PROCESSO PARA CONSTRUÇÃO BASEADO EM PMI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCESSO PARA CONSTRUÇÃO BASEADO EM PMI"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI CAROLINE AP. CUNHA DE ALCÂNTARA RENATO VINÍCIUS RIBEIRO SYLVESTRE THAYSE FREITAS DA SILVA PROCESSO PARA CONSTRUÇÃO BASEADO EM PMI SÃO PAULO 2011

2 ii CAROLINE AP. CUNHA DE ALCÂNTARA RENATO VINÍCIUS RIBEIRO SYLVESTRE THAYSE FREITAS DA SILVA PROCESSO PARA CONSTRUÇÃO BASEADO EM PMI Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência parcial para a obtenção do título de Graduação do Curso de Engenharia de Produção da Universidade Anhembi Morumbi. Orientador: Prof. MSc. Lincoln Camarini

3 iii CAROLINE AP. CUNHA DE ALCÂNTARA RENATO VINÍCIUS RIBEIRO SYLVESTRE THAYSE FREITAS DA SILVA PROCESSO PARA CONSTRUÇÃO BASEADO EM PMI Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência parcial para a obtenção do título de Graduação do Curso de Engenharia de Produção da Universidade Anhembi Morumbi. São Paulo em: de de Nome do Orientador Nome do Professor da banca Comentários: SÃO PAULO Fonte arial tamanho

4 iv Dedicamos este trabalho aos nossos familiares, pois nas horas difíceis sempre transmitiam uma palavra de conforto e não se cansaram de orar a Deus, apresentando nossos estudos.

5 v RESUMO Este trabalho tem como propósito a criação de documentos de planejamento e controle visando melhorar a organização e gestão da construção de uma igreja da Congregação Cristã do Brasil. Os documentos criados têm como base as melhores práticas e conceitos descritos no Guia PMBOK (Project Management Body of Knowledge). Após realizar entrevista com os principais envolvidos no planejamento da obra, verificando se o atual planejamento é eficaz e cumprem os quarenta e dois processos contidos nas nove áreas de conhecimento. O grupo registrou a forma atual de planejamento da igreja e utilizou os conhecimentos adquiridos em estudos bibliográficos para criar documentos que auxiliem no planejamento e controle da construção. Ao final, o grupo concluiu que o objetivo deste trabalho foi alcançado e que os documentos elaborados atenderam os requisitos da metodologia de Gestão de Projeto. Após a conclusão algumas recomendações também são registradas com intuito de ajudar ainda mais os responsáveis da construção da igreja. Palavras Chave: Planejamento, Controle, Processos, Metodologia, PMBOK.

6 vi ABSTRACT This study aims at creating documentation of planning and control to improve the organization and management of construction of a church in the Christian Congregation of Brazil. The documents created are based on best practices and concepts described in the PMBOK (Project Management Body of Knowledge). After conducting interviews with key stakeholders in the planning of the work, verifying that the current planning is effective and meets the 42 processes contained in the nine knowledge areas. The group recorded the current way of planning the church and used the knowledge acquired in bibliographical studies to create documents that assist in the planning and building control. In the end, the group concluded that the objective was achieved and that the documents produced met the requirements of the Project Management methodology. After the conclusion some recommendations are also registered in order to further assist those responsible for the construction of the church. Keywords: Planning, Control, Process, Methodology, PMBOK.

7 vii LISTA DE FIGURAS Figura 5.1 Níveis de maturidade em Gerenciamento de Projetos 11 Figura 6.1 Processo atual de abertura de projeto 27 Figura 6.2 Coleta de requisitos do projeto 29 Figura 6.3 Definição das atividades 30 Figura 6.4 Sequência das atividades 31 Figura 6.5 Estimativa dos recursos das atividades 32 Figura 6.6 Estimativa da duração das atividades 33 Figura 6.7 Planejar comunicaçoes 35 Figura 6.8 Identificar os riscos 36 Figura 6.9 Planejamento de aquisições 38 Figura 6.10 Conduzir aquisições 42 Figura 6.11 Encerrar projeto ou fase 45 Figura 6.12 Gráfico de Avaliação de Maturidade em Gestão de Projetos 48

8 viii LISTA DE TABELAS Tabela Tabela adaptada do livro PMBoK (2008) 25

9 ix LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS PMBOK PMI EAP PMO EPI AS IS TO BE PDCA Project Management Body of Knowledge Project Management Institute Estrutura Analítica de Projeto Project Management Office, Equipamento de Proteção Individual Estado atual Como vai ser Plan; Do; Check; Act

10 x LISTA DE SÍMBOLOS Marca Registrada

11 xi SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos MÉTODO DE TRABALHO JUSTIFICATIVA REFERENCIAL TEÓRICO A estrutura da gestão de projetos Definição de projeto Gerenciamento de projetos Grupo de Processos de Iniciação Grupo de Processos de Planejamento Grupo de Processos de Execução Grupo de Processos de Monitoramento e Controle Grupo de Processos de Encerramento Escritório de projeto Fatores ambientais em projetos Ciclo de vida do Projeto Estrutura e Características do Ciclo Relação entre as fases do projeto Áreas do conhecimento e seus processos Gerenciamento de escopo Gerenciamento do tempo Gerenciamento dos custos... 18

12 xii Gerenciamento da qualidade Gerenciamento de Recursos Humanos Gerenciamento da Comunicação Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Aquisições Gerenciamento da Integração Mapeamento de grupos de processo de gerenciamento de projetos e áreas de conhecimento ESTUDO DE CASO - PROPOSTA DE MELHORIA DE PLANEJAMENTO PARA CONSTRUÇÃO DE IGREJA Grupo de Processos de Iniciação Entrevista Desenvolvimento de um termo de abertura de Projeto Identificação das partes interessadas Grupo de Processos de Planejamento Entrevista Coletar os requisitos Definição do escopo Criar Estrutura Analítica de Projeto Definir Atividades Sequenciar as Atividades Estimar os recursos das atividades Estimar as durações das atividades Desenvolver o cronograma Estimar os custos Determinar o orçamento Planejar a Qualidade Desenvolver Plano de Recursos Humanos Planejar as Comunicações Planejar o gerenciamento de riscos Identificar os Riscos Realizar a análise qualitativa de riscos Realizar a análise quantitativa de riscos... 37

13 xiii Planejar respostas a riscos Planejar as Aquisições Desenvolver o plano de gerenciamento do projeto Grupo de Processos de Execução Entrevista Orientar e Gerenciar a execução do Projeto Realizar a Garantia da Qualidade Mobilizar a Equipe do Projeto Desenvolver a Equipe do Projeto Gerenciar a Equipe do Projeto Distribuir Informações Gerenciar as expectativas das partes interessadas Conduzir Aquisições Grupo de Processos de Monitoramento e Controle Entrevista Monitorar e Controlar o trabalho do Projeto Realizar o Controle Integrado de Mudanças Verificar o Escopo Controlar o Escopo Controlar o Cronograma Controlar Custos Reportar Desempenho Realizar o Controle de Qualidade Monitorar e Controlar os Riscos Administrar as Aquisições Grupo de Processos de Encerramento Entrevista Encerrar Projeto ou Fase Encerrar Aquisições Mapa da Situação Atual da Obra e Gráfico de Avaliação de Maturidade em Gestão de Projetos Grupo de Processos de Iniciação To Be Desenvolvimento de um Termo de Abertura de Projeto Identificação das partes interessadas... 49

14 xiv 6.8 Grupo de Processos de Planejamento To Be Coletar os requisitos Definir o escopo Criar Estrutura Analítica de Projeto Definir Atividades Sequenciar as Atividades Estimar os recursos das atividades Estimar as durações das atividades Desenvolver o cronograma Estimar os custos Determinar o orçamento Planejar a Qualidade Desenvolver Plano de Recursos Humanos Planejar as Comunicações Planejar o gerenciamento de riscos Identificar os Riscos Realizar a análise qualitativa de riscos Realizar a análise quantitativa de riscos Planejar respostas a riscos Planejar as Aquisições Desenvolver o plano de gerenciamento do projeto Grupo de Processos de Execução To Be Orientar e Gerenciar a execução do Projeto Realizar a Garantia da Qualidade Mobilizar a equipe do Projeto Desenvolver a equipe do Projeto Gerenciar a equipe do Projeto Distribuir Informações Gerenciar as expectativas das partes Interessadas Conduzir Aquisições Grupo de Processos de Monitoramento e Controle To Be Monitorar e Controlar o trabalho do Projeto Realizar o controle integrado de mudanças... 68

15 xv Controlar o Escopo Verificar o Escopo Controlar o Cronograma Controlar Custos Reportar Desempenho Realizar o Controle de Qualidade Monitorar e Controlar os Riscos Administrar as Aquisições Grupo de Processos de Encerramento To Be Encerrar Projeto ou Fase Encerrar Aquisições Fluxograma de Encadeamento de Documentos CONCLUSÕES RECOMENDAÇÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICE ANEXO A

16 1 1 INTRODUÇÃO A Igreja Congregação Cristão no Brasil utiliza a mão de obra dos próprios fiéis para a construção de seus Templos. Para cada Templo a ser construído é montada uma equipe de voluntários que frequentam as congregações próximas onde se empenham na construção da nova unidade da Congregação. São utilizados os valores arrecadados das congregações da região como recurso para a compra dos materiais para construção. Como nenhuma empresa de construção civil para a edificação do Templo é contrata para fazer o projeto inteiro, os voluntários utilizam se de seus próprios métodos durante todo o processo. Considerando todas estas informações, percebeu-se a necessidade de um planejamento bem estruturado, para que todo valor investido seja usado da melhor forma, não havendo desperdícios e, para que haja uma produtividade maior por parte dos voluntários. Com base no estudo do Guia PMBOK, o grupo entrevistou os principais envolvidos no planejamento da obra, verificando se o atual planejamento é eficaz e cumpre os quarenta e dois processos contido nas nove áreas de conhecimento. Após entrevista, o grupo registrou a forma atual de planejamento da igreja e utilizou os conhecimentos adquiridos em estudos bibliográficos para criar documentos que auxiliem no planejamento e controle da construção.

17 2 2 OBJETIVOS Demonstrar os principais conceitos de planejamento de projetos em uma construção através do desenvolvimento de documentos de controle, criados com base nas melhores práticas descritas no Guia PMBOK (Project Management Body of Knowledge). 2.1 Objetivo Geral Utilizar os conceitos e ferramentas de Gestão de Projeto na construção de igrejas da Congregação Cristã no Brasil, propondo novos métodos e formas de planejamento através de documentos de controle. 2.2 Objetivos Específicos Desenvolver controles que aplicam os conceitos e ferramentas de Gestão de Projeto para a construção da Igreja da Congregação Cristã no Brasil em Embu das Artes localizada na Rua Inês Boccolini Ribeiro Lote 11 na Quadra H Jardim de Lourdes.

18 3 3 MÉTODO DE TRABALHO Demonstra os principais itens de planejamento e gestão de projetos aplicados na construção de uma das igrejas da Congregação Cristã no Brasil em Embu das Artes, através da pesquisa de campo e bibliográfica. Através de um estudo de caso, mostra-se um diagnóstico de como é feito o planejamento e o gerenciamento atual do Escopo, Tempo, Custo, Qualidade, Recursos Humanos, Comunicação, Riscos, Aquisições e Integração da Igreja. Com base no referencial teórico deste trabalho e no diagnóstico obtido do estado atual de planejamento da construção, serão elaborados documentos de planejamento e controle com intuito de melhorar a organização e gestão sobre construção a ser entregue. A estrutura elaborada para este trabalho é abordar no Capítulo 5 os principais conceitos de Projetos e Gerenciamento de Projetos, através de uma pesquisa bibliográfica. Já no Capítulo 6, é apresentado o estudo de caso, onde foi escolhida uma obra da igreja Congregação Cristã no Brasil que está em na fase de planejamento para construção. Este capítulo mostrará através de entrevista o AS IS (estado atual), ou seja, qual a forma atual que a Congregação Cristã no Brasil planeja a construção desta igreja, e o TO BE (como vai ser) que será a aplicação dos documentos de planejamento e controle criados a partir das melhores práticas desenvolvidas em projetos. No Capítulo 7 são apresentadas as conclusões do trabalho indicando se o mesmo alcançou o objetivo de: desenvolver controles que aplicam os conceitos e ferramentas de gestão de projeto para a construção da igreja.

19 4 4 JUSTIFICATIVA O tema a ser pesquisado é Gestão de projetos: Proposta para melhoria de Planejamento para construção de Igreja. A escolha deste tema se deve ao fato dos integrantes deste trabalho terem estudado a matéria Gestão de Projetos e Contratos durante o 9º Semestre e nesta matéria foi possível integrar todos os conhecimentos obtidos de outras matérias, como por exemplo: Gestão de Pessoas, Gestão da Qualidade, Gestão da Produção e Operações e Estudo da Viabilidade Econômica de Projetos. Como todos integrantes deste grupo são evangélicos, discutiu-se qual seria a melhor forma de aplicarmos este estudo no benefício da construção de igrejas. Desta forma pesquisamos os principais problemas enfrentados em cada entidade religiosa, e verificamos que a Congregação Cristã no Brasil não contrata empresas terceiras para construção de seus templos. Constata-se que a construção é feita a partir de doações de materiais, contribuições em dinheiro e mão de obra voluntária. Percebeu-se então, que estes tipos de construções correm grandes riscos de não serem finalizadas, pois sem um planejamento ideal, a construção poderá ser entregue com atraso, ter muitos gastos desnecessários e até mesmo não ser concluída.

20 5 5 REFERENCIAL TEÓRICO Percebe-se que os grandes projetos fazem parte da história da humanidade e, a idéia de se elaborá-los e executá-los são bem mais complexos do que se pode imaginar. Neste sentido, pode-se reportar ao livro mais antigo e conhecido do mundo, a Bíblia, e verificar o quanto foi difícil para Noé executar e gerenciar o projeto da Arca. A construção das pirâmides do Egito e dos Templos Maia são também exemplos de projetos que alcançaram sucesso pelas referências na história. Desta forma questiona-se: Por que atualmente, projetos de menor grandeza são realizados e muitas vezes seus objetivos não são alcançados? A resposta é simples de se falar e difícil de realizar: Deve-se à falta de planejamento e gerenciamento. Vargas (2009) cita uma pesquisa realizada pelo Project Management Institute (PMI) e a Economic Intelligence Unit, que doze trilhões de dólares são empregados em projetos no mundo e, nota-se o grande interesse das organizações em investir em projetos. Em 1969 surge nos Estados Unidos a entidade mundial sem fins lucrativos chamada: Project Management Institute, mais conhecida como PMI. Esta entidade, através da contribuição da contribuição da experiência de seus membros, desenvolveu um guia das melhores práticas em gerenciamento de projetos chamado PMBOK (Project Management Institute), que por sua vez, tornou-se conhecido mundialmente, com a padronização de métodos e termos de projetos, facilitando a forma de gerir um projeto e impulsionando as empresas em direção a um resultado previsível e consistente. Neste capítulo, serão apresentados alguns conceitos e técnicas descritos pelo Project Management Institute (PMI) com o intuito de criar um referencial teórico sólido, para que sirva como total base para a execução deste trabalho de conclusão de curso.

21 6 5.1 A estrutura da gestão de projetos Definição de projeto Um projeto é um processo com data de início meio e fim definidos e deve focar-se em um objetivo, para que este futuramente venha transformar-se em um produto, serviço ou resultado exclusivo. Segundo o PMI (2008), projeto é um esforço temporário empreendido para desenvolver um produto, serviço ou resultado exclusivo. Mesmo que um projeto seja definido como temporário, seu produto pode durar por muito tempo, ou seja, é um processo único, consistente com um conjunto coordenado e controlado de atividades com data de início e término conduzida para atingir um objetivo com requisitos especificados, incluindo restrições de tempo, custo e recursos. Contudo, não se pode confundir projetos com as operações das organizações, uma vez que a operações é definida como: (...) uma função organizacional que realiza a execução contínua de atividades que produzem o mesmo produto ou fornecem um serviço repetitivo (PMI, 2008). Isso significa que uma linha de produção não pode ser considerada como um projeto, pois esta, todo dia produzirá produtos repetitivos, terá atividades rotineiras e seu objetivo mudará de acordo com a estratégia da empresa Gerenciamento de projetos O gerenciamento de projetos é a aplicação do conhecimento, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de atender aos seus requisitos segundo O PMI (2008).

22 7 Segundo o Trentrim (2011) gerenciamento de projetos é o caminho para atingir a visão (metas e objetivos) por meio da missão, com base nos valores da organização. A implantação do gerenciamento de projetos nas organizações é gradual e traz como benefício à melhoria contínua na gestão e execução dos projetos, proporcionando resultados de sucesso consistentes Trentrim (2011). Para realizar o gerenciamento de projeto devem-se aplicar processos que estão contidos dentro de cinco grupos: Iniciação processos que são realizados para definir e autorizar um novo projeto ou fase Planejamento que são processos para definição de escopo, detalhamento de metas e desenvolvimento de planos de ação que ajudam a atingir os objetivos do projeto. Execução processos para execução do trabalho definidos no escopo Monitoramento e controle processos com objetivo de acompanhar, revisar e corrigir o desempenho do projeto, e se necessário propor mudanças. Encerramento processos realizados para finalizar formalmente o projeto e suas fases. Os cinco grupos de processos estão alinhados com o PDCA. Este é uma sigla dos termos em inglês Plan Do Check Act que é aplicado para se atingir resultados dentro de um sistema de gestão e podendo ser utilizado em qualquer ramo de empresa de forma a garantir o sucesso nos negócios Grupo de Processos de Iniciação Segundo o Guia PMBoK (2008), este grupo refere-se aos processos realizados para definir e iniciar um novo projeto ou nova fase de um projeto existente através da obtenção de autorização para iniciar o projeto ou a fase.

23 8 Nestes processos são realizados planejamentos de maneira macro sendo que seu melhor detalhamento apenas ocorrerá no Grupo de Processos de Planejamento. O produto essencial deste grupo é chamado de Termo de Abertura de Projeto, que segundo Trentrim (2011), serve para: Descrição do projeto; Motivos para apoiar a iniciativa do projeto, como melhor alternativa para solução; Critérios de seleção (podem ser externos), requisitos e critérios de sucesso; Declaração inicial de escopo; Previsão de recursos e duração; Levantamento preliminar de riscos e outros aspectos de planejamento identificados inicialmente. O objetivo deste documento, após assinatura dos principais responsáveis do projeto, é determinar o início efetivo do projeto Grupo de Processos de Planejamento Segundo o PMI (2008), este grupo refere-se aos processos realizados para definir o escopo do projeto, refinar os objetivos e desenvolver o curso de ação necessário para alcançar os objetivos para os quais o projeto foi criado. Nestes processos são desenvolvidos os planos e as documentações que orientam na execução do projeto. Segundo Trentrim (2011), os planos devem incluir como será executado e gerenciado o projeto, incluindo processos de melhoria e medições que serão realizadas para acompanhamento. Como ao longo de um projeto pode haver mudanças, o processo de planejamento

24 9 pode ser repetitivo e contínuo, pois quanto mais informações são adquiridas mais o planejamento pode ser detalhado. Para que este planejamento seja feito da melhor forma devem-se envolver todas as partes interessadas do projeto, pois quanto maior o envolvimento melhor será o planejamento Grupo de Processos de Execução Segundo o PMI (2008), este grupo refere-se aos processos realizados para executar o trabalho definido no plano de gerenciamento do projeto para satisfazer as especificações do mesmo. Para realização dos Processos de Execução, deve-se ter em mãos um plano de projeto muito bem detalhado nos Processos de Planejamento. E, para que o processo de execução seja um sucesso, o gerente do projeto deve ser pro ativo e procurar prevenir os problemas, cujo caminho de solução deve estar desenhado no plano de gerenciamento do projeto, como cita Trentrim (2011). Em alguns projetos onde seu planejamento não foi bem detalhado, os processos de execução acabam tomando rumos diferentes dos definidos nos objetivos e escopo do projeto, fazendo com que um replanejamento seja feito e novas datas de entregas sejam definidas Grupo de Processos de Monitoramento e Controle O grupo de Processos de Monitoramento e Controle refere-se aos: (...) processos necessários para acompanhar, revisar e regular o progresso e o desempenho do projeto, identificar todas as áreas nas quais serão necessárias mudanças no plano e iniciar as mudanças correspondentes PMI (2008).

25 10 Para Trentrim (2011), o desempenho do projeto é observado e mensurado de forma periódica e uniforme com intuito de: Identificar variações em relação ao plano de gerenciamento; Controlar as mudanças e recomendar ações preventivas; Monitorar atividades do projeto em relação ao plano e as datas bases; Influenciar fatores que poderiam impedir o controle integrado de mudanças. Somente mudanças aprovadas devem ser implementadas, os impactos devem ser analisados antes da aprovação Grupo de Processos de Encerramento De acordo com o PMI (2008) este grupo refere-se aos processos executados para finalizar todas as atividades de todos os grupos de processos, visando encerrar formalmente o projeto ou fase. Para Trentrim (2011), este grupo de processos verifica se os processos definidos estão completos em todos os grupos de processos com intuito de: Encerrar o projeto ou a fase formalmente; Ter documentado todas as lições aprendidas; Encerrar todas as aquisições; Conseguir a aceitação final e formal do cliente ou patrocinador Estar preparado para revisões e auditorias pós-projetos; Atualizar de forma apropriada os ativos de processos organizacionais

26 Escritório de projeto O Project Management Institute (PMI) estabelece que escritório de projetos (Project Management Office, PMO) é um corpo ou entidade organizacional a qual são atribuídas várias responsabilidades relacionadas ao gerenciamento centralizado e coordenado dos projetos sob seu domínio. De maneira mais simples, um escritório de projetos é um grupo de pessoas com responsabilidades que podem ser desde fornecer funções de suporte ao ser o responsável direto pelo projeto. Desta forma, o Escritório de Projetos permite ter uma visão geral e controle coordenado de projetos, programas e recursos, dando o retorno para as equipes de e guiando a execução dos projetos. A figura 5.1, retirada da obra de Trentrim (2011) demonstra os níveis de maturidade que uma organização pode estar classificada: Figura 5.1 Níveis de maturidade em Gerenciamento de Projetos Trentrim (2011) Como um Escritório de Projetos possui diversas responsabilidades o mesmo deve possuir níveis de autoridade diferentes. Esses níveis são classificados da seguinte forma de acordo com Trentrim (2011):

27 12 Estágio 1 Project Office: Nível - Supervisão de Projetos: O PMO é responsável pela finalização de entregas e objetivos para custos, cronogramas, e utilização de recursos. Estágio 2 PMO Básico: Nível - Processo de Controle: O PMO deve promover uma metodologia padrão e reproduzível de Gerência de Projetos para utilização em todos os projetos. Estágio 3 PMO Padrão: Nível Processo de Apoio: O PMO irá estabelecer capacitação e infra-estrutura para suportar e reger o desenvolvimento coeso de projetos. Estágio 4 PMO Avançado: Nível Maturidade empresarial: O PMO aplica a capacidade do gerenciamento de projetos de forma compreensiva e integrada para finalizar os objetivos de negócio. Estágio 5 Centro de Excelência: Nível Alinhamento estratégico: O PMO promove desenvolvimento gerencial contínuo e entre departamentos para atingir objetivos estratégicos da empresa. O que se deve ter cuidado é que um PMO ruim pode prejudicar de forma significativa uma empresa, pois ele pode tirar toda a motivação dos gerentes de projetos e fazer com que a equipe envolvida não colabore para com o sucesso do projeto Fatores ambientais em projetos O PMI (2008) descreve fatores ambientais como aquele que nos envolve internamente e externamente que também cercam ou influenciam o sucesso do projeto. Esses fatores podem nos afetar no gerenciamento do projeto de maneira positiva ou negativa, interferindo nas opções de gerenciamento. Na maioria dos processos de planejamento estes fatores são considerados como entradas. Exemplos:

28 13 Cultura, estrutura e processo organizacionais; Padrões governamentais ou setoriais; Infra - estrutura; Recursos humanos; Administração de pessoal (políticas de RH); Sistemas de autorização de trabalho da empresa; Condições de mercado; Tolerância a riscos das partes interessadas (stakeholders) Bancos de dados e sistemas de informação. Segundo Trentrim (2011) os fatores ambientais da empresa são ativos de processos organizacionais e estão relacionados a informações e ao conhecimento; é a inteligência da empresa. Esses fatores podem ser divididos em duas fases, as de processos e procedimentos e, a fase de base de conhecimento. 5.2 Ciclo de vida do Projeto Estrutura e Características do Ciclo De acordo com PMI (2008) o ciclo de vida de um projeto: (...) consiste nas fases do mesmo que geralmente são sequenciais e que às vezes se sobrepõem, cujo nome e número são determinados pelas necessidades de gerenciamento e controle da organização envolvida, a natureza do projeto em si e sua área de aplicação. O PMI (2008) divide o ciclo do projeto em quatro fases, que podem ser utilizadas tanto para projetos pequenos, como para projetos grandes, pois independente do tamanho ou da complexidade, todos os projetos devem ser mapeados.

29 14 Esse mapeamento pode ser utilizado como referência quando se quiser fazer algum tipo de comparação de projetos ainda que eles, em sua natureza, não sejam similares. São eles: Início do projeto; Organização e preparação; Execução do trabalho do projeto e Encerramento do projeto. Segundo o PMI (2008) as fases do projeto são divisões de um projeto onde o controle adicional é necessário para gerenciar de forma efetiva o término de uma entrega importante. A estrutura de fases permite que o projeto seja segmentado em subconjuntos lógicos para facilitar o gerenciamento, o planejamento e o controle. Todos os projetos, independente do porte, possuem um ciclo de vida semelhante e cada fase de um determinado projeto tem a sua própria necessidade e característica. Por menor que ele seja, no mínimo, terá uma etapa inicial, uma fase intermediária e um estágio final, o que irá depender da complexidade do projeto e do ramo que se está sendo realizado. O Ciclo de Vida de um projeto representa desde seu nascimento, seu desenvolvimento e consolidação até seu encerramento e com este ciclo elaborado pode-se prever, o consumo de recursos, etapa por etapa, durante todo o tempo demandado pelo projeto Meneses (2008) Relação entre as fases do projeto De acordo com o PMI (2008) Quando os projetos possuem várias fases, estas são parte, em

30 15 geral, de um processo sequencial projetado para garantir um controle adequado do projeto e obter o produto, serviço ou resultado desejado. Existem três tipos básicos de relações entre fases: Uma relação sequencial, onde uma fase só poderá iniciar após o término da anterior. Este tipo de relação é optado geralmente por projetos em que se busca uma certeza maior da execução correta de cada fase, porém, há alguns pontos que impactam negativamente como a impossibilidade de redução do cronograma. Com o prosseguimento do projeto, os custos e os integrantes da equipe aumentam, e no estágio de encerramento tende a diminuir. O risco deste tipo de relação é, mas alto no começo e, à medida que o projeto se aproxima da conclusão, vai diminuindo gradativamente. Uma relação sobreposta, pois a mesma consegue encurtar ou reduzir o cronograma do projeto. Este é chamado de paralelismo (fast trancking). Nesta fase de paralelismo, um estágio posterior é iniciado antes da conclusão e aprovação da(s) fase(s) anterior (es). Contudo, se as atividades não forem devidamente controladas, há um grande risco de ter que ser realizado algum tipo de retrabalho. Uma relação interativa, de acordo o PMI (2008) (...) esta relação acontece quando apenas uma fase está planejada a qualquer momento e o planejamento da próxima é feito à medida que o trabalho avança na fase atual e nas entregas. Esta relação entre fases será somente útil em ambientes indefinidos, incerto ou de rápida transformação. Pode acontecer nesta relação que, todos os membros da equipe precisem ficar disponíveis durante todo o projeto ou, pelo menos por duas fases consecutivas.

31 Áreas do conhecimento e seus processos O Guia PMBoK (2008), orienta que todo projeto pode ser divido em nove áreas de conhecimentos e que cada uma por sua vez se divide em processos. Esses processos podem ser classificados de acordo com a fase do projeto. Nos demais itens, serão detalhados quais são as nove áreas de conhecimento e serão incluídos seus processos Gerenciamento de escopo Segundo o PMI (2008), O gerenciamento de escopo do projeto inclui os processos necessários para assegurar que o projeto inclui todo o trabalho necessário, e apenas o necessário, para terminar o projeto com sucesso. O resumo dos processos existentes nesta área de conhecimento é apresentado da seguinte forma pelo PMBoK (2008): Coletar os Requisitos - O processo de definição e documentação das necessidades das partes interessadas para alcançar os objetivos do projeto. Definir o Escopo - O processo de desenvolvimento de uma descrição detalhada do projeto e do produto. Criar a EAP - O processo de subdivisão das entregas e do trabalho do projeto em componentes menores e mais facilmente gerenciáveis. Verificar o Escopo - O processo de formalização da aceitação das entregas terminadas do projeto. Controlar o Escopo O processo de monitoramento do progresso do escopo do produto e gerenciamento das mudanças feitas na linha de base do escopo.

32 17 Para que a área de gerenciamento de escopo obtenha sucesso os processos acima mencionados devem estar totalmente integrados com os processos das outras áreas de conhecimento Gerenciamento do tempo Segundo o PMI (2008), o gerenciamento do tempo do projeto inclui os processos necessários para gerenciar o término pontual do projeto. O resumo dos processos existentes nesta área de conhecimento é apresentado da seguinte forma pelo PMI (2008): Definir as atividades - O processo de identificação das ações específicas a serem realizadas para produzir as entregas do projeto. Sequenciar as atividades - O processo de identificação e documentação dos relacionamentos entre as atividades do projeto. Estimar os recursos da atividade - O processo de estimativa dos tipos e quantidades de material, pessoas, equipamentos ou suprimentos que serão necessários para realizar cada atividade. Estimar as durações da atividade - O processo de estimativa do número de períodos de trabalho que serão necessários para terminar atividades específicas com os recursos estimados. Desenvolver o cronograma - O processo de análise das sequências das atividades, suas durações, recursos necessários e restrições do cronograma visando criar o cronograma do projeto. Controlar o cronograma - O processo de monitoramento do andamento do projeto para atualização do seu progresso e gerenciamento das mudanças feitas na linha de base do cronograma.

33 18 Para que a área de gerenciamento do tempo obtenha sucesso os processos acima mencionados devem estar totalmente integrados com os processos das outras áreas de conhecimento Gerenciamento dos custos O gerenciamento de custos do projeto inclui os processos envolvidos em estimativas, orçamentos e controle dos custos, de modo que o projeto possa ser terminado dentro do orçamento aprovado PMI (2008). O resumo dos processos existentes nesta área de conhecimento é apresentado da seguinte forma pelo PMI (2008): Estimar os custos - O processo de desenvolvimento de uma estimativa de custos dos recursos monetários necessários para terminar as atividades do projeto. Determinar o orçamento - O processo de agregação dos custos estimados de atividades individuais ou pacotes de trabalho para estabelecer uma linha de base autorizada dos custos. Controlar os custos - O processo de monitoramento do andamento do projeto para atualização do seu orçamento e gerenciamento das mudanças feitas na linha de base dos custos. Para que a área de gerenciamento de custos obtenha sucesso os processos acima mencionados devem estar totalmente integrados com os processos das outras áreas de conhecimento Gerenciamento da qualidade O gerenciamento da qualidade do projeto inclui os processos e as atividades da organização executora que determinam as políticas de

34 19 qualidade, os objetivos e as responsabilidades, de modo que o projeto satisfaça às necessidades para as quais foi empreendido. Implementa o sistema de gerenciamento da qualidade por meio de políticas e procedimentos com atividades de melhoria contínua de processos realizadas durante todo o projeto, conforme apropriado PMI (2008). O resumo dos processos existentes nesta área de conhecimento é apresentado da seguinte forma pelo PMI (2008): Planejar a qualidade - O processo de identificar os requisitos e/ou padrões de qualidade do projeto e do produto, bem como documentar de que modo o projeto demonstrará a conformidade. Realizar a garantia da qualidade - O processo de auditoria dos requisitos de qualidade e dos resultados das medições de controle de qualidade para garantir que sejam usados os padrões de qualidade e as definições operacionais apropriadas. Realizar o controle da qualidade - O processo de monitoramento e registro dos resultados da execução das atividades de qualidade para avaliar o desempenho e recomendar as mudanças necessárias. Para que a área de gerenciamento da qualidade obtenha sucesso os processos acima mencionados devem estar totalmente integrados com os processos das outras áreas de conhecimento Gerenciamento de Recursos Humanos Segundo o PMI (2008), o gerenciamento de recursos humanos inclui os processos que organizam e gerenciam a equipe do projeto. O resumo dos processos existentes nesta área de conhecimento é apresentado da seguinte forma pelo PMI (2008):

35 20 Desenvolver o plano de recursos humanos O processo de identificação e documentação de funções, responsabilidades, habilidades necessárias e relações hierárquicas do projeto, além da criação de um plano de gerenciamento do pessoal. Mobilizar a equipe do projeto - O processo de confirmação da disponibilidade dos recursos humanos e obtenção da equipe necessária para concluir as designações do projeto. Desenvolver a equipe do projeto - O processo de melhoria de competências, interação da equipe e ambiente global da equipe para aprimorar o desempenho do projeto. Gerenciar a equipe do projeto - O processo de acompanhar o desempenho de membros da equipe, fornecer feedback, resolver questões e gerenciar mudanças para otimizar o desempenho do projeto. Para que a área de gerenciamento de recursos humanos obtenha sucesso o envolvimento e a participação dos membros da equipe desde o início agrega seus conhecimentos durante o processo de planejamento e fortalece o compromisso com o projeto Gerenciamento da Comunicação o gerenciamento da comunicação, identifica os processos relativos à geração, coleta, disseminação, armazenamento e destinação final das informações do projeto de forma oportuna e apropriada; inclui os processos necessários para assegurar que as informações do projeto sejam geradas, coletadas, distribuídas, armazenadas, recuperadas e organizadas de maneira oportuna e apropriadas PMI (2008). O resumo dos processos existentes nesta área de conhecimento é apresentado da seguinte forma pelo PMI (2008):

36 21 Identificar as partes interessadas - O processo de identificação de todas as pessoas ou organizações que podem ser afetadas pelo projeto e de documentação das informações relevantes relacionadas aos seus interesses, envolvimento e impacto no sucesso do projeto Planejar as comunicações - O processo de determinação das necessidades de informação das partes interessadas no projeto e definição de uma abordagem de comunicação. Distribuir informações - O processo de colocar as informações necessárias à disposição das partes interessadas no projeto, conforme planejado. Gerenciar as expectativas das partes interessadas - O processo de comunicação e interação com as partes interessadas para atender às suas necessidades e solucionar as questões à medida que ocorrerem. Reportar o desempenho - O processo de coleta e distribuição de informações sobre o desempenho, incluindo relatórios de andamento, medições do progresso e previsões. Para que a área de gerenciamento da qualidade obtenha sucesso os processos acima mencionados devem estar totalmente integrados com os processos das outras áreas de conhecimento Gerenciamento de Riscos O gerenciamento de riscos inclui os processos de planejamento, identificação, análise, planejamento de respostas, monitoramento e controle de riscos de um projeto. Os objetivos do gerenciamento dos riscos são aumentar a probabilidade e o impacto dos eventos positivos e reduzir a probabilidade e o impacto dos eventos negativos no projeto PMI (2008). O resumo dos processos existentes nesta área de conhecimento é apresentado da seguinte forma pelo PMI (2008):

37 22 Planejar o gerenciamento dos riscos - O processo de definição de como conduzir as atividades de gerenciamento dos riscos de um projeto. Identificar os riscos - O processo de determinação dos riscos que podem afetar o projeto e de documentação de suas características. Realizar a análise qualitativa dos riscos - O processo de priorização dos riscos para análise ou ação adicional através da avaliação e combinação de sua probabilidade de ocorrência e impacto. Realizar a análise quantitativa dos riscos - O processo de analisar numericamente o efeito dos riscos identificados, nos objetivos gerais do projeto. Planejar as respostas aos riscos - O processo de desenvolvimento de opções e ações para aumentar as oportunidades e reduzir as ameaças aos objetivos do projeto. Monitorar e controlar os riscos - O processo de implementação de planos de respostas aos riscos, acompanhamento dos riscos identificados, monitoramento dos riscos residuais, identificação de novos riscos e avaliação da eficácia dos processos de tratamento dos riscos durante todo o projeto. Para que a área de gerenciamento de riscos obtenha sucesso os processos acima mencionados devem estar totalmente integrados com os processos das outras áreas de conhecimento Gerenciamento de Aquisições Segundo o PMBoK (2008), o gerenciamento de aquisições inclui os processos necessários para comprar ou adquirir produtos, serviços ou resultados externos à equipe do projeto. O resumo dos processos existentes nesta área de conhecimento é apresentado da seguinte forma pelo PMBoK (2008):

38 23 Planejar as aquisições - O processo de documentação das decisões de compras do projeto, especificando a abordagem e identificando fornecedores em potencial. Realizar as aquisições - O processo de obtenção de respostas de fornecedores, seleção de um fornecedor e adjudicação de um contrato. Administrar as aquisições - O processo de gerenciamento das relações de aquisição, monitorando o desempenho do contrato e realização de mudanças e correções conforme necessário. Encerrar as aquisições - O processo de finalizar todas as aquisições do projeto. Para que a área de gerenciamento de aquisições obtenha sucesso os processos acima mencionados devem estar totalmente integrados com os processos das outras áreas de conhecimento Gerenciamento da Integração O Gerenciamento da integração do projeto inclui os processos e as atividades necessárias para identificar, definir, combinar, unificar e coordenar os vários processos e atividades dos grupos de processos de gerenciamento. No contexto de gerenciamento de projetos, integração inclui características de unificação, consolidação, articulação e ações integradoras que são essenciais para o término do projeto, para gerenciar com sucesso as expectativas das partes interessadas e atender aos requisitos PMI (2008). O resumo dos processos existentes nesta área de conhecimento é apresentado da seguinte forma pelo PMBoK (2008): Desenvolver o termo de abertura do projeto - O processo de desenvolvimento de um documento que formalmente autoriza um projeto ou uma fase e a documentação dos requisitos

39 24 iniciais que satisfaçam as necessidades e expectativas das partes interessadas. Desenvolver o plano de gerenciamento do projeto - O processo de documentação das ações necessárias para definir, preparar, integrar e coordenar todos os planos auxiliares. Orientar e gerenciar a execução do projeto - O processo de realização do trabalho definido no plano de gerenciamento do projeto para atingir os objetivos do projeto. Monitorar e controlar o trabalho do projeto - O processo de acompanhamento, revisão e regulação do progresso para atender aos objetivos de desempenho definidos no plano de gerenciamento do projeto. Realizar o controle integrado de mudanças - O processo de revisão de todas as solicitações de mudança, aprovação de mudanças e gerenciamento de mudanças nas entregas, ativos de processos organizacionais, documentos de projeto e plano de gerenciamento do projeto. Encerrar o projeto ou fase - O processo de finalização de todas as atividades de todos os grupos de processos de gerenciamento do projeto para terminar formalmente o projeto ou a fase.

40 Mapeamento de grupos de processo de gerenciamento de projetos e áreas de conhecimento Para facilitar a visualização do mapeamento dos quarenta e dois processos nas cinco fases de um projeto e nas nove Áreas de Conhecimento, o PMI (2008) desenvolveu a tabela 5.1. Tabela Tabela adaptada do livro PMBoK (2008)

41 26 Com essa tabela torna-se mais fácil de verificar se o projeto está cumprindo todos os processos e se está desenvolvendo seus controles no momento ou na fase correta. 6 ESTUDO DE CASO - PROPOSTA DE MELHORIA DE PLANEJAMENTO PARA CONSTRUÇÃO DE IGREJA A Congregação Cristã no Brasil é uma entidade religiosa sem fins lucrativos fundada em 1910 pelo italiano Luis Francescon. Com o passar dos anos, a quantidade de irmãos e irmãs foi aumentando e a igreja sentiu cada vez mais a necessidade de ampliar-se e construir novos templos. Hoje a Congregação está presente em 65 países e sua sede está localizada no bairro do Brás na cidade de São Paulo. Para construir suas igrejas, a Congregação conta principalmente da boa vontade de seus fiéis. Cada integrante da igreja que sentir-se com vontade de ajudar na construção, seja para mão-de-obra especializada ou para o simples ato de fazer o café da manhã para todos, será sempre bem vindo. Na primeira parte deste estudo de caso, fez-se uma entrevista com os integrantes da administração da Congregação de Embu, e documentam-se quais são suas ferramentas e formas atuais de planejamento para construção. Toma-se por base cada uma das nove Áreas de Conhecimento e seus quarenta e dois processos descritos no referencial teórico deste trabalho, tendo assim uma avaliação da maturidade em gestão de projetos que a igreja possui. 6.1 Grupo de Processos de Iniciação Entrevista Desenvolvimento de um termo de abertura de Projeto Em entrevista com o Tesoureiro da Administração Sr. Randal Sylvestre, ficou-se sabendo que para que uma construção de uma igreja da Congregação inicie, é feita uma reunião onde são apresentados os bairros que tem muitos fiéis, porém não tem

42 27 uma igreja próxima de suas casas. Após o levantamento do nome destes bairros e de possíveis terrenos a serem adquiridos, os participantes da reunião fazem uma oração de súplica a Deus, pedindo uma confirmação do nome do bairro que deverá ter uma igreja. Após oração, os bairros que são aprovados unanimemente por todos os irmãos, poderão dar início na compra do terreno. Para registrar o fato da aprovação, no final da reunião é elaborada uma ata que descreve quais endereços dos bairros foram aprovados para compra do terreno. Esta ata é assinada pelo Presidente da Administração, o Secretário da Administração e Tesoureiro. Para que a compra dos terrenos sejam oficializadas na prefeitura, é feito um reconhecimento de firma nesta ata e a mesma é apresentada na prefeitura para dar início ao processo de compra e construção no terreno. A figura 6.1 descreve o processo atual de desenvolvimento de termo de abertura do projeto: Figura 6.1 Processo de abertura de projeto Fonte: Do Autor

43 Identificação das partes interessadas Verificou-se que o processo de identificação das partes interessadas não é feito de forma eficaz, sendo que a obra possui dois livros que servem apenas para dar entrada em novos voluntários e lista de presença. A identificação das partes interessadas é um processo fundamental, pois através dele tem-se não só uma lista do nome dos principais participantes, mas sim o registro da função de cada um no projeto, quais são suas expectativas e quais preocupações cada um tem em relação a construção. 6.2 Grupo de Processos de Planejamento Entrevista Coletar os requisitos Verificou-se que a coleta de requisitos é feita com base no desenho da planta feita pelo Arquiteto Sr. Milton Souza Tigre. O arquiteto e também atual presidente da administração, descreve no documento Memorial Descritivo de Projeto para: Construção de um Templo Religioso as características da fundação, estrutura, alvenaria, impermeabilização, revestimento de alvenaria, esquadrias de madeira, esquadrias metálicas, revestimento do piso, instalações elétricas e hidráulicas, forro, cobertura, pintura e vidros. Após elaborar este documento, o mesmo é encaminhado para prefeitura local. Embora este documento na maioria das vezes seja aceito na prefeitura, verificou-se que há falta de informações importantes para que futuramente, com base nele, seja definido o detalhamento do projeto. O documento deveria não só mostrar quais são os requisitos funcionais, mas também detalhar quais os requisitos não funcionais, ou seja, os requisitos que são esperados na entrega, mas que não possuem características específicas, como por exemplo, facilidade de acesso a igreja, segurança e conforto.

44 29 Outro item que deve estar claro é a justificativa da escolha de cada requisito, pois todos os envolvidos na obra devem saber quais os argumentos que comprovam o registro deste requisito. No anexo deste trabalho, é possível visualizar o Memorial Descritivo de Projeto para: Construção de um Templo Religioso para consulta, Anexo A. A figura 6.2 descreve o processo de coleta de requisitos do projeto: Figura 6.2 Coleta de requisitos do projeto Fonte: Do Autor Definição do escopo Em entrevista com o Presidente da Administração Sr. Milton Souza Tigre, evidenciou-se que a obra não possui um documento que defina qual será o escopo da obra, isto é, um documento que deixe claro para todos os envolvidos saberem os objetivos do projeto, os requisitos que foram acordados no processo anterior, os itens que não fazem parte do escopo do projeto, seus principais marcos, os critérios serão utilizados para a aceitação da obra, as restrições do projeto e por último, suas premissas. Tendo um documento com todas estas informações em mãos, será fácil de defender futuras mudanças não planejadas e manter a obra sempre no fluxo do projeto.

45 Criar Estrutura Analítica de Projeto Evidenciou-se que o projeto não possui uma EAP (Estrutura Analítica de Projeto), pois para criá-la seria necessário que os dois processos citados anteriormente estivessem inconformidade, gerando entradas para a criação da EAP Definir Atividades Evidenciou-se que o processo de Definir Atividades é cumprido parcialmente, pois, através da planta da obra, o arquiteto identifica as primeiras atividades que podem ser feitas, e analisa o caixa que possui para verificar se há possibilidade ou condições para realizar essas atividades. Após analisar quais atividades que podem ser realizadas, o arquiteto informa o mestre de obra para que ele verifique se todas as atividades listadas estão claras e se o mestre de obra possui experiência para executá-las com sua equipe. A falha observada neste processo é que muitas das atividades são passadas verbalmente, o que pode causar esquecimento tanto do arquiteto quando do mestre de obra. Além de disso, as atividades não são detalhadas em um cronograma, o que facilitaria em futuras consultas as atividades executadas e serviria como guia para o mestre de obra verificar quais atividades estão pendentes e quais já foram realizadas. A figura 6.3 descreve o processo atual de Definir Atividades: Figura 6.3 Definição das atividades Fonte: Do Autor

46 Sequenciar as Atividades Evidenciou-se que o processo de Sequenciar as Atividades é cumprido parcialmente, pois, como explicado no item anterior, as atividades são definidas informalmente. Desta forma, a sua maneira de ser sequenciada também é informal. O arquiteto com base, em suas atividades definidas, numera qual a sequência das atividades que podem ser feitas, e esta sequência é informada ao mestre de obra. A principal entrega deste processo é um diagrama de rede das atividades, pois com ele ficaria fácil de visualizar como cada atividade se relaciona com a outra, e daria uma visão melhor de toda sequência, fazendo com que nenhuma atividade fosse esquecida. A figura 6.4 descreve o processo atual de Sequenciar as Atividades: Figura 6.4 Sequência das atividades Fonte: Do Autor Estimar os recursos das atividades Evidenciou-se que o processo de Estimar os Recursos das Atividades é cumprido parcialmente, pois, com base nas atividades passadas pelo arquiteto, o mestre de

47 32 obra verifica quantas pessoas estão disponíveis para trabalhar, e em cima deste número ele divide as atividades para cada pessoa. Porém, por não ser feito um estudo de quantas pessoas realmente necessitariam para realizar determinada atividade, muitas atividades deixam de ser finalizadas por falta de recursos, e outras atividades acabam antes do esperado. Um exemplo foi a limpeza do terreno que necessitava de muitas pessoas, porém para realizar essa atividade foram utilizados cinco dias em razão do baixo número de voluntários. Outro item que geralmente ocorre são atividades que necessitam de uma mão de obra especifica. Muitas das vezes voluntários não especializados tentam realizar este tipo de atividade, porém por ser uma atividade que requer mão- de- obra especializada só é possível realizá-la com a ajuda de uma empresa contratada, e se não foi planejada a contratação desta empresa antes, quando os voluntários chegarem à obra terão que voltar para suas casas, pois apenas com acompanhamento específico poderão ajudar nesta atividade. A figura 6.5 descreve o processo atual de Estimar os recursos das atividades: Figura 6.5 Estimativa dos recursos das atividades Fonte: Do Autor Estimar as durações das atividades Evidenciou-se que o processo de estimar as durações das atividades é cumprido parcialmente, pois, conforme no item anterior não é feito um estudo para alocação de recursos, sendo assim as atividades não possuem estimativa de duração com base na quantidade de pessoas disponíveis.

48 33 Com uma estimativa correta da duração de cada atividade seria mas fácil de verificar quais atividades necessitam de um maior número de recursos, e também poderíamos verificar quais atividades em atraso em relação as suas durações estimadas. A figura 6.6 descreve o processo atual de estimar as durações das atividades: Figura 6.6 Estimativa da duração das atividades Fonte: Do Autor Desenvolver o cronograma Evidenciou-se que o processo de Desenvolver o Cronograma não é efetuado, pois p não há processo formal de definição de atividade, de sequenciamento de atividade, de estimativa de recursos e estimativa de durações, portanto não é possível a elaboração de um cronograma. O cronograma ajudaria na definição do caminho crítico do projeto, ou seja, ele mostraria quais atividades não possuem folga em suas entregas, tornando essas atividades primordiais para a conclusão do projeto no tempo proposto Estimar os custos Evidenciou-se que o processo de Estimar os custos não é efetuado, pois hoje, a forma de trabalho da administração funciona em função da quantidade de dinheiro no caixa da coleta de construção, isso quer dizer que, não há planejamento do custo total da obra e sim feito um levantamento do custo imediato a ser gasto com o dinheiro do caixa.

49 34 Se uma estimativa de custo da obra fosse realizada, seria mais simples a verificação das fases ou atividades da construção demandam mais custos, assim o dinheiro arrecadado teria um direcionamento eficiente Determinar o orçamento Evidenciou-se que o processo de Determinar o Orçamento não é efetuado, pois como relatado no processo anterior, uma estimativa dos custos totais da obra não é realizado, com isso não é possível a determinação de um orçamento Planejar a Qualidade Evidenciou-se que o processo de Planejar a Qualidade não é efetuado, pois a obra não possui um plano de testes formal mostrando qual o avanço das atividades da obra, quais atividades devem ser refeitas e quais atividades estão concluídas. Com estes indicadores seria possível calcular a eficiência e produtividade da obra Desenvolver Plano de Recursos Humanos Evidenciou-se que o processo de Desenvolver Plano de Recursos Humanos não é efetuado, pois a construção não possui uma matriz de papéis e responsabilidades definidas, para que cada um que esteja participando da obra saiba qual será o seu papel, qual atividade será necessário sua participação, quem será o aprovador de mudanças na obra, quem será o responsável pelas ferramentas e EPI s, quem deverá ser procurado de acordo com o problema a ser resolvido, entre outros Planejar as Comunicações

50 35 Evidenciou-se que o processo de Planejar as Comunicações é cumprido parcialmente, pois no início de cada ano as administrações da Congregação de cada região enviam para administração da Congregação de Santo Amaro, um calendário marcando quais serão as reuniões realizadas ao longo do ano e qual sua frequência. A administração da Congregação de Santo Amaro por sua vez, une o calendário de todas as regiões e devolve para os secretários da Congregação de cada administração um calendário regional. Porém durante o ano muitas datas e reuniões são mudadas e este material só será revisado no início do próximo ano. Além disso, este calendário não contempla apenas reuniões sobre construções, sendo incluso reuniões da Obra da Piedade (atendimento com alimento e dinheiro a irmãos que possuem baixa renda) e reuniões de ensinamento para igreja. A figura 6.7 descreve o processo atual de Planejar as Comunicações: Figura 6.7 Planejar comunicações Fonte: Do Autor Planejar o gerenciamento de riscos Evidenciou-se que o processo de Planejar o Gerenciamento de Riscos não é efetuado, pois quando se é notado algum tipo de risco na construção, o mesmo é discutido em reunião e verificado qual a solução. Porém a administração não possui

51 36 nem um plano de risco que registre, classifique e avalie os riscos apresentado na obra. Com este plano, a administração teria maior visão de todos os riscos, poderia avaliar suas probabilidades de ocorrência, seu impacto para o projeto, saberia o responsável da resposta sobre determinado risco, e qual seria a frequência da atualização deste plano Identificar os Riscos Evidenciou-se que o processo de Identificar os Riscos é cumprido parcialmente, pois uma vez que um risco é identificado durante a construção da igreja, ele é informado em reunião com a Administração do Embu, para que se obtenha alguma solução. Porém, como citado no processo Planejar o Gerenciamento de Riscos, a identificação dos riscos deve ocorrer deste o início do projeto e todos os riscos devem ser rigorosamente avaliados e registrados. A figura 6.8 descreve o processo atual de Identificar os Riscos: Figura 6.8 Identificar os riscos Fonte: Do Autor Realizar a análise qualitativa de riscos Evidenciou-se que o processo de realizar a análise qualitativa de riscos não é efetuado, uma vez que a administração não possui um registro dos riscos

52 37 apresentados. Com o registro de todos os riscos a administração poderia classificar a probabilidades e impacto de cada risco e teria um documento que formalizasse esta análise qualitativa Realizar a análise quantitativa de riscos Evidenciou-se que o processo de realizar a análise quantitativa de riscos não é efetuado, uma vez que a administração não possui um registro dos riscos apresentados. Com o registro de todos os riscos e sua avaliação qualitativa seria fácil de determinar qual o custo ou economia em valores monetários cada risco apresenta, tendo assim um documento formal com esta análise quantitativa Planejar respostas a riscos Evidenciou-se que o processo de Planejar respostas a riscos não é efetuado, pois como relatado nos processos anteriores, a resposta do risco é obtida em uma reunião com administração do Embu, e se esta é eficaz o risco será mitigado, porém não há um registro que mostre todas as respostas planejadas, quais foram eficazes e quais devem ser reformuladas. Mais uma vez, cita-se a importância de um registro de riscos, pois após anotar e avaliar todos os aspectos de um risco, o registro formalizaria a resposta obtida de cada risco, deixaria claro quem seria o responsável pela resposta e cumprimento da ação preventiva contra o risco Planejar as Aquisições Evidenciou-se que o processo de Planejar as Aquisições é cumprido parcialmente, pois uma vez que a administração percebe que alguma atividade deve ser realizada por uma empresa terceira é solicitada uma cotação a três fornecedores para que a melhor proposta com base em custo x benefício seja escolhida. Porém, como relatado no processo de Desenvolver o Cronograma, a construção não possui um cronograma que mostre todas as atividades a serem realizadas, e isso faz com que as atividades que envolvem fornecedores apareçam sem planejamento e com

53 38 urgência, o que resulta no não cumprimento do planejamento de aquisições e faz com que um serviço seja contratado sem um processo de avaliação de fornecedores. A figura 6.9 descreve os dois processos atuais que ocorrem no Planejamento de Aquisições: Figura 6.9 Planejamento de aquisições Fonte: Do Autor Desenvolver o plano de gerenciamento do projeto Evidenciou-se que este processo não é realizado, pois para criação de um plano de gerenciamento do projeto, seria necessário que todos os processos de planejamento descritos anteriormente fossem cumpridos. O Plano de Gerenciamento do Projeto centraliza todos os planejamentos realizados em cada área de conhecimento e com ele toda a informação do projeto fica disponível de forma fácil e rápida para que todos saibam o que será preciso fazer e de qual forma deverá ser feita.

54 Grupo de Processos de Execução Entrevista Orientar e Gerenciar a execução do Projeto Para que o processo de Orientar e Gerenciar a execução do Projeto esteja conforme, seria necessário seguir o Plano de Gerenciamento de Projeto criado na fase de planejamento, porém, como não existe um Plano de Gerenciamento de Projeto, considerou-se que este processo não atende as boas práticas definida no Guia PMBOK Realizar a Garantia da Qualidade Para que o processo de Realizar a Garantia da Qualidade esteja conforme, seria apenas necessário seguir o Plano de Qualidade criado na fase de planejamento. Porém, como não existe o Plano de Gerenciamento da Qualidade, considerou-se que este processo não atende as boas práticas definida no Guia PMBOK Mobilizar a Equipe do Projeto Evidenciou-se que o processo de Mobilizar a Equipe do Projeto é realizado parcialmente, pois é anunciada nas igrejas da região a necessidade de recursos para ajudar na construção e as pessoas interessadas, comparecem na construção nos finais de semana, porém, como a obra não possui um cronograma das atividades e um plano de gerenciamento de pessoal, muitas pessoas ficam paradas e sem saber como ajudar. Desta forma, a quantidade de ajudantes diminui e quando realmente é preciso de muitas pessoas para ajudar, os recursos não estão prontamente disponíveis. Evidenciou-se neste processo um livro de presença e de registro das pessoas que se interessam em ajudar. O livro de presença é apenas para controle da quantidade de pessoas que compareceram de forma semelhante a um livro de ponto. Já no livro

55 40 de registro pode-se obter o nome e endereço de todas as pessoas já trabalharam voluntariamente na construção Desenvolver a Equipe do Projeto Evidenciou-se que o processo de Desenvolver a Equipe do Projeto não é efetuado, pois as pessoas que querem ajudar com trabalho voluntário não recebem nenhum tipo de treinamento para ajudar na obra. Este treinamento, além de capacitar as pessoas nas atividades que vão exercer, fará com que as pessoas tenham mais atenção quanto a questões de segurança no trabalho Gerenciar a Equipe do Projeto Evidenciou-se que o processo de Gerenciar a Equipe do Projeto não é efetuado, pois não existe um registro de problemas ou conflitos que ocorreram durante a obra, e por mais que as pessoas ajudem nas suas tarefas designadas, no final de cada trabalho não é realizada uma Avaliação de Desempenho. Com o registro de ocorrências o mestre de obra ou o arquiteto poderia saber os principais fatos que geraram um problema ou um conflito. Com isso eles iriam trabalhar da melhor forma para que estes conflitos não repetissem Distribuir Informações Evidenciou-se que o processo de Distribuir Informações é efetuado parcialmente, pois as reuniões sobre a construção planejadas durante o ano são realizadas e delas é feita uma Ata.

56 41 Porém muitas destas reuniões são para expor quais os riscos e problemas que acontecem hoje na obra e a ata de reunião relata apenas o que ocorreu na reunião ao invés de conter os próximos passos que devem ser seguidos, nomeando responsáveis e datas as atividades pendentes Gerenciar as expectativas das partes interessadas Evidenciou-se que o processo de Gerenciar as Expectativas das Partes Interessadas não é efetuado, pois no processo de Identificar as Partes Interessadas um registro de todos os envolvidos na construção não é feita. Neste processo, as principais entradas seriam os registros das possíveis mudanças que surgem no projeto, porém o registro não é realizado, como será descrito logo mais no processo de Realizar o Controle Integrado de Mudanças Conduzir Aquisições Evidenciou-se que o processo de Conduzir Aquisições é cumprido parcialmente, pois conforme mostrado no processo Planejar Aquisições, a escolha dos fornecedores em alguns casos é feita através da comparação de cotações e em casos emergenciais o fornecedor é escolhido sem nenhuma forma de avaliação. A figura 6.10 descreve os dois processos atuais que ocorrem no Planejamento de Aquisições e também fazem parte do processo de Conduzir aquisições:

57 42 Figura 6.10 Conduzir aquisições Fonte: Do Autor 6.4 Grupo de Processos de Monitoramento e Controle Entrevista Monitorar e Controlar o trabalho do Projeto Para que o processo de Monitorar e Controlar o trabalho do Projeto esteja conforme, seria necessário seguir o Plano de Gerenciamento de Projeto criado na fase de planejamento e utilizar o processo de Realizar o Controle Integrado de Mudanças para solicitar uma mudança em seu Plano do Projeto, porém, como não existe um Plano de Gerenciamento de Projeto considerou-se que este processo não atende as boas práticas definida no Guia PMBOK Realizar o Controle Integrado de Mudanças Para que o processo de Realizar o Controle Integrado de Mudanças esteja conforme com as boas práticas definida no Guia PMBOK, seria necessário que o processo de Monitorar e Controlar o Trabalho do Projeto fosse praticado, pois é através desse processo que são evidenciadas as necessidades de abrir uma solicitação de mudança no plano do projeto.

58 Verificar o Escopo Evidenciou-se que o processo de Verificar o Escopo não é efetuado, pois conforme cada trabalho da obra vai sendo finalizado, não é elaborado o um Termo de Aceite, que formalmente comprove a garantia do trabalho entregue, nem que o mesmo esteja como foi combinado no escopo do projeto Controlar o Escopo Evidenciou-se que o processo de Controlar o Escopo não é efetuado, pois como a construção não possui um Escopo fechado, conforme descrito anteriormente no processo de Definir o Escopo, não é possível verificar qual a variação que uma mudança irá trazer. Se a obra tivesse um Escopo fechado, então com o surgimento de qualquer mudança o Mestre de obra ou o Arquiteto faria uma análise de variação do escopo, comparando a linha base atual do projeto com a linha base futura após aprovação desta mudança. Com a mudança aprovada, uma nova linha base será criada e esta seria a nova referência de escopo e tempo para a construção Controlar o Cronograma Evidenciou-se que o processo de Controlar o Cronograma não é efetuado, pois para que o mesmo fosse realizado seria necessário elaborar um Cronograma, porém não existe um Cronograma formal das atividades realizadas na construção, conforme descrito no processo de Desenvolver o Cronograma.

59 Controlar Custos Para que o processo de Controlar Custos esteja conforme, seria necessário que os processos de Estimar Custos e Determinar o Orçamento estivesse de acordo as boas práticas, pois é através destes processos que é possível fazer uma comparação entre o orçamento definido e o orçamento utilizado Reportar Desempenho Evidenciou-se que o processo de Reportar Desempenho não é efetuado, pois a construção não possui nenhuma forma de relatório que demonstre a evolução ou o atraso das entregas do projeto. Além disso, o relatório de desempenho poderia informar quais são os riscos que o projeto está enfrentando, quais são suas atividades pendentes, quais são as atividades atualmente realizadas e quais são os próximos passos Realizar o Controle de Qualidade Para que o processo de Realizar o Controle de Qualidade esteja conforme, seria necessário seguir o Plano de Qualidade criado na fase de planejamento e realizar medições em nas atividades verificando se estão de acordo com a tolerância definida no plano ou com defeito. Porém, como não existe o Plano de Gerenciamento da Qualidade, considerou-se que este processo não está conforme as boas práticas definida no Guia PMBOK Monitorar e Controlar os Riscos Evidenciamos que o processo de Monitorar e Controlar os Riscos não é efetuado, pois para que o mesmo atendesse as boas práticas, seria necessário que a construção atendesse plenamente os processos de riscos anteriormente citados.

60 Administrar as Aquisições Evidenciou-se que o processo de Administrar as Aquisições não é efetuado, pois o serviço prestado dos fornecedores somente é controlado em seu término, sendo que o os fornecedores não apresentam nenhum relatório do avanço de suas atividades, o que na maioria das vezes faz com que atrasos sejam descobertos de última hora e impactem na entrega do serviço e no término da construção. 6.5 Grupo de Processos de Encerramento Entrevista Encerrar Projeto ou Fase Verificou-se que após a conclusão da obra, toda a documentação gerada é arquivada na Administração do Embu servindo de referência para consultas ou fiscalizações, porém, para que o processo de Encerrar Projeto ou Fase esteja totalmente conforme, é necessário documentar as lições aprendidas, para que erros, problemas e riscos não ocorram nos próximos projetos de construção de igreja. A figura 6.11 descreve o processo atual de Encerrar Projeto ou Fase: Figura 6.11 Encerrar projeto ou fase Fonte: Do Autor Encerrar Aquisições Evidenciou-se que o processo de Encerrar Aquisições não é efetuado, pois quando um serviço de um Fornecedor é finalizado, o que determina se esta aquisição está encerrada é a pendência de pagamentos ao fornecedor, caso contrário, a aquisição é dada por encerrada.

61 46 Neste processo, a melhor prática seria é a elaboração de um aviso ao fornecedor, encerrando formalmente o contrato, informando que os serviços foram realizados conforme combinado e quais as sugestões para as realizações de próximos serviços. Mesmo que o fornecedor não dê valor a este documento, ele servirá para a administração como um documento de lições aprendidas tornando mais fácil a contratação de futuros serviços para construções.

62 Mapa da Situação Atual da Obra e Gráfico de Avaliação de Maturidade em Gestão de Projetos

63 48 Figura 6.12 Gráfico de Avaliação de Maturidade em Gestão de Projetos Fonte: Do Autor 6.7 Grupo de Processos de Iniciação To Be Desenvolvimento de um Termo de Abertura de Projeto O Termo de Abertura deverá ser o documento utilizado para determinar o início de uma construção de igreja. Não se deve confundi-lo com o documento de Definição de Escopo que detalha profundamente como será a construção, pois no Termo de Abertura será relatado qual será o propósito da construção da igreja, quais são os requisitos esperado que essa igreja possua ao finalizar sua obra, quem será o Gerente de Projetos, qual a data de entrega esperada e quais as razões que motivaram a construção de uma nova igreja. Como na Congregação Cristã no Brasil todo o trabalho é voluntário e as pessoas não possuem diretores, gerentes ou chefes, o termo de abertura dá autoridade para que o Gerente de Projetos assuma o controle da obra, oriente quais atividades deverão ser feitas e cobre qualidade em todo serviço entregue.

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

SINAL Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central Conceitos básicos em gerenciamento de projetos

SINAL Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central Conceitos básicos em gerenciamento de projetos Conceitos básicos em gerenciamento de projetos Projeto de regulamentação do Art. 192 da Constituição Federal Brasília (DF) Maio de 2009 i Conteúdo 1. Nivelamento de informações em Gerenciamento de Projetos...

Leia mais

PMBOK 4ª Edição III. O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto

PMBOK 4ª Edição III. O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto PMBOK 4ª Edição III O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto 1 PMBOK 4ª Edição III Processos de gerenciamento de projetos de um projeto 2 Processos de gerenciamento de projetos de um projeto

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS Atualizado em 31/12/2015 GESTÃO DE PROJETOS PROJETO Para o PMBOK, projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares O Project Management Institute é uma entidade sem fins lucrativos voltada ao Gerenciamento de Projetos.

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos (ref. capítulos 1 a 3 PMBOK) TC045 Gerenciamento de Projetos Sergio Scheer - scheer@ufpr.br O que é Gerenciamento de Projetos? Aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas

Leia mais

Conteúdo. Apresentação do PMBOK. Projeto 29/07/2015. Padrões de Gerenciamento de Projetos. Fase 01 1.PMBOK e PMI. 2. Conceitos 3.

Conteúdo. Apresentação do PMBOK. Projeto 29/07/2015. Padrões de Gerenciamento de Projetos. Fase 01 1.PMBOK e PMI. 2. Conceitos 3. 02m Conteúdo Apresentação do PMBOK Brasília, 25 de Junho de 2015 Fase 01 1.PMBOK e PMI 2. Conceitos 3.Processos Fase 02 4. Áreas de Conhecimento 10m Gerenciamento de Projetos Projeto A manifestação da

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com PMBoK Processos de Gerenciamento de Projetos Para que um projeto seja bem-sucedido,

Leia mais

PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge. Gerenciamento de Projetos

PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge. Gerenciamento de Projetos PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge Gerenciamento de Projetos Organização de Projetos GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIOS GERENCIAMENTO DE PROGRAMA GERENCIAMENTO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE SUBPROJETOS

Leia mais

PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE

PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE 1 PMI- Project Management Institute Fundado nos Estudos Unidos em 1969; Instituto sem fins lucrativos, dedicado ao

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Grupo de Consultores em Governança de TI do SISP 20/02/2013 1 Agenda 1. PMI e MGP/SISP 2. Conceitos Básicos - Operações e Projetos - Gerenciamento de Projetos - Escritório de

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio do CMM Após várias décadas de promessas não cumpridas sobre ganhos de produtividade e qualidade na aplicação de novas metodologias

Leia mais

MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas

MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas ECONOMISTA - RIVAS ARGOLO 2426/D 62 9905-6112 RIVAS_ARGOLO@YAHOO.COM.BR Objetivo deste mini curso : Mostrar os benefícios do gerenciamento de projetos

Leia mais

Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do Projeto

Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do Projeto ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do

Leia mais

7 Seminário em Gerenciamento de Projetos PMI-GO

7 Seminário em Gerenciamento de Projetos PMI-GO 7 Seminário em Gerenciamento de Projetos PMI-GO PROJETO: OFICINA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS NA ABORDAGEM PMI Vivian Borim www.vivianborim.com.br viborim@uol.com.br Agenda 22.08.2011 08h Apresentação

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo IV Integração

Gerenciamento de Projetos Modulo IV Integração Gerenciamento de Projetos Modulo IV Integração Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

UM GUIA DO CONHECIMENTO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS (GUIA PMBOK ) Quarta Edição

UM GUIA DO CONHECIMENTO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS (GUIA PMBOK ) Quarta Edição UM GUIA DO CONHECIMENTO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS (GUIA PMBOK ) Quarta Edição Project Management Institute UM GUIA DO CONHECIMENTO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS (GUIA PMBOK ) Quarta Edição NOTA As

Leia mais

Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003

Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003 Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003 29 3.1 GERENCIAMENTO DO ESCOPO O Gerenciamento do Escopo do Projeto engloba os processos necessários para assegurar que o projeto inclua todas

Leia mais

Gerenciamento da Integração com metodologia PMBOK 30 h/a

Gerenciamento da Integração com metodologia PMBOK 30 h/a da Integração com 30 h/a Facundo Barbosa, MBA, PMP, ITIL, CSP 85 9444.9544 e 85 4005.5644 facunndo@mdb.com.br Slide 1 Metodologia Explanação Discussões em grupo Exercícios práticos Apresentação e estudo

Leia mais

PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS

PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS Sr(as) Gerentes de Projeto, O PMBOK, compilado pela expertise do PMI Project Management Institute, é a linha mestra que nos conduz ao conhecimento

Leia mais

Cartilha. Gestão de Projetos. Superintendência de Planejamento e Gestão SUPLAN Ministério Público do Estado de Goiás

Cartilha. Gestão de Projetos. Superintendência de Planejamento e Gestão SUPLAN Ministério Público do Estado de Goiás Cartilha Gestão de Projetos SUPLAN Ministério Público do Estado de Goiás Esta cartilha tem como objetivo transmitir os conceitos básicos relacionados ao Gerenciamento de Projetos e compartilhar da metodologia

Leia mais

A estrutura do gerenciamento de projetos

A estrutura do gerenciamento de projetos A estrutura do gerenciamento de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é

Leia mais

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS GESTÃO DE PROJETOS Prof. Me. Luís Felipe Schilling "Escolha batalhas suficientemente grandes para importar, suficientemente pequenas para VENCER." Jonathan Kozol GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK 1 GERÊNCIA

Leia mais

PMBOK 4ª Edição I. Introdução

PMBOK 4ª Edição I. Introdução PMBOK 4ª Edição I Introdução 1 PMBOK 4ª Edição Um Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos Seção I A estrutura do gerenciamento de projetos 2 O que é o PMBOK? ( Project Management Body of Knowledge

Leia mais

Como concluir um projeto com sucesso?

Como concluir um projeto com sucesso? Como concluir um projeto com sucesso? Luiz Eduardo Cunha, Eng. Professor da FAAP e do IMT 1 Luiz Eduardo Cunha Graduado em Engenharia de Produção EPUSP Pós-Graduado em Gestão do Conhecimento e Inteligência

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Objetivos da aula. Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. O que é um plano de projeto? O que é um projeto?

Objetivos da aula. Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. O que é um plano de projeto? O que é um projeto? Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. Objetivos da aula 1) Dizer o que é gerenciamento de projetos e a sua importância; 2) Identificar os grupos de processos do gerenciamento de projetos

Leia mais

Capítulo 1 Introdução ao gerenciamento de projetos

Capítulo 1 Introdução ao gerenciamento de projetos Capítulo 1 Introdução ao gerenciamento de projetos 1.1 Introdução 31 1.2 O que é um projeto? 31 1.3 Ciclo de vida do projeto 33 1.4 O que é gerenciamento de projetos? 36 1.5 Relacionamento entre grupos

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DE CONHECIMENTO PARA MELHORAR RESULTADOS DE PROJETOS

BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DE CONHECIMENTO PARA MELHORAR RESULTADOS DE PROJETOS BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DE CONHECIMENTO PARA MELHORAR RESULTADOS DE PROJETOS Marcela Souto Castro (UFF ) idearconsultoria@gmail.com Jose Rodrigues de Farias Filho (UFF ) rodrigues@labceo.uff.br Arnaldo

Leia mais

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge 58 4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge No Brasil, as metodologias mais difundidas são, além do QL, o método Zopp, o Marco Lógico do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Mapp da

Leia mais

Simulações em Aplicativos

Simulações em Aplicativos Simulações em Aplicativos Uso Avançado de Aplicativos Prof. Marco Pozam mpozam@gmail.com A U L A 0 4 Programação da Disciplina 20/Agosto: Conceito de Project Office. 27/Agosto: Tipos de Project Office.

Leia mais

Manual de Gerenciamento de Projetos

Manual de Gerenciamento de Projetos TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA ESCRITÓRIO DE PROJETOS ESTRATÉGICOS (EPE) Manual de Gerenciamento de Projetos SISTEMA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Anexo da Portaria

Leia mais

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combining the ISO 10006 and PMBOK to ensure successful projects 1 Por Michael Stanleigh Tradução e adaptação para fins didáticos

Leia mais

MANUAL GESTÃO DE PROJETOS. COORDENADORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA TRT6 ESCRITÓRIO DE PROJETOS Junho/2015

MANUAL GESTÃO DE PROJETOS. COORDENADORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA TRT6 ESCRITÓRIO DE PROJETOS Junho/2015 MANUAL DE GESTÃO DE PROJETOS COORDENADORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA TRT6 ESCRITÓRIO DE PROJETOS Junho/2015 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 2 2 O QUE É PROJETO?... 2 3 O QUE É GESTÃO DE PROJETOS?... 3 4 ÁREAS DE ESPECIALIZAÇÃO...

Leia mais

Sistema de Gerenciamento de Riscos em Projetos de TI Baseado no PMBOK

Sistema de Gerenciamento de Riscos em Projetos de TI Baseado no PMBOK 180 - Encontro Anual de Tecnologia da Informação Sistema de Gerenciamento de Riscos em Projetos de TI Baseado no PMBOK Thiago Roberto Sarturi1, Evandro Preuss2 1 Pós-Graduação em Gestão de TI Universidade

Leia mais

PROJETOS IV. Plano do Projeto Exportação da Bebida Voltz Equipe Style Project (07/10/2009)

PROJETOS IV. Plano do Projeto Exportação da Bebida Voltz Equipe Style Project (07/10/2009) PROJETOS IV Plano do Projeto Exportação da Bebida Voltz Equipe Style Project (07/10/2009) Assinaturas de Aprovação Responsabilidade Organizacional Assinatura Data Gerente de Projeto 07/10/2009 Líder de

Leia mais

Gerenciamento de Projetos (PMI) e sua aplicação em projetos de transporte público.

Gerenciamento de Projetos (PMI) e sua aplicação em projetos de transporte público. Gerenciamento de Projetos (PMI) e sua aplicação em projetos de transporte público. Sérgio Ricardo Fortes 1 ; Ana Cristina Dalborgo 2 1 EMTU Rua Joaquim Casemiro, 290, Bairro Planalto São Bernardo do Campo-SP

Leia mais

Plataforma da Informação. Gerenciamento de Projetos

Plataforma da Informação. Gerenciamento de Projetos Plataforma da Informação Gerenciamento de Projetos Motivação Por que devemos fazer Projetos? - O aprendizado por projetos, faz parte de um dos três pilares de formação do MEJ; -Projetos são oportunidades

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Web. Professor: Guilherme Luiz Frufrek Email: frufrek@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu.

Gerenciamento de Projetos Web. Professor: Guilherme Luiz Frufrek Email: frufrek@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu. Gerenciamento de Projetos Web Professor: Guilherme Luiz Frufrek Email: frufrek@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu.br/frufrek Possui Especialização em Engenharia de Software e Banco de Dados pela

Leia mais

PLANEJAMENTO PLANEJAMENTO ESTRATÉGIA CICLO PDCA CICLO PDCA 09/04/2015 GESTÃO DE ESCOPO GERENCIAMENTO DE PROJETOS ACT

PLANEJAMENTO PLANEJAMENTO ESTRATÉGIA CICLO PDCA CICLO PDCA 09/04/2015 GESTÃO DE ESCOPO GERENCIAMENTO DE PROJETOS ACT UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL PLANEJAMENTO 2 GERENCIAMENTO DE PROJETOS SUBMETIDA E APROVADA A PROPOSTA DO PROJETO PROCESSO DE PLANEJAMENTO GESTÃO DE Processo fundamental

Leia mais

Gerência de Projetos

Gerência de Projetos Gerência de Projetos Escopo Custo Qualidade Tempo CONCEITO PROJETOS: são empreendimentos com objetivo específico e ciclo de vida definido Precedem produtos, serviços e processos. São utilizados as funções

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos

Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO GERÊNCIA DO ESCOPO GERÊNCIA DO TEMPO GERÊNCIA DE CUSTO GERÊNCIA DA QUALIDADE Desenvolvimento do Plano

Leia mais

Gerenciamento de Escopo na Gestão de Projetos

Gerenciamento de Escopo na Gestão de Projetos Gerenciamento de Escopo na Gestão de Projetos Airton Eustaquio Braga Junior aebjr@terra.com.br MBA Gestão de Projetos em Engenharia e Arquitetura Instituto de Pos-Graduação IPOG Goiania, GO, 02 de Setembro

Leia mais

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS Emerson Augusto Priamo Moraes (UFF) Resumo Os projetos fazem parte do cotidiano de diversas organizações, públicas e privadas, dos mais diversos

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Em conformidade com a metodologia PMI 1 Apresentações Paulo César Mei, MBA, PMP Especialista em planejamento, gestão e controle de projetos e portfólios, sempre aplicando as melhores

Leia mais

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos Capítulo 1 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 2 1.1 DEFINIÇÃO DE PROJETOS O projeto é entendido como um conjunto de ações, executadas de forma coordenada por uma organização transitória, ao qual são

Leia mais

PMBOK e Gerenciamento de Projetos

PMBOK e Gerenciamento de Projetos PMBOK e Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de projetos (GP) é uma área de atuação e conhecimento que tem ganhado, nos últimos anos, cada vez mais reconhecimento e importância. Um dos principais difusores

Leia mais

Palavras-Chave: Aquisições; Planejamento de Aquisições; Controle de Aquisições; Projeto; Lead time; Processo; Meta.

Palavras-Chave: Aquisições; Planejamento de Aquisições; Controle de Aquisições; Projeto; Lead time; Processo; Meta. 1 A INFLUÊNCIA DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA AQUISIÇÃO NO PRAZO FINAL DO PROJETO Euza Neves Ribeiro Cunha RESUMO Um dos grandes desafios na gerência de projetos é planejar e administrar as restrições de

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DE PROJETOS

ASPECTOS GERAIS DE PROJETOS ASPECTOS GERAIS DE PROJETOS O que é PROJETO Um empreendimento com começo e fim definidos, dirigido por pessoas, para cumprir objetivos estabelecidos dentro de parâmetros de custo, tempo e especificações.

Leia mais

Gerenciamento de Integração do Projeto Planejamento e Execução do Projeto

Gerenciamento de Integração do Projeto Planejamento e Execução do Projeto Gerenciamento de Integração do Projeto Planejamento e Execução do Projeto 4. Gerenciamento de integração do projeto PMBOK 2000 PMBOK 2004 4.1 Desenvolver o termo de abertura do projeto 4.2 Desenvolver

Leia mais

Projetos na área de TI. Prof. Hélio Engholm Jr

Projetos na área de TI. Prof. Hélio Engholm Jr Projetos na área de TI Prof. Hélio Engholm Jr Projetos de Software Ciclo de Vida do Projeto Concepção Iniciação Encerramento Planejamento Execução e Controle Revisão Ciclo de Vida do Produto Processos

Leia mais

- Project Management Institute. Disciplina de Engenharia de Software. PMP- Project Management Professional PMBOK

- Project Management Institute. Disciplina de Engenharia de Software. PMP- Project Management Professional PMBOK Disciplina de Engenharia de Software Material elaborado por Windson Viana de Carvalho e Rute Nogueira Pinto em 19/07/2004 Material alterado por Rossana Andrade em 22/04/2009 - Project Management Institute

Leia mais

MBA ARQUITETURA DE INTERIORES

MBA ARQUITETURA DE INTERIORES MBA ARQUITETURA DE INTERIORES Coordenador: Carlos Russo Professor: Fábio Cavicchioli Netto, PMP 1 APRESENTAÇÃO DO PROFESSOR CONHECENDO OS PARTICIPANTES EXPECTATIVAS DO GRUPO 2 SUMÁRIO PMI / PMBoK / Certificados

Leia mais

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos

Leia mais

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Residência em Arquitetura de Software Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Gerência de Desenvolvimento 2008.2 Faculdade de Computação

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

MGP Manual de Gerenciamento de Projetos

MGP Manual de Gerenciamento de Projetos MGP Manual de Gerenciamento de Projetos v. 1.2 Diretorias: DT / DE / DA DTPE Superintendência Planejamento de Empreendimentos 1 Sumário 1. Introdução 2. Ciclo de Vida dos Projetos 3. 4. Ciclo de Vida do

Leia mais

Aula 3 Fase de Iniciação de projetos

Aula 3 Fase de Iniciação de projetos Aula 3 Fase de Iniciação de projetos Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula são, basicamente, apresentar as atividades que constituem a fase inicial dos projetos. Alem disso, vamos discorrer sobre

Leia mais

PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS

PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS Sr(as) Gerentes de Projeto, O PMBOK, compilado pela expertise do PMI Project Management Institute, é a linha mestra que nos conduz ao conhecimento

Leia mais

ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS

ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS Aílson José Senra 1 ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS A Administração é um conjunto de normas e funções elaboradas para disciplinar elementos de produção, que têm como objetivo alcançar um resultado eficaz

Leia mais

Gerência de Projetos. O segredo para ter sucesso na implantação de Tecnologia da informação

Gerência de Projetos. O segredo para ter sucesso na implantação de Tecnologia da informação Gerência de Projetos O segredo para ter sucesso na implantação de Tecnologia da informação Introdução e Conceitos Conceitos importantes para o entendimento da disciplina O que é um projeto? Um projeto

Leia mais

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1.

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Gestão de Projetos de TI Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1.1 2 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 3 1 Leitura

Leia mais

O Gerenciamento de Projetos na abordagem do

O Gerenciamento de Projetos na abordagem do Seminário de Desenvolvimento de Gestores de Programas e Projetos Fórum QPC O Gerenciamento de Projetos na abordagem do PMI - Project Management Institute Marco Antônio Kappel Ribeiro Presidente do PMI-RS

Leia mais

10 áreas de conhecimento e 5 processos

10 áreas de conhecimento e 5 processos 1 10 áreas de conhecimento e 5 processos Projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo Projetos são frequentemente utilizados como um meio de alcançar

Leia mais

Gerência de Projetos PMI

Gerência de Projetos PMI Gerência de Projetos PMI "Não cessaremos de explorar... e o final de toda nossa exploração será chegar ao ponto de partida e conhecer o lugar a primeira vez " T.S. Elliot - poeta Inglês "Depois do jogo

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Organização da Aula Gestão de Projetos

Organização da Aula Gestão de Projetos Organização da Aula Gestão de Projetos Aula 6 Profa. Me. Carla Patricia S. Souza Gestão de processos do projeto Integração, comunicações, recursos humanos, escopo, tempo, custos, aquisições, qualidade

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Digitais. Processos de Execução

Gerenciamento de Projetos Digitais. Processos de Execução Gerenciamento de Projetos Digitais Processos de Execução Apresentação Alexandre Cezário Especialista em Projetos Digitais Formado em Administração de Empresas na UNIP, pós-graduação em marketing na ESPM

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Prof. Anderson Valadares

GESTÃO DE PROJETOS. Prof. Anderson Valadares GESTÃO DE PROJETOS Prof. Anderson Valadares Projeto Empreendimento temporário Realizado por pessoas Restrições de recursos Cria produtos, ou serviços ou resultado exclusivo Planejado, executado e controlado

Leia mais

PMBok x PRINCE2. Flávia David de Oliveira Gomes. Prof. Msc. Guilherme A. Barucke Marcondes. Víctor Hugo Rodrigues de Barros

PMBok x PRINCE2. Flávia David de Oliveira Gomes. Prof. Msc. Guilherme A. Barucke Marcondes. Víctor Hugo Rodrigues de Barros PMBok x Flávia David de Oliveira Gomes Instituto Nacional de Telecomunicações - Inatel flavia@cp2ejr.com.br Prof. Msc. Guilherme A. Barucke Marcondes Instituto Nacional de Telecomunicações - Inatel guilherme@inatel.br

Leia mais

Workshop PMBoK. Gerenciamento de Recursos Humanos

Workshop PMBoK. Gerenciamento de Recursos Humanos Workshop PMBoK Gerenciamento de Recursos Humanos Paulo H. Jayme Alves Departamento de Inovação Tecnológica - DeIT Janeiro de 2009 1 Envolvimento da equipe Os membros da equipe devem estar envolvidos: Em

Leia mais

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 Planejar e Organizar Gerenciar Projetos Pedro Rocha http://rochapedro.wordpress.com RESUMO Este documento trás a tradução do objetivo de controle PO10 (Gerenciamento

Leia mais

Aula 4. Introdução ao PMBOK e aos Processos da Gerência de Projetos

Aula 4. Introdução ao PMBOK e aos Processos da Gerência de Projetos Aula 4 Introdução ao PMBOK e aos Processos da Gerência de Projetos Objetivo Visualizar a gerência de projetos como um conjunto de processos encadeados e integrados. Lidar com as interações que podem ser:

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. "Quando o mar está calmo, qualquer barco navega bem." O que é um projeto? Prof. Me. Francisco César Vendrame. W.

GESTÃO DE PROJETOS. Quando o mar está calmo, qualquer barco navega bem. O que é um projeto? Prof. Me. Francisco César Vendrame. W. GESTÃO DE PROJETOS Prof. Me. Francisco César Vendrame "Quando o mar está calmo, qualquer barco navega bem." W. Shakespeare O que é um projeto? Projeto é um empreendimento não repetitivo (único), caracterizado

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

GERENCIANDO PROJETOS UTILIZANDO AS PRÁTICAS DO GUIA PMBOK

GERENCIANDO PROJETOS UTILIZANDO AS PRÁTICAS DO GUIA PMBOK GERENCIANDO PROJETOS UTILIZANDO AS PRÁTICAS DO GUIA PMBOK Ana Cristina Zanetti*, Ednei Ernesto Consiglio*, Oscar Sante Ruggiero*, Paulo Sergio Tio*, Wagner Faquim*, João Carlos Boyadjian** * Aluno do curso

Leia mais

Aula 04 - Planejamento Estratégico

Aula 04 - Planejamento Estratégico Aula 04 - Planejamento Estratégico Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam permitir com que você saiba definir o escopo do projeto. Para tal, serão apresentados elementos que ajudem a elaborar

Leia mais

Processos de Gerenciamento de Projetos. Planejamento e Controle de Projetos 5 TADS FSR. Processos

Processos de Gerenciamento de Projetos. Planejamento e Controle de Projetos 5 TADS FSR. Processos Processos de Gerenciamento de Projetos Planejamento e Controle de Projetos 5 TADS FSR Prof. Esp. André Luís Belini 2 Processos O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimento, habilidades, ferramentas

Leia mais

Gestão da Produção ESTRATÉGIA. Prof. Dr. Marco Antonio Pereira marcopereira@usp.br. O que são Indicadores? Ferramentas, Instrumentos de Medida

Gestão da Produção ESTRATÉGIA. Prof. Dr. Marco Antonio Pereira marcopereira@usp.br. O que são Indicadores? Ferramentas, Instrumentos de Medida Gestão da Produção ESTRATÉGIA Revisão Conceitos Fundamentais Prof. Dr. Marco Antonio Pereira marcopereira@usp.br Indicadores, Metas O que são Indicadores? Ferramentas, Instrumentos de Medida O que são

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS O que é um Projeto? Regra Início e fim definidos Destinado a atingir um produto ou serviço único Escopo definido Características Sequência clara e lógica de eventos Elaboração

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

Oficina de Gestão de Portifólio

Oficina de Gestão de Portifólio Oficina de Gestão de Portifólio Alinhando ESTRATÉGIAS com PROJETOS através da GESTÃO DE PORTFÓLIO Gestão de portfólio de projetos pode ser definida como a arte e a ciência de aplicar um conjunto de conhecimentos,

Leia mais

Implementação utilizando as melhores práticas em Gestão de Projetos

Implementação utilizando as melhores práticas em Gestão de Projetos Implementação utilizando as melhores práticas em Gestão de Projetos Objetivo dessa aula é mostrar a importância em utilizar uma metodologia de implantação de sistemas baseada nas melhores práticas de mercado

Leia mais

PLANEJAMENTO DO ESCOPO

PLANEJAMENTO DO ESCOPO PLANEJAMENTO DO ESCOPO Dr. rer. nat. Christiane Gresse von Wangenheim, PMP Objetivo de aprendizagem desta aula Ao final desta aula, você deverá ser capaz de: Motivar a importância do planejamento de escopo.

Leia mais

O padrão de gerenciamento de projetos

O padrão de gerenciamento de projetos O padrão de gerenciamento de projetos Processos de Gerenciamento de Projetos 1 Áreas de Conhecimento do Gerenciamento de Projetos Trinômio Sagrado Custos Tempo Qualidade 2 Áreas de Conhecimento do Gerenciamento

Leia mais

Professor Gilberto Porto Gerenciamento de Projetos PMBoK

Professor Gilberto Porto Gerenciamento de Projetos PMBoK Professor Gilberto Porto Gerenciamento de Projetos PMBoK Brasília, Setembro de 2012 Metodologias PMI Project Management Institute Fundado em 1969 por cinco voluntários na Filadélfia, Pensilvânia EUA 250.000

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com PMBoK Organização do Projeto Os projetos e o gerenciamento

Leia mais

Estar apto a utilizar técnicas, ferramentas e terminologias básicas do gerenciamento de projetos após a realização do curso.

Estar apto a utilizar técnicas, ferramentas e terminologias básicas do gerenciamento de projetos após a realização do curso. Curso sobre Gerenciamento de Projetos Apresentação O Gerenciamento de Projetos evoluiu nos últimos anos, ampliando sua área de atuação dentro das organizações. Nos mais variados campos da administração,

Leia mais

Workshop em Gerenciamento de Projetos

Workshop em Gerenciamento de Projetos Workshop em Gerenciamento de Projetos 1 Agenda MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO Introdução Apresentação do Palestrante Introdução Conceituação Melhores Práticas Histórico (PMI, PMBok, PMO) Grupos de Processos

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE INTEGRADA AVM

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE INTEGRADA AVM UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE INTEGRADA AVM Gerência de Integração de Projetos Por: Leandro Nogueira de Medeiros Orientador Prof. Luiz Cláudio Lopes Alves Rio de Janeiro

Leia mais