A GESTÃO HUMANA POR COMPETÊNCIAS: O MODELO UTILIZADO PELA NATURA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A GESTÃO HUMANA POR COMPETÊNCIAS: O MODELO UTILIZADO PELA NATURA"

Transcrição

1 A GESTÃO HUMANA POR COMPETÊNCIAS: O MODELO UTILIZADO PELA NATURA Nair Rodrigues Neves Boni (CESD ) Michael Gustavo da Silva Gussoni (CESD) Prof. Willian Hajime Yonenaga, Msc (CESD ) Prof. Marcelo Plens, Dr (CESD) RESUMO A desregulamentação, a globalização, as revoluções fundamentais da ciência e a importância estratégica da tecnologia da informação tornaram-se fronteiras para o mercado brasileiro. Neste contexto, alternativas como criatividade, flexibilidade e inovação são imprescindíveis para uma empresa se manter competitiva no mercado. Novos conceitos para ajudar a compreender e a implementar práticas renovadas serão introduzidos no âmbito da gestão de pessoas. Este trabalho, indica a gestão por competências como estratégia empresarial competitiva e eficaz. A competência é o conjunto de conhecimento, habilidade, atitude e interesse que em ação, diferencia uma pessoa da outra. A gestão por competência promove o desenvolvimento do talento humano, define as competências essenciais de cada cargo da organização e traça o perfil de cada funcionário, para adequação da pessoa ao cargo. Outra ferramenta utilizada nessa gestão é a avaliação de desempenho que oferece o feedback ao profissional, possibilitando os ajustes necessários. Isso gera o aprimoramento e a retenção de talentos na empresa. Verificou-se a prática desse modelo de gestão na Natura e ficou comprovado que esse é um diferencial que atrela indivíduos à organização e nessa interação ambas as partes obtêm êxito, com atendimento de suas expectativas. PALAVRAS-CHAVE: Competências, Modelos, Gestão de Pessoas. 1. INTRODUÇÃO A gestão de recursos humanos no Brasil ganha espaço do contexto empresarial e encontra-se em um amplo processo de mudança, por isso a organização deve construir e desenvolver seus processos de evolução contínua com: sistemas de produção flexíveis, produtos personalizados, mercados de nicho, trabalho qualificado, segmentação por processos e equipes multifuncionais. Com a instabilidade econômica, a concorrência globalizada e o desenvolvimento tecnológico trazendo importantes mudanças para o mercado, é preciso avaliar se a gestão por competência é um modelo de gerenciamento para interagir e fortalecer as organizações diante das turbulências, mudanças e da imprevisibilidade que nos cercam. O objetivo deste trabalho é retratar e analisar a administração de pessoal nas organizações, destacando o modelo de gerenciamento por competências, apontando suas vantagens, propostas e perspectivas, por meio de um estudo de caso da empresa Natura. Dessa forma, será verificado se o modelo de gestão pode ser indicado às empresas como uma solução para o gerenciamento humano e êxito nos resultados. 1

2 2. EVOLUÇÃO DO MODELO DE GESTÃO DE PESSOAS NO BRASIL Ao longo da história, ocorreram sensíveis mudanças empresariais na área de recursos humanos. Inicialmente, na colonização do Brasil, um país de economia agrária, contou com escravos e imigrantes na mão de obra rural. Com a industrialização, houve o êxodo rural e o trabalho era desenvolvido com tarefas repetitivas. Nos anos 70, houve a grande explosão da necessidade de treinamento dos funcionários, a lei nº permitia o abatimento de até 200% das despesas de treinamento no IR das empresas. Na década de 80, o país viveu uma fase de instabilidade econômica, com o corte de funcionários nas empresas e a necessidade de desenvolvimento de executivos. Para isso buscavam modelos importados, principalmente de técnicos americanos. Nos anos 90, com o Brasil na globalização, houve o sobe e desce da inflação, desemprego, recessão política e economia incerta. Diante de todo esse cenário, a área de Recursos Humanos passa por movimentos de mudanças organizacionais, trazidas pela globalização. Houve grande reestruturação organizacional, com downsizing, reengenharia e terceirização de serviços rotineiros. Porém algumas empresas tentaram alterar sua forma de trabalho, valorizando as estruturas das empresas em grupos de alto desempenho, o trabalho realizado com eficácia. Ficou bem claro para os gestores de recursos humanos que só sobreviverão se conseguirem mostrar e mensurar valor agregado à empresa e às pessoas que lá trabalham. Portanto, essa área precisa abandonar o discurso romântico com modelo baseado em fidelidade e dedicação; e se concentrar em resultado com mais pragmatismo nas atuações. Enfim, surge o modelo de competência e gestão de talentos no ambiente organizacional, tornando a administração de recursos humanos uma estratégia. Nesse modelo, o possível contrato entre empresas e as pessoas realça o resultado direcionado para o mercado e conseguido para perenidade da empresa, atendendo às exigências da competitividade do ambiente externo da organização. A área de recursos humanos deve ter uma administração alinhada com as necessidades estratégicas da empresa, que possa mostrar resultados de maneira prática e numa linguagem organizacional adequada. As competências são parâmetros de desempenho que maximizam comportamentos e habilidades compatíveis com o contexto estratégico da empresa. 3. DEFINIÇÃO DE COMPETÊNCIAS O termo competência (no singular) e os de sua família (competir, competente, competentemente) pertenciam, no fim da idade média, à linguagem jurídica. Os juristas declaravam, por exemplo, que tal tribunal era competente para um dado tipo de julgamento. Porém, cabia aos juristas de determinada instância e não de uma outra atribuir a um homem ou a uma instituição a competência para realizar certo ato, ato que se tornava assim juridicamente válido. Segundo Jamati apud in Ropé (1997, p.103). O uso da expressão competências para determinadas tarefas supõe que as tarefas são complexas e necessitam de atividade intelectual importante, são cumpridas por especialistas - pessoas que têm possibilidades de cumpri-las adequadamente. 2

3 O homem competente utiliza técnicas preexistentes, portanto profissionais como um escritor, um pintor ou um compositor não são citados como competentes, seus talentos de criador são considerados pelas características de originalidade, inventividade e sensibilidade. Os não competentes ou incompetentes são qualificados por faltar-lhes conhecimento ou habilidade para executar certa tarefa, ou cometem erros ou utilizam meios desproporcionais ao que é pretendido. Os sem competências especificas são pessoas que realizam tarefas sem muita escolha. Atualmente, o termo competência é menos reservado do que foi até recentemente, aos que têm uma especialidade de alto nível, digamos para simplificar, que já não é exclusivamente um atributo reservado aos executivos. Nas empresas, as competências requisitadas para ocupar certo emprego, não estão ligadas à formação inicial do indivíduo. Essas competências podem ter sido adquiridas em empregos anteriores, estágios longos ou breves, de formação contínua, mas também em atividades lúdicas, de interesse público fora da profissão, atividades familiares etc. Esta série de competências é uma característica individual da pessoa. A qualificação do emprego, numa nova política social, melhora consideravelmente o ajuste das capacidades do candidato a emprego às competências requeridas pela empresa, portanto passam da referência às qualificações, a uma referência às competências. O uso do termo competência, para designar as capacidades de intervenção adequadas daqueles que trabalham, quem quer que eles sejam, é único nesses casos. Com relação à hierarquia no trabalho, a questão é saber de quem depende cada um e se o chefe indica ou controla a execução de tarefas do seu subordinado graças a sua capacidade técnica competência, pois a tarefa do chefe abrange uma área mais ampla e mais diversificada do que a do subordinado. A razão superior da organização habilita o chefe a tomar decisões. Nesse caso, observamos a competência em dois sentidos: capacidade técnica e habilitação para comandar. A palavra competência freqüenta o vocabulário de recursos humanos há muito tempo, seja nas questões referentes às especificações, seja nas definições de habilidades. Pode ser interpretada como o conjunto de qualificações de um profissional, ou necessita estar relacionada a resultados, portanto o conceito de competência tem que estar relacionado à ação. Não basta ter as habilidades necessárias para ativar uma ação, é imprescindível conhecer o alvo da necessidade a ser satisfeita e estar cumprindo esta responsabilidade, portanto, competência é um agregado de conhecimentos, habilidades e atitudes relacionadas que afetam mais significativamente o desempenho de um papel objetivando a agregação de valor aos resultados organizacionais e habilidade, torna-se uma competência quando faz a diferença no negócio, de forma positiva! 4. COMPETÊNCIAS HUMANAS E EMPRESARIAIS O termo competências tem sido amplamente utilizado e com diversas conotações; segundo Leboyer apud in Gramigna (2002, p.l5) Competências são repertórios de comportamentos e capacitações que algumas pessoas ou organizações dominam melhor que outras, fazendo-as eficazes em uma determinada situação. 3

4 Esse conceito evidencia o comportamento das pessoas e sua excelência, portanto as pessoas competentes são eficazes em termos de desempenho profissional e satisfação pessoal, princípios fundamentais para a chave do sucesso e da felicidade humana. A competência é compreendida por muitas pessoas e por alguns teóricos da administração como um conjunto de conhecimentos, habilidades e atitudes necessárias para que a pessoa desenvolva suas atribuições e responsabilidades. Contudo, essa forma de encarar a competência tem se mostrado pouco instrumental. As pessoas possuem um determinado conjunto de conhecimentos, habilidades e atitudes, o que não garante que a organização se beneficiará diretamente. Para compreendermos melhor o conceito de competência individual, é importante discutirmos também o conceito de entrega. Segundo (Dutra, 2001, p.28). O livro de Gramigna (2002) diz que na empresa MRG Consultoria e Treinamento Empresarial se valem da metáfora árvore das competências citada por Dr. Herbert Kellner na ferramenta STAR, para desenvolver a metodologia de desdobramento de competências. Então fazem uma analogia dos três componentes de uma árvore (raízes, tronco e copa) com o desenvolvimento de competências do ser humano, a saber: a) A raiz corresponde aos valores, crenças e princípios, formados ao longo da vida e determinam as atitudes, o principal componente da competência, que está relacionada com o querer agir e querer ser, que fazem a diferença no contexto de trabalho. b) O tronco corresponde ao conhecimento, que é um outro componente de uma competência que a pessoa armazena e utiliza, quando precisa. O grau de conhecimento de uma pessoa determina o grau de competência para enfrentar com flexibilidade e sabedoria os desafios em seu desempenho nas organizações, na busca de alternativas para inovações e criatividade. c) E a copa (com seus frutos, flores e folhas) corresponde às habilidades definidas como sendo agir com talento, capacidade e técnica, obtendo resultados positivos, que se referem à disponibilização de informações no cumprimento de suas atividades na organização. Para (Dutra, 2001, p.42). o uso do conceito de competência também permitiu o surgimento de uma gestão de pessoas mais alinhadas com as expectativas e as necessidades das organizações e dos indivíduos, configurando uma série de ganhos, tais como: a) para a organização: Simplicidade, flexibilidade e transparência; Otimização de recursos e da massa salarial; Direcionamento e otimização dos investimentos no desenvolvimento profissional; Capacidade de atração, retenção e potencialização de talentos; Flexibilidade do modelo para se adaptar às mudanças de estrutura, organização do trabalho e tecnologia; Equilíbrio entre remuneração e agregação de valor. b) para as pessoas: Horizontes profissionais claros com critérios de acesso definidos; Remuneração compatível com a complexidade das atribuições e das responsabilidades e com o mercado; 4

5 Estímulo ao autodesenvolvimento e à ampliação do espaço de atuação; Condições claras e objetivas para a mobilidade entre as carreiras abrangidas pelo modelo. As competências individuais precisam estar atreladas às competências críticas das empresas, pois para garantir o sucesso da empresa é preciso que as competências individuais tenham origem no negócio específico da empresa. Adotar uma estratégia baseada nos talentos humanos implica às empresas levarem mais a sério a questão de formação, desenvolvimento e retenção de talentos. Nada mais simples que a noção de que serão as pessoas que farão a diferença entre empresas vencedoras e perdedoras. Isto significa um retorno à simplicidade de idéias e práticas, pois a única prática realmente de sucesso será a valorização do que existe de mais simples e profundo no ser humano: sonhos, valores e princípios motivadores do comportamento que sejam traduzidos em objetivos, que estimulem a curiosidade e vontade de aprender inerentes à natureza humana e, o principal, que sejam concretizados em ações e resultados visíveis! As empresas precisam divulgar mais o que fazem, pois muitas vezes as estratégias de atrair e reter talentos acabam sendo um mistério que precisa ser transparente. Infelizmente a maioria das empresas tem políticas, estruturas, diretrizes e práticas que inibem o desenvolvimento de talentos, mas isso tende a mudar. Desenvolver talentos deixou de ser um luxo e passou a ser uma necessidade para sobrevivência. A imaginação humana, a criatividade e a inovação são a matéria-prima da nova economia. Quem não praticar isso, desaparecerá. Segundo Trasatti & Costa apud in (Néri, 1999, p.18), O conceito de competência foi introduzido por Prahalad & Hamel (1990,1995) e é utilizado como um conjunto de habilidades e tecnologia que permite a uma empresa oferecer um determinado benefício ao cliente, diferente do de sua concorrência. O livro de Prahalad & Hamel (1995), afirma a necessidade de gerenciar negócios hoje pensando no futuro que o aguarda logo à frente em suma: O que uma empresa faz hoje que continuará fazendo nos próximos 3, 4 e 5 anos? Respondendo esta questão saberá distinguir se a empresa atua no profundo sonambulismo mercadológico, com miopia de marketing, ou se constitui uma empresa altamente competitiva. A realidade competitiva traduz que uma empresa tem que ser cada vez melhor, precisa imaginar o futuro para desfrutar dele. As mudanças drásticas que o mundo empresarial vem sofrendo, como a globalização, por exemplo, demanda uma nova maneira de fazer as coisas. Segundo Prahalad & Hamel (1995), a competição pelo futuro representa um desafio diferente e ocorre em três estágios distintos: Competição pela previsão do futuro do setor e liderança intelectual. Competição pelo encurtamento dos caminhos de migração que visa moldar ativamente o surgimento dessa futura estrutura do setor em benefício próprio, Competição pela posição e participação no mercado que se concentra na ampliação das linhas de produtos, aumento da eficiência e nos ganhos marginais da diferenciação dos produtos ou serviços. 5

6 5. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS As competências essenciais objetivam as necessidades básicas do negócio para garantir seus resultados no mercado. São a base dos processos internos e garantem a qualidade dos produtos e serviços, da cultura, do clima de trabalho e das práticas de gestão. São percebidas pelos clientes internos de forma mais incisiva do que pelos externos. Se estiver ausente, tal fato se reflete na qualidade percebida pelo mercado. Uma definição de competências essenciais (Prahalad & Hamel, 1995, p.229): É um conjunto de habilidades e tecnologias que permite a uma empresa oferecer um determinado benefício a seus clientes. As competências essenciais devem ser difíceis de serem imitada pelos concorrentes e são formadas por um processo de melhoria contínua e implementação. A materialização de uma competência ou mais se faz necessária para a competitividade da empresa. Assim como, identificar novos negócios que possam ser atrativos, sendo o foco para a estratégia em nível corporativo. As competências essenciais fornecem a base para o realinhamento contínuo do modelo social da empresa, das rotinas dinâmicas e da base de conhecimento mediante a meta-aprendizagem para construir e sustentar vantagens competitivas. Identificar as competências essenciais é uma tarefa altamente trabalhosa e criativa. Além de conversar com os clientes, é preciso dedicar um tempo razoável conversando com os funcionários de todos os níveis e tipos. Desenvolver competências essenciais é muito importante e o cenário mercadológico exige esse dinamismo. O perfil de competências essenciais exigidas de uma pessoa para ocupação de cargo na função gerencial é visão sistêmica, tomada de decisão, relacionamento interpessoal, liderança, negociação, planejamento, comunicação, capacidade empreendedora e criatividade. Cada uma dessas competências deve ser desdobrada em atitudes esperadas, habilidades exigidas e conhecimentos necessários. A integração de habilidades no ambiente organizacional é a marca de autenticidade das competências essenciais. Uma competência específica de uma organização representa a soma do aprendizado de todos os conjuntos de habilidades, tanto em nível pessoal, quanto de uma unidade organizacional. As competências essenciais são fontes de vantagem competitiva, o que mantém a competitividade não é a herança da empresa marcas, ativos, infra-estrutura de distribuição etc. mas suas competências. O que a empresa precisa buscar é o controle das competências específicas que mais contribuem para o valor percebido pelo cliente. 6. IMPLEMENTAÇÃO DO MODELO DE COMPETÊNCIAS Para a implantação em uma empresa, da gestão por competências, não existem modelos únicos ou respostas simplificadas, pois não há sequer uma definição única e consensual sobre o que seja uma competência. Prahalad & Hamel (1995) defendem a importância das competências técnicas. Dutra (2001) e Gramigna (2002) realçam as características pessoais. Como já foi discutido, depende muito dos objetivos estratégicos das organizações, do que é valorizado internamente. As organizações não são todas iguais, embora possam passar por 6

7 situações semelhantes; ao contrário, vivem realidades diferentes e seguem estratégias distintas. Geralmente, as competências combinam aptidões, atitudes, conhecimentos e interesses observáveis em comportamentos. Ou seja, as competências individuais são percebidas, são aplicadas em situações concretas, tornando-se mais objetiva a sua avaliação em ambiente profissional. A estratégia da empresa torna-se então essencial, para determinar quais as competências necessárias ao sucesso da organização. Diante dessa variedade de definições, é possível elencar como elementos constituintes da competência o conhecimento, a habilidade e a atitude. O conhecimento corresponde a uma série de informações assimiladas e estruturadas pelo indivíduo, que lhe permitem entender o mundo, ou seja, é a dimensão do saber. A habilidade, por sua vez, está associada ao saberfazer, ou seja, a capacidade de aplicar e fazer uso produtivo do conhecimento adquirido utilizá-lo em uma ação com vista ao atingimento de um propósito específico. Finalmente, a atitude é a dimensão do querer-saber-fazer, que diz respeito aos aspectos sociais e afetivos relacionados ao trabalho. As três dimensões da competência estão interligadas e são interdependentes, uma vez que, para exposição de uma habilidade, presume-se que o indivíduo conheça princípios e técnicas específicas. Fazendo um apanhado das orientações de autores como Prahalad & Hamel (1995), Dutra (2001) e Gramigna (2002), indica-se essa rotina para a construção de um sistema de gestão do desenvolvimento: Analisar as pessoas individualmente, para identificar as competências relevantes para o sucesso da organização, de acordo com os objetivos estratégicos da mesma; Analisar a efetividade das ações de desenvolvimento, elencar as competências consideradas essenciais ao sucesso organizacional e descrevê-las detalhadamente num documento interno. Cada competência, deverá ter diferentes níveis de proficiência (de preferência em número par) exigíveis para as diversas funções existentes na organização; Sensibilizar a organização para a importância estratégica da adoção de um modelo de gestão de competências. Isso poderá ser conseguido através de ações de formação internas, reuniões de discussão de eventuais falhas do modelo, apresentação de melhores práticas e recursos à formação externa sempre que necessário; Desenhar os perfis profissionais de acordo com as competências consideradas essenciais a cada cargo/função e estabelecer critérios de aferição da concordância entre os perfis reais e os esperados; Implementar o modelo, incentivando a gestão pessoal e autônoma da carreira de cada colaborador, fazendo o acompanhamento adequado; Detectar desvios e procurar o equilíbrio. As organizações que optam pela implementação da Gestão de Competências devem estar preparadas para o fazer. É um processo que envolve todas as camadas da organização, mas exige sobretudo o empenho e o envolvimento direto do topo, sob pena de nunca vir a ser verdadeiramente implementado e adicionalmente, as organizações deverão estar conscientes de que, se bem aplicado, este instrumento poderá ajudar a aumentar a competitividade, através 7

8 do aumento de responsabilização e de autonomia dos seus colaboradores. Mas não deve ser fechado em si mesmo ou encarado como a panacéia para todos os males da organização nem afasta tudo o que até ao presente foi considerado válido, designadamente no que respeita a alguns critérios relacionados com a avaliação de desempenho (como é o caso da assiduidade e da produtividade, por exemplo). Se necessário, as empresas poderão recorrer a consultoras externas que, felizmente, já existem algumas com vasta experiência no mercado. Para Gramigna (2002), a gestão por competências é um programa que se instala através de etapas que se sucedem de forma simultânea ou passo a passo e, para que tenha sucesso, o envolvimento e a adesão das pessoas-chave da administração e dos postos de trabalho são fundamentais. Dessa forma, apresenta-se que a implementação da gestão por competências é feita em 5 blocos de intervenção: Sensibilização: que é o envolvimento das pessoas principais da administração e dos trabalhadores; Definição de perfis: Consiste em definir as competências essenciais e básicas, necessárias para cada função e delinear os perfis; Avaliação de potencial e formação de bancos de talentos: é a execução de entrevistas, diagnósticos e seminários de identificação de potenciais para daí podermos elaborar relatórios. Capacitação: formação de grupos pessoas subdivididas por suas aptidões para assim poderem ser melhores distribuídas nas tarefas e capacitadas. Gestão de desempenho: é a mensuração de resultados por meio de ferramentas e metodologias especificas. 7. MODELO DE COMPETÊNCIA APLICADO NA NATURA Como forma de retratar os resultados do gerenciamento por competência, utilizou-se o exemplo da empresa Natura, baseado em Eboli apud in Dutra (2001) que a destaca como empresa que está pronta para enfrentar desafios futuros, graças ao modelo de gestão de pessoas que adota. Essa informação foi obtida numa pesquisa realizada sobre a coordenação de André Fischer por intermédio do PROGEP Programa de Estudo em Gestão de Pessoas. Essa pesquisa indica também, outras empresas com o mesmo potencial, tais como ABB, Accor Brasil, Alcoa, BankBoston, Brahma, Citibank, Dow Química, Dupont, Gessy Lever, HP, IBM, 3M, Microsoft, Motorola, Natura [grifo nosso], Nestlé, Rhodia, Siemens e Xerox. Buscou-se informações do modelo de competências e gestão de talentos da Natura, usando a navegação via Internet, pois a empresa disponibiliza em seu site páginas com informações para pesquisas de estudantes, via visita à empresa, reportagens em revistas especializadas, entre outros. Para constatar a eficiência do processo foi feita a analogia entre as considerações teóricas descritas neste trabalho e as informações obtidas. A Natura é uma empresa que desde 1969 atua com competência no ramo de cosméticos que possui a missão promover seus produtos como importante veículo de autoconhecimento e percepção e o poder de transformação que exerce na vida das pessoas também possui paixão pelas relações humanas e seus potenciais a real descoberta do outro em nossas vidas. Iniciou suas atividades numa pequena loja na rua Oscar Freire, em São Paulo, nos primeiros anos a dificuldade de capital e a dificuldade de reproduzir em escala. O atendimento 8

9 personalizado se contrapunha à experiência bem sucedida das clientes que levavam os produtos e conceitos da Natura a mais e mais pessoas. Em 1974, a opção pela venda direta surge como alternativa que viabilizaria o crescimento da empresa apoiado na força das relações pessoas, nasceria a consultoria Natura. Assim, terminaram os anos 70, como uma empresa viável apoiada em suas crenças e visão de mundo que inspiravam a criação de produtos e conceitos inovadores de padrão mundial. Em seguida, uma década de forte expansão e aprendizado, superando o desafio de apoiar e reforçar relações cada vez mais distantes geograficamente a medida que expandia a atuação por todo o Brasil. Em 1989, apoiada pela fusão das quatro pequenas empresas que formavam o sistema Natura até então, emergiu uma renovada empresa capaz de atrair e mobilizar a energia e corações de milhares de consultoras, consumidores e colaboradores para realizar o sonho: contribuir para o aperfeiçoamento da sociedade e da qualidade das relações humanas. Seu objetivo é ser líder de mercado, diferenciando-se pela qualidade das relações que estabelece, por suas crenças e valores expressos de forma radical através de produtos, serviços e comportamento empresarial que promovam a melhor relação da pessoa consigo mesma, com a natureza e com todos que a cercam. Buscam constantemente o bem estar da sociedade. Relata-se a seguir, as percepções e evidências que comprovam a constatação do uso do modelo de competências e gestão de talentos na Natura. O PDRH Planejamento e Desenvolvimento de Recursos Humanos - é um processo institucionalizado pela Natura para identificar, adquirir e desenvolver competências necessárias aos recursos humanos. E também está inserido no planejamento estratégico, além de ser ferramenta para o desenvolvimento de sucessores dentro da empresa. Seus funcionários são considerados parceiros estratégicos na superação das metas por ela definidas. Este dado indica uma característica fundamental da gestão por competências, representa o alinhamento dos funcionários às estratégias da empresa. O PDRH da Natura é composto por: Desenvolvimento organizacional; Processo de gerenciamento de desempenho; Treinamento & desenvolvimento; Recrutamento & seleção. Numa ação para o desenvolvimento organizacional, por meio do PDRH, a Natura anualmente analisa e define o melhor desenho organizacional, identifica suas competências atuais e futura, verifica seus processos, políticas e sistemas de gestão, com a intenção de buscar o processo mais adequado na busca de seus objetivos. No PGD Processo de Gerenciamento de Desempenho, além de acompanhar o desempenho e crescimento profissional do funcionário busca o alinhamento contínuo com o planejamento da empresa, identificando a performance diferenciada dos profissionais da empresa para estimular uma cultura de alto desempenho na Natura. 9

10 Um bom clima organizacional como o institucionalizado pela Natura, é fator fundamental para seu crescimento, pois as pessoas trabalham motivadas e satisfeitas, formando equipes competentes, felizes e produtivas, que fazem a diferença e geram resultados inimagináveis. O site da Natura nos revela o seguinte: Temos uma remuneração competitiva que nos possibilita manter nossos colaboradores e também atrair novos talentos. Com esse posicionamento, podemos notar que a Natura está realmente atrelada ao sistema de gestão por competências e utiliza o sistema de remuneração variável que vem ressaltar a valorização das competências essenciais de cada indivíduo. Na Natura, todos os cargos ter um perfil definido pela empresa, para que sejam ressaltadas as competências essenciais e funcionais. O recrutamento interno e externo respeita esse perfil, principalmente no que se refere às competências essenciais da Natura. Isso demonstra a retenção de talentos na empresa, profissionais altamente qualificados, mostrando claramente a busca pela competitividade. Esse fato confirma a implantação da gestão por competências na Natura. Em 2002, a empresa foi incluída no guia 100 melhores empresas para você trabalhar, da revista Exame. 8. CONSIDERAÇÕES FINAIS Entre autores, há controvérsias sobre a prática usual desse modelo. Fischer recomenda prudência, diz que a disseminação do desenvolvimento das políticas, práticas e dos processos de gestão requerem debates para verificar o que há de real, de modismo e de conteúdo científico na emergência dessa nova conceituação. Por outro lado, Gramigna é categórica nas informações sobre a eficiência do processo que vem aplicando nas organizações, embora ela ressalte que o sistema ainda não foi institucionalizado na íntegra, quando cita como curiosidade que: A maioria das empresas com as quais trabalha acredita no valor da competência criatividade, porém, ainda não tem um programa de inovação e criatividade institucionalizado. Este trabalho pôde retratar que o modelo de gestão por competência alia o funcionário às estratégias da empresa de forma sistematizada e evidencia a importância da formação de um capital intelectual como fator diferencial para enfrentar o mercado competitivo. A gestão por competências traz inúmeras vantagens às empresas e aos seus colaboradores: define perfis de profissionais que favorecem a produtividade, desenvolve equipes orientadas pelas competências, obtém a conscientização dos funcionários para o atingimento dos objetivos da empresa, com isso tanto as empresas como os funcionários têm suas expectativas atendidas e enfim, permite a gestão empresarial com base em critérios mensuráveis e passíveis de observações. A Natura é um exemplo de empresa que comprova o sucesso de sua participação no mercado. Recomendações para trabalho futuro: seria interessante que outros pesquisadores estudassem outros modelos de gestão. Comparando-os com o modelo por competências, que fossem avaliadas outras organizações, promovendo assim, o desenvolvimento e aprimoramento do tema. 10

11 9. BIBLIOGRAFIA CHIAVENATO, Idalberto. Gestão de pessoas. 12.ed. Rio de Janeiro: Campus, CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à teoria geral da administração. 6.ed. Rio de Janeiro: Campus COHEN, David. Deus ajuda? Revista Exame. São Paulo: abril, n.758, p: 20-30, 23 jan CURY, A. J. Análise da inteligência de Cristo. O mestre da sensibilidade. 13.ed. São Paulo: Academia de Inteligência, DUTRA, Joel de Souza. Gestão por competências: um modelo avançado para o gerenciamento de pessoas. 3.ed. São Paulo: Gente, FONTANA, A. M. R. Manual do chefe incompetente. Revista Você S.A.: São Paulo: abril, n.41, p: 28-34, 01 novembro GOLEMAN, David. O poder da inteligência emocional. 60.ed. Rio de Janeiro: Campus, GOMES, M. T. Fui o último a saber. Revista Você S.A.: São Paulo: abril, n.41, p: 44-49, 01 novembro GRAMIGNA, M. R. Modelo de competências e gestão dos talentos. São Paulo: Makron Books, 2002 MUNIZ, R. Alguns caminhos para a bolsa de estudos. Revista Pós-graduação & MBA: São Paulo: Segmento, n. 2, p: 58-60, NATURA. Recursos humanos. <http://www.natura.net/port/site.asp>, disponível em 01/08/2004. NERI, A. A. Gestão de RH por competências e a empregabilidade. Campinas: Papirus, OLIVEIRA, A. Espiritualidade na empresa. 1.ed. São Paulo: Butterfly, OLIVEIRA, M. Como é seu chefe? Revista Veja. São Paulo: abril, n.1751, p: , 15 maio PRAHALAD C. K.;HAMEL, G. Competindo pelo futuro: estratégias inovadoras para obter o controle do seu setor e criar os mercados de amanhã. Rio de Janeiro: Campus, ROPÉ, F.; Tanguy L. Saberes e competências: o uso de tais noções na escola e na empresa. Campinas: Papirus, SOARES, L. Cale a boca incompetente. Revista Veja. São Paulo: abril, n.1724, p: , 31 out

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Gestão por Competências

Gestão por Competências Gestão por Competências 2 Professora: Zeila Susan Keli Silva 2º semestre 2012 1 Contexto Economia globalizada; Mudanças contextuais; Alto nível de complexidade do ambiente; Descoberta da ineficiência dos

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL EDUCAÇÃO E GESTÃO DA TECNOLOGIA (STE)

SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL EDUCAÇÃO E GESTÃO DA TECNOLOGIA (STE) STE/02 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL EDUCAÇÃO E GESTÃO DA TECNOLOGIA (STE) AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E POTENCIAL EM 360º NYDIA GUIMARÃES E ROCHA ABB RESUMO

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Metodologia de implantação

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Metodologia de implantação GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Metodologia de implantação Maria Rita Gramigna A gestão por competências é um programa executado através de blocos de intervenção, que se sucedem de forma simultânea ou passo-a-passo.

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Ribeirão Preto, Franca, São Carlos e Araraquara GESTÃO DE PESSOAS. COORDENAÇÃO: Profª Drª Ana Ligia Nunes Finamor

Ribeirão Preto, Franca, São Carlos e Araraquara GESTÃO DE PESSOAS. COORDENAÇÃO: Profª Drª Ana Ligia Nunes Finamor Ribeirão Preto, Franca, São Carlos e Araraquara GESTÃO DE PESSOAS COORDENAÇÃO: Profª Drª Ana Ligia Nunes Finamor OBJETIVO: A Gestão de Pessoas vem passando por inúmeras transformações nestes últimos anos.

Leia mais

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO 1 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO Por Regina Stela Almeida Dias Mendes NOVEMBRO 2004 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA 2 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

Pós-graduação lato sensu.

Pós-graduação lato sensu. MBA Desenvolvimento e Gestão de Pessoas Pós-graduação lato sensu 1 MBA Desenvolvimento e Gestão de Pessoas Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

Profa. Lenimar Vendruscolo Mery 2013 APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS

Profa. Lenimar Vendruscolo Mery 2013 APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS SUMÁRIO 1. O QUE SIGNIFICA GESTÃO DE PESSOAS... 3 2. PRINCIPAIS PROCESSOS DE GESTÃO DE PESSOAS... 3 3. O CONTEXTO DA GESTÃO DE PESSOAS... 4 4. EVOLUÇÃO DOS MODELOS DE GESTÃO...

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

Educação Corporativa. Liderança Estratégia Gestão. KM Partners Educação Corporativa

Educação Corporativa. Liderança Estratégia Gestão. KM Partners Educação Corporativa Educação Corporativa Liderança Estratégia Gestão O que é Educação corporativa? Educação corporativa pode ser definida como uma prática coordenada de gestão de pessoas e de gestão do conhecimento tendo

Leia mais

SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO

SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO ESTRATÉGIAS DE REMUNERAÇÃO REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA É O USO INTELIGENTE DAS VÁRIAS FORMAS DE REMUNERAÇÃO, CUJO CONJUNTO ESTABELECE UM FORTE VÍNCULO COM A NOVA REALIDADE DAS ORGANIZAÇÕES

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

abril de 2011 Remuneração Estratégica nas Organizações

abril de 2011 Remuneração Estratégica nas Organizações abril de 2011 Remuneração Estratégica nas Organizações O RH nesses 20 anos Tático, político e de políticas Desdobrador da estratégia Influenciador da estratégia e da operação Consultor e assessor para

Leia mais

Clima organizacional e o desempenho das empresas

Clima organizacional e o desempenho das empresas Clima organizacional e o desempenho das empresas Juliana Sevilha Gonçalves de Oliveira (UNIP/FÊNIX/UNESP) - jsgo74@uol.com.br Mauro Campello (MC Serviços e Treinamento) - mcampello@yahoo.com Resumo Com

Leia mais

O RH dos sonhos dos CEOs

O RH dos sonhos dos CEOs O RH dos sonhos dos CEOs Expectativas e estratégias da liderança para os Recursos Humanos Presidentes de empresas de todos os portes falaram sobre a importância dos Recursos Humanos para as suas empresas

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Gestão de Negócios Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Apresentação O programa de MBA em Estratégia e Liderança Empresarial tem por objetivo preparar profissionais para

Leia mais

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA 1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA SIGA: PMBAIE*08/00 Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA As grandes questões emergentes que permeiam o cenário organizacional exigem

Leia mais

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização NOSSO OBJETIVO GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização RHUMO CONSULTORIA EMPRESARIAL Oferecer soluções viáveis em tempo hábil e com qualidade. Essa é a receita que a

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO DE PESSOAS

ÊNFASE EM GESTÃO DE PESSOAS MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO DE PESSOAS O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente dinâmico e competitivo para

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Evolução PMC têm atuação diferenciada na gestão de pessoas e clima organizacional, gerando na equipe mais agilidade para a mudança e maior capacidade

Leia mais

MBA EM DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS COM ÊNFASE EM COMPETÊNCIAS

MBA EM DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS COM ÊNFASE EM COMPETÊNCIAS MBA EM DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS COM ÊNFASE EM COMPETÊNCIAS O programa irá capacitá-lo a interagir em um contexto empresarial de inúmeras transformações e mudanças, desenvolvendo competências para conhecer,

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

II. NOSSA MISSÃO, VISÃO E VALORES

II. NOSSA MISSÃO, VISÃO E VALORES I. NOSSA HISTÓRIA A história da Crescimentum começou em 2003, quando o então executivo do Grupo Santander, Arthur Diniz, decidiu jogar tudo para o alto e investir em uma nova carreira. Ele optou por se

Leia mais

MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias

MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização (versão 2011) Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br

Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br BENEFÍCIOS SOCIAIS: um modelo para retenção de talentos Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br Introdução Este artigo aborda

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2013.1

SEMIPRESENCIAL 2013.1 SEMIPRESENCIAL 2013.1 MATERIAL COMPLEMENTAR II DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA: MONICA ROCHA LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO Liderança e Motivação são fundamentais para qualquer empresa que deseja vencer

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

Apresentação. Gestão de Pessoas por Competências

Apresentação. Gestão de Pessoas por Competências Apresentação Gestão de Pessoas por Competências POR QUE GESTÃO POR COMPETÊNCIAS? Empresas e Organizações Gestão das Finanças Gestão de Marketing Gestão de Produção Gestão de Distribuição Gestão de Controle

Leia mais

MBA Executivo em Gestão de Pessoas

MBA Executivo em Gestão de Pessoas ISCTE BUSINESS SCHOOL INDEG_GRADUATE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Gestão de Pessoas www.strong.com.br/alphaville - www.strong.com.br/osasco - PABX: (11) 3711-1000 MBA

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

PLANO DE CAPACITAÇÃO DO

PLANO DE CAPACITAÇÃO DO www.unp.br PLANO DE CAPACITAÇÃO do Corpo Técnico-Administrativo 2015 Plano de Capacitação do Corpo Técnico-Administrativo 2015 Natal/RN 2015 DIRIGENTES DA UNIVERSIDADE POTIGUAR PRESIDENTE Prof. Marcus

Leia mais

GLOSSÁRIO. Atividade: ação, em geral repetitiva, que permite gerar um determinado produto (bens e serviços), estendendo-se por tempo indeterminado.

GLOSSÁRIO. Atividade: ação, em geral repetitiva, que permite gerar um determinado produto (bens e serviços), estendendo-se por tempo indeterminado. GLOSSÁRIO Accountability: obrigação de prestar contas. Responsabilização. Envolve não apenas a transparência dos processos como também a definição de responsabilidades e identificação dos responsáveis.

Leia mais

Aula 07 Planejamento Estratégico de RH

Aula 07 Planejamento Estratégico de RH Aula 07 Planejamento Estratégico de RH Objetivos da aula: Nesta aula o objetivo será Apresentar uma visão diferenciada sobre como as ações integradas de planejamento estratégico de Recursos Humanos (RH)

Leia mais

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br Prezado(a) Sr.(a.) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso de

Leia mais

Seminários Públicos Hay Group 2010

Seminários Públicos Hay Group 2010 Seminários Públicos Hay Group 2010 São Paulo, outubro de 2009 É com grande satisfação que estamos lhe apresentando nosso portfólio de seminários abertos Hay Group 2010. Esclarecemos que todos os seminários

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO 1 A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA Daniel de Souza Ferreira 1 RESUMO Ferreira, Daniel de Souza. A Impostância do Feedback

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

Módulo IV. Delegação e Liderança

Módulo IV. Delegação e Liderança Módulo IV Delegação e Liderança "As pessoas perguntam qual é a diferença entre um líder e um chefe. O líder trabalha a descoberto, o chefe trabalha encapotado. O líder lidera, o chefe guia. Franklin Roosevelt

Leia mais

Gestão por Competências Uma Questão de Sobrevivência em um Ambiente Empresarial Incerto

Gestão por Competências Uma Questão de Sobrevivência em um Ambiente Empresarial Incerto Gestão por Competências Uma Questão de Sobrevivência em um Ambiente Empresarial Incerto Andrea Vieira Soares Coordenadora de Qualidade do RAC MBA em Recursos Humanos FGV-RJ Administradora George Albin

Leia mais

O QUE É COACHING? O QUE É COACHING? INSTRUMENTO PODEROSO PARA MELHOR PERFORMANC E RESULTADOS QUAIS CONTEXTOS PODEMOS UTLIZAR O COACHING?

O QUE É COACHING? O QUE É COACHING? INSTRUMENTO PODEROSO PARA MELHOR PERFORMANC E RESULTADOS QUAIS CONTEXTOS PODEMOS UTLIZAR O COACHING? O QUE É COACHING? INSTRUMENTO PODEROSO PARA MELHOR PERFORMANC E RESULTADOS QUAIS CONTEXTOS PODEMOS UTLIZAR O COACHING? COMO SURGIU E ESTÁ EVOLUINDO O COACHING? QUAIS SÃO OS PRINCIPAIS BENEFÍCIOS? IMPORTÂNCIA

Leia mais

XVI SEMINÁRIO DE PESQUISA DO CCSA ISSN 1808-6381

XVI SEMINÁRIO DE PESQUISA DO CCSA ISSN 1808-6381 GESTÃO DE PESSOAS APLICADA ÀS UNIDADES DE INFORMAÇÃO 1 Mailza Paulino de Brito e Silva Souza 2 Sandra Pontual da Silva 3 Sara Sunaria Almeida da Silva Xavier 4 Orientadora: Profª M.Sc. Luciana Moreira

Leia mais

O PROCESSO DE SELEÇÃO NO CONTEXTO DO MODELO DE COMPETÊNCIAS E GESTÃO DOS TALENTOS

O PROCESSO DE SELEÇÃO NO CONTEXTO DO MODELO DE COMPETÊNCIAS E GESTÃO DOS TALENTOS O PROCESSO DE SELEÇÃO NO CONTEXTO DO MODELO DE COMPETÊNCIAS E GESTÃO DOS TALENTOS Autor: Maria Rita Gramigna Como identificar potenciais e competências em um processo seletivo? Como agir com assertividade

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

Política Corporativa Setembro 2012. Política de Recursos Humanos da Nestlé

Política Corporativa Setembro 2012. Política de Recursos Humanos da Nestlé Política Corporativa Setembro 2012 Política de Recursos Humanos da Nestlé Autoria/Departamento Emissor Recursos Humanos Público-Alvo Todos os Colaboradores Aprovação Concelho Executivo, Nestlé S.A. Repositório

Leia mais

LIDERANÇA & GESTÃO DE PESSOAS 12 DESAFIOS, 3 FERRAMENTAS E UMA DECISÃO

LIDERANÇA & GESTÃO DE PESSOAS 12 DESAFIOS, 3 FERRAMENTAS E UMA DECISÃO LIDERANÇA & GESTÃO DE PESSOAS 12 DESAFIOS, 3 FERRAMENTAS E UMA DECISÃO INTRODUÇÃO O setor de RH deve ser extinto. Ram Charan em artigo na Harvard Business Review Você concorda? OBJETIVOS DESTE WORKSHOP

Leia mais

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EVOLUÇÃO DA COMPETIÇÃO NOS NEGÓCIOS 1. Revolução industrial: Surgimento das primeiras organizações e como consequência, a competição pelo mercado de commodities. 2.

Leia mais

um RH estratégico para hoje e para o futuro Construindo

um RH estratégico para hoje e para o futuro Construindo Construindo um RH estratégico para hoje e para o futuro ado o crescente foco executivo no capital humano, o RH tem uma oportunidade sem precedentes de se posicionar como um verdadeiro parceiro estratégico

Leia mais

Planejamento de Recursos Humanos

Planejamento de Recursos Humanos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Planejamento de Recursos Humanos Profa. Marta Valentim Marília 2014 As organizações

Leia mais

A GESTÃO POR COMPETÊNCIA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO PARA UMA EMPRESA DO RAMO AGRÍCOLA

A GESTÃO POR COMPETÊNCIA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO PARA UMA EMPRESA DO RAMO AGRÍCOLA A GESTÃO POR COMPETÊNCIA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO PARA UMA EMPRESA DO RAMO AGRÍCOLA 1. Edio Polacinski - Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - URI Santo Ângelo/RS - edio.pk@gmail.com

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

O uso das ferramentas de RH para o fortalecimento da cultura organizacional. Belén Gutiérrez, Hay Group

O uso das ferramentas de RH para o fortalecimento da cultura organizacional. Belén Gutiérrez, Hay Group O uso das ferramentas de RH para o fortalecimento da cultura organizacional Belén Gutiérrez, Hay Group Hay Group é uma empresa global de consultoria em gestão que trabalha com líderes para transformar

Leia mais

Para onde vai a gestão de pessoas

Para onde vai a gestão de pessoas Para onde vai a gestão de pessoas Pesquisa inédita com profissionais de recursos humanos mostra que a área está pronta para dar um passo fundamental rumo ao futuro, em um ambiente em constante transição:

Leia mais

GABARITO OFICIAL(preliminar)

GABARITO OFICIAL(preliminar) QUESTÃO RESPOSTA COMENTÁRIO E(OU) REMISSÃO LEGAL 051 A 052 A 053 A RECURSO Recrutar faz parte do processo de AGREGAR OU SUPRIR PESSOAS e é o ato de atrair candidatos para uma vaga (provisão). Treinar faz

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS Prof.ª Giselle Reis Brandão IEC - PUC Minas ALGUNS CONCEITOS IMPORTANTES: ADM. DE RECURSOS HUMANOS: As pessoas vistas como recursos, no sentido de instrumentos, meios para

Leia mais

MBA Gestão de Negócios e Pessoas

MBA Gestão de Negócios e Pessoas PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Nome do Curso MBA Gestão de Negócios e Pessoas Área de Conhecimento Ciências Sociais Aplicadas Nome do Coordenador do Curso e Breve Currículo: Prof.

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes

www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes Sólidos conteúdos com alegria - essas são algumas características das palestras de Marcelo de Elias. Outra característica marcante: Cada palestra é um projeto

Leia mais

DELPHI - RH 2010. Tendências em Gestão de Pessoas. Versão 2004. Prof. Dr. André Luiz Fischer

DELPHI - RH 2010. Tendências em Gestão de Pessoas. Versão 2004. Prof. Dr. André Luiz Fischer Versão 2004 Prof. Dr. André Luiz Fischer OBJETIVO Detectar tendências de mudança no Modelo de Gestão de Pessoas das Empresas Brasileiras HISTÓRICO NO MUNDO E EVOLUÇÃO DA TEORIA TEORIAS 1920 1950 1970/90

Leia mais

Novos Caminhos Grupo JCA Uma estratégia de transformação organizacional a partir da cultura e dos valores.

Novos Caminhos Grupo JCA Uma estratégia de transformação organizacional a partir da cultura e dos valores. Novos Caminhos Grupo JCA Uma estratégia de transformação organizacional a partir da cultura e dos valores. Período: Março 2010 a junho 2011 Categoria: Adesão dos Colaboradores Sumário: O trabalho relata

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

Introdução 02. A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03. A Definição do Negócio 03. Imagem 03. Objetivos Financeiros 04

Introdução 02. A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03. A Definição do Negócio 03. Imagem 03. Objetivos Financeiros 04 ESTUDO DE CASO A construção do BSC na ESPM do Rio de Janeiro Alexandre Mathias Diretor da ESPM do Rio de Janeiro INDICE Introdução 02 A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03 A Definição do Negócio 03 Imagem

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno

MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições Abertas Turma 12 (Noturno) -->Últimas Vagas até o dia 27/05/2013 CAMPUS IGUATEMI Turma 13

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

Formar LÍDERES e equipes. Atrair e reter TALENTOS. www.grupovalure.com.br

Formar LÍDERES e equipes. Atrair e reter TALENTOS. www.grupovalure.com.br Formar LÍDERES e equipes. Atrair e reter TALENTOS. www.grupovalure.com.br www.grupovalure.com.br Estes são alguns dos grandes desafios da atualidade no mundo profissional e o nosso objetivo é contribuir

Leia mais

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br Prezado(a) Sr.(a.) Agradecemos seu interesse em nossos programa de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso de Pós-MBA

Leia mais

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional CASO PRÁTICO COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL E GESTÃO DE TALENTOS: COMO A GESTÃO DA CULTURA, DO CLIMA E DAS COMPETÊNCIAS CONTRIBUI PARA UM AMBIENTE PROPÍCIO À RETENÇÃO DE TALENTOS CASO PRÁTICO: COMPORTAMENTO

Leia mais

Módulo 4.3 FORMULAÇÃO ESTRATÉGICA

Módulo 4.3 FORMULAÇÃO ESTRATÉGICA Módulo 4.3 FORMULAÇÃO ESTRATÉGICA A Gestão do desempenho e outros requisitos Planejamento Estratégico A Importância do Planejamento Estratégico Menos de 10% das estratégias efetivamente formuladas são

Leia mais

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA 2012.1 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS É uma instituição de direito privado, sem fins lucrativos, fundada em 20 de dezembro de 1944, com o objetivo de ser um centro voltado

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO DE PESSOAS

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO DE PESSOAS PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO DE PESSOAS APRESENTAÇÃO O curso de especialização Gestão de Pessoas tem por meta desenvolver gestores para atuarem em empresas que estejam inseridas no processo de globalização

Leia mais

GESTÃ T O O E P RÁ R TI T C I AS DE R E R CUR U S R OS

GESTÃ T O O E P RÁ R TI T C I AS DE R E R CUR U S R OS Ensinar para administrar. Administrar para ensinar. E crescermos juntos! www.chiavenato.com GESTÃO E PRÁTICAS DE RECURSOS HUMANOS Para Onde Estamos Indo? Idalberto Chiavenato Algumas empresas são movidas

Leia mais

Gestão estratégica de pessoas e planos de carreira

Gestão estratégica de pessoas e planos de carreira Gestão estratégica de pessoas e planos de carreira Módulo 3 Conceitos e Princípios Sobre Carreira e Remuneração Fundação Escola Nacional de Administração Pública Presidente Gleisson Rubin Diretor de Desenvolvimento

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

A gestão por competências como instrumento para administração estratégica de recursos humanos

A gestão por competências como instrumento para administração estratégica de recursos humanos SUZANO ANO 2 Nº 2 OUT. 2010 71 A gestão por como instrumento para administração estratégica de recursos humanos Meire Almeida de SOUZA Faculdade Unida de Suzano (malmsouza@yahoo.com.br) João de Andrade

Leia mais

MBA EM GESTÃO COMERCIAL E INTELIGÊNCIA DE MERCADO

MBA EM GESTÃO COMERCIAL E INTELIGÊNCIA DE MERCADO MBA EM GESTÃO COMERCIAL E INTELIGÊNCIA DE MERCADO O programa irá desenvolver no aluno competências sobre planejamento e força de Vendas, bem como habilidades para liderar, trabalhar em equipe, negociar

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 42-CEPE/UNICENTRO, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2012. Aprova o Curso de Especialização MBA em Gestão Estratégica de Organizações, modalidade regular, a ser ministrado no Campus Santa Cruz, da UNICENTRO.

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS. Políticas de Gestão de Pessoas do Ibama COMISSÃO PORTARIA Nº 248/07 P

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS. Políticas de Gestão de Pessoas do Ibama COMISSÃO PORTARIA Nº 248/07 P INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS Políticas de Gestão de Pessoas do Ibama COMISSÃO PORTARIA Nº 248/07 P Deliberações Resumo 1ª reunião: papéis, procedimentos gerais

Leia mais