Transformada de Laplace

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Transformada de Laplace"

Transcrição

1 Transformada de aplace Nas aulas anteriores foi visto que as ferramentas matemáticas de Fourier (série e transformadas) são de extrema importância na análise de sinais e de sistemas IT. Isto deve-se ao facto de que uma vasta classe de sinais pode ser representada como sendo a combinação linear de exponenciais complexas periódicas e de estas exponenciais serem funções próprias de sistemas IT. A transformada de Fourier fornece uma representação de sinais como uma combinação linear de exponenciais complexas st periódicas na forma e onde s = jω, ou seja s é puramente imaginário. st No entanto a propriedade de e ser função própria mantém-se para valores arbitrários de s e não apenas para os puramente imaginários.

2 Transformada de aplace Assim, a transformada de aplace não é mais do que uma generalização da transformada de Fourier. As vantagens da transformada de aplace sobre a trasformada de Fourier: - fornece mais informação sobre sinais e sistemas que também podem ser analisados pela transformada de Fourier; - pode ser aplicada em contextos em que a transformada de Fourier não pode por exemplo na análise de sistemas instáveis.

3 Transformada de aplace A transformada inversa de Fourier era dada por: A transformada inversa de aplace limita-se a generalizar este resultado para a forma: x t 1 ω = ω ω π j t x t X e d Esta expressão indica que um sinal pode ser representado como uma combinação linear de exponenciais complexas periódicas, e st onde s = jω. c+ j = 1 π c j st X s e ds Onde s é um complexo genérico: s = σ + jω. A variável s deixou de ser imaginária pura para ser complexa com parte real.

4 Transformada de aplace x t c+ j = 1 π c j As exponenciais complexas, que foram as funções elementares com as quais construímos os sinais em Fourier, deixam agora de ser exponenciais complexas periódicas. ( j ) st X s e ds st σ+ ω t σt jωt e = e = e e ω O factor e j t foi já estudado e corresponde a uma exponencial complexa periódica. No entanto, ela está agora a ser pesada por σt uma exponencial real que lhe serve de módulo: e.

5 Transformada de aplace A expressão: x t c+ j = 1 π c j st X s e ds Indica que para sintetizar o sinal x(t) é necessário somar exponenciais complexas cada uma com um dado peso X(s). Devemos portanto tentar perceber o que são estas exponenciais e como se comportam no plano complexo com a evolução do tempo. O próximo slide ilustra esse comportamento, comparando-o com o comportamento de uma exponencial complexa periódica utilizada na transformada de Fourier.

6 Transformada de aplace ( j ) st σ+ ω t σt jωt e = e = e e Im para σ<0 Re

7 Transformada de aplace A expressão: x t c+ j = 1 π c j st X s e ds indica ainda que a soma dessas exponenciais deve ser realizada num eixo vertical do plano complexo Im{s} ω 0 st c+ jω t ct jωt e = e = e e c Re{s}

8 Transformada de aplace Verifiquemos em que resulta a soma de duas exponenciais complexas genéricas como complexo s de uma delas conjugado do da outra: st 1 σ+ jω t σt jωt e = e = e e Im{s} Somando estas expressões: st σ jω t σt jωt e = e = e e e st + e = st 1 ω σt jωt e e σ Re{s} -ω σt jωt e e e e + e e = σ t j ω t σ t j ω t σt jωt jωt e e + e = e σt cos ( ωt)

9 Transformada de aplace A soma de duas exponenciais complexas de expoentes st conjugados resulta então em: e σt cos ( ωt) Isto significa que enquanto a transformada de Fourier representava um sinal como sendo uma soma de sinusóides, a transformada de aplace representa os sinais como sendo a soma de sinusóides mas de amplitude exponencialmente variável. t t

10 Transformada de aplace Um sinal pode ser representado como sendo a combinação linear de exponenciais complexas na forma: x t c+ j = 1 π c j st X s e ds st O peso X(s) de cada uma das exponenciais e na construção do sinal x(t) é dado por: + st X s x t e = A primeira expressão recebe a designação de Transformada Inversa de aplace. A segunda expressão recebe a designação de Transformada (Directa) de aplace.

11 Propriedades da Transformada de Fourier de tempo discreto Para que a relação entre o sinal no tempo e a sua transformada seja unívoca, os limites de integração na expressão da transformada: + st X s x t e = alteram-se para: + st X s x t e = 0 Sendo então esta a expressão da transformada de aplace unilateral. Para a transformada de aplace unilateral existe apenas uma transformada inversa de X(s). Desta forma não há necessidade de especificar a região de convergência explicitamente.

12 Transformada de aplace inversa A determinação da transformada inversa de aplace recorrendo à definição: x t c+ j = 1 π c j Requer a integração no plano complexo. st X s e ds É possível evitar essa operação por recurso a tabelas de transformadas de aplace, onde os pares de transformadas de aplace mais comuns estão já indicados. Assim, a determinação de transformadas inversas será feita através de tabelas, bastando para isso exprimir o sinal em questão como uma combinação de funções mais simples cuja transformada está tabelada. Esta operação será vista nas aulas teórico-práticas.

13 Tabela de transformadas de aplace

14 Propriedades da Transformada de aplace inearidade: Se 1 1 x t X s x t X s então ax t ax t ax s ax s Onde a 1 e a são coeficientes reais.

15 Propriedades da Transformada de aplace Escalonamento: Se 1 1 x t X s Então, para a > 0: Compressão no tempo Expansão na tempo 1 s x1( at) X1 a a Expansão na frequência Compressão na frequência Note-se que a é restrito apenas a valores positivos porque se x(t) é um sinal causal, então x(at) seria anti-causal (existiria apenas para t<0) se a<0. Isto não é permitido na transformada unilateral de aplace.

16 Propriedades da transformada de aplace Deslocamento temporal Se 1 1 x t X s então st0 1( 0) 1 x t t X s e Esta propriedade enuncia que um sinal sofrer um atraso de t 0 segundos corresponde a multiplicar a sua transformada por e st 0.

17 Propriedades da transformada de aplace Deslocamento na frequência Se 1 1 x t X s então st o ( ) x t e X s s Esta propriedade mostra claramente uma relação de dualidade entre o que ocorre no tempo e o que ocorre na frequência.

18 Propriedades da transformada de aplace Convolução no tempo e na frequência: Se então 1 1 x t X s x t X s * 1 1 x t x t X s X s (Convolução no tempo) 1 x 1 t x t X1 s * X s πj (Convolução na frequência) Mais uma vez se nota uma relação de simetria ou dualidade entre as duas propriedades.

19 Propriedades da transformada de aplace A propriedade da convolução no tempo da transformada de aplace é extremamente importante pois simplifica o estudo dos sinais de saída devidos a uma dada entrada num sistema IT. Sendo a propriedade da convolução no tempo dada por: * x t x t X s X s 1 1 E sendo a resposta a estado-nulo de um sistema dada por: y( t) = x( t) * h( t) Então, este cálculo poderá ser realizado no domínio de aplace sem necessidade de utilizar a convolução: = * = y t x t h t Y s X s H s

20 Propriedades da transformada de aplace Assim, um método possível para o cálculo da resposta a estadonulo passa a ser o seguinte: Tendo já o sinal de entrada e a resposta a impulso do sistema em causa: x ( t ) e h( t) Calcula-se a transformada de aplace de cada um deles: X ( s) x t H( s) h t Bastando multiplicá-las para determinar a transformada da resposta a estado-nulo. = X ( s) H( s) Y s A expressão da resposta a estado-nulo no tempo obtém-se por transformação inversa de Y(s) (recorrendo a tabelas). 1 y( t) Y s

21 Propriedades da transformada de aplace Diferenciação temporal: Se x ( t) X ( s) então dx ( t ) x sx s 0 A aplicação repetida desta propriedade conduz a: d x t sx s sx0 x0 E para uma diferenciação de ordem n: n d x t n ( r) x 0 n 1 ( 0 ) ( 0 )... ( 0 ) n n n s X s s x s x ( x 1) r dxt r onde é em t=0 -.

22 Solução de equações integro-diferenciais recorrendo à transformada de aplace Dado que: n dyt n n sy s +... A transformada de aplace de uma equação diferencial é uma equação algébrica que pode ser resolvida em ordem a Y(s). O exemplo seguinte demonstra o procedimento para resolver equações diferenciais lineares de coeficientes constantes por recurso à transformada de aplace.

23 Exemplo de utilização da transformada de aplace Resolva a equação diferencial de segunda ordem seguinte: ( D + 5D + 6) y( t) = ( D + 1) x( t) y ( 0 ) = y Se as condições iniciais são:, 4t e a entrada: x ( t) = e u( t) A equação diferencial no operador d/ é: Sendo: dy t dy t dx t y( t) = + Y ( s) y t Pela propriedade da derivação no tempo: 0 = 1 x t dy t sy ( s) y ( 0 ) = sy ( s) dy( t) sy( s) sy( 0 ) y( 0 ) = sy( s) s1

24 Exemplo de utilização da transformada de aplace dy t + dy ( t 5 ) + 6y( t) = dx ( t ) + x ( t ) Transformada de aplace da equação diferencial sy s s 1 5 sy s 6Y ( s)?????? Falta portanto determinar a transformada do segundo membro da equação diferencial que descreve o comportamento do sistema.

25 Exemplo de utilização da transformada de aplace A transformada de x(t) é dada por: 4 1 t x t = e u t X s = s + 4 Este resultado é determinado por recurso a tabelas de transformadas ou por transformação analítica: + st X s e u t e 4t = Quanto à derivada de primeira ordem do sinal de entrada, tem como transformada: dx t 1 s sx ( s) x ( 0 ) = s 0 = s + 4 s + 4

26 Exemplo de utilização da transformada de aplace dy t + dy ( t 5 ) + 6y( t) = dx ( t ) + x ( t ) Transformada de aplace da equação diferencial sy s s 1 s sy s 6Y ( s) Assim, a transformada de aplace de toda a equação diferencial assume a forma: s s + 4 s 1 sy( s) s 1+ 5 sy ( s) + 6Y( s) = + s + 4 s + 4

27 Exemplo de utilização da transformada de aplace Reunindo todos os termos em Y(s) no primeiro membro e todos os outros no segundo, obtém-se: ( s 5s 6) Y ( s) ( s 11) s = + + s + 4 s + 0s + 45 s + 5s + 6 Y s = s + 4 s + 0s + 45 Y ( s) = s + 4 s + 5s + 6 Y s = s + 0s + 45 ( s + )( s + 3)( s + 4) Expandindo o segundo membro em fracções parciais: s + s + 3 s + 4 = Y s e pela transformada inversa, a resposta total do sistema: = 13 t 3t t y t e e e u t y(t) é determinado pela transformada inversa de Y(s).

28 Componentes de entrada-nula nula e de estado-nulo da resposta O método da transformada de aplace utilizado no exemplo anterior permite determinar a resposta total que inclui as componentes de entrada-nula e de estado-nulo. É no entanto possível ao longo do processo de determinação da resposta total separar as duas componentes. No exemplo anterior os termos que surgem devido às condições iniciais 0 = e formam a resposta a entrada-nula. y y 0 = 1 Os restantes termos corresponderão à componente de estadonulo.

29 Componentes de entrada-nula nula e de estado-nulo da resposta sy s s 1 5 sy s 6Y ( s) dy t + dy ( t 5 ) + 6y( t) = dx ( t ) + x ( t ) dy t sy( s) sy( 0 ) y( 0 ) = sy( s) s1 dy ( t ) sy ( s) y ( 0 ) = sy ( s) Parcelas relativas a condições iniciais: s s s + 4 s sy( s) s 1+ 5 sy ( s) + 6Y( s) = + s + 4 s + 4 1

30 Componentes de entrada-nula nula e de estado-nulo da resposta s 1 sy( s) s 1+ 5 sy ( s) + 6Y( s) = + s + 4 s + 4 ( s 5s 6) Y ( s) ( s 11) s = + + Termos relativos a condições iniciais + s + 4 Termos relativos ao sinal de entrada Mantendo estas parcelas separadas na determinação da transformada da resposta Y(s): Y s ( s ) + 11 s + 1 = + ( s + 5s + 6) ( s + 4)( s + 5s + 6) Componente de entrada-nula Componente de estado-nulo Determinando a transformada inversa de cada parcela: t 3t = + 1 t 3t t y t e e u t e e e u t Resposta a entrada-nula Resposta a estado-nulo

31

32 Resposta a estado-nulo nulo: : função de transferência de um sistema ITC Considere-se um sistema de ordem n especificado pela equação: ou de outra forma: ( ) QD. yt = PD. xt D a D... ad a y( t) ( b D b D... bd b ) x( t) N N 1 N N1 + N = N + N A resposta a estado-nulo por definição é a resposta de um sistema a uma entrada quando o sistema tem condições iniciais nulas. Assim, y(t) satisfaz a equação de sistema anterior com condições iniciais nulas tais que: y ( 0 ) = 0 y ( 0 ) = 0 y ( 0 ) = 0... ( n1) y 0 = 0

33 Resposta a estado-nulo nulo: : função de transferência de um sistema ITC A transformada das derivadas de várias ordens de x(t) e y(t) são: r dxt ( r r r 1 r sx s s x 0 s x 0... x 1) ( 0 r ) r dy ( t ) ( r r r 1 r sy s s y 0 s y 0... y 1) ( 0 r ) ( n1) Devido às condições iniciais nulas: y ( 0 ) = 0... y ( n1) A entrada x(t) é causal pelo que: x ( 0 ) = 0... x = Então: 0 0 Conclui-se então que a transformada de aplace da equação: ( ) D a D... ad a y( t) ( b D b D... bd b ) x( t) N N 1 N N1 + N = N + N será: r dy t ( ) r r sy s 0 = 0 s a s... a s a Y( s) ( b s b s... b s b ) X( s) N N 1 N N1 + N = N + N r dxt r r sx s

34 Resposta a estado-nulo nulo: : função de transferência de um sistema ITC ( ) D a D... ad a y( t) ( b D b D... bd b ) x( t) N N 1 N N1 + N = N + N Q(D) Q(s) ( ) s a s a s a Y s b s b s b s b X s N N + 1 N N = + 1 N ( N N ) N bs N b s bs b Y( s) = X( s) N s + a s + + a s + a N1 + N N1 N Note-se que o polinómio em s que está em numerador não é mais do que o polinómio P(D) com o operador D subsituído pela variável s. Ou seja, este polinómio pode ser designado por P(s). De forma semelhante pode notar-se que o polinómio em denominador se pode designar por Q(s). Então: Ps Y( s) = X( s) Qs P(D) P(s)

35 Resposta a estado-nulo nulo: : função de transferência de um sistema ITC É comum definir a função de transferência de um sistema, como sendo H(s), a razão entre Y(s) e X(s) quando todas as condições iniciais são nulas. { resposta a estado-nulo} { } Y( s) Hs = = X( s) sinal de entrada Dado que, como já vimos: Ps Y( s) = X( s) Qs Então, a função de transferência de um sistema é dado por: Ps Hs = Qs tendo-se Y( s) = H( s) X( s) Note-se que da descrição de um sistema através de uma equação diferencial se retiram imediatamente os polinómios P(D) e Q(D). Assim, a função de transferência de um sistema é extremamente simples de determinar.

36 Resposta a estado-nulo nulo: : função de transferência de um sistema ITC Pode então representar-se a versão transformada (para o domínio de aplace) do sistema da forma ilustrada a seguir: X ( s) H( s) Y ( s) = H( s) X ( s) onde Hs Ps = Qs A entrada X(s) é a transformada de aplace do sinal de entrada no tempo x(t) e a saída Y(s) é a transformada de aplace da saída no tempo y(t). O sistema é descrito pela função de transferência H(s).

37 Resposta a estado-nulo nulo: : função de transferência de um sistema ITC Note-se que tinha já sido visto que, dado que no tempo o sinal de saída de um sistema se determina a partir da expressão: = * y t x t h t Então pela propriedade da convolução no tempo, este cáculo passaria a ser realizado através de uma multiplicação no domínio de aplace: = * = y t x t h t Y s X s H s Conclui-se então que a função de transferência de um sistema não é mais do que a transformada de aplace da resposta a impulso desse sistema. A função de transferência de um sistema pode então ser calculada através de: ou H( s) h t Ps Hs = Qs

38 Estabil Estabiliade de um sistema em função da localização dos pólos da função de transferência idade de um sistema Observe-se que o denominador da função de transferência H(s): Ps Hs = Qs é Q(s), o polinómio característico do sistema na variável s. Assim sendo, os pólos de H(s) (zeros do denominador) são coincidentes com as raízes características do sistema. Consequentemente o critério de estabilidade de um sistema pode ser enunciado em termos dos pólos da função de transferência de um sistema.

39 Estabiliade de um sistema em função da localização dos pólos p da função de transferência Um sistema ITC é estável se e só se todos os pólos da sua função de transferência H(s) se localizam no semi-plano complexo esquerdo. Um sistema ITC será instável se e só uma ou ambas das seguintes condições se verificarem: - Pelo menos um dos pólos de H(s) se localiza no semi-plano complexo direito; - Existem pólos repetidos de H(s) no eixo imaginário; Um sistema ITC será marginalmente estável se e só não existem pólos no semiplano complexo direito e existem pólos simples no eixo imaginário.

40 Análise de circuitos eléctricos: método m do circuito transformado Utilizando os conceitos de transformada de aplace, é possível analisar circuitos eléctricos sem escrever equações integrodiferenciais. Este procedimento é consideravelmente mais simples pois permite tratar um circuito eléctrico (com condensadores e bobinas) como se se tratasse de um circuito resistivo. Para isso é necessário representar o circuito no domínio de aplace, onde todas as tensões e correntes são representadas pela sua transformada de aplace.

41 Análise de circuitos eléctricos: método m do circuito transformado Para uma indutância, a relação entre a corrente que a percorre e a tensão aos seus terminais é dada por: di t v( t) = Se transformarmos esta expressão para o domínio de aplace obtém-se: = ( 0 ) V s si s i assumindo uma corrente inicial nula: dx t = si( s) V s x sx s 0

42 Análise de circuitos eléctricos: método m do circuito transformado Similarmente para um condensador de capacidade C, a relação tensão/corrente é: dv t i( t) = C Se transformarmos esta expressão para o domínio de aplace obtém-se: = ( 0 ) I s C sv s v assumindo uma teñsão inicial nula: CsV ( s) = 1 I( s) I s V s = Cs dx t x sx s 0

43 Análise de circuitos eléctricos: método m do circuito transformado Assim, no domínio de aplace, a relação tensão/corrente de uma indutância e de um condensador são algébricas. = V s si s V = 1 C s I s Cs Notando que para uma resistência, a relação no tempo é dada por: vr ( t) = Ri( t ) V ( s) = RI( s) verifica-se que a indutância e o condensador se comportam como resistências de valor: Z ( s ) = s Z ( s) = Estas grandezas dos componentes são designadas de impedâncias e sendo determinadas pela razão V(s)/I(s) para cada elemento (mediante condições iniciais nulas). R C 1 Cs

44 Análise de circuitos eléctricos: método m do circuito transformado As equações de um sistema eléctrico (das malha ou dos nós), vulgarmente diferenciais, convertem-se assim em equações algébricas. Para além disso todas as técnicas de simplificação utilizadas para circuitos resistivos: - Resistência série equivalente; - Resistência paralela equivalente; - Divisor de corrente; - Divisor de tensão; - Teorema de Thévenin; - Teorema de Norton; podem ser aplicadas a redes eléctricas gerais transformadas para o domínio de aplace.

45 Exemplo de aplicação do método m do circuito transformado Determine a corrente de malha do circuito seguinte, i(t), assumindo que todas as condições iniciais são nulas.

46 Exemplo de aplicação do método m do circuito transformado O primeiro passo será transformar todo o circuito para o domínio de aplace: = = 10 s Fontes: x( t) 10u( t) X ( s) Componentes: R di t v( t) = V s = si s dv ( t ) i( t) = C V s = 1 I s Cs R Outras grandezas: i( t) I( s)

47 Exemplo de aplicação do método m do circuito transformado No domínio de aplace as relações entre tensões e correntes passam a ser lineares (deixam de existir derivações). A abordagem para determinar a corrente I(s) pode então ser a mesma que se utilizaria caso o circuito fosse totalmente resistivo. Podemos então calcular a impedância total da malha: s + 3s + Zs = s+ 3+ = s s

48 Exemplo de aplicação do método m do circuito transformado Impedância total: Zs = s + 3s + s A tensão que alimenta a malha é no domínio de aplace: V ( s) = 10 s A corrente que flui no circuito será naturalmente a teñsão que o alimenta sobre a impedância total: 10 V( s) Is = = s = = = Z( s) s + 3s + s + 3s + ( s + 1)( s + ) s + 1 s + s

49 Exemplo de aplicação do método m do circuito transformado A tensão que alimenta a malha é no domínio de aplace: Is = s + 1 s + A expressão pretendida da corrente que flui no circuito (no domínio do tempo) será agora determinada por uma simples operação de transformação inversa do resultado anterior. Esta operação é realizada por recurso a tabelas de transformadas: t t it () = 10e e u t

Resumo. Sinais e Sistemas Transformada de Laplace. Resposta ao Sinal Exponencial

Resumo. Sinais e Sistemas Transformada de Laplace. Resposta ao Sinal Exponencial Resumo Sinais e Sistemas Transformada de aplace uís Caldas de Oliveira lco@istutlpt Instituto Superior Técnico Definição da transformada de aplace Região de convergência Propriedades da transformada de

Leia mais

Aula 05 Transformadas de Laplace

Aula 05 Transformadas de Laplace Aula 05 Transformadas de Laplace Pierre Simon Laplace (1749-1827) As Transformadas de Laplace apresentam uma representação de sinais no domínio da frequência em função de uma variável s que é um número

Leia mais

Análise de Sistemas em Tempo Discreto usando a Transformada Z

Análise de Sistemas em Tempo Discreto usando a Transformada Z Análise de Sistemas em Tempo Discreto usando a Transformada Z Edmar José do Nascimento (Análise de Sinais e Sistemas) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Universidade Federal do Vale do São Francisco

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 6

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 6 Universidade Federal do Rio de Janeiro Princípios de Instrumentação Biomédica Módulo 6 Steinmetz Tesla Hertz Westinghouse Conteúdo 6 - Análise de Regime Permanente Senoidal...1 6.1 - Números complexos...1

Leia mais

Análise e Processamento de Bio-Sinais. Mestrado Integrado em Engenharia Biomédica. Sinais e Sistemas. Licenciatura em Engenharia Física

Análise e Processamento de Bio-Sinais. Mestrado Integrado em Engenharia Biomédica. Sinais e Sistemas. Licenciatura em Engenharia Física Análise e Processamento de Bio-Sinais Mestrado Integrado em Engenharia Biomédica Licenciatura em Engenharia Física Faculdade de Ciências e Tecnologia Slide 1 Slide 1 Sobre Modelos para SLIT s Introdução

Leia mais

EN2607 Transformadas em Sinais e Sistemas Lineares Lista de Exercícios Suplementares 3 3 quadrimestre 2012

EN2607 Transformadas em Sinais e Sistemas Lineares Lista de Exercícios Suplementares 3 3 quadrimestre 2012 EN607 Transformadas em Sinais e Sistemas Lineares Lista de Exercícios Suplementares 3 fevereiro 03 EN607 Transformadas em Sinais e Sistemas Lineares Lista de Exercícios Suplementares 3 3 quadrimestre 0

Leia mais

Introdução aos Sinais e Sistemas

Introdução aos Sinais e Sistemas Introdução aos Sinais e Sistemas Edmar José do Nascimento (Análise de Sinais e Sistemas) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Universidade Federal do Vale do São Francisco Colegiado de Engenharia

Leia mais

Modelagem no Domínio da Frequência. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello 1

Modelagem no Domínio da Frequência. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello 1 Modelagem no Domínio da Frequência Carlos Alexandre Mello 1 Transformada de Laplace O que são Transformadas? Quais as mais comuns: Laplace Fourier Cosseno Wavelet... 2 Transformada de Laplace A transf.

Leia mais

Análise de Laplace. Prof. André E. Lazzaretti

Análise de Laplace. Prof. André E. Lazzaretti Análise de Laplace Prof. André E. Lazzaretti lazzaretti@utfpr.edu.br Introdução Objetivo principal: resolução de equações diferenciais; Similar à análise fasorial: transformação para o domínio da frequência;

Leia mais

Critério de Estabilidade: Routh-Hurwitz

Critério de Estabilidade: Routh-Hurwitz Critério de Estabilidade: Routh-Hurwitz O Critério de Nyquist foi apresentado anteriormente para determinar a estabilidade de um sistema em malha fechada analisando-se sua função de transferência em malha

Leia mais

Sinais e Sistemas p.1/33

Sinais e Sistemas p.1/33 Resumo Sinais e Sistemas Transformada de Fourier de Sinais Contínuos lco@ist.utl.pt Representação de sinais aperiódicos Transformada de Fourier de sinais periódicos Propriedades da transformada de Fourier

Leia mais

Resumo. Sinais e Sistemas Transformada de Laplace. Resposta ao Sinal Exponencial. Transformada de Laplace

Resumo. Sinais e Sistemas Transformada de Laplace. Resposta ao Sinal Exponencial. Transformada de Laplace Resumo Sinais e Sistemas Transformada de aplace lco@ist.utl.pt Instituto Superior Técnico Definição da transformada de aplace. Região de convergência. Propriedades da transformada de aplace. Sistemas caracterizados

Leia mais

Transformada de Laplace. Definição. O processo inverso de obter a função temporal f(t) a partir da

Transformada de Laplace. Definição. O processo inverso de obter a função temporal f(t) a partir da Prof. Raimundo Nonato das Mercês Machado O processo inverso de obter a função temporal f(t) a partir da transformada de Laplace F(s) é chamado transformada de Laplace inversa. A notação para a transformada

Leia mais

Sinais e Sistemas. Tempo para Sistemas Lineares Invariantes no Tempo. Representações em Domínio do. Profª Sandra Mara Torres Müller.

Sinais e Sistemas. Tempo para Sistemas Lineares Invariantes no Tempo. Representações em Domínio do. Profª Sandra Mara Torres Müller. Sinais e Sistemas Representações em Domínio do Tempo para Sistemas Lineares Invariantes no Tempo Profª Sandra Mara Torres Müller Aula 7 Representações em Domínio do Tempo para Sistemas Lineares e Invariantes

Leia mais

O Papel dos Pólos e Zeros

O Papel dos Pólos e Zeros Departamento de Engenharia Mecatrônica - EPUSP 27 de setembro de 2007 1 Expansão em frações parciais 2 3 4 Suponha a seguinte função de transferência: m l=1 G(s) = (s + z l) q i=1(s + z i )(s + p m ),

Leia mais

Aula 04 Representação de Sistemas

Aula 04 Representação de Sistemas Aula 04 Representação de Sistemas Relação entre: Função de Transferência Transformada Laplace da saída y(t) - Transformada Laplace da entrada x(t) considerando condições iniciais nulas. Pierre Simon Laplace,

Leia mais

Estabilidade de Sistemas Lineares Realimentados

Estabilidade de Sistemas Lineares Realimentados Estabilidade de Sistemas Lineares Realimentados 1. Conceito de estabilidade 2. Critério de estabilidade de Routh-Hurwitz p.1 Engenharia de Controle Aula 6 Estabilidade de Sistemas Lineares Realimentados

Leia mais

Sistemas e Sinais. Universidade Federal do Rio Grande do Sul Departamento de Engenharia Elétrica

Sistemas e Sinais. Universidade Federal do Rio Grande do Sul Departamento de Engenharia Elétrica Propriedades das Representações de Fourier Sinais periódicos de tempo contínuo ou discreto têm uma representação por série de Fourier, dada pela soma ponderada de senoides complexas com frequências múltiplas

Leia mais

Pólos, Zeros e Estabilidade

Pólos, Zeros e Estabilidade Pólos, Zeros e Estabilidade Definindo Estabilidade A condição para estabilidade pode também ser expressa da seguinte maneira: se um sistema é estável quando sujeito a um impulso, a saída retoma a zero.

Leia mais

Controle de Processos Aula: Estabilidade e Critério de Routh

Controle de Processos Aula: Estabilidade e Critério de Routh 107484 Controle de Processos Aula: Estabilidade e Critério de Routh Prof. Eduardo Stockler Tognetti Departamento de Engenharia Elétrica Universidade de Brasília UnB 1 o Semestre 2016 E. S. Tognetti (UnB)

Leia mais

Sinais e Sistemas Unidade 5 Representação em domínio da frequência para sinais contínuos: Transformada de Laplace

Sinais e Sistemas Unidade 5 Representação em domínio da frequência para sinais contínuos: Transformada de Laplace Sinais e Sistemas Unidade 5 Representação em domínio da frequência para sinais contínuos: Transformada de Laplace Prof. Cassiano Rech, Dr. Eng. rech.cassiano@gmail.com Prof. Rafael Concatto Beltrame, Me.

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL 420. Módulo 9

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL 420. Módulo 9 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuitos Elétricos I EEL 420 Módulo 9 Steinmetz Tesla Hertz Westinghouse Conteúdo 9 - Análise de Regime Permanente Senoidal...1 9.1 - Números complexos...1 9.2 -

Leia mais

Sinais e Sistemas Mecatrónicos

Sinais e Sistemas Mecatrónicos Sinais e Sistemas Mecatrónicos Sinais e Sistemas Sistemas Contínuos no Tempo José Sá da Costa José Sá da Costa T3 - Sistemas Contínuos no Tempo 1 Sistemas Sistema É uma combinação de objectos (componentes),

Leia mais

Capítulo 2 Dinâmica de Sistemas Lineares

Capítulo 2 Dinâmica de Sistemas Lineares Capítulo 2 Dinâmica de Sistemas Lineares Gustavo H. C. Oliveira TE055 Teoria de Sistemas Lineares de Controle Dept. de Engenharia Elétrica / UFPR Gustavo H. C. Oliveira Dinâmica de Sistemas Lineares 1/57

Leia mais

Métodos Matemáticos para Engenharia

Métodos Matemáticos para Engenharia Métodos Matemáticos para Engenharia Transformada de Laplace Docentes: > Prof. Fabiano Araujo Soares, Dr. Introdução Muitos parâmetros em nosso universo interagem através de equações diferenciais; Por exemplo,

Leia mais

O processo de filtragem de sinais pode ser realizado digitalmente, na forma esquematizada pelo diagrama apresentado a seguir:

O processo de filtragem de sinais pode ser realizado digitalmente, na forma esquematizada pelo diagrama apresentado a seguir: Sistemas e Sinais O processo de filtragem de sinais pode ser realizado digitalmente, na forma esquematizada pelo diagrama apresentado a seguir: 1 Sistemas e Sinais O bloco conversor A/D converte o sinal

Leia mais

Sistemas e Sinais. Universidade Federal do Rio Grande do Sul Departamento de Engenharia Elétrica

Sistemas e Sinais. Universidade Federal do Rio Grande do Sul Departamento de Engenharia Elétrica O método das frações parciais usa o conhecimento de diversos pares de transformada Z básicos e as propriedades da transformada Z para obtenção da transformada Z inversa das funções de interesse Admite-se

Leia mais

ELETROTÉCNICA (ENE078)

ELETROTÉCNICA (ENE078) UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Graduação em Engenharia Civil ELETROTÉCNICA (ENE078) PROF. RICARDO MOTA HENRIQUES E-mail: ricardo.henriques@ufjf.edu.br Aula Número: 20 Revisão da aula passada... Circuitos

Leia mais

Estabilidade de sistemas de controle lineares invariantes no tempo

Estabilidade de sistemas de controle lineares invariantes no tempo Capítulo 2 Estabilidade de sistemas de controle lineares invariantes no tempo 2. Introdução Neste capítulo, vamos definir alguns conceitos relacionados à estabilidade de sistemas lineares invariantes no

Leia mais

Licenciatura em Engenharia Biomédica. Faculdade de Ciências e Tecnologia. Universidade de Coimbra. Análise e Processamento de Bio-Sinais - MIEBM

Licenciatura em Engenharia Biomédica. Faculdade de Ciências e Tecnologia. Universidade de Coimbra. Análise e Processamento de Bio-Sinais - MIEBM Licenciatura em Engenharia Biomédica Faculdade de Ciências e Tecnologia Slide Slide 1 1 Tópicos: Representações de Fourier de Sinais Compostos Introdução Transformada de Fourier de Sinais Periódicos Convolução

Leia mais

Aula 9. Diagrama de Bode

Aula 9. Diagrama de Bode Aula 9 Diagrama de Bode Hendrik Wade Bode (americano,905-98 Os diagramas de Bode (de módulo e de fase são uma das formas de caracterizar sinais no domínio da frequência. Função de Transferência Os sinais

Leia mais

Modelos Matemáticos de Sistemas

Modelos Matemáticos de Sistemas Modelos Matemáticos de Sistemas Introdução; Equações Diferenciais de Sistemas Físicos; Aproximações ineares de Sistemas Físicos; Transformada de aplace; Função de Transferência de Sistemas ineares; Modelos

Leia mais

Aula 4 Respostas de um SLIT

Aula 4 Respostas de um SLIT Aula 4 Respostas de um SLIT Introdução Características de um SLIT Resposta ao degrau unitário Resposta a entrada nula Resposta total A convolução entre dois sinais de tempo contínuo x(t) e h(t) é dada

Leia mais

Análise de Sistemas em Tempo Contínuo usando a Transformada de Laplace

Análise de Sistemas em Tempo Contínuo usando a Transformada de Laplace Análise de Sistemas em Tempo Contínuo usando a Transformada de Laplace Edmar José do Nascimento (Análise de Sinais e Sistemas) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Universidade Federal do Vale do

Leia mais

Definição (6.1): Definimos equação diferencial como uma qualquer relação entre uma função e as suas derivadas.

Definição (6.1): Definimos equação diferencial como uma qualquer relação entre uma função e as suas derivadas. Capítulo 6 Definição (6.1): Definimos equação diferencial como uma qualquer relação entre uma função e as suas derivadas. Definição (6.2): Seja e uma função real incógnita definida num intervalo aberto.

Leia mais

T7 - Oscilações forçadas. sen (3)

T7 - Oscilações forçadas. sen (3) Departamento de Física da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa T7 FÍSICA EXPERIMENTAL I - 2007/08 OSCILAÇÕES FORÇADAS NUM CIRCUITO RLC 1. Objectivo Estudar um circuito RLC série ao qual é aplicada

Leia mais

Sinais e Sistemas Unidade 5 Representação em domínio da frequência para sinais contínuos: Transformada de Laplace

Sinais e Sistemas Unidade 5 Representação em domínio da frequência para sinais contínuos: Transformada de Laplace Sinais e Sistemas Unidade 5 Representação em domínio da frequência para sinais contínuos: Transformada de Laplace Prof. Cassiano Rech, Dr. Eng. rech.cassiano@gmail.com Prof. Rafael Concatto Beltrame, Me.

Leia mais

Análise de Sinais e Sistemas

Análise de Sinais e Sistemas Universidade Federal da Paraíba Departamento de Engenharia Elétrica Análise de Sinais e Sistemas Luciana Ribeiro Veloso luciana.veloso@dee.ufcg.edu.br ANÁLISE DE SINAIS E SISTEMAS Ementa: Sinais contínuos

Leia mais

Sistemas lineares. Aula 1 - Sinais

Sistemas lineares. Aula 1 - Sinais Sistemas lineares Aula 1 - Sinais Conceitos Sinais e sistemas Definições Descrições Representações matemáticas Classificações Sinais Elementares (básicos) Operações Sinais Definição: Um sinal é a representação

Leia mais

Comecemos escrevendo a forma geral de uma equação diferencial de ordem n, 1 inear e invariante no tempo, , b i

Comecemos escrevendo a forma geral de uma equação diferencial de ordem n, 1 inear e invariante no tempo, , b i 3 6 ADL aula 2 Função de Transferência Comecemos escrevendo a forma geral de uma equação diferencial de ordem n, 1 inear e invariante no tempo, onde c(t) é a saída, r(t) é a entrada e os a i, b i e a forma

Leia mais

J. A. M. Felippe de Souza 10 Estabilidade. 10 Estabilidade

J. A. M. Felippe de Souza 10 Estabilidade. 10 Estabilidade J. A. M. Felippe de Souza 10 Estabilidade 10 Estabilidade 10.1 Introdução à Estabilidade 3 Definição 10.1 Estabilidade 3 Definição 10.2 - BIBO-estável 3 Teorema 10.1 Localização dos polos 4 Exemplo 10.1

Leia mais

ANÁLISE MATEMÁTICA IV LEEC SÉRIES, SINGULARIDADES, RESÍDUOS E PRIMEIRAS EDO S. disponível em

ANÁLISE MATEMÁTICA IV LEEC SÉRIES, SINGULARIDADES, RESÍDUOS E PRIMEIRAS EDO S. disponível em Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Secção de Álgebra e Análise Última actualiação: //003 ANÁLISE MATEMÁTICA IV LEEC RESOLUÇÃO DA FICHA 3 SÉRIES, SINGULARIDADES, RESÍDUOS E PRIMEIRAS

Leia mais

4.1 Pólos, Zeros e Resposta do Sistema

4.1 Pólos, Zeros e Resposta do Sistema ADL17 4.1 Pólos, Zeros e Resposta do Sistema A resposta de saída de um sistema é a soma de duas respostas: a resposta forçada e a resposta natural. Embora diversas técnicas, como a solução de equações

Leia mais

AULA 3. CRITÉRIO DE ESTABILIDADE DE Routh-Hurwitz. Universidade Federal do ABC UFABC ESTA003-17: SISTEMAS DE CONTROLE I

AULA 3. CRITÉRIO DE ESTABILIDADE DE Routh-Hurwitz. Universidade Federal do ABC UFABC ESTA003-17: SISTEMAS DE CONTROLE I Universidade Federal do ABC UFABC ESTA003-17: SISTEMAS DE CONTROLE I AULA 3 CRITÉRIO DE ESTABILIDADE DE Routh-Hurwitz PROF. DR. ALFREDO DEL SOLE LORDELO TELA CHEIA Critério de estabilidade de Routh A questão

Leia mais

I-6 Sistemas e Resposta em Frequência. Comunicações (6 de Dezembro de 2012)

I-6 Sistemas e Resposta em Frequência. Comunicações (6 de Dezembro de 2012) I-6 Sistemas e Resposta em Frequência (6 de Dezembro de 2012) Sumário 1. A função especial delta-dirac 2. Sistemas 3. Resposta impulsional e resposta em frequência 4. Tipos de filtragem 5. Associação de

Leia mais

Fundamentos de Controle

Fundamentos de Controle Fundamentos de Controle Modelagem matemática de sistemas de controle Prof. Juliano G. Iossaqui Engenharia Mecânica Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) Londrina, 2017 Prof. Juliano G. Iossaqui

Leia mais

Curso Satélite de. Matemática. Sessão n.º 1. Universidade Portucalense

Curso Satélite de. Matemática. Sessão n.º 1. Universidade Portucalense Curso Satélite de Matemática Sessão n.º 1 Universidade Portucalense Conceitos Algébricos Propriedades das operações de números reais Considerem-se três números reais quaisquer, a, b e c. 1. A adição de

Leia mais

Capítulo 3. Função de transferência e dinâmicas dos sistemas

Capítulo 3. Função de transferência e dinâmicas dos sistemas DINÂMICA DE SISTEMAS BIOLÓGICOS E FISIOLÓGICOS Capítulo 3 Função de transferência e dinâmicas dos sistemas 3.1. Aplicação da transformada de Laplace às equações diferenciais A transformada de Laplace é

Leia mais

VI. MÉTODO DO LUGAR GEOMÉTRICO DAS RAÍZES

VI. MÉTODO DO LUGAR GEOMÉTRICO DAS RAÍZES INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA-AERONÁUTICA MPS-43: SISTEMAS DE CONTROLE VI. MÉTODO DO LUGAR GEOMÉTRICO DAS RAÍZES Prof. Davi Antônio dos Santos (davists@ita.br) Departamento

Leia mais

Parte A: Circuitos RC com corrente alternada

Parte A: Circuitos RC com corrente alternada Circuitos RC e RL com Corrente Alternada 6 Parte A: Circuitos RC com corrente alternada 6.1 Material osciloscópio; multímetro digital; gerador de sinais; resistor de 10 Ω; capacitor de 2,2 µf. 6.2 Introdução

Leia mais

R + b) Determine a função de transferência de malha fechada, Y (s)

R + b) Determine a função de transferência de malha fechada, Y (s) FUP IC Teoria do Controlo xercícios Análise de Sistemas ealimentados Teoria do Controlo xercícios Análise de Sistemas ealimentados AS Considere o sistema da figura ao lado: a) Determine a função de transferência

Leia mais

Lab. Eletrônica: Oscilador senoidal usando amplificador operacional

Lab. Eletrônica: Oscilador senoidal usando amplificador operacional Lab. Eletrônica: Oscilador senoidal usando amplificador operacional Prof. Marcos Augusto Stemmer 27 de abril de 206 Introdução teórica: Fasores Circuitos contendo capacitores ou indutores são resolvidos

Leia mais

Aula 9. Carlos Amaral Cristiano Quevedo Andrea. UTFPR - Universidade Tecnológica Federal do Paraná DAELT - Departamento Acadêmico de Eletrotécnica

Aula 9. Carlos Amaral Cristiano Quevedo Andrea. UTFPR - Universidade Tecnológica Federal do Paraná DAELT - Departamento Acadêmico de Eletrotécnica Aula 9 Carlos Amaral Cristiano Quevedo Andrea UTFPR - Universidade Tecnológica Federal do Paraná DAELT - Departamento Acadêmico de Eletrotécnica Curitiba, Abril de 2012. Resumo 1 Introdução - Estabilidade

Leia mais

Teoria dos Circuitos e Fundamentos de Electrónica

Teoria dos Circuitos e Fundamentos de Electrónica Teoria dos ircuitos e Fundamentos de Electrónica Teoria dos ircuitos Representação das Grandezas Alternadas Sinusoidais As grandezas de variação alternada sinusoidal podem representar-se na forma u(t)=u

Leia mais

Experiência 4 - Sinais Senoidais e Fasores

Experiência 4 - Sinais Senoidais e Fasores ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia de Sistemas Eletrônicos PSI 3212 LABORATÓRIO DE CIRCUITOS ELÉTRICOS Edição 2017 Cinthia Itiki, Inés Pereyra, Marcelo Carreño Experiência

Leia mais

Sinais e Sistemas Unidade 5 Representação em domínio da frequência para sinais contínuos: Transformada de Laplace

Sinais e Sistemas Unidade 5 Representação em domínio da frequência para sinais contínuos: Transformada de Laplace Sinais e Sistemas Unidade 5 Representação em domínio da frequência para sinais contínuos: Transformada de Laplace Prof. Cassiano Rech, Dr. Eng. rech.cassiano@gmail.com Prof. Rafael Concatto Beltrame, Me.

Leia mais

Aula 11. Cristiano Quevedo Andrea 1. Curitiba, Outubro de DAELT - Departamento Acadêmico de Eletrotécnica

Aula 11. Cristiano Quevedo Andrea 1. Curitiba, Outubro de DAELT - Departamento Acadêmico de Eletrotécnica Aula 11 Cristiano Quevedo Andrea 1 1 UTFPR - Universidade Tecnológica Federal do Paraná DAELT - Departamento Acadêmico de Eletrotécnica Curitiba, Outubro de 2011. Resumo 1 Introdução - Lugar das Raízes

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Engenharia Informática e de Computadores

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Engenharia Informática e de Computadores Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Engenharia Informática e de Computadores Teoria dos Sinais e dos Sistemas O procedimento de Gram-Schmidt: definição, exemplos e aplicações Artur Ferreira {arturj@isel.pt}

Leia mais

Circuitos Elétricos I EEL420

Circuitos Elétricos I EEL420 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuitos Elétricos I EEL420 Conteúdo 2 - Elementos básicos de circuito e suas associações...1 2.1 - Resistores lineares e invariantes...1 2.1.1 - Curto circuito...2

Leia mais

ANÁLISE DE SINAIS DINÂMICOS

ANÁLISE DE SINAIS DINÂMICOS ANÁLISE DE SINAIS DINÂMICOS Paulo S. Varoto 7 . - Classificação de Sinais Sinais dinâmicos são geralmente classificados como deterministicos e aleatórios, como mostra a figura abaixo: Periódicos Determinísticos

Leia mais

I-6 Sistemas e Resposta em Frequência

I-6 Sistemas e Resposta em Frequência I-6 Sistemas e Resposta em Frequência Comunicações 1 Sumário 1. A função especial delta-dirac 2. Sistemas 3. Resposta impulsional e resposta em frequência 4. Tipos de filtragem 5. Associação de sistemas

Leia mais

Circuitos Elétricos Ativos, análise via transformada de Laplace

Circuitos Elétricos Ativos, análise via transformada de Laplace Circuitos Elétricos Ativos, análise via transformada de Laplace Carlos Eduardo de Brito Novaes carlosnov@gmail.com 8 de maio de 0 Introdução Utilizando a transformada de Laplace, a modelagem dinâmica de

Leia mais

Representação de Fourier para Sinais 1

Representação de Fourier para Sinais 1 Representação de Fourier para Sinais A representação de Fourier para sinais é realizada através da soma ponderada de funções senoidais complexas. Se este sinal for aplicado a um sistema LTI, a saída do

Leia mais

Resumo. Sinais e Sistemas Representação de Sinais Periódicos em Séries de Fourier. Objectivo. Função Própria de um Sistema

Resumo. Sinais e Sistemas Representação de Sinais Periódicos em Séries de Fourier. Objectivo. Função Própria de um Sistema Resumo Sinais e Sistemas Representação de Sinais Periódicos em Séries de Fourier lco@ist.utl.pt Instituto Superior Técnico Resposta de SLITs a exponenciais complexas Série de Fourier de sinais contínuos

Leia mais

B e sabendo que.( ) = 0 B = A (A é o vector potencial magnético) ( A) A t

B e sabendo que.( ) = 0 B = A (A é o vector potencial magnético) ( A) A t Campos variáveis no tempo e equações de Maxwell - 1 o Funções potenciais A divergência de um campo magnético é zero. 0 podemos escrever: B e sabendo que.( ) 0 B A (A é o vector potencial magnético) ( A)

Leia mais

Funções de Green. Prof. Rodrigo M. S. de Oliveira UFPA / PPGEE

Funções de Green. Prof. Rodrigo M. S. de Oliveira UFPA / PPGEE Funções de Green Prof. Rodrigo M. S. de Oliveira UFPA / PPGEE Funções de Green Suponha que queremos resolver a equação não-homogênea no intervalo a x b, onde f (x) é uma função conhecida. As condições

Leia mais

Resposta dos Exercícios da Apostila

Resposta dos Exercícios da Apostila Resposta dos Exercícios da Apostila Carlos Eduardo de Brito Novaes carlos.novaes@aedu.com 5 de setembro de 0 Circuitos Elétricos. Passivos a) b) V o (s) V i (s) 64s + 400 s + 96s + 400, v o ( ) v i ( )

Leia mais

Se no terminal b do circuito for conectado um terceiro componente, como na figura abaixo, os resistores R 1 e R 2 não estarão mais em série.

Se no terminal b do circuito for conectado um terceiro componente, como na figura abaixo, os resistores R 1 e R 2 não estarão mais em série. Circuitos em Série Um circuito consiste em um número qualquer de elementos unidos por seus terminais, com pelo menos um caminho fechado através do qual a carga possa fluir. Dois elementos de circuitos

Leia mais

Introdução aos Circuitos Elétricos

Introdução aos Circuitos Elétricos Introdução aos Circuitos Elétricos A Transformada de Laplace Prof. Roberto Alves Braga Jr. Prof. Bruno Henrique Groenner Barbosa UFLA - Departamento de Engenharia A Transformada de Laplace História Pierri

Leia mais

Sinais e Sistemas Discretos

Sinais e Sistemas Discretos Sinais e Sistemas Discretos Luís Caldas de Oliveira Resumo 1. Sinais em Tempo Discreto 2. Sistemas em Tempo Discreto 3. Sistemas Lineares e Invariantes no Tempo 4. Representações em requência 5. A Transformada

Leia mais

SC1 Sistemas de Controle 1. Cap. 2 - Estabilidade Prof. Tiago S Vítor

SC1 Sistemas de Controle 1. Cap. 2 - Estabilidade Prof. Tiago S Vítor SC1 Sistemas de Controle 1 Cap. 2 - Estabilidade Prof. Tiago S Vítor Sumário 1. Introdução 2. Critério de Routh-Hurwitz 3. Critério de Routh-Hurwitz: Casos Especiais 4. Projeto de Estabilidade via Routh-Hurwitz

Leia mais

Programa de engenharia biomédica

Programa de engenharia biomédica Programa de engenharia biomédica princípios de instrumentação biomédica COB 781 Conteúdo 2 - Elementos básicos de circuito e suas associações...1 2.1 - Resistores lineares e invariantes...1 2.1.1 - Curto

Leia mais

Teorema da superposição

Teorema da superposição Teorema da superposição Esse teorema é mais uma ferramenta para encontrar solução de problemas que envolvam mais de uma fonte que não estejam em paralelo ou em série. A maior vantagem desse método é a

Leia mais

Parte I O teste tem uma parte de resposta múltipla (Parte I) e uma parte de resolução livre (Parte II)

Parte I O teste tem uma parte de resposta múltipla (Parte I) e uma parte de resolução livre (Parte II) Instituto Superior Técnico Sinais e Sistemas o teste 4 de Novembro de 0 Nome: Número: Duração da prova: horas Parte I O teste tem uma parte de resposta múltipla (Parte I) e uma parte de resolução livre

Leia mais

RESPOSTA EM FREQUÊNCIA: DIAGRAMA DE BODE

RESPOSTA EM FREQUÊNCIA: DIAGRAMA DE BODE RESPOSTA EM FREQUÊNCIA: DIAGRAMA DE BODE CCL Profa. Mariana Cavalca Baseado em: MAYA, Paulo Álvaro; LEONARDI, Fabrizio. Controle essencial. São Paulo: Pearson, 2011. OGATA, Katsuhiko. Engenharia de controle

Leia mais

IMPEDÂNCIA Impedância

IMPEDÂNCIA Impedância IMPEDÂNCIA Em um circuito real a resistência elétrica, que é propriedade física dos materiais que o constituem, está sempre presente. Ela pode ser minimizada, mas não eliminada. Portanto, circuitos indutivos

Leia mais

PMR3404 Controle I Aula 2

PMR3404 Controle I Aula 2 PMR3404 Controle I Aula 2 Pólos e zeros, Estabilidade, Critério de Estabilidade de Routh-Hurwitz Newton Maruyama 16 de março de 2017 PMR-EPUSP Introdução Introdução O cálculo da resposta no domínio do

Leia mais

ESTV DEE Teoria dos Circuitos e do Sinal

ESTV DEE Teoria dos Circuitos e do Sinal Teoria dos Circuitos e do Sinal Teoria dos Circuitos e do Sinal Docente Luís Filipe Carvalho Simões Gabinete 15 E-mail lfcsimoes@estv.ipv.ptpt Página pessoal www.estv.ipv.pt/paginaspessoais/lfcsimoespt/paginaspessoais/lfcsimoes

Leia mais

Ficha Técnica 4 Introdução à Eletrónica

Ficha Técnica 4 Introdução à Eletrónica Ficha Técnica 4 Introdução à Eletrónica 7. Análise de circuitos em Corrente Alternada 7. Grandezas variáveis no tempo Nas fichas técnicas anteriores, os circuitos foram analisados considerando que a fonte

Leia mais

Capítulo 3. Função de transferência e dinâmicas dos sistemas (Parte D, continuação)

Capítulo 3. Função de transferência e dinâmicas dos sistemas (Parte D, continuação) DINÂMICA DE SISTEMAS BIOLÓGICOS E FISIOLÓGICOS Capítulo 3 Função de transferência e dinâmicas dos sistemas (Parte D, continuação) Juntando agora os três casos numa só figura, A resposta y(t) classifica-se

Leia mais

Processamento Digital de Sinais - ENG420

Processamento Digital de Sinais - ENG420 Processamento Digital de Sinais - ENG420 Fabrício Simões IFBA 24 de setembro de 2016 Fabrício Simões (IFBA) Processamento Digital de Sinais - ENG420 24 de setembro de 2016 1 / 19 1 Transformada Z - Conceito

Leia mais

Análise de Sinais no Tempo Contínuo: A Série de Fourier

Análise de Sinais no Tempo Contínuo: A Série de Fourier Análise de Sinais no Tempo Contínuo: A Série de Fourier Edmar José do Nascimento (Análise de Sinais e Sistemas) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Universidade Federal do Vale do São Francisco

Leia mais

5 Transformadas de Laplace

5 Transformadas de Laplace 5 Transformadas de Laplace 5.1 Introdução às Transformadas de Laplace 4 5.2 Transformadas de Laplace definição 5 5.2 Transformadas de Laplace de sinais conhecidos 6 Sinal exponencial 6 Exemplo 5.1 7 Sinal

Leia mais

NÚMEROS COMPLEXOS. Prof. Edgar Zuim (*)

NÚMEROS COMPLEXOS. Prof. Edgar Zuim (*) NÚMEROS COMPLEXOS Prof. Edgar Zuim (*) 1 Conteúdo 1 - Introdução... 3 - Relações do fasor com a forma retangular... 4 3 - Operações com números complexos... 5 4 - Conversões de forma retangular/polar e

Leia mais

Fundamentos de Controlo

Fundamentos de Controlo Fundamentos de Controlo 4 a Série Root-locus: traçado, análise e projecto. S4.1 Exercícios Resolvidos P4.1 Considere o sistema de controlo com retroacção unitária representado na Figura 1 em que G(s) =

Leia mais

Conteúdo programático: Quadripolos. Notas de aula e exercícios: 1. Apresentação do Tópico

Conteúdo programático: Quadripolos. Notas de aula e exercícios: 1. Apresentação do Tópico Conteúdo programático: Quadripolos Notas de aula e exercícios: 1. Apresentação do Tópico Um dos principais métodos de análise de circuitos consiste na substituição de blocos complexos em circuitos equivalentes

Leia mais

Professor Msc. Leonardo Henrique Gonsioroski

Professor Msc. Leonardo Henrique Gonsioroski Professor Msc. Leonardo Henrique Gonsioroski Professor Leonardo Henrique Gonsioroski UNIVERSIDADE GAMA FILHO PROCET DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CONTROLE E AUTOMAÇÃO Definições Um sistema que estabeleça

Leia mais

I Controle Contínuo 1

I Controle Contínuo 1 Sumário I Controle Contínuo 1 1 Introdução 3 1.1 Sistemas de Controle em Malha Aberta e em Malha Fechada................ 5 1.2 Componentes de um sistema de controle............................ 5 1.3 Comparação

Leia mais

5. Síntese de leis de controlo usando técnicas polinomiais

5. Síntese de leis de controlo usando técnicas polinomiais 1 5. Síntese de leis de controlo usando técnicas polinomiais Objectivo: Projectar controladores discretos lineares por colocação de pólos, recorrendo a descrições entrada/saída do processo Referência:

Leia mais

Função de Transferência do Amplificador re- alimentado

Função de Transferência do Amplificador re- alimentado p. 1/2 Resumo Efeito da Realimentação nos Pólos do Amplificador Amplificador só com um Pólo Amplificador com dois Pólos Amplificador com três ou mais Pólos Estabilidade usando Diagramas de Bode Compensação

Leia mais

Sinais e Sistemas 2 o trabalho de laboratório Série de Fourier e transformada de Fourier Preparação Prévia. 1 Introdução. 2 Sinais periódicos

Sinais e Sistemas 2 o trabalho de laboratório Série de Fourier e transformada de Fourier Preparação Prévia. 1 Introdução. 2 Sinais periódicos Sinais e Sistemas 2 o trabalho de laboratório Série de Fourier e transformada de Fourier Preparação Prévia Grupo n o Alunos n o e n o 1 Introdução Neste trabalho irá lidar com representações de sinais

Leia mais

PROJETO DE CONTROLADORES A PARTIR DO PLANO S. critério Routh-Hurwitz análise de estabilidade análise de desempenho

PROJETO DE CONTROLADORES A PARTIR DO PLANO S. critério Routh-Hurwitz análise de estabilidade análise de desempenho PROJETO DE CONTROLADORES A PARTIR DO PLANO S critério Routh-Hurwitz análise de estabilidade análise de desempenho Critério Routh-Hurwitz: análise da estabilidade Sistemas de primeira ordem: 1 x o (t)=

Leia mais

Seja (X,Y) uma v.a. bidimensional contínua ou discreta. Define-se valor esperado condicionado de X para um dado Y igual a y da seguinte forma:

Seja (X,Y) uma v.a. bidimensional contínua ou discreta. Define-se valor esperado condicionado de X para um dado Y igual a y da seguinte forma: 46 VALOR ESPERADO CONDICIONADO Seja (X,Y) uma v.a. bidimensional contínua ou discreta. Define-se valor esperado condicionado de X para um dado Y igual a y da seguinte forma: Variável contínua E + ( X Y

Leia mais

Sistemas Lineares e Invariantes: Tempo Contínuo e Tempo Discreto

Sistemas Lineares e Invariantes: Tempo Contínuo e Tempo Discreto Universidade Federal da Paraíba Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Sistemas Lineares e Invariantes: Tempo Contínuo e Tempo Discreto Prof. Juan Moises Mauricio Villanueva jmauricio@cear.ufpb.br

Leia mais

Introdução Diagramas de Bode Gráficos Polares Gráfico de Amplitude em db Versus Fase. Aula 14. Cristiano Quevedo Andrea 1

Introdução Diagramas de Bode Gráficos Polares Gráfico de Amplitude em db Versus Fase. Aula 14. Cristiano Quevedo Andrea 1 Cristiano Quevedo Andrea 1 1 UTFPR - Universidade Tecnológica Federal do Paraná DAELT - Departamento Acadêmico de Eletrotécnica Curitiba, Outubro 2012. 1 / 48 Resumo 1 Introdução 2 Diagramas de Bode 3

Leia mais

FASORES E NÚMEROS COMPLEXOS

FASORES E NÚMEROS COMPLEXOS Capítulo FSORES E NÚMEROS COMPLEXOS. Introdução.1 Fasor.1.1 Representação Fasorial de uma Onda Senoidal e Co-senoidal.1. Diagramas Fasoriais. Sistema de Números Complexos..1 Plano Complexo.. Operador j.3

Leia mais

Sistemas e Sinais (LEE & LETI)

Sistemas e Sinais (LEE & LETI) Sistemas e Sinais (LEE & LETI) Laboratório nº 3: Sistemas Contínuos Modelo de Estado e Função de Transferência Preparado por Isabel Lourtie pfpfpf Trabalho Experimental pfpfpf Grupo nº Turno Nº Nome: Nº

Leia mais

Capítulo 2: Modelos Matemáticos de Sistemas -Sinais e Sistemas 1 -

Capítulo 2: Modelos Matemáticos de Sistemas -Sinais e Sistemas 1 - Modelos Matemáticos de Sistemas -Sinais e Sistemas 1 - Objetivos Sinais Sistemas 1 Sistemas Eletro Entender o que significa fisicamente e matematicamente a transformada de Laplace Encontrar a transformada

Leia mais

Experimento 7 Circuitos RC em corrente alternada

Experimento 7 Circuitos RC em corrente alternada 1. OBJETIVO Experimento 7 Circuitos RC em corrente alternada O objetivo desta aula é estudar o comportamento de circuitos RC em presença de uma fonte de alimentação de corrente alternada.. 2. MATERIAL

Leia mais

Transformadas de Laplace Engenharia Mecânica - FAENG. Prof. Josemar dos Santos

Transformadas de Laplace Engenharia Mecânica - FAENG. Prof. Josemar dos Santos Engenharia Mecânica - FAENG SISTEMAS DE CONTROLE Prof. Josemar dos Santos Sumário Transformadas de Laplace Teorema do Valor Final; Teorema do Valor Inicial; Transformada Inversa de Laplace; Expansão em

Leia mais