNPI CARTA INVA CAPITAL Janeiro/2012 Raphael Cordeiro, CNPI RETROSPECTIVA 2011 2011 foi um ano ímpar! Vimos a Europa entrar em uma crise sem precedentes e o crescimento econômico brasileiro desapontou os investidores.

Leia mais

CARTEIRA RECOMENDADA FIIS RESEARCH

CARTEIRA RECOMENDADA FIIS RESEARCH 29 de dezembro de 2016 AESAPAR (AEFI11) FII de desenvolvimento (construção) de dois campi universitários (Cuiabá e Campinas) à Anhanguera Educacional. O ativo possui contratos longos (BTS) de locação,

Leia mais

Relatório do Administrador Junho de 2015 VECTOR QUELUZ LAJES CORPORATIVAS FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIARIO CNPJ nº

Relatório do Administrador Junho de 2015 VECTOR QUELUZ LAJES CORPORATIVAS FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIARIO CNPJ nº Relatório do Administrador Junho de 2015 VECTOR QUELUZ LAJES CORPORATIVAS FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIARIO CNPJ nº 13.842.683/0001-76 Em conformidade com o Art. 39 da Instrução CVM nº 472, de 31 de outubro

Leia mais

Brasil Pharma. Conferência de Resultados 2T16 11 de Agosto de 2016

Brasil Pharma. Conferência de Resultados 2T16 11 de Agosto de 2016 Brasil Pharma Conferência de Resultados 2T16 11 de Agosto de 2016 2 Destaques 2T16 Destaques: Margem Bruta Margem bruta de 30,0%, com crescimento de 1,6 p.p. em relação ao 1T16 e 2,4 p.p. em relação ao

Leia mais

COMO CONVERTER DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS PARA A MOEDA AMERICANA (FAS 52) - CASO PRÁTICO

COMO CONVERTER DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS PARA A MOEDA AMERICANA (FAS 52) - CASO PRÁTICO COMO CONVERTER DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS PARA A MOEDA AMERICANA (FAS 52) - CASO PRÁTICO! Caso prático de conversão de um demonstrativo contábil para moeda estrangeira.! Planilha para conversão

Leia mais

Abril. Stock Guide CONTEÚDO. 02 Neutras / Não Atrativas 03 Análise de empresas. Atrativas

Abril. Stock Guide CONTEÚDO. 02 Neutras / Não Atrativas 03 Análise de empresas. Atrativas Stock Guide 04 de abril de 2017 Abril CONTEÚDO Guia técnico do mercado brasileiro voltado para investidores de longo prazo. 01 s 02 Neutras / Não s 03 Análise de empresas Analista responsável Victor Benndorf

Leia mais

EMPRESA DE ÔNIBUS PÁSSARO MARRON S.A. (sucessora legal da CMP PARTICIPAÇÕES S.A.) 1ª Emissão Pública de Debêntures

EMPRESA DE ÔNIBUS PÁSSARO MARRON S.A. (sucessora legal da CMP PARTICIPAÇÕES S.A.) 1ª Emissão Pública de Debêntures EMPRESA DE ÔNIBUS PÁSSARO MARRON S.A. (sucessora legal da CMP PARTICIPAÇÕES S.A.) 1ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2013 Empresa de Ônibus Pássaro Marron

Leia mais

Kinea Rendimentos Imobiliários - FII. Relatório de Gestão

Kinea Rendimentos Imobiliários - FII. Relatório de Gestão Kinea Rendimentos Imobiliários - FII Relatório de Gestão Dezembro de 2012 Palavra do Gestor Prezado investidor, O Kinea Rendimentos Imobiliários FII ( Fundo ) iniciou suas atividades no mês de novembro

Leia mais

SEM0530 Problemas de Engenharia Mecatrônica II

SEM0530 Problemas de Engenharia Mecatrônica II SEM0530 Problemas de Engenharia Mecatrônica II Prof. Marcelo A. Trindade Departamento de Engenharia Mecânica Escola de Engenharia de São Carlos - USP Sala 2º andar Prédio Engenharia Mecatrônica (ramal

Leia mais

Você espera o melhor. A gente faz. Junho / 2015

Você espera o melhor. A gente faz. Junho / 2015 Você espera o melhor. A gente faz. Junho / 2015 SEÇÃO 1 Visão Geral da Companhia História de Empreendedorismo e Crescimento 2014 1993 Fundação com 16 carros 2008 PRIVATE EQUITY maior disciplina financeira

Leia mais

Como fazer avaliação econômico financeira de empresas. Este conteúdo faz parte da série: Balanço Patrimonial Ver 3 posts dessa série

Como fazer avaliação econômico financeira de empresas. Este conteúdo faz parte da série: Balanço Patrimonial Ver 3 posts dessa série Este conteúdo faz parte da série: Balanço Patrimonial Ver 3 posts dessa série O que é: Basicamente, é uma metodologia de análise que você pode usar para entender a estrutura econômico e financeira da empresa

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO GWI RENDA IMOBILIÁRIA

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO GWI RENDA IMOBILIÁRIA I. OBJETO DO FUNDO Relatório da Instituição Administradora Período janeiro a junho 2014 Fundo de Investimento Imobiliário GWI Renda Imobiliária O Fundo de Investimentos Imobiliário GWI Renda Imobiliária,

Leia mais

Long & Short Fundamentalista

Long & Short Fundamentalista Razão de COMPRAR RADL3 Preço de Entrada R$ 57,65 troca Preço atual R$ 57,65 (entrada) Razão de troca (atual) RESULTADO VENDER QUAL3 Preço de Entrada R$ 18,90 3,050 Preço atual R$ 18,90 3,050 0,0% Long

Leia mais

BRINOX METALÚRGICA S.A., sucessora por incorporação de CELLE SP PARTICIPAÇÕES S.A. 1ª Emissão Pública de Debêntures

BRINOX METALÚRGICA S.A., sucessora por incorporação de CELLE SP PARTICIPAÇÕES S.A. 1ª Emissão Pública de Debêntures BRINOX METALÚRGICA S.A., sucessora por incorporação de CELLE SP PARTICIPAÇÕES S.A. 1ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2013 Brinox Metalúrgica S.A., sucessora

Leia mais

Resultados 3º Trimestre 2012

Resultados 3º Trimestre 2012 Resultados 3º Trimestre 2012 jan/03 abr/03 jul/03 out/03 jan/04 abr/04 jul/04 out/04 jan/05 abr/05 jul/05 out/05 jan/06 abr/06 jul/06 out/06 jan/07 abr/07 jul/07 out/07 jan/08 abr/08 jul/08 out/08 jan/09

Leia mais

Análise das Demonstrações Financeiras

Análise das Demonstrações Financeiras Análise das Demonstrações Financeiras Professora conteudista: Divane A. Silva Sumário Análise das Demonstrações Financeiras Unidade I 1 APRESENTAÇÃO DOS CONCEITOS BÁSICOS E IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE FINANCEIRA...1

Leia mais

APIMEC. Reunião Pública com Analistas e Investidores

APIMEC. Reunião Pública com Analistas e Investidores APIMEC Reunião Pública com Analistas e Investidores 27 de novembro de 2013 Aviso Legal O material a seguir contém informações gerais a respeito da Sonae Sierra Brasil S.A. e de suas subsidiárias ( Companhia

Leia mais

MELHORANDO A CAPACIDADE DE ANÁLISE FINANCEIRA

MELHORANDO A CAPACIDADE DE ANÁLISE FINANCEIRA MELHORANDO A CAPACIDADE DE ANÁLISE! Analisando o fluxo de caixa de um período! As 3 fontes de formação do caixa Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante Associados,

Leia mais

Lista de Exercícios sobre Leasing

Lista de Exercícios sobre Leasing Lista de Exercícios sobre Leasing Ressalva: Em todos os exercícios, foi considerado que as empresas envolvidas adotam as normas CPC/IFRS para publicação Premissa comum: quando necessário, o valor residual

Leia mais

- Assessoria de Mercado de Capitais e Empresarial Ltda - Consultores Ltda

- Assessoria de Mercado de Capitais e Empresarial Ltda - Consultores Ltda 21/07/2010 ODONTOPREV S.A. A Companhia COMPRA Código em Bolsa ODPV3 Setor SAÚDE Cotação em 12/07/10 R$ 16,30 Preço Alvo R$ 36,44 Potencial de Valorização 123,55% Valor de Mercado (em mil) R$ 2.886.697

Leia mais

Comentários da prova SEFAZ-PE Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova SEFAZ-PE Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Olá amigos, Comentários da prova SEFAZ-PE ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE GERAL - SEFAZ-PE Trago para vocês os comentários da prova da SEFAZ-PE realizado no último

Leia mais

Demonstração dos Fluxos de Caixa como instrumento da Governança

Demonstração dos Fluxos de Caixa como instrumento da Governança Demonstração dos Fluxos de Caixa como instrumento da Governança ANTECEDENTES Na década de 80, no ambiente empresarial-societário dos Estados Unidos, uma das questões mais discutidas foi a da governança

Leia mais

Contabilidade Avançada Prof. João Domiraci Paccez Exercício Nº 13

Contabilidade Avançada Prof. João Domiraci Paccez Exercício Nº 13 Exercício Nº 13 1 Exercício Nº 13 - Contabilidade em nível geral de preços Elaboração do Balanço Patrimonial de em ATIVO na Ativo circulante 150.000 78.341,9444 164.518 Caixa 20.000 20.000 10.000,0000

Leia mais

A Dimensão Econômico-Financeira da UNIMED BH

A Dimensão Econômico-Financeira da UNIMED BH A Dimensão Econômico-Financeira da UNIMED BH Prof. Haroldo Vale Mota 2013 A DINÂMICA DO AMBIENTE COMPETITIVO O setor de saúde está passando por um processo de transformação, com destaque demanda ainda

Leia mais

CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 28 DE FEVEREIRO DE 2011 (Em R$ Mil)

CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 28 DE FEVEREIRO DE 2011 (Em R$ Mil) CNPJ 47.902.648/0001-17 CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 28 DE FEVEREIRO DE 2011 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE Caixa e Bancos 46 Fornecedores 41.785 Aplicações Financeiras 5.541 Provisão

Leia mais

Conceito É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, a posição patrimonial e financeira

Conceito É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, a posição patrimonial e financeira Demonstrações Contábeis Balanço Patrimonial e Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) Balanço Patrimonial Conceito É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente,

Leia mais

Palestra. Apresentação das Demonstrações Contábeis e Notas Explicativas (CPC 03 e 09) Outubro Elaborado por:

Palestra. Apresentação das Demonstrações Contábeis e Notas Explicativas (CPC 03 e 09) Outubro Elaborado por: Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

TCU - Aula 03 C. Geral III

TCU - Aula 03 C. Geral III Sumário 1 TC RO Contador CESPE 2013 - Questão 051 Critérios de avaliação de ativos... 2 2 TC RO Contador CESPE 2013 - Questão 052 Critérios de Avaliação de Ativos... 2 3 TC RO Contador CESPE 2013 - Questão

Leia mais

- Assessoria de Mercado de Capitais e Empresarial Ltda - Consultores Ltda

- Assessoria de Mercado de Capitais e Empresarial Ltda - Consultores Ltda 05/03/2010 CONFAB INDUSTRIAL S.A. A Companhia COMPRA Código em Bolsa CNFB4 Setor Bens de Capital Cotação em 04/03/10 R$ 4,82 Preço Alvo R$ 11,10 Potencial de Valorização 130,3% Valor de Mercado (em mil)

Leia mais

PÁTEO MOINHOS DE VENTO

PÁTEO MOINHOS DE VENTO Relatório da Instituição Administradora Período Janeiro a Junho de 2014 Fundo de Investimento Imobiliário Páteo Moinhos de Vento I. Objeto do Fundo O Fundo de Investimento Imobiliário Páteo Moinhos de

Leia mais

COMO UTILIZAR O FLUXO DE CAIXA OPERACIONAL PARA VALORIZAR UMA EMPRESA

COMO UTILIZAR O FLUXO DE CAIXA OPERACIONAL PARA VALORIZAR UMA EMPRESA COMO UTILIZAR O FLUXO DE CAIXA OPERACIONAL PARA VALORIZAR UMA EMPRESA! Valorizando a empresa para todos os detentores de direitos.! A taxa correta de desconto.! O cálculo da valor residual. Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

Sexta-feira, 28 de Agosto de Panorama do Mercado Análise Ibovespa. #IBOV Diário

Sexta-feira, 28 de Agosto de Panorama do Mercado Análise Ibovespa. #IBOV Diário Sexta-feira, 28 de Agosto de 2015 Panorama do Mercado Análise Ibovespa #IBOV Diário O Ibovespa segue em forte tendência de baixa mostrando forte rally dos compradores x vendedores no suporte em 44.000

Leia mais

Capítulo Planejamento Orçamentário DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO DE ORÇAMENTO. Aspectos preliminares importantes. Planejamento orçamentário

Capítulo Planejamento Orçamentário DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO DE ORÇAMENTO. Aspectos preliminares importantes. Planejamento orçamentário Capítulo 16 DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO DE ORÇAMENTO 16.1 Planejamento Orçamentário 16.1 Planejamento orçamentário 16.2 Elaboração de quadros orçamentários 16.3 Projeções de resultados Administração Financeira:

Leia mais

Panorama Econômico 2017 Relatório de Atualização

Panorama Econômico 2017 Relatório de Atualização Economia em 2017 EUA Durante o ano de 2016, observou-se uma continuação da gradual recuperação da economia americana e do seu mercado de trabalho, apesar da piora das perspectivas do cenário global. Crescimento

Leia mais

Carteira Top Pick. Comentário. Carteira Sugerida para Janeiro. Carteira Sugerida de Dezembro

Carteira Top Pick. Comentário. Carteira Sugerida para Janeiro. Carteira Sugerida de Dezembro A carteira direcional recomendada pela equipe de analistas da Socopa Corretora é mensalmente avaliada buscando relacionar as cinco melhores opções de investimento para o mês subseqüente dentro dos ativos

Leia mais

CARTEIRA RECOMENDADA FIIS RESEARCH

CARTEIRA RECOMENDADA FIIS RESEARCH 29 de julho de 2016 AESAPAR (AEFI11) FII de desenvolvimento (construção) de dois campi universitários (Cuiabá e Campinas) à Anhanguera Educacional. O ativo possui contratos longos (BTS) de locação, reajustado

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL - ANEXO 14

BALANÇO PATRIMONIAL - ANEXO 14 ATIVO Exercício Atual PASSIVO Exercício Atual ATIVO CIRCULANTE 652.201,35 PASSIVO CIRCULANTE 236.288,68 Caixa e Equivalentes de Caixa 652.201,35 Obrigações Trabalhistas, Previdenciárias e Assistenciais

Leia mais

Balanço Patrimonial da Cia Salve&Kana

Balanço Patrimonial da Cia Salve&Kana Elaboração da DFC Método Direto A fim de possibilitar melhor entendimento, vamos desenvolver um exemplo passo a passo da montagem da DFC pelo método direto, tomando por base as informações a seguir: Balanço

Leia mais

"Agressiva estratégia de crescimento, com um modelo de negócios sustentável"

Agressiva estratégia de crescimento, com um modelo de negócios sustentável "Agressiva estratégia de crescimento, com um " RECONHECIMENTO DA MARCA VAREJO E-COMMERCE AGÊNCIA TURISMO confiabilidade BRAND AWARENESS CONFIABILIDADE tradição em inovação DESDE 1972 tradição em inovação

Leia mais

Conceitos Introdutórios. A Inflação nas Finanças. Demonstrações Contábeis

Conceitos Introdutórios. A Inflação nas Finanças. Demonstrações Contábeis Conceitos Introdutórios Mercado Financeiro Brasileiro A Inflação nas Finanças Demonstrações Contábeis Conceitos Introdutórios Retornar Conceitos Introdutórios ADMINISTRAÇÃO A administração é o processo

Leia mais

Sistemas de Informações Contábeis

Sistemas de Informações Contábeis Estudo de caso Sistemas de Informações Contábeis O Material anexo representa partes das Demonstrações Contábeis da Empresa Katikero, encerradas em 31.12.x6, elaboradas de acordo com as normas e Princípios

Leia mais

Earnings Release. Relações com Investidores. Destaques do 1T11. Brasil Insurance Anuncia Resultados do 1T11

Earnings Release. Relações com Investidores. Destaques do 1T11. Brasil Insurance Anuncia Resultados do 1T11 Relações com Investidores Bruno Padilha de Lima Costa Diretor de Relações com Investidores (55 21) 3433-5060 ri@brasilinsurance.com.br Teleconferência de Resultados 1T11 Terça-feira, 17 de maio de 2011

Leia mais

Contabilidade. Objeto, objetivo e finalidade. Bens. Conceito de Contabilidade. Conceitos iniciais - Ativo. Contabilidades específicas:

Contabilidade. Objeto, objetivo e finalidade. Bens. Conceito de Contabilidade. Conceitos iniciais - Ativo. Contabilidades específicas: Objeto, objetivo e finalidade Contabilidade Conceitos iniciais - Ativo Objeto: o patrimônio Objetivo: estudo, controle e apuração do resultado Finalidade: Fornecer informações econômicas e financeira sobre

Leia mais

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1. Questões: 1 - Comente os principais grupos de contas do Balanço, com exemplos. 2 - Explique o que são curto e longo prazo para a contabilidade. 3 - Quais

Leia mais

MARISA LOJAS S.A. 2ª Emissão Pública de Debêntures

MARISA LOJAS S.A. 2ª Emissão Pública de Debêntures MARISA LOJAS S.A. 2ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2013 MARISA LOJAS S.A. 2ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício

Leia mais

BFB LEASING S.A. - ARRENDAMENTO MERCANTIL

BFB LEASING S.A. - ARRENDAMENTO MERCANTIL BFB LEASING S.A. - ARRENDAMENTO MERCANTIL 4ª Emissão de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2003 BFB LEASING S.A. - ARRENDAMENTO MERCANTIL 4ª Emissão de Debêntures Relatório Anual

Leia mais

Kinea Renda Imobiliária FII Relatório de Gestão Outubro de 2011

Kinea Renda Imobiliária FII Relatório de Gestão Outubro de 2011 Kinea Renda Imobiliária FII Relatório de Gestão Outubro de 2011 Palavra do Gestor Prezado investidor, No mês de setembro, concluímos a aquisição de mais um ativo para a carteira do Kinea Renda Imobiliária

Leia mais

ATIVO Nota PASSIVO Nota

ATIVO Nota PASSIVO Nota Balanços patrimoniais ATIVO Nota 2016 2015 PASSIVO Nota 2016 2015 CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa 165 528 Recursos a serem aplicados em projetos 7 23.836 23.413 Caixa e equivalentes

Leia mais

ATIVO

ATIVO BALANÇO PATRIMONIAL DOS SEMESTRES FINDOS EM 30 DE JUNHO CONTROLADORA CONSOLIDADO ATIVO CIRCULANTE Numerário disponível 5.803 1.361 17.311 8.292 Aplicações no mercado aberto 1.216.028 665.948 1.216.530

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº /07

RESOLUÇÃO CFC Nº /07 RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.115/07 Aprova a NBC T 19.13 Escrituração Contábil Simplificada para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais

Leia mais