1 Regime de Inventário Permanente

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1 Regime de Inventário Permanente"

Transcrição

1 1 Regime de Inventário Permanente Primeiro que entra primeiro que sai (PEPS FIFO) Média ponderada móvel (Média) Último que entra último que sai (UEPS LIFO) Regime de Inventário Permanente O regime de inventário permanente é um procedimento que permite o controle do valor do estoque a cada venda realizada, com a possibilidade de registro da baixa do estoque no momento da venda. Cumpre referir que a empresa que utiliza o regime de inventário permanente pode escolher entre diferentes métodos de apuração e controle de estoque, conforme será visto em seguida. Conhecendo os componentes do custo de aquisição, podemos analisar o problema referente ao fato da empresa ter em estoque unidades de um mesmo produto adquiridas em datas distintas, com custos unitários diferentes. Essa situação faz surgir a dúvida sobre qual preço unitário deve ser atribuído a tais estoques. As diferentes possibilidades de atribuição desse valor unitário correspondem aos seguintes métodos de controle de estoques: - Preço Específico; - PEPS FIFO; - UEPS LIFO, não permitida pela legislação tributária; - Média ponderada móvel. A apuração do custo pelo método do preço específico significa valorizar cada unidade do estoque ao preço efetivamente pago para cada item especificamente determinado. É usado somente quando é possível fazer tal determinação do preço específico de cada unidade em estoque, mediante identificação física, como no caso de revenda de automóveis usados, por exemplo. Esse critério normalmente só é aplicável em casos onde a quantidade, o valor ou a própria natureza da mercadoria o permitam, sendo de impossível ou inconveniente utilização na maioria das vezes, restando os demais métodos (PEPS, UEPS e Média Ponderada Móvel). Para entender em que consistem esses diferentes métodos de controle do estoque, é proposta a análise da seguinte situação: (1) Considere que nossa empresa tenha por objeto a compra e a venda de tamancos. (2) Considere, também, que tenhamos adquirido um lote de 100 pares de tamancos (para revenda) por R$ 10,00 cada par (num total de R$ 1.000,00 desconsidere, para fins de simplificação didática, a incidência de quaisquer tributos sobre essa operação). Passamos a ter um estoque avaliado a R$ 1.000,00, com 100 pares de tamancos adquiridos por R$ 10,00 cada par. Luiz Eduardo Santos Página 1 de 11

2 (3) Considere, ainda, que nossa empresa (avaliando a qualidade dos tamancos adquiridos) decida adquirir mais 100 pares do produto. Ocorre que, ao entrarmos em contato com nosso fornecedor, recebemos a notícia de o preço do tamanco havia aumentado para R$ 12,00. Ainda assim, consideramos um bom negócio adquirir os 100 pares adicionais (desembolsando R$ 1.200,00). Passamos, agora, a ter um estoque avaliado a R$ 2.200,00 (correspondente aos anteriores R$ 1.000,00 adicionados dos atuais R$ 1.200,00), com 200 pares de tamancos adquiridos (100 pares por R$ 10,00 cada e 100 pares por 12 cada). (4) Considere, finalmente, que na semana seguinte tenhamos conseguido vender nosso primeiro par de tamancos por R$ 15,00. Agora vamos analisar o fato da venda ocorrida: (a) o reconhecimento da receita auferida com a venda e (b) o registro do custo da mercadoria vendida. O reconhecimento da receita é fácil, pois consiste no valor da venda R$ 15,00, conforme lançamento abaixo: D = Caixa C = a Receita Bruta de Vendas 15,00 O problema está na definição do custo da mercadoria vendida, pois todos os tamancos são idênticos e, visualmente, é impossível saber se: - o par de tamancos entregue ao cliente foi um daqueles comprados no primeiro lote (por R$ 10,00); ou - o par de tamancos entregue ao cliente foi um daqueles comprados no segundo lote (por R$ 12,00), ou ainda - o par de tamancos entregue ao cliente foi formado por um pé do primeiro lote (adquirido por R$ 10,00 o par) e por outro pé do segundo lote (adquirido por R$ 12,00 o par) o que resultaria em um par de tamancos que na média teria custado R$ 11,00. Repare que esse é um problema sem uma solução física ou matemática, mas que demanda a utilização de um critério, para sua solução. A ciência contábil desenvolveu diferentes maneiras de resolver a questão que ficaram conhecidas como os diferentes métodos de apuração e controle de estoque, são eles: - PEPS primeiro que entra, primeiro que sai (ou FIFO first in, first out), nesse caso, o par de tamancos entregue ao cliente seria um par daqueles que foram primeiro adquiridos (na primeira compra, por R$ 10,00); - UEPS último que entra, primeiro que sai (ou LIFO last in, first out), nesse caso, o par de tamancos entregue ao cliente seria um par daqueles que foram por último adquiridos (na segunda compra, por R$ 10,00); - Média Ponderada Móvel nesse caso, o par de tamancos entregue ao cliente seria considerado comprado pelo preço médio de aquisição de todos os tamancos já adquiridos e ainda não vendidos, no caso: (R$ 1.000,00 + R$ 1.200,00) / 200 = R$ 11,00. Repare ainda que, dependendo do método utilizado, o custo (que é um registro de redução do patrimônio) será diferente: (a) o reconhecimento do custo considerando o método PEPS Luiz Eduardo Santos Página 2 de 11

3 D = Custo da Mercadoria Vendida C = a estoque 10,00 (b) o reconhecimento do custo considerando o método UEPS D = Custo da Mercadoria Vendida C = a estoque 12,00 (c) o reconhecimento do custo considerando o método da Média Ponderada Móvel D = Custo da Mercadoria Vendida C = a estoque 11,00 Repare, por fim, que o lucro da empresa é diferente, em função do custo reconhecido. Se utilizado o método PEPS, o lucro seria de R$ 5,00 (R$ 15,00 R$ 10,00). Se utilizado o método UEPS, o lucro seria de R$ 3,00 (R$ 15,00 R$ 12,00). E, se utilizado o método da média ponderada móvel, o lucro seria de R$ 4,00 (R$ 15,00 R$ 11,00). De uma maneira bem humorada e didática, podemos analisar cada um dos três métodos acima através da metáfora digestiva, considerando: (1) o estoque como nosso estômago, (2) as compras de mercadorias (que enchem o estoque de mercadorias) como refeições (que enchem nosso estômago) e (3) as vendas de mercadorias (quando saem mercadorias do estoque) como necessidades fisiológicas (que esvaziam nosso estômago). Com base na metáfora digestiva, o método PEPS equivale ao aparelho digestivo de uma pessoa muito regulada (um professor de Yoga), em cujo estômago não chegam a se misturar as refeições. Se essa pessoa tomou café pela manhã, esse café não irá se misturar com o almoço e, assim, o café terá de sair POR COMPLETO do estômago, antes que o almoço comece e sair. Em outras palavras, as mercadorias adquiridas na primeira compra deverão ter sido TODAS baixadas (como custo da mercadoria vendida) antes que se inicie a registrar a baixa de mercadorias adquiridas na segunda compra. Com base, ainda, na metáfora digestiva, o método UEPS equivale ao aparelho digestivo de uma pessoa comeu um camarão no almoço e está passando mal. Em seu estômago também não chegam a se misturar refeições, contudo, se essa pessoa tomou café pela manhã, antes do café sair de seu estômago, terá de sair POR COMPLETO (e por cima) o camarão estragado do almoço, para que, somente depois, comece e sair o café da manhã (também por cima). Em outras palavras, as mercadorias adquiridas na primeira compra somente poderão começar a ser baixadas (como custo da mercadoria vendida) após o registro da baixa de TODAS as mercadorias adquiridas na segunda compra. Finalmente, com base na metáfora digestiva, podemos entender o funcionamento do método da metida ponderada móvel como o funcionamento do aparelho digestivo de uma pessoa muito constipada, de cujo estômago não sai nada por muito tempo e que, portanto, em cujo estômago se misturam várias refeições. Assim, quando há uma saída de refeições de seu estômago, o que sai é uma média de tudo que havia antes entrado. Exemplificando, se essa pessoa tomou café pela manhã, esse café irá se misturar com o almoço e, assim, quando o alimento for sair do estômago, sairá misturado o café e o almoço. Em outras palavras, a cada aquisição de mercadorias elas são misturadas às mercadorias anteriormente adquiridas e ainda não vendidas, para formar um bolo (conjunto único) de mercadorias. O preenchimento da referida ficha de controle de estoque é requerido em praticamente TODAS as provas de concurso. Interessante é notar que raramente, no espaço dado para rascunho, há Luiz Eduardo Santos Página 3 de 11

4 espaço suficiente para desenhar essa ficha. Nessa situação a solução é utilizar a carteira (a classe) para rascunho apagando devidamente, após a prova, para não danificar o patrimônio alheio. Para a implementação do regime permanente de inventário, deve ser utilizada para cada mercadoria uma ficha de estoque. A ficha de estoque tem o formato de uma tabela de quatro colunas: (1) data/descrição do evento, (2) entradas, (3) saídas e (4) saldo. A primeira coluna (data/descrição do evento) deve ser preenchida em ordem cronológica (operação por operação) 1. As demais colunas devem ser sub-divididas (cada uma) em três subcolunas (a) quantidade, (b) valor unitário e (c) valor total. A seguir, encontra-se o modelo de ficha de estoque proposto. Data/evento Entrada saída Saldo quantidade Valor unitário Valor total Quantidade Valor unitário Valor total quantidade Valor unitário Valor total (1) COMPRA As compras devem ser objeto de registro na coluna entrada, com o preenchimento com base no documento de aquisição - da quantidade comprada, do respectivo valor unitário e do valor total. Repare que esse registro irá implicar atualização da coluna saldo, aumentando tanto a quantidade quanto o valor total, sendo que a apuração do valor unitário irá depender do critério utilizado. (2) VENDA As vendas devem ser objeto de registro na coluna saída, com o preenchimento com base nas informações constantes da coluna saldo da quantidade vendida, do respectivo valor unitário e do valor total. Repare que esse registro deverá implicar, também, a atualização da coluna saldo, reduzindo a quantidade e o valor total. (3) DEVOLUÇÃO DE COMPRA As devoluções de compras devem ser consideradas como ENTRADA NEGATIVA DO VALOR ANTES COMPRADO, BEM COMO DA QUANTIDADE ANTES COMPRADA. Assim, na coluna ENTRADAS, deve ser registrado o valor da compra ora devolvida com sinal negativo. Para fins de apuração do saldo em estoque, na devolução de compra, tanto faz ser registrada uma saída como uma entrada negativa. Porém, para apuração do custo da mercadoria vendida (total da coluna SAÍDAS), isso é importantíssimo. (4) ABATIMENTOS OBTIDOS Os abatimentos obtidos - nas compras - são considerados uma entrada negativa de valor sem qualquer entrada de quantidade. Assim, o saldo em estoque (no que pertine a seu valor) é reduzido, mas a quantidade em estoque remanesce. (5) DEVOLUÇÃO DE VENDAS As devoluções de vendas devem ser consideradas uma SAÍDA NEGATIVA DE VALOR E QUANTIDADE, no mesmo valor antes considerado para custo da mercadoria vendida (ora devolvida). 1 Cuidado, o examinador adora colocar o relato dos fatos ocorridos (compras e vendas) no período, fora da ordem cronológica, para confundir o estudante. Luiz Eduardo Santos Página 4 de 11

5 A seguir, faremos a aplicação dos diferentes métodos de controle de estoques, com a utilização da ficha de estoque acima apresentada. Para exemplificar os diferentes métodos, propomos a utilização de um exemplo com a sucessão de fatos a seguir 2 : 0 - Estoque inicial de 20 unidades a R$ 20,00 cada total de R$ 400, Compra de 20 unidades por R$ 30,00 cada 2 - Venda de 10 unidades 3 - Venda de 20 unidades 4 - Compra de 30 unidades por R$ 35,00 cada 5 - Venda de 10 unidades 1.1 Primeiro que entra primeiro que sai (PEPS FIFO) Conforme já visto, o método PEPS primeiro a entrar primeiro a sair, também conhecido pela sigla FIFO first in first out, à medida que ocorrem as vendas, utiliza, para baixa dos valores do estoque vendido, o preço das unidades adquiridas há mais tempo. Assim, a baixa de cada venda é dada pelo custo mais antigo em estoque (o primeiro a entrar é sempre o primeiro a sair) e, conseqüentemente, restam no estoque (após as vendas) as mercadorias mais recentemente adquiridas. Para exemplificar a utilização do método PEPS, para implementação do regime de inventário permanente de estoque, devem ser utilizadas fichas de controle de estoque, uma ficha para cada mercadorias, e essas fichas devem ser atualizadas a cada operação de compra ou venda. Aplicando-se o método PEPS ao caso exemplificativo acima descrito, com a utilização da ficha de estoques antes proposta, temos a seguinte situação: Data/evento Entrada saída Saldo quantidade Valor unitário Valor total Quantidade Valor unitário Valor total quantidade Valor unitário Valor total Obs 0 - estoque inicial 20 20,00 400,00 400,00 Ei 1 - compra 20 30,00 600, ,00 400, ,00 600, venda 10 20,00 200, ,00 200, ,00 600, venda 10 20,00 200, ,00 300, ,00 300, compra 30 35, , ,00 300, , , venda 10 30,00 300, , , ,00 Ef Totais 1.650, ,00 Compras CMV Comentários: No método PEPS as refeições não se misturam, ou seja, o valor das mercadorias adquiridas não se mistura ao valor das mercadorias anteriormente existentes em estoque. Por essa razão, no momento da compra (1), foram utilizadas linhas diferentes para registrar o estoque anteriormente existente no estoque (de valor unitário R$ 20,00) e o estoque adquirido na operação (de valor unitário R$ 30,00). 2 Exemplo baseado no Manual de Contabilidade das Sociedades por Ações Fipecafi. Luiz Eduardo Santos Página 5 de 11

6 No método PEPS, a primeira refeição deve sair completamente do estoque, antes que a segunda comece a sair, ou seja, somente após a baixa de todas as unidades existentes inicialmente (adquiridas pelo valor unitário de R$ 20,00) inicia-se a baixa das unidades adquiridas na compra 1 (por R$ 30,00). Repare que, seguindo o método PEPS: - o total de entrada atinge o valor de R$ 1.650,00 (somatório da coluna entradas representativo das compras); - o total de saída atinge o valor de R$ 1.000,00 (somatório da coluna saídas representativo do custo das mercadorias vendidas); - o valor do estoque inicial era de R$ 400,00 (saldo total da primeira linha); - o valor do estoque final foi calculado em R$ 1.050,00 (saldo total da última linha); - isso está de acordo com a fórmula da equação fundamental dos estoques (CMV = Ei + C Ef), conforme tabela a seguir Fórmula Valores Interpretação Ei 400,00 O que estava no estoque no início do período (+) Compras 1.650,00 adicionado àquilo que entrou no estoque durante o período (-) Ef (1.050,00) subtraído do que restou no estoque ao final do período (=) CMV 1.000,00 é igual ao que saiu do estoque durante o período Importante! Para aplicação correta da fórmula, é necessário manter o registro da ficha de estoque conforme a seguir: a) As devoluções de compras devem ser registradas na coluna entradas (em valores negativos) b) Os abatimentos obtidos sobre as compras devem ser registrados como uma entrada negativa c) As devoluções de vendas devem ser registradas na coluna saídas (em valores negativos) Importante! Repare que não foram apresentados quaisquer valores para as vendas realizadas. Isso decorre do fato de que o preço da venda é irrelevante para determinar o custo do produto vendido. Contextualizando, se eu compro um par de tamancos por R$ 10,00, não importa se eu o venda por R$ 20,00 ou por R$ 30,00, o custo do par de tamancos vendido será o mesmo (R$ 10,00). Cuidado! O examinador FREQÜENTEMENTE coloca o preço da venda no enunciado da questão para que o estudante se enrole na sua resolução Média ponderada móvel (Média) Conforme já visto, o método da média ponderada móvel, também conhecido apenas pelo nome média consiste na atualização do valor médio do estoque de mercadorias existentes a cada nova aquisição. Assim, à medida que ocorrem as vendas, utiliza-se, para baixa dos valores do estoque vendido, o valor médio das unidades em estoque (antes calculado). Assim, a baixa de cada venda 3 Isso é o que eu chamo de excrescências, informações irrelevantes para a resolução da questão, que são colocadas no enunciado para causar confusão. Luiz Eduardo Santos Página 6 de 11

7 é dada pelo custo médio do estoque e, conseqüentemente, restam no estoque (após as vendas) as mercadorias avaliadas pelo seu custo médio de aquisição. Para utilização do método da média, na implementação do regime de inventário permanente de estoque, também devem ser utilizadas fichas de controle de estoque (uma ficha para cada mercadoria) e essas fichas devem ser atualizadas a cada operação de compra ou venda. Aplicando-se o método da média ao caso exemplificativo acima descrito, com a utilização da ficha de estoques antes proposta, temos a seguinte situação: Data/evento Entrada saída Saldo quantidade Valor unitário Valor total Quantidade Valor unitário Valor total quantidade Valor unitário Valor total Obs 0 - estoque inicial 20 20,00 400,00 400,00 Ei 1 - compra 20 30,00 600, , , venda 10 25,00 250, ,00 750, venda 20 25,00 500, ,00 250, compra 30 35, , , , venda 10 32,50 325, ,50 975,00 975,00 Ef Totais 1.650, ,00 Compras CMV Comentários: No método da Média as refeições se misturam, ou seja, o valor das mercadorias adquiridas se mistura ao valor das mercadorias anteriormente existentes em estoque. Por essa razão, no momento da compra (1), não foram utilizadas linhas diferentes para registrar o estoque anteriormente existente no estoque e o estoque adquirido na operação; (2) ao contrário, foi calculado o valor médio de estoque existente (considerando o estoque anterior e o estoque adquirido na operação). No método da Média, as refeições antes realizadas devem se misturar para sair do estoque em conjunto, ou seja, a baixa das unidades é dada pelo valor médio das aquisições anteriormente efetuadas. Repare que, seguindo o método da Média: - o total de entrada atinge o valor de R$ 1.650,00 (somatório da coluna entradas representativo das compras); - o total de saída atinge o valor de R$ 1.075,00 (somatório da coluna saídas representativo do custo das mercadorias vendidas); - o valor do estoque inicial era de R$ 400,00 (saldo total da primeira linha); - o valor do estoque final foi calculado em R$ 975,00 (saldo total da última linha); - isso está de acordo com a fórmula da equação fundamental dos estoques (CMV = Ei + C Ef), conforme tabela a seguir Fórmula Valores Interpretação Ei 400,00 O que estava no estoque no início do período (+) Compras 1.650,00 adicionado àquilo que entrou no estoque durante o período (-) Ef (975,00) subtraído do que restou no estoque ao final do período (=) CMV 1.075,00 é igual ao que saiu do estoque durante o período Importante! Para aplicação correta da fórmula, é necessário manter o registro da ficha de estoque conforme a seguir: Luiz Eduardo Santos Página 7 de 11

8 As devoluções de compras devem ser registradas na coluna entradas (em valores negativos); Os abatimentos obtidos sobre as compras devem ser registrados como uma entrada negativa; As devoluções de vendas devem ser registradas na coluna saídas (em valores negativos). Uma informação de relevância crucial! Para calcular o estoque médio restante no estoque após uma operação de venda (que enseja a saída de mercadorias) realize o seguinte procedimento: (1) apure a quantidade em estoque final, através da operação de subtração da (a) quantidade anteriormente existente pela (b) quantidade saída; (2) apure o valor total do estoque final, através da operação de subtração do (a) valor total anteriormente registrado em estoque pelo (b) valor total saído do estoque e, finalmente, (3) apure o valor unitário da mercadoria em estoque, através da divisão do (2) valor total do estoque final pela (b) quantidade em estoque final. Esse procedimento evita erros de arredondamento de valores. Para exemplificar o conceito, considere as planilhas abaixo: Apuração do estoque final considerando o cálculo errado Evento Entrada Saída Saldo QT V. Un. V. Tot. QT V. Un. V. Tot. QT V. Un. V. Tot. Ei , ,00 Compra , , , ,00 Venda , , , ,00 * * Repare que ===> 2.900,00 (*) 16,67 (=) ,00 * Repare que ===> ,00 (-) 1.667,00 (=) ,00 Apuração do estoque final considerando o cálculo correto Evento Entrada Saída Saldo QT V. Un. V. Tot. QT V. Un. V. Tot. QT V. Un. V. Tot. Ei , ,00 Compra , , , ,00 Venda , , , ,00 Finalmente, há referência (em livros e, inclusive, em provas da ESAF) a um método denominado Média Ponderada Fixa, sem contudo uma apresentação clara de sua definição. Esclarecendo, cumpre referir que o método da Média Ponderada Fixa é IDÊNTICO ao Método da Média Ponderada Móvel (acima apresentado) com uma única diferença: todas as entradas são consideradas como realizadas no primeiro dia do período (geralmente mês) e todas as saídas são consideradas realizadas no último dia do período. Frise-se que o método da Média Ponderada Fixa não é aceito pela legislação societária nem fiscal. Para exemplificação do conceito acima, considere a compra a prazo lotes de um determinado produto na seguinte ordem: Lotes data aquisição quantidades preço unitário A 04/Jan ,00 B 20/Jan ,00 C 27/Jan ,00 Luiz Eduardo Santos Página 8 de 11

9 Considere, ainda, que: I - sobre as compras do Lote A foram pagos fretes no valor de $20 por unidade transportada em x1 II - devolução em x1 de 200 unidades do Lote B III - sobre as compras do Lote C foi concedido um abatimento no valor de $ em x1 IV - no mês foram consumidas: unidades em x1 e unidades em x1. Com base nestes dados, podemos calcular o valor dos estoques consumidos, de acordo com a média ponderada fixa, conforme a seguir: Quantidade devolução abatimento obtido preço unitário frete Total da compra Lote A ,00 20, ,00 Lote B , ,00 Lote C , ,00 Total ,00 O custo unitário das compras pode ser apurado pela divisão do valor comprado pela quantidade adquirida: ,00 (/) (=) 452 Como foram consumidas unidades, depreende-se que o custo do estoque consumido corresponde ao custo unitário multiplicado pela quantidade consumida: 452 (*) 3200 (=) , Último que entra último que sai (UEPS LIFO) Conforme já visto, o método UEPS último a entrar primeiro a sair, também conhecido pela sigla LIFO last in first out, à medida que ocorrem as vendas, utiliza, para baixa dos valores do estoque vendido, o preço das unidades adquiridas há menos tempo. Assim, a baixa de cada venda é dada pelo custo mais novo em estoque (o último a entrar é sempre o primeiro a sair) e, conseqüentemente, restam no estoque (após as vendas) as mercadorias mais antigas. Para utilização do método UEPS, na implementação do regime de inventário permanente de estoque, devem ser utilizadas fichas de controle de estoque (uma ficha para cada mercadoria) e essas fichas devem ser atualizadas a cada operação de compra ou venda. Aplicando-se o método UEPS ao caso exemplificativo acima descrito, com a utilização da ficha de estoques antes proposta, temos a seguinte situação: Luiz Eduardo Santos Página 9 de 11

10 Data/evento Entrada saída Saldo quantidade Valor unitário Valor total Quantidade Valor unitário Valor total quantidade Valor unitário Valor total Obs 0 - estoque inicial 20 20,00 400,00 400,00 Ei 1 - compra 20 30,00 600, ,00 400, ,00 600, venda 10 30,00 300, ,00 400, ,00 300, venda 10 30,00 300, ,00 200, ,00 200, compra 30 35, , ,00 200, , , venda 10 35,00 350, ,00 200, ,00 700,00 900,00 900,00 Ef Totais 1.650, ,00 Compras CMV Comentários: No método UEPS as refeições não se misturam, ou seja, o valor das mercadorias adquiridas não se mistura ao valor das mercadorias anteriormente existentes em estoque. Por essa razão, no momento da compra, foram utilizadas linhas diferentes para registrar o valor das mercadorias anteriormente existentes no estoque e o valor do estoque adquirido na operação. No método UEPS, a última refeição deve sair completamente do estoque, antes que a anterior comece a sair, ou seja, somente após a baixa de todas as unidades adquiridas por último, inicia-se a baixa das unidades adquiridas anteriormente. Repare que, seguindo o método UEPS: - o total de entrada atinge o valor de R$ 1.650,00 (somatório da coluna entradas representativo das compras); - o total de saída atinge o valor de R$ 1.150,00 (somatório da coluna saídas representativo do custo das mercadorias vendidas); - o valor do estoque inicial era de R$ 400,00 (saldo total da primeira linha); - o valor do estoque final foi calculado em R$ 900,00 (saldo total da última linha); - isso está de acordo com a fórmula da equação fundamental dos estoques (CMV = Ei + C Ef), conforme tabela a seguir Fórmula Valores Interpretação Ei 400,00 O que estava no estoque no início do período (+) Compras 1.650,00 adicionado àquilo que entrou no estoque durante o período (-) Ef (900,00) subtraído do que restou no estoque ao final do período (=) CMV 1.150,00 é igual ao que saiu do estoque durante o período Importante! Para aplicação correta da fórmula, é necessário manter o registro da ficha de estoque conforme a seguir: As devoluções de compras devem ser registradas na coluna entradas (em valores negativos); Luiz Eduardo Santos Página 10 de 11

11 Os abatimentos obtidos sobre as compras devem ser registrados como uma entrada negativa; As devoluções de vendas devem ser registradas na coluna saídas (em valores negativos). Importante! Repare que não foram apresentados quaisquer valores para as vendas realizadas. Isso decorre do fato de que o preço da venda é irrelevante para determinar o custo do produto vendido. Contextualizando, se eu compro um par de tamancos por R$ 10,00, não importa se eu o venda por R$ 20,00 ou por R$ 30,00, o custo do par de tamancos vendido será o mesmo (R$ 10,00). Cuidado! O examinador FREQÜENTEMENTE coloca o preço da venda no enunciado da questão para que o estudante se enrole na sua resolução 4. Finalmente, repare que os custos apresentados no método UEPS foram os maiores, no método da Média foram intermediários e no método PEPS foram os menores. Ao contrário, o estoque final foi o menor no método UEPS, intermediário no método da Média e o maior no método PEPS, conforme tabela a seguir: Método Custo da Mercadoria Vendida Estoque Final UEPS 1.150,00 900,00 Média 1.075,00 975,00 PEPS 1.000, ,00 Importante! Esse fenômeno é típico de economias inflacionárias, como a que o Brasil vivenciou nas últimas décadas. Ao contrário, em economias deflacionárias, o fenômeno seria o inverso (o custo seria menor no método UEPS e maior no PEPS). Possivelmente, o fato do custo ser maior no método UEPS em economias inflacionárias do que nos demais métodos, tenha sido decisivo para que a legislação não aceitasse esse método. Assim, hoje, o método UEPS é somente utilizado para fins gerenciais administrativos (ele serve para demonstrar um custo bem próximo ao valor de compra de reposição da mercadoria vendida: o valor da última aquisição deve ser parecido com o da próxima aquisição). 4 Isso é o que eu chamo de excrescências, informações irrelevantes para a resolução da questão, que são colocadas no enunciado para causar confusão. Luiz Eduardo Santos Página 11 de 11

AULA 9 - OPERAÇÕES COM MERCADORIAS

AULA 9 - OPERAÇÕES COM MERCADORIAS AS EMPRESAS COMERCIAIS SÃO AQUELAS CUJO OBJETO SOCIAL É A COMPRA E A REVENDA DE COM OBJETIVO DE LUCRO. O LUCRO OU PREJUÍZO OBTIDO NESSAS OPERAÇÕES É DENOMINADO RESULTADO COM. 21/11/2009 PROF. PAULO VICECONTI

Leia mais

Contabilidade Comercial

Contabilidade Comercial Contabilidade Comercial Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Revisora: Divane A. Silva Sumário Contabilidade Comercial Unidade I 1 OPERAÇÕES COM MERCADORIAS...1 2 RESULTADO BRUTO COM MERCADORIAS

Leia mais

Operações com Mercadorias Sem Impostos

Operações com Mercadorias Sem Impostos Contabilidade Empresarial Operações com Mercadorias Sem Impostos Profa. Vanda Aparecida Oliveira Dalfior Vanda.oliveira@pitagoras.com.br Curso de Ciências Contábeis - 2º. Período (2º. Semestre/2012) Operações

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES AVALIAÇÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES AVALIAÇÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES AVALIAÇÃO DE ESTOQUE Gestão Pública Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 6 Prof. Rafael Roesler Sumário Avaliação de estoques Métodos para avaliação de estoques Introdução

Leia mais

FICHA DE CONTROLE DE ESTOQUE CRITÉRIO PEPS ENTRADA SAÍDA SALDO DATA Quanti Valor Total. Total ade Unitário

FICHA DE CONTROLE DE ESTOQUE CRITÉRIO PEPS ENTRADA SAÍDA SALDO DATA Quanti Valor Total. Total ade Unitário CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS DISCIPLINA: CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: JÚLIO CÉSAR PEREIRA MARTINS 1. AVALIAÇÃO DE ESTOQUES 1.1 INVENTÁRIO PERMANENTE É um sistema de controle de estoque onde controlamos

Leia mais

Unidade IV CONTABILIDADE COMERCIAL. Profa. Divane Silva

Unidade IV CONTABILIDADE COMERCIAL. Profa. Divane Silva Unidade IV CONTABILIDADE COMERCIAL Profa. Divane Silva A disciplina está dividida em 04 Unidades: Unidade I 1. Operações com Mercadorias 2. Resultado Bruto com Mercadorias (RCM) 3. Custo das Mercadorias

Leia mais

Unidade III CONTABILIDADE COMERCIAL. Profa. Divane Silva

Unidade III CONTABILIDADE COMERCIAL. Profa. Divane Silva Unidade III CONTABILIDADE COMERCIAL Profa. Divane Silva A disciplina está dividida em 04 Unidades: Unidade I 1. Operações com Mercadorias 2. Resultado Bruto com Mercadorias (RCM) 3. Custo das Mercadorias

Leia mais

CONTABILIDADE BÁSICA Aula: Operações com Mercadorias

CONTABILIDADE BÁSICA Aula: Operações com Mercadorias CONTABILIDADE BÁSICA Aula: Operações com Mercadorias Professora M. Sc. (Mestre) Crísley do Carmo Dalto Mestre em Ciências Contábeis- Contabilidade Gerencial Especialista em Contabilidade Gerencial Resultado

Leia mais

Aula 3 Contextualização

Aula 3 Contextualização Custos Industriais Aula 3 Contextualização Profa. Me. Marinei Abreu Mattos Custos Industriais Uma vez compreendida a terminologia de custos e suas fases durante o processo produtivo, iremos delimitar os

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ESTOQUES

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ESTOQUES CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ESTOQUES No inventário periódico, o controle é feito de períodos em períodos, no momento da apuração do resultado do exercício. Esse intervalo de tempo pode ser semanal, quinzenal,

Leia mais

13. Operações com mercadoria

13. Operações com mercadoria MATERIAL DE APOIO - ENVIADO PELO PROFESSOR 13. Operações com mercadoria Na comercialização de mercadoria (principal objeto de empresa comercial) existirão os tributos; entre eles o ICMS que será estudado

Leia mais

1 Apresentação do Problema

1 Apresentação do Problema 1 Apresentação do Problema... 1 2 Proposta de Solução Regra Didática... 2 3 Adaptação da Solução Proposta à Critérios Internacionais de Elaboração de Demonstrações Contábeis.... 4 1 Apresentação do Problema

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA

CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA 1 CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA Prof. Carmem Haab Lutte Cavalcante 2012 2 CONTABILIDADE SOCIETARIA 2 3 1 CONTABILIDADE Conceito de contabilidade, campo de atuação, usuários, objetivos

Leia mais

OPERAÇÕES COM ERCADORIAS

OPERAÇÕES COM ERCADORIAS OPERAÇÕES COM MERCADORIAS OPERAÇÕES COM ERCADORIAS APURAÇÃO DE CUSTO DA MERCADORIA VENDIDA (CMV) As organizações são constituídas com intuito de oferecer bens e/ou serviços ao mercado. Disso, portanto,

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS/GERENCIAL PARA CONTÁBEIS/ADMINISTRAÇÃO REVISÃO: CUSTO DE MERCADORIAS E PRODUTOS VENDIDOS.

CONTABILIDADE DE CUSTOS/GERENCIAL PARA CONTÁBEIS/ADMINISTRAÇÃO REVISÃO: CUSTO DE MERCADORIAS E PRODUTOS VENDIDOS. CONTABILIDADE DE CUSTOS/GERENCIAL PARA CONTÁBEIS/ADMINISTRAÇÃO REVISÃO: CUSTO DE MERCADORIAS E PRODUTOS VENDIDOS. AVALIAÇÃO DE ESTOQUES Matérias-Primas e Mercadorias 1. CUSTO DE AQUISIÇÃO DE MERCADORIAS

Leia mais

2.2 Resultado com mercadorias 2.3 Impostos que afetam as mercadorias 2.4 Critérios de avaliação do estoque

2.2 Resultado com mercadorias 2.3 Impostos que afetam as mercadorias 2.4 Critérios de avaliação do estoque Disciplina: Contabilidade Comercial I Período: 2º Tipo: I Professor: Evaldo Modesto de Ávila Curso: Ciências Contábeis Assunto: Texto Semestre: 2º Nome: Nº: Apostila : Turma: ÚNICA Turno: NOITE Data: 002

Leia mais

http://www.itcnet.com.br/materias/printable.php

http://www.itcnet.com.br/materias/printable.php Página 1 de 5 1 de Setembro, 2011 Impresso por ANDERSON JACKSON TOASSI DEVOLUÇÃO DE MERCADORIAS COMPRADAS NAS OPERAÇÕES COMERCIAIS 1 - Introdução Nas relações comerciais as operações de devolução e retorno

Leia mais

OPERAÇÕES COM MERCADORIAS: INVENTÁRIO PERMANENTE INTRODUÇÃO

OPERAÇÕES COM MERCADORIAS: INVENTÁRIO PERMANENTE INTRODUÇÃO OPERAÇÕES COM MERCADORIAS: INVENTÁRIO PERMANENTE INTRODUÇÃO Se tiver dúvidas sobre um dos assuntos estudados até aqui, procure o professor, o colega, qualquer contador que conheça, Não fique pra trás!!!!

Leia mais

Contabilidade Geral Questões da FCC

Contabilidade Geral Questões da FCC Olá pessoal!!! Contabilidade Geral Questões da FCC Abaixo seguem duas questões comentadas da FCC cobradas no concurso do TRF da 2ª e 3ª região, ambos para o cargo de Analista Contador. Bons estudos, Roberto

Leia mais

Devolução de mercadoria vendida - Contabilização - Roteiro de Procedimentos

Devolução de mercadoria vendida - Contabilização - Roteiro de Procedimentos Devolução de mercadoria vendida - Contabilização - Roteiro de Procedimentos Neste Roteiro trataremos sobre a contabilização das mercadorias recebidas em devolução. O texto encontra-se atualizado à Resolução

Leia mais

Curso Online Contabilidade Concurso do BDMG Teoria e Exercícios Prof. Jaildo Lima

Curso Online Contabilidade Concurso do BDMG Teoria e Exercícios Prof. Jaildo Lima AULA 10 Contabilidade de Custos Parte 2 1. Introdução Nessa aula, estudaremos os critérios de avaliação de estoque, identificando o reflexo que tais critérios tem na apuração dos resultados das empresas.

Leia mais

Ciclo Operacional. Venda

Ciclo Operacional. Venda Sumário 1 Introdução... 1 2 Dinâmica dos Fluxos de Caixa... 2 3 Capital Circulante Líquido (CCL) e Conceitos Correlatos... 4 4 Necessidade de capital de giro (NCG)... 6 5 Saldo em Tesouraria (ST)... 9

Leia mais

Contabilidade Básica PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E OPERAÇÕES COM MERCADORIAS. Prof. Me. Antonio Luiz Santos

Contabilidade Básica PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E OPERAÇÕES COM MERCADORIAS. Prof. Me. Antonio Luiz Santos Contabilidade Básica PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E OPERAÇÕES COM MERCADORIAS Contabilidade Básica Controle de Estoque Inventário Permanente: Nesse sistema, o custo das mercadorias vendidas é apurado no momento

Leia mais

IPEP - Custos e Orçamentos 45 Prof. Tamanaha ---------------------------------------------------------------------------

IPEP - Custos e Orçamentos 45 Prof. Tamanaha --------------------------------------------------------------------------- IPEP - Custos e Orçamentos 45 CUSTO DE MATERIAIS MATÉRIA PRIMA : DT Metalúrgica mantém um sistema de requisição de material do almoxarifado de tal forma que possibilita a determinação de o quanto de material

Leia mais

Contabilidade Parte II

Contabilidade Parte II Contabilidade Parte II Módulo I - Operações com mercadorias, preço e lucro adaptado por Sylvia Culhari Lucro pelo inventário periódico Apurar o lucro utilizando-se do inventário periódico, ou seja: Sendo:

Leia mais

AUDITORIA DE AVALIAÇÃO DE ESTOQUES

AUDITORIA DE AVALIAÇÃO DE ESTOQUES AUDITORIA DE AVALIAÇÃO DE ESTOQUES 1.0 - CONCEITO A auditoria de Avaliação de Estoques consiste na conferência e análise da avaliação monetária dos estoques de mercadorias destinadas à comercialização

Leia mais

CONTABILIDADE COMERCIAL MÓDULO 15

CONTABILIDADE COMERCIAL MÓDULO 15 CONTABILIDADE COMERCIAL MÓDULO 15 Índice 1. Abatimentos e descontos comerciais...3 2 1. ABATIMENTOS E DESCONTOS COMERCIAIS Abatimentos Nos casos de Compras: São registrados, os abatimentos e descontos

Leia mais

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente,

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente, Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Exercícios de Contabilidade Professora Niuza Adriane da Silva 1º A empresa XYZ adquire mercadorias para revenda, com promessa de pagamento em 3 parcelas iguais, sendo

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque Módulo Suprimentos Controle de Estoque Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Suprimentos Controle de Estoque. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

Custos Industriais. Custo de aquisição. Custo de aquisição. Métodos de avaliação dos estoques

Custos Industriais. Custo de aquisição. Custo de aquisição. Métodos de avaliação dos estoques s Industriais Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 de aquisição O custo das mercadorias e materiais adquiridos deve incluir todos os gastos necessários para que a mercadoria ou material

Leia mais

SOFOLHA SOLUÇÕES CORPORATIVAS CONSULTORIA TRIBUTÁRIA. SFAutomatus X Controle de Estoque X SFContábil. Obrigação de Avaliar os Estoques

SOFOLHA SOLUÇÕES CORPORATIVAS CONSULTORIA TRIBUTÁRIA. SFAutomatus X Controle de Estoque X SFContábil. Obrigação de Avaliar os Estoques SFAutomatus X Controle de Estoque X SFContábil Legislação Aplicada Obrigação de Avaliar os Estoques Empresas Tributadas com Base no Lucro Real As pessoas jurídicas submetidas à tributação com base no lucro

Leia mais

Já, o novo Custo Fixo Unitário (CF/u) será outro para o novo volume de produção, ou seja: CF/u = R$ 120.000,00 1.120 = R$ 107,14

Já, o novo Custo Fixo Unitário (CF/u) será outro para o novo volume de produção, ou seja: CF/u = R$ 120.000,00 1.120 = R$ 107,14 Obra: Contabilidade de Custos 1 a edição Autor: Ed Luiz Ferrari Página 45 No enunciado do exercício 22, onde está...300 unidades... deve-se ler...00 unidades... Página 67 O gabarito correto da questão

Leia mais

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1..

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1.. 1. INVENTÁRIOS 1..1 Periódico Ocorre quando os estoques existentes são avaliados na data de encerramento do balanço, através da contagem física. Optando pelo inventário periódico, a contabilização das

Leia mais

Contabilidade Empresarial e Comercial 27-08-2012 - ETEC GUARACY. Prof. Procópio 2º CONTAB Aula - 8

Contabilidade Empresarial e Comercial 27-08-2012 - ETEC GUARACY. Prof. Procópio 2º CONTAB Aula - 8 AULA 8 Sistema para Controle de Estoques o Inventário Periódico o Contabilização Fórmula do CMV/RCM Sistema para Controle de Estoques Devemos observar o método de avaliação escolhido, pois ele afetará

Leia mais

Entradas Saídas Saldos. Custo unitário Total R$

Entradas Saídas Saldos. Custo unitário Total R$ MANUAL/TUTORIAL Data: 09/12/2013 Página:1 O que é o Kardex? Kardex é um registro que guarda as informações de todas as movimentações do produto, sendo provenientes de documentos fiscais ou não fiscais

Leia mais

AULA 3: OPERAÇÕES COM MERCADORIAS II

AULA 3: OPERAÇÕES COM MERCADORIAS II AULA 3: OPERAÇÕES COM MERCADORIAS II Pessoal, complementando a Aula 2, vamos tratar, agora, das Operações com Mercadorias relativamente às operações de Vendas e Apuração do Resultado dessas Vendas, o chamado

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS. Avaliação de Estoques

CONTABILIDADE DE CUSTOS. Avaliação de Estoques CONTABILIDADE DE CUSTOS Avaliação de Estoques IMPORTÂNCIA DO ESTUDO Importância do estudo dos critérios de avaliação dos estoques se justifica: a aquisição de um mesmo material em datas diferentes, com

Leia mais

Comentários sobre questões passíveis de recurso da prova de Contabilidade Concurso: Auditor-Fiscal do Município de São Paulo ISS 2007

Comentários sobre questões passíveis de recurso da prova de Contabilidade Concurso: Auditor-Fiscal do Município de São Paulo ISS 2007 1 INTRODUÇÃO...1 2 QUESTÃO 06 PARTICIPAÇÕES SOCIETÁRIAS EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL RESULTADOS NÃO REALIZADOS CABE RECURSO....2 3 QUESTÃO 07 PARTICIPAÇÕES SOCIETÁRIAS, RECEBIMENTO DE DIVIDENDOS DE INVESTIMENTOS

Leia mais

RESULTADO COM MERCADORIAS!!!

RESULTADO COM MERCADORIAS!!! RESULTADO COM MERCADORIAS!!! Aula 26/10/2009 RCM Já aprendemos como é contabilizada a venda de uma mercadoria! Os valores das vendas e dos custos foram informados, mas no dia a dia, na maioria das vezes

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

BACEN Técnico 2010 Fundamentos de Contabilidade Resolução Comentada da Prova

BACEN Técnico 2010 Fundamentos de Contabilidade Resolução Comentada da Prova Conteúdo 1 Questões Propostas... 1 2 Comentários e Gabarito... 1 2.1 Questão 41 Depreciação/Amortização/Exaustão/Impairment... 1 2.2 Questão 42 fatos contábeis e regime de competência x caixa... 2 2.3

Leia mais

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS 1 DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS CUSTODIO ROCHA Você bem preparado para o futuro da 2profissão. 1 OBJETIVOS Identificação do Conteúdo de Custos Aplicado nas Provas de Suficiência Breve Revisão

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade. Aula: 04 Prof.: Adelino Corrêa DATA: 26/10/2008. 13. Operações com mercadoria

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade. Aula: 04 Prof.: Adelino Corrêa DATA: 26/10/2008. 13. Operações com mercadoria 13. Operações com mercadoria Na comercialização de mercadoria (principal objeto de empresa comercial) existirão os tributos; entre eles o ICMS que será estudado na compra e venda da mercadoria. Impostos

Leia mais

1 Apresentação do problema

1 Apresentação do problema 1 APRESENTAÇÃO DO PROBLEMA...1 1.1 CONCEITOS INICIAIS CCL E DOAR...1 1.2 ANÁLISE DO SIGNIFICADO DOS ITENS DA DOAR...2 2 DESENVOLVIMENTO DO TEMA...4 2.1 PREMISSA INICIAL EFEITO DAS RECEITAS E DESPESAS NO

Leia mais

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I).

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I). Comentários à nova legislação do P IS/ Cofins Ricardo J. Ferreira w w w.editoraferreira.com.br O PIS e a Cofins talvez tenham sido os tributos que mais sofreram modificações legislativas nos últimos 5

Leia mais

No concurso de São Paulo, o assunto aparece no item 27 do programa de Contabilidade:

No concurso de São Paulo, o assunto aparece no item 27 do programa de Contabilidade: Olá, pessoal! Como já devem ter visto, dois bons concursos estão na praça: Fiscal do ISS de São Paulo e Auditor Fiscal do Ceará. As bancas são, respectivamente, a Fundação Carlos Chagas (FCC) e a Escola

Leia mais

No prazo de 11 (onze) meses, no caso de aquisições ocorridas em agosto de 2011;

No prazo de 11 (onze) meses, no caso de aquisições ocorridas em agosto de 2011; Créditos sobre ativo imobilizado novas regras: A MP 540 artigo 4, de 2 de agosto de 2011 introduz novas regras para a tomada de crédito sobre itens do ativo imobilizado, conforme destacamos a seguir: O

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Nas questões de 31 a 60, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a folha de respostas, único documento válido para a correção das

Leia mais

Cada prova possuirá 20 (vinte) questões objetivas e 1 (uma) questão discursiva. A prova terá duração de 2 (duas) horas, com início às 9h.

Cada prova possuirá 20 (vinte) questões objetivas e 1 (uma) questão discursiva. A prova terá duração de 2 (duas) horas, com início às 9h. O Exame de Suficiência em Contabilidade aplicado aos alunos ingressantes nos cursos de pós graduação lato sensu da FECAP, abaixo listados, é requisito para a obtenção do certificado de conclusão de curso

Leia mais

Contabilidade Financeira

Contabilidade Financeira Contabilidade Financeira 1 Carlos Antônio Maciel Meneses 01 Uma sociedade empresária adquiriu mercadorias para revenda por R$ 5.000,00, estando incluso neste valor ICMS de R$ 1.000,00. No mesmo período,

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ALCANCE 1.... estabelece critérios e procedimentos específicos a serem observados pelas entidades

Leia mais

Introdução l Resumo Exercícios 15 Demonstrações Contábeis

Introdução l Resumo Exercícios 15 Demonstrações Contábeis Introdução l 1. l Um breve histórico l l.2 Definição do termo Contabilidade 2 1.3 O processo contábil 3 1.3.1 Posicionamento do contador em relação à empresa 4 l.4 Ramos de atuação da Contabilidade 5 l.4.

Leia mais

Aula 04 CONCURSO PÚBLICO PARA AUDITOR-FISCAL DA RECEITA FEDERAL AFRF/2000 - PROVA A.2 - APLICADA EM 14/01/01 (ESAF).

Aula 04 CONCURSO PÚBLICO PARA AUDITOR-FISCAL DA RECEITA FEDERAL AFRF/2000 - PROVA A.2 - APLICADA EM 14/01/01 (ESAF). Aula 04 Dando continuidade às nossas aulas, começaremos, hoje, a análise da prova de AFRF/2001. Essa prova foi considerada muito difícil pelos candidatos e a média de acertos dos aprovados ficou em torno

Leia mais

219 Ciências Contábeis

219 Ciências Contábeis UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROCESSO DE OCUPAÇÃO DE VAGAS REMANESCENTES NÚCLEO DE CONCURSOS Edital n 06/2015 UOVR/COPAP/NC/PROGRAD / UFPR Prova Objetiva 18/10/2015 219 Ciências Contábeis INSTRUÇÕES

Leia mais

Contabilidade Decifrada

Contabilidade Decifrada Contabilidade Decifrada Demonstração de Origens e Aplicações de Recursos DOAR Luiz Eduardo Conceitos iniciais Capital Circulante líquido CCL, Origens e Aplicações 1 Capital Circulante Líquido CCL, definido

Leia mais

FACAPE 2008.2 - CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 3.º PERÍODO PROF. WALDENIR S. F. BRITTO - CONTABIILIDADE BÁSICA

FACAPE 2008.2 - CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 3.º PERÍODO PROF. WALDENIR S. F. BRITTO - CONTABIILIDADE BÁSICA FACAPE 2008.2 - CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 3.º PERÍODO PROF. WALDENIR S. F. BRITTO - CONTABIILIDADE BÁSICA 1 - RESPONDA TODOS OS EXERCICIOS UTILIZANDO OS TRÊS MÉTODOS DE CONTROLE DO ESTOQUE INVENTARIO PERMANENTE.

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA. Profa. Divane Silva

Unidade II CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA. Profa. Divane Silva Unidade II CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Profa. Divane Silva Contabilidade tributária A disciplina está dividida em 02 Unidades: Unidade I 1. Introdução 2. Impostos Incidentes sobre o Valor Agregado 3. Impostos

Leia mais

NOÇÕES DE CUSTO Receita Custo (Despesa) Investimento Encaixe (Embolso) Desencaixe (Desembolso)

NOÇÕES DE CUSTO Receita Custo (Despesa) Investimento Encaixe (Embolso) Desencaixe (Desembolso) NOÇÕES DE CUSTO Receita Entrada de elementos para a empresa (dinheiro ou direitos a receber) Custo (Despesa) É todo o gasto realizado pela empresa para auferir receita Investimento É a aplicação de recursos

Leia mais

expert PDF Trial Estoques (Métodos de Avaliação do Estoque pelas Normas Contábeis e Fiscais)

expert PDF Trial Estoques (Métodos de Avaliação do Estoque pelas Normas Contábeis e Fiscais) Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400 - ramal 1529 (núcleo de relacionamento) Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva, 60 Higienópolis

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO CFC N.º 1.418/12 Aprova a ITG 1000 Modelo Contábil para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais e com

Leia mais

Contabilidade Financeira I

Contabilidade Financeira I Contabilização de Inventários Contabilidade Financeira I Introdução.. Mensuração/Valorimetria de existências. Contabilização de Inventários comerciais 2 Introdução Inventários: bens armazenáveis que foram

Leia mais

Teoria e Exercícios Parte 03

Teoria e Exercícios Parte 03 PF Turmas Todas Teoria e Exercícios Parte 03 Prof. Anderson Data de impressão: 08/04/11 ELABORAÇÃO E PRODUÇÃO: UMA PARCERIA Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR/CURITIBA MATERIAL

Leia mais

LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II

LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II A leitura complementar tem como objetivo reforçar os conteúdos estudados e esclarecer alguns assuntos que facilitem a compreensão e auxiliem na elaboração da atividade.

Leia mais

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66 Apresentação Parte I - CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE, 1 1 Introdução ao Estudo da Ciência Contábil, 3 1 Conceito, 3 2 Objeto, 3 3 Finalidade, 4 4 Técnicas contábeis, 4 5 Campo de aplicação, 5

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora à vencer as barreiras internacionais.

Leia mais

Atividade de Contabilidade Gerencial

Atividade de Contabilidade Gerencial FAULAE E TENOLOGIA SENA GOIÁS ontabilidade Gerencial IV PERÍOO Gestão da Tecnologia da Informação Noturno Atividade de ontabilidade Gerencial Professora: Niuza Adriane da Silva Aluno: Thiago hagas astilho

Leia mais

Contabilidade Tópicos Avançados Aula 10 EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

Contabilidade Tópicos Avançados Aula 10 EXERCÍCIOS RESOLVIDOS Caros alunos, estamos chegando ao final de nosso curso de Contabilidade Tópicos Avançados que, em função da publicação do edital para AFRF, foi modificado um pouco em relação a sua estrutura inicialmente

Leia mais

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto Olá, pessoal! Aqui estou eu de novo, para continuar o assunto da aula passada: Fluxo de Caixa e Demonstração do Fluxo de Caixa. Assunto da maior importância, que está sendo cobrado nos atuais concursos

Leia mais

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Montando o fluxo de caixa pelo método indireto Situações especiais na montagem do fluxo de caixa Caso prático completo Como utilizar os quadros

Leia mais

Sumário. 1 Introdução. 2 Questões resolvidas 2.1 DFC

Sumário. 1 Introdução. 2 Questões resolvidas 2.1 DFC Sumário 1 Introdução... 1 2 Questões resolvidas... 1 2.1 DFC... 1 2.1.1 Concurso para AFRF 2003 prova de contabilidade avançada Questão 22... 1 2.1.2 Concurso para AFRF 2003 prova de contabilidade avançada

Leia mais

Custeio por Absorção. Prof. Laércio Juarez Melz

Custeio por Absorção. Prof. Laércio Juarez Melz Custeio por Absorção Prof. Laércio Juarez Melz Introdução Método que apropria os custos diretos e indiretos ao produto. Os custos diretos são atribuídos com ajuda de controles específicos: Controle de

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL I

CONTABILIDADE GERAL I CONTABILIDADE GERAL I Operações com Mercadorias Prof. Martin Airton Wissmann P r o f. M a r t i n A i r t o n W i s s m a n n Página 1 SUMÁRIO 1. CONTABILIDADE GERAL I OPERAÇÕES COM MERCADORIAS... 3 1.1

Leia mais

Comentários da prova SEFAZ-PI Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova SEFAZ-PI Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Olá amigos, Comentários da prova SEFAZ-PI ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE GERAL - SEFAZ-PI Trago para vocês os comentários da prova da SEFAZ-PI realizado no último

Leia mais

Professor Gabriel Rabelo Contabilidade 15 QUESTÕES SOBRE ESTOQUES PARTE DO E-BOOK CONTABILIDADE FACILITADA PARA A ÁREA FISCAL PROVAS COMENTADAS

Professor Gabriel Rabelo Contabilidade 15 QUESTÕES SOBRE ESTOQUES PARTE DO E-BOOK CONTABILIDADE FACILITADA PARA A ÁREA FISCAL PROVAS COMENTADAS Professor Gabriel Rabelo Contabilidade 15 QUESTÕES SOBRE ESTOQUES PARTE DO E-BOOK CONTABILIDADE FACILITADA PARA A ÁREA FISCAL PROVAS COMENTADAS 1 PROVA 1 ANALISTA DE MERCADO DE CAPITAIS CVM 2010 ESAF 1.

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE COMERCIAL. Profa. Divane Silva

Unidade II CONTABILIDADE COMERCIAL. Profa. Divane Silva Unidade II CONTABILIDADE COMERCIAL Profa. Divane Silva A disciplina está dividida em 04 Unidades: Unidade I 1. Operações com Mercadorias 2. Resultado Bruto com Mercadorias (RCM) 3. Custo das Mercadorias

Leia mais

BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE -

BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE - BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE - 1. Uma empresa produziu, no mesmo período, 100 unidades de um produto A, 200 unidades de um produto

Leia mais

Contabilidade Geral Correção da Prova 2 Analista Técnico Controle e Fiscalização - Susep 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL

Contabilidade Geral Correção da Prova 2 Analista Técnico Controle e Fiscalização - Susep 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL CONTABILIDADE GERAL 1 - A legislação vigente sobre as sociedades anônimas estabelece o que deve ser computado na determinação do resultado do exercício. Diz a lei que devem ser incluídas as receitas e

Leia mais

SCE. Sistema de Controle de Estoque

SCE. Sistema de Controle de Estoque SCE Sistema de Controle de Estoque SCE SISTEMA DE CONTRLE DE ESTOQUES - CADASRO - CFOP Cadastro da Natureza de Operação. - CADASRO Fornecedores Cadastro dos Fornecedores. Inclusão de todos os fornecedores

Leia mais

DEVOLUÇÃO DE VENDAS DOS PERÍODOS ATUAL E ANTERIOR

DEVOLUÇÃO DE VENDAS DOS PERÍODOS ATUAL E ANTERIOR DEVOLUÇÃO DE VENDAS - DOS PERÍODOS ATUAL E ANTERIOR 745 DEVOLUÇÃO DE VENDAS DOS PERÍODOS ATUAL E ANTERIOR 1 - DEFINIÇÕES: (*) por Silvério das Neves 1.1 - RECEITA BRUTA A receita bruta das vendas e serviços

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0401 01 IDENTIFICAÇÃO Título: CONTABILIDADE E EFICIÊNCIA NA ADMINISTRAÇÃO DO NEGÓCIO Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: ACOMPANHAMENTO CONTÁBIL O QUE É : Este é

Leia mais

Taxa de Aplicação de CIP (Custos Indiretos de Produção)

Taxa de Aplicação de CIP (Custos Indiretos de Produção) Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação MBA em Engenharia de Produção Custos Industriais Aplicação de Custos Diretos e Indiretos Luizete Fabris Introdução tema. Assista à videoaula do professor

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM ECONOMIA

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM ECONOMIA INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM ECONOMIA CONTABILIDADE IV - CADERNO DE EXERCÍCIOS Existências ANO LECTIVO 2005/2006 2º SEMESTRE Exercício 24 Durante um determinado mês, a sociedade

Leia mais

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi Gestão Financeira Prof. Eduardo Pozzi Finanças Corporativas Questões centrais na gestão financeira de uma empresa: Quais investimentos de longo prazo precisam ser feitos? Que tipo de instalações, maquinário

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

6 Materiais Diretos. 6.1 Tipos de Material Direto

6 Materiais Diretos. 6.1 Tipos de Material Direto 6 Materiais Diretos Material Direto é o custo de qualquer material diretamente identificável com o produto e que se torne parte integrante deste. Exemplos:- matéria-prima, embalagens. 6.1 Tipos de Material

Leia mais

IMES Instituto Mantenedor de Ensino Superior Metropolitano S/C Ltda. FTC - EAD Faculdade de Tecnologia e Ciências - Ensino a Distância

IMES Instituto Mantenedor de Ensino Superior Metropolitano S/C Ltda. FTC - EAD Faculdade de Tecnologia e Ciências - Ensino a Distância CONTABILIDADE GERAL CONTABILIDADE GERAL IMES Instituto Mantenedor de Ensino Superior Metropolitano S/C Ltda. Presidente Gervásio Meneses de Oliveira Vice-Presidente William Oliveira Superintendente Administrativo

Leia mais

CURSOS ON-LINE CONTABILIDADE EM EXERCÍCIOS PROFESSOR ANTÔNIO CÉSAR

CURSOS ON-LINE CONTABILIDADE EM EXERCÍCIOS PROFESSOR ANTÔNIO CÉSAR AULA:2 OPERAÇÕES COM MERCADORIAS Nesta aula vamos tratar das OPERAÇÕES COM MERCADORIAS. Tendo em vista a relevância deste assunto, vou dividi-lo em duas etapas. Nesta Aula 2, vamos trabalhar com as operações

Leia mais

Contabilidade Decifrada Resolução Provas CVM 2010 (ESAF)

Contabilidade Decifrada Resolução Provas CVM 2010 (ESAF) Conteúdo 1 Inspetor... 2 1.1 Questão n 1 Estrutura Conceitual Básica - Demonstrações Contábeis... 2 1.2 Questão n 2 Estrutura Conceitual Básica - Demonstrações Contábeis... 3 1.3 Questão n 3 Estrutura

Leia mais

INVENTÁRIOS (IAS 2) Conceitos gerais Mensuração e perdas por imparidade Inventário permanente e intermitente CMVMC e variação da produção

INVENTÁRIOS (IAS 2) Conceitos gerais Mensuração e perdas por imparidade Inventário permanente e intermitente CMVMC e variação da produção AULA 05 INVENTÁRIOS (IAS 2) Conceitos gerais Mensuração e perdas por imparidade Inventário permanente e intermitente CMVMC e variação da produção - Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1

Leia mais

Fluxograma - Configuração EFD Contribuições (Lucro Presumido)

Fluxograma - Configuração EFD Contribuições (Lucro Presumido) Fluxograma - Configuração EFD Contribuições (Lucro Presumido) Parametrizar a empresa como Lucro Presumido. 1 - Regime de Competência Qual o Regime de apuração adotado? 2 - Regime de Caixa Qual será a forma

Leia mais

Yumara Vasconcelos. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

Yumara Vasconcelos. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br Yumara Vasconcelos Doutora em Administração pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Mestre em Contabilidade pela Fundação Visconde de Cairu (FVC). Graduada em Ciências Contábeis pela Universidade Católica

Leia mais

Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações:

Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações: Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações: 1) Antecipação do pagamento de uma duplicata de $ 140.000 a um de seus fornecedores, com 2% de desconto. i 2) Efetuou os seguintes

Leia mais

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1 Exercícios de Fixação (Questões de concurso) 1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1.1.1 Concurso para AFRF 2000 prova de contabilidade avançada - Questão 15 ENUNCIADO 15- Aplicações em Investimentos

Leia mais

CURSOS ON-LINE CONTABILIDADE EM EXERCÍCIOS ESAF PROFESSOR ANTONIO CÉSAR

CURSOS ON-LINE CONTABILIDADE EM EXERCÍCIOS ESAF PROFESSOR ANTONIO CÉSAR Amigos concursandos, É provável que alguns de vocês não me conheçam, pois normalmente não escrevo em sites. A pedido de meu amigo Vicente, resolvi participar deste projeto que acho muito interessante,

Leia mais

Operação Concorrência Leal II Nota Oficial

Operação Concorrência Leal II Nota Oficial Operação Concorrência Leal II Nota Oficial Entidades Contábeis SESCON GRANDE FLORIANÓPOLIS SESCON/SC SESCON BLUMENAU FECONTESC CRC/SC Fazenda Estadual de Santa Catarina Primeiramente gostaríamos de agradecer

Leia mais

Oficina Técnica. Estoques (Métodos de Avaliação do Estoque pelas Normas Contábeis e Fiscais) Fevereiro 2013. Elaborado por: Walter Luiz Quaglio

Oficina Técnica. Estoques (Métodos de Avaliação do Estoque pelas Normas Contábeis e Fiscais) Fevereiro 2013. Elaborado por: Walter Luiz Quaglio Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Custos dos estoques 2. Custos diretamente proporcionais 3. Custos inversamente proporcionais 4.

Leia mais

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO CONTROLE DE QUALIDADE NA AVALIAÇÃO DE UM ESTOQUE Andre Luis de Souza Neto 1 RESUMO O presente trabalho justifica-se pela discussão do grande papel da avaliação e controle da qualidade de um estoque em

Leia mais

Artigo - 10 de julho de 2006 comentários das Questões 29 e 30 da prova de AFRF/2005 (DOAR) 1 INTRODUÇÃO...1 2 QUESTÃO 29 DOAR...2

Artigo - 10 de julho de 2006 comentários das Questões 29 e 30 da prova de AFRF/2005 (DOAR) 1 INTRODUÇÃO...1 2 QUESTÃO 29 DOAR...2 1 INTRODUÇÃO...1 2 QUESTÃO 29 DOAR...2 2.1 ENUNCIADO...3 2.2 RESOLUÇÃO E COMENTÁRIOS...3 2.3 GABARITO...5 3 QUESTÃO 30 DOAR...6 3.1 ENUNCIADO...6 3.2 RESOLUÇÃO E COMENTÁRIOS...6 3.3 GABARITO...9 4 FECHAMENTO...9

Leia mais