CONJUNTURA ECONÔMICA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONJUNTURA ECONÔMICA"

Transcrição

1 CONJUNTURA ECONÔMICA O mês de março de 2015 foi marcado pelo anúncio dos principais resultados da economia de 2014 e deste início de Dentre eles destacaramse o PIB, taxa de desemprego nas principais regiões metropolitanas no país e novamente discussões sobre a inflação. Em 2014, o consumo das famílias cresceu apenas 0,89% e da administração pública 1,35%. Enquanto que a formação bruta de capital fixo (FBCF) e as exportações reduziram respectivamente 4,40% e 1,07%. Diante desse cenário mais estagnado, a taxa de desemprego voltou a acelerar em fevereiro de 2015 e registrou 5,9%, maior taxa desde junho de Com a desaceleração do consumo, os resultados do PIB, de acordo com dados do IBGE, demonstraram uma estagnação da economia brasileira em 2014, ao registrar um leve crescimento de 0,1%, em relação ao ano passado (descontando os efeitos da inflação e sazonalidade) pior variação anual desde A soma de bens e serviços finais produzidos pela economia atingiu R$ 5,52 trilhões. O setor que mais puxou o resultado do PIB para baixo foi o industrial que apresentou queda de 1,15%. Queda essa que está se estendendo durante o ano de 2015, uma vez que a produção industrial de fevereiro de 2015 já caiu 0,9% em relação a janeiro. Na comparação ao mesmo período do ano passado essa queda foi ainda mais significativa (-9,1%). No acumulado de 12 meses caiu 4,5%. Nesse contexto, a agropecuária pode ter contribuído para que o resultado do PIB não fosse ainda a menores proporções, ao registrar uma leve variação positiva de 0,4%, apesar de sua participação no PIB total de apenas 5,59%. Outro setor amenizador desses resultados foi o de serviços que cresceu 0,7% (e que representa 59,61% do PIB). Além do consumo freado, a inflação de custo também tem prejudicado o desempenho da indústria e da agropecuária. Somente o óleo diesel acumulou em 12 meses (fevereiro de 2014 a fevereiro de 2015) uma inflação de 11,15%. Combustível esse utilizado nas máquinas e equipamentos e também no escoamento da produção por meio do transporte externo. Apesar da queda no preço do barril de petróleo, houve um desprendimento das tendências a partir de novembro de 2014 do preço do petróleo e do óleo diesel, período em que ficou mais evidente a oposição nos comportamentos. Isso não significa que a cotação no mercado internacional do petróleo não interfira no preço do óleo diesel, mas que existem outras variáveis, cujas influências superaram a da variação do barril de petróleo. Tais como o aumento do PIS e COFINS, que fazem parte do projeto de medidas fiscais restritivas, voltadas a redução do consumo (HORA 1, 12/02/2015; Folha de São Paulo, 19/01/2015). Aliado a isso, destacaram-se os escândalos de corrupção da Petrobrás. 1

2 1996.IV 1997.I 1997.II 1997.III 1997.IV 1998.I 1998.II 1998.III 1998.IV 1999.I 1999.II 1999.III 1999.IV 2000.I 2000.II 2000.III 2000.IV 2001.I 2001.II 2001.III 2001.IV 2002.I 2002.II 2002.III 2002.IV 2003.I 2003.II 2003.III 2003.IV 2004.I 2004.II 2004.III 2004.IV 2005.I 2005.II 2005.III 2005.IV 2006.I 2006.II 2006.III 2006.IV 2007.I 2007.II 2007.III 2007.IV 2008.I 2008.II 2008.III 2008.IV 2009.I 2009.II 2009.III 2009.IV 2010.I 2010.II 2010.III 2010.IV 2011.I 2011.II 2011.III 2011.IV 2012.I 2012.II 2012.III 2012.IV 2013.I 2013.II 2013.III 2013.IV 2014.I 2014.II 2014.III 2014.IV Para entender esse impacto do PIS e COFINS, é necessário frisar como ocorre a composição de preços. Somente no caso da gasolina, 18% do preço trata-se de margem de distribuição e revenda, 12% custo com etanol anidro, 27% ICMS, 11% CIDE, PIS/PASEP e COFINS, por fim 32% realização da Petrobrás (PETROBRÁS, abril/2015). No caso do aumento do PIS e COFINS, poderá alterar o percentual de 11% que impacta sobre o preço. Apesar desse aumento, o preço da gasolina do Brasil não está entre os mais altos do mundo, atualmente está em 93º lugar no ranking mundial (Global PetrolPrices, 06/04/2015). Na América do Sul e Central, o Brasil posiciona-se como segundo maior produtor de petróleo, perdendo apenas para a Venezuela (2013). Apesar disso, o país não tem o petróleo como uma das principais bases econômicas, como na Rússia, mas como um dos fatores que exerce impactos sobre o custo de produção (BP, 2014). Desde que os escândalos da Petrobrás não inibam a produção de petróleo, não haveria motivos para aumento no preço de seus derivados. Quando esse escândalo prejudica o fechamento das contas da empresa, a sobretaxação funcionará como um mecanismo para amenizar os impactos. Conta essa paga diretamente pelos produtores e indústrias, indiretamente pelos consumidores finais. Além do óleo diesel, o câmbio valorizado poderá influenciar a compra de insumos importados para a produção agropecuária das safras subsequentes. No acumulado de 12 meses o câmbio valorizou 43,70%. Podendo aumentar o custo de produção. Estimativa elaborada pelo Departamento de Análise Econômica (DECON) do Sistema Famasul dão conta que o impacto da valorização de 43,7% do câmbio deva elevar em 7,04% o custo total da cultura da soja transgênica RR1, por hectare, em Mato Grosso do Sul. Segundo dados da Embrapa Agropecuária Oeste, os fertilizantes que são importados respondem por 17,6% do custo total ou R$ 379,75 por hectare, considerando um cenário em que o repasse da variação do câmbio seja total sobre o custo com fertilizantes por hectare, este chegaria a R$ 531,19. Já o custo final passaria de R$ 2.151,64 por hectare para R$ 2.303,08 por hectare. Gráfico 1: Variações do PIB agropecuário e PIB total brasileiro no acumulado ao longo do ano PIB Agropecuário PIB Total Fonte: IBGE Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL 2

3 28/03/ /04/ /04/ /04/ /05/ /05/ /05/ /06/ /06/ /06/ /07/ /07/ /07/ /08/ /08/ /08/ /09/ /09/ /09/ /10/ /10/ /10/ /11/ /11/ /11/ /12/ /12/ /12/ /01/ /01/ /01/ /02/ /02/ /02/ /03/ /03/ /03/2015 jan/13 fev/13 mar/13 abr/13 mai/13 jun/13 jul/13 ago/13 set/13 out/13 nov/13 dez/13 jan/14 fev/14 mar/14 abr/14 mai/14 jun/14 jul/14 ago/14 set/14 out/14 nov/14 dez/14 jan/15 fev/15 Gráfico 2 : Evolução da taxa de desemprego nas principais regiões metropolitanas mar/02 fev/03 jan/04 dez/04 nov/05 out/06 set/07 ago/08 jul/09 jun/10 mai/11 abr/12 mar/13 fev/14 jan/15 Fonte: IBGE Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL Gráfico 3: Comportamento do preço do óleo diesel em Mato Grosso do Sul e cotação no mercado internacional do petróleo Petróleo Óleo diesel ,100 2,900 2,700 2,500 2,300 2,100 1,900 Fonte: BP, 2015; ANP, 2015 Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL Gráfico 4: Acumulado de 12 meses da taxa de câmbio US$/R$ 3,50 3,30 3,10 2,90 2,70 2,50 2,30 2,10 1,90 1,70 1,50 Fonte: BACEN Elaboração: DECON/ SISTEMA FAMASUL 3

4 SOJA MERCADO INTERNO DA SOJA O mês de abril começou com desvalorização no preço médio da soja em grãos em MS. A saca de 60 kg de soja recuou em média 3,19%, encerrando a primeira semana em R$ 57,16. Dentre as praças pesquisadas, Campo Grande registrou a maior desvalorização dentro da semana, 5,17%, encerrando o período em R$ 55,00/sc. O preço máximo foi verificado em Chapadão do Sul, R$ 59,00, já o menor preço foi observado em Sidrolândia, São Gabriel do Oeste e Campo Grande, R$ 55,00. Em relação às regiões, o Nordeste apresenta as melhores cotações, R$ 59,00, já a região central do Estado apresenta os menores preços, R$ 55,00. Tabela 1 - Preço médio da Soja em MS - Período: 01 a 07/Abr - Em R$ por saca de 60 Kg Praça Var. % Caarapó 58,00 58,00 57,00 57,00-1,72 Campo Grande 58,00 58,00 55,00 55,00-5,17 Chapadão do Sul 59,00 59,00 57,50 57,70-2,20 Dourados 59,00 59,00 58,00 57,00-3,39 Maracaju 58,00 58,00 56,00 56,00-3,45 Ponta Porã 58,00 58,00 57,00 57,00-1,72 São Gabriel do Oeste 57,00 57,00 55,00 55,00-3,51 Sidrolândia 57,50 57,50 55,00 55,00-4,35 Preço Médio 58,06 58,06 56,31 56,21-3,19 Fonte: Granos Corretora Elaboração: DECON/ FAMASUL Gráfico 5 - Comportamento dos Preços Internos de Mato Grosso do Sul (R$/SC) 60,00 59,00 58,00 57,00 56,00 55,00 54,00 53,00 52,00 57,70 55,00 Caarapó Campo Grande Chapadão do Sul Dourados Maracaju Ponta Porã São Gabriel do Oeste Sidrolândia Fonte: Granos Corretora Elaboração: DECON/ FAMASUL 4

5 MERCADO FUTURO DA SOJA CBOT/CHICAGO O inicio de abril foi de desvalorização nas cotações internacionais da soja em Chicago/EUA. O contrato com vencimento em maio de 2015 encerrou o período com queda de 1,5%, saindo de US$ 9,86, em 01/Abr, para US$ 9,71 em 07/Abr. Os contratos de julho e agosto apresentaram o mesmo comportamento, recuo de 1,9% e 1,5%, com o bushel 1 encerrando o período cotado a US$ 9,76 e US$ 9,75, respectivamente. O contrato setembro/15 encerrou o período com o menor recuo, 1,3% e o bushel cotado a US$ 9,68. Dentre os fatores que explicam estes recuos destacam-se, a expectativa de expansão de área nos Estados Unidos, segundo o USDA, a área deve chegar a 34,2 milhões de hectares, outro fator baixista, é a expectativa de safra recorde na América do Sul e finalmente, o forte recuo nos embarques semanais de soja dos EUA, apenas 27 mil/ton da safra atual, na semana anterior haviam sido 500 mil toneladas. Mas o clima direcionará a formação de preços no mercado internacional assim que começar a semeadura do grão nos Estados Unidos. Internamente, o destaque tem sido os prêmios de porto (gráfico 10) reflexo da demanda aquecida pela soja brasileira que possui melhor qualidade que a estadunidense. O contrato abril/15 avançou 10% e chegou a 0,44 centavos de dólar sobre o bushel negociado em Chicago, o vencimento maio/15 acelerou 13,2% com um ágio de 0,43 centavos de dólar por bushel. Outro fator de sustentação das cotações no mercado interno tem sido o câmbio valorizado, mesmo com a recente volatilidade. Gráfico 6 - Mercado Futuro da Soja - Em dólares por Bushel - CBOT Fechamento 10,00 9,95 9,90 9,85 9,80 9,75 9,70 9,65 9,60 9,55 9,50 9,76 9,71 9,68 mai/15 jul/15 ago/15 set/15 Fonte: SIM CONSULT Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL 1 Unidade de medida de volume, que em quilos corresponde aproximadamente á 27,21 Kg. 5

6 Gráfico 7 - Farelo de Soja - Bolsa de Chicago - (US$/Ton) 335,00 330,00 325,00 320,00 315,00 318,00 310,00 mai/15 ago/15 jul/15 set/15 Fonte: CME Group/Notícias Agrícolas Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL Gráfico 8 - Farelo de Soja EUA - (US$/Ton) 368,00 366,00 364,00 362,00 360,00 358,00 356,00 354,00 352,00 350,00 348,00 365,85 Fonte: Biomercado Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL Gráfico 9 - Mercado Futuro da Soja - Em US$ por saca de 60Kg - BMF&BOVESPA Fechamento 21,80 21,70 21,60 21,50 21,40 21,45 21,30 21,20 21,10 mai/15 Fonte: BM&F Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL 6

7 Gráfico 10 - Prêmio Soja - Porto de Paranaguá/PR (US$/Bushel) 0,52 0,47 0,42 0,37 0,32 0,27 0,22 abr/15 mai/15 jun/15 jul/15 Fonte: SIM Consult Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL Gráfico 11 - Soja Paranaguá/PR - (R$/sc de 60Kg) 72,00 70,00 68,00 66,00 64,00 64,34 62,00 60,00 Fonte: Cepea/Esalq Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL Gráfico 12 - Preço médio da Soja por Unidade Federativa - (R$/sc de 60Kg) 63,00 62,00 61,00 60,00 59,00 58,00 57,00 56,00 55,00 62,13 62,00 60,50 60,00 59,25 57,70 GO MS MT PR RS SC Fonte: Biomercado Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL 7

8 MILHO MERCADO INTERNO DO MILHO A saca de 60 Kg de milho teve discreta valorização na primeira semana de abril. A cotação média do cereal avançou 1,44%, e ficou em R$ 21,91. Dentre as praças pesquisadas, Caarapó, Chapadão do Sul, Dourados, Maracaju e São Gabriel do Oeste não registraram qualquer variação ao logo Os destaques positivos foram Campo Grande, alta de 4,55%, Ponta Porão, avanço de 4,76% e Sidrolândia, valorização de 2,38%. O preço máximo foi observado em Dourados, R$ 23,00, já o preço mínimo foi observado no município de São Gabriel do Oeste, R$ 21,00. da semana. Tabela 2 - Preço médio do Milho em MS - Período: 01 a 07/Abr de Em R$ por saca de 60 Kg Praça Var. % Caarapó 22,00 22,00 22,00 22,00 0,00 Campo Grande 22,00 22,00 23,00 23,00 4,55 Chapadão do Sul 23,00 23,00 23,00 23,00 0,00 Dourados 23,00 23,00 23,00 23,00 0,00 Maracaju 21,00 21,00 21,00 21,00 0,00 Ponta Porã 21,00 21,00 22,00 22,00 4,76 São Gabriel do Oeste 21,00 21,00 21,00 21,00 0,00 Sidrolândia 21,00 21,00 21,50 21,50 2,38 Preço Médio 21,75 21,75 22,06 22,06 1,44 Fonte: Granos Corretora Elaboração:DECON/ FAMASUL 23,50 Gráfico 13 - Comportamento dos Preços Internos de Mato Grosso do Sul (R$/SC) 23,00 22,50 23,00 22,00 21,50 21,00 20,50 20,00 21,50 21,00 Caarapó Campo Grande Chapadão do Sul Dourados Maracaju Ponta Porã São Gabriel do Oeste Sidrolândia Fonte: Granos Corretora Elaboração: DECON/FAMASUL 8

9 MERCADO FUTURO DO MILHO CBOT/CHICAGO Os contratos futuros do milho negociados em Chicago/EUA divergindo do movimento observado para a soja obtiveram leve apreciação no inicio de abril. O contrato com vencimento mai/15, o único a recuar no período, caiu 1,0%, com o bushel ficando em US$ 3,83. Já o contrato jul/15 avançou 0,3% com o bushel encerrando o período a US$ 3,91. Os contratos avançaram 0,3% cada um, mas apenas o dezembro/15, rompeu a barreira dos US$ 4,00 por bushel, fechando em US$ 4,08. Apesar da aparente estabilidade, a pressão sobre as cotações do milho são negativas, dado os números de aumento de área e estoque nos Estados Unidos além do recente recuo do dólar frente a outras moedas. com vencimento em setembro/15 e dezembro/15 Gráfico 14 - Mercado Futuro do Milho - Em dólares por Bushel - CBOT Fechamento 4,15 4,10 4,05 4,00 3,95 3,90 3,85 3,80 3,75 3,70 3,65 4,08 3,99 3,91 3,83 mai/15 jul/15 set/15 dez/15 Fonte: SIM CONSULT Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL Gráfico 15 Milho EUA - (US$/Ton) 157,00 156,00 155,00 154,00 153,00 152,00 151,00 150,00 149,00 148,00 147,00 150,29 Fonte: Biomercado Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL 9

10 Gráfico 16 Indicador Cepea-Esalq-BM&FBOVESPA - Milho - (R$/sc de 60Kg) 29,40 29,30 29,20 29,10 29,00 28,90 28,95 28,80 28,70 Fonte: Cepea/Esalq Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL Gráfico 17 - Mercado Futuro do Milho - Em R$ por saca de 60Kg - BMF&BOVESPA Fechamento 30,00 29,50 29,00 29,45 28,91 28,50 28,00 27,50 27,00 27,76 mai/15 set/15 jul/15 Fonte: BM&F Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL Gráfico 18 - Preço médio do Milho por Unidade Federativa - (R$/sc de 60Kg) 25,50 24,50 23,50 22,50 21,50 20,50 19,50 18,50 17,50 16,50 25,00 24,50 23,10 22,83 20,20 19,00 GO MS MT PR RS SC Fonte: Biomercado Elaboração: DECON/SISTEMA FAMASUL 10

11 REALIZAÇÃO PARCEIROS 11

SOJA MERCADO INTERNO

SOJA MERCADO INTERNO SOJA MERCADO INTERNO Dezembro se inicia com desvalorização nos preços médios da soja. O preço da saca recuou Dentre as praças pesquisadas, Maracaju registrou a maior desvalorização, 2,74%, com a em média

Leia mais

Preço médio da Soja em Mato Grosso do Sul Abril de 2013 - Em R$ por saca de 60 kg.

Preço médio da Soja em Mato Grosso do Sul Abril de 2013 - Em R$ por saca de 60 kg. ANÁLISE SOJA MERCADO INTERNO: Nos primeiros dez dias do mês de maio houve valorização nos preços praticados da saca de soja de 6 kg quando comparados aos preços observados em 1 de maio,,38% de aumento

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: ABRIL/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: MARÇO/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: JULHO/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

Preço médio da Soja em MS Período: 06/03 á 11/03 de 2014 - Em R$ por saca de 60 kg

Preço médio da Soja em MS Período: 06/03 á 11/03 de 2014 - Em R$ por saca de 60 kg SOJA» MERCADO INTERNO Na primeira semana de março houve leve apreciação nos preços da saca de 6 Kg de soja em grãos, estes cresceram em média 1,2% em relação aos preços observados 6/mar. Mas em comparação

Leia mais

3,8 milhões de hectares de lavouras ruins nos EUA

3,8 milhões de hectares de lavouras ruins nos EUA BOLSA DE CHICAGO 3,8 milhões de hectares de lavouras ruins nos EUA Chuvas diminuíram nesta semana, mas ainda acumularam grandes volumes em pontos já muitos úmidos do Meio-Oeste 3 EUA Lavouras De Soja Ruins

Leia mais

CONJUNTURA MENSAL JUNHO

CONJUNTURA MENSAL JUNHO SOJA - MATO GROSSO CONJUNTURA MENSAL JUNHO ANO 1 Nº2 O preço mundial da commodity apresenta movimento de alta em nível mundial, impulsionado principalmente pelas condições climáticas adversas nos Estados

Leia mais

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 dezembro, 2012 Índice 1. Algodão 2. Soja 3. Milho 4. Boi Gordo 5. Valor Bruto da Produção ALGODÃO Mil toneladas

Leia mais

SOJA. Queda de 1,21% no preço médio da saca em MS na terceira semana de setembro, a saca está

SOJA. Queda de 1,21% no preço médio da saca em MS na terceira semana de setembro, a saca está SOJA Queda de 1,21% no preço médio da saca em MS na terceira semana de setembro, a saca está cotada em R$ 71,50. No mês, o preço médio da saca acumula leve alta de 0,35%. Quando comparado a setembro do

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DE SAFRA SOJA 2014/2015

ACOMPANHAMENTO DE SAFRA SOJA 2014/2015 ACOMPANHAMENTO DE SAFRA SOJA 2014/2015 O projeto SIGA MS conclui o acompanhamento do plantio da soja, safra 2014/2015, das principais regiões produtoras do estado. Entre os dias 01 de setembro e 28 de

Leia mais

Resumo Quinzenal do Biodiesel

Resumo Quinzenal do Biodiesel Tel: (21) 3547-1539 / (21) 9565-0444 Resumo Quinzenal do Biodiesel 16/06 à 30/06/11 Este relatório é confidencial e de uso exclusivo do destinatário, e não pode ser enviado ou compartilhado com terceiros

Leia mais

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Super-safra norte-americana Em seu boletim de oferta e demanda mundial de setembro o Usda reestimou para cima suas projeções para a safra 2007/08.

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DE SAFRA SOJA /2015

ACOMPANHAMENTO DE SAFRA SOJA /2015 ACOMPANHAMENTO DE SAFRA SOJA - 2014/2015 Entre os dias 23 e 26 de março foram visitadas propriedades distribuídas entre dezoito (18) municípios para o acompanhamento da safra de soja 2014/15 e acompanhamento

Leia mais

Acompanhamento da Safra 2012/13 no MS

Acompanhamento da Safra 2012/13 no MS Acompanhamento da Safra 2012/13 no MS Circular Técnico nº 20 No acompanhamento da cultura do milho 2ª safra de Mato Grosso do Sul foram visitadas 52 propriedades entre os dias 22 e 25 de abril de 2013

Leia mais

SOJA MERCADO INTERNO

SOJA MERCADO INTERNO SOJA MERCADO INTERNO O preço médio da saca em MS recuou 0,94% entre 11 e 24 de janeiro e cotada a R$ 65,63, destaque negativo foi para Campo Grande onde a queda chegou a 2,24% com a saca negociada a R$

Leia mais

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro 2015 PARANÁ A estimativa de área para a safra 2015/16 de soja é recorde no Paraná. Segundo os técnicos de campo serão semeados 5,24 milhões de hectares,

Leia mais

Soja-Comercialização Safra 2011/12 e Cenario 2012/13. NILVA CLARO COSTA nilva.claro@conab.gov.br

Soja-Comercialização Safra 2011/12 e Cenario 2012/13. NILVA CLARO COSTA nilva.claro@conab.gov.br Soja-Comercialização Safra 2011/12 e Cenario 2012/13 NILVA CLARO COSTA nilva.claro@conab.gov.br Comercialização Safra-2011/12 60,00 55,00 50,00 45,00 40,00 35,00 30,00 25,00 20,00 S oja Grã o P re ços

Leia mais

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ DACEC Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ Comentários referentes ao período entre 03/05/2013 a 09/05/2013 Prof. Dr. Argemiro Luís Brum 1 Prof. Ms.

Leia mais

Soja. período cotada a R$ 58,41. No comparativo com igual período de 2016 houve recuo de 18,90% no

Soja. período cotada a R$ 58,41. No comparativo com igual período de 2016 houve recuo de 18,90% no Soja Mercado Interno O preço médio da saca em MS avançou 0,60% entre 30/ago e deste ano, encerrando o período cotada a R$ 58,41. No comparativo com igual período de 2016 houve recuo de 18,90% no preço

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: AGOSTO/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

Commodities Agrícolas

Commodities Agrícolas Commodities Agrícolas CAFÉ CAFÉ Bolsas BM&F ICE FUTURES Contrato Fechamento Máxima Mínimo Variação Contrato Fechamento Máxima Mínimo Variação SET13 136,80 136,50 135,80-1,80 SET 113,50 115,70 113,25-1,45

Leia mais

Milho Período: 11 a 15/05/2015

Milho Período: 11 a 15/05/2015 Milho Período: 11 a 15/05/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,0203 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

Commodities Agrícolas

Commodities Agrícolas Commodities Agrícolas quarta-feira, 18 de setembro de 2013 CAFÉ CAFÉ Bolsas Venc Ajuste Máx BM&F Mín Variação Venc Ajuste ICE FUTURES Máx Mín Variação SET13 133,50 0,00 0,00-4,85 SET13 111,05 114,75 111,10-3,75

Leia mais

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 11 Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso 1 2 11.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez mais requerem um grau de conhecimento

Leia mais

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a economia nacional registra um de seus piores momentos

Leia mais

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ DACEC Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ Comentários referentes ao período entre 21/06/2013 a 27/06/2013 Prof. Dr. Argemiro Luís Brum 1 Prof. Ms.

Leia mais

Boletim Econômico e do Setor Portuário. Sumário

Boletim Econômico e do Setor Portuário. Sumário Boletim Econômico e do Setor Portuário Junho de 2014 Sumário Indicadores da Economia Nacional... 2 O Produto Interno Bruto PIB no primeiro trimestre de 2014... 2 Os Índices de Inflação... 3 O Mercado de

Leia mais

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ DACEC Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ Comentários referentes ao período entre 05/07/2013 a 11/07/2013 Prof. Dr. Argemiro Luís Brum 1 Prof. Ms.

Leia mais

Commodities Agrícolas

Commodities Agrícolas Commodities Agrícolas sábado, 14 de setembro de 2013 CAFÉ CAFÉ Bolsas Venc Ajuste Máx BM&F Mín Variação Venc Ajuste ICE FUTURES Máx Mín Variação SET13 139,00 0,00 0,00-0,70 SET13 115,55 115,70 115,70-0,70

Leia mais

Commodities Agrícolas

Commodities Agrícolas Commodities Agrícolas sexta-feira, 13 de setembro de 2013 CAFÉ CAFÉ Bolsas Venc Ajuste Máx BM&F Mín Variação Venc Ajuste ICE FUTURES Máx Mín Variação SET13 139,70 0,00 0,00-0,55 SET13 116,25 116,10 115,75-0,20

Leia mais

Milho Período: 13 a 17/07/2015

Milho Período: 13 a 17/07/2015 Milho Período: 13 a 17/07/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,1507 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

RELATÓRIO DE MERCADO JULHO DE 2015

RELATÓRIO DE MERCADO JULHO DE 2015 RELATÓRIO DE MERCADO JULHO DE 2015 COMMODITIES AGRÍCOLAS RESUMO DOS PRINCIPAIS INDICADORES DO MERCADO DE COMMODITIES AGRÍCOLAS SUMÁRIO OFERTA 4 8 VARIAÇÕES HISTÓRICAS E FORECAST 6 DEMANDA 9 CONSIDERAÇÕES

Leia mais

08/09/2015. Mundo Evolução da área (índice 100= safra 2000/01) Bolsa de Chicago Relação soja/milho no 1º contrato PROPHETX/AGRURAL

08/09/2015. Mundo Evolução da área (índice 100= safra 2000/01) Bolsa de Chicago Relação soja/milho no 1º contrato PROPHETX/AGRURAL PERSPECTIVAS PARA A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA NOS PRÓXIMOS 5 ANOS FERNANDO MURARO JR. Engenheiro agrônomo e analista de mercado da AgRural Commodities Agrícolas ANDA 5º CONGRESSO BRASILEIRO DE FERTILIZANTES

Leia mais

- 300. Saldo BC Importações Importações s/gás Exportações

- 300. Saldo BC Importações Importações s/gás Exportações Carta de Conjuntura nº2 Dezembro de 2015 Setor Externo As cotações do dólar recuaram em relação aos últimos meses, chegando a taxa média em novembro a ficar em R$ 3,77, cerca de 2,77% abaixo da taxa média

Leia mais

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E O SETOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 E OS CENÁRIOS DE LONGO PRAZO Carlos Cogo Agosto/2012 LA NIÑA PROVOCA FORTES QUEBRAS EM SAFRAS DE GRÃOS O

Leia mais

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ DACEC Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ Comentários referentes ao período entre 20/07/2012 a 02/08/2012 Prof. Dr. Argemiro Luís Brum 1 Emerson Juliano

Leia mais

ÍNDIA ATUALIZA SUAS PERSPECTIVAS DE PRODUÇÃO E FRUSTRA RECUPERAÇÃO EM NOVA YORK E LONDRES

ÍNDIA ATUALIZA SUAS PERSPECTIVAS DE PRODUÇÃO E FRUSTRA RECUPERAÇÃO EM NOVA YORK E LONDRES Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano XVII 08/junho/2015 n. 578 ÍNDIA ATUALIZA SUAS PERSPECTIVAS DE PRODUÇÃO E FRUSTRA RECUPERAÇÃO EM NOVA YORK E LONDRES O segundo maior produtor mundial da

Leia mais

03/10/2014. Roteiro da Apresentação FINANCEIRIZAÇÃO DO MERCADO ANÁLISE TÉCNICA E DE CICLOS OFERTA E DEMANDA

03/10/2014. Roteiro da Apresentação FINANCEIRIZAÇÃO DO MERCADO ANÁLISE TÉCNICA E DE CICLOS OFERTA E DEMANDA OS MERCADOS DE SOJA, MILHO E TRIGO EM 2015 FERNANDO MURARO JR. Engenheiro agrônomo e analista de mercado da AgRural Commodities Agrícolas OCEPAR Curitiba (PR), 02/out/14 www.agrural.com.br A INFORMAÇÃO

Leia mais

Commodities Agrícolas

Commodities Agrícolas Commodities Agrícolas CAFÉ CAFÉ Bolsas BM&F ICE FUTURES Contrato Fechamento Máxima Mínimo Variação Fechamento Máxima Mínimo Variação set/13 144,45 150,00 143,95-4,05 120,60 124,25 119,35-2,85 dez/13 148,50

Leia mais

GANHOS DO ETANOL HIDRATADO SUPERAM AÇÚCAR BRUTO EM NOVA YORK EM QUASE 10%

GANHOS DO ETANOL HIDRATADO SUPERAM AÇÚCAR BRUTO EM NOVA YORK EM QUASE 10% Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano XVII 0613/julho/2015 n. 583 GANHOS DO ETANOL HIDRATADO SUPERAM AÇÚCAR BRUTO EM NOVA YORK EM QUASE 10% O encerramento de junho foi marcado por mais um período

Leia mais

Milho Perspectivas do mercado 2011/12

Milho Perspectivas do mercado 2011/12 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA Milho Perspectivas do mercado 2011/12 março de 2012 Milho - Oferta e Demanda - Mundo milhões de t. Safras 2008/09 2009/10

Leia mais

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO GRÃOS: SOJA, MILHO, TRIGO e ARROZ TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Setembro/2012 PRODUÇÃO MUNDIAL DEVE RECUAR 4,1% NA SAFRA 2012/2013 ESTOQUES FINAIS MUNDIAIS DEVEM

Leia mais

Um novo paradigma para o mercado de óleo de soja

Um novo paradigma para o mercado de óleo de soja Um novo paradigma para o mercado de óleo de soja A determinaça o dos preços do o leo de soja e as mudanças recentes no contexto mundial de oferta e demanda Natalia Orlovicin Analista de Mercado natalia.orlovicin@intlfcstone.com

Leia mais

Milho Período: 22 a 26/06/2015

Milho Período: 22 a 26/06/2015 Milho Período: 22 a 26/06/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,0885 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

Mercado Externo. Preço do milho (ZCN5) Índice Dólar (DXY) Fonte: TradingView, CMEGroup

Mercado Externo. Preço do milho (ZCN5) Índice Dólar (DXY) Fonte: TradingView, CMEGroup Mercado Externo Segundo relatório de abril do U.S Departament of Agriculture USDA, a produção de milho dos EUA será 2,8% maior do que na safra anterior, com uma estimativa de produção total de 361,1 milhões

Leia mais

Milho Período: 19 a 23/10/2015

Milho Período: 19 a 23/10/2015 Milho Período: 19 a 23/10/2015 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços médios semanais apresentados nas praças de

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

Soja Mercado Interno

Soja Mercado Interno Soja Mercado Interno O preço médio da saca em MS avançou 3,16% no acumulado de setembro até o dia 19. A saca encerrou o período cotada a R$ 59,19. No comparativo com igual período de 2016 houve recuo de

Leia mais

Milho Período: 16 a 20/03/2015

Milho Período: 16 a 20/03/2015 Milho Período: 16 a 20/03/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,2434 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

Soja Mercado Interno

Soja Mercado Interno Soja Mercado Interno O preço médio da saca em MS avançou 2,96% entre 19 e 26 de setembro. A saca encerrou o período cotada a R$ 60,94. No acumulado do mês a alta foi de 6,21%. Já no comparativo com igual

Leia mais

BOLETIM SEMANAL. Soja - Análise

BOLETIM SEMANAL. Soja - Análise 21/6 23/6 25/6 27/6 29/6 1/7 3/7 5/7 7/7 9/7 11/7 13/7 15/7 17/7 19/7 Contratos Negociados (x 1000) Cents de US$/bu ** Relatório produzido pelo IMEAMT e divulgado pela CERRADO INVEST www.cerradocorretora.com.br

Leia mais

3º Seminário BM&F Famato Os desafios da pecuária no cenário global. Mercados futuros para um Mato Grosso mais competitivo.

3º Seminário BM&F Famato Os desafios da pecuária no cenário global. Mercados futuros para um Mato Grosso mais competitivo. 3º Seminário BM&F Famato Os desafios da pecuária no cenário global Mercados futuros para um Mato Grosso mais competitivo Ivan Wedekin Você é competitivo quando tem um desempenho a longo prazo acima da

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

AGRONEGÓCIOS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS NO BRASIL E NO MUNDO EM 2015/2016. Carlos Cogo Outubro/2015

AGRONEGÓCIOS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS NO BRASIL E NO MUNDO EM 2015/2016. Carlos Cogo Outubro/2015 AGRONEGÓCIOS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS NO BRASIL E NO MUNDO EM 2015/2016 Carlos Cogo Outubro/2015 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 115 110 105 100 95 90 85 80 75 70 65 60 55 CARNES: EVOLUÇÃO

Leia mais

Commodities Agrícolas

Commodities Agrícolas Commodities Agrícolas quinta-feira, 12 de setembro de 2013 CAFÉ CAFÉ Bolsas Venc Ajuste Máx BM&F Mín Variação Venc Ajuste ICE FUTURES Máx Mín Variação SET13 140,25 0,00 0,00 4,40 SET13 116,45 116,00 114,00

Leia mais

Reunião Pública Dezembro de 2015

Reunião Pública Dezembro de 2015 Reunião Pública Dezembro de 2015 Cenário Macroeconômico Arlindo de Azevedo Moura CEO 2 Cenário Macroeconômico 3 COMMODITIES Pressão de queda nos preços Menor preço dos últimos 16 anos TAXA DE CÂMBIO RESTRIÇÃO

Leia mais

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2013 MUNDO A economia mundial cada vez mais globalizada tem sido o principal propulsor responsável pelo aumento da produção de soja. Com o aumento do

Leia mais

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO PANORAMA SEMANA DE 21 A 25 DE SETEMBRO de 2009 Semana de preço estável no mercado de Boi Gordo no Rio Grande do Sul, com o preço encerrando a semana a R$ 4,61/kg carcaça.

Leia mais

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Centro de Estudos Avançados

Leia mais

Preço Médio da Soja em Mato Grosso do Sul - Junho de 2011 - Em R$ por saca de 60 kg.

Preço Médio da Soja em Mato Grosso do Sul - Junho de 2011 - Em R$ por saca de 60 kg. 1 2 NORTE Os preços pagos aos Produtores Rurais na região Norte do Estado neste mês de junho variaram entre a mínima de R$ 38,5 no dia 3/6 no município de São Gabriel do Oeste e a máxima de R$ 4, no dia

Leia mais

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES / 2007 1- Balança Comercial Mato Grosso continua tendo superávit na Balança Comercial registrando em 2007 um expressivo saldo de US$ 4,38 bilhões valor que representa

Leia mais

Fatores Críticos no Cenário Brasil: Reflexos sobre o Agronegócio 2008-2010

Fatores Críticos no Cenário Brasil: Reflexos sobre o Agronegócio 2008-2010 Fatores Críticos no Cenário Brasil: Reflexos sobre o Agronegócio 2008-2010 Paulo Rabello de Castro Junho 2008 copyright RC Consultores todos direitos reservados 1 Agronegócio e Inflação 1) Fases de expansão

Leia mais

CONJUNTURA ECONÔMICA

CONJUNTURA ECONÔMICA CONJUNTURA ECONÔMICA O principal índice de inflação da economia brasileira, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor- Amplo (IPCA) foi 0,31% em maio, taxa superior ao mês de abril e inferior ao mesmo

Leia mais

Preços. 2.1 Índices gerais

Preços. 2.1 Índices gerais Preços A inflação, considerada a evolução dos índices de preços ao consumidor e por atacado, apresentou contínua elevação ao longo do trimestre encerrado em maio. Esse movimento, embora tenha traduzido

Leia mais

ISS 2316-1019 I N F O R M AT I VO Casa Rural. edição outubro 2012. Agricultura. Soja - Milho - Insumos Agrícolas

ISS 2316-1019 I N F O R M AT I VO Casa Rural. edição outubro 2012. Agricultura. Soja - Milho - Insumos Agrícolas ISS 2316-119 I N F O R M AT I VO Casa Rural edição outubro 212 Agricultura Soja - Milho - Insumos Agrícolas SOJA Comportamento dos Preços Internos de Mato Grosso do Sul (R$/SC) 75, 74, 73, 72, 71, 7, 69,

Leia mais

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio MB ASSOCIADOS Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012 Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio 26 de Maio de 2011 1 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Impactos no Agronegócio 2 Crescimento

Leia mais

Açúcar: Informativo Quinzenal. Oferta se acentua e preços cedem. Indicador de Açúcar Cristal Cepea/Esalq Estado de São Paulo.

Açúcar: Informativo Quinzenal. Oferta se acentua e preços cedem. Indicador de Açúcar Cristal Cepea/Esalq Estado de São Paulo. Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada CEPEA/ESALQ/USP 25 de maio de 2011 Volume 1, Edição 22 Açúcar: Informativo Quinzenal Indicador de Açúcar Cristal Cepea/Esalq Estado de São Paulo DATA Valor

Leia mais

NOTA TÉCNICA ALERTA PARA OS PRODUTORES DE SOJA

NOTA TÉCNICA ALERTA PARA OS PRODUTORES DE SOJA NOTA TÉCNICA ALERTA PARA OS PRODUTORES DE SOJA Ainda que o consumo de Soja continue crescendo com força, puxado principalmente pela China, as produções dos EUA e também do Brasil nos últimos dois anos

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica

Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica Produção mundial deve recuar em 2007/08 Segundo o relatório de oferta e demanda divulgado pelo Usda em setembro

Leia mais

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO Paulo Magno Rabelo (1) A análise de desempenho da produção de trigo no mundo desperta apreensões fundamentadas quanto aos indicadores de área

Leia mais

Conjuntura Macroeconômica e Setorial

Conjuntura Macroeconômica e Setorial Conjuntura Macroeconômica e Setorial O ano de 2012 foi um ano desafiador para a indústria mundial de carnes. Apesar de uma crescente demanda por alimentos impulsionada pela contínua expansão da renda em

Leia mais

BOLETIM SEMANAL. Soja - Análise. 08 de março de 2013 Número: 243

BOLETIM SEMANAL. Soja - Análise. 08 de março de 2013 Número: 243 Soja - Análise BOLETIM SEMANAL O PESO DO DIESEL: O aumento em janeiro de 5,4% no preço do diesel nas refinarias refletiu em acréscimo médio nas bombas do combustível em Mato Grosso. Essa elevação, de R$

Leia mais

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015 TRIGO Período de 02 a 06//205 Tabela I - PREÇO PAGO AO PRODUTOR (em R$/60 kg) Centro de Produção Unid. 2 meses Períodos anteriores mês (*) semana Preço Atual PR 60 kg 29,56 35,87 36,75 36,96 Semana Atual

Leia mais

SOJA MERCADO INTERNO

SOJA MERCADO INTERNO SOJA MERCADO INTERNO O preço médio da saca de soja em MS apresentou recuo na primeira quinzena de abril deste ano.a desvalorização da oleaginosa chegou a 4,63% em relação ao dia 01/Abr, o produto está

Leia mais

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC)

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Situação da economia e perspectivas Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Recessão se aprofunda e situação fiscal é cada vez mais grave Quadro geral PIB brasileiro deve cair 2,9% em 2015 e aumentam

Leia mais

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com. Agronegócio Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.br GRÃOS Produção (milhões de T. USDA - Fevereiro de 2014; Projeções

Leia mais

Situação atual e perspectivas para o setor sucroenergético

Situação atual e perspectivas para o setor sucroenergético 23 de julho de 2015 Situação atual e perspectivas para o setor sucroenergético Antonio de Padua Rodrigues Diretor técnico ROTEIRO I. Perspectivas para a safra 2015/2016 II. Mercados de açúcar e de etanol

Leia mais

BOLETIM SEMANAL R$ 61,80 R$ 61,00 R$ 1.650,00

BOLETIM SEMANAL R$ 61,80 R$ 61,00 R$ 1.650,00 3/4 5/4 7/4 9/4 11/4 13/4 15/4 17/4 19/4 21/4 23/4 25/4 27/4 29/4 1/5 3/5 Contratos Negociados Cents de US$/bu Análise Estatística de Algodão Algodão LAVOURA NOS ESTADOS UNIDOS: A semeadura nos Estados

Leia mais

Commodities Agrícolas

Commodities Agrícolas Commodities Agrícolas segunda-feira, 23 de setembro de 2013 CAFÉ CAFÉ Bolsas Venc Ajuste Máx BM&F Mín Variação Venc Ajuste ICE FUTURES Máx Mín Variação SET13 134,55 0,00 0,00 0,00 DEZ13 117,75 121,95 121,50-1,25

Leia mais

O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO

O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO A soja é a commodity mais importante do Brasil, pelo valor da produção obtida de grão, óleo e farelo, significativa parcela na receita cambial, área plantada, consumo de

Leia mais

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015 São Paulo, 23 de abril de 2014 ROTEIRO I. Safra 2013/2014 na região Centro-Sul: dados finais Condições climáticas e agronômicas Moagem e produção Mercados

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 Data: 29/04/2014 Participantes Efetivos: Edna Raquel Rodrigues Santos Hogemann Presidente, Valcinea Correia da Silva Assessora Especial,

Leia mais

TRIGO Período de 12 a 16/10/2015

TRIGO Período de 12 a 16/10/2015 TRIGO Período de 2 a 6/0/205 Tabela I - PREÇO PAGO AO PRODUTOR (em R$/60 kg) Centro de Produção Unid. 2 meses Períodos anteriores mês (*) semana Preço Atual PR 60 kg 29,5 34,0 35,42 35,94 Semana Atual

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção

Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção Por Prof. Dr. Sergio De Zen e Graziela Correr; Equipe Pecuária de Corte Se, de um lado, a forte alta do dólar frente ao Real tem contribuído para elevar

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA "LUIZ DE QUEIROZ"

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ Na média, pecuarista ganha da inflação em setembro Em setembro, o custo efetivo da pecuária, pesquisado pela CNA/Cepea-USP, teve alta de apenas 0,22%, enquanto que a inflação medida pelo IGP-M alcançou

Leia mais

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 Milho: Os preços no mercado brasileiro ficaram estáveis e até mesmo um pouco mais baixos em algumas praças. A incerteza dos produtores quanto à produtividade do milho

Leia mais

Edição 40 (Março/2014)

Edição 40 (Março/2014) Edição 40 (Março/2014) Cenário Econômico: Prévia da inflação oficial acelera por alimentos e transportes (Fonte: Terra) O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) avançou 0,73% em março

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL Em 2011: Registrou incremento de 5,2% Em 2011, o setor cresceu 5,2%, movimentou R$ 40 bilhões em insumos e produziu 64,5 milhões de toneladas de ração e 2,35milhões de suplementos

Leia mais

Tabela 1 - OPERACOES DE CREDITO (milhões de R$) Ano I Nov/13. Fonte: ESTBAN, Banco Central do Brasil

Tabela 1 - OPERACOES DE CREDITO (milhões de R$) Ano I Nov/13. Fonte: ESTBAN, Banco Central do Brasil De acordo com a Estatística Bancária por Município (ESTBAN), divulgada pelo Banco Central, o saldo das operações de crédito, em agosto desse ano, chegou a R$ 2,320 trilhões no país, um crescimento de 10,9%

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com História do Milho - Os primeiros registros do cultivo datam de 7.300 anos - Origem Americana: litoral do México - Nome, de origem indígena, significa "sustento

Leia mais

Ano I Boletim II Outubro/2015. Primeira quinzena. são específicos aos segmentos industriais de Sertãozinho e região.

Ano I Boletim II Outubro/2015. Primeira quinzena. são específicos aos segmentos industriais de Sertãozinho e região. O presente boletim analisa algumas variáveis chaves na atual conjuntura da economia sertanezina, apontando algumas tendências possíveis. Como destacado no boletim anterior, a indústria é o carro chefe

Leia mais

BOLETIM SEMANAL R$ 68,70 R$ 67,90 R$ 430,00 R$ 400,00

BOLETIM SEMANAL R$ 68,70 R$ 67,90 R$ 430,00 R$ 400,00 13/2 15/2 17/2 19/2 21/2 23/2 25/2 27/2 1/3 3/3 5/3 7/3 9/3 11/3 13/3 15/3 Contratos Negociados (x 1000) Cents de US$/bu Análise Estatística de Algodão Algodão PREÇOS CAEM: Assim como no cenário de âmbito

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO PANORAMA. A informação é nossa, a decisão é sua! GR. Boi Gordo Mercado Físico RS Período Gráfico DIÁRIO

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO PANORAMA. A informação é nossa, a decisão é sua! GR. Boi Gordo Mercado Físico RS Período Gráfico DIÁRIO PANORAMA RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO SEMANA DE 10 A 14 DE AGOSTO de 2009 Semana de nova estabilidade no preço do Boi Gordo no mercado físico do Rio Grande do Sul, fechando a semana em R$ 5,28/kg

Leia mais

Negociação de contratos futuros e de opções de milho na BVMF

Negociação de contratos futuros e de opções de milho na BVMF Negociação de contratos futuros e de opções de milho na BVMF Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Milho e Sorgo 11 de março de 2010 Agenda 1 Características do Mercado de Milho 2 Contratos Futuros e

Leia mais