Introdução à Matemática Financeira. Valor do dinheiro no tempo. Moeda. Gastar X investir

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Introdução à Matemática Financeira. Valor do dinheiro no tempo. Moeda. Gastar X investir"

Transcrição

1 Introdução à Matemática Financeira Valor do dinheiro no tempo Moeda Antes de detalharmos a Matemática Financeira, vejamos algumas definições sobre o que são moeda e capital. Moeda é o meio que facilita a troca de bens e serviços, possuindo basicamente três funções: meio de troca, unidade de valor e acúmulo de riquezas. A moeda é essencial como um meio de troca, por ser melhor que o escambo. Entretanto, veremos ao longo desta obra que, apesar de importante, é insuficiente para algumas operações financeiras. Capital é o dinheiro acumulado que está investido ou disponível para ser investido. Existem outras possíveis denotações para capital, mas vislumbrar capital como recursos disponíveis para uma aplicação é a que mais se aplica nesta obra. Gastar X investir Indivíduos e empresas têm de saber como lidar com o seu dinheiro. Ele pode ser gasto imediatamente ou economizado. É claro que é possível fazer as duas coisas, ou seja, gastar parte do dinheiro e economizar outra parte. Decidir por economizar é o mesmo que adiar o consumo para realizar um investimento. Aquele que possui o dinheiro decide entre consumo e investimento com o intuito de maximizar a sua utilidade (nível de satisfação). O presente é certo, enquanto o futuro é incerto. Assim, quando se decide pelo investimento, espera-se uma remuneração que pague pelo adiamento do consumo e também pela incerteza do próprio investimento. O resultado de um investimento é quase sempre incerto; assim, para que uma pessoa (ou empresa) decida pelo investimento, ele deve gerar uma remuneração que seja atrativa, apesar da incerteza no valor a receber no futuro. Caso contrário, não haverá interesse em poupar.

2 Matemática Financeira Remuneração pelo investimento A remuneração pelo investimento é chamada de juro. É uma quantidade dependente do tempo que o consumo está sendo adiado. Juro é a remuneração pelo consumo adiado, ou, em outras palavras, a remuneração sobre o capital investido. Exemplo: Você empresta R$ ,00 a José hoje que serão devolvidos daqui a um ano. A questão é: quanto José deve lhe entregar após um ano? Com certeza o valor, daqui a um ano, deve ser corrigido pela inflação. Se a inflação for de 5% ao ano, então o valor devolvido depois desse período deve ser de R$ ,00. Agora fica uma outra pergunta: será que José deve pagar apenas o valor emprestado corrigido pela inflação? De acordo com o que já foi dito anteriormente, você esperaria ser remunerado por adiar o consumo. Assim, você espera receber a correção relativa à inflação, mais uma parcela que chamamos de juro real. Dessa forma você espera receber mais do que os R$ ,00 mencionados anteriormente. Digamos que a inflação nesse período acrescida dos juros reais que a economia está proporcionando seja de 15%. Então, você espera receber R$ ,00. Existe mais um problema. Será que José vai realmente pagar o empréstimo? Mesmo que você o conheça e saiba da sua boa índole, existe a possibilidade de ele perder o emprego, por exemplo. Assim, resta uma última pergunta: como devemos tratar a incerteza com relação ao recebimento da quantia emprestada? Com certeza você terá de cobrar mais ainda do José. Os R$ ,00 não serão suficientes para cobrir aquilo que você espera ganhar. O governo, nesse nosso exemplo, está pagando 15% de juros nominais (que são os juros reais mais a inflação). Mas você sabe que, se o governo não tiver dinheiro, ele pode emitir moeda para a dívida. Mas o pobre José não pode fazer isso. Portanto, você vai cobrar mais do José do que você ganha fazendo um investimento num título do governo. O juro cobrado num empréstimo deve cobrir: a inflação esperada; o juro real; o risco. 12

3 Introdução à Matemática Financeira Vimos então que existem três motivos para que o valor do dinheiro varie no tempo. Agora que fizemos essa discussão sobre o dinheiro, é fácil ver que receber R$100,00 hoje vale mais do que receber R$100,00 daqui a um ano. Primeiramente, isso ocorre devido à inflação. O segundo motivo que faz com que o dinheiro valha mais hoje do que no futuro é a possibilidade que você tem de investi-lo e receber mais no futuro (juro real). O terceiro motivo está relacionado à incerteza (risco); você não tem certeza se receberá o dinheiro no futuro (risco de crédito), além disso, em muitos investimentos não sabemos o valor exato que receberemos no futuro (risco de mercado). É importante notar que, como o dinheiro perde seu valor ao longo do tempo, os juros são a forma de garantir que o valor financeiro disponível hoje seja equivalente ao que teremos no futuro. Em economia é comum considerar o custo de oportunidade, que é o custo de desistir de um ganho certo hoje para trocá-lo por um ganho futuro. O custo de oportunidade é exatamente a mesma coisa que o valor do dinheiro. Juro pré-fixado e pós-fixado É interessante notar que não sabemos qual será a inflação daqui para o futuro. Assim, dizemos que devemos cobrar pela inflação esperada. Entretanto, se não quisermos confiar nas nossas expectativas podemos considerar o juro como pós-fixado. Considerando o exemplo acima, você poderia emprestar a José a uma taxa pós-fixada. Você poderia dizer a ele que emprestaria a uma taxa de 10% mais a inflação que ocorrer no período. Como a inflação não é conhecida de antemão, José não sabe ao certo quanto pagará, assim como você também não sabe o quanto receberá. Todavia, você sabe que, se a inflação ao longo do próximo ano for de 20% ao ano, você não perderá dinheiro. Terminologia Imagine que você faz um investimento de R$100,00. Você aplica essa quantia e no futuro (após um ano) resgatará um outro valor, por exemplo, R$120,00. Precisamos usar uma terminologia única, que não traga dúvidas no momento que formos identificar e resolver os problemas. 13

4 Matemática Financeira Os vários livros de Matemática Financeira não possuem uma terminologia única para os vários termos. Assim, vamos nos concentrar apenas em alguns, para que não haja confusão. Valor presente, valor futuro e juro O valor investido costuma ser chamado de valor presente, principal ou capital. Já o valor resgatado pode ser chamado de valor futuro, montante, valor de resgate ou saldo futuro. Apesar de cada obra utilizar um desses diferentes termos, vale ressaltar que as calculadoras financeiras, assim como o Excel, utilizam os termos valor presente (para fazer referência ao valor inicial de uma aplicação ou dívida) e valor futuro (para o valor final da aplicação ou dívida). O valor presente nada mais é do que o valor do capital investido. O valor futuro é o capital resgatado ao final do período de investimento. Portanto o valor presente da sua aplicação é de R$100,00, enquanto que o valor futuro é de R$120,00. Assim como precisamos de nomes para os valores inicial e final da aplicação, utilizamos um nome para a diferença entre o valor final e o valor inicial da aplicação. Conforme vimos, a remuneração sobre o capital investido é chamada de juro. Portanto o incremento sofrido pelo capital investido é chamado de juro. Dessa forma, o juro nada mais é do que o valor futuro menos o valor presente, ou seja: Juro = Valor Futuro Valor Presente Retomando o início desta seção, quando você investiu R$100,00 e resgatou R$120,00, podemos afirmar agora que o juro (remuneração pelo capital investido) foi de R$20,00. Em outras palavras, o juro representa o aumento do capital investido. Exemplo: Manoel aplicou R$100,00 na caderneta de poupança. Depois de um ano sem mais nenhuma movimentação, ele possuía R$110,00. Quanto ele obteve de juro? 14

5 Introdução à Matemática Financeira Juro = Valor Futuro Valor Presente Juro = R$110,00 R$100,00 Juro = R$10,00 Observe que a equação acima pode ser reescrita como: Valor Futuro = Valor Presente + Juro Agora podemos escrever o valor futuro em termos do valor presente e do juro. Exemplo: Silvana investiu R$100,00. Após dois anos o juro foi de R$ 25,00. Qual era o montante que Silvana possuía ao final desses dois anos? Valor Futuro = Valor Presente + Juro Valor Futuro = R$100,00 + R$25,00 Valor Futuro = R$125,00. Para simplificar ainda mais a notação que utilizamos, usaremos, de agora em diante, letras para representar o valor presente, o valor futuro e o juro. Isso será feito assim: Valor Presente (P); Valor Futuro (F); Juro (J). Reescrevendo as equações acima temos: J = F P F = P + J Taxa de juros A taxa de juros (i) é a razão entre o juro e o capital investido (valor presente), ou seja: 15

6 Matemática Financeira Taxa de Juros = Juro / Valor Presente Também podemos escrever essa equação da seguinte forma: i = J / P A taxa de juros é uma quantidade adimensional, mas comumente é medida em termos de percentagem ao período. Considerando novamente que você aplicou R$100,00 e resgatou R$120,00 depois de um ano, a taxa de juros (i) é de: i = R$20,00 / R$100,00 = 0,20 = 20% ao ano. É importante que a taxa de juros seja medida por unidade de tempo. No caso apresentado a taxa foi de 20% ao ano. Será que em seis meses essa aplicação teria rendido a mesma taxa? Certamente não. Esperamos que na metade do tempo a taxa de juros seja aproximadamente a metade. Assim, o juro (J) pago após um período de tempo é dado por: J = P. i ou seja, o juro (J) cobrado após um período de tempo é o produto do valor presente (P) pela taxa de juros (i). Já sabemos que o valor futuro pode ser calculado a partir do valor presente e do juro (F = P + J). Também sabemos que o juro pode ser calculado a partir da taxa de juros e do valor presente (J = P. i). Assim, podemos calcular o valor futuro em termos do valor presente e da taxa de juros: F = P + J F = P + P. i F = P. (1 + i) sendo que na última passagem, da equação acima, simplesmente colocamos o valor presente (P) em evidência. É importante notar que a taxa de juros é geralmente escrita em porcentagem. Entretanto, sempre fica claro no contexto o que está sendo usado. 16

7 Introdução à Matemática Financeira Podemos escrever uma taxa de juros como i = 15% ao ano, ou i = 0,15 ao ano. Sendo que ambos representam exatamente a mesma coisa. Exemplo: Sebastião aplicou R$100,00 em um fundo que rendeu 12% em um ano. Qual o juro e o montante após um ano? O juro é: J = P. i J = R$100,00. 12% J = R$100, / 100 J = R$12,00 Já o montante pode ser escrito assim: F = R$100, 00. (1 + 12%) F = R$100,00. (1 + 0,12) F = R$100,00. 1,12 F = R$112,00 Observe que poderíamos ter escrito simplesmente: F = P + J F = R$100,00 + R$12,00 F = R$112,00 Diagramas de fluxo de caixa As operações financeiras nada mais são do que compromissos que duas partes assumem entre si. Uma das partes (que pode ser uma pessoa, empresa, instituição financeira ou o próprio governo) é um tomador de recursos, enquanto a outra parte, um financiador. O financiador possui recursos financeiros e deseja aplicá-los, para que o seu capital renda juros. Um diagrama de fluxo de caixa é um fluxo de pagamentos e recebimentos em diferentes instantes de tempo. Esse fluxo é gerado por um investimento, um empréstimo ou algum outro tipo de negócio. Geralmente, assumimos que os fluxos positivos (setas orientadas para cima) representam uma entrada de recursos, enquanto que os negativos (setas orientadas para baixo) representam saída de recursos. 17

8 Matemática Financeira Ponto de vista do tomador de recursos As operações financeiras fazem com que exista um fluxo de caixa envolvendo os dois agentes acima citados. O tomador vislumbra primeiramente uma entrada de caixa que é o capital que ele recebe emprestado. Depois de algum tempo, o tomador tem uma (ou mais) saída de caixa, que corresponde ao pagamento do empréstimo, a qual pode ser feita através de uma única parcela, ou através de várias. Os diagramas abaixo representam fluxos de caixa do ponto de vista do tomador de recursos. No primeiro diagrama, vemos que foram tomados R$100,00 emprestados no período zero. O pagamento foi feito em 6 parcelas de R$20,00. Já no segundo diagrama, também se tomaram emprestados R$100,00 no período zero. Entretanto, o pagamento ocorreu em uma única parcela após 6 períodos de tempo (possivelmente 6 meses). O valor do pagamento foi de R$130,00. Figura 1 Fluxo de caixa de empréstimos R$100,00 R$100, R$20,00 R$20,00 R$20,00 R$20,00 R$20,00 R$20, R$130,00 Ponto de vista do aplicador de recursos Do ponto de vista do aplicador ocorre exatamente o oposto, ou seja, ocorre uma saída de caixa, pois o dinheiro foi aplicado (emprestado). Depois de algum tempo, o tomador devolve o dinheiro, ocorrendo assim uma entrada de caixa. Os diagramas a seguir representam fluxos de caixa do ponto de vista do aplicador. 18

9 Introdução à Matemática Financeira No primeiro diagrama, vemos que R$100,00 foram aplicados no instante zero. O retorno da aplicação ocorrerá através de 6 parcelas de R$20,00. Já no segundo diagrama, também foram aplicados R$100,00 no período zero. Entretanto, o retorno ocorreu em uma única parcela após 6 períodos de tempo (possivelmente 6 meses). O valor recebido ao final da aplicação foi de R$130,00. Figura 2 Fluxo de caixa de aplicações R$130,00 R$20,00 R$20,00 R$20,00 R$20,00 R$20,00 R$20, R$100,00 R$100,00 Outros diagramas de fluxo de caixa Conforme vimos, nos diagramas de fluxo de caixa, as setas para baixo significam saída de capital, enquanto as setas para cima denotam entrada de capital. Além disso, vale ressaltar que os fluxos de caixa podem ocorrer de várias outras formas. As mais comuns foram citadas acima, ou seja, ocorre um fluxo positivo seguido de outros negativos. A outra possibilidade que vimos é quando temos um fluxo negativo seguido de outros positivos. Contudo, podem ocorrer outros tipos, tal como mostrado nas figuras a seguir. Figura 3 Fluxo de caixa diversos R$100, R$50,00 R$50,00 R$50,00 R$50,00 R$50,00 R$50,00 6 R$60,00 R$60,00 R$60,00 R$60, R$60,00 R$60,00 R$200,00 19

10 Matemática Financeira Observação: todos os exemplos serão resolvidos com o auxílio dos diagramas de fluxo de caixa. Isso nos auxiliará no entendimento dos exemplos, assim como na sua resolução. Juros simples Vimos anteriormente aplicações em que o período da aplicação é igual a um. Nesse caso, o cálculo do juro é sempre o mesmo, indiferente de trabalharmos com juros simples ou juros compostos. Vamos começar esta seção estudando o caso em que o período da aplicação é um inteiro maior que um. Depois estudaremos o caso em que o período da aplicação é fracionário. Período da aplicação é um inteiro maior que um Quando temos um capital sendo investido por n períodos, a cada período recebemos um juro. Da seguinte forma: período 1 : J1 = P. i período 2 : J2 = P. i período n : J n = P. i onde J n é o juro no período n. Portanto, os juros totais acumulados após n períodos é igual a: J = J 1 + J J n J = P. i. n Assim, o valor futuro será dado por: F = P + J F = P + P. i. n F = P. (1 + i. n) 20

11 Introdução à Matemática Financeira Encontrando o valor futuro Exemplo: Camila aplica R$100,00 em um fundo de investimento que rende 1% ao mês a juros simples. Calcule quanto Camila possuirá após 6 meses. Vamos começar montando o fluxo de caixa. Como Camila está aplicando, ela primeiramente tem que desembolsar os R$100,00; dessa forma, esse fluxo de caixa é negativo e sua seta no diagrama fica para baixo. Após 6 meses, Camila terá o dinheiro disponível para sua utilização, então assumimos que nessa data ela estará recebendo o dinheiro. Logo, esse fluxo de caixa será positivo e a seta no diagrama fica para cima. F = P. (1+ i. n) R$100,00 As contas ficam tal como mostrado abaixo: F = P. (1+i. n) F = R$100,00. (1 + 0, 01. 6) F = R$100,00. (1,06) F = R$106,00 Encontrando o valor presente A equação dos juros simples será bastante usada. Entretanto, podemos fazer uma pequena modificação e usá-la para achar o valor presente de um investimento quando sabemos apenas o valor futuro, a taxa de juros e o número de períodos que o capital estará sendo aplicado. Dessa maneira temos: P= F (1+i. n) 21

12 Matemática Financeira Exemplo: Sidney pegou dinheiro emprestado com seu amigo a uma taxa de juros de 3% ao mês. Sabendo que depois de três meses ele teve de pagar R$130,80, diga qual foi o valor que Sidney pegou emprestado. P= F (1 +i. n) P = F / (1 + i. n) R$130,80 P = R$130,80 / (1 + 0,03. 3) P = R$130,80 / 1,09 P = R$120,00 Encontrando a taxa Usando ainda a equação dos juros simples podemos calcular a taxa de juros quando temos o valor presente, o valor futuro e o período. Isolando a taxa temos: F 1 i = P ou F 1. n P 1 n Exemplo: Adalberto pegou R$200,00 emprestado no banco. Depois de um ano ele teve de pagar R$250,00. Assumindo que o banco tenha utilizado juros simples, calcule a taxa de juros ao mês. R$200, R$250,00 22

13 Introdução à Matemática Financeira i = (F / P 1) / n i = (R$250,00 / R$200,00 1) / 12 i = (1,25 1) / 12 i = 0,02083 = 2,083% ao mês Encontrando o período Podemos agora usar a fórmula dos juros simples para encontrar o período. Quando sabemos o valor presente, o valor futuro e a taxa de um empréstimo, podemos descobrir quando o empréstimo deve ser pago. A equação usada é: F 1 n = P ou F 1. i P 1 i Exemplo: Juliana emprestou R$150,00 a uma amiga a uma taxa de juros simples de 1% ao mês. Ela disse que a amiga deve pagar R$180,00. Qual é o período do empréstimo? R$180,00 R$150,00 n = (F/P 1)/i n = (R$180,00/R$150,00 1)/0,01 n = 20 meses Período de aplicação é uma fração do período da taxa Quando o período (n) da aplicação é menor que um, realizamos os cálculos da mesma forma. Ou seja, as fórmulas utilizadas serão as mesmas. 23

14 Matemática Financeira J = P. i. n F = P. (1 + i. n) Exemplo: Maria aplicou R$100,00 a uma taxa de 10% ao ano (juros simples). No entanto, ela manteve seu dinheiro aplicado durante seis meses. Qual o valor de seu resgate? Antes de usarmos a equação para juros simples observe que a taxa de juros foi dada ao ano e que o período foi dado em meses. Teremos que converter um deles para que os dois estejam expressos no mesmo período. Poderíamos converter qualquer um dos dois (a taxa ou o período), mas vamos converter o período que está expresso em meses para ano. Assim, o período fica: n = 6 meses = 1 2 ano Agora que a taxa e o período estão expressos ao ano, podemos achar o valor futuro da aplicação de Maria. Mas primeiramente observe o diagrama de fluxo de caixa. F = R$100,00. (1 + 10%. 1 2 ) 6 meses R$100,00 As contas ficam: F = P. (1 + i. n) F = R$100,00. (1 + 10%. 1 2 ) F = R$100,00. (1 + 0,10. 0,5) F = R$100,00. (1 + 0,05) F = R$100,00. (1,05) F = R$105,00 24

15 Taxas equivalentes a juros simples Introdução à Matemática Financeira É importante sabermos comparar as taxas de juros, mesmo quando expressas em unidades de tempo diferentes. Alguns investimentos são expressos ao mês, enquanto outros são expressos ao ano. Suponha que você tem R$1.000,00 disponíveis para investir. Você tem duas opções de investimento: uma com taxa de 12% ao ano e outra com taxa de 1% ao mês. Qual das duas é a mais interessante? Quando estamos considerando juros simples as taxas são proporcionais ao período de tempo a que elas se referem. Dessa forma uma taxa de juros semestral será dada pela metade da taxa de juros anual, pois um semestre equivale à metade de um ano. Para observar melhor veja o exemplo a seguir. Exemplo: Considere uma operação a juros simples com um pagamento único previsto para daqui a 1 ano, a qual foi pré-fixada em 12% ao ano. Levando em consideração que estamos usando juros simples, determine as taxas de juros mensal, trimestral e semestral que produzem o mesmo efeito sobre o capital investido. Leve em conta que foi feito um investimento de R$100,00. Como estamos considerando juros simples, o valor futuro é dado por: F = P. (1 + i. n) Quando estamos considerando o problema original, ou seja, apenas o período de 1 ano, temos n = 1, então: F = P. (1 + i aa ) onde i aa é a taxa de juros expressa ao ano. Substituindo os valores na equação acima temos: R$112,00 = R$100,00. (1 + 0,12) Quando consideramos que a capitalização ocorre mensalmente temos 12 períodos, contudo, a taxa é desconhecida. Veja: R$112,00 = R$100,00. (1 + i am. 12) Observe que podemos comparar as duas expressões mostradas. Como o valor presente das duas equações é o mesmo, assim como os dois valores 25

16 Matemática Financeira futuros, podemos ver que o termo entre parênteses em ambos os casos deve ser o mesmo: Dessa expressão podemos ver que: (1 + 0,12) = (1 + i aa ) = (1 + i am. 12) i aa = i am. 12 Portanto, a taxa mensal poder ser escrita como: i am = i aa / 12 12% / 12 = 1% ao mês Agora vamos calcular a taxa trimestral. Para isso observe que um ano possui quatro trimestres, assim: R$112,00 = R$100,00. (1 + i at. 4) Comparando a equação para os juros trimestrais com a que utiliza juros anuais, vemos que: i at = i aa / 4 = 12% / 4 3% ao trimestre Finalmente, a taxa de juros semestrais fica: i as = i aa / 2 = 12% / 2 6% ao semestre Como as taxas equivalentes (a juros simples) são proporcionais ao período de tempo a que elas se referem, elas são comumente chamadas de taxas proporcionais. Cheque especial O mercado financeiro no Brasil trabalha quase sempre com juros compostos. Poucos são os exemplos no mercado em que os juros simples são usados. Um exemplo é o cheque especial. Quando utilizamos o cheque especial, a cada dia que a conta fica negativa é aplicada uma taxa de juros sobre o saldo devedor, dessa forma são calculados os juros. Os juros totais que incorreram neste mês são debitados da conta corrente no mês seguinte. 26

17 Introdução à Matemática Financeira Para podermos fazer uma discussão mais ampla sobre os juros simples no cheque especial, vamos analisar um exemplo da movimentação de uma conta-corrente ao longo de um mês. Exemplo: Marcelo é um trabalhador que freqüentemente utiliza o cheque especial para conseguir honrar os seus compromissos. Sabendo que o banco cobra 9% ao mês pela utilização do cheque especial, calcule quanto Marcelo terá de pagar ao banco. A tabela a seguir mostra a movimentação da conta corrente de Marcelo no mês de abril de Data Valor D/C Saldo D/C Número de dias com o respectivo saldo negativo 01/04/2007 R$1.500,00 R$1.600,00 C 0 05/04/2007 R$1.000,00 R$600,00 D 0 07/04/2007 R$700,00 R$100,00 D 3 10/04/2007 R$100,00 R$200,00 D 5 15/04/2007 R$50,00 R$250,00 D 5 20/04/2007 R$60,00 R$310,00 D 10 30/04/2007 R$1.500,00 R$1.190,00 C 0 Observe que o banco informa a taxa com período mensal. Todavia, como o saldo muda a cada dia, temos de encontrar a taxa ao dia. Como o mês de abril tem 30 dias, a taxa diária é simplesmente a taxa mensal dividida por 30. Assim: i ad = i am / 30 9% / 30 = 0,30% ao dia O juro total pago é dado pela soma do juro pago a cada dia. Observe que no dia 7 a conta ficou negativa. Assim, do dia 7 para o dia 8 o juro será o produto do saldo devedor (R$100,00) pela taxa de juros ao dia (0,3%). Entretanto, esse saldo fica negativo em 100 reais por 3 dias; dessa forma, multiplicamos também pelo período de tempo. Fazendo o mesmo para o restante do mês temos: J = R$100,00. 0, R$200,00. 0, R$250,00. 0, R$310,00. 0, J = R$16,95 Conseqüentemente Marcelo terá de pagar ao banco R$16,95 no próximo mês. 27

18 Matemática Financeira Ampliando seus conhecimentos O mercado financeiro O mercado financeiro é um mercado onde investidores e tomadores de recursos se encontram para trocar recursos. Entretanto, não são apenas esses dois tipos de agentes que estão presentes no mercado financeiro. Existem, por exemplo, os intermediários financeiros que auxiliam na troca de recursos entre poupadores e tomadores de recursos. Um exemplo bastante simples de um intermediário financeiro é o banco. O banco aceita depósitos dos poupadores e faz empréstimos para os que necessitam de dinheiro. Conforme vemos na figura abaixo, um agente superavitário entrega recursos ao intermediário financeiro (banco, por exemplo). O banco, em contrapartida, entrega um título a esse investidor. Nesse título, o banco se compromete a devolver o dinheiro investido, corrigido por uma taxa. Essa taxa pode ser conhecida de antemão (pré-fixada), ou definida com base em algum índice de mercado. Poupador $$ Título Intermediário financeiro $$ Título Tomador Agora que o intermediário financeiro tem recursos disponíveis, ele pode entregá-los a algum agente deficitário. Este tomador de recursos entrega um título ao banco comprometendo-se a devolver o dinheiro recebido, corrigido por uma taxa. Essa taxa também pode ser pré-fixada ou pós-fixada. É importante salientar que os tomadores de recursos e os investidores podem negociar diretamente uns com os outros. Entretanto, os intermediários financeiros auxiliam bastante a negociação que ocorre entre os dois tipos de agentes. Vamos observar agora um grande problema que ocorre no mercado financeiro. Quase sempre os investidores querem investir no curto prazo. Os investidores querem ter a possibilidade de sacar os seus recursos a qualquer 28

19 Introdução à Matemática Financeira momento, ou, pelo menos, após um período curto de tempo. Já os tomadores querem receber recursos para serem devolvidos depois de um prazo mais longo. Para ilustrar essa situação pense nas empresas que precisam de recursos para construir uma nova fábrica. Dependendo da fábrica, somente depois de alguns anos a empresa começa a ver disponível o retorno daquilo que foi aplicado. Entretanto é difícil encontrar alguém que possa deixar seus recursos investidos por vários anos sem a possibilidade de rever o seu dinheiro até o final do período combinado. Assim, vemos a importância dos intermediários financeiros. Eles vão gerenciar essa diferença de prazos entre investidores e tomadores. O governo É importante salientar que não apenas pessoas e empresas podem ser tomadores de recursos. Um grande tomador de recursos no mercado financeiro é o governo. Para arcar com os seus custos, o governo cobra impostos, mas mesmo assim não consegue cumprir com as suas obrigações. Portanto, o governo vende títulos para conseguir arrecadar mais recursos. Existem outros motivos que levam o governo a vender títulos. A venda de títulos pode estar relacionada a mudanças que o governo pretenda provocar na inflação, pois quando o governo absorve recursos da economia, sobra menos dinheiro para ser aplicado na indústria e demais setores da economia. Os vários agentes financeiros O mercado financeiro não é formado apenas por tomadores de recursos, investidores e intermediários financeiros. Existem vários outros agentes que têm funções bastante importantes. O mercado financeiro é mais complexo que o mercado de bens e baseia-se na Matemática Financeira. A figura abaixo mostra a organização do Sistema Financeiro Nacional (SFN). O SFN tem por objetivo facilitar a interação entre aplicadores e tomadores de recursos. Vemos que existem várias instituições atuando no mercado financeiro. 29

20 Matemática Financeira (FARIA 2003). Figura 1 O Sistema Financeiro Nacional Instituições Normativas Instituições Operativas CVM CNSP Instituições Financeiras Monetárias Instituições Financeiras Não-Monetárias BACEN SUSEP Bancos comerciais Caixa Econômica Bancos de investimento Financiadoras de crédito imobiliário Leasing CVM COPOM * Subordinado ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). Ministério da Fazenda Sistema Financeiro Nacional Instituições Seguradoras Companhias de seguro Companhias de resseguro Bolsas de valores BM&F CTVM DTVM Instituições Distribuidoras Corretora de seguros Corretora de resseguros Autônomo de seguros Autônomo de resseguros Instituições Especiais BB BNB BASA BNDES* CEF IRB 30

21 Introdução à Matemática Financeira Atividades de aplicação 1. Calcule os juros ganhos por R$4.000,00 aplicados por um ano com taxa simples de 25% ao ano. 2. Qual o valor futuro de R$1.500,00 aplicados por um ano com taxa simples de 50% ao ano? 3. Qual é a taxa simples que transforma R$4.500,00 em um valor futuro de R$8.100,00 em um ano? 4. Qual o rendimento de R$10.000,00 aplicados por um mês com taxa simples de 36% ao ano? 5. Determine a taxa simples para 22 dias de aplicação, equivalente à taxa de 3,06% ao mês. 6. Calcule o rendimento de R$30.000,00 aplicados durante 6 meses e 10 dias com taxa de juros simples de 40% a.a. Efetuar os cálculos considerando o ano comercial (360 dias), o ano exato (365 dias) e cada mês com 30 dias. 7. Calcule o rendimento de R$20.000,00 aplicados por 13 dias com taxa simples de 2,4% ao mês. 8. Em seis meses R$20.000,00 renderam R$4.000,00 de juros. Qual é a taxa anual simples ganha? 9. Um capital de R$5.000,00 rendeu R$1.250,00 em 180 dias. Qual é a taxa simples anual ganha? 10. Um capital aplicado por três meses a juros simples de 4% a.m. rendeu R$360,00. Determine o valor aplicado. 31

22

CAIXA ECONOMICA FEDERAL

CAIXA ECONOMICA FEDERAL JUROS SIMPLES Juros Simples comercial é uma modalidade de juro calculado em relação ao capital inicial, neste modelo de capitalização, os juros de todos os períodos serão sempre iguais, pois eles serão

Leia mais

INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA

INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA SISTEMA MONETÁRIO É o conjunto de moedas que circulam num país e cuja aceitação no pagamento de mercadorias, débitos ou serviços é obrigatória por lei. Ele é constituído

Leia mais

Introdução à Matemática Financeira

Introdução à Matemática Financeira Introdução à Matemática Financeira Atividade 1 Por que estudar matemática financeira? A primeira coisa que você deve pensar ao responder esta pergunta é que a matemática financeira está presente em muitos

Leia mais

Matemática. Aula: 04/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Matemática. Aula: 04/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Matemática Aula: 04/10 Prof. Pedro Souza UMA PARCERIA Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistadeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO PARA

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Conceitos básicos A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos de bens de consumo. Consiste em empregar procedimentos

Leia mais

Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento

Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Professor: Custódio Nascimento 1- Análise da prova Neste artigo, faremos a análise das questões de cobradas na prova

Leia mais

Perguntas e Respostas Alteração no rendimento da caderneta de poupança. 1) Por que o governo decidiu mudar as regras da caderneta de poupança?

Perguntas e Respostas Alteração no rendimento da caderneta de poupança. 1) Por que o governo decidiu mudar as regras da caderneta de poupança? Perguntas e Respostas Alteração no rendimento da caderneta de poupança Novas regras 1) Por que o governo decidiu mudar as regras da caderneta de poupança? Por ter parte de sua remuneração (chamada de adicional)

Leia mais

TAXA INTERNA DE RETORNO (TIR) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES

TAXA INTERNA DE RETORNO (TIR) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES TAXA INTERNA DE RETORNO (TIR) 16 Perguntas Importantes. 16 Respostas que todos os executivos devem saber. Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas graduado pela EAESP/FGV. É Sócio-Diretor

Leia mais

MÓDULO VI. Mas que tal estudar o módulo VI contemplando uma vista dessas...

MÓDULO VI. Mas que tal estudar o módulo VI contemplando uma vista dessas... 1 MÓDULO VI Como podemos observar, já estamos no MÓDULO VI que traz temas sobre matemática financeira (porcentagem, juros simples e montante), bem como, alguma noção sobre juros compostos e inflação. Mas

Leia mais

Análise e Resolução da prova do ISS-Cuiabá Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento

Análise e Resolução da prova do ISS-Cuiabá Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento Disciplina: Professor: Custódio Nascimento 1- Análise da prova Análise e Resolução da prova do ISS-Cuiabá Neste artigo, farei a análise das questões de cobradas na prova do ISS-Cuiabá, pois é uma de minhas

Leia mais

Juro é a remuneração do capital emprestado, podendo ser entendido, de forma simplificada, como sendo o aluguel pago pelo uso do dinheiro.

Juro é a remuneração do capital emprestado, podendo ser entendido, de forma simplificada, como sendo o aluguel pago pelo uso do dinheiro. Juros simples Juros simples Juro é a remuneração do capital emprestado podendo ser entendido de forma simplificada como sendo o aluguel pago pelo uso do dinheiro. Quem possui recursos pode utilizá-lo na

Leia mais

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo :

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo : Título : B2 Matemática Financeira Conteúdo : A maioria das questões financeiras é construída por algumas fórmulas padrão e estratégias de negócio. Por exemplo, os investimentos tendem a crescer quando

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES

CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES DEFINIÇÕES: CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES Taxa de juros: o juro é determinado através de um coeficiente referido a um dado intervalo de tempo. Ele corresponde à remuneração da

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação O que é Inflação? Inflação É a elevação generalizada dos preços de uma economia O que é deflação? E a baixa predominante de preços de bens

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos de bens de consumo. Consiste em empregar procedimentos matemáticos para simplificar a

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Juros Compostos Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Juros Compostos Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Juros Compostos Juros Compostos Os juros formados em cada período são acrescidos ao capital formando o montante (capital mais juros) do período. Este montante passará a

Leia mais

A transformação e o custo do dinheiro ao longo do tempo *

A transformação e o custo do dinheiro ao longo do tempo * A transformação e o custo do dinheiro ao longo do tempo * Estamos acostumados à idéia de que o valor do dinheiro muda ao longo do tempo, pois em algum momento convivemos com algum tipo de inflação e/ou

Leia mais

Matemática Financeira II

Matemática Financeira II Módulo 3 Unidade 28 Matemática Financeira II Para início de conversa... Notícias como essas são encontradas em jornais com bastante frequência atualmente. Essas situações de aumentos e outras como financiamentos

Leia mais

Os juros podem ser capitalizados segundo dois regimes: simples ou compostos.

Os juros podem ser capitalizados segundo dois regimes: simples ou compostos. 1/7 3. Modelos de capitalização simples 4. Modelos de capitalização composta Conceitos básicos A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos

Leia mais

CAPÍTULO 2 MATEMÁTICA FINANCEIRA

CAPÍTULO 2 MATEMÁTICA FINANCEIRA CAPÍTULO 2 MATEMÁTICA FINANCEIRA A Matemática Financeira se preocupa com o valor do dinheiro no tempo. E pode-se iniciar o estudo sobre o tema com a seguinte frase: NÃO SE SOMA OU SUBTRAI QUANTIAS EM DINHEIRO

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA - FGV

MATEMÁTICA FINANCEIRA - FGV MATEMÁTICA FINANCEIRA - FGV 01. (FGV) O preço de venda de um artigo foi diminuído em 20%. Em que porcentagem devemos aumentar o preço diminuído para que com o aumento o novo preço coincida com o original?

Leia mais

Principais Conceitos CAPÍTULO 1

Principais Conceitos CAPÍTULO 1 Principais onceitos APÍTULO 1 Principais onceitos O estudo da Matemática Financeira pode ser resumido como sendo a análise do valor do dinheiro ao longo do tempo. Diariamente nos deparamos com situações

Leia mais

Cálculo de Juros Simples e Composto no Excel - Parte 1

Cálculo de Juros Simples e Composto no Excel - Parte 1 Cálculo de Juros Simples e Composto no Excel - Parte 1 Grau de Dificuldade: 5 Olá turma... Nos próximos artigos, estarei exemplificando diversas maneiras para trabalhar com Juros Simples e Composto no

Leia mais

I. MATEMÁTICA FINANCEIRA - ANDRÉ ARRUDA TAXAS DE JUROS. Taxas Proporcionais

I. MATEMÁTICA FINANCEIRA - ANDRÉ ARRUDA TAXAS DE JUROS. Taxas Proporcionais 1º BLOCO...2 I. Matemática Financeira - André Arruda...2 2º BLOCO...6 I. Matemática - Daniel Lustosa...6 3º BLOCO... 10 I. Tabela de Acumulação de Capital... 10 I. MATEMÁTICA FINANCEIRA - ANDRÉ ARRUDA

Leia mais

1 - Conceituação e importância do estudo da matemática financeira

1 - Conceituação e importância do estudo da matemática financeira 1 - Conceituação e importância do estudo da matemática financeira É o ramo da matemática que tem como objeto de estudo o comportamento do dinheiro ao longo do tempo. Avalia-se a maneira como este dinheiro

Leia mais

Calcular o montante de um capital de $1.000,00, aplicado à taxa de 4 % ao mês, durante 5 meses.

Calcular o montante de um capital de $1.000,00, aplicado à taxa de 4 % ao mês, durante 5 meses. JUROS COMPOSTOS Capitalização composta é aquela em que a taxa de juros incide sobre o capital inicial, acrescido dos juros acumulados até o período de montante anterior. Neste regime de capitalização a

Leia mais

SEQÜÊNCIA DE DEPÓSITOS

SEQÜÊNCIA DE DEPÓSITOS TÓPICOS DE MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA O ENSINO MÉDIO - PROF. MARCELO CÓSER 1 SEQÜÊNCIA DE DEPÓSITOS Vimos que a variação de um capital ao longo do tempo pode ser ilustrada em uma planilha eletrônica. No

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL) Melhor método para avaliar investimentos 16 perguntas importantes 16 respostas que todos os executivos devem saber Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO DESCONTO 1) Determinar o desconto por fora sofrido por uma letra de R$ 5.000,00 à taxa de 5% aa, descontada 5 anos antes de seu vencimento. Resp: R$ 1.250,00 2) Uma

Leia mais

MA12 - Unidade 10 Matemática Financeira Semana 09/05 a 15/05

MA12 - Unidade 10 Matemática Financeira Semana 09/05 a 15/05 MA12 - Unidade 10 Matemática Financeira Semana 09/05 a 15/05 Uma das importantes aplicações de progressões geométricas é a Matemática Financeira. A operação básica da matemática nanceira é a operação de

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA AULA 02. Prof. Mário Leitão

MATEMÁTICA FINANCEIRA AULA 02. Prof. Mário Leitão MATEMÁTICA FINANCEIRA AULA 02 Prof. Mário Leitão Conceitos. A matemática financeira é um ramo da matemática que estuda as variações do dinheiro ao longo de tempo. Dinheiro e tempo... Se seu amigo lhe pedisse

Leia mais

Juros Simples. www.siteadministravel.com.br

Juros Simples. www.siteadministravel.com.br Juros Simples Juros simples é o acréscimo percentual que normalmente é cobrado quando uma dívida não foi pago na data do vencimento. Financiamento de casa própria A casa própria é o sonho de muitas famílias,

Leia mais

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER 1- Uma dívida no valor de R$ 60.020,54 deve ser paga em sete prestações postecipadas de R$ 10.000,00, a uma determinada taxa de juros. Considerando esta mesma taxa de juros, calcule o saldo devedor imediatamente

Leia mais

Pra que serve a Matemática Financeira? AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS MATEMÁTICA FINANCEIRA 20/01/2016. Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc

Pra que serve a Matemática Financeira? AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS MATEMÁTICA FINANCEIRA 20/01/2016. Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc MATEMÁTICA FINANCEIRA Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc Pra que serve a Matemática Financeira? 1 NOÇÕES GERAIS SOBRE A MATEMÁTICA

Leia mais

JUROS E TAXAS INTRODUÇÃO

JUROS E TAXAS INTRODUÇÃO JUROS E TAXAS MARCOS CARRARD CARRARD@GMAIL.COM INTRODUÇÃO A Matemática Financeira teve seu início exatamente quando o homem criou os conceitos de Capital, Juros, Taxas e Montante. Daí para frente, os cálculos

Leia mais

Sérgio Carvalho Matemática Financeira Simulado 02 Questões FGV

Sérgio Carvalho Matemática Financeira Simulado 02 Questões FGV Sérgio Carvalho Matemática Financeira Simulado 02 Questões FGV Simulado 02 de Matemática Financeira Questões FGV 01. Determine o valor atual de um título descontado (desconto simples por fora) dois meses

Leia mais

Componente Curricular: Matemática Financeira Professor: Jarbas Thaunahy

Componente Curricular: Matemática Financeira Professor: Jarbas Thaunahy Componente Curricular: Matemática Financeira Professor: Jarbas Thaunahy 1. (MDIC 2002 ESAF) Um contrato prevê que aplicações iguais sejam feitas mensalmente em uma conta durante doze meses com o objetivo

Leia mais

MINICURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NO DIA A DIA

MINICURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NO DIA A DIA PORCENTAGEM MINICURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NO DIA A DIA Quando é dito que 40% das pessoas entrevistadas votaram no candidato A, esta sendo afirmado que, em média, de cada pessoas, 40 votaram no candidato

Leia mais

Para acharmos as taxas equivalentes utilizamos a fórmula abaixo: Te = ( n Ö 1+i) 1

Para acharmos as taxas equivalentes utilizamos a fórmula abaixo: Te = ( n Ö 1+i) 1 Para acharmos as taxas equivalentes utilizamos a fórmula abaixo: Te = ( n Ö 1+i) 1 Onde: Te = Taxa equivalente de determinado período n = número do período i = percentual de juros do período em que você

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA BÁSICA

MATEMÁTICA FINANCEIRA BÁSICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

Matemática Financeira II

Matemática Financeira II Módulo 3 Matemática Financeira II Para início de conversa... Notícias como essas são encontradas em jornais com bastante frequência atualmente. Essas situações de aumentos e outras como financiamentos

Leia mais

Página 2. 1 da quantia aplicada. Optando pelo. 1 ou 4

Página 2. 1 da quantia aplicada. Optando pelo. 1 ou 4 Página 1 01. (BB CESGRNRIO/201) Um cliente fez um investimento de 0 mil reais em um Banco, no regime de juros compostos. pós seis meses, ele resgatou 20 mil reais, deiando o restante aplicado. pós um ano

Leia mais

Matemática Financeira - Vinícius Werneck, professor do QConcursos.com

Matemática Financeira - Vinícius Werneck, professor do QConcursos.com Matemática Financeira - Vinícius Werneck, professor do QConcursos.com 1- Q236904 - Prova: CESGRANRIO - 2012 - Caixa - Técnico Bancário Disciplina: Matemática Financeira Assuntos: Amortização; Sistema Francês

Leia mais

Matemática Régis Cortes. JURO composto

Matemática Régis Cortes. JURO composto JURO composto 1 O atual sistema financeiro utiliza o regime de juros compostos, pois ele oferece uma maior rentabilidade se comparado ao regime de juros simples, onde o valor dos rendimentos se torna fixo,

Leia mais

GABARITO DOS EXERCÍCIOS

GABARITO DOS EXERCÍCIOS Bertolo 18/2/2006 MATEMÁTICA FINANCEIRA Gab_fin1 PAG.1 GABARITO DOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS (Juros Simples) 1.Calcule o montante de uma aplicação de R$ 50.000,00, à taxa de 2,5% ao mês, durante

Leia mais

Matemática Financeira Módulo 2

Matemática Financeira Módulo 2 Fundamentos da Matemática O objetivo deste módulo consiste em apresentar breve revisão das regras e conceitos principais de matemática. Embora planilhas e calculadoras financeiras tenham facilitado grandemente

Leia mais

GABARITO DOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS (Fator de Acumulação de Capital Pagamento Simples)

GABARITO DOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS (Fator de Acumulação de Capital Pagamento Simples) Bertolo MATEMÁTICA FINANCEIRA Gab_fin2 1 GABARITO DOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS (Fator de Acumulação de Capital Pagamento Simples) 1. Uma pessoa toma R$ 30.000,00 emprestados, a juros de 3% ao mês,

Leia mais

Matemática Régis Cortes JURO SIMPLES

Matemática Régis Cortes JURO SIMPLES JURO SIMPLES 1 Juros é o rendimento de uma aplicação financeira, valor referente ao atraso no pagamento de uma prestação ou a quantia paga pelo empréstimo de um capital. Atualmente, o sistema financeiro

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO LISTA 2 1) Um título, com valor de face igual a $1.000,00,

Leia mais

JUROS SIMPLES - EXERCÍCIOS PARA TREINAMENTO - LISTA 02

JUROS SIMPLES - EXERCÍCIOS PARA TREINAMENTO - LISTA 02 JUROS SIMPLES - EXERCÍCIOS PARA TREINAMENTO - LISTA 0 01. Calcular a taxa mensal proporcional de juros de: a) 14,4% ao ano; b) 6,8% ao quadrimestre; c) 11,4% ao semestre; d) 110,4% ao ano e) 54,7% ao biênio.

Leia mais

ECONOMIA. Profa. Juliane Ganem Email: juliane.matematica@gmail.com. Site: julianematematica.webnode.com

ECONOMIA. Profa. Juliane Ganem Email: juliane.matematica@gmail.com. Site: julianematematica.webnode.com ECONOMIA Profa. Juliane Ganem Email: juliane.matematica@gmail.com Site: julianematematica.webnode.com 1. Introdução: O valor do dinheiro no tempo 1.1 O valor do dinheiro no tempo A matemática financeira

Leia mais

Existe uma diferença entre o montante (S) e a aplicação (P) que é denominada de remuneração, rendimento ou juros ganhos.

Existe uma diferença entre o montante (S) e a aplicação (P) que é denominada de remuneração, rendimento ou juros ganhos. Módulo 3 JUROS SIMPLES 1. Conceitos Iniciais 1.1. Juros Juro é a remuneração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela diferença entre dois pagamentos, um em cada tempo, de

Leia mais

Resumo Aula-tema 03: O valor do dinheiro no tempo

Resumo Aula-tema 03: O valor do dinheiro no tempo Resumo Aula-tema 03: O valor do dinheiro no tempo Por que o valor do dinheiro muda com o passar do tempo? Toda análise financeira leva em consideração um de seus principais paradigmas: o dinheiro perde

Leia mais

Princípios de Finanças. Prof. José Roberto Frega, Dr. jose.frega@ufpr.br

Princípios de Finanças. Prof. José Roberto Frega, Dr. jose.frega@ufpr.br Princípios de Finanças Prof. José Roberto Frega, Dr. jose.frega@ufpr.br Material didático e acesso Site da disciplina http://frega.net Login: UFPRPRINCFIN 2 Prof. José Roberto Frega, Dr. Graduado em Engenharia

Leia mais

COMO CRIAR UM PLANO DE AMORTIZAÇÃO

COMO CRIAR UM PLANO DE AMORTIZAÇÃO COMO CRIAR UM PLANO DE AMORTIZAÇÃO! Sistemas de amortização de empréstimos! Sistema Price! SAC! Fórmulas do Excel! Planilha fornecida Autores: Francisco Cavalcante(cavalcante@netpoint.com.br) Administrador

Leia mais

A Matemática e o dinheiro

A Matemática e o dinheiro A Matemática e o dinheiro A UUL AL A Muita gente pensa que a Matemática, em relação ao dinheiro, só serve para fazer troco e para calcular o total a pagar no caixa. Não é bem assim. Sem a Matemática, não

Leia mais

Primeiro, vamos explicar o fundo teórico do assunto, depois praticamos nossos conhecimentos seguindo as instruções dum pequeno tutorial.

Primeiro, vamos explicar o fundo teórico do assunto, depois praticamos nossos conhecimentos seguindo as instruções dum pequeno tutorial. 45 Capítulo 4 Juros, Taxas e tudo isso Neste livro não quero enfatizar as aplicações do Excel aos negócios, mas uma breve introdução ao uso das funções financeiras é indispensável, assim como, num capítulo

Leia mais

Análise e Resolução da prova de Analista do Tesouro Estadual SEFAZ/PI Disciplinas: Matemática Financeira e Raciocínio Lógico Professor: Custódio

Análise e Resolução da prova de Analista do Tesouro Estadual SEFAZ/PI Disciplinas: Matemática Financeira e Raciocínio Lógico Professor: Custódio Análise e Resolução da prova de Analista do Tesouro Estadual SEFAZ/PI Disciplinas: Matemática Financeira e Raciocínio Lógico Professor: Custódio Nascimento Análise e Resolução da prova de ATE SEFAZ/PI

Leia mais

Investtop www.investtop.com.br

Investtop www.investtop.com.br 1 Conteúdo Introdução... 4 CDB... 6 O que é CDB?...6 Liquidez...6 Tributação...6 Riscos...7 Dicas...7 Vantagens...7 Letra de Crédito do Imobiliário (LCI)... 9 O que é LCI?...9 Liquidez...9 Tributação...9

Leia mais

Introdução à Matemática Financeira

Introdução à Matemática Financeira Introdução à Matemática Financeira O que é melhor? Juros simples ou juros compostos? Pagar a vista ou comprar a prazo? ano? Receber hoje R$ 1,00 é melhor que receber o mesmo valor daqui a um Podemos ver

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de IGP-M

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de IGP-M CONTRATOS DERIVATIVOS Futuro de IGP-M Futuro de IGP-M Ferramenta de gerenciamento de risco contra a variação do nível de preços de diversos setores da economia O produto Para auxiliar o mercado a se proteger

Leia mais

captação de recursos empréstimos financiamento.

captação de recursos empréstimos financiamento. Instrumentos utilizados pelas instituições financeiras para captação de recursos (funding) que serão utilizados nas operações de empréstimos e financiamento. 1 O cliente entrega os recursos ao banco, sendo

Leia mais

Módulo de Juros e Porcentagem. Juros Simples e Compostos. Sétimo Ano

Módulo de Juros e Porcentagem. Juros Simples e Compostos. Sétimo Ano Módulo de Juros e Porcentagem Juros Simples e Compostos Sétimo Ano Juros Simples e Compostos 1 Eercícios Introdutórios Eercício 1. Um investidor quer aplicar a quantia de R$ 800, 00 por 3 meses, a uma

Leia mais

Deixo para ajudar nos seus estudos 15 testes resolvidos e comentados. Ótimos estudos e conte conosco sempre.

Deixo para ajudar nos seus estudos 15 testes resolvidos e comentados. Ótimos estudos e conte conosco sempre. TESTES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA RESOLVIDOS Deixo para ajudar nos seus estudos 15 testes resolvidos e comentados. Ótimos estudos e conte conosco sempre. Prof Pacher Testes 1. (ESAF) Admita-se que uma duplicata

Leia mais

Capitalização Composta

Capitalização Composta 1. (Analista Orçamento Ministério da Administração Federal 1997) Na capitalização composta: a) A seqüência dos juros produzidos por período é constante b) A seqüência dos montantes ao fim de cada período

Leia mais

No cálculo de porcentagem com operações financeiras devemos tomar muito cuidado para verificar sobre quem foi calculada essa porcentagem.

No cálculo de porcentagem com operações financeiras devemos tomar muito cuidado para verificar sobre quem foi calculada essa porcentagem. 1º BLOCO... 2 I. Porcentagem... 2 Relacionando Custo, Venda, Lucro e Prejuízo... 2 Aumentos Sucessivos e Descontos Sucessivos... 3 II. Juros Simples... 3 III. Juros Compostos... 4 2º BLOCO... 6 I. Operadores...

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA CARREIRAS FISCAIS 1

MATEMÁTICA FINANCEIRA CARREIRAS FISCAIS 1 CAPÍTULO 1 JUROS SIMPLES MATEMÁTICA FINANCEIRA CARREIRAS FISCAIS 1 1.1) DEFINIÇÃO No cálculo dos juros simples, os rendimentos ou ganhos J em cada período t são os mesmos, pois os juros são sempre calculados

Leia mais

Aula 04 Matemática Financeira. Equivalência de Capitais a Juros Compostos

Aula 04 Matemática Financeira. Equivalência de Capitais a Juros Compostos Aula 04 Matemática Financeira Equivalência de Capitais a Juros Compostos Introdução O conceito de equivalência permite transformar formas de pagamentos (ou recebimentos) em outras equivalentes e, consequentemente,

Leia mais

www.concurseiro10.com.br

www.concurseiro10.com.br 1) Um capital de R$ 18.000,00, aplicados a 6% ao ano, durante 8 anos, qual o juros produzido? a) 7.640,00 b) 6.460,00 c) 8.640,00 d) 9.000,00 2) Um investidor aplicou R$10.000,00, à taxa de 13% ao mês

Leia mais

Com tendência de alta do juro, renda fixa volta a brilhar nas carteiras

Com tendência de alta do juro, renda fixa volta a brilhar nas carteiras Veículo: Estadão Data: 26.11.13 Com tendência de alta do juro, renda fixa volta a brilhar nas carteiras Veja qual produto é mais adequado ao seu bolso: até R$ 10 mil, de R$ 10 mil a R$ 100 mil e acima

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA Professor Fábio Maia. AULA 1 - Juros Simples. Formulário: Juros Simples: j = C.i.n e Montante: M = C. (1 + i.

MATEMÁTICA FINANCEIRA Professor Fábio Maia. AULA 1 - Juros Simples. Formulário: Juros Simples: j = C.i.n e Montante: M = C. (1 + i. MATEMÁTICA FINANCEIRA Professor Fábio Maia AULA 1 - Juros Simples Juros Simples é o processo financeiro onde apenas o principal rende juros, isto é, os juros são diretamente proporcionais ao capital empregado.

Leia mais

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº 02. Assunto: JUROS E PORCENTAGENS

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº 02. Assunto: JUROS E PORCENTAGENS Nome: Ano: 3º Ano do E.M. Escola: Data: / / 3º Ano do Ensino Médio Aula nº 02 Assunto: JUROS E PORCENTAGENS 1) Porcentagem Definição: É uma fração que indica a participação de uma quantidade sobre um todo.

Leia mais

Gran Cursos. Matemática Financeira Walter Sousa. Rendas Certas financiamentos e capitalizações. 1) Fluxo de Caixa. 1.1) Fluxo de Caixa Padrão

Gran Cursos. Matemática Financeira Walter Sousa. Rendas Certas financiamentos e capitalizações. 1) Fluxo de Caixa. 1.1) Fluxo de Caixa Padrão Matemática Financeira Walter Sousa Gran Cursos Rendas Certas financiamentos e capitalizações 1) Fluxo de Caixa Representa uma série de pagamentos ou recebimentos que ocorrem em determinado período de tempo.

Leia mais

MS 777 Projeto Supervisionado Professor: Laércio Luis Vendite Ieda Maria Antunes dos Santos RA: 033337

MS 777 Projeto Supervisionado Professor: Laércio Luis Vendite Ieda Maria Antunes dos Santos RA: 033337 1 Análise de Investimentos MS 777 Projeto Supervisionado Professor: Laércio Luis Vendite Ieda Maria Antunes dos Santos RA: 033337 2 Sumário 1- Juros------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler Tipos de Formação de Juros Os juros são formados através do processo denominado regime de capitalização, que pode ocorrer de modo simples ou composto, conforme apresentado a seguir: Juros Simples No regime

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Juros Simples Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Juros Simples Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Juros Simples Fórmulas de Juros Simples J C i n Onde: J = valor dos juros expresso em unidades monetárias C = capital. É o valor (em $) em determinado momento i = taxa de

Leia mais

REGIME DE CAPTALIZAÇÃO COMPOSTA

REGIME DE CAPTALIZAÇÃO COMPOSTA REGIME DE CAPTALIZAÇÃO COMPOSTA No regime de Capitalização Composta, os juros prodzidos ao final de um dado período n se agregam ao capital, passando ambos a integrar a nova base de cálculo para o período

Leia mais

Apostila de Matemática Financeira Parte 01

Apostila de Matemática Financeira Parte 01 Apostila de Matemática Financeira Parte 01 Autor: Guilherme Yoshida Facebook: facebook.com/guilhermeyoshida90 Google+: https://plus.google.com/108564693752650171653 Blog: Como Calcular Curta a Página do

Leia mais

Valor do dinheiro no tempo

Valor do dinheiro no tempo Valor do dinheiro no tempo "Tempo é dinheiro - diz o mais vulgar ditado conhecido por qualquer idade ou pessoa. Coloque-o ao contrário e você obtém a mais preciosa verdade - dinheiro é tempo." (George

Leia mais

Educação Financeira. Crédito Consignado. Módulo 3: Gerenciamento de dívidas

Educação Financeira. Crédito Consignado. Módulo 3: Gerenciamento de dívidas Educação Financeira Crédito Consignado Módulo 3: Gerenciamento de dívidas Objetivo Auxiliar no gerenciamento de dívidas e de como quitá-las, conscientizando as pessoas da importância em diminui-las e de

Leia mais

Essas expressões envolvem uma razão especial denominada porcentagem ou percentagem.

Essas expressões envolvem uma razão especial denominada porcentagem ou percentagem. Faculdades Integradas do Tapajós Professor: Adm. Esp. Wladimir Melo Curso: Administração 2º ADN 1, Gestão Empresarial 2º GEN 1, Processos Gerenciais 2º TPN Disciplina: Matemática Financeira 1. Porcentagem

Leia mais

Prof. Luiz Felix. Unidade I

Prof. Luiz Felix. Unidade I Prof. Luiz Felix Unidade I MATEMÁTICA FINANCEIRA Matemática financeira A Matemática Financeira estuda o comportamento do dinheiro ao longo do tempo. Do ponto de vista matemático, um determinado valor a

Leia mais

prestação. Resp. $93.750,00 e $5.625,00.

prestação. Resp. $93.750,00 e $5.625,00. UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA DISCIPLINA MAT191 - MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO LISTA 3 1) Um bem é vendido a vista por $318.000,00

Leia mais

Microsoft Excel. Funções Financeiras PARTE 7 SUMÁRIO

Microsoft Excel. Funções Financeiras PARTE 7 SUMÁRIO Microsoft Excel Funções Financeiras PARTE 7 SUMÁRIO 1-) Funções financeiras no Excel... 2 1.1-) Função = VF( )... 2 1.2-) Função =VP( )... 3 1.3-) Função = PGTO ( )... 3 1.4-) Valor Presente Utilizando

Leia mais

ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA. Renda Fixa Plano B 124,0 % 10,0 % Renda Fixa Plano C 110,0 % 9,1 % Selic 71,0 % 6,5 %

ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA. Renda Fixa Plano B 124,0 % 10,0 % Renda Fixa Plano C 110,0 % 9,1 % Selic 71,0 % 6,5 % ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA A partir de 2005 foi iniciado um processo de alongamento dos prazos das carteiras de renda fixa da PSS, que propiciou bons ganhos por oito anos seguidos até o final

Leia mais

Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew

Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew 1 Matemática Financeira Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew O mundo globalizado nos mostra cada vez mais a necessidade de informações e, para tanto, é necessário o conhecimento básico que possibilita

Leia mais

PRINCIPAIS DÚVIDAS SOBRE TESOURO DIRETO 4ª EDIÇÃO

PRINCIPAIS DÚVIDAS SOBRE TESOURO DIRETO 4ª EDIÇÃO AS 10 PRINCIPAIS DÚVIDAS SOBRE TESOURO DIRETO 4ª EDIÇÃO Olá, Investidor. Esse projeto foi criado por Bruno Lacerda e Rafael Cabral para te ajudar a alcançar mais rapidamente seus objetivos financeiros.

Leia mais

JURO COMPOSTO. Juro composto é aquele que em cada período financeiro, a partir do segundo, é calculado sobre o montante relativo ao período anterior.

JURO COMPOSTO. Juro composto é aquele que em cada período financeiro, a partir do segundo, é calculado sobre o montante relativo ao período anterior. JURO COMPOSTO No regime de capitalização simples, o juro produzido por um capital é sempre o mesmo, qualquer que seja o período financeiro, pois ele é sempre calculado sobre o capital inicial, não importando

Leia mais

Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium. Séries Uniformes de Pagamento

Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium. Séries Uniformes de Pagamento Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Disciplina: Matemática Financeira I Prof.: Marcos José Ardenghi Séries Uniformes de Pagamento As séries uniformes de pagamentos, anuidades ou rendas são

Leia mais

Amigos, amigos, negócios à parte!

Amigos, amigos, negócios à parte! Reforço escolar M ate mática Amigos, amigos, negócios à parte! Dinâmica 4 2º Série 2º Bimestre Aluno DISCIPLINA Ano CAMPO CONCEITO Matemática Ensino Médio 2ª Numérico Aritmético Matemática Financeira Primeira

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES. Resolverei neste ponto a prova de Matemática Financeira da SEFAZ/RJ 2010 FGV.

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES. Resolverei neste ponto a prova de Matemática Financeira da SEFAZ/RJ 2010 FGV. Olá pessoal! Resolverei neste ponto a prova de Matemática Financeira da SEFAZ/RJ 2010 FGV. Sem mais delongas, vamos às questões. 19. (SEFAZ-RJ 2010/FGV) A empresa Bonneli recebeu, pelo valor de R$ 18.000,00,

Leia mais

EXERCÍCIOS IV SÉRIES DE PAGAMENTOS IGUAIS E CONSECUTIVOS 1. Calcular o montante, no final de 2 anos, correspondente à aplicação de 24 parcelas iguais

EXERCÍCIOS IV SÉRIES DE PAGAMENTOS IGUAIS E CONSECUTIVOS 1. Calcular o montante, no final de 2 anos, correspondente à aplicação de 24 parcelas iguais IGUAIS E CONSECUTIVOS 1. Calcular o montante, no final de 2 anos, correspondente à aplicação de 24 parcelas iguais e mensais de $ 1.000,00 cada uma, dentro do conceito de termos vencidos, sabendo-se que

Leia mais

Introdução: Mercado Financeiro

Introdução: Mercado Financeiro Introdução: Mercado Financeiro Prof. Nilton TÓPICOS Sistema Financeiro Nacional Ativos Financeiros Mercado de Ações 1 Sistema Financeiro Brasileiro Intervém e distribui recursos no mercado Advindos de

Leia mais

Financiamento de automóveis: Investimento ou gasto dispendioso? *

Financiamento de automóveis: Investimento ou gasto dispendioso? * Financiamento de automóveis: Investimento ou gasto dispendioso? * Com a queda da taxa básica de juros, a economia brasileira observa uma aceleração do crédito como nunca antes vista. Os juros em baixa

Leia mais

Módulo Gestão Financeira e Controladoria 6 e 20 de Fevereiro de 2010 Jonas Lucio Maia

Módulo Gestão Financeira e Controladoria 6 e 20 de Fevereiro de 2010 Jonas Lucio Maia MBA em Gestão Empresarial Módulo Gestão Financeira e Controladoria 6 e 20 de Fevereiro de 2010 Jonas Lucio Maia Slides Teóricos Aula 2 20/fev/10 CLIQUE GESTÃO PARA FINANCEIRA EDITAR O ESTILO E CONTROLADORIA

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA Roberto César Faria e Silva MATEMÁTICA FINANCEIRA Aluno: SUMÁRIO 1. CONCEITOS 2 2. JUROS SIMPLES 3 Taxa Efetiva e Proporcional 10 Desconto Simples 12 Desconto Comercial, Bancário ou Por Fora 13 Desconto

Leia mais

NOTAS DE AULA. Introdução à Matemática Financeira. Prof. Dr. Silvio Alexandre de Araujo

NOTAS DE AULA. Introdução à Matemática Financeira. Prof. Dr. Silvio Alexandre de Araujo NOTAS DE AULA Introdução à Matemática Financeira Prof. Dr. Silvio Alexandre de Araujo 2 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Juros simples 2. Juros compostos 3. Séries periódicas uniformes 4. Planos de amortização

Leia mais

UNIDADE Capitalização composta

UNIDADE Capitalização composta UNIDADE 2 Capitalização composta Capitalização composta Curso de Graduação em Administração a Distância Objetivo Nesta Unidade, você vai ser levado a: calcular o montante, taxas equivalentes, nominal e

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Matemática Financeira Sumário 2 JUROS SIMPLES (Capitalização Simples) 5 JUROS COMPOSTOS (Capitalização Composta) 7 TAXAS SIMPLES 8 TAXAS COMPOSTAS 10 TAXAS SIMPLES EXATO 11 PRAZO, TAXA E CAPITAL MÉDIO

Leia mais

Guia do uso consciente do crédito. O crédito está aí para melhorar sua vida, é só se planejar que ele não vai faltar.

Guia do uso consciente do crédito. O crédito está aí para melhorar sua vida, é só se planejar que ele não vai faltar. Guia do uso consciente do crédito O crédito está aí para melhorar sua vida, é só se planejar que ele não vai faltar. Afinal, o que é crédito? O crédito é o meio que permite a compra de mercadorias, serviços

Leia mais