LISTA DE EXERCÍCIOS DE CUSTOS INDUSTRIAIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LISTA DE EXERCÍCIOS DE CUSTOS INDUSTRIAIS"

Transcrição

1 LISTA DE EXERCÍCIOS DE CUSTOS INDUSTRIAIS 1) O desembolso à vista ou a prazo para obtenção de bens ou serviços, independentemente de sua destinação dentro da empresa, denomina-se : a) gasto b) investimento c) despesa d) custo 2) Os gastos com bens de uso denominam-se : a) desembolso b) investimentos c) custos d) despesas 3) Os gastos com bens ou serviços aplicados diretamente na produção denominam-se : a) desembolso b) investimentos c) custos d) despesas 4) Os gastos decorrentes do consumo de bens e da utilização de serviços nas áreas administrativa, comercial e financeira, que direta ou indiretamente visam a obtenção de receitas, denominam-se: a) desembolso b) investimentos c) custos d) despesas 5) A entrega de numerários antes, no momento ou depois da ocorrência do gasto chama-se : a) investimento b) custo c) despesa d) desembolso 6) Temos uma despesa ao comprarmos matéria-prima? Quando a matéria-prima é consumida na produção, temos um gasto? E quando embalamos os produtos, temos um custo? Justifique. 7) Só existem custos na empresa industrial; em qualquer outro tipo de empresa existem apenas despesas. Comente. 8) A CMC fabrica rádios para carros. Possuí as seguintes informações sobre custos para o exercício encerrado em 31/12/xx: materiais usados na produção: $ , dos quais $ foram considerados materiais diretos. Custo de mão-de-obra: $90.000, dos quais $ foram para mão-de-obra indireta. Custos indiretos de fabricação: $40.000, onde , são fixos e o restante variáveis. Estoque inicial e final: zero Despesas de vendas, gerais e administrativas: $ Unidades produzidas durante o período: Pede-se: a) custo dos produtos fabricados d) custos fixos b) custos diretos e) custos variáveis c) custos indiretos f) custo unitário

2 9) Sempre que um gasto puder ser identificado facilmente em relação a cada produto, esse gasto será: a) custo direto de fabricação b) custo indireto de fabricação c) investimento d) gastos gerais de fabricação 10) Critério de rateio é : a) custos diretos de fabricação b) custos indiretos de fabricação c) critério fixado em lei d) critério escolhido para atribuição dos custos indiretos aos produtos 11) O custo total da produção de um mês em uma empresa industrial foi de R$ ,00. O contador responsável pela contabilidade de custos, decidiu classificar os R$25.800,00 gastos com material de embalagem juntamente com os custos indiretos de fabricação. Na sua opinião a atitude do contador está correta? Por quê? 12) A separação dos custos em fixos e variáveis é feita com relação a quê? 13) Podemos considerar os salários dos almoxarifes como diretos já que eles manuseiam as matérias-primas? 14) Classifique os itens abaixo em custo, despesa, perda ou ativo e, quando cabível, classifique ainda em direto ou indireto e em fixo ou variável. Se mais de uma alternativa for válida, assinale todas ou a(s) que considerar predominante(s). ITENS ativo perda despesa custo direto indireto fixo variável Estoque de matéria-prima Consumo de energia fabrica Mão-de-obra direta Combustível - veículo de entrega Pessoal do faturamento Máquinas e equipamentos Depreciação máq. Produção Pintura do prédio da fábrica Pessoal contabilidade geral Pessoal contabilidade custos Honorários administração Depreciação prédio empresa Consumo matéria-prima Aquisição de embalagens Deteriorização embal. Enchente Tempo pessoal greve ICMS sobre vendas Viagens de vendedores Energia de máq. Com medidor IPTU

3 15. Classifique as contas abaixo em Desembolso, Investimento, Custo de Produção, Despesas Administrativas ou Despesas de Vendas: 1. Propaganda 2. Água consumida no resfriamento de peças 3. Aluguel do galpão da fábrica 4. Aluguel mensal do ônibus que transporta funcionários 5. Prêmio dos Vendedores 6. Manutenção do computador do RH 7. Honorário do diretor administrativo 8. Energia elétrica com medidor da fábrica 9. Madeira aplicada na produção de mesas 10. Salário do supervisor da montagem 11. Aquisição de matéria prima 12. Matéria-prima consumida 13. Depreciação de máquinas 14. Depreciação do imóvel da administração 15. Materiais diretos de produção 16. Seguros dos equipamentos da fábrica 17. Salários e encargos da administração 18. Gasto com combustível para entrega 19. Salários e encargos da fábrica 20. Materiais de escritórios 21. Embalagem utilizada para transporte 22. Compra à vista de um computador 23. Matéria-prima deteriorada em função de um incêndio 24. Compra a prazo de materiais-secundários 25. Gastos de festas de final de ano 26. Greve do pessoal de vendas e produção 27. Salário do contador 28. Salário do contador de custos 29. Fretes sobre vendas 30. Compra de veículo para fábrica 16. Com base nas informações da empresa industrial BETA, responda as questões: Encargos com depreciação de Móveis e Utensílios R$ ,00 Mão-de-obra Indireta R$ ,00 Matéria-prima consumida R$ ,00 Outros gastos indiretos de fabricação R$ ,00 Comissões sobre vendas R$ ,00 Depreciação de máquinas R$ ,00 Aluguel do escritório de vendas R$ ,00 Salários dos vendedores R$ ,00 ICMS s/ vendas R$ ,00 Pessoal da fábrica R$ ,00 Material de embalagem para acondicionamento R$ ,00 a) Os custos diretos b) O valor dos custos indiretos c) Os custos fixos d) Os custos variáveis

4 17. Considere que os gastos ocorreram em uma indústria de móveis de madeira e calcule: 1) Compra de um computador 3.000,00 2) Compra a prazo de m³ de madeira ,00 3) Apropriação de 50 folhas de lixa aplicadas na produção 5.000,00 4) Transferência de 20 m³ de madeira do almoxarifado para a produção ,00 5) Conta de luz do setor de vendas 700,00 6) Aluguel da fábrica ,00 7) Conta de água referente ao consumo da administração 350,00 8) Apropriação dos salários variáveis do pessoal da fabricação dos móveis ,00 9) Apropriação de encargos sociais referentes ao pessoal de vendas 8.000,00 10) Compra a prazo, de 500 caixas de papelão 7.000,00 11) Compra s prazo de 300 kg de sacos plásticos para embalar parafusos 1.000,00 12) Transferência para a produção de 10 kg de parafusos ,00 13) Depreciação de máquina de escrever do setor administrativo 1.200,00 14) Depreciação de máquinas do setor de produção 1.700,00 15) Gastos com fretes e carretos dos produtos vendidos 2.000,00 16) Juros de sobre atraso no pagamento de duplicatas 270,00 17) Gastos com refeições do pessoal da área de vendas 970,00 18) Apropriação dos salários do supervisor da fábrica 2.500,00 a) Custos Diretos b) Custos Indiretos d) Despesas e) Custos Fixos f) Custos Variáveis g) Custos Totais de Fabricação 18 - Observe as informações abaixo, extraídas de escrituração de uma empresa industrial, relativas a um determinado período de produção: Materiais requisitados do almoxarifado: Diretos ,00 Indiretos ,00 Mão-de-Obra apontada: Direta ,00 Indireta ,00 Aluguel da Fábrica ,00 Seguro da Fábrica ,00 Depreciação das máquinas ,00 O custo de fabricação, o custo primário e o custo de transformação têm, respectivamente, os valores de: a) R$ ,00, R$ ,00 e R$ ,00 b) R$ ,00, R$ ,00 e R$ ,00 c) R$ ,00, R$ ,00 e R$ ,00 d) R$ ,00, R$ ,00 e R$ ,00 e) R$ ,00, R$ ,00 e R$ ,00

5 19- Com base nas informações da empresa industrial BETA, responda as questões a, b, c: Encargos com Depreciação de Móveis e Utensílios R$ ,00 Mão-de-obra Indireta R$ ,00 Matéria-prima consumida R$ ,00 Outros gastos gerais de fabricação R$ ,00 Comissões sobre vendas R$ ,00 Encargos com Depreciação de Máquinas da Produção R$ ,00 Aluguel do Escritório de vendas R$ ,00 Salários dos vendedores R$ ,00 ICMS s/ vendas R$ ,00 Mão-de-obra Direta R$ ,00 Material de Embalagem para acondicionamento R$ ,00 a Os Custos diretos da Beta no período totalizaram (em R$): b O valor dos custos indiretos da Beta foi (em R$): c As despesas fixas e variáveis da Beta no período foram, respectivamente (em R$): 20 A Manufatura Palmas produz cata-ventos. Para o ano recém-terminado, Palmas produziu cata-ventos com o seguintes custos totais: Materiais diretos R$ ,00; Mão-de-Obra direta R$ ,00; CIF R$ ,00; Despesas de Vendas R$ 6.250; Despesas Administrativas R$ Durante o ano a Palmas vendeu unidades a R$ 12,00 cada. O estoque inicial de produtos acabados era composto de 630 unidades, com um custo total de R$ 4.095,00. Não havia estoque inicial ou final de produtos em processo. Pede-se: 1 Calcule os custos por unidade dos seguintes itens: materiais diretos, mão-de-obra direta, CIF, custo primário e custo de transformação. 2 Prepare demonstrações para o custo de produção e o custo de produtos vendidos. 3 Prepare uma demonstração de resultado de custeio por absorção para a Companhia Palmas. 21- O gerente de Vendas da Empresa Desper Ltda está preocupado com a contínua queda das vendas de seus produtos. Como ele baseia o preço da venda nos custos, chegou a conclusão de que os cálculos dos custos poderiam estar incorretos. Em função disso, fez um levantamento das seguintes informações: Calcule os custos do Produto para os cinco meses analisados, considerando o: - Custo Integral - Custo Variável - Custo Ideal, o valor dos desperdícios e a causa.

6 22 - Efetuar a apropriação dos custos indiretos com base na mão-de-obra direta e apurar o resultado do exercício, sabendo-se que o faturamento foi de R$ ,00 COMISSÕES DE VENDEDORES $ SALÁRIOS DE FÁBRICA $ MATÉRIA PRIMA CONSUMIDA $ SALÁRIOS DA ADMINISTRAÇÃO $ DEPRECIAÇÃO DA FÁBRICA $ SEGUROS NA FÁBRICA $ DESPESAS FINANCEIRAS $ HONORÁRIOS DA DIRETORIA $ MATERIAIS DIVERSOS FÁBRICA $ ENERGIA ELÉTRICA - FÁBRICA $ MANUTENÇÃO - FÁBRICA $ DESPESAS DE ENTREGA $ CORREIOS, TELEFONE E TELEX $ MATERIAL DE CONSUMO ESCRITÓRIO $ GASTOS TOTAIS ABRIL $ Determinada Empresa opera na região do Sul de Minas, com a produção de 4 tipos de Armários para Cozinhas e Banheiros. Os seus Gastos do período foram os seguintes: Matéria - Prima Consumida $ Manutenção de Equipamentos do Setor de Vendas $ Compra de uma Máquina para o Setor de Produção $ Comissão dos Vendedores $ Aquisição de um veículo para o setor de Produção $ Fretes para a entrega após as vendas $ Salários e encargos dos Operários da Produção $ Salários da Diretoria (Administração ) $ Depreciação do Setor de Produção $ Energia Elétrica consumida na Produção $ Propaganda $ Seguro da Fábrica $ Salários e Encargos do Supervisor $ Daremos aos Produtos as seguintes nomenclaturas: A, B, C, D. ( Considerar Estoque Inicial = 0 para Produtos em Elaboração e Produtos Acabados ) A empresa trabalha com um sistema de apontamentos que nos permite acesso as seguintes informações:

7 1) Matéria - Prima Consumida Produto A $ Produto B $ Produto C $ Produto D $ ) Mão - De - Obra Direta Produto A $ Produto B $ Produto C $ Produto D $ ) Energia Elétrica Direta Produto A $ Produto B $ Produto C $ Produto D $ Preço de Venda dos Produtos Quantidade Produzida Quantidade Vendida Prod. A = 450, un un Prod. B = 510, un un Prod. C = 380, un un Prod. D = 415, un un Pede - se efetuar o rateio dos custos indiretos da produção do período tendo como base para rateio, o seguinte critério: Quantidade produzida Informar: O Custo Total de Produção do Período; O Custo Unitário Total de Cada Produto; O Custo dos Produtos Vendidos no Período: A Demonstração do Resultado do Período A Indústria Irmãos S.A. utiliza a análise de indicadores de gestão do lucro com o objetivo de corrigir os rumos da empresa. Para tanto, o gerente da empresa sempre faz uma análise dos dados relativos ao último exercício social findo. Em 2002, o resultado da empresa, em reais, foi o seguinte: DRE CONTAS VALORES Receita ,00 CPV ( ,00) Lucro bruto ,00 Despesas de Vendas ( ,00) Despesas Administrativas ( ,00) Despesas com Ocupação ( ,00) Lucro Operacional ,00 Os custos variáveis montam a R$ ,00, sendo os demais fixos. As despesas variáveis correspondem a 50% das despesas de vendas, sendo as demais fixas. A margem de contribuição praticada é de 50%. A quantidade vendida foi unidades.

8 Com base em todos os dados acima, calcule: a) Ponto de equilíbrio em unidades físicas e monetárias e comprove pela DRE. b) A margem de segurança em reais e percentual; c) Analise o risco operacional da empresa, considerando os indicadores encontrados A Empresa Bomba Ltda. Atua na cidade de Campinas com a comercialização de equipamentos para segurança no trabalho. A empresa apresenta a seguinte estrutura de custos, despesas e vendas: Despesas variáveis: ICMS: 4,4 % Simples: 4% Comissão para vendedores: 5% com incidência de 8% de FGTS sobre as vendas Propaganda: 5% das vendas são revertidos em estratégias de Marketing Custos Variáveis Unitários = R$ 7,20 Total dos Custos fixos mensais = R$ ,00 Receita Bruta Mensal = R$ ,00 Volume de vendas atual = unidades/mês Pede - se: 1. Elaborar a DRE Gerencial da Empresa. 2. Calcular sua Margem de Contribuição em Taxa. 3. Calcular o Ponto de Equilíbrio da empresa em Unidades Físicas e Comprovar pela DRE. 4. Calcular a margem de segurança da empresa em porcentagem e analisar o seu risco operacional A empresa Clarabela & Irmãos produz luvas e bolsa de couro. Sobre o valor bruto de suas vendas incidem tributos de 13% e comissões de 10%. Outros dados: Bolsas Luvas Volume de produção e vendas un um. Preço de venda por unidade $ 92 $ 70 Custos variáveis por unidade $22,80 $ 14,00 Custos fixos totais por período $ $ Pede-se para calcular: a) a margem de contribuição unitária (MC/u), a margem de contribuição total (MCT) e margem em taxa (MCtx) de cada produto; b) o lucro total de cada produto; c) Qual produto deve ter suas vendas incentivadas? Justifique A Escola Immacolata oferece dois cursos técnicos profissionalizantes: mecânica de automóveis (60 horas) e eletricidade de automóveis (40 horas). Para atender à demanda, oferece normalmente 25 vagas em cada curso, por período letivo. (as vagas sempre são preenchidas). O preço do curso para cada aluno participante é aproximadamente o mesmo das escolas concorrentes: $ 750,00 e $ 600,00, respectivamente, para os cursos mecânica e eletricidade, e a Immacolata pretende acompanhá-los. O imposto Sobre Serviços (ISS) é de 2% sobre a receita. Os custos variáveis com material didático, impressos, apostilas são de $ 30 por aluno, além de $ 60 por hora-aula efetivamente ministrada pelos instrutores; já os custos fixos comuns totalizam $ , sendo 60% para o curso de mecânica e 40% para o curso de eletricidade.

9 a) Qual a margem de contribuição total por curso? b) Se a escola tivesse apenas uma sala de aula e tivesse que optar por apenas um curso, qual ela escolheria? Responda ao calcular o lucro de cada curso Uma empresa apresenta os seguintes dados no orçamento do 2º semestre de 2005: Preço de Venda Unitário R$ 33,40 Custo Variável Unitário R$ 28,80 Custos Fixos R$ ,00 Para gerar o lucro de R$ ,00 são necessárias: a) unidades b) unidades c) unidades d) unidades 29 - Na produção de unidades de um produto X, são incorridos custos variáveis totais de R$ ,00, sendo os custos fixos de R$ ,00 e o preço unitário de venda de R$ 25,00, indique o ponto de equilíbrio: a) unidades b) unidades c) unidades d) unidades 30 - A empresa Taurus S.A.apurou os dados abaixo: Preço de venda unitário R$ ,00 Custos variáveis unitários R$ ,00 Custos Fixos R$ ,00 Com base nesses dados, indique o ponto de equilíbrio em unidades físicas e em unidades monetárias: a) 5 unidades e R$ ,00 b) 40 unidades e R$ ,00 c) 5 unidades e R$ ,00 d) 40 unidades e R$ , O proprietário de uma empresa no segmento de bebidas na cidade de Varginha, preocupado em saber se o negócio estava dando lucro ou prejuízo, pede a seu contador para efetuar um levantamento de sua situação. A empresa fabrica um único produto. O contador compila as seguintes informações: Custos Indiretos Totais Mensais /R$ Água/ Luz/ Telefone da fábrica 380,00 Seguro da Fábrica 150,00 Depreciação das máquinas 400,00 Total Custos Variáveis Unitários R$ 1,12 Despesas Comerciais Variáveis: Despesas Alíquota % Redução % Incidência % Total % ICMS 4% 8% Simples 5.4% Comissão 3% % FGTS S/Vendas Total das DVs %

10 Volume de Vendas = unidades Formação do preço de venda A empresa trabalha com o mark-up sobre as vendas e agrega todas as despesas comerciais na formação ao preço de venda. Margem de Lucro - 20% sobre as vendas Pede: -se: A. Formar o preço de venda unitário do produto. B. A margem de contribuição unitária e total. C. O valor Monetário e percentual das despesas comerciais variáveis incidentes sobre o preço de venda formado. D. O Ponto de Equilíbrio Contábil da empresa. E. A Margem de Segurança da Empresa. (Percentual e em Receita) C. Na hipótese de você ser o gerente da empresa elabore um a Demonstração do Resultado do Exercício contendo todas as informações possíveis, no sentido de elucidar o proprietário sobre a situação de sua empresa e comprovar o lucro A metalúrgica Dobra e Fecha produz dobradiças e fechaduras. Em determinado período foram produzidas dobradiças e fechaduras, e os custos diretos totais foram os seguintes (em $): Custos diretos Dobradiças Fechaduras Total Material Mão-de-obra Total Os custos indiretos de fabricação (CIF) do período foram de R$ ,00, sendo: Aluguel - R$ ,00 Administração Geral da Produção - R$ ,00 Manutenção - R$ ,00 As bases de rateio são as seguintes: O custo de aluguel é atribuído 50% para cada produto. Os custos da Adm. Geral da Produção são distribuídos à base do número de funcionários. A Manutenção à base do tempo de uso de máquinas. Dobradiças Fechaduras Dobradiças Fechaduras Produtos Produtos Nº de funcionários Quantidade de horas-máquina Pede-se para calcular o custo unitário de cada produto e o custo total de cada produto.

11 33 - A Cia. Tudo Limpo produz enceradeiras e aspiradores de pó, cujos preços de venda líquidos de tributos são, em média, $ 190,00 e $ 260,00, respectivamente, e o volume de produção e de vendas de unidades de cada, por período. A sua estrutura de custos é a seguinte (em $): Custos Variáveis por unidade: Enceradeira Aspirador Matéria-prima $ 30,00 / un $ 40,00 / un Material de embalagem $ 12,00 / un $ 18,00 / un Mão-de-obra direta $ 35,00 / un $ 60,00 / un o Custos Indiretos (Fixos) por mês: Supervisão : $ ,00 Depreciação: $ ,00 Outros: $ ,00 Considerando que a empresa costuma apropriar os custos indiretos aos produtos pelo critério da proporcionalidade ao tempo de mão-de-obra direta, e que são necessárias 0,75 horas para produzir uma enceradeira e 1, 25 horas para produzir um aspirador, pede-se para calcular: a) O valor da margem de contribuição unitária (MC/un.) de cada produto; b) O valor da Margem de Contribuição total (MCT) de cada um. c) A Taxa de Contribuição de cada produto; d) O valor do lucro total de cada produto; e) O valor do lucro total da empresa, considerando uma despesa de funcionamento de R$ ,00. Apresente a Demonstração do Resultado do período A indústria de Violões Afinados Ltda iniciou suas atividades no dia 1 o. de outubro. Seu único produto é vendido, em média, por $ 600,00. A capacidade de produção é de unidades por mês. O volume de produção e de venda no último mês do ano foi o seguinte, em unidades físicas: Produção Vendas Dezembro Os custos variáveis são a matéria-prima, o material secundário e a mão-de-obra, que totalizam $ 200,00 por unidade; já os custos e despesas fixos mensais são os seguintes (em $): Salários e encargos do pessoal administrativo ,00 Depreciação dos equipamentos de fábrica ,00 Aluguel do prédio da fábrica ,00 Custos diversos de manufatura ,00 Promoção e propaganda ,00 Desconsiderando tributos incidentes sobre a receita, pede-se o custo unitário do produto pelo custeio por absorção total, pelo variável e pelo Ideal e o valor total dos desperdícios.

CUSTO FIXO, LUCRO E MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO. Atividades Práticas

CUSTO FIXO, LUCRO E MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO. Atividades Práticas CUSTO FIXO, LUCRO E MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO 1 Assinalar Falso (F) ou Verdadeiro (V): Atividades Práticas ( ) Os custos fixos são totalmente dependentes dos produtos e volumes de produção executados no período.

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS PARA O 3 0 PERÍODO DE ADMINISTRAÇÃO PROFESSOR: ONILZO FARIAS EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO

CONTABILIDADE DE CUSTOS PARA O 3 0 PERÍODO DE ADMINISTRAÇÃO PROFESSOR: ONILZO FARIAS EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO CONTABILIDADE DE CUSTOS PARA O 3 0 PERÍODO DE ADMINISTRAÇÃO PROFESSOR: ONILZO FARIAS EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO Classifique os itens abaixo como custos (fixos ou variáveis) ou despesas. C= custos CV=custo variável

Leia mais

PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL

PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL Braulino José dos Santos TERMINOLOGIAS Terminologia em custos Gasto Investimento Custo

Leia mais

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos 5 Plano Financeiro Investimento total Nessa etapa, você irá determinar o total de recursos a ser investido para que a empresa comece a funcionar. O investimento total é formado pelos: investimentos fixos;

Leia mais

MESTRE MARCENEIRO Conceitos básicos para Formação de preço na marcenaria

MESTRE MARCENEIRO Conceitos básicos para Formação de preço na marcenaria Importância da formação do preço. A intensificação da concorrência entre as marcenarias, indústria de móveis em série e lojas de móveis modulares exige, por parte dos Marceneiros, a apuração eficaz das

Leia mais

2º LISTA DE EXERCÍCIOS EM SALA ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS - Prof. Pablo Rogers

2º LISTA DE EXERCÍCIOS EM SALA ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS - Prof. Pablo Rogers OBS: Exercícios selecionados do livro de exercícios de Contabilidade de Custos dos autores Eliseu Martins e Welington Rocha publicado em 2007 pela Editora Atlas. 1. Observar as sentenças a seguir: I O

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS. Nome: RA: Turma: Assinatura:

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS. Nome: RA: Turma: Assinatura: UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS Nome: RA: Turma: Assinatura: EXERCÍCIO 1 Classifique os itens abaixo em: Custos, Despesas ou Investimentos a) Compra de Matéria Prima b) Mão de

Leia mais

Obrigações. Fornecedores 45.000. Salários a pagar 75.000. Impostos a recolher 20.000. Patrimônio Líquido. Capital Social 100.000. Reservas 30.

Obrigações. Fornecedores 45.000. Salários a pagar 75.000. Impostos a recolher 20.000. Patrimônio Líquido. Capital Social 100.000. Reservas 30. Você acessou como Administrador Usuário (Sair) Info Resultados Visualização prévia Modificar Visualização prévia de Contabilidade Geral Iniciar novamente 1 Considerando: I- A contabilidade estuda e controla

Leia mais

Faculdades Integradas de Taquara

Faculdades Integradas de Taquara IX DESAFIO CULTURAL DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS- 2016 Questões de CUSTOS Prof. Oscar Scherer Questão nº 01 - PONTO DE EQUILÍBRIO PONTO DE EQUILÍBRIO CONTÁBIL, ECONÔMICO E FINANCEIRO A empresa Distribuidora

Leia mais

Formação do Preço de Venda

Formação do Preço de Venda CURSO DE ADM - 5º PERÍODO - FASF Objetivo Refletir sobre a importância de se conhecer e identificar a FORMAÇÃO DE PREÇO, como fator determinante para a sobrevivência da exploração da atividade da empresa.

Leia mais

CAPÍTULO 2 - MATERIAIS QUESTÕES TEÓRICAS

CAPÍTULO 2 - MATERIAIS QUESTÕES TEÓRICAS QUESTÕES TEÓRICAS 1. Qual a condição básica para que se possa caracterizar um material como matéria-prima? R: Ser componente físico principal do produto. 2. Em que condição os impostos (ICMS/IPI) não são

Leia mais

EXERCÍCIOS DE EPR 002 Profª Gleicilene Siqueira de Mello

EXERCÍCIOS DE EPR 002 Profª Gleicilene Siqueira de Mello EXERCÍCIOS DE EPR 002 Profª Gleicilene Siqueira de Mello 1) Questão: João é proprietário de uma empresa geradora e distribuidora de energia termoelétrico em sua pequena cidade natal. João vende seu produto

Leia mais

EXERCÍCIO 01. Classificar em: Custos de Fabricação Despesas Administrativas Despesas Comerciais ou de Vendas Lucro

EXERCÍCIO 01. Classificar em: Custos de Fabricação Despesas Administrativas Despesas Comerciais ou de Vendas Lucro EXERCÍCIO 01 Classificar em: Custos de Fabricação Despesas Administrativas Despesas Comerciais ou de Vendas Lucro - Despesas de viagens 1.000 - Material direto 35.000 - Salário da administração 14.000

Leia mais

APOSTILA DE ANÁLISE DE CUSTOS

APOSTILA DE ANÁLISE DE CUSTOS APOSTILA DE ANÁLISE DE CUSTOS Prof Fabio Uchôas de Lima São Paulo 2013 Não é permitida a cópia ou reprodução, no todo ou em parte, sem o expresso consentimento deste autor com base na Lei 9.610/92. Contato:

Leia mais

GESTÃO DE CUSTOS. Professor Mestre Roberto de O. Sant Anna

GESTÃO DE CUSTOS. Professor Mestre Roberto de O. Sant Anna GESTÃO DE CUSTOS Professor Mestre Roberto de O. Sant Anna AULA 4 Gestão de Custos 2 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Aula 4 Custos dos produtos vendidos Conceito Apuração Decisão sobre Rateios Gestão de Custos 3

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 SIDNEY SOARES DE LIMA 05010004401 TURMA: 01030 TURNO: NOITE PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

Aula 11 Teoria das restrições Decisões com base no custeio variável em cenários com restrição da capacidade produtiva.

Aula 11 Teoria das restrições Decisões com base no custeio variável em cenários com restrição da capacidade produtiva. CONTABILIDADE GERENCIAL Aula 11 Teoria das restrições Decisões com base no custeio variável em cenários com restrição da capacidade produtiva. Prof.: Marcelo Valverde Plano de Ensino da Disciplina: CONTABILIDADE

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS EXERCÍCIOS CONTABILIDADE DE CUSTOS Prof. Roberto Biasio Contabilidade de Custos Professor Roberto Biasio 1 QUESTÕES DO CONCURSO AFTN 1989 1)A empresa Alfa, fabricante do produto

Leia mais

FACULDADE SAGRADA FAMÍLIA

FACULDADE SAGRADA FAMÍLIA FACULDADE SAGRADA FAMÍLIA CURSO: BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANOTAÇÕES DE AULA DISCIPLINA: CONTABILIDADE E ANÁLISE DE CUSTOS I 4º PERIODO- 2013_2 PROF. JOCIMAR D. PRADO, MS E MAIL: JECONTPRADO@GMAIL.COM

Leia mais

Cada prova possuirá 20 (vinte) questões objetivas e 1 (uma) questão discursiva. A prova terá duração de 2 (duas) horas, com início às 9h.

Cada prova possuirá 20 (vinte) questões objetivas e 1 (uma) questão discursiva. A prova terá duração de 2 (duas) horas, com início às 9h. O Exame de Suficiência em Contabilidade aplicado aos alunos ingressantes nos cursos de pós graduação lato sensu da FECAP, abaixo listados, é requisito para a obtenção do certificado de conclusão de curso

Leia mais

ESTUDO DO CASO TORNEXATA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CUSTEIO INTEGRAL POR ABSORÇÃO

ESTUDO DO CASO TORNEXATA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CUSTEIO INTEGRAL POR ABSORÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura

Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura 1 de 9 Olá queridos alunos, Hoje faremos alguns comentários acerca da prova para o cargo de Auditor Fiscal Tributário Municipal da

Leia mais

Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p. Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa):

Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p. Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa): Pesquisa Industrial Anual Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa): Aluguéis e arrendamentos Despesas com

Leia mais

PONTO DE EQUILÍBRIO (PE) - RESPOSTAS

PONTO DE EQUILÍBRIO (PE) - RESPOSTAS CONSIDERAÇÕES INICIAIS Procuramos com este trabalho de resolução dos 10 (dez) exercícios propostos no site: http://www.fabianocoelho.com.br, levar aos alunos, de maneira simples e didática os cálculos

Leia mais

BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE -

BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE - BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE - 1. Uma empresa produziu, no mesmo período, 100 unidades de um produto A, 200 unidades de um produto

Leia mais

CUSTO DIRETO 1 - INTRODUÇÃO

CUSTO DIRETO 1 - INTRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL CTAE CUSTO

Leia mais

FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO CIÊNCIAS CONTÁBEIS SIMULADO MULTIDISCIPLINAR - SiM 6 Período - 2º SEMESTRE 2009.

FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO CIÊNCIAS CONTÁBEIS SIMULADO MULTIDISCIPLINAR - SiM 6 Período - 2º SEMESTRE 2009. FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO CIÊNCIAS CONTÁBEIS SIMULADO MULTIDISCIPLINAR - SiM 6 Período - 2º SEMESTRE 2009 Aluno(a): Turma: Data: 14/12/2009 Avaliação Contabilidade Avançada II 1ª Questão

Leia mais

PLANO DE CONTAS ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO

PLANO DE CONTAS ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO PLANO DE CONTAS O plano de Contas normalmente é composto de cinco grupos. ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Texto para as questões de 31 a 35 conta saldo despesa de salários 10 COFINS a recolher 20 despesas de manutenção e conservação 20 despesa de depreciação 20 PIS a recolher 30 despesas

Leia mais

Estimação do Fluxo de Caixa Livre para a Empresa

Estimação do Fluxo de Caixa Livre para a Empresa Estimação do Fluxo de Caixa Livre para a! Principais passos! O efeito da depreciação! Outros fatores que geram obrigações ou direitos para a empresa Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

ÁREA DE CONHECIMENTOS CONTÁBEIS

ÁREA DE CONHECIMENTOS CONTÁBEIS ÁREA DE CONHECIMENTOS CONTÁBEIS 1. O Patrimônio Líquido divide-se em: a) Investimentos, Reservas de Capital, Reservas de Lucros e Lucros ou Prejuízos Acumulados. b) Capital Social, Reservas de Capital,

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS e GERENCIAL

CONTABILIDADE DE CUSTOS e GERENCIAL Centro Universitário Padre Anchieta CONTABILIDADE DE CUSTOS e GERENCIAL Professor: Josué Centro Universitário Padre Anchieta 1. INTRODUÇÃO À CONTABILIDADE DE CUSTOS Professor: Josué CAP. 1 do Livro Suficiência

Leia mais

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO 1 Informações sobre o responsável pela proposta. Nome : Identidade: Órgão Emissor: CPF: Endereço: Bairro: Cidade: Estado: CEP: Telefone: FAX: E-mail Formação Profissional: Atribuições

Leia mais

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR CUSTOS DOS PRODUTOS I NOÇÕES GERAIS 1. CLASSIFICAÇÃO DOS CUSTOS Existem diversas classificações de custos, as quais variam em função das finalidades a que se destinam. As principais classificações são:

Leia mais

Custos fixos São aqueles custos que não variam em função das alterações dos níveis de produção da empresa. Exemplo: aluguel depreciação

Custos fixos São aqueles custos que não variam em função das alterações dos níveis de produção da empresa. Exemplo: aluguel depreciação 1 Alguns conceitos de custos... gasto, despesa ou custo? Gasto: Sacrifício financeiro com que a entidade arca para a obtenção de um produto ou qualquer serviço 1. Investimento: Gasto ativado em função

Leia mais

Contabilidade Decifrada. Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo

Contabilidade Decifrada. Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo Contabilidade Decifrada Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo Demonstrações Contábeis - balanço patrimonial; - demonstração do resultado do exercício; e, - demonstração de lucros ou prejuízos acumulados.

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro Unidade II CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Objetivo Conhecer a estrutura do balanço patrimonial: ativo; passivo. Conhecer a estrutura do DRE. Conhecer a estrutura do DFC: direto; indireto. Balanço patrimonial

Leia mais

1º LISTA DE EXERCÍCIOS EM SALA ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS - Prof. Pablo Rogers

1º LISTA DE EXERCÍCIOS EM SALA ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS - Prof. Pablo Rogers OBS: Exercícios selecionados do livro de exercícios de Contabilidade de Custos dos autores Eliseu Martins e Welington Rocha publicado em 2007 pela Editora Atlas. 1. Assinalar Falso (F) ou Verdadeiro (V):

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS página 1 07. Onde é classificado o Subgrupo Estoques no plano de contas? 01. São acontecimentos que ocorrem na empresa e que não provocam alterações no Patrimônio: A) Atos Administrativos

Leia mais

Seminário. Contabilidade de Custos Conceitos Societários e Gerenciais. Setembro 2012. Elaborado por: Sidney Leone

Seminário. Contabilidade de Custos Conceitos Societários e Gerenciais. Setembro 2012. Elaborado por: Sidney Leone Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Plano de Negócio (Projeto de Viabilidade Econômica) Loja de Roupas Femininas na cidade de Marialva

Plano de Negócio (Projeto de Viabilidade Econômica) Loja de Roupas Femininas na cidade de Marialva Plano de Negócio (Projeto de Viabilidade Econômica) Loja de Roupas Femininas na cidade de Marialva Caracterização do Empreendimento Trata o presente de análise de viabilidade de mercado e de viabilidade

Leia mais

Terminologias e Classificações

Terminologias e Classificações Terminologias e Classificações Ramos da Contabilidade Definições Contabilidade Financeira: ciência social aplicada que capta, registra, resume, interpreta e evidencia fenômenos que afetam a situação financeira

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE JUNDIAÍ

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE JUNDIAÍ Prof.º Alexandre Schuster Apostila - 3 8. APURAÇÃO DO RESULTADO CONTABILIDADE A cada exercício social (normalmente um ano) a empresa deve apurar o resultado dos seus negócios. Para saber se obteve lucro

Leia mais

Contabilidade Geral e Avançada Correção da Prova AFRFB 2009 Gabarito 1 Parte 1 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA

Contabilidade Geral e Avançada Correção da Prova AFRFB 2009 Gabarito 1 Parte 1 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA 1. O Conselho Federal de Contabilidade, considerando que a evolução ocorrida na área da Ciência Contábil reclamava a atualização substantiva e adjetiva de seus princípios,

Leia mais

Aula 2 Contextualização

Aula 2 Contextualização Custos Industriais Aula 2 Contextualização Profa. Me. Marinei A. Mattos Além da terminologia de custos, existe a necessidade de comprender sua classificação Instrumentalização diante deste contexto Conceitos

Leia mais

GESTÃO DE CUSTOS. Prof. Dr. Constantino de Gaspari Gonçalves CASO 1 A EMPRESA BOA DE CUSTOS INCORREU NOS SEGUINTES GASTOS ABAIXO:

GESTÃO DE CUSTOS. Prof. Dr. Constantino de Gaspari Gonçalves CASO 1 A EMPRESA BOA DE CUSTOS INCORREU NOS SEGUINTES GASTOS ABAIXO: GESTÃO DE CUSTOS Prof. Dr. Constantino de Gaspari Gonçalves CASO 1 A EMPRESA BOA DE CUSTOS INCORREU NOS SEGUINTES GASTOS ABAIXO: Nº GASTOS VALOR 01 Compra de um computador 2.400 02 Compra de matéria-prima

Leia mais

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS 1 DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS CUSTODIO ROCHA Você bem preparado para o futuro da 2profissão. 1 OBJETIVOS Identificação do Conteúdo de Custos Aplicado nas Provas de Suficiência Breve Revisão

Leia mais

6 Materiais Diretos. 6.1 Tipos de Material Direto

6 Materiais Diretos. 6.1 Tipos de Material Direto 6 Materiais Diretos Material Direto é o custo de qualquer material diretamente identificável com o produto e que se torne parte integrante deste. Exemplos:- matéria-prima, embalagens. 6.1 Tipos de Material

Leia mais

Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42

Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42 Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42 2.8. GESTÃO DE DUPLICATAS A RECEBER Entre os objetivos do gestor financeiro destaca-se como principal a maximização do

Leia mais

PONTO DE EQUILÍBRIO (PE)

PONTO DE EQUILÍBRIO (PE) Exercício 01 PONTO DE EQUILÍBRIO (PE) Dados para responder as questões sugeridas: Informações: Custos Fixos: R$ 800.000,00 Custo Variável Unitário: R$ 300,00 Receita Unitária: R$ 700,00 1) O ponto de equilíbrio

Leia mais

http://www.portaldecontabilidade.com.br/guia/clientes/comercial/imobi... ATIVO IMOBILIZADO

http://www.portaldecontabilidade.com.br/guia/clientes/comercial/imobi... ATIVO IMOBILIZADO 1 de 6 31/01/2015 14:40 ATIVO IMOBILIZADO O Ativo Imobilizado é formado pelo conjunto de bens e direitos necessários à manutenção das atividades da empresa, caracterizados por apresentar-se na forma tangível

Leia mais

Prof. Walter Dominas

Prof. Walter Dominas Unidade II CONTABILIDADE AVANÇADA Prof. Walter Dominas Consolidação das demonstrações contábeis A Consolidação das Demonstrações Contábeis é uma técnica que permite conhecer a posição financeira de um

Leia mais

Tutorial Rotinas de Custos

Tutorial Rotinas de Custos Tutorial Rotinas de Custos Tela de Parâmetros (Cadastro de Parâmetros) Linha 20 autoriza o sistema a atualizar os Valores de Custos e Médios através do lançamento de Notas Fiscais de Entrada. Linha 21

Leia mais

BALANCETES E RELATÓRIOS

BALANCETES E RELATÓRIOS Matéria - Contabilidade SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Balancetes NBC T 2.7 3. Modelos de Balancetes 4. Relatórios 4.1. Relatórios por área de responsabilidade BALANCETES E RELATÓRIOS 5. Balancetes

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROVAS 3 ANTERIORES DE CUSTOS INDUSTRIAIS ENG 3040 1) Uma empresa asfáltica fechou com o Governo um contrato

Leia mais

Princípios Fundamentais Contabilidade

Princípios Fundamentais Contabilidade Princípios Fundamentais Contabilidade 1 Princípios Contábeis. Resolução CFC 750 de 29 de dezembro de 1993. Art. 3 São Princípios de Contabilidade:(2) I o da ENTIDADE; II o da CONTINUIDADE; III o da OPORTUNIDADE;

Leia mais

TÉCNICO(A) DE CONTABILIDADE JÚNIOR

TÉCNICO(A) DE CONTABILIDADE JÚNIOR 34 EDITAL N o 1 PETROBRAS / PSP RH - 1/2012 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material: LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. a) este caderno, com o enunciado das 60 (sessenta) questões objetivas,

Leia mais

RECEITA BRUTA ( ) Deduções de Receitas = RECEITA LÍQUIDA ( ) Custos = LUCRO BRUTO ( ) Despesas = LUCRO LÍQUIDO

RECEITA BRUTA ( ) Deduções de Receitas = RECEITA LÍQUIDA ( ) Custos = LUCRO BRUTO ( ) Despesas = LUCRO LÍQUIDO MÓDULO V CONTABILIDADE GERENCIAL FATOS CONTÁBEIS QUE AFETAM A SITUAÇÃO LÍQUIDA INTRODUÇÃO Neste módulo iremos fazer uma abordagem sobre os elementos que ocasionam as mutações na situação patrimonial líquida.

Leia mais

Correção da Prova. Questões: 1, 2, 3, 4, 5 Contabilidade Geral

Correção da Prova. Questões: 1, 2, 3, 4, 5 Contabilidade Geral Correção da Prova Questões: 1, 2, 3, 4, 5 Contabilidade Geral Questão 1 - Acerca das demonstrações contábeis, julgue os itens abaixo e, em seguida, assinale a opção CORRETA. I. O recebimento de caixa resultante

Leia mais

DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS

DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS Resumo A proposta deste trabalho é realizar um estudo de programação linear para definir a viabilidade da produção, assim

Leia mais

CUSTOS DE AQUISIÇÃO DE MATÉRIA-PRIMA PARA A PRODUÇÃO DE CARROCERIAS: ESTUDO DE CASO VILAÇOS IMPLEMENTOS RODOVIÁRIO 1

CUSTOS DE AQUISIÇÃO DE MATÉRIA-PRIMA PARA A PRODUÇÃO DE CARROCERIAS: ESTUDO DE CASO VILAÇOS IMPLEMENTOS RODOVIÁRIO 1 CUSTOS DE AQUISIÇÃO DE MATÉRIA-PRIMA PARA A PRODUÇÃO DE CARROCERIAS: ESTUDO DE CASO VILAÇOS IMPLEMENTOS RODOVIÁRIO 1 KELLY CRISTINA FERREIRA 2 NAIANE DOS SANTOS RODRIGUES 3 TALITA RÚBIA RIBEIRO 4 IVÃ DA

Leia mais

REGIMES CONTÁBEIS RECEITAS E DESPESAS

REGIMES CONTÁBEIS RECEITAS E DESPESAS CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA I ELEMENTOS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGIMES CONTÁBEIS RECEITAS E DESPESAS Prof. Emanoel Truta ELEMENTOS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Os Elementos das Demonstrações Contábeis

Leia mais

Contabilidade. Demonstrações Contábeis. Curso: Adm. Geral. Estrutura de Capital, Alavancagem e Ponto de Equilíbrio. Prof. Marcelo dos Santos

Contabilidade. Demonstrações Contábeis. Curso: Adm. Geral. Estrutura de Capital, Alavancagem e Ponto de Equilíbrio. Prof. Marcelo dos Santos Curso: Adm. Geral Prof. Marcelo dos Santos Estrutura de Capital, Alavancagem e Ponto de Equilíbrio Contabilidade É a ciência teórica e prática que estuda os métodos de cálculo e registro da movimentação

Leia mais

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro Faculdade Atenas Maranhense - FAMA Professor: Esp. CLEIDIANA SACCHETTO Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU

Leia mais

Esquema Básico da Contabilidade de Custos

Esquema Básico da Contabilidade de Custos Tema Esquema Básico da Contabilidade De Custos Projeto Curso Disciplina Tema Professor Engenharia de Produção Custos Industriais Esquema Básico da Contabilidade de Custos Luizete Aparecida Fabbris Kenedy

Leia mais

SUMÁRIO. Prof. Edson de Oliveira Pamplona http://www.iepg.unifei.edu.br/edson. www.iepg.unifei.edu.br/edson. Universidade Federal de Itajubá

SUMÁRIO. Prof. Edson de Oliveira Pamplona http://www.iepg.unifei.edu.br/edson. www.iepg.unifei.edu.br/edson. Universidade Federal de Itajubá 1 www.iepg.unifei.edu.br/edson Avaliação de Projetos e Negócios Prof. Edson de Oliveira Pamplona http://www.iepg.unifei.edu.br/edson 2011 SUMÁRIO 1. Introdução 2. Matemática Financeira 3. Análise de Alternativas

Leia mais

ETAPA 1 INFORMAÇÕES SOBRE O EMPREENDIMENTO

ETAPA 1 INFORMAÇÕES SOBRE O EMPREENDIMENTO ETAPA 1 INFORMAÇÕES SOBRE O EMPREENDIMENTO Nome da Empresa: Sapatos e Bolsas BACANAS. Razão Social: Sócios: Endereço: Fone/Fax: Pessoa para Contato: CEP: ETAPA 2 DESCRIÇÃO GERAL DO NEGÓCIO O que a empresa

Leia mais

2.2 Resultado com mercadorias 2.3 Impostos que afetam as mercadorias 2.4 Critérios de avaliação do estoque

2.2 Resultado com mercadorias 2.3 Impostos que afetam as mercadorias 2.4 Critérios de avaliação do estoque Disciplina: Contabilidade Comercial I Período: 2º Tipo: I Professor: Evaldo Modesto de Ávila Curso: Ciências Contábeis Assunto: Texto Semestre: 2º Nome: Nº: Apostila : Turma: ÚNICA Turno: NOITE Data: 002

Leia mais

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO No Modelo de Plano de Negócio, disponível no seu ambiente do Concurso você terá um passo a passo para elaborar o seu Plano, bem como todo o conteúdo necessário

Leia mais

Aula 2 - Técnicas contábeis e Demonstrações Financeiras. Prof Adelino Correia

Aula 2 - Técnicas contábeis e Demonstrações Financeiras. Prof Adelino Correia Tema: Técnicas Contábeis e Demonstrações Financeiras MATERIAL DE APOIO - ENVIADO PELO PROFESSOR Índice 1. Síntese Técnicas Contábeis e Demonstrações Financeiras 2. Simulado 3. Gabarito Aula 2 - Técnicas

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção - Era mercantilista: Receita (-) Custo das mercadorias vendidas (comprada de artesãos) = Lucro Bruto (-) Despesas = Lucro Líquido - Empresas

Leia mais

1º CASO Cia. INVESTIDORA S.A.

1º CASO Cia. INVESTIDORA S.A. 1º CASO Cia. INVESTIDORA S.A. O quadro a seguir apresenta o Balancete de Verificação da Cia. Investidora S.A. em 31/12/X1. Contas Saldo ($) Contas Saldo ($) Depósitos Bancários 182.000 Financiamentos L.

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

ICMS/PE 2014 Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura

ICMS/PE 2014 Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura ICMS/PE 2014 Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura 1 de 9 Olá queridos alunos, ICMS PE 2014: Resolução da prova de Hoje farei alguns comentários acerca da prova da Secretaria

Leia mais

CPF DO CANDIDATO (A): DATA: 17/11/2014. NOME DO CANDIDATO (A): PROVA ESCRITA

CPF DO CANDIDATO (A): DATA: 17/11/2014. NOME DO CANDIDATO (A): PROVA ESCRITA CPF DO CANDIDATO (A): DATA: 17/11/2014. NOME DO CANDIDATO (A): PROVA ESCRITA Processo Seletivo para Curso de Especialização em Controladoria e Finanças Edital nº 04/2014 INSTRUÇÕES: A prova é individual,

Leia mais

A seguir, a correção da prova de Contador da Prefeitura de Niterói. Não vislumbramos possibilidade de recursos.

A seguir, a correção da prova de Contador da Prefeitura de Niterói. Não vislumbramos possibilidade de recursos. Olá, meus amigos! A seguir, a correção da prova de Contador da Prefeitura de Niterói. Não vislumbramos possibilidade de recursos. Forte abraço. Gabriel Rabelo/Luciano Rosa. Sigam nossas redes sociais!

Leia mais

7. Análise da Viabilidade Econômica de Projetos

7. Análise da Viabilidade Econômica de Projetos 7. Análise da Viabilidade Econômica de Projetos Exemplos de Aplicação de Projetos Cálculo do Valor de um Negócio ou Empresa; Avaliar Viabilidade de Projetos; Projetos para solicitação de Financiamentos.

Leia mais

SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL

SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Janeiro de 2008. Todos os direitos são reservados. Nenhuma

Leia mais

CAPÍTULO 5 DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS - DLPA LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS

CAPÍTULO 5 DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS - DLPA LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO CAPÍTULOS 5,6,7 e 8 CAPÍTULO 5 DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS - DLPA LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS DESTINAÇÕES 1. Ajustes (-) Exerc. Anteriores 2. Transf. P/

Leia mais

PizzarIFSC - Pizzaria IFSC. Pizzaria IFSC. Elaborado por: Edson Watanabe. Data criação: 25/04/2011 21:04 Data Modificação: 07/12/2011 11:40

PizzarIFSC - Pizzaria IFSC. Pizzaria IFSC. Elaborado por: Edson Watanabe. Data criação: 25/04/2011 21:04 Data Modificação: 07/12/2011 11:40 PizzarIFSC - Pizzaria IFSC Pizzaria IFSC Elaborado por: Edson Watanabe Data criação: 25/04/2011 21:04 Data Modificação: 07/12/2011 11:40 Tipo Empresa: Empresa nascente 1 - Sumário Executivo 1.1 - Resumo

Leia mais

Básico Fiscal. Contabilidade Avançada. Módulo 1. 20 Exercícios de Apoio. Prof. Cláudio Cardoso

Básico Fiscal. Contabilidade Avançada. Módulo 1. 20 Exercícios de Apoio. Prof. Cláudio Cardoso Básico Fiscal Contabilidade Avançada Módulo 1 20 Exercícios de Apoio Prof. Cláudio Cardoso 1. (Analista CVM/2003 FCC Adaptada) A Cia. Omega comprou, à vista, ações representativas de 20% do capital votante

Leia mais

Contabilidade de Custos

Contabilidade de Custos Contabilidade de Custos EDITORA ATLAS S.A. Rua Conselheiro Nébias, 1384 (Campos Elísios) 01203-904 São Paulo (SP) Tel.: (0 11) 3357-9144 (PABX) www.editoraatlas.com.br Eliseu Martins Welington Rocha Contabilidade

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque.

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. RAZÕES PARA MANTER ESTOQUES A armazenagem de mercadorias prevendo seu uso futuro exige investimento por parte da organização. O ideal seria

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS SEGURO TERRORISMO COBERTURA DE INTERRUPÇÃO DE NEGÓCIOS

CONDIÇÕES ESPECIAIS SEGURO TERRORISMO COBERTURA DE INTERRUPÇÃO DE NEGÓCIOS 1. RISCO COBERTO Fica entendido e acordado que, de acordo com os termos destas Condições Especiais e com as Condições Gerais e Especificação da presente apólice, o Limite Máximo de Garantia nela estabelecido,

Leia mais

De acordo com a NBC TG16(R1), estoques, seu item número 9 define como os estoques devem ser mensurados, assim transcrito abaixo:

De acordo com a NBC TG16(R1), estoques, seu item número 9 define como os estoques devem ser mensurados, assim transcrito abaixo: PROVA BACHAREL PRIMEIRO EXAME DE SUFICIÊNCIA 2014. TESE PARA RECURSOS Questão 1 De acordo com a NBC TG16(R1), estoques, seu item número 9 define como os estoques devem ser mensurados, assim transcrito

Leia mais

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 e de 2011

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 e de 2011 Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 e de 2011 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações

Leia mais

Bases para o conhecimento de custos

Bases para o conhecimento de custos capítulo 1 Bases para o conhecimento de custos OBJETIVO O objetivo deste capítulo é apresentar os principais conceitos relacionados a custos, possibilitando ao leitor: identificar os métodos de custeio

Leia mais

Professor conteudista: Hildebrando Oliveira

Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Contabilidade Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Sumário CONTABILIDADE Unidade I 1 CONCEITO DE CONTABILIDADE...1 2 OBJETO DA CONTABILIDADE...2 3 O BALANÇO PATRIMONIAL...3 4 A CONTA...4 O RESULTADO...6

Leia mais

Unidade II ESTRUTURA DAS. Prof. Me. Alexandre Saramelli

Unidade II ESTRUTURA DAS. Prof. Me. Alexandre Saramelli Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Me. Alexandre Saramelli Estrutura das demonstrações contábeis Relatório Anual Porto Seguro Introdução Processo de Convergência Contábil Internacional

Leia mais

Empresa de Transmissão do Alto Uruguai S.A. Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado em 31 de dezembro de 2011

Empresa de Transmissão do Alto Uruguai S.A. Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado em 31 de dezembro de 2011 Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado em 31 de dezembro de 2011 Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado Exercício findo em 31 de dezembro de 2011 Conteúdo Relatório dos auditores independentes

Leia mais

CURSOS ON-LINE CONTABILIDADE GERAL EM EXERCÍCIOS PROFESSOR ANTONIO CÉSAR AULA 11: EXERCÍCIOS (CONTINUAÇÃO)

CURSOS ON-LINE CONTABILIDADE GERAL EM EXERCÍCIOS PROFESSOR ANTONIO CÉSAR AULA 11: EXERCÍCIOS (CONTINUAÇÃO) AULA 11: EXERCÍCIOS (CONTINUAÇÃO) 11- (AFRE MG/ESAF 2005) Duas empresas coligadas avaliam seus investimentos pelo método da equivalência patrimonial. A primeira empresa tem Ativo Permanente de R$ 500.000,00,

Leia mais

Bens - É tudo aquilo suscetível de avaliação econômica servindo para satisfazer as necessidades humanas.

Bens - É tudo aquilo suscetível de avaliação econômica servindo para satisfazer as necessidades humanas. NOÇÕES DE CONTABILIDADE E FINANÇAS Prof. Adelino Correa 12/8/2011 Contabilidade: é a ciência que estudo o PATRIMÔNIO em suas variações quantitativas e qualitativas. - aspectos quantitativos = montante,

Leia mais

Relação de Documentos para Análise. Constam os documentos PESSOA JURIDICA: SIM NÃO

Relação de Documentos para Análise. Constam os documentos PESSOA JURIDICA: SIM NÃO Nome da Empesa: CNPJ: Contato: Telefone: Relação de Documentos para Análise Constam os documentos PESSOA JURIDICA: SIM NÃO 1 Ficha cadastral e Autorização de Consulta de Restritivos assinada (Anexo); 2

Leia mais

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Julho de 2007. Todos os

Leia mais

Maria Tereza da Silva Santos. Confecção - Exemplo. Elaborado por: Plano de Negócio - Exemplos

Maria Tereza da Silva Santos. Confecção - Exemplo. Elaborado por: Plano de Negócio - Exemplos Maria Tereza da Silva Santos Confecção - Exemplo Elaborado por: Plano de Negócio - Exemplos Data criação: 09/01/2014 14:36 Data Modificação: 21/02/2014 14:36 Tipo Empresa: Empresa nascente 1 - Sumário

Leia mais

Petrobras 2013. Apostila. Exercícios Resolvidos e Comentados. Passe Concursos. Engenheiro de Produção Jr. http://blog.passeconcursos.com.

Petrobras 2013. Apostila. Exercícios Resolvidos e Comentados. Passe Concursos. Engenheiro de Produção Jr. http://blog.passeconcursos.com. Apostila Petrobras 2013 Engenheiro de Produção Jr Exercícios Resolvidos e Comentados Junho 2013 2 Conteúdo 1. Gestão Econômica...4 1.1. Juros Simples...4 1.2. Juros Compostos...4 1.3. Tipos de Taxas...8

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE GERENCIAL. Profa. Divane Silva

Unidade II CONTABILIDADE GERENCIAL. Profa. Divane Silva Unidade II CONTABILIDADE GERENCIAL Profa. Divane Silva A disciplina está dividida em 02 Unidades: Unidade I 1. Noções Preliminares 2. Fundamentos da Contabilidade de Custos Unidade II 4. Relação Custo

Leia mais

Matemática. Apostila. Prof. Pedro. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Matemática. Apostila. Prof. Pedro. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Matemática Apostila Prof. Pedro UMA PARCERIA Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistadeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO PARA ALUNOS

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas Realização: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE CURSO: BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Leia mais

Professor Gabriel Rabelo Contabilidade 15 QUESTÕES SOBRE ESTOQUES PARTE DO E-BOOK CONTABILIDADE FACILITADA PARA A ÁREA FISCAL PROVAS COMENTADAS

Professor Gabriel Rabelo Contabilidade 15 QUESTÕES SOBRE ESTOQUES PARTE DO E-BOOK CONTABILIDADE FACILITADA PARA A ÁREA FISCAL PROVAS COMENTADAS Professor Gabriel Rabelo Contabilidade 15 QUESTÕES SOBRE ESTOQUES PARTE DO E-BOOK CONTABILIDADE FACILITADA PARA A ÁREA FISCAL PROVAS COMENTADAS 1 PROVA 1 ANALISTA DE MERCADO DE CAPITAIS CVM 2010 ESAF 1.

Leia mais