Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis"

Transcrição

1 Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis Autoria: Clóvis Luís Padoveze Resumo As demonstrações publicadas de acordo com o formato aprovado pelos órgãos regulatórios, tanto da esfera governamental quanto da classe contábil, apresentam as rubricas denominadas de Lucro Operacional e Resultados Não Operacionais. O objetivo desta evidenciação e classificação é destacar os aspectos ligados aos resultados decorrentes das atividades normais da empresa, ligadas ao seus objetos principais, que são considerados operacionais, dos demais resultados ocorridos dentro de um período contábil. O presente estudo discute essas questões, considerando o conceito de operacionalidade ligado às atividades empresariais, e o conceito de operacionalidade ligado à analise da rentabilidade do investimento, mostrando que o conceito de operacionalidade pode ser visto de forma diferente, se adotados pontos referenciais diferentes. Introdução e objetivo As demonstrações contábeis publicadas tem o intuito de atender diversos usuários. A maior parte deles é considerada usuários externos, se bem que, sua utilização para os usuários internos também mostra-se extremamente útil. O formato de publicação dos demonstrativos contábeis contém uma estrutura relativamente similar nos principais mercados mundiais para as principais peças contábeis, o balanço patrimonial e a demonstração de resultados. O objetivo deste artigo é discutir o conceito de operacionalidade contido nesses dois relatórios contábeis. O conceito de operacionalidade na demonstração de resultados é evidenciado em duas rubricas: 1) o conceito de lucro operacional, que apresenta a resultante das receitas das atividades de venda e prestação de serviços normais da empresa, menos os custos e despesas necessárias para obtenção dessas receitas; 2) os resultados não operacionais, que evidenciam as receitas e custos decorrentes das atividades não contidas no item anterior, que, normalmente são atividades de desativação de ativos permanentes, representadas na demonstração de resultados pela receita de venda de itens permanentes e as despesas de baixas de ativos permanentes. O conceito de operacionalidade no balanço patrimonial não é visível. Em tese, todos os elementos do ativo e passivo devem ser considerados operacionais, pois os ativos são necessários para a execução das atividades ligadas à produção e comercialização dos produtos e serviços da empresa, enquanto que os passivos evidenciam as fontes de recursos obtidas para financiamento desses ativos. O objetivo deste trabalho é mostrar primeiramente que a demonstração de resultados apresentada dentro do atual formato não deixa claro o que é operacional e não operacional. Um segundo objetivo está em discutir o aspecto operacional em relação aos referenciais possíveis, quais sejam, em relação aos produtos e serviços produzidos e os ativos necessários para isso, e em relação à estrutura de capital que suporta os investimentos. Um objetivo adicional deste trabalho está em verificar que determinadas receitas e despesas tem sido muitas vezes classificadas de forma incorreta. Algumas despesas operacionais são consideradas financeiras e algumas receitas financeiras são consideradas operacionais. Complementaremos nosso trabalho com a revisão dos conceitos de operacionalidade para fins de gestão financeira. Para desenvolvermos nossa argumentação, tomaremos como referencial empresas industriais e comerciais. 1

2 O conceito contábil tradicional de operacionalidade Normalmente, o conceito de operacional adotado pela contabilidade, invoca a classificação como tal das despesas necessárias para produzir e comercializar os produtos e serviços da empresa, constantes de seu objeto social e de sua missão. Por conseguinte, são operacionais as receitas decorrentes da venda desses produtos e serviços. O resultado, lucro ou prejuízo, é denominado resultado operacional. O conceito de operacional liga-se então ao conjunto das atividades normais da empresa, relacionadas com o fornecimento dos seus produtos e serviços, atividades estas caracterizadas como rotineiras. Este conceito é denominado de conceito operacional corrente de lucro (Hendriksen e Breda, 1999) Em linhas gerais, a contabilidade considera como não operacional exclusivamente o resultado proveniente da alienação e baixa de ativos permanentes. Ou seja, entende-se que, como regra geral, a empresa não tem como objetivo social a venda de ativos permanentes, e, sim, apenas a sua posse e seu uso. A alienação e baixa de ativos permanentes é uma atividade não rotineira, eventual, e o resultado desta atividade não deve ser misturada com os resultados das atividades comuns da empresa de produzir e comercializar seus produtos e serviços. Desta maneira, outros resultados empresariais, que não estão exatamente entre essas duas classificações, terminam também por ser considerados operacionais. Enquadram-se neste caso, as despesas financeiras (líquidas das receitas financeiras), e os resultados decorrentes dos investimentos em outras empresas (coligadas, controladas, participação em outras empresas), apresentados normalmente sob a rubrica equivalência patrimonial. Se aplicarmos a esses dois elementos da demonstração de resultados o conceito de relação com os produtos e serviços produzidos, eles também poderiam ser considerados não operacionais. Em termos de contabilidade gerencial de análise de rentabilidade de produtos, esta é uma verdade. Em termos de gestão financeira, esses elementos também deveriam ser tratados diferentemente, como discutiremos mais a seguir. O formato legal da Demonstração de Resultados Apresentamos a seguir um exemplo sintético de uma demonstração de resultados da forma como é comumente publicada, decorrente da ordenação discriminada no artigo 187 da Lei 6404/76 (Lei das S/A) 2

3 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO PERÍODO - Apresentação Contãbil RECEITA OPERACIONAL BRUTA (-) Impostos sobre Vendas (10.000) RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA (-) CUSTO DOS PRODUTOS VENDIDOS (30.000) LUCRO BRUTO (-) DESPESAS OPERACIONAIS (8.455) Administrativas Comerciais Financeiras Líquidas Equivalência Patrimonial 200 LUCRO OPERACIONAL Resultados Não Operacionais 20 LUCRO LÍQUIDO ANTES DOS IMPOSTOS Imposto de Renda e Contribuição Social (525) LUCRO LÍQUIDO Para fins de análise financeira gerencial, este formato não é adequado. A aglutinação das despesas financeiras líquidas, mais a equivalência patrimonial, dentro do conceito de lucro operacional, impede uma visão adequada da rentabilidade das atividades de produção e venda dos produtos e serviços. Para que possamos ter uma idéia da rentabilidade operacional dos produtos e serviços devemos considerar a receita operacional líquida, deduzida apenas do custo dos produtos vendidos e das despesas administrativas e comerciais. Despesas Financeiras Líquidas Apresentamos a seguir uma série de elementos de despesas e receitas normalmente classificadas como despesas financeiras líquidas, onde faremos uma breve apreciação dos itens que merecem um reparo. 3

4 Financeiras Líquidas Juros sobre Títulos Descontados 400 Juros pagos a fornecedores por atrazos 20 Descontos concedidos à clientes 40 CPMF 300 Juros sobre Financiamentos de Curto Prazo 480 Juros sobre Financiamentos de Longo Prazo 600 Despesas Bancárias 30 (-) Receitas Financeiras de Aplicações (120) (-) Juros recebidos de clientes por atrazos (80) (-) Descontos obtidos junto à fornecedores (16) PIS/COFINS sobre Receitas Financeiras 1 Despesas de Juros sobre o Capital Próprio 900 (-) Receitas de Juros sobre o Capital Próprio (900) Note-se que há uma série de itens incluídos neste grupo de contas, que não necessariamente devam aí ser classificados. Vejamos as principais considerações.. Despesas bancárias: muitas empresas classificam os gastos com taxas de cobrança de títulos, taxas de protesto de duplicatas, despesas com comunicações bancárias, etc. como despesas financeiras, o que é incorreto. Esses gastos são de natureza de prestação de serviços, operacionais, e devem ser classificados como tal no centro de custo do setor financeiro que cuida desta atividade. Não são absolutamente gastos financeiros.. Descontos obtidos/concedidos, juros em atrazo de duplicatas: decorrentes de recebimentos e pagamentos de duplicatas de clientes e fornecedores, esses elementos de resultado deveriam ser considerados juntamente com a receita operacional bruta e líquida, uma vez que aí originam. Portanto, sua classificação como resultados financeiros é inadequada. Nesta classificação também devem ser enquadradas as variações cambiais dos créditos e obrigações com o mercado externo, após as datas de embarque ou recebimento das mercadorias.. CPMF: apesar de sua base de cálculo ser a movimentação financeira, este gasto é uma despesa tributária e não financeira. Não se deve confundir a base de cálculo com a natureza do gasto. Portanto, é um gasto operacional tributário.. PIS/COFINS sobre Receitas Financeiras: este elemento deve ter duas classificações: este imposto, cuja base sejam as receitas financeiras de aplicações financeiras, deve ser considerado como redutor da receita financeira. Este imposto, sobre as demais receitas aparentemente financeiras, como as relatadas anteriormente (juros e descontos sobre duplicatas), é operacional e deveria ser classificado reduzindo tais receitas.. Juros sobre o Capital Próprio: como despesa, este elemento de resultado é uma distribuição de lucros, e, portanto, gerencialmente, não deve ser classificado como despesa financeira, e, sim, fazer parte da demonstração dos lucros acumulados ou das mutações do patrimônio líquido. Como receita, deve ser considerado como dividendo ou equivalência patrimonial, também não se caracterizando como financeiro, e sim, rentabilidade dos investimentos em outras empresas.. Juros sobre Títulos Descontados: este talvez seja o item mais polêmico. Nosso entendimento particular é que a operação de desconto de títulos e duplicatas deva ser uma 4

5 operação esporádica, para cobrir os vales das oscilações naturais do saldo de tesouraria, objetivando equalização do fluxo de caixa diário. Nesse sentido, esses juros (que já devem estar sendo cobrados embutidos na duplicata pois ela é decorrente de uma venda a prazo), nada mais são do que redutores da receita operacional bruta e líquida. Caso porém, o entendimento seja de que as dívidas com títulos descontados devam fazer parte da estrutura de capital, ou seja, sejam caracterizados como uma fonte permanente de recursos de terceiros, eles deveriam ser considerados como despesa financeira do capital de terceiros. Reforçamos, contudo, que nosso entendimento é que esta operação deveria ser característica de aporte de caixa para fazer face à eventual insuficiência temporária de fundos diários de tesouraria. Equivalência Patrimonial Este resultado não está ligado às operações necessárias para os produtos e serviços, e, considerando este referencial, não são operacionais. A equivalência é o resultado contábil do período proveniente das aplicações da empresa em títulos de outras companhias. Por outro lado, considerada como o resultado de um investimento, é operacional em relação à este investimento. Na realidade, a problemática está em juntar dois tipos de retornos sob o mesmo grupo de contas. Enquanto que os resultados operacionais clássicos referem-se aos produtos e serviços vendidos por esta empresa, a equivalência é o resultado de aplicações em outras empresas. A análise gerencial deve separar esses dois tipos de resultados. Resultados Não Operacionais Basicamente referem-se aos resultados decorrentes das alienações e baixas de bens e direitos do ativo permanente. Vejamos as principais contas: Resultados Não Operacionais 20 Alienação de Bens/Direitos do Ativo Permanente 120 Valor da Baixa de Bens/Direitos do Permanente (200) Recuperação de Sinistros do Permanente 100 Esta classificação em nosso entendimento pode ser considerada parcialmente incorreta. Esses resultados, quando decorrentes dos ativos permanentes ligados às operações da empresa, sejam eles investimentos, imobilizados ou diferidos, deveriam ser considerados como operacionais. O simples fato de sua desativação não ser rotineira, não tira a característica de operacionalidade desses resultados. É importante ressaltar que as empresas estão continuadamente atualizando seu parque industrial e comercial e os investimentos em direitos e despesas diferidas. Esses investimentos são operacionais. Esses investimentos provocam depreciações e amortizações adicionais, que estão consideradas dentro do custo dos produtos vendidos e das despesas administrativas e comerciais. Portanto, entendemos justo fazer o confronto do resultado das baixas e alienações do ativo permanente operacional com o resultado operacional, onde constam as novas amortizações e depreciações. Em outras palavras, o resultado das baixas e alienações de ativos permanentes operacionais é um elemento redutor das despesas operacionais de amortização e depreciação. A exceção à este conceito seria o resultado da baixa e alienação de ativos permanentes não ligados à produção e comercialização de seus bens e serviços, como por exemplo, 5

6 imóveis ou direitos sem utilização operacional. Com relação ao aspecto da gestão financeira e análise de rentabilidade do investimento, então não há nenhuma dúvida. Esses resultados devem ser considerados operacionais. Juros nas compras e vendas a prazo Este aspecto tem sido muito pouco discutido, e, em nosso conhecimento, muito menos aplicado. Dentro da receita operacional bruta e líquida, as vendas a prazo contêm seguramente um valor adicional, em relação a um preço de venda à vista, para fazer face a cobertura da espera do recebimento da duplicata. Como pela legislação fiscal brasileira, os juros adicionados nas vendas a prazo devem fazer parte da tributação dos impostos sobre vendas, o normal tem sido contabilizar a receita da venda da maneira como expressa nos documentos fiscais(iudícibus, Martins e Gelbcke, 1985). Isto é um erro gerencial. Devemos separar o resultado da venda como se fosse à vista, para isolar o fator juro da transação. Os juros devem ser considerados como receita financeira de venda e devem ser confrontados, gerencialmente, com custos financeiros de mercado, para verificarmos se o financiamento das operações de venda trazem um resultado financeiro positivo ou negativo( Catelli, 1999). A prática das empresas tem sido de ofertar as vendas a prazo de forma rotineira, algumas até com procedimento padrão. Para fazer face ao capital de giro necessário para esta atividade, as empresas captam recursos das formas tradicionais da estrutura de capital. Dentro desta concepção, nosso entendimento é que os juros das vendas a prazo não deva ser considerado como receita financeira de aplicação, e, sim, uma receita financeira operacional, e gerencialmente tratada como tal. As mesas considerações devem ser aplicadas sobre as compras a prazo. Os juros dessas transações devem ser considerados como despesa financeira operacional, e não como despesa financeira de financiamentos. Formato gerencial da Demonstração de Resultados Considerando todos os aspectos que apresentamos, é necessário uma readequação do formato da demonstração de resultados, apresentando os elementos operacionais, agora com nova interpretação, separando também os valores à vista dos valores adicionados nas transações efetuadas à prazo. Complementarmente, destacam-se as despesas financeiras líquidas das receitas financeiras, considerando exclusivamente dos gastos oriundos dos financiamentos de curto e longo prazo, não incorporando os gastos com títulos descontados. O fato de reduzirmos as despesas financeiras com capital de terceiros das receitas financeiras das aplicações, remetenos a introduzir o conceito de capital de terceiros líquido (ou passivo financeiro líquido ou financiamento líquido), qual seja, o total dos financiamentos de curto e longo prazo deduzido das aplicações financeiras de excedentes de caixa. Apresentamos a seguir uma proposta do formato gerencial para a demonstração de resultados. 6

7 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO PERÍODO - Formato Gerencial RECEITA OPERACIONAL BRUTA -Valores à Vista (-) Impostos sobre Vendas- Valores à Vista (9.000) RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA- Valores à Vista (-) CUSTO DOS PRODUTOS VENDIDOS - Valores à Vista (27.000) LUCRO BRUTO - Valores à Vista (-) DESPESAS OPERACIONAIS (7.311) Administrativas Comerciais Outras Despesas e Receitas 331 CPMF 300 Despesas Bancárias 30 PIS/COFINS sobre Receitas Financeiras 1 Resultados Não Operacionais 20 Alienação de Bens/Direitos do Ativo Permanente 120 Valor da Baixa de Bens/Direitos do Permanente (200) Recuperação de Sinistros do Permanente 100 LUCRO OPERACIONAL - Valores à Vista RESULTADOS FINANCEIROS DAS OPERAÇÕES 636 Juros embutidos nas vendas à prazo Impostos sobre vendas sobre juros embutidos nas vendas (1.000) Juros embutidos nas compras à prazo (3.000) Juros sobre Títulos Descontados (400) Juros pagos a fornecedores por atrazos (20) Descontos concedidos à clientes (40) Juros recebidos de clientes por atrazos 80 Descontos obtidos junto à fornecedores 16 LUCRO OPERACIONAL - Valores à Prazo Despesas Financeiras Líquidas (960) Juros sobre Financiamentos de Curto Prazo 480 Juros sobre Financiamentos de Longo Prazo 600 (-) Receitas Financeiras de Aplicações (120) Equivalência Patrimonial 200 LUCRO LÍQUIDO ANTES DOS IMPOSTOS Imposto de Renda e Contribuição Social (525) LUCRO LÍQUIDO

8 Elementos não operacionais do Balanço Patrimonial Apresentamos a seguir um quadro sintético da formatação tradicional do balanço patrimonial. BALANÇO PATRIMONIAL - Apresentação Contábil ATIVO Inicial Final CIRCULANTE Caixa/Bancos/Aplicações Financeiras Clientes (-) Títulos Descontados (2.500) (2.500) Estoques Outros realizáveis REALIZÁVEL LONGO PRAZO Clientes Outros realizáveis PERMANENTE Investimentos Imobilizado Diferido ATIVO TOTAL ATIVO Inicial Final CIRCULANTE Fornecedores Impostos a recolher Contas a pagar Financiamentos EXIGÍVEL A LONGO PRAZO Financiamentos PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital Social Reservas Lucros Acumulados PASSIVO TOTAL Como já introduzimos, não são visíveis elementos não operacionais no balanço patrimonial. Em linhas gerais, são considerados não operacionais os ativos que não se destinem à manutenção da atividade da companhia ou da empresa (Iudícibus, Martins e Gelbcke, 1985). Esses itens normalmente são classificados como investimentos, mas nada impediria sua classificação como realizável a longo prazo ou mesmo no circulante, se houver intenção imediata de venda. Como passivos não operacionais, por consequência, deveriam ser assim entendidos os recursos obtidos e a pagar, para fazer face aos investimentos descritos acima. 8

9 Gestão Contábil e Gestão Financeira Normalmente a gestão contábil trabalha com os demonstrativos contábeis no formato tradicional, incluindo o ferramental de análise de balanço e de avaliação da rentabilidade do investimento. Já verificamos que a demonstração de resultados deve ser formatada diferentemente, para fins gerenciais, uma vez que o formato legal tem uma série de inadequações de classificação. A gestão financeira, outrossim, tem uma visão específica de análise e retorno do investimento, considerando dois conceitos fundamentais: 1) O conceito de capital circulante líquido, onde os passivos de funcionamento (fornecedores, impostos e contas a pagar), são considerados como elementos redutores dos ativos de funcionamento (contas a receber e estoques), gerando com isso o conceito complementar de ativo operacional. 2) O conceito de estrutura de capital, onde são considerados como fontes de financiamento para o ativo operacional, apenas os passivos financeiros de cunho de permanência (mesmo que esporadicamente com parcelas de curto prazo), denominados de financiamentos, remunerados por juros, e o capital próprio, representado pelo patrimônio líquido contábil, remunerado pelo lucro líquido da empresa. Esses conceitos de gestão financeira implicam numa apresentação diferenciada do balanço patrimonial, que evidenciamos a seguir. 9

10 BALANÇO PATRIMONIAL - Modelo Financeiro ATIVO Inicial Final CIRCULANTE LÍQUIDO Clientes (-) Títulos Descontados (2.500) (2.500) Estoques Outros realizáveis (-) Fornecedores (2.400) (2.600) (-) Impostos a recolher (1.200) (1.400) (-) Contas a pagar (1.000) (1.100) REALIZÁVEL LONGO PRAZO Clientes Outros realizáveis PERMANENTE Investimentos Imobilizado Diferido ATIVO TOTAL ATIVO Inicial Final CIRCULANTE Financiamentos (-) Caixa/Bancos/Aplicações Financeiras (1.200) (1.480) EXIGÍVEL A LONGO PRAZO Financiamentos PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital Social Reservas Lucros Acumulados PASSIVO TOTAL A diferença entre o formato contábil tradicional e o modelo financeiro, além da classificação diferenciada, centra-se no valor total do ativo. No formato tradicional o valor do ativo do balanço final é de $ e no modelo gerencial é de $ O que implica isto? Excetuando o aspecto visual, a apresentação diferenciada conduzirá a mensuração diferenciada de vários aspectos normalmente analisados e considerados importantes para acompanhamento econômico financeiro da empresa, como por exemplo: a) o grau de endividamento da empresa, no passivo; b) a participação de capital próprio e capital de terceiros; c) a desconsideração, no modelo financeiro, dos índices de liquidez na sua visão clássica; d) o grau de imobilização do ativo; e) o índice de rotação ou giro do ativo; f) a rentabilidade do ativo etc. 10

11 Nos deteremos a seguir, a título de exemplo, no aspecto que julgamos mais importante em nosso trabalho, que é a análise do retorno do investimento e remuneração das fontes de recursos da estrutura de capital. Retorno do Investimento e Remuneração das Fontes de Capital No formato contábil, a rentabilidade operacional do ativo inicial (antes dos impostos sobre o lucro) seria de 6,54%: Lucro Operacional $ = = 6,54% Ativo Total $ No formato gerencial e financeiro, esta mesma rentabilidade seria de 13,06% Lucro Operacional $ = = 13,06% Ativo Total $ Em nosso entendimento, este último indicador é o mais correto. A análise da remuneração do capital de terceiros também mostra-se mais adequada. No formato contábil, o custo médio de capital de terceiros sobre o saldo inicial dos financiamentos de curto e longo prazo (antes dos impostos sobre o lucro) seria de 16,55%: Despesas Financeiras Líquidas $ = = 16,55% Total dos Financiamentos ($ $ 6.000) = $ No modelo gerencial e financeiro este mesmo custo seria de 10,90%: Despesas Financeiras Líquidas $ = = 10,90% Total dos Financiamentos ($ $ 6.000) = $ Relembramos os dois critérios básicos adotados para o formato gerencial/financeiro: primeiro, um expurgo de todos os itens normalmente denominados financeiros, que na realidade não o são (CPMF, despesas bancárias etc.); segundo: a adoção do conceito de financiamentos líquidos, com a redução do total dos financiamentos do valor das aplicações financeiras. Conclusão Verificamos que é necessário um revisionamento crítico permanente dos contadores sobre a classificação dos elementos de despesas e receitas quanto ao conceito de operacionalidade. É de suma importância esta revisão, uma vez que as conclusões das análises financeiras e de avaliação de desempenho dos investimentos, bem como da rentabilidade do capital, podem se mostrar enviesadas por classificações incorretas, prejudicando sensivelmente os modelos decisórios e a atuação dos gestores responsáveis por tais decisões. 11

12 Outro fator que também reputamos importante é que não devemos nos prender excessivamente aos modelos tradicionais, buscando sempre novos modelos de informação que sejam os mais adequados para os gestores empresariais. Isto não implica no abandono dos modelos existentes e obrigatórios, mas sim, a construção de modelos de informação contábeis alternativos, adaptados à cada empresa e às diversas necessidades gerenciais de tomada de decisão. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CATELLI, Armando. Controladoria. São Paulo, Ed. Atlas, HENDRIKSEN, Eldon S. e BREDA, Michael F. Van. Teoria da Contabilidade. São Paulo, Ed. Atlas, IUDÍCIBUS, Sérgio de., MARTINS, Eliseu e GELBCKE, Ernesto Rubens. Manual de Contabilidade das Sociedades por Ações. 2 ª ed., São Paulo, Ed. Atlas, MARION, José Carlos. Contabilidade Empresarial. São Paulo, Ed. Atlas, MATARAZZO, Dante C. Análise Financeira de Balanços. 3 ª Ed., São Paulo, Ed. Atlas,

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO Olá, pessoal! Hoje trago uma aula sobre a Demonstração do Valor Adicionado DVA, que foi recentemente tornada obrigatória para as companhias abertas pela Lei 11.638/07, que incluiu o inciso V ao art. 176

Leia mais

Princípios Fundamentais Contabilidade

Princípios Fundamentais Contabilidade Princípios Fundamentais Contabilidade 1 Princípios Contábeis. Resolução CFC 750 de 29 de dezembro de 1993. Art. 3 São Princípios de Contabilidade:(2) I o da ENTIDADE; II o da CONTINUIDADE; III o da OPORTUNIDADE;

Leia mais

ANÁLISE E APLICAÇÃO DOS ÍNDICES DE LIQUIDEZ APLICADOS AS EMPRESAS EM GERAL COM BASE EM SEUS EMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

ANÁLISE E APLICAÇÃO DOS ÍNDICES DE LIQUIDEZ APLICADOS AS EMPRESAS EM GERAL COM BASE EM SEUS EMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ANÁLISE E APLICAÇÃO DOS ÍNDICES DE LIQUIDEZ APLICADOS AS EMPRESAS EM GERAL COM BASE EM SEUS EMONSTRATIVOS CONTÁBEIS PAULO NAZARENO CARDOSO DA SILVA GRADUANDO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS UNIVERSIDADE

Leia mais

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público www.qconcursos.com ]

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público www.qconcursos.com ] 01 - Q223454A contabilidade foi definida no I Congresso Brasileiro de Contabilidade como: a ciência que estuda e pratica as funções de orientação, controle e registro relativo aos atos e fatos da administração

Leia mais

Contas. Osni Moura Ribeiro ; Contabilidade Fundamental 1, Editora Saraiva- ISBN 9788502065901

Contas. Osni Moura Ribeiro ; Contabilidade Fundamental 1, Editora Saraiva- ISBN 9788502065901 Contas 2.1. Conceito Na sua linguagem cotidiana, o que representa a palavra conta? Você poderá responder: Uma operação aritmética de soma, subtração, multiplicação ou divisão; A conta de água e esgoto,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação a conceitos, objetivos e finalidades da contabilidade, julgue os itens que se seguem. 51 Auxiliar um governo no processo de fiscalização tributária é uma das finalidades

Leia mais

Unidade III. Existe uma técnica própria para a construção de padrões para a Análise de Balanços, e tal se encontra neste capítulo.

Unidade III. Existe uma técnica própria para a construção de padrões para a Análise de Balanços, e tal se encontra neste capítulo. Unidade III FIXAÇÃO DOS ÍNDICES PADRÕES Matarazzo (08) afirma: A Análise de Balanços através de índices só adquire consistência e objetividade quando os índices são comparados com padrões, pois, do contrário,

Leia mais

Neste contexto, o Fluxo de Caixa torna-se ferramenta indispensável para planejamento e controle dos recursos financeiros de uma organização.

Neste contexto, o Fluxo de Caixa torna-se ferramenta indispensável para planejamento e controle dos recursos financeiros de uma organização. UNIDADE II FLUXOS DE CAIXA Em um mercado competitivo, a gestão eficiente dos recursos financeiros, torna-se imprescindível para o sucesso da organização. Um bom planejamento do uso dos recursos aliado

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro Unidade II CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Objetivo Conhecer a estrutura do balanço patrimonial: ativo; passivo. Conhecer a estrutura do DRE. Conhecer a estrutura do DFC: direto; indireto. Balanço patrimonial

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIDADE VI - ÍNDICES DE RENTABILIDADE

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIDADE VI - ÍNDICES DE RENTABILIDADE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIDADE VI - ÍNDICES DE RENTABILIDADE 0 6. ÍNDICES DE RENTABILIDADE Caro aluno, você já sabe todo empresário ou investidor espera que o capital investido seja adequadamente

Leia mais

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL Renara Tavares da Silva* RESUMO: Trata-se de maneira ampla da vitalidade da empresa fazer referência ao Capital de Giro, pois é através deste que a mesma pode

Leia mais

Professor conteudista: Hildebrando Oliveira

Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Contabilidade Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Sumário CONTABILIDADE Unidade I 1 CONCEITO DE CONTABILIDADE...1 2 OBJETO DA CONTABILIDADE...2 3 O BALANÇO PATRIMONIAL...3 4 A CONTA...4 O RESULTADO...6

Leia mais

TÓPICO ESPECIAL DE CONTABILIDADE: IR DIFERIDO

TÓPICO ESPECIAL DE CONTABILIDADE: IR DIFERIDO TÓPICO ESPECIAL DE CONTABILIDADE: IR DIFERIDO! O que é diferimento?! Casos que permitem a postergação do imposto.! Diferimento da despesa do I.R.! Mudança da Alíquota ou da Legislação. Autores: Francisco

Leia mais

Fundamentos Decifrados de Contabilidade

Fundamentos Decifrados de Contabilidade 1 Resultado... 1 1.1 Receitas... 1 1.2 Despesas... 3 1.3 Ajustes... 6 2 Os conceitos de capital e de manutenção do capital... 7 1 Resultado O resultado é a medida mais utilizada para aferir a performance

Leia mais

Demonstrações Financeiras Externas

Demonstrações Financeiras Externas P A R T E I D e m o n s t r a ç õ e s F i n a n c e i r a s p a r a G e r e n t e s 16 C A P Í T U L O 2 Demonstrações Financeiras Externas O que o mundo sabe sobre sua empresa As demonstrações financeiras

Leia mais

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS ANACLETO G. 1 1. INTRODUÇÃO Este estudo tem a finalidade de apuração dos resultados aplicados pelos

Leia mais

FLUXO DE FUNDOS E CAPITAL DE GIRO

FLUXO DE FUNDOS E CAPITAL DE GIRO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

10. Balanço Patrimonial. 10.1 Plano de Contas

10. Balanço Patrimonial. 10.1 Plano de Contas 10. Balanço Patrimonial 10.1 Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio plano de contas de acordo com suas

Leia mais

Cada prova possuirá 20 (vinte) questões objetivas e 1 (uma) questão discursiva. A prova terá duração de 2 (duas) horas, com início às 9h.

Cada prova possuirá 20 (vinte) questões objetivas e 1 (uma) questão discursiva. A prova terá duração de 2 (duas) horas, com início às 9h. O Exame de Suficiência em Contabilidade aplicado aos alunos ingressantes nos cursos de pós graduação lato sensu da FECAP, abaixo listados, é requisito para a obtenção do certificado de conclusão de curso

Leia mais

Sistema de contas. Capítulo 2 Sistema de contas

Sistema de contas. Capítulo 2 Sistema de contas Sistema de contas Capítulo 2 Sistema de contas SUMÁRIO: 1. Conceito 2. Teoria das contas 2.1. Teoria personalística (ou personalista) 2.2. Teoria materialística (ou materialista) 2.3. Teoria patrimonialista

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 6: DECISÕES DE FINANCIAMENTO A CURTO PRAZO Nossa experiência, após centenas de demonstrações financeiras examinadas, sinaliza que as empresas entram num cenário de dificuldades

Leia mais

Previsão da Necessidade de Capital de Giro utilizando os preceitos do Modelo de Entrada- Saída de Leontief

Previsão da Necessidade de Capital de Giro utilizando os preceitos do Modelo de Entrada- Saída de Leontief Previsão da Necessidade de Capital de Giro utilizando os preceitos do Modelo de Entrada- Saída de Leontief Adriano Antonio Nuintin Andréa Salvi Carlos Alberto Grespan Bonacim Evandro Marcos Saidel Ribeiro

Leia mais

IBRACON NPC nº 25 - CONTABILIZAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA E DA CONSTRIBUIÇÃO SOCIAL

IBRACON NPC nº 25 - CONTABILIZAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA E DA CONSTRIBUIÇÃO SOCIAL IBRACON NPC nº 25 - CONTABILIZAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA E DA CONSTRIBUIÇÃO SOCIAL PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS APLICÁVEIS 1. Este pronunciamento tem por objetivo normatizar o tratamento contábil do imposto de

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA «21. O sistema de intermediação financeira é formado por agentes tomadores e doadores de capital. As transferências de recursos entre esses agentes são

Leia mais

Prof. Fernando Oliveira Boechat

Prof. Fernando Oliveira Boechat Prof. Fernando Oliveira Boechat Prof. Fernando Oliveira Boechat Sumário: 1. Introdução 2. Prof. Fernando Oliveira Boechat 2 Introdução: ENTENDENDO AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS Prof. Fernando

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS AMORTIZAÇÃO: Representa a conta que registra a diminuição do valor dos bens intangíveis registrados no ativo permanente, é a perda de valor de capital aplicado na aquisição

Leia mais

VARIAÇÕES DE PREÇOS NOS ESTOQUES E SEUS IMPACTOS NO FLUXO DE CAIXA DE EMPRESAS COMERCIAIS

VARIAÇÕES DE PREÇOS NOS ESTOQUES E SEUS IMPACTOS NO FLUXO DE CAIXA DE EMPRESAS COMERCIAIS VARIAÇÕES DE PREÇOS NOS ESTOQUES E SEUS IMPACTOS NO FLUXO DE CAIXA DE EMPRESAS COMERCIAIS Barbieri, Geraldo* Kume, Ricardo* Seidel, André* *Faculdade de Economia e Administração. Universidade de São Paulo

Leia mais

ASPECTOS GERAIS NA ELABORAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS EMPRESAS

ASPECTOS GERAIS NA ELABORAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS EMPRESAS ASPECTOS GERAIS NA ELABORAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS EMPRESAS Resolução CFC nº 1.418/2012 ITG 1000. CONVÊNIO CRCGO / SCESGO NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE MODELO CONTÁBIL PARA MICROEMPRESA

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Texto para as questões de 31 a 35 conta saldo despesa de salários 10 COFINS a recolher 20 despesas de manutenção e conservação 20 despesa de depreciação 20 PIS a recolher 30 despesas

Leia mais

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteI

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteI Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteI! Como determinar a geração interna de caixa?! Como determinar a geração operacional de caixa?! Entendendo a formação de caixa de uma empresa!

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Graduação em Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Graduação em Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Graduação em Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria Aline Fernanda de Oliveira Castro Michelle de Lourdes Santos A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE

Leia mais

INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO DE LONDRINA CASA DO EMPREENDEDOR NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2.011.

INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO DE LONDRINA CASA DO EMPREENDEDOR NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2.011. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2.011. 1 CONTEXTO OPERACIONAL A Instituição Comunitária de Crédito de Londrina Casa do Empreendedor, em operação desde 18/11/1997, é uma

Leia mais

Análise Econômico-Financeira

Análise Econômico-Financeira Universidade Federal do Pará Curso de Ciências Contábeis Departamento de Contabilidade Análise Econômico-Financeira Gilvan Pereira Brito 0301007601 Belém-Pará 2007 1 Universidade Federal do Pará Curso

Leia mais

CONTROLES FINANCEIROS

CONTROLES FINANCEIROS 40 CONTROLES FINANCEIROS 1 A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE nas mais diversas áreas: organização empresarial, finanças, marketing, produção,

Leia mais

ANALISTA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL 2012. QUESTÃO 24. CONTABILIDADE GERAL. Solicitando anulação.

ANALISTA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL 2012. QUESTÃO 24. CONTABILIDADE GERAL. Solicitando anulação. ANALISTA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL 2012. QUESTÃO 24. CONTABILIDADE GERAL. Solicitando anulação. 4.2.3 Perdas estimadas em créditos de liquidação duvidosa. a) conceito... A importância de se fazer essa

Leia mais

Contabilidade Geral e Avançada Correção da Prova AFRFB 2009 Gabarito 1 Parte 1 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA

Contabilidade Geral e Avançada Correção da Prova AFRFB 2009 Gabarito 1 Parte 1 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA 1. O Conselho Federal de Contabilidade, considerando que a evolução ocorrida na área da Ciência Contábil reclamava a atualização substantiva e adjetiva de seus princípios,

Leia mais

Proposta de apresentação das Demonstrações Contábeis

Proposta de apresentação das Demonstrações Contábeis Revista UNIFESO Humanas e Sociais Vol. 1, n. 1, 2014, pp. 35-44. Proposta de apresentação das Demonstrações Contábeis pelos critérios de avaliação econômica e a preços de mercado Clóvis Luís Padoveze 1

Leia mais

ÍNDICES FINANCEIROS E LUCRATIVIDADE - UM ESTUDO DOS ÍNDICES DE RENTABILIDADE

ÍNDICES FINANCEIROS E LUCRATIVIDADE - UM ESTUDO DOS ÍNDICES DE RENTABILIDADE 1 ÍNDICES FINANCEIROS E LUCRATIVIDADE - UM ESTUDO DOS ÍNDICES DE RENTABILIDADE Giselle Damasceno da Silva Graduanda em Ciências Contábeis pela UFPA RESUMO Este estudo, parte da necessidade de utilização

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07 Subvenção e Assistência Governamentais Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 20 (IASB) Índice Item OBJETIVO E ALCANCE

Leia mais

ASPECTOS AVANÇADOS NA ANÁLISE

ASPECTOS AVANÇADOS NA ANÁLISE ASPECTOS AVANÇADOS NA ANÁLISE! O que é Necessidade de Capital de Giro (NCG)! Como se determina a NCG! Reclassificação das contas do Ativo e Passivo Circulante! Causas das variações da NCG Autores: Francisco

Leia mais

Demonstrações Financeiras Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração - ABM

Demonstrações Financeiras Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração - ABM Demonstrações Financeiras Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração - ABM Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes... 1 Demonstrações financeiras auditadas

Leia mais

6/8/2012. Contabilidade Intermediária. Aula 1 Apuração do Resultado do Exercício. Objetivos. Objetivos. Profa. Ma. Simone Maria Menezes Dias

6/8/2012. Contabilidade Intermediária. Aula 1 Apuração do Resultado do Exercício. Objetivos. Objetivos. Profa. Ma. Simone Maria Menezes Dias Contabilidade Intermediária Aula 1 Apuração do Resultado do Exercício Profa. Ma. Simone Maria Menezes Dias Objetivos Entender a sistemática do Balancete de Verificação. Utilizar o Balancete de Verificação

Leia mais

Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC. Renato Tognere Ferron

Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC. Renato Tognere Ferron Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC Renato Tognere Ferron Relatórios Contábeis Relatórios Contábeis Obrigatórios Exigidos pela Lei das Sociedades por ações Sociedade Anônima Deverão ser publicados Ltdas.

Leia mais

Análise Financeira. Universidade do Porto Faculdade de Engenharia Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão

Análise Financeira. Universidade do Porto Faculdade de Engenharia Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão Análise Financeira Universidade do Porto Faculdade de Engenharia Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão Introdução Objectivos gerais avaliar e interpretar a

Leia mais

Boletim. Contabilidade Internacional. Manual de Procedimentos

Boletim. Contabilidade Internacional. Manual de Procedimentos Boletim Manual de Procedimentos Contabilidade Internacional Custos de transação e prêmios na emissão de títulos e valores mobiliários - Tratamento em face do Pronunciamento Técnico CPC 08 - Exemplos SUMÁRIO

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL. FASF - Faculdade Sagrada Família - Curso de Administração - Disciplina Contabilidade Geral - 3º periodo

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL. FASF - Faculdade Sagrada Família - Curso de Administração - Disciplina Contabilidade Geral - 3º periodo ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais

CPF DO CANDIDATO (A): DATA: 17/11/2014. NOME DO CANDIDATO (A): PROVA ESCRITA

CPF DO CANDIDATO (A): DATA: 17/11/2014. NOME DO CANDIDATO (A): PROVA ESCRITA CPF DO CANDIDATO (A): DATA: 17/11/2014. NOME DO CANDIDATO (A): PROVA ESCRITA Processo Seletivo para Curso de Especialização em Controladoria e Finanças Edital nº 04/2014 INSTRUÇÕES: A prova é individual,

Leia mais

Prof. Walter Dominas

Prof. Walter Dominas Unidade II CONTABILIDADE AVANÇADA Prof. Walter Dominas Consolidação das demonstrações contábeis A Consolidação das Demonstrações Contábeis é uma técnica que permite conhecer a posição financeira de um

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ APRESENTAÇÃO O Gerenciamento de Risco de Liquidez tem como principal objetivo manter o equilíbrio entre os recursos capitados pela cooperativa e a concessão de crédito aos associados, considerando políticas

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I

GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I BALANÇO PATRIMONIAL 2 CONCEITO É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, o Patrimônio e o Patrimônio Líquido

Leia mais

IFRS TESTE DE RECUPERABILIDADE CPC 01 / IAS 36

IFRS TESTE DE RECUPERABILIDADE CPC 01 / IAS 36 IFRS TESTE DE RECUPERABILIDADE CPC 01 / IAS 36 1 Visão geral O CPC 01 é a norma que trata do impairment de ativos ou, em outras palavras, da redução ao valor recuperável de ativos. Impairment ocorre quando

Leia mais

O QUE É ATIVO INTANGÍVEL?

O QUE É ATIVO INTANGÍVEL? O QUE É ATIVO INTANGÍVEL?! Quais as características do Ativo Intangível?! O problema da mensuração dos Ativos Intangíveis.! O problema da duração dos Ativos Intangíveis. Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

EXEMPLO COMPLETO DO CÁLCULO DO FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS

EXEMPLO COMPLETO DO CÁLCULO DO FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS EXEMPLO COMPLETO DO CÁLCULO DO FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS! O pagamento de juros conjunturais! O pagamento de juros estruturais! O recebimento de dividendos! A contratação de

Leia mais

Contabilidade Empresarial

Contabilidade Empresarial Contabilidade Empresarial PROGRAMA DO CURSO Conceitos básicos de contabilidade Balanço patrimonial Demonstrativo de resultado de exercício Demonstrativo de fluxo de caixa Demonstrativo das Origens e Aplicações

Leia mais

CONTABILIDADE BÁSICA

CONTABILIDADE BÁSICA CONTABILIDADE BÁSICA RESUMIDA on line http://www.grupoempresarial.adm.br 8/5/2014 21:32 Página 1 de 12 PARTE 1 / ASPECTOS TEÓRICOS INICIAIS Conteúdo sinótico 1. Estrutura Conceitual Básica da Contabilidade

Leia mais

00009-4 PANATLANTICA SA 92.693.019/0001-89

00009-4 PANATLANTICA SA 92.693.019/0001-89 NOTA 01 - CONTEXTO OPERACIONAL A Companhia, com sede em Gravataí (RS) e unidade industrial em Glorinha (RS), tem por objeto a industrialização, comércio, importação, exportação e beneficiamento de aços

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA

GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA Pág. 1 Índice 1. BALANCETE... 3 2. BALANÇO... 5 3. DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS... 10 4. RESUMO... 12 Pág. 2 1. BALANCETE O balancete é um documento contabilístico

Leia mais

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_...

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... Página 1 de 14 CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Considerações ROTEIRO 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

Leia mais

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO Este artigo cientifico, apresenta de maneira geral e simplificada, a importância do capital de giro para as empresas,

Leia mais

http://www.portaldecontabilidade.com.br/guia/clientes/comercial/imobi... ATIVO IMOBILIZADO

http://www.portaldecontabilidade.com.br/guia/clientes/comercial/imobi... ATIVO IMOBILIZADO 1 de 6 31/01/2015 14:40 ATIVO IMOBILIZADO O Ativo Imobilizado é formado pelo conjunto de bens e direitos necessários à manutenção das atividades da empresa, caracterizados por apresentar-se na forma tangível

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS DA ADMINISTRAÇÃO ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012

NOTAS EXPLICATIVAS DA ADMINISTRAÇÃO ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012 NOTAS EXPLICATIVAS DA ADMINISTRAÇÃO ÀS DEMONSTRAÇÕES 1. BREVE HISTÓRICO DO CLUBE CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012 O Esporte Clube Vitória, fundado na cidade do Salvador, onde tem foro e sede,

Leia mais

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo 12. Demonstração do Fluxo de Caixa 2 12.1. Introdução 2 12.2. Conceitos Importantes 2 12.3. Atividades Operacionais 5 12.4. Atividades de Investimento 7

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa

Manual do Revisor Oficial de Contas IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa Esta Norma Internacional de Contabilidade revista substitui a NIC 7, Demonstração de Alterações na

Leia mais

COMO CONVERTER DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS PARA A MOEDA AMERICANA (FAS 52)

COMO CONVERTER DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS PARA A MOEDA AMERICANA (FAS 52) COMO CONVERTER DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS PARA A MOEDA AMERICANA (FAS 52)! As principais diferenças entre as normas contábeis brasileiras e americanas (US GAAP)! As taxas de conversão a serem

Leia mais

e-book : CONVERSÃO DE BALANÇOS

e-book : CONVERSÃO DE BALANÇOS 1 e-book : CONVERSÃO DE BALANÇOS Novembro 2002. 2 Home 25 de Novembro de 2002 CONVERSÃO DE BALANÇOS EM MOEDA ESTRANGEIRA FASB-52 E USGAAP Lauro Jorge Prado Série Contabilidade A escolha de uma moeda funcional

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 02 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

Vamos à prova: Analista Administrativo ANEEL 2006 ESAF

Vamos à prova: Analista Administrativo ANEEL 2006 ESAF Pessoal, hoje trago a prova que a ESAF realizou recentemente para o concurso de Analista da ANEEL. A prova é interessante, pois houve várias questões mal formuladas, mas que não foram anuladas pela Banca.

Leia mais

ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL - REGRAS APLICÁVEIS PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE

ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL - REGRAS APLICÁVEIS PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL - REGRAS APLICÁVEIS PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE Matéria Elaborada com Base na Legislação Vigente em: 26/12/2012. Sumário: 1 - INTRODUÇÃO 2 - ALCANCE DA ITG 1000 3

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade. Aula: 04 Prof.: Adelino Corrêa DATA: 26/10/2008. 13. Operações com mercadoria

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade. Aula: 04 Prof.: Adelino Corrêa DATA: 26/10/2008. 13. Operações com mercadoria 13. Operações com mercadoria Na comercialização de mercadoria (principal objeto de empresa comercial) existirão os tributos; entre eles o ICMS que será estudado na compra e venda da mercadoria. Impostos

Leia mais

Instituto Odeon - Filial Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório de revisão dos auditores independentes

Instituto Odeon - Filial Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório de revisão dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de e relatório de revisão dos auditores independentes Relatório de revisão dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Administradores

Leia mais

Unidade: Decisão de Investimento de Longo Prazo. Unidade I:

Unidade: Decisão de Investimento de Longo Prazo. Unidade I: Unidade: Decisão de Investimento de Longo Prazo Unidade I: 0 Unidade: Decisão de Investimento de Longo Prazo 1. Introdução à Disciplina Aspectos Gerais 1. 1. Orçamento de Capital As empresas efetuam investimentos

Leia mais

AUTOR(ES): ARIANE BUENO DOS SANTOS, ANA PAULA CILOTTI, CLARISSA REIS SILVA

AUTOR(ES): ARIANE BUENO DOS SANTOS, ANA PAULA CILOTTI, CLARISSA REIS SILVA TÍTULO: MODELOS DE QUALIDADE DA INFORMAÇÃO CONTÁBIL. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES): ARIANE BUENO DOS SANTOS, ANA PAULA

Leia mais

O FORMATO NOTA 10 PARA APRESENTAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA (com base em demonstrações financeiras encerradas)

O FORMATO NOTA 10 PARA APRESENTAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA (com base em demonstrações financeiras encerradas) O FORMATO NOTA 10 PARA APRESENTAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA (com base em demonstrações financeiras encerradas) EBITDA e EBIDA juntos. O que separa o EBIDA da geração de caixa operacional efetiva. O que separa

Leia mais

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal após a Lei 11638/07 Quando informado o registro: as instituições sujeitas

Leia mais

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A.

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2012 2011 Passivo e patrimônio líquido 2012 2011 (Não auditado) (Não auditado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 4) 415 7 Fornecedores

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA: UM INSTRUMENTO AO PROCESSO DECISÓRIO

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA: UM INSTRUMENTO AO PROCESSO DECISÓRIO DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA: UM INSTRUMENTO AO PROCESSO DECISÓRIO Priscila Rubbo 1 Paulo Roberto Pegoraro 2 Resumo: O demonstrativo do fluxo de caixa tem como finalidade a projeção das entradas e saídas

Leia mais

IBRACON NPC nº 20 - DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

IBRACON NPC nº 20 - DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA IBRACON NPC nº 20 - DEMONSTRAÇÃO DOS FLUOS DE CAIA Princípios Contábeis Aplicáveis 1. A 'Demonstração dos Fluxos de Caixa' refletirá as transações de caixa oriundas: a) das atividades operacionais; b)

Leia mais

PLANO DE CONTAS ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO

PLANO DE CONTAS ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO PLANO DE CONTAS O plano de Contas normalmente é composto de cinco grupos. ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

1º CASO Cia. INVESTIDORA S.A.

1º CASO Cia. INVESTIDORA S.A. 1º CASO Cia. INVESTIDORA S.A. O quadro a seguir apresenta o Balancete de Verificação da Cia. Investidora S.A. em 31/12/X1. Contas Saldo ($) Contas Saldo ($) Depósitos Bancários 182.000 Financiamentos L.

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas Realização: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE CURSO: BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Leia mais

Prof. Me. Alexandre Saramelli. Unidade III ESTRUTURA DAS

Prof. Me. Alexandre Saramelli. Unidade III ESTRUTURA DAS Prof. Me. Alexandre Saramelli Unidade III ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Estrutura das demonstrações contábeis Dividida em quatro Unidades: Unidade I 1. Demonstração de Lucros e Prejuízos Acumulados

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DA OCDE

MELHORES PRÁTICAS DA OCDE MELHORES PRÁTICAS DA OCDE PARA A TRANSPARÊNCIA ORÇAMENTÁRIA INTRODUÇÃO A relação entre a boa governança e melhores resultados econômicos e sociais é cada vez mais reconhecida. A transparência abertura

Leia mais

Análise das Demonstrações financeiras

Análise das Demonstrações financeiras Estrutura de Capitais A empresa pode contar com duas fontes de recursos: Capital Próprio; São recursos aplicados na empresa pelos sócios, ou gerados pelo resultado das operações ( lucros e reservas) CAPITAL

Leia mais

Comentários da prova SEFAZ-PI Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova SEFAZ-PI Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Olá amigos, Comentários da prova SEFAZ-PI ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE GERAL - SEFAZ-PI Trago para vocês os comentários da prova da SEFAZ-PI realizado no último

Leia mais

Fundação Amazonas Sustentável Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2008 e parecer dos auditores independentes

Fundação Amazonas Sustentável Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2008 e parecer dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro de 2008 Em milhares de reais Ativo Passivo e patrimônio social Circulante

Leia mais

3. 0 - Nível de Conhecimento dos Profissionais de Contabilidade no Brasil

3. 0 - Nível de Conhecimento dos Profissionais de Contabilidade no Brasil 1.0 - Introdução à Lei 11.638/07 Países com pouca tradição em mercados de capitais têm a tendência de sofrer, mais do que os demais, influências exógenas (externas) nos seus processos de desenvolvimento

Leia mais

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A.

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A. Balanços patrimoniais em 31 de dezembro (Em Reais) (reclassificado) (reclassificado) Ativo Nota 2012 2011 Passivo Nota 2012 2011 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 61.664 207.743 Fornecedores

Leia mais

UNIVERSIDADE DOS AÇORES

UNIVERSIDADE DOS AÇORES UNIVERSIDADE DOS AÇORES 2013 RELATÓRIO DE CONTAS RELATÓRIO DE CONTAS 1 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO -------------------------------------------------------------------4 2 SALDO DE GERÊNCIA-----------------------------------------------------------5

Leia mais

Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p. Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa):

Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p. Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa): Pesquisa Industrial Anual Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa): Aluguéis e arrendamentos Despesas com

Leia mais

2.2 Resultado com mercadorias 2.3 Impostos que afetam as mercadorias 2.4 Critérios de avaliação do estoque

2.2 Resultado com mercadorias 2.3 Impostos que afetam as mercadorias 2.4 Critérios de avaliação do estoque Disciplina: Contabilidade Comercial I Período: 2º Tipo: I Professor: Evaldo Modesto de Ávila Curso: Ciências Contábeis Assunto: Texto Semestre: 2º Nome: Nº: Apostila : Turma: ÚNICA Turno: NOITE Data: 002

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL. Adquira esta e outras aulas em www.acheiconcursos.com.br CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO DA RECEITA FEDERAL

CONTABILIDADE GERAL. Adquira esta e outras aulas em www.acheiconcursos.com.br CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO DA RECEITA FEDERAL CONTABILIDADE GERAL Adquira esta e outras aulas em www.acheiconcursos.com.br AULA Nº 1: Resolução da prova de Contabilidade Geral do TRF-2000 CONTABILIDADE GERAL CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO DA RECEITA

Leia mais

Agência Nacional de Transportes Terrestres ANTT Relatório de orientação técnica para o encerramento do exercício de 2012

Agência Nacional de Transportes Terrestres ANTT Relatório de orientação técnica para o encerramento do exercício de 2012 Agência Nacional de Transportes Terrestres ANTT Relatório de orientação técnica para o encerramento do exercício de 2012 Prefácio Com a convergência das normas brasileiras de contabilidade para as normas

Leia mais

CURSOS ON-LINE CONTABILIDADE GERAL EM EXERCÍCIOS PROFESSOR ANTONIO CÉSAR AULA 11: EXERCÍCIOS (CONTINUAÇÃO)

CURSOS ON-LINE CONTABILIDADE GERAL EM EXERCÍCIOS PROFESSOR ANTONIO CÉSAR AULA 11: EXERCÍCIOS (CONTINUAÇÃO) AULA 11: EXERCÍCIOS (CONTINUAÇÃO) 11- (AFRE MG/ESAF 2005) Duas empresas coligadas avaliam seus investimentos pelo método da equivalência patrimonial. A primeira empresa tem Ativo Permanente de R$ 500.000,00,

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS 1

INDICADORES FINANCEIROS 1 42 INDICADORES FINANCEIROS 1 A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE nas mais diversas áreas: organização empresarial, finanças, marketing, produção,

Leia mais

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007 80 Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007 Parecer dos Auditores Independentes 81 Aos Acionistas da Inepar Telecomunicações S.A Curitiba - PR 1. Examinamos

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO OCPC 01 (R1) Entidades de Incorporação Imobiliária

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO OCPC 01 (R1) Entidades de Incorporação Imobiliária COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO OCPC 01 (R1) Entidades de Incorporação Imobiliária Índice Objetivo e alcance 1 Formação do custo do imóvel, objeto da incorporação imobiliária 2-9 Despesa

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 8: ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO Administrar o capital de giro pode ser sinônimo de administrar o ativo circulante, composto das disponibilidades, das contas a receber,

Leia mais

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas:

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas: CASHFLOW OU FLUXO DE CAIXA 1. CONCEITO É um demonstrativo que reflete dinamicamente o fluxo do disponível da empresa, em um determinado período de tempo. 2. FINALIDADES 2.1. Evidenciar a movimentação dos

Leia mais