O Comportamento Organizacional é visto como um Diferencial Competitivo para a Organização?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Comportamento Organizacional é visto como um Diferencial Competitivo para a Organização?"

Transcrição

1 1 O Comportamento Organizacional é visto como um Diferencial Competitivo para a Organização? Celso Antonio Mariani (FAP PR) Luiz Henry Monken e Silva (FAP PR) Resumo Busca-se teoricamente neste estudo observar a evolução histórica da administração dando ênfase na abordagem humanística, comportamental e organizacional dentro das organizações contemporâneas. Este artigo trata das diferentes maneiras ou formas de fazer com que as pessoas através da obtenção do conhecimento possam influenciar no comportamento da organização levando a mesma a obter um diferencial competitivo. A metodologia utilizada foi uma pesquisa bibliográfica sobre a evolução do pensamento administrativo com foco no comportamento humano. Utilizaram-se textos dos autores clássicos, assim também como artigos que tratam da abordagem comportamental. Como resultado espera-se evidenciar que as atuais organizações denominadas geradoras de conhecimento, ou seja, aquelas que através de constantes treinamentos buscam o aprimoramento contínuo do seu pessoal, desenvolvem grande capacidade de permanência e expansão de seus negócios num ambiente cada vez mais competitivo. Palavras-chave: Comportamento Organizacional; Organizações contemporâneas; Competitividade. Abstract The study search theoretically to observe the historical evolution of the administration emphasizing the humanistic, behavioral, and organizational approach inside the contemporary organizations. This article deals with the different ways or forms to make that the people through the attainment of the knowledge can influence in the behavior of the organization leading the one to get a competitive differential. The used methodology was a bibliographical research about the evolution of the administrative thought with focus in the human behavior. Texts of the classic authors had been used, thus also as articles that deal with the behavioral approach. As a result is expected to evidence that the current organizations called generating of knowledge, or either, those that through constant training search the improvement

2 2 continuous of its staff, develop great capacity of permanence and expansion of its businesses in an environment more and more competitive. Key words: Organizational behavior; contemporary organizations; competitiveness 1. Introdução A conquista de vantagens competitivas num mercado de rápidas e complexas transformações tem exigido das organizações uma reformulação nos seus sistemas de gestão. As organizações precisam criar consciência da importância das pessoas e da necessidade de gerenciar de maneira constante os processos de mudança através de um novo comportamento organizacional. Chiavenato (1999, p. 304), define que Comportamento Organizacional é o estudo da dinâmica das Organizações e como os grupos e pessoas se comportam dentro delas. É uma ciência interdisciplinar. Como a organização é um sistema cooperativo racional, ela somente pode alcançar seus objetivos se as pessoas que a compõe coordenarem seus esforços a fim de alcançar algo que individualmente jamais conseguiriam. De acordo com Maximiliano (2000, p. 243 e 244), o objetivo implícito do enfoque comportamental é fornecer instrumentos para a administração das organizações, tendo por base o conhecimento sobre o comportamento das pessoas, como indivíduos e membros de grupos. Segundo Wagner III e Holleuberh (2003, p.6 e 7) Comportamento Organizacional é um campo da pesquisa que ajuda a prever, explicar e possibilitar a compreensão de comportamentos nas Organizações. O Comportamento organizacional tem suas origens no final dos anos de 1940 quando os pesquisadores das áreas de psicologia, sociologia, ciência política, economia e de outras ciências sociais procuravam desenvolver uma estrutura unificada de pesquisas organizacionais. Apesar das intenções de seus fundadores, o campo do comportamento organizacional tem resistido a unificação. Atualmente encontra-se dividido em três áreas bem distintas sendo denominados de: comportamento microorganizacional, mesoorganizacional e macroorganizacional onde refletem diferenças entre as disciplinas das ciências sociais. O microorganizacional ocupa-se principalmente do individuo, baseado na psicologia experimental, a psicologia clinica e a

3 3 psicologia industrial; o mesoorganizacional concentra-se principalmente na compreensão dos comportamentos das pessoas que trabalham em equipe e em grupos e o macroorganizacional diz respeito á compreensão dos comportamentos da organização inteira e tem sua origem situada em quatro disciplinas principais sendo: a sociologia com suas teorias sobre estrutura, status social e relações institucionais, a ciência política, com suas teorias sobre poder, conflito, negociação e controle, a antropologia com suas teorias sobre simbolismo, influencia cultural e análise comparativa; e a economia com suas teorias sobre competição e eficiência. Pode-se definir que a compreensão do comportamento individual e dos grupos no seu local ou ambiente de trabalho constitui o campo de estudo do comportamento organizacional. Para que haja um entendimento mais aprofundado busca-se neste trabalho através da evolução histórica da administração verificar momentos que influenciaram o desenvolvimento do comportamento organizacional, procurando-se identificar necessidades nas organizações contemporâneas. Esta abordagem tem como intuito através da pesquisa bibliográfica mostrar de forma sucinta os primórdios da administração seguindo para a Administração Cientifica onde foi verificada através de mensuração a eficiência do comportamento no trabalho a as etapas de produção. Na seqüência surge a teoria das relações humanas estimulando o desenvolvimento e a satisfação dos operários, evoluindo para a teoria comportamentalista com suas comparações entre as teorias X e Y, e o seu enfoque ao ciclo motivacional e a descoberta das necessidades na vida das pessoas. O desenvolvimento organizacional (DO), surge dando uma nova visão à administração onde as organizações são vista como sistemas abertos que passam a olhar o macro-ambiente e sua interferência, visualizando um ambiente globalizado e complexo, exigindo das organizações e seus indivíduos a compreensão de que o comportamento organizacional deverá ser utilizado como uma poderosa ferramenta mediante as complexidades geradas pela chamada sociedade globalizada. Segundo Oliveira (1998, p.451), o DO objetiva aplicar o conhecimento da ciência do comportamento à modelagem dos processos de formação de grupos e das relações intergrupais a fim de assegurar a eficácia da empresa.

4 4 Por fim deve-se associar o estudo do comportamento organizacional a diversos temas importantes como à liderança, motivação, poder, estrutura organizacional, métodos e processos, conhecimento, e as atitudes principalmente relacionadas com as mudanças que acontecem no ambiente externo e que afetam o ambiente interno interferindo de maneira positiva ou negativa nas relações das pessoas contidas dentro das organizações. 2. Evolução histórica da administração e sua relação com o comportamento organizacional 2.1 Origens da administração O comportamento organizacional poderia ser considerado somente através das ciências sociais determinadas modernas, mas é importante buscar uma pesquisa e aprofundamento em uma reflexão antiga sobre o estudo das organizações. Esta busca mais aprofundada faz com que se possa entender melhor o comportamento organizacional, onde dirigentes capazes de planejar, aproximadamente há 3000 anos a.c. estabeleceram objetivos e missões para o governo cumprir e conduzir seus empreendimentos comerciais. Os egípcios buscaram organizar o trabalho de cooperação e esforços de muitos trabalhadores há praticamente 1000 anos a.c. na construção das pirâmides do Egito. Os romanos entre 800 anos a.c. até 300 anos a.c. iniciaram o processo da estrutura por autoridade hierárquica, bem como os comerciantes venezianos desenvolveram leis comerciais e a contabilidade de partilhas dobradas conhecida atualmente como sendo para cada debito existe correspondente um credito. Por volta do ano de 1700 a igreja católica aperfeiçoou uma estrutura de governo valendo-se da técnica de procedimentos unificados.de 1780 a 1960 aconteceu a primeira fase da revolução industrial ou denominada também de revolução do carvão e do ferro. E por volta de 1902 começa a surgir movimentos nos Estados Unidos e Europa onde se fazia necessário para a prosperidade do capital o desenvolvimento de novas técnicas administrativas dando origem à administração cientifica. 2.2 Abordagem da administração cientifica Todos os princípios da Administração cientifica refletem a idéia de que por meio de uma administração adequada uma empresa poderia alcançar rentabilidade e sobrevivência longa no mundo competitivo dos negócios. (WAGNER III e HOLLENBECH, 2003 p. 8 e 9) Maximiano define que Frederick Wilson Taylor foi o criador e participante mais destacado da Administração Cientifica. Na sua carreira profissional trabalhou em uma

5 5 empresa fabricante de Bombas hidráulicas e passou a observar comportamentos de uma administração ruim definida como corpo mole dos funcionários objetivando que o relacionamento entre os trabalhadores e gerentes era de má qualidade. A partir de 1878, Taylor ingressou na Midvale Steel, uma Usina Siderúrgica onde iniciou o desenvolvimento de aprimoramentos técnicos. Foi na Midvale que observou os problemas das operações fabris (que você próprio poderá encontrar em algumas empresas até hoje). Por exemplo: *A administração não tinha noção clara da divisão de suas responsabilidades com o trabalhador. *Não havia incentivos para melhorar o desempenho do trabalhador. *Muitos trabalhadores não cumpriam suas responsabilidades. *As decisões dos administradores baseavam-se na intuição e palpite. *Não havia integração entre os departamentos da empresa. *Os trabalhadores eram colocados em colocados em tarefas para as quais não tinham aptidão. *Os gerentes pareciam ignorar que a excelência no desempenho significaria recompensas tanto para eles próprios quanto para a mão-deobra. *Havia conflitos entre capatazes e operários a respeito da quantidade da produção. Ao longo de sua carreira, Taylor procurou resolver esses e outros problemas que eram e continuam sendo comuns nas empresas. De suas observações e experiências ele começou a desenvolver seu sistema Taylor, taylorismo e, finalmente, administração cientifica.(maximiano, 2000 p. 161 e 162). De acordo com Maximiano o movimento da Administração Cientifica teve sua base inicial na Sociedade dos engenheiros mecânicos (ASME-American Society of Mechanical Engineers), onde Taylor foi sócio e presidente. A Administração Científica poderá ser vista em três momentos ou etapas: A primeira é determinada pelos problemas relacionados com os salários, o estudo sistemático dos tempos inclusive o tempo padrão e o sistema de administração de tarefas. A segunda etapa consiste na ampliação de escopo da tarefa para a

6 6 administração e definição dos princípios de administração do trabalho e a terceira aconteceu com a consolidação dos princípios, proposição da divisão do trabalho de autoridade e responsabilidade dentro da organização e fazendo uma distinção entre técnicas e princípios. No sistema de pagamento por dia trabalhado, o salário era fixo, e os trabalhadores não viam nenhuma vantagem em produzir além do que eles próprios achavam adequados. No sistema de pagamento por peça produzida, quando a produção aumentava muito, os administradores diminuíam o valor pago por peça. E, assim, os trabalhadores, sabendo o que esperar mantinham a produção num nível propositadamente baixo. Os próprios sindicatos estabeleciam limites para os salários que os trabalhadores podiam receber, para evitar que eles se prejudicassem.(maximiano, 2000 p. 163). A partir desta visão, a administração cientifica direciona suas concentrações voltadas ao aumento da eficiência do comportamento no trabalho e dos processos de produção, dividido por tarefas específicas e incentivos unicamente financeiros. Isto fica evidenciado por Maximiano onde define o seguinte: De acordo com Taylor, o caminho para resolver o problema dos salários era descobrir, de maneira cientifica e exata, qual a velocidade máxima em que o trabalho poderia ser feito. Sua resposta para esse problema foi o que ele chamou de estudo sistemático e cientifico do tempo, que consistia em dividir cada tarefa em seus elementos básicos e, com a colaboração dos trabalhadores cronometra-las e registra-las. Em seguida, eram definidos tempos-padrão para os elementos básicos. Esse procedimento era à base do sistema de administração de tarefas (task management), que compreendia ainda a seleção de trabalhadores e o pagamento de incentivos. O sistema de administração de tarefas permitia que a administração controlasse todos os aspectos da produção e dispusesse do trabalho padronizado que era essencial para a eficiência.

7 7 Portanto, a principal razão para a invenção do estudo dos tempos, do qual surgiu a administração científica, foi a busca da precisão para definir o valor dos salários (MAXIMIANO, 2000 p. 163). Abaixo são definidos os princípios da administração cientifica segundo Taylor: 1. Utilizar métodos científicos para determinar o melhor modo de executar cada tarefa. Os gerentes deveriam projetar o trabalho correspondente a cada trabalhador, especificando um conjunto de métodos padronizados para completar a tarefa de maneira correta. 2. Selecionar a pessoa mais adequada a cada trabalho para a sua execução. Os gerentes deveriam combinar as habilidades de cada trabalhador com as demandas de cada trabalho a ser realizado. 3. Treinar o trabalhador para executar o trabalho corretamente. Os gerentes deveriam treinar os trabalhadores para o uso de métodos padronizados de acordo com o seu respectivo trabalho. 4. Manter constantemente monitoramento do desempenho do trabalho para garantir que os detalhes nos procedimentos sejam seguidos corretamente e que sejam alcançados os resultados apropriados. Os gerentes deveriam manter o controle constante para garantir que os seus subordinados executassem o trabalho da melhor maneira. 5. Atribuir toda a responsabilidade pela organização do trabalho aos gerentes e não aos trabalhadores. Caberia aos gerentes toda a atividade de planejamento e estruturação do trabalho, deixando aos trabalhadores a tarefa de executa-lo. 6. Fornecer apoio adicional através do planejamento da distribuição de tarefas e a eliminação de interrupções. Os gerentes podiam ajudar seus subordinados a manter um alto nível de produção protegendo-os de coisas que interferiam no desempenho do seu trabalho. Fonte: Frederick W. Taylor, the Principles of Scientific Management, 1911 p. 34 e 35 Pode-se verificar que a administração Cientifica através de Taylor influenciou alguns comportamentos como tornar o ser humano mais eficiente na execução de suas tarefas, buscando assim um resultado financeiro melhor tanto para as empresas como para o próprio individuo, determinando assim o homus economicus.

8 8 Taylor sugeriu que a direção e seus operários deviam cultivar um ambiente de amistosa cooperação com o intuito de garantir a manutenção deste ambiente psicológico para facilitar a aplicação dos princípios da administração cientifica. De acordo com Silva (1992, p.46), considera que o Taylorismo é desumano não apenas por tornar os empregos especializados e dependentes do patrão, mas também pelo trabalho repetitivo e maçante que proporciona as pessoas, como representado no filme tempos modernos de Charles Chaplin. Pode-se perceber que a teoria cientifica através do conceito abstrato de homus economicus cria um comportamento onde pressupõe que o operário será subveniente, motivado simplesmente pela realização de suas necessidades materiais, tornando-se assim mais eficiente e produtivo. Porem é submetido à degradação de sua integridade moral já que se obriga ao trabalho metódico, repetitivo que não leva a qualquer realização pessoal. A conseqüência da teoria cientifica é que reduz os operários a seres mecânicos como se fossem componentes de uma máquina, embora isso conduza ao aumento de produção e melhoria da qualidade (SILVA, 1991, p.51). Para concluir a abordagem da administração cientifica deve-se citar o surgimento da teoria clássica ou denominada também de teoria anatômica que surgiu por volta de 1916 tendo Fayol como seu principal guru. O objetivo da teoria clássica de Fayol era o mesmo da teoria cientifica de Taylor, as duas visavam à eficiência das organizações, porem a teoria cientifica se caracterizava pela ênfase nas tarefas que o operário realizava e a teoria anatômica se caracterizava pela ênfase na estrutura da organização necessária a se tornar eficiente pela sua estrutura administrativa. Segundo Fayol (1950) apud Chiavenato (1999, p.58 e 59) definiram os 14 princípios da administração, onde os mesmos passam a interferir no comportamento organizacional não de forma rígida, mas sim através do bom senso e ponderação, buscando a sua adaptação em qualquer organização, sendo os seguintes: a) Divisão do trabalho: consiste na especialização das tarefas e das pessoas para aumentar a eficiência. b) Autoridade e responsabilidade: autoridade é o direito de dar ordens e o poder de esperar obediência. A responsabilidade é uma conseqüência natural da autoridade e significa ter o dever de prestar contas.ambas devem estar equilibradas entre si. c) Disciplina: depende da obediência, aplicação, energia, comportamento e respeito às normas estabelecidas.

9 9 d) Unidade de comando: cada pessoa deve receber ordens de apenas um superior.é o principio da autoridade única. e) Unidade de direção: uma cabeça e um plano para cada conjunto de atividades que tenham o mesmo objetivo. f) Subordinação dos interesses individuais aos interesses gerais: os interesses gerais devem sobrepor-se aos interesses particulares. g) Remuneração do pessoal: deve haver justa e garantida satisfação para os empregados e para a organização em termos de retribuição. h) Centralização: refere-se à concentração da autoridade no nível estratégico. i) Cadeia escalar: é a linha de autoridade que vai do escalão mais alto ao mais baixo. j) Ordem: um lugar para cada coisa e cada coisa em seu lugar.é a ordem material e humana. k) Equidade: amabilidade e justiça para alcançar a lealdade do pessoal. l) Estabilidade do pessoal: a rotatividade das pessoas tem um impacto negativo sobre a eficiência da organização. Quanto mais tempo uma pessoa permanecer num cargo, tanto melhor. m) Iniciativa: a capacidade de visualizar um plano e assegurar pessoalmente o seu sucesso. n) Espírito de equipe: harmonia e união entre as pessoas são as forças da organização. Chiavenato (1999, p.67) define que: Os modelos administrativos de Taylor-Fayol correspondem à divisão mecanicista do trabalho, em que o parcelamento de tarefas é a mola do sistema. Essa abordagem mecânica, lógica e determinística da organização foi o fator principal que conduziu erradamente os clássicos à busca de uma ciência da Administração. Através do estudo de pesquisa sobre o assunto, pode-se constatar que a teoria clássica contribuiu com um comportamento mecanicista da organização, correspondendo à divisão mecanicista do trabalho, não considerando o comportamento humano dentro da organização.

10 Abordagem humanística da administração De acordo com Chiavenato (1999, p.73) a abordagem humanística ocorre com a teoria das relações humanas, nos Estados Unidos, a partir da década de 1930, graças ao desenvolvimento das ciências sociais, notadamente a psicologia e, em particular, a psicologia do trabalho. Segundo Silva (1992, p.95), a teoria das relações humanas consolidou-se a partir das pesquisas realizadas na Wester Electric Company de Chicago, fabricante de equipamentos para telefonia. Esta empresa era conhecida pela preocupação com o bem-estar e pelos altos salários que pagava aos seus quase empregados. Maximiano(2000,p.249), define que: O experimento de Howthorne foi realizado no período de 1927 a 1933 e fez parte de um programa mais amplo, orientado pelo professor Elton Mayo, de Harvard, que durou até Esse experimento fez nascer a chamada escola de relações humanas, porque demonstrou que entre fatores mais importantes para o desempenho individual estão as relações com os colegas e os administradores. Hoje isso pode parecer obvio demais, mas foi revolucionário e representou uma nova filosofia de administração, em relação às idéias então predominantes da escola cientifica. Verifica-se que a teoria das relações humanas surgiu no intuito de se contrapor a teoria cientifica ou clássica que não tinha nenhuma preocupação com o ser humano em si. Através da psicossociologia aplicada nas organizações junto com a teoria das relações humanas desenvolveu-se uma evolução significativa no campo do pensamento administrando resultando na completa mudança centrada no foco homo economicus substituindo-o pelo homo social. A visão dada ao homo social buscava a valorização do trabalhador, em função da analise do comportamento grupal, isto fica evidenciado no quadro abaixo representado, onde faz uma comparação da teoria clássica com a teoria das relações humanas.

11 11 Quadro 1 Comparação da teoria clássica com a teoria das relações humanas TEORIA CLASSICA TEORIA DAS RELAÇÕES HUMANAS. Trata a organização como uma máquina.. Trata a organização como grupos de pessoas.. Enfatiza as tarefas ou a tecnologia.. Enfatiza as pessoas.. Inspirada em sistemas de engenharia.. Inspirada em sistemas de psicologia.. Autoridade centralizada.. Delegação plena de autoridade.. Linhas claras de autoridade.. Autonomia do empregado.. Especialização e competências técnicas.. Confiança e abertura.. Acentuada divisão do trabalho.. Ênfase nas relações humanas entre as pessoas.. Confiança nas regras e nos regulamentos.. Confiança nas pessoas.. Clara separação entre linha e staff.. Dinâmica grupal e interpessoal. Fonte:Adaptado de: Charles Perrow, apud Fred Luthans. The Short and Glorious History of Organizational Theory, in Contemporary Readings in Organizational Behavior, 1977, p.106. Percebe-se que a teoria das relações humanas buscou desenvolver estudos relacionados aos operários com o intuito de verificar a monotonia e a fadiga no trabalho, com a suspeita desta causa estar baseada na divisão do trabalho, ou seja, o ser humano se sentir isolado dos outros. No experimento de Howthorne verificou-se que o fator psicológico teve uma influencia maior do que o fator físico. Foi observado também que o comportamento do trabalho realizado em grupo contribuiu para o aumento da produtividade. Através deste experimento a teoria das relações humanas permitiu concluir que a produtividade decorreu de incentivos sociológicos gerados no trabalho grupal. Utiliza-se mais a estrutura informal, tendo esta uma maior divulgação pelos seus membros. A partir desta experiência passa-se a ter um comportamento diferente onde a organização deve entender os grupos que a compõe e não os grupos entender as razões da organização, surge então o Homo Social. Nota-se que a teoria das relações humanas foi muito criticada pelos estudiosos da época, onde são relacionados alguns aspectos, verificando-se como exemplo a psicologia que era usada para conhecer a privacidade do operário, o sistema de sugestões era visto como uma farsa na participação havia ingenuidade da afetividade, o autoritarismo estava disfarçado na forma de cordeiro, era sufocado o conflito com o excesso de paternalismo e existia uma insatisfação e descrença por parte do operário por ele entender que estava sendo manipulado.

12 12 Silva coloca o seguinte: O Homo Social. Mudam-se os meios, mas a essência permanece: demagogia, sorrisos forçados e promessas vãs constituem uma agressão ao empregado tal qual o estilo cara feia (1992p. 111). 2.4 Abordagem comportamental da organização Maximiano apresenta um resumo das ciências do comportamento dizendo que o comportamento organizacional é o assunto do qual se ocupam diferentes ciências do comportamento, e cada uma delas com seus respectivos focos como abaixo apresentados (2000 p.264). A Psicologia esta voltada para o individuo com relação a sua aprendizagem, personalidade, liderança, estilo de liderança, motivação, processo individual de tomar decisões, seleção de pessoal, stress e qualidade de vida. A Sociologia e a Psicologia Social sendo as duas voltadas ao grupo onde a primeira trata da dinâmica de grupo, teoria das organizações, poder, conflito, comportamento dos grandes grupos, enquanto que a segunda se refere à dinâmica de grupo, liderança, processos de decisão em pequenos grupos e mudanças de atitudes. A Antropologia e a Ciência Política, o foco das mesmas está voltado à organização e sistema, onde a primeira se direciona a cultura organizacional, diferenças de culturas entre paises e ambiente organizacional e a segunda tem seu direcionamento no poder, conflito, política e relações entre organizações e poderes. Verifica-se também que a Teoria comportamentalista se afirmou na década de 1950 como a teoria com luz própria, por buscar um aprofundamento maior dos conceitos desenvolvidos pela teoria das relações humanas, vista neste artigo anteriormente, buscando desta maneira uma maior valorização no campo da motivação humana e esta diretamente relacionada à escala das necessidades das pessoas, desenvolvida por Elton Mayo. De acordo com Lobos (1978 p.19) relata que por volta da metade dos anos 60, o termo Comportamento Organizacional (CO) foi estabelecido em muitas escolas de Administração de Empresas, como uma combinação da velha escola de Relações Humanas e de uma versão atualizada da dimensão comportamental da ciência comumente chamada de Administração (ou Organização ). A motivação pode ser definida como sendo motivo + ação ou seja ter motivos para agir, isto significa impulsionar o ser humano, tira-lo do estado de inércia e impulsiona-lo a realizar algo. Segundo Silva determina que através dos estudos e pesquisas realizadas tanto

13 13 por Maslow como por MacGregor, concluíram que o comportamento motivacional é explicado pelas necessidades humanas (1992 p.115). De acordo com Maslow as necessidades dos seres humanos vão obedecendo a uma escala de valores onde surge no individuo a motivação de acordo com seu sentido na satisfação destas necessidades diversas partindo das fisiológicas, também denominadas primarias ou de sobrevivência. Satisfeitas estas passam para o grupo das de segurança ou proteção, sociais (relação e participação nos grupos sociais), estima, ou seja, (prestigio, sucesso, reconhecimento pelo trabalho realizado), finalizando-se no topo da pirâmide aparece à auto-avaliação ou denominada também de realização pessoal. Silva descreve que as pressuposições da Teoria da Hierarquia das Necessidades são possíveis de serem constatadas na pratica, razão pela qual é largamente utilizada pelos administradores para direcionar estímulos motivacionais (1992 p.119). Bernardes passa a criticar a hierarquia das necessidades propostas por Maslow por separar apenas em dois níveis, sendo as chamadas necessidades primárias ou de sobrevivência e outros motivos (1988 p. 303). Bernardes verifica que os demais motivos não atendem na ordem colocada por Maslow, devido a cada pessoa a definição de suas prioridades, criando dificuldades de constatação dessa ordem na pratica. Desta maneira, para efeito do conhecimento do comportamento humano, as pessoas devem refletir sobre as duas teorias a serem apresentadas a diante, sendo as mesmas denominadas de Teoria X e teoria Y, onde ambas tem suas falhas e tem o seu propósito também. A partir desta análise, pode-se perceber através de Herzberg (1966) apud, Chiavenato (1999, p. 286 a 287) onde define que: Frederick Herzberg formulou a teoria dos dois fatores para explicar o comportamento das pessoas em situação do trabalho. Para Herzberg existem dois fatores que orientam o comportamento das pessoas. Sendo os fatores higiênicos ou fatores intrínsecos e os fatores motivacionais. Fatores intrínsecos ou fatores motivacionais estão relacionados com o conteúdo do cargo e com a natureza das tarefas que o individuo executa. Estão sob o controle do individuo, pois estão relacionados com aquilo que ele faz e desempenha.os fatores motivacionais envolvem os

14 14 sentimentos de crescimento individual, de reconhecimento profissional e as necessidades de auto-realização. O efeito dos fatores motivacionais sobre o comportamento das pessoas é profundo e estável. Quando são ótimos, eles provocam a satisfação nas pessoas. Porém, quando são precários, eles evitam a satisfação das pessoas. No quadro 2, percebe-se a comparação dos fatores motivacionais com os fatores higiênicos, e que segundo Herzberg os primeiros são os fatores responsáveis pela satisfação profissional das pessoas e os fatores higiênicos podem ser responsáveis pela insatisfação profissional ou a ausência da satisfação. Quadro 2 Fatores motivacionais e higiênicos FATORES MOTIVACIONAIS (Satisficientes) FATORES HIGIÊNICOS (Insatisficientes) Conteúdo do Cargo Contexto do cargo (Como o individuo se sente em relação ao seu Cargo) (Como o individuo se sente em relação à Empresa) 1)- O trabalho em si 1)- As condições de trabalho 2)- Realização 2)- Administração da empresa 3)- Reconhecimento 3)- Salário 4)- Progresso profissional 4)- Relações com o supervisor 5)- Responsabilidade 5)- Benefícios e serviços sociais Fonte: Andrew F. Sikula, Personnel Administration and Human Resources Management, 1976, p.88 A teoria comportamental mostra vários estilos de administração, estando a mesma condicionada aos estilos com que os administradores dirigem o comportamento das pessoas e de suas convicções sobre o ser humano. Através da denominação de teoria X e teoria Y, McGregor passou a comparar dois estilos de administração de forma oposta e antagônica, mostrando de um lado, um estilo fundamentado na teoria Clássica (dando a essa o nome de teoria X), do outro lado, um estilo baseado em estilos mais modernos a respeito do comportamento humano (definindo-a como

15 15 teoria Y). O Quadro 3, abaixo representado, Silva, apresenta o antagonismo de algumas características entre a teoria X e a teoria Y Quadro 3 Teorias X e Y Característica de X Característica de Y 1. Controle intenso de autoridade. 1. Autocontrole e autodireção para o empregado. 2. Centralização de autoridade. 2. Descentralização de autoridade. 3. Planejamento feito pela gerência. 3. Ambos participam (empregado e chefia) 4. Satisfação das Necessidades Sociais fora da 4. Realização pessoal e social fora e na própria empresa. empresa. 5. A Chefia avalia o desempenho do 5. A chefia auxilia o empregado, que autoavalia-se. empregado. 6. Na Empresa não há lugar para outra teoria; 6. A teoria Y na da certo porque é percebida o empregado resiste às mudanças. num clima da Teoria X. 7. Administrar corretamente é o mesmo que 7. Administração correta deve dispor de meios controlar o empregado tanto quanto que permitam liberar potenciais dos possível, não lhe deixando tempo empregados, encorajá-los no sequer para relacionar-se social e crescimento e orientá-los na remoção particularmente. de obstáculos. Fonte: Sebastião Orlando da Silva, Estilos de Administração: uma introdução à teoria geral da administração, 1992, p.124. Pode-se também perceber que as duas teorias em estudo têm diferentes concepções a respeito da natureza humana. Onde a teoria X, procura ver o homem como um ser que não gosta de trabalhar, prefere ser dirigido.(sintetiza o enfoque clássico). Por outro lado a Teoria Y, passa a ver o homem como um ser que gosta de trabalhar e assume responsabilidades desde que auxiliado e motivado a liberar seu potencial. (sintetiza as teorias transitivas e recursos humanos). No quadro 4, Chiavenato apresenta a teoria X e a teoria Y como diferentes concepções a respeito da natureza humana, onde a teoria Y propõe uma proposta de administração participativa, galgada principalmente nos valores humanos e sociais. Já a Teoria X tem seu

16 16 foco voltado a uma administração centrada nos controles rígidos impostos ao individuo, dentro e fora da organização. Quadro 4 Pressuposições das teorias Pressuposições da Teoria X Pressuposições da Teoria Y *-As pessoas são preguiçosas e indolentes. *-As pessoas são esforçadas e gostam de ter o que fazer. *-As pessoas evitam o trabalho. *-O trabalho é uma atividade tão natural como brincar ou descansar. *-As pessoas evitam a responsabilidade, a fim *-As pessoas procuram e aceitam de se sentirem mais seguras. responsabilidades e desafios. *-As pessoas precisam ser controladas e dirigidas. *-As pessoas podem ser automotivadas e autodirigidas. *-As pessoas são ingênuas e sem iniciativa. *- As pessoas são criativas e competentes. Fonte: Idalberto Chiavenato, Introdução a Teoria Geral da Administração, 1999, p.293. A teoria do comportamento organizacional traz em si alguns objetivos importantes como: caracterizar-se como a mais democrática das teorias administrativas e sua fundamentação sobre a natureza humana; definir os estilos de administração, os sistemas administrativos e suas características; caracterizar as organizações como sistemas sociais cooperativos e como sistemas de decisões; definir o comportamento organizacional e as relações entre participantes e organizações, seus conflitos e suas interações. Apresenta também alguns conceitos importantes como: ciclo motivacional:- equilíbrio, estímulo, tensão, necessidade e ação, (in) satisfação; liderança:- integrar a um só objetivo, os interesses da empresa e dos empregados: Processo decisório: - todos nós estamos envolvidos, direta ou indiretamente; Empatia:- ver com seus próprios olhos. Se colocar no lugar da outra pessoa; Decisão racional:- a racionalidade é limitada; portanto os resultados podem ser satisfatórios ao invés de máximo; Aceitação da autoridade:- o empregado aceita quando existe. Pode-se concluir que a teoria comportamental trouxe algumas conseqüências importantes para a Administração e principalmente no que diz respeito ao comportamento organizacional como o aumento da produtividade através da redução de atritos entre as pessoas, nasce o chamado Homo Administrativo e o empregado passa a ter incentivos mistos como salários, produtos, serviços, elogios e outros.

17 17 DO 2.5. Abordagem dos sistemas abertos (teoria do desenvolvimento organizacional- Segundo Araújo (2001, p.25) O subsistema institucional é o responsável pelas transações da organização com o meio ambiente em que atua. A abordagem dá ênfase à relação entre a estrutura (organização) e o meio que lhe dá suporte, pois sem entradas continuas a estrutura termina por se deteriorar. E a forma de manter essa estrutura aberta é fortalecer sua principal fonte motivadora: seus recursos humanos. A abordagem sistêmica através da teoria do desenvolvimento organizacional (DO) passa a ser pelos estudiosos do campo social como uma nova mentalidade mais democrática e participativa, dando uma ênfase maior à administração das pessoas do que a administração de recursos materiais e técnicos. Segundo Chiavenato o D.O. é um conjunto de idéias a respeito do homem, da organização e do ambiente, no sentido de propiciar o crescimento e o desenvolvimento segundo suas potencialidades.no sentido restrito o D.O. é um desdobramento da teoria comportamental a caminho da abordagem sistêmica (1999 p.320). Wagner III e Hollenbech definem o desenvolvimento organizacional como sendo uma abordagem planejada para a mudança interpessoal, grupal, intergrupal e organizacional que acontece de modo abrangente, a longo prazo. (2003 p. 376). Desta maneira pode-se conceituar o D.O. como sendo um processo de mudança planejada na busca de idéias e técnicas para melhorar a eficiência e a eficácia e a saúde da organização através de intervenções planejadas nos seus sistemas técnicos e humanos, aumentando a habilidade de todos de encarar a mudança como um processo natural. O D.O. pode ser entendido também como uma estratégia educacional complexa, destinada a mudar crenças, valores, atitudes e estruturas de organizações, criando novos comportamentos com o objetivo de torná-las altamente adaptáveis às mudanças sociais, tecnológicas e humanas. Representação das características do D.O., com relação ao processo de mudança planejada. Esforço.

18 18 Mudar e aperfeiçoar toda a Cultura Organizacional. Demanda cada vez maior de Tempo e Esforço por parte de todas as Pessoas da Organização Mudar o comportamento do Grupo (Equipe, dentro dos diversos Departamentos ou Setores)... Mudar o comportamento do Indivíduo... Provocar o envolvimento e o comprometimento Oportunizar e buscar o conhecimento... Tempo Figura nº. 1 Fonte: Celso A. Mariani, FAP -Faculdade de Apucarana Qualidade e Produtividade, 2004, p.22. Através deste processo pode-se concluir que a mudança comportamental é a base do aperfeiçoamento continuo do indivíduo e ocorre mediante seu completo envolvimento e comprometimento, onde exige do mesmo a necessidade de atualização permanente, sendo por uma questão de sua própria sobrevivência e da organização. Pode-se perceber a importância de mudar a cultura organizacional pela definição feita por Beckhard (1972, p.19) apud, Chiavenato (1999 p. 323) onde concluem que: Os autores do D.O. consideram que mudar a estrutura organizacional não é suficiente para mudar uma organização. A única maneira viável de mudar uma organização é mudar sua cultura, isto é, os sistemas dentro dos quais as pessoas vivem e trabalham. Segue abaixo uma relação de objetivos importantes que a teoria do desenvolvimento organizacional se propôs a atingir: a) Desenvolver a confiança mutua entre os indivíduos e os grupos que compõe a organização, em todos os níveis hierárquicos; b) Criar um clima franco de solução de problemas em toda a organização, onde esses problemas são enfrentados e as diferenças esclarecidas-tanto dentro dos grupos como entre os próprios grupos;

19 19 c) Aumentar o senso de propriedade pelos objetivos e metas organizacionais de todos os membros que compõe a organização, isto é, fazer com que aumente aquela sensação que o individuo sente de que os objetivos também lhe pertencem; d) Estimular relacionamentos mais cooperativos e criativos entre indivíduos e grupos interdependentes. Em síntese, o D.O. tem por objetivo maior o aumento da eficácia organizacional, da capacidade de escolha da organização, da capacidade de solução de problemas, bem como a renovação de processos criativos, ou seja, sair dos chamados sistemas mecânicos para o desenvolvimento de sistemas orgânicos que levam a uma renovação da organização através da mudança da cultura e do clima organizacional Abordagem das organizações contemporâneas vista como sistemas de aprendizagem As organizações de aprendizagem são aquelas organizações preocupadas em construir um futuro de aprendizado para si mesmo e as pessoas que as compõe. As organizações que conseguem resolver os problemas e conseguem acompanhar as mudanças, aproveitando as oportunidades futuras através da geração de novos conhecimentos a todos os indivíduos independentes do nível hierárquicos no intuito de aplicação de novas teorias, ferramentas e adequação aos novos desafios tecnológicos, estas podem ser denominadas d e organizações de aprendizagem. Segundo Wagner III e Hollenbeck (2003 p.432) as organizações que aprendem recorrem ao pensamento critico e à análise rigorosa dos dados da realidade para garantir uma margem competitiva sustentável em longo prazo em relação às demais organização do seu ramo.infelizmente as organizações geradoras de conhecimento ainda são raras De acordo com Gomes (1994, p. 15): A empresa moderna tem procurado formas de possibilitar a força humana através de projetos, que visam ao desenvolvimento de habilidades duradouras, respeitando os motivos individuais para alcançarem os motivos legítimos. E todo o segredo da gerência das pessoas estará na compreensão dos mecanismos que determinam seus comportamentos.não é fácil, porém diagnosticar a causa ou as causas

20 20 responsáveis por determinado comportamento, havendo, portanto, o perigo da psicologização amadora. Podemos entender que para vantagem competitiva as empresas devem antecipar o futuro, estando à frente do seu tempo.por isso é preciso que todas as pessoas estejam abertas ao novo saber, buscando novas habilidades necessárias aos novos tempos. Sumatra e Bartlett, no capítulo 10 intitulado A Reconstrução do Contexto Comportamental: Um plano para a renovação Corporativa, os mesmos observaram que os processos de transformação corporativa bem sucedida dos processos fracassados eram diferenciados por duas distinções básicas. Sendo a primeira voltada a um bom planejamento e a segunda que os gerentes das organizações bem sucedidas reconheceram que a transformação está mais para uma função de comportamento individual do para as estratégias, estruturas e sistemas introduzidos pela alta administração (1998 p.216). Segundo Vergara (2000 p. 32) Em um ambiente no qual a administração da mudança inclui a necessidade de administrar surpresas, as empresas, freqüentemente, se vêem diante da necessidade de aprender com seus próprios erros. Essa capacidade de aprender continuamente tem identificado muitas empresas como o que se convencionou chamar de learning organization, organizações de aprendizagem. Fazendo uma análise das varias citações e dos vários autores podemos resumir que é necessário um comportamento de continuo aprendizado porque a velocidade com a tecnologia e o volume de informações evolui e modifica hábitos e comportamentos, é maior do que a nossa capacidade de interpretar e avaliar os acontecimentos. Pode-se perceber que se faz necessário cada vez mais a percepção por parte dos indivíduos que compõe a organização de um comportamento inovador e empreendedor na busca de um aprofundamento e uma utilização mais eficaz das descobertas e dos conhecimentos científicos desenvolvidos nas organizações de aprendizagem, necessárias a obtenção de vantagem competitiva. 3. Considerações Finais Percebe-se que através da evolução do conhecimento, muda-se o comportamento tanto dos responsáveis pela organização como dos colaboradores que fazem parte dela.

Escola das relações humanas: Sociologia nas Organizações. Prof Rodrigo Legrazie

Escola das relações humanas: Sociologia nas Organizações. Prof Rodrigo Legrazie Escola das relações humanas: Sociologia nas Organizações Prof Rodrigo Legrazie Escola Neoclássica Conceitua o trabalho como atividade social. Os trabalhadores precisam muito mais de ambiente adequado e

Leia mais

A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS

A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS GOMES, Elaine Dias. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. E-mail: elaineapoderosa@hotmail.com

Leia mais

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias Evolução da Administração e as Escolas Clássicas Anteriormente XVIII XIX 1895-1911 1916 1930 Tempo

Leia mais

11. Abordagem Comportamental

11. Abordagem Comportamental 11. Abordagem Comportamental Conteúdo 1. Behaviorismo 2. Novas Proposições sobre a Motivação Humana 3. Teoria da Hierarquia das de Maslow 4. Teoria dos dois fatores 5. Teoria X & Y de McGregor 6. Outros

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres

Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Professora Ani Torres Visão estratégica Visão estratégica está relacionada com alcançar os objetivos empresariais. Considera: Tipos psicológicos, Motivação:

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Módulo 11 Socialização organizacional

Módulo 11 Socialização organizacional Módulo 11 Socialização organizacional O subsistema de aplicação de recursos humanos está relacionado ao desempenho eficaz das pessoas na execução de suas atividades e, por conseguinte, na contribuição

Leia mais

Teorias da Administração

Teorias da Administração Teorias da Administração Cronologia das teorias da administração 1903 Administração Científica 1903 Teoria Geral da Administração 1909 Teoria da Burocracia 1916 Teoria Clássica da Administração 1932 Teoria

Leia mais

TEORIA CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO FAYOLISMO PREVER ORGANIZAR COMANDAR COORDENAR CONTROLAR HENRY FAYOL (1841-1925) NOS MOMENTOS DE CRISE SÓ A IMAGINAÇÃO É MAIS IMPORTANTE QUE O CONHECIMENTO Albert Einstein

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

GABARITO COMENTADO. A resposta correta é a opção 4, conforme consta na tabela das Necessidades Humanas Básicas, à página 65 da apostila.

GABARITO COMENTADO. A resposta correta é a opção 4, conforme consta na tabela das Necessidades Humanas Básicas, à página 65 da apostila. ADMINISTRAÇÃO SEMESTRE ESPECIAL MP2 (reposição) 18/11/2008 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO 2008/2 GABARITO COMENTADO A. Sobre as conclusões e contribuições da experiência de Hawthorne, pode-se afirmar que:

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL: Conceitos e fundamentos (Cap. 1)

COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL: Conceitos e fundamentos (Cap. 1) UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL (UFMS) CAMPUS DE BONITO/MS, CURSO DE ADMINISTRAÇÃO COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL: Conceitos e fundamentos (Cap. 1) Prof. Ana Cristina Trevelin Exemplo Você é o

Leia mais

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EM SEGURANÇA DO TRABALHO IMPORTÂNCIA INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO Quando do início de um empreendimento, de um negócio ou qualquer atividade; As expectativas e desejos de início são grandes:

Leia mais

Teoria Básica da Administração. Teoria das Relações Humanas. Professor: Roberto César

Teoria Básica da Administração. Teoria das Relações Humanas. Professor: Roberto César Teoria Básica da Administração Teoria das Relações Humanas Professor: Roberto César Abordagem Humanística Ênfase Tarefas Estrutura Pessoas Preocupação Máquina e Método Organização formal e princípios O

Leia mais

TGA TEORIAS DAS ORGANIZAÇÕES FUPAC - FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS. Profº Cláudio de Almeida Fernandes, D.Sc

TGA TEORIAS DAS ORGANIZAÇÕES FUPAC - FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS. Profº Cláudio de Almeida Fernandes, D.Sc FUPAC - FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERLÂNDIA TGA TEORIAS DAS ORGANIZAÇÕES Profº Cláudio de Almeida Fernandes, D.Sc Ph.D in Business Administration Doutorado

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA. drivanmelo@yahoo.com.br

FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA. drivanmelo@yahoo.com.br FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA drivanmelo@yahoo.com.br ADMINISTRAÇÃO AD Prefixo latino = Junto de AD MINISTRAÇÃO MINISTER Radical = Obediência, Subordinação Significa aquele que realiza uma função

Leia mais

ORIENTADOR(ES): JANAÍNA CARLA LOPES, JOÃO ANGELO SEGANTIN, KEINA POLIANA PIVARRO DALMOLIN PAGLIARIN

ORIENTADOR(ES): JANAÍNA CARLA LOPES, JOÃO ANGELO SEGANTIN, KEINA POLIANA PIVARRO DALMOLIN PAGLIARIN Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MOTIVAÇÃO HUMANA - UM ESTUDO NA EMPRESA MAHRRY CONFECÇÕES CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO I. 1 Elaborar cuidadosamente o planejamento da organização e assegurar que o mesmo seja executado.

ADMINISTRAÇÃO I. 1 Elaborar cuidadosamente o planejamento da organização e assegurar que o mesmo seja executado. 3 PAPEL DOS GERENTES Os gerentes são os protagonistas do processo administrativo. Eles são responsáveis por coordenar o trabalho dos outros funcionários da empresa. Não existe apenas um modelo administrativo,

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos. *Operários (1933) Tarsila do Amaral.

Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos. *Operários (1933) Tarsila do Amaral. Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos *Operários (1933) Tarsila do Amaral. A Função Administrativa RH É uma função administrativa compreendida por um conjunto de

Leia mais

Gestão de Pessoas. Capacidade de gerar resultados a partir das pessoas e dos processos inerentes ao negócio.

Gestão de Pessoas. Capacidade de gerar resultados a partir das pessoas e dos processos inerentes ao negócio. Gestão Corporativa Governança Corporativa é o conjunto de processos, costumes, políticas, leis que regulam a maneira como uma empresa é dirigida, administrada ou controlada. PROCESSOS PESSOAS TECNOLOGIA

Leia mais

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Motivação para o Desempenho Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Heitor Duarte asbornyduarte@hotmail.com Márcio Almeida marciobalmeid@yahoo.com.br Paulo F Mascarenhas

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Abordagem Clássica da Administração

Abordagem Clássica da Administração Abordagem Clássica da Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 05 Principais Personagens Fredeick Winslow Taylor (americano) Escola da Científica: aumentar a eficiência da indústria por meio

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

Gestão de pessoas. Gestão de pessoas

Gestão de pessoas. Gestão de pessoas Gestão de pessoas Prof. Dr. Alexandre H. de Quadros Gestão de pessoas Gestão de pessoas ou administração de RH? Uma transformação das áreas e de seus escopos de atuação; Houve mudança ou é somente semântica;

Leia mais

L I D E R A N Ç A (Autoria não conhecida)

L I D E R A N Ç A (Autoria não conhecida) L I D E R A N Ç A (Autoria não conhecida) Liderança é inata? Abordagem Genética - Antigamente acreditava-se que o indivíduo nascia com características, aptidões e valores próprios de um líder. Na moderna

Leia mais

Planejamento de Recursos Humanos

Planejamento de Recursos Humanos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Planejamento de Recursos Humanos Profa. Marta Valentim Marília 2014 As organizações

Leia mais

12/02/2012. Administração I. Estrutura da Administração INTRODUÇÃO À TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO

12/02/2012. Administração I. Estrutura da Administração INTRODUÇÃO À TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO INTRODUÇÃO À TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO Idalberto Chiavenato Conceitos; Evidências históricas; e Estruturando a administração. 1 Administração I Administração é criar um ambiente para o esforço grupal

Leia mais

Introdução à Administração. Prof. Adilson Mendes Ricardo Novembro de 2012

Introdução à Administração. Prof. Adilson Mendes Ricardo Novembro de 2012 Novembro de 2012 Aula baseada no livro Teoria Geral da Administração Idalberto Chiavenato 7ª edição Editora Campus - 2004 Nova ênfase Administração científica tarefas Teoria clássica estrutura organizacional

Leia mais

RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO

RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO CONCEITO Empreendedorismo é o estudo voltado para o desenvolvimento de competências e habilidades relacionadas à criação de um projeto (técnico, científico, empresarial). Tem

Leia mais

Função do órgão GP NEAF. Contexto da GP. Objetivos da GP. Gestão de Pessoas:

Função do órgão GP NEAF. Contexto da GP. Objetivos da GP. Gestão de Pessoas: Gestão de Pessoas: Conceitos, importância, relação com os outros sistemas de organização. Fundamentos, teorias, escolas da administração e o seu impacto na gestão de pessoas. Função do órgão de recursos

Leia mais

AS TEORIAS X E Y E SUAS PONTENCIALIDADES DE APLICAÇÃO A SISTEMAS ADMINISTRATIVOS DE RECURSOS HUMANOS EM ORGANIZAÇÕES NOS DIAS ATUAIS

AS TEORIAS X E Y E SUAS PONTENCIALIDADES DE APLICAÇÃO A SISTEMAS ADMINISTRATIVOS DE RECURSOS HUMANOS EM ORGANIZAÇÕES NOS DIAS ATUAIS REVISTA ELETRÔNICA DE ADMINISTRAÇÃO ISSN 1676-6822 PERIODICIDADE SEMESTRAL EDIÇÃO NÚMERO 8 JUNHO DE 2005 AS TEORIAS X E Y E SUAS PONTENCIALIDADES DE APLICAÇÃO A SISTEMAS ADMINISTRATIVOS DE RECURSOS HUMANOS

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NAS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NAS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NAS EMPRESAS ALCIDES DE SOUZA JUNIOR, JÉSSICA AMARAL DOS SANTOS, LUIS EDUARDO SILVA OLIVEIRA, PRISCILA SPERIGONE DA SILVA, TAÍS SANTOS DOS ANJOS ACADÊMICOS DO PRIMEIRO ANO DE

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Filósofos. A história administração. Filósofos. Igreja Católica e Organização Militar. Revolução Industrial

Filósofos. A história administração. Filósofos. Igreja Católica e Organização Militar. Revolução Industrial Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com A história administração A história da Administração é recente,

Leia mais

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS Marino, Reynaldo Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde - FASU/ACEG GARÇA/SP-

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO. Prof.: Daniela Pedroso Campos

FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO. Prof.: Daniela Pedroso Campos FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof.: Daniela Pedroso Campos Objetivo Geral: Compreender o que é Administração, o que os administradores fazem e quais os princípios, as técnicas e as ferramentas que direcionam

Leia mais

1.-A Gestão e a evolução das teorias da Gestão

1.-A Gestão e a evolução das teorias da Gestão 1.-A Gestão e a evolução das teorias da Gestão 1.2- História do Pensamento sobre a Gestão 1 GESTÃO 1.-A Gestão e a evolução das teorias da Gestão 1.2- História do Pensamento sobre a Gestão 2 1.2-História

Leia mais

FICHAMENTO. Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º

FICHAMENTO. Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º FICHAMENTO Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º Disciplina: Administração Contemporânea IDENTIFICAÇÃO DO TEXTO MOTTA, Fernando C. Prestes; VASCONCELOS, Isabella F. Gouveia. Teoria geral da

Leia mais

Sociologia das organizações

Sociologia das organizações Sociologia das organizações Prof. Dr. Alexandre H. de Quadros Pessoas: recursos X parceiros Pessoas como recursos Empregados isolados nos cargos Horário rigidamente estabelecido Preocupação com normas

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

GESTÃO DE DESEMPENHO. Prof. WAGNER RABELLO JR. Conceito de desempenho. Níveis de desempenho. O di?

GESTÃO DE DESEMPENHO. Prof. WAGNER RABELLO JR. Conceito de desempenho. Níveis de desempenho. O di? GESTÃO DE DESEMPENHO Prof. WAGNER RABELLO JR Conceito de desempenho Níveis de desempenho O di? O que medir? Resultados Desempenho Competências Fatores críticos de desempenho 1 Segundo Chiavenato, existem

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 2.

Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 2. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Dinâmica nas Organizações Prof.: Fernando Hadad Zaidan Unidade 2.4 2 ETAPAS DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan

Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Unidade 2.4 2 ETAPAS DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA DA ADMINISTRAÇÃO 2.4 Abordagem das Disciplina: Dinâmica nas Organizações Prof.: Fernando

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida;

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida; AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Gestão de Políticas Participativas ALUNO(A):Mª da Conceição V. da MATRÍCULA: Silva NÚCLEO REGIONAL:Recife DATA:17/09/2013 QUESTÃO

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL DUMAS, Ana Carolina¹ Guirado CALDAMONE,Camila¹ Guerino FRANCO, Nathália¹ Ribeiro; Acadêmicos do curso de Administração da Faculdade de Ciências

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Turma 1ADN -2010

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Turma 1ADN -2010 1ª PARTE TEORIA CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO Enquanto Taylor e outros engenheiros desenvolviam a Administração Científica nos Estados Unidos, em 1916 surgia na França, espraiando-se rapidamente pela Europa,

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sumário Aula 1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. Aula 2- Processo

Leia mais

Henri Fayol (1841-1925) Teoria Clássica da Administração. Contexto de Fayol: Para Fayol Administrar é:

Henri Fayol (1841-1925) Teoria Clássica da Administração. Contexto de Fayol: Para Fayol Administrar é: Henri Fayol (1841-1925) Teoria Clássica da Administração Formou-se em Engenharia de Minas aos 19 anos e desenvolveu sua carreira numa mesma empresa. Sua principal obra é o livro Administração Geral e Industrial,

Leia mais

Funções Administrativas. Planejamento. Organização. Liderança. Controle. Curso de Engenharia Elétrica. Planejamento. Organização. Liderança.

Funções Administrativas. Planejamento. Organização. Liderança. Controle. Curso de Engenharia Elétrica. Planejamento. Organização. Liderança. Curso de Engenharia Elétrica Funções Administrativas Administração e Organização de Empresas de Engenharia Planejamento Organização Prof. Msc. Cláudio Márcio cmarcio@gmail.com www2.unifap.br/claudiomarcio

Leia mais

20/04/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 2.

20/04/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 2. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Dinâmica nas Organizações Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2.1 2 ETAPAS DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Quatro Níveis de Avaliação de Treinamento

Quatro Níveis de Avaliação de Treinamento Quatro Níveis de Avaliação de Treinamento Resenha por Eliana Dutra KIRKPATRICK, Donald L., Evaluating Training Programs - THE FOUR LEVELS. Berrett-Koehler Publishers, Inc. 1994. De acordo com Donald Kirkpatrick,

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL: A CONDUTA DO INDIVÍDUO RESUMO

COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL: A CONDUTA DO INDIVÍDUO RESUMO 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL: A CONDUTA DO INDIVÍDUO ALCALDE, Elisângela de Aguiar 1 MARIANO, Rosiane da Conceição 2 SANTOS, Nathália Ribeiro dos SANTOS, Rosilei Ferreira dos SANTOS, Sirene José Barbosa

Leia mais

Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS. Profa. Ani Torres

Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS. Profa. Ani Torres Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Profa. Ani Torres Desenvolvendo pessoas O desenvolvimento e a manutenção de pessoas estão relacionados com a evolução das equipes de trabalho e com a

Leia mais

AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG

AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG 1. Introdução 2. Maslow e a Hierarquia das necessidades 3. Teoria dos dois Fatores de Herzberg 1. Introdução Sabemos que considerar as atitudes e valores dos

Leia mais

DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO

DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO Esta pesquisa tem como objetivo abordar o tema voltado para a avaliação do desempenho humano com os seguintes modelos: escalas gráficas, escolha forçada, pesquisa de campo, métodos

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais:

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

TURN OVER VOLUNTÁRIO UMA BREVE ANÁLISE DOS ESTÍMULOS www.factor9.com.br/educacional.php. Eduardo Varela

TURN OVER VOLUNTÁRIO UMA BREVE ANÁLISE DOS ESTÍMULOS www.factor9.com.br/educacional.php. Eduardo Varela TURN OVER VOLUNTÁRIO UMA BREVE ANÁLISE DOS ESTÍMULOS www.factor9.com.br/educacional.php Eduardo Varela 1 Turnover Voluntário Uma breve análise dos estímulos www.factor9.com.br/educacional.php Turnover

Leia mais

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014 Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 Este relatório baseia-se nas respostas apresentadas no Inventário de Análise Pessoal comportamentos observados através questionário

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

GESTÃO. 1.-A Gestão e a evolução das teorias da Gestão. 1.2- (breve) História do Pensamento sobre a Gestão DEG/FHC DEG 1

GESTÃO. 1.-A Gestão e a evolução das teorias da Gestão. 1.2- (breve) História do Pensamento sobre a Gestão DEG/FHC DEG 1 GESTÃO 1.-A Gestão e a evolução das teorias da Gestão 1.2- (breve) História do Pensamento sobre a Gestão DEG/FHC DEG 1 1.2-História do Pensamento sobre a Gestão As organizações e a prática da Gestão foram,

Leia mais

Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3

Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3 Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3 Teorias da Administração Aula 3 Teoria Científica Taylorismo (Continuação) Taylor observou que, ao realizar a divisão de tarefas, os operários

Leia mais

Evolução do Pensamento

Evolução do Pensamento Unidade I Evolução do Pensamento Administrativo Prof. José Benedito Regina Conteúdo da disciplina EPA Parte 1 - Conceitos gerais da administração Parte 2 - Evolução histórica: Abordagens administrativas

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

Gestão de Talentos. Aula 01. Contextualização. Instrumentalização

Gestão de Talentos. Aula 01. Contextualização. Instrumentalização Gestão de Talentos Aula 01 Prof. Me. Maria Tereza F. Ribeiro 1. Contextualização Apresentação dos tópicos a serem abordados atualidades 2. Instrumentalização Conceitos principais 3. Aplicação Exemplos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR. Prof. Bento

ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR. Prof. Bento ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR Prof. Bento QUESTÕES Doc. # 1 Revisão Indique se é Verdadeira ou Falsa a seguinte afirmação UMA TEORIA É UMA EXPLICAÇÃO LÓGICA OU ABSTRACTA DE UM PROBLEMA OU CONJUNTO DE

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula de Motivação Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Teorias da Motivação? As teorias sobre a motivação, que explicam desempenho das pessoas

Leia mais

TEORIAS E MODELOS DE GESTÃO

TEORIAS E MODELOS DE GESTÃO TEORIAS E MODELOS DE GESTÃO Capítulo 02 1 EVOLUÇÃO DAS TEORIAS ORGANIZACIONAIS INICIADAS DE FATO POR FAYOL E TAYLOR NO INÍCIO DO SÉCULO XX PRODUZIDAS COM BASE EM UMA NECESSIDADE DE CADA MOMENTO DA GERAÇÃO

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009

QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009 Universidade Federal Fluminense Oficina de Trabalho Elaboração de Provas Escritas Questões Objetivas Profª Marcia Memére Rio de Janeiro, janeiro de 2013 QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009 Cada uma das

Leia mais

FACULDADE DE EDUCACAO DE COSTA RICA

FACULDADE DE EDUCACAO DE COSTA RICA FACULDADE DE EDUCACAO DE COSTA RICA DISCIPLINA: MOTIVACAO E ETICA LIDERAR PESSOAS ATRAVÉS DA MOTIVAÇÃO Por que as pessoas se comportam de certos modos? Liderar - é o processo de dirigir e influenciar as

Leia mais

Valores & Princípios. Grupo Freudenberg

Valores & Princípios. Grupo Freudenberg Valores & Princípios Grupo Freudenberg C o n d u ta e C o m p o r ta m e n t o C o n d u ta e C o m p o r ta m e n t o Nossos Princípios & Conduta e Comportamento 3 Os Nossos Princípios e o documento de

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Os cinco subsistemas de Gestão de Pessoas

Os cinco subsistemas de Gestão de Pessoas Faculdade de Tecnologia Senac Goiás Os cinco subsistemas de Gestão de Pessoas Trabalho de Gestão de Pessoas Alunos: Nilce Faleiro Machado Goiânia,4 de dezembro de 2015 1 Sumário Capa...1 Sumário...2 Introdução...3

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS ATENÇÃO! UTILIZE OS SLIDES APENAS COMO MATERIAL ACADÊMICO. NÃO O PASSE A TERCEIROS. OBRIGADA.

GESTÃO DE PESSOAS ATENÇÃO! UTILIZE OS SLIDES APENAS COMO MATERIAL ACADÊMICO. NÃO O PASSE A TERCEIROS. OBRIGADA. GESTÃO DE PESSOAS ATENÇÃO! UTILIZE OS SLIDES APENAS COMO MATERIAL ACADÊMICO. NÃO O PASSE A TERCEIROS. OBRIGADA. René Descartes Dualismo: Corpo e mente Cogito ergo sun O trabalho deu origem as organizações

Leia mais

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados Aperfeiçoamento Gerencial para Supermercados Liderança Liderança é a habilidade de influenciar pessoas, por meio da comunicação, canalizando seus esforços para a consecução de um determinado objetivo.

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais