Contabilidade Comercial

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Contabilidade Comercial"

Transcrição

1 Contabilidade Comercial

2 Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Revisora: Divane A. Silva

3 Sumário Contabilidade Comercial Unidade I 1 OPERAÇÕES COM MERCADORIAS RESULTADO BRUTO COM MERCADORIAS (RCM) CUSTO DAS MERCADORIAS VENDIDAS (CMV) INVENTÁRIO PERMANENTE Contabilização (inventário permanente) Na compra de mercadorias Na venda de mercadorias Atribuição de preços aos inventários Preço específico PEPS (a primeira mercadoria a entrar é a primeira a sair) UEPS (a última mercadoria a entrar é a primeira a sair) Média Ponderada Móvel (MPM) Comparação entre os métodos apresentados...19 Unidade II INVENTÁRIO PERIÓDICO CONTABILIZAÇÃO DO INVENTÁRIO PERIÓDICO Contabilização pelo método da conta desdobrada Contabilização pelo método da conta mista ou única...24 Unidade III 7 FATOS QUE ALTERAM OS VALORES DE COMPRA E VENDA DE MERCADORIAS INVENTÁRIO PERMANENTE Devoluções de compras Abatimentos sobre compras Descontos comerciais sobre compras Frete sobre compras/seguros sobre fretes sobre compras Contabilização no Diário dos fatos que alteram as compras Registro no Diário das devoluções de compras Registro no Diário dos abatimentos sobre compras Registro no Diário dos fretes/seguros sobre compras Registro dos fatos que alteram as vendas na ficha de controle de estoques Abatimentos e descontos comerciais sobre vendas Devoluções de vendas Fretes e seguros sobre vendas... 31

4 8.7 Contabilização no Diário dos fatos que alteram as vendas Registro no Diário das devoluções de vendas Registro no Diário dos abatimentos sobre vendas INVENTÁRIO PERIÓDICO Registro dos fatos que alteram as compras no inventário periódico Registro no Diário das devoluções de compras Registro no Diário dos abatimentos sobre compras Registro no Diário de fretes/seguros sobre compras Encerramento das contas que afetam as compras...34 INVENTÁRIO PERIÓDICO Devoluções de vendas Registro no Diário das devoluções de vendas Abatimentos sobre vendas Encerramento das contas que afetam as vendas APRESENTAÇÃO NA DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE) DOS FATOS QUE ALTERAM AS COMPRAS E AS VENDAS DE MERCADORIAS...36 Unidade IV 12 INVENTÁRIO PERMANENTE INVENTÁRIO PERIÓDICO...4

5 CONTABILIDADE COMERCIAL Unidade I 1 OPERAÇÕES COM MERCADORIAS Introdução As empresas que trabalham com compra e venda de mercadorias, sem nada acrescentar às mercadorias compradas, para sua venda, são denominadas empresas comerciais. Nas empresas comerciais, as operações de compra e venda de mercadorias constituem o seu principal objetivo operacional. Nesta disciplina, Contabilidade Comercial, abordaremos as operações de uma empresa comercial típica, observando que não trataremos dos impostos que incidem sobre as operações de compra e venda realizadas com as mercadorias. Os impostos incidentes sobre as operações com mercadorias serão tratados na disciplina Contabilidade Tributária. 2 RESULTADO BRUTO COM MERCADORIAS (RCM) 1 O resultado bruto com mercadorias, ou resultado com mercadorias, é obtido aritmeticamente pelas empresas comerciais, subtraindo-se da receita total das vendas de mercadorias o custo pelo qual essas mercadorias foram vendidas, ou seja: Resultado com mercadorias = Vendas - Custo das mercadorias vendidas Ou RCM = V - CMV 1

6 Unidade I O resultado com mercadorias é importante para as empresas comerciais, pois, partindo-se dele, somam-se as demais receitas existentes no período e subtraem-se as demais despesas incorridas no período, obtendo-se o resultado líquido do exercício, ou seja: Resultado líquido do período = RCM + Demais receitas - Demais despesas Exemplificando o exposto acima, na Demonstração do Resultado do Exercício (DRE), temos: 1 DRE Vendas CMV (1.000) = RCM ou Lucro bruto Receita de comissões.000 Despesas de salários (28.000) Despesas de vendas (30.000) Despesas administrativas (.000) = Resultado do exercício CUSTO DAS MERCADORIAS VENDIDAS (CMV) Na Demonstração do Resultado do Exercício exemplificada no item anterior, o CMV foi dado (1.000); entretanto, devemos nos questionar sobre a forma pela qual se chegou a este valor de 1.000, ou de que maneira pode-se calcular o valor do CMV. Em resposta a esse questionamento, podemos afirmar que existem dois sistemas que permitem a apuração do CMV: 2 1. Inventário permanente: esse sistema, se adotado pela empresa, permite o controle de forma contínua do estoque da mercadoria, registrando as compras e as vendas de forma imediata com a ocorrência física desses 2

7 CONTABILIDADE COMERCIAL fatos. Assim, a empresa tem, a todo instante, o valor das compras (entradas) do período, o valor das vendas (saídas) do custo de mercadorias vendidas, bem como o valor dos estoques inicial e final. 2. Inventário periódico: esse sistema, se adotado pela empresa, é um sistema que não controla as vendas de forma paralela e ao mesmo tempo que o estoque. É um sistema mais simples, em que é feita a contagem física do estoque de mercadorias e é atribuído um valor ao mesmo (estoque final), no encerramento de cada período contábil, que pode ser mensal, semestral ou anual. 4 INVENTÁRIO PERMANENTE 1 O sistema de inventário permanente é utilizado principalmente nas médias e grandes empresas comerciais, em função da necessidade do controle contínuo do estoque de mercadorias. Esse sistema possibilita a obtenção de informações gerenciais para a empresa, tais como: o conhecimento do custo do estoque existente, após cada operação, possibilitando o estabelecimento do preço de venda de forma segura; o conhecimento do valor e da quantidade do estoque de mercadoria existente, após cada operação, possibilitando o controle de pedidos de compras, bem como o conhecimento do giro de cada mercadoria Contabilização (inventário permanente) O sistema de inventário permanente utiliza o registro de todas as compras diretamente na conta mercadoria e estabelece a utilização de três contas básicas: 3

8 Unidade I Mercadoria: é uma conta patrimonial que representa o estoque. É debitada nas compras e creditada nas vendas. Seu saldo mostrará o valor dos estoques de mercadorias no momento; Custo das Mercadorias Vendidas (CMV): é uma conta de resultado, debitada pelo valor do custo de cada venda; Vendas: é uma conta de resultado; é creditada pelo valor bruto da venda. Os saldos das contas CMV e Vendas, no final do período, serão transferidos para a conta Resultado com Mercadorias (RCM), e esta última mostrará o resultado bruto da empresa. O registro contábil do sistema de inventário permanente será demonstrado a seguir Na compra de mercadorias 1 D Mercadorias C Caixa ou Bancos ou Fornecedores Na venda de mercadorias No sistema de inventário permanente, devemos proceder a dois registros quando tratamos das vendas das mercadorias. O primeiro registro, para registrarmos as vendas propriamente ditas, as receitas, e o segundo para registrar o custo das mercadorias vendidas Contabilização da receita vendas D Caixa ou clientes C Vendas 4

9 CONTABILIDADE COMERCIAL Contabilização do custo D CMV C Mercadorias (pelo valor do custo das mercadorias vendidas) Exemplo A empresa Delta possui estoque de mercadorias no valor de.000; vende um terço dele por , sendo a venda à vista. A contabilização será feita da seguinte maneira: 1. No diário A. Contabilização da receita D Caixa C Vendas B. Contabilização do custo D CMV C Mercadorias No razão Mercadoria Vendas CMV Caixa SI (b) (a) (b) (a) SF Continuando nesse exemplo, vamos supor que a empresa, após a realização dessas transações, comprasse mercadorias a prazo por e apurasse o resultado do período. A contabilização será feita da seguinte maneira:

10 Unidade I 1. No diário C. Contabilização das compras D Mercadoria C Fornecedores D. Contabilização do resultado D Vendas C Resultado E. Contabilização do CMV D Resultado C CMV No razão Mercadorias Vendas CMV SI (d) (e) (c) SF Fornecedores Resultado (c) (e) (d) Atribuição de preços aos inventários Ao ser desenvolvido esse exemplo, um fato importante deve ser observado: o CMV foi dado, ou seja, um terço do estoque de mercadorias. Caso ele não fosse dado, como poderíamos obtê-lo? Por outro lado, as empresas que utilizam o sistema de inventário permanente necessitam de um controle, pela 6

11 CONTABILIDADE COMERCIAL contabilidade, de qualquer movimentação ocorrida nos estoques de mercadorias, pois estes são contabilizados sempre que houver uma compra de mercadorias. Quanto às compras, sabemos que diversos motivos (concorrência, índice de preços inflação ou deflação) influenciam o custo das mercadorias vendidas. Assim, problemas de atribuição de valor ao CMV e ao estoque final quando compramos mercadorias a preços diferentes podem ser solucionados quando avaliamos os estoques segundo os seguintes principais métodos: Preço específico PEPS (FIFO) UEPS (LIFO) MPM (Média Ponderada Móvel) Preço específico 1 Esse método é utilizado por empresas que comercializam mercadorias de valor significativo. Ele relaciona cada venda a seu custo respectivo. É usado quando for possível identificar claramente a mercadoria e o seu custo, sendo comum sua utilização por empresas que comercializam veículos, imóveis, obras de arte etc. 2 Exemplo A empresa Gama S/A é revendedora de veículos para frotistas. No início de novembro de 09, tinha um saldo de em caixa e dois veículos do tipo X em estoque a um custo de cada. Durante novembro, ocorreram as seguintes operações, todas à vista: 02/11 compra de um veículo tipo Y pelo valor de /11 venda de um veículo tipo X por

12 Unidade I /11 venda do veículo Y por /11 compra de um veículo W por /11 encerramento do período. Registro das operações no Diário 02/11 (1) D Mercadorias C Caixa /11 Receita (2) D Caixa C Vendas /11 Custo (3) D CMV C Mercadorias /11 Receita (4) 1 D Caixa C Vendas /11 Custo () D CMV C Mercadorias /11 (6) D Mercadorias C Caixa

13 CONTABILIDADE COMERCIAL 31/12 (7) D RCM.000 C CMV /12 (8) D Vendas C RCM Registro das operações no Razão Mercadorias Caixa Vendas SI (3) SI (1) (2) (1) () (2) (6) (4) (6) (4) (8) CMV RCM (3) (7) (8) () (7) Após a apuração do resultado no final de novembro de 09, observa-se que a empresa Gama S/A obteve pelo método do preço específico (um preço para cada item vendido) um custo das mercadorias vendidas (CMV) no valor de.000, um lucro bruto de.000 e um estoque final de , composto por um veículo tipo X (30.000) e um veículo do tipo W (40.000), que não foram vendidos. 1 Para iniciarmos a abordagem dos três métodos seguintes, precisamos apresentar a ficha de controle de estoque, que simplifica o registro da movimentação das operações com mercadorias. O modelo apresentado deve ser adotado conforme 9

14 Unidade I a necessidade da empresa e deve corresponder a uma ficha de controle de estoque para cada tipo, modelo e tamanho de cada mercadoria. Ficha de controle de estoque Mercadoria refrigerador 40 litros Data Operação Entradas Saídas Saldos Q Vu Vt Q Vu Vt Q Vu Vt A ficha de controle de estoque possui basicamente cinco colunas: Coluna Data: é utilizada para registrar a data em que a operação ocorreu. 1 Coluna Operação: é utilizada para registrar o tipo de operação ocorrida (compra/venda/estoque inicial/ devolução). Coluna Entradas: é utilizada para registrar as compras. Coluna Saídas: é utilizada para registrar o custo das vendas. Coluna Saldos: é utilizada para registrar o saldo dos estoques. Cada coluna de entradas, saídas e saldos possui três outras colunas: Coluna das Quantidades (Q). Coluna do Valor unitário da mercadoria (Vu). Coluna de Saldo ou valor total (Vt = Q x Vu).

15 CONTABILIDADE COMERCIAL PEPS (a primeira mercadoria a entrar é a primeira a sair) Pelo método do PEPS, também conhecido como FIFO, expressão inglesa (first in, first out), procede-se a saída primeiramente das mercadorias mais antigas, ficando nos estoques aquelas compradas mais recentemente. Ao utilizarmos esse método, teremos comparativamente aos outros métodos em uma época de inflação (preços crescentes ao longo do tempo), o valor do estoque final maior e o CMV menor, pois, na venda (saída), conforme já mencionado, sairão primeiro as mercadorias mais baratas, permanecendo nos estoques as mais caras. Exemplo 1 A comercial Troia Ltda. utiliza o sistema de inventário permanente e realizou as operações a seguir relacionadas no mês de outubro de 09, para a mercadoria geladeira branca de 440 litros. 03/ compra de unidades a 400 cada uma. 06/ compra de unidades a 440 cada uma. / venda de 2 unidades a 600 cada uma. 1/ compra de 3 unidades a 480 cada uma. 23/ venda de 30 unidades a 640 cada uma. 30/ compra de unidades pelo valor total de Sabendo-se que a companhia avalia seus estoques pelo método PEPS, que todas as operações foram a prazo e que no dia 01/ o estoque de mercadorias era composto por 1 unidades a 40 cada uma, pede-se determinar para o período: 11

16 Unidade I 1. O valor do CMV. 2. O valor do estoque final. 3. O valor das compras. 4. O valor das vendas.. O valor do RCM. Resolução Ficha de controle de estoques Mercadoria geladeira branca 440 litros Método PEPS Entradas Saídas Saldos Data Operação Q Vu VT Q Vu VT Q Vu VT 01/ EI / C / C / V / C / V / C (Compras) (CMV) (EF) 12

17 CONTABILIDADE COMERCIAL 1. O valor do CMV é de 24.30, obtido da seguinte maneira: CMV da venda do dia /.70 CMV da venda do dia 23/ O valor do estoque final é de , obtido da seguinte maneira: Dia 30/ 2 unid. x 480 = Dia 30/ unid. x 00 = O valor das compras é de , obtido da seguinte maneira: Dia 03/ x 400 = Dia 06/ x 440 = Dia 1/ 3 x 480 = Dia 30/ x 00 = O valor das vendas é de 34.0, obtido da seguinte maneira: 1 Dia / 2 x 600 = Dia 2/ 30 x 640 = O valor do RCM é de 9.80, obtido da seguinte maneira: RCM = Vendas CMV RCM = = UEPS (a última mercadoria a entrar é a primeira a sair) Pelo método UEPS, também conhecido como LIFO, expressão inglesa (last in, first out), de forma contrária ao método PEPS, 13

18 Unidade I procede-se a saída primeiramente das mercadorias mais recentes, ficando no estoque aquelas mercadorias mais antigas. Ao utilizarmos esse método, teremos comparativamente aos outros métodos em uma época de inflação (preços crescentes ao longo do tempo) o valor do estoque final menor e o CMV maior. Exemplo A comercial Troia Ltda. utiliza o sistema de inventário permanente e realizou as operações a seguir relacionadas no mês de outubro de 09, para a mercadoria geladeira branca de 440 litros. 03/ compra de unidades a 400 cada uma. 06/ compra de unidades a 440 cada uma. / venda de 2 unidades a 600 cada uma / compra de 3 unidades a 480 cada uma. 23/ venda de 30 unidades a 640 cada uma. 30/ compra de unidades pelo valor total de.000. Sabendo-se que a companhia avalia seus estoques pelo método UEPS, que todas as operações foram a prazo e que no dia 01/ o estoque de mercadorias era composto por 1 unidades a 40 cada uma, pede-se determinar para o período: 1. O valor do CMV. 2. O valor do estoque final. 3. O valor das compras. 4. O valor das vendas.. O valor do RCM. 14

19 CONTABILIDADE COMERCIAL Resolução Ficha de controle de estoques Mercadoria geladeira branca 440 litros Método UEPS Entradas Saídas Saldos Data Operação Q Vu VT Q Vu VT Q Vu VT 01/ EI / C / C / V / C / V / C (Compras) 2.0 (CMV) (EF) CMV = EI + C - EF CMV = O valor do CMV é de 2.0, obtido da seguinte maneira: CMV da venda do dia /.800 CMV da venda do dia 23/

20 Unidade I 2. O valor do estoque final é de 16., obtido da seguinte maneira: Dia 30/ 1 unid. x 40 = 6.70 Dia 30/ unid. x 400 = Dia 30/ unid. x 480 = Dia 30/ unid. x 00 = O valor das compras é de , obtido da seguinte maneira: Dia 03/ x 400 = Dia 06/ x 440 = Dia 1/ 3 x 480 = Dia 30/ x 00 = O valor das vendas é de 34.0, obtido da seguinte maneira: 1 Dia / 2 x 600 = Dia 23/ 30 x 640 = O valor do RCM é de 9.000, obtido da seguinte maneira: RCM = Vendas - CMV RCM = = Média Ponderada Móvel (MPM) Para contornar as dificuldades operacionais causadas pelo controle de valores por lotes, como é feito nos métodos PEPS e UEPS, podemos utilizar o método da Média Ponderada Móvel (MPM), que permite a avaliação dos estoques pelo preço médio ponderado. 16

21 CONTABILIDADE COMERCIAL Esse método é chamado de Média Ponderada Móvel porque, a cada nova unidade comprada por valores diferentes dos valores existentes no estoque, o valor do custo médio sofre alteração em seu valor, evitando os extremos que ocorrem ao se avaliar os estoques pelo método PEPS ou pelo método UEPS, ou seja, as primeiras ou últimas compras no estoque, respectivamente. Ele é operacionalizado pela divisão do custo total dos estoques pelas unidades existentes. Observe-se que esse método, pela sua facilidade de operacionalização, é o mais utilizado pelas empresas de uma maneira geral. Exemplo 1 Refazendo o exemplo da empresa comercial Troia Ltda. para o mês de outubro de 09, e procedendo-se aos arredondamentos necessários (utilizando-se duas casas decimais e desprezandose as demais), teremos: A comercial Troia Ltda. utiliza o sistema de inventário permanente e realizou as operações a seguir relacionadas no mês de outubro de 09, para a mercadoria geladeira branca de 440 litros. 03/ compra de unidades a 400 cada uma. 06/ compra de unidades a 440 cada uma. / venda de 2 unidades a 600 cada uma. 1/ compra de 3 unidades a 480 cada uma. 2 23/ venda de 30 unidades a 640 cada uma. 30/ compra de unidades pelo valor total de.000. Sabendo-se que a companhia avalia seus estoques pelo método Média Ponderada Móvel, que todas as operações foram a prazo e 17

22 Unidade I que no dia 01/ o estoque de mercadorias era composto por 1 unidades a 40 cada uma, pede-se determinar para o período: 1. O valor do CMV. 2. O valor do estoque final. 3. O valor das compras. 4. O valor das vendas.. O valor do RCM. Resolução Ficha de controle de estoques Mercadoria geladeira branca 440 litros Método MPM Entradas Saídas Saldos Data Operação Q Vu VT Q Vu VT Q Vu VT 01/ EI / C / C , / V 2 434, , ,80 1/ C , ,80 23/ V , , , ,7 30/ C , ,7 (EF) (Compras) ,90 (CMV) 1. O valor do CMV é de ,90, obtido da seguinte maneira: CMV da venda do dia / CMV da venda do dia 23/ ,90 18

23 CONTABILIDADE COMERCIAL 2. O valor do estoque final é de 16.8,7, obtido da seguinte maneira: Dia 30/ 3 unid. x 473,87 = 16.8,7 3. O valor das compras é de , obtido da seguinte maneira: Dia 03/ x 400 = Dia 06/ x 440 = Dia 1/ 3 x 480 = Dia 30/ x 00 = O valor das vendas é de 34.0, obtido da seguinte maneira: Dia / 2 x 600 = Dia 23/ 30 x 640 = O valor do RCM é de 9.436,, obtido da seguinte maneira: RCM = Vendas - CMV RCM = ,90 = 9.436, 4.3 Comparação entre os métodos apresentados Observações: o valor das compras para qualquer método será sempre o mesmo; o valor das vendas para qualquer método será sempre o mesmo. 19

24 Unidade I Item PEPS UEPS MPM Vendas (CMV) ,90 = RCM , EF ,7 Como pode ser observado na tabela comparativa, o método UEPS é o que apresenta um RCM ou lucro bruto em relação aos métodos PEPS e MPM menor possível, fazendo com que, consequentemente, o imposto de renda sobre o lucro também o seja. Por esse motivo, o regulamento do imposto de renda não permite que as empresas no Brasil, que declaram tal imposto com base no lucro fiscal, utilizem o método UEPS. Entretanto, gerencialmente ou internamente, as empresas podem utilizá-lo.

Unidade IV CONTABILIDADE COMERCIAL. Profa. Divane Silva

Unidade IV CONTABILIDADE COMERCIAL. Profa. Divane Silva Unidade IV CONTABILIDADE COMERCIAL Profa. Divane Silva A disciplina está dividida em 04 Unidades: Unidade I 1. Operações com Mercadorias 2. Resultado Bruto com Mercadorias (RCM) 3. Custo das Mercadorias

Leia mais

Unidade III CONTABILIDADE COMERCIAL. Profa. Divane Silva

Unidade III CONTABILIDADE COMERCIAL. Profa. Divane Silva Unidade III CONTABILIDADE COMERCIAL Profa. Divane Silva A disciplina está dividida em 04 Unidades: Unidade I 1. Operações com Mercadorias 2. Resultado Bruto com Mercadorias (RCM) 3. Custo das Mercadorias

Leia mais

Operações com Mercadorias Sem Impostos

Operações com Mercadorias Sem Impostos Contabilidade Empresarial Operações com Mercadorias Sem Impostos Profa. Vanda Aparecida Oliveira Dalfior Vanda.oliveira@pitagoras.com.br Curso de Ciências Contábeis - 2º. Período (2º. Semestre/2012) Operações

Leia mais

AULA 9 - OPERAÇÕES COM MERCADORIAS

AULA 9 - OPERAÇÕES COM MERCADORIAS AS EMPRESAS COMERCIAIS SÃO AQUELAS CUJO OBJETO SOCIAL É A COMPRA E A REVENDA DE COM OBJETIVO DE LUCRO. O LUCRO OU PREJUÍZO OBTIDO NESSAS OPERAÇÕES É DENOMINADO RESULTADO COM. 21/11/2009 PROF. PAULO VICECONTI

Leia mais

FICHA DE CONTROLE DE ESTOQUE CRITÉRIO PEPS ENTRADA SAÍDA SALDO DATA Quanti Valor Total. Total ade Unitário

FICHA DE CONTROLE DE ESTOQUE CRITÉRIO PEPS ENTRADA SAÍDA SALDO DATA Quanti Valor Total. Total ade Unitário CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS DISCIPLINA: CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: JÚLIO CÉSAR PEREIRA MARTINS 1. AVALIAÇÃO DE ESTOQUES 1.1 INVENTÁRIO PERMANENTE É um sistema de controle de estoque onde controlamos

Leia mais

13. Operações com mercadoria

13. Operações com mercadoria MATERIAL DE APOIO - ENVIADO PELO PROFESSOR 13. Operações com mercadoria Na comercialização de mercadoria (principal objeto de empresa comercial) existirão os tributos; entre eles o ICMS que será estudado

Leia mais

RESULTADO COM MERCADORIAS!!!

RESULTADO COM MERCADORIAS!!! RESULTADO COM MERCADORIAS!!! Aula 26/10/2009 RCM Já aprendemos como é contabilizada a venda de uma mercadoria! Os valores das vendas e dos custos foram informados, mas no dia a dia, na maioria das vezes

Leia mais

1 Regime de Inventário Permanente

1 Regime de Inventário Permanente 1 Regime de Inventário Permanente... 1 1.1 Primeiro que entra primeiro que sai (PEPS FIFO)... 5 1.2 Média ponderada móvel (Média)... 6 1.3 Último que entra último que sai (UEPS LIFO)... 9 1 Regime de Inventário

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE COMERCIAL. Profa. Divane Silva

Unidade II CONTABILIDADE COMERCIAL. Profa. Divane Silva Unidade II CONTABILIDADE COMERCIAL Profa. Divane Silva A disciplina está dividida em 04 Unidades: Unidade I 1. Operações com Mercadorias 2. Resultado Bruto com Mercadorias (RCM) 3. Custo das Mercadorias

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ESTOQUES

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ESTOQUES CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ESTOQUES No inventário periódico, o controle é feito de períodos em períodos, no momento da apuração do resultado do exercício. Esse intervalo de tempo pode ser semanal, quinzenal,

Leia mais

2.2 Resultado com mercadorias 2.3 Impostos que afetam as mercadorias 2.4 Critérios de avaliação do estoque

2.2 Resultado com mercadorias 2.3 Impostos que afetam as mercadorias 2.4 Critérios de avaliação do estoque Disciplina: Contabilidade Comercial I Período: 2º Tipo: I Professor: Evaldo Modesto de Ávila Curso: Ciências Contábeis Assunto: Texto Semestre: 2º Nome: Nº: Apostila : Turma: ÚNICA Turno: NOITE Data: 002

Leia mais

OPERAÇÕES COM MERCADORIAS: INVENTÁRIO PERMANENTE INTRODUÇÃO

OPERAÇÕES COM MERCADORIAS: INVENTÁRIO PERMANENTE INTRODUÇÃO OPERAÇÕES COM MERCADORIAS: INVENTÁRIO PERMANENTE INTRODUÇÃO Se tiver dúvidas sobre um dos assuntos estudados até aqui, procure o professor, o colega, qualquer contador que conheça, Não fique pra trás!!!!

Leia mais

Contabilidade Básica PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E OPERAÇÕES COM MERCADORIAS. Prof. Me. Antonio Luiz Santos

Contabilidade Básica PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E OPERAÇÕES COM MERCADORIAS. Prof. Me. Antonio Luiz Santos Contabilidade Básica PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E OPERAÇÕES COM MERCADORIAS Contabilidade Básica Controle de Estoque Inventário Permanente: Nesse sistema, o custo das mercadorias vendidas é apurado no momento

Leia mais

CONTABILIDADE BÁSICA Aula: Operações com Mercadorias

CONTABILIDADE BÁSICA Aula: Operações com Mercadorias CONTABILIDADE BÁSICA Aula: Operações com Mercadorias Professora M. Sc. (Mestre) Crísley do Carmo Dalto Mestre em Ciências Contábeis- Contabilidade Gerencial Especialista em Contabilidade Gerencial Resultado

Leia mais

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1..

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1.. 1. INVENTÁRIOS 1..1 Periódico Ocorre quando os estoques existentes são avaliados na data de encerramento do balanço, através da contagem física. Optando pelo inventário periódico, a contabilização das

Leia mais

OPERAÇÕES COM ERCADORIAS

OPERAÇÕES COM ERCADORIAS OPERAÇÕES COM MERCADORIAS OPERAÇÕES COM ERCADORIAS APURAÇÃO DE CUSTO DA MERCADORIA VENDIDA (CMV) As organizações são constituídas com intuito de oferecer bens e/ou serviços ao mercado. Disso, portanto,

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA

CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA 1 CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA Prof. Carmem Haab Lutte Cavalcante 2012 2 CONTABILIDADE SOCIETARIA 2 3 1 CONTABILIDADE Conceito de contabilidade, campo de atuação, usuários, objetivos

Leia mais

Contabilidade Parte II

Contabilidade Parte II Contabilidade Parte II Módulo I - Operações com mercadorias, preço e lucro adaptado por Sylvia Culhari Lucro pelo inventário periódico Apurar o lucro utilizando-se do inventário periódico, ou seja: Sendo:

Leia mais

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente,

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente, Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Exercícios de Contabilidade Professora Niuza Adriane da Silva 1º A empresa XYZ adquire mercadorias para revenda, com promessa de pagamento em 3 parcelas iguais, sendo

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS/GERENCIAL PARA CONTÁBEIS/ADMINISTRAÇÃO REVISÃO: CUSTO DE MERCADORIAS E PRODUTOS VENDIDOS.

CONTABILIDADE DE CUSTOS/GERENCIAL PARA CONTÁBEIS/ADMINISTRAÇÃO REVISÃO: CUSTO DE MERCADORIAS E PRODUTOS VENDIDOS. CONTABILIDADE DE CUSTOS/GERENCIAL PARA CONTÁBEIS/ADMINISTRAÇÃO REVISÃO: CUSTO DE MERCADORIAS E PRODUTOS VENDIDOS. AVALIAÇÃO DE ESTOQUES Matérias-Primas e Mercadorias 1. CUSTO DE AQUISIÇÃO DE MERCADORIAS

Leia mais

CONTABILIDADE COMERCIAL MÓDULO 15

CONTABILIDADE COMERCIAL MÓDULO 15 CONTABILIDADE COMERCIAL MÓDULO 15 Índice 1. Abatimentos e descontos comerciais...3 2 1. ABATIMENTOS E DESCONTOS COMERCIAIS Abatimentos Nos casos de Compras: São registrados, os abatimentos e descontos

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

FACAPE 2008.2 - CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 3.º PERÍODO PROF. WALDENIR S. F. BRITTO - CONTABIILIDADE BÁSICA

FACAPE 2008.2 - CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 3.º PERÍODO PROF. WALDENIR S. F. BRITTO - CONTABIILIDADE BÁSICA FACAPE 2008.2 - CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 3.º PERÍODO PROF. WALDENIR S. F. BRITTO - CONTABIILIDADE BÁSICA 1 - RESPONDA TODOS OS EXERCICIOS UTILIZANDO OS TRÊS MÉTODOS DE CONTROLE DO ESTOQUE INVENTARIO PERMANENTE.

Leia mais

http://www.itcnet.com.br/materias/printable.php

http://www.itcnet.com.br/materias/printable.php Página 1 de 5 1 de Setembro, 2011 Impresso por ANDERSON JACKSON TOASSI DEVOLUÇÃO DE MERCADORIAS COMPRADAS NAS OPERAÇÕES COMERCIAIS 1 - Introdução Nas relações comerciais as operações de devolução e retorno

Leia mais

Bacharelado CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Parte 6

Bacharelado CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Parte 6 Bacharelado em CIÊNCIAS CONTÁBEIS Parte 6 1 NBC TG 16 - ESTOQUES 6.1 Objetivo da NBC TG 16 (Estoques) O objetivo da NBC TG 16 é estabelecer o tratamento contábil para os estoques, tendo como questão fundamental

Leia mais

Devolução de mercadoria vendida - Contabilização - Roteiro de Procedimentos

Devolução de mercadoria vendida - Contabilização - Roteiro de Procedimentos Devolução de mercadoria vendida - Contabilização - Roteiro de Procedimentos Neste Roteiro trataremos sobre a contabilização das mercadorias recebidas em devolução. O texto encontra-se atualizado à Resolução

Leia mais

IPEP - Custos e Orçamentos 45 Prof. Tamanaha ---------------------------------------------------------------------------

IPEP - Custos e Orçamentos 45 Prof. Tamanaha --------------------------------------------------------------------------- IPEP - Custos e Orçamentos 45 CUSTO DE MATERIAIS MATÉRIA PRIMA : DT Metalúrgica mantém um sistema de requisição de material do almoxarifado de tal forma que possibilita a determinação de o quanto de material

Leia mais

Aula 3 Contextualização

Aula 3 Contextualização Custos Industriais Aula 3 Contextualização Profa. Me. Marinei Abreu Mattos Custos Industriais Uma vez compreendida a terminologia de custos e suas fases durante o processo produtivo, iremos delimitar os

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade. Aula: 04 Prof.: Adelino Corrêa DATA: 26/10/2008. 13. Operações com mercadoria

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade. Aula: 04 Prof.: Adelino Corrêa DATA: 26/10/2008. 13. Operações com mercadoria 13. Operações com mercadoria Na comercialização de mercadoria (principal objeto de empresa comercial) existirão os tributos; entre eles o ICMS que será estudado na compra e venda da mercadoria. Impostos

Leia mais

Cada prova possuirá 20 (vinte) questões objetivas e 1 (uma) questão discursiva. A prova terá duração de 2 (duas) horas, com início às 9h.

Cada prova possuirá 20 (vinte) questões objetivas e 1 (uma) questão discursiva. A prova terá duração de 2 (duas) horas, com início às 9h. O Exame de Suficiência em Contabilidade aplicado aos alunos ingressantes nos cursos de pós graduação lato sensu da FECAP, abaixo listados, é requisito para a obtenção do certificado de conclusão de curso

Leia mais

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66 Apresentação Parte I - CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE, 1 1 Introdução ao Estudo da Ciência Contábil, 3 1 Conceito, 3 2 Objeto, 3 3 Finalidade, 4 4 Técnicas contábeis, 4 5 Campo de aplicação, 5

Leia mais

Curso Online Contabilidade Concurso do BDMG Teoria e Exercícios Prof. Jaildo Lima

Curso Online Contabilidade Concurso do BDMG Teoria e Exercícios Prof. Jaildo Lima AULA 10 Contabilidade de Custos Parte 2 1. Introdução Nessa aula, estudaremos os critérios de avaliação de estoque, identificando o reflexo que tais critérios tem na apuração dos resultados das empresas.

Leia mais

Contabilidade Empresarial e Comercial 27-08-2012 - ETEC GUARACY. Prof. Procópio 2º CONTAB Aula - 8

Contabilidade Empresarial e Comercial 27-08-2012 - ETEC GUARACY. Prof. Procópio 2º CONTAB Aula - 8 AULA 8 Sistema para Controle de Estoques o Inventário Periódico o Contabilização Fórmula do CMV/RCM Sistema para Controle de Estoques Devemos observar o método de avaliação escolhido, pois ele afetará

Leia mais

Vamos à prova: Analista Administrativo ANEEL 2006 ESAF

Vamos à prova: Analista Administrativo ANEEL 2006 ESAF Pessoal, hoje trago a prova que a ESAF realizou recentemente para o concurso de Analista da ANEEL. A prova é interessante, pois houve várias questões mal formuladas, mas que não foram anuladas pela Banca.

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS. Avaliação de Estoques

CONTABILIDADE DE CUSTOS. Avaliação de Estoques CONTABILIDADE DE CUSTOS Avaliação de Estoques IMPORTÂNCIA DO ESTUDO Importância do estudo dos critérios de avaliação dos estoques se justifica: a aquisição de um mesmo material em datas diferentes, com

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Nas questões de 31 a 60, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a folha de respostas, único documento válido para a correção das

Leia mais

1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP:

1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP: 1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP: a) Constituição de uma sociedade com capital totalmente integralizado de R$ 30.000 b) Compra à vista de mercadorias para

Leia mais

Contabilidade Geral Correção da Prova 2 Analista Técnico Controle e Fiscalização - Susep 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL

Contabilidade Geral Correção da Prova 2 Analista Técnico Controle e Fiscalização - Susep 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL CONTABILIDADE GERAL 1 - A legislação vigente sobre as sociedades anônimas estabelece o que deve ser computado na determinação do resultado do exercício. Diz a lei que devem ser incluídas as receitas e

Leia mais

Comentários da prova SEFAZ-PI Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova SEFAZ-PI Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Olá amigos, Comentários da prova SEFAZ-PI ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE GERAL - SEFAZ-PI Trago para vocês os comentários da prova da SEFAZ-PI realizado no último

Leia mais

No prazo de 11 (onze) meses, no caso de aquisições ocorridas em agosto de 2011;

No prazo de 11 (onze) meses, no caso de aquisições ocorridas em agosto de 2011; Créditos sobre ativo imobilizado novas regras: A MP 540 artigo 4, de 2 de agosto de 2011 introduz novas regras para a tomada de crédito sobre itens do ativo imobilizado, conforme destacamos a seguir: O

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL I

CONTABILIDADE GERAL I CONTABILIDADE GERAL I Operações com Mercadorias Prof. Martin Airton Wissmann P r o f. M a r t i n A i r t o n W i s s m a n n Página 1 SUMÁRIO 1. CONTABILIDADE GERAL I OPERAÇÕES COM MERCADORIAS... 3 1.1

Leia mais

Contabilidade Geral Correção da Prova APO 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL

Contabilidade Geral Correção da Prova APO 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL CONTABILIDADE GERAL 61- De acordo com a 750/93, do Conselho Federal de Contabilidade, foram aprovados os seguintes Princípios Fundamentais de Contabilidade: da Competência; da Prudência; do Denominador

Leia mais

Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações:

Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações: Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações: 1) Antecipação do pagamento de uma duplicata de $ 140.000 a um de seus fornecedores, com 2% de desconto. i 2) Efetuou os seguintes

Leia mais

Contabilidade Geral Questões da FCC

Contabilidade Geral Questões da FCC Olá pessoal!!! Contabilidade Geral Questões da FCC Abaixo seguem duas questões comentadas da FCC cobradas no concurso do TRF da 2ª e 3ª região, ambos para o cargo de Analista Contador. Bons estudos, Roberto

Leia mais

AUDITORIA DE AVALIAÇÃO DE ESTOQUES

AUDITORIA DE AVALIAÇÃO DE ESTOQUES AUDITORIA DE AVALIAÇÃO DE ESTOQUES 1.0 - CONCEITO A auditoria de Avaliação de Estoques consiste na conferência e análise da avaliação monetária dos estoques de mercadorias destinadas à comercialização

Leia mais

AULA 3: OPERAÇÕES COM MERCADORIAS II

AULA 3: OPERAÇÕES COM MERCADORIAS II AULA 3: OPERAÇÕES COM MERCADORIAS II Pessoal, complementando a Aula 2, vamos tratar, agora, das Operações com Mercadorias relativamente às operações de Vendas e Apuração do Resultado dessas Vendas, o chamado

Leia mais

Contabilidade Introdutória

Contabilidade Introdutória Contabilidade Introdutória Profa. Mara Jane Contrera Malacrida 1 Avaliação de Estoques CPC 16 Caracterização do Estoque Estoques são ativos: a)mantidos para venda no curso normal dos negócios; b)em processo

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS Mostra o fluxo de eventos ocorridos em um determinado período de tempo. Quanto a empresa lucrou no ano passado? BALANÇO PATRIMONIAL Fotografia

Leia mais

APURAÇÃO DO RESULTADO (1)

APURAÇÃO DO RESULTADO (1) APURAÇÃO DO RESULTADO (1) Isnard Martins - UNESA Rodrigo de Souza Freitas http://www.juliobattisti.com.br/tutoriais/rodrigosfreitas/conhecendocontabilidade012.asp 1 Apuração do Resultado A maioria das

Leia mais

BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE -

BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE - BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE - 1. Uma empresa produziu, no mesmo período, 100 unidades de um produto A, 200 unidades de um produto

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque Módulo Suprimentos Controle de Estoque Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Suprimentos Controle de Estoque. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES AVALIAÇÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES AVALIAÇÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES AVALIAÇÃO DE ESTOQUE Gestão Pública Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 6 Prof. Rafael Roesler Sumário Avaliação de estoques Métodos para avaliação de estoques Introdução

Leia mais

Prezado(a) Concurseiro(a),

Prezado(a) Concurseiro(a), Prezado(a) Concurseiro(a), A prova do TCM/RJ foi realizada no último final de semana e vou aproveitar para resolver as questões de Contabilidade Geral de forma simplificada e objetiva (nos cursos online,

Leia mais

EXERCÍCIO PRÁTICO DE TEORIA DA CONTABILIDADE

EXERCÍCIO PRÁTICO DE TEORIA DA CONTABILIDADE EXERCICIO RESOLVIDO Nº DATA FATO 1 9/12/X1 Constituição da empresa com Capital Inicial de R$ 75.000,00, sendo R$ 50.000,00 em dinheiro e o restante em Mercadorias p/revenda. 2 19/12/X1 Compra de um Veículo

Leia mais

DEVOLUÇÃO DE VENDAS DOS PERÍODOS ATUAL E ANTERIOR

DEVOLUÇÃO DE VENDAS DOS PERÍODOS ATUAL E ANTERIOR DEVOLUÇÃO DE VENDAS - DOS PERÍODOS ATUAL E ANTERIOR 745 DEVOLUÇÃO DE VENDAS DOS PERÍODOS ATUAL E ANTERIOR 1 - DEFINIÇÕES: (*) por Silvério das Neves 1.1 - RECEITA BRUTA A receita bruta das vendas e serviços

Leia mais

Introdução l Resumo Exercícios 15 Demonstrações Contábeis

Introdução l Resumo Exercícios 15 Demonstrações Contábeis Introdução l 1. l Um breve histórico l l.2 Definição do termo Contabilidade 2 1.3 O processo contábil 3 1.3.1 Posicionamento do contador em relação à empresa 4 l.4 Ramos de atuação da Contabilidade 5 l.4.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS DIRETORIA ACADÊMICA PROGRAMAS E BIBLIOGRAFIAS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS DIRETORIA ACADÊMICA PROGRAMAS E BIBLIOGRAFIAS DISCIPLINA GL203 NOME Contabilidade I Horas Semanais Teóricas Práticas Laboratório Orientação Distância Estudo em Casa Sala de Aula 04 00 00 00 00 00 04 Nº semanas Carga horária total Créditos Exame Frequência

Leia mais

SOFOLHA SOLUÇÕES CORPORATIVAS CONSULTORIA TRIBUTÁRIA. SFAutomatus X Controle de Estoque X SFContábil. Obrigação de Avaliar os Estoques

SOFOLHA SOLUÇÕES CORPORATIVAS CONSULTORIA TRIBUTÁRIA. SFAutomatus X Controle de Estoque X SFContábil. Obrigação de Avaliar os Estoques SFAutomatus X Controle de Estoque X SFContábil Legislação Aplicada Obrigação de Avaliar os Estoques Empresas Tributadas com Base no Lucro Real As pessoas jurídicas submetidas à tributação com base no lucro

Leia mais

Professor conteudista: Hildebrando Oliveira

Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Contabilidade Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Sumário CONTABILIDADE Unidade I 1 CONCEITO DE CONTABILIDADE...1 2 OBJETO DA CONTABILIDADE...2 3 O BALANÇO PATRIMONIAL...3 4 A CONTA...4 O RESULTADO...6

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS ESTOQUES

AVALIAÇÃO DOS ESTOQUES FEA / USP Departamento de Contabilidade e Atuária EAC-106 Contabilidade Introdutória AVALIAÇÃO DOS ESTOQUES Prof. Fernando Dal-Ri Murcia 1 Operações de compra e venda de mercadorias 1. APURAÇÃO DO RESULTADO

Leia mais

TRANSAÇÕES ENTRE MATRIZ E FILIAL

TRANSAÇÕES ENTRE MATRIZ E FILIAL TRANSAÇÕES ENTRE MATRIZ E FILIAL As mercadorias transacionadas entre matriz e filiais podem ser avaliadas para fins de transferência pelo preço de custo, pelo valor de mercado ou por um preço arbitrado

Leia mais

CONTABILIZAÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES NÃO-CUMULATIVAS AO PIS E COFINS

CONTABILIZAÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES NÃO-CUMULATIVAS AO PIS E COFINS 513 CONTABILIZAÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES NÃO-CUMULATIVAS AO PIS E COFINS (*) por Silvério das Neves 1 - INTRODUÇÃO - DISCUSSÃO TRIBUTÁRIA: 1.1 - CRÉDITOS DAS CONTRIBUIÇÕES NÃO-CUMULATIVAS AO PIS E A COFINS

Leia mais

EXERCICIOS: MÉTODO DAS PARTIDAS DOBRADAS 2010 EXERCICIO Nº 02 _ CIA. MUZAMBINHO EXERCICIO Nº 01 _ CIA ATLANTIDA

EXERCICIOS: MÉTODO DAS PARTIDAS DOBRADAS 2010 EXERCICIO Nº 02 _ CIA. MUZAMBINHO EXERCICIO Nº 01 _ CIA ATLANTIDA EXERCICIO Nº 01 _ CIA ATLANTIDA Operações da Cia Atlântida no mês de janeiro de 20x1: 1) 03/jan Adquiriu móveis e utensílios a prazo por $ 800; 2) 08/jan - Comprou veiculo a vista por $ 5.000 (em cheque);

Leia mais

CAPÍTULO 2 - MATERIAIS QUESTÕES TEÓRICAS

CAPÍTULO 2 - MATERIAIS QUESTÕES TEÓRICAS QUESTÕES TEÓRICAS 1. Qual a condição básica para que se possa caracterizar um material como matéria-prima? R: Ser componente físico principal do produto. 2. Em que condição os impostos (ICMS/IPI) não são

Leia mais

CAPÍTULO 5 DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS - DLPA LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS

CAPÍTULO 5 DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS - DLPA LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO CAPÍTULOS 5,6,7 e 8 CAPÍTULO 5 DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS - DLPA LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS DESTINAÇÕES 1. Ajustes (-) Exerc. Anteriores 2. Transf. P/

Leia mais

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA REGIONAL DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CONTABILIDADE SOCIETÁRIA II

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA REGIONAL DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CONTABILIDADE SOCIETÁRIA II UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA REGIONAL DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CONTABILIDADE SOCIETÁRIA II EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO MATRIZ E FILIAL A empresa Comércio Vai Bem Ltda, optante

Leia mais

ETEP TÉCNICO EM CONTABILIDADE MÓDULO 3 INFORMÁTICA 3 2012 PÓS MÉDIO

ETEP TÉCNICO EM CONTABILIDADE MÓDULO 3 INFORMÁTICA 3 2012 PÓS MÉDIO 2012 TÉCNICO EM CONTABILIDADE MÓDULO 3 INFORMÁTICA 3 PÓS MÉDIO 1 AULA 1 Verificação de Erros cometidos no Domínio Escrita Fiscal Para verificar o que já foi realizado no domínio escrita fiscal (e também

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro Unidade II CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Objetivo Conhecer a estrutura do balanço patrimonial: ativo; passivo. Conhecer a estrutura do DRE. Conhecer a estrutura do DFC: direto; indireto. Balanço patrimonial

Leia mais

EXERCÍCIO 01. Classificar em: Custos de Fabricação Despesas Administrativas Despesas Comerciais ou de Vendas Lucro

EXERCÍCIO 01. Classificar em: Custos de Fabricação Despesas Administrativas Despesas Comerciais ou de Vendas Lucro EXERCÍCIO 01 Classificar em: Custos de Fabricação Despesas Administrativas Despesas Comerciais ou de Vendas Lucro - Despesas de viagens 1.000 - Material direto 35.000 - Salário da administração 14.000

Leia mais

CONTABILIDADE. Conceito. Campo de Aplicação. Instrumento informações úteis tomada de decisões

CONTABILIDADE. Conceito. Campo de Aplicação. Instrumento informações úteis tomada de decisões Conceito Instrumento informações úteis tomada de decisões Campo de Aplicação Comércio - Indústria - Entidades Públicas - Hospitais Agropecuárias - Seguradoras - etc. Finalidade da Contabilidade Controle

Leia mais

Teoria e Exercícios Parte 03

Teoria e Exercícios Parte 03 PF Turmas Todas Teoria e Exercícios Parte 03 Prof. Anderson Data de impressão: 08/04/11 ELABORAÇÃO E PRODUÇÃO: UMA PARCERIA Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR/CURITIBA MATERIAL

Leia mais

Prof. Me. Alexandre Saramelli

Prof. Me. Alexandre Saramelli Unidade II CONTABILIDADE DE CUSTOS Prof. Me. Alexandre Saramelli Basketball - 1962 Alexander Alexandrovich Deyneka Contabilização dos custos DRE Receita de vendas $ ( - ) Custo dos Produtos Vendidos (CPV)

Leia mais

Unidade III CONTABILIDADE COMERCIAL. Introdução

Unidade III CONTABILIDADE COMERCIAL. Introdução CONTABILIDADE COMERCIAL Unidade III 7 FATOS QUE ALTERAM OS VALORES DE COMPRA E VENDA DE MERCADORIAS Introdução Após a apresentação dos sistemas de inventário de mercadorias (permanente e periódico), dos

Leia mais

Comentários da prova ISS-SJC/SP Disciplina: Contabilidade Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova ISS-SJC/SP Disciplina: Contabilidade Professor: Feliphe Araújo Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Olá amigos, Comentários da prova ISS-SJC/SP ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE - ISS-SJC/SP Trago para vocês os comentários da prova do concurso de Auditor Tributário

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II

LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II A leitura complementar tem como objetivo reforçar os conteúdos estudados e esclarecer alguns assuntos que facilitem a compreensão e auxiliem na elaboração da atividade.

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral 1. Em relação ao princípio contábil da Competência, é correto afirmar que (A) o reconhecimento de despesas deve ser efetuado quando houver o efetivo desembolso financeiro

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas Realização: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE CURSO: BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Leia mais

Professor Gabriel Rabelo Contabilidade 15 QUESTÕES SOBRE ESTOQUES PARTE DO E-BOOK CONTABILIDADE FACILITADA PARA A ÁREA FISCAL PROVAS COMENTADAS

Professor Gabriel Rabelo Contabilidade 15 QUESTÕES SOBRE ESTOQUES PARTE DO E-BOOK CONTABILIDADE FACILITADA PARA A ÁREA FISCAL PROVAS COMENTADAS Professor Gabriel Rabelo Contabilidade 15 QUESTÕES SOBRE ESTOQUES PARTE DO E-BOOK CONTABILIDADE FACILITADA PARA A ÁREA FISCAL PROVAS COMENTADAS 1 PROVA 1 ANALISTA DE MERCADO DE CAPITAIS CVM 2010 ESAF 1.

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 10- Unidade II - A análise tradicional das demonstrações contábeis. Prof.

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 10- Unidade II - A análise tradicional das demonstrações contábeis. Prof. ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aula 10- Unidade II - A análise tradicional das demonstrações contábeis Prof.: Marcelo Valverde Unidade II. Análise tradicional das demonstrações contábeis 2.5. Índices

Leia mais

1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200

1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200 EXERCÍCIOS EXTRAS 1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200 S.DEVEDORES (APLICAÇÕES)............ S.CREDORES (ORIGENS)...... t o t a

Leia mais

Básico Fiscal. Contabilidade Avançada. Módulo 1. 20 Exercícios de Apoio. Prof. Cláudio Cardoso

Básico Fiscal. Contabilidade Avançada. Módulo 1. 20 Exercícios de Apoio. Prof. Cláudio Cardoso Básico Fiscal Contabilidade Avançada Módulo 1 20 Exercícios de Apoio Prof. Cláudio Cardoso 1. (Analista CVM/2003 FCC Adaptada) A Cia. Omega comprou, à vista, ações representativas de 20% do capital votante

Leia mais

Taxa de Aplicação de CIP (Custos Indiretos de Produção)

Taxa de Aplicação de CIP (Custos Indiretos de Produção) Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação MBA em Engenharia de Produção Custos Industriais Aplicação de Custos Diretos e Indiretos Luizete Fabris Introdução tema. Assista à videoaula do professor

Leia mais

6 Materiais Diretos. 6.1 Tipos de Material Direto

6 Materiais Diretos. 6.1 Tipos de Material Direto 6 Materiais Diretos Material Direto é o custo de qualquer material diretamente identificável com o produto e que se torne parte integrante deste. Exemplos:- matéria-prima, embalagens. 6.1 Tipos de Material

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA. Profa. Divane Silva

Unidade II CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA. Profa. Divane Silva Unidade II CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Profa. Divane Silva Contabilidade tributária A disciplina está dividida em 02 Unidades: Unidade I 1. Introdução 2. Impostos Incidentes sobre o Valor Agregado 3. Impostos

Leia mais

BONIFICAÇÃO EM MERCADORIAS - EMBALAGENS E CONJUNTOS PROMOCIONAIS

BONIFICAÇÃO EM MERCADORIAS - EMBALAGENS E CONJUNTOS PROMOCIONAIS MATÉRIA - CONTABILIDADE BONIFICAÇÃO EM MERCADORIAS - EMBALAGENS E CONJUNTOS PROMOCIONAIS SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Bonificação em Mercadorias 2.1. Tratamento da venda bonificada 2.2. Baixa do

Leia mais

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto Olá, pessoal! Aqui estou eu de novo, para continuar o assunto da aula passada: Fluxo de Caixa e Demonstração do Fluxo de Caixa. Assunto da maior importância, que está sendo cobrado nos atuais concursos

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos MP627 Alterações Fiscais sobre o Ajuste a Valor Presente

Parecer Consultoria Tributária Segmentos MP627 Alterações Fiscais sobre o Ajuste a Valor Presente 11/03/2014 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas Pelo Cliente... 4 3. Análise da Legislação... 5 a. Ajuste a Valor Presente no Contas a Receber... 5 b. Ajuste

Leia mais

Custos Industriais. Custo de aquisição. Custo de aquisição. Métodos de avaliação dos estoques

Custos Industriais. Custo de aquisição. Custo de aquisição. Métodos de avaliação dos estoques s Industriais Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 de aquisição O custo das mercadorias e materiais adquiridos deve incluir todos os gastos necessários para que a mercadoria ou material

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 3 Gestão de capital de giro Introdução Entre as aplicações de fundos por uma empresa, uma parcela ponderável destina-se ao que, alternativamente, podemos chamar de ativos correntes, ativos circulantes,

Leia mais

WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772

WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772 WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772 Receitas x Despesas Podemos conceituar receitas como todos os recursos, em princípio, provenientes da venda de

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1

ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1 ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1 Índice Análise Vertical e Análise Horizontal...3 1. Introdução...3 2. Objetivos e técnicas de análise...4 3. Análise vertical...7 3.1 Cálculos da análise vertical do balanço

Leia mais

Contabilidade Financeira I

Contabilidade Financeira I Contabilização de Inventários Contabilidade Financeira I Introdução.. Mensuração/Valorimetria de existências. Contabilização de Inventários comerciais 2 Introdução Inventários: bens armazenáveis que foram

Leia mais

Boletim. Contabilidade Geral. Manual de Procedimentos. 13 o salário - Provisão e pagamento. Temática Contábil e Balanços 2. CLASSIFICAÇÃO CONTÁBIL

Boletim. Contabilidade Geral. Manual de Procedimentos. 13 o salário - Provisão e pagamento. Temática Contábil e Balanços 2. CLASSIFICAÇÃO CONTÁBIL Boletim Manual de Procedimentos Contabilidade Geral 13 o salário - Provisão e pagamento SUMÁRIO 1. Provisão mensal 2. Classifi cação contábil 3. Ajustes da provisão 4. Baixa da provisão por ocasião da

Leia mais

CONTABILIDADE NA PRÁTICA, RÁPIDA E FÁCIL

CONTABILIDADE NA PRÁTICA, RÁPIDA E FÁCIL 1 CONTABILIDADE NA PRÁTICA, RÁPIDA E FÁCIL 2 SUMÁRIO CONTABILIDADE, INFORMAÇÃO CONTÁBIL...3 PATRIMÔNIO...3 METODOS DAS PARTIDAS DOBRADAS...7 BALANÇO PATRIMONIAL...7 FÓRUMULAS DE LANÇAMENTOS...7 RETIFICAÇÃO

Leia mais

Fluxo de Caixa método direto e indireto

Fluxo de Caixa método direto e indireto Fluxo de Caixa método direto e indireto A empresa Claudio Zorzo S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: Banco 100.000 Duplicatas a receber 80.000 Financiamentos 80.000 Capital Social

Leia mais

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis:

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: 4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA Exercícios: 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: Banco 100.000 Duplicatas a receber 80.000 Financiamentos 80.000

Leia mais

INCORPORAÇÃO PAPEL DE TRABALHO DA INCORPORAÇÃO. Subsidiária S.A S.A. Ativos 1.000 370 1370

INCORPORAÇÃO PAPEL DE TRABALHO DA INCORPORAÇÃO. Subsidiária S.A S.A. Ativos 1.000 370 1370 1 INTRODUÇÃO INCORPORAÇÃO A incorporação é um processo no qual uma ou mais sociedades são absorvidas por outra, que lhes sucede em todos os direitos e obrigações. As incorporações de entidades sob controle

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte TEORIA DA CONTABILIDADE Como vimos em aulas passadas, a Contabilidade engloba duas funções: 1. Função Administrativa: Controla o Patrimônio mediante registro dos fatos contábeis em livros apropriados (Diário

Leia mais

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero).

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero). 1. (SEFAZ-PI-2015) Uma empresa, sociedade de capital aberto, apurou lucro líquido de R$ 80.000.000,00 referente ao ano de 2013 e a seguinte distribuição foi realizada no final daquele ano: valor correspondente

Leia mais