TÍTULO: JANELA AUTOMATIZADA QUE OPERA A PARTIR DE DADOS METEOROLÓGICOS OBTIDOS POR SENSORES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TÍTULO: JANELA AUTOMATIZADA QUE OPERA A PARTIR DE DADOS METEOROLÓGICOS OBTIDOS POR SENSORES"

Transcrição

1 TÍTULO: JANELA AUTOMATIZADA QUE OPERA A PARTIR DE DADOS METEOROLÓGICOS OBTIDOS POR SENSORES CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA AUTOR(ES): TADEU DOMINGUES DA SILVA ANTUNES ORIENTADOR(ES): JOSÉ CARLOS MORILLA

2 Resumo O objetivo do projeto é estudar um sistema de movimentação automático de uma janela em função de condições meteorológicas. Abertura e fechamento da janela é realizada por um sistema de cremalheira acionado por um motor de passo cujo funcionamento é governado por sensores que fornecem as condições meteorológicas do local. Dentro do sistema eletrônico são incorporados sensores de umidade e temperatura, presença, fotossintético e de chuva. Estes sensores enviam informações para um software que aciona ou não o motor elétrico do sistema. O fechamento da janela é executado quando os sensores presentes indicam possibilidade de chuva. A janela é aberta quando o sensor de chuva indica tempo seco. Palavras chaves: Chuva; Janela; Software; Automação; Sensores; Tempo. Introdução Automação residencial é um passo além da mecanização, utilizando da tecnologia para facilitar algumas tarefas habituais, tornando-as automáticas e provendo segurança através de sensores, temporizadores e até da utilização de controles remotos. (AUTOMATICHOUSE, 2015). Por todo o mundo é visível o crescimento da tecnologia de automação residencial, porém segundo os dados coletados pela Associação Brasileira de Automação Residencial AURESIDE, o Brasil seria hoje um dos maiores consumidores de automação residencial do mundo. Este índice está diretamente ligado à indústria do medo, indústria que mais gera riqueza no pais, devido ao fato que a automação proporciona uma maior segurança para o consumidor. (REQUENA, 2004). Com o avanço da tecnologia foi desenvolvido o conceito de casa automatizada. Este tipo de casa pode comunicar-se com o proprietário. Este conceito é denominado Domótica, que é uma fusão da palavra Domus que significa casa e Robótica que está ligada ao ato de automatizar. (SISLITE, 2013). Em matéria de automação, existem as entradas e saídas de informações.

3 Os sensores são componentes eletrônicos que convertem medidas do mundo real em sinal elétrico. (BANZI & SHILOH, 2015). Ou seja, os sensores são dispositivos sensíveis a algum tipo de energia do ambiente (luminosa, térmica, cinética) e que relacionam informações sobre uma grandeza que precisa ser medida (temperatura, pressão, velocidade, corrente, aceleração, posição, entre outros). (TAMY, 2011). Em suma, os sensores são responsáveis por transformar os dados obtidos em energia elétrica para que o microprocessador possa entender o sinal. (BANZI & SHILOH, 2015). Os sensores são entradas físicas para um circuito, chamados de transdutores. Este nome é dado, devido ao seu processo de converter a energia detectada em outra forma de energia. Por exemplo, um sensor de luz faz a transdução de energia luminosa para resistência (energia elétrica). (KARVINEN & KARVINEN, 2014). Objetivo Desenvolver um sistema de automatização de janela, para que a mesma possa fechar em condições climáticas consideradas desfavoráveis. Com isto, criar uma miniestação meteorológica automatizada para obter os valores necessários. O objetivo é analisar e interpretar dados meteorológicos por meio de sensores e determinar, de uma maneira segura, a movimentação de uma janela residencial, visando a comodidade, o conforto e a segurança das pessoas. Metodologia Em primeira instancia foi definido as características do motor a ser utilizado para um tamanho padrão de janela. A partir de uma pesquisa de campo, foi determinado que o material mais comum para janelas de madeira é a madeira do tipo Cedro. Em seguida deu-se início à parte de automação eletrônica do projeto, e com isso, a elaboração do fluxograma (figura 1) de funcionamento do programa a ser desenvolvido. Como micro controlador do sistema, foi utilizado a placa Arduino Uno e o programa foi escrito na linguagem de programação do próprio, baseada na linguagem de programação Processing..

4 Os sensores, ou entradas, como são chamados em matéria de automação, foram: sensor analógico de chuva, sensor analógico de luminosidade, sensor analógico de infravermelho e sensor analógico de temperatura e umidade. Figura 1 Fluxograma da idéia de funcionamento do sistema eletrônico. Nesta figura podese observar as condições de trabalho da janela. Desenvolvimento Para facilitar a visualização, foi utilizado um LED no lugar do motor de passo, sendo que quando o LED emitia luminosidade, representava o fechamento da janela. O sistema foi colocado a prova por diversos dias e em diversas condições, mostrando-se eficaz no que foi prometido. Quando os sensores captavam sinais considerados críticos, plausíveis de chuva, o programa automaticamente fazia com que o LED acendesse. A figura 2 mostra o esquema eletrônico da miniestação meteorológica que foi desenvolvida.

5 Figura 2 Esquema eletrônico da miniestação meteorológica. A: sensor de chuva. B: sensor de luz. C: Sensores infravermelhos. D: Sensor de temperatura e umidade. E: placa Arduino Uno. F: LED. Após determinar os parâmetros de inicialização, o programa é executado e isto significa que a partir deste momento, o programa, realiza as operações por tempo indeterminado. A figura 3 mostra os comandos existentes no código de programação. Figura 3 Menu do programa. Pedaço do código de programação. É nesta fase do programa que é definido o que vai ser executado até o programa ser desligado, repetidas vezes. Segundo a lógica de funcionamento do programa, que pode ser observada na figura 1, a primeira coisa que deve ser analisado pelos sensores, é se existe a ocorrência de chuva, ou seja, o sensor de chuva deve ser o primeiro a ser analisado

6 e interpretado. Isto é realizado com o comando sensor_chuva();. Este comando determina que a primeira coisa a se fazer é entrar no bloco de código do sensor de chuva e analisar se os parâmetros apresentados por ela é condizente com a presença de chuva. Como o sensor de chuva é um analógico, ele apresenta valores numéricos, de 0 a 1024, como resultados. Quando não existe a presença de água no sensor, ele mantém uma média de valores acima de 800. Já na presença de chuva, esses valores começam a diminuir e ficam menores que 800. Sendo assim, foi desenvolvido uma condicional, ou seja, se no momento em que o programa está fazendo a leitura do bloco de código do sensor de chuva, ele encontra um valor menor que 800, ele deveria acender a luz do LED. Porém, este projeto visa, além da funcionalidade, a segurança, e então antes de realizar qualquer ação, o programa analisa o sensor de infravermelho. Este sensor trabalha da mesma forma que o sensor de chuva, porém não é sensível à água, e sim à presença de objetos. Isto ocorre devido à interrupção do sinal que é enviado do emissor de infravermelho para o receptor. Novamente, são enviados valores numéricos a partir do sensor. Quando não existe interferência entre os sensores, os valores apresentados pelos sensores são bem baixos, abaixo de 800, já quando o corre a interferência do sinal (presença de algo), este valor aumenta. Com isto em mente, foi adicionado esta informação à condicional do sensor de chuva. O comando if (chuva < 800 && IRValue < 800) representa tudo o que foi dito anteriormente. O programa faz a leitura da seguinte forma. Se a leitura do sensor de chuva for menor do que 800 e a leitura do sensor de infravermelho for menor que 800, o LED acende ( digitalwrite (4, HIGH) ). Na figura 4 é possível observar o funcionamento do sistema quando um dos sensores está ativado. Neste caso, o sensor de chuva que está sendo ativado.

7 Figura 4 O circuito do sensor de chuva foi fechado utilizando um cotonete molhado. Quando a água entra em contato com o sensor, o valor de sua resistência varia, que, quando em conjunto com o código de programação, faz o LED acender. Já na figura 5, mostra quando foi colocado uma barreira entre os sensores de infravermelho. Figura 5 Nesta etapa, foi colocado um obstáculo (dedo) entre os sensores infravermelhos, com isso o valor que é lido pelo programa é maior que 800 (figura 17). Devido a condicional colocado no programa if (chuva < 800 && IRValue < 800), o LED se apaga, representando que o motor para de funcionar quando existe a presença de algo no percurso.

8 Foi exemplificado o funcionamento físico do sistema nas figuras 4 e 5, porém, para entender os valores que foram citados no texto, o programa possibilita que, quando conectado a um computador, o programador veja os valores obtidos pelos sensores em tempo real. Esta função é criada junto com o código de programação com o comando Serial.begin (9600);. As figuras 6 e 7 mostram os valores numéricos, calculados pelos sensores. A partir destes valores que o programa estabelece o que deve ser feito. Figura 6 Esta figura mostra a janela IDE do programa. Os destaques em vermelho mostram os valores obtidos pelo sensor de chuva. É possível observar que no destaque superior em vermelho, o valor obtido é 587, o que representa que existe água em sua resistência. No destaque vermelho inferior, o valor é mais alto que 800, significando que não existe a presença de água em seu circuito. O destaque em preto é o valor obtido pelo sensor de infravermelho. Observa-se claramente que o valor é abaixo de 800, portanto, representa que não existe nenhum obstáculo entre os sensores. Figura 7 Esta figura mostra no destaque em vermelho que o valor é menor que 800, portanto, existe água no circuito. No destaque em preto, o valor de infravermelho é maior do que 800, indicando a presença de obstáculo entre os sensores.

9 Foi seguido a mesma linha de raciocínio para os outros sensores, levando sempre em consideração o que foi estabelecido pelo fluxograma (figura 1). Conclusão Para a verificação do funcionamento do sistema, foi inserido um LED, o qual, acendeu em todos os momentos considerados críticos, representando o fechamento de uma janela. O que nos leva a concluir que o projeto funcionará adequadamente. Além disto, concluiu-se que por se tratar de um processo de automação residencial, é plausível o uso de mais tecnologia, como controladores lógicos programáveis mais modernos e maior interligação entre os proprietários e as informações obtidas pelos sensores. Em suma, quando se trata de automação residencial, percebe-se que existe um interesse grande, tanto da parte de comodidade quanto da parte de segurança. Fontes consultadas AUTOMATICHOUSE. O que é automação residencial. Conteúdo disponível em <http://www.automatichouse.com.br/automatichouse/website/automacao/residenci al.aspx> Acesso em: 28 mai BANZI, M.; SHILOH, M. Primeiros passos com o Arduino. Novatec Editora Ltda. 2 edição, KARVINEN, K & KARVINEN, T. Primeiros passos com sensores. Novatec Editora Ltda REQUENA, G. Habitação e novas mídias: equipamentos e seus usos no habitar contemporâneo. Conteúdo disponível em <http://www.gutorequena.com.br/ artigo_automação/artigo_automação.htm>. Acesso em 28 mai SISLITE integração de sistema. O que é a Domótica? Conteúdo disponível em <http://www.sislite.pt/domus.htm> Acesso em: 08 abr TAMY, D. Como funcionam os sensores. Conteúdo disponível em <http://www.garotascpbr.com.br/2011/10/como-funcionam-os-sensores>. Acesso em: 11 abr

TÍTULO: EMBALADORA DE TABULEIROS DE DAMAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS

TÍTULO: EMBALADORA DE TABULEIROS DE DAMAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: EMBALADORA DE TABULEIROS DE DAMAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA:

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO 0 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO PROJETO INTEGRADO: COBERTURA AUTOMATIZADA COM DETECTOR DE CHUVA CURITIBA 2010 1 TAISA DAIANA DA COSTA PROJETO

Leia mais

Ambientes Inteligentes

Ambientes Inteligentes Ambientes Inteligentes APRESENTAÇÃO Com a grande inovação tecnológica e a evidente demanda por segurança e comodidade, o gerenciamento de todos os processos e máquinas que nos rodeia torna-se indispensável.

Leia mais

Alarme Automotivo com mensagem para móvel utilizando Arduino

Alarme Automotivo com mensagem para móvel utilizando Arduino Alarme Automotivo com mensagem para móvel utilizando Arduino Maycon Cirilo dos Santos¹, Wyllian Fressatti¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil mayconsi2012@gmail.com, wyllian@unipar.br

Leia mais

ALC. Ricardo Geraldes David João. Rodrigo Carlucci da Luz. Lucas Pinheiro Berto

ALC. Ricardo Geraldes David João. Rodrigo Carlucci da Luz. Lucas Pinheiro Berto Ricardo Geraldes David João Rodrigo Carlucci da Luz Lucas Pinheiro Berto ALC Projeto apresentado como requisito Parcial para avaliação do Programa de Aprendizagem em Física III e requisito para o programa

Leia mais

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Engenharias Urbanismo e Arquitetura Curso de Engenharia Elétrica/Eletrônica JANELA SENSORIAL

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Engenharias Urbanismo e Arquitetura Curso de Engenharia Elétrica/Eletrônica JANELA SENSORIAL 1 Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Engenharias Urbanismo e Arquitetura Curso de Engenharia Elétrica/Eletrônica JANELA SENSORIAL BRUNO AUGUSTO CAETANO FERNANDO ALMEIDA SALGADO Relatório do Trabalho

Leia mais

Introdução. Criar um sistema capaz de interagir com o ambiente. Um transdutor é um componente que transforma um tipo de energia em outro.

Introdução. Criar um sistema capaz de interagir com o ambiente. Um transdutor é um componente que transforma um tipo de energia em outro. SENSORES Introdução Criar um sistema capaz de interagir com o ambiente. Num circuito eletrônico o sensor é o componente que sente diretamente alguma característica física do meio em que esta inserido,

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE SENSORES PARA UMA SELADORA AUTOMATICA DE TABULEIROS DE DAMAS

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE SENSORES PARA UMA SELADORA AUTOMATICA DE TABULEIROS DE DAMAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE SENSORES PARA UMA SELADORA AUTOMATICA DE TABULEIROS DE DAMAS CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Seguidor de Linha. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19. www.robouno.com.br

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Seguidor de Linha. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19. www.robouno.com.br R O B Ó T I C A Sensor Smart Seguidor de Linha Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19 Sensor Smart Seguidor de Linha 1. Introdução Os sensores seguidores de linha são sensores que detectam

Leia mais

Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação. Introdução à Engenharia de Controle e Automação

Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação. Introdução à Engenharia de Controle e Automação Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação (do latim Automatus, que significa mover-se por si) ; Uso de máquinas para controlar e executar suas tarefas quase sem interferência humana, empregando

Leia mais

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Ultrassom. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13. www.robouno.com.br

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Ultrassom. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13. www.robouno.com.br R O B Ó T I C A Sensor Smart Ultrassom Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13 Sensor Smart Ultrassom 1. Introdução Os sensores de ultrassom ou ultrassônicos são sensores que detectam

Leia mais

PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO

PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO Wilker Luiz Machado Barros¹, Wyllian Fressatti¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil wilkermachado1@hotmail.com,

Leia mais

APLICAÇÃO PARA ANÁLISE GRÁFICA DE EXERCÍCIO FÍSICO A PARTIR DA PLATAFORMA ARDUINO

APLICAÇÃO PARA ANÁLISE GRÁFICA DE EXERCÍCIO FÍSICO A PARTIR DA PLATAFORMA ARDUINO APLICAÇÃO PARA ANÁLISE GRÁFICA DE EXERCÍCIO FÍSICO A PARTIR DA PLATAFORMA ARDUINO Alessandro A. M de Oliveira 1 ; Alexandre de Oliveira Zamberlan 1 ; Péricles Pinheiro Feltrin 2 ; Rafael Ogayar Gomes 3

Leia mais

Automação industrial Sensores

Automação industrial Sensores Automação industrial Sensores Análise de Circuitos Sensores Aula 01 Prof. Luiz Fernando Laguardia Campos 3 Modulo Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina Cora Coralina O que são sensores?

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE CONTROLE AUTOMATIZADO DA ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL DE INTERIORES

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE CONTROLE AUTOMATIZADO DA ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL DE INTERIORES 1 DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE CONTROLE AUTOMATIZADO DA ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL DE INTERIORES Denise Antunes de Lima 1 ; Jonatan Rafael Rakoski Zientarski 2 1 INTRODUÇÃO A iluminação artificial do interior

Leia mais

Entrada e Saída. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Entrada e Saída. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Entrada e Saída Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Dispositivos Externos; E/S Programada; E/S Dirigida por Interrupção; Acesso Direto à Memória; Bibliografia. Prof. Leonardo Barreto Campos

Leia mais

Microcontrolador Modelix 3.6

Microcontrolador Modelix 3.6 Curso de Robótica 1 Curso de Robótica Introdução à robótica O desenvolvimento da robótica surgiu da necessidade de se aperfeiçoar processos de fabricação, no sentido de melhorar a qualidade dos produtos.

Leia mais

BEC- Bafômetro Embutido em Carros

BEC- Bafômetro Embutido em Carros BEC- Bafômetro Embutido em Carros Síntia Rodrigues Moreira Fernanda Rodrigues da Silva Márcia Jorge do Carmo Renata Cristina Guimarães Sofia Pereira Campos Agosto de 2014 1 1 Introdução O consumo de álcool

Leia mais

Introdução à Engenharia de Automação

Introdução à Engenharia de Automação Introdução à Engenharia de Automação 1 A automação em nossas vidas Objetivo: Facilitar nossas vidas Automação no dia-a-dia Em casa: Lavando roupa Abrindo o portão Lavando louça Na rua: Sacando dinheiro

Leia mais

RECONHECIMENTO DE VOZ UTILIZANDO ARDUINO

RECONHECIMENTO DE VOZ UTILIZANDO ARDUINO RECONHECIMENTO DE VOZ UTILIZANDO ARDUINO Jessica Garcia Luz, Wyllian Fressatti Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí - PR - Brasil jessica.garcia.luz@gmail.com wyllian@unipar.br Resumo. Este artigo

Leia mais

TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS

TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA:

Leia mais

CONTROLE AUTOMÁTICO DO TEMPO DE UM BANHO EM FUNÇÃO DO FLUXO DA AGUA VISANDO A SUSTENTÁBILIDADE

CONTROLE AUTOMÁTICO DO TEMPO DE UM BANHO EM FUNÇÃO DO FLUXO DA AGUA VISANDO A SUSTENTÁBILIDADE CONTROLE AUTOMÁTICO DO TEMPO DE UM BANHO EM FUNÇÃO DO FLUXO DA AGUA VISANDO A SUSTENTÁBILIDADE Marcus Valério Rocha Garcia mvrgarcia70@gmail.com Luiz Flavio Parquet luizflavio0710@gmail.com Matheus Dantas

Leia mais

Técnico/a de Refrigeração e Climatização

Técnico/a de Refrigeração e Climatização Técnico/a de Refrigeração e Climatização 1315 Eletricidade e eletrónica - programação de autómatos 2013/ 2014 Gamboa 1 Introdução Automação, estudo dos métodos e procedimentos que permitem a substituição

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas......8 2 APRESENTAÇÃO: O SS100 é um rastreador desenvolvido com os mais rígidos padrões de qualidade

Leia mais

INTRODUÇÃO À TECNOLOGIA TOUCH SCREEN

INTRODUÇÃO À TECNOLOGIA TOUCH SCREEN INTRODUÇÃO À TECNOLOGIA TOUCH SCREEN Eduardo Reis Tomiassi¹, Wyllian Fressatti 2 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí -Paraná- Brasil tomiassi88@hotmail.com, wyllian@unipar.br Resumo: Neste trabalho

Leia mais

Automação Residencial

Automação Residencial Automação Residencial F. A. Dias G. M. de Paula L. S. de Oliveira G.F. Vieira 1 CEFET-MG, Brasil Contexto Social e Profissional, 2009 Graduação em Engenharia Mecatrônica Motivação Questão fundamental O

Leia mais

Projetos de Eletrônica Básica II

Projetos de Eletrônica Básica II Projetos de Eletrônica Básica II MUITO CUIDADO NA MONTAGEM DOS CIRCUITOS, JÁ QUE SE ESTÁ TRABALHANDO COM A REDE ELÉTRICA. Projete um sistema para uma casa inteligente, com as seguintes características:

Leia mais

Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações.

Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações. Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações. A partir de agora, iremos conhecer o hardware do Arduino e suas caracteristicas

Leia mais

AUTOMAÇÃO PREDIAL EM SALAS COMERCIAIS UTILIZANDO O LABVIEW E ARDUINO. Fábio F. M. de Moraes, Simon Pedro da F. Pinheiro, Roger R.

AUTOMAÇÃO PREDIAL EM SALAS COMERCIAIS UTILIZANDO O LABVIEW E ARDUINO. Fábio F. M. de Moraes, Simon Pedro da F. Pinheiro, Roger R. AUTOMAÇÃO PREDIAL EM SALAS COMERCIAIS UTILIZANDO O LABVIEW E ARDUINO Fábio F. M. de Moraes, Simon Pedro da F. Pinheiro, Roger R. da Silva Instituto de Estudos Superior da Amazônia - IESAM Av. José Malcher,

Leia mais

Conceitos Básicos de Automação. Exemplo Motivador

Conceitos Básicos de Automação. Exemplo Motivador Conceitos Básicos de Automação Prof. Jeferson L. Curzel 2011/02 Exemplo Motivador Para uma furação manual o operador usava os olhos, o tato e a contração de seus braços para avaliar a evolução do furo

Leia mais

TÍTULO: ARCASE - AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL COM ANDROID E SISTEMAS EMBARCADOS

TÍTULO: ARCASE - AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL COM ANDROID E SISTEMAS EMBARCADOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ARCASE - AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL COM ANDROID E SISTEMAS EMBARCADOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA:

Leia mais

JULIANA CECÍLIA GIPIELA CORRÊA DIAS MARIO HENRIQUE CÉ DEMARIA COOLER AUTOMÁTICO

JULIANA CECÍLIA GIPIELA CORRÊA DIAS MARIO HENRIQUE CÉ DEMARIA COOLER AUTOMÁTICO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ ESCOLA POLITÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO JULIANA CECÍLIA GIPIELA CORRÊA DIAS MARIO HENRIQUE CÉ DEMARIA COOLER AUTOMÁTICO CURITIBA 19-06-2013 JULIANA

Leia mais

Manual de utilização. Aplicativo que substitua o controle remoto da TV e Home Theater da marca LG.

Manual de utilização. Aplicativo que substitua o controle remoto da TV e Home Theater da marca LG. Manual de utilização Aplicativo que substitua o controle remoto da TV e Home Theater da marca LG. ANO 2013 Sumário 1. Descrição... 3 2. Esquema Arduino... 4 3. Código Arduino... 5 4. Instalação do Aplicativo...

Leia mais

Minicurso de Arduino

Minicurso de Arduino Minicurso de Arduino Gabriel Vasiljević Wanderson Ricardo August 28, 2015 Gabriel Vasiljević Wanderson Ricardo Minicurso de Arduino August 28, 2015 1 / 45 Roteiro do curso O que é o Arduino (especificações,

Leia mais

Lição 5. Instrução Programada

Lição 5. Instrução Programada Instrução Programada Lição 5 Na lição anterior, estudamos a medida da intensidade de urna corrente e verificamos que existem materiais que se comportam de modo diferente em relação à eletricidade: os condutores

Leia mais

INTRODUÇÃO A ROBÓTICA

INTRODUÇÃO A ROBÓTICA INTRODUÇÃO A ROBÓTICA RODRIGO PENIDO DE AGUIAR COLÉGIO SÃO PAULO 2015 O que é robótica? A robótica é ciência que estuda a construção de robôs e computação. Ela trata de sistemas compostos por partes mecânicas

Leia mais

TÍTULO: BRAÇO MECÂNICO AUTOMATIZADO USANDO UM CONTROLADOR ARDUINO GUIADO POR UM SENSOR DE COR RGB

TÍTULO: BRAÇO MECÂNICO AUTOMATIZADO USANDO UM CONTROLADOR ARDUINO GUIADO POR UM SENSOR DE COR RGB TÍTULO: BRAÇO MECÂNICO AUTOMATIZADO USANDO UM CONTROLADOR ARDUINO GUIADO POR UM SENSOR DE COR RGB CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

1. CAPÍTULO COMPUTADORES

1. CAPÍTULO COMPUTADORES 1. CAPÍTULO COMPUTADORES 1.1. Computadores Denomina-se computador uma máquina capaz de executar variados tipos de tratamento automático de informações ou processamento de dados. Os primeiros eram capazes

Leia mais

Manual de Operação. Porta de Segurança Eclusa Modelo PSED-C

Manual de Operação. Porta de Segurança Eclusa Modelo PSED-C Manual de Operação Porta de Segurança Eclusa Modelo PSED-C Introdução Prezado Cliente, Primeiramente devemos parabenizá-lo por ter escolhido um equipamento com a marca DMP Brasil. A Porta de Segurança

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO DIGITAL

SISTEMA DE MONITORAMENTO DIGITAL SISTEMA DE MONITORAMENTO DIGITAL Módulos para automação Características gerais - Processamento independente - Possui alerta sonoro e luminoso de falta de conexão - Não precisa ser configurado (Plug and

Leia mais

CONTROLADOR CONDAR MP3000.

CONTROLADOR CONDAR MP3000. CONTROLADOR CONDAR MP3000. O equipamento CONDAR MP3000 é um Controlador Eletrônico Microprocessado desenvolvido especificamente para automação de até três Condicionadores de Ar instalados em um mesmo ambiente

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA MICROCONTROLADO DE BAIXO CUSTO UTILIZANDO SMARTPHONE PARA APLICAÇÕES DE AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA MICROCONTROLADO DE BAIXO CUSTO UTILIZANDO SMARTPHONE PARA APLICAÇÕES DE AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA - ELETROTÉCNICA GUILHERME SARTORI LEANDRO ARIEL MOLINA WILLIAN CEZAR GONÇALVES

Leia mais

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Disciplina: Instrumentação e Automação Industrial I(ENGF99) Professor: Eduardo Simas(eduardo.simas@ufba.br) Sensores

Leia mais

Fundamentos de Automação. Controladores

Fundamentos de Automação. Controladores Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Controladores

Leia mais

InteropMix 2014. Arduino e Internet das Coisas. Leandro Ramos Leonardo Toledo Robson Machado

InteropMix 2014. Arduino e Internet das Coisas. Leandro Ramos Leonardo Toledo Robson Machado InteropMix 2014 Arduino e Internet das Coisas Leandro Ramos Leonardo Toledo Robson Machado 29/novembro/2014 http://www.eaduino.com.br 2 Arduino Arduino é uma plataforma de hardware e software open source

Leia mais

TOMADAS INTELIGENTES: SISTEMA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO DE TOMADAS ELÉTRICAS BASEADO EM SMARTPHONES

TOMADAS INTELIGENTES: SISTEMA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO DE TOMADAS ELÉTRICAS BASEADO EM SMARTPHONES TOMADAS INTELIGENTES: SISTEMA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO DE TOMADAS ELÉTRICAS BASEADO EM SMARTPHONES Sérgio Freitas da Silva Jr - 9º ano do Ensino Fundamental 1, Lucas Santos do Nascimento Portela 3º ano

Leia mais

Quando comparado com uma chave mecânica, uma chave eletrônica apresenta vantagens e desvantagens.

Quando comparado com uma chave mecânica, uma chave eletrônica apresenta vantagens e desvantagens. Chave eletrônica Introdução O transistor, em sua aplicação mais simples, é usado como uma chave eletrônica, ou seja, pode ser usado para acionar cargas elétricas. A principal diferença entre o transistor

Leia mais

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas administrativos da empresa. Nessa configuração, o PC é a

Leia mais

Relatório Final F-609 Estudo da 1ª e 2ª Lei de Ohm com riscos de grafite em papel.

Relatório Final F-609 Estudo da 1ª e 2ª Lei de Ohm com riscos de grafite em papel. Relatório Final F-609 Estudo da 1ª e 2ª Lei de Ohm com riscos de grafite em papel. Aluno: Claudecir Ricardo Biazoli, RA: 038074. Orientador: Fernando Iikawa Sumário: 1- Introdução 3 2- Importâncias didática

Leia mais

AUTOR(ES): MAYKON DAVID DA SILVA BARROS, ENDRIGO RICARDO FIGUEIREDO IANHAS

AUTOR(ES): MAYKON DAVID DA SILVA BARROS, ENDRIGO RICARDO FIGUEIREDO IANHAS TÍTULO: DOMÓTICA - AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL POR COMANDO DE VOZ CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOTUPORANGA AUTOR(ES): MAYKON

Leia mais

LENDO SINAIS. O computador poderá tomar uma ou várias decisões ao mesmo tempo, conforme o dado lido através de sensores específicos.

LENDO SINAIS. O computador poderá tomar uma ou várias decisões ao mesmo tempo, conforme o dado lido através de sensores específicos. LENDO SINAIS Poderemos desenvolver interfaces de diversos tipos, e conectá-las à Porta Paralela para adquirirmos dados do mudo real, onde poderemos processá-los, armazená-los e depois converte-los em informações

Leia mais

SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL

SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL www.alumbra.com.br SAC 0800-193130 SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL SOLUÇÕES FEITAS PARA VOCÊ SOLUÇÕES FEITAS PARA VOCÊ SMART CONTROL UM TOQUE DE TECNOLOGIA, CONFORTO E PERSONALIDADE EM TODOS OS SEUS

Leia mais

Manual do instalador Box Output DC Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Output DC.

Manual do instalador Box Output DC Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Output DC. Pág. 1/10 Apresentação Equipamento para acionamento de cargas em corrente contínua. Comunicação com outros dispositivos por rede CAN. 6 entradas digitais para acionamento local ou remoto. 6 entradas/saídas

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Sensor / Detector de Chama Convencional Tipo Ultravioleta Código: AFC9104. O detector de chama AFC9104 é um equipamento que deve ser instalado no teto ou na parede das edificações e tem como função enviar

Leia mais

Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência

Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência O princípio de transmissão de dados de telemetria por rádio freqüência proporciona praticidade, agilidade,

Leia mais

Prime IHC. Intelligent Home Control. Automação residencial com estilo, segurança e economia de energia.

Prime IHC. Intelligent Home Control. Automação residencial com estilo, segurança e economia de energia. Intelligent Home Control com estilo, segurança e economia de energia. Projetos inteligentes exigem um sistema de automação completo. Funcionamento do sistema. O funciona com entradas e saídas, controlando

Leia mais

TÍTULO: SERVIÇOS HTTP COM GEOPOSICIONAMENTO DE FROTA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

TÍTULO: SERVIÇOS HTTP COM GEOPOSICIONAMENTO DE FROTA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS TÍTULO: SERVIÇOS HTTP COM GEOPOSICIONAMENTO DE FROTA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS AUTOR(ES):

Leia mais

Características técnicas Baseado no ATMega da empresa AVR, fabricante de micro-controladores em plena ascensão e concorrente do PIC Pode usar ATMega

Características técnicas Baseado no ATMega da empresa AVR, fabricante de micro-controladores em plena ascensão e concorrente do PIC Pode usar ATMega ARDUINO O que é Arduino Arduino foi criado na Itália por Máximo Banzi com o objetivo de fomentar a computação física, cujo conceito é aumentar as formas de interação física entre nós e os computadores.

Leia mais

Linha de Módulos de Comando

Linha de Módulos de Comando RKM SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO E CONTROLE LTDA. Rua Catão Coelho, 215 PORTO ALEGRE RS Fone: (51) 3029-3250 www.rkmautomacao.com.br Linha de Módulos de Comando RKM Aurora MANUAL DE CONFIGURAÇÃO Rev. 1.0 Abril

Leia mais

Automação Industrial Parte 2

Automação Industrial Parte 2 Automação Industrial Parte 2 Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html Perspectiva Histórica Os primeiros sistemas de controle foram desenvolvidos durante a Revolução

Leia mais

Procure pensar em outros exemplos da nossa vida em que os sensores estão presentes.

Procure pensar em outros exemplos da nossa vida em que os sensores estão presentes. Sensores Fabrício Ramos da Fonseca Introdução aos Sensores Nas plantas automatizadas os sensores são elementos muito importantes. Na nossa vida cotidiana, os sensores estão presentes em várias situações,

Leia mais

Fundamentos de Automação. Pneumática 01/06/2015. Pneumática. Pneumática. Pneumática. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Fundamentos de Automação. Pneumática 01/06/2015. Pneumática. Pneumática. Pneumática. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Considerações Iniciais "PNEUMÁTICA

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO RELATÓRIO TÉCNICO FINAL

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO RELATÓRIO TÉCNICO FINAL CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO RELATÓRIO TÉCNICO FINAL CURITIBA JULHO DE 2008 ANDRÉ GELASCO MALSCHITZKY JOFFER JOSE NOVAK DE ALBUQUERQUE INTEGRAÇÃO DE MÓDULOS ELETRÔNICOS

Leia mais

Aula 1: Programação com códigos. Roben Castagna Lunardi roben.lunardi@restinga.ifrs.edu.br

Aula 1: Programação com códigos. Roben Castagna Lunardi roben.lunardi@restinga.ifrs.edu.br Aula 1: Programação com códigos Roben Castagna Lunardi roben.lunardi@restinga.ifrs.edu.br Módulo 2 Cronograma: 16/05: Programação usando a interface padrão do Arduino (códigos): Bibliotecas, estruturas,

Leia mais

Controladores Lógicos Programáveis CLP (parte-3)

Controladores Lógicos Programáveis CLP (parte-3) Controladores Lógicos Programáveis CLP (parte-3) Mapeamento de memória Na CPU (Unidade Central de Processamento) de um CLP, todas a informações do processo são armazenadas na memória. Essas informações

Leia mais

TÍTULO: SISTEMA DE ACESSIBILIDADE E AUTOMATIZAÇÃO PARA PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADE ESPECIAIS

TÍTULO: SISTEMA DE ACESSIBILIDADE E AUTOMATIZAÇÃO PARA PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADE ESPECIAIS TÍTULO: SISTEMA DE ACESSIBILIDADE E AUTOMATIZAÇÃO PARA PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADE ESPECIAIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA

Leia mais

FingerTech Importação e Comércio de produtos tecnológicos LTDA

FingerTech Importação e Comércio de produtos tecnológicos LTDA FingerTech Importação e Comércio de produtos tecnológicos LTDA Avenida Tiradentes, 501 - Torre 2 5 Andar - Sala 502 Jardim Shangrilá A - 86070-565 Londrina - PR Sumário 1. Introdução...4 1.1 Características...4

Leia mais

CONTROLADOR ELETRÔNICO DE AR CONDICIONADO. GL-T540 Painel de Controle

CONTROLADOR ELETRÔNICO DE AR CONDICIONADO. GL-T540 Painel de Controle CONTROLADOR ELETRÔNICO DE AR CONDICIONADO GL-T540 Painel de Controle MANUAL PARA OPERADOR Maio 2005 Rev. BI Versão Software: 1.1 SUMMARIO 1) INTRODUÇÃO... 03 1.1) Introdução... 03 1.2) Painel de Controle...

Leia mais

Sistema de domótica flexível. para eficiência energética, segurança e conforto

Sistema de domótica flexível. para eficiência energética, segurança e conforto Sistema de domótica flexível para eficiência energética, segurança e conforto AO RITMO DA SUA FAMÍLIA CONTROLO TOTAL DA SUA CASA 3 SAIR PARA O TRABALHO RAPIDAMENTE! Active o cenário Sair de casa. O sistema

Leia mais

SISTEMAS PREDIAIS II. Automação Predial

SISTEMAS PREDIAIS II. Automação Predial PCC-2466 SISTEMAS PREDIAIS II Automação Predial Serviços dos Edifícios HIDRÁULICOS Água Fria; Água Gelada; Água Quente; Sistemas de Aquecimento (solar etc.); Esgotos Sanitários; Águas Pluviais; Drenagem

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Claudio Roberto Ferretto Junior. Éric Guimarães Zeni. Jub Gomes da Costa WINDOWS X.

Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Claudio Roberto Ferretto Junior. Éric Guimarães Zeni. Jub Gomes da Costa WINDOWS X. Pontifícia Universidade Católica do Paraná Claudio Roberto Ferretto Junior Éric Guimarães Zeni Jub Gomes da Costa WINDOWS X Curitiba 2013 Claudio Roberto Ferretto Junior Éric Guimarães Zeni Jub Gomes da

Leia mais

Datasheet Componentes Eletrônicos

Datasheet Componentes Eletrônicos Datasheet Componentes Eletrônicos Caixa de Pilhas... 2 LED (mini lâmpada)... 2 Conector INT... 3 HUB... 3 Sensor de Luz... 4 Circuito Relé... 4 Circuito Buzz... 5 Sensor de Ímã... 6 Ponte H com Relés...

Leia mais

HUMITECH 1. DESCRIÇÃO

HUMITECH 1. DESCRIÇÃO PARA RESFRIAMENTO EVAPORATIVO TEMPER UMIDADE 1. DESCRIÇÃO Controlador microprocessado de alta performance, o Humitech aplica-se em conjunto a sistemas de resfriamento evaporativo para conforto térmico

Leia mais

Manual de Instalação, Configuração e Uso

Manual de Instalação, Configuração e Uso Manual de Instalação, Configuração e Uso KEYPAD MACRO Para controle de cenas ou canais de qualquer módulo da rede Scenario-net Índice 1. Manual de Utilização... 2 1.1. Apresentação e identificação das

Leia mais

36 Anais da Semana de Ciência e Tecnologia, Ouro Preto, v. 4, p. 1 120, 2012.

36 Anais da Semana de Ciência e Tecnologia, Ouro Preto, v. 4, p. 1 120, 2012. CONTROLE À DISTÂNCIA DE UM MOTOR UTILIZANDO RECURSOS DE VISÃO COMPUTACIONAL Matheus Henrique Almeida Nascimento 1, Gean Carlo Neves Correa 2, Cristiano Lúcio Cardoso Rodrigues 3 e Sílvia Grasiella Moreira

Leia mais

FACILITY TOP HÍBRIDA. Manual Técnico MANUAL TÉCNICO AUTOMATIZADOR PARA PORTÕES DESLIZANTES MONDIALE. P19165 - Rev. 1

FACILITY TOP HÍBRIDA. Manual Técnico MANUAL TÉCNICO AUTOMATIZADOR PARA PORTÕES DESLIZANTES MONDIALE. P19165 - Rev. 1 MANUAL TÉCNICO AUTOMATIZADOR PARA PORTÕES DESLIZANTES P19165 - Rev. 1 MONDIALE 1 ÍNDICE DIAGRAMA DE CONEXÕES...4 Principais características... 5 Funções do led SN...5 Entrada PARA Trava...6 botões (+)

Leia mais

1 Introdução. 2 REDES sem fio de comunicações

1 Introdução. 2 REDES sem fio de comunicações 1 Introdução Neste manual serão apresentados os procedimentos de instalação e configuração do sistema de detecção e prevenção de incêndio GALBA V251, além de dicas que certamente agilizarão os trabalhos

Leia mais

Attack 1.35. Software de controle e Monitoração de amplificadores

Attack 1.35. Software de controle e Monitoração de amplificadores Attack 1.35 Software de controle e Monitoração de amplificadores 1 Índice 1 Hardware necessário:... 3 1.1 Requisitos do computador:... 3 1.2 Cabos e conectores:... 3 1.3 Adaptadores RS-232 USB:... 4 1.4

Leia mais

Estes módulos estão disponível para: DST4602, GCXXX DST4601PX

Estes módulos estão disponível para: DST4602, GCXXX DST4601PX DITHERM, DIGRIN, DIVIT são módulos eletrônicos microprocessados que permitem expandir as entradas analógicas de vários controladores SICES para grupos geradores. Mais concretamente: O módulo DITHERM permite

Leia mais

Automação residencial de baixo custo: um protótipo com acesso web

Automação residencial de baixo custo: um protótipo com acesso web Automação residencial de baixo custo: um protótipo com acesso web Ivan Vieira Ferreira da Silva Engenheiro Eletricista pelo Centro Universitário CESMAC. e-mail: ivanvieirafs@gmail.com Sérgio Silva de Carvalho

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS COM MICROCONTROLADORES

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS COM MICROCONTROLADORES INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS COM MICROCONTROLADORES Matheus Montanini Breve (PIBIC-Jr), Miguel Angel Chincaro Bernuy (Orientador), e-mail: migueltrabalho@gmail.com Universidade Tecnológica

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Detector / Sensor de Fumaça Autônomo Rede AC e Bateria - Com Saída Rele NA/NF - Código: AFDFAR. O detector de Fumaça código AFDFAR é um equipamento que deve ser instalado no teto ou na parede das edificações

Leia mais

Exercícios Leis de Kirchhoff

Exercícios Leis de Kirchhoff Exercícios Leis de Kirchhoff 1-Sobre o esquema a seguir, sabe-se que i 1 = 2A;U AB = 6V; R 2 = 2 Ω e R 3 = 10 Ω. Então, a tensão entre C e D, em volts, vale: a) 10 b) 20 c) 30 d) 40 e) 50 Os valores medidos

Leia mais

SISTEMAS PREDIAIS II. Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme

SISTEMAS PREDIAIS II. Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme PCC-2466 SISTEMAS PREDIAIS II Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio Definição da Norma NBR 9441/98 Sistema constituído pelo conjunto de elementos planejadamente

Leia mais

CENTRAL DE ALARME COM FIO AW-211 CONTROLE REMOTO

CENTRAL DE ALARME COM FIO AW-211 CONTROLE REMOTO CENTRAL DE ALARME COM FIO AW2 CONTROLE REMOTO CARACTERÍSTICAS DO APARELHO Central de alarme de setor com fio; Caixa plástica com alojamento para bateria selada de 7 A/H; Carregador de bateria incorporado;

Leia mais

Material de Apoio INJEÇÃO ELETRÔNICA DE COMBUSTÍVEL BOSCH. Programa Especial - Injeção Eletrônica LE-Jetronic

Material de Apoio INJEÇÃO ELETRÔNICA DE COMBUSTÍVEL BOSCH. Programa Especial - Injeção Eletrônica LE-Jetronic INJEÇÃO ELETRÔNICA DE COMBUSTÍVEL BOSCH A necessidade de se reduzir o consumo de combustível dos automóveis, bem como de se manter a emissão de poluentes pelos gases de escape dentro de limites, colocou

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO CENTRAL MC 4D

MANUAL DO USUÁRIO CENTRAL MC 4D 12 Manual do Usuário Intrusos podem entrar em zonas sem proteção, ou ter sofisticação para isolar um sensor ou desconectar dispositivos de aviso de alarme; Central, detectores, sensores só funcionam quando

Leia mais

Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá

Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá Automação Industrial Porto Alegre, Maio de 2014 Revisão: A Prof Vander Campos Conhecer os princípios básicos do inversor de frequência; Saber interpretar

Leia mais

CONHECIMENTO ESPECÍFICO

CONHECIMENTO ESPECÍFICO CONHECIMENTO ESPECÍFICO 6. O PID (Proporcional Integral Derivativo) é comumente usado na automação industrial para se encontrar um erro entre a entrada e a saída de um processo qualquer. Nesse processo,

Leia mais

www: toppoalarmes.com.br SAC: 0800-643-6680

www: toppoalarmes.com.br SAC: 0800-643-6680 Prezado cliente, Muito obrigado por escolher o alarme residencial TPS-100: você adquiriu um produto de alta qualidade, confiabilidade e sofisticação. Por favor leia todas as instruções relacionadas ao

Leia mais

Bancada de Testes Hidrostáticos e Pneumáticos

Bancada de Testes Hidrostáticos e Pneumáticos Bancada de Testes Hidrostáticos e Pneumáticos 1 Concepção O que é a bancada de testes da Valeq? Esta bancada foi desenvolvia com a intenção de agilizar os testes de campo e de bancada que envolvem pressão.

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE AS PLATAFORMAS ARDUINO E PIC

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE AS PLATAFORMAS ARDUINO E PIC ESTUDO COMPARATIVO ENTRE AS PLATAFORMAS ARDUINO E PIC Tiago Menezes Xavier de Souza¹, Igor dos Passos Granado¹, Wyllian Fressatti¹ ¹Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí- PR- Brasil tiago_x666@hotmail.com,

Leia mais

Controller. D e s c r i ç ã o G e r a l. C a r a c t e r í s t i c a s e B e n e f í c i o s

Controller. D e s c r i ç ã o G e r a l. C a r a c t e r í s t i c a s e B e n e f í c i o s Controller Vibraswitch Monitor Eletrônico VIBRASWITCH 563A D e s c r i ç ã o G e r a l O modelo Robertshaw 563A Vibraswitch Monitor Eletrônico é um microprocessador de sistema de controle baseado em supervisão

Leia mais

AUTOMAҪÃO INDUSTRIAL E LINHAS DE PRODUҪÃO FLEXÍVEIS

AUTOMAҪÃO INDUSTRIAL E LINHAS DE PRODUҪÃO FLEXÍVEIS CENTRO FEDERAL DE ENSINO TECNOLÓGICO MG CONTEXTO SOCIAL E PROFISSIONAL DA ENGENHARIA MECATRÔNICA AUTOMAҪÃO INDUSTRIAL E LINHAS DE PRODUҪÃO FLEXÍVEIS COMPONENTES: Guilherme Márcio Matheus Sakamoto Rafael

Leia mais

Introdução à Engenharia de Computadores e Telemática. Guião das Aulas Práticas

Introdução à Engenharia de Computadores e Telemática. Guião das Aulas Práticas Introdução à Engenharia de Computadores e Telemática Guião das Aulas Práticas Departamento de Eletrónica, Telecomunicações e Informática Universidade de Aveiro 20122013 Conteúdo 1 Introdução ao UNIX 3

Leia mais

Controle de Acesso. Automático de Veículos. saiba mais. automação

Controle de Acesso. Automático de Veículos. saiba mais. automação Controle de Acesso Automático de Veículos Este trabalho tem como objetivo desenvolver uma solução tecnológica que permita o controle dos portões automáticos remotamente através da internet. Aplicando-se

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CENTRO DE CIENCIAS EXATAS E TECNOLOGICAS ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CENTRO DE CIENCIAS EXATAS E TECNOLOGICAS ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CENTRO DE CIENCIAS EXATAS E TECNOLOGICAS ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO ADRIANNO ESNARRIAGA SERENO GUSTAVO HENRIQUE FURLAN HENRIQUE GONÇALVES DE PADUA REIS SMART BLIND

Leia mais

Programação em BASIC para o PIC Vitor Amadeu Souza

Programação em BASIC para o PIC Vitor Amadeu Souza Programação em BASIC para o PIC Vitor Amadeu Souza Introdução Continuando com a série do último artigo, hoje veremos os passos para o desenvolvimento de uma minuteria com o microcontrolador PIC18F1220

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...9

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...9 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas...9 2 APRESENTAÇÃO: O SS100 Moto é um rastreador exclusivo para Motos desenvolvido com os mais rígidos

Leia mais