UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE FISIOTERAPIA. Marielle Noara Marques Muniz ANÁLISE COMPARATIVA DE DOIS PROTOCOLOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE FISIOTERAPIA. Marielle Noara Marques Muniz ANÁLISE COMPARATIVA DE DOIS PROTOCOLOS"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE FISIOTERAPIA Marielle Noara Marques Muniz ANÁLISE COMPARATIVA DE DOIS PROTOCOLOS DE TRATAMENTO PARA LOMBALGIAS JUIZ DE FORA 2011

2 2 ii UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE FISIOTERAPIA Marielle Noara Marques Muniz ANÁLISE COMPARATIVA DE DOIS PROTOCOLOS DE TRATAMENTO PARA LOMBALGIAS Trabalho apresentado à disciplina Trabalho de Conclusão de Curso II, do Departamento de Fundamentos, Métodos e Recursos em Fisioterapia, da Faculdade de Fisioterapia, como requisito parcial para obtenção do título de Graduação em Fisioterapia. Orientadora: Profª Ms. Cyntia Pace Schmitz Corrêa JUIZ DE FORA 2011

3 iii iii 3 Muniz, Marielle Noara Marques. Análise comparativa de dois protocolos de tratamento para lombalgias / Marielle Noara Marques Muniz f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Fisioterapia) Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, Dor lombar.. I.Título CDU

4 iv 4

5 5 v Dedico este trabalho a todas as voluntárias que me ajudaram a concluí-lo. Sem vocês eu não teria conseguido! À minha mãe, que nunca mediu esforços para a construção de minha carreira, sempre pensando no que seria o melhor pra mim. E ao Davi, por ser a razão da minha vida!

6 vi 6 AGRADECIMENTOS Primeiramente agradeço a Deus por sempre guiar meus passos e iluminar meus caminhos. A minha mãe Márcia por ser meu porto seguro, minha base, minha fortaleza! A meu noivo Davi, por sempre estar ao meu lado e ser o melhor companheiro que qualquer pessoa poderia querer! A minha irmã Marcelle por sempre me apoiar e me abrir os olhos quando não consigo ver qual caminho tomar. A Kaoru, por sua constante e silenciosa companhia! Descanse em paz, minha princesa! Agradeço muito a todas as voluntárias por compartilharem seu tempo comigo e por me deixar entrar em suas vidas. A minha orientadora Cyntia, pelo apoio, paciência e confiança. À Faculdade de Fisioterapia por ter cedido o espaço do laboratório para a realização da coleta. E aos zeladores do CCS por sua paciência e compreensão.

7 vii 7 RESUMO A dor lombar é uma disfunção que atinge a região baixa da coluna vertebral, podendo abranger quadris e pernas. A OMS estima que 80% dos sujeitos têm ou terão lombalgia, que pode se tornar crônica. O exercício é um dos poucos tratamentos baseados em evidências para a lombalgia crônica, mas a melhor forma de aplicar este tratamento é desconhecida. Este estudo teve como objetivo comparar dois protocolos de intervenção para o manejo da dor lombar crônica não-específica em mulheres de 25 a 50 anos - um baseado em exercícios do método Pilates e outro na Escola de Postura - quanto a diminuição da dor, melhora de funcionalidade e qualidade de vida dos indivíduos, através da aplicação da Escala Visual Analógica e dos questionários Roland Morris e SF-36. A maior parte das mulheres apresentou diminuição da dor, melhora da funcionalidade e da qualidade de vida. O grupo tratado com pilates teve resultados piores quando comparados com os resultados do grupo tratado com a escola de postura. Entretanto, devido ao pequeno número de voluntárias, não é possível afirmar as entre diferenças entre os dois grupos. Palavras-chave: Fisioterapia. Lombalgia. Pilates. Escola de Postura

8 viii 8 ABSTRACT Low back pain is a disorder that affects the lower portion of the spine, and sometimes the hips and legs. The WHO estimates that 80% of individuals have or will be have low back pain, which can become chronic. Exercise is one of the few evidence-based treatments for chronic low back pain, but the best way to apply this treatment is unknown. This study aimed to compare two intervention protocols for the management of chronic non-specific low back pain in women of 25 to 50 years - one based on Pilates exercises and one in Back School in relation to decrease of pain, improved functionality and quality of life of individuals through the application of Visual Analogue Scale and the Roland Morris and SF-36 questionnaires. Most women had decreased pain, improved function and quality of life. The treated group had worse results with pilates when compared with the results of the group treated with the school of posture. However, due to the small number of voluntaries, it is not possible to say the differences between the two groups. Key words: Physical Therapy, Low Back Pain, Pilates, Back School

9 ix 9 LISTA DE ILUSTRAÇÕES FIGURA 1 Exercícios de ponte FIGURA 2 - Spine Stretch FIGURA 3 - Alongamento de isquiotibiais FIGURA 4 - The hundred basic FIGURA 5 - Single Leg Stretch FIGURA 6 - Criss Cross FIGURA 7 - Cat Stretch FIGURA 8 - Swimming FIGURA 9 - Double Leg Kick FIGURA 10 - The Front Kick FIGURA 11 - Teaser FIGURA 12 - The roll over prep FIGURA 13 - Spine twist FIGURA 14 - The reverse plank FIGURA 15 - Leg circle FIGURA 16 - The saw FIGURA 17 - The Shell Stretch FIGURA 18 - Alongamentos Globais da Coluna... 38

10 10 x SUMÁRIO 1- INTRODUÇÃO O MÉTODO PILATES A ESCOLA DE POSTURA OBJETIVOS METODOLOGIA Protocolo Pilates Protocolo Escola de Postura RESULTADOS DISCUSSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXO 01- Parecer do CEP/UFJF ANEXO 02- Ficha de Anamnese ANEXO 03- Questionário Roland-Morris de Incapacidade ANEXO 04- Escala Visual Analógica da Dor ANEXO 05- Versão Brasileira do Questionário de Qualidade de Vida SF ANEXO 06- Modelo de Análise do Questionário SF

11 INTRODUÇÃO A coluna vertebral é o eixo central do corpo humano, que confere sustentação ao tronco e protege parte do sistema nervoso. Para que este eixo funcione corretamente, é necessário que haja equilíbrio entre as peças que o constitui. O desalinhamento dessas peças ocorre com freqüência devido às constantes mudanças posturais e ao suporte de diferentes cargas, o que caracteriza a grande incidência de dores na coluna da população (FERREIRA, 2010). De acordo com Silva, 2004, as dores lombares atingem níveis epidêmicos na população em geral, sendo que a Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que 80% dos sujeitos têm ou terão, um dia, lombalgia e, em 40% dos casos, a dor inicial tende a se tornar crônica. A dor lombar se caracteriza por uma disfunção que atinge a região baixa da coluna vertebral, muitas vezes abrangendo a região dos quadris e os membros inferiores. As lombalgias podem ser classificadas em categorias ou fases, dependendo de sua origem e tempo de duração. A lombalgia específica é decorrente de uma causa conhecida e caracterizada por um diagnóstico muito bem definido, sendo causas comuns as fraturas, os tumores, as infecções e as doenças inflamatórias. Já as lombalgias inespecíficas são idiopáticas, de etiologia multifatorial, e apresentam um diagnóstico pouco definido, representando 80% de todos os casos registrados em pacientes adultos (ABREU, 2008). Normalmente as lombalgias agudas não específicas apresentam um bom prognóstico, e a maioria dos pacientes retorna às suas atividades de quatro a oito semanas. De acordo com o

12 12 Guia Europeu de Orientações Para o Manejo da Dor Lombar Crônica Não Específica (2005), a dor lombar passa a ser definida como crônica quando persiste por pelo menos 12 semanas. Segundo Macedo, 2009, a dor lombar constitui uma freqüente causa de morbidade e incapacidade, representando um alto custo no seu tratamento para o sistema de saúde. De acordo com a autora, o principal objetivo do tratamento da lombalgia crônica é o retorno do paciente ao trabalho e às atividades usuais, e que o tratamento da lombalgia é complexo, preciso e minucioso, sendo a Fisioterapia um recurso essencial para a reabilitação do paciente. A Fisioterapia se mostra bastante eficaz no tratamento da lombalgia trabalhando exercícios de alongamento dos membros inferiores e tronco, fortalecimento e condicionamento muscular do tronco e dos músculos abdominais, reduzindo assim a incapacidade e a dor. (LAURINO, 2010) Embora o exercício seja um dos poucos tratamentos baseados em evidências para a lombalgia crônica, a melhor forma de aplicar este tratamento é desconhecida (MAHER, 2004). Vários tipos de tratamento são encontrados na literatura, dentre eles, métodos que trabalham com a reorganização neuromuscular e com o controle postural. Rydeard, 2006, diz que a disfunção muscular na lombalgia pode não ser simplesmente um problema de força e resistência, e sim por alguma alteração dos mecanismos de controle neuromuscular que vão afetar a estabilidade muscular do tronco e a eficiência de seus movimentos. Assim sendo, os tratamentos que envolvem o aumento da estabilidade espinhal e modulam o controle neuromuscular tem sido muito difundidos entre fisioterapeutas. Dentre eles, se destaca o Método Pilates, que é uma abordagem única para o treinamento da consciência corpo-mente e controle do movimento e da postura. O Método possibilita o treinamento de uma grande variedade de padrões de movimentos e posturas. A demanda neuromuscular do Método tradicional de Pilates pode ser bastante elevada.

13 13 Outro método usado para tratamento da lombalgia é a Escola de Postura ou Escola de Coluna, originalmente denominada Back School, que é um método de treinamento postural que, segundo Andrade (2005) possui informações teórico-educativas e prática de exercícios terapêuticos para a coluna. No presente estudo, usaremos a nomenclatura Escola de Postura para nos referirmos à este método. Com o objetivo de analisar diferentes métodos de tratamento para a melhora da dor lombar crônica não-específica, este estudo irá comparar um protocolo de exercícios baseado no Método Pilates com o protocolo de exercícios da Escola de Postura em mulheres O MÉTODO PILATES: O Método Pilates envolve treinamento específico da musculatura abdominal profunda visando o aumento do tônus e da força destes músculos, diminuindo o stress das articulações da coluna vertebral. Este Método é muitas vezes indicado para o tratamento da lombalgia, apesar de se ter pouca evidência de sua eficácia no tratamento da lombalgia na literatura. (FONSECA, 2009), No Método existe a preocupação em manter as curvaturas fisiológicas do corpo e tem o abdômen como centro de força, o qual trabalha constantemente em todos os exercícios da técnica, realizados com poucas repetições. (SACCO, 2005) A prática de Pilates destina-se a melhorar a flexibilidade do corpo e a saúde em geral, mas também enfatizando o Centro de Força, postura, e coordenação da respiração com o movimento, melhora do desempenho, o condicionamento corpo-mente, prevenção de lesões e o tratamento de dor crônica. (VITI, 2010) O Método Pilates se baseia no treinamento da capacidade de co-contrações dos músculos abdominais e lombo-pélvicos profundos, anteriores e posteriores, que garantem a

14 14 estabilidade do tronco, durante os movimentos das extremidades, como pernas, braços e cabeça, sob a ação da força de gravidade. A estabilidade do Centro de Força depende de cocontrações musculares de pares agonista-antagonista, suficientes para manter a postura de "Coluna Neutra", ou seja em estabilidade isométrica. (ZANOLLI, 2008) HISTÓRICO O criador do Método Pilates, Joseph Hubertus Pilates, nasceu em Dusseldorf, na Alemanha em Pilates era uma criança doente, que sofria de raquitismo, asma e febre reumática. Ele provavelmente foi submetido a regimes de exercícios, visando manter o corpo forte e saudável, prática popular na época para pessoas com problemas de saúde na Alemanha. Aos 14 anos, Pilates já tinha os músculos tão desenvolvidos que posou para gráficos anatômicos. Ele se tornou boxeador e professor de defesa pessoal, e seu trabalho no campo dos exercícios ainda o levou a se interessar por ioga, karatê, meditação e os regimes de exercícios dos gregos e romanos antigos. Em 1912, aos 32 anos, Pilates estava na Inglaterra quando foi declarada a I Guerra Mundial, e ele foi confinado em um campo de concentração como um inimigo estrangeiro. No campo de concentração, ele refinou suas idéias sobre saúde e desenvolvimento muscular, e encorajou todos os membros do campo a participar de seu programa de condicionamento físico, com base em uma série de exercícios realizados no solo. Durante uma pandemia de gripe em 1918, nenhuma pessoa morreu no campo de concentração, o que foi considerado extraordinário, pois nessa epidemia morreram mais pessoas do que na I Guerra Mundial. Quase no fim da guerra, Pilates foi transferido para Isle of Man, onde ele colocou em prática seus conhecimentos para auxiliar a reabilitação dos soldados que foram feridos na

15 15 guerra. Ali, ele começou a experimentar usar as molas das camas, atando-as à extremidade das mesmas, possibilitando aos pacientes realizar exercícios com resistência enquanto ainda estavam acamados. Ele tinha percebido que fazer o exercício com resistência ajudou os pacientes a recuperar o tônus muscular mais rapidamente. Após a guerra, Pilates voltou para Hamburgo, na Alemanha, onde ele refinou seus equipamentos e métodos. Em 1926, Pilates emigrou para os EUA. Seu sucesso como um preparador físico havia atraído a atenção do exército alemão e que havia solicitado os seus serviços como um instrutor, um pedido que Pilates não quis responder. Chamando seu método de Contrologia, Pilates estabeleceu seu estúdio nos EUA pouco antes do início da Grande Depressão (1929). Até o final dos anos 40, ele tinha adquirido uma grande clientela de dançarinos. (LATEY, 2001) Joseph Pilates faleceu, em 1967 com 87 anos, em conseqüência de um incêndio no seu estúdio, na tentativa de salvar seus equipamentos, inalou uma quantidade excessiva de gases tóxicos. Muitos de seus alunos abriram seus próprios estúdios e difundiram sua técnica, fazendo também importantes contribuições para o desenvolvimento e aprimoramento do Método Pilates. Em 1991, foi criado o primeiro estúdio brasileiro de Pilates em Salvador, Bahia. A grande responsável foi Alice Becker Denovaro, que é graduada em Dança pela Universidade da UFBA e mestre em Coreografia pelo Califórnia Institute of The Arts, Los Angeles, e foi a primeira brasileira a se certificar para instrução da técnica de Pilates. Alice introduziu o Pilates na área clinica em Salvador, através do Ambulatório de Dor do Hospital das Clínicas - HUPES - UFBA. A partir do trabalho de Alice Becker, surgem novos estúdios. (MARKSI, 2011)

16 PRINCÍPIOS: Os seis princípios do Método são: Concentração no Pilates, a mente guia o corpo, e por isso é necessário que haja concentração na realização dos exercícios. Precisão refere-se à precisão empregada no desenvolvimento de cada exercício. O importante não é a quantidade de repetições, e sim a precisão do movimento. Controle o praticante da técnica deve estar no controle de cada aspecto de cada movimento. Não apenas os movimentos grandes de seus membros, mas a posição de todo o corpo é importante. Centralização o foco principal do método é o fortalecimento do centro do corpo, chamado de Core, Powerhouse ou Centro de Força, No presente estudo será utilizada a nomenclatura Centro de Força Respiração - é de extrema importância porque todos os exercícios devem ser feitos com um ritmo à respiração com a finalidade de obter melhor circulação de sangue oxigenado para todos os tecidos do corpo. Movimento fluido os movimentos não devem ser rígido ou flexíveis. Não devem ser muito rápidos ou lentos. Os movimentos devem ser graciosos e fluidos (LATEY, 2001 e MUSCOLINO, 2004) CENTRO DE FORÇA

17 17 Joseph Pilates chamava seu método de exercícios de Contrologia, que seria a ciência e a arte do controle total da mente sobre os movimentos do corpo no espaço, a partir do "Core" (ZANOLLI, 2008), "Powerhouse" ou centro de força, que é um cinturão muscular formado pelos músculos transverso abdominal anteriormente, multífidos (eretores profundos da coluna) posteriormente, diafragma superiormente e músculos do assoalho pélvico inferiormente. Estes músculos desempenham a função crucial de manter o centro de nosso corpo, ou Core, estável e flexível ao mesmo tempo. Como já foi citado, no presente estudo, usaremos a nomenclatura Centro de Força MODELO AUSTRALIANO Um modelo mais atual de Pilates, que surgiu para comprovar as teorias de Joseph Pilates é o baseado no Modelo Australiano. Watson (2006) em sua tese de mestrado define o Modelo Australiano de Pilates como um modelo de estabilização espinhal desenvolvido por Carolyn Richardson, Julie Hides, Paul Hodges, e Gwendolyn Jull. Watson diz que Joseph Pilates acreditava que o controle do Centro de Força era essencial para o equilíbrio e o movimento otimizado do ser humano. Várias décadas depois, suas teorias foram apoiadas pelo trabalho de Hodges, Richardson e colaboradores, que têm mostrado que o transverso abdominal, que é o mais profundo músculo abdominal, é o músculo de controle primário da postura A ESCOLA DE POSTURA:

18 18 Em 1969 na Suécia, a fisioterapeuta Mariane Forssel idealizou um programa de treinamento de cunho preventivo e educacional denominado Back School. Tratava-se de um modelo de intervenção para lombalgia não específica que oferecia um programa educacional intensivo com o objetivo de reduzir a dor e prevenir sua recorrência. Consistia de informações sobre a biomecânica da coluna, postura, ergonomia e exercícios supervisionados por médicos ou fisioterapeutas (TSUKIMOTO, 2006). A Back School, ou Escola de Postura, nomenclatura escolhida para este estudo, espalhou-se por diversos países do mundo e em cada um deles o programa foi adaptado às necessidades locais. No Brasil, ele chegou em 1972, três anos após sua idealização, foi implantado no Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo pelo médico José Knoplich. (SANTOS, 2009). O esquema da Escola de Postura se divide em: aulas teóricas de postura corporal, aulas de relaxamento muscular e aulas de exercícios, sendo estes mais de movimentação do que de ginástica. (KNOPLICH, 1986) Segundo Braccialli, 2000, a educação postural tem como finalidade de capacitar a pessoa a proteger-se ativamente de lesões durante seus movimentos nas suas atividades de vida diária e profissional, seja no plano estático ou dinâmico. De acordo com Knoplich, 1986, as técnicas de relaxamento muscular também são necessárias, pois o paciente com dores crônicas na coluna pode ficar com os músculos muito tensos e contraídos, o que pode gerar a dor, ou aumentar a mesma. Knoplich, 1986, ainda diz que existe um conceito difundido entre terapeutas e pacientes que os exercícios são fundamentais para a recuperação de pacientes com dores na coluna, e que os exercícios da coluna são recomendados para: corrigir a lordose; aumentar a força dos eretores-flexores; aumentar potência dos abdominais; melhorar a postura.

19 19 O programa da Escola de Postura tem como estratégia básica a educação e treinamento dos pacientes que o integram, buscando prepará-los para a prevenção, tratamento e a convivência com os problemas da coluna vertebral. (OLIVEIRA, 2004). Tsukimoto, 2006, explica que uma das premissas da Escola de Postura é o incentivo para que o paciente assuma a responsabilidade de seu tratamento e recuperação. Esta autora ainda afirma que a Escola de Postura tem sua atenção voltada para aspectos múltiplos do diaa-dia da pessoa com lombalgia e em ensinar ao paciente formas de contornar esses fatores para obter melhor controle dos seus sintomas.

20 OBJETIVOS OBJETIVO GERAL: Comparar dois protocolos de intervenção para o manejo da dor lombar crônica nãoespecífica em donas de casa - um baseado em exercícios do método Pilates e outro com exercícios da Escola de Postura OBJETIVOS ESPECÍFICOS: 1) Analisar os resultados das intervenções na diminuição da dor; 2) Analisar os resultados das intervenções na funcionalidade das voluntárias da amostra; 3) Analisar os resultados das intervenções na qualidade de vida das voluntárias da amostra.

21 21 3 METODOLOGIA Tratou-se de um estudo quantitativo, prospectivo e longitudinal. A amostra foi randomizada, de conveniência, composta de 2 grupos com 04 voluntárias cada, que possuíam relato de dor lombar baixa não específica (na região de L3, L4, L5 e sacro), persistindo intermitentemente ou continuamente por mais de três meses (dor lombar crônica). Todas as intervenções com as pacientes foram realizadas no Centro de Ciências da Saúde (CCS), no laboratório de Cinesioterapia da Faculdade de Fisioterapia. Foram critérios de inclusão no estudo: ser do sexo feminino, profissão do lar, idade entre 25 e 50 anos, ter assinado o TCLE. Foram critérios de exclusão no estudo: história de cirurgia prévia na coluna; indivíduos com alterações estruturais na coluna. Este estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa Cep/UFJF, através do parecer nº 350/2010, em anexo (ANEXO 1). 3.1 ETAPAS O estudo foi dividido em quatro etapas PRIMEIRA ETAPA Na primeira etapa foi feita uma anamnese da voluntária, em formulário próprio (ANEXO 2). Também foi aplicado o questionário de Roland-Morris (ANEXO 3). Este é um questionário simples, sensível e seguro de medir a incapacidade em sujeitos com lombalgia. É composto por 24 itens, pontuando-se cada item com zero ou 1 ponto (sim ou não); o total

22 22 varia entre zero (sugerindo nenhuma incapacidade) a 24 (incapacidade grave). A validação para a população brasileira foi feita em 2001 por NUSBAUM et al. A mensuração da dor foi feita através da Escala Visual Analógica (ANEXO 4), onde cada voluntária classificou sua dor em uma escala de zero a 10 (zero significando ausência de dor, e 10, uma dor insuportável). A validação da escala visual analógica como medida de mensuração da dor crônica e experimental ocorreu em 1983 por Price et al. Por último foi aplicação o questionário SF36 [Medical Outcomes Study 36-Item Short- Form Health Survey (SF-36)], que é um questionário genérico que avalia, dentre outras coisas, a qualidade de vida do paciente através da sua própria percepção da saúde. O questionário contém 36 itens agrupados em 8 dimensões de saúde: capacidade funcional, aspecto físico, dor, estado geral de saúde, vitalidade, aspectos sociais, aspectos emocionais e saúde mental. As duas últimas dimensões, aspectos sociais e saúde mental, não foram consideradas na análise final do trabalho por considerarmos que estes itens necessitariam de outros instrumentos avaliativos para que pudéssemos fazer qualquer dedução sobre a relação destes aspectos com o quadro de dor lombar das voluntárias da pesquisa. A validação do questionário para a população brasileira foi feita por Ciconelli et al. em 1999, contendo 29 itens. Para a análise do questionário foi utilizado o programa da empresa CODF (Cooperativa do Fitness), apresentado no ANEXO 6 e acessado em SEGUNDA ETAPA Na segunda etapa do estudo, já com os grupos aleatoriamente divididos em Grupo Pilates e Grupo Escola de Postura, foram conduzidas quatro semanas de tratamento, com duas sessões de uma hora de duração por semana. No Grupo Pilates foram feitos exercícios baseados no Método Pilates e no Grupo Escola de Postura foram feitos exercícios baseados na

23 23 Escola de Postura. Para ambos os grupos foram estabelecidos protocolos de intervenção, descritos a seguir. O protocolo de Pilates Mat (MENEZES, 1998; MERRITHEW, 2001; LAMOND, 2002; WINSOR, 2005; CRAIG, 2005; CAMARÃO, 2009), que se caracteriza por exercícios no solo, foi apresentado às voluntárias no primeiro dia de intervenção, através de uma palestra. A partir de então, o Método foi em três fases: a fase inicial de aquecimento e preparação do corpo para os exercícios; a fase de desenvolvimento na qual foram realizados os exercícios do Método; e a fase final de relaxamento. Na fase de aquecimento foram realizados alongamentos da coluna e de membros inferiores. Na fase de desenvolvimento, foram realizados 25 exercícios que promovem o fortalecimento e a estabilidade dos músculos da coluna vertebral, fortalecimento da musculatura abdominal, além de exercícios de alongamento dos músculos da coluna vertebral e dos membros superiores e inferiores. Na fase de relaxamento foram realizados alongamentos globais da musculatura da coluna lombar. O protocolo utilizado com os exercícios propostos será descrito e ilustrado a seguir: PROTOCOLO PILATES Siglas utilizadas: DV Decúbito Ventral DD Decúbito Dorsal DL Decúbito Lateral MMSS membros superiores MMII membros inferiores

24 24 Fase de Aquecimento e Preparação do Corpo para os Exercícios: Rolamento no solo (Ponte). Posição inicial: Paciente em dd com os pés no solo, afastados na largura do quadril, braços ao longo do corpo. Movimento: Durante a expiração, a paciente vai realizar uma retroversão da pelve, levantando o quadril e a coluna do chão através do rolamento de vértebra por vértebra até a região torácica. Inspira em cima, e volta à posição inicial desenrolando as vértebras. 2 séries de 5 movimentos. FIGURA 1 Exercício de ponte. Spine Stretch Posição Inicial: Paciente sentada, com MMII estendidos e um pouco abduzidos Movimento: Inspira para preparar, e na expiração, fletir primeiro a cabeça e depois a coluna, rolando cada vértebra de uma vez e alongar o corpo para a frente; inspira novamente e volta à posição inicial expirando. 2 séries de 5 repetições. FIGURA 2 Spine Stretch

25 25 Alongamentos de cadeia posterior Posição inicial: paciente sentada com MMII extendidos, calcanhares juntos, pés em plantiflexão, cotovelos fletidos, extensão de MMSS, mãos posicionadas nas costas e flexão de cabeça. Movimento: Durante a expiração, flexionar o tronco. Voltar à posição inicial na inspiração. Repetir o movimento 10x. Posicionar os pés em dorsiflexão e repetir o movimento 10x. Alongamento de isquiotibiais paciente em dd, com uma perna fletida, elevar a outra com auxílio de uma faixa. 2 séries de 10 respirações FIGURA 3 Alongamento de isquiotibiais Alongamento de quadríceps Posição inicial: paciente em dv Movimento: a paciente vai puxar uma perna de cada vez, alongando quadríceps. 2 séries de 10 respirações

26 26 Alongamento de adutores na bola suíça Posição inicial: Paciente em dd com os calcanhares apoiados na bola suíça e os joelhos estendidos. Movimento: A paciente vai puxar a bola juntando as solas dos pés. Manter por 10 respirações e repetir 2x. Alongamentos de MMSS com a paciente sentada na bola : Paciente sentada na bola vai levantar os braços acima da cabeça e segurar o cotovelo de um braço com a mão do outro braço e puxar. Manter por 10 respirações e repetir 2x. Paciente sentada na bola cruza os dedos e levanta os braços à frente do corpo com as palmas da mão para fora. Manter por 10 respirações e repetir 2x. Paciente sentada na bola cruza os dedos e levanta os braços acima da cabeça com as palmas da mão para cima. Manter por 10 respirações e repetir 2x. Paciente sentada na bola cruza os dedos e alonga os braços atrás do corpo com as palmas da mão para dentro. Manter por 10 respirações e repetir 2x. Exercícios do Método: Imprinting Posição inicial: Paciente em DD, com flexão de MMII e pés apoiados no chão. Mãos relaxadas ao lado do corpo.

27 27 Movimento: durante a expiração, contrair a musculatura abdominal e na inspiração, relaxar. 2 séries de 5 repetições. Abdominal Posição inicial: Paciente em dd, com flexão de MMII e pés apoiados no chão e MMSS fletidos com as mãos atrás do pescoço. Movimento: durante a expiração, contrair a musculatura abdominal, fazer flexão de cabeça e elevação de pescoço e ombros, inspirar no ponto máximo e na expiração, relaxar a musculatura e voltar à posição inicial. 2 séries de 5 repetições. The hundred prep Posição inicial: Paciente em DD, com coxofemoral e joelhos fletidos a 90 graus e MMSS acima da cabeça Movimento: durante a expiração, contrair abdominais enquanto extende os MMSS, faz uma flexão de cabeça e leve elevação do tronco. Na inspiração, volta à posição inicial. 2 séries de 5 repetições. The hundred basic Posição inicial: paciente em dd, com coxofemoral e joelhos fletidos a 90 graus, MMSS ao lado do corpo.

28 28 Movimento: paciente vai contrair abdominais e movimentar os braços para cima e para baixo. Cada série conta como uma inspiração (contando até 5), e uma expiração (contando até 5) - fazer 10 séries. Em níveis mais avançados, esse exercício pode ser feito com flexão de cabeça e elevação do pescoço e dos ombros e com a extensão dos MMII. FIGURA 4 The hundred basic Single leg stretch Posição inicial: paciente em dd, com cabeça um pouco fletida, elevação de pescoço e ombros, com uma perna com flexão de coxofemoral e joelho, e a outra perna com leve flexão de coxofemoral e extesão de joelhos. A mão homolateral à perna fletida fica no tornozelo da mesma, e a mão contralateral fica no joelho da perna. Movimento: paciente vai alternar a extensão das pernas com o movimento das mãos, sempre colocando a mão homolateral à perna fletida no tornozelo desta e a mão contralateral no joelho. Cada série é composta por 4 trocas de perna, que são feitas em 1 inspiração e 1 expiração. 2 séries de 5 repetições.

29 29 FIGURA 5 Single Leg Stretch Side to side Posição inicial: paciente em DD com MMII fletidos e apoiados no chão, MMSS abduzidos na altura dos ombros e encostados no chão. Movimento: Na inspiração, a paciente deixa os joelhos caindo para um lado, mantendo a cintura escapular e cabeça neutros. Na expiração, volta ao centro. Depois vai para o outro lado. 2 séries de 5 repetições. Criss cross Posição inicial: paciente em dd, com flexão a 90 graus de coxofemoral e joelhos e MMSS fletidos com as mãos atrás do pescoço, cabeça com leve flexão e elevação de pescoço e ombros. Movimento: a paciente vai contrair abdominais, estender uma perna e fazer uma rotação de tronco, de modo que o cotovelo homolateral à perna estendida vá em direção ao joelho contralateral. Altenar os movimentos de braços e pernas dos 2 lados. 2 séries de 5 repetições.

30 30 FIGURA 6 Criss Cross Cat Stretch Posição Inicial: Paciente na posição de gato (4 apoios), com as mãos em baixo da linha do ombro e os joelhos na linha do quadril. Movimento: Durante a expiração, a paciente enrola a coluna começando do quadril até a cabeça, passando vértebra sobre vértebra. No ponto máximo, a paciente inspira novamente e expira voltando a posição inicial, desenrolando a coluna a partir do quadril até a cabeça. 2 séries de 5 repetições. FIGURA 7 Cat Stretch

MAT PILATES 1 ÍNDICE: PRE MAT- MAT PILATES 2 MAT PILATES 2

MAT PILATES 1 ÍNDICE: PRE MAT- MAT PILATES 2 MAT PILATES 2 MAT PILATES 1 ÍNDICE: PRE MAT- MAT PILATES 2 MAT PILATES 2 I-RESPIRAÇAO II-CONTROLE DE CENTRO E DISSOCIAÇÃO DE QUADRIL III-ORGANIZAÇAO CRANIO-VERTEBRALARTICULAÇAO DE COLUNA IV-DESCARGA DE PESO DE MMII

Leia mais

FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO

FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO CARACTERÍSTICAS INDIVIDUAIS - Flexibilidade - Estabilidade - Equilíbrio - Propiocepção

Leia mais

C. Guia de Treino ------------------------------------------------

C. Guia de Treino ------------------------------------------------ C. Guia de Treino ------------------------------------------------ A FORÇA / RESISTÊNCIA ( FUNÇÃO MOVIMENTO OSCILAÇÃO ) A01 Joelhos inclinados Com os pés afastados na plataforma, segure a barra de apoio

Leia mais

ABRCOLUNA Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna

ABRCOLUNA Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna ABRCOLUNA Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna Guia de Exercícios preventivos para a Coluna Vertebral Dr. Coluna 01 Helder Montenegro Fisioterapeuta Guia de Exercícios Dr Coluna 2012.indd 1

Leia mais

Global Training. The finest automotive learning

Global Training. The finest automotive learning Global Training. The finest automotive learning Cuidar da saúde com PREFÁCIO O Manual de Ergonomia para o Motorista que você tem em agora em mãos, é parte de um programa da Mercedes-Benz do Brasil para

Leia mais

A postura saudável para o digitador

A postura saudável para o digitador A postura saudável para o digitador A postura saudável para o digitador 2 Muitas vezes nos perguntamos: Qual é a postura mais adequada para se trabalhar durante horas em frente a um computador? Após anos

Leia mais

OS BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA LOMBALGIA

OS BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA LOMBALGIA OS BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA LOMBALGIA WELLINTON GONÇALVES DO SANTOS ¹ RICARDO BASÍLIO DE OLIVEIRA CALAND² LUCIANA ALVES BRANDÃO³ SONNALE DA SILVA ARAÚJO4 RESUMO A dor lombar é um mal recorrente

Leia mais

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil),

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil), 1 1) PANTURRILHAS 1.1 GERAL De pé, tronco ereto, abdômen contraído, de frente para o espaldar, a uma distância de um passo. Pés na largura dos quadris, levar uma das pernas à frente inclinando o tronco

Leia mais

Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações. Ósseas

Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações. Ósseas Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações Ósseas DESVIOS POSTURAIS 1. LORDOSE CERVICAL = Acentuação da concavidade da coluna cervical. CAUSA: - Hipertrofia da musculatura posterior do pescoço CORREÇÃO:

Leia mais

Foram estabelecidos critérios de inclusão, exclusão e eliminação. Critérios de inclusão: todos os dançarinos com síndrome da dor femoropatelar.

Foram estabelecidos critérios de inclusão, exclusão e eliminação. Critérios de inclusão: todos os dançarinos com síndrome da dor femoropatelar. Figura 11a - Posição inicial: 1ª posição paralela. Figura 11b - demi-plié: 1ª posição paralela. Figura 12a - Posição inicial: 2ª posição paralela. Figura 12b- Demi-plié: 2ª posição paralela. 35 Figura

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE EXERCÍCIOS

PADRONIZAÇÃO DE EXERCÍCIOS LOMBAR EXTENSÃO DE TRONCO- Em decúbito ventral apoiado no banco romano ou no solo, pernas estendidas, mãos atrás da cabeça ou com os braços entrelaçados na frente do peito. Realizar uma flexão de tronco

Leia mais

GINÁSTICA LABORAL Prof. Juliana Moreli Barreto

GINÁSTICA LABORAL Prof. Juliana Moreli Barreto GINÁSTICA LABORAL Prof. Juliana Moreli Barreto OFICINA PRÁTICA Aprenda a ministrar aulas de ginástica laboral GINÁSTICA LABORAL - Objetivos e benefícios do programa - Formas de aplicação atualmente - Periodização

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING

CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING O Curso de Formação em Iso Stretching é ministrado pelo fundador da técnica, o osteopata e fisioterapeuta francês Bernard Redondo. O método Iso Stretching foi desenvolvido

Leia mais

RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA

RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA Fernanda Cristina Pereira 1

Leia mais

A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos.

A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos. A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos. Autores: Ft Mariana Machado Signoreti Profa. Msc. Evelyn Cristina Parolina A capoeira é uma manifestação

Leia mais

EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA

EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA Maria Lucia Ziroldo 1 ; Mateus Dias Antunes 2 ; Daniela Saldanha Wittig 3 ; Sonia Maria Marques Gomes Bertolini 4 RESUMO: A dor lombar é uma das

Leia mais

Alterações da Estrutura Corporal

Alterações da Estrutura Corporal Alterações da Estrutura Corporal Exercícios e Postura milenadutra@bol.com.br Os Exercícios Realmente Mudam a Postura? Vício postural pode ser corrigido voluntariamente com reeducação psicomotora Desvio

Leia mais

3/26/2009 EX E E X R E C R ÍCI C OS S E E PO P ST S U T RA R OS EX ER EX CÍ C CI C OS REAL EA MEN M T EN E MO M DIFI F CAM A M A A PO P STUR U A?

3/26/2009 EX E E X R E C R ÍCI C OS S E E PO P ST S U T RA R OS EX ER EX CÍ C CI C OS REAL EA MEN M T EN E MO M DIFI F CAM A M A A PO P STUR U A? EXERCÍCIOS E POSTURA OS EXERCÍCIOS REALMENTE MODIFICAM A POSTURA? 1 Um vício postural pode ser corrigido voluntariamente com reeducação psicomotora, um desvio postural pode ser corrigido com exercícios

Leia mais

CINCO PRINCÍPIOS BÁSICOS STOTT PILATES

CINCO PRINCÍPIOS BÁSICOS STOTT PILATES CINCO PRINCÍPIOS BÁSICOS STOTT PILATES Utilizando os Princípios do Pilates Contemporâneo para atingir um nível ótimo de condição física. Por Moira Merrithew, STOTT PILATES Executive Director, Education

Leia mais

Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf

Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf ELÁSTICO OU BORRACHA Sugestão: 1 kit com 3 elásticos ou borrachas (com tensões diferentes: intensidade fraca, média e forte) Preço: de

Leia mais

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA!

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! SUA MOCHILA NÃO PODE PESAR MAIS QUE 10% DO SEU PESO CORPORAL. A influência de carregar a mochila com o material escolar nas costas, associado

Leia mais

TÉCNICAS EM AVALIAÇÃO E REEDUCAÇÃO POSTURAL

TÉCNICAS EM AVALIAÇÃO E REEDUCAÇÃO POSTURAL 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA TÉCNICAS

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE FUNCIONAL DE PACIENTES PÓS AVE SUBMETIDOS A UM PROTOCOLO DE PILATES SOLO/BOLA

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE FUNCIONAL DE PACIENTES PÓS AVE SUBMETIDOS A UM PROTOCOLO DE PILATES SOLO/BOLA TÍTULO: AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE FUNCIONAL DE PACIENTES PÓS AVE SUBMETIDOS A UM PROTOCOLO DE PILATES SOLO/BOLA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: CENTRO

Leia mais

ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO

ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO Éder Cristiano Cambraia 1 Eduardo de Oliveira Melo 2 1 Aluno do Curso de Pós Graduação em Fisiologia do Exercício. edercambraiac@hotmail.com 2 Professor

Leia mais

PILATES E BIOMECÂNICA. Thaís Lima

PILATES E BIOMECÂNICA. Thaís Lima PILATES E BIOMECÂNICA Thaís Lima RÍTMO LOMBOPÉLVICO Estabilidade lombopélvica pode ser definida como a habilidade de atingir e manter o alinhamento ótimo dos segmentos da coluna (lombar e torácica), da

Leia mais

DESCUBRA UM GUIA PARA CONSTRUIR UMA BASE FORTE POR JOHN SMITH

DESCUBRA UM GUIA PARA CONSTRUIR UMA BASE FORTE POR JOHN SMITH DESCUBRA A S U A P A S S A D A UM GUIA PARA CONSTRUIR UMA BASE FORTE POR JOHN SMITH COMO USAR ESTE GUIA ESTE GUIA ENSINARÁ TÉCNICAS PARA VOCÊ APERFEIÇOAR A FORMA COMO VOCÊ CORRE AUMENTANDO EQUILÍBRIO,

Leia mais

E BEM-ESTAR TAMBÉM. exercícios para fazer com SEM ESTRESSE MELHOR IDADE DE VERDADE GESTANTE FELIZ

E BEM-ESTAR TAMBÉM. exercícios para fazer com SEM ESTRESSE MELHOR IDADE DE VERDADE GESTANTE FELIZ O GRANDE guia de PILATES E BEM-ESTAR 40 exercícios para fazer com bola, no solo e nos aparelhos MELHOR IDADE DE VERDADE Conheça o segredo para ganhar mais vitalidade e ainda evitar quedas GESTANTE FELIZ

Leia mais

TÍTULO: EFICÁCIA DO KINESIO-TAPING NO TRATAMENTO DA LOMBALGIA EM GESTANTES: ESTUDO DE CASOS

TÍTULO: EFICÁCIA DO KINESIO-TAPING NO TRATAMENTO DA LOMBALGIA EM GESTANTES: ESTUDO DE CASOS TÍTULO: EFICÁCIA DO KINESIO-TAPING NO TRATAMENTO DA LOMBALGIA EM GESTANTES: ESTUDO DE CASOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA

Leia mais

DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS. www.doresnascostas.com.br. Página 1 / 10

DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS. www.doresnascostas.com.br. Página 1 / 10 DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS www.doresnascostas.com.br Página 1 / 10 CONHEÇA OS PRINCÍPIOS DO COLETE MUSCULAR ABDOMINAL Nos últimos anos os especialistas

Leia mais

MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG

MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG Fábio Alexandre Moreschi Guastala 1, Mayara

Leia mais

Plano de Exercícios Para Segunda-Feira

Plano de Exercícios Para Segunda-Feira Plano de Exercícios Para Segunda-Feira ALONGAMENTO DA MUSCULATURA LATERAL DO PESCOÇO - Inclinar a cabeça ao máximo para a esquerda, alongando a mão direita para o solo - Alongar 20 segundos, em seguida

Leia mais

AVALIAÇÃO DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO Articulação Sinovial Forma de sela Três graus de liberdade Posição de Repouso Posição de aproximação

Leia mais

Avaliação Postural e Flexibilidade. Priscila Zanon Candido

Avaliação Postural e Flexibilidade. Priscila Zanon Candido Avaliação Postural e Flexibilidade Priscila Zanon Candido POSTURA A posição otimizada, mantida com característica automática e espontânea, de um organismo em perfeita harmonia com a força gravitacional

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Dr. Leandro Gomes Pistori Fisioterapeuta CREFITO-3 / 47741-F Fone: (16) 3371-4121 Dr. Paulo Fernando C. Rossi Fisioterapeuta CREFITO-3 / 65294 F Fone: (16) 3307-6555

Leia mais

O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro

O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro O corpo humano é projetado para funcionar como uma unidade, com os músculos sendo ativados em seqüências especifica para produzir um

Leia mais

FICHA PARA CATÁLOGO. Escola Estadual São José Ensino Fundamental e Médio. Educação Física. Unidade Didática

FICHA PARA CATÁLOGO. Escola Estadual São José Ensino Fundamental e Médio. Educação Física. Unidade Didática FICHA PARA CATÁLOGO Título: IMPORTÂNCIA DO AQUECIMENTO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA Autor Escola de Atuação Município da escola Núcleo Regional de Educação Orientador Instituição de Ensino Superior Disciplina/Área

Leia mais

KINETIC CONTROL: OTIMIZANDO A SAÚDE DO MOVIMENTO

KINETIC CONTROL: OTIMIZANDO A SAÚDE DO MOVIMENTO KC seguindo adiante KINETIC CONTROL: OTIMIZANDO A SAÚDE DO MOVIMENTO Otimizar a saúde do está no coração da Fisioterapia e da Terapia do Movimento. As pesquisas de neurociência nos tem proporcionado um

Leia mais

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural AVALIAÇÃO POSTURAL 1. Desenvolvimento Postural Vantagens e desvantagens da postura ereta; Curvas primárias da coluna vertebral; Curvas Secundárias da coluna vertebral; Alterações posturais com a idade.

Leia mais

DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL: avaliação postural em adolescentes da faixa etária entre 11 a 16 anos

DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL: avaliação postural em adolescentes da faixa etária entre 11 a 16 anos DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL: avaliação postural em adolescentes da faixa etária entre 11 a 16 anos CAROLINE GONSALEZ FLAVIO PILOTO CIRILLO JULIANA THIEMI IMANO KAMILLA FERNANDES LINS SP 2009 DEFORMIDADES

Leia mais

As Atividades físicas suas definições e benefícios.

As Atividades físicas suas definições e benefícios. As Atividades físicas suas definições e benefícios. MUSCULAÇÃO A musculação, também conhecida como Treinamento com Pesos, ou Treinamento com Carga, tornou-se uma das formas mais conhecidas de exercício,

Leia mais

Abdução do quadril Posição inicial Ação Extensão do quadril em rotação neutra Posição inicial Ação

Abdução do quadril Posição inicial Ação Extensão do quadril em rotação neutra Posição inicial Ação 12) Abdução do quadril - músculos comprometidos da articulação do quadril: glúteo médio, glúteo mínimo, tensor da fascia lata e os seis rotadores externos; da articulação do joelho: quadríceps (contração

Leia mais

Quick Massage. Venha ser um membro filiado e compartilhar. seu conhecimento conosco! sbtcatendimento@outlook.com. Denis Fernando de Souza

Quick Massage. Venha ser um membro filiado e compartilhar. seu conhecimento conosco! sbtcatendimento@outlook.com. Denis Fernando de Souza Quick Massage Venha ser um membro filiado e compartilhar seu conhecimento conosco! sbtcatendimento@outlook.com Denis Fernando de Souza HISTÓRICO QUICK MASSAGE (MASSAGEM RÁPIDA) Algumas literaturas trazem

Leia mais

Pilates Power Gym. Manual de Instruções. Pilates Power Gym. Modelo AB - 7620

Pilates Power Gym. Manual de Instruções. Pilates Power Gym. Modelo AB - 7620 Pilates Power Gym Modelo AB - 7620 Pilates Power Gym LEIA TODAS AS INSTRUÇÕES ANTES DE USAR E GUARDE ESTE MANUAL PARA CONSULTAS FUTURAS. Manual de Instruções Manual Pilates Power Gym-2010.indd Spread 1

Leia mais

O treino invisível para aumento do rendimento desportivo

O treino invisível para aumento do rendimento desportivo O treino invisível para aumento do rendimento desportivo Carlos Sales, Fisioterapeuta Federação Portuguesa de Ciclismo Luís Pinho, Fisioterapeuta Federação Portuguesa de Ciclismo Ricardo Vidal, Fisioterapeuta

Leia mais

BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA REABILITAÇÃO

BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA REABILITAÇÃO BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA REABILITAÇÃO O método pilates é um trabalho que se baseia em exercícios de força e mobilidade utilizando para tal técnicas e exercícios específicos. Este método permite

Leia mais

Cultura Física Autor: Ricardo Wesley Alberca Custódio 1 1

Cultura Física Autor: Ricardo Wesley Alberca Custódio 1 1 1 Atividades Recreativas Cultura Física Autor: Ricardo Wesley Alberca Custódio 1 1 Educador Físico, Pós graduação: Fisiologia do exercício(unifesp) MBA em Gestão e Estratégia Empresarial, Membro de 2 grupos

Leia mais

CUIDADOS COM A COLUNA

CUIDADOS COM A COLUNA SENADO FEDERAL CUIDADOS COM A COLUNA SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Cuidados com a coluna 3 apresentação As dores na coluna vertebral são um grande transtorno na vida de muita gente, prejudicando os movimentos

Leia mais

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para a Coluna Lombar O QUE É

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para a Coluna Lombar O QUE É Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para a Coluna Lombar O QUE É Estes são alguns dos exercícios recomendados com maior freqüência para a terapia da coluna lombar, Eles foram compilados para dar a você,

Leia mais

Manual de Exercícios SPP

Manual de Exercícios SPP Manual de Exercícios SPP 1/6 Manual de exercícios SPP- IGN 1. Posicionamento: deitado de barriga para cima, com os joelhos estendidos. 2. Dobrar e estender uma perna. Fazer 10 repetições em cada lado alternadamente.

Leia mais

por que franquias? O Mercado de franquias é um dos mais rentáveis no Brasil.

por que franquias? O Mercado de franquias é um dos mais rentáveis no Brasil. Franquias nossa história O Studio Posturale Pilates, foi fundado na cidade de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, no ano de 2005. As fisioterapeutas Valéria Bertolla e Marijaine Mossi, fundaram um novo conceito

Leia mais

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS 1 MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS Prof. Dr. Valdir J. Barbanti Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo A musculação refere-se à forma de exercícios que envolvem

Leia mais

Componente Curricular: Fisioterapia nas Disfunções Posturais PLANO DE CURSO

Componente Curricular: Fisioterapia nas Disfunções Posturais PLANO DE CURSO CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: Fisioterapia nas Disfunções Posturais Código: Fisio 218 Pré-requisito: --------

Leia mais

FITNESSGRAM. O Fitnessgram é um programa de educação e avaliação da aptidão física relacionada com a saúde.

FITNESSGRAM. O Fitnessgram é um programa de educação e avaliação da aptidão física relacionada com a saúde. Professora de Educação Física HelenaMiranda FITNESSGRAM O Fitnessgram é um programa de educação e avaliação da aptidão física relacionada com a saúde. Todos os elementos incluídos no Fitnessgram foram

Leia mais

Seqüência completa de automassagem

Seqüência completa de automassagem Seqüência completa de automassagem Os exercícios descritos a seguir foram inspirados no livro Curso de Massagem Oriental, de Armando S. B. Austregésilo e podem ser feitos em casa, de manhã ou à tardinha.

Leia mais

DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO

DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO TÉCNICAS DE ANIMAÇÃO PARA IDOSOS Introdução Uma velhice tranquila é o somatório de tudo quanto é beneficio do organismo, como por exemplo, exercícios

Leia mais

Ergonomia. Lombalgias, Manejo de cargas, Posição estática, Trabalho na posição sentada e em pé. Prof.ª Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti

Ergonomia. Lombalgias, Manejo de cargas, Posição estática, Trabalho na posição sentada e em pé. Prof.ª Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti Ergonomia Lombalgias, Manejo de cargas, Posição estática, Trabalho na posição sentada e em pé Prof.ª Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti Natal/RN Fevereiro de 2011 Postura Um dos caminhos para encontrar

Leia mais

EXÉRCITO BRASILEIRO www.exercito.gov.br

EXÉRCITO BRASILEIRO www.exercito.gov.br EXÉRCITO BRASILEIRO www.exercito.gov.br CARTILHA DE TREINAMENTO NEUROMUSCULAR COM ELÁSTICOS INSTITUTO DE PESQUISA DA CAPACITAÇÃO FÍSICA DO EXÉRCITO www.ipcfex.com.br Realização www.exercito.gov.br www.decex.ensino.eb.br

Leia mais

Portal Equilíbrio e Quedas em Idosos. Atividade Física

Portal Equilíbrio e Quedas em Idosos. Atividade Física Portal Equilíbrio e Quedas em Idosos http://pequi.incubadora.fapesp.br/portal Atividade Física Nesta seção, apresentamos conceitos relacionados à atividade física para idosos. O enfoque principal é treinamento

Leia mais

Protocolo dos Testes de Aptidão Física Funcional da Bateria de Testes de Rikli & Jones (1999)

Protocolo dos Testes de Aptidão Física Funcional da Bateria de Testes de Rikli & Jones (1999) Protocolo dos Testes de Aptidão Física Funcional da Bateria de Testes de Rikli & Jones (1999) 1. Levantar e Sentar na Cadeira Avaliar a força e resistência dos membros inferiores (número de execuções em

Leia mais

Senior Fitness Test SFT

Senior Fitness Test SFT 1. Levantar e sentar na caira Senior Fitness Test SFT Objetivo: avaliar a força e resistência dos membros inferiores. Instrumentos: cronômetro, caira com encosto e sem braços, com altura assento aproximadamente

Leia mais

04/11/2012. rígida: usar durante a noite (para dormir) e no início da marcha digitígrada, para manter a ADM do tornozelo.

04/11/2012. rígida: usar durante a noite (para dormir) e no início da marcha digitígrada, para manter a ADM do tornozelo. 04/11/2012 Prolongar o tempo de deambulação independente. Manter a postura correta. Garantir o bom funcionamento das funções cardiorrespiratória e digestiva. Manter a amplitude do movimento. Garantir o

Leia mais

A EFICÁCIA DA FISIOTERAPIA NO TRATAMENTO DAS COMPLICAÇÕES FÍSICO-FUNCIONAIS DE MEMBRO SUPERIOR NA MASTECTOMIA UNILATERAL TOTAL: ESTUDO DE CASO

A EFICÁCIA DA FISIOTERAPIA NO TRATAMENTO DAS COMPLICAÇÕES FÍSICO-FUNCIONAIS DE MEMBRO SUPERIOR NA MASTECTOMIA UNILATERAL TOTAL: ESTUDO DE CASO A EFICÁCIA DA FISIOTERAPIA NO TRATAMENTO DAS COMPLICAÇÕES FÍSICO-FUNCIONAIS DE MEMBRO SUPERIOR NA MASTECTOMIA UNILATERAL TOTAL: ESTUDO DE CASO GUIZELINI, L.H.; PEREIRA, N.T.C. RESUMO A mastectomia pode

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ SUYANNE NUNES DE CASTRO PERFIL DAS ALTERAÇÕES POSTURAIS EM IDOSOS ATENDIDOS NO SERVIÇO DE REEDUCAÇÃO POSTURAL GLOBAL

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ SUYANNE NUNES DE CASTRO PERFIL DAS ALTERAÇÕES POSTURAIS EM IDOSOS ATENDIDOS NO SERVIÇO DE REEDUCAÇÃO POSTURAL GLOBAL UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ SUYANNE NUNES DE CASTRO PERFIL DAS ALTERAÇÕES POSTURAIS EM IDOSOS ATENDIDOS NO SERVIÇO DE REEDUCAÇÃO POSTURAL GLOBAL FORTALEZA CEARÁ 2009 SUYANNE NUNES DE CASTRO PERFIL DAS

Leia mais

Adutores da Coxa. Provas de função muscular MMII. Adutor Longo. Adutor Curto. Graduação de força muscular

Adutores da Coxa. Provas de função muscular MMII. Adutor Longo. Adutor Curto. Graduação de força muscular Provas de função muscular MMII Graduação de força muscular Grau 0:Consiste me palpar o músculo avaliado e encontrar como resposta ausência de contração muscular. Grau 1:Ao palpar o músculo a ser avaliado

Leia mais

Efeito agudo do treino de Pilates sobre as dores de costas em Idosos

Efeito agudo do treino de Pilates sobre as dores de costas em Idosos Efeito agudo do treino de Pilates sobre as dores de costas em Idosos Clarissa Biehl Printes (Ph.D.) cbprintes.isce@gmail.com Porto Alegre, 2015 Introdução A literatura descreve que 70 a 85% da população

Leia mais

PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA

PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA Juliana Camilla

Leia mais

Relaxar a musculatura dos braços. Entrelace os dedos de ambas as mãos com suas palmas para cima e levante os braços por 10 segundos.

Relaxar a musculatura dos braços. Entrelace os dedos de ambas as mãos com suas palmas para cima e levante os braços por 10 segundos. por Christian Haensell A flexibilidade do corpo e das juntas é controlada por vários fatores: estrutura óssea, massa muscular, tendões, ligamentos, e patologias (deformações, artroses, artrites, acidentes,

Leia mais

Aula 03 Antropometria Prof. Mario S. Ferreira Junho, 2013

Aula 03 Antropometria Prof. Mario S. Ferreira Junho, 2013 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Curso de Especialização em Arquitetura da Habitação de Interesse Social ERGONOMIA E ACESSIBILIDADE Aplicada à

Leia mais

INFLUÊNCIA DO ALONGAMENTO MUSCULAR NA POSTURA SENTADA DE ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA 1

INFLUÊNCIA DO ALONGAMENTO MUSCULAR NA POSTURA SENTADA DE ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA 1 INFLUÊNCIA DO ALONGAMENTO MUSCULAR NA POSTURA SENTADA DE ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA 1 Luciana de Oliveira Forte 2 Inês Alessandra Xavier Lima 3 Resumo Este estudo teve como objetivo analisar a influência

Leia mais

DISTÚRBIOS DA COLUNA VERTEBRAL *

DISTÚRBIOS DA COLUNA VERTEBRAL * A. POSTURA DISTÚRBIOS DA COLUNA VERTEBRAL * 1 POSTURA LORDÓTICA Trabalho realizado por: Karina Mothé Bianor Orientador: Prof. Blair José Rosa Filho Caracterizada por um aumento no ângulo lombossacro (o

Leia mais

CINESIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

CINESIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior CINESIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior COLUNA VERTEBRAL 7 vértebras cervicais 12 vértebras torácicas 5 vértebras lombares 5 vértebras sacrais 4 vértebras coccígeas anterior

Leia mais

PELA SAÚDE DOS VOSSOS OMBROS

PELA SAÚDE DOS VOSSOS OMBROS PELA SAÚDE DOS VOSSOS OMBROS por Hoje em dia as circunstâncias da vida quotidiana forçam-nos a passar muito tempo sentados em posturas que não são as mais adequadas. Neste preciso momento enquanto estão

Leia mais

ORIENTAÇÃO POSTURAL E MUSCULAR COM BOLA SUÍÇA

ORIENTAÇÃO POSTURAL E MUSCULAR COM BOLA SUÍÇA ORIENTAÇÃO POSTURAL E MUSCULAR COM BOLA SUÍÇA ROSA, Tábada Samantha Marques; BASSO, Débora Bonesso Andriollo. Iniciação Científica Centro Universitário Franciscano - UNIFRA, curso de Fisioterapia. sa_marqs@hotmail.com

Leia mais

Exercícios específicos para a barriga que enrijecem os músculos da região e ajudam na manutenção de uma boa postura.

Exercícios específicos para a barriga que enrijecem os músculos da região e ajudam na manutenção de uma boa postura. 13/05/2004-05h31 Atividades físicas trazem riscos ocultos para o corpo KATIA DEUTNER Free-lance para a Folha de S.Paulo Você sabe: eles fazem bem ao coração, aos ossos, ao colesterol, à pressão, às articulações,

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Existem 2 tipos de artic. encontradas

Leia mais

LOMBALGIAS: MECANISMO ANÁTOMO-FUNCIONAL E TRATAMENTO

LOMBALGIAS: MECANISMO ANÁTOMO-FUNCIONAL E TRATAMENTO LOMBALGIAS: MECANISMO ANÁTOMO-FUNCIONAL E TRATAMENTO Alessandra Vascelai #, Ft, Titulacão: Especialista em Fisioterapia em Traumatologia do Adulto Reeducação Postural Global (RPG) Acupuntura. Resumo: Lombalgia

Leia mais

Teste de Flexibilidade

Teste de Flexibilidade Teste de Flexibilidade Introdução O teste de Fleximetria foi aprimorado pelo ICP à partir do teste do Flexômetro de LEIGHTON deve ser aplicado com a intenção de se coletar informações sobre o funcinamento

Leia mais

ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS. André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012

ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS. André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012 AVALIAÇÃO POSTURAL ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012 POSTURA CONCEITOS: Postura é uma composição de todas

Leia mais

Considerada como elemento essencial para a funcionalidade

Considerada como elemento essencial para a funcionalidade 13 Epidemiologia e Flexibilidade: Aptidão Física Relacionada à Promoção da Saúde Gláucia Regina Falsarella Graduada em Educação Física na Unicamp Considerada como elemento essencial para a funcionalidade

Leia mais

TRABALHO DA MOBILIDADE DA COLUNA VERTEBRAL PARA O PRATICANTE AVANÇADO DE FITNESS COM A TÉCNICA DE PILATES. FERNANDO BARBOSA¹

TRABALHO DA MOBILIDADE DA COLUNA VERTEBRAL PARA O PRATICANTE AVANÇADO DE FITNESS COM A TÉCNICA DE PILATES. FERNANDO BARBOSA¹ TRABALHO DA MOBILIDADE DA COLUNA VERTEBRAL PARA O PRATICANTE AVANÇADO DE FITNESS COM A TÉCNICA DE PILATES. FERNANDO BARBOSA¹ ¹ Educador Físico Resumo Este trabalho apresenta os benefícios que um praticante

Leia mais

PILATES História Joseph Hubertus Pilates ( asma, raquitismo e febre. reumática

PILATES História Joseph Hubertus Pilates ( asma, raquitismo e febre. reumática PILATES História Joseph Hubertus Pilates (1880-1967) nasceu próximo a Dusseldorf, Alemanha. Sua infância foi marcada pela fragilidade de seu estado de saúde, quando apresentou asma, raquitismo e febre.

Leia mais

SANDRA CRISTINA DE ANDRADE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DE UM PROGRAMA DE ESCOLA DE COLUNA PARA LOMBALGIA CRÔNICA INESPECÍFICA

SANDRA CRISTINA DE ANDRADE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DE UM PROGRAMA DE ESCOLA DE COLUNA PARA LOMBALGIA CRÔNICA INESPECÍFICA SANDRA CRISTINA DE ANDRADE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DE UM PROGRAMA DE ESCOLA DE COLUNA PARA LOMBALGIA CRÔNICA INESPECÍFICA Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde da Universidade

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada A coluna cervical consiste em diversas

Leia mais

VOCÊ JÁ PENSOU NA SUA POSTURA HOJE?

VOCÊ JÁ PENSOU NA SUA POSTURA HOJE? VOCÊ JÁ PENSOU NA SUA POSTURA HOJE? Dicas Gerais para uma Boa Postura 1) Manter o topo da tela ao nível dos olhos e distante cerca de um comprimento de braço (45cm ~ 70cm); 2) Manter a cabeça e pescoço

Leia mais

Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP)

Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP) Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP) INTRODUÇÃO O ligamento cruzado posterior (LCP) é um dos ligamentos menos lesados do joelho. A compreensão dessa lesão e o desenvolvimento de novos tratamentos

Leia mais

MANUAL DO LIAN GONG. Lian Gong, ginástica chinesa criada há mais de 40 anos, faz bem para o corpo e para a saúde.

MANUAL DO LIAN GONG. Lian Gong, ginástica chinesa criada há mais de 40 anos, faz bem para o corpo e para a saúde. MANUAL DO LIAN GONG Lian Gong, ginástica chinesa criada há mais de 40 anos, faz bem para o corpo e para a saúde. A ginástica Lian Gong (pronuncia-se "liam cum") foi desenvolvida na China, pelo Dr. Zhuang

Leia mais

Palavras chaves: Core; Treinamento Funcional; Musculação; Homens.

Palavras chaves: Core; Treinamento Funcional; Musculação; Homens. 1 Estudo comparativo do nível de força isométrica e estabilidade da musculatura do core entre indivíduos praticantes de treinamento funcional e de musculação. Resumo: O presente estudo teve como objetivo

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ALONGAMENTO

EXERCÍCIOS DE ALONGAMENTO Ao fazer exercícios de alongamento vai melhorar a amplitude das suas articulações, especialmente importante em doentes com dor crónica. Não precisa forçar excessivamente para sentir benefício com estes

Leia mais

Cuidados Posturais. Prof Paulo Fernando Mesquita Junior

Cuidados Posturais. Prof Paulo Fernando Mesquita Junior Cuidados Posturais Prof Paulo Fernando Mesquita Junior Vídeo: Cuidados_posturais_Dr.MiguelMastropaulo A postura correta Considera-se uma boa postura aquela condição em que o alinhamento corporal proporciona

Leia mais

Título: Modelo Bioergonomia na Unidade de Correção Postural (Total Care - AMIL)

Título: Modelo Bioergonomia na Unidade de Correção Postural (Total Care - AMIL) Projeto: Unidade de Correção Postural AMIL Título: Modelo Bioergonomia na Unidade de Correção Postural (Total Care - AMIL) Autores: LACOMBE,Patricia, FURLAN, Valter, SONSIN, Katia. Instituição: Instituto

Leia mais

LER/DORT. www.cpsol.com.br

LER/DORT. www.cpsol.com.br LER/DORT Prevenção através s da ergonomia DEFINIÇÃO LER: Lesões por Esforços Repetitivos; DORT: Doenças Osteomusculares Relacionadas ao Trabalho; São doenças provocadas pelo uso inadequado e excessivo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA RESUMO SILVA 1, Thays Gonçalves ALMEIDA 2, Rogério Moreira de Centro de Ciências da

Leia mais

Ginástica. Educação Física 9º B. Escola EB 2/3 Júlio Dinis 2011/2012. Núcleo de Estágio de Educação Física e Desporto Sandra Barbosa

Ginástica. Educação Física 9º B. Escola EB 2/3 Júlio Dinis 2011/2012. Núcleo de Estágio de Educação Física e Desporto Sandra Barbosa Educação Física 9º B Escola EB 2/3 Júlio Dinis 2011/2012 Núcleo de Estágio de Educação Física e Desporto Sandra Barbosa ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 1-HISTÓRIA DA GINÁSTICA... 3 2- CARACTERIZAÇÃO DA MODALIDADE...

Leia mais

ARTIGO ORIGINAL LOMBALGIA: A RELAÇÃO COM A FLEXIBILIDADE DA REGIÃO POSTERIOR DA COXA E DO GLÚTEO E A FORÇA ABDOMINAL E LOMBAR

ARTIGO ORIGINAL LOMBALGIA: A RELAÇÃO COM A FLEXIBILIDADE DA REGIÃO POSTERIOR DA COXA E DO GLÚTEO E A FORÇA ABDOMINAL E LOMBAR LOMBALGIA: A RELAÇÃO COM A FLEXIBILIDADE DA REGIÃO POSTERIOR DA COXA E DO GLÚTEO E A FORÇA ABDOMINAL E LOMBAR Mariana Cristina de Jesus 1, José Francisco Daniel 2 RESUMO A lombalgia se caracteriza pela

Leia mais

Esta Norma contém as seguintes partes, sob o título geral Acessibilidade em veículos automotores :

Esta Norma contém as seguintes partes, sob o título geral Acessibilidade em veículos automotores : JUL 2003 NBR 14970-2 ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13/28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro - RJ Tel.: PABX (21) 3974-2300

Leia mais

FORTALECENDO SABERES EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva.

FORTALECENDO SABERES EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Habilidades: Entender os benefícios

Leia mais

X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN

X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN 65 Centro Universitário da Grande Dourados X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN 66 ANÁLISE POSTURAL EM ADOLESCENTES DO SEXO FEMININO NA FASE

Leia mais

PLANO DE TRABALHO PILATES

PLANO DE TRABALHO PILATES PLANO DE TRABALHO PILATES Telefone: (44) 3220-5750 E-mail: centrosesportivos@maringa.pr.gov.br EQUIPE ORGANIZADORA SECRETARIO MUNICIPAL DE ESPORTES E LAZER Francisco Favoto DIRETOR DE ESPORTES E LAZER

Leia mais