Administração e Gestão de Pessoas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Administração e Gestão de Pessoas"

Transcrição

1 Administração e Gestão de Pessoas Aula de Motivação Prof.ª Marcia Aires aires.com.br

2 Teorias da Motivação? As teorias sobre a motivação, que explicam desempenho das pessoas em situações de trabalho, dividem-se em dois grupos Teorias de processo : que procura explicar como funciona o MECANISCO DA MOTIVAÇÃO Teorias de Conteúdo : Procura explicar quais são os MOTIVOS específicos que fazem as pessoas a AGIREM

3 Classificação das teorias sobre motivação Teorias sobre a motivação Teorias de Processo Teorias de Conteúdo 1. Modelo do Comportamento 2. Teoria da expectativa 3. Behaviorismo 4. Teoria da Equidade 1. Teorias Clássicas 2. Teoria da hierarquia das necessidades 3. Teoria ERG 4. Teoria dos dois fatores 5. Teoria das necessidades adquiridas

4 Teorias sobre a motivação Teoria das Necessidades Maslow (ênfase nas características individuais) Alderfer (ênfase nas características individuais ) Herzberg (ênfase no ambiente) McClelland (ênfase nas necessidades adquiridas)

5 Teorias Clássicas Homem Econômico racional Homem Social Homem Auto realizador Hipóteses sobre a motivação Humana A motivação na perspectiva do ganho, o motivo importante é ter BENS MATERIAIS A motivação é o GRUPO, os motivos importantes são o reconhecimento e a aceitação pelos colegas A motivação é a REALIZAÇÃO INTERIOR, o que importa e motiva é a satisfação íntima Homem Complexo A motivação não tem, causa única. Diversos motivos ou causas são importantes para mover o comportamento

6 Teorias das necessidades A Mais importante das explicações modernas sobre o conteúdo da motivação estabelece que as pessoas são motivadas essencialmente pelas necessidades humanas Quanto mais forte a necessidade, mais intensa é a motivação. Uma vez satisfeita a necessidade, extingue-se o motivo que movimenta o comportamento e a motivação cessa Certas necessidades são instantâneas, como a necessidade de procurar abrigo numa situação de insegurança, outra tem ciclo de satisfação mais longo e são atendidas de momento a momento

7 Etapas do Ciclo Motivacional (Resultado em Satisfação da Necessidade) Equilíbrio (Resultado em Frustração ou Compensação ) Equilíbrio Satisfação Estímulo ou Incentivo Barreira Estímulo ou Incentivo Comportamento ou Ação Necessidade Comportamento ou Ação Necessidade Tensão Tensão

8 Hierarquia das necessidades de Maslow ABRAHAM MASLOW ( )

9 Hierarquia das necessidades Humana Necessidades de auto realização Necessidades de Estima Sociais (Necessidades Secundárias ) Necessidades Sociais (Necessidades Secundárias ) Necessidades de Segurança (Necessidades Primárias ) Necessidades Fisiológicas (Necessidades Primárias )

10 Hierarquia das Necessidades Teoria Hierarquia das Necessidades Auto Realização Estima Sociais Segurança Fisiológicas 5. Necessidade de auto-realização- necessidade de utilizar o potencial de aptidões e habilidades, auto desenvolvimento e realização pessoal 4. Necessidade de estima- necessidade de auto-estima e estima por parte de outros 3. Necessidades sociais- necessidade de amizade, afeto, integração e aceitação do grupo e da sociedade 2.Necessidades de segurança necessidade de proteção contra ameaças, como as de perda do emprego e risco à integridade física e à sobrevivência. 1. Necessidades fisiológicas ou básicas necessidade de alimento, abrigo, repouso, exercício, sexo e outras necessidades orgânicas

11 Meios de Satisfação das necessidades Auto realização Estima Sociais Segurança Necessidades Fisiológicas Responsabilidade por resultados Orgulho e reconhecimento Promoções Trabalho criativo e desafiante Diversidade e autonomia Participação nas decisões Amizade dos colegas Interação com clientes Gerente amigável Intervalo de descanso Conforto físico Horário de trabalho razoável Condições seguras de trabalho Remuneração e benefícios Estabilidade no emprego

12 As necessidade básicas manifestam-se em primeiro lugar e as pessoas procuram satisfazê-las antes de se preocuparem com as de nível mais elevado Curso de Pós-Graduação em Uma necessidade de uma categoria qualquer precisa ser atendida antes que a necessidade de um categoria seguinte se manifeste Uma vez atendida, a necessidade perde sua força motivadora e a pessoa passa a ser motivada pela ordem seguinte das necessidades Quanto mais elevado o nível das necessidades mais, saudável a pessoa é

13 O comportamento irresponsável é sintoma de privação das necessidades sociais e de estima A auto realização não esta, necessariamente, no topo da hierarquia, não é uma necessidade em si nem a necessidade definitiva, aquela que só pode ser satisfeita uma vez que todas as demais tenham sido atendida A auto realização pode ocorrer em qualquer ponto da escala da motivação e com o atendimento de qualquer tipo de necessidade, dependendo do individuo

14 Teoria ERG CLAYTON ALDERFER (01/09/1940)

15 Teoria ERG Alderfer Clayton Alderfer é o autor de uma versão revista da teoria de Maslow, sua proposta tem o nome de teoria ERG. Alderfer difere de Maslow porque acredita que a satisfação das necessidades não é seqüencial, mas simultânea, Dois princípios foram a base da teoria de Alderfer Mais de uma necessidade pode funcionar ao mesmo tempo Se uma necessidade de ordem elevada permanece insatisfeita, aumenta o desejo de satisfazer um de ordem inferior

16 Teoria ERG Alderfer Esta teoria não revoga a de Maslow, mas acrescenta um aprimoramento à idéia das hierarquia das necessidades ao considerar estes dois princípios Representa uma extensão e refinamento da hierarquia das necessidades A teoria ERG descreve a necessidade de existência, relacionamento e crescimento Se as pessoas se tornam frustradas tentando satisfazer um grupo de necessidades, elas irão regressar ao grupo anteriormente satisfeitas

17 Hierarquia das Necessidades Teoria ERG Teoria ERG Alderfer Auto Realização Estima Sociais Segurança Fisiológicas Crescimento Crescimento Relacionamento Existência 3. Growth Crescimento : é a necessidade ou desejo intrínseco de crescimento pessoal e alto realização e estima 2. Relatedness- Relacionamento Compreende as necessidades de relações pessoais significativas 1. Existence Existência: compreende as necessidades básicas, fisiológicas e de segurança de Maslow

18 Teoria ERG Alderfer Satisfação-Progressão Frustração-Regressão Necessidades de Crescimento Necessidades de Relacionamento Necessidades de Existência

19 Teoria dos dois fatores Explica como o ambiente de trabalho e o próprio trabalho interagem para produzir motivação Para Herzberg a motivação resulta de fatores que podem ser divididos em : Motivacionais ou intrínseco Higiênicos ou extrínsecos FREDERICK HERZBERG ( )

20 Fatores Higiênicos ou Extrínsecos 1. Fatores relacionados com as condições de trabalho : Estilo de supervisão do chefe Salário Relações pessoais com os colegas Políticas de administração de pessoal Condições físicas e segurança de trabalho

21 Fatores Motivacionais ou Intrínsecos 2. Fatores relacionados ao próprio trabalho : Sentido de realização de algo importante Possibilidade de crescimento Reconhecimento pelo trabalho feito Orgulho e sentimento de prestígio decorrentes da profissão Exercícios de responsabilidade Conteúdo do trabalho em si

22 Papel dos Fatores Higiênicos ou Extrínsecos São fatores sobre os quais os trabalhadores não tem controle, são decididos pela empresa. Apenas esses fatores eram levados em consideração na busca da motivação dos empregados. São fatores preventivos, pois somente evitam a insatisfação, mas não provocam a satisfação Nível de insatisfação Nível de satisfação

23 Papel dos Fatores Motivacionais ou Intrínsecos Estão presentes no próprio trabalho Os fatores motivacionais partem de um nível de não satisfação para um nível de satisfação O que gera motivação é a satisfação e não insatisfação como é o caso dos fatores higiênicos. Nível de Não insatisfação Nível de satisfação

24 Satisfação e Insatisfação Herberg como resultado de pesquisas em organizações detectou que os entrevistados associavam: Insatisfação com o trabalho Satisfação com o trabalho Ambiente de trabalho Conteúdo de trabalho

25 Motivação Origina de fatores de trabalho = Reconhecimento, responsabilidade e do próprio cargo Dois Conceitos Herzberg Satisfação São UNIPOLARES, ou seja tem pouco efeito na insatisfação do trabalho, quando qualquer um deles não ocorre. Em contrapartida, um estado de insatisfação pode ser gerado pela presença de fatores como supervisão, relações interpessoais, salário Segundo Herzberg a SATISFAÇÃO aumenta a MOTIVAÇÃO, porém a insatisfação não a diminui

26 Política da empresa e Administração Supervisão Relações Interpessoais Condições de Trabalho Salário Status Segurança Fatores Higiênicos evitam Insatisfação no trabalho Teoria de Herzberg Fatores Motivacionais aumentam Satisfação no trabalho Realização Alcançar Reconhecimento O Trabalho em si Responsabilidade Crescimento Salário?

27 Teoria de Herzberg Sentimento de Realização Adquirir reconhecimento Interesse no trabalho Oportunidade de crescimento Importância da responsabilidade do trabalhador Relacionamento com grupo Pagamento Supervisão Política e regras da Empresas Status Segurança no trabalho Condições de Trabalho Motivadores Presença desses fatores tem um efeito positivo sobre os empregados Higiênicos Ausência desses fatores pode ter um efeito negativo sobre os empregados

28 Modelo de Hierarquia de Necessidade de Maslow auto realização Modelo de fatores de Higiene- Motivação de Herzberg O trabalho em si, Responsabilidade, Progresso, crescimento Higiênicos Motivacionais Necessidades de estima Necessidades Sociais Necessidades de Segurança Necessidades Fisiológicas Realização, Reconhecimento, Status Relações inter-pessoais, Supervisão, Colegas e subordinados Supervisão técnica, Políticas administrativas e Empresariais Condições físicas de trabalho, Salário, Vida Pessoal

29 Teoria de McClelland David MacClelland ( )

30 Teoria de McClelland Esta teoria se concentra nas necessidades que as pessoas adquirem por meio de suas experiências de vida, enfatiza 3 das varias necessidades que os seres humanos desenvolvem durante a sua vida 1. Necessidade de realização- O desejo de fazer algo melhor ou de modo mais eficiente do que já foi feito antes 2. Necessidade de Poder O desejo de controlar, influenciar os outros ou ser responsável por eles 3. Necessidade de Afiliação O desejo de manter relacionamentos pessoais íntimo e amigáveis

31 Necessidades de Realização McClelland afiram que em alguns executivos a necessidade de realização é tão forte que é mais motivadora que a busca de lucros Para maximizar sua satisfação, os indivíduos com altas necessidades de realização estabelecem metas pra si mesmo que são desafiadoras, mas atingíveis Embora essas pessoas desejam assumir um risco, elas avaliam-no com muito cuidado porque não querem fracassar. Portanto, evitarão tarefas que envolva riscos demais. As pessoas com baixa necessidade de realização, por outro lado, em geral evitam desafios, responsabilidades e riscos

32 Necessidade de Poder As pessoas com alta necessidade de poder são muito motivadas para influenciar outros e para assumir responsabilidade pelo comportamento dos subordinado. Elas provavelmente buscam o progresso assumindo atividades no trabalho com responsabilidade cada vez maiores Os gerentes orientados para o poder sentemse à vontade em situações competitivas e gostam de seu papel de tomada e decisão

33 Necessidade de Afiliação Os gerentes com alta necessidade de afiliação tem um estilo gerencial colaborador, centrado em equipes. Eles preferem influenciar os subordinados a completar tarefas por meio de esforços em equipe O perigo é que os gerentes com alta necessidade de afiliação podem perder sua eficácia se sua necessidade de aprovação social de amizade interferir em sua disposição para tomar decisões gerenciais

34 Hierarquia das Necessidades (Maslow) Teoria ERG (Alderfer) Teorias Motivacionais de Conteúdo Teoria dos dois fatores (Herzberg) Necessidades Adquiridas (McClelland) Auto Realização Crescimento Necessidade de Realização Estima Crescimento Motivadores Necessidade de Poder Sociais Relacionament o Necessidade de Afiliação Segurança Existência Higiênicos Fisiológicas

35 Teoria X e Y Douglas McGregor ( )

36 Teoria X e Y McGregor Teoria X (Autocrática) Não gosta de trabalhar Evita responsabilidade Pouca ambição Controlado/Dirigido/Ameaçado Motivado pelo medo e dinheiro Teoria Y(Democrática) Gosta de trabalhar Trabalha naturalmente em busca de resultados Procura responsabilidade Imaginativo, Criativo, Esperto Motivado por Empowerment

37 Pressuposições da Teoria X Pressuposições da Teoria Y As pessoas são preguiçosas e indolentes As pessoas evitam o trabalho As pessoas evitam a responsabilidade, a fim de se sentirem mais seguras As pessoas precisam ser controladas e dirigidas As pessoas são ingênuas e sem iniciativa As pessoas são esforçadas e gostam de ter o que fazer O trabalho é uma atividade tão natural como brincar ou descansar As pessoas procuram e aceitam responsabilidade e desafios As pessoas podem ser auto motivadas e auto dirigidas As pessoas são criativas e competentes

38 Comparação dos modelos de Maslow, Herzberg e MacGregor Higiênicos Motivacionais auto realização Teoria Y Necessidades de estima Necessidades Sociais Necessidades de Segurança Necessidades Fisiológicas Teoria Y Teoria X Teoria X Teoria X

39 Teoria Z William Ouchi (1943 atual )

40 Teoria Z de Ouchi Americano Emprego de curto tempo Processo de decisão Individual Rápida promoção Controle explícito Tipo Z Tipo A Ouchi Tipo J Americano Japonês Ouchi Emprego de longo tempo Processo de decisão coletivo mais com responsabilidade individual Japonês Emprego vitalício Processo de decisão Coletivo Promoção lenta Controle implícito

41 Bibliografia BOWDITCH, J.L. Anthony F. Buono. Elementos de Comportamento Organizacional. São Paulo, Pioneira, DANIEL, Paulo; Excelência em. Rio de Janeiro: Qualitymark, KANAANE, R. et al (organizador e coautor). : Planejamento, Processo, Sistema de Informação e Pessoas. São Paulo: Atlas FIHO, Emilio Herrero. BSC e a gestão estratégica uma abordagem prática. RJ: Elsever, HAMPTON,David R.. Administração: Comportamento Organizacional. São Paulo, MacGraw-Hill, KANAANE, Roberto; Comportamento Humano nas Organizações: o homem rumo ao século XXI. 2ª edição. São Paulo: atlas, DUTRA, Joel Souza. Gestão de Pessoas: modelos, processos, tendências e perspectivas. São Paulo: Atlas, Critérios de Excelência FNQ Cuche, Denys A noção de cultura nas ciências sociais Editora da Universidade do Sagrado Coração 1999 Revista Mosaico Revista de Ciências Sociais Centro de Estudos Gerais -UFES v. 1, n

O que uma empresa necessita para manter seus funcionários motivados?

O que uma empresa necessita para manter seus funcionários motivados? O que uma empresa necessita para manter seus funcionários motivados? A empresa deve ser pensada como organização social, humana. Além das relações decorrentes das tarefas, ocorrem outros relacionamentos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL MOTIVAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO GERAL MOTIVAÇÃO ADMINISTRAÇÃO GERAL MOTIVAÇÃO Atualizado em 11/01/2016 MOTIVAÇÃO Estar motivado é visto como uma condição necessária para que um trabalhador entregue um desempenho superior. Naturalmente, como a motivação

Leia mais

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO MÓDULO 17 - Teorias Contingenciais de Liderança Para STONER e FREEMAN (1985; 350) a abordagem contingencial é a visão de que a técnica de administração que melhor

Leia mais

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Motivação para o Desempenho Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Heitor Duarte asbornyduarte@hotmail.com Márcio Almeida marciobalmeid@yahoo.com.br Paulo F Mascarenhas

Leia mais

11. Abordagem Comportamental

11. Abordagem Comportamental 11. Abordagem Comportamental Conteúdo 1. Behaviorismo 2. Novas Proposições sobre a Motivação Humana 3. Teoria da Hierarquia das de Maslow 4. Teoria dos dois fatores 5. Teoria X & Y de McGregor 6. Outros

Leia mais

AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG

AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG 1. Introdução 2. Maslow e a Hierarquia das necessidades 3. Teoria dos dois Fatores de Herzberg 1. Introdução Sabemos que considerar as atitudes e valores dos

Leia mais

ORIENTADOR(ES): JANAÍNA CARLA LOPES, JOÃO ANGELO SEGANTIN, KEINA POLIANA PIVARRO DALMOLIN PAGLIARIN

ORIENTADOR(ES): JANAÍNA CARLA LOPES, JOÃO ANGELO SEGANTIN, KEINA POLIANA PIVARRO DALMOLIN PAGLIARIN Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MOTIVAÇÃO HUMANA - UM ESTUDO NA EMPRESA MAHRRY CONFECÇÕES CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres

Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Professora Ani Torres Visão estratégica Visão estratégica está relacionada com alcançar os objetivos empresariais. Considera: Tipos psicológicos, Motivação:

Leia mais

Capítulo 16 - Motivação

Capítulo 16 - Motivação Capítulo 16 - Motivação Objetivos de aprendizagem Após estudar este capítulo, você deverá estar capacitado para: Definir o processo motivacional. Descrever a hierarquia das necessidades humanas. Diferenciar

Leia mais

MOTIVAÇÃO INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO AULA 14 OBJETIVOS:

MOTIVAÇÃO INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO AULA 14 OBJETIVOS: INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO AULA 14 MOTIVAÇÃO Motivação OBJETIVOS: Explicar o significado da palavra motivação e do processo da motivação. Descrever as principais teorias da motivação. Explicar como os

Leia mais

Introdução à Teoria Geral da Administração. Aula 5 Motivação e Liderança

Introdução à Teoria Geral da Administração. Aula 5 Motivação e Liderança Introdução à Teoria Geral da Administração Aula 5 Motivação e Liderança Taylor e Hawthorne Há relação entre o taylorismo e a experiência de Hawthorne? Há relação entre Taylor e a motivação? Homo Oeconomicus

Leia mais

Psicologia Organizacional MOTIVAÇÃO HUMANA

Psicologia Organizacional MOTIVAÇÃO HUMANA Psicologia Organizacional MOTIVAÇÃO HUMANA Profa. Márcia R.Banov Teorias Motivacionais Teoria das Necessidades, A. Maslow Teoria dos dois Fatores, F. Herzberg Teoria da Eqüidade, J.S.Adams Teoria do Reforço,

Leia mais

Gestão de Pessoas e de Competências MOTIVAÇÃO.

Gestão de Pessoas e de Competências MOTIVAÇÃO. MOTIVAÇÃO. O FUNCIONAMENTO DAS ORGANIZAÇÕES E DE ATIVIDADES DE FORMA GERAL TEM COMO BASE O COMPROMISSO, A DEDICAÇÃO E O ESFORÇO DE SEUS INTEGRANTES. 1 MOTIVAÇÃO. PRIMEIRAS ABORDAGENS: Marcadas pela busca

Leia mais

TEORIA COMPORTAMENTAL. Surgiu no final da década de 40 e fundamenta-se no comportamento humano nas organizações.

TEORIA COMPORTAMENTAL. Surgiu no final da década de 40 e fundamenta-se no comportamento humano nas organizações. TEORIA COMPORTAMENTAL Surgiu no final da década de 40 e fundamenta-se no comportamento humano nas organizações. Teoria Comportamental Um dos temas fundamentais é a Motivação Humana, pois para explicar

Leia mais

MOTIVAÇÃO DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS: ESTUDO DOS FATORES ORGANIZACIONAIS

MOTIVAÇÃO DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS: ESTUDO DOS FATORES ORGANIZACIONAIS 1 MOTIVAÇÃO DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS: ESTUDO DOS FATORES ORGANIZACIONAIS Letícia Carvalho Vianna Graduanda em Administração Faculdade Casa do Estudante RESUMO Essa pesquisa teve como objetivo

Leia mais

A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS?

A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS? A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS? Ana Carolina Gimenes Figueiredo Graduanda em Administração - Universidade

Leia mais

O PAPEL DO RH NAS ORGANIZAÇÕES VISANDO A MOTIVAÇÃO DOS COLABORADORES. Palavras-chave: Recursos Humanos Motivação Colaboradores - Organizações.

O PAPEL DO RH NAS ORGANIZAÇÕES VISANDO A MOTIVAÇÃO DOS COLABORADORES. Palavras-chave: Recursos Humanos Motivação Colaboradores - Organizações. O PAPEL DO RH NAS ORGANIZAÇÕES VISANDO A MOTIVAÇÃO DOS COLABORADORES Marcio Luis Campelo Maranhão RESUMO O presente artigo apresenta os grandes desafios que os profissionais de recursos humanos têm encontrado

Leia mais

Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador. 1. Leia as afirmativas a seguir.

Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador. 1. Leia as afirmativas a seguir. Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador 1. Leia as afirmativas a seguir. I. O comportamento organizacional refere-se ao estudo de indivíduos e grupos

Leia mais

AULA I MOTIVAÇÃO E DESEMPENHO

AULA I MOTIVAÇÃO E DESEMPENHO Motivação: movere (ação, movimento) Motivação (do Latim movere, mover) designa em psicologia, em etologia e em outras ciências humanas a condição do organismo que influencia a direção (orientação para

Leia mais

MOTIVAÇÃO NO TRABALHO: FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

MOTIVAÇÃO NO TRABALHO: FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA MOTIVAÇÃO NO TRABALHO: FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA CONCEITO DE MOTIVAÇÃO Pode-se definir motivação como a disposição de um indivíduo para fazer alguma coisa que ao mesmo tempo seria condicionada pela capacidade

Leia mais

Motivação. O que é motivação?

Motivação. O que é motivação? Motivação A motivação representa um fator de sobrevivência para as organizações, pois hoje é um dos meios mais eficazes para atingir objetivos e metas. Além de as pessoas possuírem conhecimento, habilidades

Leia mais

ADM. GERAL E PÚBLICA Módulo Único

ADM. GERAL E PÚBLICA Módulo Único Rua Maria Tomásia, 22 Aldeota Fortaleza/CE Fone: (85) 3208.2222 www.masterconcurso.com.br 2 CONCURSO: TJ-Ce ASSUNTO: EXERCÍCIOS 01. O líder autocrático, na divisão de tarefas, determina quem vai executar

Leia mais

Organização da Aula. Motivação e Satisfação no Trabalho. Aula 1. Como adquirir motivação? Contextualização. Elementos Fundamentais. Instrumentalização

Organização da Aula. Motivação e Satisfação no Trabalho. Aula 1. Como adquirir motivação? Contextualização. Elementos Fundamentais. Instrumentalização Motivação e Satisfação no Trabalho Aula 1 Profa. Adriana Straube Organização da Aula Equívocos sobre Motivação e Recompensas Teorias da Motivação Técnicas de Motivação Papel da Gerência Como adquirir motivação?

Leia mais

TÉCNICAS DE MOTIVAÇÃO APLICADAS A EMPRESAS

TÉCNICAS DE MOTIVAÇÃO APLICADAS A EMPRESAS TÉCNICAS DE MOTIVAÇÃO APLICADAS A EMPRESAS Rogéria Lopes Gularte 1 Resumo: No presente trabalho procuramos primeiramente definir o que é motivação, e como devemos nos comportar com as diferentes necessidades,

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE A MOTIVAÇÃO EM AMBIENTES EMPRESARIAIS

UMA ABORDAGEM SOBRE A MOTIVAÇÃO EM AMBIENTES EMPRESARIAIS UMA ABORDAGEM SOBRE A MOTIVAÇÃO EM AMBIENTES EMPRESARIAIS Márcia Esperidião 1, Renato Nogueira Perez Avila 2 Ana Paula Bukhardt Ferreira 3, Michelle Mariana Augusto 4 RESUMO Este artigo tem o objetivo

Leia mais

MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL

MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL Daniele Cristine Viana da Silva 1 Maria José Vencerlau 2 Regiane da Silva Rodrigues 3 André Rodrigues da Silva 4 Fábio Fernandes 5 RESUMO O Artigo Científico tem

Leia mais

TEORIAS DE CONTÉUDO DA MOTIVAÇÃO:

TEORIAS DE CONTÉUDO DA MOTIVAÇÃO: Fichamento / /2011 MOTIVAÇÃO Carga horária 2 HORAS CONCEITO: É o desejo de exercer um alto nível de esforço direcionado a objetivos organizacionais, condicionados pela habilidade do esforço em satisfazer

Leia mais

Exce!!ence Gestão Empresarial. Todos os direitos reservados. 1. Exce!!ence Gestão Empresarial Todos os direitos reservados.

Exce!!ence Gestão Empresarial. Todos os direitos reservados. 1. Exce!!ence Gestão Empresarial Todos os direitos reservados. Exce!!ence Gestão Empresarial. Todos os direitos reservados. 1 Provocativo Ser um expert em modelos, frameworks, ferramentas e técnicas de gerenciamento de projetos é suficiente para garantir o sucesso

Leia mais

5.2.2. TEORIAS MOTIVACIONAIS

5.2.2. TEORIAS MOTIVACIONAIS Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Campus de Poços de Caldas 5.2.2. TEORIAS MOTIVACIONAIS 2º Per. Administração: 5.3. Alessandra Valim Ribeiro Cristiane Moreira de Oliveira Denise Helena

Leia mais

APLICAÇÃO DO BANCO DE DADOS NOS PROCESSOS MOTIVACIONAIS

APLICAÇÃO DO BANCO DE DADOS NOS PROCESSOS MOTIVACIONAIS 11 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE MBA EM GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS. MICHELE CARGNIN PACHECO APLICAÇÃO DO BANCO DE DADOS NOS PROCESSOS MOTIVACIONAIS CRICIÚMA, AGOSTO 2005.

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO INTERPESSOAL

O DESENVOLVIMENTO INTERPESSOAL O DESENVOLVIMENTO INTERPESSOAL A Motivação : a força geradora do comportamento Quando nos interrogamos sobre a razão pela qual o indivíduo age de determinada maneira, estamonos a interrogar pelos motivos,

Leia mais

o PAPEL DO RH NAS ORGANIZAÇÕES VISANDO A MOTIVAÇÃO DOS COLABORADORES

o PAPEL DO RH NAS ORGANIZAÇÕES VISANDO A MOTIVAÇÃO DOS COLABORADORES o PAPEL DO RH NAS ORGANIZAÇÕES VISANDO A MOTIVAÇÃO DOS COLABORADORES Monica da Silva Antonio' RESUMO o presente artigo apresenta os grandes desafios que os profissionais de recursos humanos têm encontrado

Leia mais

Teorias Contemporâneas

Teorias Contemporâneas Teorias Contemporâneas 1-Teoria ERG 2-Teoria das Necessidades, de McClelland 3-Teoria da Avaliação Cognitiva 4-Teoria da Fixação dos Objetivos 5-Teoria do Reforço 6-Teoria da Equidade 7-Teoria da Expectativa

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NAS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NAS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NAS EMPRESAS ALCIDES DE SOUZA JUNIOR, JÉSSICA AMARAL DOS SANTOS, LUIS EDUARDO SILVA OLIVEIRA, PRISCILA SPERIGONE DA SILVA, TAÍS SANTOS DOS ANJOS ACADÊMICOS DO PRIMEIRO ANO DE

Leia mais

Motivação para o trabalho no contexto dos processos empresariais

Motivação para o trabalho no contexto dos processos empresariais Motivação para o trabalho no contexto dos processos empresariais Carlos Alberto Pereira Soares (UFF) carlos.uff@globo.com Wainer da Silveira e Silva, (UFF) wainer.uff@yahoo.com.br Christine Kowal Chinelli

Leia mais

ANÁLISE DA MOTIVAÇÃO DOS COLABORADORES DA FIBRARTE INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE MÁRMORE SINTÉTICO

ANÁLISE DA MOTIVAÇÃO DOS COLABORADORES DA FIBRARTE INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE MÁRMORE SINTÉTICO i UNIÃO EDUCACIONAL DO PLANALTO CENTRAL FACULDADES INTEGRADAS DA UNIÃO EDUCACIONAL DO PLANALTO CENTRAL Curso de Administração com Habilitação em Administração de Empresas Reconhecido pela Portaria Ministerial

Leia mais

Gestão de Talentos. Reflexões e oportunidades

Gestão de Talentos. Reflexões e oportunidades Gestão de Talentos Reflexões e oportunidades Gestão de Pessoas : Abordagem Integrada Processos e Tecnologia Alinhamento Pessoas Estratégias Objetivo Gestão de Pessoas Alavancar os resultados da Empresa.

Leia mais

17/5/2009. Esta área de conhecimento tem o objetivo de utilizar de forma mais efetiva as pessoas envolvidas no projeto (equipe e stakeholders)

17/5/2009. Esta área de conhecimento tem o objetivo de utilizar de forma mais efetiva as pessoas envolvidas no projeto (equipe e stakeholders) Gerenciamento de Recursos Humanos do Projeto FAE S. J. dos Pinhais Projeto e Desenvolvimento de Software Gerenciamento de Recursos Humanos Esta área de conhecimento tem o objetivo de utilizar de forma

Leia mais

CAUSAS DE DESMOTIVAÇÃO NO TRABALHO EM UMA EMPRESA PÚBLICA FEDERAL

CAUSAS DE DESMOTIVAÇÃO NO TRABALHO EM UMA EMPRESA PÚBLICA FEDERAL Universidade de Brasília - UnB FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO E DOCUMENTAÇÃO FACE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PPGA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM

Leia mais

FACULDADE DE EDUCACAO DE COSTA RICA

FACULDADE DE EDUCACAO DE COSTA RICA FACULDADE DE EDUCACAO DE COSTA RICA DISCIPLINA: MOTIVACAO E ETICA LIDERAR PESSOAS ATRAVÉS DA MOTIVAÇÃO Por que as pessoas se comportam de certos modos? Liderar - é o processo de dirigir e influenciar as

Leia mais

DIREÇÃO ADMINISTRATIVA

DIREÇÃO ADMINISTRATIVA Prof. Jairo Molina Gestão em Petróleo e Gás 2 DIREÇÃO ADMINISTRATIVA Para que a Empresa funcione adequadamente ela precisa ser dirigida. Em outros termos, ela precisa ser governada e orientada para os

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM. As Teorias de administração e os serviços de enfermagem

ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM. As Teorias de administração e os serviços de enfermagem ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM As Teorias de administração e os serviços de enfermagem Teorias da administração no processo da enfermagem Administrar: é um processo de planejamento, organização, liderança

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO I. 1 Elaborar cuidadosamente o planejamento da organização e assegurar que o mesmo seja executado.

ADMINISTRAÇÃO I. 1 Elaborar cuidadosamente o planejamento da organização e assegurar que o mesmo seja executado. 3 PAPEL DOS GERENTES Os gerentes são os protagonistas do processo administrativo. Eles são responsáveis por coordenar o trabalho dos outros funcionários da empresa. Não existe apenas um modelo administrativo,

Leia mais

COLABORADORES MOTIVADOS: UM ESTUDO SOBRE A MOTIVAÇÃO EMPRESARIAL NAS CONCESSIONÁRIAS DE MOTOS EM CÁCERES-MT.

COLABORADORES MOTIVADOS: UM ESTUDO SOBRE A MOTIVAÇÃO EMPRESARIAL NAS CONCESSIONÁRIAS DE MOTOS EM CÁCERES-MT. 1 COLABORADORES MOTIVADOS: UM ESTUDO SOBRE A MOTIVAÇÃO EMPRESARIAL NAS CONCESSIONÁRIAS DE MOTOS EM CÁCERES-MT. OLIVEIRA, E.P.F 1 NASCIMENTO, F. SANTOS, M. F. L. RESUMO:Este artigo teve como objetivo expor

Leia mais

Prof. Amilton Küster Administração Geral Aula 2

Prof. Amilton Küster Administração Geral Aula 2 4. Gestão de pessoas 4.1 Liderança em Administração Liderança em administração compreende os processos interpessoais, pelos quais diretores e gerentes buscam influenciar pessoas para que elas realizem

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

MOTIVAÇÃO PARA VENDAS

MOTIVAÇÃO PARA VENDAS MOTIVAÇÃO PARA VENDAS Nicolas de Oliveira Day 1 Fernando E. Cardoso 2 Rosângela Apel 3 Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Gestão Comercial (GCO0052) Prática do Módulo V 09/12/2013 RESUMO

Leia mais

Desmotivação no Trabalho

Desmotivação no Trabalho Desmotivação no Trabalho Carolline de MORAIS¹ RGM 89552 Karen C. P. S. PENHAVEL¹ RGM 88579 Renata SORIO¹ RGM 88861 Romerianne BATISTA¹ RGM 088671 Orientadora² : Viviane Regina de Oliveira Silva Resumo

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO Atualizado em 30/12/2015 GESTÃO DE DESEMPENHO A gestão do desempenho constitui um sistemático de ações que buscam definir o conjunto de resultados a serem alcançados

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA SKYLACK

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA SKYLACK QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA SKYLACK Jéssica Fernanda Torres 1 Larissa Custódio Grosseli 2 Solange Suffi Barbosa 3 Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO A qualidade de vida no

Leia mais

A MOTIVAÇÃO NAS MÉDIAS EMPRESAS COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

A MOTIVAÇÃO NAS MÉDIAS EMPRESAS COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO A MOTIVAÇÃO NAS MÉDIAS EMPRESAS COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Elisângela de Aguiar Alcalde 1 Maria Luzia Lomba de Sousa 3 Fernando Pinto dos Santos 2 Kelly Dias da Silva 2 Mariza Teodoro da Silva 2 RESUMO

Leia mais

MOTIVAÇÃO: ESTUDO DE CASO NA SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO DO MUNICÍPIO DE BAGÉ RS

MOTIVAÇÃO: ESTUDO DE CASO NA SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO DO MUNICÍPIO DE BAGÉ RS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO Simone Schievelbein MOTIVAÇÃO: ESTUDO DE CASO NA SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO DO MUNICÍPIO DE BAGÉ RS

Leia mais

6º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS

6º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS 6º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS TÍTULO DO TRABALHO: Análise da Motivação na Participação dos Lucros e Resultados-PLR em Empresas Petrolíferas AUTORES: Adriano David

Leia mais

TEORIA DOS DOIS FATORES: UM ESTUDO SOBRE A MOTIVAÇÃO NO TRABALHO DAS DEMONSTRADORAS INSERIDAS NAS PERFUMARIAS DA CAPITAL DE SÃO PAULO

TEORIA DOS DOIS FATORES: UM ESTUDO SOBRE A MOTIVAÇÃO NO TRABALHO DAS DEMONSTRADORAS INSERIDAS NAS PERFUMARIAS DA CAPITAL DE SÃO PAULO XXVIENANGRAD TEORIA DOS DOIS FATORES: UM ESTUDO SOBRE A MOTIVAÇÃO NO TRABALHO DAS DEMONSTRADORAS INSERIDAS NAS PERFUMARIAS DA CAPITAL DE SÃO PAULO PAULO ROBERTO VIDIGAL ANDRE LUIZ RAMOS RODRIGO CONCEIÇÃO

Leia mais

Como obter uma liderança eficaz

Como obter uma liderança eficaz Como obter uma liderança eficaz Camila CORTEZ 1 Dayane SILVA 2 Emanuel CALVO 3 RESUMO: Este artigo analisa como obter uma liderança eficaz, descrevendo primeiramente o que é liderança, suas características,

Leia mais

MOTIVAÇÃO DOS OPERADORES DAS CENTRAIS DE RELACIONAMENTO COM CLIENTE: UM ESTUDO DE CASOS MÚLTIPLOS NO SETOR DE CALL CENTER

MOTIVAÇÃO DOS OPERADORES DAS CENTRAIS DE RELACIONAMENTO COM CLIENTE: UM ESTUDO DE CASOS MÚLTIPLOS NO SETOR DE CALL CENTER MOTIVAÇÃO DOS OPERADORES DAS CENTRAIS DE RELACIONAMENTO COM CLIENTE: UM ESTUDO DE CASOS MÚLTIPLOS NO SETOR DE CALL CENTER Fabiele Cândido de Almeida (G-PUC/SP) Crisomar Lobo de Souza (FEA-PUC/SP) RESUMO

Leia mais

A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS

A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS GOMES, Elaine Dias. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. E-mail: elaineapoderosa@hotmail.com

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO COMO FATOR DE MOTIVAÇÃO NO AMBIENTE CORPORATIVO Jéssica da Silva¹ Paola Faustino da Silva Cavalheiro¹ Rosane Hepp Ma²

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO COMO FATOR DE MOTIVAÇÃO NO AMBIENTE CORPORATIVO Jéssica da Silva¹ Paola Faustino da Silva Cavalheiro¹ Rosane Hepp Ma² QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO COMO FATOR DE MOTIVAÇÃO NO AMBIENTE CORPORATIVO Jéssica da Silva¹ Paola Faustino da Silva Cavalheiro¹ Rosane Hepp Ma² RESUMO A busca constante da produtividade, do foco e

Leia mais

RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF.

RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF. RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF. Danilo Domingos Gonzales Simão 1 Fábio Augusto Martins Pereira 2 Gisele Maciel de Lima 3 Jaqueline

Leia mais

A ATUAÇÃO DE LÍDERES NA MOTIVAÇÃO DE COLABORADORES, MANTENDO A UNIÃO DA EQUIPE

A ATUAÇÃO DE LÍDERES NA MOTIVAÇÃO DE COLABORADORES, MANTENDO A UNIÃO DA EQUIPE A ATUAÇÃO DE LÍDERES NA MOTIVAÇÃO DE COLABORADORES, MANTENDO A UNIÃO DA EQUIPE Augusto César de Aguiar CUÉLLAR 1 Victor Dutra MARTINS 2 Roberta Gomes CAVALCANTE 3 RESUMO: As empresas atualmente têm sofrido

Leia mais

Noções de Liderança e Motivação

Noções de Liderança e Motivação Liderança A questão da liderança pode ser abordada de inúmeras formas: Liderança e Poder (recursos do poder) Liderança e Dominação (teorias da dominação legítima de Max Weber) Líder pela tradição Líder

Leia mais

MOTIVAÇÃO: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA SUÉCIA VEÍCULOS S/A THAISA FERNANDES DE CARVALHO MOTA RA N 2032512-2 PROFESSOR: MARCELO GAGLIARDI

MOTIVAÇÃO: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA SUÉCIA VEÍCULOS S/A THAISA FERNANDES DE CARVALHO MOTA RA N 2032512-2 PROFESSOR: MARCELO GAGLIARDI FACULDADES DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FASA CURSO: ADMINISTRAÇÃO ÁREA: ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS MOTIVAÇÃO: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA SUÉCIA VEÍCULOS S/A THAISA FERNANDES DE CARVALHO MOTA

Leia mais

MOTIVAÇÃO NO SERVIÇO PÚBLICO EDUCACIONAL DE RONDONÓPOLIS.

MOTIVAÇÃO NO SERVIÇO PÚBLICO EDUCACIONAL DE RONDONÓPOLIS. MOTIVAÇÃO NO SERVIÇO PÚBLICO EDUCACIONAL DE RONDONÓPOLIS. 1 SILVA, Benair Alves da 2 DA ROSA, Wanderlan Barreto RESUMO O artigo tem a intenção de saber se os servidores públicos educacionais de Rondonópolis

Leia mais

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir.

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir. 1. A administração de recursos humanos, historicamente conhecida como administração de pessoal, lida com sistemas formais para administrar pessoas dentro da organização. A administração de recursos humanos

Leia mais

Olhar ver entender aprender agir

Olhar ver entender aprender agir Empreendedorismo "Olhar é uma coisa, ver o que se olha é outra, entender o que se vê é uma outra, aprender o que você entende é uma coisa a mais, mas agir sobre o que você aprende, é tudo que realmente

Leia mais

A Ciência e a Arte de Ser Dirigente. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua

A Ciência e a Arte de Ser Dirigente. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua A Ciência e a Arte de Ser Dirigente Autor: Ader Fernando Alves de Pádua 1 INTRODUÇÃO Este tema traz a tona uma grande questão que vamos tentar responder nestas poucas paginas, ser um dirigente requer grande

Leia mais

PROCESSOS MOTIVACIONAIS

PROCESSOS MOTIVACIONAIS PROCESSOS MOTIVACIONAIS 1. O que é motivação? 2. motivação, frustração e mecanismos de defesa. 3. As forças energéticas. 4. Motivação e função psíquica. 5. O significado do trabalho como fator motivacional.

Leia mais

FINOM- FACULDADE DO NOROESTE DE MINAS WOLTER FRANCISCO NEVES LIBERATO DE MATOS JUNIOR

FINOM- FACULDADE DO NOROESTE DE MINAS WOLTER FRANCISCO NEVES LIBERATO DE MATOS JUNIOR FINOM- FACULDADE DO NOROESTE DE MINAS WOLTER FRANCISCO NEVES LIBERATO DE MATOS JUNIOR QUALIDADE DO ATENDIMENTO NO SISTEMA BANCÁRIO BRASILEIRO Wolter Francisco Neves Liberato de Matos Júnior ESPERA FELIZ

Leia mais

OS DIFERENTES TIPOS DE LIDERANÇA E SUA INFLUÊNCIA NO CLIMA ORGANIZACIONAL

OS DIFERENTES TIPOS DE LIDERANÇA E SUA INFLUÊNCIA NO CLIMA ORGANIZACIONAL 1 OS DIFERENTES TIPOS DE LIDERANÇA E SUA INFLUÊNCIA NO CLIMA ORGANIZACIONAL Denise Buzatto Garcia é servidora pública Municipal no Estado do Espírito Santo. Especialista em Gestão de Pessoas. RESUMO O

Leia mais

5 Conclusão. FIGURA 3 Dimensões relativas aos aspectos que inibem ou facilitam a manifestação do intraempreendedorismo. Fonte: Elaborada pelo autor.

5 Conclusão. FIGURA 3 Dimensões relativas aos aspectos que inibem ou facilitam a manifestação do intraempreendedorismo. Fonte: Elaborada pelo autor. 5 Conclusão Este estudo teve como objetivo a análise dos diversos fatores que influenciam tanto de maneira positiva quanto negativa no exercício do papel dos gerentes e também dos elementos que facilitam

Leia mais

Um breve histórico sobre a psicologia organizacional e as possíveis atuações do psicólogo nesta área.

Um breve histórico sobre a psicologia organizacional e as possíveis atuações do psicólogo nesta área. Um breve histórico sobre a psicologia organizacional e as possíveis atuações do psicólogo nesta área. A história da psicologia organizacional é uma criação do século XX, com seu inicio no final do século

Leia mais

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto Processos de gerenciamento de projetos em um projeto O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de cumprir seus requisitos.

Leia mais

Desempenho. Processos. Processos. Gerente Apuração de dados. Avaliação. Avaliação. Avaliação. Planejamento. Implantação. Diagnóstico.

Desempenho. Processos. Processos. Gerente Apuração de dados. Avaliação. Avaliação. Avaliação. Planejamento. Implantação. Diagnóstico. NÍVEL DE ENSINO: Graduação CARGA HORÁRIA: 80h PROFESSOR-AUTOR: Maria Helena Duarte de Oliveira NAS ORGANIZAÇÕES DESENVOLVIMENTO HUMANO APRESENTAÇÃO Desempenho Sabe-se que uma organização não existe as

Leia mais

Revista Científica INTERMEIO Faculdade de Ensino e Cultura do Ceará FAECE / Faculdade de Fortaleza - FAFOR

Revista Científica INTERMEIO Faculdade de Ensino e Cultura do Ceará FAECE / Faculdade de Fortaleza - FAFOR Departamentalização e os Principais Tipos Antonia Angélica Muniz dos Santos 7 Daniele Santos Lima e Silva 7 Edna Almeida Guimarães 7 RESUMO Este artigo tem como objetivo mostrar a departamentalização e

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS

UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS Prof. Cassimiro Nogueira Junior PESSOAS CAPITAL HUMANO CAPITAL INTELECTUAL GRAU DE CONHECIMENTO: PRODUTIVOS E RECONHECIDOS

Leia mais

Liderança Ciclo Motivacional Clima Organizacional Cultura Organizacional

Liderança Ciclo Motivacional Clima Organizacional Cultura Organizacional Clima Organizacional Cultura Organizacional Disciplina: Gestão de Pessoas Página: 1 Aula: 09 O líder pode ser definido como uma pessoa capaz de unir outras através de esforços combinados para atingir determinado

Leia mais

SUBPREFEITURA SÃO MIGUEL PTA INTELIGÊNCIA EMOCIONAL E A GESTÃO PÚBLICA

SUBPREFEITURA SÃO MIGUEL PTA INTELIGÊNCIA EMOCIONAL E A GESTÃO PÚBLICA Roka 15 SUBPREFEITURA SÃO MIGUEL PTA INTELIGÊNCIA EMOCIONAL E A GESTÃO PÚBLICA Dr. Roberto Kanaane FATORES PSICOLÓGICOS DETERMINANTES DA SAÚDE MENTAL EMOÇÃO RACIOCÍNIO SAÚDE MENTAL DISCERNIMENTO JULGAMENTO

Leia mais

PARTE V ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS

PARTE V ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS PARTE V ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS Ganhar, nem sempre. Amadurecer, sempre. Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br www.justocantins.com.br Introdução É impossível imaginar uma empresa onde não

Leia mais

EMPREENDEDORISMO DANIELA FREIRE COUTINHO ROSANY SCARPATI RIGUETTI TECNOLÓGO EM GESTAO FINANCEIRA FACULDADE NOVO MILENIO

EMPREENDEDORISMO DANIELA FREIRE COUTINHO ROSANY SCARPATI RIGUETTI TECNOLÓGO EM GESTAO FINANCEIRA FACULDADE NOVO MILENIO EMPREENDEDORISMO DANIELA FREIRE COUTINHO ROSANY SCARPATI RIGUETTI TECNOLÓGO EM GESTAO FINANCEIRA FACULDADE NOVO MILENIO RESUMO: Este artigo contém citações de alguns dos mestres do empreendedorismo e também

Leia mais

T R I L H A Z LIDERANÇA COMPETÊNCIA RESULTADOS

T R I L H A Z LIDERANÇA COMPETÊNCIA RESULTADOS T R I L H A Z LIDERANÇA COMPETÊNCIA RESULTADOS Tópicos O que faz um gerente O que são resultados O que são pessoas Curvas de aprendizado do subordinado Aprender com a TRILHA Z www.uniconsultores.com.br

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

Processo seletivo 02/2013

Processo seletivo 02/2013 Processo seletivo 02/2013 O processo seletivo e recebimento dos currículos ocorrerá até o dia 12/05. O resultado sairá em 16/05. Os professores que forem selecionados para a autoria das disciplinas se

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Executando o Projeto III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Executando o Projeto III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Executando o Projeto III Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Realizar Aquisições Realizar a Garantia de Qualidade Distribuir Informações Gerenciar as

Leia mais

GRUPO TEMÁTICO: GESTÃO DE PESSOAS E COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL

GRUPO TEMÁTICO: GESTÃO DE PESSOAS E COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL GRUPO TEMÁTICO: GESTÃO DE PESSOAS E COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL MOTIVAÇÃO ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO DE CASO COM SERVIDORES DA PREFEITURA MUNICIPAL DE PASSA E FICA / RN Daniel Martins de Oliveira Graduado

Leia mais

Capítulo 6 Motivação

Capítulo 6 Motivação Capítulo 6 Motivação ADC/GE/2002/DEIUC 1 ADC/GE/2002/DEIUC 2 Filosofias sobre a natureza humana A Teoria do campo psicológico de Lewin A Teoria da dissonância cognitiva As TeoriasX e Y da McGregor A Teoria

Leia mais

ASSUNTO DA APOSTILA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET

ASSUNTO DA APOSTILA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET AULA 01 ASSUNTO DA APOSTILA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET JAMES A. O BRIEN CAPÍTULO 01 Páginas 03 à 25 1 A mistura de tecnologias da Internet e preocupações empresariais

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES MPU. Professor: Renato Lacerda QUESTÕES DO CESPE. Teorias Motivacionais

GESTÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES MPU. Professor: Renato Lacerda QUESTÕES DO CESPE. Teorias Motivacionais GESTÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES MPU Professor: Renato Lacerda QUESTÕES DO CESPE Teorias Motivacionais (Cespe / Detran 2009) Julgue os itens a seguir, acerca de motivação e satisfação no trabalho. 1)

Leia mais

ATUAÇÃO ACADÊMICA DE DIAGNÓSTICO EM EMPRESA DA REGIÃO, COM PROPOSTA DE INTERVENÇÃO

ATUAÇÃO ACADÊMICA DE DIAGNÓSTICO EM EMPRESA DA REGIÃO, COM PROPOSTA DE INTERVENÇÃO ATUAÇÃO ACADÊMICA DE DIAGNÓSTICO EM EMPRESA DA REGIÃO, COM PROPOSTA DE INTERVENÇÃO ACADEMIC PERFORMANCE OF DIAGNOSTIC COMPANY IN THE REGION, WITH THE INTERVENTION PROPOSAL Vania Maria Ferreira * Rosangela

Leia mais

MOTIVAÇÃO NO AMBIENTE DE TRABALHO: UM ESTUDO EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR 1

MOTIVAÇÃO NO AMBIENTE DE TRABALHO: UM ESTUDO EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR 1 MOTIVAÇÃO NO AMBIENTE DE TRABALHO: UM ESTUDO EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR 1 Vanessa Dias 2 Josete Passamani Stocco 3 Resumo Este trabalho consiste em analisar o grau de motivação dos encarregados

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DOS FATORES QUE INFLUENCIAM AS CONDIÇÕES DE SATISFAÇÃO E INSATISFAÇÃO NO AMBIENTE DE TRABALHO: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA RETEP PRESS, MOSSORÓ

Leia mais

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$!

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$! FOZDOIGUAÇU,2015 XXVIENANGRAD A TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO E A DINÂMICA ORGANIZACIONAL: FOCO NA EMPRESA ARENA CASTELÃO OPERADORA DE ESTÁDIO S/A Augusto Cézar de Aquino Cabral Iveltyma Roosemalen Passos

Leia mais

Motivação como Valorização do Capital Intelectual no Contexto da Sociedade do Conhecimento.

Motivação como Valorização do Capital Intelectual no Contexto da Sociedade do Conhecimento. Motivação como Valorização do Capital Intelectual no Contexto da Sociedade do Conhecimento. Samira Tertuliano Bicalho Nelo UVV Faculdade de Guaçuí guacui@uvv.br RESUMO O objetivo desse artigo constitui-se

Leia mais

Palavras-chave: 1. Motivação. 2. Servidor Público. 3. Recursos Humanos.

Palavras-chave: 1. Motivação. 2. Servidor Público. 3. Recursos Humanos. A MOTIVAÇÃO E SUA INFLUÊNCIA NO COMPORTAMENTO DO SERVIDOR PÚBLICO E OS REFLEXOS NO AMBIENTE DE TRABALHO 1 RESUMO Luciana Fernandes dos Reis Faculdade Cenecista de Capivari (FACECAP) Marco Antonio Armelin

Leia mais

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EM SEGURANÇA DO TRABALHO IMPORTÂNCIA INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO Quando do início de um empreendimento, de um negócio ou qualquer atividade; As expectativas e desejos de início são grandes:

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO NA MOTIVAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DO SERPRO

A INFLUÊNCIA DA QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO NA MOTIVAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DO SERPRO FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FATECS CURSO: ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: MONOGRAFIA ÁREA: RECURSOS HUMANOS A INFLUÊNCIA DA QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO NA MOTIVAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS

Leia mais

MOTIVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NO TRABALHO: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA TABACARIA E PRESENTES

MOTIVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NO TRABALHO: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA TABACARIA E PRESENTES FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS - FASA CURSO: ADMINISTRAÇÃO ÁREA: ADMINISTRAÇÃO DE RH MOTIVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NO TRABALHO: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA TABACARIA E PRESENTES JUCINARA FAGUNDES

Leia mais

ESTIMA SOCIAIS SEGURANÇA NECESSIDADES FISIOLÓGICAS. Motivação AUTO- REALIZAÇÃO. Por: Arthur Diniz

ESTIMA SOCIAIS SEGURANÇA NECESSIDADES FISIOLÓGICAS. Motivação AUTO- REALIZAÇÃO. Por: Arthur Diniz Motivação Por: Arthur Diniz Falar sobre motivação é sempre um grande desafio. Se formos nos basear na semântica, motivação é simplesmente aquilo que motiva pessoas para uma ação. Uma das questões mais

Leia mais

À medida que o ser humano aprende qualquer coisa, as ligações entre grupos de neurônios mudam a sua composição química.

À medida que o ser humano aprende qualquer coisa, as ligações entre grupos de neurônios mudam a sua composição química. 2 Índice 1 - Objetivo... 3 2 Arquivo Mental... 4 3 - Filtros Cerebrais... 9 4 - Paradigmas e Percepções... 13 5 - Alterações do Mapa Mental... 16 Resumo... 22 Saiba mais...... 24 3 1 - OBJETIVO Este texto

Leia mais

Motivação. Robert B. Dilts

Motivação. Robert B. Dilts Motivação Robert B. Dilts A motivação é geralmente definida como a "força, estímulo ou influência" que move uma pessoa ou organismo para agir ou reagir. De acordo com o dicionário Webster, motivação é

Leia mais