Resultados do 1 Trimestre de 2017

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resultados do 1 Trimestre de 2017"

Transcrição

1 Resultados do 1 Trimestre de 2017

2 Destaques Resultado (R$ Milhões) 1T17 4T16 Trim 12M Lucro Líquido Ajustado ,0% 13,0% Margem Financeira de Juros (5,0%) 7,9% Receitas de Prestação de Serviços (1,5%) 16,0% Despesas Operacionais (9.676) (10.482) (7,7%) 22,9% Despesas de PDD (4.862) (5.525) (12,0%) (10,8%) Lucro Líquido (Atividades de Seguros) (8,7%) (0,4%) Prêmios de Seguros, Contribuição de Previdência e Receitas de Capitalização (15,5%) 18,2% Patrimonial (R$ Milhões) Mar17 Dez16 Trim Ano Ativos Totais ,5% Carteira de Crédito Expandida (2,4%) 8,5% Patrimônio Líquido ,1% 12,0% Indicadores (Em %) Mar17 Dez16 Trim Ano Índice de Eficiência Operacional 40,8% 39,5% 1,3 p.p. 3,6 p.p. Retorno Anualizado sobre o PL Médio 18,3% 17,6% 0,7 p.p. 0,8 p.p. Índice de Cobertura Operacional 75,3% 76,2% (0,9) p.p. (4,8) p.p. Índice de Basileia Nível I 12,0% 12,0% - (0,9) p.p. Índice de Inadimplência - 90 dias 5,6% 5,5% 0,1 p.p. 1,4 p.p. Para efeito de comparabilidade, algumas telas desta apresentação trarão informações financeiras consolidadas pró-forma, incluindo HSBC Brasil. Lucro Líquido Ajustado no 1T17 atingiu R$ 4,6 bilhões, com ROE expandindo para 18,3%. Impacto positivo nos resultados da queda na despesa com PDD e custos operacionais, parcialmente compensados por menor margem de juros. Ambiente de crédito continuou complexo, com queda da carteira de 2,4% no trimestre. Esperamos retomada do crescimento no segundo semestre. Confirmação de que o pico da inadimplência foi o 4T16. Melhoras no NPL em PF e SMEs no 1T17. Queda dos custos operacionais em 7,7% no 1T17 e queda de 2,8% pró-forma 12 meses. Receitas de serviços declinaram 1,5% no trimestre. Receitas de seguros apresentaram forte desempenho. Patrimônio Líquido apresentou expansão de 12,0% em 12 meses. Índice de Basileia Nível I robusto, mesmo com o efeito da mudança do fator aplicado para os ajustes prudenciais (de 60% para 80%). 2 2

3 Lucro Líquido Contábil x Lucro Líquido Ajustado R$ milhões 1T17 4T16 1T16 Lucro Líquido - Contábil Eventos Extraordinários (líquidos dos efeitos fiscais) (8) - Amortização de Ágio (Bruto) Passivos Contingentes (1) Impairment de Ativos Não Financeiros (2) Outros (3) - 37 (90) Lucro Líquido - Ajustado (1) No quarto trimestre de 2016, refere-se, em grande parte, à constituição de provisão para passivos contingentes, originários de obrigações por cessão de créditos FCVS, no montante de R$ 235 milhões; (2) No quarto trimestre de 2016, foram registradas perdas por impairment em: (i) sistemas de processamento de dados/outros, no montante de R$ 137 milhões; e (ii) ações, no montante de R$ 20 milhões (R$ 57 milhões, no primeiro trimestre de 2016); e (3) Refere-se: (i) no quarto trimestre de 2016, às outras despesas não recorrentes, como custos de migração/incorporação do HSBC Brasil; e (ii) no primeiro trimestre de 2016, ao ganho na alienação parcial de investimentos. 3 3

4 Demonstração do Resultado, Ativos Totais, PL e Retornos R$ Milhões Variação % Pró-Forma Variação Demonstração do Resultado Ajustado 1T17 4T16 1T16 Trim 12M 1T16 % 12M Margem Financeira (0,3) 4, (8,7) - Juros (5,0) 7, (5,7) - Não Juros (28,4) (13,9) 254 (46,5) - Impairment de Ativos Financeiros (420) (1.264) - (66,8) PDD (4.862) (5.525) (5.448) (12,0) (10,8) (6.690) (27,3) Resultado Bruto da Intermediação Financeira ,0 13, ,2 Prêmios de Seguros, Planos de Previdência e Capitalização, líquidos da variação das Provisões (3,2) 0, (11,1) Técnicas, Sinistros Retidos e Outros (1) Receitas de Prestação de Serviços (1,5) 16, ,9 Despesas Operacionais (9.676) (10.482) (7.870) (7,7) 22,9 (9.959) (2,8) Despesas Tributárias (1.772) (1.703) (1.418) 4,1 25,0 (1.666) 6,4 Outras Receitas / (Despesas Operacionais) (1.775) (1.586) (1.629) 11,9 9,0 (1.738) 2,1 Resultado Operacional ,7 0,5 IR/CS (1.839) (1.157) (2.311) 58,9 (20,4) Resultado Não Operacional / Participação Minoritária (101) (56) (133) 80,4 (24,1) Lucro Líquido - Ajustado ,0 13,0 Patrimônio Líquido ,1 12,0 Ativos ,5 ROAE (2) (3) 18,3% 17,6% 17,5% 0,7 p.p. 0,8 p.p. ROAA (3) 1,4% 1,5% 1,5% (0,1) p.p. (0,1) p.p. (1) Em Outros, inclui: Sorteios e Resgates de Títulos de Capitalização; e Despesas de Comercialização de Planos de Seguros, Previdência e Capitalização; (2) Não considera o efeito da marcação a mercado dos Títulos Disponíveis para Venda registrado no Patrimônio Líquido; e (3) Calculado de forma linear. 4 4

5 Lucro Líquido e Lucro por Ação 3,05 3,15 3,23 3,20 3,14 3,13 3,09 3,19 +13,0% R$ milhões +6,0% % 29% 31% 9% 8% 8% 28% 29% 28% 34% 9% 28% 28% 34% 34% 10% 7% 8% 31% 28% 27% 30% 8% 29% Demais atividades representam cerca de 67% 34% 34% 33% 29% 31% 31% 31% 33% 2T15 3T 4T 1T16 2T 3T 4T 1T17 Intermediação de Crédito Serviços TVM/Outros Seguros Lucro por Ação 5

6 Margem Financeira de Juros e Não Juros 12,7% 13,5% 14,3% 14,7% 14,5% 14,1% 11,8% 12,4% 13,0% 13,5% 13,9% 14,1% 14,0% 13,2% 13,8% 12,1% 7,4% 7,5% 7,5% 7,5% 7,4% 7,5% 7,5% 7,4% R$ milhões (1.264) (420) 2T15 3T 4T 1T16 2T 3T 4T 1T17 Não Juros Juros Impairment de Ativos Financeiros Taxa pré BM&F (acumulada 12 meses) Selic média (acumulada 12 meses) Taxa Média da Margem de Juros Acumulada nos últimos 12 meses = (Margem Financeira Juros/Ativos Médios - Operações Compromissadas - Ativo Permanente) 6

7 Margem Financeira de Juros Variação % R$ milhões 1T17 4T16 1T16 Trim 12M 1T16 Pró-Forma Variação 12M% - Intermediação de Crédito (6,2) 9, (7,7) - Seguros ,7 0, ,4 - TVM/Outros (0,9) 4, ,5 Margem Financeira de Juros (5,0) 7, (5,7) 7 7

8 Margem Financeira de Intermediação de Crédito 34,0% 35,6% 37,1% 47,4% 40,2% 44,0% 42,2% 40,8% (1) 41,2% 38,7% 11,5% 11,5% 11,7% 12,0% 12,3% 12,7% 13,0% 13,2% 7,6% 7,5% 7,5% 7,3% 7,2% 7,2% 7,3% 7,7% R$ milhões T15 3T 4T 1T16 2T 3T 4T 1T17 (2) Margem Líquida PDD PDD / Margem Bruta % Spread Bruto (acumulado 12 meses) % Spread Líquido (Acumulado 12 meses) % Margem Líquida -2,2% em relação ao 4T16 e +27,6% em relação ao 1T16 (1) Sem efeito do alinhamento do nível de provisionamento de um cliente corporativo específico; e (2) Se desconsiderássemos o efeito do alinhamento do nível de provisionamento de um cliente corporativo específico, a margem líquida, no segundo trimestre de 2016, seria R$ milhões e, no primeiro trimestre de 2016, seria R$ milhões. 8 8

9 Carteira de Crédito Expandida Variação % R$ milhões Mar17 Dez16 Mar16 Trim Ano Pessoas Jurídicas (3,5) 4,9 Grandes Empresas (2,5) 10,5 Micro, Pequenas e Médias Empresas (5,9) (6,6) Pessoas Físicas (0,1) 16,3 Crédito Pessoal Consignado ,9 12,5 Cartão de Crédito (4,5) 23,4 Crédito Pessoal (3,7) 16,7 Financiamento Imobiliário ,9 36,7 CDC/ Leasing de Veículos (2,1) (5,5) Outras ,9 12,1 Total Carteira de Crédito Expandida (2,4) 8,5 Pró-Forma Mar17 Dez16 Mar16 Trim Ano Pessoas Jurídicas (3,5) (12,9) Pessoas Físicas (0,1) 1,1 Total Carteira de Crédito Expandida (2,4) (8,5) 9 9

10 Mix da Carteira de Crédito Expandida R$ bilhões 213,6 385,5 502,7 34,5% 30,5% 34,2% Evolução para perfil de menor risco 38,1% 39,6% 46,6% 27,4% 29,9% 19,2% Mar17 Micro, Pequenas e Médias Grandes Empresas Pessoas Físicas 42,2% Pessoas Físicas - % Mar17 19,0 23,2 11,4 19,8 10,3 16,3 26,3% ,6 17,7 26,5 17,8 12,8 16,6 12,7% ,5 9,3 43,5 12,9 10,6 20,2 Financiamento Imobiliário Crédito Pessoal Consignado Veículos Cartão de Crédito Crédito Pessoal Outros 10

11 Índice de Inadimplência acima de 90 dias 8,62% 8,26% 7,2% 7,6% 7,74% 5,3% 5,0% 5,2% 4,9% 3,7% 3,8% 6,7% 6,0% 5,5% 5,5% 4,2% 4,1% 5,8% 4,6% 6,5% 5,4% 2,0% 6,94% 5,51% 6,66% 6,65% 5,63% 5,49% 5,21% 2,29% 1,0% 0,8% 0,5% 0,4% 0,8% 1,1% 1,24% 2,22 1,37% Jun15 Set Dez Mar16 Jun Set Dez Mar17 Micro, Pequenas e Médias Total Excluindo o efeito de um cliente corporativo específico (com base em Dez/16) Pessoas Físicas Simulação da Inadimplência com base em Dez/16 Grandes Empresas 11

12 Índice de Inadimplência 15 a 90 dias 5,9% 6,2% 5,7% 6,4% 6,1% 6,5% 5,78% 5,95% 5,2% 4,2% 4,1% 4,1% 4,8% 4,6% 4,6% 4,65% 4,39% 4,31% 3,0% 2,8% 3,0% 3,7% 3,2% 3,77% 3,30% 2,99% Jun15 Set Dez Mar16 Jun Set Dez Mar17 Pessoas Físicas Pessoas Jurídicas Total Excluindo o efeito de um cliente corporativo específico 12

13 NPL Creation e Despesa de Provisão para Devedores Duvidosos 102% 91% 111% NPL Creation 90 dias x Despesas de PDD 120% 109% 98% 104% 102% 104% 105% 94% 86% R$ bilhões 7,4 7,0 6,0 4,0 4,4 4,9 5,0 5,4 5,9 6,4 6,6 1,2 (1) 4,0 4,0 4,0 4,4 4,8 0,8 (1) 0,4 (1) 5,2 5,5 6,2 6,7 1,1 (1) (2) 5,6 88% 5,9 1T15 2T 3T 4T 1T16 2T 3T 4T 1T17 NPL Creation - 90 dias Despesa de PDD Bruta - Recorrente (3) Despesa de PDD Bruta - Recorrente (3) / NPL Creation - 90 dias Excluindo um cliente corporativo específico Despesa de PDD / Operações de Crédito Conceito Bacen 4,65% 4,41% 4,57% 4,17% 4,05% 3,70% 3,67% 3,49% 3,82% 3,99% 3,82% 4,06% 4,00% 4,21% R$ bilhões 3,3 3,2 3,1 3,1 2,9 3,0 2,9 3,1 3,3 3,3 3,6 3,6 3,9 4,2 6,16% 5,88% 5,75% 5,64% 5,24% 5,45% 5,4 5,0 0,8 (1) 0,4 4,6 4,6 (1) 5,7 5,09% 5,5 4,9 3T12 4T 1T13 2T 3T 4T 1T14 2T 3T 4T 1T15 2T 3T 4T 1T16 2T 3T 4T 1T17 Despesa de PDD Líquida - Recorrente (3) (4) Despesa de PDD Líquida - Recorrente (3) (4) / Operações de Crédito - Conceito Bacen (%) (5) Excluindo um cliente corporativo específico (1) Efeito do alinhamento do nível de provisionamento de um cliente corporativo específico; (2) Cliente integralmente provisionado; (3) Não considera efeitos extraordinários; (4) Conceito gerencial que inclui receitas com recuperação de crédito, despesas com descontos concedidos e resultado na alienação de bens não de uso (BNDU); e (5) Calculado de forma linear. 13

14 NPL Creation 90 dias por Segmento R$ bilhões 1,2% 1,1% Total 1,3% 1,4% 1,6% 1,9% 1,8% 1,8% 1,5% 0,5% 0,1% 0,2% Grandes Empresas 0,9% 0,4% 0,1% 0,4% 1,5% 0,6% 4,4 3,8 4,0 3,3 4,9 5,0 5,0 5,4 3,9 4,4 7,4 6,2 7,0 6,7 6,7 6,8 1,1 (1) 5,6 0,5 0,3 0,1 0,2 0,3 0,6 0,1 0,2 0,4 1, ,5 1,6 1,8 1,1 (1) 0,7 0,6 2T15 3T 4T 1T16 2T 3T 4T 1T17 Micro, Pequenas e Médias Empresas 2T15 3T 4T 1T16 2T 3T 4T 1T17 Pessoas Físicas 2,0% 2,5% 2,2% 2,7% 2,9% 2,0% 1,6% 1,5% 1,8% 1,8% 2,0% 2,1% 2,2% 1,8% 1,5% 1,6% 1,6 1,5 2,0 1,7 1,3 1,4 2,4 2,1 2,0 1,9 2,7 2,8 2,7 2,2 1,8 2,6 2,3 2,0 2,2 2,6 2,6 1,8 1,9 3,0 2,6 2,5 3,5 3,5 3,7 2,9 3,1 3,6 2T15 3T 4T 1T16 2T 3T 4T 1T17 2T15 3T 4T 1T16 2T 3T 4T 1T17 NPL Creation Baixas NPL Creation / Carteira de Crédito Bacen Excluindo um cliente corporativo específico (1) Efeito de um cliente corporativo específico integralmente provisionado. 14

15 Índice de Cobertura Efetivo e Acima de 90 e 60 dias 220,0% 214,6% 200,6% 204,3% 206,2% 204,7% 206,8% 201,0% 205,7% 204,2% 198,0% 193,6% 189,1% 188,4% 180,4% 168,4% 161,7% 162,9% 160,7% 158,3% 158,8% 146,5% 7,8% 6,7% 6,1% 5,6% 4,3% 4,5% 3,7% 3,8% 4,1% 4,2% 3,9% 3,3% 3,6% 8,6% 8,0% 6,8% 6,3% 4,7% 4,9% 4,2% 182,1% 154,0% 10,1% 10,4% 10,3% 9,3% 8,5% 8,2% 8,4% 7,4% 6,7% 6,6% 6,2% 5,8% 5,5% 5,6% 4,8% 5,4% 4,9% 5,0% 4,6% 4,8% (*) (*) R$ 6,9 bi PDD excedente R$ 20,8 bi PDD acima da perda líquida esperada Jun15 Set Dez Mar16 Jun Set Dez Mar17 Inadimplência acima de 90 dias Curso Anormal E - H PDD Mínima Requerida Provisão Total (1) Perdas Líquidas em 12 meses (2) Índice de Cobertura Efetivo (1/2) Índice de Cobertura Acima de 90 dias Índice de Cobertura Acima de 60 dias (*) Desconsiderando o efeito de um cliente corporativo específico, o qual deverá ser baixado no próximo trimestre, os índices de cobertura de 90 e 60 dias seriam de 186,4% e 156,4%, respectivamente. 15

16 Carteira de Renegociação 17,5 17,9 15,8 11,6 12,1 12,7 13,1 13,9 61,7% 64,2% 66,2% 65,8% 65,5% 65,1% 68,4% 75,3% (*) 26,4% 26,1% 28,9% 27,5% 26,3% 27,1% 28,1% 29,7% 3,3% 3,3% 3,5% 3,7% 4,1% 4,0% 4,5% 4,7% Jun15 Set Dez Mar16 Jun Set Dez Mar17 Carteira de Renegociação - R$ bilhões PDD sobre a Carteira de Renegociação Carteira de Renegociação / Carteira de Crédito Inadimplência acima de 90 dias (*) O aumento da PDD sobre a carteira renegociada deve-se à mudança no critério interno de alocação da PDD excedente, sem qualquer impacto nos resultados. 16

17 Receitas de Prestação de Serviços Variação % Pró-Forma R$ milhões 1T17 4T16 1T16 Trim 12M 1T16 Variação 12M % Rendas de Cartão (5,8) 8, ,4 Conta Corrente (1,4) 17, ,8 Administração de Fundos ,2 35, ,3 Operações de Crédito ,8 11,4 746 (2,0) Cobrança ,2 19, ,1 Administração de Consórcios ,7 32, ,5 Serviços de Custódia e Corretagens ,9 40, ,2 Underwriting / Assessoria Financeira (22,4) 11, ,6 Arrecadações ,9 11, ,9 Outras (10,2) (0,5) 418 (51,4) Total (1,5) 16, ,9 Variação (Qtde) Dias Úteis

18 Despesas Operacionais Variação % R$ milhões 1T17 4T16 1T16 Trim 12M 1T16 Pró-Forma Variação 12M % Pessoal (4,9) 28, ,9 - Estrutural (7,3) 30, (1,3) - Não Estrutural ,6 20, ,7 Administrativa (10,3) 17, (7,1) Total (7,7) 22, (2,8) Funcionários (2,0) 16,7 Agências (3,6) 13,6 Total de Pontos de Atendimento (0,1) (4,7) 18

19 Índices de Eficiência e Cobertura Operacional 78,7% 79,1% 80,0% 80,1% 80,2% 78,0% 76,2% 75,3% 49,9% 46,5% 46,6% 46,5% 47,1% 48,1% 37,9% 37,9% 37,5% 37,2% 37,4% 38,2% 41,1% 37,2% 38,4% 38,3% 37,7% 35,3% 52,2% 39,5% 43,2% 53,1% 40,8% 40,6% 2T15 3T 4T 1T16 2T 3T 4T 1T17 Índice de Eficiência Operacional - Trimestral Índice de Eficiência Operacional Ajustado ao Risco - Acumulado 12 meses Índice de Eficiência Operacional - Acumulado 12 meses Índice de Cobertura Operacional (RPS / Pessoal + ADM) Acumulado 12 meses 19

20 Resultado das Operações de Seguros, Previdência e Capitalização Variação % Pró-Forma R$ milhões 1T17 4T16 1T16 Trim 12M 1T16 Variação 12M % Vida e Previdência (26,1) 29, ,3 Saúde ,9 10, ,6 Auto / RE (2,6) 2, ,6 Capitalização (4,6) 7, (1,4) Subtotal do Faturamento (15,7) 18, ,1 DPVAT ,0 (27,5) 102 (27,5) Total Geral do Faturamento (15,5) 18, ,8 Ativos Financeiros ,7 25, ,7 Provisões Técnicas ,7 25, ,1 Patrimônio Líquido ,1 26, ,1 Lucro Líquido (8,7) (0,4) ROAE (1) 20,2% 24,9% 24,9% (4,7) p.p (4,7) p.p (1) Calculado de forma linear. 20

21 Índice de Basileia Em % Conglomerado Prudencial Mutação do Índice de Capital Nível I no Trimestre 16,0 12,8 14,5 11,4 16,8 16,9 17,7 12,7 12,9 13,7 15,3 15,4 15,3 11,9 12,0 12,0 0,8 0,8 0,8 11,1 11,2 11,2 12,0 (1,3) (0,3) 10,4 0,7 0,6 0,3 12,0 Jun15 Set Dez Mar16 Jun Set Dez Mar17 Índice Total Capital Principal Capital Complementar Dez16 Efeito do Juros Sobre o cronograma dos Capital Próprio ajustes prudenciais (de 60% para 80%) Subtotal do Índice Capital Nível I Redução dos Ativos Ponderados Lucro Líquido 1T17 Marcação a Mercado Títulos Disponíveis para Venda Mar17 BIS III - Impacto Integral Limites (5) 2017 Nível I 7,5% Capital Principal 6,0% 12,0 11,2 0,7 12,4 0,5 0,8 0,8 0,8 11,2 (0,6) (0,2) 11,6 10,4 (4) Limites (5) Nível I 9,5% Capital Principal 8,0% Capital Nível (1) Antecipação do Cronograma de Deduções (2) Antecipação das Regras de Ativos Ponderados (3) Capital Complementar Capital Nível I com regras integrais de Basileia III Consumo de Crédito Tributário Capital Principal Ágio / Intangível líquido Capital Nível I simulado de amortização e ganhos com regras integrais de e sinergias no processo Basileia III de incorporação do HSBC Brasil (1) Publicado (Cronograma 80%); (2) Efeito do impacto integral. Inclui, inclusive, o estoque do Ágio / Intangível pago pela compra do HSBC Brasil, líquido de amortizações e a realocação de recursos, via pagamento de dividendos do Grupo Segurador; (3) Considera a antecipação do multiplicador de parcelas de riscos de mercado e operacional, de 9,250% para 8% em 2019; (4) Caso considerássemos a possibilidade da Administração emitir capital complementar até 2018 (havendo condições de mercado), o Índice de Capital Nível I seria de 13,1%, incremento de 0,7 p.p.; e (5) Refere-se aos mínimos requeridos, conforme a Resolução nº 4.193/13, somados às parcelas de adicional de capital estabelecidos pelas Circulares nº 3.768/15 e 3.769/15. 21

22

Resultados do 2º Trimestre de 2016 Teleconferência

Resultados do 2º Trimestre de 2016 Teleconferência Resultados do 2º Trimestre de 2016 Teleconferência Eduardo Mazzilli de Vassimon Vice-Presidente Executivo, CFO (Chief Financial Officer) e CRO (Chief Risk Officer) Marcelo Kopel Diretor de Relações com

Leia mais

Resultados do 1º Trimestre de 2016 Teleconferência

Resultados do 1º Trimestre de 2016 Teleconferência Resultados do º Trimestre de 206 Teleconferência Eduardo Mazzilli de Vassimon Vice-Presidente Executivo, CFO (Chief Financial Officer) e CRO (Chief Risk Officer) Marcelo Kopel Diretor de Relações com Investidores

Leia mais

Banco do Brasil. Divulgação do Resultado 1T09

Banco do Brasil. Divulgação do Resultado 1T09 Banco do Brasil Divulgação do Resultado 1 Aviso Importante Esta apresentação faz referências e declarações sobre expectativas, sinergias planejadas, estimativas de crescimento, projeções de resultados

Leia mais

Market Share Indicadores Mar/09 Mar/10 Mar/11 Mar/12 Mar/13 Ativo Total Patrimônio Líquido Depósitos Totais Nº de Agências

Market Share Indicadores Mar/09 Mar/10 Mar/11 Mar/12 Mar/13 Ativo Total Patrimônio Líquido Depósitos Totais Nº de Agências Market Share Indicadores Mar/09 Mar/10 Mar/11 Mar/12 Mar/13 Ativo Total 10º 11º 11º 11º 11º Patrimônio Líquido 12º 11º 12º 11º 11º Depósitos Totais 8º 8º 8º 8º 7º Nº de Agências 7º 7º 7º 7º 7º Fonte: Banco

Leia mais

* Sujeito à aprovação dos Órgãos Reguladores. Aquisição do HSBC Brasil * 03 de Agosto de 2015

* Sujeito à aprovação dos Órgãos Reguladores. Aquisição do HSBC Brasil * 03 de Agosto de 2015 * Sujeito à aprovação dos Órgãos Reguladores Aquisição do HSBC Brasil * 03 de Agosto de 2015 Destaques da transação Ativo único 5,0 milhões de correntistas e mais de R$61 bilhões em depósitos Presença

Leia mais

Divulgação dos Resultados 4T13 e 2013

Divulgação dos Resultados 4T13 e 2013 Divulgação dos Resultados 4T13 e 2013 Market Share Indicadores dez/09 dez/10 dez/11 dez/12 set/13 Ativo Total * 10º 11º 11º 11º 11º Patrimônio Líquido * 11º 12º 11º 11º 11º Depósitos Totais 8º 8º 8º 7º

Leia mais

Banco do Brasil: Destaques

Banco do Brasil: Destaques 4º Trimestre 2014 1 Aviso Importante Esta apresentação faz referências e declarações sobre expectativas, sinergias planejadas, estimativas de crescimento, projeções de resultados e estratégias futuras

Leia mais

Release de Resultados

Release de Resultados São Paulo, 14 de novembro de 2016 O Banco Sofisa S.A. (SFSA4), banco múltiplo, especializado na concessão de crédito para empresas de pequeno e médio porte, anuncia hoje seu resultado do 3º trimestre de

Leia mais

Resultados 3º Trimestre 2012

Resultados 3º Trimestre 2012 Resultados 3º Trimestre 2012 jan/03 abr/03 jul/03 out/03 jan/04 abr/04 jul/04 out/04 jan/05 abr/05 jul/05 out/05 jan/06 abr/06 jul/06 out/06 jan/07 abr/07 jul/07 out/07 jan/08 abr/08 jul/08 out/08 jan/09

Leia mais

Apresentação Bradesco

Apresentação Bradesco Apresentação Bradesco 1 Perspectivas Econômicas 2013 Bradesco 2014 * Consenso do Mercado ** 2015 * 2014 2015 PIB 2,50% 0,50% 1,50% 0,29% 1,01% Juros(SelicFinal) 10,00% 11,00% 11,00% 11,00% 11,38% Inflação(IPCA)

Leia mais

Resultados Título da apresentação

Resultados Título da apresentação Resultados 2015 Título da apresentação Aviso Legal Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros do Banco Pan. Essas declarações estão baseadas

Leia mais

ANÁLISE DA DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO - R$ MILHÕES

ANÁLISE DA DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO - R$ MILHÕES Análise do Desempenho Econômico-Financeiro 31/12/2004 ANÁLISE DA DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO - R$ MILHÕES 16.123 12.590 13.015 Receitas de Operações de Crédito e de Arrendamento Mercantil Variação Dezembro

Leia mais

NIM, líquida de provisões

NIM, líquida de provisões Brasil 26 Var. M 15 / M 14 +6% / 4T'14 Volumes 1 +2% / 4T'14 Atividade Margem Líquida de Juros NIM 6,5% 6,3% 5,9% 5,7% 5,8% Milhões de EUR L&P 1T15 %4T14 %1T14 * NII + receita de tarifas 2.997 2,2 5,2

Leia mais

Análise do DEMONSTRATIVO FINANCEIRO

Análise do DEMONSTRATIVO FINANCEIRO Análise do DEMONSTRATIVO FINANCEIRO Resumo dos Resultados Gerais - 9M12 Item Resultado 9M12 Variação em relação a 9M11 (em %) Lucro Líquido R$ 4,2 bilhões +17,7% Patrimônio Líquido R$ 22,5 bilhões +24,6%

Leia mais

1 Instrumentos Elegíveis ao Capital Principal Reservas de lucros Outras receitas e outras reservas (97) - -

1 Instrumentos Elegíveis ao Capital Principal Reservas de lucros Outras receitas e outras reservas (97) - - Relatório de Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Anexo 1 Composição do Patrimônio de Referência (PR) e informações sobre a adequação do PR Data base : 30/06/2015 Capital Principal: instrumentos e reservas

Leia mais

Sumário Executivo. Highlights. 174 Análise Gerencial da Operação. Banco Itaú Holding Financeira S.A. R$ Milhões (exceto onde indicado)

Sumário Executivo. Highlights. 174 Análise Gerencial da Operação. Banco Itaú Holding Financeira S.A. R$ Milhões (exceto onde indicado) - Dezembro 2004 Highlights (exceto onde indicado) Demonstração do Resultado do Período 4º Trim./04 3º Trim./04 4º Trim./03 2004 2003 Lucro Líquido da Controladora 1.030 920 854 3.776 3.152 Margem Financeira

Leia mais

O BB no Sistema Financeiro Nacional. Performance do BB. BB: Empresa socialmente responsável. Premiações recentes. BB: uma boa opção de investimento

O BB no Sistema Financeiro Nacional. Performance do BB. BB: Empresa socialmente responsável. Premiações recentes. BB: uma boa opção de investimento Banco do Brasil Outubro 2004 1 agenda O BB no Sistema Financeiro Nacional Performance do BB BB: Empresa socialmente responsável Premiações recentes BB: uma boa opção de investimento 2 maior conglomerado

Leia mais

Assunto: Itaú Unibanco Holding S.A. Resultado do 3º Trimestre de Comunicado ao Mercado

Assunto: Itaú Unibanco Holding S.A. Resultado do 3º Trimestre de Comunicado ao Mercado Assunto: Resultado do 3º Trimestre de 2016 Comunicado ao Mercado ( Companhia ) comunica aos seus acionistas e ao mercado em geral que já estão disponíveis no site de Relações com Investidores (www.itau.com.br/relacoes

Leia mais

2T16. Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas Itaú Unibanco Holding S.A.

2T16. Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas Itaú Unibanco Holding S.A. 2T16 Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas Itaú Unibanco Holding S.A. ÍNDICE 03 Análise Gerencial da Operação 05 Sumário Executivo 15 Análise do Resultado e Balanço 16 18 22

Leia mais

2 trimestre de 2011. Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas. Itaú Unibanco Holding S.A.

2 trimestre de 2011. Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas. Itaú Unibanco Holding S.A. 2 trimestre de 2011 Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas Itaú Unibanco Holding S.A. Itaú Unibanco Índice Análise Gerencial da Operação 1 Demonstrações Contábeis Completas 55

Leia mais

Gestão, Elaboração e Divulgação de Relatórios de Análise Econômica Financeira e Demonstrações Contábeis Consolidadas da Organização Bradesco

Gestão, Elaboração e Divulgação de Relatórios de Análise Econômica Financeira e Demonstrações Contábeis Consolidadas da Organização Bradesco Gestão, Elaboração e Divulgação de Relatórios de Análise Econômica Financeira e Demonstrações Contábeis Consolidadas da Organização Bradesco 8 Destaques Apresentamos os principais números obtidos pelo

Leia mais

- Banco do Brasil 12/11/ Banco Itaú/Unibanco 10/11/ Bradesco 10/11/ Santander do Brasil 10/11/2009

- Banco do Brasil 12/11/ Banco Itaú/Unibanco 10/11/ Bradesco 10/11/ Santander do Brasil 10/11/2009 ANÁLISE DE BANCOS 3º TRIMESTRE DE 2009 Bancos analisados: - 12/11/2009 - Banco Itaú/Unibanco 10/11/2009 - Bradesco 10/11/2009 - Santander do 10/11/2009 RESULTADO DO ACIONISTA O resultado líquido dos bancos

Leia mais

1T15. Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas Itaú Unibanco Holding S.A.

1T15. Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas Itaú Unibanco Holding S.A. 1T15 Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas Itaú Unibanco Holding S.A. ÍNDICE 03 Análise Gerencial da Operação 05 Sumário Executivo 15 Análise do Resultado 16 21 24 28 36 38

Leia mais

RESULTADOS Apresentação Resumo. 15 Março 2011 GRUPO FINANCEIRO

RESULTADOS Apresentação Resumo. 15 Março 2011 GRUPO FINANCEIRO RESULTADOS 2010 Apresentação Resumo 15 Março 2011 GRUPO FINANCEIRO SÍNTESE DA ACTIVIDADE RESULTADOS CONSOLIDADOS BALANÇO 2 SÍNTESE DA ACTIVIDADE 2010 Resultado líquido consolidado de 33,4 M, implicando

Leia mais

Gas Brasiliano Distribuidora S.A.

Gas Brasiliano Distribuidora S.A. Balanço patrimonial em 31 de março (não auditado) Ativo 2016 2015 Passivo e patrimônio líquido 2016 2015 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 78.050 132.536 Fornecedores 23.096 19.064 Contas

Leia mais

Teleconferência de Resultados 1T16. 6 de maio de Magazine Luiza

Teleconferência de Resultados 1T16. 6 de maio de Magazine Luiza Teleconferência de Resultados 6 de maio de 2016 Magazine Luiza Destaques Vendas E-commerce Margem Bruta EBITDA e Lucro Líquido Capital de Giro Endividamento Luizacred Aumento da receita bruta de 3% totalizando

Leia mais

Rentabilidade, eficiência e controle da inadimplência como direcionadores do resultado

Rentabilidade, eficiência e controle da inadimplência como direcionadores do resultado Resultado 3T15 Aviso Importante Esta apresentação faz referências e declarações sobre expectativas, sinergias planejadas, estimativas de crescimento, projeções de resultados e estratégias futuras sobre

Leia mais

AGENDA MERCADO SEGURADOR GRUPO SEGURADOR DESAFIOS E DIRECIONADORES

AGENDA MERCADO SEGURADOR GRUPO SEGURADOR DESAFIOS E DIRECIONADORES AGENDA MERCADO SEGURADOR GRUPO SEGURADOR DESAFIOS E DIRECIONADORES TRANSFORMAÇÃO DO MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO Saúde Vida 6% 12% RE 44% Auto 38% Saúde 39% 7% Capitalização Participação Consolidada acima

Leia mais

Mercado Segurador Brasileiro

Mercado Segurador Brasileiro Mercado Segurador Brasileiro Caderno de Projeções Realizado de 2007 a 2008 Previsões de 2009 a 2012 Segmentos: Seguros Gerais/Pessoas/Saúde/Capitalização Esta publicação foi impressa em papel Reciclato,

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AMBEV S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AMBEV S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 5 Demonstração do Resultado 8 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Divulgação de Resultados Quarto Trimestre de 2013

Divulgação de Resultados Quarto Trimestre de 2013 Divulgação de Resultados Quarto Trimestre de Apresentação da Teleconferência 19 de fevereiro de 2014 Favor ler cuidadosamente o aviso no início desta apresentação. Aviso Legal Esta apresentação foi preparada

Leia mais

Apresentação de Resultados 3T14 e 9M14

Apresentação de Resultados 3T14 e 9M14 Apresentação de Resultados 3T14 e 9M14 Highligts i. Geração de caixa. Geração de caixa nos nove primeiros meses de R$ 169,0 milhões (proporcional) e de R$ 86,9 milhões no trimestre, crescimento significativo

Leia mais

Banco do Brasil. Banco do Brasil: Busca por um melhor retorno. Análise de Investimentos Relatório de Análise

Banco do Brasil. Banco do Brasil: Busca por um melhor retorno. Análise de Investimentos Relatório de Análise : Busca por um melhor retorno O BB registrou no 2T16 um lucro líquido ajustado de R$ 1,8 bilhão, com queda de 40,8% em relação ao mesmo período do ano passado, e ROAE ajustado de 7,7% ante o retorno de

Leia mais

Título da apresentação. Apresentação Institucional

Título da apresentação. Apresentação Institucional Título da apresentação Apresentação Institucional Aviso Legal Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros do Banco Pan. Essas declarações

Leia mais

análise gerencial da operação Itaú Unibanco Holding S.A.

análise gerencial da operação Itaú Unibanco Holding S.A. análise gerencial da operação 3º trimestre de 2013 (Esta página foi deixada em branco intencionalmente) 4 Sumário Executivo Apresentamos, abaixo, informações e indicadores financeiros do (Itaú Unibanco).

Leia mais

Lucro Líquido de R$129,4 milhões ou R$1,69 por ação no 3T07 e R$348,9 milhões ou R$4,54 por ação em 9M07.

Lucro Líquido de R$129,4 milhões ou R$1,69 por ação no 3T07 e R$348,9 milhões ou R$4,54 por ação em 9M07. Lucro Líquido de R$129,4 milhões ou R$1,69 por ação no 3T07 e R$348,9 milhões ou R$4,54 por ação em 9M07. São Paulo, 09 de novembro de 2007 - A Porto Seguro S.A. (Bovespa: PSSA3) anuncia seu resultado

Leia mais

Sumário do Resultado 1T16

Sumário do Resultado 1T16 Sumário do Resultado Resultado Lucro Líquido de R$ 2,4 bilhões no 1T16 O Banco do Brasil registrou lucro líquido de R$ 2.359 milhões no 1T16. O decréscimo de 59,5% em relação ao mesmo período de 2015 deve-se

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 576, DE 16 DE JUNHO DE 2016.

INSTRUÇÃO CVM Nº 576, DE 16 DE JUNHO DE 2016. . Altera o Informe Mensal de FIDC, Anexo A da Instrução CVM nº 489, de 14 de janeiro de 2011. O PRESIDENTE EM EXERCÍCIO DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS torna público que o Colegiado, em reunião realizada

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A.

Banco Santander (Brasil) S.A. Banco Santander (Brasil) S.A. INFORME DE RESULTADOS EM BR GAAP - 1T16 27 de abril de 2016 1 ÍNDICE ÍNDICE ANÁLISE GERENCIAL DOS RESULTADOS - BR GAAP RESUMO DOS DADOS DO PERÍODO 03 ESTRATÉGIA 04 SUMÁRIO

Leia mais

PROJEÇÕES DO MERCADO DE SEGUROS PARA O PERÍODO DE 2016 A 2019 SÍNTESE

PROJEÇÕES DO MERCADO DE SEGUROS PARA O PERÍODO DE 2016 A 2019 SÍNTESE PROJEÇÕES DO MERCADO DE SEGUROS PARA O PERÍODO DE 2016 A 2019 SÍNTESE O trabalho de projeções do mercado de seguros, previdência privada e capitalização, realizado pela SISCORP, é desenvolvido com detalhes

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/ PORTO SEGURO SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/ PORTO SEGURO SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Comentário do Desempenho

Comentário do Desempenho Gerdau S.A. Comentário do Desempenho Controladora 1T16 Desempenho no 1º trimestre Controladora A Gerdau S.A. é uma sociedade anônima de capital aberto, com sede no Rio de Janeiro, capital. A Companhia

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.278, DE 31 DE OUTUBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 4.278, DE 31 DE OUTUBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 4.278, DE 31 DE OUTUBRO DE 2013 Altera e revoga disposições da Resolução nº 4.192, de 1º de março de 2013, que dispõe sobre a metodologia para apuração do Patrimônio de Referência (PR). O

Leia mais

DILLON S.A. DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS. CNPJ /

DILLON S.A. DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS. CNPJ / DILLON S.A. DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS. BALANÇO PATRIMONIAL FINDO EM 31/12/2012 E 2011 EM R$ Mil A T I V O 31/12/2012 31/12/2011 ATIVO CIRCULANTE 12.353 2.888 DISPONIBILIDADE 2.718

Leia mais

Porto Alegre Rio de Janeiro São Paulo. Ciclo de Reuniões APIMEC 2016

Porto Alegre Rio de Janeiro São Paulo. Ciclo de Reuniões APIMEC 2016 Porto Alegre Rio de Janeiro São Paulo Ciclo de Reuniões APIMEC 2016 Agenda 1. Panorama Banrisul 2. Principais Itens de Resultado 3. Principais Itens Patrimoniais 4. Captação e Crédito 5. Principais Indicadores

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/ ODONTOPREV S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/ ODONTOPREV S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 5 Demonstração do Resultado 7 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

ITG 1000 PME s Giovana Garcia

ITG 1000 PME s Giovana Garcia ITG 1000 PME s Giovana Garcia Você bem preparado para o futuro da profissão. 1 RESOLUÇÃO CFC N.º 1.418/12 Aprova a ITG 1000 Modelo Contábil para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. X RESOLUÇÃO CFC

Leia mais

8.000 ATIVO CIRCULANTE

8.000 ATIVO CIRCULANTE BALANÇO PATRIMONIAL DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO Ativo X0 X1 Receita de Vendas 8.000 ATIVO CIRCULANTE 500 2.150 (-) CPV -5.000 Caixa 100 1.000 Lucro Bruto 3.000 Bancos 200 100 (-) Despesas financeiras -1.500

Leia mais

Informações Consolidadas

Informações Consolidadas METALÚRGICA GERDAU S.A. e empresas controladas Desempenho da Gerdau no 2 o trimestre As Demonstrações Financeiras Consolidadas da Metalúrgica Gerdau S.A. são apresentadas em conformidade com as normas

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008 ATIVO CIRCULANTE

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008 ATIVO CIRCULANTE BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008 A T I V O 31.12.2009 31.12.2008 ATIVO CIRCULANTE 77.677 45.278 DISPONIBILIDADES 46 45 APLICAÇÕES INTERFINANCEIRAS DE LIQUIDEZ 1.641 314 APLICAÇÕES EM

Leia mais

A receita de uso de rede diminuiu 6,1% em relação ao 3T11 e apenas 0,6% em relação ao 2T12, principalmente em função da redução da VU-M.

A receita de uso de rede diminuiu 6,1% em relação ao 3T11 e apenas 0,6% em relação ao 2T12, principalmente em função da redução da VU-M. RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA Receita Líquida Móvel 5.340,9 5.128,2 4,1 4.923,2 8,5 15.574,6 14.326,7 8,7 Receita de serviço móvel 5.078,2 4.959,7 2,4 4.697,9 8,1 14.962,1 13.535,4 10,5 Franquia e utilização

Leia mais

Destaques do 2º trimestre de 2016

Destaques do 2º trimestre de 2016 Destaques do 2º trimestre Principais Destaques Melhora do EBITDA e da margem EBITDA no 2T16 em relação ao 1T16, em todas as operações de negócio. Fluxo de caixa livre positivo de R$ 807 milhões no 2T16:

Leia mais

31/03/ /12/ /03/ /12/2015 Caixa e Bancos Aplicações financeiras

31/03/ /12/ /03/ /12/2015 Caixa e Bancos Aplicações financeiras NOTAS EXPLICATIVAS DAS INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS - ITR (Em milhares de Reais, exceto quando indicado de outra forma) 1 - CONTEXTO OPERACIONAL Bicicletas Monark S.A. ( Companhia ) tem por objetivo a industrialização

Leia mais

Souza Barros Fique por dentro. Apresentação dos Resultados 1T13 Nutriplant. Ricardo Pansa Presidente e DRI. Maio de 2013

Souza Barros Fique por dentro. Apresentação dos Resultados 1T13 Nutriplant. Ricardo Pansa Presidente e DRI. Maio de 2013 Souza Barros Fique por dentro Apresentação dos Resultados 1T13 Nutriplant Ricardo Pansa Presidente e DRI Maio de 2013 Nutriplant: opção de investimento em insumos diferenciados para o agronegócio brasileiro.

Leia mais

BC Fund Webcast Resultados 4T15 e de fevereiro de 2016

BC Fund Webcast Resultados 4T15 e de fevereiro de 2016 BC Fund Webcast Resultados 4T15 e 2015 26 de fevereiro de 2016 Resultados 4T15 e 2015 Destaques 1 2 Resultados financeiros e operacionais Receita de locação: R$ 60 mi em 4T15 e R$ 237 mi no ano FFO ajustado:

Leia mais

Resume-se a seguir o desempenho econômico-financeiro da Companhia no primeiro trimestre de 2015 e 2014: Descrição 1T15 1T14 Variação %

Resume-se a seguir o desempenho econômico-financeiro da Companhia no primeiro trimestre de 2015 e 2014: Descrição 1T15 1T14 Variação % Resultados do 1º trimestre de 2015 São Paulo, 15 de maio de 2015 A Administração da Empresa de Distribuição de Energia Vale Paranapanema S/A ( EDEVP ou Companhia ) apresenta os resultados do primeiro trimestre

Leia mais

Banco do Brasil. 1º Trimestre/2011

Banco do Brasil. 1º Trimestre/2011 Banco do Brasil 1º Trimestre/2011 Aviso Importante Esta apresentação faz referências e declarações sobre expectativas, sinergias planejadas, estimativas de crescimento, projeções de resultados e estratégias

Leia mais

1 28 de abril de 2015

1 28 de abril de 2015 28 de abril de 2015 1 Informações importantes O Banco Santander, S.A. ("Santander") informa que esta apresentação contém declarações prospectivas. Essas declarações prospectivas foram incluídas ao longo

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ DURATEX S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ DURATEX S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 6 Demonstração do Resultado Abrangente 7 Demonstração

Leia mais

PERMANENTE

PERMANENTE BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE JUNHO DE 2009 E 2008 A T I V O 30.06.2009 30.06.2008 ATIVO CIRCULANTE 62.969 46.291 DISPONIBILIDADES 46 47 APLICAÇÕES INTERFINANCEIRAS DE LIQUIDEZ 13.419 593 APLICAÇÕES EM

Leia mais

EXERCICIOS SOBRE DFC. As demonstrações contábeis da Empresa Cosmos, sociedade anônima de capital aberto, em X2, eram os seguintes:

EXERCICIOS SOBRE DFC. As demonstrações contábeis da Empresa Cosmos, sociedade anônima de capital aberto, em X2, eram os seguintes: EXERCICIOS SOBRE DFC As demonstrações contábeis da Empresa Cosmos, sociedade anônima de capital aberto, em 31.12.X2, eram os seguintes: ATIVO X1 X2 PASSIVO X1 X2 Disponível 3.000 1.500 Fornecedores 54.000

Leia mais

análise gerencial da operação Itaú Unibanco Holding S.A.

análise gerencial da operação Itaú Unibanco Holding S.A. análise gerencial da operação 1º trimestre de 2013 (Esta página foi deixada em branco intencionalmente) 4 Sumário Executivo Apresentamos, abaixo, informações e indicadores financeiros do (Itaú Unibanco).

Leia mais

ATIVO

ATIVO BALANÇO PATRIMONIAL DOS SEMESTRES FINDOS EM 30 DE JUNHO CONTROLADORA CONSOLIDADO ATIVO CIRCULANTE Numerário disponível 5.803 1.361 17.311 8.292 Aplicações no mercado aberto 1.216.028 665.948 1.216.530

Leia mais

Com inadimplência e provisões sob controle, Santander Brasil alcança lucro líquido de R$ 1,7 bilhão NOTA DE IMPRENSA

Com inadimplência e provisões sob controle, Santander Brasil alcança lucro líquido de R$ 1,7 bilhão NOTA DE IMPRENSA NOTA DE IMPRENSA RESULTADOS 1º TRIMESTRE 2016 Com inadimplência e provisões sob controle, Santander Brasil alcança lucro líquido de R$ 1,7 bilhão Os bancos, no atual momento da economia, têm um papel fundamental,

Leia mais

Luiz Carlos Angelotti. Diretor Executivo Gerente e Diretor de Relações com Investidores

Luiz Carlos Angelotti. Diretor Executivo Gerente e Diretor de Relações com Investidores 59 Luiz Carlos Angelotti Diretor Executivo Gerente e Diretor de Relações com Investidores Estratégia de Atuação 60 60 Balanço Patrimonial Tecnologia vs Eficiência operacional Basileia Desempenho Financeiro

Leia mais

BC Fund. Webcast Resultados de março de 2013

BC Fund. Webcast Resultados de março de 2013 BC Fund Webcast Resultados 2012 28 de março de 2013 Resultados 2012 Destaques Receita de locação totalizou R$ 200,3 milhões, um crescimento de 23,7% vs. 2011 (R$ 161,9 milhões) 29,0% da carteira passou

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE SERGIPE - DESO CNPJ / BALANÇO PATRIMONIAL - EM R$. 1,00

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE SERGIPE - DESO CNPJ / BALANÇO PATRIMONIAL - EM R$. 1,00 COMPANHIA DE SANEAMENTO DE SERGIPE DESO CNPJ. 13.018.171/000190 BALANÇO PATRIMONIAL EM R$. 1,00 A T I V O 31.12.2007 31.12.2006 ATIVO CIRCULANTE 138.417.550 134.143.301 Caixa e Bancos 1.286.238 3.838.555

Leia mais

Confab Anuncia Resultados para o Segundo Trimestre de 2006

Confab Anuncia Resultados para o Segundo Trimestre de 2006 Confab Anuncia Resultados para o Segundo Trimestre de 2006 São Paulo, 03 de agosto de 2006. Confab Industrial S.A. (BOVESPA:CNFB4), uma empresa Tenaris, anunciou hoje os resultados correspondentes aos

Leia mais

ELETROBRÁS TERMONUCLEAR S.A. ELETRONUCLEAR CNPJ: / DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31/09/2005

ELETROBRÁS TERMONUCLEAR S.A. ELETRONUCLEAR CNPJ: / DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31/09/2005 ELETROBRÁS TERMONUCLEAR S.A. CNPJ: 42.540.2 11/000 1-6 7 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31/09/2005 BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE SETEMBRO A T I V O 2005 2004 CIRCULANTE Numerário disponível 805 12.378 Aplicações

Leia mais

Unidade: Valor Econômico Agregado (EVA ).

Unidade: Valor Econômico Agregado (EVA ). Unidade: Valor Econômico Agregado (EVA ). 0 Unidade: Valor Econômico Agregado (EVA ). Começando a Conversa Caro aluno, olá! Nesta unidade, daremos prosseguimento ao estudo da Gestão Baseada em Valor e

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Junho 2016 Demonstrações Financeiras 1 SUMÁRIO PRESS RELEASE... 6 FATO RELEVANTE... 8 DESTAQUES FINANCEIROS... 8 DESTAQUES OPERACIONAIS... 10 GUIDANCE... 12 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO... 13 CENÁRIO ECONÔMICO...

Leia mais

CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 28 DE FEVEREIRO DE 2011 (Em R$ Mil)

CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 28 DE FEVEREIRO DE 2011 (Em R$ Mil) CNPJ 47.902.648/0001-17 CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 28 DE FEVEREIRO DE 2011 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE Caixa e Bancos 46 Fornecedores 41.785 Aplicações Financeiras 5.541 Provisão

Leia mais

2º TRIMESTRE DE 2016 DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS

2º TRIMESTRE DE 2016 DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS fg 2º TRIMESTRE DE 2016 Retomada do crescimento de vendas totais e mesmas lojas, aliada a ganho consistente de market share no mercado total a. A receita líquida totalizou R$4,3 bilhões no 2T16, com retomada

Leia mais

Crédito ao Consumo Principais Produtos. Financiamento de veículos

Crédito ao Consumo Principais Produtos. Financiamento de veículos 1 Crédito ao Consumo Principais Produtos Financiamento de veículos 2 Rede de Atendimento Crédito ao Consumo Correntistas Estrutura de Atendimento Correntistas Rede Prime 305 Agências Rede Varejo 4.387

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE CONJUNTURA ECONÔMICA ABRIL 2005

RELATÓRIO MENSAL DE CONJUNTURA ECONÔMICA ABRIL 2005 MINISTÉRIO DA FAZENDA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUSEP RELATÓRIO MENSAL DE CONJUNTURA ECONÔMICA ABRIL 2005 Rio de Janeiro, 13 de abril de 2005. 1. Conjuntura atual O objetivo deste Relatório

Leia mais

ESTUDO DE CASO. Os Novos Ajustes da Lei

ESTUDO DE CASO. Os Novos Ajustes da Lei ESTUDO DE CASO Os Novos Ajustes da Lei 11.638 Os Novos Ajustes da Lei 11.638 As demonstrações financeiras foram elaboradas com base nas práticas contábeis adotadas no Brasil e normas da Comissão de Valores

Leia mais

Divulgação de Resultados Terceiro Trimestre de 2016

Divulgação de Resultados Terceiro Trimestre de 2016 Divulgação de Resultados Terceiro Trimestre de 2016 Apresentação da Teleconferência 09 de novembro de 2016 For additional information, please read carefully the notice at the end of this presentation.

Leia mais

CARTA CIRCULAR Nº 3.624, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2013

CARTA CIRCULAR Nº 3.624, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2013 CARTA CIRCULAR Nº 3.624, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2013 Cria, exclui e altera nomenclatura de rubricas contábeis no Plano Contábil das Instituições do Sistema Financeiro Nacional (Cosif). O Chefe do Departamento

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ ALPARGATAS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ ALPARGATAS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 5 Demonstração do Resultado 8 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Março 2016 Demonstrações Financeiras 1 SUMÁRIO... 6 DESTAQUES FINANCEIROS... 8 DESTAQUES OPERACIONAIS... 10 GUIDANCE... 12... 13 CENÁRIO ECONÔMICO... 14 DESEMPENHO CONSOLIDADO... 14 Lucro Líquido... 14

Leia mais

O LUCRO RECORDE DOS SEIS MAIORES BANCOS DO PAÍS NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2007

O LUCRO RECORDE DOS SEIS MAIORES BANCOS DO PAÍS NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2007 O LUCRO RECORDE DOS SEIS MAIORES BANCOS DO PAÍS NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2007 No primeiro semestre de 2007, o setor bancário superou mais uma vez o lucro de períodos anteriores. O balanço semestral dos

Leia mais

Nivelamento de Conceitos Contábeis

Nivelamento de Conceitos Contábeis Nivelamento de Conceitos Contábeis Demonstrações Contábeis Balanço Patrimonial - BP Demonstração de Resultado do Exercício - DRE Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Substituiu a Demonstração das Origens

Leia mais

RESUMO DOS RESULTADOS (R$ MM) 1T11 1T10 Variação % Receita Líquida Total da Companhia 598,8 505,7 18,4%

RESUMO DOS RESULTADOS (R$ MM) 1T11 1T10 Variação % Receita Líquida Total da Companhia 598,8 505,7 18,4% DESTAQUES A Receita Líquida das Vendas de Mercadorias apresentou crescimento de 17,6% no período As Vendas em Mesmas Lojas alcançaram 11,2% A Margem Bruta da Operação de Varejo manteve-se estável em 53,0%

Leia mais

Apresentação de Resultados 2T14 e 1S14

Apresentação de Resultados 2T14 e 1S14 Apresentação de Resultados 2T14 e 1S14 Destaques do Período Geração de caixa. Geração de caixa no semestre de R$ 82 milhões (proporcional) e R$ 64 milhões (IFRS). Redução de alavancagem no semestre. Dívida

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AES TIETE ENERGIA S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AES TIETE ENERGIA S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 5 Demonstração do Resultado 7 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras 75º edição 1 de Abril de 214 à 31 de março de 215 Balanço Anual Ativos Ativos circulante Caixa Títulos a receber Contas a receber mobiliários Produtos Materia-Prima Trabalhos

Leia mais

Teleconferência de Resultados 2T16

Teleconferência de Resultados 2T16 Teleconferência de Resultados 2T16 Relações com Investidores São Paulo, 5 de Agosto de 2016 RESSALVA SOBRE DECLARAÇÕES FUTURAS Esta apresentação contém declarações prospectivas. Tais informações não são

Leia mais

Modelo de Plano de Contas Detalhado

Modelo de Plano de Contas Detalhado Modelo de Plano de Contas Detalhado Código da Conta Descrição da Conta 1. A T I V O 1.1 ATIVO CIRCULANTE 1.1.01 DISPONÍVEL 1.1.01.01 Caixa 1.1.01.02 Bancos c/ Movimento 1.1 01.03 Aplicações Financeiras

Leia mais

Desempenho no 3º trimestre de 2016 Controladora

Desempenho no 3º trimestre de 2016 Controladora Desempenho no 3º trimestre Controladora A Metalúrgica Gerdau S.A. é uma empresa holding que controla direta ou indiretamente todas as empresas Gerdau no Brasil e no exterior. É uma sociedade anônima de

Leia mais

AFRFB 2014 Contabilidade Resolução da Prova

AFRFB 2014 Contabilidade Resolução da Prova AFRFB 2014 Contabilidade Resolução da Prova Prof. Marcelo Seco Vamos às questões? 1 Esaf 2014 AFRFB O lucro obtido na Venda de Imobilizado e o Resultado de Equivalência Patrimonial representam, na Demonstração

Leia mais

É com uma grande satisfação que apresentamos para vocês um Plano de Contas Atualizado para Provas de Contabilidade Geral (Contas de Resultado).

É com uma grande satisfação que apresentamos para vocês um Plano de Contas Atualizado para Provas de Contabilidade Geral (Contas de Resultado). Olá, meus amigos! Tudo bem? É com uma grande satisfação que apresentamos para vocês um Plano de Contas Atualizado para Provas de Contabilidade Geral (Contas de Resultado). O plano foi elaborado pelo nosso

Leia mais

Contabilidade na crise: O impacto da política monetária na preparação dos balanços e seus reflexos para acionistas. Edison Carlos Fernandes

Contabilidade na crise: O impacto da política monetária na preparação dos balanços e seus reflexos para acionistas. Edison Carlos Fernandes Contabilidade na crise: O impacto da política monetária na preparação dos balanços e seus reflexos para acionistas Edison Carlos Fernandes Esta exposição não trata ou propõe teoria sobre política econômica;

Leia mais

RESULTADOS ECONÔMICOS - Números do Sistema Sicredi - Números da Cooperativa - Demonstrações Financeiras Consolidadas - Desenvolvimento Regional

RESULTADOS ECONÔMICOS - Números do Sistema Sicredi - Números da Cooperativa - Demonstrações Financeiras Consolidadas - Desenvolvimento Regional Sicredi Parque das Araucárias PR/SC RELATÓRIO ANUAL RESULTADOS ECONÔMICOS - Números do Sistema Sicredi - Números da Cooperativa - Demonstrações Financeiras Consolidadas - Desenvolvimento Regional RELATÓRIO

Leia mais

IN 371/2002 Estudo de Viabilidade (Claro Telecom Participações S.A)

IN 371/2002 Estudo de Viabilidade (Claro Telecom Participações S.A) IN 371/2002 Estudo de Viabilidade (Claro Telecom Participações S.A) São Paulo, SP 30 de Setembro de 2014 1 IN CVM 371/2002 CPC 32 Planos de Longo Prazo 2014-2024 Ativos Fiscais Diferidos Realização Ativos

Leia mais

MERCADO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO DADOS SUSEP E PROJEÇÕES

MERCADO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO DADOS SUSEP E PROJEÇÕES MERCADO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO DADOS SUSEP E PROJEÇÕES 1 INTRODUÇÃO: Esses números foram extraídos do sistema de informações da SUSEP SES o qual é formado através dos FIPES que as seguradoras

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS PREVIDÊNCIA PRIVADA

MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS PREVIDÊNCIA PRIVADA MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS PREVIDÊNCIA PRIVADA JAN A DEZ - 2012 1 O Mercado Brasileiro de Seguros e Previdência Privada encerrou o Exercício de 2012 apresentando um Lucro Líquido não consolidado tecnicamente

Leia mais

R$ milhões Consolidado Consolidado Combinado 1T12 4T11 % 1T11 % Receita Líquida Móvel 5.105, ,4 (2,9) 4.671,1 9,3

R$ milhões Consolidado Consolidado Combinado 1T12 4T11 % 1T11 % Receita Líquida Móvel 5.105, ,4 (2,9) 4.671,1 9,3 RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA Receita Líquida Móvel 5.105,6 5.260,4 (2,9) 4.671,1 9,3 Receita de serviço móvel 4.924,2 5.097,4 (3,4) 4.367,2 12,8 Franquia e utilização 2.599,8 2.660,5 (2,3) 2.322,6 11,9

Leia mais

ÁGIO. Aspectos Contábeis e Fiscais. Elaine Maria de Souza Funo Controller da EMBRAER S.A

ÁGIO. Aspectos Contábeis e Fiscais. Elaine Maria de Souza Funo Controller da EMBRAER S.A ÁGIO Aspectos Contábeis e Fiscais Elaine Maria de Souza Funo Controller da EMBRAER S.A São Paulo, 27 de novembro de 2012 Sumário Ágio Aspectos contábeis e tributários; Proposta de alteração fiscal; Aquisições

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O ALFA V - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES VALE DO RIO DOCE CNPJ: /

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O ALFA V - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES VALE DO RIO DOCE CNPJ: / LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O ALFA V - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES VALE DO RIO DOCE Informações referentes à Agosto de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o

Leia mais

Marcelo Kopel Diretor de Relações com Investidores Belo Horizonte 27/06/2016

Marcelo Kopel Diretor de Relações com Investidores Belo Horizonte 27/06/2016 Marcelo Kopel Diretor de Relações com Investidores Belo Horizonte 27/06/2016 Ciclo Apimec 2016 A apresentação faz referências e declarações sobre expectativas, sinergias planejadas, planos de crescimento,

Leia mais