A ANÁLISE DE CADEIA DE VALOR COMO FERRAMENTA DE CRIAÇÃO DE VALOR: UM ENSAIO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE COST DRIVERS E VALUE DRIVERS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A ANÁLISE DE CADEIA DE VALOR COMO FERRAMENTA DE CRIAÇÃO DE VALOR: UM ENSAIO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE COST DRIVERS E VALUE DRIVERS"

Transcrição

1 IX CONVENÇÃO DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL Gramado RS 13 a 15 de agosto de 2003 A ANÁLISE DE CADEIA DE VALOR COMO FERRAMENTA DE CRIAÇÃO DE VALOR: UM ENSAIO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE COST DRIVERS E VALUE DRIVERS POUERI DO CARMO MÁRIO Contador CRCMG Rua Castelo Elvas, 325 / 201 Castelo Belo Horizonte MG (31) WELLIGTON ROCHA Colaborador

2 A análise de cadeia de valor como ferramenta de criação de valor: um ensaio sobre a relação entre Cost Drivers e Value Drivers 1 RESUMO Ao se focar em avaliar as atividades de valor para fins de obtenção de vantagem competitiva, analisando-se a Cadeia de Valor, busca-se também a Criação de Valor. A precificação das ações pelo mercado é a maneira de atribuir à produtividade da empresa a vantagem competitiva sustentável. Assim, a produtividade é o elo de ligação entre vantagem competitiva e criação de valor. Através do controle tanto de cost drivers quanto de value drivers é possível identificar a nãoexcludência entre ambas, ao contrário, verifica-se que a utilização de uma induz a utilização da outra, o que pode ser observado através de uma análise comparada entre táticas e posicionamentos exigidos em ambos os casos. Palavras-chaves: Cadeia de Valor, Vantagem Competitiva, Criação de Valor, Cost Drivers; Value Drivers.

3 A análise de cadeia de valor como ferramenta de criação de valor: um ensaio sobre a relação entre Cost Drivers e Value Drivers 2 INTRODUÇÃO Na leitura da obra de Michael Porter, Vantagem Competitiva, implicitamente pode-se identificar como questão (uma das) de sua pesquisa a seguinte: como sistematizar as origens do custo e da diferenciação das empresas que geram a vantagem competitiva para essas? (Porter, 1989:xvi) O autor parte da premissa de que as atividades das empresas são o pilar da vantagem competitiva, sendo essas as consumidoras de custos e criadoras de valor para o cliente da empresa. O foco nas atividades permite que se descreva... o modo como uma empresa emprega seu tempo e recursos para alcançar objetivos empresariais (Brimson, 1996:63). Para Brimson (1996:63) as atividades devem converter recursos em produtos 1, em conformidade com a proposição de Porter (1989:34), que as considera como atividades de valor (física e tecnologicamente distintas) quando, ao serem desenvolvidas pelas empresas, criam produtos valiosos para os compradores. RECURSOS ATIVIDADES PRODUTOS Tanto as atividades ligadas diretamente à criação física ou a venda do produto, quanto as que dão suporte a essas são consideradas nesse contexto de análise. As primeiras atividades são denominadas primárias, ou operacionais, e as demais como de apoio, ou organizacionais, sendo possível tipificá-las em atividades diretas (de produção), indiretas (apoio às diretas) e de garantia da qualidade (de outras atividades). Assim, Porter considerou que para identificar as origens de custos e de diferenciação, duas opções nãoexcludentes de posicionamento estratégico das empresas, deveria ser realizada a Análise da Cadeia de Valores na qual a empresa estivesse inserida. Por que vantagem competitiva sustentável? Pois, assim se garante aos stakeholders (agentes) a geração de valor para suas atividades, sendo necessário identificar o impacto que ocorrerá na Criação de Valor para todos eles (acionistas e demais agentes), em caso de eventos que venham a ocorrer na cadeia de valor. Portanto, ao se focar em avaliar as atividades de valor para fins de obtenção de vantagem competitiva, buscou-se também, mesmo que não explicitamente, a criação de valor para os stakeholders 2. 1 O termo produto deve ser entendido como bens fabricados e/ou serviços prestados, abrangendo todo tipo possível de empresas, ao se considerar serviços como bens intangíveis. 2 Assume-se essa afirmação como premissa para o estudo aqui apresentado.

4 A análise de cadeia de valor como ferramenta de criação de valor: um ensaio sobre a relação entre Cost Drivers e Value Drivers 3 Cadeia de valor e vantagem competitiva Segundo Novaes (2001:184), o conceito de cadeia de valor foi desenvolvido 3 por Porter. O conceito é de muita simplicidade e por isso, talvez, mostre-se tão importante no contexto econômico-social em que se inserem as empresas, com a crescente globalização dos negócios e mercados. Para Porter (1989:33), toda empresa é uma reunião de atividades que são executadas para projetar, produzir, comercializar, entregar e sustentar seu produto. Todas estas atividades podem ser representadas, fazendo-se uso de uma cadeia de valores.... Essa exposição do autor indica, em primeira mão, apenas 4 a idéia de avaliar a cadeia interna da empresa, a qual é formada pelas atividades operacionais e organizacionais já citadas. A idéia básica que subsidia esse conceito não é de autoria de Porter, mas há muito tempo já estava sendo analisada. Fala-se aqui dos conceitos da Teoria Geral de Sistemas, que tem como precursor o Prof. Ludwig von Bertalanffy 5 e seus trabalhos, teoria essa que apresenta a empresa como um sistema, inserido esse último em um ambiente ou macro-sistema. Assim, deve-se ter em mente uma visão sistêmica: enxergar mais do que as áreas ou atividades isoladamente, mais do que os limites da empresa (Cadeia de Valor Interna)! A empresa faz parte de um todo maior (um sistema amplo), e esse é que deve ser otimizado para gerar maior valor para o cliente e, conseqüentemente, maior lucratividade na cadeia (Cadeia de Valor Externa). Nas palavras de Porter (1989:31): a cadeia de valores desagrega uma empresa nas suas atividades de relevância estratégica para que se possa compreender o comportamento dos custos e as fontes existentes e potenciais de diferenciação. Uma empresa ganha vantagem competitiva, se conseguir desempenhar essas atividades estratégicas de uma maneira melhor e mais barata que a concorrência. Pode-se, então, caminhar para um avanço em definição ao verificarmos a proposição de Shank & Govindarajan (1993:13), de que a cadeia de valor para qualquer empresa, em qualquer negócio, é o conjunto interligado de todas as atividades que criam valor, desde uma fonte básica de matériasprimas, passando por fornecedores de componentes, até a entrega do produto final às mãos do consumidor. Ainda é possível uma contribuição à definição anterior, ao se considerar os gastos com descarte dos produtos que os consumidores adquirem. Dessa forma, com uma visão focada no cliente/consumidor, 3 Entendemos que foi mais uma junção de conceitos e o desenvolvimento de uma teoria completa do que realmente uma criação, visto que implicitamente em várias textos clássicos de economia essa idéia ressalta. Ele tem o mérito de apresentá-la em detalhes até então não discutidos. 4 Há algumas exposições de que o seu conceito de cadeia de valor ficou muito limitado, mas em sua obra é possível perceber que na verdade a sua visão é de toda a cadeia de valor da empresa, compreendendo fornecedores, distribuidores e consumidores. 5 Citam-se também as obras de Churchman, sobre a Teoria dos Sistemas, e a de Goldratt, que desenvolveu os conceitos da Teoria das Restrições (TOC), fundamentada no conceito de visão sistêmica para a empresa.

5 A análise de cadeia de valor como ferramenta de criação de valor: um ensaio sobre a relação entre Cost Drivers e Value Drivers 4 pode-se considerar que a cadeia de valor é uma seqüência de atividades desde a origem de recursos até o descarte final de determinado produto. Portanto, tem-se uma visão bastante abrangente do conceito, que pode considerar desde a fase da extração de matéria-prima até o tratamento final que é dado ao produto, por exemplo, num enfoque de ciclo de vida do produto. A figura a seguir apresenta graficamente essa idéia. Cadeias de Valores Cadeia Cadeia Cadeia de valor valor dos valor dos dos fornecedores Cadeia Cadeia Cadeia de valor valor da valor da da empresa empresa empresa Cadeia Cadeia Cadeia de valor valor de valor de de distribuição distribuição Atividades primárias (operacionais) Distribuições, Produção, Vendas, Serviços Atividades de apoio (organizacionais) Fornecer infra-estrutura, desenvolver tecnologia, gerir recursos humanos. M A R G E M D E L U C R O Cadeia Cadeia Cadeia de valor valor dos valor dos dos compradores compradores s Cadeia Cadeia Cadeia de valor valor de valor de de reciclagem reciclagem / / / descarte descarte descarte Adaptado de Value chain analysis for assessing competitive advantage. CMA/IMA/CMA-I, nº 41, 1996, p.4. Verifica-se, portanto, que a idéia de cadeia de valor é fundamental para a análise do posicionamento estratégico de uma empresa, para fins de obter vantagem competitiva. Considerando como vantagem competitiva o valor que uma empresa cria para seu cliente, ou seja, um valor melhor (custo ou diferencial) do que o de seu concorrente, a análise via cadeia de valor possibilita uma identificação de como se posicionar estrategicamente em seu setor.

6 A análise de cadeia de valor como ferramenta de criação de valor: um ensaio sobre a relação entre Cost Drivers e Value Drivers 5 Definir uma estratégia relaciona-se com a tomada de uma decisão que afete o posicionamento no mercado e a sobrevivência futura de uma empresa, em que dois aspectos precisam ser avaliados (Porter, 1989:1): a atratividade (rentabilidade de longo prazo) e a posição relativa no segmento (empresas mais rentáveis do que a média). Quanto à atratividade, a necessidade de uma rentabilidade é condição fundamental para a continuidade de uma organização, sendo, pois, necessário identificar meios para a manutenção dessa em toda sua existência (visão de longo prazo). Alia-se a esse aspecto a posição relativa no segmento que determinará a maneira de agir da empresa em relação às demais do setor. Porter (1989:10) apresenta como estratégias competitivas três formas: a liderança de custos, a diferenciação de produtos e o enfoque. Com a estratégia de custos se busca oferecer um valor melhor ou igual aos clientes a um custo menor que o dos concorrentes, isto é, melhorar a relação custo x benefício para o cliente, enquanto na diferenciação procura-se oferecer algo que não é fornecido aos clientes pelos concorrentes, esperando-se obter um valor-prêmio para cobrir eventuais aumentos dos custos. Quanto ao enfoque, esse deve ser entendido como um escopo competitivo focalizado, em que a empresa deve selecionar um conjunto de clientes ou de mercado em que as competências dela sejam superiores às dos concorrentes, adotando um enfoque de custo e/ou de diferenciação. Essas estratégias não são excludentes umas das outras, mas complementares, pois, após a adoção de uma posição de líder de custo, uma empresa pode tornar-se uma líder de seu segmento, com produtos diferenciados para nichos específicos. Assim, não existe a melhor mas a combinação dessas para a obtenção e sustentabilidade da vantagem competitiva, optando-se por um posicionamento estratégico eficiente, como indicam Kaplan & Norton apud Hansen & Mowen (2001:424): selecionar os segmentos de mercado e clientes que a unidade de negócios intenta atender, identificar os processos internos críticos do negócio em que a unidade precisa se destacar para entregar as proposições de valor aos clientes nos segmentos-alvo do mercado, e selecionar as capacidades individuais e organizacionais necessárias para os objetivos internos, financeiros e do cliente. Nesse contexto, a contabilidade tem papel relevante, por ser a fonte captadora de dados e geradora de informações das empresas, devendo assumir seu papel de Controladoria e fornecer um Sistema de Informações Gerenciais, propiciando uma visão sistêmica da entidade. Gestão Estratégica de Custos e a Análise da Cadeia de Valor De acordo com Shank & Govindarajan (1993:6), a contabilidade existe na administração, principalmente para facilitar o desenvolvimento e a implementação da estratégia empresarial. Pode

7 A análise de cadeia de valor como ferramenta de criação de valor: um ensaio sobre a relação entre Cost Drivers e Value Drivers 6 parecer uma função humilde, mas já é por demais suficiente para exaustivos trabalhos do contador gerencial! Tanto Porter quanto Shank & Govindarajan criticam a contabilidade tradicional de custos (ou gerencial), que utiliza o conceito de valor agregado para fins de produzir informações para o posicionamento estratégico da empresa. Segundo Shank & Govindarajan (1993:54-55), um grande problema naquela contabilidade é que começa tarde e termina muito cedo. Dizem isso, porque consideram que a contabilidade gerencial baseada no valor agregado trata os custos apenas dentro da estrutura da empresa, ou dentro de suas paredes. Assim, diversas oportunidades de agregação e criação de valor para os consumidores não são percebidas e podem ser perdidas. A tabela a seguir mostra uma comparação da percepção desses autores sobre as diferenças entre as duas formas de análise de custos. Análise de Cadeia de Valores versus Contabilidade Gerencial Tradicional Contabilidade Tradicional Cadeia de Valores Foco Interno Interno e Externo Perspectiva Valor adicionado Conjunto de atividades ligadas desde fornecedores até consumidor final Conceito de Simplificado: custo é função do Múltiplos: estruturais (escala, Cost Driver volume experiência e tecnologia), Níveis totais da empresa: análise execução (gestão participativa, TQM custo-volume-lucro e layout) ou operacionais (testar,montar) Conjunto de cost drivers para cada atividade de valor Filosofia Redução de custos através de Visão de custos restrita às funções de custos "reuniões de conselho" dos cost drivers das atividades Explorar ligaçôes com fornecedores e clientes Explorar ligações entre as atividades internas da empresa (Gaste para economizar) Informações Um pouco limitadas Identificar cost drivers das atividades para decisões individuais e revelar vantagens estratégicas de custo / diferenciação através do controle daqueles, de maneira superior aos competidores, ou da reconfiguração da cadeia de valores. Perguntar para cada atividade de valor, questões pertinentes, como: fazer ou comprar e integrações com fornecedores ou clientes. Quantificar e avaliar o poder de fornecedores e compradores, explorando ligações possíveis. Adaptado de IMA, CMA & CAM I (1996:44) - Trad.Livre A análise de custos da cadeia de valor precisa ser realizada com conceitos diferentes do valor agregado, precisando identificar custos em relação às atividades de toda a cadeia. Assim, a proposta apresentada pela Contabilidade por Atividades, que utiliza o conceito do ABC (Activity-Based Costing), é bastante útil neste contexto.

8 A análise de cadeia de valor como ferramenta de criação de valor: um ensaio sobre a relação entre Cost Drivers e Value Drivers 7 O aspecto de tratamento de custos tem importância ao ser analisado em conjunto com o do valor gerado pela cadeia, valor esse que é percebido pelo cliente/consumidor ao se dispor em sacrificar o montante solicitado pelo preço do produto. Assim, o valor pode ser medido pela receita total, que é função do preço e número de unidades de produtos vendidos. O conceito de custo nesse contexto é o do Custo Total do Produto (TCO) ou da cadeia como um todo, considerando-se todos os recursos consumidos pelas atividades de valor. Ao se confrontar ambos, valor e custo, obtém-se a margem da cadeia que pode ser analisada em cada uma das fases da cadeia ou no todo. Dessa maneira, a Gestão Estratégica de Custos insere-se aqui com o objetivo de usar dados para desenvolver e identificar estratégias superiores que produzirão uma vantagem competitiva sustentável, subsidiando a gestão da empresa no processo cíclico de: 1) formular estratégias, 2) comunicar essas estratégias por toda a organização, 3) desenvolver e por em prática táticas para implementar as estratégias, e 4) desenvolver e implementar controles para monitorar o sucesso de implementação das etapas e depois o sucesso no alcance dos objetivos estratégicos (Shank & Govindarajan, 1993:6). E por que se proceder à análise da cadeia de valor? Veja a figura na página seguinte com uma esquematização do processo de obtenção de vantagem competitiva. Como o valor dos produtos é gerado durante toda a cadeia de valor, em cada uma das atividades ou fases da cadeia de valor (fornecedores, empresa, distribuição), existe a figura da margem de lucro obtida; essa visão permite avaliar as possibilidades de otimização para obtenção de vantagem competitiva sustentável. A otimização da cadeia de valor deve ser vista sob um prisma sistêmico, em que ótimos isolados não contribuem para melhorar o resultado da cadeia como um todo, segundo premissa da Teoria Geral dos Sistemas e da TOC 6. Assim, necessita-se de um entendimento e aceitação de que cada um dos agentes que compõem as fases da cadeia precisa buscar um processo racional de conduzir seus planos estratégicos e possíveis mudanças em sua posição relativa, sem prejuízo dos demais 7. Novaes (2001: ) expõe sobre a necessidade de parcerias entre os agentes da cadeia, focando sempre o bem-estar do consumidor e a redução do preço final do produto. Assim, o objetivo da cadeia é aumentar a sua participação de mercado (market-share), com aumento concomitante de volume de vendas. 6 Teoria das Restrições. 7 Shank & Govindarajan (1993:14-15) citam um exemplo de mudança em busca de melhoria de resultados de forma isolada, por uma empresa automobilística, que a conduziu ao aumento de custos de seus insumos, por não considerar o impacto que causaria na estrutura de custos de seu fornecedor.

9 A análise de cadeia de valor como ferramenta de criação de valor: um ensaio sobre a relação entre Cost Drivers e Value Drivers 8 Visão estruturada do processo de obtenção de Vantagem Competitiva FOCO ATIVIDADES CUSTOS VALOR ESTRATÉGIA PARA COMO VANTAGEM COMPETITIVA CADEIA DE VALOR ANÁLISE DA CADEIA DE VALOR Adaptado de Vantagem Competitiva, M.Porter (1989). Para isso, a troca de informações é muito importante e aumentar o nível de confiança entre esses agentes deve ser um trabalho contínuo. Porém, Radhakrishnan & Srinidhi (1997:4) apresentam como análise final 8 de seus estudos que a alteração de um regime sem troca de informações para um com troca só ocorre se a parte da margem de lucro da cadeia que cabe ao varejista for maior do que o ganho na venda de informações sobre a demanda. Mesmo assim, consideram vantajosa, para ambos, a migração para um sistema de trocas de informação, que é em muito facilitado pelas modernas tecnologias de transmissão de dados (Radhakrishnan & Srinidhi,1997:25). Verifica-se, assim, que é impreterível uma análise total da estrutura da cadeia de valor, sem a qual decisões isoladas podem comprometer a eficiência e eficácia do todo. Focando-se na análise dos custos da cadeia, independente da estratégia 9 assumida por uma empresa, a bibliografia pertinente ao assunto indica um ponto chave de observação e de controle daqueles: os cost drivers! 8 Essa foi a análise em uma simulação que considerou a troca de informações da demanda esperada entre fabricante e varejista para fins de precificação na cadeia, sob a ótica de conflitos de interesse e busca pela maximização de valores. 9 Ao tratar da estratégia de diferenciação, Porter (1989:115) descreve que a singularidade de uma atividade de valor é determinada por uma série de condutores básicos, os quais denomina condutores de singularidade, considerando-os...análogos aos condutores dos custos....

10 A análise de cadeia de valor como ferramenta de criação de valor: um ensaio sobre a relação entre Cost Drivers e Value Drivers 9 Por que Cost Drivers? Porter (1989:108) apresenta uma série de etapas na análise estratégica de custos de uma cadeia de valor, que Shank & Govindarajan (1993:58) resumem em três pontos específicos, tratados como uma metodologia para a análise da cadeia. Propõem essa metodologia por considerarem (Shank & Govindarajan,1993:54-58) que são os seguintes pontos os merecedores de análise na cadeia de valor: Elos com fornecedores (interação para beneficiar toda a cadeia de fornecimentos); Elos com clientes (explorar a cadeia do canal de distribuição); Elos das atividades internas (otimizar as atividades internas); Elos das unidades de negócio da empresa (otimizar unidades de negócios da empresa). Desse modo, pode-se ter como definição para análise da cadeia de valor a identificação e a exploração de ligações internas e externas com o objetivo de fortalecer a posição estratégica de uma empresa (Hansen & Mowen, 2001:429). Os passos para análise da cadeia de valor são, segundo aqueles autores: 1) Identificar a cadeia de valor da empresa e os custos, receitas e ativos das atividades; 2) Analisar os cost drivers de cada atividade; e 3) Controlar os cost drivers melhor do que os concorrentes ou reconfigurar a cadeia de valor. Ao identificar a cadeia de valor é necessário que essa seja segregada em suas atividades de valor (organizacionais e operacionais), em todas as fases possíveis. Não é uma tarefa fácil, pois necessita de uma integração entre todos os agentes da cadeia, sendo já bastante difícil dentro de uma empresa específica estabelecer essas atividades. Assim, identificadas as atividades, procura-se relacionar a essas os ativos que são utilizados para gerar receitas e seu consumo de custos. Isso possibilitará a obtenção da margem de cada atividade, bem como o retorno que o investimento realizado está gerando. Quanto aos cost drivers, existe o aspecto de análise para entender seu comportamento e como afetam a estrutura de custos, e o de controle que podem conduzir a empresa a tomar decisões que a levem a manter, criar ou modificar sua vantagem competitiva. Os cost drivers devem ser entendidos, conforme a proposição de Porter (1989:62), como... uma série de fatores estruturais que influenciam o custo..., os quais são considerados inter-relacionados entre si, de forma complexa. Em Brimson (1996:85), encontra-se a expressão geradores de custos; Hansen & Mowen (2001:427) expressaram-se como direcionadores de custos organizacionais e em Porter (1989:62) o nome utilizado é de condutores de custos. Talvez, a melhor expressão em português seja

11 A análise de cadeia de valor como ferramenta de criação de valor: um ensaio sobre a relação entre Cost Drivers e Value Drivers 10 determinantes de custos, pois delimitaria o conceito aos fatores estruturais e de execução que determinam a estrutura de custos de longo prazo de uma empresa. Dessa maneira, a denominação direcionador de custo seria mantida para o conceito utilizado pelo ABC quando se refere aos fatores que direcionam o custo das atividades operacionais, em seu dia-a-dia, servindo de base para a mensuração de custos das atividades e dos produtos. Shank & Govindarajan (1993:59) citam a proposição feita por Porter (1989:62) ao listar dez determinantes de custos 10, indicando a existência de melhores listas, segundo trabalho de Riley apud Shank & Govindarajan (1993:59). A estrutura de segregação dos determinantes de custos proposta por Riley é seguida em muitos trabalhos sobre esse tema, a qual divide aqueles em determinantes estruturais e determinantes execucionais. Os determinantes estruturais correspondem aos fatores que determinam a estrutura organizacional, evidenciando decisões de longo prazo, enquanto os determinantes execucionais capturam as decisões operacionais sobre como melhor empregar os recursos para alcançar seus objetivos (IMA, CMA & CAM I, 1996:11). Cost Drivers Organizacionais Cost Drivers Estruturais Número de fábricas, escala, grau de centralização Estilo e filosofia de gestão Número e tipo de unidades de trabalho Nº de linhas de produtos, nº de processos únicos, nº de peças únicos Escopo, poder de compra, poder de venda Tipos de tecnologias do processo, experiência Cost Drivers de Execução Grau de envolvimento de empregados Abordagem da gestão de qualidade Eficiência do layout da fábrica Configuração dos produtos Utilização de capacidade Fonte: Hansen & Mowen (2001:427) Pode-se perceber assim, o impacto que esses causam na estrutura de custos da organização no longo prazo, sendo então importante a sua análise e avaliação para fins de controle e identificação de desenvolvimento de uma vantagem competitiva sustentável. Considerando-os, como Porter, análogos aos condutores de singularidade, percebe-se que impactam a questão de geração de valor e da lucratividade. 10 São eles: Economias de escala, aprendizagem, padrão de utilização da capacidade, elos, inter-relações, integração, momento oportuno, políticas discricionárias, localização e fatores institucionais.

12 A análise de cadeia de valor como ferramenta de criação de valor: um ensaio sobre a relação entre Cost Drivers e Value Drivers 11 Uma conciliação com o conceito de Value Drivers Segundo Porter (1989:62), o diagnóstico dos condutores dos custos de cada atividade de valor permite que uma empresa obtenha um entendimento sofisticado das fontes da posição dos custos relativos e do modo como ela poderia ser modificada. Além disso, afirma que os mesmos condutores determinam a utilização de ativos nas atividades, ou o nível de investimento necessário (pág.76), assim,... pode-se fazer tradeoffs entre a utilização de ativos e os custos operacionais..., com a finalidade de otimizar a combinação de ativos e custos para a redução do custo total. Assim, no item controle dos cost drivers, em que os aspectos de atratividade e rentabilidade precisam ser considerados, pode-se apresentar as seguintes questões que indicam opções possíveis: 1) Como reduzir custos mantendo valor? 2) Como aumentar valor mantendo custos? 3) Como reduzir ativos mantendo custos e valor? Diante das proposições apresentadas no contexto da análise de cadeia de valor, especialmente quando se trata dos cost drivers, pode-se verificar que existe uma ligação com a idéia emanada na proposição feita pela Gestão Baseada no Valor (VBM). Segundo o IMA (1997:2-3)... empresas criadoras de valor tomam decisões que mantém uma proposição balanceada entre os interesses competitivos de todos os agentes [stakeholders]. Portanto, empresas que criam valor ao longo do tempo devem criar valor para todos os stakeholders, satisfazendo seus anseios. Com essa visão baseada em valor, consideram que o valor só é criado quando as receitas excedem todos os custos, inclusive os de capital. Para isso, os gestores devem ter profundo conhecimento sob a performance de variáveis que determinam o valor dos negócios, que são denominadas value drivers. Um determinante ou direcionador de valor é qualquer variável que significativamente afeta o valor da organização, sendo úteis aos gestores quando organizados de forma tal que, esses possam avaliar seus impactos sobre o valor da organização e ajudá-los a conduzir a organização aos seus objetivos (IMA,1997:4). Agregar valor positivo e constante para o acionista (shareholder) é resultado de fluxos de caixa operacionais maiores que os custos de capital, sendo os fluxos determinados pelos value drivers e esses por decisões operacionais e de investimentos tomadas pelo gestor. O fluxo a seguir, mostra a ligação entre os objetivos da empresa e os value drivers, adaptado de Rappaport (2001:77) e IMA (1997:5).

13 A análise de cadeia de valor como ferramenta de criação de valor: um ensaio sobre a relação entre Cost Drivers e Value Drivers 12 Objetivos da empresa e value drivers OBJETIVOS DA Valor adicionado Retorno para o acionista EMPRESA para o acionista -Dividendos -Ganhos de capital COMPONENTES Fluxo de caixa Taxa de Dívida DE AVALIAÇÃO das operações desconto VALUE DRIVERS 1)Duração do 2)Crescimento 5)Investimento em 7)Custo de crescimento em vendas capital de giro capital em valor 3)Margem de 6)Investimento em lucro operacional ativos permanentes 4)Alíquota de imposto de renda DECISÕES Intangíveis Operacionais Investimento Financiamento DA GESTÃO Segundo o IMA (1997:8), esses atributos também criam vantagem competitiva, tornando-se aqui um pré-requisito para a criação de valor aos acionistas. Para criar valor aos acionistas, uma ou mais estratégias podem ser adotadas pelas empresas. Introdução de novos produtos e qualidade superior podem ser vistas como estratégias de diferenciação, ou produtos com qualidade similar a preços mais competitivos como estratégia de custo, são exemplos possíveis, em que, empresas que as empregaram combinadas ou não, com sucesso na obtenção de vantagem competitiva sustentável, conseguiram criar valor para seus acionistas (IMA,1997:7). Lembrando-se que vantagem competitiva é criar valor para o cliente em nível superior ao concorrente, pode-se perceber a necessidade de se aumentar a participação no mercado (market-share) e obter novas receitas que superem os gastos adicionais requeridos na adoção de qualquer estratégia. Assim, ressalta-se que essas estratégias só são criadoras de valor aos acionistas se implementadas em áreas de vantagem competitiva sustentável. Com uma citação do IMA (1997:7) é possível indicar a inter-relação entre a proposta emanada da análise de cadeia de valor e a da criação de valor para o acionista: A ligação entre estratégia e criação de valor pode ser sumarizada por duas regras simples de criação de valor. A primeira regra é que a gestão deve criar valor para seus acionistas. A segunda regra é que todos os outros agentes (stakeholders) também devem ser satisfeitos de maneira que contribuam para o valor dos acionistas. A habilidade da empresa em continuar a atrair capitais que forneçam valor incremental aos acionistas é

14 A análise de cadeia de valor como ferramenta de criação de valor: um ensaio sobre a relação entre Cost Drivers e Value Drivers 13 exatamente o que deverá ser seguido para continuar a prover produtos atrativos para seus clientes, empregos atrativos para seus empregados e oportunidades para seus fornecedores. (Grifo do autor) Pode-se perceber, então, que uma visão sistêmica de toda a cadeia sob uma análise conjunta dos fatores que afetam os custos e os valores das atividades e das empresas é possível (e factível!) de conciliação para fins de atender às duas proposições aqui discutidas. Quando conjugadas as listas de value e cost drivers, de maneira comparativa, verifica-se que a análise de um item leva a análise de outro item na segunda lista e vice-versa! Veja o esquema proposto a seguir. Imaginando uma situação em que exista a necessidade de uma substituição na cadeia de valor da empresa de um fornecedor, sendo esse um evento que afeta toda a cadeia, tem-se que avaliar as opções da empresa em relação a assumir as atividades de fornecimento (do fornecedor e até do fornecedor do fornecedor) e a de trocar de fornecedor. Esses tipos de transações necessitam ser subsidiadas por informações qualitativas, quantitativas (físicas) e financeiras, cujas fontes variam desde as demonstrações contábeis das empresas da cadeia até informações captadas em outras fontes do mercado. De posse dessas informações a análise a ser realizada focará em pontos que são equivalentes tanto no conceito de análise dos cost drivers quanto dos value drivers: o nível de investimento, o tipo de tecnologia, os riscos do negócio, e outros mais, que indicarão a posição tática que a empresa deverá assumir frente às necessidades demandadas para criação de valor e sustentação de vantagem competitiva.

15 A análise de cadeia de valor como ferramenta de criação de valor: um ensaio sobre a relação entre Cost Drivers e Value Drivers 14 Análise conjugada de VALUE DRIVERS e COST DRIVERS Para obter Value Drivers Exigências estratégias Aumentar Receitas e ganhos Barreiras à entrada, nichos de mercado, produtos inovadores. Um incremento no fluxo de caixa das operações Reduzir custos e tributos sobre a renda Redução de investimentos (de capital investido) Economias de escala, acesso exclusivo a matérias-primas, maior eficiência em processos (produção, distribuição, seviços) e utilização de mão-de-obra, planejamento tributário efetivo. Aquisições e manutenções eficientes de ativos, spin-offs, maior taxas de utilização de ativos fixos, gestão eficiente do capital de giro, desinvestimento em ativos que criam valor negativo. Redução do risco do negócio Desempenho operacional consistente e superior comparado aos concorrentes, contratos de longo prazo, project financing. Uma redução no nível de capital Otimização da estrutura de capitais Reduzir custos das dívidas Reduzir custo do capital próprio Obter e manter uma estrutura de capital que minimize os custos globais, otimizar os benefícios fiscais. Reduzir surpresas (volatilidade de lucros), planejar instrumentos de nichos. Criação de valor consistente. Para identificar Cost Drivers Tipificação de decisões e posturas táticas Decisões de longoprazo, posição da empresa em sua indústria e mercado Quão bem uma empresa utiliza seus recursos humanos e físicos, a partir da políca de gestão, estilo e cultura Escala Escopo Experiência ou aprendizagem Tecnologia Complexidade Participação e envolvimento dos trabalhadores Gestão da qualidade total Utilização da capacidade Eficiência do layout da fábrica Configuração do produto Elos entre fornecedores e clientes Adaptado de IMA (1996:12) e IMA (1997:6) Qual o porte do investimento para a fabricação, P&D, marketing e outros recursos? Qual o grau de integração vertical - a integração horizontal é mais relacionada com a escala? Com que freqüência a empresa já fez isto? Que tecnologias de processo são usadas dentro de cada passo da cadeia de valor da empresa? Quão ampla é a linha de produtos ou serviços oferecida aos clientes? O empregado é envolvido em decisões e melhorias de perfomance? Estão os empregados e a gerência empenhados na qualidade total dos processos e dos produtos? Quais são as opções de escala sobre o máximo da planta construída? Quão eficiente, contrário as normas atuais, está o layout da fábrica? O design ou formulação do produto são eficazes? Os elos com os fornecedores e clientes são explorados, de acordo com a cadeia de valor da empresa?

16 A análise de cadeia de valor como ferramenta de criação de valor: um ensaio sobre a relação entre Cost Drivers e Value Drivers Ao contrário do que se pensa, existe uma equivalência entre os objetivos de estabelecer vantagem competitiva e gerar valor para o acionista. Como se pode obter vantagem competitiva oferecendo produtos com menor preço ou valor superior ao consumidor, que deverá resultar em um aumento das receitas de vendas sobre os custos totais, tem-se como base dessa vantagem a produtividade. Essa mesma também é o foco de análise do mercado na precificação da ação, portanto, a análise da capacidade da empresa de criar valor em excedente ao custo de produzi-lo. Conforme Rappaport (2001:91), quando o mercado de ações precifica a ação de uma empresa de acordo com a crença de que ela será capaz de criar valor no longo prazo, ele está atribuindo à produtividade de longo prazo da empresa uma vantagem competitiva sustentável. Assim, a produtividade pode ser o elo de ligação entre vantagem competitiva e criação de valor. Considerações finais Procurou-se desenvolver através deste ensaio uma inter-relação entre a formulação de estratégias para obtenção de vantagem competitiva sustentável e a criação de valor para os acionistas e demais agentes, através da análise da cadeia de valor. Através do controle tanto de cost drivers quanto de value drivers é possível identificar a nãoexcludência entre as metodologias, ao contrário, verifica-se que a utilização de uma induz a utilização da outra, o que pode ser observado através de uma análise comparada entre táticas e posicionamentos exigidos em ambos os casos. Isto posto, novos estudos deveriam ser conduzidos a fim de se desenvolver proposições analíticas modeladas e estudos empíricos que demonstrem o aqui apresentado. Referências Bibliográficas BRIMSON, James A. Contabilidade por atividades. São Paulo: Atlas, HANSEN, Don R. & MOWEN, Maryanne M. Gestão de custos: contabilidade e controle. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, IMA, CMA & CAM I. Value chain analysis for assesing competitive advantage. in Management Accounting Guideline nº41, Ontario: The Society of Management Accountants of Canada, IMA. Measuring and managing shareholder value creation. In SMA nº 4AA, Montvale: IMA, MARTINS, Eliseu. Contabilidade de custos. 7ª ed., São Paulo: Atlas, NOVAES, Antônio Galvão. Logística e gerenciamento da cadeia de distribuição: estratégia, operação e avaliação. Rio de janeiro: Campus, PORTER, Michael E. Vantagem competitiva: criando e sustentando um desempenho superior. 11ª ed., Rio de Janeiro: Campus, RADHAKRISHNAN, Suresh & SRINIDHI, Bin. Information exchange in a value chain: implications for pricing and profitability. [s.ed.]: [s.l], ago RAPPAPORT, Alfred. Gerando valor para o acionista: um guia para administradores e investidores. São Paulo: Atlas, ROCHA, Welington. Contribuição ao Estudo de um Modelo Conceitual de Sistema de Informação de Gestão Estratégica. São Paulo, Tese de doutoramento. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo. SHANK, John K. & GOVINDARAJAN, Vijay. Strategic cost management: the new tool for competitive advantage. New York: The Free Press, 1993.

17 A análise de cadeia de valor como ferramenta de criação de valor: um ensaio sobre a relação entre Cost Drivers e Value Drivers 16

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

O AMBIENTE EMPRESARIAL E A GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS

O AMBIENTE EMPRESARIAL E A GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS O AMBIENTE EMPRESARIAL E A GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS Júlio César Massuda Brasil Faculdade de Ciências Aplicadas de Minas UNIMINAS jmassuda@uniminas.br Vidigal Fernandes Martins Brasil Universidade Federal

Leia mais

A contabilidade gerencial e a gestão de valor nas empresas

A contabilidade gerencial e a gestão de valor nas empresas A contabilidade gerencial e a gestão de valor nas empresas Prof. Mestre Renato silva 1 Resumo: Este artigo tem o propósito de apresentar a importância da contabilidade gerencial no contexto da geração

Leia mais

Autoria: Clóvis Luís Padoveze, Gideon Carvalho de Benedicto, José Eduardo Rodrigues de Sousa

Autoria: Clóvis Luís Padoveze, Gideon Carvalho de Benedicto, José Eduardo Rodrigues de Sousa 1 Sistema de Informação Gerencial para Avaliação Econômica da Cadeia de Valor Autoria: Clóvis Luís Padoveze, Gideon Carvalho de Benedicto, José Eduardo Rodrigues de Sousa Resumo: A adoção do conceito da

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

ABC E BSC FERRAMENTAS IMPORTANTES NA ELABORAÇÃO DE ESTRATÉGIA EMPRESARIAL

ABC E BSC FERRAMENTAS IMPORTANTES NA ELABORAÇÃO DE ESTRATÉGIA EMPRESARIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E GESTÃO ABC E BSC FERRAMENTAS IMPORTANTES NA ELABORAÇÃO DE ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Maria Luiza Grillo Renó Orientador: Professor Edson

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em CONTROLADORIA DE MARKETING

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em CONTROLADORIA DE MARKETING Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em CONTROLADORIA DE MARKETING Inscrições Abertas: Início das aulas: 24/08/2015 Término das aulas: 14/08/2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30

Leia mais

2. Logística. 2.1 Definição de Logística

2. Logística. 2.1 Definição de Logística 2. Logística 2.1 Definição de Logística Por muito tempo a Logística foi tratada de forma desagregada. Cada uma das funções logísticas era tratada independentemente e como áreas de apoio ao negócio. Segundo

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Palavras-chave: Gestão Estratégica de Custos, competitividade, lucratividade

Palavras-chave: Gestão Estratégica de Custos, competitividade, lucratividade GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS COMO FERRAMENTA DE COMPETITIVIDADE NO SETOR MOVELEIRO: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA COIMBRA & FILHOS LTDA. Franciane de Oliveira Alvarenga Especialista em Auditoria e Contabilidade

Leia mais

Evidenciação dos Custos Logísticos nos Relatórios Contábeis. Autores: Hélio Zanquetto Filho Professor doutor da FUCAPE

Evidenciação dos Custos Logísticos nos Relatórios Contábeis. Autores: Hélio Zanquetto Filho Professor doutor da FUCAPE Evidenciação dos Custos Logísticos nos Relatórios Contábeis Autores: Hélio Zanquetto Filho Professor doutor da FUCAPE Giovanna Fornaciari Mestranda da FUCAPE Maria Mariete A. M. Pereira Mestranda da FUCAPE

Leia mais

Planejamento Econômico-Financeiro

Planejamento Econômico-Financeiro Planejamento Econômico-Financeiro São Paulo, Junho de 2011 Esse documento é de autoria da E Cunha Consultoria. A reprodução deste documento é permitida desde que citadas as fontes e a autoria do estudo.

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br Prof. Elias Garcia Bacharel em Ciências Contábeis 1988 Especialização em Contabilidade

Leia mais

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE.

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. Jander Neves 1 Resumo: Este artigo foi realizado na empresa Comercial Alkinda, tendo como objetivo

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão Estratégica de Negócios tem por objetivo desenvolver a

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

Vantagens Competitivas (de Michael Porter)

Vantagens Competitivas (de Michael Porter) Vantagens Competitivas (de Michael Porter) CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: SOARES, Claudio César. Introdução ao Comércio Exterior Fundamentos Teóricos do Comércio Internacional.

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Alexandre Assaf Neto O artigo está direcionado essencialmente aos aspectos técnicos e metodológicos do

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

Informação baseada em atividades integrando a estratégia de operações

Informação baseada em atividades integrando a estratégia de operações Informação baseada em atividades integrando a estratégia de operações José Augusto da Rocha de Araujo (Escola Politécnica da Universidade de São Paulo)jose.augusto@poli.usp.br Reinaldo Pacheco da Costa

Leia mais

Núcleo Comum. Gestão Empresarial. Administração Estratégica Planejamento e o BSC. Prof. Me. Achiles Batista Ferreira Junior

Núcleo Comum. Gestão Empresarial. Administração Estratégica Planejamento e o BSC. Prof. Me. Achiles Batista Ferreira Junior Núcleo Comum Gestão Empresarial Administração Estratégica Planejamento e o BSC Prof. Me. Achiles Batista Ferreira Junior INTRODUÇÃO O ato de planejar e gerenciar pertence ao cotidiano de grande parte dos

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 3 - AS PERSPECTIVAS DO BSC - FINANCEIRA E CLIENTES PLANEJAMENTO E GESTÃO ESTRATÉGICA

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Pós-Graduação Governança dos Negócios: Direito, Economia e Gestão

Pós-Graduação Governança dos Negócios: Direito, Economia e Gestão Pós-Graduação Governança dos Negócios: Direito, Economia e Gestão Turmas de Agosto de 2014 Início das Aulas: 18/08/2014 Termino das Aulas: 31/08/2015 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às 22h30

Leia mais

CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 RESUMO

CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 RESUMO CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 GELAIN, Anna Júlia Lorenzzon 2 ; LORENZETT, Daniel Benitti 3 ; GODOY, Taís Pentiado 4 ; LOSEKANN, Andresa Girardi

Leia mais

GR SOLUÇÕES EMPRESARIAIS IMPULSIONANDO A COMPETITIVIDADE DE SUA EMPRESA

GR SOLUÇÕES EMPRESARIAIS IMPULSIONANDO A COMPETITIVIDADE DE SUA EMPRESA Quem Somos: A GR Soluções Empresarias é uma empresa provedora de soluções corporativas e serviços personalizados em Advocacia, Contabilidade e Tecnologia da Informação, orientada pelos interesses das empresas

Leia mais

A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA

A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA Douglas Prates Magalhães 1 Resumo Uma revisão teórica e rápida conceituação da Logística e Vantagem competitiva. Foco em vantagem

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio Gestão de Custos TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO Métodos de Custeio TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO Formas de Custeio TEORIA DA INFORMAÇÃO MODELOS DE INFORMAÇÃO Sistemas de acumulação A

Leia mais

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu Coordenação Acadêmica: Prof. José Carlos Abreu, Dr. 1 OBJETIVO: Objetivos Gerais: Atualizar e aprofundar

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA AMBIENTAL DAS EMPRESAS POTENCIALMENTE GERADORAS DE PASSIVO AMBIENTAL

GESTÃO FINANCEIRA AMBIENTAL DAS EMPRESAS POTENCIALMENTE GERADORAS DE PASSIVO AMBIENTAL GESTÃO FINANCEIRA AMBIENTAL DAS EMPRESAS POTENCIALMENTE GERADORAS DE PASSIVO AMBIENTAL Autora: Rosália Gonçalves Costa Santos, graduada em Ciências Contábeis pela Faculdade Newton Paiva e mestranda em

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO MBA GESTÃO DE VAREJO 1 - FORMAÇÃO DE PREÇO E ANÁLISE DE MARGEM NO VAREJO: Ementa: Conhecer o conceito de lucro na visão da precificação baseada no custo; demonstrar termos utilizados na formação de preço

Leia mais

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO CONTEÚDO 1 APRESENTAÇÃO 2 PÁGINA 4 3 4 PÁGINA 9 PÁGINA 5 PÁGINA 3 APRESENTAÇÃO 1 O cenário de inovação e incertezas do século 21 posiciona o trabalho

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Matriz Curricular aprovada pela Resolução nº 16/09-CONSUNI, de 1º de dezembro de 2009. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Fase Cód. I

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Financeira e Controladoria

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Financeira e Controladoria Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Financeira e Controladoria Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão Financeira e Controladoria tem por objetivo o fornecimento

Leia mais

Orçamento Empresarial

Orçamento Empresarial Orçamento Empresarial Definição Instrumento que traz a definição quantitativa dos objetivos e o detalhamento dos fatores necessários para atingi -los, assim como o controle do desempenho. Permite acompanhar

Leia mais

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS:

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS: DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS: Contabilidade de Custos e Gerencial CIC 816 Carga Horária: 60 Créditos: 04 Coordenador: Prof. Poueri do Carmo Mário Teoria de Custos (abordagem econômica e contábil). Métodos

Leia mais

O O que é Orçamento Empresarial

O O que é Orçamento Empresarial Orçamento Empresarial Sumário Histórico O O que é Orçamento Empresarial Objetivos Referencial Teórico Quais os orçamentos Empresariais? Vantagens/Desvantagens Elaboração de um orçamento Implantação OE

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

Utilização da Margem de Contribuição: Um enfoque gerencial

Utilização da Margem de Contribuição: Um enfoque gerencial Utilização da Margem de Contribuição: Um enfoque gerencial Manoel Salésio Mattos (UNesc) salesio@unescnet.br Joselito Mariotto (UNESC) joselito@unescnet.br Wilson Antunes Amorim (UNESC) wilson@unescnet.br

Leia mais

MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS

MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS Branding Corporativo O que é Branding. O que é uma marca. História da Marcas. Naming. Arquitetura de Marcas. Tipos de Marcas. Brand Equity. Gestão de Marcas/Branding.

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Fundamentos

Gerenciamento de Projetos Fundamentos Gerenciamento de Fundamentos MBA EM GESTÃO DE PROJETOS - EMENTAS Definição de Projeto. Contexto e Evolução do Gerenciamento de. Areas de conhecimento e os processos de gerenciamento do PMI - PMBoK. Ciclo

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão da Produção e Logística tem por objetivo fornecer

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO LUCRO 1

DISTRIBUIÇÃO DO LUCRO 1 DISTRIBUIÇÃO DO LUCRO 1 Gillene da Silva Sanses 2 O artigo apresenta a nova realidade em que se inserem, sob a perspectiva de critério para cálculo, deliberação e distribuição aos sócios, dos lucros. O

Leia mais

2. Gerenciamento de projetos

2. Gerenciamento de projetos 2. Gerenciamento de projetos Este capítulo contém conceitos e definições gerais sobre gerenciamento de projetos, assim como as principais características e funções relevantes reconhecidas como úteis em

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing Apresentação Em uma economia globalizada e extremamente competitiva, torna-se cada vez mais imprescindível a visão estratégica

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATEGICO NAS EMPRESAS DA AMAZÔNIA: O CASO DE CRUZEIRO DO SUL/AC.

PLANEJAMENTO ESTRATEGICO NAS EMPRESAS DA AMAZÔNIA: O CASO DE CRUZEIRO DO SUL/AC. PLANEJAMENTO ESTRATEGICO NAS EMPRESAS DA AMAZÔNIA: O CASO DE CRUZEIRO DO SUL/AC. César Gomes de Freitas, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre, Campus Cruzeiro do Sul/Acre, Brasil

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

MARKETING AMBIENTAL: MAIS UMA ESTRATÉGIA DAS EMPRESAS PARA OBTEREM VANTAGEM COMPETITIVA? Luciana de Góis Aquino Teixeira 1 Marcos de Moraes Sousa 2

MARKETING AMBIENTAL: MAIS UMA ESTRATÉGIA DAS EMPRESAS PARA OBTEREM VANTAGEM COMPETITIVA? Luciana de Góis Aquino Teixeira 1 Marcos de Moraes Sousa 2 MARKETING AMBIENTAL: MAIS UMA ESTRATÉGIA DAS EMPRESAS PARA OBTEREM VANTAGEM COMPETITIVA? Luciana de Góis Aquino Teixeira 1 Marcos de Moraes Sousa 2 RESUMO O marketing é uma função da administração que

Leia mais

Avaliação de Marca. Uma ferramenta estratégica e versátil para os negócios. Creating and managing brand value

Avaliação de Marca. Uma ferramenta estratégica e versátil para os negócios. Creating and managing brand value Avaliação de Marca Uma ferramenta estratégica e versátil para os negócios Creating and managing brand value TM Interbrand Pg. 2 Avaliação de Marca Uma ferramenta estratégica e versátil para os negócios

Leia mais

Princípios fundamentais dos Sistemas de Informação: introdução, sistemas e níveis organizacionais e as TICs Prof. MSc Hugo Vieira L.

Princípios fundamentais dos Sistemas de Informação: introdução, sistemas e níveis organizacionais e as TICs Prof. MSc Hugo Vieira L. Princípios fundamentais dos Sistemas de Informação: introdução, sistemas e níveis organizacionais e as TICs Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão

Leia mais

P ortal da Classe Contábil w w w.classecontabil.com.br. Artigo

P ortal da Classe Contábil w w w.classecontabil.com.br. Artigo P ortal da Classe Contábil w w w.classecontabil.com.br Artigo 31/10 A utilização da contabilidade de custos na formação do preço de venda INTRODUÇÃ O Atualmente a Contabilidade de Custos é vista sob dois

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 COMPETITIVIDADE SOB A ÓTICA DAS CINCO FORÇAS DE PORTER: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA OXIFOR OXIGÊNIO FORMIGA LTDA JUSSARA MARIA SILVA RODRIGUES OLIVEIRA 1, LÍVIA COUTO CAMBRAIA 2 RESUMO: Neste trabalho,

Leia mais

Contabilidade Empresarial

Contabilidade Empresarial 2 Contabilidade Empresarial Aderbal Nicolas Müller Antonio Gonçalves Oliveira Introdução Entre os agentes econômicos, ativos participantes da economia das nações, temos as organizações empresariais, que

Leia mais

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Sistema de informações gerenciais Sistema de informações gerencial => conjunto de subsistemas de informações que processam dados e informações para fornecer

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

TV a cabo: um estudo sobre a necessidade de informações estratégicas

TV a cabo: um estudo sobre a necessidade de informações estratégicas TV a cabo: um estudo sobre a necessidade de informações estratégicas Ernando Antonio dos Reis (UFU) eareis@ufu.br Vidigal Fernandes Martins (UFU) vidigal@ufu.br Resumo Este trabalho tem por objetivo colocar

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO Odilio Sepulcri 1 Conforme ROSE 1, pode-se representar a administração de uma empresa, de uma forma geral, dividindo em três níveis: operações, estratégia

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

Contabilidade Financeira e Orçamentária

Contabilidade Financeira e Orçamentária Contabilidade Financeira e Orçamentária Mercados Gestão de Riscos Planejamento Orçamentário Mercado Financeiro Mercado financeiro Em uma economia, de um lado existem os que possuem poupança financeira

Leia mais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais 1 UM MODELO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL PARA MENSURAÇÃO DO DESEMPENHO ECONOMICO DAS ATIVIDADES EMPRESARIAIS Autor: Reinaldo Guerreiro Professor Assistente Doutor do Departamento de Contabilidade

Leia mais

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES Por cerca de 50 anos, a série Boletim Verde descreve como a John Deere conduz os negócios e coloca seus valores em prática. Os boletins eram guias para os julgamentos e as

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br RESUMO:

Leia mais

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers.

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers. Quanto vale O preço de uma empresa, referência fundamental nas negociações de qualquer tentativa de fusão ou aquisição, nunca é aleatório. Ao contrário, sua determinação exige a combinação da análise estratégica

Leia mais

INTRODUÇÃO. O trabalho terá a seguinte org2anização: Introdução: apresentação do tema, situação problema, hipótese, e a metodologia utilizada.

INTRODUÇÃO. O trabalho terá a seguinte org2anização: Introdução: apresentação do tema, situação problema, hipótese, e a metodologia utilizada. INTRODUÇÃO Todas as empresas, com ou sem fins lucrativos, estabelecem um preço para seus produtos. Mas como estabelecer este preço? Quais os fatores que influenciam no estabelecimento do preço?. De forma

Leia mais

A Controladoria no Processo de Gestão. Clóvis Luís Padoveze

A Controladoria no Processo de Gestão. Clóvis Luís Padoveze 1 A Controladoria no Processo de Gestão Clóvis Luís Padoveze Cascavel - 21.10.2003 2 1. Controladoria 2. Processo de Gestão 3. A Controladoria no Processo de Gestão 3 Visão da Ciência da Controladoria

Leia mais

Contabilidade Gerencial Estratégica como auxilio na gestão e controle das empresas

Contabilidade Gerencial Estratégica como auxilio na gestão e controle das empresas Contabilidade Gerencial Estratégica como auxilio na gestão e controle das empresas Tiza Cardoso Pinheiro 1 Resumo O presente artigo tem como objetivo reconhecer a importância da Contabilidade Gerencial

Leia mais

Análise e Aplicação de Controle de Custos na Gestão por Processo: Estudo de caso em uma indústria de implementos agrícolas.

Análise e Aplicação de Controle de Custos na Gestão por Processo: Estudo de caso em uma indústria de implementos agrícolas. Análise e Aplicação de Controle de Custos na Gestão por Processo: Estudo de caso em uma indústria de implementos agrícolas. Cátia Raquel Felden Bartz (FAHOR) catia@fahor.com.br Jonas Mazardo (FAHOR) jonas_mazardo@yahoo.com.br>,

Leia mais

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard Olá, pessoal! Hoje trago para vocês uma aula sobre um dos tópicos que será cobrado na prova de Analista do TCU 2008: o Balanced Scorecard BSC. Trata-se de um assunto afeto à área da Contabilidade Gerencial,

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

1 Administração de caixa

1 Administração de caixa 3 Administração Financeira Edison Kuster Nilson Danny Nogacz O que é realmente importante saber para uma boa administração financeira? Esta pergunta é comum entre os empresários, em especial aos pequenos

Leia mais

EMENTAS PÓS-FLEX 2016 CÂMPUS PRAÇA OSÓRIO

EMENTAS PÓS-FLEX 2016 CÂMPUS PRAÇA OSÓRIO EMENTAS PÓS-FLEX 2016 CÂMPUS PRAÇA OSÓRIO ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Consiste em apresentar aos alunos conceitos de administração e de planejamento estratégico em organizações, analisando o processo de

Leia mais

A Contabilidade Estratégica na Gestão da Qualidade Ambiental

A Contabilidade Estratégica na Gestão da Qualidade Ambiental A Contabilidade Estratégica na Gestão da Qualidade Ambiental Valério Vitor Bonelli Antonio Robles Junior Resumo: A adequação às exigências ambientais dos mercados, governos e sociedade, apesar de demandar

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA MODELO CONCEITUAL DE DECISÃO RELATIVO AO EVENTO MANTER/ELIMINAR/REORGANIZAR ATIVIDADES: UMA CONTRIBUIÇÃO

Leia mais

Uma Conciliação entre MVA e o VPL 1 Marcelo Arantes Alvim

Uma Conciliação entre MVA e o VPL 1 Marcelo Arantes Alvim Uma Conciliação entre MVA e o VPL 1 Marcelo Arantes Alvim RESUMO O presente trabalho, apesar de ter sido publicado em 2000 é um assunto bem rico para os dias atuais, tem por objetivo fazer uma conciliação

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO 3ª aula

FORMAÇÃO DE PREÇO 3ª aula FORMAÇÃO DE PREÇO 3ª aula Formação de Preços Fatores Determinantes: Influência do macroambiente Análise da concorrência Comportamento de compra do consumidor Ciclo de vida do produto Segmentação do mercado

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização

ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização DISCIPLINA: Introdução à Administração FONTE: BATEMAN, Thomas S., SNELL, Scott A. Administração - Construindo Vantagem Competitiva. Atlas. São

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha Macroprocesso Referência: sistema de gestão da qualidade pela NBR ISO 9011:2008. Macroprocesso Para a realização do produto, necessitase da integração

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

A CONTABILIDADE COMO FERRAMENTA GERENCIAL NA GESTÃO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

A CONTABILIDADE COMO FERRAMENTA GERENCIAL NA GESTÃO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS A CONTABILIDADE COMO FERRAMENTA GERENCIAL NA GESTÃO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS José Claudio de Santana Junior RESUMO Durante muito tempo, a contabilidade foi vista apenas como um sistema de informações

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

Modelo Teórico de Análise do Capital de Giro e de Demonstração dos Fluxos Operacionais de Caixa

Modelo Teórico de Análise do Capital de Giro e de Demonstração dos Fluxos Operacionais de Caixa Modelo Teórico de Análise do Capital de Giro e de Demonstração dos Fluxos Operacionais de Caixa Maurício Melo Dolabella (Universidade Federal de Minas Gerais) mmd@face.ufmg.br Resumo O objetivo deste trabalho

Leia mais