Sistema de Leitura da Porta de Mouse do PC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema de Leitura da Porta de Mouse do PC"

Transcrição

1 FUNDAÇÃO ESCOLA TÉCNICA LIBERATO SALZANO VIEIRA DA CUNHA Projeto para Trabalho Trimestral de Física Curso: Técnico em Eletrônica Turma: 4312 Data: 18/10/2005 Sala : 224 Aluno: Cleber Moraes n : 5 Aluno: Gabriel Jaeger n : 11 Aluno: Nataniel Schling n : 19 Aluno: Ramon Fritsch n : 22 Prof.: Luiz André Mützenberg Grupo Eletrônica : Duas Décadas Buscando Excelência Sistema de Leitura da Porta de Mouse do PC 1. INTRODUÇÃO A aquisição automática de dados consiste na utilização de aparelhos específicos ou do computador para realizar medidas durante os experimentos. Ela apresenta enormes vantagens quando o experimento exige a realização de muitas medidas em um intervalo de tempo[l1]. Usando um computador pessoal e um recurso simples de eletrônica é possível realizar centenas de medidas por segundo, o que é impossível de ser feito manualmente. Com estes resultados, podemos ter uma melhor análise de alguns conteúdos básicos da Física, como o MRU, MRUV, MCU, entre outros. 2. JUSTIFICATIVA O desenvolvimento desse projeto é muito importante para ampliar os nossos conhecimentos quanto a uma das principais áreas da Eletrônica: Programação. Outro aspecto importante no desenvolvimento do projeto é verificar a funcionalidade e a capacidade que podemos obter em matéria de registro de dados através da comunicação do PC com um meio externo. Com isso, estaremos relacionando Eletrônica, Informática e Física, a fim de experimentos que

2 abrangem conteúdos de Física, e que poderão auxiliar principalmente alunos de primeiro e segundo ano do Ensino Médio. 3. OBJETIVO Desenvolver um sistema de aquisição de dados, que faça a leitura da porta do mouse de um computador, através de um sensor infravermelho, adaptado em uma roda dentada que gira a partir de um motor elétrico. 4. METODOLOGIA Em um computador de uso doméstico, faremos um software na linguagem de programação C++ Builder, que interprete dados de um componente eletrônico acoplado inicialmente na porta do mouse do computador. Através de uma adaptação no mouse, utilizando seu próprio sensor (infravermelho), poderemos obter os dados a serem calculados pelo programa. Como já temos elaborado um sistema de leitura de dados em uma corrida de Autorama, para este Trimestre temos como objetivo aprimorar este sistema para que tenha alguma utilidade no auxílio do ensino da Física. Então, acoplaremos uma roda dentada em um motor elétrico, e através de um sensor de infravermelho (emissor e receptor), faremos as medidas de acordo com o giro da roda. No momento em que corta-se a iluminação incidente do LED infravermelho, o circuito manda um sinal pela porta do mouse do PC. A partir daí, o software fica encarregado de interpretar esse sinal e calcular dados como rotações por minuto (RPM), velocidade de giro da roda, etc. Assim, poderemos monitorar o giro de uma roda através dos pulsos gerados pelo sensor e esboçar através do software tabelas e gráficos relacionados ao movimento.

3 5. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Porta de Mouse As portas para mouse mais conhecidas são PS/2, serial, ou USB. Já que necessitamos utilizar apenas uma delas, escolhemos a mais utilizada: PS/2. Abaixo as portas e seus respectivos formatos: A porta de um mouse PS/2 se parece com A porta de um mouse serial se parece com A porta de um mouse USB se parece com Mouse e Sensores O movimento da mão do usuário é transmitido (através de uma esfera emborrachada) a dois eixos perpendiculares. Esses eixos possuem em umade [L2]suas extremidades uma roda com cerca de 50 a 80 [L3]aberturas radiais quepermitem [L4]a passagem de luz.

4 (fig. 1)[L5] Cada uma dessas rodas fica situada entre um emissor de luz infravermelha e um receptor. O emissor é um LED e o receptor é um foto-diodo de 2 ou 3 pinos. A roda, o LED e o diodo estão destacados nas foto acima (o foto-diodo é a caixinha preta e o LED, a transparente). Observe que a caixinha do emissor possui na verdade dois LEDs. Não é possível ver, mas tudo indica que o receptor também é composto por dois fotodiodos. Numa dada posição da roda, pode haver as três seguintes situações: os dois sensores recebem luz; um dos sensores recebe luz; nenhum dos sensores recebe luz. À medida em que giramos a roda alteramos essas configurações, como sugere a figura abaixo. (fig. 2)

5 A velocidade e a direção dos movimentos estão associadas, então,às mudanças da condição de luz/sombra no conjunto dos dois sensores. A idéia principal desse projeto é utilizar o foto-sensor do mouse, já que sua leitura é controlada pelo computador. Foto-Diodo É um diodo semicondutor em que a junção está exposta à luz. A energia luminosa desloca elétrons para a banda de condução, reduzindo a barreira de potencial pelo aumento do número de elétrons, que podem circular se aplicada polarização reversa. A corrente nos foto-diodos é da ordem de dezenas de ma com alta luminosidade, e a resposta é rápida. Há foto-diodos para todas as faixas de comprimentos de onda, do infravermelho ao ultravioleta, dependendo do material. O foto-diodo é usado como sensor em controle remoto, em sistemas de fibra óptica, leitoras de código de barras, scanner (digitalizador de imagens, para computador), canetas ópticas (que permitem escrever na tela do computador), toca-discos CD, fotômetros e como sensor indireto de posição e velocidade. (fig. 3) 6. EXEQÜIBILIDADE

6 Este projeto de trabalho trimestral será executado com e a partir de uma máquina que se faz cada vez mais presente no nosso dia-a-dia. O computador é acessível a todos os componentes do grupo, e por isso será de fácil acesso. A programação do software será feita através da linguagem de programação C++, através do compilador da Borland chamado de C++ Builder. A integração de hardware será feita através dos sensores do mouse e de sua própria roda dentada, podendo assim ter uma grande precisão na medida proposta. Com um programa construído a partir da linguagem C, temos uma série de ferramentas para incrementa-lo de uma maneira a usufruir o máximo de aproveitamento dos dados obtidos pelos sensores do mouse. A parte de hardware será desenvolvida com componentes eletrônicos estudados no curso, como sensores, motores, resistores e etc. 7. CRONOGRAMA CRONOGRAMA Atividade Setembro Outubro Novembro Dezembro Pesquisas e coleta de dados Estudo sobre linguagem C++ Projeto Diagrama de blocos Programação Testes Otimização Apresentação Relatório Caderno de Campo 8. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS - exemplos de softwares - acessado em 28/09/2005.

7 TelEduc ensino à distância Curso Física Mütza Orientações sobre o Trabalho Trimestral. - informações úteis sobre diversos sensores. acessado em 08/10/ porta de jogos - acessado em 23/09/ Site do professor Luiz André, Trabalhos Trimestrais/Modelos acessado em 17/10/ funcionamento do mouse, acessado em 02/10/ portas do mouse, acessado em 15/10/ ASSINATURAS Nataniel Schling Aluno Responsável Gabriel Jaeger Cleber Moraes Ramon Fritsch Novo Hamburgo, 18 de outubro de 2005

FUNDAÇÃO ESCOLA TÉCNICA LIBERATO SALZANO VIEIRA DA CUNHA ELETRÔNICA 1985 2005: DUAS DÉCADAS BUSCANDO EXCELÊNCIA

FUNDAÇÃO ESCOLA TÉCNICA LIBERATO SALZANO VIEIRA DA CUNHA ELETRÔNICA 1985 2005: DUAS DÉCADAS BUSCANDO EXCELÊNCIA FUNDAÇÃO ESCOLA TÉCNICA LIBERATO SALZANO VIEIRA DA CUNHA ELETRÔNICA 1985 2005: DUAS DÉCADAS BUSCANDO EXCELÊNCIA TRABALHO TRIMESTRAL DE FÍSICA CONTADOR DE RPM CLEBER RODRIGO DE MORAES GABRIEL ANTONIO JAEGER

Leia mais

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Disciplina: Instrumentação e Automação Industrial I(ENGF99) Professor: Eduardo Simas(eduardo.simas@ufba.br) Sensores

Leia mais

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA PROFESSOR: LUCIANO CAVALCANTI SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

Leia mais

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Quim. Nova, Vol. 38, No. 3, S1-S6, 2015 O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Fernando Arruda Mendes de Oliveira a,b, Eduardo Ribeiro

Leia mais

Apostilas de Eletrônica e Informática Sensores

Apostilas de Eletrônica e Informática Sensores São dispositivos que mudam seu comportamento sob a ação de uma grandeza física, podendo fornecer diretamente ou indiretamente um sinal que indica esta grandeza. Quando operam diretamente, convertendo uma

Leia mais

Montagem, Manutenção e Configuração de Computadores Pessoais

Montagem, Manutenção e Configuração de Computadores Pessoais Montagem, Manutenção e Configuração de Computadores Pessoais Autor: Edson D Avila Código: 489X Edição 17ª Categoria: Hardware N.Páginas: 280 Formato: 17 x 24 cm Edição: 18 a ed. Peso: 0,471 kg Preço: R$

Leia mais

Cortina Elétrica com Controle Remoto

Cortina Elétrica com Controle Remoto FUNDAÇÃO ESCOLA TÉCNICA LIBERATO SALZANO VIEIRA DA CUNHA CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA 1º SÉRIE DO ENSINO MÉDIO Turma 3111 Trabalho Trimestral de Física Cortina Elétrica com Controle Remoto Arian Müller (03)

Leia mais

LENTES E ESPELHOS. O tipo e a posição da imagem de um objeto, formada por um espelho esférico de pequena abertura, é determinada pela equação

LENTES E ESPELHOS. O tipo e a posição da imagem de um objeto, formada por um espelho esférico de pequena abertura, é determinada pela equação LENTES E ESPELHOS INTRODUÇÃO A luz é uma onda eletromagnética e interage com a matéria por meio de seus campos elétrico e magnético. Nessa interação, podem ocorrer alterações na velocidade, na direção

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CENTRO DE CIENCIAS EXATAS E TECNOLOGICAS ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CENTRO DE CIENCIAS EXATAS E TECNOLOGICAS ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CENTRO DE CIENCIAS EXATAS E TECNOLOGICAS ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO ADRIANNO ESNARRIAGA SERENO GUSTAVO HENRIQUE FURLAN HENRIQUE GONÇALVES DE PADUA REIS SMART BLIND

Leia mais

Energia Fóton elétron volt (ev)

Energia Fóton elétron volt (ev) (1) Slide 1 Espectro eletromagnético O Espectro Eletromagnético Freqüência Hertz (Hz) Comprimento de Onda metros (m) Energia Fóton elétron volt (ev) Energia Fóton Joule (J) Raios gama Raios X Ultravioleta

Leia mais

Introdução. Criar um sistema capaz de interagir com o ambiente. Um transdutor é um componente que transforma um tipo de energia em outro.

Introdução. Criar um sistema capaz de interagir com o ambiente. Um transdutor é um componente que transforma um tipo de energia em outro. SENSORES Introdução Criar um sistema capaz de interagir com o ambiente. Num circuito eletrônico o sensor é o componente que sente diretamente alguma característica física do meio em que esta inserido,

Leia mais

PROJETO GERADOR EÓLICO

PROJETO GERADOR EÓLICO FUNDAÇÃO ESCOLA TÉCNICA LIBERATO SALZANO VIEIRA DA CUNHA CURSO TÉCNICO EM ELETRÔNICA CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA PROJETO GERADOR EÓLICO RAFAEL RODRIGUES DOS SANTOS, 29 (3123) BRUNNO ALVES DE ABREU, 4 (4123)

Leia mais

CVMDDC - CONTROLE DE VELOCIDADE DO MOTOR DC

CVMDDC - CONTROLE DE VELOCIDADE DO MOTOR DC UFLA Universidade Federal de Lavras DEX Departamento de Ciências Exatas Bacharelado em CVMDDC - CONTROLE DE VELOCIDADE DO MOTOR DC Autor: Edna Mie Kanazawa Orientador: Wilian Soares Lacerda Lavras, novembro

Leia mais

AUTOMAÇÃO DE CÚPULA DE OBSERVATÓRIO ASTRONÔMICO

AUTOMAÇÃO DE CÚPULA DE OBSERVATÓRIO ASTRONÔMICO AUTOMAÇÃO DE CÚPULA DE OBSERVATÓRIO ASTRONÔMICO Marcella Scoczynski Ribeiro (UTFPR/UEPG) marcella_engcomp@yahoo.com.br Matheus Safraid (UEPG) msafraid@hotmail.com Resumo Este trabalho apresenta os benefícios

Leia mais

Os encoders ópticos convertem deslocamentos angulares em uma sequência de pulsos digitais, contando com um só bit ou decodificando um conjunto deles,

Os encoders ópticos convertem deslocamentos angulares em uma sequência de pulsos digitais, contando com um só bit ou decodificando um conjunto deles, Encoders ópticos O que é: Os encoders ópticos convertem deslocamentos angulares em uma sequência de pulsos digitais, contando com um só bit ou decodificando um conjunto deles, os pulsos podem ser convertidos

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO AULA XI

INSTRUMENTAÇÃO AULA XI INSTRUMENTAÇÃO AULA XI Transdutores Eletromagnéticos Princípio de Funcionamento Lei de Faraday Um fluxo magnético variável ao atravessar perpendicularmente uma espira de área A ef induz uma tensão elétrica

Leia mais

Sistema de comunicação óptica. Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte

Sistema de comunicação óptica. Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte Sistema de comunicação óptica Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte História A utilização de transmissão de informação através de sinais luminosos datam de épocas muito remotas. Acredita-se que os gregos

Leia mais

Experiência 06 Resistores e Propriedades dos Semicondutores

Experiência 06 Resistores e Propriedades dos Semicondutores Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Laboratório de Materiais Elétricos EEL 7051 Professor Clóvis Antônio Petry Experiência 06 Resistores e Propriedades dos Semicondutores

Leia mais

Controle remoto por Bluetooth

Controle remoto por Bluetooth Controle remoto por Bluetooth Introdução Esse tutorial tem como objetivo, facilitar a montagem do controle e drive de potência voltado a modalidades que necessitam de controle remoto, seja robô sumo de

Leia mais

1 Esfera de aço 1 Transitor BC547

1 Esfera de aço 1 Transitor BC547 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO VICENTE DO SUL ROTEIRO DE MONTAGEM DA ATIVIDADE DE AQUISIÇÃO AUTOMÁTICA DE DADOS REOMETRIA DE FLUIDOS NEWTONIANOS PROFESSOR RAFHAEL BRUM WERLANG 1.0 OBJETIVO

Leia mais

ENCODERS. Fig 1 - Princípio de funcionamento de um encoder rotativo.

ENCODERS. Fig 1 - Princípio de funcionamento de um encoder rotativo. ENCODERS Este é sem dúvida nenhuma um dos equipamentos mais usados em Automação Industrial e Mecatrônica, pois com ele conseguimos converter movimentos angulares e lineares em informações úteis à nossa

Leia mais

Que são sensores? São dispositivos que são sensíveis à um fenômeno físico (luz, temperatura, impedância elétrica etc.) e transmitem um sinal para um

Que são sensores? São dispositivos que são sensíveis à um fenômeno físico (luz, temperatura, impedância elétrica etc.) e transmitem um sinal para um Que são sensores? São dispositivos que são sensíveis à um fenômeno físico (luz, temperatura, impedância elétrica etc.) e transmitem um sinal para um dispositivo de medição ou controle. 1 Cite 05 tipos

Leia mais

Sistema de Controlo de Entrada de Viaturas SCEV

Sistema de Controlo de Entrada de Viaturas SCEV Sistema de Controlo de Entrada de Viaturas SCEV Sónia Mendes, Carla Ladeiro e Paula Pereira Abstract O controlo de acessos a instalações é uma área da segurança electrónica em franca expansão, sendo cada

Leia mais

Projeto Energia Eólica

Projeto Energia Eólica Fundação Escola Técnica Liberato Salzano Vieira da Cunha Cursos Técnicos em Eletrônica e Mecânica Projeto Energia Eólica Carolina Salvadori 3111 Felipe Gustavo Colombo 4111 Paloma Oliveira Batista 4111

Leia mais

PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/05/2006 Última versão: 18/12/2006

PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/05/2006 Última versão: 18/12/2006 TUTORIAL Montagem da Barra de LEDs Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/05/2006 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

Fundação Escola Técnica Liberato Salzano Vieira da Cunha. Curso Técnico de Eletrônica Curso Técnico de Mecânica. Energia Alternativa

Fundação Escola Técnica Liberato Salzano Vieira da Cunha. Curso Técnico de Eletrônica Curso Técnico de Mecânica. Energia Alternativa Fundação Escola Técnica Liberato Salzano Vieira da Cunha Curso Técnico de Eletrônica Curso Técnico de Mecânica Energia Alternativa Fernanda Silva Izabel Campos Leonardo Franco Rodrigo Wilhelm INTRODUÇÃO

Leia mais

Display de LEDs Rotativo

Display de LEDs Rotativo Display de LEDs Rotativo Paulo Matias André Luiz Barbieri 12 de dezembro de 2008 Resumo Descrevemos um projeto capaz de formar imagens por meio de uma coluna de LEDs rotativa. A configuração dos LEDs é

Leia mais

fig. 1 - símbolo básico do diodo

fig. 1 - símbolo básico do diodo DIODOS São componentes que permitem a passagem da corrente elétrica em apenas um sentido. Produzidos à partir de semicondutores, materiais criados em laboratórios uma vez que não existem na natureza, que

Leia mais

Características técnicas Baseado no ATMega da empresa AVR, fabricante de micro-controladores em plena ascensão e concorrente do PIC Pode usar ATMega

Características técnicas Baseado no ATMega da empresa AVR, fabricante de micro-controladores em plena ascensão e concorrente do PIC Pode usar ATMega ARDUINO O que é Arduino Arduino foi criado na Itália por Máximo Banzi com o objetivo de fomentar a computação física, cujo conceito é aumentar as formas de interação física entre nós e os computadores.

Leia mais

Cabeamento Óptico 14/03/2014. Vantagens de utilização. Noções Ópticas. Vantagens de utilização. Sistema de comunicação Fibra. Funcionamento da Fibra

Cabeamento Óptico 14/03/2014. Vantagens de utilização. Noções Ópticas. Vantagens de utilização. Sistema de comunicação Fibra. Funcionamento da Fibra Cabeamento Óptico Fundamentos de Redes de Computadores Prof. Marcel Santos Silva Vantagens de utilização Total imunidade às interferências eletromagnéticas; Dimensões reduzidas; Maior segurança no tráfego

Leia mais

Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados

Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados Mauricélio Alves de Sousa, Eng o Fernando Luiz Marcelo Antunes, PhD Ricardo Silva Thé Pontes, MSc Grupo de Processamento de

Leia mais

Beverage Server. Rafael M. Alves da Silva Jabson Motta Maciel

Beverage Server. Rafael M. Alves da Silva Jabson Motta Maciel Rafael M. Alves da Silva Jabson Motta Maciel Beverage Server Projeto apresentado como requisito Parcial para avaliação do programa de Aprendizagem em RPE 2 e Física 4, do curso de Engenharia de computação

Leia mais

Scanners Manual Básico. Um guia prático e rápido para conhecer o melhor tipo de equipamento para seus trabalhos.

Scanners Manual Básico. Um guia prático e rápido para conhecer o melhor tipo de equipamento para seus trabalhos. Scanners Manual Básico Um guia prático e rápido para conhecer o melhor tipo de equipamento para seus trabalhos. Tipos de Scanners Diferentes tipos de scanners funcionam de diferentes maneiras. Conheça

Leia mais

MEC1100 Manual de Instruções v2010.10

MEC1100 Manual de Instruções v2010.10 MEC1100 Manual de Instruções v2010.10 Linha de Equipamentos MEC Desenvolvidos por: Maxwell Bohr Instrumentação Eletrônica Ltda. Rua Porto Alegre, 212 Londrina PR Brasil http://www.maxwellbohr.com.br 1

Leia mais

DIODO SEMICONDUTOR. íon negativo. elétron livre. buraco livre. região de depleção. tipo p. diodo

DIODO SEMICONDUTOR. íon negativo. elétron livre. buraco livre. região de depleção. tipo p. diodo DIODO SEMICONDUOR INRODUÇÃO Materiais semicondutores são a base de todos os dispositivos eletrônicos. Um semicondutor pode ter sua condutividade controlada por meio da adição de átomos de outros materiais,

Leia mais

FORMULÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Uso do Arduíno como ferramenta de apoio ao processo de ensinoaprendizagem

FORMULÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Uso do Arduíno como ferramenta de apoio ao processo de ensinoaprendizagem FORMULÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Uso do Arduíno como ferramenta de apoio ao processo de ensinoaprendizagem 1.2 Coordenador: Renira Carla Soares 1.3 Câmpus envolvido(s):

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA - SANTIAGO DO CACÉM

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA - SANTIAGO DO CACÉM p./9 Grupo Disciplinar: 540 Ano Lectivo: 008/009 -Circuitos sequenciais síncronos.. Aplicações com contadores síncronos... Registos. Utilizar circuitos CMOS da série 74HCT ou 4000. Testar o funcionamento

Leia mais

VEÍCULO BV 1. Figura 01 BV 1 construído com material de baixo custo

VEÍCULO BV 1. Figura 01 BV 1 construído com material de baixo custo VEÍCULO BV 1 Resumo Este trabalho apresenta um tutorial ("How To") para a construção de um robô simples controlado por um PC através da porta paralela. A construção deste robô tem como objetivo introduzir

Leia mais

I. Sensores de temperatura...3. II. Sensores de Luz...6. III. Sensores de Velocidade...8. IV. Sensores de Vazão... 10. V. Sensores de Posição...

I. Sensores de temperatura...3. II. Sensores de Luz...6. III. Sensores de Velocidade...8. IV. Sensores de Vazão... 10. V. Sensores de Posição... SUMÁRIO I. Sensores de temperatura...3 II. Sensores de Luz...6 III. Sensores de Velocidade...8 IV. Sensores de Vazão... 10 V. Sensores de Posição... 11 V I. Sensores de Posição Específica...13 3 Sensores

Leia mais

Sensores e Atuadores (1)

Sensores e Atuadores (1) (1) 4º Engenharia de Controle e Automação FACIT / 2009 Prof. Maurílio J. Inácio Introdução Sensores Fornecem parâmetros sobre o comportamento do manipulador, geralmente em termos de posição e velocidade

Leia mais

Realizado por: Nuno Barros nº27283 Filipe Gonçalves nº27285 Ângelo Sousa nº28158 André Martins nº28531

Realizado por: Nuno Barros nº27283 Filipe Gonçalves nº27285 Ângelo Sousa nº28158 André Martins nº28531 Realizado por: Nuno Barros nº27283 Filipe Gonçalves nº27285 Ângelo Sousa nº28158 André Martins nº28531 Também conhecido por digitalizador Scanner é um periférico de entrada Leitura de textos e imagens

Leia mais

Detectores de Partículas. Thiago Tomei IFT-UNESP Março 2009

Detectores de Partículas. Thiago Tomei IFT-UNESP Março 2009 Detectores de Partículas Thiago Tomei IFT-UNESP Março 2009 Sumário Modelo geral de um detector. Medidas destrutivas e não-destrutivas. Exemplos de detectores. Tempo de vôo. Detectores a gás. Câmara de

Leia mais

O Mouse. Doug Engelbart - O inventor do mouse

O Mouse. Doug Engelbart - O inventor do mouse O Mouse Mouse é um dispositivo no qual o usuário do computador desliza sobre uma superfície para apontar em um local do vídeo (monitor) e selecionar uma ou mais ações daquela posição. O mouse tornou-se

Leia mais

Luis Filipe Baptista MEMM 2

Luis Filipe Baptista MEMM 2 INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO CAPÍTULO V Transdutores Optoelectrónicos 2012/2013 Índice do capítulo Introdução Transdutores ópticos Transdutores optoelectrónicos - Absolutos - Incrementais Aplicações industriais

Leia mais

Sensores. unesp. Prof. Marcelo Wendling 2010 Versão 2.0 UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA

Sensores. unesp. Prof. Marcelo Wendling 2010 Versão 2.0 UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Campus de Guaratinguetá Colégio Técnico Industrial de Guaratinguetá Professor Carlos Augusto Patrício Amorim Sensores Prof. Marcelo Wendling 2010 Versão 2.0 2 Índice

Leia mais

Comunicações Ópticas. E ns aios em Fibras Ópticas. Guia de T rabalhos de L aboratório. E T F O-01 Sistema de F ibra ótica

Comunicações Ópticas. E ns aios em Fibras Ópticas. Guia de T rabalhos de L aboratório. E T F O-01 Sistema de F ibra ótica Comunicações Ópticas E ns aios em Fibras Ópticas Guia de T rabalhos de L aboratório E T F O-01 Sistema de F ibra ótica Profº Engº Getúlio Teruo Tateoki Araçatuba, 20 de agosto de 2004 Prefácio -Este Guia

Leia mais

Servos - Analo gicos e Digitais - Funcionamento, uso e diferenças entre eles!

Servos - Analo gicos e Digitais - Funcionamento, uso e diferenças entre eles! Servos - Analo gicos e Digitais - Funcionamento, uso e diferenças entre eles! É importante lembrar que esta matéria serve para qualquer tipo de servo utilizado em aeromodelismo. Figura 1 Um dos diversos

Leia mais

ESTA PROVA É FORMADA POR 20 QUESTÕES EM 10 PÁGINAS. CONFIRA ANTES DE COMEÇAR E AVISE AO FISCAL SE NOTAR ALGUM ERRO.

ESTA PROVA É FORMADA POR 20 QUESTÕES EM 10 PÁGINAS. CONFIRA ANTES DE COMEÇAR E AVISE AO FISCAL SE NOTAR ALGUM ERRO. Nome: Assinatura: P2 de CTM 2012.2 Matrícula: Turma: ESTA PROVA É FORMADA POR 20 QUESTÕES EM 10 PÁGINAS. CONFIRA ANTES DE COMEÇAR E AVISE AO FISCAL SE NOTAR ALGUM ERRO. NÃO SERÃO ACEITAS RECLAMAÇÕES POSTERIORES..

Leia mais

PARTES DO COMPUTADOR, HARDWARE,

PARTES DO COMPUTADOR, HARDWARE, 1 UNIVERSIDADE DA REGIÃO DA CAMPANHA Ibrahim Yasin Patricia Massaque Anelize Filvoch Camila Pereira Lucas Pando Everton Silva Bruno Tito PARTES DO COMPUTADOR, HARDWARE, SOFTWARE E COMPONENTES SANTANA DO

Leia mais

Cursos Técnicos de Mecânica e Eletrônica. Projeto Cata-vento

Cursos Técnicos de Mecânica e Eletrônica. Projeto Cata-vento FUNDAÇÃO ESCOLA TÉCNICA LIBERATO SALZANO VIEIRA DA CUNHA Cursos Técnicos de Mecânica e Eletrônica Projeto Cata-vento Carlos Eduardo Bruxel Bernardo Juchem Becker Marcelo Felipe Veit Thomás Jung Spier 3111/4111

Leia mais

MOMENTO DE INÉRCIA 1 DELINEAMENTO

MOMENTO DE INÉRCIA 1 DELINEAMENTO FUNDAÇÃO ESCOLA TÉCNICA LIBERATO SALZANO VIEIRA DA CUNHA Projeto de Pesquisa da Primeira Série Série: Primeira Curso: Eletrotécnica Turma: 2124 Sala: 234 Início: 02 de junho de 2009 Entrega: 24 de junho

Leia mais

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes Noções de Redes: Estrutura básica; Tipos de transmissão; Meios de transmissão; Topologia de redes;

Leia mais

PROJETO: CARREGADOR EÓLICO DE BATERIAS

PROJETO: CARREGADOR EÓLICO DE BATERIAS FUNDAÇÃO ESCOLA TÉCNICA LIBERATO SALZANO VIEIRA DA CUNHA CURSO TÉCNICO EM ELETRÔNICA CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA PROJETO: CARREGADOR EÓLICO DE BATERIAS CARLOS HENRIQUE, MICHEL LUÍS, CHRYSTIAN E CÁSSIO. JUSTIFICATIVA

Leia mais

Eletrônica (Dispositivos optoeletrônicos-introdução) Prof. Manoel Eusebio de Lima

Eletrônica (Dispositivos optoeletrônicos-introdução) Prof. Manoel Eusebio de Lima Eletrônica (Dispositivos optoeletrônicos-introdução) Prof. Manoel Eusebio de Lima Dispositivos optoeletrônicos A optoeletrônica é a tecnologia que combina a ótica com a eletrônica. Exemplos de dispositivos

Leia mais

ACENDENDO AS LUZES. Capitulo 2 - Aula 1 Livro: Arduino básico Tutor: Wivissom Fayvre

ACENDENDO AS LUZES. Capitulo 2 - Aula 1 Livro: Arduino básico Tutor: Wivissom Fayvre ACENDENDO AS LUZES Capitulo 2 - Aula 1 Livro: Arduino básico Tutor: Wivissom Fayvre Projeto 1 LED piscante Neste capitulo, todos os projetos utilizam luzes LED s de diversas formas. Em relação ao hardware,

Leia mais

Minicurso de Arduino

Minicurso de Arduino Minicurso de Arduino Gabriel Vasiljević Wanderson Ricardo August 28, 2015 Gabriel Vasiljević Wanderson Ricardo Minicurso de Arduino August 28, 2015 1 / 45 Roteiro do curso O que é o Arduino (especificações,

Leia mais

Encoder de Quadratura

Encoder de Quadratura R O B Ó T I C A Sensor Smart de Quadratura Versão Hardware:. Versão Firmware: 2. REVISÃO 2.9 Sensor Smart de Quadratura. Introdução Os encoders são equipamentos utilizados para converter movimentos rotativos

Leia mais

INDICADORES GERENCIAIS PRÓ-ATIVOS DE SEGURANÇA E SAÚDE. DISPOSITIVOS DE CONTROLE DE UTILIZAÇÃO NOS VEÍCULOS DO GRUPO CEEE.

INDICADORES GERENCIAIS PRÓ-ATIVOS DE SEGURANÇA E SAÚDE. DISPOSITIVOS DE CONTROLE DE UTILIZAÇÃO NOS VEÍCULOS DO GRUPO CEEE. INDICADORES GERENCIAIS PRÓ-ATIVOS DE SEGURANÇA E SAÚDE. DISPOSITIVOS DE CONTROLE DE UTILIZAÇÃO NOS VEÍCULOS DO GRUPO CEEE. Autores João Carlos Lindau Roberto de Azevedo Ferreira GRUPO CEEE RESUMO Cada

Leia mais

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto Introdução a Informática Prof.: Roberto Franciscatto 4.1 HARDWARE COMPONENTES BÁSICOS Qualquer PC é composto pelos mesmos componentes básicos: Processador, memória, HD, placa-mãe, placa de vídeo e monitor

Leia mais

Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem

Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem Autores: Caio Felipe Favaretto, Henrique Corrêa Ramiro, Rômulo de Oliveira Souza e Marcelo Barboza Silva Professor orientador:

Leia mais

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1.1 Introdução Consiste em um guia de onda cilíndrico, conforme ilustra a Figura 1, formado por núcleo de material dielétrico (em geral vidro de alta pureza),

Leia mais

Vejamos, então, os vários tipos de cabos utilizados em redes de computadores:

Vejamos, então, os vários tipos de cabos utilizados em redes de computadores: Classificação quanto ao meio de transmissão Os meios físicos de transmissão são os cabos e as ondas (luz, infravermelhos, microondas) que transportam os sinais que, por sua vez, transportam a informação

Leia mais

TÍTULO: SISTEMA DE ACESSIBILIDADE E AUTOMATIZAÇÃO PARA PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADE ESPECIAIS

TÍTULO: SISTEMA DE ACESSIBILIDADE E AUTOMATIZAÇÃO PARA PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADE ESPECIAIS TÍTULO: SISTEMA DE ACESSIBILIDADE E AUTOMATIZAÇÃO PARA PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADE ESPECIAIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA

Leia mais

SENSORES DISCIPLINA DE MATERIAIS ELÉTRICOS. ALUNOS: André Sato Érico Noé Leandro Percebon

SENSORES DISCIPLINA DE MATERIAIS ELÉTRICOS. ALUNOS: André Sato Érico Noé Leandro Percebon SENSORES DISCIPLINA DE MATERIAIS ELÉTRICOS ALUNOS: André Sato Érico Noé Leandro Percebon Indrodução SENSORES são dispositivos que mudam seu comportamento sob a ação de uma grandeza física, podendo fornecer

Leia mais

Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05

Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05 Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05 Linha de Equipamentos MEC Desenvolvidos por: Maxwell Bohr Instrumentação Eletrônica Ltda. Rua Porto Alegre, 212 Londrina PR Brasil http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

ROBÔ SEGUIDOR DE LINHA PARA COMPETIÇÕES RESUMO

ROBÔ SEGUIDOR DE LINHA PARA COMPETIÇÕES RESUMO GOMES, O. S. M. et al. Robô seguidor de linha para competições 7 ROBÔ SEGUIDOR DE LINHA PARA COMPETIÇÕES Otávio de Souza Martins Gomes 1 Rafael Vinícius Tayette de Nóbrega 2 Lucas Vinícius Ribeiro 3 Rayane

Leia mais

Física FUVEST ETAPA. ε = 26 cm, e são de um mesmo material, Resposta QUESTÃO 1 QUESTÃO 2. c) Da definição de potência, vem:

Física FUVEST ETAPA. ε = 26 cm, e são de um mesmo material, Resposta QUESTÃO 1 QUESTÃO 2. c) Da definição de potência, vem: Física QUESTÃO 1 Um contêiner com equipamentos científicos é mantido em uma estação de pesquisa na Antártida. Ele é feito com material de boa isolação térmica e é possível, com um pequeno aquecedor elétrico,

Leia mais

Fundação Escola Técnica Liberato Salzano Vieira da Cunha Cursos Eletrônica e Mecânica. Projeto Eólico

Fundação Escola Técnica Liberato Salzano Vieira da Cunha Cursos Eletrônica e Mecânica. Projeto Eólico Fundação Escola Técnica Liberato Salzano Vieira da Cunha Cursos Eletrônica e Mecânica Projeto Eólico DARLAN ROSA DA SILVA GUILHERME GRÜN GUILHERME LEMOS DE CAMPOS PEDRO HEPS ORIENTADORES: FÍSICA E PROJETOS

Leia mais

Aula 1: Programação com códigos. Roben Castagna Lunardi roben.lunardi@restinga.ifrs.edu.br

Aula 1: Programação com códigos. Roben Castagna Lunardi roben.lunardi@restinga.ifrs.edu.br Aula 1: Programação com códigos Roben Castagna Lunardi roben.lunardi@restinga.ifrs.edu.br Módulo 2 Cronograma: 16/05: Programação usando a interface padrão do Arduino (códigos): Bibliotecas, estruturas,

Leia mais

Fundamentos de Automação. Sensores 17/03/2015. Sensores. Sensores Analógicos e Sensores Digitais. Sensores Analógicos e Sensores Digitais

Fundamentos de Automação. Sensores 17/03/2015. Sensores. Sensores Analógicos e Sensores Digitais. Sensores Analógicos e Sensores Digitais Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Sensores

Leia mais

Projeto Gerador Eólico. Lucas Barros de Assis /Jácson de Oliveira Miguel Schuh Alles / Nathan Silveira Schneider

Projeto Gerador Eólico. Lucas Barros de Assis /Jácson de Oliveira Miguel Schuh Alles / Nathan Silveira Schneider Projeto Gerador Eólico Lucas Barros de Assis /Jácson de Oliveira Miguel Schuh Alles / Nathan Silveira Schneider Justificativa O Brasil é rico em correntes de vento. Fonte infinita. Água tende a não ser

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Etec Ensino Técnico ETEC RODRIGUES DE ABREU - EXTENSÃO AGUDOS Código: 135.01 D Município: AGUDOS Eixo Tecnológico: CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS Componente Curricular:

Leia mais

Controle para Motores de Passo usando módulo USB-6008

Controle para Motores de Passo usando módulo USB-6008 Departamento de Física e Ciência dos Materiais Caixa Postal 369-13560-970 São Carlos SP Brasil e-mail : andretec@ifsc.usp.br Controle para Motores de Passo usando módulo USB-6008 Introdução Neste projeto

Leia mais

Desenvolvimento de Módulo Wireless para Acionamento de Cargas via Porta Paralela

Desenvolvimento de Módulo Wireless para Acionamento de Cargas via Porta Paralela Desenvolvimento de Módulo Wireless para Acionamento de Cargas via Porta Paralela Pedro H. M. Araújo 1, Renan P. Figueiredo 1, Douglas L. Dias 1, Sandro C. S. Jucá 1 1 Área da Telemática Instituto Federal

Leia mais

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL ULBRA CONTROLE DE MOTOR DE PASSO VIA PORTA PARALELA -BUILDER C++ FABRÍCIO DE MARI

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL ULBRA CONTROLE DE MOTOR DE PASSO VIA PORTA PARALELA -BUILDER C++ FABRÍCIO DE MARI UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL ULBRA CONTROLE DE MOTOR DE PASSO VIA PORTA PARALELA -BUILDER C++ FABRÍCIO DE MARI Canoas, junho de 2007. SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...03 1.1 Objetivo...04 1.2 Justificativa...04

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo TRANSMISSÃO DE INFORMAÇÃO SEM FIO Plano de aula Autor: Prof. Orivaldo Gonçalves de Mello (E.E. Pe Simon Switzar) Alunos da 2ª e 3ª séries ensino médio da E.E. Pe Simon Switzar Raphaela Rodrigues Tatiane

Leia mais

Interação Humana com Computador

Interação Humana com Computador Interação Humana com Computador Tecnologias de Computadores André Ferraz N.º24881 Jason Costa N.º25231 Ana Pereira N.º25709 IHC Estudo, planeamento e desenho de uma interação entre o utilizador e computadores.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Fabricio Breve Onde estão as redes? Caixa Eletrônico Terminais conectados a um computador central Supermercados, farmácias, etc... Vendas Caixa Estoque Etc... Por que Redes?

Leia mais

Radiação. Grupo de Ensino de Física da Universidade Federal de Santa Maria

Radiação. Grupo de Ensino de Física da Universidade Federal de Santa Maria Radiação Radiação é o processo de transferência de energia por ondas eletromagnéticas. As ondas eletromagnéticas são constituídas de um campo elétrico e um campo magnético que variam harmonicamente, um

Leia mais

SENSORES INDUSTRIAIS

SENSORES INDUSTRIAIS SENSORES INDUSTRIAIS Sensores: são dispositivos que transformam grandezas físicas em um sinal Sensores Analógicos e Digitais Caracterís:cas Alcance Precisão Resolução Sensibilidade Tempo de Resposta Não

Leia mais

A porta paralela. 1 - Introdução. 2- Modelos de porta paralela

A porta paralela. 1 - Introdução. 2- Modelos de porta paralela A porta paralela 1 - Introdução A porta paralela é uma interface de comunicação desenvolvida pela IBM para funcionar nos primeiros computadores PC lançado em 1983, ela também é chamada de porta para impressora.

Leia mais

Seja Bem-vindo(a)! Neste módulo vamos trabalhar os principais conceitos de informática.

Seja Bem-vindo(a)! Neste módulo vamos trabalhar os principais conceitos de informática. Seja Bem-vindo(a)! Neste módulo vamos trabalhar os principais conceitos de informática. AULA 1 Noções básicas de Informática Componentes básicos Hardware Componentes básicos Software Noções de MS Word

Leia mais

Automação industrial Sensores

Automação industrial Sensores Automação industrial Sensores Análise de Circuitos Sensores Aula 01 Prof. Luiz Fernando Laguardia Campos 3 Modulo Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina Cora Coralina O que são sensores?

Leia mais

FÍSICA. e. Impede a saída de água, por ser menor que a

FÍSICA. e. Impede a saída de água, por ser menor que a FÍSICA 01. CA 5 ENEM Nossa pele possui células que reagem à incidência de luz ultravioleta e produzem uma substância chamada melanina, responsável pela pigmentação da pele. Pensando em se bronzear, uma

Leia mais

PIRÔMETROS RESUMO. Palavras-chaves: pirometria, temperatura, pirômetro, radiação eletromagnética.

PIRÔMETROS RESUMO. Palavras-chaves: pirometria, temperatura, pirômetro, radiação eletromagnética. PIRÔMETROS ISABELLE PEREIRA GOMES 1 RAPHAEL RIBEIRO PEREIRA² KATHLEEN VASCONCELLOS³ PROFESSOR ORIENTADOR: LEONARDO VIDAL RESUMO Este artigo trata sobre a medição de temperatura pelo processo de pirometria,

Leia mais

SEMICONDUTORES. Concentração de portadores de carga:

SEMICONDUTORES. Concentração de portadores de carga: Unidade 3 SEMICONDUTORES E g ~ 1 ev E F E = 0 Elétron pode saltar da banda de valência para a banda de condução por simples agitação térmica Concentração de portadores de carga: Para metais: elétrons de

Leia mais

História da Fibra Óptica

História da Fibra Óptica História da Fibra Óptica Em 1870, o físico inglês Jonh Tyndall, demonstrou o princípio de guiamento da luz através de uma experiência muito simples, utilizando um recipiente furado com água, um balde e

Leia mais

INSTITUTO LABORO ESCOLA TECNICA

INSTITUTO LABORO ESCOLA TECNICA INSTITUTO LABORO ESCOLA TECNICA PESQUISA CABO COAXIAIS ASPECTOS TECNICOS FIBRA OPTICA SISTEMA TIPICO DE COMUNICAÇÃO PTICA ESTRUTURA DE UMA FIBRA OPTICA TIPOS DE FIBRA OPTICA Por Ítalo da Silva Rodrigues

Leia mais

PRÉ-VESTIBULAR Física

PRÉ-VESTIBULAR Física PRÉ VESTIBULAR Física / / PRÉ-VESTIBULAR Aluno: Nº: Turma: Exercícios Fenômenos Lista de sites com animações (Java, em sua maioria) que auxiliam a visualização de alguns fenômenos: Reflexão e refração:

Leia mais

Notas de Aplicação. Utilizando ZAP500 com. Encoders. HI Tecnologia. Documento de acesso publico / corporativo

Notas de Aplicação. Utilizando ZAP500 com. Encoders. HI Tecnologia. Documento de acesso publico / corporativo Notas de Aplicação Utilizando ZAP500 com Encoders HI Tecnologia Documento de acesso publico / corporativo ENA.00015 Versão 1.01 dezembro-2013 HI Tecnologia Utilizando ZAP500 com Encoders Apresentação Esta

Leia mais

STATUS CHECK. Visão Geral do Produto

STATUS CHECK. Visão Geral do Produto STATUS CHECK Visão Geral do Produto Soluções em Monitoramento da Condição Sistema StatusCheck 2.4GHz 2 Visão Geral do Sistema StatusCheck : O Status Check monitora os parâmetros de vibração e temperatura

Leia mais

Topologias e abrangência das redes de computadores. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com

Topologias e abrangência das redes de computadores. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Topologias e abrangência das redes de computadores Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Objetivos Tornar os alunos capazes de reconhecer os tipos de topologias de redes de computadores assim como

Leia mais

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Capítulo1 - Introdução à Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Agosto de 2007 - Página

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Capítulo1 - Introdução à Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Agosto de 2007 - Página CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Capítulo1 - Introdução à Redes 1 Requisitos para Conexão à Internet Para disponibilizar o acesso de um computador à rede, devem ser levados em consideração 03 parâmetros:

Leia mais

LABORATORIOS DE INFORMÁTICA. prof. André Aparecido da Silva Disponível em: www.oxnar.com.br/2015/profuncionario

LABORATORIOS DE INFORMÁTICA. prof. André Aparecido da Silva Disponível em: www.oxnar.com.br/2015/profuncionario LABORATORIOS DE INFORMÁTICA prof. André Aparecido da Silva Disponível em: www.oxnar.com.br/2015/profuncionario 1 O conhecimento da humanidade só evoluiu em virtude da incessante busca do ser humano em

Leia mais

Análise de Segmento ST. Comunicação com Central de Monitores e Wifi. Touch Screen

Análise de Segmento ST. Comunicação com Central de Monitores e Wifi. Touch Screen Análise de Segmento ST Comunicação com Central de Monitores e Wifi Touch Screen Cirurgias de pequeno, médio e grande porte, atende hospitais de pequeno, médio e grande porte. Detector de Arritmias Avançadas

Leia mais

ALC. Ricardo Geraldes David João. Rodrigo Carlucci da Luz. Lucas Pinheiro Berto

ALC. Ricardo Geraldes David João. Rodrigo Carlucci da Luz. Lucas Pinheiro Berto Ricardo Geraldes David João Rodrigo Carlucci da Luz Lucas Pinheiro Berto ALC Projeto apresentado como requisito Parcial para avaliação do Programa de Aprendizagem em Física III e requisito para o programa

Leia mais

Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra

Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Departamento de Engenharia Informática Arquitectura de Computadores 2 João Eurico Rosa Pinto jepinto@student.dei.uc.pt Filipe Duarte da Silva

Leia mais

SIMULADO ABERTO ENEM 2015

SIMULADO ABERTO ENEM 2015 SIMULADO ABERTO ENEM 2015 1) A figura mostra a bela imagem de um gato ampliada pela água de um aquário esférico. Trata-se de uma imagem virtual direita e maior. A cerca do fenômeno óptico em questão, é

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO 0 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO PROJETO INTEGRADO: COBERTURA AUTOMATIZADA COM DETECTOR DE CHUVA CURITIBA 2010 1 TAISA DAIANA DA COSTA PROJETO

Leia mais