CONTABILIDADE DE CUSTOS e GERENCIAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTABILIDADE DE CUSTOS e GERENCIAL"

Transcrição

1 Centro Universitário Padre Anchieta CONTABILIDADE DE CUSTOS e GERENCIAL Professor: Josué Centro Universitário Padre Anchieta 1. INTRODUÇÃO À CONTABILIDADE DE CUSTOS Professor: Josué CAP. 1 do Livro Suficiência CFC 1

2 SISTEMA DE INFORMAÇÕES SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS CONTABILIDADE CONTABILIDADE FINANCEIRA GERENCIAL CONTABILIDADE DE SISTEMA CUSTOS ORÇAMENTÁRIO UTILIZAÇÃO CONTABILIDADE DE CUSTOS Na Contabilidade Financeira: O Valorização de Estoques para o Balanço Patrimonial O Apuração do Custo dos Bens e Serviços Vendidos, para a Demonstração de Resultados Suficiência CFC 2

3 UTILIZAÇÃO CONTABILIDADE DE CUSTOS Na Contabilidade Gerencial: Fornecer informações para: O planejamento e controle O elaboração de orçamentos O dar suporte ao processo de tomada de decisão O Etc. UTILIZAÇÃO CONTABILIDADE DE CUSTOS Dar suporte à tomada de decisão: Lançamento de produtos Precificação Apurar resultados Avaliar desempenhos Influenciar comportamentos Etc. Suficiência CFC 3

4 Centro Universitário Padre Anchieta 2. TERMINOLOGIA CONTÁBIL BÁSICA Professor: Josué CAP. 2 do Livro TERMINOLOGIA BÁSICA Gasto Desembolso Investimento Custo Despesa Perda Suficiência CFC 4

5 Centro Universitário Padre Anchieta 3. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS APLICADOS A CUSTOS Professor: Josué CAP. 3 do Livro PRINCÍPIOS CONTÁBEIS Realização da Receita Confrontação Despesas x Receitas Custo Histórico Consistência Prudência Relevância Suficiência CFC 5

6 TIPOS DE CUSTEIO Custeio por Absorção Custeio Direto ou Variável RKW ABC CUSTEIO POR ABSORÇÃO DESPESAS CUSTOS ESTOQUE DE PRODUTOS DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS RECEITA CPV LUCRO BRUTO DESPESAS LUCRO OPERACIONAL Suficiência CFC 6

7 CUSTEIO POR ABSORÇÃO DESPESAS CUSTOS PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS RECEITA Custo Serviços Prestados LUCRO BRUTO DESPESAS LUCRO OPERACIONAL Centro Universitário Padre Anchieta 4. CLASSIFICAÇÕES E NOMENCLATURAS DE CUSTOS Professor: Josué CAP. 4 do Livro Suficiência CFC 7

8 ALGUMAS DEFINIÇÕES CPP = MAT + MOD + CIF CPA = EI PP + CPP - EF PP CPV = EI PAC + CPA - EF PAC 15 ALGUMAS DEFINIÇÕES O Custos Primários O Custos de Transformação 16 Suficiência CFC 8

9 CUSTOS DIRETOS São aqueles identificáveis com cada produto de maneira clara, direta e objetiva; a associação e a apropriação se processa através de mensuração direta. 17 CUSTOS INDIRETOS São aqueles alocados a cada produto através de estimativas e aproximações; a associação pode conter subjetividades e o grau de precisão da mensuração é baixo. 18 Suficiência CFC 9

10 CUSTOS FIXOS São aqueles cujo montante independe do volume, dentro de determinado período. 19 CUSTOS FIXOS Custo $ CF Volume de Atividade 20 Suficiência CFC 10

11 CUSTOS FIXOS Custo $ CF Volume de Atividade 21 CUSTOS VARIÁVEIS São aqueles cujo montante acompanha o volume de atividade, dentro de certo período. 22 Suficiência CFC 11

12 CUSTOS VARIÁVEIS Custo $ CV Volume de Atividade 23 Centro Universitário Padre Anchieta 5. ESQUEMA BÁSICO DA CONTABILIDADE DE CUSTOS Professor: Josué CAP. 5 do Livro Suficiência CFC 12

13 ESQUEMA BÁSICO CUSTOS INDIRETOS DIRETOS RATEIO PRODUTO A PRODUTO B ESTOQUE DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS RECEITA CPV LUCRO BRUTO DESPESAS LUCRO OPERACIONAL CONTABILIZAÇÃO DOS CUSTOS Método Simples O Contas sintéticas O Transferência periódica dos custos para estoques O Segue os passos da Contabilidade Financeira Suficiência CFC 13

14 CONTABILIZAÇÃO DOS CUSTOS Método Complexo O Contas analíticas O Transferência contínua dos custos para estoques O Segue todos os passos da Contabilidade de Custos Centro Universitário Padre Anchieta 6. ESQUEMA BÁSICO DA CONTABILIDADE DE CUSTOS DEPARTAMENTALIZAÇÃO Professor: Josué CAP. 6 do Livro Suficiência CFC 14

15 ESQUEMA BÁSICO CUSTOS INDIRETOS DIRETOS R COMUNS Alocáveis Diretamente aos Departamentos DEPARTAMENTO Serviço A R DEPARTAMENTO Serviço B ESTOQUE R DEPARTAMENTO Demonstração de Resultados Produção C R DEPARTAMENTO Produção D R PRODUTO X PRODUTO Y RECEITA CPV LUCRO BRUTO DESPESAS LUCRO OPERACIONAL PROCESSO DE CONTABILIZAÇÃO DOS CUSTOS INDIRETOS a) apropriação direta de cada conta de custo aos departamentos, nos casos em que a identificação puder ser realizada de forma clara, direta e objetiva; Suficiência CFC 15

16 PROCESSO DE CONTABILIZAÇÃO DOS CUSTOS INDIRETOS b) rateio, para os departamentos, dos saldos das contas de custos que não puderam ser associados por mensuração direta na etapa (a); PROCESSO DE CONTABILIZAÇÃO DOS CUSTOS INDIRETOS c) rateio dos custos de cada departamento de apoio para todos os departamentos usuários dos seus serviços; e Suficiência CFC 16

17 PROCESSO DE CONTABILIZAÇÃO DOS CUSTOS INDIRETOS d) rateio dos custos de cada departamento de produção para todos os produtos que por eles transitaram. Centro Universitário Padre Anchieta 7. CRITÉRIO DE RATEIO DOS CUSTOS INDIRETOS Professor: Josué CAP. 7 do Livro Suficiência CFC 17

18 CRITÉRIOS DE RATEIO: REQUISITOS O conhecimento do processo de produção O envolvimento do pessoal de Custos e de Produção O consistência BASES DE RATEIO MAIS COMUNS tempo de máquina tempo de mão-de-obra custo de mão-de-obra volume de matéria-prima custo de matéria-prima combinação de várias Suficiência CFC 18

19 DEPARTAMENTOS DE SERVIÇOS - CRITÉRIO DE RATEIO Custo fixo: pelo potencial de uso Custo variável: pela utilização efetiva Centro Universitário Padre Anchieta 8. CUSTEIO DIRETO OU VARIÁVEL Professor: Josué CAP. 17 do Livro Suficiência CFC 19

20 CRÍTICAS AO RATEIO DE CUSTOS FIXOS O Custos Fixos são custos da capacidade de produção disponibilizada; e O o seu montante independe da produção ou não, e do volume. CRÍTICAS AO RATEIO DE CUSTOS FIXOS O Custos Fixos geralmente são rateados por critérios arbitrários; e O isso distorce o custo e o lucro de cada produto. Suficiência CFC 20

21 CRÍTICAS AO RATEIO DE CUSTOS FIXOS O O Custo Fixo por unidade de um produto varia inversamente ao seu próprio volume de produção; e O o custo fixo de um produto depende do volume de produção de outros produtos. CUSTEIO VARIÁVEL Apropria aos produtos apenas custos variáveis; os fixos são debitados diretamente ao resultado do período, como despesas. Suficiência CFC 21

22 CUSTEIO VARIÁVEL O valor do resultado de cada período acompanha a inclinação da receita de vendas. CUSTEIO POR ABSORÇÃO X CUSTEIO VARIÁVEL A diferença no valor dos resultados de cada período refere-se ao custo fixo correspondente aos estoques inicial e final. Suficiência CFC 22

23 CUSTEIO VARIÁVEL Fere o Princípio Contábil da Competência CUSTEIO VARIÁVEL CUSTOS DESPESAS FIXOS VARIÁVEIS FIXAS VARIÁVEIS ESTOQUE DE PRODUTOS DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS VENDA RECEITA LÍQUIDA CVPV DV MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO CDF LUCRO OPERACIONAL Suficiência CFC 23

24 Centro Universitário Padre Anchieta 9. MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO Professor: Josué CAP. 15 do Livro MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO POR UNIDADE É o excesso do preço de venda em relação aos custos e despesas variáveis; destina-se a amortizar os custos e despesas fixos e a formar o lucro da empresa. Suficiência CFC 24

25 MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO POR UNIDADE MC/u = PV L - CDV MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO TOTAL DO PRODUTO MCT = RL - CDV T MCT = q x MC/u Suficiência CFC 25

26 Centro Universitário Padre Anchieta 10. AS RELAÇÕES CUSTO / VOLUME / LUCRO Professor: Josué CAP. 22 do Livro CUSTOS FIXOS Custo $ CF Volume de Atividade 52 Suficiência CFC 26

27 CUSTOS VARIÁVEIS Custo $ CV Volume de Atividade 53 PONTO DE EQUILÍBRIO PEC(q) = CDF MC/u PEC($) = CDF MC% 54 Suficiência CFC 27

28 PONTO DE EQUILÍBRIO ECONÔMICO PEE(q) = CDF + LO MC/u 55 PONTO DE EQUILÍBRIO FINANCEIRO PEF(q) = CDF - CDFND + Amortizações MC/u 56 Suficiência CFC 28

29 PONTO DE EQUILÍBRIO $ Ponto de Equilíbrio Variáveis Fixos Custos e Despesas Totais Receitas Totais Volume 57 MARGEM DE SEGURANÇA (MS) É a diferença entre o volume de vendas com que a empresa está operando e volume de vendas no ponto de equilíbrio. 58 Suficiência CFC 29

30 MARGEM DE SEGURANÇA EM PORCENTAGEM É obtida dividindo-se a Margem de Segurança pelo volume de vendas com que a empresa está operando. 59 MARGEM DE SEGURANÇA OPERACIONAL MSO = Volume Atual - PEC (q) X 100 Volume Atual 60 Suficiência CFC 30

31 ALAVANCAGEM OPERACIONAL É o efeito das variações de volume sobre o lucro. 61 GRAU DE ALAVANCAGEM OPERACIONAL É a variação percentual do lucro para cada ponto de variação percentual no volume. 62 Suficiência CFC 31

32 GRAU DE ALAVANCAGEM OPERACIONAL GAO = Δ Δ % Lucro % Volume 63 GRAU DE ALAVANCAGEM OPERACIONAL GAO = MCT Lucro 64 Suficiência CFC 32

33 Centro Universitário Padre Anchieta 11. AS RELAÇÕES CUSTO / VOLUME / LUCRO CONSIDERAÇÕES ADICIONAIS Professor: Josué CAP. 23 do Livro ALGUNS PRESSUPOSTOS DA ANÁLISE DO P.E. O Um único produto O CF e CV claramente separáveis O Perfeita sincronia entre produção e vendas O Comportamento linear de custos, despesas e preços 66 Suficiência CFC 33

34 QUANDO HÁ VÁRIOS PRODUTOS O P.E. por produto CDF identificáveis O P.E. do conjunto MC/u média ponderada 67 PREPONDERÂNCIA DE CDF O MC/u alta O Pouca flexibilidade O Na expansão, altos lucros O Na retração, sofre mais 68 Suficiência CFC 34

35 PREPONDERÂNCIA DE CDV O MC/u baixa O Grande flexibilidade O Na expansão, lucros moderados O Na retração, sofre menos 69 Centro Universitário Padre Anchieta 12. MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO E LIMITAÇÃO NA CAPACIDADE PRODUTIVA Professor: Josué CAP. 16 do Livro Suficiência CFC 35

36 MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO POR FATOR LIMITANTE MC/u Fator Limitante da capacidade, por unidade QUANDO HOUVER VÁRIOS FATORES LIMITANTES O Programação Linear O Solver, do Excel Suficiência CFC 36

37 Centro Universitário Padre Anchieta 13. FIXAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Professor: Josué CAP. 19 do Livro GESTÃO DE PREÇOS O Custo do produto O Elasticidade-demanda O Preço de produtos concorrentes O Preço de produtos substitutos O Preço de bens e serviços complementares O Tipo de mercado etc. Suficiência CFC 37

38 GESTÃO DE PREÇOS O Com base em custos O Com base no mercado O Combinação custo e mercado PREÇO COM BASE NO CUSTO Preço = Custo + Markup MARKUP: Tributos Comissões Lucro Desejado Etc. Suficiência CFC 38

39 PREÇO COM BASE NO MERCADO Margem de Contribuição Total simulada a vários níveis de preço e volume de vendas. Suficiência CFC 39

PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL

PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL Braulino José dos Santos TERMINOLOGIAS Terminologia em custos Gasto Investimento Custo

Leia mais

Sumário. Capítulo 1. Conceitos Gerais...1

Sumário. Capítulo 1. Conceitos Gerais...1 Sumário Capítulo 1 Conceitos Gerais...1 1. Conceito de Contabilidade de Custos...1 2. Breve Histórico da Contabilidade de Custos...1 3. Tipos de Indústrias...3 3.1. Quanto ao ritmo de fabricação dos produtos...3

Leia mais

Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura

Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura 1 de 9 Olá queridos alunos, Hoje faremos alguns comentários acerca da prova para o cargo de Auditor Fiscal Tributário Municipal da

Leia mais

Seminário. Contabilidade de Custos Conceitos Societários e Gerenciais. Setembro 2012. Elaborado por: Sidney Leone

Seminário. Contabilidade de Custos Conceitos Societários e Gerenciais. Setembro 2012. Elaborado por: Sidney Leone Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

CUSTOS E FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA. Antonio Zanin- MS.c zanin@unochapeco.edu.br

CUSTOS E FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA. Antonio Zanin- MS.c zanin@unochapeco.edu.br CUSTOS E FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Antonio Zanin- MS.c zanin@unochapeco.edu.br Custos... afinal, o que é isto? São essencialmente medidas monetárias dos sacrifícios com os quais uma organização tem que

Leia mais

2 2 pts) Inicialmente vamos calcular os custos variáveis (CV) e custos fixos (CF) e depois implementar a nova condição (redução do custo

2 2 pts) Inicialmente vamos calcular os custos variáveis (CV) e custos fixos (CF) e depois implementar a nova condição (redução do custo 2 2 pts) A Cia Roupas de Festa coloca no mercado seu produto principal ao preço unitário de R$ 86,75 isento de IPI, mas com ICMS de 17%. O custo variável nessa produção alcança R$ 54,00. A Cia está conseguindo

Leia mais

Terminologias e Classificações

Terminologias e Classificações Terminologias e Classificações Ramos da Contabilidade Definições Contabilidade Financeira: ciência social aplicada que capta, registra, resume, interpreta e evidencia fenômenos que afetam a situação financeira

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE GERENCIAL. Profa. Divane Silva

Unidade II CONTABILIDADE GERENCIAL. Profa. Divane Silva Unidade II CONTABILIDADE GERENCIAL Profa. Divane Silva A disciplina está dividida em 02 Unidades: Unidade I 1. Noções Preliminares 2. Fundamentos da Contabilidade de Custos Unidade II 4. Relação Custo

Leia mais

Gestão de Custos. Aula 6. Contextualização. Instrumentalização. Profa. Me. Marinei Abreu Mattos. Vantagens do custeio variável

Gestão de Custos. Aula 6. Contextualização. Instrumentalização. Profa. Me. Marinei Abreu Mattos. Vantagens do custeio variável Gestão de Custos Aula 6 Contextualização Profa. Me. Marinei Abreu Mattos Instrumentalização Tomar decisões não é algo fácil, por isso a grande maioria dos gestores procuram utilizar as mais variadas técnicas

Leia mais

ICMS/PE 2014 Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura

ICMS/PE 2014 Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura ICMS/PE 2014 Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura 1 de 9 Olá queridos alunos, ICMS PE 2014: Resolução da prova de Hoje farei alguns comentários acerca da prova da Secretaria

Leia mais

GESTÃO DE CUSTOS. Professor Mestre Roberto de O. Sant Anna

GESTÃO DE CUSTOS. Professor Mestre Roberto de O. Sant Anna GESTÃO DE CUSTOS Professor Mestre Roberto de O. Sant Anna AULA 4 Gestão de Custos 2 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Aula 4 Custos dos produtos vendidos Conceito Apuração Decisão sobre Rateios Gestão de Custos 3

Leia mais

APOSTILA DE ANÁLISE DE CUSTOS

APOSTILA DE ANÁLISE DE CUSTOS APOSTILA DE ANÁLISE DE CUSTOS Prof Fabio Uchôas de Lima São Paulo 2013 Não é permitida a cópia ou reprodução, no todo ou em parte, sem o expresso consentimento deste autor com base na Lei 9.610/92. Contato:

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS página 1 07. Onde é classificado o Subgrupo Estoques no plano de contas? 01. São acontecimentos que ocorrem na empresa e que não provocam alterações no Patrimônio: A) Atos Administrativos

Leia mais

2º LISTA DE EXERCÍCIOS EM SALA ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS - Prof. Pablo Rogers

2º LISTA DE EXERCÍCIOS EM SALA ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS - Prof. Pablo Rogers OBS: Exercícios selecionados do livro de exercícios de Contabilidade de Custos dos autores Eliseu Martins e Welington Rocha publicado em 2007 pela Editora Atlas. 1. Observar as sentenças a seguir: I O

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS DE CUSTOS INDUSTRIAIS

LISTA DE EXERCÍCIOS DE CUSTOS INDUSTRIAIS LISTA DE EXERCÍCIOS DE CUSTOS INDUSTRIAIS 1) O desembolso à vista ou a prazo para obtenção de bens ou serviços, independentemente de sua destinação dentro da empresa, denomina-se : a) gasto b) investimento

Leia mais

Ponto de Equilíbrio Contábil

Ponto de Equilíbrio Contábil CONTABILIDADE DE CUSTOS Prof. Viviane da Costa Freitag 3. ANÁLISE CUSTO X VOLUME X LUCRO A análise da relação Custo x Volume x Lucro, busca apresentar o comportamento dos custos e do lucro em função do

Leia mais

Custos fixos São aqueles custos que não variam em função das alterações dos níveis de produção da empresa. Exemplo: aluguel depreciação

Custos fixos São aqueles custos que não variam em função das alterações dos níveis de produção da empresa. Exemplo: aluguel depreciação 1 Alguns conceitos de custos... gasto, despesa ou custo? Gasto: Sacrifício financeiro com que a entidade arca para a obtenção de um produto ou qualquer serviço 1. Investimento: Gasto ativado em função

Leia mais

Curso Preparatório para o Exame de Suficiência do CFC

Curso Preparatório para o Exame de Suficiência do CFC Curso Preparatório para o Exame de Suficiência do CFC Objetivo Preparar os estudantes e profissionais para prestar o Exame de Suficiência do CFC 2013 Bacharel em Ciências Contábeis. O curso inclui módulos

Leia mais

Capítulo 1. Capítulo 2. Capítulo 3. Contabilidade gerencial: panorama... 1. Contabilidade gerencial e conceitos de custo... 23

Capítulo 1. Capítulo 2. Capítulo 3. Contabilidade gerencial: panorama... 1. Contabilidade gerencial e conceitos de custo... 23 SUMÁRIO Capítulo 1 Contabilidade gerencial: panorama... 1 O que é contabilidade gerencial?... 2 Planejamento... 3 Controle... 3 Tomada de decisões... 4 Por que a contabilidade gerencial é importante para

Leia mais

Formação do Preço de Venda

Formação do Preço de Venda CURSO DE ADM - 5º PERÍODO - FASF Objetivo Refletir sobre a importância de se conhecer e identificar a FORMAÇÃO DE PREÇO, como fator determinante para a sobrevivência da exploração da atividade da empresa.

Leia mais

Palestra Avaliação do Preço de Venda e Ponto de Equilíbrio. 1o Café com os festeiros de São Paulo WAGNER VIANA PEREIRA

Palestra Avaliação do Preço de Venda e Ponto de Equilíbrio. 1o Café com os festeiros de São Paulo WAGNER VIANA PEREIRA Palestra Avaliação do Preço de Venda e Ponto de Equilíbrio WAGNER VIANA PEREIRA Apresentação Wagner Viana Pereira Consultor financeiro do Sebrae-SP; Professor titular das Faculdades Oswaldo Cruz; Graduado

Leia mais

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR CUSTOS DOS PRODUTOS I NOÇÕES GERAIS 1. CLASSIFICAÇÃO DOS CUSTOS Existem diversas classificações de custos, as quais variam em função das finalidades a que se destinam. As principais classificações são:

Leia mais

Contabilidade. Demonstrações Contábeis. Curso: Adm. Geral. Estrutura de Capital, Alavancagem e Ponto de Equilíbrio. Prof. Marcelo dos Santos

Contabilidade. Demonstrações Contábeis. Curso: Adm. Geral. Estrutura de Capital, Alavancagem e Ponto de Equilíbrio. Prof. Marcelo dos Santos Curso: Adm. Geral Prof. Marcelo dos Santos Estrutura de Capital, Alavancagem e Ponto de Equilíbrio Contabilidade É a ciência teórica e prática que estuda os métodos de cálculo e registro da movimentação

Leia mais

Unidade II ESTRUTURA DAS. Prof. Me. Alexandre Saramelli

Unidade II ESTRUTURA DAS. Prof. Me. Alexandre Saramelli Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Me. Alexandre Saramelli Estrutura das demonstrações contábeis Relatório Anual Porto Seguro Introdução Processo de Convergência Contábil Internacional

Leia mais

DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS

DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS Resumo A proposta deste trabalho é realizar um estudo de programação linear para definir a viabilidade da produção, assim

Leia mais

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS ANACLETO G. 1 1. INTRODUÇÃO Este estudo tem a finalidade de apuração dos resultados aplicados pelos

Leia mais

Roberto Biasio. Resumo:

Roberto Biasio. Resumo: ANÁLISE DAS RELAÇÕES CUSTO-VOLUME-LUCRO: TÉCNICAS E MODELOS MATEMÁTICOS PARA CALCULAR O PONTO DE EQUILIBRO E AS SUAS ALTERAÇÕES EM EMPRESAS MULTIPRODUTORAS Roberto Biasio Resumo: O estudo apresenta conceitos

Leia mais

Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4

Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4 CUSTEIO VARIÁVEL COMO SUPORTE À TOMADA DE DECISÃO EMPRESARIAL Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4 RESUMO: Inicialmente a contabilidade tinha o objetivo de controlar

Leia mais

GESTÃO DE PREÇOS E CUSTOS 1 GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS CONCEITOS BÁSICOS HHJ 1

GESTÃO DE PREÇOS E CUSTOS 1 GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS CONCEITOS BÁSICOS HHJ 1 GESTÃO DE PREÇOS E CUSTOS CONTEÚDO DO CURSO 1 - Gestão Estratégica de Custos 2 - Planejamento Tributário 3 - Custos para tomada de decisão 4 - Formação de Preços 5 Margem de segurança Só conseguimos gerir

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE QUAL CRITÉRIO DE CUSTO UTILIZAR NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA? Por: Maikon Bruno Cordeiro da Silva Rodrigues Orientador Prof.

Leia mais

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS)

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) Temas para Discussão 1) DISPOSIÇÕES GERAIS 2) DEFINIÇÕES GERAIS 3) CARACTERÍSTICAS E ATRIBUTOS DA INFORMAÇÃO DE CUSTOS 4) EVIDENCIAÇÃO

Leia mais

Custeio Variável e Margem de Contribuição

Custeio Variável e Margem de Contribuição Tema Custeio Variável e Margem de Contribuição Projeto Curso Disciplina Tema Professora Pós-graduação MBA em Engenharia da Produção Custos Industriais Custeio Variável e Margem de Contribuição Luizete

Leia mais

Prof. Paulo Arnaldo Olak olak@uel.br

Prof. Paulo Arnaldo Olak olak@uel.br 6C0N021 Contabilidade Gerencial Prof. Paulo Arnaldo Olak olak@uel.br Programa da Disciplina Introdução e delimitações Importância da formação do preço de venda na gestão do lucro. Principais elementos

Leia mais

Análise e Gestão de Custos Prof.ª Marisa Gomes da Costa. 2 Tomada de Decisão sobre Compras e Vendas baseadas nos Custos

Análise e Gestão de Custos Prof.ª Marisa Gomes da Costa. 2 Tomada de Decisão sobre Compras e Vendas baseadas nos Custos 2 Tomada de Decisão sobre Compras e Vendas baseadas nos Custos O objetivo desta aula é discutir o papel da análise incremental (análise de custos e receitas incrementais) nas decisões gerenciais, bem como

Leia mais

PONTO DE EQUILÍBRIO (PE) - RESPOSTAS

PONTO DE EQUILÍBRIO (PE) - RESPOSTAS CONSIDERAÇÕES INICIAIS Procuramos com este trabalho de resolução dos 10 (dez) exercícios propostos no site: http://www.fabianocoelho.com.br, levar aos alunos, de maneira simples e didática os cálculos

Leia mais

Aula Escrita Gestão de Custos

Aula Escrita Gestão de Custos Aula Escrita Gestão de Custos Uma das maiores dificuldades da precificação baseada em custo é o próprio cálculo do custo propriamente dito. A contabilidade possui basicamente dois modelos: absorção e variável.

Leia mais

EXERCÍCIOS EXTRAS COM RESPOSTA GESTÃO DE CUSTOS

EXERCÍCIOS EXTRAS COM RESPOSTA GESTÃO DE CUSTOS EXERCÍCIOS EXTRAS COM RESPOSTA GESTÃO DE CUSTOS SUMÁRIO 1 Exercício 01...2 2 Exercício 02 - O caso da Empresa Equilibrada....4 3 Exercício 03...5 4 Exercício 04...6 5 Exercício 05...7 6 Exercício 06...9

Leia mais

CUSTO DIRETO 1 - INTRODUÇÃO

CUSTO DIRETO 1 - INTRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL CTAE CUSTO

Leia mais

Aula 2 Contextualização

Aula 2 Contextualização Custos Industriais Aula 2 Contextualização Profa. Me. Marinei A. Mattos Além da terminologia de custos, existe a necessidade de comprender sua classificação Instrumentalização diante deste contexto Conceitos

Leia mais

FACULDADE SAGRADA FAMÍLIA

FACULDADE SAGRADA FAMÍLIA FACULDADE SAGRADA FAMÍLIA CURSO: BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANOTAÇÕES DE AULA DISCIPLINA: CONTABILIDADE E ANÁLISE DE CUSTOS I 4º PERIODO- 2013_2 PROF. JOCIMAR D. PRADO, MS E MAIL: JECONTPRADO@GMAIL.COM

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO NO PLANO DE NEGÓCIOS Prof. Ms. Marco Arbex

ELEMENTOS DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO NO PLANO DE NEGÓCIOS Prof. Ms. Marco Arbex ELEMENTOS DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO NO PLANO DE NEGÓCIOS Prof. Ms. Marco Arbex Alguns conceitos Custos fixos: aqueles que não sofrem alteração de valor em caso de aumento ou diminuição da produção. Independem

Leia mais

De acordo com a NBC TG16(R1), estoques, seu item número 9 define como os estoques devem ser mensurados, assim transcrito abaixo:

De acordo com a NBC TG16(R1), estoques, seu item número 9 define como os estoques devem ser mensurados, assim transcrito abaixo: PROVA BACHAREL PRIMEIRO EXAME DE SUFICIÊNCIA 2014. TESE PARA RECURSOS Questão 1 De acordo com a NBC TG16(R1), estoques, seu item número 9 define como os estoques devem ser mensurados, assim transcrito

Leia mais

Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI

Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI Módulo 12 Gerenciamento Financeiro Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a

Leia mais

Sumário. Prefácio, xiii

Sumário. Prefácio, xiii Sumário Prefácio, xiii 1 Introdução à Gestão de Custos, 1 1.1 Objetivos do capítulo, 1 1.2 Contabilidade versus gestão de custos, 2 1.3 A contabilidade de custos e suas funções, 4 1.4 Definições e conceitos,

Leia mais

Aula 11 Teoria das restrições Decisões com base no custeio variável em cenários com restrição da capacidade produtiva.

Aula 11 Teoria das restrições Decisões com base no custeio variável em cenários com restrição da capacidade produtiva. CONTABILIDADE GERENCIAL Aula 11 Teoria das restrições Decisões com base no custeio variável em cenários com restrição da capacidade produtiva. Prof.: Marcelo Valverde Plano de Ensino da Disciplina: CONTABILIDADE

Leia mais

FUPAC FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS

FUPAC FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS 1 FUPAC FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FUPAC - FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERLÂNDIA. Rua: Barão de Camargo, nº. 695 Centro Uberlândia/MG. Tele fax: (34) 3223-2100 CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Leia mais

MBA EM CONTABILIDADE DIGITAL M1 D1 - CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA GUIA DE ESTUDO PARTE III CONTABILIDADE DE CUSTOS

MBA EM CONTABILIDADE DIGITAL M1 D1 - CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA GUIA DE ESTUDO PARTE III CONTABILIDADE DE CUSTOS MBA EM CONTABILIDADE DIGITAL M1 D1 - CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA GUIA DE ESTUDO PARTE III CONTABILIDADE DE CUSTOS PROFESSORA AUTORA: CAROLINA DA CRUZ CARDOSO DE OLIVEIRA PROFESSORA TELEPRESENCIAL: CAROLINA

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO PREÇO NA EMPRESA

DETERMINAÇÃO DO PREÇO NA EMPRESA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS

ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS 1 Sumário 1. Equilíbrio econômico-financeiro metropolitano...3 2. Proposta econômico-financeira

Leia mais

ANÁLISE DE INDICADORES FINANCEIROS E A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINANCEIRO

ANÁLISE DE INDICADORES FINANCEIROS E A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINANCEIRO ANÁLISE DE INDICADORES FINANCEIROS E A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINANCEIRO Potenciais interessados na análise Sócios/acionistas: extraem da análise das demonstrações financeiras os dados necessários para

Leia mais

CONSIDERAÇÕES CONCEITUAIS SOBRE O PLANEJAMENTO DE PREÇOS EM EMPRESAS DE TELECOMUNICAÇÕES: UM ENFOQUE DA GESTÃO ECONÔMICA-GECON

CONSIDERAÇÕES CONCEITUAIS SOBRE O PLANEJAMENTO DE PREÇOS EM EMPRESAS DE TELECOMUNICAÇÕES: UM ENFOQUE DA GESTÃO ECONÔMICA-GECON CONSIDERAÇÕES CONCEITUAIS SOBRE O PLANEJAMENTO DE PREÇOS EM EMPRESAS DE TELECOMUNICAÇÕES: UM ENFOQUE DA GESTÃO ECONÔMICA-GECON Prof. Dr. Reinaldo Guerreiro Prof. Dr. Armando Catelli FACULDADE DE ECONOMIA,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO SÓCIO ECONÔMICO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS II CEF ARTIGO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO SÓCIO ECONÔMICO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS II CEF ARTIGO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO SÓCIO ECONÔMICO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS II CEF ARTIGO Alavancagem Operacional: Uma breve visão sobre a relação custo, volume

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS. A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas.

CONTABILIDADE DE CUSTOS. A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas. CONTABILIDADE DE CUSTOS A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas. A Contabilidade de Custos que atende essa necessidade

Leia mais

FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO CIÊNCIAS CONTÁBEIS SIMULADO MULTIDISCIPLINAR - SiM 6 Período - 2º SEMESTRE 2009.

FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO CIÊNCIAS CONTÁBEIS SIMULADO MULTIDISCIPLINAR - SiM 6 Período - 2º SEMESTRE 2009. FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO CIÊNCIAS CONTÁBEIS SIMULADO MULTIDISCIPLINAR - SiM 6 Período - 2º SEMESTRE 2009 Aluno(a): Turma: Data: 14/12/2009 Avaliação Contabilidade Avançada II 1ª Questão

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS EM SAÚDE. Os custos das instituições

GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS EM SAÚDE. Os custos das instituições GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS EM SAÚDE Os custos das instituições Dra Janice Donelles de Castro - Professora do Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE DE CUSTOS PARA A FORMAÇÃO DE PREÇOS NA PEQUENA EMPRESA Por: Márcia Valéria Vieira Souza Orientador

Leia mais

Empresa de Transmissão do Alto Uruguai S.A. Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado em 31 de dezembro de 2011

Empresa de Transmissão do Alto Uruguai S.A. Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado em 31 de dezembro de 2011 Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado em 31 de dezembro de 2011 Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado Exercício findo em 31 de dezembro de 2011 Conteúdo Relatório dos auditores independentes

Leia mais

Gerenciamento de custos em situações de risco: uma abordagem do custeio variável aplicando o Método de Monte Carlo

Gerenciamento de custos em situações de risco: uma abordagem do custeio variável aplicando o Método de Monte Carlo Gerenciamento de custos em situações de risco: uma abordagem do custeio variável aplicando o Método de Monte Carlo Pablo Rogers (UFU) msc_pablo@yahoo.com.br Eduardo José dos Santos (UFU) eduardo.js@brturbo.com

Leia mais

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS 1 DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS CUSTODIO ROCHA Você bem preparado para o futuro da 2profissão. 1 OBJETIVOS Identificação do Conteúdo de Custos Aplicado nas Provas de Suficiência Breve Revisão

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA A IMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Palestra no SINCOPEÇAS-RS 22 de maio de 2014 www.alfredo.com.br PREÇO DE VENDA E MARGEM DE LUCRO 2 GOVERNO CONCORRENTES FORNECEDOR EMPRESA CLIENTES PREÇO DE

Leia mais

ANÁLISE CUSTO - VOLUME - LUCRO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS.

ANÁLISE CUSTO - VOLUME - LUCRO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. ANÁLISE CUSTO - VOLUME - LUCRO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. Thaisa Rodrigues Marcondes 1, Maria Auxiliadora Antunes 2 ¹ Universidade do Vale do Paraíba/Faculdade de Ciências

Leia mais

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO EM BRANCO

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO EM BRANCO MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO EM BRANCO Caro empreendedor, para que você possa elaborar com facilidade seu plano de negócio, utilize o manual da Etapa 2 seguindo as orientações passo a passo que estão contidas

Leia mais

Universidade São Marcos

Universidade São Marcos FUNDAMENTOS DE FINANÇAS AS FLEX UNIDADE 4 - Aula 2 GESTÃO DE CUSTOS Margem de Contribuição e Ponto de Equilíbrio CENÁRIO ATUAL O Mercado cada vez mais competitivo. Preocupação dos empresários com seus

Leia mais

NOÇÕES DE CUSTO Receita Custo (Despesa) Investimento Encaixe (Embolso) Desencaixe (Desembolso)

NOÇÕES DE CUSTO Receita Custo (Despesa) Investimento Encaixe (Embolso) Desencaixe (Desembolso) NOÇÕES DE CUSTO Receita Entrada de elementos para a empresa (dinheiro ou direitos a receber) Custo (Despesa) É todo o gasto realizado pela empresa para auferir receita Investimento É a aplicação de recursos

Leia mais

SISTEMA DE CUSTOS E ANALISE DE PREÇOS NA PADARIA BOM GOSTO

SISTEMA DE CUSTOS E ANALISE DE PREÇOS NA PADARIA BOM GOSTO 1 UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DACEC DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS, CONTÁBEIS, ECONÔMICAS E DA COMUNICAÇÃO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS FERNANDO NIEDERLE SISTEMA

Leia mais

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio Gestão de Custos TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO Métodos de Custeio TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO Formas de Custeio TEORIA DA INFORMAÇÃO MODELOS DE INFORMAÇÃO Sistemas de acumulação A

Leia mais

Identificação e análise de gargalos produtivos: impactos potenciais sobre a rentabilidade empresarial

Identificação e análise de gargalos produtivos: impactos potenciais sobre a rentabilidade empresarial Identificação e análise de gargalos produtivos: impactos potenciais sobre a rentabilidade empresarial Pedro F. Adeodato de Paula Pessoa (EMBRAPA) pedro@cnpat.embrapa.br José Ednilson de Oliveira Cabral

Leia mais

Helena Mara Oliveira Lima (UVA) - helenamaraol@yahoo.com.br Isac de Freitas Brandão (UVA) - isacdefreitas@hotmail.com. Resumo:

Helena Mara Oliveira Lima (UVA) - helenamaraol@yahoo.com.br Isac de Freitas Brandão (UVA) - isacdefreitas@hotmail.com. Resumo: Uma análise comparativa da aplicação dos métodos de custeio tradicionais e do ABC (Activity Based Cost) em uma empresa de pequeno porte de produção de sorvetes Helena Mara Oliveira Lima (UVA) - helenamaraol@yahoo.com.br

Leia mais

Prof. Antônio Ricardo M. Marinho Diretor de Programas de Finanças da ESPM Sul amarinho@espm.br

Prof. Antônio Ricardo M. Marinho Diretor de Programas de Finanças da ESPM Sul amarinho@espm.br FINANÇAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA CONTEÚDO DA PALESTRA Finanças Corporativas e Contabilidade G a s t o s Patrimônio, Resultado e Caixa Formação de Preços Processo de Governança Conselho de Administração

Leia mais

1.4 - CUSTOS São os gastos relativos a bens ou serviços utilizados na produção de outros bens ou serviços.

1.4 - CUSTOS São os gastos relativos a bens ou serviços utilizados na produção de outros bens ou serviços. CONTABILIDADE GERAL E DE CUSTOS MÓDULO (1): CONTABILIDADE DE CUSTOS 1. CONCEITOS 1.1 CONTABILIDADE DE CUSTOS É a área da contabilidade que estuda os gastos referentes à produção de bens e serviços. Abrange

Leia mais

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 e de 2011

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 e de 2011 Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 e de 2011 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS PARA O 3 0 PERÍODO DE ADMINISTRAÇÃO PROFESSOR: ONILZO FARIAS EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO

CONTABILIDADE DE CUSTOS PARA O 3 0 PERÍODO DE ADMINISTRAÇÃO PROFESSOR: ONILZO FARIAS EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO CONTABILIDADE DE CUSTOS PARA O 3 0 PERÍODO DE ADMINISTRAÇÃO PROFESSOR: ONILZO FARIAS EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO Classifique os itens abaixo como custos (fixos ou variáveis) ou despesas. C= custos CV=custo variável

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Texto para as questões de 31 a 35 conta saldo despesa de salários 10 COFINS a recolher 20 despesas de manutenção e conservação 20 despesa de depreciação 20 PIS a recolher 30 despesas

Leia mais

O preço de venda de um produto deve ser determinado de forma cuidadosa, a fim de evitar valores altos que impossibilitem a venda ou valores baixos

O preço de venda de um produto deve ser determinado de forma cuidadosa, a fim de evitar valores altos que impossibilitem a venda ou valores baixos O preço de venda de um produto deve ser determinado de forma cuidadosa, a fim de evitar valores altos que impossibilitem a venda ou valores baixos que darão prejuízo. $ Custo fixo; $ Custo variável; $

Leia mais

O QUE É ORÇAMENTO? QUAIS SÃO SUAS CARACTERÍSTICAS?

O QUE É ORÇAMENTO? QUAIS SÃO SUAS CARACTERÍSTICAS? O QUE É ORÇAMENTO? QUAIS SÃO SUAS CARACTERÍSTICAS? OBJETIVOS DA EMPRESA LUCRO? BEM ESTAR DA COLETIVIDADE? MISSÃO? VISÃO? O ORÇAMENTO E O ELEMENTO HUMANO O ORÇAMENTO E A TOMADA DE DECISÕES SLIDE 01 A INCERTEZA

Leia mais

GASTOS VARIÁVEIS, FIXOS E SEMI-VARIÁVEIS (alguns conhecimentos indispensáveis para quem trabalha com análises econômicas e financeiras) ASSOCIADOS

GASTOS VARIÁVEIS, FIXOS E SEMI-VARIÁVEIS (alguns conhecimentos indispensáveis para quem trabalha com análises econômicas e financeiras) ASSOCIADOS UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 45 GASTOS VARIÁVEIS, FIXOS E SEMI-VARIÁVEIS (alguns conhecimentos indispensáveis para quem trabalha com análises econômicas e financeiras)! Gasto variável se associa ao produto!

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

Abaixo segue a demonstração dos resultados da empresa.

Abaixo segue a demonstração dos resultados da empresa. Exercício de Acompanhamento II A NAS Car produz acessórios esportivos personalizados para automóveis. Ela se especializou em manoplas de câmbio, tendo desenvolvida uma linha padronizada em alumínio polido

Leia mais

Resumo Aula-tema 07: Gestão de Custos

Resumo Aula-tema 07: Gestão de Custos Resumo Aula-tema 07: Gestão de Custos Vimos até então que a gestão contábil e a gestão financeira são de extrema importância para decisões gerenciais, pois possibilitam ao pequeno gestor compreender as

Leia mais

Marketing, Planejamento e Desenvolvimento de Produto. Professor Carpi. 3.1 Produto 3.2 Preço 3.3 Praça 3.4 Promoção

Marketing, Planejamento e Desenvolvimento de Produto. Professor Carpi. 3.1 Produto 3.2 Preço 3.3 Praça 3.4 Promoção Professor Carpi 3. OS 4 P s DO MARKETING 3. OS 4 P s DO MARKETING 3.1 Produto 3.2 Preço 3.3 Praça 3.4 Promoção Preço Valor que o consumidor troca para obter benefícios por ele esperado. Funções e objetivos

Leia mais

Patricia Colletti Graduanda em Ciências Contábeis pela Universidade Estadual de Maringá. E-mail: patriciacolletti@hotmail.com

Patricia Colletti Graduanda em Ciências Contábeis pela Universidade Estadual de Maringá. E-mail: patriciacolletti@hotmail.com PROPOSTA DE UM QUESTIONÁRIO PARA IDENTIFICAÇÃO DA PERCEPÇÃO DOS GESTORES DAS EMPRESAS DE CONFECÇÕES EM RELAÇÃO ÀS PRÁTICAS GERENCIAIS DA CONTABILIDADE CUSTOS Patricia Colletti Graduanda em Ciências Contábeis

Leia mais

Análise do Ponto de Equilíbrio como Ferramenta de Gestão e Tomada de Decisão

Análise do Ponto de Equilíbrio como Ferramenta de Gestão e Tomada de Decisão Análise do Ponto de Equilíbrio como Ferramenta de Gestão e Tomada de Decisão Flávio Aparecido dos Santos 1 Samuel de Freitas 2 Resumo: O objetivo deste trabalho é a definição do ponto de equilíbrio do

Leia mais

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Julho de 2007. Todos os

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIDADE VI - ÍNDICES DE RENTABILIDADE

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIDADE VI - ÍNDICES DE RENTABILIDADE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIDADE VI - ÍNDICES DE RENTABILIDADE 0 6. ÍNDICES DE RENTABILIDADE Caro aluno, você já sabe todo empresário ou investidor espera que o capital investido seja adequadamente

Leia mais

DESPESAS FIXAS. O que são Despesas Fixas?

DESPESAS FIXAS. O que são Despesas Fixas? Conceitos de Gestão O intuito desse treinamento, é apresentar aos usuários do software Profit, conceitos de gestão que possam ser utilizados em conjunto com as informações disponibilizadas pelo sistema.

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Exercícios de Fixação e Trabalho em Grupo - 2 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 1. O valor de depreciação de um item é seu: a) Valor residual. b) Custo inicial menos despesas

Leia mais

Petrobras 2013. Apostila. Exercícios Resolvidos e Comentados. Passe Concursos. Engenheiro de Produção Jr. http://blog.passeconcursos.com.

Petrobras 2013. Apostila. Exercícios Resolvidos e Comentados. Passe Concursos. Engenheiro de Produção Jr. http://blog.passeconcursos.com. Apostila Petrobras 2013 Engenheiro de Produção Jr Exercícios Resolvidos e Comentados Junho 2013 2 Conteúdo 1. Gestão Econômica...4 1.1. Juros Simples...4 1.2. Juros Compostos...4 1.3. Tipos de Taxas...8

Leia mais

ASPECTOS GERAIS NA ELABORAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS EMPRESAS

ASPECTOS GERAIS NA ELABORAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS EMPRESAS ASPECTOS GERAIS NA ELABORAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS EMPRESAS Resolução CFC nº 1.418/2012 ITG 1000. CONVÊNIO CRCGO / SCESGO NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE MODELO CONTÁBIL PARA MICROEMPRESA

Leia mais

COMO UTILIZAR A FÓRMULA DO PONTO DE EQUILÍBRIO EM VOLUME NUMA EMPRESA QUE VENDE VÁRIOS PRODUTOS

COMO UTILIZAR A FÓRMULA DO PONTO DE EQUILÍBRIO EM VOLUME NUMA EMPRESA QUE VENDE VÁRIOS PRODUTOS COMO UTILIZAR A FÓRMULA DO PONTO DE EQUILÍBRIO EM VOLUME NUMA EMPRESA QUE VENDE VÁRIOS PRODUTOS A fórmula. Sua aplicação numa empresa que vende vários produtos. O artifício da solução. Francisco Cavalcante

Leia mais

ASPECTOS CONCEITUAIS OBJETIVOS planejamento tomada de decisão

ASPECTOS CONCEITUAIS OBJETIVOS planejamento tomada de decisão FACULDADES INTEGRADAS DO TAPAJÓS DISCIPLINA: CONTABILIDADE GERENCIAL PROFESSOR: JOSÉ DE JESUS PINHEIRO NETO ASSUNTO: REVISÃO CONCEITUAL EM CONTABILIDADE DE CUSTOS ASPECTOS CONCEITUAIS A Contabilidade de

Leia mais

DECISÃO DE COMPRAR OU PRODUZIR: UM ESTUDO REALIZADO EM UMA EMPRESA NA ÁREA TÊXTIL

DECISÃO DE COMPRAR OU PRODUZIR: UM ESTUDO REALIZADO EM UMA EMPRESA NA ÁREA TÊXTIL DECISÃO DE COMPRAR OU PRODUZIR: UM ESTUDO REALIZADO EM UMA EMPRESA NA ÁREA TÊXTIL Edzana Roberta Ferreira Da Cunha Vieira Lucena UFRN Jefferson Douglas Barbosa UFRN (84) 99932-3975 jeffersondouglasg3hotmail.com

Leia mais

Contabilidade de Custos

Contabilidade de Custos Contabilidade de Custos EDITORA ATLAS S.A. Rua Conselheiro Nébias, 1384 (Campos Elísios) 01203-904 São Paulo (SP) Tel.: (0 11) 3357-9144 (PABX) www.editoraatlas.com.br Eliseu Martins Welington Rocha Contabilidade

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS MÉTODOS DE CUSTEIO

CONTABILIDADE DE CUSTOS MÉTODOS DE CUSTEIO Universida São Paulo Mestrado em em Controladoria e Contabilida CONTABILIDADE DE CUSTOS MÉTODOS DE CUSTEIO Prof. Dr. Reinaldo Guerreiro Orientador Belém - Pará 1 Universida São Paulo Mestrado em em Controladoria

Leia mais

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 1) Considere os demonstrativos a seguir: Balanço Patrimonial em 31.12.2011 Ativo Passivo Ativo Circulante R$ 252.000,00 Passivo Circulante R$ 168.000,00 Ativo Imobilizado R$ 348.000,00

Leia mais

PROGRAMA DE REDUÇÃO DE CUSTOS E MELHORIA DE RESULTADOS

PROGRAMA DE REDUÇÃO DE CUSTOS E MELHORIA DE RESULTADOS PROGRAMA DE REDUÇÃO DE CUSTOS E MELHORIA DE RESULTADOS Uma proposta simplificada para uma análise preliminar Prof. Ricardo Ferro Tavares 1 SUMÁRIO 1. ANÁLISE DE ASPECTOS DE ENGENHARIA DO PRODUTO 2. ANÁLISE

Leia mais

Considerando-se esses aspectos, os preços podem ser fixados: com base nos custos, com base no mercado ou com base numa combinação de ambos.

Considerando-se esses aspectos, os preços podem ser fixados: com base nos custos, com base no mercado ou com base numa combinação de ambos. 52 7. FORMAÇÃO E CÁLCULO DE PREÇOS Para administrar preços de venda é necessário conhecer o custo do produto. Entretanto, essa informação, por si só, embora necessária, não é suficiente. Além do custo,

Leia mais

OBJETIVOS DA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

OBJETIVOS DA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Gestão Financeira O Principal: OBJETIVOS DA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Maximizar a riqueza dos proprietários da empresa (privado). Ou a maximização dos recursos (público). rentabilidade - retorno sobre o

Leia mais

APLICAÇÃO DE MODELOS QUANTITATIVOS NA GESTÃO DE CUSTOS: uma análise sobre a aplicação do Método de Monte Carlo na construção civil.

APLICAÇÃO DE MODELOS QUANTITATIVOS NA GESTÃO DE CUSTOS: uma análise sobre a aplicação do Método de Monte Carlo na construção civil. APLICAÇÃO DE MODELOS QUANTITATIVOS NA GESTÃO DE CUSTOS: uma análise sobre a aplicação do Método de Monte Carlo na construção civil. RESUMO O presente estudo tem por objetivo analisar os efeitos da aplicação

Leia mais

RELATÓRIOS GERENCIAIS

RELATÓRIOS GERENCIAIS RELATÓRIOS GERENCIAIS Neste treinamento vamos abordar o funcionamento dos seguintes relatórios gerenciais do SisMoura: Curva ABC Fluxo de Caixa Semanal Análise de Lucratividade Análise Financeira o Ponto

Leia mais

Estimação do Fluxo de Caixa Livre para a Empresa

Estimação do Fluxo de Caixa Livre para a Empresa Estimação do Fluxo de Caixa Livre para a! Principais passos! O efeito da depreciação! Outros fatores que geram obrigações ou direitos para a empresa Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais