Gestão de Operações. Concepção de Produtos e Serviços

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão de Operações. Concepção de Produtos e Serviços"

Transcrição

1 Gestão de Operações Concepção de Produtos e Serviços

2 Humor em Concepção de Produtos Como o Cliente gostaria. Como o Marketing o interpreta T/Maker Co. Como as Operações o fizeram T/Maker Co. Como a Engenharia o concebeu T/Maker Co T/Maker Co.

3 O que é um Produto? Oferta de uma Satisfação de Necessidade feita por uma empresa Exemplo: P&G não vende detergente para lavar a roupa P&G vende o benefício de roupa lavada Clientes compram satisfação e não coisas Talvez um produto ou um serviço

4 Opções de estratégia do Produto Diferenciação Baixo Custo Resposta Rápida

5 Oportunidades de geração de novos Produtos Mudança económica Mudança sociológica e demográfica Mudança tecnológica Mudança política / legal Mudanças em: Práticas de mercado Padrões profissionais Fornecedores e distribuidores

6 Opções de estratégia do Produto Diferenciação Baixo Custo Resposta Rápida

7 Componentes do Produto Marca (Nome) Ideia do Produto Embalagem Bem Físico Capacidades Nível de Qualidade Assistência (Garantia)

8 Introdução Crescimento Maturidade Declínio Ciclo de Vida do Produto

9 Ciclo de Vida do Produto Aperfeiçoamento Introdução Investigação Desenvolvimento do produto Modificação e melhoramento do processo Desenvolvimento do fornecedor

10 Ciclo de Vida do Produto Crescimento Desenho do produto começa a estabilizar Previsão efectiva da capacidade torna-se necessária Aumento ou melhoramento da capacidade pode ser necessário

11 Ciclo de Vida do Produto Maturidade Concorrência estabelecida Produção inovativa ou de grande volume pode ser necessária Melhoramento no controle de custos, redução das opções, redução da linha de produtos

12 Ciclo de Vida do Produto Declínio A menos que o produto tenha uma contribuição especial, é necessário planear o fim da oferta

13 Ciclo de Vida do Produto, Vendas, Custo e Lucro Custo de Desenvolvimento & Produção Vendas, Custo & Lucro. Perda Cash flow Lucro Retorno nas Vendas Tempo Introdução Crescimento Maturidade Declínio

14 Produtos nos vários estados do seu Ciclo de Vida Vendas Introdução Crescimento Patins em Linha Maturidade Jet Ski Declínio Realidade Virtual Boeing 727 Tempo

15 Poucos Sucessos Número Ideias 1750 Requisitos do Mercado 1000 Especificações funcionais 500 Especificações do produto 100 Estado de Desenvolvimento Revisão do Projecto, Teste, Introdução 25 Um sucesso!

16 Finalidade da equipa de desenvolvimento do produto Fases de Desenvolvimento do Produto Geração da Ideia Avaliação da capacidade da empresa para fazer Requisitos do Cliente Especificação funcional Especificações do Produto Revisão do projecto Teste ao Mercado Introdução no mercado Avaliação Finalidade do projecto para fabricabilidade e equipas de engenharia de valor

17 Desdobramento da Função Qualidade (QFD) Identificar os quero do cliente Identificar como o bem/serviço irá satisfazer os quero do cliente Relate os quero do cliente com os como do produto Identificar as relações entre como da empresa Desenvolver os graus de importância Avaliar os produtos concorrentes

18 Fase da Geração da Ideia Forneçe as bases para a entrada no mercado Fontes de ideias Necessidade do Mercado (60-80%); engenharia & operações (20%); tecnologia; concorrência; invenções; empregados Segue-se à estratégia de marketing Identifica,, define & selecciona as melhores oportunidades de mercado

19 Fase dos Requisitos do Cliente Identifica & posiciona os benefícios-chave chave do cliente Stated in core benefits proposition (CBP) Exemplo: Longa duração com mais potência (Baterias Duracell) Identifica a lista detalhada dos atributos do produto desejados pelo cliente Foca entrevistas individuais ou de grupos

20 Fase da Especificação Funcional Define o produto em termos de como alcançar os atributos desejados Identifica as características de engenharia do produto Exemplo: ruído da impressora (db) Define prioridades nas características de engenharia Pode classificar produto em comparação com os da concorrência

21 Fase de Especificação do Produto Determina como o produto será feito Estabeleçe as especificações físicas do produto Exemplo: Dimensões,, material etc. Definida pelo desenho da engenharia Efectuada normalmente em computador Computer-Aided Design (CAD)

22 Desdobramento da Função Qualidade (Quality Function Deployment - QFD) Projecto do produto usando equipas multi-funcionais - Marketing, engenharia, produção Traduz as preferências do cliente em características específicas do produto Envolve a criação de 4 Matrizes Matrizes ou Casas Decompõe o projecto do produto em níveis de detalhe mais elevado

23 Organizando o Desenvolvimento do Produto Historicamente departamentos distintos São definidas as responsabilidades Dificuldade de pensamento para um objectivo comum Presentemente constituição de equipas Representantes de todas as áreas ou funções Equipa multidisciplinar

24 Capacidade de fabricação e Engenharia de Valor Benefícios Reduzida complexidade dos produtos Standarização adicional dos produtos Melhoria dos aspectos funcionais do produto Melhoria do desenho e segurança das funções Melhoria da manutabilidade do produto Robustez

25 Redução de Custos de um Suporte através da Engenharia de Valor

26 Questões do Desenvolvimento do Produto Design robusto (robustez) Concorrência baseada no tempo Design modular Desenho por computador (CAD) Análise de valor Desenho amigo do ambiente

27 Design robusto (Robustez) O Produto é desenhado de modo a que pequenas variações na produção ou na montagem não o afectem

28 Design Modular Produtos desenhados com facilidade de segmentação de componentes Aumenta a flexibilidade tanto da Produção como do Marketing

29 Desenho por Computador (CAD) Desenho dos produtos num computador ou estação de trabalho Desenhador desenvolve um esboço do produto Usa o computador para desenhar o produto Usado normalmente com CAM (Computer Aided Manufacturing Produção assistida por computador)

30 Benefícios do CAD/CAM Tempo de desenho mais curto Acesso a base de dados Novas capacidades Exemplo: Mais concentração nas ideias do produto Qualidade do produto melhorada Custos de Produção reduzidos

31 Extensões do CAD Design for Manufacturing and Assembly (DFMA) Modelação do objecto em 3-D Informação CAD/CAM CAD é traduzida em instruções de controle da máquina (CAM)

32 Realidade Virtual Tecnologia informática usada para desenvolver um modelo 3-D interactivo do produto. Especialmente útil no desenho de layouts (fábrica, loja,, casa, escritório).

33 Análise de Valor Concentra-se no melhoramento do desenho durante a produção Procura a direcção do melhoramento para um melhor produto ou um produto que pode ser produzido mais economicamente.

34 Projectos amigos do Ambiente Benefícios Produtos seguros e amigos do ambiente Mínimo desperdício de matéria prima e energia Diferenciação do Produto Environmental liability reduction Eficaz relação entre adequação a legislação sobre Ambiente e custo Reconhecimento de responsabilidade social

35 Produção Verde Fazer produtos recicláveis Usar materiais reciclados Usar menos ingredientes nocivos Usar componentes mais leves Usar menos energia Usar menos material

36 Concorrência baseada no Tempo Ciclos de Vida dos produtos tornam-se mais curtos. Desenvolvimento mais rápido de novos produtos ganha ao desenvolvimento mais lento obtendo uma vantagem competitiva.

37 Documentação do Produto Esquema Mostra Dimensões, tolerâncias, & materiais Mostra os códigos para Tecnologia de Grupo Lista de Material (Bill of Material) Lista componentes, quantidades & onde usados Mostra a estrutura do produto

38 Exemplo de Desenho (de Engenharia) 13/16 diameter 1 2-1/2 13/32 diameter 1/4 R 2-1/ /16 3/8 1-5/8 13/16 5/16 Bracket Scale: FULL Drawn: J. Thomas A

39 Desenhos e Engenharia Mostram Dimensões, Tolerâncias, etc.

40 Lista de Material (Bill of Material) Exemplo Lista de Material (Bill of Material) P/N: 1000 Nome: Bicicleta P/N Descrição Qtd Unidade Nível 1001 Guiador 1 Cada Conj. Quadro 1 Cada Rodas 2 Cada Quadro 1 Cada 2

41 Lista de materiais (Bill of Materials) Linha de Produção e Restaurante Fast-Food Food Lista de Materiais (Bill of Material) De um Panel Weldment Cheeseburger Hickory BBQ Bacon do Hard Rock Café Número Descrição Qtd Descrição Quantidade A60-71 Panel Weldm t 1 Bun Hamburger Patty A 60-7 R R P R A A A R Lower Roller Assembly Roller Pin Locknet Guide Assem. Rear Support Angle Roller Assem. Bolt Guide Assm, Front Support Weldm t Wear Plate Bolt Queijo Cheddar Bacon Cebolas BBQ Molho Hickory BBQ Burger Set Alface Tomate Cebola Vermelha Pickle Batatas fritas Sal Prato tam. 2 Bandeira HRC gr. 2 fatias 2 fatias ½ chávena 28,5 gr. 1 folha 1 fatia 4 rodelas 1 fatia 141gr. 1 clh. chá 1 1

42 Decisões Fazer-ou ou-comprar Decide se quer ou não (ou precisa) produzir um item Pode ser capaz de comprar o item como um item padrão de outro fabricante

43 Características da Tecnologia de Grupos Peças agrupadas em famílias Peças mais standarizadas e mais semelhantes Usa sistema de codificação Descreve as características físicas & de processamento Famílias de peças produzidas em células de produção Mini linhas de montagem

44 Exemplo de Codificação de Tecnologia de Grupos 4mm x 45 chanfro Round Rod 80mm 60mm Códido do Produto: 112mm Função da peça (round rod) Material (aço) Max. comprimento (50 < C < 150) Máquina primária (lathe)

45 Esquemas de Tecnologia de Grupos Enable Grouping of Parts

46 Benefícios da Tecnologia de Grupos Melhorado desenho do produto Aquisições reduzidas Reduzido inventário em actividade de produção Melhorado o endereçamento e & machine carregamento das máquinas Reduzidos tempos de setup & produção Simplificado planeamento & controle da produção Manutenção simplificada

47 Documentos de Produção Esquema de Montagem Esquema fases de montagem Folha de Percurso (Route sheet) Ordem de Trabalho

48 Esquema de Montagem Mostra uma vista explodida do produto Cabeça Pescoço Tampa da extremidade Cabo T/Maker Co.

49 Carta de Montagem Uma sanduiche de atum 1 Atum 2 Maionese SA1 Mistura de Atum A1 Sanduiche FG 3 Pão A2

50 Esquema de Montagem e Carta de Montagem

51 Carta de Percurso (Route Sheet) Lista todas as Operações Sequênci a Route Sheet para Suporte Máquina Operação Tempo de Setup Operação Tempo/Unidade 1 Shear # 3 Shear to length 2 Shear # 3 Shear corners 3 Perfuradora Drill both holes 4 Brake press Bend

52 Ordem de Trabalho Autoriza a produção de um dado, geralmente aliado a um plano Produção Ordem de Trabalho Dept Oper Data Aprovado: JM

53 Nota de Modificação (Engineering Change Notice - ECN) Uma correcção ou uma modificação de um desenho ou esquema ou da Lista de Material (B/M)

54 Gestão da Configuração Um sistema pelo qual os componentes planeados e modificados são precisamente identificados e para o qual o controle e a justificação da mudança são mantidos

55 Concepção de Serviços Natureza da participação do Cliente

56 Improving Customer Relations at a Drive-up Window Be especially discreet when talking with customer through the microphone Provide written instructions for customers who must fill out forms you provide Mark lines to be completed or attach a note with instructions Always say please and thank you Establish eye contact with the customer if the distance allows iti If the transaction requires that the customer park the car and come into the lobby, apologize for the inconvenience.

57 Moment-of of-truth at a Computer Company Experience Detractors I had to call more than once to get through. A recording spoke to me rather than a person While on hold, I get silence,and wonder if I am disconnected. The operator sounded like he was reading a form of routine questions. The operator sounded uninterested I felt the operator rushed me. Standard Expectations Only one local number needs to be dialed I never get a busy signal I get a human being to answer my call quickly and he or she is pleasant and responsive to my problem A timely resolution to my problem is offered The operator is able to explain to me what I can expect to take place Experience Enhancers The operator was sincerely concerned and apologetic about my problem He asked intelligent questions that allowed me to feel confident in his abilities The operator offered various times to have work done, to suit my schedule Ways to avoid future problems were suggested

58 Application of Decision Trees to Product Design Particularly useful when there are a series of decisions and outcomes which lead to other decisions and outcomes. Considerations: Include all possible alternatives and states of nature - including doing nothing Enter payoffs at end of branch Approach determining expected values by pruning tree

59 Transition to Production First issue: knowing when to move to production! Second: must view product development as evolutionary, not responsibility of single individual/department Third: expect to need a trial production period to work the bugs out Fourth: recognize that responsibility must also transition

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas Informática Aula 3 Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação Comunicação Empresarial 2º Ano Ano lectivo 2003-2004 Introdução aos Sistemas A Teoria dos Sistemas proporciona um meio poderoso

Leia mais

GUIÃO A. Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho. 1º Momento. Intervenientes e Tempos. Descrição das actividades

GUIÃO A. Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho. 1º Momento. Intervenientes e Tempos. Descrição das actividades Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho GUIÃO A 1º Momento Intervenientes e Tempos Descrição das actividades Good morning / afternoon / evening, A and B. For about three minutes, I would like

Leia mais

Guião M. Descrição das actividades

Guião M. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Inovação Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: O Mundo do trabalho Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO Guião M Intervenientes

Leia mais

Gestão das Operações. Módulo 6 Gestão de stocks consumo dependente (MRP) 6-1

Gestão das Operações. Módulo 6 Gestão de stocks consumo dependente (MRP) 6-1 Gestão das Operações Módulo 6 Gestão de stocks consumo dependente (MRP) 6-1 Sumário 1. Requisitos do modelo de gestão de stocks de materiais com consumo dependente 2. O processo de planeamento da produção

Leia mais

As Organizações e os Sistemas de Informação

As Organizações e os Sistemas de Informação As Organizações e os Sistemas de Informação Uma Introdução Luís Paulo Peixoto dos Santos Junho, 2002 Uma organização é uma estrutura complexa e formal cujo objectivo é gerar produtos ou serviços, com ou

Leia mais

Exemplo de Exame de Gestão da Produção e das Operações

Exemplo de Exame de Gestão da Produção e das Operações Exemplo de Exame de Gestão da Produção e das Operações A. Resolva os seguintes problemas (8 valores) 1. Uma determinada empresa faz a lavagem de cisternas rodoviárias na zona norte do País. Com equipamento

Leia mais

Gestão da Informação

Gestão da Informação Gestão da Informação Aplicações de suporte à Gestão da Informação na empresa Luis Borges Gouveia, lmbg@ufp.pt Aveiro, Fevereiro de 2001 Sistemas de informação para empresas Manutenção e exploração de sistemas

Leia mais

Cowboys, Ankle Sprains, and Keepers of Quality: How Is Video Game Development Different from Software Development?

Cowboys, Ankle Sprains, and Keepers of Quality: How Is Video Game Development Different from Software Development? Cowboys, Ankle Sprains, and Keepers of Quality: How Is Video Game Development Different from Software Development? Emerson Murphy-Hill Thomas Zimmermann and Nachiappan Nagappan Guilherme H. Assis Abstract

Leia mais

1 ARQUITECTURA DO PRODUTO - MODULARIZAÇÃO E SISTEMAS DE PLATAFORMAS NA INDUSTRIA FERROVIÁRIA... 20.19.

1 ARQUITECTURA DO PRODUTO - MODULARIZAÇÃO E SISTEMAS DE PLATAFORMAS NA INDUSTRIA FERROVIÁRIA... 20.19. 1 ARQUITECTURA DO PRODUTO - MODULARIZAÇÃO E SISTEMAS DE PLATAFORMAS NA INDUSTRIA FERROVIÁRIA... 20.19. ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 1 ARQUITECTURA DO PRODUTO - MODULARIZAÇÃO E SISTEMAS DE PLATAFORMAS NA INDUSTRIA

Leia mais

GESTÃO da Qualidade GESTÃO DA QUALIDADE. Definição de qualidade? Consumidor vs. produtor

GESTÃO da Qualidade GESTÃO DA QUALIDADE. Definição de qualidade? Consumidor vs. produtor GESTÃO da Qualidade Práticas DEG/AB 1 GESTÃO DA QUALIDADE Definição de qualidade? Consumidor vs. produtor Consumidor: qualidade é o grau em que o produto satisfaz as necessidades pelas quais foi adquirido

Leia mais

Professor Bruno Silva Olher

Professor Bruno Silva Olher Bruno Silva Olher O MERCADO Todo o cliente tem o direito de escolher a cor do carro, desde que seja a cor preta - Henry Ford. Fase do Product out colocar o produto no mercado. 1 INTRODUÇÃO Na definição

Leia mais

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Portuguese Lesson A Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Story Time is a program designed for students who have already taken high school or college courses or students who have completed other

Leia mais

Guião A. Descrição das actividades

Guião A. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Ponto de Encontro Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: Um Mundo de Muitas Culturas Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO

Leia mais

O QUE ÉGESTÃO DAS OPERAÇÕES? ORGANIZAÇÃO PARA PRODUZIR BENS E SERVIÇOS PORQUÊ ESTUDAR GESTÃO DAS OPERAÇÕES? O QUE FAZEM OS GESTORES DE OPERAÇÕES 1-2

O QUE ÉGESTÃO DAS OPERAÇÕES? ORGANIZAÇÃO PARA PRODUZIR BENS E SERVIÇOS PORQUÊ ESTUDAR GESTÃO DAS OPERAÇÕES? O QUE FAZEM OS GESTORES DE OPERAÇÕES 1-2 1-1 O QUE ÉGESTÃO DAS OPERAÇÕES? ORGANIZAÇÃO PARA PRODUZIR BENS E SERVIÇOS PORQUÊ ESTUDAR GESTÃO DAS OPERAÇÕES? O QUE FAZEM OS GESTORES DE OPERAÇÕES 1-2 GESTÃO DE OPERAÇÕES HISTORIAL OPERAÇÕES NO SECTOR

Leia mais

Objectivos de aprendizagem

Objectivos de aprendizagem 2 Objectivos de aprendizagem ƒ Dar exemplos de como a Internet e outras tecnologias da informação apoiam os processos de negócio nas seguintes funções empresariais: ƒ contabilidade; ƒ gestão financeira;

Leia mais

Processo de Desenvolvimento II. Processo de Desenvolvimento

Processo de Desenvolvimento II. Processo de Desenvolvimento Processo de Desenvolvimento II Processo de Desenvolvimento Street Java Engenharia de Software 2 Capítulo 2 & 3 3 Espiral Barry Bohem 4 Espiral DETERMINAR OBJECTIVOS, ALTERNATIVAS, RESTRIÇÕES Orçamento

Leia mais

Prof. Jorge Romero Monteiro 1

Prof. Jorge Romero Monteiro 1 Marketing 1 CONCEITOS DE MARKETING 2 Conceitos de Marketing O MARKETING é tão importante que não pode ser considerado como uma função separada. É o próprio negócio do ponto de vista do seu resultado final,

Leia mais

GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO

GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO PROJECTO PROVAS EXPERIMENTAIS DE EXPRESSÃO ORAL DE LÍNGUA ESTRANGEIRA - 2005-2006 Ensino Secundário - Inglês, 12º ano - Nível de Continuação 1 1º Momento GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição Logística integrada e sistemas de distribuição (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 Sistemas integrados de logística e distribuição necessidade de integrar as

Leia mais

Searching for Employees Precisa-se de Empregados

Searching for Employees Precisa-se de Empregados ALIENS BAR 1 Searching for Employees Precisa-se de Empregados We need someone who can prepare drinks and cocktails for Aliens travelling from all the places in our Gallaxy. Necessitamos de alguém que possa

Leia mais

Universidade Católica Portuguesa. Pedro Oliveira. Universidade Católica Portuguesa. Pedro Oliveira. Burger Pronto Matérias Primas WIP Produto Acabado

Universidade Católica Portuguesa. Pedro Oliveira. Universidade Católica Portuguesa. Pedro Oliveira. Burger Pronto Matérias Primas WIP Produto Acabado Gestão de Operações: Gestão de e MRP 1 genda Gestão de s (1a parte) MRP (Materials Requirements Planning) Gestão de Operações: Gestão de e MRP 2 Gestão de Stocks - Definição de Sistema de Classificação

Leia mais

Inglês. Guião. Teste Intermédio de Inglês. Parte IV Interação oral em pares. Teste Intermédio

Inglês. Guião. Teste Intermédio de Inglês. Parte IV Interação oral em pares. Teste Intermédio Teste Intermédio de Inglês Parte IV Interação oral em pares Teste Intermédio Inglês Guião Duração do Teste: 10 a 15 minutos De 25.02.2013 a 10.04.2013 9.º Ano de Escolaridade D TI de Inglês Página 1/ 7

Leia mais

FEUP/ IAPMEI / ITEC / MIT

FEUP/ IAPMEI / ITEC / MIT Estratégias Globais de Desenvolvimento do Sector de Componentes para a Indústria Automóvel QUESTIONÁRIO VERSÃO FINAL FEUP/ IAPMEI / ITEC / MIT ÍNDICE DE QUESTIONÁRIOS 1. Gestão de Topo - Características

Leia mais

Prova Oral de Inglês Duração da Prova: 20 a 25 minutos 2013/2014. 1.º Momento. 4 (A), are you a health-conscious person?

Prova Oral de Inglês Duração da Prova: 20 a 25 minutos 2013/2014. 1.º Momento. 4 (A), are you a health-conscious person? Prova Oral de Inglês Duração da Prova: 20 a 25 minutos 2013/2014 GUIÃO A Disciplina: Inglês, Nível de Continuação 11.º ano Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho 1.º Momento Intervenientes e Tempos

Leia mais

Versão 1. Nome do aluno: N.º: Turma: Atenção! Não vires esta página até receberes a indicação para o fazeres.

Versão 1. Nome do aluno: N.º: Turma: Atenção! Não vires esta página até receberes a indicação para o fazeres. Teste Intermédio de Inglês Parte III Compreensão do oral Versão 1 Teste Intermédio Inglês Versão 1 Duração do Teste: 15 minutos 22.02.2013 9.º Ano de Escolaridade Escola: Nome do aluno: N.º: Turma: Classificação

Leia mais

17/02/2015 PROJETO DE PRODUTOS E SERVIÇOS

17/02/2015 PROJETO DE PRODUTOS E SERVIÇOS Objetivo: satisfazer as necessidades atuais e/ou futuras dos consumidores. Isto aumenta a competitividade da empresa. O projeto de produtos/serviços inicia com o consumidor e nele termina. Primeiro: Segundo:

Leia mais

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria PROGRAMA Qualidade Produto Marca Própria - Distribuição Princípios da Qualidade/ ISO 9001 Certificação/Processo de Certificação

Leia mais

PCOV-AD Survey Statements in English and Portuguese

PCOV-AD Survey Statements in English and Portuguese PCOV-AD Survey Statements in English and Portuguese English Portuguese Intro Please confirm that you understand each of the following: Por favor confirme que compreende cada uma das seguintes I will be

Leia mais

Câmbio MONEY CHANGER. I d like to exchange some money. Gostaria de cambiar um pouco de dinheiro. Where can I find a money changer?

Câmbio MONEY CHANGER. I d like to exchange some money. Gostaria de cambiar um pouco de dinheiro. Where can I find a money changer? MONEY CHANGER Câmbio I d like to exchange some money. Where can I find a money changer? Gostaria de cambiar um pouco de dinheiro. Onde posso encontrar um câmbio? I d like to exchange (I would) Where can

Leia mais

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia GESTÃO LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia GESTÃO LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1 GESTÃO LOGÍSTICA Capítulo - 6 Objectivos Identificação das actividades de gestão de materiais; Familiarização do conceito de Gestão em Qualidade Total (TQM); Identificar e descrever uma variedade de filosofias

Leia mais

Inovação e Criação de Novos Negócios

Inovação e Criação de Novos Negócios INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA Inovação e Criação de Novos Negócios Luís Mira da Silva Cristina Mota Capitão Isabel Alte da Veiga Carlos Noéme Inovação INOVAÇÃO Inovação: introdução INOVAR

Leia mais

TQC- CONTROLE DE QUALIDADE TOTAL

TQC- CONTROLE DE QUALIDADE TOTAL TQC- CONTROLE DE QUALIDADE TOTAL OLIVEIRA,Ana Paula de¹ OLIVEIRA,Dirce Benedita de¹ NERY,Miriã Barbosa¹ SILVA, Thiago² Ferreira da² RESUMO O texto fala sobre o controle da qualidade total, como ela iniciou

Leia mais

ACFES MAIORES DE 23 ANOS INGLÊS. Prova-modelo. Instruções. Verifique se o exemplar da prova está completo, isto é, se termina com a palavra FIM.

ACFES MAIORES DE 23 ANOS INGLÊS. Prova-modelo. Instruções. Verifique se o exemplar da prova está completo, isto é, se termina com a palavra FIM. ACFES MAIORES DE 23 ANOS INGLÊS Prova-modelo Instruções Verifique se o exemplar da prova está completo, isto é, se termina com a palavra FIM. A prova é avaliada em 20 valores (200 pontos). A prova é composta

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s

Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s 1 Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s RESUMO EXECUTIVO Este documento visa informar, de uma forma simples e prática, sobre o que é a gestão do ciclo de vida do Produto (PLM) e quais

Leia mais

MARKETING: PRINCIPAL FERRAMENTA PARA A EFETIVAÇÃO DAS VENDAS

MARKETING: PRINCIPAL FERRAMENTA PARA A EFETIVAÇÃO DAS VENDAS MARKETING: PRINCIPAL FERRAMENTA PARA A EFETIVAÇÃO DAS VENDAS CAUÊ SAMUEL SCHIMIDT 1 FERNANDO GRANADIER 1 Resumo O mercado atual está cada vez mais competitivo e para sobreviver nesse meio, é necessário

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

15 Computador, projeto e manufatura

15 Computador, projeto e manufatura A U A UL LA Computador, projeto e manufatura Um problema Depois de pronto o desenho de uma peça ou objeto, de que maneira ele é utilizado na fabricação? Parte da resposta está na Aula 2, que aborda as

Leia mais

:: COMO ESCOLHER UMA ESCOLA IDIOMAS PDF ::

:: COMO ESCOLHER UMA ESCOLA IDIOMAS PDF :: :: COMO ESCOLHER UMA ESCOLA IDIOMAS PDF :: [Download] COMO ESCOLHER UMA ESCOLA IDIOMAS PDF COMO ESCOLHER UMA ESCOLA IDIOMAS PDF - Are you looking for Como Escolher Uma Escola Idiomas Books? Now, you will

Leia mais

ESTRATÉGIAS E TECNOLOGIAS PARA A FLEXIBILIZAÇÃO DOS SISTEMAS PRODUTIVOS

ESTRATÉGIAS E TECNOLOGIAS PARA A FLEXIBILIZAÇÃO DOS SISTEMAS PRODUTIVOS 2008 Maio 7 Campus da FEUP Rua Dr. Roberto Frias, 378 4200-465 Porto Portugal T +351 222 094 000 F +351 222 094 050 www@inescporto.pt www.inescporto.pt ESTRATÉGIAS E TECNOLOGIAS PARA A FLEXIBILIZAÇÃO DOS

Leia mais

Ajudamos a (sua) empresa a crescer.

Ajudamos a (sua) empresa a crescer. CONSULTORIA Ajudamos a (sua) empresa a crescer. O QUE FAZEMOS SISTEMAS DE GESTÃO GESTÃO DA PRODUÇÃO E DAS PRODUÇÕES PRODUTIVIDADE E INOVAÇÃO INTERNACIONALIZAÇÃO PROJECOS DE INVESTIMENTO E INCENTIVOS

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI 19/04 Recursos e Tecnologias dos Sistemas de Informação Turma: 01º semestre

Leia mais

User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing

User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing Kern, Bryan; B.S.; The State University of New York at Oswego kern@oswego.edu Tavares, Tatiana; PhD;

Leia mais

Marketing. Objectivos. O que pode ser comercializado? Marketing no Século XXI

Marketing. Objectivos. O que pode ser comercializado? Marketing no Século XXI Marketing Marketing no Século XXI Prof. José M. Veríssimo 1 Objectivos Aprender as definições de marketing. Identificar os conceitos e ferramentas fundamentais do marketing. Compreender as orientações

Leia mais

Subject: The finance source/ new application/ project submission form COMPANY / PROJECT INFORMATION. Date of Submission: Registered Company Name

Subject: The finance source/ new application/ project submission form COMPANY / PROJECT INFORMATION. Date of Submission: Registered Company Name Subject: The finance source/ new application/ project submission form All questions must be answered in details to receive an informed response. All information & data are to be provided directly by the

Leia mais

Formulário de Projecto de Investimento

Formulário de Projecto de Investimento Formulário de Projecto de Investimento 1. Identificação do Projecto Título do projecto: Nome do responsável: Contacto Telefónico: Email: 1.1. Descrição sumária da Ideia de Negócio e suas características

Leia mais

Automatic machines for ladder and stepladder production

Automatic machines for ladder and stepladder production Automatic machines for ladder and stepladder production We provide solutions for: Bending / Driling / Punching / Riveting / Assembly Small Stepladder Aluminium Stepladder Extension Ladder Ladder Folding

Leia mais

MT BOOKING SYSTEM BACKOFFICE. manual for management

MT BOOKING SYSTEM BACKOFFICE. manual for management MT BOOKING SYSTEM BACKOFFICE manual for management BACKOFFICE BACKOFFICE Últimas Reservas Latest Bookings 8 7 6 3 2 2 Configurações Configuration - pag. 3 Barcos Boats - pag.8 Pessoal Staff - pag.0 Agentes

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL 2015 Sabemos que as empresas atualmente utilizam uma variedade muito grande de sistemas de informação. Se você analisar qualquer empresa que conheça, constatará que existem

Leia mais

Ciclo de um produto. Você já percebeu, ao andar pelos corredores. Um problema. Ciclo do produto

Ciclo de um produto. Você já percebeu, ao andar pelos corredores. Um problema. Ciclo do produto A U A UL LA Ciclo de um produto Um problema Você já percebeu, ao andar pelos corredores de um supermercado, a infinidade de produtos industrializados? Desde alimentos a produtos de limpeza e eletrodomésticos,

Leia mais

LOGÍSTICA DE MERCADO

LOGÍSTICA DE MERCADO LOGÍSTICA DE MERCADO SILVA, Adriano Pereira KAWAKITA, Gerson M. SILVA, Natália Heloísa RASQUEL, Stefano Adriano Acadêmicos do curso de Administração da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais (FAEG/ACEG)

Leia mais

A ABORDAGEM UTILIZADA PELO GRUPO SIMUCAD: SIMULAÇÃO & CAD, NO DESENVOLVIMENTO DE INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS

A ABORDAGEM UTILIZADA PELO GRUPO SIMUCAD: SIMULAÇÃO & CAD, NO DESENVOLVIMENTO DE INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS A ABORDAGEM UTILIZADA PELO GRUPO SIMUCAD: SIMULAÇÃO & CAD, NO DESENVOLVIMENTO DE INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS Nilton Luiz Menegon menegon@power.ufscar.br Miguel Antonio Bueno da Costa mbcosta@power.ufscar.br

Leia mais

PROGRAM FOR 3 DAYS in Faial and S. Jorge Islands, Azores

PROGRAM FOR 3 DAYS in Faial and S. Jorge Islands, Azores PROGRAM FOR 3 DAYS in Faial and S. Jorge Islands, Azores THIS PROGRAM AIMS TO TOAST OUR CUSTOMERS WITH THE OPPORTUNITY TO DISCOVER AND EXPLORE THE FAIAL AND S. JORGE ISLANDS. WE HAVE A WIDE RANGE OF CULTURAL

Leia mais

01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS

01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS 01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS OBS1: Adaptação didática (TRADUÇÃO PARA PORTUGUÊS) realizada pelo Prof. Dr. Alexandre Rosa dos Santos. OBS2: Textos extraídos do site: http://www.englishclub.com

Leia mais

CONCEITO: É uma divisão do trabalho por especialização dentro da estrutura organizacional da empresa.

CONCEITO: É uma divisão do trabalho por especialização dentro da estrutura organizacional da empresa. DEPARTAMENTALIZAÇÃO CONCEITO: É uma divisão do trabalho por especialização dentro da estrutura organizacional da empresa. Ou Departamentalização é o agrupamento, de acordo com um critério específico de

Leia mais

Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação

Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação Jean Cunningham Quando eu era CFO (Chief Financial Officer) da Lantech (Louisville, KY), ajudei a adaptar o sistema de tecnologia de informação

Leia mais

Prova Escrita de Inglês

Prova Escrita de Inglês EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Inglês 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Continuação bienal Prova 0/2.ª Fase Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

Departamento comercial e Marketing

Departamento comercial e Marketing Departamento comercial e Marketing Tânia Carneiro Nº20 12ºS Departamento Comercial Noção e objectivos da função comercial O departamento de vendas é considerado por muitos como mais importante da empresa,

Leia mais

Elementos das Organizações

Elementos das Organizações Elementos das Organizações > Teoria das Organizações > Teoria dos Sistemas (TGS) > Componentes das Organizações / Ambiente Recursos Estratégia Objectivos Estrutura Processos Regras Cultura Politica Pessoas

Leia mais

Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção. Prof. André Pedro Fernandes Neto

Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção. Prof. André Pedro Fernandes Neto Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção Prof. André Pedro Fernandes Neto Razões para Automatizar Alto custo de mão de obra Investimentos em máquinas que possam automatizar a produção com um custo

Leia mais

A codificação a laser é a solução correta para necessidades simples de codificação?

A codificação a laser é a solução correta para necessidades simples de codificação? Nota técnica Principais fatores a se considerar ao selecionar uma codificadora a laser A codificação a laser é a solução correta para necessidades simples de codificação? Equipamento Fluidos Treinamento

Leia mais

hdd enclosure caixa externa para disco rígido

hdd enclosure caixa externa para disco rígido hdd enclosure caixa externa para disco rígido USER S GUIDE SPECIFICATONS HDD Support: SATA 2.5 Material: Aluminium and plastics Input connections: SATA HDD Output connections: USB 3.0 (up to 5.0Gbps)

Leia mais

com construção de "Features"

com construção de Features FURAÇÃO e fresagem 2,5D com construção de "Features" de furação e fresagem 2,5D. Rápido, seguro e TOTALMENTE automatizado Construção de "Feature" Perfuração e fresagem 2,5D Leitura de dados, reconhecimento

Leia mais

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO ACTIO 2015

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO ACTIO 2015 Catálogo de Formação ACTIO 2015 Lean - Nível Executivo Lean Production Executivo Manutenção Lean Executivo Six Sigma - Champion Lean - Nível Master Lean Production Master Manutenção Lean Master Lean nos

Leia mais

Gabinete de Apoio à Gestão da AHP Associação de Hotéis de Portugal

Gabinete de Apoio à Gestão da AHP Associação de Hotéis de Portugal Gabinete de Apoio à Gestão da AHP Associação de Hotéis de Portugal E HCMS Hospitality Concepts & Management Solutions Índex Sobre a HCMS Empresa Missão Valores Serviços Áreas de Intervenção Directrizes

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA Izabel C. Zattar, Carlos M. Sacchelli, M. Eng. Instituto Superior de Tecnologia

Leia mais

EVTE Rede Pessoal de Negócios

EVTE Rede Pessoal de Negócios 68 ANAIS DO CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO INATEL - INCITEL 2012 EVTE Rede Pessoal de Negócios Rafael Halfeld da Silva halfeld@gee.inatel.br Eduardo César Grizendi egrizendi@inatel.br INATEL Instituto

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

Processo de Software

Processo de Software Processo de Software Uma importante contribuição da área de pesquisa de processo de software tem sido a conscientização de que o desenvolvimento de software é um processo complexo. Pesquisadores e profissionais

Leia mais

Apresentação Ponto Tog-L-Loc

Apresentação Ponto Tog-L-Loc Apresentação Ponto Tog-L-Loc O QUE É CLINCH? União de chapas a frio Cravamento de chapas Ponto TOG-L-LOCLOC Sistema de união de chapas a frio no qual punção penetra na chapa e faz o material escoar para

Leia mais

KREIOS G1 - Acessórios

KREIOS G1 - Acessórios www.osram.com KREIOS G1 - Acessórios Acessórios KREIOS G1 para aumentar o desempenho do seu projector LED de imagem KREIOS G1. KREIOS G1 Lente de 24º KREIOS G1 Suporte do Gobo KREIOS G1 Obturador KREIOS

Leia mais

Engenharia de Requisitos. Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br

Engenharia de Requisitos. Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br Engenharia de Requisitos Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br O Documento de Requisitos Introdução The requirements for a system are the descriptions

Leia mais

Amy Winehouse - Tears Dry On Their Own

Amy Winehouse - Tears Dry On Their Own Amy Winehouse - Tears Dry On Their Own All I can ever be to you, is a darkness that we knew And this regret I got accustomed to Once it was so right When we were at our high, Waiting for you in the hotel

Leia mais

19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM

19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM 19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM Autor(es) ANDRE BERTIE PIVETTA Orientador(es) KLAUS SCHÜTZER Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ 1. Introdução

Leia mais

GUIÃO A. What about school? What s it like to be there/here? Have you got any foreign friends? How did you get to know them?

GUIÃO A. What about school? What s it like to be there/here? Have you got any foreign friends? How did you get to know them? GUIÃO A Prova construída pelos formandos e validada pelo GAVE, 1/7 Grupo: Chocolate Disciplina: Inglês, Nível de Continuação 11.º ano Domínio de Referência: Um Mundo de Muitas Culturas 1º Momento Intervenientes

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Organização do Trabalho na Produção Projeto do Trabalho -Objetivo: criar um ambiente produtivo e eficiente, onde cada um saiba o que

Leia mais

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS NO ÂMBITO DO QREN ABERTURA DE CONCURSOS

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS NO ÂMBITO DO QREN ABERTURA DE CONCURSOS INCENTIVOS ÀS EMPRESAS NO ÂMBITO DO QREN ABERTURA DE CONCURSOS SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO (SI INOVAÇÃO) - INOVAÇÃO PRODUTIVA Objectivos e Prioridades O presente concurso destina-se a apoiar investimentos

Leia mais

Orchid Telecom DX900. Guia do Utilizador

Orchid Telecom DX900. Guia do Utilizador Orchid Telecom DX900 Guia do Utilizador Índice Acessórios e conteúdo 2 Instalação 2 Montagem na parede 2 Características 3 Botões de função 4 Configurações do menu principal 7 Configurar 8 - Idioma 8 -

Leia mais

GRATUITAS GESTÃO COLABORATIVA DE PROJECTOS. ATRAVÉS S DA WEB: UMA SIMPLES ANÁLISE COMPARATIVA E DEMONSTRAÇÃO SUMÁRIA DE FUNCIONAMENTO Paulo Nicola

GRATUITAS GESTÃO COLABORATIVA DE PROJECTOS. ATRAVÉS S DA WEB: UMA SIMPLES ANÁLISE COMPARATIVA E DEMONSTRAÇÃO SUMÁRIA DE FUNCIONAMENTO Paulo Nicola O USO U DE PLATAFORMAS GRATUITAS PARA GESTÃO COLABORATIVA DE PROJECTOS ATRAVÉS S DA WEB: UMA SIMPLES ANÁLISE COMPARATIVA E DEMONSTRAÇÃO SUMÁRIA DE FUNCIONAMENTO Paulo Nicola Reunião da Unidade de Epidemiologia

Leia mais

manualdepsiquiatriainfant il manual de psiquiatria infantil

manualdepsiquiatriainfant il manual de psiquiatria infantil manualdepsiquiatriainfant il manual de psiquiatria infantil These guides possess a lot information especially advanced tips such as the optimum settings configuration for manualdepsiquiatriainfantil manual

Leia mais

Lesson 6 Notes. Eu tenho um irmão e uma irmã Talking about your job. Language Notes

Lesson 6 Notes. Eu tenho um irmão e uma irmã Talking about your job. Language Notes Lesson 6 Notes Eu tenho um irmão e uma irmã Talking about your job Welcome to Fun With Brazilian Portuguese Podcast, the podcast that will take you from beginner to intermediate in short, easy steps. These

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção Sistemas de Transformação e de produção A seleção do Processo de produção depende: -Tecnologia dos Processos de Transformaçã ção -Tecnologia dos meios auxiliares (dispositivos, ferramentas) -Tecnologia

Leia mais

Lição 40: deve, não deve, não deveria

Lição 40: deve, não deve, não deveria Lesson 40: must, must not, should not Lição 40: deve, não deve, não deveria Reading (Leituras) You must answer all the questions. ( Você deve responder a todas as We must obey the law. ( Nós devemos obedecer

Leia mais

User Guide Manual de Utilizador

User Guide Manual de Utilizador 2400 DPI OPTICAL GAMING MOUSE User Guide Manual de Utilizador 2014 1Life Simplify it All rights reserved. www.1-life.eu 2 2400 DPI OPTICAL GAMING MOUSE ENGLISH USER GUIDE...4 MANUAL DE UTILIZADOR PORTUGUÊS...18

Leia mais

Fábrica Digital - Como a Tecnologia da Informação suporta a Inovação. Daniel Bio SAP Brasil

Fábrica Digital - Como a Tecnologia da Informação suporta a Inovação. Daniel Bio SAP Brasil Fábrica Digital - Como a Tecnologia da Informação suporta a Inovação Daniel Bio SAP Brasil Atuação e presença em +120 países, 37 idiomas Cerca de 54.000 funcionários 7 Centros Globais de Suporte, oferecendo

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fernando L. F. Almeida falmeida@ispgaya.pt Principais Modelos Capability Maturity Model Integration (CMMI) Team Software Process and Personal Software Process (TSP/PSP)

Leia mais

Transferência de Tecnologia. Programa de Capacitação em Valorização de Tecnologias Universidade de Aveiro

Transferência de Tecnologia. Programa de Capacitação em Valorização de Tecnologias Universidade de Aveiro Transferência de Tecnologia Programa de Capacitação em Valorização de Tecnologias Universidade de Aveiro Eurico Neves Análise de Mercado Análise de Produto / Serviço Estratégias de licenciamento Distribuição

Leia mais

Vaccines for Your Children

Vaccines for Your Children Vaccines for Your Children Vaccines help prevent disease. Babies born in the United States may have their first vaccine right after birth. Future vaccines are given at well child check-ups with your child

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO METROPOLITANO DE SÃO PAULO CURSO ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS

CENTRO UNIVERSITÁRIO METROPOLITANO DE SÃO PAULO CURSO ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CENTRO UNIVERSITÁRIO METROPOLITANO DE SÃO PAULO CURSO ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS UMA VANTAGEM COMPETITIVA COM A TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS AMANDA ZADRES DANIELA LILIANE ELIANE NUNES ELISANGELA MENDES Guarulhos

Leia mais

FactoryTalk AssetCentre Introdução e Demonstração

FactoryTalk AssetCentre Introdução e Demonstração FactoryTalk AssetCentre Introdução e Demonstração PUBLIC INFORMATION Extending the Integrated Architecture Operator Maintenance Control Engineer Executive Plant Manager Software Product Overview AssetCentre

Leia mais

Completing your Participant Agreement Como preencher o Contrato de Participação

Completing your Participant Agreement Como preencher o Contrato de Participação Completing your Participant Agreement Como preencher o Contrato de Participação A quick-start guide for stock plan participants. Um guia rápido para participantes do plano de compra de ações. Your company

Leia mais

Soluções de Interconexão. HARTING Iberia S.A. Apresentação geral. Apresentação. Pág. 1

Soluções de Interconexão. HARTING Iberia S.A. Apresentação geral. Apresentação. Pág. 1 HARTING Iberia S.A. Pág. 1 HARTING Iberia. Conexão Eléctrica e Electrónica. Serviços de Tecnologia Corporativa (CTS) Design, montagem e teste de Backpanels Conectores Eléctricos e Electrónicos CLIENTES

Leia mais

Aplicação de QFD num projeto de fórmula SAE considerando a cadeia de suprimentos

Aplicação de QFD num projeto de fórmula SAE considerando a cadeia de suprimentos Aplicação de QFD num projeto de fórmula SAE considerando a cadeia de suprimentos Maria Clara da Costa Teixeira (EESC USP) mclara@sc.usp.br Álvaro Costa Neto (EESC USP) costa@sc.usp.br Resumo Diante das

Leia mais

1 O Hard Rock Cafe Lisboa oferece a todos os seus clientes uma experiência gastronómica muito especial com o melhor da comida americana.

1 O Hard Rock Cafe Lisboa oferece a todos os seus clientes uma experiência gastronómica muito especial com o melhor da comida americana. MENUS DE GRUPO 2015 Bem Vindos Hard Rockers! 1 O Hard Rock Cafe Lisboa oferece a todos os seus clientes uma experiência gastronómica muito especial com o melhor da comida americana. Localizado desde Junho

Leia mais

INVESTIMENTOS HOTELEIROS EM CABO VERDE: O CASO DO RIU HOTELS & RESORTS

INVESTIMENTOS HOTELEIROS EM CABO VERDE: O CASO DO RIU HOTELS & RESORTS INVESTIMENTOS HOTELEIROS EM CABO VERDE: O CASO DO RIU HOTELS & RESORTS Minarvino Filomeno Silva Furtado Caso de Estudo Mestrado em Finanças Orientadora: Prof. Doutora Clara Raposo, Prof. Associada, ISCTE

Leia mais

Guia IPBrick Billing

Guia IPBrick Billing Guia IPBrick Billing iportalmais 1 de Outubro de 2010 1 Introdução A crescente aceitação da facturação electrónica por parte dos consumidores e da comunidade empresarial tornou-nos conscientes da necessidade

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição Depositos e política de localização (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 Depositos e politica de localização necessidade de considerar qual o papel dos depositos

Leia mais

What is Bullying? Bullying is the intimidation or mistreating of weaker people. This definition includes three important components:1.

What is Bullying? Bullying is the intimidation or mistreating of weaker people. This definition includes three important components:1. weaker people. This definition includes three important components:1. Bullying is aggressive behavior that involves unwanted, negative actions. 2. Bullying involves a pattern of behavior repeated over

Leia mais