CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS NA CÂMARA MUNICIPAL DE PAULO FRONTIN/PR CADERNO DE PROVA CONTADOR

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS NA CÂMARA MUNICIPAL DE PAULO FRONTIN/PR CADERNO DE PROVA CONTADOR"

Transcrição

1 CADERNO DE PROVA CONTADOR Nº. DE INSCRIÇÃO DO(A) CANDIDATO(A) Domingo, 03 de junho de N.º DE INSCRIÇÃO DO(A) CANDIDATO(A)

2 ANTES DE INICIAR A PROVA, LEIA AS INSTRUÇÕES ABAIXO: 1. Aguarde a orientação do aplicador da Uniuv para iniciar a prova. 2. Leia, atentamente, as questões, e atenha-se a elas, pois nenhum esclarecimento a mais poderá ser dado, e o sucesso de um concurso está na compreensão do que é solicitado. 3. Utilize somente caneta esferográfica preta ou azul para assinalar a folha de respostas. Utilize lápis e borracha apenas para suas anotações no caderno de provas. 4. Para assinalar as respostas na folha correspondente basta preencher todo o círculo que contém a letra escolhida da questão pertinente da seguinte forma: 5. Será nula a prova, se forem assinaladas todas as questões com uma única alternativa de respostas. 6. Serão nulas as respostas rasuradas ou múltiplas para uma mesma questão. 7. Não se atenha às questões que julgar difíceis, volte a elas, se lhe sobrar tempo. 8. Ao início da prova, o aplicador comunicará o período de tempo concedido para a realização dela. 9. Ao término da prova, entregue TODO O MATERIAL recebido. 10. Preencha claramente os dados na folha de respostas. Assine e marque seu número de inscrição. 11. Não é permitido, em hipótese alguma, o empréstimo de qualquer objeto. 12. Somente poderá ausentar-se da sala da prova, acompanhado do fiscal volante. 13. Permaneça no local da prova pelo prazo mínimo de uma hora, a contar do início da prova. 14. Guarde todo tipo de equipamento de comunicação eletrônico e relógio, durante a execução da prova. 15. Use o espaço na capa do caderno de prova para copiar as suas respostas, para posterior conferência, se quiser. Somente destaque depois de entregar a folha de respostas ao fiscal. 16. O resultado do concurso não será divulgado por telefone. 17. Após a realização das provas, os gabaritos e o conteúdo das provas objetivas serão divulgados, via internet, no site concursopublico.uniuv.edu.br a partir das 17h do dia 04 de junho de Página 2

3 1. A competência de fabricar moedas é: A ( ) Da União, por meio de um órgão da Administração Pública Direta; B ( ) Da União, por meio de um órgão da Administração Pública Indireta; C ( ) Da União por meio de um órgão da Administração Pública Mista; D ( ) Dos Estados, por meio de um órgão da Administração Pública Direta; E ( ) Dos Estados, por meio de um Órgão da Administração Pública Indireta. 2. Segundo a Constituição Federal de 1988, o prazo de validade de um concurso público é: A ( ) Um ano, sem prorrogação; B ( ) Um ano, prorrogável uma vez, por igual período; C ( ) Dois anos, sem prorrogação; D ( ) Dois anos, prorrogável por mais um ano; E ( ) Dois anos, prorrogável uma vez, por igual período. 3. A câmara dos Vereadores é um órgão pertencente ao Poder: A ( ) Executivo e Legislativo; B ( ) Legislativo e Judiciário; C ( ) Só do Legislativo; D ( ) Só do Executivo; E ( ) Só do Judiciário. 4. Segundo a Constituição Federal de 1988, o processo legislativo compreende a elaboração de: A ( ) Emendas à Constituição; B ( ) Leis complementares; C ( ) Leis ordinárias; D ( ) Somente as alternativas a e b estão corretas; E ( ) As alternativas a, b e c estão corretas. 5. Dos tributos abaixo, o único que não é de competência do município é: A ( ) IPTU; B ( ) ITBI causa mortis ; C ( ) ITBI inter vivos ; D ( ) ISSQN; E ( ) As alternativas b e c estão corretas. 6. O plano plurianual, as diretrizes orçamentárias e os orçamentos anuais são Leis de Iniciativa: A ( ) Do Poder Executivo; B ( ) Do Poder Legislativo; C ( ) Do Poder Judiciário; D ( ) Do Executivo e do Legislativo; E ( ) Do Legislativo e do Judiciário. Página 3

4 7. A Lei orçamentária anual compreenderá: A ( ) O orçamento fiscal, o orçamento das empresas em que a União detenha a maioria do capital social com direito a voto e as diretrizes orçamentárias; B ( ) O orçamento fiscal, o orçamento das empresas em que a União detenha a maioria do capital social com direito a voto e o orçamento plurianual; C ( ) O orçamento fiscal, o orçamento das empresas em que a União detenha a maioria do capital social com direito a voto e o orçamento da seguridade social; D ( ) O orçamento fiscal, o plano plurianual e as diretrizes orçamentárias; E ( ) O orçamento fiscal, os contratos de Antecipação da Receita Orçamentária. 8. O termo dação em pagamento significa: A ( ) Doação de bens públicos; B ( ) Entrega de bem que não seja dinheiro para solver dívida anterior; C ( ) Entrega de dinheiro para pagamento de dívidas de exercícios anteriores; D ( ) Transferência de bens de qualquer natureza a título de doação; E ( ) E o recebimento de dinheiro em garantia de um bem público. 9. A conta contábil semoventes é utilizada para registrar no patrimônio público: A ( ) Veículos automotores; B ( ) Veículos semirreboque; C ( ) Animais utilizados pelo serviço público; D ( ) Bens utilizados pelo transporte aéreo; E ( ) Bens utilizados pelo transporte náutico. 10. São estágios das despesas públicas, exceto: A ( ) Fixação; B ( ) Empenho; C ( ) Caução; D ( ) Liquidação; E ( ) Pagamento. 11. Efetuar a liquidação da despesa pública significa: A ( ) Efetuar o pagamento da despesa; B ( ) Empenhar a despesa; C ( ) Ordenar a despesa; D ( ) Verificar a documentação que deu origem ao direito do credor em receber; E ( ) Baixar a dívida pelo pagamento do empenho. 12. A vigência do plano plurianual será: A ( ) Do primeiro ano de mandato com vigência para 4 anos; B ( ) Do segundo ano de mandato com vigência até o primeiro ano de mandato seguinte; C ( ) No primeiro ano de mandato com vigência de um ano; D ( ) Para dois mandatos consecutivos; E ( ) Para três anos de mandato. Página 4

5 13. A Lei de Responsabilidade Fiscal dispõe que a LDO municipal deverá dispor dos seguintes assuntos, EXCETO: A ( ) Equilíbrio entre receitas e despesas; B ( ) Critérios e forma de limitação de empenho; C ( ) Normas relativas ao controle de custos e à avaliação dos resultados dos programas financiados com recursos dos orçamentos; D ( ) Demais condições e exigências para transferências de recursos a entidades públicas e privadas; E ( ) Tipificação de modalidades de licitações. 14. Dos princípios orçamentários abaixo, o único que é especifico para a receita pública é: A ( ) Da unidade; B ( ) Da não afetação da receita; C ( ) Da universalidade; D ( ) Do equilíbrio; E ( ) Da exclusividade. 15. Não faz parte do ciclo orçamentário: A ( ) Elaboração; B ( ) Licitação; C ( ) Estudo e aprovação; D ( ) Execução; E ( ) Avaliação. 16. A receita extraorçametária figurará no balanço como: A ( ) Ativos financeiros; B ( ) Passivo financeiro; C ( ) No realizável a longo prazo; D ( ) No Ativo Real Líquido; E ( ) No Permanente. 17. São classificadas como receitas correntes, EXCETO: A ( ) IPTU do ano anterior; B ( ) Dividendos; C ( ) Venda de ações; D ( ) Aluguel; E ( ) Arrendamentos. 18. São classificadas como despesas de capital, EXCETO: A ( ) Juros e encargos da dívida pública; B ( ) Amortização do principal da dívida pública; C ( ) Aquisição de bens novos; D ( ) Aquisição de bens usados; E ( ) Concessão de empréstimos. Página 5

6 19. Das modalidades de licitação listadas abaixo, a única que pode ser utilizada para venda de bens imóveis é: A ( ) Concurso; B ( ) Concorrência; C ( ) Tomada de preço; D ( ) Convite; E ( ) Processo seletivo simplificado. 20. A modalidade de crédito adicional utilizada para autorização de despesas não previstas no orçamento é: A ( ) Crédito adicional suplementar; B ( ) Crédito adicional Complementar; C ( ) Crédito adicional extraordinário; D ( ) Credito adicional especial; E ( ) As alternativas a e b estão corretas. 21. Os valores devidos pelo erário público oriundos de contratos de dívida fundada interna e externa somando-se o principal mais encargos vencidos e não pagos até o dia 31 de dezembro, é denominado de: A ( ) Juros da dívida flutuante; B ( ) Serviços da dívida a pagar; C ( ) Valores a pagar; D ( ) Encargos da dívida; E ( ) Passivo financeiro. 22. Com relação à conta Restos a Pagar é correto afirmar que: A ( ) Tem como origem o montante de despesas empenhadas no exercício e não pagas até 31 de dezembro; B ( ) Para sua constituição não há necessidade da separação entre despesas processadas e não processadas; C ( ) A Lei de Responsabilidade Fiscal estabelece que é vedado ao titular de Poder ou órgão, nos últimos dois quadrimestres de seu mandato, contrair obrigação de despesa que não possa ser cumprida integralmente dentro dele, ou que tenha parcelas a serem pagas no exercício seguinte sem que haja suficiente disponibilidade de caixa para esse efeito; D ( ) A Lei de Responsabilidade Fiscal estabelece que é vedado ao titular de Poder ou órgão, no último quadrimestre de seu mandato, contrair obrigação de despesa que não possa ser cumprida integralmente dentro dele, ou que tenha parcelas a serem pagas no exercício seguinte, sem que haja suficiente disponibilidade de caixa para esse efeito; E ( ) As alternativas a e c estão corretas. Página 6

7 23. Sobre Fundo especial, pode-se afirmar que: A ( ) É constituído por receitas especificas que, por lei, vinculam-se à realização de determinados objetivos ou serviços; B ( ) Equipare-se a órgão da administração direta; C ( ) Não faz parte da estrutura administrativa do Município; D ( ) É um instrumento para o cumprimento de determinados objetivos ou serviços; E ( ) As alternativas a e d estão corretas. 24. Estão obrigados a atender às Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor público, integralmente, as entidades públicas, EXCETO: A ( ) Prefeituras municipais; B ( ) Câmaras municipais; C ( ) Fundações públicas de direito público; D ( ) Fundações públicas de direito privado; E ( ) Autarquias. 25. O enfoque patrimonial significa que: A ( ) A contabilidade será escriturada obedecendo ao regime de caixa; B ( ) A contabilidade será escriturada pelo regime de competência; C ( ) A contabilidade registrará as despesas pelo regime de caixa e as receitas pelo regime de competência; D ( ) A contabilidade registrará as despesas pelo regime de competências e as receitas pelo regime de caixa; E ( ) A contabilidade será escriturada pelo regime misto. 26. Os Novos demonstrativos instituídos pelas Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público são: A ( ) Demonstrativo de Valor Adicionado Demonstrativo de Fluxo de Caixa; B ( ) Demonstrativo de Resultado econômico Instrumento de Controle Social; C ( ) Demonstrativo de Resultado econômico Demonstrativo de Fluxo de Caixa; D ( ) Instrumento de Controle Social - Demonstrativo de Fluxo de Caixa; E ( ) Demonstrativo de Valor Adicionado Instrumento de Controle Social. 27. O subsistema introduzido pelas Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público foi o: A ( ) Subsistema Orçamentário; B ( ) Subsistema Patrimonial; C ( ) Subsistema Financeiro; D ( ) Subsistema de Compensação; E ( ) Subsistema de Custos. 28. O objeto de estudo da Contabilidade Aplicada ao Setor público é: A ( ) O orçamento público; B ( ) As Leis de Diretrizes Orçamentárias; C ( ) O patrimônio das Entidades Públicas; D ( ) O plano Plurianual; E ( ) O fluxo de caixa das entidades públicas. Página 7

8 29. São exemplos de Incentivo Fiscal e Incentivo Creditício, respectivamente: A ( ) Redução da base de cálculo isenção do IPTU; B ( ) Parcelamento da dívida tributária redução da base de cálculo; C ( ) Redução da base de cálculo aceleração da depreciação de bens; D ( ) Redução da base de cálculo parcelamento da dívida tributária; E ( ) As alternativas c e d estão corretas. 30. É considerada como ciência: A ( ) A Contabilidade; B ( ) A contabilidade aplicada ao Setor Público; C ( ) A contabilidade comercial; D ( ) A contabilidade de custos; E ( ) Todas alternativas estão corretas. 31. São exemplos de Unidade Contábil Originária e Unidade Contábil Descentralizadas, respectivamente: A ( ) Prefeitura Municipal Câmara Municipal; B ( ) Secretaria Municipal de Saúde Prefeitura Municipal; C ( ) Secretaria Municipal de Finanças Divisão de Contabilidade; D ( ) Prefeitura Municipal Secretaria Municipal de Finanças; E ( ) Fundação Autarquia. 32. O subsistema contábil que registra, processa e evidencia os atos de gestão cujos efeitos possam produzir modificações no patrimônio da entidade do setor público, bem como aqueles com funções especificas de controle, é o: A ( ) Subsistema Orçamentário; B ( ) Subsistema Financeiro; C ( ) Subsistema Patrimonial; D ( ) Subsistema de Custos; E ( ) Subsistema de Compensação. 33. São exemplos de transações de natureza econômico-financeira e de natureza administrativa, respectivamente: A ( ) Aquisição de um imóvel Permuta de um terreno por outro de mesmo valor; B ( ) Portaria de nomeação de um secretário Assinatura de um contrato de comodato; C ( ) Assinatura de um contrato de comodato Aquisição de um imóvel; D ( ) Assinatura de contratos em geral Aquisição de um veículo; E ( ) Aquisição de um veículo Portaria de nomeação de um secretário. 34. A norma contábil que estabelece que os registros contábeis realizados e as informações apresentadas devem representar fielmente o fenômeno contábil que lhes deu origem é: A ( ) Confiabilidade; B ( ) Fidedignidade; C ( ) Objetividade; D ( ) Compreensibilidade; E ( ) Tempestividade. Página 8

9 35. Segundo as Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público são elementos essenciais do registro contábil, EXCETO: A ( ) O número do lançamento contábil; B ( ) A data de ocorrência da transação; C ( ) A conta devedora e a conta credora; D ( ) O número de controle para identificar os registros eletrônicos que integram um mesmo lançamento contábil; E ( ) As alternativas a e d estão corretas. 36. Um elemento patrimonial, para ser classificado no Ativo Circulante, deve satisfazer os seguintes critérios: A ( ) Serem adquiridos no exercício em que se está efetuando o registro contábil; B ( ) Estarem disponíveis para realização imediata; C ( ) Ter expectativa de realização após o término do exercício seguinte; D ( ) Ter expectativa de realização até o término do exercício seguinte; E ( ) As alternativas b e d estão corretas. 37. A fonte de receita pública que não é classificada na categoria econômica Receitas Correntes é: A ( ) Amortização de Empréstimos; B ( ) Receita Tributária; C ( ) Receita Patrimonial; D ( ) Receita Industrial; E ( ) Receita Agropecuária. 38. São exemplos de receitas Orçamentárias e Extraorçamentárias, respectivamente: A ( ) Caução fiança; B ( ) Caução INSS retido dos servidores públicos; C ( ) IPTU INSS retido dos servidores públicos; D ( ) INSS retido dos Servidores públicos Caução; E ( ) IPTU IPTU ano anterior. 39. A dívida Ativa tem como origem: A ( ) Dívida contraída pelo setor público, não resgatada no seu vencimento; B ( ) Dívida contraída pelo setor público, devendo ser resgatada no seu vencimento; C ( ) Tributos lançados, mas não recebidos no prazo de vencimento; D ( ) Valores a receber, de natureza não tributária, que não foram recebidos no prazo de vencimento; E ( ) As alternativas c e d estão corretas. 40. O ato emanado de autoridade competente, que cria para o Estado obrigação de pagamento pendente ou não de implemento de condição, é: A ( ) O Edital de licitação; B ( ) A Nota Fiscal da operação realizada; C ( ) O Empenho; D ( ) A liquidação; E ( ) O ato adjudicatório. Página 9

02. (FCC MPE-RN/2012). A receita extraorçamentária em 31.12.2011, em reais, era: (A) 50.000,00 (B) 60.000,00 (C) 100.000,00

02. (FCC MPE-RN/2012). A receita extraorçamentária em 31.12.2011, em reais, era: (A) 50.000,00 (B) 60.000,00 (C) 100.000,00 SEMANA 10 - Despesa Pública: Dispêndios orçamentários (Despesa orçamentária) e Extra- Orçamentários; 01. (ESTILO-ESAF/2012) Os dispêndios públicos podem ser de natureza orçamentária ou extraorçamentária.

Leia mais

Contabilidade Aplicada ao Setor Público Receitas e Despesas Públicas. Profa.: Patrícia Siqueira Varela

Contabilidade Aplicada ao Setor Público Receitas e Despesas Públicas. Profa.: Patrícia Siqueira Varela Contabilidade Aplicada ao Setor Público Receitas e Despesas Públicas Profa.: Patrícia Siqueira Varela Receita Pública Conceito: todo e qualquer recolhimento feito aos cofres públicos. Receita Orçamentária:

Leia mais

FASES DA DESPESA. Autor: Sidnei Di Bacco/Advogado

FASES DA DESPESA. Autor: Sidnei Di Bacco/Advogado FASES DA DESPESA Autor: Sidnei Di Bacco/Advogado FASES DA DESPESA Empenho Liquidação Pagamento EMPENHO Conceito: reserva de dotação orçamentária Dotação orçamentária: valor autorizado para a despesa constante

Leia mais

TJ-SC Analista Administrativo

TJ-SC Analista Administrativo TJ-SC Analista Administrativo Pessoal, vou comentar as questões da prova. Texto I: No orçamento de um ente da federação, a previsão total de receitas para um exercício foi de R$ 240 milhões. As receitas

Leia mais

Tribunal Regional do Trabalho da 19ª Região Alagoas PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIOS DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - 16/04/2016

Tribunal Regional do Trabalho da 19ª Região Alagoas PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIOS DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - 16/04/2016 Tribunal Regional do Trabalho da 19ª Região Alagoas PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIOS DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - 16/04/2016 Nome do Candidato Nº. Insc. ATENÇÃO 01. Escreva o seu nome e nº. de inscrição

Leia mais

Prefeitura Municipal de Votorantim

Prefeitura Municipal de Votorantim PROJETO DE LEI ORDINÁRIA N.º 013/2016 PROJETO DE LEI ORDINÁRIA N.º 006/2016 Dispõe sobre as Diretrizes Orçamentárias para o exercício de 2017 e dá outras providências. ERINALDO ALVES DA SILVA, PREFEITO

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 0011/2012

NOTA TÉCNICA Nº 0011/2012 NOTA TÉCNICA Nº 0011/2012 Brasília, 26 de junho de 2012. ÁREA: TÍTULO: Contabilidade Pública Restos a Pagar Considerando que, de acordo com o art. 42 da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) é vedado ao

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PREFEITURA MUNICIPAL DE MALLET, PARANÁ

CONCURSO PÚBLICO PREFEITURA MUNICIPAL DE MALLET, PARANÁ CADERNO DE PROVA N.º DE INSCRIÇÃO DO(A) CANDIDATO(A) Domingo, 7 de dezembro de 2014. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 ANTES

Leia mais

Novo Plano de Contas e os Novos Demonstrativos Contábeis

Novo Plano de Contas e os Novos Demonstrativos Contábeis Novo Plano de Contas e os Novos Demonstrativos Contábeis Coordenação Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação STN/CCONF Última Atualização: 16/06/2010 O Brasil a Caminho dos Padrões Internacionais

Leia mais

PREFEITURA DE LEBON RÉGIS SC CONCURSO PÚBLICO

PREFEITURA DE LEBON RÉGIS SC CONCURSO PÚBLICO EDITAL 01/2016 - ERRATA 02 PREFEITURA DE LEBON RÉGIS SC CONCURSO PÚBLICO A Comissão do Concurso Público torna pública a ERRATA 02que altera o Edital de abertura e os Anexos I, II e III. EDITAL DE ABERTURA

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARIAÍVA

CONCURSO PÚBLICO PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARIAÍVA CADERNO DE PROVA ADVOGADO N.º DE INSCRIÇÃO DO(A) CANDIDATO(A) Domingo, 1 de fevereiro de 2015. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 ANTES DE INICIAR A PROVA, LEIA AS INSTRUÇÕES

Leia mais

Acompanhamento da Contabilidade e Tesouraria. Edilmar Oliveira Carlos Antonio Hulle Alves Naiara Cristina

Acompanhamento da Contabilidade e Tesouraria. Edilmar Oliveira Carlos Antonio Hulle Alves Naiara Cristina Acompanhamento da Contabilidade e Tesouraria Edilmar Oliveira Carlos Antonio Hulle Alves Naiara Cristina Classificação da Receita Art. 11 - A receita classificar-se-á nas seguintes categorias econômicas:

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAPUÃ ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAPUÃ ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAPUÃ ESTADO DO PARANÁ Notas Explicativas Das Demonstrações Contábeis Exercício financeiro de 2016 As Demonstrações Contábeis do Município de Arapuã foram elaboradas de acordo

Leia mais

PEDIDO DE RECONSIDERAÇÃO

PEDIDO DE RECONSIDERAÇÃO PRESTAÇÃO ANUAL DE CONTAS Processo TCM nº 07970-14 Exercício Financeiro de 2013 Prefeitura Municipal de POÇÕES Gestor: Otto Wagner de Magalhães Relator Cons. Paolo Marconi PEDIDO DE RECONSIDERAÇÃO O Parecer

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE CFC. Exame de Suficiência Edição nº 1/2016. Contabilidade Aplicada ao Setor Público

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE CFC. Exame de Suficiência Edição nº 1/2016. Contabilidade Aplicada ao Setor Público CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE CFC Exame de Suficiência Edição nº 1/2016 Contabilidade Aplicada ao Setor Público Aula 06 Prof. Marcio José Assumpção 1 Despesa pública: conceito, etapas, estágios e categorias

Leia mais

MUNICIPIO DE JUINA RELATÓRIO DE GESTÃO FISCAL

MUNICIPIO DE JUINA RELATÓRIO DE GESTÃO FISCAL RELATÓRIO DE GESTÃO FISCAL DEMONSTRATIVO DA DISPONIBILIDADE DE CAIXA JANEIRO A ABRIL DE 2015 LRF, art. 55, Inciso III, alínea "a" - Anexo V R$ 1,00 ATIVO VALOR PASSIVO VALOR DISPONIBILIDADE FINANCEIRA

Leia mais

PAINEL 3: "Desafios e Perspectivas face a Nova lei de finanças públicas e o processo de Convergência aos padrões internacionais"

PAINEL 3: Desafios e Perspectivas face a Nova lei de finanças públicas e o processo de Convergência aos padrões internacionais PAINEL 3: "Desafios e Perspectivas face a Nova lei de finanças públicas e o processo de Convergência aos padrões internacionais" PLS 229: Inovações, Riscos e oportunidades NATAL - RN 20 de Outubro de 2016

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS CNPJ: 46.068.425/0001-33

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS CNPJ: 46.068.425/0001-33 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DE 31/12/2014 As Notas Explicativas apresentadas foram elaboradas com o objetivo de apresentar informações relevantes, evidenciando de forma analítica a situação

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA n.º 01/1997, de 22 de maio de 1997 D.O.E. de 09 de fevereiro de 1999

INSTRUÇÃO NORMATIVA n.º 01/1997, de 22 de maio de 1997 D.O.E. de 09 de fevereiro de 1999 181 INSTRUÇÃO NORMATIVA n.º 01/1997, de 22 de maio de 1997 D.O.E. de 09 de fevereiro de 1999 O, no uso das atribuições que lhe confere o inciso XII do Art. 78 da Constituição Estadual, bem como o inciso

Leia mais

FASES DA DESPESA. Autor: Sidnei Di Bacco/Advogado

FASES DA DESPESA. Autor: Sidnei Di Bacco/Advogado FASES DA DESPESA Autor: Sidnei Di Bacco/Advogado FASES DA DESPESA Empenho Liquidação Pagamento EMPENHO Conceito: reserva de dotação orçamentária Dotação orçamentária: valor autorizado para a despesa constante

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA LEI DE DIRETRIZES EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2016

AUDIÊNCIA PÚBLICA LEI DE DIRETRIZES EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2016 AUDIÊNCIA PÚBLICA LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS LDO EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2016 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E TECNOLOGIA DIRETORIA DE ORÇAMENTO

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 3 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

RECEITA ORÇAMENTÁRIA

RECEITA ORÇAMENTÁRIA RECEITA ORÇAMENTÁRIA Receita Orçamentária Efetiva é aquela que, no momento do reconhecimento do crédito, aumenta a situação líquida patrimonial da entidade. Constitui fato contábil modificativo aumentativo.

Leia mais

Resultado Primário e Resultado Nominal. de Contabilidade

Resultado Primário e Resultado Nominal. de Contabilidade Resultado Primário e Resultado Nominal Secretaria do Tesouro Nacional Conselho Federal de Contabilidade 2012 Ementa Programa do Módulo 4 - RREO Resultado Primário e Nominal CH: 04 h Conteúdo: 1. Necessidades

Leia mais

RGF ANEXO I (LRF, art. 55, inciso I, alínea "a") DESPESAS EXECUTADAS (Últimos 12 Meses) DESPESA BRUTA COM PESSOAL (I)

RGF ANEXO I (LRF, art. 55, inciso I, alínea a) DESPESAS EXECUTADAS (Últimos 12 Meses) DESPESA BRUTA COM PESSOAL (I) DEMONSTRATIVO CONSOLIDADO DA DESPESA COM PESSOAL MAIO/2011 A ABRIL/2012 RGF ANEXO I (LRF, art. 55, inciso I, alínea "a") DESPESAS COM PESSOAL DESPESAS EXECUTADAS (Últimos 12 Meses) LIQUIDADAS INSCRITAS

Leia mais

Contabilidade Governamental p/ CNMP Analista Apoio Técnico Especializado: Contabilidade Prof. M. Sc. Giovanni Pacelli Aula 18

Contabilidade Governamental p/ CNMP Analista Apoio Técnico Especializado: Contabilidade Prof. M. Sc. Giovanni Pacelli Aula 18 CNMP Pessoal, vou comentar as questões da prova. 34. Determinado ente público arrecadou, no mês de fevereiro de 2015, receita de impostos no valor de R$ 180.000,00, concomitante ao fato gerador. Considere

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE CUSTOS DO GOVERNO FEDERAL. Coordenação-Geral de Contabilidade. Paulo Henrique Feijó

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE CUSTOS DO GOVERNO FEDERAL. Coordenação-Geral de Contabilidade. Paulo Henrique Feijó SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE CUSTOS DO GOVERNO FEDERAL Coordenação-Geral de Contabilidade Paulo Henrique Feijó Legislação: Exigência de apuração de custos Lei nº 4.320/1964 Art. 99. Os serviços públicos industriais,

Leia mais

05/2016 775707/2012 - MTE/SENAES CAMP

05/2016 775707/2012 - MTE/SENAES CAMP Cotação Prévia de Preço Nº. 05/2016 Convênio Nº 775707/2012 - MTE/SENAES CAMP Projeto: Centro de Formação e Apoio à Assessoria Técnica em Economia Solidária CFES Regional Sul. Critério: Menor Preço e Melhor

Leia mais

CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL PRÉ-APROVADO

CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL PRÉ-APROVADO CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL PRÉ-APROVADO Por este instrumento e na melhor forma de direito, a COOPERATIVA, doravante designada simplesmente COOPERATIVA, neste ato devidamente representada na forma de seu

Leia mais

CHECK LIST DA TRANSIÇÃO DE GORVERNO

CHECK LIST DA TRANSIÇÃO DE GORVERNO CHECK LIST DA TRANSIÇÃO DE GORVERNO Missão: Evitar a descontinuidade Administrativa. Objetivo: Garantir o funcionamento contínuo das ações e serviços prestados à coletividade. Permitir a instituição de

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.6 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.6 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.6 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Conteúdo Item DISPOSIÇÕES GERAIS 1-12 BALANÇO PATRIMONIAL

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito do Estado e da atuação do governo nas finanças públicas, julgue os itens a seguir. 51 A atividade estatal na alocação de recursos justifica-se naqueles casos em que

Leia mais

PROVA DE CONTABILIDADE. Em relação às receitas extra-orçamentárias, é correto afirmar, EXCETO:

PROVA DE CONTABILIDADE. Em relação às receitas extra-orçamentárias, é correto afirmar, EXCETO: 18 PROVA DE CONTABILIDADE QUESTÃO 41 Em relação às receitas extra-orçamentárias, é correto afirmar, EXCETO: a) Compreende os recebimentos efetuados e os provenientes de apropriação da despesa orçamentária,

Leia mais

Exercícios Corrigidos A CONTABILIDADE

Exercícios Corrigidos A CONTABILIDADE Exercícios Corrigidos A CONTABILIDADE Prof. Odair - 2009-1 1) A finalidade da Contabilidade é: a) o Patrimônio b) permitir o estudo e o controle do Patrimônio c) permitir a seus usuários a obtenção de

Leia mais

ANÁLISE DA SITUAÇÃO FINANCEIRA DO ENTE PÚBLICO MEDIANTE O USO DE QUOCIENTES

ANÁLISE DA SITUAÇÃO FINANCEIRA DO ENTE PÚBLICO MEDIANTE O USO DE QUOCIENTES IX CONVENÇÃO DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL 3 a 5 de agosto de 2003 Gramado RS ANÁLISE DA SITUAÇÃO FINANCEIRA DO ENTE PÚBLICO MEDIANTE O USO DE QUOCIENTES JOSÉ SÍLVIO BORN Contador CRCRS 322 Rua

Leia mais

Portaria da Diretoria de Administração

Portaria da Diretoria de Administração 004/2002-DIRAD 01 14/06/2002 A Diretoria de Administração, no uso de suas atribuições, RESOLVE: 1.0 PROPÓSITO finir os conceitos utilizados nas Portarias de Normatização dos procedimentos administrativos

Leia mais

Treinamento Setor Público

Treinamento Setor Público Subsecretaria de Contabilidade Pública SUCON Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação CCONF Treinamento Setor Público Abril/2015 Conteúdo Princípio da competência, créditos tributários

Leia mais

Relatório de Gestão Fiscal do Poder Executivo

Relatório de Gestão Fiscal do Poder Executivo 2012 Relatório de Gestão Fiscal do Poder Executivo 1º Material divulgado em atendimento às disposições de que trata a Portaria nº 407 da Secretaria do Tesouro Nacional, de 20 de junho de 2011 e o estabelecido

Leia mais

CERTIDÃO DE PUBLICAÇÃO

CERTIDÃO DE PUBLICAÇÃO Prefeitura Municipal de Eusébio CERTIDÃO DE PUBLICAÇÃO Período: 1º Quadrimestre de 2017 (jan/abril) Relatório: Gestão Fiscal Data da Publicação: 30 de Mai o de 2017 Local: Prefeitura Municipal Para os

Leia mais

ORIENTAÇÕES (2014/647/UE)

ORIENTAÇÕES (2014/647/UE) 6.9.2014 L 267/9 ORIENTAÇÕES ORIENTAÇÃO DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 3 de junho de 2014 que altera a Orientação BCE/2013/23 relativa às estatísticas das finanças públicas (BCE/2014/21) (2014/647/UE) A COMISSÃO

Leia mais

LEI DAS FINANÇAS PÚBLICAS: SUBSTITUTIVO AO PLS 229/2009

LEI DAS FINANÇAS PÚBLICAS: SUBSTITUTIVO AO PLS 229/2009 LEI DAS FINANÇAS PÚBLICAS: SUBSTITUTIVO AO PLS 229/2009 SENADOR RICARDO FERRAÇO (PMDB- ES) Helio Tollini Consultor de Orçamento Câmara dos Deputados 23 de setembro de 2015 PROBLEMAS OBSERVADOS COM O MARCO

Leia mais

RESTOS A PAGAR. Autor: Sidnei Di Bacco/Advogado

RESTOS A PAGAR. Autor: Sidnei Di Bacco/Advogado RESTOS A PAGAR Autor: Sidnei Di Bacco/Advogado CONCEITO Consideram-se restos a pagar as despesas empenhadas e não pagas até o dia 31 de dezembro (Lei 4.320/1964, art. 36) Pertencem ao exercício financeiro

Leia mais

... Classificação Descrição Saldo Anterior Débitos Créditos Saldo Atual. 1.1.1.1.2.01.02.02 Caução Wall Mart Brasil Ltda 84.

... Classificação Descrição Saldo Anterior Débitos Créditos Saldo Atual. 1.1.1.1.2.01.02.02 Caução Wall Mart Brasil Ltda 84. Folha: 1 1 ATIVO 8.691.994.154,02D 1.342.304.403,87 1.179.704.682,09 8.854.593.875,80D 1.1 ATIVO CIRCULANTE 3.466.459.417,09D 1.235.880.022,69 1.139.597.863,30 3.562.741.576,48D 1.1.1 Disponível 1.048.640,92D

Leia mais

EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL

EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação: a) compra de galpão para a fábrica. b) venda de mercadoria a prazo. c) pagamento de salários

Leia mais

Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas

Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas Plano de Contas Aplicado ao Setor Público PCASP Aplicável aos Órgãos, Entidades e Consórcios Públicos Municipais regidos pela Lei Federal nº

Leia mais

Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão Business Travel Bradesco

Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão Business Travel Bradesco Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão Business Travel Bradesco SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão Business Travel Bradesco. IMPORTANTE: LEIA ESTE SUMÁRIO COM ATENÇÃO

Leia mais

ANÁLISE DAS CONTAS DE GOVERNO REGRAS DE FINAL DE MANDATO

ANÁLISE DAS CONTAS DE GOVERNO REGRAS DE FINAL DE MANDATO ANÁLISE DAS CONTAS DE GOVERNO REGRAS DE FINAL DE MANDATO COMPETÊNCIAS DO TCE EMISSÃO DE PARECER PRÉVIO LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL DESPESAS COM PESSOAL A LRF prevê a nulidade do ato que resulte aumento

Leia mais

Despesa: Classificações e etapas. Restos a Pagar. Despesas de Exercícios anteriores. Suprimento de Fundos.

Despesa: Classificações e etapas. Restos a Pagar. Despesas de Exercícios anteriores. Suprimento de Fundos. Despesa: Classificações e etapas. Restos a Pagar. Despesas de Exercícios anteriores. Suprimento de Fundos. 1. (TCE-ES/2013/Contador) Ainda sob o enfoque orçamentário, integram parte dos dispêndios financeiros

Leia mais

Siglas deste documento:

Siglas deste documento: O Serviço Auxiliar de Informações para Transferências Voluntárias (CAUC) possui 13 itens a serem observados para a efetivação de uma transferência voluntária. Veja adiante a legislação relativa a cada

Leia mais

CONTABILIZAÇÃO DE ATOS E FATOS ORÇAMENTÁRIOS, PATRIMONIAIS E DE CONTROLES

CONTABILIZAÇÃO DE ATOS E FATOS ORÇAMENTÁRIOS, PATRIMONIAIS E DE CONTROLES SISTEMA INTEGRADO DE CONTROLE E AUDITORIA PÚBLICA - SICAP/CONTÁBIL CONTABILIZAÇÃO DE ATOS E FATOS ORÇAMENTÁRIOS, PATRIMONIAIS E DE CONTROLES Portaria Conjunta STN/SOF nº 02/2012 Portaria STN nº 437/2012

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DAS CONTAS DE RECEITA ORÇADA REALIZADA

ESPECIFICAÇÃO DAS CONTAS DE RECEITA ORÇADA REALIZADA Neste RVE estão incluídos: Sim Não Modelos da LRF de Autarquia Fundação Deverá ser consolidado para fins de LRF 1. Informações da Entidade 1.1 Dados Cadastrais da Administração Atual CNPJ: 20181811000143

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno PARECER N 068/2006 21 de junho de 2006. ORIGEM: Consulta da Fiscalização

Leia mais

SATAPOCAL - FICHA DE APOIO TÉCNICO Nº 2/2008/RC (Revisão de FAT 7/2003/RC)

SATAPOCAL - FICHA DE APOIO TÉCNICO Nº 2/2008/RC (Revisão de FAT 7/2003/RC) 1. QUESTÃO E SUA RESOLUÇÃO 1.1. QUESTÃO COLOCADA Que registos contabilísticos deve efectuar um município, relativamente à contracção de empréstimos de e ao seu pagamento junto das instituições de crédito?

Leia mais

Pede-se: Efetuar os lançamentos no livro diário e no livro razão, encerrando as contas de resultado.

Pede-se: Efetuar os lançamentos no livro diário e no livro razão, encerrando as contas de resultado. CONTABILIDADE BÁSICA I 2ª LISTA DE EXERCÍCIOS UNIDADE IV VARIAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO 1) A seguir estão mencionadas as transações da Empresa Petrópolis Ltda., organizada em 1º de dezembro de 2015: 01

Leia mais

REPUBLICADO POR INCORREÇÃO RECEITAS REALIZADAS PREVISÃO. RECEITAS PRIMÁRIAS ATUALIZADA No Bimestre Até o Bimestre / 2014

REPUBLICADO POR INCORREÇÃO RECEITAS REALIZADAS PREVISÃO. RECEITAS PRIMÁRIAS ATUALIZADA No Bimestre Até o Bimestre / 2014 UMUARAMA, QUARTAFEIRA, 22 de JULHO DE 2015 www.ilustrado.com.br C1 Prefeitura Municipal de Alto Paraíso LEI Nº 361/2015 SÚMULA: Autoriza abertura de Crédito Adicional Suplementar por Excesso de Arrecadação,

Leia mais

EXERCÍCIOS - ORÇAMENTO/PPA/LOA/LDO FABIO LUCIO EXERCÍCIOS

EXERCÍCIOS - ORÇAMENTO/PPA/LOA/LDO FABIO LUCIO EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS - ORÇAMENTO/PPA/LOA/LDO FABIO LUCIO 1 2 3 4 5 Sugestões, questões de prova e auxilio em seus estudos:fabiomoreira2011@gmail.com SUCESSO PROFISSIONAL!!! 6 54. Analise o seguinte Balanço,

Leia mais

ARTESP - Especialista em Regulação de Transporte Ciências Contábeis FCC Prova tipo 001. Prof. Dr. Giovanni Pacelli

ARTESP - Especialista em Regulação de Transporte Ciências Contábeis FCC Prova tipo 001. Prof. Dr. Giovanni Pacelli ARTESP - Especialista em Regulação de Transporte Ciências Contábeis FCC Prova tipo 001 Prof. Dr. Giovanni Pacelli Agradecimentos aos alunos: Andressa Giglioli, Lin Chan, Regiane Aparecida pelo envio da

Leia mais

1 - O GRUPO DE TRABALHO INICIALMENTE ESTUDARAM AS NORMAS E CONVERGIRAM O NOVO PLANO DE CONTAS

1 - O GRUPO DE TRABALHO INICIALMENTE ESTUDARAM AS NORMAS E CONVERGIRAM O NOVO PLANO DE CONTAS 1 - O GRUPO DE TRABALHO INICIALMENTE ESTUDARAM AS NORMAS E CONVERGIRAM O NOVO PLANO DE CONTAS 2 ASSOCIAÇÃO DE CONTAS E TESTES SIMULANDO BALANCETES NO NOVO PADRÃO. 3 DESENVOLVIMENTO DE TODOS OS EVENTOS

Leia mais

CAMARA DE VEREADORES DE GUAIBA

CAMARA DE VEREADORES DE GUAIBA 1.0.0.0.0.00.00.00.00.00 ATIVO... 4.375.532,17D 2.203.118,30 2.234.355,16 4.344.295,31D 1.1.0.0.0.00.00.00.00.00 ATIVO CIRCULANTE... 688.821,18D 553.671,60 434.844,56 807.648,22D 1.1.1.0.0.00.00.00.00.00

Leia mais

DECRETO Nº 8.598, DE 08 DE NOVEMBRO DE 2016.

DECRETO Nº 8.598, DE 08 DE NOVEMBRO DE 2016. DECRETO Nº 8.598, DE 08 DE NOVEMBRO DE 2016. Dispõe sobre o empenho de despesas, a inscrição de restos a pagar e o encerramento das atividades com repercussão orçamentária, financeira e patrimonial do

Leia mais

AULA 14: RESTOS A PAGAR, DESPESAS DE EXERCÍCIOS ANTERIORES, SUPRIMENTO DE FUNDO

AULA 14: RESTOS A PAGAR, DESPESAS DE EXERCÍCIOS ANTERIORES, SUPRIMENTO DE FUNDO 1 AULA 14: RESTOS A PAGAR, DESPESAS DE EXERCÍCIOS ANTERIORES, SUPRIMENTO DE FUNDO João Pessoa 2016 Profª Ma. Ana Karla Lucena aklucenagomes@gmail.com 2 Restos a Pagar Restos a Pagar 3 Consideram-se Restos

Leia mais

Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 003/2012

Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 003/2012 Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 003/2012 Brasília-DF Janeiro/2012 INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 003/2012 Processo CFC n.º 2012/000008

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 (Valores expressos em reais)

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 (Valores expressos em reais) BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 ATIVO NE 31/12/2013 31/12/2012 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO NE 31/12/2013 31/12/2012 CIRCULANTE CIRCULANTE Disponibilidades 4 85.142.911 86.881.544

Leia mais

Sumário. LRF_Book.indb 15 19/03/ :29:01

Sumário. LRF_Book.indb 15 19/03/ :29:01 Sumário Capítulo 1 Disposições Gerais... 1 1.1. Introdução... 1 1.2. Objetivo da obra... 6 1.3. Apresentando a LRF... 6 1.4. Origem da LRF... 7 1.5. Previsão constitucional para implementação da LRF...

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DE GARANTIA DE PENHOR DE TÍTULO DE CRÉDITO. Quadro Resumo

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DE GARANTIA DE PENHOR DE TÍTULO DE CRÉDITO. Quadro Resumo INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DE GARANTIA DE PENHOR DE TÍTULO DE CRÉDITO Quadro Resumo Banco CNPJ/MF Banco Bradesco S.A. 60.746.948/0001 12 Sede Cidade de Deus, Município e Comarca de Osasco,

Leia mais

Unidade II. No ativo, a disposição das contas obedece ao grau decrescente de liquidez dos elementos nelas registrados.

Unidade II. No ativo, a disposição das contas obedece ao grau decrescente de liquidez dos elementos nelas registrados. Unidade II 8 ATIVO Ativo compreende, como já vimos, os bens e direitos da empresa, classificados de acordo com sua destinação específica, que varia segundo os fins da empresa. No ativo, a disposição das

Leia mais

Gestão Orçamentária do SUS. Saúde é nosso foco. Coletividade é o nosso lema.

Gestão Orçamentária do SUS. Saúde é nosso foco. Coletividade é o nosso lema. Gestão Orçamentária do SUS Saúde é nosso foco. Coletividade é o nosso lema. PLANO PLURIANUAL PPA Apresenta diretrizes, objetivos e metas PPA Plano Plurianual LOA Lei Orçamentária Anual LDO Lei de Diretrizes

Leia mais

Nivelamento de Conceitos Contábeis

Nivelamento de Conceitos Contábeis Nivelamento de Conceitos Contábeis Demonstrações Contábeis Balanço Patrimonial - BP Demonstração de Resultado do Exercício - DRE Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Substituiu a Demonstração das Origens

Leia mais

CERTIDÃO DE PUBLICAÇÃO

CERTIDÃO DE PUBLICAÇÃO Prefeitura Municipal de Eusébio CERTIDÃO DE PUBLICAÇÃO Período: 1º Quadrimestre de 2016 (jan/abr) Relatório: GESTÃO FISCAL Data da Publicação: 30 de Maio de 2016 Local: Prefeitura Municipal Para os devidos

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICÍPIO DE BRAÇO DO NORTE SC EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N 001/2017

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICÍPIO DE BRAÇO DO NORTE SC EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N 001/2017 EDITAL DE RETIFICAÇÃO N 001/2017 O torna público a Retificação n 001/2017 ao Edital de Concurso Público n 001/2017 que passa a ser assim definido: 1. DOS CARGOS, NÍVEL HABILITAÇÃO PROFISSIONAL: Na página

Leia mais

CAMARA DE VEREADORES DE GUAIBA

CAMARA DE VEREADORES DE GUAIBA 1.0.0.0.0.00.00.00.00.00 ATIVO... 3.090.845,31D 1.732.780,42 2.144.812,92 2.678.812,81D 1.1.0.0.0.00.00.00.00.00 ATIVO CIRCULANTE... 883.250,11D 544.565,64 435.584,11 992.231,64D 1.1.1.0.0.00.00.00.00.00

Leia mais

SANTA CATARINA CAMARA DE VEREADORES DO MUNICIPIO DE NOVA ERECHIM Balancete de Verificação

SANTA CATARINA CAMARA DE VEREADORES DO MUNICIPIO DE NOVA ERECHIM Balancete de Verificação Página: 1/9 1 ATIVO 972.584,70D 71.90 62.591,11 1.1 ATIVO CIRCULANTE 46.803,13D 71.90 62.036,57 1.1.1 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 46.803,13D 71.90 62.036,57 1.1.1.1 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA EM MOEDA

Leia mais

VERSÃO RESPOSTAS PROVA DE MARKETING

VERSÃO RESPOSTAS PROVA DE MARKETING UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DE RIBEIRÃO PRETO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PROCESSO SELETIVO DOUTORADO - TURMA 2011 VERSÃO

Leia mais

Professor Fernando Aprato

Professor Fernando Aprato EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES PARA O CONCURSO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE CAXIAS DO SUL ORÇAMENTO ANTT/NCE/2008 1. O princípio orçamentário que estabelece todas as receitas e despesas referentes aos três poderes

Leia mais

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2013

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2013 Elekeiroz S.. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2013 Balanço patrimonial tivo Circulante Nota 31 de dezembro de 2013 31 de

Leia mais

PORTARIA Nº 72, DE 01 DE FEVEREIRO DE 2012

PORTARIA Nº 72, DE 01 DE FEVEREIRO DE 2012 REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 15 de Novembro de 1889 PORTARIA Nº 72, DE 01 DE FEVEREIRO DE 2012 Estabelece normas gerais de consolidação das contas dos consórcios públicos a serem observadas na gestão

Leia mais

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES E PRAZOS PARA A PREFEITURA

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES E PRAZOS PARA A PREFEITURA CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES E PRAZOS PARA A PREFEITURA É DE SUMA IMPORTÂNCIA ESTARMOS ATENTOS AOS PRAZOS LIMITE, PARA QUE TENHAMOS MAIOR TRANQÜILIDADE PERANTE NOSSOS CLIENTES E OS GESTORES PERANTE A SOCIEDADE,

Leia mais

ARRENDAMENTO MERCANTIL Aspectos Contábeis

ARRENDAMENTO MERCANTIL Aspectos Contábeis ARRENDAMENTO MERCANTIL Aspectos Contábeis Sumário 1. Introdução 2. Conceitos 2.1 - Modalidades de Arrendamento 3. Avaliação Dos Componentes Patrimoniais 3.1 - Arrendamento Mercantil Financeiro Nas Entidades

Leia mais

TJ-BA Analista Área Administrativa

TJ-BA Analista Área Administrativa TJ-BA Analista Área Administrativa Pessoal, vou comentar as questões da prova da área administrativa. Conhecimentos Específicos 41 Em um determinado ente da Federação, foi implantado um sistema de controle

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: Introdução: Serviço Público. Administração Pública. Contabilidade Pública. Regimes Contábeis.

Resumo Aula-tema 01: Introdução: Serviço Público. Administração Pública. Contabilidade Pública. Regimes Contábeis. Resumo Aula-tema 01: Introdução: Serviço Público. Administração Pública. Contabilidade Pública. Regimes Contábeis. Ainda hoje no Brasil, são raras as pesquisas e publicações na área da Contabilidade Pública

Leia mais

Fundo de Investimento em Direitos Creditórios FIDC

Fundo de Investimento em Direitos Creditórios FIDC Renda Fixa Fundo de Investimento em Direitos Creditórios FIDC Fundo de Investimento em Direitos Creditórios O produto O Fundo de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC) é uma comunhão de recursos que

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E 2014 (Valores expressos em reais)

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E 2014 (Valores expressos em reais) BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E 2014 ATIVO NE 31/12/2015 31/12/2014 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO NE 31/12/2015 31/12/2014 CIRCULANTE CIRCULANTE Disponibilidades 4 90.705.601 82.095.096

Leia mais

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES DE ÓRGÃOS E ENTIDADES ESTADUAIS Exercício 2011

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES DE ÓRGÃOS E ENTIDADES ESTADUAIS Exercício 2011 Exercício 2011 JANEIRO 17 O titular do Poder Executivo deverá enviar cópia do PPA atualizado, da LOA e da LDO juntamente com os anexos. Órgãos: deverão enviar a prestação de contas do mês de dezembro/2010.

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO CONTROLADORIA-GERAL DO ESTADO - CGE/MT

ESTADO DE MATO GROSSO CONTROLADORIA-GERAL DO ESTADO - CGE/MT Orientação Técnica 0002/2015 UNIDADE ORÇAMENTÁRIA: TODAS AS UNIDADES ORÇAMENTÁRIAS INTERESSADO: C/ CÓPIA: ASSUNTO: SECRETÁRIOS DE ESTADO E PRESIDENTES DE AUTARQUIAS,FUNDAÇÕES, EMPRESAS E DEMAIS ENTIDADES

Leia mais

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E DO COMÉRCIO SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS. CIRCULAR N 016, de 4 de junho de 1973

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E DO COMÉRCIO SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS. CIRCULAR N 016, de 4 de junho de 1973 MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E DO COMÉRCIO SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR N 016, de 4 de junho de 1973 Altera dispositivos das Normas de Seguros Aeronáuticos Circular n 19/71, da SUSEP. O SUPERINTENDENTE

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CÂMARA MUNICIPAL DE OURO BRANCO MG EXERCÍCIO DE 2014

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CÂMARA MUNICIPAL DE OURO BRANCO MG EXERCÍCIO DE 2014 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CÂMARA MUNICIPAL DE OURO BRANCO MG EXERCÍCIO DE 2014 DIRETRIZES CONTÁBEIS Tendo em vista as inovações da Contabilidade no Setor Público, o Poder Legislativo

Leia mais

Resumo Aula-tema 03: Receita Pública

Resumo Aula-tema 03: Receita Pública Resumo Aula-tema 03: Receita Pública A fim de fazer face às próprias necessidades de manutenção e investimentos, o Estado dispõe de recursos ou rendas que lhe são entregues pela contribuição da coletividade.

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 732, DE 2011

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 732, DE 2011 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 732, DE 2011 Altera o 2º do art. 4º da Lei nº 10.522, de 19 de julho de 2002, que dispõe sobre o cadastro informativo dos créditos não quitados de órgãos e entidades

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 588, de 21 de fevereiro de 2017.

LEI COMPLEMENTAR Nº 588, de 21 de fevereiro de 2017. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 588, de 21 de fevereiro de 2017. Estabelece normas de finanças públicas complementares à Lei Complementar Federal nº 101, de 04 de maio de 2000, e à Lei Federal

Leia mais

Tribunal de Contas do Distrito Federal Luiz Genédio 5ª. Inspetoria de Controle Externo Maio de 2010

Tribunal de Contas do Distrito Federal Luiz Genédio 5ª. Inspetoria de Controle Externo Maio de 2010 Tribunal de Contas do Distrito Federal Luiz Genédio 5ª. Inspetoria de Controle Externo Maio de 2010 Restrições para ano eleitoral Lei de Responsabilidade Fiscal LRF Legislação Eleitoral: Lei nº 9.504/97

Leia mais

08 BALANÇO & CONTAS. em 31 Dezembro 2008

08 BALANÇO & CONTAS. em 31 Dezembro 2008 08 BALANÇO & CONTAS em 31 Dezembro 2008 BALANÇO CÓDIGO DAS CONTAS ACTIVO Activo Bruto 2008 Amortizações e Ajustamentos Activo Líquido 2007 Activo Líquido IMOBILIZADO Imobilizações incorpóreas: 431 Despesas

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DISCIPLINA: EAC0111 NOÇÕES DE CONTABILIDADE PARA

Leia mais

CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS VOLTA REDONDA - Gabarito

CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS VOLTA REDONDA - Gabarito . UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2010 e 1 o semestre letivo de 2011 CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS VOLTA REDONDA - Gabarito INSTRUÇÕES AO CANDIDATO Verifique se este

Leia mais

105 Ciências Contábeis

105 Ciências Contábeis UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional Coordenação de Políticas de Acesso e Permanência Unidade de Ocupação de Vagas Remanescentes PROCESSO DE OCUPAÇÃO DE VAGAS

Leia mais

03. Para Ativo (A), Passivo (P) e Patrimônio Líquido (PL), observe as sequências lógicas:

03. Para Ativo (A), Passivo (P) e Patrimônio Líquido (PL), observe as sequências lógicas: TÉCNICO EM CONTABILIDADE 1 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 01 A 20 01. A Contabilidade é uma ciência: a) exata, pois tem como pressuposto a precisão e veracidade apresentada em seus relatórios financeiros

Leia mais

Instrumentos de Planejamento e Orçamento Público

Instrumentos de Planejamento e Orçamento Público Instrumentos de Planejamento e Orçamento Público Conceitos básicos do orçamento no setor público: ciclo orçamentário e instrumentos Fábio Pereira dos Santos As origens históricas do orçamento público Século

Leia mais

Anexo 4. Termo de Referência do Plano de Negócios

Anexo 4. Termo de Referência do Plano de Negócios Anexo 4 Termo de Referência do Plano de Negócios I. Introdução 1.1. Este Termo de Referência tem por objetivo orientar as Proponentes na elaboração de seu Plano de Negócios, conforme definido no Edital,

Leia mais

ASPECTOSJURÍDICOS DO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO NO BRASIL

ASPECTOSJURÍDICOS DO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO NO BRASIL Investimento Estrangeiro no Brasil ASPECTOSJURÍDICOS DO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO NO BRASIL Lisboa Junho 2016 Investimento Estrangeiro no Brasil ASPECTOSJURÍDICOS DO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO NO BRASIL MAÍRA

Leia mais

Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo

Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. MÓDULO DE QUESTÕES DE CONTABILIDADE

Leia mais