Microscopia. I. Conhecendo o microscópio

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Microscopia. I. Conhecendo o microscópio"

Transcrição

1 Organização: Eliana Maria Beluzzo Dessen e Jorge Oyakawa Diagramação: Regina de Siqueira Bueno Microscopia I. Conhecendo o microscópio A vista humana não é capaz de perceber objetos com diâmetros inferiores a um décimo do milímetro (0,1mm ou 100µm). O microscópio óptico é utilizado para a observação de células vivas ou mortas (preferencialmente após fixação e coloração) cujas medidas encontram-se abaixo de 0,1mm. Entre elas temos células dos organismos eucariotos, as bactérias, os ovos de vermes e muitas estruturas dos seres vivos. Figura 1. Microscópio óptico Revólver ou Tambor Nele estão inseridas as lentes objetivas que podem ser movimentadas quando o tambor é girado. Este movimento deve ocorrer sempre no sentido da objetiva de menor para a de maior aumento Lente Objetiva Permite a ampliação da imagem de um objeto. Os aumentos fornecidos pelas objetivas estão gravados nas mesmas. Platina ou Mesa A lâmina com o material a ser observado é colocada sobre a platina que apresenta abertura no centro permitindo a passagem dos raios luminosos. Tubo ou Canhão Lente Ocular Encaixada na extremidade superior do tubo, sua função é aumentar a imagem formada pela objetiva. O aumento fornecido pela ocular está, geralmente, gravado nela própria. Por exemplo: 5x, 8x, 10x, etc. Estativa, Braço ou Coluna Suporte que sustenta o tubo, a platina e os parafusos de focalização. Parafuso de Focalização A movimentação deste parafuso permite a focalização da lâmina. Liga/Desliga a Fonte Luminosa Fonte de luz Pé ou Base Legenda: Parte Mecânica Parte Óptica

2 Preparando letras para serem observadas ao microscópio 1 Cortar um pedaço de jornal de aproximadamente 1 cm. 1 cm 1 cm 2 Limpar bem uma lâmina e, com um 3 conta-gotas pingar, sobre ela, uma gota de água; Sobre a gota colocar o pedaço de jornal e esperar alguns segundos; Água 1 gota 4 Sobre o jornal colocar uma lamínula limpa; 5 Se houver bolhas de ar pressionar levemente a lamínula com uma pinça; 6 Levar a lâmina 7 com a preparação ao microscópio Observar em menor aumento (100x, sendo 10x da objetiva e 10x da ocular)

3 II. Procedimentos básicos para a correta observação microscópica 3. Olhando pelo lado externo, girar com cuidado o parafuso de focalização de forma a aproximar a objetiva de 4x o mais perto possível da preparação. (Atenção: Não forçar o parafuso) 4. Olhando pela ocular, girar vagarosamente o parafuso de focalização no sentido inverso até obter uma imagem nítida da preparação. 5. A seguir, girar o tambor posicionando a objetiva de 10x sobre a preparação e focalizar o material girando MUITO lentamente o parafuso de focalização, pois o material deverá estar quase em foco. (Atenção para não aproximar demais a objetiva da lâmina) 6. Para uma ampliação maior (objetiva de 40x), girar o canhão e posicionar a objetiva de 40x sobre a preparação. Girar o parafuso de focalização (MUITO DEVAGAR) até que o material esteja em foco. (Atenção para não forçar a objetiva sobre a lâmina, que pode quebrar) 1. A ampliação consiste no grau de aumento da imagem em relação ao objeto. A ampliação final do material é obtida multiplicando a ampliação produzida pela objetiva pela ampliação obtida pela ocular. 2. O poder de resolução corresponde à distância mínima necessária para que dois pontos possam ser distinguidos ao microscópio. Para o microscópio óptico essa distância é de 0,2 µm devido ao comprimento de onda das radiações visíveis. II. Procedimentos básicos para a correta observação microscópica 3. Olhando pelo lado externo, girar com cuidado o parafuso de focalização de forma a aproximar a objetiva de 4x o mais perto possível da preparação. (Atenção: Não forçar o parafuso) 4. Olhando pela ocular, girar vagarosamente o parafuso de focalização no sentido inverso até obter uma imagem nítida da preparação. 5. A seguir, girar o tambor posicionando a objetiva de 10x sobre a preparação e focalizar o material girando MUITO lentamente o parafuso de focalização, pois o material deverá estar quase em foco. (Atenção para não aproximar demais a objetiva da lâmina) 6. Para uma ampliação maior (objetiva de 40x), girar o canhão e posicionar a objetiva de 40x sobre a preparação. Girar o parafuso de focalização (MUITO DEVAGAR) até que o material esteja em foco. (Atenção para não forçar a objetiva sobre a lâmina, que pode quebrar) 1. A ampliação consiste no grau de aumento da imagem em relação ao objeto. A ampliação final do material é obtida multiplicando a ampliação produzida pela objetiva pela ampliação obtida pela ocular. 2. O poder de resolução corresponde à distância mínima necessária para que dois pontos possam ser distinguidos ao microscópio. Para o microscópio óptico essa distância é de 0,2 µm devido ao comprimento de onda das radiações visíveis.

4 II. Procedimentos básicos para a correta observação microscópica 3. Olhando pelo lado externo, girar com cuidado o parafuso de focalização de forma a aproximar a objetiva de 4x o mais perto possível da preparação. (Atenção: Não forçar o parafuso) 4. Olhando pela ocular, girar vagarosamente o parafuso de focalização no sentido inverso até obter uma imagem nítida da preparação. 5. A seguir, girar o tambor posicionando a objetiva de 10x sobre a preparação e focalizar o material girando MUITO lentamente o parafuso de focalização, pois o material deverá estar quase em foco. (Atenção para não aproximar demais a objetiva da lâmina) 6. Para uma ampliação maior (objetiva de 40x), girar o canhão e posicionar a objetiva de 40x sobre a preparação. Girar o parafuso de focalização (MUITO DEVAGAR) até que o material esteja em foco. (Atenção para não forçar a objetiva sobre a lâmina, que pode quebrar) 1. A ampliação consiste no grau de aumento da imagem em relação ao objeto. A ampliação final do material é obtida multiplicando a ampliação produzida pela objetiva pela ampliação obtida pela ocular. 2. O poder de resolução corresponde à distância mínima necessária para que dois pontos possam ser distinguidos ao microscópio. Para o microscópio óptico essa distância é de 0,2 µm devido ao comprimento de onda das radiações visíveis.

5 II. Procedimentos básicos para a correta observação microscópica 3. Olhando pelo lado externo, girar com cuidado o parafuso de focalização de forma a aproximar a objetiva de 4x o mais perto possível da preparação. (Atenção: Não forçar o parafuso) 4. Olhando pela ocular, girar vagarosamente o parafuso de focalização no sentido inverso até obter uma imagem nítida da preparação. 5. A seguir, girar o tambor posicionando a objetiva de 10x sobre a preparação e focalizar o material girando MUITO lentamente o parafuso de focalização, pois o material deverá estar quase em foco. (Atenção para não aproximar demais a objetiva da lâmina) 6. Para uma ampliação maior (objetiva de 40x), girar o canhão e posicionar a objetiva de 40x sobre a preparação. Girar o parafuso de focalização (MUITO DEVAGAR) até que o material esteja em foco. (Atenção para não forçar a objetiva sobre a lâmina, que pode quebrar) 1. A ampliação consiste no grau de aumento da imagem em relação ao objeto. A ampliação final do material é obtida multiplicando a ampliação produzida pela objetiva pela ampliação obtida pela ocular. 2. O poder de resolução corresponde à distância mínima necessária para que dois pontos possam ser distinguidos ao microscópio. Para o microscópio óptico essa distância é de 0,2 µm devido ao comprimento de onda das radiações visíveis. PREZADO PROFESSOR É MUITO IMPORTANTE QUE OS ALUNOS RECEBAM INSTRUÇÕES DE RECONHECIMENTO E MANUSEIO DO MICROSCÓPIO ANTES DE TENTAR VISUALIZAR QUALQUER PREPARAÇÃO CITOLÓGICA. O IDEAL É QUE ELES TENHAM CONTATO COM A FOTO DO MICROSCÓPIO E AS EXPLICAÇÕES DE USO ANTES DE ENTRAREM NO LABORATÓRIO.

6 PREZADO PROFESSOR É MUITO IMPORTANTE QUE OS ALUNOS RECEBAM INSTRUÇÕES DE RECONHECIMENTO E MANUSEIO DO MICROSCÓPIO ANTES DE TENTAR VISUALIZAR QUALQUER PREPARAÇÃO CITOLÓGICA. O IDEAL É QUE ELES TENHAM CONTATO COM A FOTO DO MICROSCÓPIO E AS EXPLICAÇÕES DE USO ANTES DE ENTRAREM NO LABORATÓRIO.

PRÁTICA 1: MICROSCOPIA DE LUZ

PRÁTICA 1: MICROSCOPIA DE LUZ PRÁTICA 1: MICROSCOPIA DE LUZ INTRODUÇÃO: O microscópio de luz é um aparelho que destina-se a observação de objetos muito pequenos, difíceis de serem examinados em detalhes a olho nu. O tipo de microscópio

Leia mais

Características das Imagens obtidas com o Microscópio Óptico Composto (M.O.C.)

Características das Imagens obtidas com o Microscópio Óptico Composto (M.O.C.) Escola Básica 2,3/S Michel Giacometti Características das Imagens obtidas com o Microscópio Óptico Composto (M.O.C.) Data de Entrega: Dia 2 de Fevereiro de 2010 Autor: Telmo Daniel Roseiro Rodrigues, Nº

Leia mais

em Microscopio Óptica

em Microscopio Óptica 3 Caract acterís erísticas da imagem em Microscopio Óptica 345678903456789034567890345678903456789 345678903456789034567890345678903456789 345678903456789034567890345678903456789 Objectivos de aprendizagem:

Leia mais

PROFA. DRA. MARILANDA F. BELLINI BIOLOGIA CELULAR P CELULAR 1 IMPORTÂNCIA DA BIOLOGIA

PROFA. DRA. MARILANDA F. BELLINI BIOLOGIA CELULAR P CELULAR 1 IMPORTÂNCIA DA BIOLOGIA BIOLOGIA CELULAR P PROFA. DRA. MARILANDA F. BELLINI 1 IMPORTÂNCIA DA BIOLOGIA CELULAR O estudo do mundo vivo mostra que a evolução produziu uma imensa variedade de formas. Existem em torno de quatro milhões

Leia mais

Constituição do Microscópio Ótico Composto (M.O.C.)

Constituição do Microscópio Ótico Composto (M.O.C.) Constituição do Microscópio Ótico Composto (M.O.C.) O microscópio ótico composto (M.O.C.) é um instrumento usado para ampliar, com uma série de lentes, estruturas pequenas impossíveis de visualizar a olho

Leia mais

Características da imagem em microscopia ótica

Características da imagem em microscopia ótica Escola Secundária Jaime Moniz Relatório n.º1 Características da imagem em microscopia ótica Autor: Ana Luísa 10.º7 n.º3 Disciplina: Biologia e Geologia Data de realização: 01/02/2012 Ano Letivo: 2011/2012

Leia mais

3 - MICROSCOPIA 3.1. MICROSCOPIA ÓPTICA DE LUZ

3 - MICROSCOPIA 3.1. MICROSCOPIA ÓPTICA DE LUZ 3 - MICROSCOPIA 3.1. MICROSCOPIA ÓPTICA DE LUZ Ao se estudar os seres vivos, ao nível celular, devem-se empregar várias técnicas visando superar três principais limitações destes estudos: as pequenas dimensões

Leia mais

MICROSCÓPIO ÓPTICO DE CAMPO CLARO

MICROSCÓPIO ÓPTICO DE CAMPO CLARO Psicologia e Saúde Unidade curricular: Biologia Humana I 4ª aula PL MICROSCÓPIO ÓPTICO DE CAMPO CLARO O microscópio é um instrumento utilizado para observar pormenores de objectos ou objectos muito pequenos,

Leia mais

E.S. de Valença. Trabalho realizado por: Tiago Emanuel Urze Afonso nº21 10ºB

E.S. de Valença. Trabalho realizado por: Tiago Emanuel Urze Afonso nº21 10ºB E.S. de Valença Trabalho realizado por: Tiago Emanuel Urze Afonso nº21 10ºB Valença, 26 de Outubro de 2003 Índice Pág.2 Introdução Pág.3 e 4 Material utilizado e procedimentos efectuados nas experiências

Leia mais

Observação de células eucarióticas ao microscópio óptico

Observação de células eucarióticas ao microscópio óptico Ficha de Trabalho Experimental - (versão professor) Ano lectivo: 10ºano Turma: Data: Observação de células eucarióticas ao microscópio óptico Pré-requisitos Operacionais: ter noções básicas de manuseamento

Leia mais

MICROSCOPIA. MICROSCÓPIO - noções gerais

MICROSCOPIA. MICROSCÓPIO - noções gerais MICROSCÓPIO - noções gerais MICROSCOPIA O olho humano tem poder de resolução de aproximadamente 0,1 mm ou 100 µm. Isto significa que se você olhar dois pontos separados por uma distância menor que 100

Leia mais

LENTES E ESPELHOS. O tipo e a posição da imagem de um objeto, formada por um espelho esférico de pequena abertura, é determinada pela equação

LENTES E ESPELHOS. O tipo e a posição da imagem de um objeto, formada por um espelho esférico de pequena abertura, é determinada pela equação LENTES E ESPELHOS INTRODUÇÃO A luz é uma onda eletromagnética e interage com a matéria por meio de seus campos elétrico e magnético. Nessa interação, podem ocorrer alterações na velocidade, na direção

Leia mais

DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA MOLECULAR

DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA MOLECULAR FACULDADE DE MEDICINA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO AUTARQUIA ESTADUAL LEI Nº 8899 de 27/09/94 (Reconhecida pelo Decreto Federal nº 74179 de 14/06/74) Av. Brigadeiro Faria Lima, 5416 CEP 15090-000 Fone: 17

Leia mais

Identificando as partes do equipamento

Identificando as partes do equipamento Lensometria Identificando as partes do equipamento () Ocular (2) Ajuste Ocular (3) Anel de eixo (4) Alavanca de marcação () Alavanca de fixação (6) Alavanca da mesa de armação (7) Mesa de apoio da armação

Leia mais

AULA PRÁTICA N O 1. Microbiologia INTRODUÇÃO AO LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA, MICROSCOPIA E CÉLULAS MICROBIANAS EUCARIÓTICAS E PROCARIÓTICAS

AULA PRÁTICA N O 1. Microbiologia INTRODUÇÃO AO LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA, MICROSCOPIA E CÉLULAS MICROBIANAS EUCARIÓTICAS E PROCARIÓTICAS Av. Vitória, 950 Forte São João Vitória-ESTel.: (27) 3331-8500 www.unisales.edu.br AULA PRÁTICA N O 1 Microbiologia EXCELÊNCIA UNIVERSITÁRIA NA FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS COMPROMETIDOS COM A VIDA E A TRANSFORMAÇÃO

Leia mais

ESTRUTURA DO MICROSCÓPIO ÓPTICO

ESTRUTURA DO MICROSCÓPIO ÓPTICO ESTRUTURA DO MICROSCÓPIO ÓPTICO Lembre-se que o microscópio utilizado em nosso laboratório possui uma entrada especial para uma câmera de vídeo. Parte Mecânica: Base ou Pé: Placa de apoio do microscópio

Leia mais

EXPERIMENTO N o 6 LENTES CONVERGENTES INTRODUÇÃO

EXPERIMENTO N o 6 LENTES CONVERGENTES INTRODUÇÃO EXPERIMENTO N o 6 LENTES CONVERGENTES INTRODUÇÃO Ao incidir em uma lente convergente, um feixe paralelo de luz, depois de passar pela lente, é concentrado em um ponto denominado foco (representado por

Leia mais

Manual de Instruções F60050 - F70060M F80060M - F90060M. www.equifoto.com.br 1

Manual de Instruções F60050 - F70060M F80060M - F90060M. www.equifoto.com.br 1 Manual de Instruções F60050 - F70060M F80060M - F90060M www.equifoto.com.br 1 A) Capa de lente B) Protetor de lente C) Lente objetiva 1) Controle ajuste fino de altitude D) Tubo principal 2) Trava azimutal

Leia mais

Ficha Sumativa. Onde existe vida na Terra? Ambientes naturais: terrestres e aquáticos.

Ficha Sumativa. Onde existe vida na Terra? Ambientes naturais: terrestres e aquáticos. Ficha Sumativa Onde existe vida na Terra? Ambientes naturais: terrestres e aquáticos Tema 2 - Terra em transformação Bloco de trabalho 4 - A descoberta das células O microscópio Unidade do mundo vivo -

Leia mais

Laboratório de Física Experimental I

Laboratório de Física Experimental I Laboratório de Física Experimental I Universidade Vila Velha Manual de Medidas Mecânicas Laboratório de Física Prof. Rudson R. Alves Prof. Tiago P. Bertelli 2013 2/15 Sumário Introdução...3 1.Medidas Mecânicas...3

Leia mais

Iluminação do Espécimen

Iluminação do Espécimen O Zoomscope consiste numa lente ocular, numa peça para o olho e numa lente móvel que permite variar o grau de ampliação. O poder de ampliação pode ser alterado ao girar uma roda situada na parte lateral

Leia mais

Técnicas de Biologia Celular e Molecular. Prof a. DSc. Patricia Castelo Branco do Vale

Técnicas de Biologia Celular e Molecular. Prof a. DSc. Patricia Castelo Branco do Vale Técnicas de Biologia Celular e Molecular Prof a. DSc. Patricia Castelo Branco do Vale Dimensões em Biologia As células podem ser classificadas como: Macroscópicas: visíveis ao olho humano Microscópicas:

Leia mais

MICROSCOPIA RESOLUÇÃO E AMPLIAÇÃO

MICROSCOPIA RESOLUÇÃO E AMPLIAÇÃO MICROSCOPIA A microscopia tem a maior importância no estudo das células. Muitas características importantes de interesse nos sistemas biológicos são demasiado pequenas para serem vistas a olho nu, só podendo,

Leia mais

Observação microscópica de seres vivos de uma infusão

Observação microscópica de seres vivos de uma infusão Escola Secundária Francisco Franco Técnicas Laboratoriais de Biologia Bloco I Observação microscópica de seres vivos de uma infusão Relatório elaborado: Eduardo Freitas Nº5 12º6 Funchal, 3 de Dezembro

Leia mais

MICROSCOPIO BIOLOGICO

MICROSCOPIO BIOLOGICO BIOPTIKA SERIE B20 B I O P T I K A Página 1 BIOPTIKA B20 MICROSCÓPIO BIOLÓGICO MANUAL DE INSTRUÇÕES DE USO (BINOCULAR E TRINOCULAR) NOTAS DE SEGURANÇA 1. Abra a caixa de transporte com cuidado para evitar

Leia mais

u a r d a s TRANSFORMAMOS AS SUAS IDEIAS Tel: 244.618.700 Fax:244.618.709 Email:geral@vidrariadujoca.com Site: www.vidrariadujoca.

u a r d a s TRANSFORMAMOS AS SUAS IDEIAS Tel: 244.618.700 Fax:244.618.709 Email:geral@vidrariadujoca.com Site: www.vidrariadujoca. u a r d a s PRUMO INOX H Guarda com prumo inox 304/316 em barra c/espigão para chumbar ao pavimento para interior ou exterior, para aplicar com vidro laminado ou laminado temperado de varias espessuras.

Leia mais

Observação Microscópica de células

Observação Microscópica de células ESCOLA SECUNDÁRIA/3 MORGADO MATEUS Biologia e Geologia (Ano I) Relatório da Actividade Experimental Observação Microscópica de células Professora: Sónia Leandro Trabalho elaborado por: Joana Pires, nº14-10ºb

Leia mais

MANUAL DE MONTAGEM. Revisão 17 MONTAGEM DO DISCO SOLAR PARA AQUECIMENTO DE ÁGUA

MANUAL DE MONTAGEM. Revisão 17 MONTAGEM DO DISCO SOLAR PARA AQUECIMENTO DE ÁGUA MANUAL DE MONTAGEM Revisão 17 MONTAGEM DO DISCO SOLAR PARA AQUECIMENTO DE ÁGUA Parabéns por adquirir um dos mais tecnológicos meios de aquecimento de água existentes no mercado. O Disco Solar é por sua

Leia mais

Professora Bruna FÍSICA B. Aulas 21 e 22 Observando coisas bem pequenas. Página 199

Professora Bruna FÍSICA B. Aulas 21 e 22 Observando coisas bem pequenas. Página 199 FÍSICA B Aulas 21 e 22 Observando coisas bem pequenas Página 199 ASSOCIAÇÕES DE SISTEMAS ÓPTICOS Sistema ópticos estudados: espelhos e lentes. Utilizados em diversos instrumentos: microscópios, lunetas

Leia mais

MODELO FUNCIONAL DO OLHO HUMANO. (Manual de Actividades Experimentais)

MODELO FUNCIONAL DO OLHO HUMANO. (Manual de Actividades Experimentais) MODELO FUNCIONAL DO OLHO HUMANO (Manual de Actividades Experimentais) 3B W11851 (NT4025) Pág. 1 de 11 Como o olho humano recebe uma imagem Figura 1: O olho humano Quando a luz entra no olho, atinge primeiro

Leia mais

Grupo: Ederson Luis Posselt Geovane Griesang Ricardo Cassiano Fagundes

Grupo: Ederson Luis Posselt Geovane Griesang Ricardo Cassiano Fagundes Curso: Ciências da computação Disciplina: Física aplicada a computação Professor: Benhur Borges Rodrigues Relatório experimental 05: Formação da imagem e propagação retilínea da luz; Medida da distância

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS: CURSO: ALUNO:

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS: CURSO: ALUNO: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS: CURSO: ALUNO: DISCIPLINA: FÍSICA II PROFESSOR: EDSON JOSÉ LENTES ESFÉRICAS 1. (FGV/2012) Uma estudante usou uma lupa para pesquisar a formação

Leia mais

Comprovação dos índices de refração

Comprovação dos índices de refração Comprovação dos índices de refração 1 recipiente de vidro; 1 bastão de vidro, e Glicerina. 1. Encha até a metade o recipiente com glicerina, depois basta afundar o bastão de vidro na glicerina e pronto!

Leia mais

ANEXO VI PROCEDIMENTOS DE MICROSCOPIA

ANEXO VI PROCEDIMENTOS DE MICROSCOPIA ANEXO VI PROCEDIMENTOS DE MICROSCOPIA 1. COMPONENTES BÁSICOS DO MICROSCÓPIO 1.1 Estativa É o corpo do microscópio que dá suporte aos outros componentes. 1.2 Revólver porta objetivas Suporte rotativo de

Leia mais

AS DIMENSÕES EM BIOLOGIA

AS DIMENSÕES EM BIOLOGIA Seja qual for o caminho que tomemos, o nosso destino estará indissoluvelmente ligado à ciência. (...) A ciência é um prazer.(...) O espírito da ciência é o de se autocorrigir. Novos resultados experimentais

Leia mais

C O L O R I M E T R I A

C O L O R I M E T R I A C O L O R I M E T R I A FUNDAMENTOS DA COLORIMETRIA Coleta da amostra Preparação da amostra Procedimento de teste O teste Amostra na cubeta Reagentes adicionados Período de espera Branco da amostra Leitura

Leia mais

Aula 1 BIOLOGIA Botânica - Práticas 2012/2013 Departamento de Biologia Vegetal Francisco Carrapiço e Isabel Caçador

Aula 1 BIOLOGIA Botânica - Práticas 2012/2013 Departamento de Biologia Vegetal Francisco Carrapiço e Isabel Caçador Aula 1 BIOLOGIA Botânica - Práticas 2012/2013 Departamento de Biologia Vegetal Francisco Carrapiço e Isabel Caçador http://azolla.fc.ul.pt/aulas/biologiabotanica.html Normas de segurança no laboratório

Leia mais

Fibras Ópticas Medição da abertura numérica de uma fibra óptica multimodo

Fibras Ópticas Medição da abertura numérica de uma fibra óptica multimodo Fibras Ópticas Medição da abertura numérica de uma fibra óptica multimodo Equipamento: * Mesa óptica * Fibra multimodo, 50/125 µm * Laser de He-Ne * Microscópio * Multímetro óptico * Cortador de fibra

Leia mais

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Curso: Licenciatura em Física Disciplina: Laboratório de Física Moderna Prof. Dr. Sandro Marcio Lima Prática: O experimento de Millikan 2007 1-Introdução ao

Leia mais

TEORIA 08/12/2014. Reflexão. Refração INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO REFLEXÃO E REFRACÃO RAIOS INTRODUÇÃO 1 1 = 2 2 O ÍNDICE DE REFRAÇÃO

TEORIA 08/12/2014. Reflexão. Refração INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO REFLEXÃO E REFRACÃO RAIOS INTRODUÇÃO 1 1 = 2 2 O ÍNDICE DE REFRAÇÃO ÍNDICE DE REFRAÇÃ INTRDUÇÃ Ótica Lentes Esféricos DEFIJI Semestre204-2 Quando a luz passa de um meio para outro, sua velocidade aumenta ou diminui devido as diferenças das estruturas atômicas das duas

Leia mais

MANUAL DE MONTAGEM. Revisão 10 MONTAGEM DO DISCO SOLAR PARA AQUECIMENTO DE ÁGUA

MANUAL DE MONTAGEM. Revisão 10 MONTAGEM DO DISCO SOLAR PARA AQUECIMENTO DE ÁGUA MANUAL DE MONTAGEM Revisão 10 MONTAGEM DO DISCO SOLAR PARA AQUECIMENTO DE ÁGUA Parabéns por adquirir um dos mais tecnológicos meios de aquecimento de água existentes no mercado. O Disco Solar é por sua

Leia mais

Física Experimental - Óptica - Banco óptico linear com lanterna de luz branca - EQ045.

Física Experimental - Óptica - Banco óptico linear com lanterna de luz branca - EQ045. Índice Remissivo... 4 Abertura... 7 As instruções básicas de funcionamento dos aparelhos utilizados nas atividades experimentais dos manuais, identificadas no canto superior direito da página pelos números

Leia mais

Vasconcelos, DFP. Roteiro para Aula Prática de Histologia Básica. www.institutododelta.com.br

Vasconcelos, DFP. Roteiro para Aula Prática de Histologia Básica. www.institutododelta.com.br Como citar este documento: Vasconcelos, DFP. Roteiro para Aula Prática de Histologia Básica. Disponível em:, acesso em: (coloque a data aqui). ROTEIRO PARA AULA PRÁTICA DE HISTOLOGIA BÁSICA Roteiro de

Leia mais

Verano. guarda-sóis manual de troca de corda

Verano. guarda-sóis manual de troca de corda Verano guarda-sóis manual de troca de corda Verano guarda-sóis manual de troca de corda Instruções gerais e de segurança Leia as instruções de montagem Apesar dos produtos Stobag serem de fácil montagem,

Leia mais

30 cm, determine o raio da esfera.

30 cm, determine o raio da esfera. 1. (Ufes 015) Enche-se uma fina esfera, feita de vidro transparente, com um líquido, até completar-se exatamente a metade de seu volume. O resto do volume da esfera contém ar (índice de refração n 1).

Leia mais

Manual de Instruções DUAL ACTION 0800-6458300 CORTADOR DE CABELOS BLUE ACTION 11/07 297-05/00 072469 REV.1 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO

Manual de Instruções DUAL ACTION 0800-6458300 CORTADOR DE CABELOS BLUE ACTION 11/07 297-05/00 072469 REV.1 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO 11/07 297-05/00 072469 REV.1 CORTADOR DE CABELOS BLUE ACTION SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO DUAL ACTION ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR 0800-6458300 Manual de Instruções Cortes curtos 1.Usando o pente de 12 mm (05)

Leia mais

Instrumentos Ópticos

Instrumentos Ópticos Instrumentos Ópticos Associação de Lentes. Lentes Justapostas: Lentes Justapostas Separação Nula. A lente equivalente à associação de duas lentes justapostas, apresenta vergência dada por: C res = C 1

Leia mais

Projeto CAPAZ Básico Lensometria

Projeto CAPAZ Básico Lensometria 1 Introdução Ao assistir à aula você entendeu a importância da lensometria para o profissional de óptica, percebeu que é um procedimento constante e que exige precisão e, portanto, muita atenção. Aprendeu

Leia mais

LENTES. Identificar as principais características dos raios luminosos ao atravessar uma lente. Determinar a distância focal de uma lente convergente.

LENTES. Identificar as principais características dos raios luminosos ao atravessar uma lente. Determinar a distância focal de uma lente convergente. LENTES Objetivos: Identificar as principais características dos raios luminosos ao atravessar uma lente. Determinar a distância focal de uma lente convergente. Teoria: As lentes são formadas por materiais

Leia mais

LENTES ESFÉRICAS CONSTRUÇÕES

LENTES ESFÉRICAS CONSTRUÇÕES LENTES ESFÉRICAS CONSTRUÇÕES 1. (G1 - cps 2012) Nas plantações de verduras, em momentos de grande insolação, não é conveniente molhar as folhas, pois elas podem queimar a não ser que se faça uma irrigação

Leia mais

Característica K132 K220 K223 K112L K112H

Característica K132 K220 K223 K112L K112H Microscópios Possuem design ergonômico, ajustes coaxiais de fácil acesso e de alta precisão, foco ajustável, objetivas de excelente contraste que proporcionam imagens nítidas e claras. Os microscópios

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL GUAXUPÉ UNIFEG LABORATÓRIO DE MICROSCOPIA. Coordenadora Prof. Dr. Isabel Ribeiro do Valle Teixeira

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL GUAXUPÉ UNIFEG LABORATÓRIO DE MICROSCOPIA. Coordenadora Prof. Dr. Isabel Ribeiro do Valle Teixeira CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL GUAXUPÉ UNIFEG LABORATÓRIO DE MICROSCOPIA Coordenadora Prof. Dr. Isabel Ribeiro do Valle Teixeira Coordenadora Geral dos Laboratórios Unifeg Vera Maria Gomes

Leia mais

Eggy. Ref. IXCI6044. MAX 22Kg. Em conformidade com a norma Européia EN 14344

Eggy. Ref. IXCI6044. MAX 22Kg. Em conformidade com a norma Européia EN 14344 Eggy Ref. IXCI6044 Em conformidade com a norma Européia EN 14344 MAX 22Kg Assento traseiro de bicicleta Eggy 2 1 B 2 3D E 4 5 3 6 7G 8 9 I M 10 N 11 12 NN 4 O O P P Q 13 14 Q 15 16 5 PT Assento traseiro

Leia mais

EXP. 5 - DIFRAÇÃO DA LUZ POR FENDAS

EXP. 5 - DIFRAÇÃO DA LUZ POR FENDAS Capítulo 5 EXP. 5 - DIFRAÇÃO DA LUZ POR FENDAS 5.1 OBJETIVOS Estudo da figura de difração da luz por uma fenda fina em função da largura da fenda. Estudo da figura de interferência e da figura de difração

Leia mais

Actividade Laboratorial Biologia 10º Ano. OBSERVAÇÃO DE CÉLULAS EUCARIÓTICAS VEGETAIS (Parte I Guião)

Actividade Laboratorial Biologia 10º Ano. OBSERVAÇÃO DE CÉLULAS EUCARIÓTICAS VEGETAIS (Parte I Guião) Actividade Laboratorial Biologia 10º Ano OBSERVAÇÃO DE CÉLULAS EUCARIÓTICAS VEGETAIS (Parte I Guião) O que se pretende 1. Seleccionar material adequado à observação de células eucarióticas vegetais 2.

Leia mais

AULA PRÁTICA 11: SANGUE E HEMATOPOIESE

AULA PRÁTICA 11: SANGUE E HEMATOPOIESE AULA PRÁTICA 11: SANGUE E HEMATOPOIESE O sangue é um tecido conectivo especializado constituído por diferentes tipos celulares em suspensão em um meio líquido denominado de plasma. Funciona primordialmente

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - EQUIPAMENTO OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE MICROSCÓPIO CONTROLE DE APROVAÇÃO E REVISÃO

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - EQUIPAMENTO OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE MICROSCÓPIO CONTROLE DE APROVAÇÃO E REVISÃO 1/5 00 CONTROLE DE APROVAÇÃO E REVISÃO Elaboração Análise Crítica Aprovação Sidney J. Gomes Sidney J. Gomes Diretor do Laboratório Data: / / Data: / / Data: / / Resumo da revisão: - Emissão inicial DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

www.fisicanaveia.com.br

www.fisicanaveia.com.br www.fisicanaveia.com.br Lentes Esféricas Lentes Esféricas: construção Biconvexa Lentes Esféricas: construção PLANO-CONVEXA Lentes Esféricas: construção CÔNCAVO-CONVEXA Lentes Esféricas: construção BICÔNCAVA

Leia mais

Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010

Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010 Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010 2 de Junho de 2010 Série n.1 Propagação da luz 1. A velocidade da luz amarela de sódio num determinado líquido é 1, 92 10 8 m/s. Qual o índice de

Leia mais

Lentes de bordas finas: quando as bordas são mais finas que a região central.

Lentes de bordas finas: quando as bordas são mais finas que a região central. Lentes Esféricas Uma lente é um meio transparente que tem duas faces curvas ou uma face curva e outra plana. Na figura temos os tipos usuais de lentes,sendo as faces curvas esféricas. Lentes de bordas

Leia mais

Tópico 5. Aula Prática: Paquímetro e Micrômetro: Propagação de Incertezas - Determinação Experimental do Volume de um Objeto

Tópico 5. Aula Prática: Paquímetro e Micrômetro: Propagação de Incertezas - Determinação Experimental do Volume de um Objeto Tópico 5. Aula Prática: Paquímetro e Micrômetro: Propagação de Incertezas - Determinação Experimental do Volume de um Objeto 1. INTRODUÇÃO Será calculado o volume de objetos como esferas, cilindros e cubos

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre Telescópios. Telescopio Refrator. tub o Bandeja porta oculares Haste de micro ajuste Tripé. Buscador Ajuste de foco

Perguntas e Respostas sobre Telescópios. Telescopio Refrator. tub o Bandeja porta oculares Haste de micro ajuste Tripé. Buscador Ajuste de foco Perguntas e Respostas sobre Telescópios A palavra telescópio é de origem grega e significa ver ao longe (Tele Skopen). Os telescópios têm dois tipos básicos: refratores, regidos pelo princípio físico da

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE Credenciada pela Portaria/MEC nº 206/2002 D.O.U. 29/01/2002 ORGANIZAÇÃO SETE DE SETEMBRO DE CULTURA E ENSINO LTDA CNPJ: 03.866.544/0001-29 e Inscrição Municipal nº 005.312-3

Leia mais

EXPERIMENTO 1: PROPAGAÇÃO DE INCERTEZAS ( Determinaçãoda massa específica )

EXPERIMENTO 1: PROPAGAÇÃO DE INCERTEZAS ( Determinaçãoda massa específica ) EXPERIMENTO 1: PROPAGAÇÃO DE INCERTEZAS ( Determinaçãoda massa específica ) 1- INTRODUÇÃO Este experimento tem como objetivo o aprendizado no manuseio de instrumentos de medição bem como suas respectivas

Leia mais

Índice. 1. Advertência. 2. Características técnicas. 3. Aplicações. 4. Estrutura. 5. Instruções de uso e operação. 6. Manutenção.

Índice. 1. Advertência. 2. Características técnicas. 3. Aplicações. 4. Estrutura. 5. Instruções de uso e operação. 6. Manutenção. MODELO: BYG AR 1533 Índice 1. Advertência. 2. Características técnicas. 3. Aplicações. 4. Estrutura. 5. Instruções de uso e operação. 6. Manutenção. 7. Diagrama elétrico. 8. Diagrama hidráulico. 9. Peças

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL TEOTÔNIO VILELA EFM PROFESSOR: ALTAILSO JOSÉ RIBAS DISCIPLINA: FÍSICA SÉRIE: 2 ª BIMESTRE: 1º ANO: 2012 CONTEÚDOS ESTRUTURANTES

COLÉGIO ESTADUAL TEOTÔNIO VILELA EFM PROFESSOR: ALTAILSO JOSÉ RIBAS DISCIPLINA: FÍSICA SÉRIE: 2 ª BIMESTRE: 1º ANO: 2012 CONTEÚDOS ESTRUTURANTES SÉRIE: 2 ª BIMESTRE: 1º ANO: 2012 S Termologia Termometria Dilatação de sólidos e líquidos Calorimetria Mudanças de estado Estudo dos gases Termodinâmic a S ESPECÍFICOS OBJETIVOS METODOLOGI A Temperatura

Leia mais

Kit de Montagem de Mastro

Kit de Montagem de Mastro Parabéns pela aquisição do seu novo kit de montagem de mastro! Kit de Montagem de Mastro Manual de Instalação Este kit de montagem de mastro foi concebido para postes com 48 milímetros de diâmetro externo

Leia mais

Distância focal DISTÂNCIA FOCAL

Distância focal DISTÂNCIA FOCAL Distância focal DISTÂNCIA FOCAL: Unidade de medida relativa à distância existente entre o centro óptico de uma lente e o plano de foco. A distância focal determina a relação de grandeza de um motivo e

Leia mais

Instruçoes para fotos biométricas - República da Eslovênia

Instruçoes para fotos biométricas - República da Eslovênia Instruçoes para fotos biométricas - República da Eslovênia Recomendações do Ministério das Relações Exteriores da República da Eslovênia para as fotos biométricas: o o tamanho da foto: 3,5 x 4,5 cm o o

Leia mais

Aula4 MICROSCOPIA ELETRÔNICA. Fabiana Silva Vieira. META Explicar as técnicas de microscopia eletrônica de transmissão e de varredura.

Aula4 MICROSCOPIA ELETRÔNICA. Fabiana Silva Vieira. META Explicar as técnicas de microscopia eletrônica de transmissão e de varredura. Aula4 MICROSCOPIA ELETRÔNICA META Explicar as técnicas de microscopia eletrônica de transmissão e de varredura. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá: entender o funcionamento do microscópio eletrônico.

Leia mais

Óptica geométrica, óptica física e o olho humano. 1 Foco na retina 2 Difração da luz na pupila 3 Sensibilidade do olho humano e a Muralha da China

Óptica geométrica, óptica física e o olho humano. 1 Foco na retina 2 Difração da luz na pupila 3 Sensibilidade do olho humano e a Muralha da China Óptica geométrica, óptica física e o olho humano 1 Foco na retina 2 Difração da luz na pupila 3 Sensibilidade do olho humano e a Muralha da China Otaviano Helene, IFUSP, 2010 1 1 Foco na retina Evolução

Leia mais

Manual Técnico de Processamento de Sêmen para Inseminação Artificial

Manual Técnico de Processamento de Sêmen para Inseminação Artificial Manual Técnico de Processamento de Sêmen para Inseminação Artificial 1 Introdução A Inseminação Artificial (IA) é hoje em dia o método utilizado pela generalidade dos suinicultores, pois, permite fazer

Leia mais

Realizado por: Nuno Barros nº27283 Filipe Gonçalves nº27285 Ângelo Sousa nº28158 André Martins nº28531

Realizado por: Nuno Barros nº27283 Filipe Gonçalves nº27285 Ângelo Sousa nº28158 André Martins nº28531 Realizado por: Nuno Barros nº27283 Filipe Gonçalves nº27285 Ângelo Sousa nº28158 André Martins nº28531 Também conhecido por digitalizador Scanner é um periférico de entrada Leitura de textos e imagens

Leia mais

SIGNIFICADO DO COTIDIANO SIGNIFICADO DA FÍSICA

SIGNIFICADO DO COTIDIANO SIGNIFICADO DA FÍSICA SIGNIFICADO DO COTIDIANO SIGNIFICADO DA FÍSICA O QUE É A LUZ? Se alguém lançar uma pedra sobre um local que contenha água parada, como uma piscina, perceberá a formação de circunferências que sairão do

Leia mais

Professores: Gilberto / Gustavo / Luciano / Maragato CURSO DOMÍNIO. Comentário: Energia de Capacitor. Comentário: Questão sobre atrito

Professores: Gilberto / Gustavo / Luciano / Maragato CURSO DOMÍNIO. Comentário: Energia de Capacitor. Comentário: Questão sobre atrito Professores: Gilberto / Gustavo / Luciano / Maragato CURSO DOMÍNIO A prova de física exigiu um bom conhecimento dos alunos. Há questões relacionadas principalmente com a investigação e compreensão dos

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO PARA MOEDOR DE CARNE

MANUAL DE OPERAÇÃO PARA MOEDOR DE CARNE MANUAL DE OPERAÇÃO PARA MOEDOR DE CARNE 1-8 1 INTRODUÇÃO Neste manual de operação, você encontrará todas as informações necessárias sobre o equipamento para usá-lo corretamente. Ao adquirir um dos modelos

Leia mais

Binóculos são dois telescópios de baixa potência reunidos em um conjunto. Quais as partes de um binóculo?

Binóculos são dois telescópios de baixa potência reunidos em um conjunto. Quais as partes de um binóculo? Partes de Perguntas e respostas sobre Binóculos Binóculos são dois telescópios de baixa potência reunidos em um conjunto. Quais as partes de um binóculo? Prismas (internos): Aumenta a distância focal permitindo

Leia mais

ÓPTICA GEOMÉTRICA. Lista de Problemas

ÓPTICA GEOMÉTRICA. Lista de Problemas Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Física FIS01044 UNIDADE II ÓPTICA GEOMÉTRICA Lista de Problemas Problemas extraídos de HALLIDAY, D., RESNICK, R., WALKER, J.

Leia mais

INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA EXECUÇÃO DE SONDAGENS

INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA EXECUÇÃO DE SONDAGENS REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO ESTADUAL DE INFRA-ESTRUTURA INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA EXECUÇÃO DE SONDAGENS IN-08/94 Instrução

Leia mais

Todo o conjunto que compõe a visão humana é chamado globo ocular.

Todo o conjunto que compõe a visão humana é chamado globo ocular. Olho humano O olho humano é um sistema óptico complexo, formado por vários meios transparentes além de um sistema fisiológico com inúmeros componentes. Olho humano Todo o conjunto que compõe a visão humana

Leia mais

CUIDADOS BÁSICOS COM MICROSCÓPIOS ÓPTICOS Álvaro Macedo 1 Clóvis Isberto Biscegli 2 Ladislau Marcelino Rabello 3 Paulo S. P.

CUIDADOS BÁSICOS COM MICROSCÓPIOS ÓPTICOS Álvaro Macedo 1 Clóvis Isberto Biscegli 2 Ladislau Marcelino Rabello 3 Paulo S. P. Nº 3, nov/96, p.1-7 INTRODUÇÃO CUIDADOS BÁSICOS COM MICROSCÓPIOS ÓPTICOS Álvaro Macedo 1 Clóvis Isberto Biscegli 2 Ladislau Marcelino Rabello 3 Paulo S. P. Herrmann 3 Esse Comunicado Técnico é fruto dos

Leia mais

Volume 8 óptica. Capítulo 49 Espelhos Planos

Volume 8 óptica. Capítulo 49 Espelhos Planos Volume 8 óptica Vídeo 49.1 Vídeo 49.2 Vídeo 49.3 Vídeo 49.4 Vídeo 49.5 Vídeo 49.6 Vídeo 49.7 Vídeo 49.8 Vídeo 49.9 Capítulo 49 Espelhos Planos Um feixe de micro-ondas refletido por uma placa metálica plana

Leia mais

Lista de Revisão Óptica na UECE e na Unifor Professor Vasco Vasconcelos

Lista de Revisão Óptica na UECE e na Unifor Professor Vasco Vasconcelos Lista de Revisão Óptica na UECE e na Unifor Professor Vasco Vasconcelos 0. (Unifor-998. CE) Um objeto luminoso está inicialmente parado a uma distância d de um espelho plano fixo. O objeto inicia um movimento

Leia mais

DEFIJI Semestre2014-1 10:07:19 1 INTRODUÇÃO

DEFIJI Semestre2014-1 10:07:19 1 INTRODUÇÃO 1 DEFIJI Semestre2014-1 Ótica Lentes Esféricos Prof. Robinson 10:07:19 1 O ÍNDICE DE REFRAÇÃO INTRODUÇÃO Quando a luz passa de um meio para outro, sua velocidade aumenta ou diminui devido as diferenças

Leia mais

A biodiversidade em diferentes ambientes. http://www.prof2000.pt/users/ccaf/exercicios/ecossistemas/biomas.htm

A biodiversidade em diferentes ambientes. http://www.prof2000.pt/users/ccaf/exercicios/ecossistemas/biomas.htm A biodiversidade em diferentes ambientes http://www.prof2000.pt/users/ccaf/exercicios/ecossistemas/biomas.htm Unidade básica da vida a célula Quem foi Robert Hooke? Por volta de 1667, o cientista inglês

Leia mais

No manual da webcam, ele descobriu que seu sensor de imagem tem dimensão total útil de 2

No manual da webcam, ele descobriu que seu sensor de imagem tem dimensão total útil de 2 1. (Ufsc 2015) Fotografar é uma arte que se popularizou com os celulares e se intensificou com as redes sociais, pois todos querem postar, publicar os seus registros, suas selfies. Talvez alguns celulares

Leia mais

Eu não nasci de óculos!

Eu não nasci de óculos! A U A UL LA Eu não nasci de óculos! Enquanto Roberto conversa com Gaspar, Ernesto coloca os óculos de Roberto e exclama: - Puxa, estou enxergando tudo embaralhado. Tudo meio turvo! - É como você tivesse

Leia mais

Microscópio Field Emissiom Gun JSM 6330 F

Microscópio Field Emissiom Gun JSM 6330 F Microscópio Field Emissiom Gun JSM 6330 F ATENÇÃO, LEIA ATENTAMENTE ESTE MANUAL! Para evitar problemas de aquecimento com o microscópio quando ligado, existe um interlock de segurança ligado ao rotâmetro

Leia mais

PORTÃO SECCIONADO 2P

PORTÃO SECCIONADO 2P PORTÃO SECCIONADO 2P 1: MODELO RESIDENCIAL : 5000 x 3000 mm ( largura x altura ) Altura mínima de padieira calha dupla ( HPcdmin) : 200 mm Altura mínima Padieira calha simples ( HPcsmin): 375 mm Largura

Leia mais

3B SCIENTIFIC PHYSICS

3B SCIENTIFIC PHYSICS 3B SCIENTIFIC PHYSICS Kit de ótica laser de demonstração U17300 e kit complementar Manual de instruções 1/05 ALF Índice de conteúdo Página Exp - N Experiência Kit de aparelhos 1 Introdução 2 Fornecimento

Leia mais

Citologia, Histologia e Embriologia

Citologia, Histologia e Embriologia FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERLÂNDIA Citologia, Histologia e Embriologia Educação Física 1º P Prof. Msc Ana Paula de Souza Paixão O que significa

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO Microscópio Estereoscópio Karis Modelos: Q724S-1 e Q724S-2 Quimis Aparelhos Científicos Ltda.

INSTRUÇÕES DE USO Microscópio Estereoscópio Karis Modelos: Q724S-1 e Q724S-2 Quimis Aparelhos Científicos Ltda. INSTRUÇÕES DE USO Microscópio Estereoscópio Karis Modelos: Q724S-1 e Q724S-2 Quimis Aparelhos Científicos Ltda. Fabricante Nigbo Sunny Instruments CO.,Ltd. Zhejiang CHINA Importador e Distribuidor Quimis

Leia mais

Transportador Pantográfico Elétrico TPE 1000

Transportador Pantográfico Elétrico TPE 1000 Transportador Pantográfico Elétrico TPE 1000 1 Manual de operação Conteúdo : 1 Parâmetros técnicos 2 Aplicações 3 Instruções de uso e operação 4 Manutenção 5 Carregador de bateria 6 Esquema elétrico 2

Leia mais

Aula do Curso Noic de Física, feito pela parceria do Noic com o Além do Horizonte

Aula do Curso Noic de Física, feito pela parceria do Noic com o Além do Horizonte Espelhos esféricos são superfícies refletoras muito comuns e interessantes de se estudar. Eles são capazes de formar imagens maiores ou menores, inversas ou direitas, dependendo do tipo de espelho, suas

Leia mais

SIMULADO ABERTO ENEM 2015

SIMULADO ABERTO ENEM 2015 SIMULADO ABERTO ENEM 2015 1) A figura mostra a bela imagem de um gato ampliada pela água de um aquário esférico. Trata-se de uma imagem virtual direita e maior. A cerca do fenômeno óptico em questão, é

Leia mais

TREINAMENTO TERMOSTATO DANFOSS

TREINAMENTO TERMOSTATO DANFOSS TREINAMENTO TERMOSTATO DANFOSS Página 1 O que é o termostato? O termostato é um controlador de temperatura, ou seja, ele funciona como uma chave liga e desliga baseada na temperatura. Para melhor entender

Leia mais

Solares. guarda-sóis manual de troca de corda

Solares. guarda-sóis manual de troca de corda Solares guarda-sóis manual de troca de corda Solares guarda-sóis manual de troca de corda Instruções gerais e de segurança Leia as instruções de montagem Apesar dos produtos Stobag serem de fácil montagem,

Leia mais

Entendendo o Astigmatismo. Introdução. Lentes especiais sem astigmatismo MAS450/854. 9 de março de 2003

Entendendo o Astigmatismo. Introdução. Lentes especiais sem astigmatismo MAS450/854. 9 de março de 2003 Entendendo o Astigmatismo MAS450/854 Primavera 2003 9 de março de 2003 Introdução Lentes especiais sem astigmatismo Lentes cilíndricas cruzadas com astigmatismo o Foco horizontal o Foco vertical o Plano

Leia mais

FÍSICA LISTA 3 LENTES E ÓPTICA DA VISÃO LENTES

FÍSICA LISTA 3 LENTES E ÓPTICA DA VISÃO LENTES FÍSICA Prof. Bruno Roberto LISTA 3 LENTES E ÓPTICA DA VISÃO LENTES 1. (Unicamp 2013) Um objeto é disposto em frente a uma lente convergente, conforme a figura abaixo. Os focos principais da lente são indicados

Leia mais