MARKETING DE RELACIONAMENTO: um estudo de caso na Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Cafelândia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MARKETING DE RELACIONAMENTO: um estudo de caso na Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Cafelândia"

Transcrição

1 0 UNISALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Administração Amanda Kelly da Silva Quézia Cristina Rocha Vanessa Aparecida da Silva Campos MARKETING DE RELACIONAMENTO: um estudo de caso na Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Cafelândia LINS SP 2010

2 1 AMANDA KELLY DA SILVA QUÉZIA CRISTINA ROCHA VANESSA APARECIDA DA SILVA CAMPOS MARKETING DE RELACIONAMENTO: Um estudo de caso na Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Cafelândia. Trabalho de Conclusão de curso apresentado à Banca Examinadora do Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium, curso de Administração sob orientação da Profª M. Sc. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame e orientação técnica da Profª Esp. Ana Beatriz Lima. LINS SP 2010

3 2 Silva, Amanda Kelly; Rocha, Quézia Cristina; Campos, Vanessa Aparecida da Silva. S578m Marketing de relacionamento: um estudo de caso na Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Cafelândia / Amanda Kelly da Silva; Quézia Cristina Rocha; Vanessa Aparecida da Silva Campos. Lins, p. il. 31cm. Monografia apresentada ao Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium UNISALESIANO, Lins-SP, para graduação em Administração, Orientadores: Máris de Cássia Ribeiro Vendrame; Ana Beatriz Lima 1. Marketing de Relacionamento. 2. Clientes. 3. Satisfação. I Título. CDU 658

4 3 AMANDA KELLY DA SILVA QUÉZIA CRISTINA ROCHA VANESSA APARECIDA DA SILVA CAMPOS MARKETING DE RELACIONAMENTO: Um estudo de caso na Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Cafelândia. Monografia apresentada ao Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium, para obtenção do título de Bacharel em Administração. Aprovada em: / / Banca Examinadora: Profª Orientadora: Máris de Cássia Ribeiro Vendrame Titulação: Mestre em Administração pela Universidade Metodista de Piracicaba UNIMEP. Assinatura: 1º Prof (a): Titulação: Assinatura: 2º Prof (a): Titulação: Assinatura:

5 4 DEDICATÓRIA Dedico este trabalho, principalmente a Deus que está presente em todos os momentos de minha vida e que me concedeu o dom da vida e força necessária para realizar este curso, conquistar meus sonhos e superar os obstáculos. A minha família pelo amor, compreensão e dedicação. Ao meu futuro esposo Willian pela força que me deu nos momentos difíceis. Aos professores, pela paciência e dedicação no esclarecimento de dúvidas e conhecimento transmitido, pois sem eles não seria possível chegar até aqui. A minha querida sobrinha Nátali que mesmo pequenininha tem me proporcionado muita força e alegria para seguir em frente com seu sorriso gostoso e verdadeiro. Aos amigos que estão sempre por perto, dividindo alegrias e tristezas, em especial a minha prima Priscila que amo muito e que é minha amiga e companheira para qualquer hora. As minhas amigas de TCC, Quézia e Vanessa que neste tempo de muitas preocupações, aprendemos que precisamos muito uma da outra, repartimos as dores, dividimos as alegrias e multiplicamos a paciência. A força transmitida, a garra, o amor e o trabalho em equipe nos fez vencedoras, para dizer: missão cumprida, mais uma etapa vencida. Amanda

6 5 Dedico essa conquista a meus pais Aparecida e José, pessoas incríveis que me ensinaram tudo o que sei, principalmente a valorizar e respeitar as pessoas. A meu irmão, amigo e companheiro Lucas... Àquele que faz meu coração bater mais forte... a você amor!!! Aos amigos, familiares e a todas as pessoas que torceram por mim, me incentivaram e me ofereceram seus melhores sorrisos. Saibam que vocês ocupam um lugar especial no meu coração!! Quézia

7 6 Dedico para as pessoas que fazem parte da minha vida. Aos meus familiares, ao meu esposo, aos amigos, aos professores, enfim, á todos que participam direta ou indiretamente da minha história. Para aqueles que me deram uma força quando eu não estava muito animada, para as pessoas que me aconselharam quando passei por grandes dificuldades, para as que torciam por mim e me encorajavam a enfrentar os obstáculos e para aqueles que sempre tiveram por mim o respeito, em cada momento crítico. O que importa não é o que eu tenho na vida, mas quem eu tenho na vida...por isso...guardo todas as pessoas importantes para mim dentro do meu coração... Vanessa

8 7 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente ao meu Deus que me concedeu vida, saúde e ousadia para cursar a faculdade. És meu tudo, és meu Senhor, és meu amigo, meu intercessor, meu braço forte, meu conselheiro, maravilhoso, o meu grande Eu sou, eu não sou nada sem ti, eu não vivo sem ti, como eu te amo Senhor. Aos meus pais pela dedicação, pelo amor, paciência e por acreditar em mim, sem vocês eu não estaria aqui. Vocês me ensinaram a importância de sonhar, de acreditar em Deus e de amar sem limites. Benção de Deus, amo muito vocês. Ao meu futuro esposo Willian, que lutou juntamente comigo, me apoiando sempre com palavras motivadoras, presente de Deus na minha vida. Obrigada pelo esforço e paciência, amor. Aos meus irmãos: Adriano e Evandro, primos: Priscila, Alessandra, tia Araci, Vó Jandira, Vô João, Welington, pastores: Marcos e Patrícia Cintra, líderes: Crispim e Tereza, amigos e a minha família em geral, todos vocês fazem a diferença em minha vida e fizeram parte dessa minha realização. Deus abençoe, obrigada por tudo!... Às minhas amigas Quézia e Vanessa. Quézia obrigada pela sua amizade e companherismo, amiga nesse período de faculdade, dividimos as preocupações e as risadas e foi especial, pois aprendi a te conhecer, a te respeitar e te amar. Você nos ensinou muito com seu jeito sincero de ser. Deus te abençoe e te recompense por tudo, você merece o melhor. Vanessa você com seu jeitinho todo meigo e especial nos motivou a conquistar sempre o melhor. Obrigada pela sua dedicação, admiro sua persistência e sua força.

9 8 Amiga sem você esse trabalho jamais seria o mesmo. Deus derrame muitas bênçãos sobre sua vida. À nossa professora, coordenadora e orientadora Máris exemplo de liderança e dedicação, obrigada por tudo!!!...mulher de garra e muito competente, sempre de bom humor, você nos cativou com sua simpatia e amizade. Que Deus abençoe você e sua família e te capacite cada dia mais. À Bia obrigada pela sua paciência, pela motivação que proporcionou através de seu carisma, enfim por tudo o que nos ensinou. Seu Toninho você é incrível, obrigada pela atenção. À Santa Casa de Cafelândia por ter nos dado a oportunidade de realizarmos a pesquisa na Instituição e pela atenção e disponibilidade oferecida. Também agradeço aos meus amigos do setor Contabilidade pela força que me deram nos momentos difíceis. Muito obrigada a todos pelo carinho!!! Obrigada a todos colegas de sala, aos professores e colaboradores do Unisalesiano, todos vocês fazem parte do nosso sucesso. Amanda

10 9 Agradeço a Deus por minha vida e pela oportunidade de cursar uma faculdade. A Ele toda honra e toda a glória. A minha família por ser meu alicerce e me apoiar em todas as minhas decisões, o amor de vocês me faz forte, sem vocês eu nada seria. Ao meu irmão Lucas, pois sem sua ajuda eu não teria chegado até aqui, querido essa vitória também é sua. Agradeço imensamente as minhas amigas Amanda e Vanessa, obrigada pela confiança em mim depositada. Em todo esse tempo aprendi a conhecê-las e amá-las cada vez mais. Já vivemos muitos momentos juntas, algumas dificuldades e muitas alegrias também, vocês me ajudaram muito nos momentos em que me encontrava triste e desanimada, dessa forma pude perceber o valor de uma amizade sincera e verdadeira. Máris é admirável sua dedicação e garra, obrigada por tudo, principalmente pela paciência. Agradeço ao Unisalesiano e a todos os professores que fazem parte dessa casa. A Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Cafelândia que nos receberam com muito carinho, atendendo a todas as nossas solicitações. Enfim agradeço a todos os meus colegas de classe, vocês também fazem parte da minha história. Quézia

11 10 A Deus, Por ter me ajudado a não desistir dos meus sonhos e, por ter plantado em meu coração à vontade e certeza de que este feito seria possível. Obrigada Senhor pelas vitórias alcançadas ao longo desta caminhada. Aos meus pais Que serviram como dois pilares para mim, me incentivaram e permaneceram todo o tempo ao meu lado me ajudando no que fosse possível. A ajuda de vocês foi de grande valia para mim! A jornada pode ter parecido árdua e difícil, o desânimo tentou se apossar por vezes, entretanto, o lembrar de suas faces preocupadas, de suas orações, do apoio incondicional para dar-me o melhor, das palavras de estímulo quando eu reclamava me impulsionaram para a luta. Nessa nossa grande batalha, a vitória também é de vocês. Continuaremos até o dia em que possamos juntos, de mãos dadas, sermos ao mesmo tempo pais e filhos dos nossos sonhos, de nossas realizações, do que sentimos. Ao meu esposo Juliano Que carinhosamente me compreendia nas horas difíceis e de desespero por medo de não conseguir cumprir esta etapa. Todo o bem que alguém poderia receber, recebi de ti. O melhor sorriso no melhor momento, você me deu. Quantas vezes procurei mostrar-me bem, simplesmente para que você não se preocupasse ainda mais comigo. Quero te agradecer, te compensar, te ajudar, enfim, te demonstrar de alguma forma que não esqueço o que você fez por mim. Jamais esquecerei os ensinamentos que você me passou com o seu jeito bonito, simples, honesto e humilde de tratar tudo e todos. Quero que saibas que te amo muito e que, torço para que você obtenha êxito e seja muito feliz em todos os caminhos que desejar seguir.

12 11 As minhas amigas de TCC Amanda e Quézia Pela dedicação e esforços submetidos neste trabalho e pela amizade e carinho com que trabalhavam. Pessoas tão especiais como vocês estão sempre prontas para fortalecer a união fraterna, nos fazem sorrir e nos encorajam para o sucesso. Á orientadora Prof. Ms Máris Que sempre nos motivou para dar andamento à pesquisa. A colaboração da Irmandade da Santa Casa de Cafelândia em abrir suas portas e nos atender cordialmente....eu procuro olhar dentro dos corações das pessoas, por que sabemos que é de lá que extraímos o que temos de melhor. Obrigada pela atenção e carinho de todos vocês. Tudo o que fazemos pensando em ajudar ao próximo pela própria lei da vida nos é devolvido em dobro. Só entendemos direito o milagre da vida quando deixamos que o inesperado aconteça! Vanessa

13 12 RESUMO Devido ao crescimento do mercado e a concorrência cada vez mais acirrada, as empresas perceberam a importância de investir no marketing de relacionamento como um diferencial, a fim de obter vantagem competitiva. Ele possibilita melhor relacionamento com o cliente, devido à oportunidade de tratá-lo de forma individual. É fundamental ouvir o cliente para a identificação de suas necessidades e desejos, e através deste conhecimento é possível planejar e implantar uma forma de atendimento personalizada, identificando aspectos significativos para cada cliente, atendendo além de suas expectativas. O relacionamento com o cliente não acaba após a venda, a criação de valor e a satisfação constroem relacionamentos duradouros baseados na confiança e no compromisso. Os clientes satisfeitos geram muitos benefícios para a empresa, pois falam bem da empresa e de seus produtos e/ou serviços a outras pessoas, e além de tudo, permanecem fiéis por um período mais longo. Com o objetivo de verificar se os serviços prestados atendem as necessidades dos clientes (pacientes), bem como, constrói um marketing de relacionamento positivo, realizou-se uma pesquisa na Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Cafelândia, onde se conclui que as necessidades dos clientes estão sendo atendidas, pois foi observado um elevado índice de satisfação com os serviços utilizados e atendimento recebido, construindo assim um relacionamento positivo. Ou seja, o cliente (paciente) está cada vez mais bem informado a respeito de qualidade em atendimento, ele é capaz de avaliar a atenção que recebe, pois desejam atenção e cuidado, querem que seus medos, angústias e incertezas sejam compreendidos. Palavras-chaves: Marketing de relacionamento. Clientes. Satisfação.

14 13 ABSTRACT Due to market growth and competition increasingly fierce, companies have realized the importance of investing in relationship marketing as a differential in order to gain competitive advantage. It enables better customer relationship, due to the opportunity to treat them individually. It is essential to listen to the customer to identify their needs and desires, and through this knowledge you can plan and deploy a personalized form of care, identifying significant aspects for each client, serving beyond their expectations. The customer relationship does not end after the sale, creating value and satisfaction build lasting relationships based on trust and commitment. Satisfied customers generate many benefits for the company, because they speak well of the company and its products or services to others, and above all, remain faithful for a longer period. Aiming to verify whether the services provided meet the needs of clients (patients) and builds a positive relationship marketing, held a research fellowship at the Irmandade da Santa Casa de Misericordia de Cafelândia which concludes that the needs of customers are being met, it was observed a high level of satisfaction with services used and services received, thereby building a positive relationship. That is, the client (patient) is increasingly well informed about quality in service, he is able to assess the attention they receive because they want attention and care, would have their fears, anxieties and uncertainties are understood. Keywords: Relationship marketing. Customers. Satisfaction.

15 14 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Santa Casa de Cafelândia em Figura 2: Organograma da Santa Casa de Cafelândia... Figura 3: Pronto Socorro... Figura 4: Recepção: Internação/Convênio... Figura 5: Centro cirúrgico... Figura 6: Pediatria... Figura 7: S.A.M.E... Figura 8: Almoxarifado... Figura 9: Farmácia... Figura 10: Berçário... Figura 11: Portaria... Figura 12: Oficina de manutenção... Figura 13: Lavanderia... Figura 14: Rouparia... Figura 15: S.A.R.A.... Figura 16: Oftalmologia... Figura 17: Ambulatório de Especialidades... Figura 18: Convênios assinados... Figura 19: Fatores que influenciam as expectativas de serviço... Figura 20: Componentes de um Sistema Eficaz de Recuperação do Serviço... Figura 21: Benefícios da Satisfação do Cliente e Qualidade do Serviço... Figura 22: Recepção do Pronto Socorro... Figura 23: Recepção Internação/Convênios... Figura 24: Equipe de enfermagem... Figura 25: Equipe de enfermagem... Figura 26: Equipe de Nutrição e Dietética... Figura 27: Atendimento médico... Figura 28: Médico ortopedista e radiologista... Figura 29: Equipe de limpeza... Figura 30: Equipe da Lavanderia e Rouparia

16 15 LISTA DE QUADROS Quadro 1: Número de Atendimentos... Quadro 2: Número de Atendimentos... Quadro 3: Número de Internações... Quadro 4: Número de Atendimento no Centro Obstétrico... Quadro 5: Diferenças entre programas de fidelização e promoções LISTA DE TABELAS Tabela 1: Recepção - Pronto Socorro... Tabela 2: Recepção Internação... Tabela 3: Enfermagem Diurna... Tabela 4: Enfermagem Noturna... Tabela 5: Alimentação fornecida... Tabela 6: Atendimento Médico... Tabela 7: Exames (laboratório, raio x, ultra-som)... Tabela 8: Limpeza de Quarto... Tabela 9: Roupa de Cama LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS CCIH: Comissão de Controle de Infecção Hospitalar CIPA: Comissão Interna de Prevenção de Acidentes CNAS: Conselho Nacional de Assistência Social CRM: Customer Relationship Management D.R.S.: Divisão Regional de Saúde ERSA: Escritório Regional de Saúde

17 16 ISCMC: Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Cafelândia RN: Recém Nascido SADTs: Serviços Auxialiares de Diagnose e Terapia S.A.M.E.: Serviço de Arquivo Médico e Estatística S.A.R.A.: Serviço de Atendimento e a Reabilitação Auditiva SND: Serviço de Nutrição e Dietética SUS: Serviço Único de Saúde

18 17 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPÍTULO I: HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DA IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE CAFELÂNDIA... 1 HISTÓRICO Missão Visão Valores Estrutura Organizacional Organograma Perfil da Santa Casa de Cafelândia Conceito de Filantropia Estatuto Social Irmãos Governança Corporativa Mesa Administrativa Conselho Fiscal Colaboradores da Santa Casa Site Pronto Socorro Recepção Internação Convênio Centro Cirúrgico Pediatria S.A.M.E. (Serviço de Arquivo Médico e Estatística) Almoxarifado Farmácia (Dispensa de medicamentos) Berçário Portaria Manutenção Lavanderia Rouparia Setor de Audiologia S.A.R.A

19 Setor de Oftalmologia Setor Ambulatório de Especialidades Pró Serviços Prestados, Programas e Projetos Convênios assinados Serviço de Enfermagem Serviço Médico Serviço de Fisioterapia Serviço de Terapia Ocupacional Serviço Social Serviço de Nutrição e Dietética Serviço de raio-x Serviços administrativos e de assessoramento técnico Serviços de Apoio Programa de Educação Continuada Projeto Pró Santa Casa II CAPÍTULO II: MARKETING DE RELACIONAMENTO... 2 MARKETING Marketing de Relacionamento O futuro do Marketing de Relacionamento Marketing de relacionamento transformando o mercado Técnicas e programas de fidelização As perspectivas e expectativas dos clientes Como se formam as expectativas? Criação de valor para o cliente Lidando com as reclamações e melhorando os serviços A importância do CRM Conhecendo os clientes Atrair, reter e cultivar os clientes Benefícios da satisfação do cliente Marketing na saúde A visão que os clientes atuais dos serviços de saúde desejam ter do mercado Foco no cliente em organização hospitalar

20 Segmentação dos clientes e identificação de suas necessidades Tratamento de reclamações, opiniões e sugestões de clientes na área da saúde CAPÍTULO III: A PESQUISA... 3 INTRODUÇÃO Relato e Discussão sobre Marketing de Relacionamento na Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Cafelândia Recepção Pronto Socorro Recepção Internação Enfermagem Diurna Enfermagem Noturna Alimentação Fornecida Atendimento Médico Exames (laboratoriais, raio x, ultra-som) Limpeza de Quarto Roupa de Cama Parecer Final sobre o caso PROPOSTA DE INTERVENÇÃO... CONCLUSÃO... REFERÊNCIAS... APÊNDICES

21 20 INTRODUÇÃO Atualmente as empresas anseiam em se tornar um referencial no ramo em que atuam. No passado praticamente todas as empresas se preocupavam apenas com a produção e não havia interesse no cliente, ou seja, ele não era prioridade. Entretanto, sabe-se que o sucesso das organizações depende muito da maneira como elas trabalham, principalmente hoje, que os clientes estão cada vez mais exigentes e cercados por várias opções de produtos e/ou serviços. Partindo desse princípio, foi que surgiu o Marketing de Relacionamento que tem como objetivo desenvolver técnicas para reforçar a relação da empresa com o cliente e estabelecer relações duradouras através da satisfação. Marketing de Relacionamento é uma estratégia de marketing que visa construir uma relação duradoura entre cliente e fornecedor, baseada em confiança, colaboração, compromisso, parceria, investimentos e benefícios mútuos, resultando na otimização do retorno para a empresa e seus clientes. (LIMEIRA, in DIAS, 2003, p.301) Para se atingir o objetivo final do Marketing de Relacionamento de atrair e fidelizar o cliente, é necessário conhecê-lo e ouvir sua opinião através de pesquisas de satisfação, utilizando essa simples ferramenta é possível obter indicativos do que deve ser alterado e melhorado na empresa. O relacionamento com o cliente é de responsabilidade da empresa, qualquer reclamação ou conflito por parte do cliente é provocado por uma falha empresarial, a empresa deve perguntar-se constantemente o que pode ser feito para facilitar e melhorar a vida de seus clientes. (DRUCKER, 1999, p.102) O Marketing de Relacionamento é utilizado também por empresas filantrópicas que não visam lucro. Alguns hospitais estão inserindo esta estratégia a fim de planejar e implementar a melhoria no atendimento. É

22 21 interessante que sejam apurados os atributos mais valorizados pelos clientes (pacientes), para se obter um indicador específico que permita sua fidelização à Instituição. Através da análise dos resultados das pesquisas é possível identificar a insatisfação dos clientes (pacientes) e agir corretivamente, essas informações permitem identificar o nível de satisfação do cliente, e consequentemente desenvolver programas de melhoria na prestação de serviços, além de intensificar a qualidade de relacionamento. A diferenciação nunca foi tão necessária como nos dias atuais. Vencida a era do foco no produto, o marketing de relacionamento pode ser um trunfo no sentido de cativar os clientes e torná-los fiéis: implantando com a filosofia do foco no cliente, utiliza o questionário como forma de identificar expectativas não satisfeitas, ou experiências, momentos de verdade, negativos ou desanimadores, permitindo monitorar cada atividade, transformando a maneira como é desenvolvida. (PIZZINATTO, 2005, p. 104) Com o objetivo de verificar se os serviços prestados são suficientes para construir um Marketing de Relacionamento positivo e também atender e satisfazer as necessidades dos clientes será realizada uma pesquisa de campo no hospital Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Cafelândia, no período de fevereiro a outubro de O hospital Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Cafelândia está localizado, na Rua Justino Franco Júnior, 181, Centro. A Entidade foi fundada em 11 de Dezembro de 1935, fruto de esforços de médicos e da Comunidade Cafelandense, que sentiam a necessidade da instalação de um Hospital na cidade, para atendimento de enfermos pobres e necessitados. Para que os objetivos fossem atingidos necessitou-se buscar resposta para a seguinte questão: Os serviços prestados pela Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Cafelândia atende às necessidades dos clientes (pacientes) bem como constrói um Marketing de Relacionamento positivo? Em resposta ao questionamento, concluiu-se que os serviços prestados pela Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Cafelândia atende às necessidades dos clientes (pacientes) bem como constrói um Marketing de

23 22 Relacionamento positivo, devido à notória satisfação demonstrada pela avaliação de usuário. O trabalho divide-se nos seguintes capítulos: Capítulo I: apresentação da empresa, história e evolução, estrutura organizacional, serviços, missão, visão, valores e projetos. Capítulo II: embasamento teórico como referência, conceitos de marketing e marketing de relacionamento. Abordagem do uso de ferramentas e técnicas para a fidelização do cliente. Capítulo III: apresenta as ferramentas de marketing de relacionamento adotadas pela empresa, bem como, o confronto entre a teoria e a prática. Em seguida, vêm a proposta de intervenção e a conclusão.

24 23 CAPÍTULO I HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DA IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE CAFELÂNDIA Fonte: Santa Casa de Cafelândia 2010 Figura 1: Santa Casa de Cafelândia em HISTÓRICO A Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Cafelândia foi fundada em 11 de Dezembro de 1935, fruto de esforços de médicos e da Comunidade Cafelandense, que sentiam a necessidade da instalação de um Hospital na cidade, para atendimento de enfermos pobres e necessitados. Para tanto, foi criada a Comissão Pró Fundação da Santa Casa, composta por representantes dos diversos segmentos da sociedade, visando arrecadar fundos para a construção da entidade, através do trabalho voluntário. Em 1944 três grandes cidadãos de Cafelândia se uniram e se propuseram trabalhar para construir um hospital na cidade, um era excelente comerciante, tudo o que ganhava em suas transações comerciais comprava pequenas glebas de terra e as transformavam em fazendas. Os outros dois

25 24 eram jornalistas, poetas, cantores e atores, e na medida do possível apresentavam peças teatrais em benefício dos mais carentes. Com o slogan GRANDE RIQUEZA É O AMOR, quanto mais repartimos, mais aumenta a nossa felicidade, os três trabalharam sem medir esforços para erguer o prédio da Santa Casa. Foram realizadas campanhas agropecuárias, quermesses, bailes e diversos outros eventos, que tiveram colaboração e apoio de fazendeiros e das colônias: espanhola, italiana, japonesa, portuguesa, síria, etc... As colônias conseguiam café, carneiros, frangos, entre outros. Tudo o que ganhavam vendiam e compravam materiais de construção, além disso, havia uma disputa, cada colônia procurava se destacar para arrecadar mais dinheiro. A construção do prédio foi iniciada em setembro de 1944, e inaugurado em 09 de Julho de Tem como fundador o Dr. Edgard de Azevedo Moss, que doou o terreno para a construção da Entidade. Destacaram-se na primeira diretoria o senhor Luiz Siqueira Matheus e o Dr. Péricles Ferraz do Amaral. Quando a Santa Casa foi inaugurada em 1948, era um simples Pronto Socorro, os médicos clínicos gerais atendiam Guarantã, Pongaí, Uru, Vila Mesquita, Simões, Bacuriti, Três Barras e Cafezópolis. Nos casos mais graves, os doentes iam para Lins, Bauru e São Paulo. Graças à magnífica diretoria composta por 58 irmãos onde tudo se realizava em prol da solidariedade e caridade, faziam o bem a quem seja e sem tirar proveitos e vantagens. Os provedores, já falecidos, da Santa Casa, trabalharam incansavelmente em beneficio da entidade. O prédio próprio conta hoje com 4.590,47 m² de construção, e encontrase em um terreno de ,00 m², estando em funcionamento desde a sua inauguração. Atualmente, a Santa Casa presta serviços de fisioterapia, terapia ocupacional, raios-x, ultra-som, análise clínica, endoscopia, oftalmologia, audiologia, entre outros, e com o apoio financeiro do Projeto Pró Santa Casa - Programa do Governo do Estado de São Paulo às entidades filantrópicas. A entidade presta serviços às cidades contratantes: Cafelândia, Lins, Promissão, Guaiçara, Getulina, Sabino, Pongaí e Uru, nos seguintes procedimentos: consultas de especialidades, exames (SADT s) e serviços mensais na forma de

26 25 mutirão, de conformidade com as necessidades dos municípios contratantes. Com 74 anos de fundação e 62 de inauguração, uma história de lutas e também de sucesso, a diretoria atual desta entidade busca sempre por melhores resultados, investimentos em aparelhos modernos e atendimento humanizado. Como referência micro regional visa atender e superar as necessidades dos clientes (pacientes). Credibilidade e respeito são o que define o relacionamento da Santa Casa de Cafelândia com seus clientes, respeito baseado no compromisso com a vida e a saúde. 1.1 Missão Desenvolver atividades médico-hospitalares, dispensando assistência a enfermos gratuitamente ou não, independentemente de raça, cor e credos político e religioso. 1.2 Visão Como empresa prestadora de serviços na área da saúde, almejamos a humanização do atendimento de forma completa, visando proporcionar ao paciente um ambiente propicio a sua recuperação. Vislumbramos ainda, a ampliação dos serviços prestados, primando pela qualidade e segurança dos procedimentos realizados. 1.3 Valores Promover melhoria contínua nos serviços prestados, atuar com responsabilidade social e ambiental, praticar a humanização na assistência como princípio de atuação, compromisso com a verdade, respeitando os princípios éticos nas relações entre os profissionais da saúde e pacientes.

27 Estrutura Organizacional Organograma ASSEMBLÉIA GERAL TERCERIZADOS PROVEDORIA AUDIOLOGIA DIRETOR CLÍNICO ADMINISTRAÇÂO OFTALMOLOGIA VICE-DIRETOR AUXILIAR ADMINISTRATIVO RECURSOS HUMANOS RAIO X TERAPIA OCUPACIONAL LABORATÓRIO ASSESSORIA.JURIDICA ADMINISTRATIVO ENFERMAGEM APOIO FARMÁCIA CONTABILIDADE COMPRAS NUTRIÇÃO E DIETÉTICA LIMPEZA INTERNA FATURAMENTO SUS/CONVÊNIO SAME AMBULATÓRIO PRONTO SOCORRO MANUTENÇÃO E CONSERVAÇÃO EXTERNA LAVANDERI A E ROUPARIA RECEPÇÃO ALMOXARIFADO UNIDADE DE INTERNAÇÃO CENTRO CIRURGICO PORTARIA TELEFONIA ASS.SOCIA L BERÇÁRIO NECROTÉRIO RADIOLOGIA TRANSPORTE DE PACIENTES Fonte: Santa Casa de Cafelândia 2010 Figura 2: Organograma da Santa Casa de Cafelândia

28 Perfil da Santa Casa de Cafelândia O Hospital Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Cafelândia está localizado na Rua Justino Franco Junior, 181, Centro, com uma infra-estrutura e equipamentos médicos modernos. O Corpo Médico é formado por profissionais altamente qualificados. Sua localização é de fácil acesso aos usuários de Cafelândia e, também região. Denominada sociedade civil, de natureza filantrópica, sem fins lucrativos ou econômicos, tendo como finalidade manter e desenvolver atividades médico hospitalares, dispensando assistência a enfermos, gratuitamente ou não, independente de raça, cor, sexo ou credos políticos ou religiosos. Como entidade prestadora de serviços na área da saúde de finalidade filantrópica, presta assistência médico hospitalar aos pacientes de Cafelândia e de municípios vizinhos, possuidores de plano de saúde, particulares, SUS, sem distinção de raça, cor, sexo e credos religiosos ou políticos. A principal clientela atendida é originária do SUS, sendo que no último exercício correspondeu a 90% (noventa por cento) dos pacientes atendidos. A entidade coloca-se a disposição desses pacientes, sem qualquer custo, toda a estrutura física, nas mais diversas especialidades, prestando atendimento desde casos simples e agudos, emergenciais ou eletivos. Número de Atendimentos Tipos de Atendimentos SUS CONVÊNIO PARTICULAR TOTAL Fonte: Santa Casa de Cafelândia 2010 Quadro 1: Número de Atendimentos

PROVEDORES PRESIDENTES:

PROVEDORES PRESIDENTES: APRESENTAÇÃO 27.496,00 m2 é a sua área total 5.032,06 m2 de área construída Terreno doado em 1943 por Dr. Edgard de Azevedo Moss ( FUNDADOR ) Tendo iniciado sua construção com a cooperação das colônias:

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 191 - DOE de 10/10/09 - Seção 1 - p.95

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 191 - DOE de 10/10/09 - Seção 1 - p.95 Regimento Interno Capítulo I Das Finalidades Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 191 -

Leia mais

CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO SEDE E FINS

CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO SEDE E FINS LIGA ESTATUTO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO SEDE E FINS Art. 1- A Liga constituída em de de, é uma entidade civil, beneficente, sem fins lucrativos de assistência social e orientação, de pessoa jurídica de

Leia mais

ESTATUTO DA EMPRESA FAI JÚNIOR

ESTATUTO DA EMPRESA FAI JÚNIOR ESTATUTO DA EMPRESA FAI JÚNIOR Capitulo I - Denominação, Sede, Finalidade e Duração Artigo 1 - A associação civil tem com a denominação social: FAI JÚNIOR, e como o titulo do estabelecimento a expressão

Leia mais

RELATORIO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS CONSELHO DE COORDENAÇÃO

RELATORIO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS CONSELHO DE COORDENAÇÃO RELATORIO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS CONSELHO DE COORDENAÇÃO 2007/2008 Mensagem do Presidente Temos a satisfação de apresentar aos nossos associados este primeiro relatório de prestação de contas. Consideramos

Leia mais

CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES ABC: UMA APLICAÇÃO EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR UNIVERSITÁRIA. Ernani Mendes Botelho

CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES ABC: UMA APLICAÇÃO EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR UNIVERSITÁRIA. Ernani Mendes Botelho UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES ABC: UMA APLICAÇÃO

Leia mais

ANEXO I Descrição dos Cargos

ANEXO I Descrição dos Cargos ANEXO I Descrição dos Cargos DESCRIÇÃO: 1. - Auxiliar de Enfermagem: Prestar cuidados diretos de enfermagem ao paciente, por delegação e sob a supervisão do enfermeiro e do médico. Administrar medicação

Leia mais

MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO

MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art.1 o - A (o) também designada (o) pela sigla, (se usar sigla), fundada (o) em de de é uma associação, sem

Leia mais

O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE INTERNAÇÃO (11) 4414-6072. Horário de Funcionamento: De 2ª a 6ª: das 6h às 22h Sábados e feriados: das 7h às 19h

O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE INTERNAÇÃO (11) 4414-6072. Horário de Funcionamento: De 2ª a 6ª: das 6h às 22h Sábados e feriados: das 7h às 19h O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE INTERNAÇÃO Tel.: (11) 4414-6000 - Ramal: 6420 (11) 4414-6072 Horário de Funcionamento: De 2ª a 6ª: das 6h às 22h Sábados e feriados: das 7h às 19h Seja bem-vindo ao nosso

Leia mais

NORMAS DE ATENDIMENTO A CONVÊNIOS E PARTICULARES

NORMAS DE ATENDIMENTO A CONVÊNIOS E PARTICULARES NORMAS DE ATENDIMENTO A CONVÊNIOS E PARTICULARES Conceitos CONSULTAS Atendimentos sem urgência por ordem de chegada. Não existe dentro do Pronto-Socorro e em nenhum local do hospital prévia marcação de

Leia mais

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS:

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS: 1. CADASTRO Para atuar no Hospital São Luiz, todo médico tem de estar regularmente cadastrado. No momento da efetivação, o médico deve ser apresentado por um membro do corpo clínico, munido da seguinte

Leia mais

CAPÍTULO I DO ÓRGÃO E SUA FINALIDADES

CAPÍTULO I DO ÓRGÃO E SUA FINALIDADES REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL VETERINÁRIO [adaptação à Resolução 11/98 do Conselho Universitário, de 3 de dezembro de 1998] (Aprovado em reunião da Congregação em 15-04-99 e reformulado em 27-10-2000 atendendo

Leia mais

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P Legenda: Texto em negrito: cláusulas que devem necessariamente constar do estatuto, por força da Lei nº 9.790/99 Texto em

Leia mais

Informação SUS, Não SUS e Filantropia

Informação SUS, Não SUS e Filantropia Informação SUS, Não SUS e Filantropia O que esses temas têm em comum e quais as implicações para prestadores e gestores. João Alfredo Carvalho Rodrigues Gonçalves Águas de Lindóia 12/09/2012 Agenda da

Leia mais

ANEXO I DO OBJETO. Descrição da Prestação de Serviços relacionados à CIRURGIA GERAL da FUSAM, compreendendo as seguintes funções:

ANEXO I DO OBJETO. Descrição da Prestação de Serviços relacionados à CIRURGIA GERAL da FUSAM, compreendendo as seguintes funções: ANEXO I DO OBJETO Descrição da Prestação de Serviços relacionados à CIRURGIA GERAL da FUSAM, compreendendo as seguintes funções: 1) Os serviços deverão ser prestados nas dependências da Fundação por profissionais

Leia mais

Transferências. Manual do Paciente [3]

Transferências. Manual do Paciente [3] INTERNAÇÃO Procedimentos de internação A recepção de internação é a responsável pela formalização de sua acolhida neste hospital. Internação particular DE URGÊNCIA: Pagamentos efetuados a cada 48 horas,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO APRESENTAÇÃO A Casa de Saúde São José foi fundada em 1923 e tem como missão Servir à Vida, promovendo Saúde. É uma instituição filantrópica, sem fins lucrativos, católica,

Leia mais

Centro de Assistência Social Semeador Marília Forjaz de Alvarenga

Centro de Assistência Social Semeador Marília Forjaz de Alvarenga Centro de Assistência Social Semeador Marília Forjaz de Alvarenga MANUAL DO VOLUNTÁRIO SUMÁRIO 1. Ser voluntário 3 2. Normas internas dos voluntários 4 3. Lei nº 9608, de fevereiro de 1998 5 4. Procedimento

Leia mais

RETIFICAÇÃO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO HOSPITAL METROPOLITANO DOUTOR CÉLIO DE CASTRO EDITAL Nº 08/2014

RETIFICAÇÃO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO HOSPITAL METROPOLITANO DOUTOR CÉLIO DE CASTRO EDITAL Nº 08/2014 RETIFICAÇÃO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO HOSPITAL METROPOLITANO DOUTOR CÉLIO DE CASTRO EDITAL Nº 08/2014 O Secretário Municipal Adjunto de Recursos Humanos, no uso de suas atribuições legais, comunica as alterações

Leia mais

CONGRESSO NACIONAL DE AUDITORIA EM SAÚDE E QUALIDADE DA GESTÃO E DA ASSISTÊNCIA HOSPITALAR

CONGRESSO NACIONAL DE AUDITORIA EM SAÚDE E QUALIDADE DA GESTÃO E DA ASSISTÊNCIA HOSPITALAR CONGRESSO NACIONAL DE AUDITORIA EM SAÚDE E QUALIDADE DA GESTÃO E DA ASSISTÊNCIA HOSPITALAR 1 PERSPECTIVAS DE UM DIA A DIA MELHOR PARA GESTORES E PRESTADORES DE SAÚDE MARIA DO CARMO CABRAL CARPINTÉRO SECRETÁRIA

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA GERIATRIA E GERONTOLOGIA - LIG Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A LIGA DE GERIATRIA E GERONTOLOGIA é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob a supervisão

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE ESPORTES E SAÚDE - LIES Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A Liga Acadêmica de Esportes e Saúde é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob

Leia mais

Sociedade PÓLO DE EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SOFTWARE DO PLANALTO MÉDIO REGIMENTO INTERNO

Sociedade PÓLO DE EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SOFTWARE DO PLANALTO MÉDIO REGIMENTO INTERNO Sociedade PÓLO DE EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SOFTWARE DO PLANALTO MÉDIO REGIMENTO INTERNO Aprovado em Reunião Ordinária do Conselho de Administração conforme registro em ata. Este Regimento Interno Regulamenta

Leia mais

CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃOADÃO

CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃOADÃO CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃOADÃO Hospital Universitário Dr. Miguel Riet Corrêa Jr. Rua Visconde de Paranaguá, nº 24 Campus Saúde CEP: 96.200-190 Bairro Centro Rio Grande Rio Grande do Sul/RS Brasil Acesso

Leia mais

ANEXO I DO OBJETO. Descrição da Prestação de Serviços relacionados à PEDIATRIA da FUSAM, compreendendo as seguintes funções:

ANEXO I DO OBJETO. Descrição da Prestação de Serviços relacionados à PEDIATRIA da FUSAM, compreendendo as seguintes funções: ANEXO I DO OBJETO Descrição da Prestação de Serviços relacionados à PEDIATRIA da FUSAM, compreendendo as seguintes funções: 1) Os serviços deverão ser prestados nas dependências da Fundação por profissionais

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. ANS nº 41431.0

CÓDIGO DE ÉTICA. ANS nº 41431.0 CÓDIGO DE ÉTICA Aprovado pelo Conselho Consultivo da Saúde BRB Caixa de Assistência em sua 37ª Reunião Extraordinária, realizada em 10.12.2010. Brasília, 22 de fevereiro de 2011 I - APRESENTAÇÃO CÓDIGO

Leia mais

Conselho protesta contra prefeitura

Conselho protesta contra prefeitura Informativo Eletrônico da SE/CNS para os conselheiros nacionais Ano VI, Brasília, 08/04/2009. Prezado (a) conselheiro (a), Estamos encaminhando um clipping de notícias do CNS na mídia. A intenção é socializar

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SERAFINA CORRÊA ANEXO I - ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS E EMPREGOS

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SERAFINA CORRÊA ANEXO I - ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS E EMPREGOS ANEXO I - ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS E EMPREGOS CARGO: ALMOXARIFE a) Descrição Sintética: Zelar pelo Patrimônio Público. b) Descrição Analítica: Controlar as mercadorias de uso da administração municipal;

Leia mais

Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN

Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN DIMENSIONAMENTO DE SERVIÇOS ASSISTENCIAIS E DA GERÊNCIA DE ENSINO E PESQUISA BRASÍLIA-DF, 27 DE MARÇO DE 2013. Página 1 de 20 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 1.1.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS PROFISSIONAIS LIBERAIS, REPRESENTANTES COMERCIAIS E EMPRESARIAIS ABRAPRE ABRE BRASIL CNPJ

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS PROFISSIONAIS LIBERAIS, REPRESENTANTES COMERCIAIS E EMPRESARIAIS ABRAPRE ABRE BRASIL CNPJ REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS PROFISSIONAIS LIBERAIS, REPRESENTANTES COMERCIAIS E EMPRESARIAIS ABRAPRE ABRE BRASIL CNPJ nº 13.649.902/0001-03 DA ASSOCIAÇÃO Artigo 1º - A Associação Brasileira

Leia mais

ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES

ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES Data da vistoria: / / A CADASTRO

Leia mais

APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS REFERENTE AO EXERCÍCIO DE 2012 E PROJETOS PARA 2013. IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO CARLOS

APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS REFERENTE AO EXERCÍCIO DE 2012 E PROJETOS PARA 2013. IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO CARLOS IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO CARLOS APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS REFERENTE AO EXERCÍCIO DE 2012 E PROJETOS PARA 2013. FINANCEIRO Feito por: Diego dos Santos CONTABILIDADE/CUSTOS

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO - EDITAL Nº 002/2012 ADMINISTRAÇÃO DIRETA E AUTARQUIAS

CONCURSO PÚBLICO - EDITAL Nº 002/2012 ADMINISTRAÇÃO DIRETA E AUTARQUIAS PREFEITURA DE GOIÂNIA SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO E RECURSOS HUMANOS COMISSÂO DE CONCURSO PÚBLICO CONCURSO PÚBLICO - EDITAL Nº 002/2012 ADMINISTRAÇÃO DIRETA E AUTARQUIAS ANEXO I CARGOS, VAGAS,

Leia mais

ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE CIRURGIA PEDIÁTRICA DE PERNAMBUCO DISCIPLINA DE CIRURGIA PEDIÁTRICA DA UFPE

ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE CIRURGIA PEDIÁTRICA DE PERNAMBUCO DISCIPLINA DE CIRURGIA PEDIÁTRICA DA UFPE ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE CIRURGIA PEDIÁTRICA DE PERNAMBUCO DISCIPLINA DE CIRURGIA PEDIÁTRICA DA UFPE Capítulo I - Da liga e seus fins Art. 1 - A Liga de Cirurgia Pediátrica, a seguir designada LACIPE,

Leia mais

ANEXO I DO OBJETO. 3) Os profissionais contratados deverão providenciar o cadastramento junto ao corpo clínico da CONTRATANTE, como membros efetivos;

ANEXO I DO OBJETO. 3) Os profissionais contratados deverão providenciar o cadastramento junto ao corpo clínico da CONTRATANTE, como membros efetivos; ANEXO I DO OBJETO Descrição da PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM NEUROCIRURGIA E NEUROLOGIA AOS PACIENTES DO HOSPITAL, PRONTO SOCORRO ADULTO, PRONTO SOCORRO INFANTIL E AMBULATÓRIO, compreendendo as seguintes funções:

Leia mais

CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br

CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br SUGESTÃO de texto para estatuto de constituição de Associações. Observação: As informações deste arquivo deverão ser

Leia mais

U N I R P A R A F O R T A L E C E R REGIMENTO INTERNO

U N I R P A R A F O R T A L E C E R REGIMENTO INTERNO Artigo 1 - A Associação de Reflorestadores do Estado de Mato Grosso AREFLORESTA-MT, reger-se-á pelo seu ESTATUTO e por este REGIMENTO INTERNO. Finalidade Artigo 2 - O presente Regimento Interno tem por

Leia mais

PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA UNIÃO GARCENSE DE AEROMODELISMO

PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA UNIÃO GARCENSE DE AEROMODELISMO PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA UNIÃO GARCENSE DE AEROMODELISMO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, DA SEDE E FINS Art. 1 A União Garcense de Aeromodelismo (UGA) é uma pessoa jurídica de direito privado, entidade

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ACADEMIA BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA DA FACE - ABCPF

ESTATUTO SOCIAL DA ACADEMIA BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA DA FACE - ABCPF ESTATUTO SOCIAL DA ACADEMIA BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA DA FACE - ABCPF TÍTULO I Denominação, Prazo de duração, Sede e Finalidades Art. 1º - A ACADEMIA BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA DA FACE, denominada

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - "AMMAR" CAPÍTULO II

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - AMMAR CAPÍTULO II ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - "AMMAR" CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃQ, SEDE, OBJETIVOS E DURAÇÃO Art.1 - Sob a denominação de AMMAR - Associação dos Moradores da Marina Porto

Leia mais

PROGRA M A DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE PAS/SERPRO MANUAL DO USUÁRIO IMPORTANTE

PROGRA M A DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE PAS/SERPRO MANUAL DO USUÁRIO IMPORTANTE PROGRA M A DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE PAS/SERPRO MANUAL DO USUÁRIO IMPORTANTE O PAS/SERPRO em Convênio de Reciprocidade com a CASSI foi criado de maneira a possibilitar o acesso de todos os empregados e seus

Leia mais

Estatuto da Empresa Júnior do Centro Universitário Salesiano de São Paulo, Campus São José

Estatuto da Empresa Júnior do Centro Universitário Salesiano de São Paulo, Campus São José Estatuto da Empresa Júnior do Centro Universitário Salesiano de São Paulo, Campus São José Capítulo 1. Denominação, Sede, Finalidade e Duração Artigo 1º A Empresa Júnior do Centro Universitário Salesiano

Leia mais

Manual de Recursos Humanos

Manual de Recursos Humanos Manual de Recursos Humanos Associação dos Amigos do Paço das Artes Francisco Matarazzo Sobrinho Organização Social de Cultura 1 Finalidade: Disponibilizar princípios básicos de gestão de pessoal que devem

Leia mais

ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ. Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO

ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ. Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º A Associação Brasileira de Patchwork e Quilt, doravante designada ABPQ, é uma sociedade

Leia mais

Relatório de Atividades

Relatório de Atividades 1 Relatório de Atividades 2013 2 1- Identificação Grupo de Pesquisa e Assistência ao Câncer Infantil (GPACI) Rua Antônio Miguel Pereira, 45 Jardim Faculdade Sorocaba São Paulo CEP: 18030-250 Telefone:

Leia mais

SANTA CASA DE VALINHOS 19 CONGRESSO DE PRESIDENTES PROVEDORES E DIRETORES DE SANTAS CASAS E HOSPITAIS BENEFICENTES DO ESTADO SÃO PAULO

SANTA CASA DE VALINHOS 19 CONGRESSO DE PRESIDENTES PROVEDORES E DIRETORES DE SANTAS CASAS E HOSPITAIS BENEFICENTES DO ESTADO SÃO PAULO 19 CONGRESSO DE PRESIDENTES PROVEDORES E DIRETORES DE SANTAS CASAS E HOSPITAIS BENEFICENTES DO ESTADO SÃO PAULO Neste encontro, discutiremos o incentivo à sustentabilidade e à qualidade dentro da organização

Leia mais

HOSPITAL SÃO RAFAEL TUDO É POSSÍVEL A QUEM CRÊ

HOSPITAL SÃO RAFAEL TUDO É POSSÍVEL A QUEM CRÊ HOSPITAL SÃO RAFAEL TUDO É POSSÍVEL A QUEM CRÊ Origem A preocupação com as questões sociais fez com que o professor e sacerdote italiano D. Luigi Maria Verzé chegasse ao Brasil, em 1974, através do Monte

Leia mais

Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis Regimento Interno

Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis Regimento Interno Página1 Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis Regimento Interno Título I Da definição Art. 1º - O Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis é uma das entidades

Leia mais

Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ)

Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ) Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ) Capítulo I Da Associação Art. 1º - A Associação Cecília e João (ACJ), entidade de personalidade jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com sede em

Leia mais

MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais)

MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais) MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais) CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE, DURAÇÃO Art. 1.º A SOCIEDADE DE AMIGOS DA

Leia mais

www.sishosp.com.br (19) 3241.3535 Conheça o software de gestão ideal para a sua instituição

www.sishosp.com.br (19) 3241.3535 Conheça o software de gestão ideal para a sua instituição www.sishosp.com.br (19) 3241.3535 Conheça o software de gestão ideal para a sua instituição Transforme sua instituição em uma empresa altamente eficaz. Só mesmo quem administra uma instituição sabe como

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CENTRO ESPÍRITA OBRAS DE CARIDADE PRÍNCIPE ESPADARTE

ESTATUTO SOCIAL DO CENTRO ESPÍRITA OBRAS DE CARIDADE PRÍNCIPE ESPADARTE 1 ESTATUTO ESTATUTO SOCIAL DO CENTRO ESPÍRITA OBRAS DE CARIDADE Estatuto aprovado na Assembléia Geral Ordinária de fundação realizada em 07 de fevereiro de 1994 e alterado nas Assembléias Gerais Ordinárias

Leia mais

Estatuto da Associação de Pais e Professores do

Estatuto da Associação de Pais e Professores do CNPJ: 82.898.404/0001-09 Estatuto da Associação de Pais e Professores do CENTRO EDUCACIONAL MENINO JESUS Fundada em 1973, Florianópolis/SC C A P Í T U L O I Da Associação e seus fins Art. 1º. - A Associação

Leia mais

CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art.1 o O URUBUZÃO CLUBE DE AMIGOS, fundado em 01 de Agosto de 2007 é uma Associação, sem fins econômicos, que terá duração por tempo indeterminado, sede no Município

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS EX-ALUNOS DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO AEXAL-EEL/USP

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS EX-ALUNOS DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO AEXAL-EEL/USP ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS EX-ALUNOS DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO AEXAL-EEL/USP CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Finalidades Artigo 1º - A Associação dos Ex-Alunos da

Leia mais

Dispõe sobre a regulamentação dos estágios curriculares de internato para alunos da Faculdade de Medicina de Botucatu.

Dispõe sobre a regulamentação dos estágios curriculares de internato para alunos da Faculdade de Medicina de Botucatu. Campus de Botucatu PORTARIA nº 141 de 20 de setembro de 2000 Dispõe sobre a regulamentação dos estágios curriculares de internato para alunos da Faculdade de Medicina de Botucatu. O Diretor da Faculdade

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001 DO 9-E, de 12/1/01 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria SAS/MS nº 224, de

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ONG Instituto Pró-Pampa Sustentável

ESTATUTO SOCIAL DA ONG Instituto Pró-Pampa Sustentável CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, DA SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADES Art. 1 O, de sigla, PRÓPAMPA, é uma organização civil de interesse público de direito privado, sem fins lucrativos, de âmbito Estadual e de tempo

Leia mais

Manual de Orientação ao Cliente

Manual de Orientação ao Cliente Manual de Orientação ao Cliente Prezado Cliente O Hospital IGESP reúne em um moderno complexo hospitalar, os mais avançados recursos tecnológicos e a excelência na qualidade do atendimento prestado por

Leia mais

ESTATUTO. CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02. CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres

ESTATUTO. CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02. CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres ESTATUTO CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02 CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres pág.03 CAPÍTULO III Dos órgãos da Associação e sua administração pág.06

Leia mais

REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA UFCSPA CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA UFCSPA CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA UFCSPA CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS OBJETIVOS Art. 1º. A formação dos alunos do Curso de Medicina da UFCSPA incluirá como etapa integrante da graduação, estágio

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL SANTA HELENA

REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL SANTA HELENA 20//2013 1 REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL SANTA HELENA CAPÍTULO I Princípios e Objetivos ARTIGO 1 O regimento interno do corpo clínico visa disciplinar a constituição, ações, relações, avaliações e direção

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS DE ARTES MARCIAIS CHINESAS CEAMC ESTATUTO

CENTRO DE ESTUDOS DE ARTES MARCIAIS CHINESAS CEAMC ESTATUTO CENTRO DE ESTUDOS DE ARTES MARCIAIS CHINESAS CEAMC ESTATUTO Capítulo I - Do Centro e Seus Fins Artigo 1º - O Centro de Estudos de Artes Marciais Chinesas, representado pelas iniciais CEAMC, fundado em

Leia mais

Fundação Casa Grande Memorial do Homem Kariri. Estatuto

Fundação Casa Grande Memorial do Homem Kariri. Estatuto Fundação Casa Grande Memorial do Homem Kariri CAPÍTULO I NATUREZA E FINALIDADE Estatuto Art. 1º A FUNDAÇÃO CASA GRANDE MEMORIAL DO HOMEM KARIRI, com sede na Casa Grande da Rua Jeremias Pereira, N. 444,

Leia mais

Acordo de Acionistas. Corporativa da CPFL Energia S.A. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A.

Acordo de Acionistas. Corporativa da CPFL Energia S.A. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A. Acordo de Acionistas Diretrizes da CPFL de Energia Governança S.A. Corporativa da CPFL Energia S.A. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A. 1 Sumário I Introdução 3 II Estrutura Corporativa

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 Artigo 1º. - A FUNDAÇÃO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM AGRONOMIA, MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - FUNEP, além das disposições constantes de seu Estatuto

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Art. 1º O CENTRO BRASILEIRO DE PESQUISA EM AVALIAÇÃO E SELEÇÃO

Leia mais

Regimento Interno Akarui

Regimento Interno Akarui Regimento Interno Akarui Capítulo I - Da Instituição Artigo 1º - O presente Regimento Interno regula as atribuições e atividades da Organização da Sociedade civil de Interesse Público OSCIP AKARUI. Capítulo

Leia mais

Gestão Estratégica da Cadeia de Suprimentos: Modelos e Tendências SANTA CASA DE SÃO PAULO. Dr. Antonio Carlos Forte

Gestão Estratégica da Cadeia de Suprimentos: Modelos e Tendências SANTA CASA DE SÃO PAULO. Dr. Antonio Carlos Forte Gestão Estratégica da Cadeia de Suprimentos: Modelos e Tendências SANTA CASA DE SÃO PAULO Dr. Antonio Carlos Forte SANTA CASA DE SÃO PAULO Complexo hospitalar formado por dez unidades de assistência a

Leia mais

LISTA TELEFÔNICA DO HCE LOCALIZAÇÃO DDD PABX RAMAL RITEX + RAMAL CENTRAL TELEFÔNICA

LISTA TELEFÔNICA DO HCE LOCALIZAÇÃO DDD PABX RAMAL RITEX + RAMAL CENTRAL TELEFÔNICA LISTA TELEFÔNICA DO HCE LOCALIZAÇÃO DDD PABX RAMAL RITEX + RAMAL CENTRAL TELEFÔNICA 21 3891 7000 816+Ramal DIREÇÃO Gabinete do Diretor 21 Tel. Direto 3860-6570 Gabinete do Diretor (FAX) 21 Tel. Direto

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

III - Dos princípios gerais da gestão e ferramentas de gestão interna

III - Dos princípios gerais da gestão e ferramentas de gestão interna CAPITULO I - DOS PRINCÍPIOS GERAIS I Apresentação Ainda que não precisem gerar lucro, as organizações do terceiro setor demandam, cada vez mais, uma gestão profissionalizada, que lhes permita avaliar adequadamente

Leia mais

ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE

ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE FATEC JÚNIOR PRAIA GRANDE CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO. Artigo 1º - A Empresa Júnior dos alunos da Faculdade

Leia mais

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE Paulo Eduardo Elias* Alguns países constroem estruturas de saúde com a finalidade de garantir meios adequados para que as necessidades

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE NATAL

PREFEITURA MUNICIPAL DE NATAL PREFEITURA MUNICIPAL DE NATAL Lei Nº 05129/99 Tipo: LEI ORDINÁRIA Autor: CHEFE DO EXECUTIVO MUNICIPAL Data: (13/9/1999) Classificação: REGULAMENTAÇÃO Ementa: Dispõe sobre a Política Municipal do idoso,

Leia mais

Proposta de adequação do Estatuto Social.

Proposta de adequação do Estatuto Social. Proposta de adequação do Estatuto Social. Art. 23 A exclusão do Cooperado dar-se-á por: Texto atual: IV - Deixar de atender os requisitos estatutários para ingresso ou permanência na Cooperativa (neste

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO DO HOSPITAL SANTA CRUZ

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO DO HOSPITAL SANTA CRUZ REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO DO HOSPITAL SANTA CRUZ 1. DOS PRINCÍPIOS E OBJETIVOS O presente Regimento Interno visa disciplinar a constituição, ações, relações, avaliação e direção dos profissionais

Leia mais

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANALISTA EM SAÚDE/ ASSISTENTE SOCIAL PLANTONISTA REQUISITOS: Certificado ou Declaração de conclusão do Curso de Serviço Social, registrado no MEC; E

Leia mais

MUTIRÃO DE CIRURGIA DA CATARATA

MUTIRÃO DE CIRURGIA DA CATARATA MUTIRÃO DE CIRURGIA DA CATARATA A - Empresa Com um terreno de 1.000.000 m² e 354.000 m² de área construída, o Centro Comercial Leste Aricanduva surgiu em 1991 com a inauguração do primeiro shopping center

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO CASA COOPERATIVA DE NOVA PETRÓPOLIS" NOVA PETRÓPOLIS RS

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO CASA COOPERATIVA DE NOVA PETRÓPOLIS NOVA PETRÓPOLIS RS ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO CASA COOPERATIVA DE NOVA PETRÓPOLIS" NOVA PETRÓPOLIS RS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINS Art. 1º - Sob a denominação de "Casa Cooperativa de Nova Petrópolis" é constituída

Leia mais

santa casa da misericórdia

santa casa da misericórdia santa casa da misericórdia 5 de Outubro de 1945 Inaugurada uma enfermaria, com 6 camas, a juntar às 3 outras já existentes. 14 de Dezembro de 1947 Inauguração do Serviço de Radioscopia. 27 de Agosto de

Leia mais

Estatuto Social da Associação LAR CRIANÇA FELIZ

Estatuto Social da Associação LAR CRIANÇA FELIZ Estatuto Social da Associação LAR CRIANÇA FELIZ Capítulo I Da denominação, sede e fins. Artigo 1º - A Associação Lar Criança Feliz, fundada em 01 de Junho de 1978, é uma associação civil, de natureza filantrópica,

Leia mais

Anexo III MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS DE REFERÊNCIA

Anexo III MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS DE REFERÊNCIA ANEXO DO EDITAL Anexo III MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS DE REFERÊNCIA Outubro - 2012 Anexo III MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS DE REFERÊNCIA INTRODUÇÃO O presente ANEXO tem como

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FEPISA

REGIMENTO INTERNO DA FEPISA REGIMENTO INTERNO DA FEPISA Artigo 1º. - A FUNDAÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DE ILHA SOLTEIRA - FEPISA, além das disposições constantes de seu Estatuto, fica sujeita às determinações deste Regimento

Leia mais

Boletim Informativo. O ano de 2013. Informe RH - Redução da Jornada de Trabalho. Próxima edição C O N J U N T O H O S P I T A L A R DO M A N D A Q U I

Boletim Informativo. O ano de 2013. Informe RH - Redução da Jornada de Trabalho. Próxima edição C O N J U N T O H O S P I T A L A R DO M A N D A Q U I C O N J U N T O H O S P I T A L A R DO M A N D A Q U I Boletim Informativo Nossa Missão: Promover assistência segura à saúde, com respeito e ética aos usuários, desenvolvendo o ensino e pesquisa na busca

Leia mais

PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE

PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE NOSSO PLANO 1 2 PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE Sumário 1. O Nosso Plano 2. Programa de Promoção da Saúde 3. Por que aderir 4. COMO ADERIR 5. Os tipos de planos 6. Como Funciona 7. Dúvidas Frequentes 8.

Leia mais

Instituto Sócrates Guanaes

Instituto Sócrates Guanaes Instituto Sócrates Guanaes Instituição de direito privado sem fins lucrativos; Fundado em 13 de julho de 2000; Qualificado como Organização Social; Reconhecido como instituição de utilidade pública municipal

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE FISIOLOGIA VEGETAL SBFV

ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE FISIOLOGIA VEGETAL SBFV Estatuto ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE FISIOLOGIA VEGETAL SBFV CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, OS FINS E A SEDE DA ASSOCIAÇÃO. Art. 1º - A associação é denominada Sociedade Brasileira de Fisiologia

Leia mais

Modelo de estatuto de Associação

Modelo de estatuto de Associação Modelo de estatuto de Associação CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º. A Associação... é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com autonomia administrativa

Leia mais

QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA HOSPITAIS, CLÍNICAS, LABORATÓRIOS E DEMAIS PRESTADORAS DE SERVIÇOS MÉDICOS

QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA HOSPITAIS, CLÍNICAS, LABORATÓRIOS E DEMAIS PRESTADORAS DE SERVIÇOS MÉDICOS QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA HOSPITAIS, CLÍNICAS, LABORATÓRIOS E DEMAIS PRESTADORAS DE SERVIÇOS MÉDICOS O objetivo deste questionário é analisar as atividades

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO JUNDIAIENSE LUIZ BRAILLE DE ASSISTÊNCIA AO DEFICIENTE DA VISÃO.

ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO JUNDIAIENSE LUIZ BRAILLE DE ASSISTÊNCIA AO DEFICIENTE DA VISÃO. - Estatuto Social ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO JUNDIAIENSE LUIZ BRAILLE DE ASSISTÊNCIA AO DEFICIENTE DA VISÃO. ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FINS E SEDE Artigo 1 o O Instituto Jundiaiense

Leia mais

RELATÓRIO DE SUPERVISÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE

RELATÓRIO DE SUPERVISÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE RELATÓRIO DE SUPERVISÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE AMBULATÓRIO DE ESPECIALIDADES MUNICÍPIO: DATA: / / IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE: Nome: CGC: Endereço: Bairro: Telefone: Responsável pela unidade (formação): TURNO

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI Reconhecida pela SEC/SC - Portarias 0390/86 e 0424/92 ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E PROFESSORES DA ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI-ETEVI-FURB-BLUMENAU-SC CAPÍTULO I

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE APOIO ÀS VÍTIMAS DE PRECONCEITO RELIGIOSO - ABRAVIPRE

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE APOIO ÀS VÍTIMAS DE PRECONCEITO RELIGIOSO - ABRAVIPRE ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE APOIO ÀS VÍTIMAS DE PRECONCEITO RELIGIOSO - ABRAVIPRE ARTIGO 1º - DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE, DURAÇÃO E PRINCÍPIOS A Associação Brasileira de Apoio a Vítimas

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL ABEL - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE LEASING CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO DE DURAÇÃO, OBJETIVO SOCIAL E FORO

ESTATUTO SOCIAL ABEL - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE LEASING CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO DE DURAÇÃO, OBJETIVO SOCIAL E FORO ESTATUTO SOCIAL ABEL - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE LEASING CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO DE DURAÇÃO, OBJETIVO SOCIAL E FORO Artigo 1º - Sob a denominação de "ABEL - Associação Brasileira

Leia mais

INSTITUTO DARWIN INSTITUTO DE APOIO À EVOLUÇÃO DA CIDADANIA REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO REGIMENTO INTERNO

INSTITUTO DARWIN INSTITUTO DE APOIO À EVOLUÇÃO DA CIDADANIA REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO REGIMENTO INTERNO INSTITUTO DARWIN INSTITUTO DE APOIO À EVOLUÇÃO DA CIDADANIA REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO REGIMENTO INTERNO Artigo 1º - O presente Regimento Interno visa disciplinar os trabalhos Administrativos,

Leia mais

2XVRGD$QiOLVHGH*DSVQD$YDOLDomRGD3HUFHSomRGRV &OLHQWHV VREUH R 3URFHVVR GH 'LVWULEXLomR )tvlfd (VWXGR GH&DVRHP'LVWULEXLGRUDGH%HELGDV

2XVRGD$QiOLVHGH*DSVQD$YDOLDomRGD3HUFHSomRGRV &OLHQWHV VREUH R 3URFHVVR GH 'LVWULEXLomR )tvlfd (VWXGR GH&DVRHP'LVWULEXLGRUDGH%HELGDV 7LUOr&UX]6LOYD 2XVRGD$QiOLVHGH*DSVQD$YDOLDomRGD3HUFHSomRGRV &OLHQWHV VREUH R 3URFHVVR GH 'LVWULEXLomR )tvlfd (VWXGR GH&DVRHP'LVWULEXLGRUDGH%HELGDV 'LVVHUWDomRGH0HVWUDGR Dissertação apresentada como requisito

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS (ABRACE) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Duração

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS (ABRACE) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Duração ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS (ABRACE) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Duração Art. 1º - A Associação Brasileira de Pesquisa e Pós-Graduação em Artes Cênicas,

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA Vitória, ES Janeiro 2010. 1ª Revisão Janeiro 2011. 2ª Revisão Janeiro 2012. POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA REDE GAZETA IDENTIDADE CORPORATIVA Missão

Leia mais