6 Materiais Diretos. 6.1 Tipos de Material Direto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "6 Materiais Diretos. 6.1 Tipos de Material Direto"

Transcrição

1 6 Materiais Diretos Material Direto é o custo de qualquer material diretamente identificável com o produto e que se torne parte integrante deste. Exemplos:- matéria-prima, embalagens. 6.1 Tipos de Material Direto Matéria Prima é o principal material que entra na composição do produto final. Ela sofre transformação no processo de fabricação. É o material que, do ponto de vista de quantidade, é o mais empregado na produção. As matérias-primas em estoque serão aplicadas diretamente no produto, e ao serem transferidas do estoque para o processo produtivo se transformam em custos de produção. Exemplo:- o tecido na fabricação de roupas e a madeira na fabricação de mesas de madeira. Material secundário é o material direto, de caráter secundário; não é o componente básico na composição do produto, mas é perfeitamente identificável ao produto. Exemplo:- parafusos (se houver controle de consumo, se não houver, eles podem ser tratados como Custos Indiretos) na mesa de madeira, botão nas roupas, etc. Embalagens são materiais utilizados para embalagem do produto ou seu acondicionamento para remessa. São materiais diretos devido à fácil identificação com o produto. Exemplo:- papelão onde é acondicionada a mesa, saco plástico onde é colocada a roupa. 6.2 Custo do Material Direto Adquirido O custo de aquisição dos estoques compreende o preço de compra, os impostos de importação e outros tributos (exceto os recuperáveis junto ao fisco), bem como os custos de transporte, seguro, manuseio e outros diretamente atribuíveis à aquisição de produtos acabados, materiais e serviços. Descontos comerciais, abatimentos e outros itens semelhantes devem ser deduzidos na determinação do custo de aquisição. Todos os gastos incorridos no sentido de colocar o Material Direto disponível para o uso na produção fazem parte do seu custo. Por exemplo:- se o comprador tem que retirar o material no fornecedor e arcar com os gastos de transportes e seguro, esses gastos devem ser incorporados ao custo do material. Assim, como os gastos com armazenagem, recepção, vigilância, também deve ser incorporados aos custos dos materiais. Quando a empresa adquire um material direto, a ser usado na fabricação de produtos, se os tributos (IPI, ICMS, PIS e COFINS) forem recuperáveis, na escrita fiscal, eles serão deduzidos do Valor da Nota Fiscal de compra. Se não forem recuperáveis, passarão a fazer parte do custo do material. Exemplo: No caso da compra de kg de matéria-prima, os dados constantes da Nota Fiscal são os seguintes:- da Nota Fiscal (compra a prazo, vencimento em 30 dias) R$ ,00 (+) IPI R$ ,00 Valor total da NF R$ ,00 ICMS R$ ,00 PIS R$ 4.950,00 COFINS R$ ,00 Pede-se: a. Determine o custo da matéria-prima, considerando que os tributos (IPI, ICMS, PIS e Cofins) são recuperáveis: 27

2 da Nota Fiscal (compra a prazo, vencimento em 30 dias ) R$ ( - ) IPI R$ ( - ) ICMS R$ ( - ) PIS R$ ( - ) COFINS R$ Custo de aquisição da matéria-prima R$ b. Efetue o lançamento de contabilização da nota fiscal: D - D - D - D - D - C - Estoque de Matéria-Prima IPI a Recuperar ICMS a Recuperar PIS a Recuperar Cofins a Recuperar Fornecedores c. Calcule o custo do material, considerando que os tributos IPI, PIS e Cofins não são recuperáveis: da Nota Fiscal (compra a prazo, vencimento em 30 dias ) R$ ( - ) ICMS R$ Custo de aquisição da matéria-prima R$ d. Efetue o lançamento de contabilização da nota fiscal: D - D - C - Estoque de Matéria-Prima ICMS a Recuperar Fornecedores Observação: Os mesmos procedimentos são aplicáveis à compra de material secundário e embalagens. 6.3 Avaliação de Estoques Como a empresa compra várias unidades em períodos diferentes com preços diferentes, e não os consome na mesma proporção, elas acabam se misturando no almoxarifado. Para atribuir custo às unidades consumidas, usamos os mesmos critérios utilizados pela Contabilidade Financeira, o Sistema de Inventário Permanente e Periódico e os Métodos de Avaliação de Estoques:- PEPS ( Primeiro a Entrar e Primeiro a Sair ) e Custo Médio Ponderado e UEPS ( Último a Entrar e Primeiro a Sair ) Inventário Periódico A empresa não mantém um controle contínuo dos estoques através de fichas de estoque. O consumo só pode ser obtido após contagem física dos estoques, em geral no Balanço, e posterior avaliação de acordo com os critérios legais. O consumo é calculado pela fórmula, válida para qualquer item do estoque: Consumo de Material Direto = Estoque Inicial + Entradas Líquidas Estoque Final 28

3 Exemplo: Determinada empresa apresenta os seguintes dados: Inventário físico realizado em 31/12/x1: kg de matéria-prima avaliada em R$ ,00. Compras realizadas durante o ano X1: kg de matéria-prima no valor de R$ ,00. Inventário físico realizado em 31/12/x2: Kg, avaliado em R$ ,00. Calcule o consumo de matéria-prima do período. Estoque Inicial ( + ) Compras do período ( - ) Estoque Final Consumo de Matéria Prima Quantidade (Kg) Valor (R$) Sendo assim, o custo da matéria-prima consumida foi de R$ ou seja, R$ /kg Inventário Permanente No inventário permanente temos o controle contínuo dos estoques por meio de fichas de estoque. Os estoques (e o CPV Custo dos Produtos Vendidos) são calculados a qualquer momento pela Contabilidade. A contagem física é feita, mas por questões de auditoria e controle interno. O controle físico e contábil é feito pela ficha de estoque (tanto no Almoxarifado como na Contabilidade) Métodos de Avaliação de Estoque As entradas no estoque de uma determinada matéria-prima, normalmente a custos diferentes entre si, vão influenciar o valor das saídas desse estoque, base para o custeio do Material Direto aplicado na produção. Para tanto, há três sistemas de custeio dos estoques PEPS Primeiro a entrar, primeiro a sair Nesse sistema, as saídas do estoque obedecem ao critério de que os primeiros produtos a sair receberão o custo correspondente ao das primeiras entradas no estoque, da seguinte forma:- Exemplo:- Dia 01 entrada 100 unidades a R$ 10 cada Dia 10 entrada 100 unidades a R$ 20 cada seja:- Se tivermos uma saída no dia 15, de 50 unidades, o custo utilizado será o da primeira entrada, ou UEPS Último a Entrar, Primeiro a Sair Esse método indica que as saídas deverão ser custeadas ao valor das últimas entradas. Utilizandonos do mesmo exemplo numérico anterior, teríamos:- Saída no dia 15 de 50 unidades:- 29

4 Custo Médio ou Média Ponderada Móvel (MPM) É o mais utilizado. Consiste em calcular, a cada entrada, o novo custo dos produtos em estoque, dividindo o custo total pela quantidade total. Utilizando-nos ainda do exemplo numérico anterior, teríamos:- Entrada no dia unidades x R$ 10 = R$ Entrada no dia unidades x R$ 20 = R$ Dividindo R$ por 200 unidades, apuramos um custo médio de R$ 15 por unidade. Dessa forma, o custo das saídas seria:- Exercícios 1) Uma empresa comprou kg de matéria-prima para fabricar um produto, tendo com isso os seguintes gastos:- Pede-se: Matéria Prima R$ ,00 IPI R$ ,00 Valor total da NF R$ ,00 ICMS R$ ,00 PIS R$ 1.650,00 COFINS R$ 7.600,00 a) Determine o custo por quilo da matéria-prima, se os tributos (IPI, ICMS, PIS e Cofins) forem recuperáveis na venda do produto final. b) Efetue o lançamento de contabilização da nota fiscal. 30

5 2) Considerando os dados do exercício anterior, pede-se: a) Determine o custo por quilo desta matéria-prima, considerando a recuperação só do ICMS? b) Efetue o lançamento de contabilização da nota fiscal. 3) A Cia Alpha adquiriu Matéria Prima, a prazo, para ser utilizadas na produção. A Nota Fiscal do fornecedor continha os seguintes dados: Valor da Matéria Prima R$ 1.000,00 IPI R$ 200,00 Valor da NF R$ 1.200,00 ICMS R$ 180,00 PIS R$ 16,50 COFINS R$ 76,00 Sabendo-se que o IPI, ICMS, PIS e COFINS, são recuperáveis, pede-se: a) Determine o valor do custo da matéria prima. b) Efetue o lançamento de contabilização da nota fiscal. 4) Uma empresa industrial adquiriu, em fevereiro, material de embalagem, como segue: Valor do Material R$ ,00 Frete e Seguro R$ ,00 Abatimentos R$ 1.000,00 Tributos Recuperáveis R$ ,00 Durante o período a empresa consumiu 40% dessas embalagens. 31

6 Pede-se: a) Calcule o valor do consumo das embalagens. b) Calcule o saldo dos Estoques de Embalagens. 5) A Cia ABC, fabricante de ferro, utiliza a freqüência periódica de apuração do consumo de materiais. Sua principal Matéria Prima é o minério de ferro. O Inventário, no final do mês de março, indicou que havia kg de minério de ferro em estoque, no valor de R$ ,00 Durante o mês de abril, a empresa realizou as seguintes aquisições: Dia Quantidade (em kg.) de NF IPI ICMS, PIS, e COFINS , , , , , , , , ,99 No final do mês de abril, um novo levantamento indicou que havia kg. de minério de ferro em estoque, avaliado pelo preço da última compra. Pede-se: a) Apure a quantidade e o valor do minério de ferro consumido no mês de abril: Estoque Inicial ( + ) Entradas Líquidas ( - ) Estoque Final Consumo de MP Quantidade (kg) Valor (R$) Sendo assim, o custo do minério de ferro consumido foi de R$ ou seja, R$ por kg. 6) Certa empresa, fabricante de queijo, apresentou, no mês de junho, a movimentação de MP (leite tipo B), indicada a seguir: (os valores de aquisição incluem IPI, ICMS, PIS e COFINS recuperáveis). I Compras: Dia Quantidade (em litros) da NF IPI ICMS, PIS e COFINS Valor Líquido Valor Unitário ,21 219, , ,00 2, ,53 549, , ,00 2, ,21 219, , ,00 4, ,95 989, , ,00 32

7 II Requisições: Pede-se: Dia Quantidade (em litros) a) Efetue os lançamentos de contabilização das operações de compra. b) Elabore a ficha de controle de estoque, pelos Sistema PEPS, UEPS e Média Ponderada e indique os lançamentos de contabilização das saídas: MÉTODO: PEPS Entradas Saídas Saldos DATA Qtde. Valor Valor Qtde. Valor Valor Qtde. Valor Valor Unitário Unitário Unitário Lançamento de contabilização das operações de saída. 33

8 MÉTODO: UEPS Entradas Saídas Saldos DATA Qtde. Valor Valor Qtde. Valor Valor Qtde. Valor Valor Unitário Unitário Unitário Lançamento de contabilização das operações de saída. MÉTODO: MPM Entradas Saídas Saldos DATA Qtde. Valor Valor Qtde. Valor Valor Qtde. Valor Valor Unitário Unitário Unitário Lançamento de contabilização das operações de saída. c) Indique os valores do Consumo de Matéria Prima e do Estoque Final de Matéria-Prima, obtidos em cada um dos critérios de controle. 34

9 Consumo de MP (R$) Estoque Final (R$) PEPS UEPS MPM 7) Certa empresa, fabricante do produto W, no mês de janeiro, apresentou a movimentação indicada a seguir, da Matéria Prima Y.Os valores de aquisição incluem os tributos recuperáveis. I Compras: Dia Quantidade Valor de Aquisição Tributos Recuperáveis Frete e Seguro Abatimentos Valor Líquido Valor Unitário ,66 379,66 100,00 200,00 700,00 3, ,14 949,14 250,00 190, ,00 5, ,66 379,66 140,00 90,00 850,00 4, , ,45 490,00 480, ,00 II Requisições: Pede-se: Dia Quantidade (em litros) a) Elabore a ficha de controle de estoque, pelo Sistema de Média Ponderada e indique os lançamentos de contabilização da saída: MÉTODO: MPM Entradas Saídas Saldos DATA Qtde. Valor Valor Qtde. Valor Valor Qtde. Valor Valor Unitário Unitário Unitário Lançamento de contabilização das operações de saída. 35

10 7 Custeio por Absorção O método de custeio por absorção caracteriza-se por apropriar custos fixos e variáveis aos produtos. Desse modo, os produtos fabricados absorvem todos os custos incorridos de um período. O primeiro passo para a apuração dos custos é separar os gastos do período em despesas, custos e investimentos. As despesas não são apropriadas aos produtos e sim lançadas na demonstração do resultado do exercício, por estarem relacionadas a geração de receita e à administração da empresa, os custos são apropriados aos produtos e os investimentos são ativados. O passo seguinte consiste em separar os custos em diretos e indiretos. Os custos indiretos são apropriados por meio de rateios. 7.1 Rateio dos Custos Indiretos de Fabricação Rateio é um artifício empregado para distribuir os custos que não conseguimos identificar diretamente com os produtos. Critério de rateio é a base utilizada para a distribuição dos custos, ou seja, é o fator pelo qual nós vamos dividir os CIF s. Exemplo de bases utilizadas:- Unidades produzidas Horas de MOD Horas de uso direto das máquinas Valor (custo) da MOD Matéria Prima consumida Horas diretas de serviços prestados QWH hora (energia elétrica) ou HP M³ de ar comprimido N. de funcionários A escolha da base utilizada deve ser feita em função do recurso mais utilizado na produção. Exemplo: Determinada empresa produz três produtos X, Y e Z. Os custos diretos e indiretos para os produtos são os seguintes: Produtos Consumo de Matéria Prima Mão de Obra Direta X Y Z Custos Diretos Custos Indiretos Critério de Rateio: Valor (custo) da MOD Produtos Base de Taxa de Custos Indiretos Custos Diretos Rateio Rateio Consumo MP MOD X Y Z

11 Atividade 17: A indústria Aniel produz sabão em pó e sabão líquido. Em determinado período, produziu caixas do sabão em pó e frascos do líquido, incorrendo nos seguintes custos: Sabão em Pó Sabão Líquido Matéria Prima consumida R$ 2 / kg Kg Kg Mão de Obra Direta R$ 5 / hora horas horas Os Custos Indiretos de Fabricação foram (em R$): Supervisão da Produção Depreciação de equipamentos de produção Aluguel do galpão industrial Seguro dos equipamentos da produção Energia elétrica consumida A matéria-prima, a mão-de-obra direta e os custos indiretos de fabricação são comuns aos dois produtos. Os CIF são apropriados aos produtos de acordo com o tempo de MOD, em minutos, empregado na produção, sabendo-se que são necessários 18 minutos para produzir uma caixa de sabão em pó e 10 minutos para produzir um frasco de sabão líquido. Pede-se: (a) elaborar um quadro de apropriação de custos aos produtos Produtos Base de Rateio Taxa de Rateio Custos Indiretos Consumo MP Custos Diretos MOD (b) calcular o custo unitário de cada produto. Atividade 18: A Companhia D iniciou suas atividades em 01/01/2006 e em 31/12/2006 o seu balancete era formado pelas seguintes contas:- CONTAS SALDOS Compra de matérias-primas Vendas Mão de Obra Indireta Despesas de entrega Despesas administrativas Materiais diversos consumidos na fábrica Despesas com materiais de escritório Depreciação dos equipamentos de entrega Depreciação dos equipamentos de produção Despesas financeiras Mão de Obra Direta

12 A empresa fabricou os produtos A, B e C nas seguintes quantidades:- A = kg B = kg C = kg Durante o período, foram consumidas matérias-primas nos seguintes valores: produto A R$ , produto B - R$ e produto C R$ O apontamento da mão-de-obra direta mostrou que se gasta 1 hora para produzir 1,0 kg de A, 2 horas para produzir 1,0 kg B e 2,5 horas para produzir 1 kg de C. O valor da mão-de-obra do período, por produto, foi: produto A R$ , produto B R$ e produto C R$ Os custos indiretos são alocados proporcionalmente à quantidade produzida. Do valor total das vendas, 50% foi do produto A, 30% do produto B e 20% do produto C. Dados os ajustes:- o estoque final de matérias-primas foi avaliado em R$ ; o estoque final de produtos acabados era igual a 40% do custo total de cada produto. Pede-se:- Efetue o rateio dos custos indiretos de fabricação. Mão de Obra Indireta Produtos Base de rateio Taxa de rateio Custos Indiretos de Fabricação A B C Materiais diversos Consumidos na Fábrica Produtos Base de rateio Taxa de rateio Custos Indiretos de Fabricação A B C Depreciação - Equipamentos de Produção Produtos Base de rateio Taxa de rateio Custos Indiretos de Fabricação A B C 38

13 a) Determine o custo de produção do período de cada produto. Apuração do Custo por produto (em R$ mil) DADOS/CONTAS PRODUTO A PRODUTO B PRODUTO C TOTAL Consumo de matéria prima Mão de Obra Direta CUSTO DIRETO TOTAL Mão de Obra Indireta Materiais diversos Consumidos na Fábrica Depreciação - Equipamentos de Produção CUSTOS INDIRETOS TOTAIS CUSTO DA PRODUÇÃO DO PERÍODO (CPP) (+) E.I. de Produtos em Elaboração ( - ) E.F. de Produtos em Elaboração CUSTO DA PRODUÇÃO ACABADA (CPA) (+) E.I. de Produtos Acabados ( - ) E.F. de Produtos Acabados CUSTO DA PRODUÇÃO VENDIDA (CPV) b) Elabore a Demonstração de Resultados de 31/12/2006. Receita de Vendas ( - ) Custo dos Produtos Vendidos Lucro Bruto ( - ) Despesas Lucro Líquido do Período Demonstração do Resultado (em R$ mil) Produto A Produto B Produto C Atividade 19: A Cia. Paraibana de Zíper mantém a produção, em um único departamento, de dois tipos: Zíper com quinze centímetros e com vinte centímetros. Em determinado período, seus custos diretos e o tempo de produção de cada tipo de produto foram os seguintes: Ziper c/ 15 cm Zíper c/ 20 cm Mão de Obra Direta (MOD) (em $) Matéria Prima (MP) (em $) Tempo total de produção (em horas) Sabendo-se que o valor total dos custos indiretos foi $ , pede-se para montar os mapas de rateio e indicar o valor do Custo Indireto de Fabricação dos Zíperes: 39

14 a) utilizando o critério da proporcionalidade ao custo de MOD. Produtos Base de rateio Taxa de rateio Custos Indiretos de Fabricação Zíper 15 cm Zíper 20 cm b) utilizando o critério do custo de matéria prima. Produtos Base de rateio Taxa de rateio Custos Indiretos de Fabricação Zíper 15 cm Zíper 20 cm c) utilizando o critério do tempo de produção. Produtos Base de rateio Taxa de rateio Custos Indiretos de Fabricação Zíper 15 cm Zíper 20 cm Atividade 20: A Cia. Porto Primavera iniciou suas atividades no dia 02/01/01. Em 31/12/01 seu primeiro balancete de verificação era constituído pelas seguintes contas (em $): 01 Consumo de matéria-prima Mão de Obra Direta no período Energia elétrica consumida na produção Supervisão geral da produção Manutenção preventiva de máquinas comuns de produção Depreciação de equipamentos de produção Despesas comerciais e administrativas da empresa no período Despesas financeiras no período Receita de vendas de produtos O tempo de produção requerido por unidade de produto é o seguinte: PRODUTOS Tempo de MOD Tempo de Máquina Televisores 1,8h 1,25h/m DVDs 2,4h 3,75h/m 40

15 Com relação aos custos diretos sabe-se que: A Matéria Prima é a mesma para todos os produtos, e o consumo se faz na mesma proporção: 1Kg de MP para cada unidade de produto acabado. Logo, o consumo será: TV R$ R$ e DVD R$ As habilidades e os salários dos operários (mão-de-obra direta) são aproximadamente iguais para todos os produtos. Logo, o valor da MOD será: TV R$ R$ e DVD R$ O consumo de energia elétrica é o mesmo em termos de kwh; por isso seu custo é diretamente proporcional ao tempo de utilização das máquinas. O custo de supervisão geral da produção apresenta correlação com o tempo de MOD. Os demais custos indiretos são correlacionados ao tempo de uso das máquinas. O EIPA de TV s era de $ e de DVD s era de $ e o EF de TV s era de $ e de DVD s $ Outros dados relativos ao ano de 01: Produtos Preço médio Volume de produção Volume de Vendas De venda / un. (em unidades) (em unidades) Televisores $ DVDs $ Pede-se:- Efetue o rateio dos custos indiretos de fabricação. Energia elétrica consumida na produção Produtos Base de rateio Taxa de rateio Custos Indiretos de Fabricação TELEVISORES DVDS Supervisão geral da produção Produtos Base de rateio Taxa de rateio Custos Indiretos de Fabricação TELEVISORES DVDS Manutenção preventiva de máquinas comuns de produção Produtos Base de rateio Taxa de rateio Custos Indiretos de Fabricação TELEVISORES DVDS 41

16 Depreciação de equipamentos de produção Produtos Base de rateio Taxa de rateio Custos Indiretos de Fabricação TELEVISORES DVDS a) Determine o custo de produção do período de cada produto. DADOS/CONTAS TELEVISORES DVDS TOTAL Consumo de Matéria Prima Mão de Obra Direta CUSTO DIRETO TOTAL Energia elétrica consumida na produção Supervisão geral da produção Manutenção preventiva de máquinas comuns de produção Depreciação de equipamentos de produção CUSTOS INDIRETOS TOTAIS CUSTO DA PRODUÇÃO DO PERÍODO (CPP) (+) E.I. de Produtos em Elaboração ( - ) E.F. de Produtos em Elaboração CUSTO DA PRODUÇÃO ACABADA (CPA) (+) E.I. de Produtos Acabados ( - ) E.F. de Produtos Acabados CUSTO DA PRODUÇÃO VENDIDA (CPV) b) Elabore a Demonstração de Resultados de 31/12/01. Demonstração do Resultado TELEVISORES DVDS TOTAL Receita de Vendas ( - ) Custo dos Produtos Vendidos Lucro Bruto ( - ) Despesas Despesas comerciais e administrativas Despesas financeiras Lucro Líquido

17 Exercícios Extras 1) Os custos da empresa ABS Ltda no mês de março foram os seguintes: Produtos Consumo de Matéria Mão de Obra Direta Prima A B C Custos Diretos Custos Indiretos A produção do período, com os respectivos tempos e pesos unitários, foi de: Pede-se: Produtos Quantidades Tempos(h) Pesos (Kg) A unidades 4,0 8,75 B unidades 2,5 2,50 C unidades 7,0 10,00 a) Elabore um quadro de apropriação de custos aos produtos, rateando os custos indiretos aos produtos com base nos tempos totais. Custos Diretos Produtos Base de rateio Taxa de rateio Custos Indiretos de Fabricação Consumo de Matéria Prima Mão de Obra Direta A B C b) Elabore um quadro de apropriação de custos aos produtos, rateando os custos indiretos aos produtos com base nos pesos totais. Custos Diretos Produtos Base de rateio Taxa de rateio Custos Indiretos de Fabricação Consumo de Matéria Prima Mão de Obra Direta A B C

18 2) A Indústria Eletrônica Choque Certo, produz dois tipos de peças para televisores. Em determinado período, produziu unidades do produto A e unidades do produto B. Seus custos diretos e a quantidade de funcionários que fabricam cada produto são os seguintes: Produtos A Produto B Matéria Prima consumida R$ ,00 R$ ,00 Mão de Obra Direta R$ ,00 R$ ,00 Funcionários por produto Os Custos Indiretos de Fabricação perfizeram o total de R$ ,00. A matéria-prima, a mão-de-obra direta e os custos indiretos de fabricação são comuns aos dois produtos. Os CIF são apropriados aos produtos de acordo com o número de funcionários envolvidos na fabricação de cada produto. Pede-se: (a) Elaborar um quadro de apropriação de custos aos produtos Produtos Base de rateio Taxa de rateio A Custos Indiretos de Fabricação Consumo de Matéria Prima Custos Diretos Mão de Obra Direta B (b) Calcular o custo unitário de cada produto. 3) A empresa Rubi produz dois produtos, A e B, cujo volume de produção e de vendas é de cerca de unidades do Produto A e unidades do Produto B, por período, e os Custos Indiretos de Fabricação (CIF) totalizam R$ Em determinado período, foram registrados os seguintes custos diretos por unidade (em R$): Produto A Produto B Material direto Mão-de-obra direta 10 6 Pede-se calcular o valor dos CIF de cada produto, utilizando o custo de mão-de-obra direta como base de rateio e o custo total por produto. Produtos Base de rateio Taxa de rateio A Custos Indiretos de Fabricação Consumo de Matéria Prima Custos Diretos Mão de Obra Direta B 44

19 4) A Cia Santista produz dois produtos, A e B, cujo volume de produção e de vendas é de cerca de unidades do Produto A e unidades do Produto B, por período, e os Custos Indiretos de Fabricação (CIF) totalizam R$ Em determinado período, foram registrados os seguintes custos diretos por unidade (em R$): Produto A Produto B Material Direto Mão de Obra Direta Pede-se: a) Calcule o valor dos CIF de cada produto, utilizando as quantidades produzidas como base de rateio. b) Calcule o custo total por produto. c) Calcule o custo unitário por produto. 45

20 7.2 DEPARTAMENTALIZAÇÃO Normalmente a empresa está dividida em Departamentos, é a sua estrutura formal representada pelo Organograma. Departamento é a unidade mínima administrativa na qual sempre existe um responsável. A fábrica é departamentalizada em dois grandes grupos:- Departamentos produtivos são os departamentos que promovem algum tipo de modificação sobre o produto. Exemplos:- departamento de corte; departamento de costura, departamento de acabamento. Departamentos de serviços são os departamentos por onde não passam os produtos, na maioria dos casos. Suas funções são basicamente prestarem serviços aos demais departamentos produtivos. Exemplos:- manutenção; controle de qualidade, almoxarifado. Os departamentos produtivos têm os seus custos apropriados diretamente aos produtos, mas os departamentos de serviços não podem apropriar seus custos diretamente aos produtos, já que os produtos, na maioria dos casos, não passam pelos departamentos de serviços. No entanto, como estes departamentos prestam serviços aos demais, devem ter seus custos transferidos para os departamentos que recebem seus serviços, e depois os custos desses departamentos são apropriados aos produtos. Exemplo: Determinada fábrica está dividida em 2 departamentos (departamento de serviço e departamento produtivo) e em 4 setores (manutenção, almoxarifado, prensas e usinagem). Ela produz 2 produtos A e B e nós temos os seguintes CIF s em cada setor:- Gerência Geral... $ Manutenção... $ Almoxarifado... $ 800 Prensas... $ Usinagem... $ É necessário determinar uma ordem de distribuição de custos, na qual o departamento que rateia seus custos não recebe mais nenhum custo, depois é necessário determinar o critério de rateio desses custos. No nosso exemplo começaremos a ratear os custos da Gerência Geral para os outros departamentos de forma igual, ou seja, 25% para cada um. O próximo departamento a ratear seus custos será a manutenção, e será em função das horas trabalhadas em cada departamento. Horas trabalhadas da manutenção em outros departamentos:- Almoxarifado h = 2,65 Prensas h Usinagem h Nesse caso, se existissem horas trabalhadas para a Gerência Geral, elas seriam ignoradas, pois se rateássemos para a Gerência Geral seria necessário ratear novamente seus custos para a Manutenção e esta para a Gerência Geral e, assim, sucessivamente. O almoxarifado rateia seus custos em função do valor da matéria consumida em cada departamento produtivo:- Matéria Prima consumida no departamento de prensa R$ Matéria Prima consumida no departamento de usinagem R$ Os custos dos departamentos produtivos são rateados aos produtos em função das horas trabalhadas:- 46

21 Prensa Usinagem Produto A h 100 h Produto B h 300 h Vamos montar um quadro de rateio dos CIF s aos produtos:- Usinagem Prensas Almoxarifado Manutenção Gerência Geral CIF Gerência Geral 2. Manutenção 3. Almoxarifado Depto Produtivo Produto A Produto B Atividade 21: A Cia. Paulista processa e distribui dois tipos de leite: integral e desnatado. Os Custos Diretos referentes a esses produtos, em certo mês, foram:- Integral, $ , e Desnatado, $ Os Custos Indiretos foram os seguintes:- Aluguel, $ ; Materiais Indiretos, $ ; Energia, $ ; Depreciação, $ , e Outros Custos Indiretos, $ Sabe-se que:- a) O aluguel é distribuído aos departamentos de acordo com suas áreas. b) O consumo de energia é medido por departamento. c) Os materiais indiretos, a depreciação e os demais custos indiretos têm como base de rateio o número de horas de mão-de-obra total utilizada em cada departamento. d) A Pasteurização e a Embalagem recebem cada um 40% dos custos da Administração da Produção, e 20% dos custos deste último Departamento são apropriados à Manutenção. e) A Manutenção é realizada sistematicamente e, conforme se tem apurado, cabe à Embalagem uma quinta parte do total de seus custos. f) A distribuição dos custos indiretos aos produtos é feita em função do material direto utilizado. Este foi o seguinte no período:- INTEGRAL DESNATADO Litros Litros Dados Coletados no Período:- PASTEURIZAÇÃO EMBALAGEM MANUTENÇÃO ADMINISTRAÇÃO TOTAL Área m m m m m 2 Consumo Energia kw kw kw kw kw Horas de M.O.T h h h h h 47

22 Pede-se:- a) Elabore o Mapa de Rateio dos Custos Indiretos de Fabricação. Departamentos Pasteurização Embalagem Manutenção Administração Aluguel Materiais Indiretos Energia Elétrica Depreciação Outros Custos Indiretos CIF (antes do rateio) Rateio Administração Subtotal Rateio Manutenção Subtotal CIF (depois do rateio) INTEGRAL DESNATADO b) Apure o custo total de cada produto. Produto Integral Desnatado CUSTO DIRETO TOTAL CUSTO INDIRETO TOTAL CUSTO DO PRODUTO EXERCÍCIOS DE REFORÇO 1) Em abril / 07, a Cia JC apresentou as seguintes informações: PRODUTOS CONSUMO DE MATÉRIA PRIMA MÃO DE OBRA DIRETA HORAS TOTAIS DE MOD A R$ R$ h B R$ R$ h Sabendo-se que os custos indiretos de fabricação do período somam R$ , pergunta-se: Qual é o valor dos CIF s rateados aos produtos A e B, usando-se o custo primário como critério de rateio? PRODUTOS BASE DE RATEIO TAXA DE RATEIO CUSTOS INDIRETOS DE FABRICAÇÃO A B 48

23 2) Utilizando os dados do exercício anterior responda: Qual é o valor dos CIF s rateados aos produtos A e B, usando-se o tempo de MOD como critério de rateio. PRODUTOS BASE DE RATEIO TAXA DE RATEIO CUSTOS INDIRETOS DE FABRICAÇÃO A B 3) Considerando o quadro abaixo, calcule os custos indiretos e os custos unitários dos produtos X, Y e Z., sabendo-se que os custos de mão-de-obra direta são apropriados com base no tempo de MOD e os custos indiretos são rateados com base no custo direto. PRODUTO X PRODUTO Y PRODUTO Z TOTAL Matéria Prima Mão de Obra Direta dos custos diretos CIF s Custo total Quantidades produzidas Custo unitário Tempo total de MOD 100 h 220 h 280 h 600 h 4) Dados do período: PRODUTOS CONSUMO DE MATÉRIA PRIMA MÃO DE OBRA DIRETA X R$ R$ Y R$ R$ Sabendo-se que os custos indiretos de fabricação perfazem o total de R$ , qual será o valor apropriado a cada produto, considerando-se o custo direto como critério de rateio? PRODUTOS BASE DE RATEIO TAXA DE RATEIO CUSTOS INDIRETOS DE FABRICAÇÃO X Y 49

24 5) Em uma empresa industrial, o departamento de manutenção trabalhou 600 horas e teve gastos registrados de R$ Considerando-se que desse total de horas trabalhadas, 200 horas foram serviços prestados ao departamento de prensa e o restante para o departamento de Usinagem, determine o valor dos custos indiretos de fabricação a ser rateado aos departamentos produtivos. PRENSA USINAGEM MANUTENÇÃO TOTAL CIF Rateio Manutenção 6) Em uma empresa industrial, os custos de Manutenção são rateados para os centros de custos de Produção, Almoxarifado e Planejamento e Controle de Produção (PCP) proporcionalmente às horas trabalhadas para esses centros de custos, a saber: 70 horas Produção, 20 horas Almoxarifado e 30 horas Planejamento e Controle de Produção (PCP). O total de gastos de manutenção é de R$ no período. Pergunta-se: qual é o valor a ser rateado para o PCP? PRODUÇÃO ALMOXARIFADO PCP MANUTENÇÃO TOTAL CIF Rateio CIF 7) A Cia. Paulista processa e distribui dois tipos de queijo: cheddar e catupiri. Os Custos Diretos referentes a esses produtos, em certo mês, foram:- cheddar: R$ e catupiri: R$ Os Custos Indiretos foram os seguintes:- Aluguel: R$ ; Energia Elétrica: R$ ; Depreciação: R$ e Outros Custos Indiretos: R$ Sabe-se que:- a) O aluguel é distribuído aos departamentos de acordo com as áreas utilizadas. b) O consumo de energia é medido por departamento. c) A depreciação e os outros custos indiretos têm como base de rateio o número de horas de mão-de-obra total utilizada em cada departamento. d) A Pasteurização e a Embalagem recebem cada um 35% dos custos da Administração da Produção, e 30% dos custos deste último Departamento são apropriados à Manutenção. e) A Manutenção é realizada sistematicamente e, conforme se tem apurado, cabe à Embalagem um 1 /5 do total de seus custos. f) A distribuição dos custos indiretos aos produtos é feita em função da quantidade produzida. Este foi o seguinte no período:- CHEDDAR CATUPIRI Kg Kg Dados Coletados no Período: PASTEURIZAÇÃO EMBALAGEM MANUTENÇÃO ADMINISTRAÇÃO TOTAL Área m m m m m 2 Consumo Energia kw kw kw kw kw Horas de M.O.T h h h h h Pede-se: 50

25 a) Elabore o Mapa de Rateio dos Custos Indiretos de Fabricação. DEPARTAMENTOS PASTEURIZAÇÃO EMBALAGEM MANUTENÇÃO ADMINISTRAÇÃO TOTAL Aluguel Energia Elétrica Depreciação Outros Custos Indiretos CIF (antes do rateio) Rateio Administração Subtotal Rateio Manutenção CIF (depois do rateio) CHEDDAR CATUPIRI b) Apure o custo total e o custo unitário de cada produto. PRODUTO CHEDDAR CATUPIRI CUSTO DIRETO TOTAL CUSTO INDIRETO TOTAL CUSTO DO PRODUTO CUSTO UNITÁRIO 8) A empresa Industrial Grécia apresentou os seguintes custos indiretos no mês de abril / 2007: Manutenção dos equipamentos R$ Energia Elétrica R$ Mão de Obra Indireta R$ Outros Custos Indiretos R$ O rateio dos custos indiretos aos departamentos é feito da seguinte forma: Manutenção: 60% para o departamento de Corte e 40% para o departamento de Montagem. Energia Elétrica: conforme a potência instalada. Mão de Obra Indireta: pelo número de funcionários. Outros custos indiretos: apropriado somente ao departamento de administração geral da fábrica. O quadro a seguir mostra as bases de rateio utilizadas. DEPARTAMENTO POTÊNCIA INSTALADA (KW) NÚMERO DE FUNCIONÁRIOS Corte Montagem Pintura 60 2 Administração geral da fábrica Considere que os custos do departamento de administração geral da fábrica têm a seguinte distribuição: 40% departamento de Corte, 40% departamento de montagem e 20% departamento de pintura. Os custos indiretos, alocados aos departamentos de corte, montagem e pintura, são rateados aos produtos conforme as horas apontadas: PRODUTOS CORTE MONTAGEM PINTURA Alfa h 20 h Beta 120 h 300 h - Gama 380 h - 65 h Ômega h 40 h 500 h 530 h 125 h 51

26 a) Elabore o Mapa de Rateio dos Custos Indiretos de Fabricação. DEPARTAMENTOS CORTE MONTAGEM PINTURA ADMINISTRAÇÃO TOTAL CIF (antes do rateio) Rateio Administração CIF (depois do rateio) Alfa Beta Gama Ômega 9) A Cia. Industrial Eletroeletrônica fabrica dois tipos de calculadoras: Financeira, cuja produção e venda é de unidades mensais e Científica, cuja produção e venda é de unidades mensais. A Matéria Prima e a Mão de Obra Direta são comuns aos dois produtos e seus valores unitários são: Matéria-Prima R$ 50,00/unidade e MOD R$ 75,00/unidade. Os Custos Indiretos de Fabricação, para o mesmo período, foram os seguintes: Energia Elétrica R$ ,00; Mão de Obra Indireta R$ ,00; Outros Custos Indiretos R$ ,00; Depreciação R$ ,00 e Materiais Indiretos R$ ,00. A empresa possui dois departamentos de produção (Montagem e Controle de Qualidade) e três departamentos de serviços (Manutenção, Almoxarifado e Gerência Geral). Os custos da MOI e dos Materiais Indiretos foram distribuídos aos departamentos da seguinte forma: 70% divididos igualmente entre os departamentos produtivos e os 30% restantes entre os departamentos de serviços; Os custos da depreciação são alocados somente aos departamentos produtivos na base de 60% para a montagem e 40% para o Controle de Qualidade; A energia elétrica é rateada aos departamentos com base no consumo efetivo. Esse consumo, durante o período, foi de kw assim distribuídos: Montagem kw, Controle de Qualidade kw, Manutenção kw, Almoxarifado kw e Gerência Geral kw; Os Outros Custos Indiretos são distribuídos quase que totalmente, em partes iguais, aos departamentos de produção, restando aos departamentos de serviços somente 15% do total, que são divididos igualmente entre eles; O custo total da Gerência Geral foi alocado aos departamentos de forma igual, ou seja, ¼ para cada um; O Almoxarifado rateia seus custos em função do valor dos materiais utilizados em cada departamento, conforme segue: Materiais consumidos na Montagem...R$ ,00 Materiais consumidos no Controle de Qualidade...R$ ,00 Materiais consumidos na Manutenção...R$ ,00 A Manutenção tem seus custos rateados com base nas horas trabalhadas em cada departamento, conforme abaixo: Montagem hrs. Controle de Qualidade hrs. Os custos dos departamentos produtivos são rateados aos produtos em função do valor total da MOD. Pede-se: 52

27 a) Elabore o mapa de rateio dos CIF: Departamentos CIF s Montagem Controle de Qualidade Manutenção Almoxarifado Gerência Geral CIF (antes do Rateio) Rateio Gerência Geral Sub Rateio Almoxarifado Sub Rateio Manutenção CIF (após o Rateio) Calculadora Financeira Calculadora Científica b) Apure o Custo de Cada Produto PRODUTO MATÉRIA-PRIMA MÃO-DE-OBRA DIRETA CUSTO DIRETO TOTAL CUSTO INDIRETO TOTAL CUSTO DO PRODUTO CALCULADORA FINANCEIRA CALCULADORA CIENTÍFICA TOTAL 10) Durante o mês de Agosto / 2007 a Empresa Industrial Diplomata apresentou os seguintes dados referentes à fabricação e venda de seus produtos: Geladeiras, Fogões e Micro-ondas. Os Custos Diretos foram os seguintes: Geladeiras R$ ,00; Fogões R$ ,00 e Micro Ondas R$ ,00. Os CIF s, no mesmo período, apresentaram os seguintes valores: Energia Elétrica R$ ,00, Mão-de-Obra Indireta R$ ,00; Depreciação R$ ,00; Materiais Indiretos R$ ,00; Manutenção de Equipamentos R$ ,00; Outros Custos Indiretos R$ ,00. A empresa possui 4 departamentos de produção (Prensa, Corte, Pintura e Montagem) e 2 departamentos de serviços (manutenção e Gerência Geral). Os CIF s foram distribuídos aos departamentos, conforme abaixo: 80% da Energia Elétrica é rateada para os departamentos de produção, em partes iguais e o restante dividido igualmente entre os departamentos de serviços; A MOI é rateada entre os departamentos de pintura e montagem na proporção de 70% e 30% respectivamente; A Gerência Geral não recebe valores referentes à Depreciação, que recai sobre os outros departamentos à base de 1/5 para cada um; 53

28 Os Materiais Indiretos, a Manutenção de Equipamentos e os Outros Custos Indiretos são divididos igualmente entre os departamentos de produção; A Prensa e o Corte recebem cada um 25% dos custos da Gerência Geral, a Pintura e a Montagem 20% cada um e a Manutenção os 10% restantes; A Manutenção tem seus custos rateados aos departamentos de produção conforme o tempo (em horas) de serviço efetuado em cada um deles. Esses tempos foram: Prensa 130 hs; Corte 170 hs; Pintura 80 hs e Montagem 120 hs.; Os Custos Indiretos são alocados aos produtos em função da quantidade fabrica. Pede-se: a) Elabore o Mapa de Rateio dos CIF s Departamentos CIF s Prensa Corte Pintura Montagem Manutenção Energia Elétrica MOI Depreciação Materiais Indiretos Manutenção de Equips. Outros Custos Indiretos CIF (antes do Rateio) Rateio Gerência Geral Sub Rateio Manutenção CIF (após o Rateio) Geladeiras Fogões Micro Ondas Gerência Geral b) Calcule o Custo dos produtos. PRODUTO GELADEIRAS FOGÕES MICRO ONDAS TOTAL CUSTOS DIRETOS TOTAIS CUSTOS INDIRETOS TOTAIS CUSTOS TOTAIS DOS PRODUTOS 11) A Industria JMC possui dois departamentos de produção e três departamentos de serviços. Ela produz dois produtos A e B e apresenta os seguintes CIF s: Energia Elétrica R$ ,00, Mão de Obra Indireta R$ ,00 e Depreciação R$ 4.000,00. A energia elétrica é rateada aos departamentos de acordo com o consumo de cada um e este foi o seguinte: Gerência Geral 150 kw, Manutenção 300 kw, Almoxarifado 100 kw, Prensas 450 kw e Usinagem 500 kw. A MOI é distribuída totalmente aos departamentos de produção na proporção de ¼ para a Usinagem e ¾ para as Prensas; A Gerencia Geral não recebe valores de depreciação que é distribuída igualmente entre os outros departamentos. Os custos da Gerência Geral são rateados de forma igual para os outros departamentos, ou seja, 25% para cada um; A manutenção rateia seus custos aos outros departamentos em função das horas trabalhadas em cada um; 54

29 Horas trabalhadas da manutenção em outros departamentos:- Almoxarifado h Prensas h Usinagem h O almoxarifado rateia seus custos em função do valor da matéria consumida em cada departamento produtivo:- Matéria Prima consumida no departamento de Prensa R$ Matéria Prima consumida no departamento de Usinagem R$ Os custos dos departamentos produtivos são rateados aos produtos em função das horas trabalhadas:- Pede-se: c) Elabore o Mapa de Rateio dos CIF s Prensa Usinagem Produto A h 100 h Produto B h 300 h Departamentos CIF s Usinagem Prensas Almoxarifado Manutenção Energia Elétrica MOI Depreciação CIF Rateio Gerência Geral Sub Rateio Manutenção Sub Rateio Almoxarifado CIF Produto A Produto B Gerência Geral 12) A Indústria MM7, fabrica três produtos: X, Y e Z e possui dois departamentos de produção (Montagem e Pintura) e três departamento de serviços (Almoxarifado, Manutenção e Administração). Os CIF s referentes ao período são os seguintes: Manutenção de Equipamentos R$ ; Energia Elétrica R$ ; Depreciação R$ ; Materiais Indiretos R$ e MOI R$ Os Custos Indiretos são rateados aos departamentos da seguinte forma: Manutenção ½ é dividido entre os departamentos produtivos e ½ é dividido entre os departamentos de serviços; Energia Elétrica Conforme o consumo de cada departamento, que foi o seguinte: Administração 180 kw, Manutenção 300 kw, Almoxarifado 120 kw, Pintura 330 kw e Montagem 270 kw; O Almoxarifado não recebe valores da depreciação, que é dividida igualmente entre os outros departamentos; Materiais Indiretos dividido entre os departamentos de produção na seguinte proporção: 70% para a Montagem e 30% para a Pintura; MOI distribuído de acordo com o número de funcionários de cada departamento, que é o seguinte: Montagem 20; Pintura 18, Almoxarifado 08, Manutenção 12 e Administração 16; 55

30 Os custos da Administração são distribuídos igualmente entre os outros departamentos; A Manutenção é realizada somente nos departamentos de produção e a distribuição é feita de acordo com a quantidade de horas trabalhadas em cada um: Montagem 250 hs e Pintura 150 hs; O Almoxarifado distribui seus custos com base na Matéria Prima utilizada pelos departamentos de produção. Esta utilização foi a seguinte: Montagem R$ e Pintura R$ ; Os custos dos departamentos de produção são rateados aos produtos com base na MOD utilizada em cada produto: Produto X Produto Y Produto Z MOD Pede-se: a. Elabore o mapa de rateio dos CIF: Departamentos CIF s Montagem Pintura Almoxarifado Manutenção Administração Manutenção de Equipam. Energia Elétrica Depreciação Materiais Indiretos MOI CIF (antes do Rateio) Rateio Gerência Geral Sub Rateio Manutenção Sub Rateio Almoxarifado CIF (após o Rateio) Produto X Produto Y Produto Z 56

EXERCÍCIO 01. Classificar em: Custos de Fabricação Despesas Administrativas Despesas Comerciais ou de Vendas Lucro

EXERCÍCIO 01. Classificar em: Custos de Fabricação Despesas Administrativas Despesas Comerciais ou de Vendas Lucro EXERCÍCIO 01 Classificar em: Custos de Fabricação Despesas Administrativas Despesas Comerciais ou de Vendas Lucro - Despesas de viagens 1.000 - Material direto 35.000 - Salário da administração 14.000

Leia mais

BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE -

BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE - BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE - 1. Uma empresa produziu, no mesmo período, 100 unidades de um produto A, 200 unidades de um produto

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS. Nome: RA: Turma: Assinatura:

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS. Nome: RA: Turma: Assinatura: UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS Nome: RA: Turma: Assinatura: EXERCÍCIO 1 Classifique os itens abaixo em: Custos, Despesas ou Investimentos a) Compra de Matéria Prima b) Mão de

Leia mais

CAPÍTULO 2 - MATERIAIS QUESTÕES TEÓRICAS

CAPÍTULO 2 - MATERIAIS QUESTÕES TEÓRICAS QUESTÕES TEÓRICAS 1. Qual a condição básica para que se possa caracterizar um material como matéria-prima? R: Ser componente físico principal do produto. 2. Em que condição os impostos (ICMS/IPI) não são

Leia mais

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS 1 DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS CUSTODIO ROCHA Você bem preparado para o futuro da 2profissão. 1 OBJETIVOS Identificação do Conteúdo de Custos Aplicado nas Provas de Suficiência Breve Revisão

Leia mais

expert PDF Trial Estoques (Métodos de Avaliação do Estoque pelas Normas Contábeis e Fiscais)

expert PDF Trial Estoques (Métodos de Avaliação do Estoque pelas Normas Contábeis e Fiscais) Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400 - ramal 1529 (núcleo de relacionamento) Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva, 60 Higienópolis

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ Gestão de Custos - PECC/2010.1

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ Gestão de Custos - PECC/2010.1 CUSTOS 1 1. Conceitos Contabilidade de custos é o processo ordenado de usar os princípios da contabilidade geral para registrar os custos de operação de um negócio, de tal maneira que, com os dados da

Leia mais

Custeio por Absorção. Prof. Laércio Juarez Melz

Custeio por Absorção. Prof. Laércio Juarez Melz Custeio por Absorção Prof. Laércio Juarez Melz Introdução Método que apropria os custos diretos e indiretos ao produto. Os custos diretos são atribuídos com ajuda de controles específicos: Controle de

Leia mais

13. Operações com mercadoria

13. Operações com mercadoria MATERIAL DE APOIO - ENVIADO PELO PROFESSOR 13. Operações com mercadoria Na comercialização de mercadoria (principal objeto de empresa comercial) existirão os tributos; entre eles o ICMS que será estudado

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS/GERENCIAL PARA CONTÁBEIS/ADMINISTRAÇÃO REVISÃO: CUSTO DE MERCADORIAS E PRODUTOS VENDIDOS.

CONTABILIDADE DE CUSTOS/GERENCIAL PARA CONTÁBEIS/ADMINISTRAÇÃO REVISÃO: CUSTO DE MERCADORIAS E PRODUTOS VENDIDOS. CONTABILIDADE DE CUSTOS/GERENCIAL PARA CONTÁBEIS/ADMINISTRAÇÃO REVISÃO: CUSTO DE MERCADORIAS E PRODUTOS VENDIDOS. AVALIAÇÃO DE ESTOQUES Matérias-Primas e Mercadorias 1. CUSTO DE AQUISIÇÃO DE MERCADORIAS

Leia mais

Departamento de Desenvolvimento Profissional

Departamento de Desenvolvimento Profissional Departamento de Desenvolvimento Profissional Contabilidade de Custos Renata Sol Costa renatasolcosta@hotmail.com Rio de Janeiro Agosto/2014 Departamentalização exemplo: Uma indústria automobilística

Leia mais

Bacharelado CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Parte 6

Bacharelado CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Parte 6 Bacharelado em CIÊNCIAS CONTÁBEIS Parte 6 1 NBC TG 16 - ESTOQUES 6.1 Objetivo da NBC TG 16 (Estoques) O objetivo da NBC TG 16 é estabelecer o tratamento contábil para os estoques, tendo como questão fundamental

Leia mais

Esquema Básico da Contabilidade de Custos

Esquema Básico da Contabilidade de Custos Tema Esquema Básico da Contabilidade De Custos Projeto Curso Disciplina Tema Professor Engenharia de Produção Custos Industriais Esquema Básico da Contabilidade de Custos Luizete Aparecida Fabbris Kenedy

Leia mais

CURSO: CONTABILIDADE DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS PROF.ESP.JOÃO EDSON F. DE QUEIROZ DILHO

CURSO: CONTABILIDADE DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS PROF.ESP.JOÃO EDSON F. DE QUEIROZ DILHO Composição e Mecanismos de Determinação do Custo do Produto O Custo de cada produto lançado no estoque é composto de matéria-prima consumida (MPC), mão-de-obra diretamente relacionada com a produção (MOD)

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção - Era mercantilista: Receita (-) Custo das mercadorias vendidas (comprada de artesãos) = Lucro Bruto (-) Despesas = Lucro Líquido - Empresas

Leia mais

Gestão de Custos. Profº F abrizio Scavassa. Gestão de Custos. P rof o F abrizio Scavassa. Turma: 3º Semestre

Gestão de Custos. Profº F abrizio Scavassa. Gestão de Custos. P rof o F abrizio Scavassa. Turma: 3º Semestre 1 Profº F abrizio Scavassa Turma: 3º Semestre 2 Ementa 1. Contabilidade de Custos: Natureza, importância, objetivos, princípios contábeis; 2. Custos Diretos: Definição, material direto, custos do material,

Leia mais

Contabilidade de Custos

Contabilidade de Custos Contabilidade de Custos EDITORA ATLAS S.A. Rua Conselheiro Nébias, 1384 (Campos Elísios) 01203-904 São Paulo (SP) Tel.: (0 11) 3357-9144 (PABX) www.editoraatlas.com.br Eliseu Martins Welington Rocha Contabilidade

Leia mais

Taxa de Aplicação de CIP (Custos Indiretos de Produção)

Taxa de Aplicação de CIP (Custos Indiretos de Produção) Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação MBA em Engenharia de Produção Custos Industriais Aplicação de Custos Diretos e Indiretos Luizete Fabris Introdução tema. Assista à videoaula do professor

Leia mais

Contabilidade de Custos

Contabilidade de Custos Contabilidade de Custos 111 Contabilidade de Custos 6E Desenvolvimento de conteúdo, mediação pedagógica e design gráfico Equipe Técnico Pedagógica do Instituto Monitor Monitor Editorial Ltda. Rua dos Timbiras,

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS DE CUSTOS INDUSTRIAIS

LISTA DE EXERCÍCIOS DE CUSTOS INDUSTRIAIS LISTA DE EXERCÍCIOS DE CUSTOS INDUSTRIAIS 1) O desembolso à vista ou a prazo para obtenção de bens ou serviços, independentemente de sua destinação dentro da empresa, denomina-se : a) gasto b) investimento

Leia mais

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR CUSTOS DOS PRODUTOS I NOÇÕES GERAIS 1. CLASSIFICAÇÃO DOS CUSTOS Existem diversas classificações de custos, as quais variam em função das finalidades a que se destinam. As principais classificações são:

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Nas questões de 31 a 60, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a folha de respostas, único documento válido para a correção das

Leia mais

GESTÃO DE CUSTOS. Prof. Dr. Constantino de Gaspari Gonçalves CASO 1 A EMPRESA BOA DE CUSTOS INCORREU NOS SEGUINTES GASTOS ABAIXO:

GESTÃO DE CUSTOS. Prof. Dr. Constantino de Gaspari Gonçalves CASO 1 A EMPRESA BOA DE CUSTOS INCORREU NOS SEGUINTES GASTOS ABAIXO: GESTÃO DE CUSTOS Prof. Dr. Constantino de Gaspari Gonçalves CASO 1 A EMPRESA BOA DE CUSTOS INCORREU NOS SEGUINTES GASTOS ABAIXO: Nº GASTOS VALOR 01 Compra de um computador 2.400 02 Compra de matéria-prima

Leia mais

UNIFEI Universidade Federal de Itajubá. Custos Industriais. Prof. Edson de Oliveira Pamplona, Dr. http://www.iem.efei.br/edson

UNIFEI Universidade Federal de Itajubá. Custos Industriais. Prof. Edson de Oliveira Pamplona, Dr. http://www.iem.efei.br/edson UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Custos Industriais Prof. Edson de Oliveira Pamplona, Dr. http://www.iem.efei.br/edson 2005 1 Custos Industriais Programa 1. Introdução 2. Classificação dos custos

Leia mais

Bases para o conhecimento de custos

Bases para o conhecimento de custos capítulo 1 Bases para o conhecimento de custos OBJETIVO O objetivo deste capítulo é apresentar os principais conceitos relacionados a custos, possibilitando ao leitor: identificar os métodos de custeio

Leia mais

Curso Online Contabilidade Concurso do BDMG Teoria e Exercícios Prof. Jaildo Lima

Curso Online Contabilidade Concurso do BDMG Teoria e Exercícios Prof. Jaildo Lima AULA 10 Contabilidade de Custos Parte 2 1. Introdução Nessa aula, estudaremos os critérios de avaliação de estoque, identificando o reflexo que tais critérios tem na apuração dos resultados das empresas.

Leia mais

FACULDADE SAGRADA FAMÍLIA

FACULDADE SAGRADA FAMÍLIA FACULDADE SAGRADA FAMÍLIA CURSO: BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANOTAÇÕES DE AULA: PARTE I DISCIPLINA: CONTABILIDADE E ANÁLISE DE CUSTOS II 5º PERIODO- 2014_2 PROF. JOCIMAR D. PRADO, MS E MAIL: JECONTPRADO@GMAIL.COM

Leia mais

O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável

O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável por Carlos Alexandre Sá Existem três métodos de apuração dos Custos das Vendas 1 : o método de custeio por absorção, o método de custeio

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS PUCCAMP

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS PUCCAMP PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS PUCCAMP FORMAÇÃO DE PREÇOS DE VENDA JOSÉ VICENTE DE SOUZA FILHO CAMPINAS SP 2009 SUMÁRIO Introdução...2 Ramos da Contabilidade...3 Contabilidade Financeira...3

Leia mais

AULA CUSTOS PARA FINS CONTÁBEIS CONTABILIDADE DE CUSTOS

AULA CUSTOS PARA FINS CONTÁBEIS CONTABILIDADE DE CUSTOS AULA CUSTOS PARA FINS CONTÁBEIS CONTABILIDADE DE CUSTOS Professora Mestre M. Sc. Crísley do Carmo Dalto Especialista em Contabilidade Gerencial Mestre em Ciências Contábeis- Contabilidade Gerencial O QUE

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS. A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas.

CONTABILIDADE DE CUSTOS. A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas. CONTABILIDADE DE CUSTOS A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas. A Contabilidade de Custos que atende essa necessidade

Leia mais

Exercícios - Rateio dos Custos Indiretos

Exercícios - Rateio dos Custos Indiretos Exercícios - Rateio dos Custos Indiretos Exercício 1 A empresa Tico e Teco apresentou os seguintes gastos no período de janeiro de 200x: Supervisão da fábrica R$ 23.000,00 Mão-de-obra do produto X R$ 220.000,00

Leia mais

Unidade IV CONTABILIDADE COMERCIAL. Profa. Divane Silva

Unidade IV CONTABILIDADE COMERCIAL. Profa. Divane Silva Unidade IV CONTABILIDADE COMERCIAL Profa. Divane Silva A disciplina está dividida em 04 Unidades: Unidade I 1. Operações com Mercadorias 2. Resultado Bruto com Mercadorias (RCM) 3. Custo das Mercadorias

Leia mais

2 2 pts) Inicialmente vamos calcular os custos variáveis (CV) e custos fixos (CF) e depois implementar a nova condição (redução do custo

2 2 pts) Inicialmente vamos calcular os custos variáveis (CV) e custos fixos (CF) e depois implementar a nova condição (redução do custo 2 2 pts) A Cia Roupas de Festa coloca no mercado seu produto principal ao preço unitário de R$ 86,75 isento de IPI, mas com ICMS de 17%. O custo variável nessa produção alcança R$ 54,00. A Cia está conseguindo

Leia mais

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1..

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1.. 1. INVENTÁRIOS 1..1 Periódico Ocorre quando os estoques existentes são avaliados na data de encerramento do balanço, através da contagem física. Optando pelo inventário periódico, a contabilização das

Leia mais

Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura

Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura 1 de 9 Olá queridos alunos, Hoje faremos alguns comentários acerca da prova para o cargo de Auditor Fiscal Tributário Municipal da

Leia mais

Contabilidade Avançada

Contabilidade Avançada Contabilidade Avançada Estoques Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis sobre Estoques: No IASB: IAS 2 Inventories No CPC: CPC 16 (R1) Estoques Fundamentação no Brasil: Quem já aprovou o CPC 16 (R1)?

Leia mais

BONIFICAÇÃO EM MERCADORIAS - EMBALAGENS E CONJUNTOS PROMOCIONAIS

BONIFICAÇÃO EM MERCADORIAS - EMBALAGENS E CONJUNTOS PROMOCIONAIS MATÉRIA - CONTABILIDADE BONIFICAÇÃO EM MERCADORIAS - EMBALAGENS E CONJUNTOS PROMOCIONAIS SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Bonificação em Mercadorias 2.1. Tratamento da venda bonificada 2.2. Baixa do

Leia mais

Contabilidade Parte II

Contabilidade Parte II Contabilidade Parte II Módulo I - Operações com mercadorias, preço e lucro adaptado por Sylvia Culhari Lucro pelo inventário periódico Apurar o lucro utilizando-se do inventário periódico, ou seja: Sendo:

Leia mais

PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL

PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL Braulino José dos Santos TERMINOLOGIAS Terminologia em custos Gasto Investimento Custo

Leia mais

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero).

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero). 1. (SEFAZ-PI-2015) Uma empresa, sociedade de capital aberto, apurou lucro líquido de R$ 80.000.000,00 referente ao ano de 2013 e a seguinte distribuição foi realizada no final daquele ano: valor correspondente

Leia mais

Cada prova possuirá 20 (vinte) questões objetivas e 1 (uma) questão discursiva. A prova terá duração de 2 (duas) horas, com início às 9h.

Cada prova possuirá 20 (vinte) questões objetivas e 1 (uma) questão discursiva. A prova terá duração de 2 (duas) horas, com início às 9h. O Exame de Suficiência em Contabilidade aplicado aos alunos ingressantes nos cursos de pós graduação lato sensu da FECAP, abaixo listados, é requisito para a obtenção do certificado de conclusão de curso

Leia mais

CUSTOS NA PEQUENA INDÚSTRIA

CUSTOS NA PEQUENA INDÚSTRIA 1 CUSTOS NA PEQUENA INDÚSTRIA O Sr. Roberval, proprietário de uma pequena indústria, sempre conseguiu manter sua empresa com um bom volume de vendas. O Sr. Roberval acredita que uma empresa, para ter sucesso,

Leia mais

AULA 9 - OPERAÇÕES COM MERCADORIAS

AULA 9 - OPERAÇÕES COM MERCADORIAS AS EMPRESAS COMERCIAIS SÃO AQUELAS CUJO OBJETO SOCIAL É A COMPRA E A REVENDA DE COM OBJETIVO DE LUCRO. O LUCRO OU PREJUÍZO OBTIDO NESSAS OPERAÇÕES É DENOMINADO RESULTADO COM. 21/11/2009 PROF. PAULO VICECONTI

Leia mais

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente,

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente, Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Exercícios de Contabilidade Professora Niuza Adriane da Silva 1º A empresa XYZ adquire mercadorias para revenda, com promessa de pagamento em 3 parcelas iguais, sendo

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16 Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

http://www.itcnet.com.br/materias/printable.php

http://www.itcnet.com.br/materias/printable.php Página 1 de 5 1 de Setembro, 2011 Impresso por ANDERSON JACKSON TOASSI DEVOLUÇÃO DE MERCADORIAS COMPRADAS NAS OPERAÇÕES COMERCIAIS 1 - Introdução Nas relações comerciais as operações de devolução e retorno

Leia mais

1.4 - CUSTOS São os gastos relativos a bens ou serviços utilizados na produção de outros bens ou serviços.

1.4 - CUSTOS São os gastos relativos a bens ou serviços utilizados na produção de outros bens ou serviços. CONTABILIDADE GERAL E DE CUSTOS MÓDULO (1): CONTABILIDADE DE CUSTOS 1. CONCEITOS 1.1 CONTABILIDADE DE CUSTOS É a área da contabilidade que estuda os gastos referentes à produção de bens e serviços. Abrange

Leia mais

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade II ANÁLISE DE CUSTOS

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade II ANÁLISE DE CUSTOS Profa. Ma. Divane A. Silva Unidade II ANÁLISE DE CUSTOS A disciplina está dividida em 02 unidades. Unidade I 1. Custos para Controle 2. Departamentalização 3. Custo Padrão Unidade II 4. Custeio Baseado

Leia mais

ESTUDO DO CASO TORNEXATA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CUSTEIO INTEGRAL POR ABSORÇÃO

ESTUDO DO CASO TORNEXATA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CUSTEIO INTEGRAL POR ABSORÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS E ANÁLISE DE CUSTOS UM JEITO FÁCIL DE APRENDER APONTAMENTO DE AULAS

CONTABILIDADE DE CUSTOS E ANÁLISE DE CUSTOS UM JEITO FÁCIL DE APRENDER APONTAMENTO DE AULAS CONTABILIDADE DE CUSTOS E ANÁLISE DE CUSTOS UM JEITO FÁCIL DE APRENDER APONTAMENTO DE AULAS Noélia Neves, Inacilma Andrade e Grazziele Balbino PROFA. MSC INACILMA ANDRADE 2009 1 CONTABILIDADE DE CUSTOS

Leia mais

CUSTO FIXO, LUCRO E MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO. Atividades Práticas

CUSTO FIXO, LUCRO E MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO. Atividades Práticas CUSTO FIXO, LUCRO E MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO 1 Assinalar Falso (F) ou Verdadeiro (V): Atividades Práticas ( ) Os custos fixos são totalmente dependentes dos produtos e volumes de produção executados no período.

Leia mais

APOSTILA DE CONTABILIDADE DE CUSTOS

APOSTILA DE CONTABILIDADE DE CUSTOS Esta apostila foi produzida por ACHEI CONCURSOS PÚBLICOS http://www.acheiconcursos.com.br email: acheiconcursos@acheiconcursos.com.br Aqui você encontra aulas, apostilas, simulados e material de estudo

Leia mais

2.2 Resultado com mercadorias 2.3 Impostos que afetam as mercadorias 2.4 Critérios de avaliação do estoque

2.2 Resultado com mercadorias 2.3 Impostos que afetam as mercadorias 2.4 Critérios de avaliação do estoque Disciplina: Contabilidade Comercial I Período: 2º Tipo: I Professor: Evaldo Modesto de Ávila Curso: Ciências Contábeis Assunto: Texto Semestre: 2º Nome: Nº: Apostila : Turma: ÚNICA Turno: NOITE Data: 002

Leia mais

GESTÃO DE CUSTOS. Professor Mestre Roberto de O. Sant Anna

GESTÃO DE CUSTOS. Professor Mestre Roberto de O. Sant Anna GESTÃO DE CUSTOS Professor Mestre Roberto de O. Sant Anna AULA 4 Gestão de Custos 2 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Aula 4 Custos dos produtos vendidos Conceito Apuração Decisão sobre Rateios Gestão de Custos 3

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ESTOQUES

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ESTOQUES CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ESTOQUES No inventário periódico, o controle é feito de períodos em períodos, no momento da apuração do resultado do exercício. Esse intervalo de tempo pode ser semanal, quinzenal,

Leia mais

Aula 3 Contextualização

Aula 3 Contextualização Custos Industriais Aula 3 Contextualização Profa. Me. Marinei Abreu Mattos Custos Industriais Uma vez compreendida a terminologia de custos e suas fases durante o processo produtivo, iremos delimitar os

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA

CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA 1 CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA Prof. Carmem Haab Lutte Cavalcante 2012 2 CONTABILIDADE SOCIETARIA 2 3 1 CONTABILIDADE Conceito de contabilidade, campo de atuação, usuários, objetivos

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade. Aula: 04 Prof.: Adelino Corrêa DATA: 26/10/2008. 13. Operações com mercadoria

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade. Aula: 04 Prof.: Adelino Corrêa DATA: 26/10/2008. 13. Operações com mercadoria 13. Operações com mercadoria Na comercialização de mercadoria (principal objeto de empresa comercial) existirão os tributos; entre eles o ICMS que será estudado na compra e venda da mercadoria. Impostos

Leia mais

Contabilidade Comercial

Contabilidade Comercial Contabilidade Comercial Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Revisora: Divane A. Silva Sumário Contabilidade Comercial Unidade I 1 OPERAÇÕES COM MERCADORIAS...1 2 RESULTADO BRUTO COM MERCADORIAS

Leia mais

FICHA DE CONTROLE DE ESTOQUE CRITÉRIO PEPS ENTRADA SAÍDA SALDO DATA Quanti Valor Total. Total ade Unitário

FICHA DE CONTROLE DE ESTOQUE CRITÉRIO PEPS ENTRADA SAÍDA SALDO DATA Quanti Valor Total. Total ade Unitário CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS DISCIPLINA: CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: JÚLIO CÉSAR PEREIRA MARTINS 1. AVALIAÇÃO DE ESTOQUES 1.1 INVENTÁRIO PERMANENTE É um sistema de controle de estoque onde controlamos

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS página 1 07. Onde é classificado o Subgrupo Estoques no plano de contas? 01. São acontecimentos que ocorrem na empresa e que não provocam alterações no Patrimônio: A) Atos Administrativos

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS EXERCÍCIOS CONTABILIDADE DE CUSTOS Prof. Roberto Biasio Contabilidade de Custos Professor Roberto Biasio 1 QUESTÕES DO CONCURSO AFTN 1989 1)A empresa Alfa, fabricante do produto

Leia mais

Administração Financeira: princípios,

Administração Financeira: princípios, Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Ana Paula Mussi Szabo Cherobim Antônio Barbosa Lemes Jr. Claudio Miessa Rigo Material de apoio para aulas Administração Financeira:

Leia mais

7. Análise da Viabilidade Econômica de Projetos

7. Análise da Viabilidade Econômica de Projetos 7. Análise da Viabilidade Econômica de Projetos Exemplos de Aplicação de Projetos Cálculo do Valor de um Negócio ou Empresa; Avaliar Viabilidade de Projetos; Projetos para solicitação de Financiamentos.

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL I

CONTABILIDADE GERAL I CONTABILIDADE GERAL I Operações com Mercadorias Prof. Martin Airton Wissmann P r o f. M a r t i n A i r t o n W i s s m a n n Página 1 SUMÁRIO 1. CONTABILIDADE GERAL I OPERAÇÕES COM MERCADORIAS... 3 1.1

Leia mais

Engenharia de Produção Custos Industriais Fundamentação Conceitual de Custos Luizete Aparecida Fabbris

Engenharia de Produção Custos Industriais Fundamentação Conceitual de Custos Luizete Aparecida Fabbris Tema Fundamentação Conceitual de Custos Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Custos Industriais Fundamentação Conceitual de Custos Luizete Aparecida Fabbris Introdução

Leia mais

Contabilidade Empresarial e Comercial 27-08-2012 - ETEC GUARACY. Prof. Procópio 2º CONTAB Aula - 8

Contabilidade Empresarial e Comercial 27-08-2012 - ETEC GUARACY. Prof. Procópio 2º CONTAB Aula - 8 AULA 8 Sistema para Controle de Estoques o Inventário Periódico o Contabilização Fórmula do CMV/RCM Sistema para Controle de Estoques Devemos observar o método de avaliação escolhido, pois ele afetará

Leia mais

Professor Gabriel Rabelo Contabilidade 15 QUESTÕES SOBRE ESTOQUES PARTE DO E-BOOK CONTABILIDADE FACILITADA PARA A ÁREA FISCAL PROVAS COMENTADAS

Professor Gabriel Rabelo Contabilidade 15 QUESTÕES SOBRE ESTOQUES PARTE DO E-BOOK CONTABILIDADE FACILITADA PARA A ÁREA FISCAL PROVAS COMENTADAS Professor Gabriel Rabelo Contabilidade 15 QUESTÕES SOBRE ESTOQUES PARTE DO E-BOOK CONTABILIDADE FACILITADA PARA A ÁREA FISCAL PROVAS COMENTADAS 1 PROVA 1 ANALISTA DE MERCADO DE CAPITAIS CVM 2010 ESAF 1.

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA. Profa. Divane Silva

Unidade II CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA. Profa. Divane Silva Unidade II CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Profa. Divane Silva Contabilidade tributária A disciplina está dividida em 02 Unidades: Unidade I 1. Introdução 2. Impostos Incidentes sobre o Valor Agregado 3. Impostos

Leia mais

Custos Industriais. Custo de aquisição. Custo de aquisição. Métodos de avaliação dos estoques

Custos Industriais. Custo de aquisição. Custo de aquisição. Métodos de avaliação dos estoques s Industriais Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 de aquisição O custo das mercadorias e materiais adquiridos deve incluir todos os gastos necessários para que a mercadoria ou material

Leia mais

Prof. Carlos Barretto

Prof. Carlos Barretto Unidade IV CONTABILIDADE FINANCEIRA Prof. Carlos Barretto Objetivos gerais Capacitar os estudantes a adquirir conhecimentos necessários para o desenvolvimento das seguintes competências: consciência ética

Leia mais

Normalmente, o custo-padrão é dividido em dois tipos: padrão ideal e padrão corrente.

Normalmente, o custo-padrão é dividido em dois tipos: padrão ideal e padrão corrente. CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ Professor: Salomão Soares Turma: Contabilidade Gerencial CUSTO PADRÃO O que significa ter um padrão de custos ou um custo-padrão? Como a empresa pode se beneficiar

Leia mais

PROVA ESCRITA PROCESSO SELETIVO 2016 Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES

PROVA ESCRITA PROCESSO SELETIVO 2016 Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS MESTRADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROVA ESCRITA PROCESSO

Leia mais

CUSTOS e Formação do preço de Venda

CUSTOS e Formação do preço de Venda CUSTOS e Formação do preço de Venda Definição de custo: Somatório das remunerações percebidas por todas as classes de pessoas envolvidas no processo produtivo de um bem, desde a fase inicial até a fase

Leia mais

CONTABILIDADE BÁSICA Aula: Operações com Mercadorias

CONTABILIDADE BÁSICA Aula: Operações com Mercadorias CONTABILIDADE BÁSICA Aula: Operações com Mercadorias Professora M. Sc. (Mestre) Crísley do Carmo Dalto Mestre em Ciências Contábeis- Contabilidade Gerencial Especialista em Contabilidade Gerencial Resultado

Leia mais

Contabilidade Geral e de Custos Correção da Prova Fiscal de Rendas do Estado do Rio de Janeiro Prof. Moraes Junior. CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS

Contabilidade Geral e de Custos Correção da Prova Fiscal de Rendas do Estado do Rio de Janeiro Prof. Moraes Junior. CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS 81 Assinale a alternativa que apresente a circunstância em que o Sistema de Custeio por Ordem de Produção é indicado. (A) O montante dos custos fixos é superior ao valor

Leia mais

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66 Apresentação Parte I - CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE, 1 1 Introdução ao Estudo da Ciência Contábil, 3 1 Conceito, 3 2 Objeto, 3 3 Finalidade, 4 4 Técnicas contábeis, 4 5 Campo de aplicação, 5

Leia mais

GESTÃO & ANALISE DE CUSTO Prof. Dr. Constantino de Gaspari Gonçalves Ciclo do Desenvolvimento Profissional INFORMAÇÕES Ouvi como fazer CONHECIMENTOS Entendi como fazer MUDANÇAS APRENDIZAGEM Estou Aplicando

Leia mais

Aula 2 Contextualização

Aula 2 Contextualização Gestão de Custos Aula 2 Contextualização Profa. Me. Marinei A. Mattos Além de compreender os mecanismos e a evolução da contabilidade, existe a necessidade de compreender como a contabilidade pode contribuir

Leia mais

1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP:

1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP: 1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP: a) Constituição de uma sociedade com capital totalmente integralizado de R$ 30.000 b) Compra à vista de mercadorias para

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIO. Roteiro Financeiro. Prof. Fábio Fusco

PLANO DE NEGÓCIO. Roteiro Financeiro. Prof. Fábio Fusco PLANO DE NEGÓCIO Roteiro Financeiro Prof. Fábio Fusco ANÁLISE FINANCEIRA INVESTIMENTO INICIAL O investimento inicial expressa o montante de capital necessário para que a empresa possa ser criada e comece

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral 1. Em relação ao princípio contábil da Competência, é correto afirmar que (A) o reconhecimento de despesas deve ser efetuado quando houver o efetivo desembolso financeiro

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇO

CONTABILIDADE DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇO 1 Conselho Regional de Contabilidade CRC-CE Prof.Esp. João Edson F. de Queiroz Filho CONTABILIDADE DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇO Outubro / 2008 2 SUMÁRIO Conceitos de Contabilidade de Custos, 03 Contabilidade

Leia mais

ÍNDICE. Estruturação e Organização da Matéria Prima...

ÍNDICE. Estruturação e Organização da Matéria Prima... ÍNDICE Apuração de Custos Estruturação e Organização I - Custos de Produção Custos Diretos Estruturação para a Apuração de Custo Matérias Primas, Produtos Químicos... Estruturação e Organização da Matéria

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Registro de Inventário, Saldos em Processo

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Registro de Inventário, Saldos em Processo Registro de Inventário, Saldos em Processo 23/12/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Livro Registro de Inventário...

Leia mais

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO É a etapa do processo do planejamento estratégico em que se estima (projeta) e determina a melhor relação entre resultados e despesas para atender às necessidades

Leia mais

Unidade III CONTABILIDADE COMERCIAL. Profa. Divane Silva

Unidade III CONTABILIDADE COMERCIAL. Profa. Divane Silva Unidade III CONTABILIDADE COMERCIAL Profa. Divane Silva A disciplina está dividida em 04 Unidades: Unidade I 1. Operações com Mercadorias 2. Resultado Bruto com Mercadorias (RCM) 3. Custo das Mercadorias

Leia mais

AUDITORIA DE AVALIAÇÃO DE ESTOQUES

AUDITORIA DE AVALIAÇÃO DE ESTOQUES AUDITORIA DE AVALIAÇÃO DE ESTOQUES 1.0 - CONCEITO A auditoria de Avaliação de Estoques consiste na conferência e análise da avaliação monetária dos estoques de mercadorias destinadas à comercialização

Leia mais

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E Profa. Marinalva Barboza Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Custos dos estoques Para manter estoque, é necessário: quantificar; identificar. Quanto custa manter estoque? Quais os custos envolvidos

Leia mais

1. 2/julho - Pagamento de aluguel de galpão no valor de $ 2.500 por mês.

1. 2/julho - Pagamento de aluguel de galpão no valor de $ 2.500 por mês. Cenário: O tempo de máquinas, tempo de mão de obra e critérios de rateio continuam os mesmos utilizados no primeiro semestre. Fatos contábeis - Julho de 20X0 1. 2/julho - Pagamento de aluguel de galpão

Leia mais

FACULDADE SAGRADA FAMÍLIA

FACULDADE SAGRADA FAMÍLIA FACULDADE SAGRADA FAMÍLIA CURSO: BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANOTAÇÕES DE AULA DISCIPLINA: CONTABILIDADE E ANÁLISE DE CUSTOS I 4º PERIODO- 2013_2 PROF. JOCIMAR D. PRADO, MS E MAIL: JECONTPRADO@GMAIL.COM

Leia mais

21 de Maio de 2015 Hotel Fiesta

21 de Maio de 2015 Hotel Fiesta 21 de Maio de 2015 Hotel Fiesta Sejam bem-vindos Patrocínio Realização Programação 08:00 h Café de boas vindas 08:30 h Abertura 08:40 h Bloco K, sua empresa está preparada? 09:00 h Gestão de custos: a

Leia mais

Transmissora Aliança de Energia Elétrica S.A. Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado Exercício findo em 31 de dezembro de 2011

Transmissora Aliança de Energia Elétrica S.A. Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado Exercício findo em 31 de dezembro de 2011 Transmissora Aliança de Energia Elétrica S.A. Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado Exercício findo em 31 de dezembro de 2011 Transmissora Aliança de Energia Elétrica S.A. Demonstrativo das mutações

Leia mais

Professora conteudista: Divane A. da Silva

Professora conteudista: Divane A. da Silva Análise de Custos Professora conteudista: Divane A. da Silva Sumário Análise de Custos Unidade I 1 CUSTOS PARA CONTROLE...2 1.1 Conceitos e aplicação...3 2 DEPARTAMENTALIZAÇÃO...4 2.1 Conceitos e aplicação...

Leia mais

APURAÇÃO DO RESULTADO (1)

APURAÇÃO DO RESULTADO (1) APURAÇÃO DO RESULTADO (1) Isnard Martins - UNESA Rodrigo de Souza Freitas http://www.juliobattisti.com.br/tutoriais/rodrigosfreitas/conhecendocontabilidade012.asp 1 Apuração do Resultado A maioria das

Leia mais

CAPÍTULO 5 DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS - DLPA LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS

CAPÍTULO 5 DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS - DLPA LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO CAPÍTULOS 5,6,7 e 8 CAPÍTULO 5 DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS - DLPA LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS DESTINAÇÕES 1. Ajustes (-) Exerc. Anteriores 2. Transf. P/

Leia mais

Contabilidade Gerencial Ativo imobilizado

Contabilidade Gerencial Ativo imobilizado Contabilidade Gerencial Ativo imobilizado O Ativo Imobilizado é formado pelo conjunto de bens e direitos necessários à manutenção das atividades da empresa, caracterizados por apresentar-se na forma tangível

Leia mais

C R U S R O S DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

C R U S R O S DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. Rua: Barão de Camargo, nº. 695 Centro Uberlândia/MG. Tele fax: (34) 3223-2100 CURSO DE CIÊNCIAS

Leia mais