Ajudamos a (sua) empresa a crescer.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ajudamos a (sua) empresa a crescer."

Transcrição

1 CONSULTORIA

2

3 Ajudamos a (sua) empresa a crescer.

4

5 O QUE FAZEMOS SISTEMAS DE GESTÃO GESTÃO DA PRODUÇÃO E DAS PRODUÇÕES PRODUTIVIDADE E INOVAÇÃO INTERNACIONALIZAÇÃO PROJECOS DE INVESTIMENTO E INCENTIVOS COMUNITÁRIOS

6

7 SISTEMAS DE GESTÃO A certificação de uma organização, qualquer que seja a sua natureza, pública ou privada, a sua dimensão ou sector de actividade, consiste no reconhecimento formal por um organismo de certificação, a qual, após a realização de um processo de auditoria externa (terceira parte), certifica que a organização dispõe de um Sistema de Gestão implementado, o qual cumpre os requisitos do referencial normativo aplicável, dando lugar à emissão de um certificado.

8 SISTEMAS DE GESTÃO OS OBJECTIVOS A implementação de um Sistema de Gestão e o seu reconhecimento externo através do processo de certificação, é uma significativa mais valia para uma organização, pois o mesmo permite evidenciar de modo objectivo: O comprometimento da organização com a qualidade e a melhoria contínua dos seus processos, serviços e produtos. As acções que visam satisfazer as expectativas dos clientes e outras partes interessadas, assegurando não só a sua fidelização mas também a competitividade e o desenvolvimento sustentável. A melhoria da imagem perante os mercados e uma maior notoriedade da organização. O acesso a novos mercados e a clientes cada vez mais exigentes. A preocupação em reduzir custos de funcionamento através da melhoria do desempenho operacional e a adopção das mais actuais ferramentas de gestão. A interiorização de uma nova cultura com a sensibilização, comprometimento e motivação dos seus profissionais, orientados para uma dinâmica de melhoria contínua e de excelência.

9 SISTEMAS DE GESTÃO REFERENCIAIS NORMATIVOS A certificação de um Sistema de Gestão poderá ser feito de acordo com os seguintes referenciais normativos, quando aplicáveis: ISO/TS Quality management systems. NP EN ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade. NP EN ISO Sistemas de gestão ambiental. OHSAS NP 4397 Sistemas de gestão da segurança e saúde no trabalho. NP EN ISO Sistemas de gestão da segurança alimentar. CODEX ALIMENTARIUS HACCP Hazard Analysis and Critical Control Point. NP 4457 Gestão da investigação, desenvolvimento e inovação (IDI). NP 4427 Sistemas de gestão de recursos humanos. SA 8000 Sistemas de gestão da responsabilidade social. NP 4469 Sistemas de gestão da responsabilidade social. UNE Sistema de gestión de la acessibilidad. ISO Sistema de gestão de energia. ISO/IEC Segurança da informação. NP 4512 Sistema de gestão da formação profissional.

10

11 GESTÃO DA PRODUÇÃO E DAS OPERAÇÕES A partir do momento em que uma empresa industrial existe, há que gerir de forma adequada a sua Produção. Por isso o papel da Gestão da Produção e das Operações é tão antigo como a própria empresa. Para aumentar a produtividade e, consequentemente, a sua competitividade, todas as empresas industriais devem organizar as suas actividades produtivas, como também aquelas actividades que lhe dão suporte. Uma característica essencial da Gestão da Produção e das Operações é o facto de esta estar situada no cruzamento das várias funções da empresa, sendo por isso uma chave essencial a qualquer organização. Considerando que, nos dias de hoje, são cada vez maiores as dificuldades das empresas industriais, por diversos motivos entre os quais se salienta o aumento da pressão concorrencial, tornam-se necessárias actuações permanentes e decisivas no âmbito organizacional, de modo a que tais situações sejam ultrapassadas.

12 GESTÃO DA PRODUÇÃO E DAS OPERAÇÕES OBJECTIVOS ESSENCIAIS Deste modo a actuação das empresas industriais passará certamente pela tomada de decisões atempadas ao nível da Gestão da Produção e das Operações, da organização interna e adequação permanente do factor humano, o qual merece especial relevância devido à necessidade de actualização dos seus conhecimentos e competências técnicas, face às progressivas mutações verificadas no meio envolvente das empresas. Consequentemente, a Gestão da Produção e das Operações deve centrar-se nos seus objectivos essenciais, os quais destacamos: Aumentar a fiabilidade do processo produtivo e dos seus resultados. Aumentar a flexibilidade da organização em adaptar-se rapidamente às necessidades dos clientes e parceiros de negócio. Diminuir os prazos de entrega. Diminuir os custos de modo progressivo. Contribuir para a motivação e comprometimento do pessoal e a respectiva integração na empresa.

13 GESTÃO DA PRODUÇÃO E DAS OPERAÇÕES O QUE PODEMOS FAZER POR SI Somos um parceiro pró-activo e cooperante neste processo de melhoria contínua, desenvolvendo para tal as seguintes actividades: Diagnosticar o seu actual sistema de Gestão da Produção e das Operações. Implementar novos processos de engenharia da produção e das operações (SMED, 5S, JIT, KANBAN SIX SIGMA, LEAN PRODUCTION). Implantação e melhoria de layouts fabris. Promover a organização industrial. Implementar medidas de melhoria da produtividade. Desenvolver acções de formação profissional. Apoiamos as empresas industriais na adopção, implementação e desenvolvimento de diferentes abordagens modernas da Gestão da Produção e das Operações. Entendemos que a melhoria contínua das estruturas produtivas, muitas vezes, requer mais competência e imaginação do que propriamente recursos financeiros.

14 Muitos responsáveis cometem o erro de crer que a sua empresa tem 70% de específico e 30% de comum com outras empresas da mesma tipologia. Uma análise mais aprofundada mostra que, em geral, essa relação é de 30% de específico e 70% de comum. 30% 70% 70% 30%

15

16 PRODUTIVIDADE E INOVAÇÃO Porque acreditamos que o conhecimento é a base da geração de valor e riqueza nas sociedades e a investigação e o desenvolvimento um dos pilares da criação desse conhecimento, é na inovação que se encontra o meio de transformar esse conhecimento em desenvolvimento e crescimento económico. Nas definição de estratégias de uma organização deve existir a preocupação constante em nos certificarmos do grau de satisfação de todos aqueles que, ou internamente ou a montante ou jusante, se encontram envolvidos no processo e da efectiva correspondência entre os resultados alcançados e as necessidades detectadas. Desta forma, procura-se levar a organização a planear os recursos necessários para alcançar os objectivos, realizar os produtos/serviços com base no planeamento, medir os resultados e actuar de forma pró-activa, levando assim a um novo ciclo de melhoria. Ciclo este que deve estar perfeitamente alinhado com a gestão estratégica e de crescimento da organização. Nesta área, o apoio da NAVEGADORES CONSULTORES pode ser prestado em qualquer fase do ciclo de Investigação, Desenvolvimento e Inovação (ID&I). Os nossos consultores especialistas possuem o profundo conhecimento e a experiência para o apoiar e acompanhar neste ciclo, visando o crescimento sustentado da sua organização.

17 PRODUTIVIDADE E INOVAÇÃO COMO FAZEMOS Ao longo destes processos, os profissionais da NAVEGADORES CONSULTORES recorrem a ferramentas e processos de melhoria contínua, em função das especificidades, das necessidades e dos objectivos de cada um dos projectos de ID&I, como sejam, por exemplo: FMEA Failure Mode and Effects Analysis QFD Quality Function Deployment AV Análise do Valor Ferramentas da Qualidade Fluxogramas, Cartas Controle, Ishikawa, Pareto, Histogramas, 5 S SMED Single Minute Eachange of Dies DOE Desenho de Experiências Six Sigma Lean Production MSA Análise ao Sistema de Medição Métodos de Taguchi e ANOVA VSM Value Stream Mapping TPM Manutenção Preventiva Total POKE YOKE Sistemas Anti-Erro Técnicas de Criatividade Brainstorming, Brainswriting, OPERA,

18

19

20 OS NOSSOS CONTACTOS Navegadores Consultores - Consultores Associados, Lda. Consultoria Formação Marketing m t m e w Avenida Estados Unidos da América, nº 97-12º Dtº Lisboa navegadores-consultores.pt

Revisão Bibliográfica Sistemática sobre P+L e Ferramentas e Técnicas da Qualidade

Revisão Bibliográfica Sistemática sobre P+L e Ferramentas e Técnicas da Qualidade Revisão Bibliográfica Sistemática sobre P+L e Ferramentas e Técnicas da Qualidade POLTRONIERI, C.F., OLIVEIRA, J.A., KOMESU, A.S., CARRILLO-REYES, J., OMETTO, A.R. Introdução A Produção Mais Limpa (P+L)

Leia mais

18,19, 25 e 29 de Maio de Ação de Formação: Qualificação de Auditores Internos do Sistema HACCP (2ª edição)

18,19, 25 e 29 de Maio de Ação de Formação: Qualificação de Auditores Internos do Sistema HACCP (2ª edição) Ação de Formação: Qualificação de Auditores Internos do Sistema HACCP (2ª edição) 18,19, 25 e 29 de Maio de 2015 Rua Direita, nº 351 4450-652 Matosinhos www.bioconnection.pt ENQUADRAMENTO A segurança alimentar

Leia mais

Ciclo 3 WORKSHOPS. Ferramentas da Qualidade

Ciclo 3 WORKSHOPS. Ferramentas da Qualidade 3 WORKSHOPS Ferramentas da Qualidade 17 de Março Aumente o controlo dos processos e melhore a tomada de decisões. 12 de Abril Análise de Valor Análise Funcional FMEA QFD Identifique e reduza as potenciais

Leia mais

SOLUÇÃO. PLANO INTEGRADO DE SUCESSÃO FAMILIAR

SOLUÇÃO. PLANO INTEGRADO DE SUCESSÃO FAMILIAR ESTRATÉGIA MARKETING COMUNICAÇÃO GESTÃO COMERCIAL INTERNACIONALIZAÇÃO SOLUÇÃO. PLANO INTEGRADO DE SUCESSÃO FAMILIAR Como? >Análise FAMÍLIA e suas dinâmicas >Desenho >Acção >Resultados PROCESSO seguro

Leia mais

SOLUÇÃO INTEGRADA CAPTAR, GERIR E FIDELIZAR CLIENTES

SOLUÇÃO INTEGRADA CAPTAR, GERIR E FIDELIZAR CLIENTES GESTÃO EFICAZ DE CLIENTES NA ÁREA DA SAÚDE SOLUÇÃO INTEGRADA CAPTAR, GERIR E FIDELIZAR CLIENTES >Identificar >Segmentar >Conquistar >Gerir >Dinamizar >Fidelizar CLIENTES SOLUÇÃO SAÚDE >Análise Serviços

Leia mais

Local e Data: A GESTÃO DA INOVAÇÃO

Local e Data: A GESTÃO DA INOVAÇÃO A GESTÃO DA INOVAÇÃO Enquadramento: O ambiente no qual hoje actuam as empresas mudou radicalmente: imprevisibilidade, turbulência, mudança, rapidez,..., são constantes do processo de decisão. Num mundo

Leia mais

Six Sigma / Lean Six Sigma

Six Sigma / Lean Six Sigma Six Sigma / Lean Six Sigma Six Sigma / Lean Six Sigma Yellow Belt Six Sigma / Lean Six Sigma Green Belt Six Sigma / Lean Six Sigma Black Belt Six Sigma / Lean Six Sigma Master Black Belt 1 Qualificações

Leia mais

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais. PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais.  PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL PLANO DE CURSO PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL Formação para Profissionais + 2.000 Cursos Disponíveis A Melhor e Maior Oferta de Formação em Portugal + 1.300 Cursos na

Leia mais

Sem fronteiras para o conhecimento. Treinamento de Green Belt em Lean Seis Sigma

Sem fronteiras para o conhecimento. Treinamento de Green Belt em Lean Seis Sigma 1 Sem fronteiras para o conhecimento Treinamento de Green Belt em Lean Seis Sigma Lean Seis Sigma Definição Estratégia de negócios que busca resultados pela redução drástica da variabilidade dos processos.

Leia mais

Gestão da Investigação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) Requisitos do sistema de gestão da IDI

Gestão da Investigação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) Requisitos do sistema de gestão da IDI Norma Portuguesa NP 4457 Gestão da Investigação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) Requisitos do sistema de gestão da IDI Gestion de la Recherche, Développement et Innovation (RDI) Exigences du système

Leia mais

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO Frequência Gratuita FORMAÇÃO MODULAR CERTIFICADA A Formação Modular Certificada, que tem por base as Unidades de Formação de Curta Duração de 25 ou 50 horas constantes do Catálogo Nacional de Qualificações,

Leia mais

A Certificação na Administração Pública

A Certificação na Administração Pública A Certificação na Administração Pública Benefícios e Experiência da APCER Carla Pinto Directora de Marketing APCER www.apcer.pt pt I. Apresentação da APCER II. Serviços e Benefícios no Sector da Administração

Leia mais

Certificar para Ganhar o Futuro Ponta Delgada, 19 de Junho 2007 José Leitão CEO APCER

Certificar para Ganhar o Futuro Ponta Delgada, 19 de Junho 2007 José Leitão CEO APCER Certificar para Ganhar o Futuro Ponta Delgada, 19 de Junho 2007 José Leitão CEO APCER www.apcer.pt AGENDA APCER: Quem Somos Porquê Certificar para Ganhar o Futuro? Região Autónoma dos Açores como Mercado

Leia mais

como vector de mudança

como vector de mudança Os Diagnósticos Tecnológicos como vector de mudança 1 O Porquê deste Diagnóstico Tecnológico? As diferentes perspectivas: projectos de embarcações, métodos produtivos, equipamentos e materiais utilizados,

Leia mais

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO ACTIO. Catálogo de Formação In Company ACTIO

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO ACTIO. Catálogo de Formação In Company ACTIO Catálogo de Formação In Company ACTIO Lean - Nível Executivo Lean Production Executivo Manutenção Lean Executivo 6 Sigma Champion Lean - Nível Master Lean Production Master Manutenção Lean Master Lean

Leia mais

CTCP projetos QUALIFICAÇÃO FORMAÇÃO PME

CTCP projetos QUALIFICAÇÃO FORMAÇÃO PME CTCP projetos QUALIFICAÇÃO FORMAÇÃO PME PROGRAMA DE FORMAÇÃO E CONSULTORIA NAS PMEs DO CLUSTER DO CALÇADO O Programa Formação PME é constituído por ações de consultoria e de formação ajustadas a micro,

Leia mais

Universidade de Aveiro 2010/02/05

Universidade de Aveiro 2010/02/05 Universidade de Aveiro 2010/02/05 Conteúdo - Apresentação da empresa - Porquê a certificação em NP 4457:2007? - Contexto para a certificação - Processo de implementação - Factores críticos de sucesso visão.c

Leia mais

Engenharia da Qualidade

Engenharia da Qualidade Engenharia da Qualidade Normas de Sistemas de Gestão Ferramentas básicas da Qualidade Ferramentas avançadas da Qualidade Métodos de melhoria de processos e da produção Lançamento de novos produtos e processos

Leia mais

GESTÃO DE ATIVOS REFERENCIAIS, PRIORIDADES E TENDÊNCIAS

GESTÃO DE ATIVOS REFERENCIAIS, PRIORIDADES E TENDÊNCIAS GESTÃO DE ATIVOS REFERENCIAIS, PRIORIDADES E TENDÊNCIAS Nuno Marques de Almeida NunoMarquesAlmeida@Tecnico.ULisboa.pt Gestão de ativos Transportes de Lisboa ENCONTRO SOBRE GESTÃO DE ATIVOS ONS/APMI CT

Leia mais

CEVALOR. AEP Seminário. 02 de Abril de 2008 CEVALOR. Breves reflexões sobre a GRH

CEVALOR. AEP Seminário. 02 de Abril de 2008 CEVALOR. Breves reflexões sobre a GRH AEP Seminário 02 de Abril de 2008 Breves reflexões sobre a GRH - Programas de desenvolvimento dos recursos humanos não estão interligados com a estratégia - Recursos Humanos geridos como centros de custo

Leia mais

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A Gestão da Inovação Proposta de Utilização do Guia de Boas Práticas de IDI e das ferramentas desenvolvidas no âmbito da iniciativa DSIE da COTEC para o desenvolvimento do sistema

Leia mais

Capítulo 9 Estratégia em Portugal

Capítulo 9 Estratégia em Portugal ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Capítulo 9 Estratégia em Portugal João Pedro Couto ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Pensamento Estratégico Formulação da Estratégia Análise do Meio Envolvente Missão, Objectivos e Estratégia

Leia mais

APCER e a. Certificação Florestal em Portugal. 10 de Outubro de Marta Ambrósio Gestora de Produto APCER

APCER e a. Certificação Florestal em Portugal.  10 de Outubro de Marta Ambrósio Gestora de Produto APCER APCER e a Certificação Florestal em Portugal C 1996 Forest Stewardship Council A.C. FSC ACC 013 em parceria com a SQS,organismo acreditado pelo FSC Objectivos A Gestão Florestal Sustentável, a Certificação

Leia mais

GESTÃO da Qualidade GESTÃO DA QUALIDADE

GESTÃO da Qualidade GESTÃO DA QUALIDADE GESTÃO da Qualidade Práticas 1 GESTÃO DA QUALIDADE Definição de qualidade? d Consumidor vs. produtor Consumidor: qualidade é o grau em que o produto satisfaz as necessidades pelas quais foi adquirido qualidade

Leia mais

Define as orientações fundamentais para a utilização nacional dos fundos comunitários para o período de

Define as orientações fundamentais para a utilização nacional dos fundos comunitários para o período de QREN: Uma oportunidade para potenciar a inovação nas empresas O que é o QREN? Define as orientações fundamentais para a utilização nacional dos fundos comunitários para o período de 2007-2013. As suas

Leia mais

Plano de Promoção de Desempenho Ambiental da EDP Distribuição ( ) Ponto de situação

Plano de Promoção de Desempenho Ambiental da EDP Distribuição ( ) Ponto de situação Plano de Promoção de Desempenho Ambiental da EDP Distribuição (2009-2011) Ponto de situação 14 de Julho de 2009 Seminário ERSE Enquadramento 1. O PPDA 2009-2011 da EDP D é composto por 8 Medidas (100%

Leia mais

Formação Interempresas 2017

Formação Interempresas 2017 Formação Interempresas 2017 1 1 Calendário das acções 1º Semestre Lisboa 1 Lean Management 1d Ferramentas Básicas da Qualidade 2 1d 21 5S & Gestão Visual 3 1d 22 Gestão de Equipas 4 1d 5 6 TPM Total Productive

Leia mais

Sem fronteiras para o conhecimento. Treinamento de Green Belt em Lean Seis Sigma

Sem fronteiras para o conhecimento. Treinamento de Green Belt em Lean Seis Sigma 1 Sem fronteiras para o conhecimento Treinamento de Green Belt em Lean Seis Sigma Lean Seis Sigma Definição Estratégia de negócios que busca resultados pela redução drástica da variabilidade dos processos.

Leia mais

MEIO ENVOLVENTE TRANSACCIONAL. O meio envolvente transaccional é constituído pelos elementos que interagem directamente com a indústria.

MEIO ENVOLVENTE TRANSACCIONAL. O meio envolvente transaccional é constituído pelos elementos que interagem directamente com a indústria. MEIO ENVOLVENTE TRANSACCIONAL O meio envolvente transaccional é constituído pelos elementos que interagem directamente com a indústria. Clientes: consumidores actuais e potenciais dos bens e serviços oferecidos

Leia mais

Ferramentas de Gestão ao serviço do Turismo Qualidade e Segurança Alimentar. Jorge Silva, 27 de Março de 2008

Ferramentas de Gestão ao serviço do Turismo Qualidade e Segurança Alimentar. Jorge Silva, 27 de Março de 2008 Ferramentas de Gestão ao serviço do Turismo Qualidade e Segurança Alimentar Jorge Silva, 27 de Março de 2008 AGENDA NP EN ISO 22000:2005 Sistemas de Gestão Segurança Alimentar ERS3002 Qualidade e Segurança

Leia mais

CONTROLO DE QUALIDADE EVOLUÇÃO DA CERTIFICAÇÃO. Docente: Dr. José Carlos Marques. Discente: Vitalina Cunha N.º

CONTROLO DE QUALIDADE EVOLUÇÃO DA CERTIFICAÇÃO. Docente: Dr. José Carlos Marques. Discente: Vitalina Cunha N.º EVOLUÇÃO DA CERTIFICAÇÃO Docente: Dr. José Carlos Marques Discente: Vitalina Cunha N.º 2010607 Funchal, 24 de Abril de 2008 EVOLUÇÃO DA CERTIFICAÇÃO A certificação de uma empresa consiste no reconhecimento

Leia mais

Cursos / Treinamentos

Cursos / Treinamentos Cursos / Treinamentos Carga Horária 1 Estatística Básica em Todos os Níveis. 16 Horas 2 Estatística Avançada. 60 Horas 3 Formação de Auditores Internos da Qualidade. 32 Horas 4 Controle Estatístico de

Leia mais

a m b i d a t a José Pedro Coutinho Mestre em Tecnologias Multimédia CTO da Ambidata

a m b i d a t a José Pedro Coutinho Mestre em Tecnologias Multimédia CTO da Ambidata a m b i d a t a José Pedro Coutinho jpcoutinho@ambidata.pt Mestre em Tecnologias Multimédia CTO da Ambidata Quem Somos ambidata Digital Innovation Solutions & Consulting, Lda. Empresa fundada em 1999.

Leia mais

Lean Management. Lean Process Industries. Lean Manufacturing. Lean Maintenance Lean Services Lean Healthcare

Lean Management. Lean Process Industries. Lean Manufacturing. Lean Maintenance Lean Services Lean Healthcare Lean Management Lean Manufacturing Lean Process Industries Lean Maintenance Lean Services Lean Healthcare 1 Cultura Lean Management CONSULTORIA PORQUÊ? Para sustentar e fortalecer as actividades de melhoria

Leia mais

Gabinete de Consultadoria, Lda.

Gabinete de Consultadoria, Lda. Gabinete de Consultadoria, Lda. 01 APRESENTAÇÃO 02 CERTIFICAÇÕES 03 04 PARCERIAS 05 CLIENTES 06 CONTACTOS 01 APRESENTAÇÃO Com 20 anos de experiência em consultoria e formação, o Infeira une a boa energia

Leia mais

20 de Janeiro de 2017 Servidor

20 de Janeiro de 2017 Servidor Página 2 de 9 Data Entrada em Vigor Detentores do Documento 20 de Janeiro de 2017 Servidor Revisão N.º Data de Revisão Descrição da Alteração 1 19/04/2017 Alteração do contacto telefónico. 2 23/06/2017

Leia mais

Grupo MARTIFER Um Case-Study. Iniciativa sobre o Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial CCB,

Grupo MARTIFER Um Case-Study. Iniciativa sobre o Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial CCB, Grupo MARTIFER Um Case-Study Iniciativa sobre o Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial CCB, 23.11.2007 AGENDA 1.Apresentação do Grupo Martifer 2.Motivação 3.Metodologia 4.Resultados / diagnóstico

Leia mais

Estratégia Empresarial Análise Estratégica

Estratégia Empresarial Análise Estratégica Estratégia Empresarial Análise Estratégica Análise do Meio Envolvente (análise externa): Análise do meio envolvente contextual; Análise do meio envolvente transaccional; Análise da atractividade e estrutura

Leia mais

Valorização da pedra portuguesa Adding Value to portuguese dimension stone. Vitor Vasques, Associação Valor Pedra

Valorização da pedra portuguesa Adding Value to portuguese dimension stone. Vitor Vasques, Associação Valor Pedra INICIATIVA MATÉRIAS PRIMAS: RUMO AO FORNECIMENTO SEGURO E À GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS MINERAIS EUROPEUS 23 de Fevereiro de 2010 Raw Materials Initiative: towards to mineral resources secure supply

Leia mais

Di a s 2, 3 e 4 Di a s 3 e 4 Di a s 7, 8, 9, 1 0 e 1 1 Di a s 1 4, 1 5 e 1 6 Di a 2 1 Di a s 2 4 e 2 5 Di a 3 1 e 1 Ju n h o

Di a s 2, 3 e 4 Di a s 3 e 4 Di a s 7, 8, 9, 1 0 e 1 1 Di a s 1 4, 1 5 e 1 6 Di a 2 1 Di a s 2 4 e 2 5 Di a 3 1 e 1 Ju n h o Di a s 2, 3 e 4 Di a s 3 e 4 Di a s 7, 8, 9, 1 0 e 1 1 Di a s 1 4, 1 5 e 1 6 Di a 2 1 Di a s 2 4 e 2 5 Di a 3 1 e 1 Ju n h o I SO 5 0 0 0 1 SI STEM A DE GESTÃ O DA ENERGI A LEA N OFFI CE TP M TOTA L P

Leia mais

Programa MOVE. Contribuição para a Melhoria da Competitividade das Empresas: Apresentação de boas práticas. Lisboa, 29 de Setembro de 2011

Programa MOVE. Contribuição para a Melhoria da Competitividade das Empresas: Apresentação de boas práticas. Lisboa, 29 de Setembro de 2011 Programa MOVE Contribuição para a Melhoria da Competitividade das Empresas: Apresentação de boas práticas Lisboa, 29 de Setembro de 2011 INDÍCE 1. Breve Apresentação da Empresa 2. Porquê participar no

Leia mais

JOSÉ MARIA PEDRO CONTABILIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DE CAPITAL CONHECIMENTO

JOSÉ MARIA PEDRO CONTABILIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DE CAPITAL CONHECIMENTO JOSÉ MARIA PEDRO CONTABILIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DE CAPITAL CONHECIMENTO Os Activos Intangíveis na Gestão de Conhecimento e nas Normas Internacionais de Contabilidade UNIVERSIDADE CATÓLICA EDITORA LISBOA 2009

Leia mais

A empresa e o seu ambiente

A empresa e o seu ambiente A empresa e o seu ambiente 1. Noção de empresa A) EMPRESA VS ORGANIZAÇÃO (A. SOUSA, 1994) Perspectiva 1 (externa): Inserção da organização no meio socioeconómico «Entidades que surgem para operar tecnologias

Leia mais

Observações. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor Data de adoção

Observações. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor Data de adoção NP 4239:1994 Bases para a quantificação dos custos da qualidade CT 80 1995-01-01 NP 4397:2008 Sistemas de gestão da segurança e saúde do trabalho. Requisitos CT 42 2008-12-31 NP 4410:2004 Sistemas de gestão

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE EM AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS

A EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE EM AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS A EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE EM AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS COMPETÊNCIA DO TRIBUNAL ADMINISTRATIVO Art. 228 Constituição da República O controlo da legalidade dos actos administrativos e da aplicação das

Leia mais

I&DT na área das Tecnologias da Informação e Comunicação

I&DT na área das Tecnologias da Informação e Comunicação SUMÁRIO A MediaPrimer Estratégia e posicionamento Exemplos de projectos, por áreas de actuação I&DT na área das Tecnologias da Informação e Comunicação Enquadramento da Gestão de IDI na MediaPrimer José

Leia mais

O Processo de Certificação do Sistema de Gestão da Inovação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) NP 4457:2007

O Processo de Certificação do Sistema de Gestão da Inovação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) NP 4457:2007 O Processo de Certificação do Sistema de Gestão da Inovação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) NP 4457:2007 Aveiro 21 de Abril de 2010 Rita Cunha-Porto rita.porto@apcer.pt Agenda Apresentação APCER O papel

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL TOTAL QUALITY MANAGEMENT

GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL TOTAL QUALITY MANAGEMENT GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL TOTAL QUALITY MANAGEMENT FILME O PROBLEMA NÃO É MEU!!!! Conceituação de TQM TQM é o sistema de atividades dirigidas para se atingir clientes satisfeitos (delighted), empregados

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO SECRETARIA Serviço ou Organismo NIF FICHA DE AVALIAÇÃO PARA OS DIRIGENTES DE NÍVEL INTERMÉDIO A preencher pelo avaliador Avaliador Cargo NIF Avaliado Cargo Unidade orgânica NIF Período em avaliação a 1.

Leia mais

Treinamento de Green Belts em Lean Seis Sigma

Treinamento de Green Belts em Lean Seis Sigma Treinamento de Green Belts em Lean Seis Sigma 1 2 O Grupo Voitto Unidos pela visão de se tornar referência nacional na geração de diferencial competitivo pela educação coorporativa, o Grupo Voitto oferece

Leia mais

Norma Portuguesa. Sistemas de gestão da segurança e saúde do trabalho Requisitos NP

Norma Portuguesa. Sistemas de gestão da segurança e saúde do trabalho Requisitos NP Norma Portuguesa NP 4397 Sistemas de gestão da segurança e saúde do trabalho Requisitos Systèmes de gestion de la sécurité et santé du travail Exigences Occupational health and safety management systems

Leia mais

APLICABILIDADE DA ISO 22000:2005 NO SECTOR DA EMBALAGEM

APLICABILIDADE DA ISO 22000:2005 NO SECTOR DA EMBALAGEM APLICABILIDADE DA ISO 22000:2005 NO SECTOR DA EMBALAGEM VISÃO DA AMORIM & IRMÃOS, S.A. JOÃO VASCO ALMEIDA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL FAMÍLIA AMORIM CORTIÇA Corticeira, IMOBILIÁRIA Imobiliária, TURISMO Turismo,

Leia mais

Curriculum Vitae. David Miguel do Espírito Santo Campos Cardoso

Curriculum Vitae. David Miguel do Espírito Santo Campos Cardoso Curriculum Vitae Dados pessoais Nome: Data de nascimento: Residência: Estado civil: Contatos: David Miguel do Espírito Santo Campos Cardoso 20 de fevereiro de 1977 (Cascais, Lisboa) Vila Nova de Gaia (Porto)

Leia mais

Factores-chave para a Gestão da Inovação

Factores-chave para a Gestão da Inovação Factores-chave para a Gestão da Inovação Uma proposta João M. Alves da Cunha CCDR Alg, Maio de 009 Introdução O Innovation Scoring enquanto instrumento de apoio à gestão da Inovação SG IDI Sistema de Gestão

Leia mais

Porquê trabalhar com o Grupo TAKE OFF?

Porquê trabalhar com o Grupo TAKE OFF? Sobre Nós Na Take Off somos especialistas em Consultoria nas vertentes de recursos humanos e desenvolvimento de negócio. Atuamos sob metodologias e procedimentos próprios, os quais assentam na melhoria

Leia mais

Value Stream Mapping (V.S.M.)

Value Stream Mapping (V.S.M.) Value Stream Mapping (V.S.M.) V.S.M. -Método V.S.M. -Simbologia V.S.M. -Elaborar um V.S.M. -Vantagens de um V.S.M. É uma ferramenta de visualização e de análise que permite: Analisar o fluxo de Material

Leia mais

APIRAC Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado 19 de Agosto de 2010

APIRAC Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado 19 de Agosto de 2010 Proposta de Protocolo de cooperação com os associados APIRAC Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado 19 de Agosto de 2010 Índice A nossa compreensão da situação actual... Protocolo

Leia mais

FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DE PROJETO QUALIFICAÇÃO. 1. Identificação e enquadramento do projeto no Plano de Ação

FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DE PROJETO QUALIFICAÇÃO. 1. Identificação e enquadramento do projeto no Plano de Ação FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DE PROJETO QUALIFICAÇÃO 1. Identificação e enquadramento do projeto no Plano de Ação Código da Operação Projeto Nº.: Norte-02-0853-FEDER-000891 Designação do Projeto Projetos Individuais

Leia mais

Gestão da Investigação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) Requisitos do sistema de gestão da IDI

Gestão da Investigação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) Requisitos do sistema de gestão da IDI Norma Portuguesa NP 4457 Gestão da Investigação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) Requisitos do sistema de gestão da IDI Gestion de la Recherche, Développement et Innovation (RDI) Exigences du système

Leia mais

Curso e-learning MSA 4ª. Edição (Análises dos Sistemas de Medição)

Curso e-learning MSA 4ª. Edição (Análises dos Sistemas de Medição) Curso e-learning MSA 4ª. Edição (Análises dos Sistemas de Medição) Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do

Leia mais

Autoridade de Segurança Alimentar e Económica

Autoridade de Segurança Alimentar e Económica 1960 BSE DIOXINAS NITROFURANOS HORMONAS GRIPE AVIÁRIA MELAMINA 1990 DIR 93/43 2000 LIVRO BRANCO RASFF REG. 178/02 EFSA 2004 PACOTE HIGIENE REG. 852 853 854 882 2006 ASAE Codex Alimentarius Códigos de Boas

Leia mais

CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DA QUALIDADE INDUSTRIAL

CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DA QUALIDADE INDUSTRIAL CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DA QUALIDADE INDUSTRIAL OS PRIMÓRDIOS DA QUALIDADE Egípcio Imhotep (pai do controle do processo antigo): OBEDIÊNCIA A PADRÕES ERA A CHAVE PARA A QUALIDADE DO PRODUTO FINAL

Leia mais

Controlo Metrológico dos Instrumentos de medição e Registo de Temperatura

Controlo Metrológico dos Instrumentos de medição e Registo de Temperatura Controlo Metrológico dos Instrumentos de medição e Registo de Temperatura Legislação nacional e específica 1 METROLOGIA A metrologia, ciência da medição, suporte de um sistema de medições fiáveis e único,

Leia mais

As Empresas de Serviços Energéticos

As Empresas de Serviços Energéticos As Empresas de Serviços Energéticos Lisboa, Março 2013 Miguel Matias Presidente da APESE Vice-Presidente Self Energy A Eficiência Energética na Cidade oportunidade na Reabilitação Urbana In Smart Grids

Leia mais

O Projecto FORBEN na LUSOTELHA

O Projecto FORBEN na LUSOTELHA O Projecto FORBEN na LUSOTELHA Rui Coelho LUSOTELHA, Lda. CTCV 29 de Maio 2008 1 A empresa LUSOTELHA - CERÂMICA DE TELHAS E TIJOLOS DE AGUEDA, LDA Designação Social: LUSOTELHA Constituição: 29 de Março

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Planeamento de Marketing

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Planeamento de Marketing INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÂO DE COIMBRA Aprovação do Conselho Pedagógico 25/3/2015 Aprovação do Conselho Técnico-Científico 20/5/2015 Ficha de Unidade

Leia mais

Gestão de Projeto. CARGA HORÁRIA 16 horas PROGRAMA

Gestão de Projeto. CARGA HORÁRIA 16 horas PROGRAMA Gestão de Projeto Esse curso oferece ampla visão sobre a arte de gerenciar projetos. Apresenta como projetos tornamse viabilizadores estratégicos para as organizações demonstrando a importância de seu

Leia mais

PROGRAMA BIP/ZIP LISBOA 2016 PARCERIAS LOCAIS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E PONTUAÇÃO DAS CANDIDATURAS

PROGRAMA BIP/ZIP LISBOA 2016 PARCERIAS LOCAIS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E PONTUAÇÃO DAS CANDIDATURAS PROGRAMA BIP/ZIP LISBOA 2016 PARCERIAS LOCAIS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E PONTUAÇÃO DAS CANDIDATURAS PARTICIPAÇÃO A este nível será avaliada a participação das populações dos BIP/ZIP no desenho, no desenvolvimento

Leia mais

BPFs / HACCP 1 BOAS PRÁTICAS DE FABRICO HACCP (HAZARD ANALYSIS AND CRITICAL CONTROL POINTS) João Gusmão Lisboa, Dezembro 2003

BPFs / HACCP 1 BOAS PRÁTICAS DE FABRICO HACCP (HAZARD ANALYSIS AND CRITICAL CONTROL POINTS) João Gusmão Lisboa, Dezembro 2003 BPFs / HACCP 1 BOAS PRÁTICAS DE FABRICO HACCP (HAZARD ANALYSIS AND CRITICAL CONTROL POINTS) João Gusmão Lisboa, Dezembro 2003 BPFs / HACCP 2 SEGURANÇA A SEGURANÇA DO PRODUTO ALIMENTAR CONSTITUI UM REQUISITO

Leia mais

Pedro Picciochi QUALIDADE E SEGURANÇA A ALIMENTAR AUTORIDADE DE SEGURANÇA A ALIMENTAR E ECONÓMICA. Funchal 21 de Novembro de 2006

Pedro Picciochi QUALIDADE E SEGURANÇA A ALIMENTAR AUTORIDADE DE SEGURANÇA A ALIMENTAR E ECONÓMICA. Funchal 21 de Novembro de 2006 NATUREZA JURÍDICA Lei Orgânica Decreto-Lei n.º 237/2005, de 30 de Dezembro OBJECTIVOS Afirmar-se como um instrumento para o relançamento amento da política de defesa dos consumidores Congregar num único

Leia mais

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis Paula Trindade LNEG Conferência Compras Públicas Sustentáveis LNEG, 25 Março 2010 Muitas organizações têm experiências em compras sustentáveis! Mas sem

Leia mais

Case study. CGD Programa Caixa Carbono Zero EMPRESA ENVOLVIMENTO

Case study. CGD Programa Caixa Carbono Zero EMPRESA ENVOLVIMENTO Case study 2010 CGD Programa Caixa Carbono Zero EMPRESA Fundada em 1876, a Caixa Geral de Depósitos é o Banco que lidera o maior grupo financeiro Português. Presente em 23 países e 4 continentes, detém

Leia mais

História das juniores empresas

História das juniores empresas História das juniores empresas A primeira Júnior Empresa surgiu na ESSEC (L'Ecole Empresarial Supérieure des Sciences Economiques et Commerciales de Paris) no ano de 1967, na FRANÇA em PARIS. Os alunos

Leia mais

Sistema de Gestão Integrado SEGURANÇA DE INFORMAÇÃO COMO PILAR ESTRATÉGICO

Sistema de Gestão Integrado SEGURANÇA DE INFORMAÇÃO COMO PILAR ESTRATÉGICO Sistema de Gestão Integrado SEGURANÇA DE INFORMAÇÃO COMO PILAR ESTRATÉGICO 1 2 3 4 O contexto incentea DESAFIOS DO NEGÓCIO Um Sistema Integrado ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA A Segurança de Informação SUSTENTAÇÃO

Leia mais

ESTRATÉGIA COMO POTENCIAR O VALOR DO SEU NEGÓCIO SEMINÁRIO APAVT/ DELOITTE. Com uma clara Orientação Estratégica

ESTRATÉGIA COMO POTENCIAR O VALOR DO SEU NEGÓCIO SEMINÁRIO APAVT/ DELOITTE. Com uma clara Orientação Estratégica Como Potenciar o Valor do seu Negócio SEMINÁRIO APAVT/ DELOITTE Qual é o Valor da sua Agência de Viagens? COMO POTENCIAR O VALOR DO SEU NEGÓCIO Com uma clara Orientação Estratégica Com uma Vantagem Competitiva

Leia mais

MASP Método de Análise e Solução de Problemas

MASP Método de Análise e Solução de Problemas MASP Método de Análise e Solução de Problemas Sumário 03. A Voitto 05. Método de Análise e Solução de Problemas 06. Conteúdo Programático 09. Principais Instrutores 11. Visão dos Participantes 12. Vídeo

Leia mais

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL - UMA FERRAMENTA AO SERVIÇO DOS LABORATÒRIOS DE ACÚSTICA E VIBRAÇÕES

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL - UMA FERRAMENTA AO SERVIÇO DOS LABORATÒRIOS DE ACÚSTICA E VIBRAÇÕES Acústica 2008 20-22 de Outubro, Coimbra, Portugal Universidade de Coimbra COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL - UMA FERRAMENTA AO SERVIÇO DOS LABORATÒRIOS DE ACÚSTICA E VIBRAÇÕES Ana Maria Duarte 1, Claudia Silva

Leia mais

Roadmap para Implementação e Certificação ISO Mário Rui Costa

Roadmap para Implementação e Certificação ISO Mário Rui Costa 1 1 Roadmap para Implementação e Certificação ISO 20000-1 Mário Rui Costa TÓPICOS O que é a ISO 20000-1? Porquê implementar? Custos Ponto de partida Papéis e Responsabilidades Implementação Preparação

Leia mais

Curso de Técnicas de Vendas

Curso de Técnicas de Vendas Curso de Técnicas de Vendas Referencial Pedagógico 1. Competências Globais e Específicas Vender em qualidade total é vender tendo como objectivo prioritário a fidelização do cliente para com ele poder

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2015

PLANO DE ATIVIDADES 2015 PLANO DE ATIVIDADES 2015 ÍNDICE ENQUADRAMENTO QUEM SOMOS MISSÃO, VISÃO E VALORES SERVIÇOS À COMUNIDADE MISSÃO PRINCIPAL DA COOPERATIVA RESPOSTAS SOCIAIS ESTRATÉGIAS CHAVE QUAIS SÃO AS ESTRATÉGIAS CHAVE

Leia mais

Estratégia para o Crescimento e Inovação Região de Aveiro

Estratégia para o Crescimento e Inovação Região de Aveiro Congresso da 15 de março de 2013 PRIORIDADES Eficiência energética e fontes de energia renovável Eficiente utilização de recursos Inovação e competitividade das PME 2014-2020 Combate à pobreza e à exclusão

Leia mais

Soluções Globais de Comunicação Digital. Aliamos a tecnologia digital ao processo estratégico e criativo

Soluções Globais de Comunicação Digital. Aliamos a tecnologia digital ao processo estratégico e criativo Soluções Globais de Comunicação Digital Aliamos a tecnologia digital ao processo estratégico e criativo SOLUÇÕES GLOBAIS DE COMUNICAÇÃO DIGITAL www.groovit.pt 2 Full Service Digital Marketing Aliamos a

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Gestão dos Recursos Humanos

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Gestão dos Recursos Humanos INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÂO DE COIMBRA Aprovação do Conselho Pedagógico 30/3/2016 Aprovação do Conselho Técnico-Científico 20/4/2016 Ficha de Unidade

Leia mais

- COTEC GAPI II / UATEC

- COTEC GAPI II / UATEC Sessão de Sensibilização para a Inovação Inovar para Ganhar Gouveia Leal - COTEC GAPI II / UATEC - Janeiro de 2010 A sua empresa na rota da Inovação 1. COTEC; Missão, Estratégia e Iniciativas 2. Por que

Leia mais

ANEXO IV MAPA DE INICIATIVAS / ACÇÕES

ANEXO IV MAPA DE INICIATIVAS / ACÇÕES MAPA DE S / 01. Dotar os responsáveis pela gestão escolar de formação técnica em Balanced Scorecard; 01.1. Dotar os Orgãos de Gestão de formação em BSC. Acção 1. Sensibilizar os órgãos de gestão para a

Leia mais

GERENCIAMENTO DA QUALIDADE DO PROJETO

GERENCIAMENTO DA QUALIDADE DO PROJETO GERENCIAMENTO DA QUALIDADE DO PROJETO Planejar a Qualidade O gerenciamento da qualidade do projeto inclui os processos e as atividades da organização executora que determinam as políticas de qualidade,

Leia mais

2015 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos reservados. 59

2015 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos reservados. 59 2015 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos reservados. 59 2015 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos reservados. 60 - o

Leia mais

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais. PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais.  PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL PLANO DE CURSO PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL Formação para Profissionais + 2.000 Cursos Disponíveis A Melhor e Maior Oferta de Formação em Portugal + 1.300 Cursos na

Leia mais

João Mesquita Marketing [ANÁLISE SWOT]

João Mesquita Marketing [ANÁLISE SWOT] 2012 João Mesquita Marketing [ANÁLISE SWOT] CONTEÚDO Meio Envolvente... 2 Mercado... 3 A concorrência... 5 Clientes Consumidores... 6 Análise Interna... 7 Ameaças e Oportunidades (RESUMO)... 9 Analise

Leia mais

MESTRADO QUALIDADE ALIMENTAR E SAÚDE

MESTRADO QUALIDADE ALIMENTAR E SAÚDE MESTRADO CURSO PÓS-GRADUADO DE ESPECIALIZAÇÃO QUALIDADE ALIMENTAR E SAÚDE Acreditado pela A3ES 13ª Edição 2016/2018 O Curso de Especialização em Qualidade Alimentar e Saúde corresponde ao ano curricular

Leia mais

Maria José Pereira da Silva Marques Trav. da Rua do Cego, 58, , Vilar Vila do Conde, Portugal Telefone /

Maria José Pereira da Silva Marques Trav. da Rua do Cego, 58, , Vilar Vila do Conde, Portugal Telefone / INFORMAÇÃO PESSOAL Nome Morada Correio electrónico Maria José Pereira da Silva Marques Trav. da Rua do Cego, 58, 4485-820, Vilar Vila do Conde, Portugal Telefone 22 928 41 49 / 91 994 08 83 Nacionalidade

Leia mais

Gomes Marcos, Alexandra Andreia. Rua da Floresta Lote 7 Paço, Aveiro, Portugal Telefone(s) Telemóvel: Fax(es) -

Gomes Marcos, Alexandra Andreia. Rua da Floresta Lote 7 Paço, Aveiro, Portugal Telefone(s) Telemóvel: Fax(es) - Europass- Curriculum Vitae Informação pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Morada(s) Rua da Floresta Lote 7 Paço, 3800-032 Aveiro, Portugal Telefone(s) +351 234310385 Telemóvel: 914151601 Fax(es) -

Leia mais

Ferramentas da Qualidade

Ferramentas da Qualidade UNIVERSIDADE DE SOROCABA Curso Gestão da Qualidade Ferramentas da Qualidade Professora: Esp. Débora Ferreira de Oliveira Aula 09/02 Formação Acadêmica Tecnóloga em Mecânica FATEC Sorocaba; Pós graduada/mba

Leia mais

CONCURSO DESIGN TO SALE by CAPITAL EUROPEIA DO MÓVEL

CONCURSO DESIGN TO SALE by CAPITAL EUROPEIA DO MÓVEL CONCURSO DESIGN TO SALE by CAPITAL EUROPEIA DO MÓVEL EMPREENDEDORISMO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE ÍNDICE 1. PREÂMBULO... 2 2. OBJECTIVO DO DESIGN TO SALE by CAPITAL EUROPEIA DO MÓVEL... 4 3. CANDIDATOS... 4

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO CASTELO BRANCO

PLANO DE FORMAÇÃO CASTELO BRANCO PLANO DE FORMAÇÃO CASTELO BRANCO DO PLANO DE FORMAÇÃO NERCAB - SGS ACADEMY NERCAB ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DA REGIÃO DE CASTELO BRANCO O NERCAB - Associação Empresarial da Região de Castelo Branco, referência

Leia mais

Gestão do Crédito e Risco - Especial Banca

Gestão do Crédito e Risco - Especial Banca Objetivos Gerais: Gestão do Crédito e Risco - Especial Banca Este curso tem como objetivo dotar os participantes das competências que lhes permitam compreender as diferentes abordagens de avaliação de

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2016

PLANO DE ATIVIDADES 2016 PLANO DE ATIVIDADES 2016 ÍNDICE ENQUADRAMENTO QUEM SOMOS MISSÃO, VISÃO E VALORES SERVIÇOS À COMUNIDADE MISSÃO PRINCIPAL DA COOPERATIVA RESPOSTAS SOCIAIS ESTRATÉGIAS CHAVE QUAIS SÃO AS ESTRATÉGIAS CHAVE

Leia mais

gescar md-sgq-24 MD-OI-24A REV02 06/08/14

gescar md-sgq-24 MD-OI-24A REV02 06/08/14 gescar md-sgq-24 MD-OI-24A REV02 06/08/14 Ficha Técnica CARLOS MANUEL SILVA SANTOS CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO, LDA. MARCA REGISTADA: GESCAR SEDE: Rua Dr. David Mourão Ferreira, nº 9, Apartado 80,

Leia mais

VIA ORIENTAL NO CONCELHO DE CASCAIS - TROÇO 1

VIA ORIENTAL NO CONCELHO DE CASCAIS - TROÇO 1 PEÇAS ESCRITAS: ÍNDICE 6.1 - INTRODUÇÃO... 1 6.2.1 BARREIRAS ACÚSTICAS... 2 6.2-1.1 LOCALIZAÇÃO... 2 6.2-1.2 CARACTERÍSTICAS ACÚSTICAS... 2 6.2-2.1.1 BARREIRA B1- BARREIRA REFLECTORA... 2 6.2-1.3 CONDIÇÕES

Leia mais

Guia auto-avaliação segundo EFQM GUIA PARA A APLICAÇÃO DA METODOLOGIA EFQM NA AUTO-AVALIAÇÃO DE PROJECTOS EM PARCERIA

Guia auto-avaliação segundo EFQM GUIA PARA A APLICAÇÃO DA METODOLOGIA EFQM NA AUTO-AVALIAÇÃO DE PROJECTOS EM PARCERIA GUIA PARA A APLICAÇÃO DA METODOLOGIA EFQM NA AUTO-AVALIAÇÃO DE PROJECTOS EM PARCERIA 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. A METODOLOGIA EFQM E O QUESTIONÁRIO PARA AUTO- AVALIAÇÃO... 4 3. A METODOLOGIA EM PROJECTOS

Leia mais