UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS ANDRÉ HIGINO DE FREITAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS ANDRÉ HIGINO DE FREITAS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS ANDRÉ HIGINO DE FREITAS A VANTAGEM COMPETITIVA DA PETROBRAS NA EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO EM ÁGUAS PROFUNDAS. UMA ABORDAGEM SEGUNDO A METODOLOGIA DE MICHAEL PORTER. SALVADOR 2010

2 ANDRÉ HIGINO DE FREITAS A VANTAGEM COMPETITIVA DA PETROBRAS NA EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO EM ÁGUAS PROFUNDAS. UMA ABORDAGEM SEGUNDO A METODOLOGIA DE MICHAEL PORTER. Trabalho de conclusão de curso, apresentado no curso de Ciências Econômicas da Universidade Federal da Bahia como requisito parcial à obtenção do grau de Bacharel em Ciências Econômicas. Orientador: Prof. M. Sc. Arismar Cerqueira Sodré SALVADOR 2010

3 Ficha catalográfica elaborada por Joana Barbosa Guedes CRB Freitas, André Higino de F866 A vantagem competitiva da Petrobrás na exploração e produção em águas profundas: uma abordagem segundo a metodologia de Michael Porter / André Higino de Freitas. Salvador, f. Trabalho de conclusão de curso (Graduação em Economia) Faculdade de Ciências Econômicas da UFBA, Orientador: Prof. Me. Arismar Cerqueira Sodré. 1. Competitividade. 2. Vantagem competitiva.3. Petrobrás. 4. Tecnologia Petrobrás. I. Freitas, André Higino de. II. Sodré, Arismar Cerqueira. III. Título. CDD

4 ANDRÉ HIGINO DE FREITAS A VANTAGEM COMPETITIVA DA PETROBRAS NA EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO EM ÁGUAS PROFUNDAS. UMA ABORDAGEM SEGUNDO A METODOLOGIA DE MICHAEL PORTER. Aprovada em Julho de Orientador:. Prof. M. Sc. Arismar Cerqueira Sodré Faculdade de Ciências Econômicas da UFBA Prof. M. Antônio Plínio Pires de Moura Faculdade de Ciências Econômicas da UFBA. Prof. Dr. Bouzid Izerrougene Faculdade de Ciências Econômicas da UFBA.

5 RESUMO Este estudo destina-se a explicitar e justificar as vantagens competitivas da Petrobras na exploração e produção de petróleo em águas profundas e ultra profundas. A partir da metodologia de Michael Porter foi possível operacionalizar esse trabalho e perceber que a inserção num cenário mundialmente competitivo foi possível graças ao investimento em tecnologia. Foi observada a vantagem de custos aliada à segurança e produtividade como determinante para um reconhecimento de tecnologia de vanguarda. Destaca-se o trabalho do CENPES combinado com a demanda do departamento de produção da Petrobras e a disponibilidade geológica do Brasil para o alcance de uma tecnologia única. É feita também a comparação entre os principais concorrentes a partir de dados agregados de seus balanços de pagamentos e dos custos de instalação de uma plataforma marítima. Observa-se ainda que uma vantagem nesse nível pode ser alcançada e que a continuidade do investimento em desenvolvimento e criação de tecnologia é fator fundamental para manter-se líder. Com base nessa análise, sugere-se que seja feita uma adaptação à geologia de outras fronteiras exploratórias onde a Petrobras atua. Palavras-chave: Vantagens Competitivas. Petrobras. Offshore. Tecnologia. CENPES.

6 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Quadro 1 - Reservas Provadas de Petróleo 25 Quadro 2 - Comparação do Custo de Desenvolvimento de Alguns Sistemas de Produção Offshore em Águas Profundas 33 Quadro 3 - Custo de uma Plataforma Offshore 33 Figura 1 Distribuição das plataformas offshore ao redor do mundo 45

7 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 7 2 ANTECEDENTES HISTÓRICOS 10 3 A VANTAGEM COMPETITIVA E A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA A VANTAGEM COMPETITIVA DE PORTER A Sustentação da Vantagem de Custos Tecnologia e Vantagem Competitiva A Estrutura Industrial que Conduz a uma Estratégia A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E EMPRESA NA VISÃO SCHUMPETERIANA E NEOSCHUMPETERIANA 18 4 A PETROBRAS E AS VANTAGENS COMPETITIVAS A TRAJETÓRIA TECNOLÓGICA LIMITAÇÕES DA TEORIA DE PORTER E A EXPLICAÇÃO NEOSCHUMPETERIANA CENPES PESQUISA E DESENVOLVIMENTO PARA FORMAR VANTAGEM COMPETITIVA 37 5 CONCLUSÃO 40 REFERENCIAS 42 ANEXOS 45

8 1 INTRODUÇÃO O objetivo deste trabalho é estudar as vantagens competitivas da Petrobras na exploração e produção de petróleo em águas profundas e ultra-profundas com uma visão econômica, utilizando para isso a metodologia de Michael Porter. A Petrobras é uma empresa brasileira que atua no setor integrado de energia. Suas atividades abrangem exploração e produção de petróleo e gás, distribuição, refino de petróleo e gás, petroquímica, geração de energia elétrica, produção de biocombustíveis, transporte e comercialização. A escolha da Petrobras para este trabalho motivou-se pela visibilidade da empresa no exterior. É a 8ª maior empresa global por valor de mercado e a maior do Brasil, segundo a Consultoria Ernst e Young (Julho/2009). No setor de exploração e produção em águas profundas e ultra-profundas, setor offshore, é líder de atuação reconhecido pela Offshore Technology Conference (OTC), através de seu benchmark internacional, que é o OTC Distinguished Achievement Award. (1992 e 2001). A vantagem de assegurar a liderança no mercado é garantir a confiança dos clientes, dos fornecedores e o respeito de seus concorrentes. A Petrobras é a empresa mais eficiente no setor offshore graças ao investimento em tecnologia e desenvolvimento. (FURTADO, 1998). A trajetória tecnológica da Petrobras segue a linha do investimento em tecnologia. (PETROBRAS, 2010c). Isso motivou o estudo da empresa sob a ótica da estratégia empresarial. Michael Porter é reconhecido internacionalmente como o Pai da estratégia e sua teoria abrange empresas e governos que desejam obter ou manter um desempenho superior. Sendo assim, em que medida a vantagem competitiva da Petrobras pode ser explicada segundo a metodologia de Porter? O desafio aqui proposto é analisar como o investimento em tecnologia offshore e a referência da Petrobras em exploração e produção de petróleo e gás em águas profundas se configuram como sendo uma vantagem competitiva na visão de Porter. A hipótese levantada é de que a firma possui a vantagem competitiva proposta por Porter, entretanto a obtenção dessa vantagem não pode ser totalmente explicada por essa teoria, pelo fato da empresa não ter vivido num ambiente concorrencial desde o início, já que o setor em questão era um monopólio assegurado pelo estado.

9 A mudança de estratégia aconteceu após a primeira crise do petróleo. Uma falha no abastecimento energético poderia comprometer o futuro do país e a falta de petróleo era essa falha. Duas estratégias foram adotadas: a criação do Programa de Abastecimento com Álcool Combustível (ProÁlcool) e o Procap 1000, que era o avanço no estudo da exploração e produção de petróleo em águas profundas. É a adversidade gerando desenvolvimento através da superação. O sucesso desse investimento ocorreu após muitos anos de estudo, primeiro com a adaptação de tecnologia estrangeira para as profundidades existentes no país, depois com o desenvolvimento de tecnologia própria e a cada dia com a busca de materiais mais resistentes, seguros, baratos e versáteis. Para permear a análise da firma em destaque será utilizado como referencial os estudos de Porter em estratégia competitiva e vantagens competitivas. E para complementar a lacuna será utilizada a teoria neoschumpeteriana e a teoria evolucionista da firma. A complementação é necessária para entender o estímulo da empresa em desenvolver uma tecnologia inovadora já que vivia num mercado monopolista sem ameaças aparentes. A metodologia utilizada será o estudo de caso da Petrobras no setor offshore com a análise de dados qualitativos. Essa metodologia é em função da decisão de investir em tecnologia e desenvolvimento de uma unidade produtiva própria, em adequação aos recursos e disponibilidade que possuía e não pode ser traduzida simplesmente em números de investimentos e custos de produção. É apresentado no capítulo dois o antecedente histórico da Petrobrás. A intenção é desenhar o cenário em que a empresa esteve inserida e suas principais características. Isso é feito através de sua história, tratada de forma simplificada, onde se revela que a empresa passou a ter um potencial de crescimento após a decisão de investir em tecnologia de ponta. O capítulo três faz referência às teorias econômicas que explicam o fenômeno, ou que fazem alusão à atitude tomada pela Petrobras. Tem por objetivo dar embasamento teórico à análise da firma em investir em tecnologia e alcançar a liderança no setor offshore. São abordadas as teorias de Michael Porter, Joseph Schumpeter e Richard Nelson e Sidney Winter. A teoria de Porter é sobre vantagens competitivas, com foco na vantagem de custos. Schumpeter é empregado para destacar a importância da inovação tecnológica na

10 economia e a participação do empreendedor inovador. A presença de Nelson e Winter é assegurar a coerência da firma em adotar a estratégia de se aprimorar e crescer mesmo sendo a única no mercado. O quarto capítulo é o capítulo crítico, trata da vantagem competitiva da Petrobrás na exploração e produção de petróleo e gás em águas profundas e ultra-profundas com uma tecnologia única para o setor. Destaca a importância do Centro de Pesquisas e Desenvolvimento Leopoldo Américo Miguez de Mello (CENPES) e realiza uma breve análise das principais concorrentes da Petrobras. O objetivo é utilizar o referencial teórico para analisar a Petrobras, colocando em prática o que foi estudado e discutido. Estudar as vantagens competitivas da Petrobrás no setor de exploração offshore segundo a metodologia de Porter é balizar a competitividade da empresa no cenário mundial, confrontando com firmas que utilizam tecnologia de ponta e também buscam uma boa posição de mercado.

11 2 ANTECEDENTES HISTÓRICOS A Petróleo Brasileiro S.A. (Petrobras) foi criada no ano de 1953 através da Lei Nº 2.004, assinada pelo então Presidente da República Getúlio Vargas. Iniciou suas atividades através do acervo do antigo Conselho Nacional do Petróleo (CNP). É uma empresa estatal de economia mista. O Governo do Brasil possui 50% das ações mais uma, com direito a voto, portanto a maioria. Ainda segundo a Lei, a União, através da Petrobras, detinha o monopólio da exploração e produção de petróleo e gás em todo território nacional, além da refinação do óleo bruto nacional e estrangeiro e do transporte marítimo do petróleo bruto nacional e de seus derivados produzidos no país. No início de suas atividades a Petrobras era praticamente uma importadora de petróleo. Possuía poucas jazidas descobertas e um número reduzido em atividade de produção. (PORTAL, 2008a). O ponto crítico, porém não estava na lavra, mas no refino. Os derivados de petróleo eram mais caros do que o óleo bruto e a maioria deles ainda era importada. A marca da empresa é o desafio. Desde o início, na década de 1960, um geólogo americano, Walter Link, funcionário da Petrobras, emitiu um relatório pessimista em relação às reservas terrestres. Ele afirmou que o dispêndio de recursos em programas de exploração era irracional. (PETROBRAS, 2010b). A empresa ignorou o relatório e foi além, passou a buscar petróleo também na plataforma marítima. Em 1961 é criada a primeira refinaria da Petrobras. Em 1968 é criado o Centro de Pesquisas e Desenvolvimento (CENPES), que hoje é o maior centro de pesquisas da América Latina. No mesmo ano é descoberto petróleo no mar, em Sergipe, no Campo de Guaricema. Mesmo com baixa profundidade, 80 metros, lançar-se no mar era um desafio para a Petrobras, porém uma estratégia necessária. (PETROBRAS, 2010c). A primeira plataforma de perfuração construída no Brasil recebeu o nome de P-1 e foi construída no ano de 1968.

12 A Petrobras possui a liderança em mais de um setor. No ano de 1971 foi criada a Petrobras Distribuidora, uma subsidiária da empresa, responsável pela venda de gasolina e outros derivados. Estreou no mercado com uma fatia de 21% e no ano de 1975 já era líder do setor. (PETROBRAS, 2010d) Também é líder em volume de vendas no Brasil de óleos lubrificantes. Lançou em 1973 a marca Lubrax para esse segmento. A primeira Crise do Petróleo ocorreu em 1973 e países de todo o mundo tiveram que adotar medidas para se proteger da escassez do produto. O Brasil adotou duas medidas, o lançamento do Programa de Abastecimento com Álcool Combustível (ProÁlcool) e o investimento ainda maior em tecnologia offshore. Segundo Furtado (1998), parte do desenvolvimento offshore pode ser explicado pelos dois choques do petróleo, já que são medidas de proteção contra a dependência externa da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP). Uma das conseqüências desse investimento ocorreu no ano seguinte com a descoberta da Bacia de Campos, a maior província petrolífera do Brasil, que hoje é responsável por mais de 80% da produção de petróleo. (PETROBRAS, 2010e) A Bacia de Campos está localizada na costa norte do Estado do Rio de Janeiro e se estende até o sul do Espírito Santo. As principais descobertas em nível de quantidade e potencial de produção no país ocorreram nessa região. O Campo gigante de Albacora foi descoberto em 1984 na região da Bacia de Campos, provando a existência de grandes reservatórios em águas profundas, que marcou definitivamente o caminho a ser percorrido pela empresa na exploração e produção de petróleo e gás em águas profundas. E em 1985 ocorreu a descoberta do Campo de Marlim, também na Bacia de Campos, em águas profundas. A maior empresa do país também possui responsabilidade social. Existem investimentos da Petrobras em segmentos como meio ambiente, cultura, educação e nas comunidades onde atua. Alguns desses investimentos chegaram a ser duramente criticados por investidores estrangeiros, mas hoje são uma tendência mundial. (PORTER, 2010)

13 O fim do monopólio de exploração e produção no Brasil ocorreu em 1997 através da Emenda Constitucional nº 9, de 9 de Novembro. A atividade passa a ser regulada pela recém criada Agencia Nacional do Petróleo (ANP). O recorde de profundidade em águas profundas foi quebrado em 2005 com um poço inclinado de metros. Em 2006 é anunciada a autossuficiência de petróleo no Brasil. E em 2009 deu-se início à produção de petróleo abaixo da camada de sal, a era do Pré- Sal.

14 3 A VANTAGEM COMPETITIVA E A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA 3.1 A VANTAGEM COMPETITIVA DE PORTER Vantagem Competitiva ocorre quando a empresa cria e sustenta um desempenho superior. Para criar um desempenho superior as empresas trabalham baseadas numa estratégia. Cada empresa que compete em uma indústria possui uma estratégia competitiva, seja ela explícita ou implícita. Esta estratégia tanto pode ter se desenvolvido explicitamente por meio de um processo de planejamento como ter evoluído implicitamente através das atividades dos vários departamentos funcionais da empresa. (PORTER, 1980, p. 13). Uma estratégia competitiva é o meio para se chegar a uma vantagem competitiva. Entretanto, a vantagem competitiva só se caracteriza como tal se puder ser mantido um desempenho superior. A vantagem competitiva surge fundamentalmente do valor que uma empresa consegue criar para seus compradores e que ultrapassa o custo de fabricação pela empresa. (PORTER, 1985, p. 2). Manter a vantagem competitiva não depende apenas de elaborar uma estratégia eficiente, mas também das possibilidades e capacidades da empresa; e nas possibilidades e capacidades dos concorrentes, utilizando-se do poder de observação para elaborarem suas estratégias. A reação do concorrente pode ser explícita ou implícita. (PORTER, 1980, p. 75). E poderá ser tão eficiente, ou mais, quanto a da firma. (Em alguns casos deve-se levar em consideração quem saiu na frente na implementação da estratégia). Trabalhar a questão das possibilidades através do poder de observação deve ser evoluído também para as regras às quais a empresa está submetida e na sua posição no mercado. Segundo Porter, O primeiro determinante fundamental da rentabilidade de uma empresa é a atratividade da indústria. A estratégia competitiva deve surgir de uma compreensão sofisticada das regras da concorrência que determinam a atratividade de uma indústria. A meta final da estratégia competitiva é lidar com e, em termos ideais, modificar estas regras em favor da empresa. (PORTER, 1985, p. 3).

15 E mais ainda, A segunda questão central em estratégia competitiva é a posição relativa de uma empresa dentro de sua indústria. O posicionamento determina se a rentabilidade de uma empresa está abaixo ou acima da média da indústria. (PORTER, 1985, p. 9). Quanto melhor conhecer o cenário, mais elaborada será a estratégia e mais fácil se manter no topo. Daí, a base fundamental do desempenho acima da média a longo prazo é a vantagem competitiva sustentável. (PORTER, 1985, p. 9) A Sustentação da Vantagem de Custos A vantagem de custos é mais significativa em mercados de concorrência perfeita ou quase perfeita, onde quase não exista diferenciação no produto. Aquela firma que conseguir reduzir os custos de produção obterá lucros maiores, mesmo mantendo a mesma receita. Essa vantagem poderá gerar uma redução no preço por parte da firma que possui a vantagem. A redução no preço gerará uma quebra nas firmas que não conseguirem acompanhar o ritmo do mercado. Haverá concentração no mercado, originando lucros maiores. A vantagem de custo só resultará em um desempenho acima da média, se a empresa conseguir sustentá-la. (PORTER, 1985, p. 103). E a sustentação nesse caso vem das barreiras à entrada de acesso à fonte da redução do custo. Existem casos em que a redução nos custos é mais sustentável do que outras. O modo como a redução nos custos foi alcançado e conseqüentemente gerado uma vantagem competitiva, é, por si só, um fator de sustentação. A seguir quatro situações desse tipo. 1. Quando a redução nos custos é gerada através da escala, o esforço para se alcançar e equiparar é muito alto, pois o concorrente precisa conquistar uma parcela do mercado. Redução de custo em função da escala gera uma vantagem competitiva que por si só já é uma barreira à entrada, auto-sustentável. 2. A inter-relação com indústrias afins permite uma cooperação mútua e fortalece o comensalismo saudável. Essa estabilidade gera acordos e parcerias que podem baratear a produção. Essa operação resultará em uma redução de custo sustentável e difícil de imitar.

16 3. A existência de Elos é semelhante à inter-relação, mas é feito dentro da cadeia de valores, e não com indústrias correlatas. Os elos permitem um controle maior à montante e à jusante na produção. 4. Quando a indústria desenvolve um método próprio de reduzir os custos, ela pode atingir a liderança, mas vale ressaltar que só é considerada vantagem competitiva se ela puder manter esse desempenho superior. A aprendizagem patenteada é justamente a forma de sustentar a vantagem competitiva obtida na prática. Tratase do registro e proteção do novo método. Com a existência da patente fica mais difícil (quase impossível) copiar. Inovações no processo são em geral mais sustentáveis do que inovações nos produtos, porque é mais fácil manter segredo. (PORTER, 1985, p. 103). Se existe mais de uma maneira de se obter vantagem competitiva, a explicação para o enfoque na sustentação da vantagem de custos se deve ao investimento pesado em tecnologia. No caso da Petrobras, o investimento offshore feito pela empresa gera uma benfeitoria de exploração e produção de petróleo em águas profundas. Uma nova tecnologia em geral envolve vantagem de custo. (PORTER, 1985, p. 96). Para a Petrobrás, o desenvolvimento da tecnologia offshore, com a árvore de natal semisubmersível e um sistema de armazenagem ainda em alto-mar, tornou o processo mais rápido e seguro e, conseqüentemente, mais barato. A desvantagem do setor offshore em relação ao onshore é que para explorar petróleo em alto-mar ainda é necessário observar o custo em relação ao preço corrente do óleo bruto, para um estudo de rentabilidade Tecnologia e Vantagem Competitiva A tecnologia afeta a vantagem competitiva se tiver um papel significativo na determinação da posição do custo relativo ou da diferenciação. (Porter, 1985, pg. 157). Ou seja, a tecnologia por si só não é fato gerador de vantagem competitiva, entretanto a utilização de tecnologia que propicie uma economia dos recursos, melhor utilização dos insumos, ou mesmo manter os mesmos valores absolutos de custos com um aumento da

17 produtividade, contribui de forma significativa para a formação ou sustentação da vantagem competitiva de custos. Da mesma forma, um incremento tecnológico que diferencie a utilização do produto, ou a quem ele se destina, gera e/ou sustenta uma vantagem de enfoque na diferenciação. Em geral, a tecnologia que pode ser empregada em uma atividade de valor é o resultado de outros condutores como escala, oportunidade ou inter-relações. Por exemplo, a escala permite equipamento de montagem automático de alta velocidade, enquanto uma oportunidade antecipada permitiu que algumas companhias de eletricidade utilizassem a força da água enquanto ainda havia locais disponíveis. Nestes casos a tecnologia não é a fonte da vantagem competitiva, mas sim um resultado de outras vantagens. (PORTER, 1985, p ). A Petrobrás desenvolveu a melhor tecnologia de exploração de petróleo em águas profundas. Oitenta e dois por cento das reservas petrolíferas do Brasil estão em alto-mar. Essas informações seqüenciadas dessa forma, somado à afirmação de Porter, leva a crer que adaptar a tecnologia offshore para águas cada vez mais profundas (fazendo assim um incremento tecnológico inovador) é o resultado de outro condutor, que é a disponibilidade de reservas de petróleo em águas profundas. Entretanto, essa disponibilidade não é uma vantagem comparativa clássica de Smith. A dificuldade de acesso à essas reservas é tão grande e sua manutenção tão cara e arriscada, que chega a ser uma desvantagem comparativa. Desvantagem essa que foi superada com uma tecnologia que aumentou a produtividade, tornou o processo mais seguro e mais barato, e que combinado a um preço elevado da commodity, transformou a exploração de petróleo em águas profundas viável e rentável. Considerando que o avanço tecnológico propiciou a vantagem competitiva, ou mesmo foi a causa, sustentar essa tecnologia é importante para sustentar a vantagem. Segundo Porter, a liderança tecnológica é favorecida caso possa ser sustentada porque (...) os concorrentes não tem condições de comprar a tecnologia ou (...) a empresa inova com a mesma rapidez ou mais rápido do que a concorrência consegue acompanhar. (PORTER, 1985, p. 169). Ou seja, é mais fácil sustentar essa tecnologia se, além de inovadora, ela for única. A sustentabilidade de uma liderança tecnológica é uma função de quatro fatores:

18 1. A fonte da transformação tecnológica. De onde está vindo grande parte da tecnologia, de dentro da firma, ou de fornecedores externos. Caso uma importante parcela da nova tecnologia esteja sendo gerada de fontes externas à firma (fornecedores, terceirizados) fica difícil manter a liderança tecnológica. (PORTER, 1985). 2. A presença ou a ausência de uma vantagem sustentável de custo ou diferenciação na atividade de desenvolvimento da tecnologia. Isto é, a tecnologia associada a uma redução nos custos é mais plausível de manter do que uma tecnologia que não faça isso. Do mesmo modo, se gerar uma diferenciação. Quando a inovação tecnológica não acompanha uma vantagem competitiva, há pouco estímulo à sua continuação. (PORTER, 1985). 3. Qualificações tecnológicas relativas. Uma empresa com qualificações tecnológicas singulares frente à concorrência tem mais possibilidades de sustentar sua liderança tecnológica do que uma empresa com uma administração, instalações e pessoa de P&D comparáveis aos dos concorrentes. (PORTER, 1985, p. 171). 4. Índice de difusão de tecnologia. O fato de alcançar o topo tecnológico não dura muito tempo e é facilmente anulado se os concorrentes puderem imitar. A sustentação de líder tecnológico é inversamente proporcional à capacidade do concorrente em imitar. Mas, a probabilidade de manter sofisticações patenteadas é maior, sobretudo quando baseadas em aperfeiçoamentos no processo. (PORTER, 1985, p. 172) A Estrutura Industrial que Conduz a uma Estratégia A escolha de uma estratégia, tal como a sua sustentação e a melhor hora de aplicá-la, dependem da capacidade organizacional da empresa e do ambiente no qual ela está inserida. Admitindo um ambiente competitivo, Porter afirma:..., a concorrência em uma indústria tem raízes em sua estrutura econômica básica e vai bem além do comportamento dos atuais concorrentes. O grau de concorrência em uma indústria depende de cinco forças competitivas básicas... (PORTER, 1980, p. 22).

19 As cinco forças são: ameaça de entrada, intensidade da rivalidade entre os concorrentes existentes, pressão dos produtos substitutos, poder de negociação dos compradores e poder de negociação dos fornecedores. 1. A ameaça de entrada é assim chamada pois põe em perigo uma parcela de mercado que pertence às firmas já existentes. A ameaça de entrada é potencialmente perigosa em mercados que possuem barreiras à entrada e onde a permanência da carteira de clientes faz a diferença. Se as barreiras são altas, o recém-chegado pode esperar retaliação acirrada dos concorrentes na defensiva. (PORTER, 1980, p. 25). 2. A intensidade da rivalidade entre os concorrentes existentes é a forma clássica de disputa de mercado.... com o uso de táticas como concorrência de preços, batalhas de publicidade, introdução de produtos e aumento dos serviços ou das garantias ao cliente. (PORTER, 1980, p. 34). A intensidade da concorrência vai influenciar no comportamento da firma. Quanto mais acirrada a disputa maiores serão os esforços para alcançar a liderança. 3. Pressão dos produtos substitutos são tão perigosos e influentes para a firma quanto a ameaça de novos entrantes, com um agravante, a potencialidade de desenvolver produtos substitutos limita um possível aumento de preços. Quando os concorrentes elaboram novos produtos, a firma que não se atualiza será prejudicada devido à preferência do público pela novidade. 4. O poder de negociação dos compradores influencia diretamente a batalha pela liderança de mercado. Principalmente porque os compradores competem com a indústria forçando os preços para baixo, barganhando por melhor qualidade ou mais serviços e jogando os concorrentes uns contra os outros. (PORTER, 1980, p ). 5. O poder de negociação dos fornecedores pode ser o fator decisivo no alcance da liderança. Fornecedores poderosos podem conseqüentemente sugar a

20 rentabilidade de uma indústria incapaz de repassar os aumentos de custos em seus próprios preços. (PORTER, 1980, p. 43). Essas cinco forças devem ser analisadas durante a montagem de uma estratégia competitiva, pois se uma ou mais forças forem intensamente presentes, serão necessárias mais de uma estratégia. Os elementos aqui trabalhados são instrumentos para uma análise mais detalhada de qualquer indústria que atua em um mercado competitivo. Tal como a análise das cinco forças possibilita uma melhor escolha da estratégia a ser adotada, ela possibilita também entender porque tal estratégia foi adotada. As possibilidades são muitas e os caminhos diversos. Em um mercado competitivo e com intensidade de rivalidade grande, uma redução nos custos (se puder ser sustentada) é uma estratégia que levará ao alcance da liderança do setor. Por sua vez, caso a estratégia adotada seja a diferenciação do produto, o resultado não será diferente, observando o aumento na rentabilidade. Quando o poder de barganha do fornecedor vislumbra como algo impeditivo de novas possibilidades, a aliança com seus concorrentes para compras de matérias primas em grande quantidade passa a ser uma boa alternativa, uma boa estratégia. Em relação ao poder de barganha do comprador, existem duas possibilidades de alternativa: segregar o mercado, dando enfoque na diferenciação do produto em relação ao consumidor final. Por exemplo, o mercado de fronhas de travesseiro, o fabricante terá mais êxito se direcionar o produto com temáticas infantis ou temáticas de amor para camas de casal. A outra alternativa é buscar novos mercados em outras cidades ou regiões. Para se defender da ameaça de novos produtos, uma boa estratégia é a antecipação. Através de novas tecnologias, investimento em pesquisa e desenvolvimento, realizar inovações incrementais ou inovações estruturais antes dos concorrentes. Como foi visto anteriormente, a tecnologia por si só não é um gerador de vantagem competitiva, mas se

21 essa tecnologia propicia através da inovação uma diferenciação no produto, ou no seu modo de fazer, aí sim poderá gerar uma vantagem competitiva. Uma boa estratégia para a ameaça de novos entrantes no mercado são as barreiras á entrada. As barreiras à entrada são mecanismos que impedem a livre entrada de novos concorrentes no mercado, seja através da legislação, seja através do alto custo de investimento ou produção em escala. Em mercados que exigem produção em escala, cada concorrente possui sua parcela no mercado e um novo concorrente implicaria em mais uma fatia fracionada. 3.2 A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A EMPRESA NA VISÃO SCHUMPETERIANA E NEOSCHUMPETERIANA A metodologia de Michael Porter para análise das vantagens competitivas é baseado nas evidências de um desempenho superior e na estratégia para atingir esse resultado. As evidências são obtidas identificando que tipo de vantagem competitiva a firma, ou Estado, possui. A estratégia é escolhida baseando-se nas cinco forças que atuam sobre a firma. A estratégia escolhida pela Petrobrás foi o investimento em tecnologia offshore e o tipo de vantagem competitiva obtida foi o enfoque nos custos de produção e exploração em águas profundas e ultra-profundas. A inovação tecnológica utilizada como quebra de paradigma industrial galgando novas posições de mercado já foi abordada por economistas, administradores e engenheiros, mas ganhou destaque nos escritos de Joseph Schumpeter. Schumpeter foi um dos poucos a ter embasamento para criticar Keynes, ao afirmar que a teoria geral não era tão geral assim. Ele deu forma à Teoria dos Ciclos Econômicos. Mas, sua maior contribuição para a teoria econômica foi introduzir a inovação tecnológica como forma de alcance em novas posições de mercado.

Nota técnica produzida para o projeto Cresce Brasil + Engenharia + Desenvolvimento

Nota técnica produzida para o projeto Cresce Brasil + Engenharia + Desenvolvimento Nota técnica produzida para o projeto Cresce Brasil + Engenharia + Desenvolvimento Agosto/2009 SDS Edifício Eldorado salas 106/109 CEP 70392-901 Brasília DF Telefax: (61) 3225-2288 E-mail: fneng@fne.org.br

Leia mais

COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca. Produção energética no Brasil: Etanol, Petróleo e Hidreletricidade

COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca. Produção energética no Brasil: Etanol, Petróleo e Hidreletricidade COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca Produção energética no Brasil: Etanol, Petróleo e Hidreletricidade Etanol A produção de álcool combustível como fonte de energia deve-se

Leia mais

Inovação Aberta na Petrobras

Inovação Aberta na Petrobras Inovação Aberta na Petrobras Open Innovation Seminar São Paulo, 12 de Novembro de 2012 Maria Cristina Espinheira Saba Gerente de Estratégia Tecnológica Centro de Pesquisas e Desenvolvimento (CENPES) Motivadores

Leia mais

1. Informações Institucionais

1. Informações Institucionais 1. Informações Institucionais Nossa Empresa Líder mundial em eventos de negócios e consumo, a Reed Exhibitions atua na criação de contatos, conteúdo e comunidades com o poder de transformar negócios Números

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Odebrecht Mobilidade: mais investimentos em transporte público

Odebrecht Mobilidade: mais investimentos em transporte público nº 345 novembro 2014 Odebrecht Mobilidade: mais investimentos em transporte público Odebrecht 70 anos: histórico e perspectivas em Óleo e Gás Foz Saneatins passa a se chamar Odebrecht Ambiental Saneatins

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

NAGI PG. As Oportunidades do Pré-sal: Como minha indústria pode participar deste mercado. Eng. Virgilio Calças Filho Sorocaba 27/02/2014

NAGI PG. As Oportunidades do Pré-sal: Como minha indústria pode participar deste mercado. Eng. Virgilio Calças Filho Sorocaba 27/02/2014 NAGI PG NÚCLEO DE APOIO À GESTÃO DA INOVAÇÃO NA CADEIA DE PETRÓLEO E GÁS As Oportunidades do Pré-sal: Como minha indústria pode participar deste mercado Eng. Virgilio Calças Filho Sorocaba 27/02/2014 Em

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

Plano Estratégico Petrobras 2030 e Plano de Negócios e Gestão 2014 2018

Plano Estratégico Petrobras 2030 e Plano de Negócios e Gestão 2014 2018 Plano Estratégico Petrobras 2030 e Plano de Negócios e Gestão 2014 2018 A Petrobras comunica que seu Conselho de Administração aprovou o Plano Estratégico Petrobras 2030 (PE 2030) e o Plano de Negócios

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais

A autossuficiência brasileira

A autossuficiência brasileira Fonte: Estadão Online 09/11/07, 18h25 Por Daniel Lima Transcrito por RH para o Site do GDPAPE Grupo em Defesa dos Participantes da Petros História: A Exploração do Petróleo no Brasil Das primeiras perfurações

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Exportações de açúcar da empresa devem aumentar 86% na safra 2009/2010 A Copersucar completa

Leia mais

MENSAGEM DA ADMINISTRAÇÃO A QGEP Participações iniciou o ano de 2011 com uma sólida posição financeira. Concluímos com sucesso a nossa oferta pública inicial de ações em fevereiro, com uma captação líquida

Leia mais

Sicredi aprimora monitoramento de data center com o CA Data Center Infrastructure Management

Sicredi aprimora monitoramento de data center com o CA Data Center Infrastructure Management CUSTOMER SUCCESS STORY Sicredi aprimora monitoramento de data center com o CA Data Center Infrastructure Management PERFIL DO CLIENTE Indústria: Serviços Financeiros Empresa: Sicredi Funcionários: 12.000+

Leia mais

Certificação de Conteúdo Local Serviços de Petróleo e Gás

Certificação de Conteúdo Local Serviços de Petróleo e Gás Certificação de Conteúdo Local Serviços de Petróleo e Gás O que é? Conteúdo Local é a relação entre o valor dos bens produzidos e serviços prestados no país para executar o contrato e o valor total dos

Leia mais

Repensando a matriz brasileira de combustíveis

Repensando a matriz brasileira de combustíveis 1 Repensando a matriz brasileira de combustíveis Marcos Sawaya Jank Conselheiro do CDES A matriz energética brasileira se destaca pela grande incidência de fontes renováveis... Ao longo desta década, a

Leia mais

OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A

OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A INDÚSTRIA DO PETRÓLEO Ricardo de Gusmão Dornelles Diretor do Departamento de Combustíveis Renováveis Jun/2009 MATRIZ ENERGÉTICA MUNDIAL E NACIONAL - 2008 54,9 45,1 Brasil (2008)

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

Workshop Sistema Indústria Núcleos de Petróleo e Gás nos Estados

Workshop Sistema Indústria Núcleos de Petróleo e Gás nos Estados Workshop Sistema Indústria Núcleos de Petróleo e Gás nos Estados Maurício Reis Santos AIB/DECAPEG Área de Insumos Básicos Departamento da Cadeia Produtiva de Petróleo e Gás DEMANDA POR PETRÓLEO: aumento

Leia mais

)('(5$d 2 Ô1,&$ '26 3(752/(,526. )LOLDGD j. 3RVLFLRQDPHQWR GD )HGHUDomR ÔQLFD GRV 3HWUROHLURV )83 )UHQWH j 6H[WD 5RGDGD GH /LFLWDomR GD $13

)('(5$d 2 Ô1,&$ '26 3(752/(,526. )LOLDGD j. 3RVLFLRQDPHQWR GD )HGHUDomR ÔQLFD GRV 3HWUROHLURV )83 )UHQWH j 6H[WD 5RGDGD GH /LFLWDomR GD $13 3RVLFLRQDPHQWR GD )HGHUDomR ÔQLFD GRV 3HWUROHLURV )83 )UHQWH j 6H[WD 5RGDGD GH /LFLWDomR GD $13 O comportamento dos preços do petróleo no mercado externo nos últimos meses, quando o barril atingiu seu

Leia mais

Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014

Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014 1 Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014 O Conselho de Administração aprovou o Plano de Negócios 2010-2014, com investimentos totais de US$ 224 bilhões, representando a média de US$ 44,8 bilhões

Leia mais

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 1 Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 Entrevistador- Como o senhor vê a economia mundial e qual o posicionamento do Brasil, após quase um ano da quebra do

Leia mais

Willis Latin American Energy Conference

Willis Latin American Energy Conference Willis Latin American Energy Conference Planejamento Financeiro e Gestão de Riscos outubro 2012 Cátia Diniz Gerente Setorial de Seguros Internacionais Estas apresentações podem conter previsões acerca

Leia mais

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Resenha Desenvolvimento / Economia e Comércio Raphael Rezende Esteves 22 de março de 2007 1 Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

Pré-sal, Desenvolvimento Industrial e Inovação

Pré-sal, Desenvolvimento Industrial e Inovação Pré-sal, Desenvolvimento Industrial e Inovação André Tosi Furtado Departamento de Política Científica e Tecnológica Instituto de Geociências UNICAMP VIII Congresso Brasileiro de Planejamento Energético

Leia mais

Soluções Integradas em Petróleo, Gás e Energia BRASIL

Soluções Integradas em Petróleo, Gás e Energia BRASIL BRASIL O Brasil possui uma economia sólida, construída nos últimos anos, após a crise de confiança que o país sofreu em 2002, a inflação é controlada, as exportações sobem e a economia cresce em ritmo

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO PMI PULSO DA PROFISSÃO RELATÓRIO DETALHADO GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO Destaques do Estudo As organizações mais bem-sucedidas serão aquelas que encontrarão formas de se diferenciar. As organizações estão

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico CUSTOMER SUCCESS STORY Abril 2014 Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico PERFIL DO CLIENTE Indústria: Mídia Companhia: Valor Econômico Funcionários:

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES O modelo tradicional do setor elétrico estruturado através de monopólios naturais verticalizados foi a principal forma de provisionamento de energia elétrica no mundo

Leia mais

Usada originalmente na área militar, esta palavra hoje é bastante usada na área de negócios.

Usada originalmente na área militar, esta palavra hoje é bastante usada na área de negócios. Usada originalmente na área militar, esta palavra hoje é bastante usada na área de negócios. A palavra vem do grego strátegos, que significa "a arte do general". Arte militar de escolher onde, quando e

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi

GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA QUALIDADE GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi MARÇO/2010

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques

A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques "O plano de negócios é o cartão de visitas do empreendedor em busca de financiamento". (DORNELAS, 2005) A partir

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO

PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO 1 Paulo Bastos Tigre Professor titular Instituto de Economia da UFRJ Seminário Implementando uma cultura de inovação em P&D. São Paulo, 8 julho 2010 PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO Conceitos de inovação

Leia mais

INOVAR com SUSTENTABILIDADE ENERGIA IBERO-AMERICANA 2050

INOVAR com SUSTENTABILIDADE ENERGIA IBERO-AMERICANA 2050 INOVAR com SUSTENTABILIDADE ENERGIA IBERO-AMERICANA 2050 Lisboa, 26 de Novembro 2009 1. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA 2. MOBILIDADE SUSTENTÁVEL 3. EXPLORAÇÃO & PRODUÇÃO 4. DOUTORAMENTO EM MEIO EMPRESARIAL 5. OPEN

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil 2º Workshop Platec E&P Onshore - Sondas de Perfuração e Workover - Equipamentos

Leia mais

A costa da África pode ser um foco da indústria no futuro próximo;

A costa da África pode ser um foco da indústria no futuro próximo; Fleury Pissaia * Entre 2011 e 2015, investimento previsto no setor industrial é de R$ 600 bilhões. Desse montante, indústria do petróleo representa 62%. No mesmo período, R$ 750 bilhões serão alocados

Leia mais

20 de agosto de 2013. Xisto muda geopolítica da energia

20 de agosto de 2013. Xisto muda geopolítica da energia 20 de agosto de 2013 Xisto muda geopolítica da energia A "revolução do xisto" em curso nos Estados Unidos, que já despertou investimento de US$ 100 bilhões na indústria americana, vai resultar em uma nova

Leia mais

Brasil não pode emperrar pré-sal, diz presidente do World Petroleum Council Qua, 19 de Setembro de 2012 08:08

Brasil não pode emperrar pré-sal, diz presidente do World Petroleum Council Qua, 19 de Setembro de 2012 08:08 Dirigindo uma das principais entidades de petróleo do mundo, o World Petroleum Council, mas também presidente da brasileira Barra Energia, Renato Bertani acha que o Brasil não pode se dar ao luxo, como

Leia mais

PARTE III Introdução à Consultoria Empresarial

PARTE III Introdução à Consultoria Empresarial FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

Top de Marketing 2005

Top de Marketing 2005 Top de Marketing 2005 :: Introdução :: Responsabilidade Social e Ambiental :: Imagem :: Investimentos Introdução Cadeia da Petrobras - Resumo Cliente (ex.: Posto) Organograma Missão e Visão MISSÃO Atuar

Leia mais

PLATAFORMAS MARÍTIMAS Desenvolvimento das estruturas offshore Plataformas Fixas Parte 1

PLATAFORMAS MARÍTIMAS Desenvolvimento das estruturas offshore Plataformas Fixas Parte 1 PLATAFORMAS MARÍTIMAS Desenvolvimento das estruturas offshore Plataformas Fixas Parte 1 INTRODUÇÃO Com o declínio das reservas onshore e offshore em águas rasas, a exploração e produção em águas profundas

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF Brasília, 10 de agosto de 2012. Assunto: Contribuição à Consulta Pública nº

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

A rede de franquias nº 1 em produtividade do mundo

A rede de franquias nº 1 em produtividade do mundo FRANQUIA A rede de franquias nº 1 em produtividade do mundo A rede de franquia com maior volume de vendas nos EUA. (Real Trends 500 2011) Primeiro sistema de franquias imobiliárias da América do Norte

Leia mais

O que é Benchmarking?

O que é Benchmarking? BENCHMARKING Sumário Introdução Conhecer os tipos de benchmarking Aprender os princípios do bechmarking Formar a equipe Implementar as ações Coletar os benefícios Exemplos Introdução O que é Benchmarking?

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Modelos de Jogos: representando uma situação de interação estratégica

Modelos de Jogos: representando uma situação de interação estratégica Modelos de Jogos: representando uma situação de interação estratégica Para se aplicar a Teoria dos Jogos em situações reais, é preciso em primeiro lugar saber como modelar esses processos e como analisá-los,

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que ANEXO II Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui registro em base de patentes brasileira. Também serão considerados caráter inovador para este Edital os registros de patente de domínio público

Leia mais

FEDERAÇÃO ÚNICA DOS PETROLEIROS

FEDERAÇÃO ÚNICA DOS PETROLEIROS A FUP defende Mudanças Imediatas no Marco Regulatório da Indústria de Exploração, Produção e Comercialização de Petróleo e Gás Natural no Brasil Documento final aprovado pela primeira reunião do Conselho

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DO ÁLCOOL - PROÁLCOOL

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DO ÁLCOOL - PROÁLCOOL UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DO ÁLCOOL - PROÁLCOOL Cintia de Souza Oliveira 8662479 Karina Siqueira 8658676 Verônica Carvalho

Leia mais

O Processo De Melhoria Contínua

O Processo De Melhoria Contínua O Processo De Melhoria Contínua Não existe mais dúvida para ninguém que a abertura dos mercados e a consciência da importância da preservação do meio ambiente e a se transformaram em competitividade para

Leia mais

ANEXO XII ATIVIDADES NÃO REALIZADAS POR RESTRIÇÃO DE PESSOAL E DE ORÇAMENTO

ANEXO XII ATIVIDADES NÃO REALIZADAS POR RESTRIÇÃO DE PESSOAL E DE ORÇAMENTO ANEXO XII ATIVIDADES NÃO REALIZADAS POR RESTRIÇÃO DE PESSOAL E DE ORÇAMENTO ANEXO XII ATIVIDADES NÃO REALIZADAS POR RESTRIÇÃO DE PESSOAL E DE ORÇAMENTO QUADRO 1 Atividades a não serem realizadas por restrição

Leia mais

RELIABLE INNOVATION PERSONAL SOLUTIONS

RELIABLE INNOVATION PERSONAL SOLUTIONS RELIABLE INNOVATION PERSONAL SOLUTIONS PT COMO UM FORNECEDOR GLOBAL DE SOLUÇÕES PARA A PRODUÇÃO, TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DE REDE ELÉTRICA, CONTRIBUÍMOS PARA UMA UTILIZAÇÃO RESPONSÁVEL E SUSTENTÁVEL DE

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer A demanda crescente nos mercados interno e externo por combustíveis renováveis, especialmente o álcool, atrai novos investimentos para a formação

Leia mais

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO 1 DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO Cesar Simões Salim Professor e Autor de livros de empreendedorismo cesar.salim@gmail.com Visite meu blog: http://colecaoempreendedorismo.blogspot.com/

Leia mais

O desenvolvimento da indústria fornecedora de bens e serviços para petróleo e gás no Brasil e o BNDES

O desenvolvimento da indústria fornecedora de bens e serviços para petróleo e gás no Brasil e o BNDES Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social O desenvolvimento da indústria fornecedora de bens e serviços para petróleo e gás no Brasil e o BNDES 20.10.2009 Luciano Coutinho Mensagem Inicial Pré-sal:

Leia mais

Pesquisa e Desenvolvimento que geram avanços

Pesquisa e Desenvolvimento que geram avanços P&D O compromisso das empresas com o desenvolvimento sustentável por meio da energia limpa e renovável será demonstrado nesta seção do relatório. Nela são disponibilizados dados sobre a Pesquisa, Desenvolvimento

Leia mais

CURSO ONLINE: A DEMANDA E A OFERTA

CURSO ONLINE: A DEMANDA E A OFERTA CURSO ONLINE: A DEMANDA E A OFERTA 2 Adam Smith (filósofo e economista) A base histórica da Demanda e a Oferta é iniciada através do pensamento da Escola Clássica (liberalismo econômico). Seu principal

Leia mais

O DESAFIO DOS EXECUTIVOS

O DESAFIO DOS EXECUTIVOS COACHING EXECUTIVO O DESAFIO DOS EXECUTIVOS Os executivos das empresas estão sujeitos a pressões crescentes para entregarem mais e melhores resultados, liderando as suas organizações através de mudanças

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

DEBATES FUCAPE F U C A P E. Quebra de Monopólio e Aumento da Produtividade: Lições da Indústria de Petróleo no Brasil. Editorial.

DEBATES FUCAPE F U C A P E. Quebra de Monopólio e Aumento da Produtividade: Lições da Indústria de Petróleo no Brasil. Editorial. F U C A P E DEBATES Editorial Em 1995 o monopólio da Petrobras no setor de petróleo foi legalmente quebrado. Mais de 10 anos depois ela continua controlando quase 1 0 0 % d o m e r c a d o d e extração

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

O Supply Chain Evoluiu?

O Supply Chain Evoluiu? O Supply Chain Evoluiu? Apresentação - 24º Simpósio de Supply Chain & Logística 0 A percepção de estagnação do Supply Chain influenciada pela volatilidade do ambiente econômico nos motivou a entender sua

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade

Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade Nivalde J. de Castro 1 Guilherme de A. Dantas 2 A indústria sucroalcooleira brasileira passa por um intenso processo de fusões

Leia mais

O papel do CRM no sucesso comercial

O papel do CRM no sucesso comercial O papel do CRM no sucesso comercial Escrito por Gustavo Paulillo Você sabia que o relacionamento com clientes pode ajudar sua empresa a ter mais sucesso nas vendas? Ter uma equipe de vendas eficaz é o

Leia mais

Northern Telecom Ltd (Nortel). Isto devido ao seu atraso na substituição da tecnologia analógica pela digital.

Northern Telecom Ltd (Nortel). Isto devido ao seu atraso na substituição da tecnologia analógica pela digital. MOTOROLA A empresa alcançou um faturamento global da ordem de US$ $37.6 bilhões em 2000. É líder mundial em sistemas e serviços eletrônicos avançados. Atuando de maneira globalizada em 45 países, mais

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 1.013, DE 2011 Dispõe sobre a fabricação e venda, em território nacional, de veículos utilitários movidos a óleo diesel, e dá

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa em Engenharia

Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa em Engenharia Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa em Engenharia Pós-Graduação Stricto Sensu Pós-Graduação Lato Sensu Extensão Graduação Diagnósticos Tecnológicos Soluções de Problemas Empresariais

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

FEDERAÇÃO ÚNICA DOS PETROLEIROS

FEDERAÇÃO ÚNICA DOS PETROLEIROS 1 A emancipação dos trabalhadores será obra dos próprios trabalhadores PAUTA POLÍTICA DA EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Karl Marx Iniciamos nossa pauta unificada de reivindicações com a apresentação da proposta

Leia mais

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA.

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. A CompuStream, empresa especializada em desenvolvimento de negócios, atua em projetos de investimento em empresas brasileiras que tenham um alto

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 é uma competição interna da Laureate International

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Conteúdo Local na Construção Naval e Offshore Brasileira: O papel da ANP

Conteúdo Local na Construção Naval e Offshore Brasileira: O papel da ANP Conteúdo Local na Construção Naval e Offshore Brasileira: O papel da ANP Coordenadoria de Conteúdo Local Marintec South America / 12ª Navalshore, 12/08/15 A Política de Conteúdo Local Definição: Política

Leia mais

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Iniciativas Globais Aliança do Setor Privado para a Redução do

Leia mais

A Mobilização Empresarial pela Inovação: 25/05/2011

A Mobilização Empresarial pela Inovação: 25/05/2011 A Mobilização Empresarial pela Inovação: Desafios da Inovação no Brasil Rafael Lucchesi Rafael Lucchesi 25/05/2011 CNI e vários líderes empresariais fizeram um balanço crítico da agenda empresarial em

Leia mais

cada fator e seus componentes.

cada fator e seus componentes. 5 CONCLUSÃO Conforme mencionado nas seções anteriores, o objetivo deste trabalho foi o de identificar quais são os fatores críticos de sucesso na gestão de um hospital privado e propor um modelo de gestão

Leia mais

4 O CASO PETROBRAS 4.1 HISTÓRICO DA PETROBRAS

4 O CASO PETROBRAS 4.1 HISTÓRICO DA PETROBRAS 4 O CASO PETROBRAS 4.1 HISTÓRICO DA PETROBRAS A Petrobras foi criada em 3 de outubro de 1953, pela Lei 2.004, assinada pelo então presidente Getúlio Vargas, em meio a um ambiente de descrédito em relação

Leia mais