FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI"

Transcrição

1 FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 3 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1

2 Finanças Finança é a ciência de gerenciar recursos, ou a aquela que lida com o emprego do dinheiro num projeto, empresa ou pessoa. Processos de Gerenciamento Financeiro Planejamento Financeiro - Este processo considera a programação do orçamento, isto é, o que será gasto, a racionalização dos gastos e a otimização de seus investimentos - É uma forma coerente de administrar renda, investimentos, despesas, patrimônio e dívidas. - No caso empresarial: investir na compra de novos equipamentos, novas instalações, contratação de funcionários etc.

3 Controle Financeiro - O controle financeiro é realizado pela utilização de políticas de registro e levantamentos de gastos realizados, acompanhamento em relação ao previsto, obtenção de feedbacks e ações corretivas. - Para haver controle, é necessário o acompanhamento dos dados e informações e a tomada de decisões conforme a evolução dos processos. Administração Financeira - Administração financeira é uma ferramenta usada para controlar de forma eficaz a concessão de crédito para clientes, o planejamento, a análise de investimentos e de meios viáveis para a obtenção de recursos para financiar operações e atividades da empresa, visando sempre o desenvolvimento, evitando gastos desnecessários, desperdícios, observando os melhores caminhos para a condução financeira da empresa (Wiki [1], 2009).

4 Exemplo Organograma de administração financeira e suas subáreas.

5 Mercado - Muitas vezes a avaliação do risco é realizada com referência no mercado. - Todos os dias estamos atuando em algum mercado: Profissional (no trabalho); Educacional (na faculdade); Nacional (dentro do país); Internacional (fora do país); Dentro outros. => Mercado: - É o ambiente no qual ocorrem as trocas comerciais. - Nele ocorre a oferta de bens ou serviços e a procura ou demanda pelos mesmos. - É por meio dele que contratamos profissionais, buscamos cotações de preços de fornecedores, buscamos recursos de financiamento de projetos, compramos e vendemos produtos e serviços. 5

6 Teoria do Mercado Eficiente FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI Ensina que os agentes financeiros tem o mesmo conjunto de informações disponíveis simultaneamente, ou seja, as informações e expectativas se refletem corretamente e imediatamente nos preços dos ativos. Para esta teoria, não existem distorções nos preços de ativos, já que estes preços refletem todas as variáveis disponíveis, e nenhum investidor é capaz de obter rendimentos acima da média de mercado. Observações práticas, reais ou empíricas tendem a confirmar que o mercado não age de forma eficiente 6

7 - Baseia-se em 04 condições: FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI Atomicidade Cada agente econômico age como se fosse fixo, ou seja, nenhum comprador ou vendedor é suficientemente forte para exercer uma influência significativa nos preços. Homogeneidade O produto é homogêneo, ou seja, tem o mesmo significado para todos os envolvidos e deve ser identificável na ausência do vendedor. Fluidez Liberdade para compradores e vendedores entrarem ou saírem do mercado. Transparência Os agentes econômicos têm perfeito conhecimento da quantidade, qualidade e preço dos produtos em oferta. 7

8 Mercado Imperfeito É aquele no qual um dos players consegue, de alguma forma, manipular os preços a seu favor. Para realizar os projetos de TI frequentemente precisa-se de recursos financeiros, os quais podem ser obtidos no mercado. 8

9 Fontes de Financiamento Para se realizar projetos ou se trabalhar no cotidiano, isto é, nas operações, é necessário que as empresas tenham dinheiro para fazer frente às despesas. Geralmente o dinheiro provém de: - Capital próprio. - Capital de terceiros - Órgãos governamentais.

10 - Capital Próprio. - O capital próprio se refere às fontes e ao financiamento de projetos com dinheiro ou recursos da própria empresa. - Consiste no capital dos sócios (patrimônio líquido, lucros acumulados e reservas). - Quando se utiliza capital próprio, não se sujeita a condições de terceiros, que são os financiadores do capital.

11 - Capital de Terceiros. - O capital de terceiros é o capital de outros utilizado na empresa. - Capital de terceiros representa recursos originários de terceiros usados na aquisição de ativos de propriedade da entidade. - Órgãos Governamentais. - Existem órgãos dos governos federal, estadual e municipal que financiam projetos que sejam úteis à comunidade e ao desenvolvimento técnico-científico do país. - Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP) - Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BNDES)

12 Custo Médio Ponderado de Capital (CMPC) - Quando proprietários ou terceiros investem ou aplicam recursos numa organização, empresa, instituição ou entidade, em geral exigem um retorno mínimo a título de remuneração do seu capital. - A remuneração gera o custo do capital e isso gera um efeito sobre as operações da empresa o que, subsequentemente, afeta a sua lucratividade. - Este custo é obtido considerando-se todas as fontes dos recursos postos à disposição da empresa, de acordo com a participação percentual do capital próprio e de terceiros.

13 - O Custo Médio Ponderado de Capital (CMPC) é calculado pelo custo de cada fonte de capital ponderado pela sua respectiva participação na estrutura de financiamento da empresa. Custo do Capital Próprio x Proporção do Capital Próprio no capital investido = CMPC Custo do Capital Terceiros x Proporção do Capital Terceiros no capital investido

14 Exemplo: Calcular o valor do CMPC da empresa, financiada pelo Patrimônio Líquido (PL) de R$ e dívidas de R$ Portanto, há 60% de capital próprio e 40% de capital terceiros. A remuneração requerida pelos acionistas é de 20% e o custo da dívida é de 10% Custo do Capital Próprio 20% Custo do Capital Terceiros 10% x x Proporção do Capital Próprio no capital investido 0,6 Proporção do Capital Terceiros no capital investido = CMPC 16% 0,4 CMPC = (20% x 0,6) + (10% x 0,4) = 16%

15 Endividamento e Benefício Fiscal - Endividamento é nível de uso de recursos de terceiros. - Tem como objetivo o aumento das possibilidades de lucro. - Aumenta o grau de risco da operação. - No setor empresarial, o grau de endividamento identifica também o grau de alavancagem de um negócio.

16 Exercícios de Fixação CMPC 1- Calcular o CMPC da empresa XPTO, que possui financiamento pelo Patrimonio Liquido de R$ ,00 e dívidas no valor de R$ ,00. Calculando-se que possui 80% de capital próprio e 20% de capital de terceiros. A remuneração requerida pelos acionistas é de 30% e o custo da dívida é de 20%. 2- Qual o valor da dívida da empresa ABC que possui CMPC de 20%, sabendo-se que possui um Patrimônio Líquido de R$ ,00 e que o capital de terceiros refere-se à 30%.

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 3.1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 Finanças Finança é a ciência de gerenciar recursos, ou aquela que lida com o emprego do dinheiro num projeto, empresa ou pessoa.

Leia mais

Unidade II FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade II FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade II FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Introdução à análise de risco Um projeto de TI, como qualquer outro projeto está sujeito a riscos no decorrer do seu desenvolvimento. Alguns

Leia mais

Unidade II. A figura 7 ilustra a análise de riscos em relação a decisões e controle. Avaliando riscos

Unidade II. A figura 7 ilustra a análise de riscos em relação a decisões e controle. Avaliando riscos Unidade II 2 INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE RISCO E FINANCIAMENTO Quando se está trabalhando em um projeto de TI ou um projeto qualquer, várias dificuldades podem ocorrer. Podem, por exemplo, surgir novas tecnologias,

Leia mais

Custo de Oportunidade do Capital

Custo de Oportunidade do Capital Custo de Oportunidade do Capital É o custo de oportunidade de uso do fator de produção capital ajustado ao risco do empreendimento. Pode ser definido também como a taxa esperada de rentabilidade oferecida

Leia mais

Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer

Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos de Lucratividade e a importância para existência e sucesso das empresas. Proporcionar aos participantes

Leia mais

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon Avaliação de Empresas EVA E MVA Aula 11 EVA Indica a quantia em termos monetários que foi adicionada à riqueza efetiva do acionista em determinado período Diferente do lucro contábil, pois considera o

Leia mais

VERSÃO 1 RESPOSTAS PROVA DE FINANÇAS

VERSÃO 1 RESPOSTAS PROVA DE FINANÇAS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DE RIBEIRÃO PRETO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PROCESSO SELETIVO MESTRADO-EDITAL FEA-RP-PPGAO

Leia mais

Vantagens e desvantagens da utilização do patrimônio líquido pelo seu valor de mercado na avaliação de empresas

Vantagens e desvantagens da utilização do patrimônio líquido pelo seu valor de mercado na avaliação de empresas Vantagens e desvantagens da utilização do patrimônio líquido pelo seu valor de mercado na avaliação de empresas! Quais as vantagem da utilização do valor de mercado em relação a utilização do patrimônio

Leia mais

Unidade I AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini

Unidade I AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini Unidade I AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Rubens Pardini Introdução No curso dos negócios existem ocasiões em que é necessário estimar, total ou parcialmente, o valor de mercado de uma empresa. Entre essas

Leia mais

Capítulo 12. Tema 10: Análise das demonstrações contábeis/financeiras: noções iniciais. Noções de Contabilidade para Administradores EAC 0111

Capítulo 12. Tema 10: Análise das demonstrações contábeis/financeiras: noções iniciais. Noções de Contabilidade para Administradores EAC 0111 1 Capítulo 12 Tema 10: Análise das demonstrações contábeis/financeiras: noções iniciais Noções de Contabilidade para Administradores EAC 0111 Prof: Márcio Luiz Borinelli Monitor: Wilson Tarantin Junior

Leia mais

Mercado Gerenciamento de Empresas

Mercado Gerenciamento de Empresas Mercado Gerenciamento de Empresas Prof. Cícero Wilrison Eng Mecânico e de Segurança do Trabalho É a relação entre a oferta e a procura de produtos e serviços. De acordo com a Oferta e a Procura O mercado

Leia mais

Curso de Administração

Curso de Administração Curso de Administração ADM-217 Gestão Aula 6 equilíbrio, alavancagem operacional e financeira Prof. Cleber Almeida de Oliveira Universidade Gama Filho 2012 ADM-217 Prof: Cleber Almeida de Oliveira 1 OBJETIVO

Leia mais

FLUXO DE CAIXA OPERACIONAL (FCO) X FLUXO DE CAIXA DO ACIONISTA (FCA)

FLUXO DE CAIXA OPERACIONAL (FCO) X FLUXO DE CAIXA DO ACIONISTA (FCA) FLUXO DE CAIXA OPERACIONAL (FCO) X FLUXO DE CAIXA DO ACIONISTA (FCA)! Qual a diferença entre o FCO e o FCA?! Quando utilizar o FCO e o FCA?! Taxa de desconto a ser utilizada para descontar o FCO e o FCA!

Leia mais

Finanças. Prof. Milton Henrique

Finanças. Prof. Milton Henrique Finanças Prof. Milton Henrique mcouto@catolica-es.edu.br Organizações e Recursos As empresas são organizações sociais que utilizam recursos para atingir objetivos. Capital Mão de Obra Conhecimento Máquinas

Leia mais

Administração Financeira 4º SEMESTRE. Profª Silvia Flores Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Administração Financeira 4º SEMESTRE. Profª Silvia Flores Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Administração Financeira 4º SEMESTRE Profª Silvia Flores slide 1 Fontes de Recursos Financeiros Recursos Próprios Recursos de Terceiros slide 2 RECURSOS DE TERCEIROS Se a empresa utilizar a dívida para

Leia mais

Unidade I INTERPRETAÇÃO DAS. Prof. Walter Dominas

Unidade I INTERPRETAÇÃO DAS. Prof. Walter Dominas Unidade I INTERPRETAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Walter Dominas Introdução No curso dos negócios existem ocasiões em que é necessário estimar total ou parcialmente o valor de mercado de uma empresa.

Leia mais

Avaliação Financeira de Empresas e Empreendimentos Imobiliários

Avaliação Financeira de Empresas e Empreendimentos Imobiliários Curso de Especialização em Gerenciamento da Construção Civil Avaliação Financeira de Empresas e Empreendimentos Imobiliários Prof. MSC Miguel Adriano Gonçalves 1- Funções da administração financeira Setor

Leia mais

Material Informativo Confidencial 1/75

Material Informativo Confidencial 1/75 1 1 Disclaimer Esta apresentação pode conter considerações futuras referentes às perspectivas do negócio, estimativas de resultados operacionais e financeiros, e às perspectivas de crescimento da Sanepar.

Leia mais

Alfredo Preto Neto Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos

Alfredo Preto Neto Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos Alfredo Preto Neto Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos Medindo Resultados Medir o desempenho da empresa é fundamental para o sucesso e a boa gestão. Não se trata apenas de uma boa prática gerencial,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010 ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Cap.1 A decisão financeira e a empresa 1. Introdução 2. Objetivo e Funções da

Leia mais

Unidade II ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Prof. Me. Evandro Rafael

Unidade II ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Prof. Me. Evandro Rafael Unidade II ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Prof. Me. Evandro Rafael Decisões de financiamento a curto prazo Serão examinadas, as condições para uma apropriada administração das contas que configuram o ativo circulante

Leia mais

CQH. 2ª Reunião do Grupo de Indicadores Financeiros Hospitalares

CQH. 2ª Reunião do Grupo de Indicadores Financeiros Hospitalares CQH 2ª Reunião do Grupo de Indicadores Financeiros Hospitalares EDUARDO REGONHA São Paulo 2.017 CONTABILIDADE Dados compra venda salários impostos água/luz Processamento Caixa Salários D C D Relatórios

Leia mais

4º Trimestre 2017 Apresentação de Resultados. 26 de Fevereiro de 2018

4º Trimestre 2017 Apresentação de Resultados. 26 de Fevereiro de 2018 4º Trimestre 2017 Apresentação de Resultados 26 de Fevereiro de 2018 Disclaimer 2 Considerações futuras, se contidas nesse documento, são exclusivamente relacionadas às perspectivas do negócio, estimativas

Leia mais

Material Informativo Confidencial 1/75

Material Informativo Confidencial 1/75 1 Disclaimer Esta apresentação pode conter considerações futuras referentes às perspectivas do negócio, estimativas de resultados operacionais e financeiros, e às perspectivas de crescimento da Sanepar.

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE

NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE Prof. Wanderson S. Paris, M.Eng. prof@cronosquality.com.br NOÇÕES DE CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO BALANÇO PATRIMONIAL DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS X ATIVIDADES

Leia mais

Análise de Viabilidade Econômica de Projetos de Investimento

Análise de Viabilidade Econômica de Projetos de Investimento Análise de Viabilidade Econômica de Projetos de Investimento ANÁLISE DE CENÁRIOS Prof. Luciel Henrique de Oliveira - luciel@fae.br UNIFAE - São João da Boa Vista http://gp2unifae.wikispaces.com Análise

Leia mais

O QUE É CAPITAL DE GIRO E DE QUE MANEIRA ELE AFETA A CRIAÇÃO (OU DESTRUIÇÃO) DE VALOR PARA O ACIONISTA

O QUE É CAPITAL DE GIRO E DE QUE MANEIRA ELE AFETA A CRIAÇÃO (OU DESTRUIÇÃO) DE VALOR PARA O ACIONISTA O QUE É CAPITAL DE GIRO E DE QUE MANEIRA ELE AFETA A CRIAÇÃO (OU DESTRUIÇÃO) DE VALOR! O que é e como calculá-lo! Utilidades da análise do capital de giro! De que maneira um maior ou menor capital de giro

Leia mais

ESTATAIS FEDERAIS ALTERNATIVAS DE REESTRUTURAÇÃO SOCIETÁRIA ESTUDO PRELIMINAR DATAPREV SERPRO TELEBRAS

ESTATAIS FEDERAIS ALTERNATIVAS DE REESTRUTURAÇÃO SOCIETÁRIA ESTUDO PRELIMINAR DATAPREV SERPRO TELEBRAS ESTATAIS FEDERAIS ALTERNATIVAS DE REESTRUTURAÇÃO SOCIETÁRIA ESTUDO PRELIMINAR DATAPREV SERPRO TELEBRAS Serpro é a maior empresa em número de empregados e Ativos. Dataprev apresenta maior lucro e melhores

Leia mais

BLUMENAU: SITUAÇÃO FINANCEIRA A economia dos municípios depende do cenário nacional

BLUMENAU: SITUAÇÃO FINANCEIRA A economia dos municípios depende do cenário nacional BLUMENAU: SITUAÇÃO FINANCEIRA A economia dos municípios depende do cenário nacional - A arrecadação municipal (transferências estaduais e federais) vem crescendo abaixo das expectativas desde 2013. A previsão

Leia mais

Prof. Marcelo Delsoto

Prof. Marcelo Delsoto Orçamento de Capital Sem Riscos Orçamento de capital refere-se aos métodos para avaliar, comparar e selecionar projetos que obtenham o máximo retorno (lucro) ou, a máxima riqueza (valor das ações no mercado)

Leia mais

7 ANÁLISE DE LUCRATIVIDADE

7 ANÁLISE DE LUCRATIVIDADE 7 ANÁLISE DE LUCRATIVIDADE 7.1 Não use barômetro para medir temperatura Na vida cotidiana usamos diferentes instrumentos de acordo com os diferentes objetivos que temos, ou seja, usamos termômetro para

Leia mais

VALUATION. Francisco Tavares

VALUATION. Francisco Tavares VALUATION Francisco Tavares Metodologia do Valor Contábil Metodologia do Valor Patrimonial de Mercado Metodologia do Valor de Liquidação Metodologia do Preço/Lucro Metodologia de Capitalização dos Lucros

Leia mais

Dedicação sem limites ao povo do Paraná. Material Informativo Confidencial 1/75

Dedicação sem limites ao povo do Paraná. Material Informativo Confidencial 1/75 1111 1111 Dedicação sem limites ao povo do Paraná 1 1 1 Disclaimer Esta apresentação pode conter considerações futuras referentes às perspectivas do negócio, estimativas de resultados operacionais e financeiros,

Leia mais

Aula 7. Fluxo de caixa. Professor: Cleber Almeida de Oliveira. slide 1

Aula 7. Fluxo de caixa. Professor: Cleber Almeida de Oliveira. slide 1 Aula 7 Fluxo de caixa Professor: Cleber Almeida de Oliveira slide 1 slide 2 Figura 1 - Fluxos de caixa Elaboração da demonstração dos fluxos de caixa A demonstração dos fluxos de caixa resume o fluxo de

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PROFESSOR BERNARDO BOTH Conteúdo Programático OBJETIVOS: Analisar as Demonstrações Contábeis para fins de interpretação e avaliação das situações financeiras e econômicas.

Leia mais

CONTABILIDADE BÁSICA 7ª Edição CONTABILIDADE BÁSICA 7ª Edição Cap. 05- Balanço Patrimonial Grupo de Contas

CONTABILIDADE BÁSICA 7ª Edição CONTABILIDADE BÁSICA 7ª Edição Cap. 05- Balanço Patrimonial Grupo de Contas 1 CONTABILIDADE BÁSICA 7ª Edição CONTABILIDADE BÁSICA 7ª Edição Cap. 05- Balanço Patrimonial Grupo de Contas J O S É C A R L O S M A R I O N E D I T O R A A T L A S S. A. www.marion.pro.br Contabilidade

Leia mais

COMO DEFINIR A META DE LUCRO PARA O ACIONISTA?

COMO DEFINIR A META DE LUCRO PARA O ACIONISTA? COMO DEFINIR A META DE LUCRO PARA O ACIONISTA?! A determinação de uma estrutura patrimonial de partida! A identificação do custo médio ponderado de capital! O cálculo do lucro operacional de equilíbrio

Leia mais

Decisão de Financiamento e Estrutura de Capital Estrutura de Capital Tópico 11

Decisão de Financiamento e Estrutura de Capital Estrutura de Capital Tópico 11 Decisão de Financiamento e Estrutura de Capital Estrutura de Capital Tópico 11 1 Objetivos da disciplina 30h Objetivo Decidir o mix ótimo entre Capital de Terceiros e Próprio, para propiciar a melhor Estrutura

Leia mais

Decisão de Financiamento e Estrutura de Capital

Decisão de Financiamento e Estrutura de Capital Objetivos da disciplina 30h Decisão de Financiamento e Estrutura de Capital Estrutura de Capital Tópico 11 Objetivo Decidir o mix ótimo entre Capital de Terceiros e Próprio, para propiciar a melhor Estrutura

Leia mais

ISBE 3 - Uberlândia Novo INSTRUÇÕES DA PROVA

ISBE 3 - Uberlândia Novo INSTRUÇÕES DA PROVA Assinatura: Nº Questão: 5 INSTRUÇÕES DA PROVA A prova é individual e intransferível, confira os seus dados. Responda dentro da área reservada ao aluno. Não escreva fora das margens ou atrás da folha. Textos

Leia mais

EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL

EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação: a) compra de galpão para a fábrica. b) venda de mercadoria a prazo. c) pagamento de salários

Leia mais

Administração Financeira - Investimentos. Prof. Alexandre Santos

Administração Financeira - Investimentos. Prof. Alexandre Santos Administração Financeira - Investimentos Prof. Alexandre Santos Objetivos Introdução sobre Investimentos; Risco e Retorno (Beta); Modelo CAPM; Risco Sistemático e não sistemático; Mercado Eficiente; Variação

Leia mais

Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI

Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI Renda Fixa Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI O produto O Certificado de Recebíveis Imobiliários (CRI) é um título que gera um direito de crédito ao

Leia mais

Administração financeira é o melhor caminho. Autoria Larissa Erica Sgarbi

Administração financeira é o melhor caminho. Autoria Larissa Erica Sgarbi Administração financeira é o melhor caminho Autoria Larissa Erica Sgarbi Unisalesiano Lins Resumo Esse artigo tem como principal objetivo apresentar algumas ferramentas que permitem ajudar no dia a dia

Leia mais

Dedicação sem limites ao povo do Paraná. Material Informativo Confidencial 1/75

Dedicação sem limites ao povo do Paraná. Material Informativo Confidencial 1/75 1111 1111 Dedicação sem limites ao povo do Paraná 1 1 Disclaimer Esta apresentação pode conter considerações futuras referentes às perspectivas do negócio, estimativas de resultados operacionais e financeiros,

Leia mais

Balanço Patrimonial Grupo de Contas

Balanço Patrimonial Grupo de Contas Balanço Patrimonial Grupo de Contas Quais são os Grupos de Contas. Critérios de Classificação. Ciclo Operacional. Capítulo 03 Profº Dr. José Carlos Marion MARION, J. Carlos Contabilidade Empresarial. 10.

Leia mais

GST0071- Administração Financeira

GST0071- Administração Financeira 5 GST0071- Administração Financeira Objetivos üentender como medir o custo médio ponderado de capital; üconhecer o custo marginal ponderado de capital; ücompreender o custo do capital. 1 November 2016

Leia mais

AULA/TEMA. Política de Dividendos. Profa. Me. Vanessa Anelli Borges

AULA/TEMA. Política de Dividendos. Profa. Me. Vanessa Anelli Borges AULA/TEMA Política de Dividendos Profa. Me. Vanessa Anelli Borges Conteúdo Programático Introdução Mercado de ações Política de dividendos Natura Política de dividendos Petrobrás Política de dividendos

Leia mais

Decisões de Financiamentos e Estrutura de Capital. Custo de Capital

Decisões de Financiamentos e Estrutura de Capital. Custo de Capital Decisões de Financiamentos e Estrutura de Capital Custo de Capital Objetivos 1. Compreender as hipóteses básicas subjacentes ao custo de capital, seu conceito fundamental e as fontes específicas de capital

Leia mais

Unidade IV AVALIAÇÃO DAS. Prof. Walter Dominas

Unidade IV AVALIAÇÃO DAS. Prof. Walter Dominas Unidade IV AVALIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Walter Dominas Conteúdo da unidade IV 1) Análise do capital de giro Ciclo operacional, Ciclo Econômico e Financeiro Importância do Capital Circulante

Leia mais

O Balanced Scorecard na sua Perspectiva Financeira: Caso Prático

O Balanced Scorecard na sua Perspectiva Financeira: Caso Prático O Balanced Scorecard na sua Perspectiva Financeira:! Qual o objetivo de uma empresa que opera dentro de um modelo de gestão baseada em valor?! Qual é a principal métrica de gerenciamento baseado em valor?!

Leia mais

Demonstração de Fluxo de Caixa (DFC) Contabilidade Intermediária II Fucamp/2017

Demonstração de Fluxo de Caixa (DFC) Contabilidade Intermediária II Fucamp/2017 Demonstração de Fluxo de Caixa (DFC) Contabilidade Intermediária II Fucamp/2017 Correção Exercícios de Fixação 2- Utilizando os dados apresentados pela Cia ABC no exemplo, na data de 20X0, considere que

Leia mais

Sumário. Capítulo 1. Demonstrações Contábeis...1

Sumário. Capítulo 1. Demonstrações Contábeis...1 Sumário Capítulo 1 Demonstrações Contábeis...1 1. Conceito e Finalidade das Demonstrações Contábeis...1 2. Elaboração e Divulgação das Demonstrações Contábeis...3 3. Conjunto das Demonstrações Contábeis...4

Leia mais

Princípios da Administração Financeira Aula 1. Prof. Marcelo Cerqueira

Princípios da Administração Financeira Aula 1. Prof. Marcelo Cerqueira Princípios da Administração Financeira Aula 1 Prof. Marcelo Cerqueira Cronograma Administração Financeira e outras ciências; Papel do Administrador/Gestor Financeiro. Formas de organizações Risco e Retorno

Leia mais

Resumo Aula-tema 05: Gestão Contábil

Resumo Aula-tema 05: Gestão Contábil Resumo Aula-tema 05: Gestão Contábil Um dos grandes fatores limitantes ao crescimento e desenvolvimento das micro e pequenas empresas é a falta de conhecimento e do uso de informações gerenciais no negócio.

Leia mais

ADM-217 Gestão Financeira Curso de Administração. Aula 1.1 Introdução Administração Financeira

ADM-217 Gestão Financeira Curso de Administração. Aula 1.1 Introdução Administração Financeira ADM-217 Gestão Financeira Curso de Administração Aula 1.1 Introdução Administração Financeira Prof. Cleber Almeida de Oliveira Universidade Gama Filho Última Revisão: MAR2012 slide 1 Curso Ementa Visão

Leia mais

POLÍTICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DA INDÚSTRIA DE GÁS NATURAL NO BRASIL

POLÍTICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DA INDÚSTRIA DE GÁS NATURAL NO BRASIL POLÍTICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DA INDÚSTRIA DE GÁS NATURAL NO BRASIL Professor Jorge Chami Novembro de 2014 O Monopólio da Petrobras Depois de 17 anos da quebra do monopólio da Petrobras (1997-14) Concentração

Leia mais

ESTRUTURA DE CAPITAL PARTE 1. t d f r a n z o t g m a i l. c o m

ESTRUTURA DE CAPITAL PARTE 1. t d f r a n z o t g m a i l. c o m ESTRUTURA DE CAPITAL PARTE 1 Tatiane Del Arco Franzotti t d f r a n z o t ti @ g m a i l. c o m AGENDA Contexto Estrutura de capital e a teoria da pizza Maximização de valor Alavancagem financeira Modigliani

Leia mais

EXERCICIOS SOBRE DFC. As demonstrações contábeis da Empresa Cosmos, sociedade anônima de capital aberto, em X2, eram os seguintes:

EXERCICIOS SOBRE DFC. As demonstrações contábeis da Empresa Cosmos, sociedade anônima de capital aberto, em X2, eram os seguintes: EXERCICIOS SOBRE DFC As demonstrações contábeis da Empresa Cosmos, sociedade anônima de capital aberto, em 31.12.X2, eram os seguintes: ATIVO X1 X2 PASSIVO X1 X2 Disponível 3.000 1.500 Fornecedores 54.000

Leia mais

Mas e se a empresa Olha a tarefa aí gente...!!! fabrica vários produtos? Ponto de Equilíbrio com múltiplos produtos 2

Mas e se a empresa Olha a tarefa aí gente...!!! fabrica vários produtos? Ponto de Equilíbrio com múltiplos produtos 2 03/08/2016 GESTÃO FINANCEIRA E ECONÔMICA Profº JAIRO GARCIA 1 Mas e se a empresa Olha a tarefa aí gente...!!! fabrica vários produtos? Ponto de Equilíbrio com múltiplos produtos 2 Mais de um produto: não

Leia mais

Formação de Preços de Venda

Formação de Preços de Venda Formação de Preços de Venda 1. Quando devermos formar o preço de venda através dos custos e o que devemos fazer quando o preço de venda é dado pelo mercado? Em sua opinião, qual é a realidade empresarial:

Leia mais

25/09/2018. Financiamento e viabilidade do projeto. Viabilidade. A análise econômico-financeira

25/09/2018. Financiamento e viabilidade do projeto. Viabilidade. A análise econômico-financeira Financiamento e viabilidade do projeto Viabilidade econômico-financeira do projeto Cálculo de payback VPL Valor presente líquido TIR Taxa interna de retorno Principais indicadores financeiros de um projeto

Leia mais

Disciplina: GST0071 Administração Financeira AULA 08 1 ª. Questão

Disciplina: GST0071 Administração Financeira AULA 08 1 ª. Questão Disciplina: GST0071 Administração Financeira AULA 08 1 ª. Questão O princípio da alavancagem operacional nas empresas é muito utilizado no intuito de obter maior rentabilidade em seus negócios pelas organizações.

Leia mais

Ponto de Equilíbrio Representação gráfica do Ponto de Equilíbrio R$ Custo Fixo CF R$ Custo Variável CV R$ Custo Total CT=CF+CV Volume vendas Volume ve

Ponto de Equilíbrio Representação gráfica do Ponto de Equilíbrio R$ Custo Fixo CF R$ Custo Variável CV R$ Custo Total CT=CF+CV Volume vendas Volume ve 10/06/2016 Ponto de Equilíbrio Nível de receitas suficiente para cobrir todos os custos e despesas, tornando o resultado zero ou neutro. Ponto em que não há lucro ou prejuízo Classificação dos pontos de

Leia mais

AS DIVERSAS TAXAS DE JUROS QUE PODEM SER UTILIZADAS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA (toda a teoria e prática mais atual sobre o assunto)

AS DIVERSAS TAXAS DE JUROS QUE PODEM SER UTILIZADAS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA (toda a teoria e prática mais atual sobre o assunto) AS DIVERSAS TAXAS DE JUROS QUE PODEM SER UTILIZADAS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA (toda a teoria e prática mais atual sobre o assunto) Existe apenas 1 (um) procedimento correto? Qual a melhor de todas

Leia mais

FUNDAMENTOS DE FINANÇAS EMPRESARIAIS. 5 - Análise da rendibilidade e rácios de mercado

FUNDAMENTOS DE FINANÇAS EMPRESARIAIS. 5 - Análise da rendibilidade e rácios de mercado FUNDAMENTOS DE FINANÇAS EMPRESARIAIS 5 - Análise da rendibilidade e rácios de mercado João Carvalho das Neves Professor catedrático em gestão, ISEG jcneves@iseg.ulisboa.pt Indice 5ª aula Análise da rendibilidade

Leia mais

Apresentação da série Manuais Práticos para Negócios, V. Parte I Conceitos e Ferramentas Essenciais

Apresentação da série Manuais Práticos para Negócios, V. Parte I Conceitos e Ferramentas Essenciais CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS I Apresentação da série Manuais Práticos para Negócios, V Prefácio, VII Parte I Conceitos e Ferramentas Essenciais SUMÁRIO 1 CONCEITOS ESSENCIAS SOBRE CUSTOS, 3 1.1 Aplicação,

Leia mais

a) 3,2,1,4 b) 4,3,2,1 c) 2,1,4,3 d) 4,3,1,2 e) 1,3,4,2

a) 3,2,1,4 b) 4,3,2,1 c) 2,1,4,3 d) 4,3,1,2 e) 1,3,4,2 INSTRUÇÕES: A duração desta prova é de 3 horas. As questões possuem alternativas de resposta (a, b, c, d, e) e somente uma delas está correta. O caderno contém 15 questões, a reposta certa deve ser marcada

Leia mais

AdTranz Sistemas Eletromecânicos Ltda. Balanços patrimoniais (em Reais)

AdTranz Sistemas Eletromecânicos Ltda. Balanços patrimoniais (em Reais) Balanços patrimoniais Ativo 2011 2012 2013 2014 Circulante Caixa e equivalentes de caixa 926.526 3.193.826 3.364.892 1.236.383 Contas a receber 2.850.832 1.686.654 545.336 479.798 Créditos diversos 1.047.857

Leia mais

1.1 Fórmula: Ativo Circulante Passivo Circulante. 1.2 Unidade: número (R$)

1.1 Fórmula: Ativo Circulante Passivo Circulante. 1.2 Unidade: número (R$) Ficha número 01 Indicador: Índice de liquidez Corrente Objetivo: Avaliar a capacidade da empresa em honrar suas obrigações correntes no vencimento 1.1 Fórmula: Ativo Circulante Passivo Circulante 1.2 Unidade:

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA GESTÃO FINANCEIRA NA GESTÃO TRIBUTÁRIA DA PESSOA FÍSICA NA ATIVIDADE RURAL. Contador Fabiano Lima Webber

A INFLUÊNCIA DA GESTÃO FINANCEIRA NA GESTÃO TRIBUTÁRIA DA PESSOA FÍSICA NA ATIVIDADE RURAL. Contador Fabiano Lima Webber A INFLUÊNCIA DA GESTÃO FINANCEIRA NA GESTÃO TRIBUTÁRIA DA PESSOA FÍSICA NA ATIVIDADE RURAL Contador Fabiano Lima Webber OBJETIVOS GERAL: - DEMONSTRAR A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO FINANCEIRA PARA A REDUÇÃO DA

Leia mais

Divulgação de Resultados 3T de novembro de 2018

Divulgação de Resultados 3T de novembro de 2018 Divulgação de Resultados 3T18 14 de novembro de 2018 2 LANÇAMENTOS Empreendimento Região VGV Total ¹ (R$ mil) VGV Even ¹ (R$ mil) Área Útil (m 2 ) Unid. Valor Médio da Unidade (R$ mil) Segmento 1º trimestre

Leia mais

Quais são os objetivos do tópico... TEMA II. DETALHAMENTO DOS REGISTROS CONTÁBEIS. 05. Estoque

Quais são os objetivos do tópico... TEMA II. DETALHAMENTO DOS REGISTROS CONTÁBEIS. 05. Estoque USP-FEA Curso de Administração Disciplina: EAC0111 Noções de Contabilidade para Administração TEMA II. DETALHAMENTO DOS REGISTROS CONTÁBEIS 05. Estoque Profa. Dra. Joanília Cia (joanilia@usp.br) 1 Quais

Leia mais

Tabela 13 - Composição dos Outras Obrigações de março a junho de 2017

Tabela 13 - Composição dos Outras Obrigações de março a junho de 2017 1.1.2.3 Outras Obrigações Passivo Circulante No grupo Outras Obrigações houve um aumento de 7,88%. Tabela 13 - Composição dos Outras Obrigações de março a junho de 2017 17 de 37 1.1.2.4 Passivo Não Circulante

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Professor: Luis Guilherme Magalhães professor@luisguilherme.adm.br www.luisguilherme.adm.br (62) 9607-2031 ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES A análise é feita a partir, principalmente, do Balanço Patrimonial e

Leia mais

ANÁLISE DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS I

ANÁLISE DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS I ANÁLISE DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS I Alunos: 1 Carlos Alberto Almeida da Cruz e-mail: ligadocruz@yahoo.com.br Hinara Araújo Thé e-mail: hinarathe@yahoo.com.br 1 ÍNDICE ANÁLISE DE DEMOSNTRATIVOS CONTÁBEIS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO DISCIPLINA: Administração Financeira CÓDIGO: DP 0231 PROFESSOR: Nelson de Mello AULA 8 21/10/2016 Administração

Leia mais

CUSTO DE CAPITAL. Visão geral do custo de capital 12/03/2015. Prof. Dr. Osiris Marques

CUSTO DE CAPITAL. Visão geral do custo de capital 12/03/2015. Prof. Dr. Osiris Marques MBA em Controladoria e Finanças Universidade Federal Fluminense Gestão Financeira de Empresas Aula 7 Prof. Dr. Osiris Marques Março/2015 CUSTO DE CAPITAL Visão geral do custo de capital O custo de capital

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 FINANÇAS CORPORATIVAS

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 FINANÇAS CORPORATIVAS SUMÁRIO CAPÍTULO 1 FINANÇAS CORPORATIVAS... 1 1.1 Comportamento financeiro da economia... 1 1.1.1 Produção e lucro... 1 1.1.2 Inter-relação entre os aspectos econômicos e financeiros... 3 1.2 Objetivos

Leia mais

Análise dos Relatórios Financeiros P RO FA. D R A. N ATÁ L I A D I N I Z MAGANINI

Análise dos Relatórios Financeiros P RO FA. D R A. N ATÁ L I A D I N I Z MAGANINI Análise dos Relatórios Financeiros P RO FA. D R A. N ATÁ L I A D I N I Z MAGANINI Agenda Principais Relatórios Financeiros Balanço Patrimonial DRE Demonstração do Resultado do Exercício Demonstração do

Leia mais

Avaliação de Empresas através do Fluxo de Caixa Descontado (FCD)

Avaliação de Empresas através do Fluxo de Caixa Descontado (FCD) Avaliação de Empresas através do Fluxo de Caixa Descontado (FCD) Quanto vale essa empresa? Modelos de Avaliação de Empresa Fluxo de Caixa Múltiplos Opções Onde é utilizado? - Mercado acionário; - Compra

Leia mais

Teoria da Contabilidade. Passivo e PL. Prof. Dr. AMAURY JOSE REZENDE

Teoria da Contabilidade. Passivo e PL. Prof. Dr. AMAURY JOSE REZENDE Teoria da Contabilidade Passivo e PL Prof. Dr. AMAURY JOSE REZENDE Passivo Definições Teoria da Propriedade: Exigibilidades são subtraendos dos ativos, ativos negativos (Hatfield, 1927). Teoria dos Fundos:

Leia mais

Uma análise para qualquer tipo de negócio

Uma análise para qualquer tipo de negócio Modelo DuPont Uma análise para qualquer tipo de negócio Antes aplicar estes conceitos a seu negócio ou investimento, tenha em mente que o fato das demonstrações financeiras estarem auditadas garantem uma

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O AGORA BOLSA FIC DE FIA 08.909.429/0001-08. Informações referentes a Abril de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O AGORA BOLSA FIC DE FIA 08.909.429/0001-08. Informações referentes a Abril de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O AGORA BOLSA FIC DE FIA 08.909.429/0001-08 Informações referentes a Abril de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o ÁGORA BOLSA FUNDO

Leia mais

Um Plano de Investimento para a Europa

Um Plano de Investimento para a Europa Um Plano de Investimento para a Europa O «triângulo virtuoso» INVESTIMENTO REFORMAS ESTRUTURAIS RESPONSABILIDADE ORÇAMENTAL 1 Um Plano de Investimento para a Europa MOBILIZAR FINANCIAMENTOS PARA O INVESTIMENTO

Leia mais

Estrutura Ótima de Capital

Estrutura Ótima de Capital Estrutura Ótima de Capital Estrutura de Capital Objetivo dos gestores: maximizar o valor de mercado da empresa (V): V = D + CP Mas qual a relação ótima entre CP (capital próprio) e D (dívida com terceiros)?

Leia mais

Divulgação de Resultados do 4T09 25 de março de 2010

Divulgação de Resultados do 4T09 25 de março de 2010 Divulgação de Resultados do 25 de março de 2010 Divulgação de Resultados Comentários de abertura Rubens Menin 2 Divulgação de Resultados Destaques Vendas contratadas atingiram R$2,8 bilhões em 2009, crescimento

Leia mais

ANÁLISE DE PROJETOS DE INVESTIMENTO (COM UM DESTAQUE PARA A TAXA INTERNA DE RETORNO E O VALOR PRESENTE LÍQUIDO)

ANÁLISE DE PROJETOS DE INVESTIMENTO (COM UM DESTAQUE PARA A TAXA INTERNA DE RETORNO E O VALOR PRESENTE LÍQUIDO) UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 8 ANÁLISE DE PROJETOS DE INVESTIMENTO (COM UM DESTAQUE PARA A TAXA INTERNA DE RETORNO E O VALOR PRESENTE LÍQUIDO) Autor: Francisco Cavalcante Circular para: CAVALCANTE& ASSOCIADOS

Leia mais

Análise de investimentos em ativos fixos em ambiente de incerteza

Análise de investimentos em ativos fixos em ambiente de incerteza Análise de investimentos em ativos fixos em ambiente de incerteza Gilmar Ribeiro de Mello (UNIOESTE/FEA-USP) - gmello@usp.br Carlos Alberto Pereira (USP) - cap@usp.br Resumo: Os gestores, para tomarem

Leia mais

Apresentação Institucional. março de 2018

Apresentação Institucional. março de 2018 Apresentação Institucional março de 2018 3 Mais de 40 anos de história 2006 Aquisição acionária pela Spinnaker 1974 Fundação da abc investmob 1999 Certificação ISO 9000 Implementação do sistema ERP Inauguração

Leia mais

Matemática Financeira. 1ª Parte: Porcentagem Comparação entre Valores - Aumento e Desconto Juros

Matemática Financeira. 1ª Parte: Porcentagem Comparação entre Valores - Aumento e Desconto Juros Matemática ª série Lista 08 Junho/2016 Profª Helena Matemática Financeira 1ª Parte: Porcentagem Comparação entre Valores - Aumento e Desconto Juros 1) (GV) Carlos recebeu R$ 240.000,00 pela venda de um

Leia mais

OS DETERMINANTES DO EVA O DESDOBRAMENTO DA EQUAÇÃO FUNDAMENTAL DO EVA MONTANDO UMA MATRIZ DE INDICADORES ORIENTADA PARA O EVA

OS DETERMINANTES DO EVA O DESDOBRAMENTO DA EQUAÇÃO FUNDAMENTAL DO EVA MONTANDO UMA MATRIZ DE INDICADORES ORIENTADA PARA O EVA UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 21 OS DETERMINANTES DO EVA O DESDOBRAMENTO DA EQUAÇÃO FUNDAMENTAL DO EVA MONTANDO UMA MATRIZ DE INDICADORES ORIENTADA PARA O EVA CAVALCANTE & ASSOCIADOS Autor: Francisco Cavalcante

Leia mais

Gestão Financeira 2S/2016 Graduação em Ciências Contábeis

Gestão Financeira 2S/2016 Graduação em Ciências Contábeis Gestão Financeira 2S/2016 Graduação em Ciências Contábeis Aula 09: 27-Set-2016 Aula 10: 04-Out-2016 Prof. Dr. Rodrigo Takashi Okimura rodrigo.okimura@fipecafi.org 7 Estrutura de Capital Referências: ASSAF

Leia mais

Material Informativo Confidencial 1/75

Material Informativo Confidencial 1/75 1 1 Disclaimer Esta apresentação pode conter considerações futuras referentes às perspectivas do negócio, estimativas de resultados operacionais e financeiros, e às perspectivas de crescimento da Sanepar.

Leia mais

T8.1 Esboço do Capítulo. Capítulo 8

T8.1 Esboço do Capítulo. Capítulo 8 T8.1 Esboço do Capítulo Capítulo 8 Valor Presente Líquido e Outros Critérios de Investimentos Organização do Capítulo 8.1 8.2 8.3 8.4 8.5 8.6 Valor Presente Líquido A Regra do Payback O Retorno Contábil

Leia mais

COMO UTILIZAR O FLUXO DE CAIXA OPERACIONAL PARA VALORIZAR UMA EMPRESA

COMO UTILIZAR O FLUXO DE CAIXA OPERACIONAL PARA VALORIZAR UMA EMPRESA COMO UTILIZAR O FLUXO DE CAIXA OPERACIONAL PARA VALORIZAR UMA EMPRESA! Valorizando a empresa para todos os detentores de direitos.! A taxa correta de desconto.! O cálculo da valor residual. Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

O financiamento das empresas inovadoras: alternativas para discussão

O financiamento das empresas inovadoras: alternativas para discussão O financiamento das empresas inovadoras: alternativas para discussão Luiz Martins de Melo * RESUMO - O investimento em inovação depende de condições institucionais mais amplas do que aquelas relacionadas

Leia mais

Melhores Técnicas de Análise Financeira

Melhores Técnicas de Análise Financeira Informações e Inscrições: Cíntia Peixoto 11 2847-4651 3524-9222 cintia@fcavalcante.com.br Consulte as condições especiais: Faça 5 inscrições e pague 3, ou faça 3 e pague 2 Inscreva-se antecipadamente com

Leia mais

Como avaliar a real rentabilidade das empresas de energia?

Como avaliar a real rentabilidade das empresas de energia? Audiência Pública 004/2007 da ANEEL Segunda Revisão Tarifária Periódica da Coelce Como avaliar a real rentabilidade das empresas de energia? Cláudio J. D. Sales Presidente Instituto Acende Brasil Auditório

Leia mais

Introdução. à Macroeconomia. Mensuração do PIB

Introdução. à Macroeconomia. Mensuração do PIB Introdução à Macroeconomia Mensuração do PIB Microeconomia vs. Macroeconomia Microeconomia: O estudo de como famílias e empresas tomam decisões e de como interagem nos mercados. Macroeconomia: O estudo

Leia mais