HISTÓRICO DA CITOMETRIA DE FLUXO NO BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HISTÓRICO DA CITOMETRIA DE FLUXO NO BRASIL"

Transcrição

1 HISTÓRICO DA CITOMETRIA DE FLUXO NO BRASIL 1ª reunião em 10/12/ Laboratório Fleury INÍCIO 2ª reunião em 18/03/ Laboratório Sergio Franco 3ª reunião em 05/08/ Fundação Maria Cecília Souto Vidigal 4ª reunião em 09/02/ Hemocentro de Botucatu HC Faculdade de Medicina UNESP 5ª reunião em 30 e 31/08/ Hospital Israelita Albert Einstein 6ª reunião em 19/06/ Hotel Casa Grande no Guarujá, I Congresso Ibero-Latino Americano de Citometria de Fluxo 7ª reunião em 24/03/2002 II Simpósio Internacional de Citometria de Fluxo- Hospital Israelita Albert Einstein 8ª reunião em 16 a 18/04/2009 III Simpósio Internacional de Citometria de Fluxo- Hospital Israelita Albert Einstein

2 HISTÓRICO DA CITOMETRIA DE FLUXO NO BRASIL HEMO ª reunião do GBCFLUX : 24/abril/ DASA 2ª reunião do GBCFLUX : 19/junho/ Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo - SP 3ª reunião do GBCFLUX : Laboratório Fleury

3 HC-UFPR CITOMETRIA DE FLUXO HISTÓRICO E PRINCÍPIOS CITOMETRIA DE FLUXO PARA CLÍNICOS PROGRAMA EDUCACIONAL HEMO 2010 Mariester Malvezzi Universidade Federal do Paraná

4 HISTÓRICO DA CITOMETRIA DE FLUXO Inicia com a Microscopia no século XVII - Loewenhoek Século XIX Corantes Erlich 1880-Fluoresceína 1934 Moldavan sugere um aparelho que conte células com um fotodetector que registra a passagem da célula. Anos Microscopia de fluorescência em lâmina # - corantes para ácidos nucleicos de células neoplásicas # - ligação de anticorpos a marcadores de fluorescência 1956 Coulter desenvolve um sistema que conta as células sanguíneas através de sinais elétricos, enquanto elas passam por um fluxo contínuo.

5 HISTÓRICO DA CITOMETRIA DE FLUXO 1965 Fulwyler Lab Nac de Los Alamos desenvolve um aparelho que separa eritrócitos, combinando a tecnologia Coulter com a tecnologia do jato de tinta usada em impressoras - vibração Kamenstsky e Melamed colocam a célula em um tubo capilar e a separam em fluxo Wolfgang Gohde Un. Munster+Partec Impulszytophotometrie 1969 Van Dilla utiliza em um mesmo aparelho a fluorescência + princípio de focalização hemodinâmica + iluminação a laser.

6 HISTÓRICO DA CITOMETRIA DE FLUXO 1972 Herzenberg usou Anticorpos ligados à fluoresceína, BD e cunhou o termo FACS Fluorescence Activated Cell Sorter 1975 Kohler e Milstein criam os primeiros anticorpos monoclonais, através da fusão de material genético de células B antígenoespecíficas com células de mieloma múltiplo. Após houve uma colaboração frenética entre cientistas e indústria citômetros para pesquisa facilidade no uso citômetros mais acessíveis para o laboratório clínico a partir de Conferência de Engenharia da Fundação Americana muda o nome de Impulszytophotometrie para Citometria de Fluxo

7 CITÔMETROS

8 CITÔMETROS EPICS 1977/78 FACSCan

9 HISTÓRICO DA CITOMETRIA DE FLUXO SHAPIRO, M.H. Practical Flow Cytometry, 3ed, New York, Wiley-Liss, Dr. Álvaro Luiz Bertho, PhD

10 ÁREAS DO CONHECIMENTO LIGADAS À CITOMETRIA DE FLUXO SISTEMA DE FLUXO COULTER LASER SEPARAÇÃO CELULAR ANTICORPO MONOCLONAL FLUOROCROMO CITOQUÍMICA PROGRAMAS ANÁLISE COMPUTAÇÃO

11 IMUNOFENOTIPAGEM COMPARAÇÃO ENTRE IMUNOFLUORESCÊNCIA POR MICROSCOPIA E CITOMETRIA DE FLUXO MICROSCOPIA CITOMETRIA * CÉLS/ EXAME * > 1 MILHÃO CÉLS/ EXAME * 5 MINUTOS / TESTE * 1 MINUTO / TESTE * SUBJETIVO * OBJETIVO * POSITIVO/NEGATIVO * MULTIPARAMÉTRICO * BAIXA REPRODUTIBILIDADE * ALTA REPRODUTIBILIDADE * TRABALHOSO * AUTOMATIZADO

12 O QUE É? Método de análise citológica através de instrumento equipado com laser, que permite a identificação, a caracterização, a contagem e a separação física de células em suspensão.

13 PROPRIEDADES Permite avaliar um grande número de células Em curto período de tempo Com grande sensibilidade e especificidade Proporcionando informação multiparamétrica

14 FLUXO 1- Preparo da amostra em bancada - Paineis 2- Passagem da amostra no citômetro 3- Análise dos gráficos

15 FLUXO 1- Preparo da amostra em bancada -Paineis 2- Passagem da amostra no citômetro 3- Análise dos gráficos

16 É PRECISO SABER O QUE É CD? NÃO É COMPACT DISK. É CLUSTER OF DIFFERENTIATION. PADRONIZA AS VÁRIAS ORIGENS DE CLONES DE ANTICORPOS MONOCLONAIS UTILIZADOS PELAS DIVERSAS EMPRESAS, AGRUPANDO-OS NUM SÓ NÚMERO, SEGUIDO OU NÃO DE LETRAS MINÚSCULAS. O MESMO NOME DO CD DEFINE O ANTÍGENO. Cada CD é ligado a um fluorocromo específico-id Paineis Morfologia?

17 FLUXO 1- Preparo da amostra em bancada - Paineis 2- Passagem da amostra no citômetro 3- Análise dos gráficos

18 FUNDAMENTOS ANALISA PARTÍCULAS em SUSPENSÃO. PARTÍCULAS + AcMo LIGADO ao FLUOROCROMO. ALINHAMENTO das CÉLULAS umas ATRÁS das OUTRAS em uma CORRENTE FLUÍDICA. PASSAGEM por uma FONTE LUMINOSA - LASER. GERAÇÃO de DISPERSÃO de LUZ ao ENCONTRAR a CÉLULA. EMISSÃO de NOVAS CORES PRODUZIDAS pelos DIFERENTES FLUOROCROMOS, LIGADOS aos AcMo ESPECÍFICOS. DETECÇÃO dos SINAIS LUMINOSOS. TRANSFORMAÇÃO em IMPULSOS ELETRÔNICOS. AMPLIFICAÇÃO dos SINAIS ELETRÔNICOS. CONVERSÃO DESTES em SINAIS DIGITAIS. ANÁLISE em PROGRAMA de COMPUTADOR.

19 É PRECISO SABER *Parâmetros de dispersão de luz FSC tamanho celular - viabilidade e conteúdo de DNA SSC composição interna - grânulos, organelas e núcleo *Parâmetros de fluorescência # FL1 FITC = Fluoresceína # FL2 PE = Ficoeritrina # FL3 PECy5=Cianina, PerCP=Peridinina, ECD # FL4 APC = Alocianina

20 Dispersão de Luz Laser Sensor FSC 5º Sensor SSC 90 0

21 Dispersão de Fluorescência Fluorescência

22 Dispersão de Luz + Fluorescência Laser.FSC. Detectores de Fluorescência (PMT1, PMT2, etc.). SSC

23 INTERIOR DE UM CITÔMETRO DE 04 CORES C É L U L A S P A S S A N D O

24 FLUXO 1- Preparo da amostra em bancada - Paineis 2- Passagem da amostra no citômetro 3- Análise dos gráficos- Programas de Análise

25 Tipos de diagramas 1 parâmetro Histograma 2 parâmetros Dot Plot

26 CÉLULAS CD34+

27 SSC CD45 EM MO NORMAL CD45 EM MO NORMAL A UNGATED BM EVENTS Eosinophils HPC Basophils pdc CD34 + B-cell precursors Monocytic cells NRBC Mature Lymphocytes CD45-PerCP CD34 - B-cell precursors Orfao,A. 2009

28 EVOLUÇÃO

29 CITÔMETROS FACSCalibur FC-500 FACSCanto II

30 CITÔMETROS FACS-ARIA EPICS-ALTRA

31 NOVOS LASER/FLUOROCROMOS 1-Laser azul 488nm: FITC 519nm, Alexa Fluor nm, PE- 578nm, PE-Texas Red- 615nm, PE-Cy5-667nm, PerCP- 678nm, PerCP-Cy nm, PE-Cy7-785nm. 2- Laser vermelho 640nm: APC- 660nm, Alexa Fluor nm, Alexa Fluor nm, APC-Cy7-785nm, APC-H7-785nm. 3- Laser violeta 405nm: Horizon V nm, Pacific Blue- 452nm, Am Cyan- 491nm, Horizon V nm. 4- Laser verde 532/561nm: PE- 578nm, PE-Texas Red- 615nm, PE-Cy5-667nm, PE-Cy7-785nm.

32 O que mais podemos analisar por Citometria de Fluxo? Tamanho Complexidade Antígenos celulares Metabolismo Receptores DNA Citocinas Enzimas

33 FUTURO

34 FUTURO? TUDO É POSSÍVEL

35 HOSPITAL DE CLÍNICAS DA - UFPR UFPR OBRIGADA EQUIPE DE IMUNOFENOTIPAGEM Ana Paula de Azambuja Edna Martins Eliana L Lima Elisa Novello Juli Pimentel Maria Tadeu L Rocha Miriam P Beltrame Noeli T Silva

36

37

38

39 CITÔMETROS Wolfgang Gohde-Citometria de fluxo baseada em fluorescência- IMPULSZYTOPHOTOMETRIE-Un de Munster+Partec 1971-Cytofluorograph-Ortho diagnostics 1973-PAS 8000-Partec 1974-FACS-BD 1975-ICP22-Partec EPICS- Coulter

40 Dispersão de Luz Laser FSC SSC

41 CD8 CD7 LINFÓCITOS T MADUROS CD4 CD2

42 CITÔMETROS CyAn Partec

43 Tamanho - FSC X Complexidade - SSC FSC X SSC FSC X SSC FSC X SSC PLAQUETAS NORMAIS PLAQUETAS DIÂMETRO AUMENTADO PLAQUETAS GIGANTES

44 Gráfico de Fluorescência R2

45 O que é necessário para a imunofenotipagem celular? Citômetro de fluxo: compensação, calibração e controles negativos Anticorpos monoclonais Fluorocromos Paineis Programas de Análise

46 CITÔMETROS

47 HISTÓRICO DA CITOMETRIA DE FLUXO NO BRASIL Curitiba-antes de 1985-Ac trazidos da Itália pelo Dr.Eurípedes permitiam fazer diagnóstico de leucemias com E-roseta, Zimosan e a citotoxicidade. Em 1985 Dr. Raul Ribeiro trouxe dos EUA Ac e a reação em placa, que colocada em lâminas eram lidas em microscópio de imunofluorescência. FMUSP-1993-Beatriz Beutler Em 1993-citometria de fluxo 1997 FACSVantage EPM imunofenotipagem por imunofluorescência APPAP-imunocitoquímica 1997-Citômetro FACSCalibur Maria do Socorro Pombo de Oliveira-INCA, Valéria Buccheri-Fundação maria Cecília Vidigal, Neusa Melo -USP=Dr. Catovski Lab Fleury-Dra.Maria Hsu 1994=1ª reunião de Citometria de Fluxo, HAEinstein-Dra. Nydia Bacal

FUNDAMENTOS DE CITOMETRIA DE FLUXO. Dayane Alves Costa Priscilla Ramos Costa Programa de Alergia e Imunopatologia- LIM 60 USP

FUNDAMENTOS DE CITOMETRIA DE FLUXO. Dayane Alves Costa Priscilla Ramos Costa Programa de Alergia e Imunopatologia- LIM 60 USP FUNDAMENTOS DE CITOMETRIA DE FLUXO Dayane Alves Costa Priscilla Ramos Costa Programa de Alergia e Imunopatologia- LIM 6 USP CITOMETRIA DE FLUXO CITO METRIA DE FLUXO CÉLULA MEDIDA MOVIMENTO Caracterização

Leia mais

IMUNOFENOTIPAGEM NAS LEUCEMIAS AGUDAS

IMUNOFENOTIPAGEM NAS LEUCEMIAS AGUDAS IMUNOFENOTIPAGEM NAS LEUCEMIAS AGUDAS Curso Pré-Congresso: IMUNOFENOTIPAGEM NAS DOENÇAS HEMATOLÓGICAS Mariester Malvezzi Hospital de Clínicas Universidade Federal do Paraná LEUCEMIA AGUDA Definição É uma

Leia mais

ATA DA 9ª REUNIÃO GBCFLUX ( 24/03/2012 ) CURITIBA (PR)

ATA DA 9ª REUNIÃO GBCFLUX ( 24/03/2012 ) CURITIBA (PR) ATA DA 9ª REUNIÃO GBCFLUX ( 24/03/2012 ) CURITIBA (PR) PERÍODO DA MANHÃ: aulas 1) Utilização das Células Tronco Mesenquimais no Transplante Cardíaco e na doença do enxerto contra o hospedeiro (DECH). Dra

Leia mais

Plataforma de Citometria de Fluxo Núcleo de Purificação Celular (Sorting) Instituto Oswaldo Cruz - FIOCRUZ

Plataforma de Citometria de Fluxo Núcleo de Purificação Celular (Sorting) Instituto Oswaldo Cruz - FIOCRUZ Plataforma de Citometria de Fluxo (Sorting) Instituto Oswaldo Cruz - FIOCRUZ Citometria de Fluxo Cell Sorting fundamentos e aplicações AUTOR RAQUEL FERRAZ: Bacharel em Biomedicina pela Universidade Severino

Leia mais

PADRÕES DE DIFERENCIAÇÃO CELULAR EM MEDULA ÓSSEA NORMAL

PADRÕES DE DIFERENCIAÇÃO CELULAR EM MEDULA ÓSSEA NORMAL PADRÕES DE DIFERENCIAÇÃO CELULAR EM MEDULA ÓSSEA NORMAL CARACTERIZAÇÃO IMUNOFENOTÍPICA POR CITOMETRIA DE FLUXO DRA MAURA R VALERIO IKOMA SERVIÇO DE TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA IMUNOFENOTIPAGEM DE MO A

Leia mais

Partículas sujeitas à análise: célula eucariótica; organelas citoplasmáticas; cromossomos; células agregadas (ex: células tumorais); bactérias;

Partículas sujeitas à análise: célula eucariótica; organelas citoplasmáticas; cromossomos; células agregadas (ex: células tumorais); bactérias; O QUE É: Processo no qual células, ou outras partículas biológicas, são forçadas a passar, num filete único, por sensores que são capazes de analisar as características físicas ou químicas das células

Leia mais

Imunoensaios no laboratório clínico

Imunoensaios no laboratório clínico Imunoensaios no laboratório clínico Onde pesquisamos Ag e Ac?? Imunoensaios detecção e quantificação de antígeno e anticorpo: Doenças infecciosas: diagnóstico da doença diferenciação da fase da doença

Leia mais

Fundamentos da Citometria de Fluxo. Elizabeth Xisto Souto

Fundamentos da Citometria de Fluxo. Elizabeth Xisto Souto Fundamentos da Citometria de Fluxo Elizabeth Xisto Souto A Citometria de Fluxo consiste de tecnologia laser que analisa partículas suspensas em meio líquido e fluxo contínuo. Estas partículas podem ser

Leia mais

TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA

TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas TÉCNICAS Citologia Histologia Imunohistoquímica Citometria Biologia molecular

Leia mais

Aplicações da citometria de fluxo na pesquisa farmacológica de plantas medicinais

Aplicações da citometria de fluxo na pesquisa farmacológica de plantas medicinais 1 Aplicações da citometria de fluxo na pesquisa farmacológica de plantas medicinais Me. Ruberlei Godinho de Oliveira Doutorando em Biotecnologia UFMT Bionorte Docente na Universidade de Cuiabá-MT Cito

Leia mais

Métodos imunológicos na avaliação da resposta à vacinação.

Métodos imunológicos na avaliação da resposta à vacinação. Métodos imunológicos na avaliação da resposta à vacinação. Patrícia Neves Laboratório de Tecnologia Imunológica VDTEC/Biomanguinhos Proteção vacinal A identificação de marcadores imunológicos que se correlacionem

Leia mais

Imunofenotipagem nas Doenças Hematológicas: Pré analítico Nydia Strachman Bacal

Imunofenotipagem nas Doenças Hematológicas: Pré analítico Nydia Strachman Bacal Imunofenotipagem nas Doenças Hematológicas: Pré analítico Nydia Strachman Bacal Hematologista e Patologista Clínica Fase pré - analítica Recepção e cadastro - Nome do Exame Indicação do exame papel do

Leia mais

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br São doenças causadas pela proliferação descontrolada de células hematológicas malignas ou incapacidade da medula

Leia mais

SEQÜENCIAMENTO ENCIAMENTO DE DNA: MÉTODOS E PRINCÍPIOS

SEQÜENCIAMENTO ENCIAMENTO DE DNA: MÉTODOS E PRINCÍPIOS SEQÜENCIAMENTO ENCIAMENTO DE DNA: MÉTODOS E PRINCÍPIOS PIOS Cristiane Kioko Shimabukuro Dias Pós-doutorado - FAPESP E-mail: crisdias@ibb.unesp.br Laboratório de Biologia e Genética de Peixes - Departamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM 95591764000105 Termo de Referência. 358 / 2014 Data da Emissão: 13/10/2014

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM 95591764000105 Termo de Referência. 358 / 2014 Data da Emissão: 13/10/2014 Processo..: 23081.014681/2014-40 Pregão SRP 358 / 2014 Data da Emissão: 13/10/2014 Abertura: Dia: 06/11/2014 Hora: 09:00:00 Objeto Resumido: Modalidade de Julgamento : Menor Preço 1 ANTICORPO MONOCLONAL

Leia mais

PROTOCOLO CITOMETRO DE FLUXO

PROTOCOLO CITOMETRO DE FLUXO PROTOCOLO CITOMETRO DE FLUXO Prof. Enrique R. Argañaraz Lab Virologia Molecular Faculdade de Ciências da Saúde Universidade de Brasília FLUXOGRAMA Iniciar Sistema Controle de Qualidade Ajustar Parâmetros

Leia mais

IMUNO ENSAIOS USANDO CONJUGADOS

IMUNO ENSAIOS USANDO CONJUGADOS IMUNO ENSAIOS USANDO CONJUGADOS REAÇÕES USANDO REAGENTES MARCADOS Conjugado: molécula constituída por duas substâncias ligadas covalentemente e que mantêm as propriedades funcionais de ambas Ex: globulina

Leia mais

Citologia, Histologia e Embriologia

Citologia, Histologia e Embriologia FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERLÂNDIA Citologia, Histologia e Embriologia Educação Física 1º P Prof. Msc Ana Paula de Souza Paixão O que significa

Leia mais

Aplicações da Citometria de Fluxo no diagnóstico oncohematológico

Aplicações da Citometria de Fluxo no diagnóstico oncohematológico Aplicações da Citometria de Fluxo no diagnóstico oncohematológico Dra. Nydia Strachman Bacal Hematologista e Patologista Clínica Aplicações da Citometria de Fluxo no diagnóstico oncohematológico Dra. Nydia

Leia mais

Tecnologia com Avançada Precisão, Especificidade e Produtividade

Tecnologia com Avançada Precisão, Especificidade e Produtividade Tecnologia com Avançada Precisão, Especificidade e Produtividade Novos corantes fluorescentes com melhor especificidade celular: A precisão e exatidão que você espera da Sysmex: - Quantificação dos eritroblastos

Leia mais

Métodos sorológicos de Diagnóstico e Pesquisa. Reação Ag-Ac in vitro

Métodos sorológicos de Diagnóstico e Pesquisa. Reação Ag-Ac in vitro Métodos sorológicos de Diagnóstico e Pesquisa Reação Ag-Ac in vitro Testes sorológicos Uso de soro ou outros fluidos biológicos de paciente p/ diagnóstico laboratorial Demonstração de anticorpos específicos

Leia mais

SOFTWARE PARA IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE CÉLULAS DO ENDOTÉLIO CORNEANO DESENVOLVIDO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS

SOFTWARE PARA IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE CÉLULAS DO ENDOTÉLIO CORNEANO DESENVOLVIDO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS 221 SOFTWARE PARA IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE CÉLULAS DO ENDOTÉLIO CORNEANO DESENVOLVIDO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS Jean-Jacques S. De Groote - Prof. Dr. do Centro Universitário Uniseb de Ribeirão Preto.

Leia mais

Imunologia do câncer. Aarestrup, F.M.

Imunologia do câncer. Aarestrup, F.M. Imunologia do câncer Impacto da imunologia na cancerologia Biologia tumoral Diagnóstico : imuno-histoquímica Tratamento : imunoterapia Mecanismos da resposta imunológica contra o câncer Quais as células

Leia mais

Dosímetros de Fibras Ópticas Florbela Rêgo Luís Peralta Mafalda Gomes Jornadas do L I P 2010 LABORATÓRIO DE INSTRUMENTAÇÃO E FÍSICA EXPERIMENTAL DE PARTÍCULAS Protótipo de Dosímetro de Fibra Óptica Cintilante

Leia mais

Procedimento Operacional

Procedimento Operacional Procedimento Operacional QUANTIFICAÇÃO DAS SUBPOPULAÇÕES LINFOCITÁRIAS CD4/CD8/CD3/CD45 PATRICIA VIANNA BONINI PALMA Fundação Hemocentro de Ribeirão Preto Centro de Terapia Celular, CRH-HCFMRP-USP Objetivo

Leia mais

Pesquisa de DRM por Citometria de Fluxo: quando é útil e o que estamos fazendo como grupo no Brasil? Reunião GBCFLUX Hemo 2016

Pesquisa de DRM por Citometria de Fluxo: quando é útil e o que estamos fazendo como grupo no Brasil? Reunião GBCFLUX Hemo 2016 Pesquisa de DRM por Citometria de Fluxo: quando é útil e o que estamos fazendo como grupo no Brasil? Reunião GBCFLUX Hemo 2016 DRM : significância clínica LLA: impacto mais importante para definição terapêutica.

Leia mais

Ms. Romeu Moreira dos Santos

Ms. Romeu Moreira dos Santos Ms. Romeu Moreira dos Santos IMUNOVIR 2016 2015 INTRODUÇÃO As respostas imunes são úteis de dois modos para diagnosticar uma doença: Inicialmente Acs específicos podem ser utilizados para detectar ou identificar

Leia mais

A LINGUAGEM DAS CÉLULAS DO SANGUE LEUCÓCITOS

A LINGUAGEM DAS CÉLULAS DO SANGUE LEUCÓCITOS A LINGUAGEM DAS CÉLULAS DO SANGUE LEUCÓCITOS Prof.Dr. Paulo Cesar Naoum Diretor da Academia de Ciência e Tecnologia de São José do Rio Preto, SP Sob este título o leitor poderá ter duas interpretações

Leia mais

Técnicas de Biologia Celular e Molecular. Prof a. DSc. Patricia Castelo Branco do Vale

Técnicas de Biologia Celular e Molecular. Prof a. DSc. Patricia Castelo Branco do Vale Técnicas de Biologia Celular e Molecular Prof a. DSc. Patricia Castelo Branco do Vale Dimensões em Biologia As células podem ser classificadas como: Macroscópicas: visíveis ao olho humano Microscópicas:

Leia mais

BEM-VINDO À SÉRIE NEXGEN

BEM-VINDO À SÉRIE NEXGEN BEM-VINDO À SÉRIE NEXGEN O Bentley NexGen representa o resultado de mais de 20 anos de trabalho conjunto com nossos clientes. O Bentley NexGen representa a última palavra em tecnologia de ponta para análise

Leia mais

GRUPO BRASILEIRO DE CITOMETRIA DE FLUXO SUBCOMITÊ DE CONTROLE DE QUALIDADE. TMO - 15 anos PROGRAMAÇÃO

GRUPO BRASILEIRO DE CITOMETRIA DE FLUXO SUBCOMITÊ DE CONTROLE DE QUALIDADE. TMO - 15 anos PROGRAMAÇÃO GRUPO BRASILEIRO DE CITOMETRIA DE FLUXO SUBCOMITÊ DE CONTROLE DE QUALIDADE TMO - 15 anos PROGRAMAÇÃO Fase Pré analítica Compensação espectral Alex e Dra. Mioko: 15 minutos Classificação dos Padrões de

Leia mais

Patologia Geral AIDS

Patologia Geral AIDS Patologia Geral AIDS Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (AIDS ou SIDA) Doença causada pela infecção com o vírus

Leia mais

ANEXO 1 - PROPOSTA DE PREÇOS

ANEXO 1 - PROPOSTA DE PREÇOS LOTE 01 (ITENS 1 a 9) - ENTREGA NO HEMORIO - Rio de Janeiro/RJ 1 resma 20 2 01267 - Envelope pardo (Medida: 240 mm x 340 mm). 3 08744 - Etiqueta branca, redonda, auto-adesiva para Ink Jet e 4 Laser - Medida:

Leia mais

Estabelecendo a linhagem das leucemias agudas. Elizabeth Xisto Souto

Estabelecendo a linhagem das leucemias agudas. Elizabeth Xisto Souto Estabelecendo a linhagem das leucemias agudas Elizabeth Xisto Souto Médica hematologista do Hospital Brigadeiro Responsável médica pelo setor de Citometria de Fluxo São Paulo Laboratório DASA Foco de atuação:

Leia mais

Sequenciamento de DNA

Sequenciamento de DNA Sequenciamento de DNA Figure 8-50a Molecular Biology of the Cell ( Garland Science 2008) Método de Sanger Reação de síntese de DNA por uma DNA polimerase A incorporação de um dideoxinucleotídeo interrompe

Leia mais

GUIA DO USUÁRIOE. Detector de Temperatura do Ponto de Condensação com Indicador a Laser MODELO IRT600

GUIA DO USUÁRIOE. Detector de Temperatura do Ponto de Condensação com Indicador a Laser MODELO IRT600 GUIA DO USUÁRIOE Detector de Temperatura do Ponto de Condensação com Indicador a Laser MODELO IRT600 Introdução Parabéns pela sua compra do Detector de Temperatura do Ponto de Condensação Modelo IRT600!

Leia mais

DOENÇA RESIDUAL MÍNIMA EM LEUCEMIAS AGUDAS

DOENÇA RESIDUAL MÍNIMA EM LEUCEMIAS AGUDAS DOENÇA RESIDUAL MÍNIMA EM LEUCEMIAS AGUDAS Estratégias Atuais e Importância no Contexto do TMO JAÚ 02/07/2011 Mariester Malvezzi Hospital de Clínicas Universidade Federal do Paraná DOENÇA RESIDUAL MÍNIMA

Leia mais

Caracterização da Resposta Imune Celular em Mulheres com Câncer de Ovário

Caracterização da Resposta Imune Celular em Mulheres com Câncer de Ovário Sálua Oliveira Calil de Paula Caracterização da Resposta Imune Celular em Mulheres com Câncer de Ovário Dissertação apresentada ao Curso de Pós- Graduação em Ginecologia, Obstetrícia e Mastologia área

Leia mais

Microscopia. I. Conhecendo o microscópio

Microscopia. I. Conhecendo o microscópio Organização: Eliana Maria Beluzzo Dessen e Jorge Oyakawa Diagramação: Regina de Siqueira Bueno Microscopia I. Conhecendo o microscópio A vista humana não é capaz de perceber objetos com diâmetros inferiores

Leia mais

LEUCEMIAS. Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com

LEUCEMIAS. Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com LEUCEMIAS Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com HEMATOPOESE LEUCEMIAS Alteração genética monoclonal Classificadas em: Agudas Crônicas Mielóides Linfóides LEUCEMIAS Leucemias agudas: Leucemia

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA O trabalho se inicia com uma avaliação diagnóstica (aplicação de um questionário) a respeito dos conhecimentos que pretendemos introduzir nas aulas dos estudantes de física do ensino médio (público alvo)

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM CITÔMETRO DE FLUXO BIPARAMÉTRICO. Henrique Thadeu Baltar de Medeiros Cabral Moraes

DESENVOLVIMENTO DE UM CITÔMETRO DE FLUXO BIPARAMÉTRICO. Henrique Thadeu Baltar de Medeiros Cabral Moraes DESENVOLVIMENTO DE UM CITÔMETRO DE FLUXO BIPARAMÉTRICO Henrique Thadeu Baltar de Medeiros Cabral Moraes DISSERTAÇÃO SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DA COORDENAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA

Leia mais

leveduras Área/Laboratório Microbiologia

leveduras Área/Laboratório Microbiologia 21 a 27 de Julho de 2010 Universidade do Minho Escola de Ciências Departamento de Biologia Aplicação da Citometria de Fluxo (técnica citológica avançada) ao estudo de populações de Trabalho realizado por:

Leia mais

As membranas são os contornos das células, compostos por uma bicamada lipídica

As membranas são os contornos das células, compostos por uma bicamada lipídica Células e Membranas As membranas são os contornos das células, compostos por uma bicamada lipídica Organelas são compartimentos celulares limitados por membranas A membrana plasmática é por si só uma organela.

Leia mais

Proposta de Vigilância Integrada de Pneumonia Bacteriana e Viral no Brasil: Oportunidades de Integração. Aspectos Laboratoriais

Proposta de Vigilância Integrada de Pneumonia Bacteriana e Viral no Brasil: Oportunidades de Integração. Aspectos Laboratoriais Proposta de Vigilância Integrada de Pneumonia Bacteriana e Viral no Brasil: Oportunidades de Integração Aspectos Laboratoriais Eduardo Pinheiro Guerra Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde

Leia mais

Coffee Break 10:30hs às 11:30hs Biologia Molecular do Processo de Apoptose Prof. Dr. Roberto César Pereira Lima Júnior Departamento de Fisiologia e

Coffee Break 10:30hs às 11:30hs Biologia Molecular do Processo de Apoptose Prof. Dr. Roberto César Pereira Lima Júnior Departamento de Fisiologia e II Curso Avançado em Citogenômica do Câncer - realizado pelo Laboratório de Citogenômica do Câncer da Universidade Federal do Ceará. 20 a 23 de novembro no Seara Praia Hotel em Fortaleza - Ceará. Carga

Leia mais

TRILLIUM DIAGNOSTICS. Leuko64 Ensaio para deteção de Respostas Inflamatórias Sistémicas Agudas

TRILLIUM DIAGNOSTICS. Leuko64 Ensaio para deteção de Respostas Inflamatórias Sistémicas Agudas Leuko64 Ensaio para deteção de Respostas Inflamatórias Sistémicas Agudas i Informação do Produto h LK-064-75 (75 testes) ; LK-064-250 (250 testes) V Para Utilização de Diagnóstico in vitro RESUMO E PRINCÍPIO

Leia mais

Avaliação laboratorial do paciente com pancitopenia. Dr. Edgar Gil Rizzatti Fleury Medicina e Saúde

Avaliação laboratorial do paciente com pancitopenia. Dr. Edgar Gil Rizzatti Fleury Medicina e Saúde Avaliação laboratorial do paciente com pancitopenia Dr. Edgar Gil Rizzatti Fleury Medicina e Saúde Pancitopenia: definição Pancitopenia Anemia Leucopenia Plaquetopenia Pancitopenia: abordagem clínica Pancitopenia:

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM FOTÔMETRO DE BAIXO CUSTO PARA DETERMINAÇÃO DE TEOR ALCOÓLICO EM CERVEJA COMO FERRAMENTA DE ANÁLISE DE PROCESSO

DESENVOLVIMENTO DE UM FOTÔMETRO DE BAIXO CUSTO PARA DETERMINAÇÃO DE TEOR ALCOÓLICO EM CERVEJA COMO FERRAMENTA DE ANÁLISE DE PROCESSO DESENVOLVIMENTO DE UM FOTÔMETRO DE BAIXO CUSTO PARA DETERMINAÇÃO DE TEOR ALCOÓLICO EM CERVEJA COMO FERRAMENTA DE ANÁLISE DE PROCESSO LEITE MONIQUE J. L. 1, FILHO ADEMAR L. Da S. 1, BARROS IALY S. 2, SILVA

Leia mais

Painéis Do Organismo ao Genoma

Painéis Do Organismo ao Genoma Painéis Do Organismo ao Genoma A série de 5 painéis do organismo ao genoma tem por objetivo mostrar que os organismos vivos são formados por células que funcionam de acordo com instruções contidas no DNA,

Leia mais

Prof a Dr a Camila Souza Lemos IMUNOLOGIA. Prof a. Dr a. Camila Souza Lemos. camila.souzabiomedica@gmail.com AULA 4

Prof a Dr a Camila Souza Lemos IMUNOLOGIA. Prof a. Dr a. Camila Souza Lemos. camila.souzabiomedica@gmail.com AULA 4 IMUNOLOGIA Prof a. Dr a. Camila Souza Lemos camila.souzabiomedica@gmail.com AULA 4 Imunidade contra tumores Linfócitos T-CD8 (azul) atacando uma célula tumoral (amarela) A imunologia tumoral é o estudo

Leia mais

Curso AGREGAÇÃO PLAQUETÁRIA. Nydia Strachman Bacal. Médica Hematologista Patologista Clínica

Curso AGREGAÇÃO PLAQUETÁRIA. Nydia Strachman Bacal. Médica Hematologista Patologista Clínica Curso AGREGAÇÃO PLAQUETÁRIA Nydia Strachman Bacal Médica Hematologista Patologista Clínica Morfologia plaquetária Hemostasia primária ria Métodos laboratoriais: diagnóstico classificação de disfunções

Leia mais

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV Instituto Federal de Santa Catarina Curso Técnico em Biotecnologia Unidade Curricular: Microbiologia VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. Prof. Leandro Parussolo O que é um retrovírus? É qualquer vírus que possui o

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa 2010/2011. Módulo V.I. Medicina Laboratorial

Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa 2010/2011. Módulo V.I. Medicina Laboratorial 2010/2011 Módulo V.I. Medicina Laboratorial Tema da Aula: Docente: Dr. Manuel Garrido Data: 08/11/2010 Número da Aula Previsto: 5ª aula Desgravador: Adriana Vasconcelos Oliveira Corrector: Micaela Caixeiro

Leia mais

Métodos para detecção de alérgenos em alimentos. Gerlinde Teixeira Departamento de Imunobiologia Universidade Federal Fluminense

Métodos para detecção de alérgenos em alimentos. Gerlinde Teixeira Departamento de Imunobiologia Universidade Federal Fluminense Métodos para detecção de alérgenos em alimentos Gerlinde Teixeira Departamento de Imunobiologia Universidade Federal Fluminense Antigenos vs Alérgenos Antigeno Imunógeno Qualquer substância capaz de estimular

Leia mais

Estabelecendo a linhagem em leucemias agudas 2 ª Parte. Alex Freire Sandes Assessor Médico em Hematologia

Estabelecendo a linhagem em leucemias agudas 2 ª Parte. Alex Freire Sandes Assessor Médico em Hematologia Estabelecendo a linhagem em leucemias agudas 2 ª Parte Alex Freire Sandes Assessor Médico em Hematologia Caso clínico Paciente de 22 anos, sexo masculino Quadro de astenia há 2 semanas Exame Físico REG,

Leia mais

Denominação geral dos tumores

Denominação geral dos tumores Imunologia dos tumores Denominação geral dos tumores Carcinomas - derivados de células epiteliais (rim, fígado, epitélio gastro-intestinal) Sarcomas - originários de fibroblastos, células musculares e

Leia mais

Curso de Tecnologia 1º semestre Introdução à Informática Professor: Gale. Thiago R. França: 06030860 Denis Brolesi: : 06030711

Curso de Tecnologia 1º semestre Introdução à Informática Professor: Gale. Thiago R. França: 06030860 Denis Brolesi: : 06030711 Curso de Tecnologia 1º semestre Introdução à Informática Professor: Gale Thiago R. França: 06030860 Denis Brolesi: : 06030711 Introdução: Há 4 tipos básicos de impressoras utilizados normalmente em escritórios,

Leia mais

Descrição do esfregaço

Descrição do esfregaço Descrição do esfregaço Série vermelha: microcitose e hipocromia acentuadas com hemácias em alvo. Policromasia discreta. Série branca: sem anormalidades morfológicas Série plaquetária: sem anormalidades

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL - DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL - DEFINIÇÕES SISTEMA É uma disposição, conjunto ou coleção de partes conectadas ou relacionadas de tal maneira a formarem um todo. Pode ser físico, biológico, econômico, etc. CONTROLE Estuda como agir sobre um dado

Leia mais

Rachel Siqueira de Queiroz Simões, Ph.D rachelsqsimoes@gmail.com rachel.simoes@ioc.fiocruz.br

Rachel Siqueira de Queiroz Simões, Ph.D rachelsqsimoes@gmail.com rachel.simoes@ioc.fiocruz.br Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Casa da Medicina Unidade Gávea Coordenação Central de Extensão EPIDEMIOLOGIA MOLECULAR Rachel Siqueira de Queiroz

Leia mais

AUTOMATION. Soluções em sensoriamento industrial. Sensores fotoelétricos e laser, digitais e analógicos

AUTOMATION. Soluções em sensoriamento industrial. Sensores fotoelétricos e laser, digitais e analógicos Sensores fotoelétricos e laser, digitais e analógicos Sensores Indutivos, capacitivos e ultrassônicos Sistemas de medição laser e visão industrial Cabos e conectores de campo AUTOMATION. Soluções em sensoriamento

Leia mais

I Curso de Verão em Oncologia Experimental Cursos Práticos

I Curso de Verão em Oncologia Experimental Cursos Práticos I Curso de Verão em Oncologia Experimental Cursos Práticos 1. Técnicas Experimentais para o Estudo da Expressão Gênica O curso terá como base o estudo da expressão gênica utilizando um fator de transcrição.

Leia mais

Sistema de comunicação óptica. Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte

Sistema de comunicação óptica. Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte Sistema de comunicação óptica Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte História A utilização de transmissão de informação através de sinais luminosos datam de épocas muito remotas. Acredita-se que os gregos

Leia mais

CURSO de MEDICINA VETERINÁRIA - Gabarito

CURSO de MEDICINA VETERINÁRIA - Gabarito UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2005 e 1 o semestre letivo de 2006 CURSO de MEDICINA VETERINÁRIA - Gabarito Verifique se este caderno contém: INSTRUÇÕES AO CANDIDATO

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 22 Página 1 de 5 1. Sinonímia Beta 2 Microglobulina, b2m 2. Aplicabilidade Aos técnicos e bioquímicos do setor de imunologia 3. Aplicação clínica A beta-2-microglobulina é uma proteína presente

Leia mais

Universidade Federal Fluminense UFF Escola de Engenharia TCE Curso de Engenharia de Telecomunicações TGT

Universidade Federal Fluminense UFF Escola de Engenharia TCE Curso de Engenharia de Telecomunicações TGT Universidade Federal Fluminense UFF Escola de Engenharia TCE Curso de Engenharia de Telecomunicações TGT Programa de Educação Tutorial PET Grupo PET-Tele Dicas PET-Tele Uma breve introdução à componentes

Leia mais

Guia do sistema de implante coclear Nucleus para educadores

Guia do sistema de implante coclear Nucleus para educadores Guia do sistema de implante coclear Nucleus para educadores GUIA PARA EDUCADORES 3 Índice Capítulo 1: Introdução aos implantes cocleares...4 Capítulo 2: Histórico dos implantes cocleares...8 Capítulo

Leia mais

Fotografia Digital Obtenção da Imagem e Impressão

Fotografia Digital Obtenção da Imagem e Impressão Fotografia Digital Obtenção da Imagem e Impressão 1 Diferenças entre o CCD e o Filme: O filme como já vimos, é uma película de poliéster, coberta em um dos lados por uma gelatina de origem animal com partículas

Leia mais

PRÁTICA 1: MICROSCOPIA DE LUZ

PRÁTICA 1: MICROSCOPIA DE LUZ PRÁTICA 1: MICROSCOPIA DE LUZ INTRODUÇÃO: O microscópio de luz é um aparelho que destina-se a observação de objetos muito pequenos, difíceis de serem examinados em detalhes a olho nu. O tipo de microscópio

Leia mais

CITOLOGIA *ESTUDA A CÉLULA *MENOR PORÇÃO ORGANIZADA DOS SERES VIVOS *UNIDADE DE CONSTITUIÇÃO DOS SERES VIVOS * ALICERCE DA BIOLOGIA

CITOLOGIA *ESTUDA A CÉLULA *MENOR PORÇÃO ORGANIZADA DOS SERES VIVOS *UNIDADE DE CONSTITUIÇÃO DOS SERES VIVOS * ALICERCE DA BIOLOGIA CITOLOGIA Prof. Jefferson Almeida *ESTUDA A CÉLULA *MENOR PORÇÃO ORGANIZADA DOS SERES VIVOS *UNIDADE DE CONSTITUIÇÃO DOS SERES VIVOS * ALICERCE DA BIOLOGIA Histórico 1591 Inventado o microscópio por 2

Leia mais

MANUAL DE COLETA DIA GNÓSTICOS AVANÇADOS

MANUAL DE COLETA DIA GNÓSTICOS AVANÇADOS MANUAL DE COLETA DIA GNÓSTICOS AVANÇADOS PRESTEZA, PRECISÃO E PROXIMIDADE índice 1. 2. MORFOLOGIA... 5 3. CITOGENÉTICA... 5 4. IMUNOFENOTIPAGEM POR CITOMETRIA DE FLUXO... 2 IMUNOGENÉTICA E HISTOCOMPATIBILIDADE...

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA: BIOQUÍMICA

PROGRAMA DE DISCIPLINA: BIOQUÍMICA PROGRAMA DE DISCIPLINA: BIOQUÍMICA Departamento de Ciências Fisiológicas Carga horária total: 188h Ano letivo: 2012 - Série: 1º ano - Curso de Medicina Coordenador: Professor Doutor Wagner Ricardo Montor

Leia mais

7.012 Conjunto de Problemas 3

7.012 Conjunto de Problemas 3 Nome Seção 7.012 Conjunto de Problemas 3 Data estelar 7.012.10.4.00 Diário Pessoal do Oficial Médico Responsável do USS Hackerprise Depois de voltar de uma missão em Europa, Noslen, um dos membros da tripulação,

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Prof. Hugo Henrique Pádua M.Sc. Fundamentos de Biofísica.

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Prof. Hugo Henrique Pádua M.Sc. Fundamentos de Biofísica. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Prof. Hugo Henrique Pádua M.Sc. Fundamentos de Biofísica Eletroforese Introdução a Eletroforese Eletroforese migração de moléculas ionizadas,

Leia mais

PUBLICIDADE & PROPAGANDA PRODUÇÃO GRÁFICA

PUBLICIDADE & PROPAGANDA PRODUÇÃO GRÁFICA PRODUÇÃO GRÁFICA PUBLICIDADE & PROPAGANDA Prova Semestral --> 50% da nota final. Sistema de avaliação Atividades em laboratório --> 25% da nota final Exercícios de práticos feitos nos Laboratórios de informática.

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO EM CITOMETRIA DE FLUXO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO EM CITOMETRIA DE FLUXO RELATÓRIO DE ESTÁGIO EM CITOMETRIA DE FLUXO NEUZA FILIPA DA SILVA RIBEIRO Dissertação de Mestrado em Oncologia 2010 NEUZA FILIPA DA SILVA RIBEIRO RELATÓRIO DE ESTÁGIO EM CITOMETRIA DE FLUXO Dissertação

Leia mais

Tomografia por Emissão de Pósitrons (PET-CT)

Tomografia por Emissão de Pósitrons (PET-CT) Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Biociências Departamento de Biofísica Biofísica Biomédica III BIO10016 Tomografia por Emissão de Pósitrons (PET-CT) Franciele Giongo e Luíza Fortes

Leia mais

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Disciplina: Instrumentação e Automação Industrial I(ENGF99) Professor: Eduardo Simas(eduardo.simas@ufba.br) Sensores

Leia mais

Microscopia de fluorescência e suas aplicações. Unidade Curricular: Neurofisiologia Ciências Biomédicas 1º ciclo, 3º ano 1º Semestre 2015/2016

Microscopia de fluorescência e suas aplicações. Unidade Curricular: Neurofisiologia Ciências Biomédicas 1º ciclo, 3º ano 1º Semestre 2015/2016 Microscopia de fluorescência e suas aplicações Unidade Curricular: Neurofisiologia Ciências Biomédicas 1º ciclo, 3º ano 1º Semestre 2015/2016 Microscopia de fluorescência e suas aplicações Atividade prática

Leia mais

A DESCOBERTA DA CÉLULA VIVA

A DESCOBERTA DA CÉLULA VIVA A DESCOBERTA DA CÉLULA VIVA O mundo microscópico A quase 400 anos... No início, o instrumento era considerado um brinquedo, que possibilitava a observação de pequenos objetos. Zacharias Jansen e um microscópio

Leia mais

SÉRIE-UN Solução modular de automatização da urinálise

SÉRIE-UN Solução modular de automatização da urinálise Solução modular de automatização da urinálise Sistema inteligente de automatização em urinálise TM Analisador completamente automatizado de partículas de urina TM Dispositivo de imagem digital das partículas

Leia mais

Microscópio de Robert Hooke Cortes de cortiça. A lente possibilitava um aumento de 200 vezes

Microscópio de Robert Hooke Cortes de cortiça. A lente possibilitava um aumento de 200 vezes CITOLOGIA A área da Biologia que estuda a célula é a Citologia (do grego: cito = célula; logos = estudo). A invenção do microscópio no final do século XVI revolucionou a Biologia. Esse instrumento possibilitou

Leia mais

TERAPIA FOTODINÂMICA

TERAPIA FOTODINÂMICA TERAPIA FOTODINÂMICA Terapia Fotodinâmica Estudo e desenvolvimento de novas tecnologias. Seu uso por podólogos brasileiros é anterior a 1995. Usado por podólogos em outros países, desde a década de 80.

Leia mais

Hematopoiese. Aarestrup, F.M.

Hematopoiese. Aarestrup, F.M. Hematopoiese Stem cells - pluripotencial Baixa frequência -1/10 4 cels da M.O Proliferação e diferenciação - linhagens linfóide e mielóide (3.7 X 10 11 cels/dia) Cels do estroma M.O - hematopoietic-inducing

Leia mais

Luz e Cor. Sistemas Gráficos/ Computação Gráfica e Interfaces FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO

Luz e Cor. Sistemas Gráficos/ Computação Gráfica e Interfaces FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO Luz e Cor Sistemas Gráficos/ Computação Gráfica e Interfaces 1 Luz Cromática Em termos perceptivos avaliamos a luz cromática pelas seguintes quantidades: 1. Matiz (Hue): distingue entre as várias cores

Leia mais

29/06/2015. A utilização da CF permite maior controle de qualidade, precisão, eficácia e obtenção de resultados padronizados e confiáveis.

29/06/2015. A utilização da CF permite maior controle de qualidade, precisão, eficácia e obtenção de resultados padronizados e confiáveis. Método analítico capaz de analisar simultaneamente múltiplos parâmetros, como características físicas e/ou químicas de células ou partículas em suspensão. Estudo do ciclo celular Estudo da apoptose Determinação

Leia mais

Materiais e Métodos. 3. MATERIAL E MÉTODOS 3.1. Casuística

Materiais e Métodos. 3. MATERIAL E MÉTODOS 3.1. Casuística 3. MATERIAL E MÉTODOS 3.1. Casuística Foram selecionadas dos arquivos da Seção de Anatomia Patológica do Instituto Lauro de Souza Lima, pertencente à Coordenadoria dos Institutos de Pesquisa da Secretaria

Leia mais

Ministério da Saúde FIOCRUZ Fundação Oswaldo Cruz Instituto Carlos Chagas - ICC- Fiocruz - PR

Ministério da Saúde FIOCRUZ Fundação Oswaldo Cruz Instituto Carlos Chagas - ICC- Fiocruz - PR Itamar Crispim Simpósio Temático - 01/07 e 02/07 Local: Auditório do TECPAR das 8:00 às 18:00 horas 01 de Julho Abertura e Apresentação Institucional Dr. Samuel Goldenberg Doença de Chagas: realidade e

Leia mais

Aplicações Clínicas da Citometria de Fluxo

Aplicações Clínicas da Citometria de Fluxo Aplicações Clínicas da Citometria de Fluxo Imunologia Hematologia Diagnóstico baseado nas células Prognóstico baseado nas células Monitoramento de terapias Analise de lesões e morte celular Anatomia patológica

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA QUÍMICA I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA QUÍMICA I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA QUÍMICA I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE A química é a ciência que estuda a estrutura, a composição, as propriedades e as transformações da matéria. Ela é frequentemente

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO. Eng. Marcelo Saraiva Coelho

INSTRUMENTAÇÃO. Eng. Marcelo Saraiva Coelho INSTRUMENTAÇÃO CONCEITOS E DEFINIÇÕES Nas indústrias, o termo PROCESSO tem um significado amplo. Uma operação unitária, como por exemplo, destilação, filtração ou aquecimento, é considerado um PROCESSO.

Leia mais

Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR)

Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR) 1 Universidade Federal Fluminense Instituto Biomédico Departamento de Microbiologia e Parasitologia Disciplina: Virologia Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR) A técnica de reação

Leia mais

478 a.c. Leucipo e seu discípulo Demócrito

478 a.c. Leucipo e seu discípulo Demócrito MODELOS ATÔMICOS 478 a.c. Leucipo e seu discípulo Demócrito - A matéria após sofrer várias subdivisões, chegaria a uma partícula indivisível a que chamaram de átomo. - ÁTOMO a = sem tomos = divisão - Esta

Leia mais

Capítulo 2. Janice Reis Ciacci Zanella Nelson Morés Rejane Schaefer Paulo Augusto Esteves Liana Brentano

Capítulo 2. Janice Reis Ciacci Zanella Nelson Morés Rejane Schaefer Paulo Augusto Esteves Liana Brentano Capítulo 2 Clonagem, expressão de antígenos recombinantes do vírus da Doença de Aujeszky dos suínos: desenvolvimento e validação de teste de diagnóstico diferencial para monitoria em área livre Janice

Leia mais

CATÁLOGO DE MATERIAIS DE LABORATÓRIO - HEMATOLOGIA

CATÁLOGO DE MATERIAIS DE LABORATÓRIO - HEMATOLOGIA CATÁLOGO DE MATERIAIS DE LABORATÓRIO - HEMATOLOGIA Descrição Simplificada Azul de cresil brilhante em solução Câmara de Fuchs-Rosenthal Câmara de Neubauer Conjunto de mangueiras para o equipamento Hematek

Leia mais

VI Congresso Brasileiro de Biossegurança Simpósio Latino-Americano de Produtos Biotecnológicos

VI Congresso Brasileiro de Biossegurança Simpósio Latino-Americano de Produtos Biotecnológicos VI Congresso Brasileiro de Biossegurança Simpósio Latino-Americano de Produtos Biotecnológicos Rio de Janeiro, 21-25 setembro de 2009 Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ Construções Mais Comuns

Leia mais

TEMA: RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO HODGKIN DE PEQUENAS CÉLULAS

TEMA: RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO HODGKIN DE PEQUENAS CÉLULAS NOTA TÉCNICA 46/2014 Data: 17/03/2014 Medicamento Material Procedimento Cobertura x Solicitante: Juiz de Direito Eduardo Soares de Araújo Número do processo: 0011607-07.2014.8.13.0026 Requerido(s): MUNICÍPIO

Leia mais

TÍTULO: JANELA AUTOMATIZADA QUE OPERA A PARTIR DE DADOS METEOROLÓGICOS OBTIDOS POR SENSORES

TÍTULO: JANELA AUTOMATIZADA QUE OPERA A PARTIR DE DADOS METEOROLÓGICOS OBTIDOS POR SENSORES TÍTULO: JANELA AUTOMATIZADA QUE OPERA A PARTIR DE DADOS METEOROLÓGICOS OBTIDOS POR SENSORES CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA

Leia mais