Desenvolvimento RH

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desenvolvimento RH 2004. www.propeople.pt"

Transcrição

1 Desenvolvimento RH 2004

2 Bem-Vindo a 2004! É em contextos difíceis, que decisivamente se consegue aferir a capacidade das empresas para superarem eficazmente os desafios. O sucesso estará naturalmente dependente da qualidade e da natureza dos investimentos efectuados. O desenvolvimento dos colaboradores é certamente um dos investimentos que tem como prioritário, porque sabe que é um factor determinante de diferenciação positiva. A ProPeople está, como sempre, empenhada em contribuir para que supere os seus objectivos, e, para tal, tem vindo a investir fortemente no reforço da sua capacidade de intervenção, quer através de desenvolvimento interno, quer estabelecendo novas parcerias com empresas com sucesso comprovado no mundo inteiro. Para os seus desafios ao nível dos recursos humanos, a ProPeople possui know how e consultores especializados, capazes de lhe fornecer uma solução integrada, focada no retorno dos seus investimentos. Redução dos Níveis de Stress Maximização das Sinergias Relacionamento Positivo Fluidez na Comunicação Avaliação e Diagnóstico Pessoas Certas no lugar Certo Redução do Absentismo Promoção do Mérito Paixão pela Organização Eficácia Pessoal Gestão Global Motivação das Equipas Melhoria da Performance Desenvolvimento Contínuo Liderança Eficaz Liderança Vendas e Serviço ao Cliente Visão Global do Negócio Perspectiva Empresarial Controlo de Custos Melhoria da Produtividade Aumento das Vendas Ampliação da Carteira de Clientes Incremento dos Lucros Fidelização e Satisfação dos Clientes A SUA EMPRESA CONTINUARÁ A SER O REFLEXO DA NOSSA PRIORIDADE! A Direcção da ProPeople 3

3 Sumário O que dizem os Clientes Clientes Internacionais Modelo de Intervenção 4

4 Avaliação e Diagnóstico Gestão Global Vendas e Serviço ao Cliente Liderança Assessments Avaliação de Desempenho Selecção Perfil de Cultura Organizacional Diagnóstico de Clima Organizacional Diagnósticos Individuais Simuladores de Gestão Simulações Universais Simulações Sectoriais Simulações Role-Play Gestão Técnica de Projectos Gestão Política de Projectos Marketing para não Especialistas 3 R Vendas de Excelência 3 R Serviço ao Cliente 3 R Técnicas de Telefone Negociação Comercial Planeamento Estratégico de Grandes Contas Gestão de Carteira de Clientes Apresentações Estratégicas de Vendas Coaching Comercial Liderança para Chefias Coaching e Avaliação dos Colaboradores Gestão de Conflitos Dinamização de Reuniões Eficácia Pessoal Gestão dos Níveis de Stress Conquistar a Audiência Gestão do Tempo Competências Inter-relacionais Workshops Indoor-Outdoor 5

5 O que dizem os Clientes Primeiro a desconfiança: "Liderança? Gestão de equipas? Eu? Depois destes anos todos?" Depois alguma reserva: "Vamos lá ver o querem. Sempre é um dia diferente, fora do banco..." Seguidamente o despertar: "Olha, nunca tinha pensado nisso. Até nem está nada mal visto." A abertura: "Bem, até conheço um caso parecido. No departamento do lado... O tomar consciência: "Eu? Eu é que devia ter feito? Sempre esperei que fossem os de cima!" E a decisão: "A partir de agora vou ser um chefe diferente!..." Um sentimento unânime: "Desta vez valeu a pena!" Dr. Armando Freitas Responsável Dep. RH 6

6 A abordagem da ProPeople à necessidade de se organizar uma formação à medida foi demonstrativa da sua total disponibilidade e vontade em realizar algo que tivesse impacto na população a que se dirigia. E a preparação revelou-se frutífera, tendo a salientar da avaliação feita pelos formando expressões como: "Os exemplos práticos foram muito úteis", "A forma de transmitir informação foi excelente, sendo a interactividade a chave do sucesso em passar a mensagem." Dr. Alexandre Pires Human Resources A formação realizada pela ProPeople em Técnicas de Venda para a nossa equipa comercial superou as expectativas dos participantes, em especial na forma como foram retratadas e solucionadas as situações com que se deparam no dia-a-dia. A ligação com a realidade e o trabalho de campo na preparação da formação são, na minha opinião, os factores de sucesso da ProPeople. A formação contribui para melhorar a forma de trabalhar dos comerciais mais experientes e dar linhas orientadoras aos mais jovens. Dra. Cristina Mesquita Country Manager O excelente conhecimento que a ProPeople tem da nossa organização e do nosso negócio, permitiu adaptar o Simulador de Gestão de tal forma, que todas as equipas participantes tiveram a suprendente experiência de serem gestores da Portalex por dois dias. Para as nossas chefias intermédias esta acção passou a ser uma referência, mudando a sua forma de decidir e agir no dia a dia. O Simulador de Gestão é um investimento de retorno certo. Dr. Teófilo Afonso Director Financeiro Com manifesta competência, profissionalismo e simpatia demonstradas, foi um prazer encontrar soluções para suplantar os desafios colocados à nossa organização. Memorável! José Carlos Costa Supervisor Production Planning A ProPeople foi parceira nos problemas e principalmente nas soluções. Estamos certos de que vamos continuar a trabalhar em conjunto. Dra. Helena Luísa Marques Direcção de Recursos Humanos PH&R Madeira Conheça mais Resultados Reais em 7

7 Clientes Internacionais Abbot Laboratories Accenture AT&T BearingPoint Bell Atlantic Bombardier Borg Warner Automotive Bose Boston Consulting Group Boston University BP Amoco British Nuclear Fuels Burger King Chemical Bank Cisco Systems Columbia Business School Compaq Computers Consumer Energy Dell Computer Deloitte Consulting Dun & Bradstreet Eaton Corporation Ericsson Ernst & Young Eskon ExxonMobil FedEx Ford Motor Company General Electric Guiness Harvard Business School Henley Management College Hewlett-Packard Hicksons Fine Chemicals Hoffman La Roche Honeywell Hong Kong and Shangai Bank IBM ICI Johnson Controls 8

8 Johnson Polymers Kinko s KPMG Leo Burnett Lloyds Bank Marconi McAfee Security Microsoft Midland Bank Motorola MRI NASDAQ National Steel Neopath Nestlé Nokia Novell Petronas Pfizer Pillsbury Pioneer Standard Quintiles Rolls Royce Ross Laboratories Royal Bank of Scotland Royal Mail Samsung Textron SBC Siemens The Gillette Company Thomas Cook Toshiba Unilever Unisys United Distillers & Vintners Verizon Wellpoint Xerox Zeneca 9

9 Modelo de Intervenção Metodologia T odos os projectos desenvolvidos pela ProPeople são baseados em através de um rigoroso e criativo Plano de Comunicação: 4 Passos essenciais, consolidados Passo 1 Diagnóstico Passo 2 Formatação / / Adaptação Passo 3 Implementação Passo 4 Avaliação Objectivos Objectivos Objectivos Objectivos Conhecer as particularidades da População Alvo Validação do Programa proposto e ajustamentos Facilitar a apreensão de novos conceitos Avaliar a eficácia imediata da Acção Identificar especificidades do Negócio e da Organização Identificar Necessidades Específicas Reajustar os objectivos Edição de casos Práticos Edição do Manual e demais Materiais Selecção de suportes audio- -visuais Fornecer ferramentas com elevado conteúdo prático Maximizar o potencial de retenção ao longo do tempo Incentivar a adopção de novas práticas Analisar o comportamento dos participantes Apresentar pistas de intervenção futura Consolidar os resultados Monitorar os impactes no dia-a-dia da organização Plano de Comunicação Objectivos Incentivar os colaboradores a participarem activamente Divulgar informação relevante Valorizar o investimento da Organização no desenvolvimento dos seus colaboradores Os Programas Implementados pela ProPeople baseiam-se nos Princípios da Aprendizagem Acelerada: Princípios da Aprendizagem Acelerada: 1. O envolvimento dos participantes facilita a aprendizagem 2. A aprendizagem não é um processo passivo de aquisição de informação, mas sim uma criação activa de conhecimento 3. A interacção entre os participantes contribui activamente para a aprendizagem 4. Programas centrados em actividades são mais eficazes do que meras exposições Abordagem ProPeople: 1. Interacção constante entre Facilitador e participantes 2. Discussão de Temas / Resolução de Casos 3. Actividades de Grupo / Partilha de ideias e best pratices 4. Role-Playing / Jogos Pedagógicos 10

10 O Ciclo de Aprendizagem APLICAÇÃO ÀS SITUAÇÕES DO DIA-A-DIA Planos de Acção Reminders On the Job Coaching Mentorização entre pares Sessões de Follow-up Envolvimento da Organização ESTIMULAÇÃO DO INTERESSE Plano de Comunicação apelativo Elevação de expectativas Criação de um ambiente emocional e físico agradável Ice breakers Envolvimento de todos os participantes desde o início Lançamento de questões para debate INCORPORAÇÃO DO NOVO CONHECIMENTO / / COMPETÊNCIA CONTACTO COM UM NOVO CONHECIMENTO / / COMPETÊNCIA Simulações da realidade Jogos Pedagógicos Actividades de Resolução de Problemas Estímulos diversificados Apresentações inter-activas Actividades de grupo Associações simbólicas Feedback Construtivo Exercícios de auto-descoberta Recapitulação Partilha de conhecimentos 11

11 Avaliação e Diagnóstico Assessments O s Assessment Centres (AC) são um sistema de avaliação de potencial baseado em competências e em simulações práticas das funções. Têm tipicamente uma finalidade selectiva e são usados em contextos de orientação de carreira, recrutamento e selecção e downsizing. Os Development Centres (DC) aplicam a mesma metodologia para fins de formação e desenvolvimento pessoal. O ponto de partida da implementação é sempre a identificação das situações críticas que podem determinar o sucesso ou insucesso do profissional numa determinada função e cultura de empresa. Exemplo No caso dum comercial, podem ser situações de prospecção telefónica, reuniões com novos clientes, introdução de novos produtos em clientes habituais, tratamento de reclamações, gestão da agenda pessoal ou trabalho com a equipa comercial. Os exercícios que constituem o AC têm como objectivo recriar essas situações num ambiente simulado. É o comportamento dos participantes nesses exercícios que nos permite prever como fariam se tivessem que desempenhar essas funções. Exemplo Um AC para directores pode envolver um exercício de despacho (in-tray), um trabalho de análise e planeamento, a apresentação do plano em reunião com pares, reuniões de estabelecimento de objectivos e de avaliação de desempenho com colaboradores, uma reunião com um cliente estratégico e uma entrevista individual estruturada. O objectivo é prever o potencial futuro, não avaliar o presente ou passado como na avaliação de desempenho. Por exemplo, o actual bom desempenho de um profissional em funções técnicas pouco nos diz sobre a sua capacidade para assumir no futuro posições de gestão de pessoas. A opinião das chefias está normalmente enviesada pela observação desses profissionais apenas em situações de natureza técnica. Num AC, a observação do comportamento em exercícios práticos de gestão de pessoas permite-nos prever com mais eficácia o seu desempenho futuro nessas novas funções. Ao contrário do que acontece por vezes, num AC os critérios de avaliação são definidos previamente: qual a diferença entre os profissionais que desempenham bem a função e aqueles que a desempenham menos bem? como se lida com sucesso com as situações mais desafiadoras desta função? que comportamentos e conhecimentos são necessários? que atitudes são importantes para a chefia e para a cultura da empresa? Para cada situação de avaliação fica definido o comportamento desejado e por isso não há lugar a interpretações subjectivas por parte de quem avalia. 12

12 Durante os vários exercícios, os comportamentos, atitudes e conhecimentos dos participantes são observados por vários avaliadores. A equipa de avaliadores é tipicamente constituída por consultores, técnicos de recursos humanos da empresa e chefias ou futuras chefias dos participantes, todos treinados para o efeito. As decisões de avaliação são tomadas em conjunto. A utilização de vários avaliadores e várias situações de avaliação permite purgar a subjectividade de cada avaliador e a artificialidade dos exercícios de avaliação das reais competências dos participantes. Uma das razões do sucesso desta metodologia é a preocupação com o controlo de qualidade das avaliações obtidas. Os resultados são submetidos a alguns testes de natureza estatística que permitem o controlo sistemático do erro e da validade. O output dos ACs consiste normalmente num mapa de resultados colectivos e em relatórios individuais. Os relatórios individuais descrevem o que os participantes fizeram nos vários exercícios, o grau de aproximação entre o comportamento observado e o comportamento esperado e uma lista de pontos fortes e áreas a melhorar. A natureza objectiva das avaliações, numa linguagem concreta sem tecnicismos, permite a realização de reuniões de feedback individual dos resultados. Algumas aplicações Quando, num contexto de downsizing, é crítico reter selectivamente os profissionais mais competentes, mas não se pode confiar exclusivamente nas avaliações de desempenho das chefias actuais e, por outro lado, se pretende garantir às pessoas a imparcialidade dos critérios de avaliação, de modo a manter a motivação dos que ficam Quando se pretende identificar internamente futuras chefias ou quadros directivos, entre pessoas que não têm experiência de gestão ou chefia de outros, com vista à sua formação, desenvolvimento pessoal e gestão de carreira Quando uma nova gestão de topo pretende avaliar num curto prazo de tempo e de modo objectivo os recursos de que dispõe em toda a organização Quando, no âmbito do recrutamento e selecção, se pretende seleccionar os melhores profissionais porque a função é crítica para a empresa, a função alvo tem uma natureza interpessoal ou prática, é necessário lidar com um grande número de candidatos de modo estruturado ou se trata de processos tão frequentes que vale a pena criar um procedimento sistemático, como seja por exemplo a selecção de comerciais, pessoal de call center e áreas de serviço a clientes Quando, na sequência de uma aquisição ou fusão, se pretende conhecer e comparar as atitudes e hábitos dos profissionais das diferentes culturas organizacionais, tal como realmente são e não como se pensa ou deseja que sejam, com vista à sua mudança e integração Quando se pretende implementar um Sistema de Gestão de Competências, de que os Assessement ou Development Centres são o primeiro componente e a definição dos critérios de avaliação funciona como embrião do levantamento de competências Vantagens dos Assessment Centres, face a outras ferramentas: Permitem a observação de atitudes, comportamentos e competências práticas Possibilitam a observação do comportamento em situações limite Viabilizam a observação da conduta em situações práticas, emocionais e sociais, próximas das condições de desempenho reais São desenhados à medida, de modo a assemelharem-se ao quotidiano da função Os critérios de avaliação são objectivos e definidos à partida Cruzam a percepção de vários avaliadores, logo, reduzem drasticamente a subjectividade Permitem conhecer o potencial futuro 13

13 Avaliação e Diagnóstico Avaliação de Desempenho O s custos de um sistema de avaliação de desempenho mal concebido ou não mantido convenientemente podem ser superiores aos benefícios, pela sua irrelevância e pelo impacto ao nível da moral e do clima que cria. A ProPeople cria sistemas de avaliação de desempenho à medida, diagnostica problemas e propõe soluções para o redesenho de sistemas de avaliação existentes, visando maximizar os benefícios e minimizar os problemas sentidos. Alguns dos benefícios de um sistema de avaliação de desempenho: Ao criar um espaço para falar de objectivos e desempenho com os colaboradores, alinha metas individuais e organizacionais e cria uma cultura de resultados Promove os esforços de melhoria da performance, aumenta a produtividade, diminui desperdícios e erros e favorece a qualidade do serviço ao cliente Foca a tarefa e o indivíduo, permitindo a detecção dos indivíduos com mau desempenho Cria um processo de avaliação uniforme, com critérios mais objectivos, válidos e justos, que permite fundamentar racionalmente as decisões de remuneração e carreira Protege legalmente a organização face às contestações das decisões tomadas com base no desempenho do colaborador Ajuda chefias que têm dificuldades em dar feedback aos colaboradores, ao fornecer formação e metodologia Contribui para a motivação e fidelização dos colaboradores Estimula o desenvolvimento pessoal de todos 14

14 Alguns dos problemas sentidos com a avaliação de desempenho: Resistência da organização face à implementação de um sistema de avaliação de desempenho formalizado O processo antes, durante e depois da avaliação é acompanhado de angústia e stress por parte dos avaliados As chefias não dominam tecnicamente o sistema ou sentem-se desconfortáveis no papel de avaliadores Com o passar dos anos, a ligação do sistema de desempenho à remuneração e à carreira tende a inflacionar as avaliações e as expectativas de aumentos salariais e progressão na carreira Os maus desempenhos são controlados mas os desempenhos excepcionalmente bons não são estimulados, os objectivos tendem a ser estabelecidos de modo a serem razoáveis e os colaboradores limitam-se a cumprir as expectativas As chefias subvertem a avaliação numa gestão do chicote e da cenoura que institucionaliza o status quo e penaliza a mudança O processo implica uma ocupação tal que a avaliação de desempenho transforma-se num pesadelo burocrático anual para as chefias, com elevados custos para a empresa O foco da atenção é colocado nas tarefas individuais ao longo do período de um ano, a equipa, os processos e o longo prazo são descurados Metodologia Diagnóstico dos problemas de avaliação de desempenho existentes Focus groups Inquérito de opinião interno Análise estatística das avaliações existentes Desenho de sistemas de objectivos e de competências Uso de sistemas pré-definidos Entrevistas Recolha de incidentes críticos Construtos Método Delfos Definição da metodologia de avaliação Métodos objectivos Métodos baseados em julgamentos Gestão por objectivos Absentismo, horário, acidentes Articulação com balanced scorecard da empresa Escalas de adjectivos Escalas ancoradas comportamentalmente Escalas de observação Checklists comportamentais Métodos baseados na comparação Ordenação (ranking) Comparação em pares Distribuições forçadas Feedback a 360º Comunicação e implementação Apresentação e animação do sistema Software de apoio à avaliação Seguimento do sistema Inquérito interno de satisfação Formação em coaching e avaliação de desempenho Análises estatísticas das avaliações 15

15 Avaliação e Diagnóstico Selecção N a actual conjuntura as organizações recebem um grande número de candidaturas espontâneas ou inseridas em processos de recrutamento. O difícil é assim, não tanto recrutar, isto é, identificar candidatos, mas seleccionar, discriminar entre a massa indiferenciada de curricula vitae os candidatos realmente com potencial. No contexto de processos de recrutamento e selecção outras situações há em que, pela importância das funções ou do projecto onde estão inseridos, é necessário avaliar grupos ou indivíduos de um modo mais rigoroso do que o habitual. Nem sempre as organizações dispõem do tempo ou dos recursos técnicos e humanos suficientes para cumprir estas missões. A ProPeople coloca à disposição dos seus clientes todo o know-how necessário para planear e implementar o processo sistemático de selecção que melhor corresponde à relação desejada entre custo, rapidez e validade. Para cada caso concreto, propomos a metodologia que melhor usa o tempo, recursos e orçamento existentes na obtenção de uma avaliação válida dos candidatos. Colocamos à disposição dos nossos clientes um conjunto de ferramentas de avaliação completa, que nos permite escolher o método de selecção mais adequado a cada caso: Ferramentas de Avaliação Análise curricular Entrevista telefónica Entrevista profissional Entrevista comportamental Testes de aptidão Questionários de perfil comportamental Role-plays comerciais Role-plays de liderança Simulações telefónicas Exercícios de grupo Análise de casos Exercícios in-basket Formas de Implementação Assessment Centre - nos casos em que a validade e rigor da avaliação são a primeira prioridade, recomen- damos a metodologia Assessment Centre (ver pág. 12 neste catálogo) Soluções à Medida - quando porém, as considerações de rapidez e as limitações de orçamento são mais limitadoras, propomos soluções à medida que, respeitando as restrições, são capazes de seleccionar os melhores candidatos. Estas soluções passam geralmente pela optimização da organização das fases do processo e dos recursos e pela utilização criteriosa das ferramentas de avaliação disponíveis (v. quadro) Insourcing - Em alternativa ao outsourcing da selec- ção, podemos formar colaboradores da empresa, com qualificação prévia em recursos humanos ou não, em técnicas de recrutamento e selecção. Esta formação inclui o treino prático da utilização de ferramentas de avaliação eficazes. O follow-up do programa consiste no seguimento por parte da ProPeople da implementação de processos de recrutamento e selecção reais. Análise do posto alvo Definição do perfil desejado Planeamento da selecção Apresentação dos relatórios Acompanhamento da integração Pool de Candidatos Fases de Selecção Ranking dos Candidatos Relatórios e pareceres individuais 16

16 Avaliação e Diagnóstico O Perfil de Cultura Organizacional Perfil de Cultura Organizacional (PCO) é um instrumento de diagnóstico dos valores partilhados pelos colaboradores de uma organização. Este instrumento tem um forte suporte teórico no modelo de cultura organizacional, definida enquanto conjunto de pressupostos e crenças dos membros da organização que estes partilham entre si. Esta partilha, a qual resulta da experiência comum dos colaboradores da organização, torna a cultura num fenómeno colectivo que se reflecte nos pensamentos e sentimentos dos indivíduos e orienta o seu comportamento e desempenho nesse contexto organizacional. Para além da sua fundamentação conceptual, este instrumento tem um histórico de utilização em empresas portuguesas e alia a simplicidade à validade e relevância. Conhecer a cultura de uma organização consiste em conhecer aquilo que ela valoriza, constituindo esses valores guias orientadores das suas práticas e actuações. Este instrumento é constituído por um conjunto de valores organizacionais, os quais são apresentados em 12 pares opostos. É pedido a cada colaborador que escolha em cada par o valor que considera melhor caracterizador da organização em que trabalha. O conjunto de valores escolhidos desenham o perfil de cultura que o colaborador tem da organização. Ao reunirmos os perfis desenhados pelos colaboradores, obtemos o perfil partilhado, isto é, a cultura organizacional. Os valores organizacionais agrupam-se em quatro quadrantes que correspodem a quatro perfis padrão de cultura organizacional. Estes quadrantes são determinados pela conjugação de dois vectores, que correspondem a dois posicionamentos cruciais das organizações actuais: Mudança/Estabilidade e Externo/Interno. A coerência entre os valores organizacionais que se incluem no mesmo quadrante, permitem definir o padrão de cultura organizacional. A combinação destes dois vectores define quatro tipos de cultura organizaciona: cultura inovadora, profissional, burocrática e personalizada. Modelo de Cultura Organizacional Uma Cultura Inovadora, que se caracteriza por um posicionamento de mudança com atenção privilegiada aos factores externos, apresenta como valores determinantes, por exemplo, a iniciativa, o trabalho em equipa e a coordenação do trabalho por ajustamento mútuo entre os colaboradores. Uma Cultura Profissional, que se caracteriza por um posicionamento de estabilidade com atenção privilegiada aos factores externos, apresenta como valores determinantes, por exemplo, a obediência às normas profissionais, um poder com base na competência e a coordenação do trabalho por estandardização da formação dos colaboradores. Uma Cultura Burocrática, que se caracteriza por um posicionamento de estabilidade com atenção privilegiada aos factores internos, apresenta como valores determinantes, por exemplo, o poder com base na hierarquia, a obdiência a normas organizacionais e a mudança como um fenómeno ocasional. Uma Cultura Personalizada, que se caracteriza por um posicionamento de mudança com atenção privilegiada aos factores internos, apresenta como valores determinantes, por exemplo, chefes como líderes necessariamente influentes, o trabalho individual, e a mudança como uma iniciativa interna. 17

17 Avaliação e Diagnóstico Diagnóstico de Clima Organizacional A Escala de Clima e Satisfação Organizacional é um instrumento de diagnóstico das percepções dos colaboradores sobre o trabalho e as práticas de gestão da sua organização e também do seu bem estar e da sua satisfação com essas práticas. Este instrumento tem um forte suporte teórico no modelo de qualidade de vida no trabalho (QWL), assente no princípio que certas características do trabalho e das práticas da empresa têm influência nas atitudes e bem-estar dos trabalhadores, as quais, por sua vez, influenciam o desempenho. Este princípio esteve na base, concretamente, do desenvolvimento de um conjunto de métodos para tornar o trabalho mais produtivo e mais satisfazedor, como por exemplo a resolução de problemas de forma participativa, a restruturação do trabalho e o seu enriquecimento. Em termos de suporte empírico, a ECSO tem vindo a ser desenvolvida por docentes da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Lisboa ao longo dos últimos anos e foi já aplicada em inúmeras empresas de áreas tão diversas como a pasta de papel, construção civil, electrónica, cerâmica, farmacêutica, saúde, educação e serviços, num total de participantes superior a cinco mil. Benefícios Com este estudo é possível a empresa ficar a conhecer, quer em termos globais, quer discriminado, por exemplo, por idade, tempo de estadia na empresa, posição, função: O que os seus colaboradores pensam sobre as várias características do seu trabalho e das práticas da empresa; Os níveis de satisfação dos colaboradores relativamente às várias dimensões do seu trabalho; O bem-estar geral e a saúde mental dos seus colaboradores; A importância, para estes colaboradores, que as características do seu trabalho e as práticas da empresa têm na satisfação com o seu emprego e no seu bem-estar neste contexto. Este diagnóstico permitirá no futuro desenvolver intervenções, tanto ao nível do desenho do trabalho, como das práticas de gestão de recursos humanos, as quais contribuirão para promover a satisfação e o bem-estar dos trabalhadores, com esperada repercussão no seu desempenho. Por outro lado, a informação recolhida permitirá constituir um padrão de referência, em relação ao qual se pode avaliar a evolução, quer das percepções, quer das atitudes e bem-estar dos colaboradores. 18

18 Esta escala tem um formato modular e é composta por três partes: Clima da Organização Neste módulo são medidas as percepções dos trabalhadores sobre as características do seu trabalho e as práticas de gestão de recursos humanos da empresa. Exigência Quantitativa: Em que medida o trabalho é excessivo, sendo difícil a sua concretização no tempo estipulado. Exigência Qualitativa: Em que medida o trabalho exige a aplicação de conhecimentos fora das competências do titular, exigindo um esforço cognitivo e intelectual relativamente elevado. Monotonia: Em que medida as tarefas são simples e repetitivas. Clareza de Papel: Em que medida o titular sabe o que dele é esperado no trabalho e que métodos deve usar para o realizar eficazmente. Autonomia: Em que medida o titular tem a possibilidade de ter iniciativas e tomar decisões em relação ao seu trabalho. Equipa: Em que medida o trabalho do titular é realizado em equipa, requerendo a interdependência funcional de diferentes trabalhadores. Apoio: Refere-se ao apoio dado pelo chefe directo, quer em termos da realização do trabalho, quer em termos pessoais. Reconhecimento: Refere-se ao reconhecimento que a empresa tem para com os empregados que realizam bem o seu trabalho. Imagem: Refere-se à percepção que o colaborador tem da imagem da empresa no exterior. Relações Sociais: Refere-se ao ambiente social geral da empresa, isto é à positividade das relações entre colegas. Feedback: Refere-se ao feedback que a empresa dá sobre o desempenho dos seus colaboradores, informando-os sobre a qualidade na realização do seu trabalho e distribuindo recompensas de forma equitativa e contingente. Constrangimentos Situacionais: Refere-se às condições físicas do local de trabalho e sua adequação à realização do trabalho. Relações Interdepartamentais: Refere-se à circulação de informação necessária para a realização eficaz do trabalho, entre as diferentes secções/departamentos. Satisfação Neste módulo são medidas as atitudes dos trabalhadores em relação á organização, concretamente a satisfação com as práticas, o envolvimento com o trabalho e a intenção de abondono da organização. Satisfação com as Recompensas: Em que medida os indivíduos estão satisfeitos com as recompensas atribuidas pela empresa (não só o salário, mas outras recompensas ou formas de reconhecimento). Satisfação com os Colegas: Em que medida os indivíduos estão satisfeitos com as relações que estabelecem com os seus colegas de trabalho. Satisfação com Supervisão: Em que medida os indivíduos estão satisfeitos com a supervisão exercida pelo seu chefe directo. Satisfação com o Trabalho: Em que medida os indivíduos estão satisfeitos, de um modo geral, com o trabalho que realizam, tendo este um significado importante na sua vida. Intenção de Saída: Em que medida os indivíduos estão a pensar abandonar a empresa. Bem-Estar Neste módulo são medidos os níveis de bem-estar e saúde mental do trabalhadores. Bem-estar Geral: É avaliado o grau de bem-estar físico e psicológico. Saúde Mental: São avaliados os níveis de ansiedade e depressão. 19

19 Avaliação e Diagnóstico A Diagnósticos Individuais Success Insights International é uma empresa norte-americana, parceira da ProPeople na implementação de instrumentos de gestão de eficácia pessoal e inter-pessoal nas áreas do comportamento, atitudes e competências. No seu domínio de intervenção, os instrumentos Success Insights incorporam a tecnologia mais avançada no âmbito do processamento e análise e são utilizados, por muitas empresas, em projectos integrados de consultoria e formação experiencial, quer em ambiente de aprendizagem presencial quer de aprendizagem à distância. Eficácia Comportamental Os estudos realizados sobre o comportamento sugerem que as pessoas mais eficazes são aquelas que se conhecem a si próprias, tanto no que respeita aos seus pontos fortes como às suas áreas de melhoria, podendo assim desenvolver estratégias para ir ao encontro das exigências do seu meio envolvente. Este relatório analisa o estilo de comportamento, isto é, a forma como a pessoa actua em determinadas situações. ( relatório de perfil individual ) Domínios de Aplicação Team Building Reduzir conflitos Aumentar cooperação Reforçar cultura e coesão Integrar novos elementos Vendas Mais flexibilidade na venda Melhor conhecimento do perfil do cliente Gestão de vendas mais eficaz Maior capacidade de fecho Satisfação do Cliente Mais eficácia no atendimento presencial ou telefónico Mais eficácia no tratamento e gestão das reclamações Maior proactividade e sentido de iniciativa Eficácia Pessoal Melhorar o auto-conhecimento Incrementar a inter-comunicação Liderança Maior flexibilidade no estilo liderança Maior capacidade para motivar pessoas Eficácia acrescida na tomada de decisão Aumento de capacidade de comunicação Gestão da Mudança Reduzir resistências à mudança Constituição de equipas especiais de projecto Reorganização de equipas com optimização de perfil 20

20 Atitudes e Motivações Pessoais ( relatório individual ) Conhecer os valores de uma pessoa ajuda-nos a perceber o PORQUÊ das suas acções. Ao inventariar os valores individuais pode medir-se a preponderância relativa das seis motivações-base associadas ao comportamento: Teórico, Utilitário, Esteta, Social, Individualista e Tradicionalista. Os valores e as atitudes estão intimamente ligados às motivações do comportamento e por vezes são denominados de motivações ocultas porque nem sempre são facilmente observáveis. A finalidade deste relatório é mostrar e amplificar alguns desses factores de motivação assim como ajudar a aproveitar melhor os pontos fortes com que cada pessoa contribui no exercício da sua actividade. Domínios de Aplicação Eficácia Pessoal Clarificação de interesses pessoais Identificar fontes de maior motivação Alinhar pessoas e equipas Desenvolvimento de Carreira Identificar talentos Coaching e tutoria Orientação profissional Conhecimentos e Práticas Feedback a 360º (relatório individual) Este instrumento faz a comparação entre a percepção do próprio versus a percepção da chefia, colegas, subordinados ou clientes (se aplicável) identificando o desempenho actual e as áreas a melhorar, que são críticas para aumentar a eficácia pessoal e profissional. Domínios de Aplicação Liderança Trabalho em equipa Qualidade Empowerment Coaching Comunicação Serviço ao cliente Vendas Negociação Índice Estratégico de Vendas (relatório individual) Analisa, de forma objectiva, o grau de compreensão das estratégias comerciais que são críticas para vender com sucesso (Prospecção / Primeiras impressões / Qualificação / Demonstração / Influência / Fecho). Na sua essência, este instrumento visa fornecer uma resposta à seguinte questão: Até que ponto esta pessoa sabe vender?. É este grau de conhecimento sobre técnicas e estratégias de venda que o indicador se propõe medir. Domínios de Aplicação Vendas Identificar áreas de conhecimento que o vendedor precisa de melhorar Identificar pontos fortes e fracos de novos candidatos à função de vendedor Identificar necessidades específicas de treino e desenvolvimento profissional 21

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

APRESENTAÇÃO. www.get-pt.com 1

APRESENTAÇÃO. www.get-pt.com 1 APRESENTAÇÃO www.get-pt.com 1 -2- CULTURA GET -1- A nossa Visão Acreditamos que o elemento crítico para a obtenção de resultados superiores são as Pessoas. A nossa Missão A nossa missão é ajudar a melhorar

Leia mais

Selling Tools. Dale Carnegie Training Portugal www.dalecarnegie.pt customerservice@dalecarnegie.pt

Selling Tools. Dale Carnegie Training Portugal www.dalecarnegie.pt customerservice@dalecarnegie.pt Dale Carnegie Training Portugal www.dalecarnegie.pt customerservice@dalecarnegie.pt Enquadramento As vendas têm um ambiente próprio; técnicas e processos específicos. A forma de estar, o networking, os

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

WePeopleValueYourPeople

WePeopleValueYourPeople WePeopleValueYourPeople e info@peoplevalue.com.pt w www.peoplevalue.com.pt Actualizado em 2010Jan14 quem somos? Somos a consultora sua parceira focada nas Pessoas e na sua valorização. Através da especialização

Leia mais

OPQ Perfi l OPQ. Relatório para as Vendas. Nome Sra. Exemplo 3

OPQ Perfi l OPQ. Relatório para as Vendas. Nome Sra. Exemplo 3 OPQ Perfi l OPQ Relatório para as Vendas Nome Sra. Exemplo 3 Data 28 Agosto 2014 www.ceb.shl.com www.transformece.com.br INTRODUÇÃO O Relatório para as Vendas da SHL ajuda a compreender a adequação potencial

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Moçambique. Agenda EVENTOS 2013 NEW!! INSCREVA-SE EM. Também in Company. inscrip@iirportugal.com. VISITE www.iirportugal.com

Moçambique. Agenda EVENTOS 2013 NEW!! INSCREVA-SE EM. Também in Company. inscrip@iirportugal.com. VISITE www.iirportugal.com Moçambique Agenda EVENTOS 2013 NEW!! Também in Company INSCREVA-SE EM inscrip@iirportugal.com VISITE www.iirportugal.com INOVAÇÃO Estimado cliente, Temos o prazer de lhe apresentar em exclusiva o novo

Leia mais

A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA

A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA DE QUE FORMA OS GESTORES DE VENDAS ADICIONAM VALOR À SUA ORGANIZAÇÃO? Desenvolver Gestores de Vendas eficazes tem sido uma das grandes preocupações

Leia mais

Open Doors A SHL Portugal abre as portas às Organizações

Open Doors A SHL Portugal abre as portas às Organizações Open Doors A SHL Portugal abre as portas às Organizações Lisboa, 25 de maio de 2011 People Intelligence. Business Results. 1 2011 SHL Group Limited www.shl.com Gestão Integrada do Talento People Intelligence.

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

Premier. Quando os últimos são os Primeiros

Premier. Quando os últimos são os Primeiros Premier Quando os últimos são os Primeiros Fundada em 1997 Especializada no desenvolvimento de soluções informáticas de apoio à Gestão e consultoria em Tecnologias de Informação. C3im tem como principais

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

27% das empresas prevê aumento dos postos de trabalho

27% das empresas prevê aumento dos postos de trabalho Análise da Michael Page sobre Recursos Humanos 27% das empresas prevê aumento dos postos de trabalho Manter a motivação das equipas é o principal desafio das empresas portuguesas, sendo apontado por 42%

Leia mais

Programa Avançado de Gestão

Programa Avançado de Gestão PÓS GRADUAÇÃO Programa Avançado de Gestão Com o apoio de: Em parceria com: Nova School of Business and Economics Com o apoio de: PÓS GRADUAÇÃO Programa Avançado de Gestão A economia Angolana enfrenta hoje

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Uma Questão de Atitude...

Uma Questão de Atitude... Uma Questão de Atitude... Catálogo de Formação 2014 1 Introdução 3 Soluções de Formação 3 Áreas de Formação 4 Desenvolvimento Pessoal 5 Comercial 12 Secretariado e Trabalho Administrativo 15 Indústrias

Leia mais

O DESAFIO DOS EXECUTIVOS

O DESAFIO DOS EXECUTIVOS COACHING EXECUTIVO O DESAFIO DOS EXECUTIVOS Os executivos das empresas estão sujeitos a pressões crescentes para entregarem mais e melhores resultados, liderando as suas organizações através de mudanças

Leia mais

CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE

CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE Capítulo 7 Balanced Scorecard ÍNDICE 7.1 O que é o Balanced Scorecard 7.2 Indicadores de Ocorrência 7.3 O Método 7.4 Diagramas de Balanced Scorecard Capítulo 7 - BALANCED

Leia mais

CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES

CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES Processos de Gestão ADC/DEI/FCTUC/2000/01 CAP. 2 Introdução à Gestão das Organizações 1 CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES 2.1. Conceito de Gestão Vivemos numa sociedade de organizações (dos

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

XI Mestrado em Gestão do Desporto

XI Mestrado em Gestão do Desporto 2 7 Recursos Humanos XI Mestrado em Gestão do Desporto Gestão das Organizações Desportivas Módulo de Gestão de Recursos Rui Claudino FEVEREIRO, 28 2 8 INDÍCE DOCUMENTO ORIENTADOR Âmbito Objectivos Organização

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

Transcrição: Perguntas mais frequentes (FAQs) sobre o PDS

Transcrição: Perguntas mais frequentes (FAQs) sobre o PDS Transcrição: Perguntas mais frequentes (FAQs) sobre o PDS Modelo operacional Qual é o modelo organizacional do PDS? Trabalhamos bastante para chegar ao modelo organizacional certo para o PDS. E aplicamos

Leia mais

Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N.

Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N. Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N.º 32603 INTRODUÇÃO Na área do controlo de gestão chamamos atenção para

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

Criatividade e Inovação Organizacional: A liderança de equipas na resolução de problemas complexos

Criatividade e Inovação Organizacional: A liderança de equipas na resolução de problemas complexos Criatividade e Inovação Organizacional: A liderança de equipas na resolução de problemas complexos Dizer que o grande segredo do sucesso das empresas, especialmente em tempos conturbados, é a sua adaptabilidade

Leia mais

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Criada em Setembro de 2005 em Sacavém, a Explicolândia Centros de Estudo tem sido ao longo dos anos, uma

Leia mais

Perto de si, mudamos consigo! www.wechange.pt

Perto de si, mudamos consigo! www.wechange.pt Hotel Alvalade LUANDA 16 a 27 de RH Os Ciclos de RH, consistem em planos de desenvolvimento de competências no domínio da gestão de Recursos Humanos, nomeadamente ao nível das áreas de Selecção, Formação

Leia mais

Conceito O2. O futuro tem muitos nomes. Para a Conceito O2 é Coaching. Sinta uma lufada de ar fresco. :!:!: em foco

Conceito O2. O futuro tem muitos nomes. Para a Conceito O2 é Coaching. Sinta uma lufada de ar fresco. :!:!: em foco :!:!: em foco Conceito O2 Sinta uma lufada de ar fresco Executive Coaching Através do processo de Executive Coaching a Conceito O2 realiza um acompanhamento personalizado dos seus Clientes com objectivo

Leia mais

o Empresa Internacional de Executive Search e Consultoria em Gestão Estratégica de Recursos Humanos.

o Empresa Internacional de Executive Search e Consultoria em Gestão Estratégica de Recursos Humanos. o Empresa Internacional de Executive Search e Consultoria em Gestão Estratégica de Recursos Humanos. o Formada por uma Equipa de Consultores com uma consolidada e diversificada experiência, quer na área

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Mónica Montenegro António Jorge Costa

Mónica Montenegro António Jorge Costa Mónica Montenegro António Jorge Costa INTRODUÇÃO... 4 REFERÊNCIAS... 5 1. ENQUADRAMENTO... 8 1.1 O sector do comércio em Portugal... 8 2. QUALIDADE, COMPETITIVIDADE E MELHORES PRÁTICAS NO COMÉRCIO... 15

Leia mais

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Pedro João 28 de Abril 2011 Fundação António Cupertino de Miranda Introdução ao Plano de Negócios Modelo de Negócio Análise Financeira Estrutura do Plano de

Leia mais

LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO

LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO N.º ORIENTAÇÃO PARA RESULTADOS: Capacidade para concretizar eficiência os objectivos do serviço e as tarefas e que lhe são solicitadas. com eficácia e 1

Leia mais

Controlo de Gestão. 2ª Edição. Lisboa, 8 e 15 de Maio de 2013. www.pwc.pt/academia. Academia da PwC. 2ª edição

Controlo de Gestão. 2ª Edição. Lisboa, 8 e 15 de Maio de 2013. www.pwc.pt/academia. Academia da PwC. 2ª edição www.pwc.pt/academia Controlo de Gestão 2ª Edição Lisboa, 8 e 15 de Maio de 2013 Academia da PwC 2ª edição Este curso permite-lhe compreender melhor os princípios do controlo de gestão, com especial enfoque

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

Human Resources Human Resources. Estudos de Remuneração 2012

Human Resources Human Resources. Estudos de Remuneração 2012 Human Resources Human Resources Estudos de Remuneração 2012 3 Michael Page Page 4 Apresentamos-lhe os Estudos de Remuneração 2012, realizados pela Michael Page. O objectivo dos nossos Estudos de Remuneração

Leia mais

Catálogo de treinamentos

Catálogo de treinamentos Catálogo de treinamentos 11 3892-9572 www.institutonobile.com.br Desenvolvendo seus Talentos O Instituto Nobile desenvolve as mais modernas soluções em treinamento e desenvolvimento. Oferecemos programas

Leia mais

Uma plataforma estratégica

Uma plataforma estratégica Publicado: Fevereiro 2007 Autor: Rui Loureiro Sénior Partner Implementar o Help Desk Quando simplesmente pensamos em implementar um Help Desk, isso pode significar uma solução fácil de realizar ou algo

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de Pessoas) na Gestão Empresarial Marketing Interno Licenciatura de Comunicação Empresarial 3º Ano Docente: Dr. Jorge Remondes / Discente: Ana Teresa Cardoso

Leia mais

Planeamento e estratégia

Planeamento e estratégia Planeamento e estratégia Tipos de planos e vantagens Etapas do processo de planeamento Informação para o planeamento Análise SWOT Definir missão e objectivos Processo de gestão estratégica Níveis da estratégia

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO

PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1. Identificação do Curso Pós-Graduação em Gestão Estratégica de Recursos Humanos 2. Destinatários Profissionais em exercício de funções na área de especialização do curso ou novos

Leia mais

Master in Management for Human Resources Professionals

Master in Management for Human Resources Professionals Master in Management for Human Resources Professionals Em colaboração com: Master in Management for Human Resources Professionals Em colaboração com APG Um dos principais objectivos da Associação Portuguesa

Leia mais

1 Apresentação GESTÃO POR COMPETÊNCIAS. Tudo a ver com as minhas Competências. Opção. Powerpoint. Emanuel Sousa 20 de Outubro de 2015

1 Apresentação GESTÃO POR COMPETÊNCIAS. Tudo a ver com as minhas Competências. Opção. Powerpoint. Emanuel Sousa 20 de Outubro de 2015 1 Apresentação GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Emanuel Sousa 20 de Outubro de 2015 Opção Tudo a ver com as minhas Competências. Apresentação Imp. 24/0 leaderconsulting.info 2 Apresentação O que é a Gestão por

Leia mais

SQUADRA TRAINING IMPROVE YOUR BUSINESS PERFORMANCE! ÍNDICE CALENDÁRIO 2º SEMESTRE 2014 APRESENTAÇÃO PORTFÓLIO CONTACTOS E INFORMAÇÕES

SQUADRA TRAINING IMPROVE YOUR BUSINESS PERFORMANCE! ÍNDICE CALENDÁRIO 2º SEMESTRE 2014 APRESENTAÇÃO PORTFÓLIO CONTACTOS E INFORMAÇÕES SQUADRA TRAINING ÍNDICE 2 CALENDÁRIO 2º SEMESTRE 2014 3 APRESENTAÇÃO 5 PORTFÓLIO 14 1 CONTACTOS E INFORMAÇÕES IMPROVE YOUR BUSINESS PERFORMANCE SQUADRA TRAINING CALENDÁRIO 2º SEM. 2014 2 VENDER COM SUCESSO

Leia mais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais conteúdos: Programa de formação avançada centrado nas competências e necessidades dos profissionais. PÁGINA 2 Cinco motivos para prefirir a INOVE RH como o seu parceiro, numa ligação baseada na igualdade

Leia mais

O uso das ferramentas de RH para o fortalecimento da cultura organizacional. Belén Gutiérrez, Hay Group

O uso das ferramentas de RH para o fortalecimento da cultura organizacional. Belén Gutiérrez, Hay Group O uso das ferramentas de RH para o fortalecimento da cultura organizacional Belén Gutiérrez, Hay Group Hay Group é uma empresa global de consultoria em gestão que trabalha com líderes para transformar

Leia mais

Cegoc Moçambique O MAIOR GRUPO EUROPEU DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL AGORA EM MOÇAMBIQUE. cegoc.co.mz

Cegoc Moçambique O MAIOR GRUPO EUROPEU DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL AGORA EM MOÇAMBIQUE. cegoc.co.mz Cegoc Moçambique Formação e Consultoria em Capital Humano O MAIOR GRUPO EUROPEU DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL AGORA EM MOÇAMBIQUE cegoc.co.mz O maior grupo europeu de formação profissional agora em Moçambique

Leia mais

Marcos N. Lessa. Global Document Outsourcing Director

Marcos N. Lessa. Global Document Outsourcing Director Marcos N. Lessa Global Document Outsourcing Director Managed Print Services: Serviço de valor acrescentado Managed Print Services (MPS) é um serviço que envolve a gestão de todos os equipamentos de impressão,

Leia mais

www.tal-search.com P O R T U G A L E S P A N H A A N G O L A M O Ç A M B I Q U E

www.tal-search.com P O R T U G A L E S P A N H A A N G O L A M O Ç A M B I Q U E www.tal-search.com P O R T U G A L E S P A N H A A N G O L A M O Ç A M B I Q U E Quem somos? Quem somos? O que fazemos? O que nos distingue? Onde estamos? 2 Quem somos? APRESENTAÇÃO A Talent Search foi

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

Inteligência Emocional. A importância de ser emocionalmente inteligente

Inteligência Emocional. A importância de ser emocionalmente inteligente Inteligência Emocional A importância de ser emocionalmente inteligente Dulce Sabino, 2008 Conceito: Inteligência Emocional Capacidade de identificar os nossos próprios sentimentos e os dos outros, de nos

Leia mais

Gestão em Farmácia. Marketing 3. Manuel João Oliveira. Identificação e Selecção da Estratégia

Gestão em Farmácia. Marketing 3. Manuel João Oliveira. Identificação e Selecção da Estratégia Gestão em Farmácia Marketing 3 Manuel João Oliveira Análise Externa Análise do Cliente Segmentação, comportamento do cliente, necessidades não-correspondidas Análise dos Concorrentes Grupos estratégicos,

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260

Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260 Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260 Boas práticas na utilização de plataformas de aprendizagem colaborativa como modo de incentivar a criatividade e identificar boas práticas no setor da metalúrgica Relatório

Leia mais

DESIGNING YOUR ACHIEVEMENT PRODUTOS E SERVIÇOS

DESIGNING YOUR ACHIEVEMENT PRODUTOS E SERVIÇOS DESIGNING YOUR ACHIEVEMENT PRODUTOS E SERVIÇOS Gestão de Tempo e Produtividade Pessoal HIGHER LEVELS OF ACHIEVEMENT MORE MEANINGFUL RESULTS BETTER BALANCED LIFE-STYLE NEM SEMPRE A CAPACIDADE DE REALIZAÇÃO

Leia mais

de empresas ou de organizações de todos os tipos? O que fazem os líderes eficazes que os distingue dos demais?

de empresas ou de organizações de todos os tipos? O que fazem os líderes eficazes que os distingue dos demais? TEMA - liderança 5 LEADERSHIP AGENDA O Que fazem os LÍDERES eficazes Porque é que certas pessoas têm um sucesso continuado e recorrente na liderança de empresas ou de organizações de todos os tipos? O

Leia mais

Glossário. Competência para a acção. (questionário em competências para a acção e actividade)

Glossário. Competência para a acção. (questionário em competências para a acção e actividade) Conceito Competência para a acção Explicação Competência para a acção compreende todas as habilidades, competências e experiências de uma pessoa, que lhe possibilita auto-organizar-se para realizar correctamente

Leia mais

Líder do Futuro. Formação de Líderes. 5 a 10 de novembro. o mais completo programa de. Invista em si e seja um líder do futuro. Média partner: Apoio:

Líder do Futuro. Formação de Líderes. 5 a 10 de novembro. o mais completo programa de. Invista em si e seja um líder do futuro. Média partner: Apoio: Líder do Futuro o mais completo programa de Formação de Líderes 5 a 10 de novembro Invista em si e seja um líder do futuro Programa: Entidade parceira: Média partner: Apoio: Líder do Futuro O programa

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO MINISTÉRIO Organismo/Serviço NIF Avaliador Cargo NIF FICHA DE AVALIAÇÃO PARA O PESSOAL DOS GRUPOS PROFISSIONAIS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO A preencher pelo avaliador Avaliado Unidade orgânica Carreira

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

LEARNING MENTOR. Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219. Perfil do Learning Mentor. Módulos da acção de formação

LEARNING MENTOR. Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219. Perfil do Learning Mentor. Módulos da acção de formação LEARNING MENTOR Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219 Perfil do Learning Mentor Módulos da acção de formação 0. Pré-requisitos para um Learning Mentor 1. O papel e a função que um Learning Mentor

Leia mais

Permita-se ir além e descubra uma nova possibilidade, um conjunto de ideias e inovação, construído por você.

Permita-se ir além e descubra uma nova possibilidade, um conjunto de ideias e inovação, construído por você. Somos uma empresa inovadora, que através de uma metodologia vencedora proporciona a nossos clientes um ambiente favorável ao desenvolvimento de capacidades, para que seus profissionais alcancem o melhor

Leia mais

Formação Interempresas 2015 2.º semestre

Formação Interempresas 2015 2.º semestre Formação Interempresas 2015 2.º semestre 1 1 Formação Interempresas 2015 As ferramentas e metodologias seleccionadas têm como objectivo apoiar as organizações a adquirir conhecimentos que lhes permitam

Leia mais

Perfil Profissional de Treinador

Perfil Profissional de Treinador Programa Nacional de FORMAÇÃO de Treinadores Grau4 Perfil Profissional de Treinador Perfil Profissional - GRAU IV A formação de Grau IV consubstancia o topo da hierarquia profissional da actividade de

Leia mais

Auditorias da Qualidade

Auditorias da Qualidade 10 páginas sobre s da Qualidade "Não olhes para longe, despreocupando-se do que tens perto." [ Eurípedes ] VERSÃO: DATA de EMISSÃO: 9-10-2009 AUTOR: José Costa APROVAÇÃO: Maria Merino DESCRIÇÃO: Constitui

Leia mais

«As organizações excelentes gerem, desenvolvem e libertam todo o potencial dos seus colaboradores ao nível individual, de equipa e organizacional.

«As organizações excelentes gerem, desenvolvem e libertam todo o potencial dos seus colaboradores ao nível individual, de equipa e organizacional. A melhoria não é um acontecimento pontual ( ) um processo que necessita de ser planeado, desenvolvido e concretizado ao longo do tempo em sucessivas vagas, produzindo uma aprendizagem permanente. De acordo

Leia mais

POWER-RH. organizacional e individual - OS NOSSOS SERVIÇOS

POWER-RH. organizacional e individual - OS NOSSOS SERVIÇOS POWER-RH Gestão estratégica a de mudança organizacional e individual - OS NOSSOS SERVIÇOS PARA EMPRESAS - A Power-rh Somos peritos em gestão estratégica de mudança organizacional e desenvolvimento humano.

Leia mais

Marca Pessoal e Carreira Profissional

Marca Pessoal e Carreira Profissional O MERCADO Marca Pessoal e Carreira Profissional Managing Partner da Stanton Chase international Vivemos tempos difíceis! Tempos em que muitos passam por situações de desemprego, alguns têm que aceitar

Leia mais

GLOSSÁRIO DE FORMAÇÃO

GLOSSÁRIO DE FORMAÇÃO GLOSSÁRIO DE FORMAÇÃO Acolhimento - Acções que visam proporcionar ao colaborador um conjunto de referências e conhecimentos, relacionados com o ambiente organizacional e a função, tendo como objectivo

Leia mais

ÁREA A DESENVOLVER. Formação Comercial Gratuita para Desempregados

ÁREA A DESENVOLVER. Formação Comercial Gratuita para Desempregados ÁREA A DESENVOLVER Formação Comercial Gratuita para Desempregados Índice 8. Sobre nós 7. Como pode apoiar-nos 6. Datas de realização e inscrição 5. Conteúdos Programáticos 4. Objectivos 3. O Workshop de

Leia mais

Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS

Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS N.º ORIENTAÇÃO PARA RESULTADOS: Capacidade para se focalizar na concretização dos objectivos do serviço e garantir que

Leia mais

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY _ CURRICULUM Composta por uma equipa multidisciplinar, dinâmica e sólida, Sobre Nós A ilimitados - the marketing company é uma empresa de serviços na área do Marketing,

Leia mais

Em Entrevistas Profissionais

Em Entrevistas Profissionais Em Entrevistas Profissionais Amplie a sua performance na valorização das suas competências 2011 Paula Gonçalves [paula.goncalves@amrconsult.com] 1 Gestão de Comunicação e Relações Públicas As Entrevistas

Leia mais

Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Monitorização e Avaliação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Monitorização e Avaliação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE 3. Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete 65 66 3.1 Objectivos e Princípios Orientadores O sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete, adiante designado

Leia mais

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO DEFINIÇÕES OPERACIONAIS E INDICADORES COMPORTAMENTAIS Pag. 1 Elaborada por Central Business Abril 2006 para o ABRIL/2006 2 COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

Leia mais

CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ)

CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ) INTEGRAÇÃO PROFISSIONAL DE TÉCNICOS SUPERIORES BACHARÉIS, LICENCIADOS E MESTRES CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ) GUIA DE CURSO ÍNDICE 1 - Objectivo do curso 2 - Destinatários 3 - Pré-requisitos

Leia mais

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004)

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) por Mónica Montenegro, Coordenadora da área de Recursos Humanos do MBA em Hotelaria e

Leia mais

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial Sumário executivo À medida que as organizações competem e crescem em uma economia global dinâmica, um novo conjunto de pontos cruciais

Leia mais

PHC Recursos Humanos CS

PHC Recursos Humanos CS PHCRecursos Humanos CS DESCRITIVO Optimize a selecção e recrutamento, proceda à correcta descrição de funções, execute as avaliações de desempenho e avalie as acções de formação. PHC Recursos Humanos CS

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial. CoP de Gestão do Conhecimento Notas da sessão presencial de 24 de Março de 2014 Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Leia mais

As novas tecnologias na Gestão do Talento www.optimhom.pt O QUE SÃO Os são um instrumento on-line de avaliação de competências, que usa questões simples ligadas às situações concretas do diaa-dia nas organizações,

Leia mais

PHC Recursos Humanos CS

PHC Recursos Humanos CS PHC Recursos Humanos CS A gestão total dos Recursos Humanos A solução que permite a optimização da selecção e recrutamento, a correcta descrição de funções, a execução das avaliações de desempenho e a

Leia mais

CONSULTORIA POSITIVA

CONSULTORIA POSITIVA O consultor é uma pessoa que, pela sua habilidade, postura e posição, tem o poder de influenciar as pessoas, grupos e organizações, mas não tem o poder directo para produzir mudanças ou programas de implementação.

Leia mais

Commercial & Marketing. Estudos de Remuneração 2012

Commercial & Marketing. Estudos de Remuneração 2012 Commercial & Marketing Estudos de Remuneração 2012 Estudos de Remuneração Commercial & Marketing 2012 2 Nota preliminar pág. 3 Funções de Marketing Funções Comerciais Assistente de Marketing pág. 12 Supervisor

Leia mais

Gestão de Projectos. Área de Management/ Comportamental

Gestão de Projectos. Área de Management/ Comportamental Gestão de Projectos Área de / Comportamental INFORMAÇÕES E INSCRIÇÕES Tel. (+351) 21 314 34 50 Fax. (+351) 21 314 34 49 e-mail. cursos@globalestrategias.pt Web. www.globalestrategias.pt 63 Project Fundamentals

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

Livro de Metodologia. Competências. Fundamentais. de Coaching. Villela da Matta Flora Victoria

Livro de Metodologia. Competências. Fundamentais. de Coaching. Villela da Matta Flora Victoria Livro de Metodologia Competências Fundamentais de Coaching Villela da Matta Flora Victoria 41 O Treinamento Competências Fundamentais de Coaching O que é e a quem se destina Treinamento composto por 4

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

Liderança e Gestão de Equipas

Liderança e Gestão de Equipas Liderança e Gestão de Equipas Procura-se que esta acção seja: prática, que forneça aos participantes soluções facilmente aplicáveis no quotidiano e permitam pilotar com eficácia e optimizar o funcionamento

Leia mais