Professor conteudista: Hildebrando Oliveira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Professor conteudista: Hildebrando Oliveira"

Transcrição

1 Contabilidade

2 Professor conteudista: Hildebrando Oliveira

3 Sumário CONTABILIDADE Unidade I 1 CONCEITO DE CONTABILIDADE OBJETO DA CONTABILIDADE O BALANÇO PATRIMONIAL A CONTA...4 O RESULTADO CONTABILIZAÇÃO OU FATOS QUE OCORREM NUMA ENTIDADE OS LIVROS CONTÁBEIS OUTROS LIVROS CONTÁBEIS ESCRITURAÇÃO DAS OPERAÇÕES Processos de escrituração Elementos que formam os lançamentos de registro nos livros contábeis Partidas dobradas Fórmulas de lançamentos contábeis Procedimentos para o lançamento do Diário de operações que envolvem contas de Ativo, Passivo e Patrimônio Líquido Procedimentos para o lançamento no livro Razão de operações que envolvem contas de Ativo, Passivo e Patrimônio Líquido Procedimentos para o lançamento do Diário de operações que envolvem contas de Ativo, Passivo, Patrimônio Líquido, Receitas e Despesas Exemplo de registro no Diário e no Razão de operação que contém contas de Ativo, Passivo, Patrimônio Líquido, receita e despesa...17 Unidade II BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Ativo Ativo circulante Ativo não circulante Passivo Passivo circulante Passivo não circulante Patrimônio líquido Capital social Reservas de capital Ajustes de avaliação patrimonial Reservas de lucros Prejuízos acumulados Ações em tesouraria...33

4 11 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE) Introdução Conceito O dispositivo legal da DRE Contas da DRE DEMONSTRAÇÃO DE ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS (DOAR) Introdução Cálculo da variação do capital circulante líquido Regras para elaboração da DOAR Origens e aplicações de recursos O lucro do exercício Outras origens de recursos Venda dos itens do Ativo imobilizado Aplicações Estrutura da DOAR DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) CONCEITO ESTRUTURA DA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA As atividades operacionais Atividades de investimentos Atividades de financiamentos TRANSAÇÕES QUE NÃO AFETAM O CAIXA MÉTODOS DE ELABORAÇÃO DA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) Método direto Ajustes de atividades operacionais Método indireto...63 Unidade III 18 RESOLUÇÃO DE UM EXERCÍCIO COMPLETO...6 Unidade IV 19 ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Introdução Ajustes das demonstrações financeiras para análises Utilização do exemplo Análise vertical Balanço patrimonial Demonstração do resultado do exercício Análise horizontal Balanço patrimonial Demonstração do resultado do exercício Análise através de índices Índices de endividamento ou de estrutura de capitais Índices de liquidez Índices de atividade (ciclo financeiro) Índices de rentabilidade...93

5 CONTABILIDADE Unidade I 1 CONCEITO DE CONTABILIDADE A contabilidade é a ciência que estuda e pratica as funções de orientação, controle e registro relativas à administração econômica (Congresso Brasileiro de Contabilidade, RJ, 1924). 1 2 A contabilidade, na sua condição de ciência social, cujo objeto é o patrimônio, busca, por meio da apreensão, da quantificação, da classificação, do registro, da eventual sumarização, da análise e relato das mutações sofridas pelo patrimônio da entidade particularizada, a geração de informações quantitativas e qualitativas sobre ela, expressas tanto em termos físicos quanto monetários (NBC T-1, aprovada pela Resolução CFC nº 78, de julho de 199). Para entendermos os conceitos aqui mencionados, vamos dividi-los em três funções distintas exercidas pela contabilidade: orientação: compreende a elaboração de relatórios contábeis (Balanço Patrimonial e Demonstração do resultado do Exercício, por exemplo), por meio dos quais é comunicada a situação econômica e financeira da entidade. Podemos dizer que aí temos a essência da contabilidade, pois seu objetivo é o fornecimento de informações úteis; controle: constitui-se de processos pelos quais a administração é informada de que a entidade está agindo de acordo com os planos e as políticas anteriormente estabelecidos; 1

6 Unidade I registro: para que possa existir controle e a orientação, é necessário que os fatos econômicos e financeiros que ocorrem numa entidade sejam registrados. Compreende o registro, a análise e a classificação dos fatos, bem como a escrituração e o arquivo dos documentos gerados pelos fatos. 2 OBJETO DA CONTABILIDADE Para identificarmos o objeto da contabilidade, é necessário responder a uma questão: controlar e registrar o quê? A resposta é: o patrimônio das entidades, sejam elas pessoas físicas ou jurídicas, com ou sem fins lucrativos. O patrimônio deve ser entendido como o conjunto de bens, direitos e obrigações de uma entidade, ou seja, o conjunto de meios necessários à existência e à realização de suas finalidades. 1 Devemos entender como bem tudo o que possa ser avaliado em dinheiro, que tenha alguma utilidade e satisfaça uma necessidade. A classificação mais importante dos bens para a contabilidade é com relação a sua natureza. Neste caso, os bens podem ser de dois tipos: bens materiais, corpóreos ou tangíveis: são aqueles que têm existência física, como, por exemplo, máquinas, dinheiro, caminhões; 2 bens imateriais, incorpóreos, intangíveis: são abstratos, não têm existência física, como, por exemplo, marcas, patentes, ponto comercial. Como direitos, devemos entender os valores que a empresa tem a receber de terceiros, representados, por 2

7 CONTABILIDADE exemplo, pelas duplicatas emitidas pela empresa contra seus clientes, por venda de mercadorias a prazo ou pela prestação de um serviço, também a prazo. As aplicações financeiras feitas pela empresa em Certificado de Depósito Bancário (CDB) também são classificadas como direitos. Devemos entender como obrigação os valores que a empresa tem a pagar em função de dívidas ou compromissos assumidos para com terceiros. Os terceiros aqui mencionados podem se dividir em dois grupos, a saber: terceiros em geral: que são formados pelos fornecedores, bancos, funcionários, governos; 1 2 terceiros em especial: que são formados pelos proprietários, donos da empresa. Esses proprietários, se a empresa for organizada juridicamente sob a forma de uma sociedade anônima, o seu capital social, que representa o investimento feito pelos proprietários, será dividido em ações, e os proprietários dessas ações são denominados de acionistas. Por outro lado, se a empresa for organizada juridicamente sob a forma de uma sociedade por cotas de responsabilidade limitada, seu capital social será dividido em cotas e os proprietários dessas cotas são denominados de cotistas. As obrigações para com terceiros em especial são organizadas no Patrimônio líquido. 3 O BALANÇO PATRIMONIAL Em resumo, os componentes patrimoniais são apresentados em um demonstrativo contábil denominado Balanço Patrimonial, que, de forma simplificada, podemos assim representar: 3

8 Unidade I Balanço Patrimonial Bens + Direitos Obrigações Ou Balanço Patrimonial Ativo Passivo Patrimônio líquido 4 A CONTA Os bens, os direitos e as obrigações, que representam o patrimônio de uma entidade, não aparecem no Balanço Patrimonial na forma sob a qual eles se apresentam. Esses componentes patrimoniais são traduzidos em um nome técnico, denominado conta. A conta, portanto, apresenta, no balanço patrimonial, os componentes que formam o Ativo, o Passivo e o Patrimônio Líquido. Assim, temos: Bens/Direitos/Obrigações Conta representativa Classificação Dinheiro que a empresa Caixa Ativo possui Investimento feito pelos Capital social Patrimônio líquido proprietários da empresa Automóveis, caminhões, Veículos Ativo motos Mesas, cadeiras, Móveis e utensílios Ativo computadores Valores provenientes de Duplicatas a receber Ativo vendas a prazo Valores provenientes de Duplicatas a pagar Passivo compras a prazo Salários devidos aos Salários a pagar Passivo funcionários Resultado positivo das operações comerciais Lucros acumulados Patrimônio líquido 4

9 CONTABILIDADE Assim sendo, como cada conta possui um valor correspondente ao bem, direito ou obrigação que ela representa, o balanço patrimonial passa a ter a seguinte apresentação: Balanço Patrimonial Ativo Caixa 0 Duplicatas a receber 300 Passivo Fornecedores Salários a pagar 10 Impostos a pagar 0 00 Imóveis 400 Patrimônio líquido Capital social 300 Lucros acumulados 0 Veículos 0 Total 900 Total 900 Observando o balanço patrimonial apresentado, verificamos o seguinte: o total do Ativo é igual ao total do Passivo mais o patrimônio líquido; o total dos bens e direitos é igual ao total das obrigações para com terceiros em geral (Passivo), mais o total das obrigações para com terceiros em especial (patrimônio líquido). 1 Por estes motivos, temos que o total dos bens e direitos por um lado, e as obrigações em geral, por outro, devem atender a chamada equação patrimonial: Ativo = Passivo + Patrimônio líquido Ou Bens + Direitos = Obrigações para com terceiros em geral + Obrigações para com terceiros especiais

10 Unidade I Esta equação nos leva a algumas situações: 1ª Situação líquida positiva: acontece quando o conjunto de bens e direitos (Ativo) é maior que o conjunto das obrigações (Passivo). Temos então, por consequência, o patrimônio líquido maior que zero. 2ª Situação líquida negativa: acontece quando o conjunto das obrigações (Passivo) é maior que o conjunto de bens e direitos (Ativo). Temos então, por consequência, um patrimônio líquido menor que zero. 1 3ª Situação líquida nula: acontece quando o conjunto de bens e direitos (Ativo) é igual ao conjunto das obrigações para com terceiros em geral (Passivo), ou seja, Ativo = Passivo, e, por conseqüência da equação fundamental do patrimônio, o patrimônio líquido é igual a zero. Significa que o que a empresa possui, ela deve. Este tipo de situação é difícil de acontecer na prática contábil. O RESULTADO Conforme já vimos, uma das funções da contabilidade é relatar as mutações sofridas pelo patrimônio da entidade. Esta mutação é representada pelo resultado que uma entidade obteve em um determinado período. Este resultado é obtido pela diferença entre receitas e despesas do período. 2 O resultado positivo acontece quando as receitas do período são maiores que as despesas; neste caso, o resultado é denominado de lucro. O resultado negativo acontece quando as despesas de um período são maiores que as receitas; neste caso, o resultado é denominado de prejuízo. Devemos entender como receita o aumento do Ativo, quer sejam de disponibilidades, de bens ou de direitos, correspondente, normalmente, à venda de mercadorias, produtos ou a prestação 6

11 CONTABILIDADE de serviços; provocam, as receitas, aumento do patrimônio líquido. Como despesa, devemos entender o uso, o consumo, a utilização de um bem ou de um serviço. Provocam, as despesas, uma redução do patrimônio líquido. O resultado do exercício, portanto, é apurado através do confronto entre as contas de receitas e despesas. Este confronto acontece em um demonstrativo contábil denominado Demonstração do Resultado do Exercício. A Demonstração do Resultado do Exercício é feita observando-se o chamado regime de competência, em que são consideradas as receitas ganhas no período, não importando se elas foram recebidas ou não, e as despesas incorridas, não importando se elas foram pagas ou não. 6 CONTABILIZAÇÃO OU FATOS QUE OCORREM NUMA ENTIDADE 1 Conforme já vimos, uma das funções da contabilidade é a de registrar os fatos que ocorrem em uma entidade. Esses fatos, como, por exemplo, a compra, a venda, o pagamento, o recebimento, representam operações praticadas por uma entidade e são formalizados através de documentos (nota fiscal, faturas, duplicatas, recibos) e possuem valor. 2 O registro dessas operações é feito em livros contábeis e, dentre outros, destacamos o Diário e o Razão. 7 OS LIVROS CONTÁBEIS O Diário É um livro contábil obrigatório, que conterá o registro de todos os fatos que ocorreram no patrimônio da empresa. Este registro se dará em ordem cronológica de acontecimento. 7

12 Unidade I O Razão É outro livro contábil obrigatório, pela Resolução do Conselho Federal de Contabilidade (CFC) nº 63/83, devido à sua importância para as empresas. É o livro contábil que registra a movimentação das contas individualmente, quer por meio de uma folha, quer por uma ficha para cada conta. É um livro de fácil visualização, em que se registra a movimentação de cada conta, sendo transcrito do registro de débitos e créditos da conta no Diário. 8 OUTROS LIVROS CONTÁBEIS Livros obrigatórios para as sociedades anônimas Conforme dispõem artigos da legislação societária: livro de registro de ações nominativas; livro de transferência de ações nominativas; livro de atas de assembleias gerais etc. Livros auxiliares 1 Fornecem à contabilidade maiores detalhes, maior exatidão; por exemplo, livro caixa; livro de estoque; livro de duplicatas a receber etc. Livros fiscais São os livros exigidos pelo fisco: livro de apuração do lucro real; livro de apuração do IPI; livro de registro de entrada de mercadorias etc. 9 ESCRITURAÇÃO DAS OPERAÇÕES A escrituração é o registro das operações que provocam variações no patrimônio da entidade. 9.1 Processos de escrituração Manual: é o mais antigo; ainda hoje, adotado pelas pequenas empresas. 8

13 CONTABILIDADE Mecânico: é o registro das operações em máquinas apropriadas para este fim. Eletrônico: o registro das operações é feito utilizando-se o computador, com o emprego de programas específicos. É a forma mais atual e moderna. 9.2 Elementos que formam os lançamentos de registro nos livros contábeis Os lançamentos nos livros contábeis, ao se registrar em ordem cronológica de acontecimento as operações que ocorrem numa empresa, devem conter os seguintes elementos e ordem de apresentação: 1 local: lugar em que o registro está sendo efetuado; data: dia, mês e ano da ocorrência da operação; conta debitada; conta creditada; histórico: resumo do fato acontecido, com identificação do documento comprobatório; valor: importância em moeda nacional. 9.3 Partidas dobradas O registro das operações que ocorrem em uma empresa baseia-se no princípio de que todo valor lançado a débito numa conta faz surgir em outra conta em que é registrado a mesma importância a crédito. Logo, podemos concluir que, na contabilidade, não há débitos sem os respectivos créditos. Partidas dobradas significa que, ao registrar uma operação por meio de um lançamento em um livro contábil, o valor lançado a débito corresponderá ao igual valor lançado a crédito. 9

14 Unidade I Débitos: correspondem a aumentos do Ativo e diminuição do Passivo e do Patrimônio Líquido (quando tratam de contas patrimoniais). Créditos: correspondem a diminuições do Ativo e aumentos do Passivo e do Patrimônio Líquido (quando tratam de contas patrimoniais). Saldos: correspondem à diferença entre os valores debitados e creditados em uma conta. O saldo pode ser: devedor: quando o valor do débito é maior que o do crédito; credor: quando o valor do crédito é maior que o do débito; nulo: quando o valor do débito é igual ao valor do crédito. 9.4 Fórmulas de lançamentos contábeis 1 Podemos resumir em quatro fórmulas de lançamentos contábeis existentes: 1ª fórmula: é a fórmula de lançamento contábil mais simples; envolve uma conta debitada e uma conta creditada. 2ª fórmula: encontramos uma conta debitada e diversas contas creditadas. 2 3ª fórmula: encontramos diversas contas debitadas e apenas uma conta creditada. 4ª fórmula: neste tipo de lançamento contábil, encontramos duas ou mais contas debitadas e, em contrapartida, duas ou mais contas creditadas.

15 CONTABILIDADE 9. Procedimentos para o lançamento do Diário de operações que envolvem contas de Ativo, Passivo e Patrimônio Líquido Realizada uma determinada operação, é de grande importância que se faça corretamente a determinação da conta a ser debitada da conta que será creditada. A determinação da conta a ser debitada e da conta a ser creditada é o ponto inicial de todo o processo contábil de registro feito pelo método das partidas dobradas. Tudo começa após o entendimento da operação, com a identificação das contas que foram utilizadas na operação (duas contas no mínimo). A seguir, as contas identificadas serão classificadas (bens/direitos Ativo; obrigação com terceiros em geral Passivo; obrigações para com terceiros especiais Patrimônio Líquido). Após esta fase de classificação, devemos proceder à entrada no chamado mecanismo de débito/crédito, ou seja: Contas Para aumentar Para diminuir Saldo Ativo Debita Credita Devedor Passivo Credita Debita Credor Patrimônio Líquido Credita Debita Credor 1 O passo seguinte é o lançamento no livro Diário, seguindo a ordem já mencionada. Exemplo Operação: depósito feito em dinheiro na conta corrente bancária no valor de $.000 1º passo: Identificação das contas Todo depósito bancário feito pela empresa deve sair da conta caixa. Portanto, as contas a serem utilizadas para o registro desta operação no Diário são: caixa e banco conta corrente. 11

16 Unidade I 2º passo: Classificação das contas Caixa Bem Ativo Banco conta corrente Direito Ativo 3º passo: Entrar com cada conta identificada e classificada no mecanismo de débito e crédito, identificando o efeito da operação sobre o saldo da mesma Caixa Ativo o saldo diminui, pois sai o dinheiro do caixa. Banco conta corrente Ativo o saldo aumentará, pois haverá entrada do depósito. Consequentemente: Caixa Ativo Saldo diminuirá Crédito Banco conta corrente Ativo Saldo aumentará Débito O lançamento no Diário será o que segue: São Paulo, 30 de março de 1 D Banco conta corrente $.000 C Caixa $.000 Pelo depósito efetuado nesta data. 9.6 Procedimentos para o lançamento no livro Razão de operações que envolvem contas de Ativo, Passivo e Patrimônio Líquido O livro Razão, também denominado razonete, ou conta T, tem sua representação didática, a saber: 12

17 CONTABILIDADE Título da conta Valor do débito Valor do crédito O saldo do Razão é apurado pela diferença entre os valores registrados a débito e os valores registrados a crédito. Os lançamentos feitos no Diário devem ser transportados para o Razão, que destaca uma página para cada conta, demonstrando o saldo da mesma. Supondo-se que as contas caixa e banco conta corrente utilizadas no item 9. tivessem, respectivamente, um saldo de $ e $ , teríamos a seguinte representação, partindo-se do lançamento do Diário do item 9.: Caixa SI SF Saldo devedor 1 Caixa SI SF Saldo devedor 9.7 Procedimentos para o lançamento do Diário de operações que envolvem contas de Ativo, Passivo, Patrimônio Líquido, Receitas e Despesas As contas que formam o balanço patrimonial podem ser denominadas de contas permanentes, pois enquanto existir saldo, as mesmas existirão. As contas de receitas e despesas, cujos conceitos já vimos, podem ser denominadas de contas transitórias, pois no fim de cada exercício social elas são encerradas, para que possamos apurar o resultado do exercício. Para que isto ocorra, é necessário que se crie uma conta também transitória, denominada pela maioria dos autores de 13

18 Unidade I 1 2 Apuração do Resultado do Exercício (ARE), a qual é debitada em contrapartida com os créditos feitos para o encerramento das contas de despesas e creditada em contrapartida com os débitos feitos para o encerramento das contas de receitas. Tal procedimento faz com que todas as contas de resultado (receitas e despesas) tenham saldo zero no fim do exercício social. O saldo da conta ARE, após sua apuração, é encerrado contra a conta lucros/prejuízos acumulados. Caso a conta ARE tenha saldo credor, indicando lucro (receitas maiores que despesas), a mesma é encerrada debitando-se o valor do saldo e creditando-se a conta lucros/prejuízos acumulados. Se a conta ARE tiver saldo devedor, indicando prejuízo (receitas menores que despesas), a mesma é encerrada creditando-se o valor do saldo e debitandose a conta lucros/prejuízos acumulados. Para o lançamento de uma conta de receita e de uma conta de despesa no Diário, seguem-se os mesmos passos já indicados para as contas patrimoniais, ou seja: 1º passo: identificar as contas; 2º passo: classificar as contas (Ativo/Passivo/Patrimônio Líquido/Receita/Despesa); 3º passo: entrar com cada conta identificada e classificada no mecanismo de débito e crédito, identificando o efeito da operação sobre o saldo da mesma. Débitos: correspondem a aumentos das despesas e diminuição das receitas (quando tratamos de contas de resultado). 30 Créditos: correspondem a diminuições das despesas e aumentos das receitas (quando tratamos de contas de resultados). O mecanismo de débito e crédito para as contas de receitas e despesas é o seguinte: 14

19 CONTABILIDADE Conta Para aumentar Para diminuir Saldo Receita Credita Debita Credor Despesa Debita Credita Devedor A seguir, lançar no livro Diário, seguindo a ordem já mencionada para o registro. Exemplo 1 Operação: prestação de serviço à vista no valor de $ º passo: Identificação da conta O recebimento em dinheiro será representado pela conta Caixa, e a prestação de serviços, pela conta Receita de Serviços. Portanto, as contas a serem utilizadas para o registro desta operação são: Caixa e Receita de Serviços 2º passo: Classificação das contas Caixa Bem Ativo Receita de Serviços Venda de serviços Receita 1 3º passo: Entrar com cada conta identificada e classificada no mecanismo de débito e crédito, identificando o efeito da operação sobre o saldo da mesma Caixa Ativo saldo aumenta, pois entra dinheiro no caixa pelo recebimento. Receita de serviços Receita o saldo aumenta, pois houve venda de serviços. 1

20 Unidade I Consequentemente: Caixa Ativo Saldo aumentará Débito Receita de Serviços Receita Saldo aumentará Crédito O lançamento no Diário será o que segue: São Paulo, 30 de março de D Caixa $.000 C Receita de Serviços $.000 Exemplo 2 Operação: pagamento em dinheiro do aluguel do prédio em que a empresa está instalada, no valor de $ º passo: Identificação das contas 1 O pagamento em dinheiro será representado pela conta Caixa, e o uso, pela empresa, de um imóvel, será representado pela conta Despesa de aluguel. Portanto, as contas a serem utilizadas para o registro desta operação são: Caixa e Despesa de aluguel 2º passo: Classificação das contas Caixa Bem Ativo Despesa de aluguel Uso de um bem Despesa 3º passo: Entrar com as contas identificadas e classificadas no mecanismo de débito e crédito, identificando o efeito da operação sobre o saldo da mesma. 16

21 CONTABILIDADE Caixa Ativo Saldo diminui, pois sai dinheiro do caixa para pagamento. Despesa de aluguel Despesa Saldo aumenta, pois houve despesa. Consequentemente: Caixa Ativo Saldo diminuirá Crédito Despesa de aluguel Despesa Saldo aumentará Débito O lançamento no Diário será o que segue: São Paulo, 30 de março de D Despesa de aluguel $ C Caixa $ Exemplo de registro no Diário e no Razão de operação que contém contas de Ativo, Passivo, Patrimônio Líquido, receita e despesa 1. Diversas pessoas fundam uma sociedade anônima para prestação de serviços de jardinagem, integralizando um capital social de $.000 em dinheiro Compra à vista de mesas, cadeiras, computadores, por $ Compra a prazo de uma Pick-up para entrega, $ Depósito para abertura de uma conta corrente no banco Beta no valor de $ 00.. Pagamento de aluguel referente a um imóvel em que se situa a sede da empresa no valor de $ 0, em cheque. 6. Pagamento de 30% da compra da Pick-up. 17

22 Unidade I 7. Prestação de serviços recebendo a importância de $ Pagamento de funcionários pelos serviços prestados, $. 9. Pagamento da conta de energia do mês no valor de $ 30.. Prestação de serviços no valor de $ 2.0, cujo recebimento ocorrerá em trinta dias. Resolução Lançamentos contábeis no Diário 1. D Caixa $.000 C Capital social $ D Móveis e utensílios $ C Caixa $ D Veículos $ C Duplicatas a pagar $ D Banco conta movimento $ 00 C Caixa $ 00. D Despesa de aluguel $ 0 C Banco conta movimento $ 0 6. D Duplicatas a pagar $ 1.0 C Caixa $ D Caixa $ C Receita de serviços $ D Despesa de salários $ C Caixa $ 2 9. D Despesa de energia $ 30 C Caixa $ 30. D Duplicatas a receber $ 2.0 C Receita de serviços $

23 CONTABILIDADE Lançamentos contábeis nos razonetes (1).000 (7) Caixa (2) 00 (4) 1.0 (6) (8) 30 (9) Capital social.000 (1).000 Móveis e utensílios (2) (3) Veículos () 0 Despesa aluguel 0 0 (12) Duplicatas a pagar (6) (3) Banco conta movimento (4) 00 0 () 300 Receita serviços (7) 2.0 () (11)

24 Unidade I (8) Despesa salário (13) (9) 30 Despesa energia (14) Duplicatas receber () (12) 0 (13) (14) 30 ARE (11) (1) Lucros/Prejuízos acumulados 3.3 (1) Em seguida da transcrição do Diário para o Razão, devemos apurar o saldo de todas as contas. Continuando, elaboramos o balancete de verificação após as dez operações, um importante instrumento que a contabilidade usa para verificação de erros. O balancete de verificação é um papel de trabalho em que são transcritas para uma coluna todas as contas com saldos devedores e, para outra coluna, todas as contas cujos saldos apresentam valores credores. Observe-se que o valor total da coluna de saldos devedores deverá ser igual ao valor total da coluna de saldos credores.

25 CONTABILIDADE Caso os valores totais forem diferentes, certamente haverá pelo menos erro nos lançamentos. Um ponto que destacamos é que o balancete de verificação jamais deve ser confundido com o balanço patrimonial. Balancete de verificação após as operações Saldo Contas Devedor Credor Caixa 6.6 Capital social.000 Móveis, utensílios Veículos Duplicatas a pagar Banco conta movimento 300 Despesa aluguel 0 Receita serviços Despesa salários Despesa energia 30 Duplicatas receber 2.0 Total Em seguida, devemos encerrar as contas de resultado (despesas e receitas) contra a conta ARE, o que foi realizado por meio dos lançamentos de encerramento no Razão de números 11, 12, 13,14. Complementando a sequência, foi apurado o saldo da conta ARE, que apresentou um saldo credor de 3.3, indicando que o total das receitas (3.800) foi maior que o total das despesas do período (480). 1 Finalmente, a conta ARE foi encerrada contra a conta patrimonial lucros ou prejuízos acumulados, por meio do lançamento de número 1. Os lançamentos de encerramento das contas de resultados também são feitos no Diário, a saber: Lançamento do Diário de encerramento da conta de Receita: 21

26 Unidade I D Receita de serviços $ C ARE $ Lançamento do Diário de encerramento das contas de despesas: D ARE $ 480 C Despesa de aluguel $ 0 C Despesa de salário $ C Despesa de energia $ 30 Lançamento no Diário de encerramento de conta de Resultado: 1 D ARE $ 3.3 C Lucros/Prejuízos acumulados $ 3.3 O próximo passo é a montagem do balanço patrimonial constituído pelas contas patrimoniais e a Demonstração do Resultado do Exercício, com as contas de resultado. Balanço patrimonial Ativo Passivo Caixa 6.6 Duplicatas a pagar Móveis, utensílios Veículos Banco conta movimento 300 Duplicatas a receber 2.0 Patrimônio líquido Capital social.000 Lucros/Prejuízos acumulados 3.3 Total 16.1 Total

27 CONTABILIDADE Demonstração do Resultado do Exercício Receita de serviços Despesa de aluguel (0) Despesa de salário () Despesa de energia (30) = Resultado do exercício

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS AMORTIZAÇÃO: Representa a conta que registra a diminuição do valor dos bens intangíveis registrados no ativo permanente, é a perda de valor de capital aplicado na aquisição

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro Unidade II CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Objetivo Conhecer a estrutura do balanço patrimonial: ativo; passivo. Conhecer a estrutura do DRE. Conhecer a estrutura do DFC: direto; indireto. Balanço patrimonial

Leia mais

Sistema de contas. Capítulo 2 Sistema de contas

Sistema de contas. Capítulo 2 Sistema de contas Sistema de contas Capítulo 2 Sistema de contas SUMÁRIO: 1. Conceito 2. Teoria das contas 2.1. Teoria personalística (ou personalista) 2.2. Teoria materialística (ou materialista) 2.3. Teoria patrimonialista

Leia mais

Obrigações. Fornecedores 45.000. Salários a pagar 75.000. Impostos a recolher 20.000. Patrimônio Líquido. Capital Social 100.000. Reservas 30.

Obrigações. Fornecedores 45.000. Salários a pagar 75.000. Impostos a recolher 20.000. Patrimônio Líquido. Capital Social 100.000. Reservas 30. Você acessou como Administrador Usuário (Sair) Info Resultados Visualização prévia Modificar Visualização prévia de Contabilidade Geral Iniciar novamente 1 Considerando: I- A contabilidade estuda e controla

Leia mais

Lista de Exercícios ENADE

Lista de Exercícios ENADE Curso: ADMINISTRAÇÃO Data: Goiânia 15/09/2012 Disciplina: Contabilidade Geral Turma: ADM 03 Turno: Noturno Carga Horária: 72 Professor: Esp. Erik Silva. Lista de Exercícios ENADE Exercício n.01 (IRB-2004-ESAF)

Leia mais

6/8/2012. Contabilidade Intermediária. Aula 1 Apuração do Resultado do Exercício. Objetivos. Objetivos. Profa. Ma. Simone Maria Menezes Dias

6/8/2012. Contabilidade Intermediária. Aula 1 Apuração do Resultado do Exercício. Objetivos. Objetivos. Profa. Ma. Simone Maria Menezes Dias Contabilidade Intermediária Aula 1 Apuração do Resultado do Exercício Profa. Ma. Simone Maria Menezes Dias Objetivos Entender a sistemática do Balancete de Verificação. Utilizar o Balancete de Verificação

Leia mais

CONTABILIDADE BÁSICA

CONTABILIDADE BÁSICA CONTABILIDADE BÁSICA RESUMIDA on line http://www.grupoempresarial.adm.br 8/5/2014 21:32 Página 1 de 12 PARTE 1 / ASPECTOS TEÓRICOS INICIAIS Conteúdo sinótico 1. Estrutura Conceitual Básica da Contabilidade

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação a conceitos, objetivos e finalidades da contabilidade, julgue os itens que se seguem. 51 Auxiliar um governo no processo de fiscalização tributária é uma das finalidades

Leia mais

mhtml:file://c:\documents and Settings\6009\Meus documentos\glossário DE T...

mhtml:file://c:\documents and Settings\6009\Meus documentos\glossário DE T... Page 1 of 6 Portal de Obras Legislação Guias e Cursos Downloads GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS Compilado pela Equipe do Portal de Contabilidade AMORTIZAÇÃO: Representa a conta que registra a diminuição

Leia mais

Princípios Fundamentais Contabilidade

Princípios Fundamentais Contabilidade Princípios Fundamentais Contabilidade 1 Princípios Contábeis. Resolução CFC 750 de 29 de dezembro de 1993. Art. 3 São Princípios de Contabilidade:(2) I o da ENTIDADE; II o da CONTINUIDADE; III o da OPORTUNIDADE;

Leia mais

Aula 2 - Técnicas contábeis e Demonstrações Financeiras. Prof Adelino Correia

Aula 2 - Técnicas contábeis e Demonstrações Financeiras. Prof Adelino Correia Tema: Técnicas Contábeis e Demonstrações Financeiras MATERIAL DE APOIO - ENVIADO PELO PROFESSOR Índice 1. Síntese Técnicas Contábeis e Demonstrações Financeiras 2. Simulado 3. Gabarito Aula 2 - Técnicas

Leia mais

Contabilidade Decifrada. Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo

Contabilidade Decifrada. Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo Contabilidade Decifrada Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo Demonstrações Contábeis - balanço patrimonial; - demonstração do resultado do exercício; e, - demonstração de lucros ou prejuízos acumulados.

Leia mais

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR Classifique as contas que geralmente caem em concursos e, muitas vezes, geram dúvidas. Banco c/ Movimento Banco conta Empréstimo Empréstimos a Diretores ou Acionistas Numerários em Trânsito Adiantamento

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I

GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I BALANÇO PATRIMONIAL 2 CONCEITO É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, o Patrimônio e o Patrimônio Líquido

Leia mais

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade IV CONTABILIDADE

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade IV CONTABILIDADE Profa. Ma. Divane A. Silva Unidade IV CONTABILIDADE Contabilidade A disciplina está dividida em quatro unidades. Unidade I 1. Contabilidade Unidade II 2. Balanços sucessivos com operações que envolvem

Leia mais

ATIVIDADE ESTRUTURADA

ATIVIDADE ESTRUTURADA ATIVIDADE ESTRUTURADA Disciplina: Análise das Demonstrações Financeiras Curso: Administração Prof.: Marcelo Valverde Período: 5º Pontos: de 0 a 2,0p AV1 Pede-se: 1) A análise financeira se utiliza de dois

Leia mais

CONTABILIDADE NA PRÁTICA, RÁPIDA E FÁCIL

CONTABILIDADE NA PRÁTICA, RÁPIDA E FÁCIL 1 CONTABILIDADE NA PRÁTICA, RÁPIDA E FÁCIL 2 SUMÁRIO CONTABILIDADE, INFORMAÇÃO CONTÁBIL...3 PATRIMÔNIO...3 METODOS DAS PARTIDAS DOBRADAS...7 BALANÇO PATRIMONIAL...7 FÓRUMULAS DE LANÇAMENTOS...7 RETIFICAÇÃO

Leia mais

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro Faculdade Atenas Maranhense - FAMA Professor: Esp. CLEIDIANA SACCHETTO Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU

Leia mais

Patrimônio Líquido. Investimentos = Financiamentos. Ativo. Passivo

Patrimônio Líquido. Investimentos = Financiamentos. Ativo. Passivo USP-FEA Disciplina: EAC0111 - Noções de Contabilidade para Administradores TEMA 3. Mecanismos Contábeis Profa. Dra. Joanília Cia (joanilia@usp.br) 1 Quais são os objetivos do tópico... Reconhecer o impacto

Leia mais

Fundação Biblioteca Nacional ISBN 978-85-7638-769-5

Fundação Biblioteca Nacional ISBN 978-85-7638-769-5 Contabilidade Itamar Miranda Machado Contabilidade 1.ª edição 2007 IESDE Brasil S.A. É proibida a reprodução, mesmo parcial, por qualquer processo, sem autorização por escrito dos autores e do detentor

Leia mais

LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II

LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II A leitura complementar tem como objetivo reforçar os conteúdos estudados e esclarecer alguns assuntos que facilitem a compreensão e auxiliem na elaboração da atividade.

Leia mais

Contabilidade Básica

Contabilidade Básica Contabilidade Básica 2. Por Humberto Lucena 2.1 Conceito O Patrimônio, sendo o objeto da Contabilidade, define-se como o conjunto formado pelos bens, pelos direitos e pelas obrigações pertencentes a uma

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL. FASF - Faculdade Sagrada Família - Curso de Administração - Disciplina Contabilidade Geral - 3º periodo

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL. FASF - Faculdade Sagrada Família - Curso de Administração - Disciplina Contabilidade Geral - 3º periodo ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais

Prof. Fernando Oliveira Boechat

Prof. Fernando Oliveira Boechat Prof. Fernando Oliveira Boechat Prof. Fernando Oliveira Boechat Sumário: 1. Introdução 2. Prof. Fernando Oliveira Boechat 2 Introdução: ENTENDENDO AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS Prof. Fernando

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL. Adquira esta e outras aulas em www.acheiconcursos.com.br CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO DA RECEITA FEDERAL

CONTABILIDADE GERAL. Adquira esta e outras aulas em www.acheiconcursos.com.br CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO DA RECEITA FEDERAL CONTABILIDADE GERAL Adquira esta e outras aulas em www.acheiconcursos.com.br AULA Nº 1: Resolução da prova de Contabilidade Geral do TRF-2000 CONTABILIDADE GERAL CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO DA RECEITA

Leia mais

Contabilidade Básica. Prof. Jackson Luis Oshiro joshiro@ibest.com.br. Escrituração. Conceito. Capítulo 5 Escrituração.

Contabilidade Básica. Prof. Jackson Luis Oshiro joshiro@ibest.com.br. Escrituração. Conceito. Capítulo 5 Escrituração. Contabilidade Básica Prof. Jackson Luis Oshiro joshiro@ibest.com.br Conceito É uma técnica contábil que consiste em registrar nos livros próprios todos os acontecimentos que ocorrem na empresa e que modifiquem

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES QUESTÕES 01) Fazem parte do grupo de contas do : A) Duplicatas a Receber Caixa Duplicatas a Pagar. B) Terrenos Banco Conta Movimento Credores Diversos. C) Duplicatas a Pagar Caixa Adiantamentos de Clientes.

Leia mais

INTRODUÇÃO. * Entidade é qualquer pessoa física ou jurídica detentora de um patrimônio. Principais funções da contabilidade:

INTRODUÇÃO. * Entidade é qualquer pessoa física ou jurídica detentora de um patrimônio. Principais funções da contabilidade: Sumário INTRODUÇÃO... 1 A FINALIDADE DA CONTABILIDADE... 2 APLICAÇÃO DA CONTABILIDADE... 3 PILARES DA CONTABILIDADE... 4 TIPOS DE EMPRESAS... 6 CONCEITOS DE BENS... 8 CONCEITO DE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS...

Leia mais

Contabilidade Empresarial

Contabilidade Empresarial Contabilidade Empresarial PROGRAMA DO CURSO Conceitos básicos de contabilidade Balanço patrimonial Demonstrativo de resultado de exercício Demonstrativo de fluxo de caixa Demonstrativo das Origens e Aplicações

Leia mais

Unidade II ESTRUTURA DAS. Prof. Me. Alexandre Saramelli

Unidade II ESTRUTURA DAS. Prof. Me. Alexandre Saramelli Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Me. Alexandre Saramelli Estrutura das demonstrações contábeis Relatório Anual Porto Seguro Introdução Processo de Convergência Contábil Internacional

Leia mais

APURAÇÃO DO RESULTADO (1)

APURAÇÃO DO RESULTADO (1) APURAÇÃO DO RESULTADO (1) Isnard Martins - UNESA Rodrigo de Souza Freitas http://www.juliobattisti.com.br/tutoriais/rodrigosfreitas/conhecendocontabilidade012.asp 1 Apuração do Resultado A maioria das

Leia mais

Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC. Renato Tognere Ferron

Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC. Renato Tognere Ferron Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC Renato Tognere Ferron Relatórios Contábeis Relatórios Contábeis Obrigatórios Exigidos pela Lei das Sociedades por ações Sociedade Anônima Deverão ser publicados Ltdas.

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL PARA MPU 2010 - Curso de Resolução de Questões 1 - ÍNDICE

CONTABILIDADE GERAL PARA MPU 2010 - Curso de Resolução de Questões 1 - ÍNDICE CONTABILIDADE GERAL PARA MPU 2010 - Curso de Resolução de Questões 1 - ÍNDICE Princípios Fundamentais de Contabilidade...02 Patrimônio: Ativo, Passivo e PL...04 Fatos Contábeis e Respectivas Variações

Leia mais

CONTABILIDADE E CUSTOS Atualizado em 14 de abril de 2009

CONTABILIDADE E CUSTOS Atualizado em 14 de abril de 2009 Conceito de Contabilidade CONTABILIDADE E CUSTOS Atualizado em 14 de abril de 2009 Processo de identificar, mensurar e comunicar informações econômicas para permitir julgamentos e decisões fundamentais

Leia mais

É expressamente proibido cópia, reprodução parcial, reprografia, fotocópia ou qualquer forma de extração de informações deste sem prévia autorização

É expressamente proibido cópia, reprodução parcial, reprografia, fotocópia ou qualquer forma de extração de informações deste sem prévia autorização É expressamente proibido cópia, reprodução parcial, reprografia, fotocópia ou qualquer forma de extração de informações deste sem prévia autorização dos autores conforme legislação vigente. Janeiro/2008

Leia mais

ANÁLISE E APLICAÇÃO DOS ÍNDICES DE LIQUIDEZ APLICADOS AS EMPRESAS EM GERAL COM BASE EM SEUS EMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

ANÁLISE E APLICAÇÃO DOS ÍNDICES DE LIQUIDEZ APLICADOS AS EMPRESAS EM GERAL COM BASE EM SEUS EMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ANÁLISE E APLICAÇÃO DOS ÍNDICES DE LIQUIDEZ APLICADOS AS EMPRESAS EM GERAL COM BASE EM SEUS EMONSTRATIVOS CONTÁBEIS PAULO NAZARENO CARDOSO DA SILVA GRADUANDO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS UNIVERSIDADE

Leia mais

T D P. Escrita Contábil ALUNO PROFESSOR TURMA

T D P. Escrita Contábil ALUNO PROFESSOR TURMA T D P Escrita Contábil ALUNO TURMA PROFESSOR 1 1) Com base no dia-a-dia da empresa abaixo, responda as questões que seguem: Rômulo e Arnaldo são sócios da empresa TUDO ERRADO LTDA. A loja exerce suas atividades

Leia mais

WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772

WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772 WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772 Receitas x Despesas Podemos conceituar receitas como todos os recursos, em princípio, provenientes da venda de

Leia mais

PLANO DE CONTAS ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO

PLANO DE CONTAS ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO PLANO DE CONTAS O plano de Contas normalmente é composto de cinco grupos. ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO

Leia mais

10. Balanço Patrimonial. 10.1 Plano de Contas

10. Balanço Patrimonial. 10.1 Plano de Contas 10. Balanço Patrimonial 10.1 Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio plano de contas de acordo com suas

Leia mais

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_...

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... Página 1 de 14 CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Considerações ROTEIRO 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

Leia mais

1º CASO Cia. INVESTIDORA S.A.

1º CASO Cia. INVESTIDORA S.A. 1º CASO Cia. INVESTIDORA S.A. O quadro a seguir apresenta o Balancete de Verificação da Cia. Investidora S.A. em 31/12/X1. Contas Saldo ($) Contas Saldo ($) Depósitos Bancários 182.000 Financiamentos L.

Leia mais

Centro de Ciências Empresariais e Sociais Aplicadas CCESA. Bacharelado em Ciências Contábeis CONTABILIDADE GERAL. Profª. Cristiane Yoshimura

Centro de Ciências Empresariais e Sociais Aplicadas CCESA. Bacharelado em Ciências Contábeis CONTABILIDADE GERAL. Profª. Cristiane Yoshimura Centro de Ciências Empresariais e Sociais Aplicadas CCESA Bacharelado em Ciências Contábeis CONTABILIDADE GERAL Profª. Cristiane Yoshimura 2013 CONTABILIZAÇÃO DAS CONTAS PATRIMONIAIS DÉBITO E CRÉDITO RAZONETE

Leia mais

www.editoraatlas.com.br

www.editoraatlas.com.br www.editoraatlas.com.br 6278curva.indd 1 04/04/2011 11:11:12 Equipe de Professores da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP Contabilidade Introdutória Manual do Professor Coordenação

Leia mais

Contas. Osni Moura Ribeiro ; Contabilidade Fundamental 1, Editora Saraiva- ISBN 9788502065901

Contas. Osni Moura Ribeiro ; Contabilidade Fundamental 1, Editora Saraiva- ISBN 9788502065901 Contas 2.1. Conceito Na sua linguagem cotidiana, o que representa a palavra conta? Você poderá responder: Uma operação aritmética de soma, subtração, multiplicação ou divisão; A conta de água e esgoto,

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

IBRACON NPC nº 20 - DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

IBRACON NPC nº 20 - DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA IBRACON NPC nº 20 - DEMONSTRAÇÃO DOS FLUOS DE CAIA Princípios Contábeis Aplicáveis 1. A 'Demonstração dos Fluxos de Caixa' refletirá as transações de caixa oriundas: a) das atividades operacionais; b)

Leia mais

. Natureza de saldo das contas

. Natureza de saldo das contas . Natureza de saldo das contas Introdução Prezado candidato/aluno é de extrema importância entendermos a natureza de saldo das contas em contabilidade, em razão disse devemos separar as contas patrimoniais

Leia mais

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente,

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente, Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Exercícios de Contabilidade Professora Niuza Adriane da Silva 1º A empresa XYZ adquire mercadorias para revenda, com promessa de pagamento em 3 parcelas iguais, sendo

Leia mais

QUESTÕES POTENCIAIS DE PROVA TROPA DE ELITE CURSO AEP PROF. ALEXANDRE AMÉRICO

QUESTÕES POTENCIAIS DE PROVA TROPA DE ELITE CURSO AEP PROF. ALEXANDRE AMÉRICO QUESTÕES POTENCIAIS DE PROVA TROPA DE ELITE CURSO AEP PROF. ALEXANDRE AMÉRICO Considere que o sistema contábil da empresa comercial Zeta S.A. tenha se extraviado logo no primeiro exercício de constituição

Leia mais

PROVOU 2011 OBSERVAÇÕES IMPORTANTES:

PROVOU 2011 OBSERVAÇÕES IMPORTANTES: UNIOESTE Universidade Estadual do Oeste do Paraná Processo Seletivo para Ocupação de Vagas Remanescentes nos Cursos de Graduação PROVOU 2011 Candidato: inscrição - nome do candidato Curso: código - nome

Leia mais

Palestra. Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) e Demonstração do Valor Adicionado (DVA) - Novas Normas Contábeis. Março 2012.

Palestra. Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) e Demonstração do Valor Adicionado (DVA) - Novas Normas Contábeis. Março 2012. Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

CAPÍTULO 5 DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS - DLPA LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS

CAPÍTULO 5 DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS - DLPA LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO CAPÍTULOS 5,6,7 e 8 CAPÍTULO 5 DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS - DLPA LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS DESTINAÇÕES 1. Ajustes (-) Exerc. Anteriores 2. Transf. P/

Leia mais

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN 2016.1 CONTABEIS - Campus Mossoró) 3ª série

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN 2016.1 CONTABEIS - Campus Mossoró) 3ª série ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN 2016.1 CONTABEIS - Campus Mossoró) 3ª série CONTABILIDADE INTRODUTORIA II DIREITO TRIBUTARIO LEGISLAÇÃO SOCIAL E TRABALHISTA ORÇAMENTO PUBLICO TEORIA DA CONTABILIDADE CONTEÚDO

Leia mais

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo 12. Demonstração do Fluxo de Caixa 2 12.1. Introdução 2 12.2. Conceitos Importantes 2 12.3. Atividades Operacionais 5 12.4. Atividades de Investimento 7

Leia mais

FAPAS Contabilidade Geral Tema I - Patrimônio Candidato: Prof. Alexandre Silva de Oliveira, Dr.

FAPAS Contabilidade Geral Tema I - Patrimônio Candidato: Prof. Alexandre Silva de Oliveira, Dr. Candidato: Plano de Aula FAPAS Prof. OLIVEIRA, A. S., Dr. 1) 2) Justificativa da Aula Passiv o O estudo do patrimônio é a espinha dorsal da Teoria da Contabilidade. (Iudícibus e Marion, 2002, p. 141).

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

CURSOS ON-LINE CONTABILIDADE GERAL EM EXERCÍCIOS PROFESSOR ANTONIO CÉSAR AULA 11: EXERCÍCIOS (CONTINUAÇÃO)

CURSOS ON-LINE CONTABILIDADE GERAL EM EXERCÍCIOS PROFESSOR ANTONIO CÉSAR AULA 11: EXERCÍCIOS (CONTINUAÇÃO) AULA 11: EXERCÍCIOS (CONTINUAÇÃO) 11- (AFRE MG/ESAF 2005) Duas empresas coligadas avaliam seus investimentos pelo método da equivalência patrimonial. A primeira empresa tem Ativo Permanente de R$ 500.000,00,

Leia mais

MÉTODO, PRINCÍPIOS E CONVENÇÕES CONTÁBEIS

MÉTODO, PRINCÍPIOS E CONVENÇÕES CONTÁBEIS MÉTODO, PRINCÍPIOS E CONVENÇÕES CONTÁBEIS Problema básico : registrar quantitativamente os eventos (as origens, como os recursos são aplicados na empresa e como ela os transforma). Registro dos eventos

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE

NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE AUTOR: PROF. FRANCISCO GLAUBER LIMA MOTA E-MAIL: motaglauber@gmail.com CONCEITO: CONTABILIDADE CIÊNCIA QUE ESTUDA E PRATICA AS FUNÇÕES DE REGISTRO, CONTROLE E ORIENTAÇÃO

Leia mais

COMO CONVERTER DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS PARA A MOEDA AMERICANA (FAS 52)

COMO CONVERTER DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS PARA A MOEDA AMERICANA (FAS 52) COMO CONVERTER DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS PARA A MOEDA AMERICANA (FAS 52)! As principais diferenças entre as normas contábeis brasileiras e americanas (US GAAP)! As taxas de conversão a serem

Leia mais

ATIVO Notas 2009 2008

ATIVO Notas 2009 2008 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE ATIVO Notas 2009 2008 CIRCULANTE Caixa e bancos 20.723 188.196 Contas a receber 4 903.098 806.697 Outras contas a receber 5 121.908 115.578 Estoques 11.805 7.673

Leia mais

1. Noções Introdutórias. Contabilidade é a ciência que estuda e controla o patrimônio em suas variações quantitativas e qualitativas.

1. Noções Introdutórias. Contabilidade é a ciência que estuda e controla o patrimônio em suas variações quantitativas e qualitativas. 1.1 Definições de Contabilidade 1. Noções Introdutórias Contabilidade é a ciência que estuda e controla o patrimônio em suas variações quantitativas e qualitativas. 1.2 Objeto da Contabilidade O Patrimônio

Leia mais

BALANCETES E RELATÓRIOS

BALANCETES E RELATÓRIOS Matéria - Contabilidade SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Balancetes NBC T 2.7 3. Modelos de Balancetes 4. Relatórios 4.1. Relatórios por área de responsabilidade BALANCETES E RELATÓRIOS 5. Balancetes

Leia mais

Conversão das demonstrações contábeis para moeda estrangeira. Prof Ricardo Suñer Romera Neto Módulo Centro Universitário - 2010

Conversão das demonstrações contábeis para moeda estrangeira. Prof Ricardo Suñer Romera Neto Módulo Centro Universitário - 2010 Conversão das demonstrações contábeis para moeda estrangeira Prof Ricardo Suñer Romera Neto Módulo Centro Universitário - 2010 Apresentação do problema As empresas que têm investimentos permanentes em

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 QUOCIENTES DE RENTABILIDADE Os Quocientes de Rentabilidade servem para medir a capacidade econômica da empresa, isto é, evidenciam o grau de êxito econômico obtido pelo

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Em cada um dos próximos itens, é apresentada uma situação hipotética, seguida de uma assertiva a ser julgada acerca de escrituração e análise e conciliações contábeis. 51 Um cliente liquidou antecipadamente

Leia mais

Curso Online Contabilidade de Instituições Financeiras Teoria e Exercícios Prof. Jaildo Lima

Curso Online Contabilidade de Instituições Financeiras Teoria e Exercícios Prof. Jaildo Lima I Apresentação do Professor Olá pessoal! Meu nome é Jaildo Lima de Oliveira, sou contador, tenho pós-graduação em Finanças e Mestrado em Contabilidade. Sou funcionário de carreira do Banco Central do Brasil

Leia mais

Como representar em termos monetários a riqueza de uma organização em determinado momento?

Como representar em termos monetários a riqueza de uma organização em determinado momento? USP-FEA Disciplina: EAC0111 - Noções de Contabilidade para Administradores TEMA 2. (BP) Profa. Dra. Joanília Cia (joanilia@usp.br) Quais são os objetivos do tópico... - Reconhecer os componentes e os grupos

Leia mais

EXERCICIOS: MÉTODO DAS PARTIDAS DOBRADAS 2010 EXERCICIO Nº 02 _ CIA. MUZAMBINHO EXERCICIO Nº 01 _ CIA ATLANTIDA

EXERCICIOS: MÉTODO DAS PARTIDAS DOBRADAS 2010 EXERCICIO Nº 02 _ CIA. MUZAMBINHO EXERCICIO Nº 01 _ CIA ATLANTIDA EXERCICIO Nº 01 _ CIA ATLANTIDA Operações da Cia Atlântida no mês de janeiro de 20x1: 1) 03/jan Adquiriu móveis e utensílios a prazo por $ 800; 2) 08/jan - Comprou veiculo a vista por $ 5.000 (em cheque);

Leia mais

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA www.editoraferreira.com.br CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Professor Humberto Fernandes de Lucena 6.1. Balanço Patrimonial Desde o início de nosso curso, vimos tratando sobre Balanço Patrimonial apenas

Leia mais

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade II CONTABILIDADE

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade II CONTABILIDADE Profa. Ma. Divane A. Silva Unidade II CONTABILIDADE Contabilidade A disciplina está dividida em quatro unidades. Unidade I 1. Contabilidade Unidade II 2. Balanços sucessivos com operações que envolvem

Leia mais

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteI

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteI Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteI! Como determinar a geração interna de caixa?! Como determinar a geração operacional de caixa?! Entendendo a formação de caixa de uma empresa!

Leia mais

CONCEITO BALANÇO PATRIMONIAL 24/8/2012. Renato Tognere Ferron

CONCEITO BALANÇO PATRIMONIAL 24/8/2012. Renato Tognere Ferron BALANÇO PATRIMONIAL Renato Tognere Ferron CONCEITO É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, o Patrimônio e o Patrimônio Líquido da Entidade.

Leia mais

Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade II DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 3 INTRODUÇÃO 1 2 A demonstração dos fluxos de caixa (DFC), a partir de 01/01/08, passou a ser uma demonstração obrigatória, conforme estabeleceu a lei

Leia mais

Prof. Me. Alexandre Saramelli. Unidade III ESTRUTURA DAS

Prof. Me. Alexandre Saramelli. Unidade III ESTRUTURA DAS Prof. Me. Alexandre Saramelli Unidade III ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Estrutura das demonstrações contábeis Dividida em quatro Unidades: Unidade I 1. Demonstração de Lucros e Prejuízos Acumulados

Leia mais

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações Contabilidade: é objetivamente um sistema de informação e avaliação, destinado a prover seus usuários com demonstrações e análise de natureza econômica financeira. tratar as informações de natureza repetitiva

Leia mais

TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 CAPÍTULO : Normas Básicas - 1 SEÇÃO : Consórcios - 26

TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 CAPÍTULO : Normas Básicas - 1 SEÇÃO : Consórcios - 26 TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 26. Consórcios 1. Procedimentos Específicos de Escrituração 1 - Para fins de elaboração dos Documentos Balancete e Balanço

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1

BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1 BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1 ATIVO CIRCULANTE Compreende contas que estão constantemente em giro, sua conversão em moeda corrente ocorrerá, no máximo, até o próximo exercício social. As contas devem

Leia mais

Contabilidade bem básica

Contabilidade bem básica Contabilidade bem básica Instruções simples para que você possa compreender todo o conteúdo do site. A contabilidade é uma base para os demais. Conceitos de contabilidade básica O que é contabilidade?

Leia mais

CONTABILIDADE BÁSICA

CONTABILIDADE BÁSICA CONTABILIDADE BÁSICA Professora M. Sc. Crísley do Carmo Dalto Graduação em Ciências Contábeis (UFES) Especialista em Contabilidade Gerencial (UFES) Mestre em Ciências Contábeis- Contabilidade Gerencial

Leia mais

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal após a Lei 11638/07 Quando informado o registro: as instituições sujeitas

Leia mais

Tomando como base apenas os dados acima fornecidos, responder as questões 102 a 104:

Tomando como base apenas os dados acima fornecidos, responder as questões 102 a 104: Tomando como base apenas os dados acima fornecidos, responder as questões 102 a 104: Dados da Cia. Comercial Santarém: 1 Balanço Patrimonial de 19x8 e 19x9 19x8 19x9 Disponibilidades 2.000 4.000 Estoques

Leia mais

ÁREA DE CONHECIMENTOS CONTÁBEIS

ÁREA DE CONHECIMENTOS CONTÁBEIS ÁREA DE CONHECIMENTOS CONTÁBEIS 1. O Patrimônio Líquido divide-se em: a) Investimentos, Reservas de Capital, Reservas de Lucros e Lucros ou Prejuízos Acumulados. b) Capital Social, Reservas de Capital,

Leia mais

4. O balancete de verificação de uma certa empresa apresentava os seguintes saldos em 31.12.x1: $ 4.500 $ 2.750 $ 800 $ 4.250

4. O balancete de verificação de uma certa empresa apresentava os seguintes saldos em 31.12.x1: $ 4.500 $ 2.750 $ 800 $ 4.250 MÚLTIPLA ESCOLHA 1 Não integra o Ativo: a contas representativas de origem dos recursos b contas com saldo devedor c contas representativas de bens d contas representativas de direitos e capital fixo e

Leia mais

Bens - É tudo aquilo suscetível de avaliação econômica servindo para satisfazer as necessidades humanas.

Bens - É tudo aquilo suscetível de avaliação econômica servindo para satisfazer as necessidades humanas. NOÇÕES DE CONTABILIDADE E FINANÇAS Prof. Adelino Correa 12/8/2011 Contabilidade: é a ciência que estudo o PATRIMÔNIO em suas variações quantitativas e qualitativas. - aspectos quantitativos = montante,

Leia mais

Análise Econômico-Financeira

Análise Econômico-Financeira Universidade Federal do Pará Curso de Ciências Contábeis Departamento de Contabilidade Análise Econômico-Financeira Gilvan Pereira Brito 0301007601 Belém-Pará 2007 1 Universidade Federal do Pará Curso

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS PROF. Msc. JOSÉ VICENTE CAMPINAS - SP 2009 2 ANÁLISE

Leia mais

Comentários da prova SEFAZ-PI Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova SEFAZ-PI Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Olá amigos, Comentários da prova SEFAZ-PI ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE GERAL - SEFAZ-PI Trago para vocês os comentários da prova da SEFAZ-PI realizado no último

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte TEORIA DA CONTABILIDADE Como vimos em aulas passadas, a Contabilidade engloba duas funções: 1. Função Administrativa: Controla o Patrimônio mediante registro dos fatos contábeis em livros apropriados (Diário

Leia mais

Tópicos Especiais de Análise de Balanços

Tópicos Especiais de Análise de Balanços Tópicos Especiais de Análise de Balanços 1- ECONÔMICO X FINANCEIRO Talvez não existam palavras mais empregadas no mundo dos negócios do que econômico e financeiro. Econômico: Refere-se a lucro, no sentido

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ENCERRADAS EM 31/12/2014

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ENCERRADAS EM 31/12/2014 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ENCERRADAS EM 31/12/2014 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Conselho Regional de Psicologia 7ª Região CRPRS, criado pela Lei 5.766/71, constitui uma Autarquia Federal

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Texto para as questões de 31 a 35 conta saldo despesa de salários 10 COFINS a recolher 20 despesas de manutenção e conservação 20 despesa de depreciação 20 PIS a recolher 30 despesas

Leia mais

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO 2 -DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS. OBJETIVO E CONTEÚDO Os objetivos da Análise das Demonstrações Contábeis podem ser variados. Cada grupo de usuários pode ter objetivos específicos para analisar as Demonstrações

Leia mais

FASF Faculdade Sagrada Família MÉTODO DAS PARTIDAS DOBRADAS

FASF Faculdade Sagrada Família MÉTODO DAS PARTIDAS DOBRADAS FASF Faculdade Sagrada Família MÉTODO DAS PARTIDAS DOBRADAS Introdução Sua premissa é de que a condição financeira e os resultados das operações de uma empresa ou organização são mais bem representadas

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PRÓ-HOPE APOIO À CRIANÇA COM CÂNCER CNPJ 02.072.483/0001-65 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DEZEMBRO DE 2010 E 2009

ASSOCIAÇÃO PRÓ-HOPE APOIO À CRIANÇA COM CÂNCER CNPJ 02.072.483/0001-65 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DEZEMBRO DE 2010 E 2009 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DEZEMBRO DE 2010 E 2009 ATIVO 31/12/2010 31/12/2009 PASSIVO 31/12/2010 31/12/2009 CIRCULANTE 2.067.853,08 1.156.034,03 CIRCULANTE 1.444.697,99 375.899,34 DISPONIBILIDADES 1.284.699,22

Leia mais

AUXILIAR DE CONTABILIDADE

AUXILIAR DE CONTABILIDADE 1 AUXILIAR DE CONTABILIDADE 2 01 Introdução Seja bem vindo ao curso de Auxiliar de Contabilidade Durante este curso você irá aprender técnicas que poder ser aplicadas em diversas áreas profissionais. Um

Leia mais

CONTABILIDADE E TURISMO

CONTABILIDADE E TURISMO Capítulo 1 CONTABILIDADE E TURISMO Glauber Eduardo de Oliveira Santos Capítulo 1 Informações iniciais Bibliografia básica IUDÍCIBUS, S. et al. Contabilidade Introdutória. 9 ed. São Paulo: Atlas, 2006.

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 3 15 Rendimentos a distribuir 412 366 Aplicações financeiras de renda fixa 28 8

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1. Moisés Araújo Guarda 2

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1. Moisés Araújo Guarda 2 1 ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1 Moisés Araújo Guarda 2 Sara Alexssandra Gusmão França 3 RESUMO Este artigo versa

Leia mais