REGIMENTO DA DIRETORIA DE ENFERMAGEM HOSPITAL SÃO PAULO/ HU da UNIFESP. Subseção I. Subseção II. Subseção III. Subseção IV. Subseção V.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGIMENTO DA DIRETORIA DE ENFERMAGEM HOSPITAL SÃO PAULO/ HU da UNIFESP. Subseção I. Subseção II. Subseção III. Subseção IV. Subseção V."

Transcrição

1 REGIMENTO DA DIRETORIA DE ENFERMAGEM HOSPITAL SÃO PAULO/ HU da UNIFESP SEÇÃO I Da Estrutura Organizacional e Funcionamento da Subseção I Da Direção Subseção II Das Gerências Executivas Subseção III Do Conselho de Enfermagem Subseção IV Dos Órgãos Assessores da Subseção V Dos Serviços de Enfermagem Subseção VI Das Reuniões com os membros da Subseção VII Do provimento dos cargos de Diretor e de Vice-Diretor de Enfermagem Subseção VIII Dos Candidatos para a DISPOSIÇÕES GERAIS

2 DA DIRETORIA DE ENFERMAGEM Art. 1º - A é o órgão vinculado à Diretoria do Hospital São Paulo (HSP) e é responsável por definir a filosofia, a política e as diretrizes da assistência de enfermagem em todas as áreas de atendimento da clientela em unidades de internação, ambulatoriais e de emergência do HSP, sob sua responsabilidade. Art. 2º - A tem por Missão proporcionar condições para a assistência de enfermagem de excelência em todos os níveis de complexidade, formar recursos humanos e gerar pesquisas que colaborem com melhorias na prática clínica. Art. 3º. - A tem por Visão ser referência para os clientes, colaboradores e alunos pelo seu comprometimento na busca de excelência dos serviços prestados e investimentos na qualidade com as relações humanas. Tem como Valores: o respeito às pessoas, inclusão, eficiência, qualidade de vida, segurança em todos os níveis, humanização, ética e educação / aprendizagem. Art. 4º - A tem como uma de suas estratégias de trabalho a integração docente assistencial com a Escola Paulista de Enfermagem da UNIFESP, visando o intercâmbio de conhecimentos e habilidades relativos à assistência, ensino e pesquisa. SEÇÃO I Da Estrutura Organizacional e Funcionamento da Art. 5º - A é constituída por: I Direção (Diretora e Vice-Diretora). II Gerências Executivas :

3 a) Assistencial; b) Educação Permanente e Pesquisa III Conselho de Enfermagem; IV - Órgãos Assessores: a) Comissão de Ética em Enfermagem; b) Grupo Assessor da. V - Divisão dos Serviços de Enfermagem. Art. 6º - Compõem os Serviços de Enfermagem do HSP as categorias de Enfermagem: I - Enfermeiro; II - Técnico de Enfermagem; III - Auxiliar de Enfermagem; IV - Atendente de Enfermagem: Auxiliar de saúde. Parágrafo Único - As categorias de profissionais que compõem os Serviços de Enfermagem do HSP, bem como suas respectivas formação e competências, devem contemplar a Lei nº 7.498/86 (COFEN) que regulamenta o exercício da Enfermagem. Subseção I Da Direção Art. 7º - A deve ser exercida por docente da Escola Paulista de Enfermagem/UNIFESP, ou enfermeiro do HSP/HU da UNIFESP. 1º - Deve ser responsável pela coordenação das atividades gerenciais e assistenciais necessárias ao funcionamento da do HSP, bem como pelo desenvolvimento dos profissionais, a fim de propiciar o alcance da missão e dos objetivos propostos pela Instituição.

4 Art. 8º - O mandato do Diretor de Enfermagem e vice é de quatro anos. I - O diretor e vice podem ser reconduzidos ao mesmo cargo somente uma vez de forma consecutiva, constituindo um novo processo eleitoral. Art. 9º - O Diretor de Enfermagem deve ser substituído em suas ausências e impedimentos pelo Vice-Diretor. 1º - Em caso de falta, impedimento ou vacância simultânea do Diretor de Enfermagem e do Vice-Diretor, responde pela Diretoria o Gerente da Assistência e em caso de impedimento dos anteriores, responde pela Diretoria o Gerente de Educação Permanente e Pesquisa. Art. 10º - É atribuição do Diretor de Enfermagem requerer o Certificado de Responsável Técnico e renová-lo periodicamente, segundo normas existentes, perante o Conselho Regional de Enfermagem (COREN-SP). Art. 11º - Compete ao Diretor de Enfermagem: I - Estabelecer as diretrizes da assistência de enfermagem de acordo com a missão da e políticas do Conselho Gestor do Hospital São Paulo; II - Assumir a responsabilidade técnica do Serviço de Enfermagem do HSP junto aos Conselhos Federal e Regional de Enfermagem e demais entidades reguladoras de saúde; III - Assegurar a prestação da assistência de enfermagem em todas as áreas de atendimento do HSP em quantidade e qualidade, garantindo sua efetividade; IV - Garantir a Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE); V - Gerenciar as atividades técnicas, administrativas, de ensino e pesquisa da Diretoria de Enfermagem, em consonância com a Diretoria Técnica do HSP; VI Acompanhar os trabalhos da Comissão de Ética em Enfermagem, tomando providências quando necessário sobre atitudes e comportamentos dos profissionais de enfermagem; VII Desenvolver a integração docente assistencial entre o HSP e a EPE/UNIFESP; VIII - Dimensionar o quadro de profissionais de enfermagem e solicitar o provimento nas vagas das unidades de trabalho;

5 IX - Indicar os gerentes de Assistência e de Educação Permanente, como cargos de confiança, respeitando o critério previsto no parágrafo primeiro do artigo 15 e 16, além dos requisitos específicos de cada cargo; X - Indicar junto aos Gerentes: os Coordenadores dos Serviços, Plantonistas Administrativos e os enfermeiros do Grupo Assessor. Art. 12º Compete ao Vice-Diretor de Enfermagem: I - Substituir o Diretor em suas ausências e impedimentos; II Coordenar ou participar das atividades designadas pela. Subseção II Das Gerências Executivas Art. 13º - A é constituída pelas seguintes Gerências Executivas: I - Assistencial; II - Educação Permanente e Pesquisa. 1º - Os Gerentes Executivos de Assistência e de Educação Permanente e Pesquisa são cargos de confiança da Diretora de Enfermagem do HSP. Art. 14º É atribuição dos Gerentes Executivos viabilizar os objetivos estabelecidos pela. Art. 15º É atribuição do Gerente de Assistência coordenar a implementação de projetos e programas assistenciais da. 1º - Constituem requisitos para o Gerente Executivo de Assistência: I Ter o título de mestre; II Ser Enfermeiro lotado no HSP/HU da UNIFESP ou Docente da EPE/UNIFESP;

6 III - Ter no mínimo dez anos de experiência profissional e no mínimo quatro anos de experiência em coordenação de serviços do HSP. 2º Compete ao Gerente Executivo da Assistência: I - Colaborar com o Diretor no estabelecimento das diretrizes da assistência de enfermagem; II Planejar as atividades assistenciais, junto aos coordenadores de serviço, visando à melhoria da qualidade da assistência de enfermagem, com base nos indicadores; III - Avaliar o cumprimento das metas assistenciais estabelecidas para cada unidade de atendimento ao cliente; IV Coordenar a revisão dos protocolos assistenciais da, juntamente com os enfermeiros e docentes que atuam no HSP/HU da UNIFESP; Art. 16º É atribuição da Gerente Executivo de Educação Permanente e Pesquisa coordenar a seleção, treinamento e desenvolvimento dos profissionais de enfermagem e colaborar nos processos de melhoria da assistência. 1º - Constituem requisitos para o Gerente Executivo de Educação Permanente e Pesquisa: I Ter o título de doutor; II Ser Enfermeiro lotado no HSP/HU da UNIFESP ou Docente da EPE; III - Ter no mínimo dez anos de experiência profissional e no mínimo quatro anos de experiência em cargo de coordenação na EPE ou de chefia no HSP. IV Ter experiência em ensino e pesquisa. 2º - Compete à Gerente Executivo de Educação Permanente e Pesquisa: I - Atuar em conjunto com os Departamentos de Recursos Humanos do HSP/HU da UNIFESP no provimento do quadro de profissionais de enfermagem; II - Promover o treinamento dos colaboradores admitidos; III - Gerenciar os programas de atualização para os profissionais de enfermagem; IV - Realizar programas de incentivo à ascensão funcional dos funcionários de enfermagem do HSP;

7 V - Realizar e colaborar em eventos científicos na área de enfermagem do HSP; VI - Organizar estágios na área de enfermagem solicitados pela Escola Paulista de Enfermagem/UNIFESP; VII - Autorizar e acompanhar os profissionais em visita à Instituição; VIII- Avaliar as solicitações de pesquisa que envolvam profissionais de enfermagem desenvolvidas no HSP; IX- Viabilizar com enfermeiros do HSP e alunos da EPE o desenvolvimento de pesquisas no HSP/HU da UNIFESP; X - Participar no planejamento, execução e avaliação do Programa de Residência Multiprofissional desenvolvidas no HSP/HU da UNIFESP; Subseção III Do Conselho de Enfermagem; Art. 17º O Conselho de Enfermagem é o órgão vinculado da e a Escola paulista de Enfermagem com o propósito de contribuir na melhoria da assistência, educação, pesquisa, condições de trabalho e estágio no HSP/HU da UNIFESP, em caráter deliberativo. 1º O Conselho de Enfermagem será composto por: I- Diretor de Enfermagem do HSP; II- Diretor da EPE; III- Um Gerente Executivo de Enfermagem; IV- Um membro representante dos Gerentes de Enfermagem; V- Três membros representante dos Enfermeiros Coordenadores; VI- Dois membros representantes dos Enfermeiros Assistenciais; VII- Um membro representante dos Técnicos de Enfermagem; VIII- Um membro representante dos Auxiliares de Enfermagem;

8 IX- Dois membros docentes representante de cada Departamento da EPE (totalizando 8 membros); X- Um membro representante técnico administrativo em educação da EPE. 2º - O cargo de presidente do Conselho de Enfermagem do HSP será ocupado pelo Diretor de Enfermagem do HSP e o de vice-presidente, pelo Diretor da Escola Paulista de Enfermagem / UNIFESP. 3º O período de mandato dos membros do Conselho de Enfermagem será de quatro anos, coincidente com o Diretor de Enfermagem, podendo haver uma recondução. 4º A substituição poderá ser antecipada por motivo de desistência ou mudança de cargo. 5º Os membros do Conselho serão escolhidos por seus pares por meio de voto. 6º As reuniões ordinárias serão mensais, com convocação previa e pauta, podendo ser extraordinária, quando houver solicitação por 50% ou mais dos membros. Artigo 18º - Compete ao Conselho de Enfermagem: I Discutir e propor ações que dizem respeito à gestão da assistência no HSP/HU da UNIFESP e ao intercâmbio entre o ensino, pesquisa e extensão de enfermagem com outros setores da UNIFESP; II- Discutir e propor ações relacionadas ao aperfeiçoamento do ensino bem como a atualização dos profissionais de enfermagem; III- Definir medidas que ofereçam melhores condições para estágio aos alunos da EPE; IV- Estabelecer critérios e programas para o aprimoramento dos profissionais de enfermagem do HSP/HU da UNIFESP em cursos oferecidos pela EPE; V- Propor temas para programas de atualização dos profissionais de enfermagem;

9 VI- Discutir medidas e propor ações que ofereçam melhores condições de trabalho e segurança aos profissionais de enfermagem; VII- Discutir e propor critérios para promoção e avaliação dos colaboradores de enfermagem. Subseção IV Dos Órgãos Assessores da Art. 19º - A contará com os seguintes órgãos assessores, com a finalidade de colaborar na execução e expansão de suas atividades assistenciais, administrativas, de ensino e pesquisa: I - Comissão de Ética em Enfermagem; II Grupo Assessor da. Parágrafo Único - O Diretor de Enfermagem poderá, a seu critério, criar comissões temporárias. Art. 20º - A Comissão de Ética em Enfermagem é o órgão representativo do Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo (COREN-SP), criada nos moldes das Resoluções e Decisões do COFEN e COREN SP, terá sua formação e funcionamento de acordo com as normas regimentais existentes para tal fim. 1º Compete à Comissão de Ética de Enfermagem: I - Divulgar o Código de Ética de Enfermagem entre os profissionais de enfermagem e fiscalizar o seu cumprimento; II - Instaurar sindicância para apurar denúncias conforme normas estabelecidas; III - Comunicar ao COREN-SP a ausência de condições de trabalho da equipe de enfermagem, que venham a comprometer a qualidade da assistência de Enfermagem prestada ao cliente bem como o exercício ilegal da profissão;

10 Art. 21º O Grupo Assessor da (GADE) é responsável por contribuir no desenvolvimento de projetos e programas, agilizar e facilitar os processos assistenciais e administrativos da. 1º Os membros do GADE serão enfermeiros do HSP ou docentes da EPE/UNIFESP indicados pela. 2º - O número de integrantes será estabelecido de acordo com a demanda gerada pelos projetos e programas. Artigo 22º- Compete ao Grupo Assessor da : I - Participar da elaboração e implementação de projetos da Diretoria; II - Interagir com as Gerências Executivas e os diversos serviços a fim de facilitar os processos de melhoria; III - Colaborar com as Gerências Executivas na avaliação periódica de projetos e programas implementados; IV - Colaborar com as demais diretorias e setores do HSP em projetos relacionados à gestão hospitalar. Subseção V Dos Serviços de Enfermagem Art. 23º - Os Serviços de Enfermagem são constituídos por uma ou mais unidades de trabalho, de acordo com especialidades afins. Art. 24º - Cada Serviço de Enfermagem possui um Gerente, enfermeiro do quadro de profissionais do HSP/HU da UNIFESP, escolhido pelo Diretor de Enfermagem, dentre aqueles que preencherem os seguintes requisitos:

11 I Possuir no mínimo título de especialista ou certificado de Curso de Especialização em área de Enfermagem ou Administração; II - Ter experiência profissional mínima de cinco anos no HSP/HU da UNIFESP. Parágrafo Único - O Gerente do Serviço de Enfermagem será responsável pelo gerenciamento da assistência de enfermagem nas unidades de trabalho que compõem cada serviço, em consonância com as Gerências Executivas, e a ele compete: I - Coordenar e avaliar as atividades de enfermagem da sua área de trabalho, segundo a filosofia da ; II - Participar do planejamento da Comissão de Área e Comissão de Padronização de equipamentos e materiais; III - Elaborar e ou aprovar a escala mensal de distribuição de pessoal, visando dar cobertura a todas as unidades; IV- Incentivar os funcionários a participarem nos cursos de da educação permanente programados pela instituição; V- Manter integração com os plantonistas administrativos de enfermagem na orientação de condutas em situações que requeiram a intervenção imediata do plantonista; VI- Colaborar com as Gerências na elaboração e revisão de normas, rotinas e procedimentos de enfermagem; VII - Participar da implementação e avaliação da Sistematização da Assistência de Enfermagem nas suas unidades; VIII - Promover reuniões informativas com grupo de trabalho de sua área de atuação; IX- Receber graduandos e pós-graduandos de enfermagem nas unidades, colaborando com seu aprendizado e avaliação; X - Monitorar os indicadores de qualidade em enfermagem e propor medidas de intervenção nas unidades sob sua responsabilidade. Art. 25º Cada Serviço de Enfermagem terá um ou mais Enfermeiros Coordenadores de acordo com sua especificidade, devendo ser enfermeiro do quadro ativo de profissionais do

12 HSP/HU da UNIFESP e que será escolhido pelo Gerente do Serviço, dentre aqueles que preencherem os seguintes requisitos: I - Ter título de especialista ou certificado de Curso de Especialização na área que atua ou em Administração; II - Ter experiência profissional mínima de dois anos no HSP e ser preferencialmente da própria Unidade ou Serviço. 1º - O Enfermeiro Coordenador é responsável pelo gerenciamento das atividades assistenciais e administrativas nas unidades sob sua responsabilidade, quando delegadas pelo Gerente ou na sua ausência. 2º - Compete ao Enfermeiro Coordenador: I - Coordenar as atividades assistenciais e administrativas de enfermagem nas 24 horas; II - Elaborar a escala mensal de folgas de acordo com os critérios pré-estabelecidos pela ; III - Fazer o remanejamento dos profissionais entre os turnos de trabalho, quando necessário; IV - Fazer a supervisão dos colaboradores visando a melhoria da qualidade do desempenho dos mesmos; V - Participar do treinamento e avaliação admissional e periódica dos profissionais da unidade; VI - Transmitir as informações e orientações da para todos os colaboradores da unidade; VII - Gerenciar a provisão de insumos para a unidade nas 24 horas; VIII - Providenciar manutenção e consertos de equipamentos e área física da unidade; IX Colaborar com o ensino e avaliação dos graduandos e pós-graduandos de enfermagem; X Participar das reuniões, visitas clinicas e cursos interdisciplinares promovidos pela equipe de saúde da unidade;

13 Art. 26º - O Enfermeiro Plantonista Administrativo é o profissional responsável pela solução das ocorrências administrativas e assistenciais nas ausências do Vice-Diretor de enfermagem e dos Gerentes Executivos de Serviço. 1º - Os Enfermeiros Plantonistas Administrativos serão indicados pelo Diretor de Enfermagem dentre os enfermeiros do quadro de profissionais do HSP/HU da UNIFESP. 2º - O número de plantonistas será determinado pela necessidade de representação da no período noturno e em feriados e finais de semana. Os Enfermeiros Plantonistas Administrativos estarão subordinados a Vice Diretora de Enfermagem. 3º - Ao Enfermeiro Plantonista Administrativo compete: I - Representar a durante o plantão administrativo; II - Supervisionar as unidades de trabalho nos turnos correspondentes; III - Manter a Diretoria e os Gerentes Executivos de serviço informados sobre as ocorrências durante os plantões administrativos; IV - Fazer os remanejamentos emergenciais de funcionários, respeitando sempre que possível, a escala de substituição interna do Serviço; V - Participar de reuniões com a, quando convocado; VI - Fazer o registro das ocorrências do plantão no livro de relatório diário; VII - Receber e atualizar o censo diário de pacientes; VIII Passar o plantão e intercorrências para a Vice - Diretora de Enfermagem; Subseção VI Das Reuniões com os membros da Art. 27º - As Reuniões da deverão ser realizadas, a cada quinze dias, em um dia útil, com convocação prévia e informação da pauta, podendo ser extraordinária, quando houver solicitação por 50% ou mais dos membros.

14 Subseção VII Do provimento dos cargos de Diretor e de Vice-Diretor de Enfermagem Art. 28º - O provimento dos cargos de Diretor e de Vice-Diretor de Enfermagem, é definido por meio de consulta à comunidade de enfermagem da Escola de Enfermagem e do HSP/HU da UNIFESP. 1º - Para os cargos de Diretor e Vice Diretor serão montadas chapas formadas preferencialmente por um docente da Escola Paulista de Enfermagem/UNIFESP, e um enfermeiro do HSP/HU da UNIFESP. 2º. Farão parte da comunidade de Enfermagem que está apta a participar da consulta pública: enfermeiros, técnicos de enfermagem, auxiliares de enfermagem, atendentes de enfermagem, auxiliares de saúde lotados no HSP/HU da UNIFESP, enfermeiros técnicoadministrativos em educação e docentes da Escola Paulista de Enfermagem, alunos de enfermagem de graduação e de Programas de Residência. Art 29º - Compete ao Conselho Gestor a nomeação do diretor e vice - diretor a partir da lista elaborada após término do processo de consulta a comunidade. Parágrafo 1 º - É prerrogativa do Conselho Gestor a destituição dos titulares dos cargos de diretor e vice - diretor por motivo de improbidade administrativa, bem como a indicação de um Diretor pró Têmpore. Parágrafo 2º - O Diretor Pró Têmpore assumirá o cargo por noventa dias, período em que será realizado novo processo de consulta à comunidade.

15 Art. 30º - A consulta à comunidade para os cargos de Diretor e Vice-Diretor de Enfermagem do HSP deve ocorrer a cada quatro anos, obedecendo as regras da Comissão Eleitoral. Parágrafo Único - O Presidente do Conselho Gestor do HSP/HU da UNIFESP constituirá uma Comissão Eleitoral indicando membros da EPE e HSP/HU da UNIFESP, com a finalidade de conduzir o processo de consulta. Subseção VIII Dos Candidatos para a Art. 31º - Poderão candidatar-se ao cargo de Diretor de Enfermagem do HSP, os docentes da EPE ou enfermeiros do HU/ UNIFESP que preencham os requisitos: I Ter o título de doutor; II - Ter no mínimo dez anos de experiência profissional e no mínimo quatro anos de experiência em cargo de coordenação na EPE ou de chefia no HSP/HU da UNIFESP; IV Ter disponibilidade de tempo integral. Art. 32º - Poderão candidatar-se ao cargo de Vice-Diretor de Enfermagem do HSP, os docentes da EPE e enfermeiros do HU / UNIFESP que preencham os requisitos: I Ter no mínimo o título de mestre; II - Ter no mínimo dez anos de experiência profissional e quatro anos de experiência em cargo de coordenação na EPE ou de chefia no HSP/HU da UNIFESP; IV Ter disponibilidade de tempo integral. DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 33º- Este Regimento poderá ser modificado por proposição da, aprovação em reunião do Conselho de Enfermagem convocada para esta finalidade.

16 Art. 34º - Os casos omissos serão resolvidos pela em reunião para este fim. Art. 35º - Este Regimento entra em vigor na data de sua aprovação pelo Conselho Gestor do HSP e revogam-se as disposições em contrário.

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE ENFERMAGEM UFSM/CESNORS TÍTULO I: DO REGIME

Leia mais

RESOLUÇÃO CD 28/2009. O CONSELHO DEPARTAMENTAL DA FACULDADE TRÊS DE MAIO - SETREM, no uso de suas atribuições legais e regimentais, considerando:

RESOLUÇÃO CD 28/2009. O CONSELHO DEPARTAMENTAL DA FACULDADE TRÊS DE MAIO - SETREM, no uso de suas atribuições legais e regimentais, considerando: RESOLUÇÃO CD 28/2009 - DEFINE O REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO CLÍNICA-ESCOLA DE PSICOLOGIA DA FACULDADE TRÊS DE MAIO - SERCEPS, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O CONSELHO DEPARTAMENTAL DA FACULDADE TRÊS DE MAIO

Leia mais

Faculdade de Educação e Meio Ambiente FAEMA Instituto Superior de Educação ISE

Faculdade de Educação e Meio Ambiente FAEMA Instituto Superior de Educação ISE REGIMENTO INTERNO DA CLINICA-ESCOLA DE PSICOLOGIA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE - Capítulo I Caracterização do Serviço Clínica-Escola de Psicologia Art. 1º - O SEPsi - Serviço Escola de Psicologia

Leia mais

ANEXO 1 REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE, SEDE E FORO

ANEXO 1 REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE, SEDE E FORO ANEXO 1 REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE, SEDE E FORO Art. 1º - A Comissão Nacional de Residência em Enfermagem - Conarenf, criada pela

Leia mais

1ª Adequação do Regimento do Serviço de Enfermagem do Consórcio Intermunicipal de Saúde Centro Oeste do Paraná INTRODUÇÃO

1ª Adequação do Regimento do Serviço de Enfermagem do Consórcio Intermunicipal de Saúde Centro Oeste do Paraná INTRODUÇÃO 1ª Adequação do Regimento do Serviço de Enfermagem do Consórcio Intermunicipal de Saúde Centro Oeste do Paraná INTRODUÇÃO A assistência de enfermagem com qualidade está diretamente ligada à organização

Leia mais

RESOLUÇÃO: JOÃO GRANDINO RODAS Reitor. RUBENS BEÇAK Secretário Geral REGIMENTO DA ESCOLA DE ENFERMAGEM DE RIBEIRÃO PRETO TÍTULO I

RESOLUÇÃO: JOÃO GRANDINO RODAS Reitor. RUBENS BEÇAK Secretário Geral REGIMENTO DA ESCOLA DE ENFERMAGEM DE RIBEIRÃO PRETO TÍTULO I Page 1 of 13 RESOLUÇÃO Nº 6311, DE 6 DE JULHO DE 2012. (D.O.E. - 11.07.2012) Baixa o Regimento da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto. O Reitor da Universidade de São Paulo, usando de suas atribuições

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. Regimento Interno do Corpo Clínico do Hospital Unimed João Pessoa I - FINALIDADE:

REGIMENTO INTERNO. Regimento Interno do Corpo Clínico do Hospital Unimed João Pessoa I - FINALIDADE: Código: RCC.DIR.001 Data: 28/08/2002 Versão: 1 Página: 1 de 20 I - FINALIDADE: Este documento apresenta a forma de organização das instâncias de poder do Hospital, sua configuração em Departamentos, Serviços

Leia mais

da Escola de Aplicação da Universidade de São CE EAFEUSP

da Escola de Aplicação da Universidade de São CE EAFEUSP Regulamento Interno do Conselho de Escola da Escola de Aplicação da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo CE EAFEUSP Regulamento Interno do Conselho de Escola da Escola de Aplicação da Faculdade

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CUNI Nº 008, DE 6 DE MARÇO DE 2012. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS, no uso de suas atribuições

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS REGIMENTO INTERNO Aprovado na reunião do Conselho de Centro do dia 15.03.2007. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO REGIMENTO INTERNO REGIMENTO INTERNO Conselho Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º O Conselho Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação (CMCTI/Campinas), criado pela Lei Municipal

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE CITOLOGIA CLÍNICA Capítulo I Da Natureza e Finalidade Art. 1º. A Liga de Citologia Clínica é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob a supervisão da da

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE HOMEOPATIA DA CIÊNCIAS MÉDICAS - LHCMA Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A LIGA DE HOMEOPATIA DA CIÊNCIAS MÉDICAS é uma entidade sem fins lucrativos, com duração

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 211/2005-CEPE/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 211/2005-CEPE/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 211/2005-CEPE/UNICENTRO Aprova o Regulamento de Estágio do Curso de Turismo da Universidade Estadual do Centro- Oeste, UNICENTRO. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO:

Leia mais

DECRETO Nº 27.958, DE 16 DE MAIO DE 2007 DODF DE 17.05.2007

DECRETO Nº 27.958, DE 16 DE MAIO DE 2007 DODF DE 17.05.2007 DECRETO Nº 27.958, DE 16 DE MAIO DE 2007 DODF DE 17.05.2007 Aprova o Estatuto Social da Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal e dá outras providências. O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, no uso

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL)

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL) REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL) TÍTULO 1 Da Instituição e seus Fins Art. 1 0 O Centro de Estudos em Educação e Linguagem (CEEL), criado em 2004, para integrar uma

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CUNI Nº 014, DE 29 DE ABRIL DE 2015. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS, no uso de suas atribuições

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 15/09 CONSUNI

RESOLUÇÃO Nº 15/09 CONSUNI 0 RESOLUÇÃO Nº 15/09 CONSUNI APROVA A ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE JARAGUÁ DO SUL UNERJ. A Presidente do Conselho Universitário CONSUNI do Centro Universitário de Jaraguá do Sul UNERJ,

Leia mais

Universidade Federal de São Paulo PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS

Universidade Federal de São Paulo PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS Regimento do Serviço de Saúde do Corpo Discente (SSCD) da Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis (PRAE) Unifesp Da denominação, composição e competências Artigo 1º O Serviço de Saúde do Corpo Discente (SSCD)

Leia mais

MANUAL DE NORMAS Ato: Resolução Nº 012/2011- CONSUP

MANUAL DE NORMAS Ato: Resolução Nº 012/2011- CONSUP Pág. 1 de 8 CAPÍTULO I DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SEUS FINS Art. 1º O Núcleo de Inovação Tecnológica do Instituto Federal do Piauí (IFPI), criado pela Resolução nº 012, de 12 de agosto de 2011,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 02/2010 Cria e estabelece o Regimento Interno do órgão suplementar, Centro de Educação a Distância (CEAD) da Universidade Federal de Juiz de Fora. O CONSELHO SUPERIOR da

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 68, DE 26 DE MARÇO DE 2013.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 68, DE 26 DE MARÇO DE 2013. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 68, DE 26 DE MARÇO DE 2013. (Texto compilado) Regulamenta os mecanismos de progressão e promoção para os titulares dos cargos de provimento efetivo de Especialista em Regulação de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE CATÓLICA SANTA TERESINHA 2010 A 2014 (Aprovado pela Resolução 005/2010-CONSUPE/FCST, 14/07/2010)

REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE CATÓLICA SANTA TERESINHA 2010 A 2014 (Aprovado pela Resolução 005/2010-CONSUPE/FCST, 14/07/2010) 0 REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE CATÓLICA SANTA TERESINHA 2010 A 2014 (Aprovado pela Resolução 005/2010-CONSUPE/FCST, 14/07/2010) CAICÓ-RN 2010 1 SUMÁRIO TÍTULO I: DA INSTITUIÇÃO, DAS SUAS DIRETRIZES PEDAGÓGICAS

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA COORDENADORIA DE GRADUAÇÃO REGIMENTO INTERNO 2012 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA COORDENADORIA

Leia mais

e) Liberdade assistida; f) Semiliberdade; g) Internação, fazendo cumprir o Estatuto da Criança e do Adolescente.

e) Liberdade assistida; f) Semiliberdade; g) Internação, fazendo cumprir o Estatuto da Criança e do Adolescente. REGIMENTO INTERNO DO COMDICA Título I DO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Capítulo I - DA NATUREZA Art.1º - O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente COMDICA,

Leia mais

Anexo I Resolução nºc21/2009 CD/FAP de 27.05.2009

Anexo I Resolução nºc21/2009 CD/FAP de 27.05.2009 Anexo I Resolução nºc21/2009 CD/FAP de 27.05.2009 CENTRO DE ATENDIMENTO E ESTUDOS EM MUSICOTERAPIA CLOTILDE LEINIG A Universidade Estadual do Paraná - - Faculdade de Artes do Paraná, ao implementar o Centro

Leia mais

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM DIREITO Sumário CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... 1 CAPÍTULO II DA ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA...2 CAPÍTULO III DO CORPO DOCENTE,

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DAS TROCAS, FOLGAS E BH ASSESSORIA DE ENFERMAGEM HCR

SISTEMATIZAÇÃO DAS TROCAS, FOLGAS E BH ASSESSORIA DE ENFERMAGEM HCR SISTEMATIZAÇÃO DAS TROCAS, FOLGAS E BH ASSESSORIA DE ENFERMAGEM HCR OUT/2008 INTRODUÇÃO O Serviço de Enfermagem do HCR visando contribuir na eficiência e eficácia organizacional, adotará a partir de 01/02/2009,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS XII / GUANAMBI BA REGIMENTO INTERNO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS XII / GUANAMBI BA REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS XII / GUANAMBI BA REGIMENTO INTERNO GUANAMBI 2005 CAPÍTULO I Da Finalidade Art. 1º - O Núcleo de Pesquisa e Extensão () do Departamento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 888/2015

RESOLUÇÃO Nº. 888/2015 RESOLUÇÃO Nº. 888/2015 O Conselho Estadual de Saúde - CES/ES, no uso de suas atribuições capituladas na Lei Federal Nº 8.142, de 28 de dezembro de 1990, Lei Estadual Nº 7.964, de 27 de dezembro de 2004,

Leia mais

PAUTA. CRE-Guará Instruções para Eleição de Conselho Escolar. Eleição Data: 16/09/15. Conselho Escolar PAUTA. Competências - Conselho Escolar

PAUTA. CRE-Guará Instruções para Eleição de Conselho Escolar. Eleição Data: 16/09/15. Conselho Escolar PAUTA. Competências - Conselho Escolar CRE-Guará Instruções para Eleição de Conselho Escolar Eleição Data: 16/09/15 PAUTA 01 Definição de Conselho Escolar; 02 Composição do Conselho Escolar; 03 Competências do Conselho Escolar; 04 Eleição para

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DAS LICENCIATURAS (NEPEx LICENCIATURAS) DO INSTITUTO FEDERAL GOIANO

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DAS LICENCIATURAS (NEPEx LICENCIATURAS) DO INSTITUTO FEDERAL GOIANO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ENSINO, PESQUISA E

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE POLÍTICAS CULTURAIS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CONSELHO MUNICIPAL DE POLÍTICAS CULTURAIS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CONSELHO MUNICIPAL DE POLÍTICAS CULTURAIS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regimento interno disciplina o funcionamento do Conselho Municipal de Políticas Culturais,

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE

CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Regimento Interno do Conselho Superior do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Alagoas. CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º. O Conselho Superior, instituído pela Lei n 11.892,

Leia mais

REGIMENTO DO CENTRO DE EXTENSÃO DA FACULDADE DE FARMÁCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGIMENTO DO CENTRO DE EXTENSÃO DA FACULDADE DE FARMÁCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGIMENTO DO CENTRO DE EXTENSÃO DA FACULDADE DE FARMÁCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E FINALIDADES Art. 1º. O Centro de Extensão da Faculdade de Farmácia da UFMG, doravante

Leia mais

RESOLUÇÃO CsU N., DE DE DEZEMBRO DE 2015

RESOLUÇÃO CsU N., DE DE DEZEMBRO DE 2015 RESOLUÇÃO CsU N., DE DE DEZEMBRO DE 2015 Cria a UEG TV e aprova o seu Regimento Interno. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS (CsU/UEG), nos termos do art. 8 e o 10º, do art. 10,

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 17/CUn DE 10 DE ABRIL DE 2012. Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal de Santa Catarina

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 17/CUn DE 10 DE ABRIL DE 2012. Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal de Santa Catarina RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 17/CUn DE 10 DE ABRIL DE 2012 Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal de Santa Catarina O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal de Santa

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CURSO DE MESTRADO E DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL.

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CURSO DE MESTRADO E DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL. REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CURSO DE MESTRADO E DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL Sumário Capítulo I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA...2 Capítulo II DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO CAMPUS VIRTUAL DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO CEARÁ

REGULAMENTO GERAL DO CAMPUS VIRTUAL DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO CEARÁ REGULAMENTO GERAL DO CAMPUS VIRTUAL DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO CEARÁ TÍTULO I DA FINALIDADE E DA COMPETÊNCIA DO CAMPUS VIRTUAL DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO CEARÁ CVSP Art. 1º O Campus Virtual

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS AMBIENTAIS E DIREITO SANITÁRIO - NEPADIS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS AMBIENTAIS E DIREITO SANITÁRIO - NEPADIS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Texto Aprovado CONSEPE Nº 2005-10 - Data: 19/06/2005 PRÓ-REITORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS AMBIENTAIS E DIREITO SANITÁRIO - NEPADIS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Artigo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1. O Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia - NITTEC é um Órgão Executivo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 638, DE 22 DE JANEIRO DE 2008

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 638, DE 22 DE JANEIRO DE 2008 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 638, DE 22 DE JANEIRO DE 2008 Aprova o Regimento do Campus Universitário do Marajó-Soure. O REITOR DA UNIVERSIDADE

Leia mais

REGIMENTO INTERNO MUSEU DA MEMÓRIA E PATRIMÔNIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CAPÍTULO I CATEGORIA, SEDE E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO MUSEU DA MEMÓRIA E PATRIMÔNIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CAPÍTULO I CATEGORIA, SEDE E FINALIDADE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG REGIMENTO INTERNO MUSEU DA MEMÓRIA E PATRIMÔNIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CAPÍTULO I CATEGORIA, SEDE E FINALIDADE Art. 1º O Museu

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 16 - CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009.

RESOLUÇÃO Nº. 16 - CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI CONSU RESOLUÇÃO Nº. 16 - CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009. Aprova o Regimento interno da Diretoria de Relações Internacionais

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO RIO GRANDE DO NORTE

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO RIO GRANDE DO NORTE ATO NORMATIVO Nº 01, DE 28 DE MARÇO DE 2012. Institui o Normativo de Pessoal EMPREGO DE LIVRE PROVIMENTO E DEMISSÃO DE NÍVEL SUPERIOR, EMPREGOS TEMPORÁRIOS DE NÍVEL SUPERIOR E EMPREGOS TEMPORÁRIOS DE NÍVEL

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES Art.1º- O presente Regimento Interno elaborado na forma do artigo 35 (Trinta e cinco) do Estatuto tem por

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco. Regimento Interno do Centro de Informática

Universidade Federal de Pernambuco. Regimento Interno do Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco Regimento Interno do Centro de Informática TÍTULO I DISPOSIÇÃO PRELIMINAR SUMÁRIO 2 TÍTULO II DA FINALIDADE DO CENTRO TÍTULO III DOS CURSOS DO CENTRO TÍTULO IV DA ESTRUTURA

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE RESOLUÇÃO CONSUN Nº 009/2012

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE RESOLUÇÃO CONSUN Nº 009/2012 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE RESOLUÇÃO CONSUN Nº 009/2012 Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul. Alterada pela

Leia mais

REGULAMENTO DE RESIDÊNCIA MÉDICA

REGULAMENTO DE RESIDÊNCIA MÉDICA RESOLUÇÃO SMS Nº 561 DE 19 DE ABRIL DE 1996 ATUALIZA E CONSOLIDA AS NORMAS PARA O REGULAMENTO DE RESIDÊNCIA MÉDICA, EM UNIDADES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE SAÚDE, no uso

Leia mais

PORTARIA Nº 78, DE 28 DE MAIO DE 2015.

PORTARIA Nº 78, DE 28 DE MAIO DE 2015. Sistema Integrado de Normas Jurídicas do Distrito Federal SINJ-DF PORTARIA Nº 78, DE 28 DE MAIO DE 2015. O SECRETÁRIO DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL, no uso das atribuições que lhe confere o

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 142/2008

RESOLUÇÃO N.º 142/2008 MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 142/2008 EMENTA: Aprovação do Regimento Interno do Curso de Pós-Graduação em Nível de Especialização, sob a forma de Treinamento

Leia mais

Professora Ana Lúcia Almeida Gazzola Vice-Reitora no exercício da Presidência do Conselho Universitário

Professora Ana Lúcia Almeida Gazzola Vice-Reitora no exercício da Presidência do Conselho Universitário RESOLUÇÃO N o 02/2002, DE 14 DE MARÇO DE 2002 Aprova o Regimento da Faculdade de Medicina. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS, no uso de suas atribuições estatutárias, considerando

Leia mais

Curso de Graduação em Enfermagem REGIMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

Curso de Graduação em Enfermagem REGIMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM REGIMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM Sumário Curso de Graduação em Enfermagem 1. DA APRESENTAÇÃO... 3 2. DA LEGISLAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR EM ENFERMAGEM...

Leia mais

RESOLUÇÃO DO COLEGIADO DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGUE

RESOLUÇÃO DO COLEGIADO DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGUE UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E EDUCAÇÀO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGUE Bacharelado RESOLUÇÃO DO COLEGIADO DO CURSO DE SECRETARIADO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS DE CULTURA CONTEMPORÂNEA UFMT TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS DE CULTURA CONTEMPORÂNEA UFMT TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS DE CULTURA CONTEMPORÂNEA UFMT TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Estudos de Cultura Contemporânea da UFMT,

Leia mais

ESTADO DE SÃO PAULO PORTARIA IAC/DG... REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TORPICAL E SUBTROPICAL

ESTADO DE SÃO PAULO PORTARIA IAC/DG... REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TORPICAL E SUBTROPICAL ESTADO DE SÃO PAULO PORTARIA IAC/DG... REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TORPICAL E SUBTROPICAL O Diretor Técnico de Departamento resolve elaborar e implantar o Regimento do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FEAC APROVADO EM REUNIÃO REALIZADA EM 17.09.2009

REGIMENTO INTERNO DA FEAC APROVADO EM REUNIÃO REALIZADA EM 17.09.2009 UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇAO E CONTABILIDADE REGIMENTO INTERNO DA FEAC APROVADO EM REUNIÃO REALIZADA EM 17.09.2009 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1

Leia mais

CAPÍTULO I. Parágrafo Único - Sua duração é por tempo indeterminado. CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA FUNDAÇÃO

CAPÍTULO I. Parágrafo Único - Sua duração é por tempo indeterminado. CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA FUNDAÇÃO ESTATUTO DA FUNDAÇÃO HOSPITAL SANTA LYDIA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA JURÍDICA, SEDE E FORO Artigo 1º - A FUNDAÇÃO HOSPITAL SANTA LYDIA, cuja instituição foi autorizada pela Lei Complementar nº

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 22/2014 Aprova o Regimento do Centro de Informática da Universidade Federal da Paraíba. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

FAP Faculdade de Apucarana CESUAP Centro de Ensino Superior de Apucarana CNPJ 73243164/0001-13. NR5 - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes

FAP Faculdade de Apucarana CESUAP Centro de Ensino Superior de Apucarana CNPJ 73243164/0001-13. NR5 - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes NR5 - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes DO OBJETIVO 5.1 a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA - tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo

Leia mais

ESTATUTO CONSOLIDADO FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE PASSOS* Capítulo I Da denominação, sede, fins e duração.

ESTATUTO CONSOLIDADO FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE PASSOS* Capítulo I Da denominação, sede, fins e duração. ESTATUTO CONSOLIDADO FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE PASSOS* Capítulo I Da denominação, sede, fins e duração. Art. 1º - A Fundação de Ensino Superior de Passos, sucessora da Fundação Faculdade de Filosofia

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN

RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN Estabelece o Regimento Interno do Núcleo de Educação a Distância (NEAD) da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Paraná, no uso de

Leia mais

Programa de Atividades de Monitoria

Programa de Atividades de Monitoria Programa de Atividades de Monitoria CAPÍTULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS DA MONITORIA Art. 1º A atividade de monitoria é desenvolvida por discentes para aprimoramento do processo de ensino e aprendizagem,

Leia mais

REGULAMENTO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL CAPÍTULO I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Código: Ed.001/2016 Versão: 01 Página: 1 / 8 REGULAMENTO DE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Art. 1º Este regulamento estabelece as regras de Recrutamento e Seleção para o preenchimento de vagas para pessoal administrativo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO NÚCLEO REGIONAL DO GESPÚBLICA - EASA

REGIMENTO INTERNO NÚCLEO REGIONAL DO GESPÚBLICA - EASA REGIMENTO INTERNO NÚCLEO REGIONAL DO GESPÚBLICA - EASA Cruz Alta, 26 de abril de 2010. MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DECEx DFA ESCOLA DE APERFEIÇOAMENTO DE SARGENTOS DAS ARMAS REGIMENTO INTERNO

Leia mais

ESCOLA DE ENFERMAGEM WENCESLAU BRAZ COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA CEP/EEWB REGIMENTO INTERNO

ESCOLA DE ENFERMAGEM WENCESLAU BRAZ COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA CEP/EEWB REGIMENTO INTERNO ESCOLA DE ENFERMAGEM WENCESLAU BRAZ COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA CEP/EEWB REGIMENTO INTERNO ITAJUBÁ 2015 Capítulo 1 DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA Art. 1º - O Comitê de Ética em Pesquisa - CEP - da Escola

Leia mais

NORMA REGULAMENTADORA 5 - NR 5 COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO OBJETIVO

NORMA REGULAMENTADORA 5 - NR 5 COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO OBJETIVO Page 1 of 7 NORMA REGULAMENTADORA 5 - NR 5 COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO OBJETIVO 5.1 a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA - tem como objetivo a prevenção de acidentes e

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUIVOLOGIA

REGIMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUIVOLOGIA REGIMENTO INTERNO DO TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I Da Natureza Art. 1º. O Colegiado do Curso de Graduação em Arquivologia é um órgão normativo e deliberativo, com sede no Centro de

Leia mais

DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CAPÍTULO I DA DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E SEUS FINS

DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CAPÍTULO I DA DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E SEUS FINS DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CAPÍTULO I DA DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E SEUS FINS Art. 1º A Diretoria de Gestão de Tecnologia da Informação da Universidade Federal

Leia mais

REGULAMENTO DA COORDENADORIA DE ESPORTES E LAZER

REGULAMENTO DA COORDENADORIA DE ESPORTES E LAZER UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRO-REITORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS E COMUNITARIOS COORDENADORIA DE ESPORTES E LAZER REGULAMENTO DA COORDENADORIA DE ESPORTES E LAZER Lavras Junho 2012 1 CAPÍTULO I DA COORDENADORIA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FAZENDA EXPERIMENTAL DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS/UFGD TÍTULO I DA NATUREZA, DA CONSTITUIÇÃO, DAS FINALIDADES E OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DA FAZENDA EXPERIMENTAL DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS/UFGD TÍTULO I DA NATUREZA, DA CONSTITUIÇÃO, DAS FINALIDADES E OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DA FAZENDA EXPERIMENTAL DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS/UFGD TÍTULO I DA NATUREZA, DA CONSTITUIÇÃO, DAS FINALIDADES E OBJETIVOS Capítulo I Da Natureza Art. 1º. A Fazenda Experimental de Ciências

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE HUMANIDADES, ARTES E CIÊNCIAS PROFESSOR MILTON SANTOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE HUMANIDADES, ARTES E CIÊNCIAS PROFESSOR MILTON SANTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE HUMANIDADES, ARTES E CIÊNCIAS PROFESSOR MILTON SANTOS Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 846

RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 846 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 846 Altera a denominação do Curso de Especialização em Redes de Computadores, criado pela Resolução CEPEC nº 422, e aprova o novo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS Art. 1º - O Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional, vinculado ao Instituto

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO DO TERRITÓRIO CANTUQUIRIGUAÇU - CONDETEC CAPÍTULO I DA NATUREZA

REGIMENTO DO CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO DO TERRITÓRIO CANTUQUIRIGUAÇU - CONDETEC CAPÍTULO I DA NATUREZA REGIMENTO DO CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO DO TERRITÓRIO CANTUQUIRIGUAÇU - CONDETEC CAPÍTULO I DA NATUREZA Art 1º - O Conselho de Desenvolvimento do Território CANTUQUIRIGUAÇU - CONDETEC é composto por entidades

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO SISTEMA DOS LABORATÓRIOS DO CAMPUS CAÇAPAVA DO SUL TÍTULO I DOS FINS

REGIMENTO INTERNO DO SISTEMA DOS LABORATÓRIOS DO CAMPUS CAÇAPAVA DO SUL TÍTULO I DOS FINS 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA (Lei nº. 11.640, de 11 de janeiro de 2008) REGIMENTO INTERNO DO SISTEMA DOS LABORATÓRIOS DO CAMPUS CAÇAPAVA DO SUL TÍTULO I DOS FINS Art. 1º - O sistema

Leia mais

Seção II Dos Gerentes

Seção II Dos Gerentes O EXMO. SR. PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE PERNAMBUCO, no uso de suas atribuições legais, Considerando a necessidade de fomentar e viabilizar o desenvolvimento de servidores e o aperfeiçoamento

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE TECNOLOGIA NT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE TECNOLOGIA NT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CAPÍTULO I Do Departamento de Engenharia Elétrica Art. 1 O Departamento de Engenharia Elétrica é o órgão acadêmico que congregam docentes

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CUNI Nº 044, DE 11 DE SETEMBRO DE 2013. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS, no uso de suas

Leia mais

Jeep Clube de Brasília. Estatuto Social

Jeep Clube de Brasília. Estatuto Social Jeep Clube de Brasília Estatuto Social CAPÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO NATUREZA E FINS Art. 1º O JEEP CLUBE DE BRASÍLIA, com a sigla JCB, fundado em 17 de junho de 1989, é uma sociedade civil sem fins lucrativos,

Leia mais

O Art. 5º, Inciso II da Constituição Federal da República Federativa do Brasil:

O Art. 5º, Inciso II da Constituição Federal da República Federativa do Brasil: PARECER SETOR FISCAL Nº 38/2015 Assunto: Solicitação de parecer sobre as atribuições do Enfermeiro em ambulatório de farmácia particular. 1. Do fato: Gostaria de obter informações quanto às atribuições

Leia mais

EST ADO DO AMAZONAS CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS GABINETE VEREADOR EDNAILSON ROZENHA

EST ADO DO AMAZONAS CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS GABINETE VEREADOR EDNAILSON ROZENHA PROJETO DE LEI N.188/2014 Cria o Fundo Municipal dos Direitos Animais (FMDA) e institui seu Conselho Gestor. Art. 1º Fica criado o Fundo M unicipal dos Direitos Animais (FM DA), com objetivo principal

Leia mais

Art. 1º. Aprovar as alterações do Estatuto da Universidade Federal de Juiz de Fora, com sede na cidade de Juiz de Fora, Estado de Minas Gerais.

Art. 1º. Aprovar as alterações do Estatuto da Universidade Federal de Juiz de Fora, com sede na cidade de Juiz de Fora, Estado de Minas Gerais. Portaria 1.105, de 28 de setembro de 1998 O Ministro de Estado da Educação e do Desporto, usando da competência que lhe foi delegada pelo Decreto 1.845, de 28 de março de 1996, e tendo em vista o Parecer

Leia mais

Gabinete do Reitor. O Reitor da Universidade Federal de São Carlos, no uso de suas atribuições legais

Gabinete do Reitor. O Reitor da Universidade Federal de São Carlos, no uso de suas atribuições legais UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS Gabinete do Reitor Via Washington Luís, km 235 Caixa Postal 676 13565-905 São Carlos SP - Brasil Fones: (16) 3351-8101/3351-8102 Fax: (16) 3361-4846/3361-2081 E-mail:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Campina Grande Secretaria de Recursos Humanos

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Campina Grande Secretaria de Recursos Humanos MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Campina Grande Secretaria de Recursos Humanos EDITAL DE CREDENCIAMENTO DE INSTRUTORES CGDP/SRH Nº 01/2011 CREDENCIAMENTO DE INSTRUTORES PARA CURSOS DO PROGRAMA

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I Denominação, Sede, Duração e Objetivos. Denominação, Sede e Duração

ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I Denominação, Sede, Duração e Objetivos. Denominação, Sede e Duração ESTATUTO SOCIAL Capítulo I Denominação, Sede, Duração e Objetivos Denominação, Sede e Duração Art. 1º - A Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração ABM, fundada em 10 de outubro de 1944

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CUNI Nº 035, DE 22 DE MAIO DE 2012 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS, no uso de suas atribuições

Leia mais

Eleição e competências das Comissões de Ética Médica - Resolução: 1657 de 19/12/2002

Eleição e competências das Comissões de Ética Médica - Resolução: 1657 de 19/12/2002 Eleição e competências das Comissões de Ética Médica - Resolução: 1657 de 19/12/2002 Ementa: Estabelece normas de organização, funcionamento e eleição, competências das Comissões de Ética Médica dos estabelecimentos

Leia mais

Portaria GM/MS n.º 263, de 5 de fevereiro de 2002.

Portaria GM/MS n.º 263, de 5 de fevereiro de 2002. Portaria GM/MS n.º 263, de 5 de fevereiro de 2002. O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições, considerando: a magnitude e a transcendência das hepatites virais, as quais configuram um grave

Leia mais

RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 74/2007 Aprova o Estatuto da Escola de Formação e Aperfeiçoamento da Magistratura da 18ª Região da Justiça do Trabalho

RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 74/2007 Aprova o Estatuto da Escola de Formação e Aperfeiçoamento da Magistratura da 18ª Região da Justiça do Trabalho RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 74/2007 Aprova o Estatuto da Escola de Formação e Aperfeiçoamento da Magistratura da 18ª Região da Justiça do Trabalho EMAT-18. CERTIFICO E DOU FÉ que o Pleno do Egrégio Tribunal

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO ACADÊMICA EM CIÊNCIAS DA SAÚDE DA SOCIEDADE BENEFICENTE ISRAELITA BRASILEIRA ALBERT EINSTEIN

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO ACADÊMICA EM CIÊNCIAS DA SAÚDE DA SOCIEDADE BENEFICENTE ISRAELITA BRASILEIRA ALBERT EINSTEIN REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO ACADÊMICA EM CIÊNCIAS DA SAÚDE DA SOCIEDADE BENEFICENTE ISRAELITA BRASILEIRA ALBERT EINSTEIN CAPÍTULO I - DAS FINALIDADES Art. 1º O Programa de Pós-graduação Acadêmica

Leia mais

Dispõe sobre a regulamentação dos estágios curriculares de internato para alunos da Faculdade de Medicina de Botucatu.

Dispõe sobre a regulamentação dos estágios curriculares de internato para alunos da Faculdade de Medicina de Botucatu. Campus de Botucatu PORTARIA nº 141 de 20 de setembro de 2000 Dispõe sobre a regulamentação dos estágios curriculares de internato para alunos da Faculdade de Medicina de Botucatu. O Diretor da Faculdade

Leia mais

EDUARDO BRAGA Governador do Estado

EDUARDO BRAGA Governador do Estado DECRETO N.º 24031, DE 26 DE JANEIRO DE 2.004 APROVA o Regimento Interno da SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO, ÉTICA E TRANSPARÊNCIA - SCI, e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO AMAZONAS, no

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno do Departamento das Ciências da Educação Física e Saúde DCEFS, anexo a esta Resolução.

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno do Departamento das Ciências da Educação Física e Saúde DCEFS, anexo a esta Resolução. RESOLUÇÃO N o 021, de 21 de maio de 2007. Aprova Regimento Interno do Departamento das Ciências da Educação Física e Saúde DCEFS. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E DAS FINALIDADES Art. 1º. A pós-graduação do Instituto

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA DO TRIÂNGULO MINEIRO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA DO TRIÂNGULO MINEIRO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA DO TRIÂNGULO MINEIRO RESOLUÇÃO Nº 005, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003, DA CONGREGAÇÃO. Aprova o Regulamento do Estágio em Análises Clínicas do Curso de Graduação

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA. comunicação interna, lidar e aprender com não-conformidades e interagir com as demais áreas da Instituição.

CONSULTA PÚBLICA. comunicação interna, lidar e aprender com não-conformidades e interagir com as demais áreas da Instituição. Dimensão Hospitalar A dimensão hospitalar foi estruturada em perspectivas, critérios e itens de avaliação, sendo que os critérios e itens de avaliação estão contemplados em seis perspectivas: 01 Ações

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 10/15 COPLAD

RESOLUÇÃO Nº 10/15 COPLAD RESOLUÇÃO Nº 10/15 COPLAD Estabelece o Regimento e o Organograma da Unidade de Auditoria Interna da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO, da Universidade Federal do

Leia mais

MUNICÍPIO DE BOM PRINCÍPIO Estado do Rio Grande do Sul

MUNICÍPIO DE BOM PRINCÍPIO Estado do Rio Grande do Sul ANEXO III DESCRIÇÃO DAS FUNÇÕES GRATIFICADAS DO MAGISTÉRIO CARGO: COORDENADOR DO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO INFANTIL Coordenar as atividades específicas da área, participando do planejamento e

Leia mais