2.2 Resultado com mercadorias 2.3 Impostos que afetam as mercadorias 2.4 Critérios de avaliação do estoque

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2.2 Resultado com mercadorias 2.3 Impostos que afetam as mercadorias 2.4 Critérios de avaliação do estoque"

Transcrição

1 Disciplina: Contabilidade Comercial I Período: 2º Tipo: I Professor: Evaldo Modesto de Ávila Curso: Ciências Contábeis Assunto: Texto Semestre: 2º Nome: Nº: Apostila : Turma: ÚNICA Turno: NOITE Data: Operações com mercadorias 2.1 Inventário 2.2 Resultado com mercadorias 2.3 Impostos que afetam as mercadorias 2.4 Critérios de avaliação do estoque 2. Operações com mercadorias Mercadoria representa o objeto comercializado pelas empresas. A natureza comercial de cada empresa deve estar relacionada no estatuto social, respeitando a sua atividade fim. Normalmente estas mercadorias representam o estoque para a revenda e são denominadas de bens de venda. A lei 6.404/76 estabelece que o estoque de mercadoria deva ser avaliado pelo custo de aquisição ou pelo valor de mercado, dos dois o menor valor. Quando o valor de mercado é menor que o custo de aquisição, a empresa, prudentemente, deverá registrar uma provisão para ajuste do estoque ao valor de mercado; esta conta é redutora do ativo circulante estoque. Segundo as normas contábeis existem dois métodos que podem ser adotados pelas empresas para o registro das operações envolvendo mercadorias. São os seguintes: Conta Mista: consiste na adoção de uma só conta, que exerce a função de uma conta patrimonial, por que a conta registra o valor do estoque inicial e estoque final, figurando no balanço patrimonial como as demais contas do ativo. Cria-se a conta mercadorias que ao mesmo tempo exercerá a função de conta de resultado, pois nela também são registradas as compras, devolução de compras, vendas, devolução de vendas, etc. Permitindo assim apurar-se por meio dela o resultado bruto ou o resultado com mercadorias no exercício. Estoque Inicial Representa o saldo da conta Mercadorias em estoque no encerramento do exercício anterior que é o mesmo do início do exercício atual. No início do exercício é reconhecida contabilmente a transferência do estoque inicial para a conta mercadorias: D Mercadorias C Estoque Inicial Compras de Mercadorias Representa as entradas de mercadoria no estoque, pelo seu valor líquido. Todas as compras serão lançadas a débito da conta Mercadorias, pois estão aumentando o seu saldo tendo como contrapartida lançamentos a crédito da forma de pagamento que pode ser: Caixa, Banco, ou Contas a Pagar, etc D Mercadorias 1

2 C Caixa / Banco / Contas a Pagar / fornecedor Estoque Final Representa o valor final no estoque da empresa no encerramento do período social, é levantado o valor por meio de um inventário físico da existência dos bens que se encontram em estoque e o valor será lançado a débito da conta patrimonial Estoque Final, e em contrapartida a crédito da conta Mercadorias. D Estoque Final C Mercadorias Venda de Mercadorias Representa a saída de mercadoria do estoque lançada a crédito da conta Mercadorias Mista, tendo como contrapartida lançamentos a débito da forma da venda, a vista ou a prazo, podendo ser as contas Caixa, Bancos, Contas a Receber, clientes etc. D Caixa / Bancos / Contas a Receber C Mercadorias Exemplo prático: Uma empresa possuía um estoque inicial de $ 100, e efetuou $ 400 de compras de mercadorias a prazo, teve vendas a vista de $ 700, restando ao final do período social um estoque de $ 300. Pelo método da conta mista, somente pela conta mercadoria poderemos apurar o Resultado com mercadoria ao final do período. 1 transferir o saldo do estoque inicial para a conta mercadorias: Mercadorias a Estoque inicial 100, 2 registrar a entrada das mercadorias compradas a prazo: Mercadoria a fornecedores 400, 3 registrar a venda a vista de mercadoria por $ 700: Caixa a Mercadoria 700, 4 registrar o registro do inventário final do estoque: Estoque final a Mercadoria 300, MERCADORIAS DÉBITO CRÉDITO 100, (1) 700, (3) 2

3 400, (2) 300, (4) 500,00 lucro Neste exemplo teremos um estoque final de $300, no balanço patrimonial e um resultado como mercadorias ou um lucro bruto de $500, credor, ou seja, a empresa teve um lucro com as vendas de $500. As operações que reduzem as vendas como, por exemplo, devoluções de venda, descontos incondicionais concedidos, entrarão na conta mercadoria com saldo devedor, diminuindo o valor da caixa; enquanto que as operações que reduzem as compras entrarão com saldo credor tendo como contrapartida a conta fornecedor. Conta Desdobrada: consiste em desdobrar a conta de mercadoria em tantas contas forem necessárias, para a contabilização isolada de cada tipo de fato que envolva as operações com mercadorias. Exemplo prático: Uma empresa possuía um estoque inicial de $ 100, e efetuou $ 400 de compras de mercadorias a prazo, teve vendas a vista de $ 700, restando ao final do período social um estoque de $ ) Registro da compra a prazo: D Compra de mercadorias 400, C Contas a pagar 400, 2) Registro da venda a vista: D Caixa 700 C Receita de Vendas com mercadoria 700 3) Cálculo do CMV: CMV = Estoque Inicial + Compras Estoque Final CMV = CMV = 200 4) Atualização do estoque: D CMV 200, C Estoque 200, 5) Apuração do Resultado Com Mercadorias 5.1 Transferência da receita com vendas para o RCM 3

4 D Receitas com vendas 700, C RCM 700, 5.2 Transferência do CMV para o Resultado D RCM 200, C CMV 200, RESULTADO COM MERCADORIAS DÉBITO CRÉDITO 200, (5.2) 700 (5.1) 500,00 lucro Observações: Quando a empresa calcular o CMV, deve ser feito o registro contábil do fato da seguinte forma: a) Transferência do estoque inicial para o CMV: D CMV 100, C Estoque inicial 100, b) Transferência das compras para o CMV: D CMV 400, C Compras 400, c) Registro do estoque final inventariado para o CMV: D Estoque final 300, C CMV 300, (O estoque final é inventariado por meio de contagem física ou apurado mediante fichas de controle). 2.1 Inventário O inventário é a ferramenta que a empresa possui para atualizar o valor do seu estoque em uma determinada data e verificar a existência física de um bem; pode ser efetuado de duas maneiras: Inventário Periódico Ocorre quando a empresa efetua uma venda sem um controle do estoque permanente e, portanto, sem registrar o Custo das Mercadorias Vendidas no momento da venda. Quando é necessário apurar o Resultado obtido com a venda das Mercadorias (RCM), é feito um levantamento físico para avaliação do estoque de mercadorias existente naquela data; 4

5 e pela diferença entre o total das mercadorias (que a empresa possuía e que comprou no período) e esse estoque final obtemos o custo das mercadorias vendidas (CMV) nesse período. Com esse sistema a empresa passa a elaborar o inventário físico somente no final de um período, normalmente um ano, com o término do exercício social. O valor encontrado será representado no Balanço Patrimonial, na conta estoque de mercadorias. O CMV é calculado pela seguinte fórmula: Exemplo: CMV = Estoque Inicial + Compras Estoque Final Uma empresa possuía em 01/01/2004, estoque inicial no valor de R$ , Durante o ano, realizou compras que totalizaram de R$ O estoque final em 31/12/04 foi avaliado em R$ As vendas foram de R$ CMV = EI + C EF CMV = CMV = R$ RCM = Vendas CMV RCM = RCM = R$ RCM = resultado com mercadorias CVM = custo da mercadoria vendida Inventário Permanente Ocorre quando a empresa controla de forma contínua o estoque de mercadorias, dando-lhe baixa, em cada venda, pelo custo dessas Mercadorias Vendidas (CMV). Esse controle é efetuado sobre as mercadorias vendidas (CMV) e sobre as mercadorias que não foram vendidas (estoque final). Pela Soma dos Custos de todas as Vendas, teremos o Custo das Mercadorias Vendidas (CMV) total do período. Ao utilizar esse sistema de controle de estoque, a empresa passa a controlar permanentemente o seu estoque de mercadorias, fazendo uma nova avaliação a cada operação que modifique o saldo de uma conta; existe um acompanhamento contínuo dos bens em estoque. Este método de controle de estoque é conhecido como método das fichas, pois cada bem deverá ter uma ficha e esta será atualizada após cada transação, apresentando tempestivamente a evolução da conta. No método de inventário permanente são efetuados dois lançamentos no momento da venda, um para reconhecer a receita e outro para baixar o estoque, conforme se segue: Lançamento para reconhecer a receita venda a vista D Caixa (BP) C Vendas de Mercadorias (DRE) Lançamento para atualizar o estoque D Custo da Mercadoria Vendida (DRE) 5

6 C Estoque de Mercadoria (BP) 2.2 Resultado com mercadorias O resultado da negociação com as mercadorias, pode ser apurado na DRE, onde é chamado resultado bruto com mercadorias é encontrado pela equação: RCM = Vendas líquidas Custo das Mercadorias Vendidas (CMV) O resultado com mercadorias somente considera as receitas e as despesas, custos e deduções relacionadas com a mercadoria negociada pela empresa; no seu cálculo não entram as demais receitas ou despesas operacionais ou não. a) Vendas Líquidas: Venda líquida representa o resultado das vendas brutas menos as deduções sobre as vendas. Entende-se por dedução os impostos incidentes sobre as vendas, as vendas canceladas, os descontos incondicionais concedidos e as devoluções de vendas. A venda líquida é calculada pela seguinte equação: Vendas líquidas = Vendas brutas (-) devolução de vendas (-) vendas canceladas (-) Icms sobre vendas (-) Pis/Cofins sobre venda (-) descontos comerciais concedidos (-) descontos incondicionais concedidos (-) abatimentos sobre vendas Exemplo: Uma empresa vendeu R$ ,00 em mercadorias a vista, com incidência de Icms de R$ ,00, PIS de R$ ,00. Devido a um defeito na mercadoria a empresa deu um abatimento de R$ ,00 no momento da venda. Calcule o valor da Receita Líquida de Vendas. Receita bruta = (-) Icms sobre vendas = (20.000) (-) Pis sobre faturamento = (10.000) (-) Abatimento concedido = (30.000) = Receita Líquida de Venda = b) Custo da mercadoria Vendida: Representa quanto custou para a empresa a mercadoria que foi vendida no período. É importante ressaltar que para o cálculo do CMV não é necessário saber o preço de venda. Na prática a empresa analisa quanto tinha de mercadoria no estoque, soma a este saldo quanto comprou no período e retira quanto ainda tem no estoque, o saldo final representa o total do custo de mercadoria vendida. 6

7 O CMV é uma despesa e na apuração do resultado será deduzido da receita líquida de vendas. É calculado pela seguinte fórmula: CMV = ESTOQUE INICIAL + COMPRAS LÍQUIDAS ESTOQUE FINAL c) Compras líquidas: A empresa para praticar os seus atos comerciais deve primeiramente comprar as mercadorias objeto da negociação. Esta compra pode ser a vista tendo como contrapartida um saque no disponível ou a prazo criando assim uma obrigação. O valor líquido das compras deverá ser calculado a partir das compras brutas adicionando as despesas que geralmente constam da nota fiscal, (frete, seguro e impostos não recuperáveis) e diminuindo os impostos recuperáveis, os descontos obtidos, as devoluções de compras as compras canceladas. Para calcular o valor das compras líquidas deve-se aplicar a seguinte equação: Compras líquidas = compras brutas (+) frete sobre compras (+) seguro sobre compras (+) carga e descarga de mercadorias compradas (-) descontos e abatimentos obtidos na compra (-) desconto comercial obtido (-) devolução de compras (-) compras canceladas (-) impostos recuperáveis (Icms sobre compras) O valor apurado como compra líquida entrará no cálculo do CMV Custo das Mercadorias Vendidas. d) Terminologia aplicada às operações com mercadorias: Descontos Comerciais Obtidos São descontos obtidos junto ao fornecedor no ato da negociação das compras, representam uma receita para a empresa, e estará incluído na nota fiscal, também conhecido como desconto incondicional obtido. Descontos Comerciais Concedidos São os descontos que a empresa dá ao seu cliente, serão incluídos na nota fiscal e representam uma dedução da receita bruta. Também e chamado de desconto incondicional concedido. Devoluções de Compras Mercadoria que a empresa comprou e posteriormente devolveu por algum motivo específico ao seu fornecedor, normalmente será necessário efetuar um lançamento cancelando a compra. 7

8 Devoluções de Vendas Esta conta representa a parcela das vendas efetuadas pela empresa que o cliente devolveu por algum motivo. Será apresentada na DRE como dedução da receita bruta. Gastos com Transportes e seguro na compra Representa os fretes, seguros, e outros custos adicionais que são incorporados ao custo das mercadorias adquiridas, no ato das compras, e que são de responsabilidade do comprador, o frete e o seguro na venda serão considerados uma despesa operacional. Gastos com fretes e seguros na venda Representam uma despesa operacional para a empresa, não estão relacionados com a receita líquida de venda, pois são benefícios que a empresa vendedora concede aos seus clientes. Impostos e taxas sobre vendas Os impostos que incidem sobre as vendas tem uma conotação de representarem uma despesa para empresa, pois os valores estão incluídos na receita bruta, entretanto a empresa deverá repassar ao poder público. São apresentados na DRE como dedução da receita bruta, a sua contrapartida é uma obrigação no Passivo. Impostos e taxas sobre compras Os impostos que incidem sobre as compras em regra são ICMS, PIS, Cofins, IPI, e quando não cumulativos são recuperáveis, se tornando um direito, pois a empresa compradora poderá abater o valor pago na compra do valor que será recolhido aos cofres público no momento da venda. Quando o imposto não é recuperável ele é um custo para a empresa, pois estará compondo o valor da mercadoria comprada. Não existindo neste caso o direito de recuperar o imposto. 2.3 Impostos que afetam as mercadorias Além dos fatos administrativos como frete, seguro etc. que alteram os valores das mercadorias existem ainda os impostos e as contribuições que incidem sobre as mesmas. Os impostos mais comuns são: ICMS, IPI, ISS, PIS sobre faturamento e COFINS. ICMS - Imposto sobre Operações Relativas a Circulação de Mercadorias e Sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação. É um imposto de esfera estadual, considerado imposto por dentro, pois seu valor já esta embutido no preço de compra ou venda e é um imposto não cumulativo, isto é, o imposto incidente de uma operação (Compra) será compensado do imposto incidente da operação subseqüente (venda). O ICMS incide sobre a circulação de mercadorias e determinados serviços, como o de transporte, energia e telecomunicações. Sua regulamentação constitucional está prevista na Lei Complementar 87/1996 (a chamada Lei Kandir ), alterada posteriormente pelas Leis Complementares 92/97, 99/99 e 102/

9 Na compra o ICMS representa um direito da empresa (ativo) e na venda uma obrigação (passivo) junto ao governo. Deverá ser calculado mensalmente e recolhida a diferença nos primeiros dias do mês subseqüente. Ao final do exercício social serão contabilizado todos os recolhimentos e fechado saldo da conta. O ICMS é calculado mediante a aplicação de um percentual sobre o valor da mercadoria ou do serviço, podendo variar de acordo com a mercadoria e o Estado. A legislação fiscal determina que o ICMS deva ser contabilizado separadamente do valor da mercadoria, normalmente com as contas: ICMS a recolher, ICMS a recuperar, ICMS sobre vendas e ICMS sobre compras. Exemplo: Uma empresa comprou R$ ,00 em mercadorias com ICMS de R$ ,00. Posteriormente vendeu toda mercadoria comprada por R$ ,00 com ICMS de R$ ,00. a) registro da compra D estoque = D ICMS a recuperar = C Banco = b) registro da venda D caixa = D CMV = D ICMS sobre vendas = C ICMS a recolher = C estoque = C vendas de mercadorias = De acordo com o exemplo esta empresa teve como despesa com o ICMS na operação um valor de R$ ,00, contudo como havia pagado R$ ,00 no 0momento da compra somente deverá recolher aos cofres públicos a diferença de R$ ,00. Este direito é caracterizado pela não cumulatividade do imposto. ICMS Imposto por dentro; Recuperável ou não cumulativo; Na compra gera um direito Icms a recuperar; Na venda gera uma dedução de receita e uma obrigação Icms sobre vendas e Icms a recolher; Tributo de incidência estadual. IPI - Imposto Sobre Produtos Industrializados É um imposto de competência Federal exigido das empresas industriais. O seu valor não está embutido no valor de venda, devendo ser incluído no valor final da nota fiscal da operação, aumentando o valor a pagar pelo comprador, assim como o ICMS é um imposto não cumulativo para as indústrias, isto é, o imposto incidente de uma operação (Compra) será compensado com o valor do imposto incidente da operação subseqüente (venda). 9

10 Nas operações de compra de mercadoria por parte das empresas comerciais, em geral o IPI é um imposto cumulativo, ou seja, quando uma empresa compra uma mercadoria para revendê-la o IPI será considerado um custo não sendo recuperável no momento da venda. O IPI é considerado um imposto por fora, ele não está incluído no valor nominal da operação, entretanto estará apresentado na nota fiscal da negociação. Exemplo: Uma empresa comercial adquire R$ ,00 em mercadorias de uma indústria, com IPI incluso na nota fiscal de RS ,00. A mercadoria foi vendida por R$ ,00 a) registro da compra D estoque = C banco = Obs: neste caso o IPI é por fora do valor da mercadoria e não é recuperável, sendo tratado como custo da mercadoria comprada. b) registro da venda D caixa = D CMV = C estoque = C venda de mercadoria = IPI Imposto por fora; Geralmente é não recuperável ou cumulativo; Na compra é um custo, quando não recuperável; Se recuperável, na compra gera um direito IPI a recuperar; Na venda é uma dedução do faturamento que gera uma obrigação IPI sobre faturamento e IPI a recolher; Tributo de incidência federal. ISSQN - Imposto sobre serviço de qualquer natureza- popularmente ISS. É um imposto de competência Municipal, cobrado sobre prestadores de serviços, pode ter sua alíquota diferenciada de um Município para outro. Representa uma dedução do preço total da Receita de Serviços Prestados. Esse imposto é específico das empresas prestadoras de serviços; entretanto, algumas empresas comerciais, além de vender mercadorias, também pode prestar algum tipo de serviço pagando ISS sobre a receita desse serviço. A alíquota e a base de cálculo do Imposto sobre Serviços podem ser diferentes em cada cidade do país, pois dependem da legislação municipal. Entretanto a Emenda Constitucional 37/2002 determina a aplicação da alíquota mínima do ISS em de 2% (dois por cento), e a Lei Complementar 116/2003 estabelece a alíquota máxima de incidência do ISS foi em 5%, ou seja, a alíquota mínima é de 2% e a máxima é de 5%. 10

11 O ISS será apresentado na DRE como dedução das receitas brutas e terá como contrapartida uma obrigação no passivo circulante. Exemplo: Uma empresa prestou um serviço e recebeu a vista R$ ,00 com incidência de ISS de 5%. D caixa = D Imposto Sobre Serviço = C ISS a recolher = C Venda de serviço = PIS/COFINS sobre faturamento - Plano de Integração Social / Contribuição para Financiamento da Seguridade Social A base de cálculo da Contribuição para o PIS/Pasep e Cofins é o faturamento mensal, que corresponde à receita bruta, assim entendida a totalidade das receitas auferidas pela pessoa jurídica, sendo irrelevante o tipo de atividade por ela exercida e a classificação contábil adotada para as receitas. Para fins de determinação da base de cálculo, podem ser excluídos do faturamento, quando o tenham integrado, os valores: Das receitas isentas ou não alcançadas pela incidência da contribuição ou sujeitas à alíquota 0 (zero); Das vendas canceladas; Dos descontos incondicionais concedidos; Do IPI; Do ICMS, quando destacado em nota fiscal e cobrado pelo vendedor dos bens ou prestador dos serviços na condição de substituto tributário; Das reversões de provisões; Das recuperações de créditos baixados como perdas, que não representem ingresso de novas receitas; Dos resultados positivos da avaliação de investimentos pelo valor do patrimônio líquido; Dos lucros e dividendos derivados de investimentos avaliados pelo custo de aquisição, que tenham sido computados como receita; Das receitas não-operacionais, decorrentes da venda de bens do ativo permanente. Segundo a legislação especifica o PIS/COFINS pode ter um regime de incidência cumulativa (não recuperável) ou não cumulativa (recuperável), com alíquotas diferenciadas de acordo com o regime adotado. As alíquotas da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins, no regime de incidência cumulativa, ou seja, não recuperável são, respectivamente, de sessenta e cinco centésimos por cento (0,65%) e de três por cento (3%). As alíquotas da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins, com a incidência nãocumulativa, ou seja, recuperável, são, respectivamente, de um inteiro e sessenta e cinco centésimos por cento (1,65%) e de sete inteiros e seis décimos por cento (7,6%). A apuração e o pagamento da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins serão efetuados mensalmente, de forma centralizada, pelo estabelecimento matriz da pessoa jurídica. O 11

12 pagamento deverá ser efetuado até o último dia útil do 2º (segundo) decêndio subseqüente ao mês de ocorrência dos fatos geradores. No registro da apuração do PIS/COFINS sobre faturamento as contas serão apresentadas na DRE como dedução das receitas e terão como contrapartida uma obrigação no passivo circulante. Exemplo: Uma empresa faturou no mês R$ ,00 e terá que recolher como PIS/COFINS 3,65%. D Pis/Cofins sobre faturamento = C Pis/Cofins a recolher = PIS/COFINS Podem ser recuperáveis ou não; Se recuperáveis na compra geram um direito Pis/Cofins a recuperar; Se não recuperáveis serão considerados custo na compra; Na venda são deduções das receitas e geram uma obrigação Pis/cofins sobre vendas e Pis/Cofins a recolher; Tributos de incidência federal. Classificação das contas que representam tributos: Icms sobre compras = direito ativo circulante Icms a recuperar = direito ativo circulante Icms sobre vendas = dedução das receitas DRE Icms a recolher = obrigação passivo circulante Pis/Cofins sobre compras = em regra é um direito ativo circulante Pis/cofins a recuperar = é um direito ativo circulante Pis/Cofins sobre vendas = dedução das receitas DRE Pis/Cofins a recolher = obrigação passivo circulante IPI sobre compras = em regra é um custo CMV IPI a recuperar = é um direito ativo circulante IPI sobre faturamento = dedução do faturamento bruto DRE IPI a recolher = obrigação passivo circulante ISS sobre compras de serviços = custo despesas ISS sobre vendas de serviço = dedução das receitas DRE ISS a recolher = obrigação passivo circulante Icms conta corrente = pode ser tanto do ativo como do passivo, neste caso deve-se atentar para o saldo final da conta: - Icms conta corrente saldo credor = passivo circulante - Icms conta corrente saldo devedor = ativo circulante 2.4 Critérios de avaliação do estoque Uma empresa pode adquirir os mesmos tipos de mercadorias em datas diferentes, pagando por elas preços variados. Assim, para determinar o custo dessas mercadorias estocadas e das mercadorias que foram vendidas, precisamos adotar algum critério. Os critérios mais conhecidos para 12

13 avaliação de estoque são: Preço Específico, PEPS, UEPS e Preço Médio Ponderado. Na avaliação do estoque (quanto a empresa tem financeiramente no estoque), não é necessário levar em consideração o preço de venda, e sim somente quanto é que custaram as mercadorias vendidas Tipos de avaliação do estoque: a) Preço Específico Este critério é utilizado quando é possível fazer a determinação do preço específico de cada unidade em estoque pelo seu valor de compra, e neste caso pode-se dar baixa em cada venda pelo valor de custo da unidade, com isto, o valor do estoque final será a soma de todos os custos específicos de cada unidade ainda existente. Tal tipo de apropriação de custo, entretanto, somente é possível em alguns casos, onde a quantidade, ou o valor, ou a própria característica da mercadoria o permite (comércio de carros usados, imóveis). Na maioria das vezes não é possível ou economicamente conveniente a identificação do custo específico de cada unidade, principalmente no caso onde existe uma movimenta grande no estoque. Por exemplo: Uma empresa compra 4 imóveis para revender, sendo o custo unitário, de acordo com a data da compra, o seguinte: Apto 1 R$ Apto 2 R$ Apto 3 R$ Apto 4 R$ Neste caso a empresa não pode trabalhar com um valor médio e nem estipular um valor de entrada, ela deve computar o custo pelo valor específico de cada imóvel. Caso a empresa venda o apartamento 2 por R$ ,00, ela irá apurar um lucro bruto de R$ ,00. Se vender o apartamento 1 por R$ ,00 irá apurar um resultado bruto negativo de R$ ,00. O preço específico é o valor pago pela mercadoria. Ao apurar a DRE após as vendas, a empresa apresentaria, sem incidência de tributos, o seguinte resultado com mercadorias: Receita bruta de vendas = (-) Custo da mercadoria vendida = (=) Resultado com mercadorias = lucro bruto = b) PEPS Com base nesse critério, a empresa baixa do seu estoque custo da mercadoria vendida da seguinte maneira: a primeira mercadoria que entra é a primeira que sai. Assim, à medida que ocorrerem as vendas, a empresa vai dando baixa no estoque a partir das primeiras compras, o que equivaleria ao raciocínio de que vendemos primeiro as primeiras unidades compradas. Em Inglês é conhecido com FIFO. c) UEPS A Última mercadoria a entrar é a primeira a sair, este método não é aceito pela Receita Federal. O uso deste método apresenta um resultado operacional menor, pois o custo da mercadoria sempre será o valor pago pela última compra, que tende, em período inflacionário, ser maior que o valor das primeiras compras; também é conhecido como FIFO. d) Média ponderada móvel ou Custo Médio Chama-se Ponderada Móvel, pois o valor médio de cada unidade em estoque altera-se pela compra de outras unidades por um preço diferente. Assim, ele 13

14 será calculado dividindo-se o custo total do estoque pelas unidades existentes. É aceito pela Receita federal em casos específicos de fabricação nas indústrias, normalmente para uma linha de produção que não ultrapasse o exercício social. Exemplo de controle de estoque: Uma empresa apresentou as seguintes movimentações na conta estoque de mercadoria, em determinado mês: Dia 5: compra de 10 unidades por R$ 25,00 cada; Dia 10: venda de 4 unidades pelo preço de R$ 35,00 cada; Dia 15: venda de mais 5 unidades por R$ 40,00 cada; Dia 20: compra de 5 unidades por R$30,00 cada unidade; Dia 25: venda de 10 unidades por R$ 40,00 cada. A seguir será exemplificado como é feito o controle do estoque, nas fichas permanentes da empresa, pelos três métodos de controle. Utilizando o Custo Médio: Data transação Compras vendas Saldos Qde Unit Total Qde Unit Total Qde Unit Total Saldo inicial 10 20,00 200,00 5 Compra 10 25,00 250, ,50 450,00 10 Venda 4 22, ,50 360,00 15 Venda 5 22,5 112, ,50 247,50 20 Compra ,80 397,50 25 Venda 10 24, ,80 149, , , ,50 CMV = R$ 450,50 (90, , ,00) Não entra o preço de venda. Utilizando a fórmula do CVM = CMV = EI + CO EF = 200, ,00 149,50 = R$ 450,50 Vendas líquidas: 140, , ,00 = R$ 740,00 4 x 35,00 = 140,00 5 x 40,00 = 200,00 10 x 40,00 = 400,00 RCM = Vendas CMV = 740,00 450,50 = R$ 289,50 EF= R$ 149,50 Utilizando o método PEPS: Data Transação Compra Venda Saldo Qde Unit Total Qde Unit Total Qde Unit Total Saldo inicial 10 20,00 200,00 5 Compra 10 25,00 250, ,00 250, ,00 10 Venda 4 20,00 80, ,00 120, ,00 250, ,00 15 Venda 5 20,00 100, ,00 20, ,00 250,00 14

15 11-270,00 20 Compra 5 30,00 150, ,00 20, ,00 250, ,00 150, ,00 25 Venda 1 20,00 20, ,00 25, ,00 225, ,00 150, , , , , ,00 CMV = R$ 425,00 (80, , ,00) Utilizando a fórmula do CMV = CMV = EI + Compra Estoque final = 200, ,00 175,00 = R$ 425,00 Vendas líquidas: 140, , ,00 = R$ 740,00 4 x 35,00 = 140,00 5 x 40,00 = 200,00 10 x 40,00 = 400,00 RCM = Vendas Líquidas CMV = 740,00 425,00 = R$ 315,00 EF= R$ 175,00 Utilizando o método UEPS: Data Transação Compra Venda Saldo Qde Unit Total Qde Unit Total Qde Unit Total Saldo inicial 10 20,00 200,00 5 Compra 10 25,00 250, ,00 250, ,00 10 Venda 4 25,00 100, ,00 200, ,00 150, ,00 15 Venda 5 25,00 125, ,00 200, ,00 25, ,00 15

16 20 Compra 5 30,00 150, ,00 200, ,00 25, ,00 150, ,00 25 Venda 5 30,00 150, ,00 120, ,00 25, ,00 80, , , , , ,00 CMV = R$ 480,00 (150, , ,00) Utilizando a fórmula do CMV = CMV = Estoque Inicial + Compras Estoque Final = 200, ,00 120,00 = R$ 480 Vendas líquidas: 140, , ,00 = R$ 740,00 4 x 35,00 = 140,00 5 x 40,00 = 200,00 10 x 40,00 = 400,00 RCM= Vendas líquidas - CMV = 740,00 480,00 = R$ 260,00 EF= R$ 120,00 QUADRO COMPARATIVO DOS MÉTODOS MÉTODO UTILIZADO ESTOQUE INICIAL ESTOQUE FINAL CUSTO MERCADORIA RESULTADO VENDIDA MERCADORIAS CUSTO MÉDIO 200,00 149,50 450,50 289,50 UEPS 200,00 120,00 480,00 260,00 PEPS 200,00 175,00 425,00 315,00 COM Informações: a) O método aceito pela Receita Federal é o PEPS; este modelo é o que apresenta o maior resultado, quanto maior o resultado mais a Receita Federal arrecada. b) O método de custo médio, em período inflacionário, sempre será um valor intermediário entre os demais métodos; esse método também é aceito pela Receita Federal e recomendado a utilização pela auditoria. c) Quando for calculado o valor do CMV, não interessa o preço de venda e sim o preço de compra (custo de aquisição). d) Os métodos somente apresentam resultados diferentes em períodos inflacionários ou deflacionários, pois a base do cálculo é preço de compra do produto. 16

17 e) Tomando como base um período inflacionário podemos verificar que no método PEPS o lucro bruto é maior, o CMV é menor e o Estoque final é maior, em relação ao método UEPS. 17

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade. Aula: 04 Prof.: Adelino Corrêa DATA: 26/10/2008. 13. Operações com mercadoria

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade. Aula: 04 Prof.: Adelino Corrêa DATA: 26/10/2008. 13. Operações com mercadoria 13. Operações com mercadoria Na comercialização de mercadoria (principal objeto de empresa comercial) existirão os tributos; entre eles o ICMS que será estudado na compra e venda da mercadoria. Impostos

Leia mais

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1..

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1.. 1. INVENTÁRIOS 1..1 Periódico Ocorre quando os estoques existentes são avaliados na data de encerramento do balanço, através da contagem física. Optando pelo inventário periódico, a contabilização das

Leia mais

Contabilidade Empresarial e Comercial 27-08-2012 - ETEC GUARACY. Prof. Procópio 2º CONTAB Aula - 8

Contabilidade Empresarial e Comercial 27-08-2012 - ETEC GUARACY. Prof. Procópio 2º CONTAB Aula - 8 AULA 8 Sistema para Controle de Estoques o Inventário Periódico o Contabilização Fórmula do CMV/RCM Sistema para Controle de Estoques Devemos observar o método de avaliação escolhido, pois ele afetará

Leia mais

13. Operações com mercadoria

13. Operações com mercadoria MATERIAL DE APOIO - ENVIADO PELO PROFESSOR 13. Operações com mercadoria Na comercialização de mercadoria (principal objeto de empresa comercial) existirão os tributos; entre eles o ICMS que será estudado

Leia mais

CONTABILIDADE BÁSICA Aula: Operações com Mercadorias

CONTABILIDADE BÁSICA Aula: Operações com Mercadorias CONTABILIDADE BÁSICA Aula: Operações com Mercadorias Professora M. Sc. (Mestre) Crísley do Carmo Dalto Mestre em Ciências Contábeis- Contabilidade Gerencial Especialista em Contabilidade Gerencial Resultado

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA

CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA 1 CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA Prof. Carmem Haab Lutte Cavalcante 2012 2 CONTABILIDADE SOCIETARIA 2 3 1 CONTABILIDADE Conceito de contabilidade, campo de atuação, usuários, objetivos

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL I

CONTABILIDADE GERAL I CONTABILIDADE GERAL I Operações com Mercadorias Prof. Martin Airton Wissmann P r o f. M a r t i n A i r t o n W i s s m a n n Página 1 SUMÁRIO 1. CONTABILIDADE GERAL I OPERAÇÕES COM MERCADORIAS... 3 1.1

Leia mais

http://www.itcnet.com.br/materias/printable.php

http://www.itcnet.com.br/materias/printable.php Página 1 de 5 1 de Setembro, 2011 Impresso por ANDERSON JACKSON TOASSI DEVOLUÇÃO DE MERCADORIAS COMPRADAS NAS OPERAÇÕES COMERCIAIS 1 - Introdução Nas relações comerciais as operações de devolução e retorno

Leia mais

Contabilidade Básica PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E OPERAÇÕES COM MERCADORIAS. Prof. Me. Antonio Luiz Santos

Contabilidade Básica PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E OPERAÇÕES COM MERCADORIAS. Prof. Me. Antonio Luiz Santos Contabilidade Básica PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E OPERAÇÕES COM MERCADORIAS Contabilidade Básica Controle de Estoque Inventário Permanente: Nesse sistema, o custo das mercadorias vendidas é apurado no momento

Leia mais

Noções de comércio e entidades mercantis; constituição de empresas mercantis; forma jurídica, registro de empresas nos Órgãos Competentes;

Noções de comércio e entidades mercantis; constituição de empresas mercantis; forma jurídica, registro de empresas nos Órgãos Competentes; CONTABILIDADE II Conteúdo Programático Noções de comércio e entidades mercantis; constituição de empresas mercantis; forma jurídica, registro de empresas nos Órgãos Competentes; Operações Mercantis com

Leia mais

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I).

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I). Comentários à nova legislação do P IS/ Cofins Ricardo J. Ferreira w w w.editoraferreira.com.br O PIS e a Cofins talvez tenham sido os tributos que mais sofreram modificações legislativas nos últimos 5

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO Olá, pessoal! Hoje trago uma aula sobre a Demonstração do Valor Adicionado DVA, que foi recentemente tornada obrigatória para as companhias abertas pela Lei 11.638/07, que incluiu o inciso V ao art. 176

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação a conceitos, objetivos e finalidades da contabilidade, julgue os itens que se seguem. 51 Auxiliar um governo no processo de fiscalização tributária é uma das finalidades

Leia mais

Custos Industriais. Custo de aquisição. Custo de aquisição. Métodos de avaliação dos estoques

Custos Industriais. Custo de aquisição. Custo de aquisição. Métodos de avaliação dos estoques s Industriais Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 de aquisição O custo das mercadorias e materiais adquiridos deve incluir todos os gastos necessários para que a mercadoria ou material

Leia mais

Prof. Walter Dominas

Prof. Walter Dominas Unidade II CONTABILIDADE AVANÇADA Prof. Walter Dominas Consolidação das demonstrações contábeis A Consolidação das Demonstrações Contábeis é uma técnica que permite conhecer a posição financeira de um

Leia mais

Teoria e Exercícios Parte 03

Teoria e Exercícios Parte 03 PF Turmas Todas Teoria e Exercícios Parte 03 Prof. Anderson Data de impressão: 08/04/11 ELABORAÇÃO E PRODUÇÃO: UMA PARCERIA Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR/CURITIBA MATERIAL

Leia mais

AULA 9 - OPERAÇÕES COM MERCADORIAS

AULA 9 - OPERAÇÕES COM MERCADORIAS AS EMPRESAS COMERCIAIS SÃO AQUELAS CUJO OBJETO SOCIAL É A COMPRA E A REVENDA DE COM OBJETIVO DE LUCRO. O LUCRO OU PREJUÍZO OBTIDO NESSAS OPERAÇÕES É DENOMINADO RESULTADO COM. 21/11/2009 PROF. PAULO VICECONTI

Leia mais

Cada prova possuirá 20 (vinte) questões objetivas e 1 (uma) questão discursiva. A prova terá duração de 2 (duas) horas, com início às 9h.

Cada prova possuirá 20 (vinte) questões objetivas e 1 (uma) questão discursiva. A prova terá duração de 2 (duas) horas, com início às 9h. O Exame de Suficiência em Contabilidade aplicado aos alunos ingressantes nos cursos de pós graduação lato sensu da FECAP, abaixo listados, é requisito para a obtenção do certificado de conclusão de curso

Leia mais

CURSOS ON-LINE CONTABILIDADE EM EXERCÍCIOS ESAF PROFESSOR ANTONIO CÉSAR

CURSOS ON-LINE CONTABILIDADE EM EXERCÍCIOS ESAF PROFESSOR ANTONIO CÉSAR Amigos concursandos, É provável que alguns de vocês não me conheçam, pois normalmente não escrevo em sites. A pedido de meu amigo Vicente, resolvi participar deste projeto que acho muito interessante,

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE JUNDIAÍ

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE JUNDIAÍ Prof.º Alexandre Schuster Apostila - 3 8. APURAÇÃO DO RESULTADO CONTABILIDADE A cada exercício social (normalmente um ano) a empresa deve apurar o resultado dos seus negócios. Para saber se obteve lucro

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA. Profa. Divane Silva

Unidade II CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA. Profa. Divane Silva Unidade II CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Profa. Divane Silva Contabilidade tributária A disciplina está dividida em 02 Unidades: Unidade I 1. Introdução 2. Impostos Incidentes sobre o Valor Agregado 3. Impostos

Leia mais

Devolução de mercadoria vendida - Contabilização - Roteiro de Procedimentos

Devolução de mercadoria vendida - Contabilização - Roteiro de Procedimentos Devolução de mercadoria vendida - Contabilização - Roteiro de Procedimentos Neste Roteiro trataremos sobre a contabilização das mercadorias recebidas em devolução. O texto encontra-se atualizado à Resolução

Leia mais

Comentários da prova SEFAZ-PI Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova SEFAZ-PI Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Olá amigos, Comentários da prova SEFAZ-PI ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE GERAL - SEFAZ-PI Trago para vocês os comentários da prova da SEFAZ-PI realizado no último

Leia mais

Unidade III CONTABILIDADE COMERCIAL. Profa. Divane Silva

Unidade III CONTABILIDADE COMERCIAL. Profa. Divane Silva Unidade III CONTABILIDADE COMERCIAL Profa. Divane Silva A disciplina está dividida em 04 Unidades: Unidade I 1. Operações com Mercadorias 2. Resultado Bruto com Mercadorias (RCM) 3. Custo das Mercadorias

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas Realização: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE CURSO: BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Leia mais

CAPÍTULO 5 DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS - DLPA LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS

CAPÍTULO 5 DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS - DLPA LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO CAPÍTULOS 5,6,7 e 8 CAPÍTULO 5 DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS - DLPA LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS DESTINAÇÕES 1. Ajustes (-) Exerc. Anteriores 2. Transf. P/

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro Unidade II CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Objetivo Conhecer a estrutura do balanço patrimonial: ativo; passivo. Conhecer a estrutura do DRE. Conhecer a estrutura do DFC: direto; indireto. Balanço patrimonial

Leia mais

QUESTÕES POTENCIAIS DE PROVA TROPA DE ELITE CURSO AEP PROF. ALEXANDRE AMÉRICO

QUESTÕES POTENCIAIS DE PROVA TROPA DE ELITE CURSO AEP PROF. ALEXANDRE AMÉRICO QUESTÕES POTENCIAIS DE PROVA TROPA DE ELITE CURSO AEP PROF. ALEXANDRE AMÉRICO Considere que o sistema contábil da empresa comercial Zeta S.A. tenha se extraviado logo no primeiro exercício de constituição

Leia mais

Palestra. Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) e Demonstração do Valor Adicionado (DVA) - Novas Normas Contábeis. Março 2012.

Palestra. Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) e Demonstração do Valor Adicionado (DVA) - Novas Normas Contábeis. Março 2012. Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

DEVOLUÇÃO DE VENDAS DOS PERÍODOS ATUAL E ANTERIOR

DEVOLUÇÃO DE VENDAS DOS PERÍODOS ATUAL E ANTERIOR DEVOLUÇÃO DE VENDAS - DOS PERÍODOS ATUAL E ANTERIOR 745 DEVOLUÇÃO DE VENDAS DOS PERÍODOS ATUAL E ANTERIOR 1 - DEFINIÇÕES: (*) por Silvério das Neves 1.1 - RECEITA BRUTA A receita bruta das vendas e serviços

Leia mais

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de comunicação - ICMS BASE CONSTITUCIONAL E LEGAL Artigo 155,

Leia mais

A CUMULATIVIDADE E A NÃO CUMULATIVIDADE DO PIS E DA COFINS

A CUMULATIVIDADE E A NÃO CUMULATIVIDADE DO PIS E DA COFINS A CUMULATIVIDADE E A NÃO CUMULATIVIDADE DO PIS E DA COFINS Por:, Pós-Graduando em Planejamento Contábil e Tributário, PUC- Minas em Poços de Caldas. lesovia@yahoo.com.br Gestão e Conhecimento, v. 3, n.

Leia mais

6/8/2012. Contabilidade Intermediária. Aula 1 Apuração do Resultado do Exercício. Objetivos. Objetivos. Profa. Ma. Simone Maria Menezes Dias

6/8/2012. Contabilidade Intermediária. Aula 1 Apuração do Resultado do Exercício. Objetivos. Objetivos. Profa. Ma. Simone Maria Menezes Dias Contabilidade Intermediária Aula 1 Apuração do Resultado do Exercício Profa. Ma. Simone Maria Menezes Dias Objetivos Entender a sistemática do Balancete de Verificação. Utilizar o Balancete de Verificação

Leia mais

Palestra. Créditos Fiscais (ICMS/ IPI/ PIS e COFINS) Julho 2012. Elaborado por: Katia de Angelo Terriaga

Palestra. Créditos Fiscais (ICMS/ IPI/ PIS e COFINS) Julho 2012. Elaborado por: Katia de Angelo Terriaga Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos PIS COFINS Regime de Caixa Vendas Inadimplidas

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos PIS COFINS Regime de Caixa Vendas Inadimplidas PIS COFINS Regime de Caixa Vendas Inadimplidas 12/11/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 5 4. Conclusão... 7 5. Referências...

Leia mais

Naquele artigo, de maneira elucidativa, como de costume, o Vale ministrou que:

Naquele artigo, de maneira elucidativa, como de costume, o Vale ministrou que: Olá, meus amigos. Como estão? Sejam bem-vindos ao Estratégia Concursos. Hoje, aproveitaremos o gancho do artigo postado pelo mestre Ricardo Vale (link a seguir), e falaremos sobre a incidência do IPI sobre

Leia mais

Contabilidade Parte II

Contabilidade Parte II Contabilidade Parte II Módulo I - Operações com mercadorias, preço e lucro adaptado por Sylvia Culhari Lucro pelo inventário periódico Apurar o lucro utilizando-se do inventário periódico, ou seja: Sendo:

Leia mais

ALERTA GERENCIAL. INSS - Desoneração da folha de pagamento - Base de cálculo da contribuição previdenciária sobre a receita bruta - Definição

ALERTA GERENCIAL. INSS - Desoneração da folha de pagamento - Base de cálculo da contribuição previdenciária sobre a receita bruta - Definição Edição nº 70 Gestão 2011-2014 29 de novembro de 2012. ALERTA GERENCIAL INSS - Desoneração da folha de pagamento - Base de cálculo da contribuição previdenciária sobre a receita bruta - Definição A Receita

Leia mais

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, LEI Nº 9.718, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1998. Altera a Legislação Tributária Federal. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º Esta Lei aplica-se

Leia mais

PLANO DE CONTAS ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO

PLANO DE CONTAS ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO PLANO DE CONTAS O plano de Contas normalmente é composto de cinco grupos. ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

Sumário. CAPÍTULO 1 Contabilidade para Empresas Comerciais 1. CAPÍTULO 2 Estoques 81

Sumário. CAPÍTULO 1 Contabilidade para Empresas Comerciais 1. CAPÍTULO 2 Estoques 81 Sumário CAPÍTULO 1 Contabilidade para Empresas Comerciais 1 Natureza das Empresas Comerciais 2 Demonstrações Financeiras de uma Empresa Comercial 4 Demonstração Analítica do Resultado do Exercício 4 Demonstração

Leia mais

Operações com Mercadorias Sem Impostos

Operações com Mercadorias Sem Impostos Contabilidade Empresarial Operações com Mercadorias Sem Impostos Profa. Vanda Aparecida Oliveira Dalfior Vanda.oliveira@pitagoras.com.br Curso de Ciências Contábeis - 2º. Período (2º. Semestre/2012) Operações

Leia mais

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente,

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente, Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Exercícios de Contabilidade Professora Niuza Adriane da Silva 1º A empresa XYZ adquire mercadorias para revenda, com promessa de pagamento em 3 parcelas iguais, sendo

Leia mais

Contabilidade Financeira

Contabilidade Financeira Contabilidade Financeira 1 Carlos Antônio Maciel Meneses 01 Uma sociedade empresária adquiriu mercadorias para revenda por R$ 5.000,00, estando incluso neste valor ICMS de R$ 1.000,00. No mesmo período,

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p. Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa):

Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p. Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa): Pesquisa Industrial Anual Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa): Aluguéis e arrendamentos Despesas com

Leia mais

CONTABILIDADE NA PRÁTICA, RÁPIDA E FÁCIL

CONTABILIDADE NA PRÁTICA, RÁPIDA E FÁCIL 1 CONTABILIDADE NA PRÁTICA, RÁPIDA E FÁCIL 2 SUMÁRIO CONTABILIDADE, INFORMAÇÃO CONTÁBIL...3 PATRIMÔNIO...3 METODOS DAS PARTIDAS DOBRADAS...7 BALANÇO PATRIMONIAL...7 FÓRUMULAS DE LANÇAMENTOS...7 RETIFICAÇÃO

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS/GERENCIAL PARA CONTÁBEIS/ADMINISTRAÇÃO REVISÃO: CUSTO DE MERCADORIAS E PRODUTOS VENDIDOS.

CONTABILIDADE DE CUSTOS/GERENCIAL PARA CONTÁBEIS/ADMINISTRAÇÃO REVISÃO: CUSTO DE MERCADORIAS E PRODUTOS VENDIDOS. CONTABILIDADE DE CUSTOS/GERENCIAL PARA CONTÁBEIS/ADMINISTRAÇÃO REVISÃO: CUSTO DE MERCADORIAS E PRODUTOS VENDIDOS. AVALIAÇÃO DE ESTOQUES Matérias-Primas e Mercadorias 1. CUSTO DE AQUISIÇÃO DE MERCADORIAS

Leia mais

No prazo de 11 (onze) meses, no caso de aquisições ocorridas em agosto de 2011;

No prazo de 11 (onze) meses, no caso de aquisições ocorridas em agosto de 2011; Créditos sobre ativo imobilizado novas regras: A MP 540 artigo 4, de 2 de agosto de 2011 introduz novas regras para a tomada de crédito sobre itens do ativo imobilizado, conforme destacamos a seguir: O

Leia mais

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal após a Lei 11638/07 Quando informado o registro: as instituições sujeitas

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos ICMS na Base de Cálculo do PIS e da COFINS nos Registros F500 e 1900 da EFD Contribuições

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos ICMS na Base de Cálculo do PIS e da COFINS nos Registros F500 e 1900 da EFD Contribuições ICMS na Base de Cálculo do PIS e da COFINS nos Registros F500 e 1900 da EFD Contribuições 08/08/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

CONTABILIZAÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES NÃO-CUMULATIVAS AO PIS E COFINS

CONTABILIZAÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES NÃO-CUMULATIVAS AO PIS E COFINS 513 CONTABILIZAÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES NÃO-CUMULATIVAS AO PIS E COFINS (*) por Silvério das Neves 1 - INTRODUÇÃO - DISCUSSÃO TRIBUTÁRIA: 1.1 - CRÉDITOS DAS CONTRIBUIÇÕES NÃO-CUMULATIVAS AO PIS E A COFINS

Leia mais

Princípios Fundamentais Contabilidade

Princípios Fundamentais Contabilidade Princípios Fundamentais Contabilidade 1 Princípios Contábeis. Resolução CFC 750 de 29 de dezembro de 1993. Art. 3 São Princípios de Contabilidade:(2) I o da ENTIDADE; II o da CONTINUIDADE; III o da OPORTUNIDADE;

Leia mais

ÁREA DE CONHECIMENTOS CONTÁBEIS

ÁREA DE CONHECIMENTOS CONTÁBEIS ÁREA DE CONHECIMENTOS CONTÁBEIS 1. O Patrimônio Líquido divide-se em: a) Investimentos, Reservas de Capital, Reservas de Lucros e Lucros ou Prejuízos Acumulados. b) Capital Social, Reservas de Capital,

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE COMERCIAL. Profa. Divane Silva

Unidade II CONTABILIDADE COMERCIAL. Profa. Divane Silva Unidade II CONTABILIDADE COMERCIAL Profa. Divane Silva A disciplina está dividida em 04 Unidades: Unidade I 1. Operações com Mercadorias 2. Resultado Bruto com Mercadorias (RCM) 3. Custo das Mercadorias

Leia mais

RESULTADO COM MERCADORIAS!!!

RESULTADO COM MERCADORIAS!!! RESULTADO COM MERCADORIAS!!! Aula 26/10/2009 RCM Já aprendemos como é contabilizada a venda de uma mercadoria! Os valores das vendas e dos custos foram informados, mas no dia a dia, na maioria das vezes

Leia mais

Contas. Osni Moura Ribeiro ; Contabilidade Fundamental 1, Editora Saraiva- ISBN 9788502065901

Contas. Osni Moura Ribeiro ; Contabilidade Fundamental 1, Editora Saraiva- ISBN 9788502065901 Contas 2.1. Conceito Na sua linguagem cotidiana, o que representa a palavra conta? Você poderá responder: Uma operação aritmética de soma, subtração, multiplicação ou divisão; A conta de água e esgoto,

Leia mais

De acordo com a NBC TG16(R1), estoques, seu item número 9 define como os estoques devem ser mensurados, assim transcrito abaixo:

De acordo com a NBC TG16(R1), estoques, seu item número 9 define como os estoques devem ser mensurados, assim transcrito abaixo: PROVA BACHAREL PRIMEIRO EXAME DE SUFICIÊNCIA 2014. TESE PARA RECURSOS Questão 1 De acordo com a NBC TG16(R1), estoques, seu item número 9 define como os estoques devem ser mensurados, assim transcrito

Leia mais

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_...

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... Página 1 de 14 CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Considerações ROTEIRO 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

Leia mais

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO Aos Srs. Acionistas Investco S.A. Anexo I - Comentários dos Diretores da Companhia Contas dos Administradores referentes ao exercício social encerrado em 31.12.2012.

Leia mais

Unidade IV CONTABILIDADE COMERCIAL. Profa. Divane Silva

Unidade IV CONTABILIDADE COMERCIAL. Profa. Divane Silva Unidade IV CONTABILIDADE COMERCIAL Profa. Divane Silva A disciplina está dividida em 04 Unidades: Unidade I 1. Operações com Mercadorias 2. Resultado Bruto com Mercadorias (RCM) 3. Custo das Mercadorias

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS página 1 07. Onde é classificado o Subgrupo Estoques no plano de contas? 01. São acontecimentos que ocorrem na empresa e que não provocam alterações no Patrimônio: A) Atos Administrativos

Leia mais

Contabilidade Comercial

Contabilidade Comercial Contabilidade Comercial Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Revisora: Divane A. Silva Sumário Contabilidade Comercial Unidade I 1 OPERAÇÕES COM MERCADORIAS...1 2 RESULTADO BRUTO COM MERCADORIAS

Leia mais

Vamos à prova: Analista Administrativo ANEEL 2006 ESAF

Vamos à prova: Analista Administrativo ANEEL 2006 ESAF Pessoal, hoje trago a prova que a ESAF realizou recentemente para o concurso de Analista da ANEEL. A prova é interessante, pois houve várias questões mal formuladas, mas que não foram anuladas pela Banca.

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS. Avaliação de Estoques

CONTABILIDADE DE CUSTOS. Avaliação de Estoques CONTABILIDADE DE CUSTOS Avaliação de Estoques IMPORTÂNCIA DO ESTUDO Importância do estudo dos critérios de avaliação dos estoques se justifica: a aquisição de um mesmo material em datas diferentes, com

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA Sumário 1. Considerações Iniciais 2. Estrutura da Demonstração do Valor Adicionado 2.1 - Grupo de Receita Bruta - Outras Receitas 2.2 - Grupo de Insumos Adquiridos

Leia mais

11 A redução nas taxas de juros que afetem o retorno necessário. 12 O cálculo do valor em uso de uma unidade geradora de caixa

11 A redução nas taxas de juros que afetem o retorno necessário. 12 O cálculo do valor em uso de uma unidade geradora de caixa De acordo com o comando a que cada um dos itens a seguir se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com o

Leia mais

OPERAÇÕES COM ERCADORIAS

OPERAÇÕES COM ERCADORIAS OPERAÇÕES COM MERCADORIAS OPERAÇÕES COM ERCADORIAS APURAÇÃO DE CUSTO DA MERCADORIA VENDIDA (CMV) As organizações são constituídas com intuito de oferecer bens e/ou serviços ao mercado. Disso, portanto,

Leia mais

Sistema Público de Escrituração Digital

Sistema Público de Escrituração Digital INTRODUÇÃO PIS/PASEP E COFINS SISTEMÁTICA DA NÃO-CUMULATIVIDADE AS DIFICULDADES Não é um regime pleno de não-cumulatividade, como o IPI e o ICMS. O legislador preferiu listar as operações geradoras de

Leia mais

Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis

Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis Autoria: Clóvis Luís Padoveze Resumo As demonstrações publicadas de acordo com o formato aprovado pelos órgãos regulatórios, tanto

Leia mais

APURAÇÃO DO RESULTADO (1)

APURAÇÃO DO RESULTADO (1) APURAÇÃO DO RESULTADO (1) Isnard Martins - UNESA Rodrigo de Souza Freitas http://www.juliobattisti.com.br/tutoriais/rodrigosfreitas/conhecendocontabilidade012.asp 1 Apuração do Resultado A maioria das

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cespe Cebraspe FUB2015 Aplicação: 2015 Julgue os itens a seguir, com relação aos fatos descritos e seus efeitos nas demonstrações contábeis, elaboradas conforme a Lei n.º 6.404/1976

Leia mais

Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura

Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura 1 de 9 Olá queridos alunos, Hoje faremos alguns comentários acerca da prova para o cargo de Auditor Fiscal Tributário Municipal da

Leia mais

Contabilidade Tributária: Uma Aplicabilidade do ICMS no Transporte Rodoviário no Estado de São Paulo

Contabilidade Tributária: Uma Aplicabilidade do ICMS no Transporte Rodoviário no Estado de São Paulo 1 Contabilidade Tributária: Uma Aplicabilidade do ICMS no Transporte Rodoviário no Estado de São Paulo Fernanda Rodrigues Pereira Serise Gomes dos Santos Palavras-Chave: Imposto, circulação, mercadorias,

Leia mais

Contabilidade Decifrada. Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo

Contabilidade Decifrada. Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo Contabilidade Decifrada Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo Demonstrações Contábeis - balanço patrimonial; - demonstração do resultado do exercício; e, - demonstração de lucros ou prejuízos acumulados.

Leia mais

Sumário. Capítulo 1. Conceitos Básicos...1. Cap00.indd 17 15/02/2016 10:18:53

Sumário. Capítulo 1. Conceitos Básicos...1. Cap00.indd 17 15/02/2016 10:18:53 Sumário Capítulo 1 Conceitos Básicos...1 1. Contabilidade...1 1.1. Conceitos...1 1.2. Campo de Aplicação...2 1.3. Funções da Contabilidade...2 1.4. Usuários da Informação Contábil...3 1.5. Técnicas Contábeis

Leia mais

RECEITAS E SUBVENÇÕES

RECEITAS E SUBVENÇÕES III CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO ATUAL IBDT/AJUFE/FDUSP-DEF RECEITAS E SUBVENÇÕES CONCEITOS ANTES E DEPOIS DA LEI 12973 RICARDO MARIZ DE OLIVEIRA RECEITAS E INGRESSOS NEM TODO INGRESSO É

Leia mais

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos 5 Plano Financeiro Investimento total Nessa etapa, você irá determinar o total de recursos a ser investido para que a empresa comece a funcionar. O investimento total é formado pelos: investimentos fixos;

Leia mais

SPED - Sistema Público de Escrituração Digital

SPED - Sistema Público de Escrituração Digital SPED - Sistema Público de Escrituração Digital SPED - Sistema Público de Escrituração Digital? 2 SPED - Sistema Público de Escrituração Digital Projeto do PAC 2007-2010 Instituído pelo Convênio ICMS 143/06.

Leia mais

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR Classifique as contas que geralmente caem em concursos e, muitas vezes, geram dúvidas. Banco c/ Movimento Banco conta Empréstimo Empréstimos a Diretores ou Acionistas Numerários em Trânsito Adiantamento

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Em cada um dos próximos itens, é apresentada uma situação hipotética, seguida de uma assertiva a ser julgada acerca de escrituração e análise e conciliações contábeis. 51 Um cliente liquidou antecipadamente

Leia mais

DICIONÁRIO DE TRIBUTOS

DICIONÁRIO DE TRIBUTOS DICIONÁRIO DE TRIBUTOS CGC/MF - Cadastro Geral de Contribuintes do Ministério da Fazenda. Substituído pelo CNPJ (Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica), da Receita Federal, identifica cada pessoa jurídica

Leia mais

Básico Fiscal. Contabilidade Avançada. Módulo 1. 20 Exercícios de Apoio. Prof. Cláudio Cardoso

Básico Fiscal. Contabilidade Avançada. Módulo 1. 20 Exercícios de Apoio. Prof. Cláudio Cardoso Básico Fiscal Contabilidade Avançada Módulo 1 20 Exercícios de Apoio Prof. Cláudio Cardoso 1. (Analista CVM/2003 FCC Adaptada) A Cia. Omega comprou, à vista, ações representativas de 20% do capital votante

Leia mais

T D P. Escrita Contábil ALUNO PROFESSOR TURMA

T D P. Escrita Contábil ALUNO PROFESSOR TURMA T D P Escrita Contábil ALUNO TURMA PROFESSOR 1 1) Com base no dia-a-dia da empresa abaixo, responda as questões que seguem: Rômulo e Arnaldo são sócios da empresa TUDO ERRADO LTDA. A loja exerce suas atividades

Leia mais

DECRETO Nº 4.524, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2002

DECRETO Nº 4.524, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2002 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação DECRETO Nº 4.524, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2002 Regulamenta a Contribuição para o PIS/Pasep e a Cofins devidas pelas pessoas jurídicas em geral. O PRESIDENTE

Leia mais

Obrigações. Fornecedores 45.000. Salários a pagar 75.000. Impostos a recolher 20.000. Patrimônio Líquido. Capital Social 100.000. Reservas 30.

Obrigações. Fornecedores 45.000. Salários a pagar 75.000. Impostos a recolher 20.000. Patrimônio Líquido. Capital Social 100.000. Reservas 30. Você acessou como Administrador Usuário (Sair) Info Resultados Visualização prévia Modificar Visualização prévia de Contabilidade Geral Iniciar novamente 1 Considerando: I- A contabilidade estuda e controla

Leia mais

A seguir, a correção da prova de Contador da Prefeitura de Niterói. Não vislumbramos possibilidade de recursos.

A seguir, a correção da prova de Contador da Prefeitura de Niterói. Não vislumbramos possibilidade de recursos. Olá, meus amigos! A seguir, a correção da prova de Contador da Prefeitura de Niterói. Não vislumbramos possibilidade de recursos. Forte abraço. Gabriel Rabelo/Luciano Rosa. Sigam nossas redes sociais!

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Texto para as questões de 31 a 35 conta saldo despesa de salários 10 COFINS a recolher 20 despesas de manutenção e conservação 20 despesa de depreciação 20 PIS a recolher 30 despesas

Leia mais

AULA 3: OPERAÇÕES COM MERCADORIAS II

AULA 3: OPERAÇÕES COM MERCADORIAS II AULA 3: OPERAÇÕES COM MERCADORIAS II Pessoal, complementando a Aula 2, vamos tratar, agora, das Operações com Mercadorias relativamente às operações de Vendas e Apuração do Resultado dessas Vendas, o chamado

Leia mais

Contabilidade Geral e Pública MPOG/2010

Contabilidade Geral e Pública MPOG/2010 Elias Cruz Toque de Mestre www.editoraferreira.com.br Curso de Contabilidade Básica com Prof Elias Cruz: maio/2010 (Manaus/AM); julho/2010 (Natal/RN);... Aguardem!!! Prova de (Prova elaborada pela ESAF

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Nas questões de 31 a 60, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a folha de respostas, único documento válido para a correção das

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO O artigo 187 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (Lei das Sociedades por Ações), instituiu a Demonstração do Resultado do Exercício. A Demonstração do Resultado

Leia mais

Cartilha Básica Sobre Tributação e Aplicação em Drogarias

Cartilha Básica Sobre Tributação e Aplicação em Drogarias BIG AUTOMAÇÃO Cartilha Básica Sobre Tributação e Aplicação em Drogarias Sumário Índice de Figuras... 3 Histórico de Revisões... 4 Introdução... 5 Imposto... 5 Taxa... 5 Contribuição... 5 Tributos... 5

Leia mais

Intercâmbio Nova Sistemática de Contabilização

Intercâmbio Nova Sistemática de Contabilização Nova Sistemática de Contabilização Impactos financeiros, contábeis, operacionais e fiscais Lycia Braz Moreira (lycia@fblaw.com.br) Assessoria Jurídica Unimed Federação Rio Definição O que é Intercâmbio?

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

FLUXO DE CAIXA: UMA ABORDAGEM GERENCIAL

FLUXO DE CAIXA: UMA ABORDAGEM GERENCIAL FLUXO DE CAIXA: UMA ABORDAGEM GERENCIAL Renato Lopes da Silva (G UEM) Cristiani Passolongo Noveli (UEM) RESUMO O caixa da empresa é formado por seus ativos circulantes montantes depositados em contas bancárias

Leia mais

Contabilidade Decifrada

Contabilidade Decifrada Contabilidade Decifrada Depreciação / Amortização / Exaustão Luiz Eduardo Santos Depreciação / Amortização / Exaustão Roteiro Geral Depreciação Conceito Definições necessárias ao cálculo da depreciação

Leia mais

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN 2016.1 CONTABEIS - Campus Mossoró) 3ª série

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN 2016.1 CONTABEIS - Campus Mossoró) 3ª série ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN 2016.1 CONTABEIS - Campus Mossoró) 3ª série CONTABILIDADE INTRODUTORIA II DIREITO TRIBUTARIO LEGISLAÇÃO SOCIAL E TRABALHISTA ORÇAMENTO PUBLICO TEORIA DA CONTABILIDADE CONTEÚDO

Leia mais

Contabilidade Financeira e Gerencial. Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial

Contabilidade Financeira e Gerencial. Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial Contabilidade Financeira e Gerencial Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial Demonstração de Resultados A DRE é a apresentação, em forma resumida, das operações realizadas pela empresa,

Leia mais