BALANCETES E RELATÓRIOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BALANCETES E RELATÓRIOS"

Transcrição

1 Matéria - Contabilidade SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Balancetes NBC T Modelos de Balancetes 4. Relatórios 4.1. Relatórios por área de responsabilidade BALANCETES E RELATÓRIOS 5. Balancetes para Finalidades Externas 6. Relatórios para Clientes de Escritórios de Contabilidade 7. Conclusão 1. Considerações Iniciais O balancete é uma ferramenta, normalmente de uso interno da contabilidade, que tem como principal função a verificação dos saldos das contas e serve de ponto de partida para as conciliações e, após efetuados os ajustes, é a base para elaboração das demonstrações contábeis. Atualmente, nas empresas em que a maioria dos registros contábeis é feita de forma descentralizada, o balancete de verificação passa a ser o primeiro contato que o setor de contabilidade tem com a movimentação do mês. A elaboração do balancete contábil não enseja grande dificuldade. Os softwares de contabilidade trazem modelos formatados em mais de uma versão de apresentação, que acabam sendo utilizados automaticamente. É importante observarmos que, embora o balancete seja de domínio geral dos contabilistas, para profissionais de outros setores da empresa ou para empresários e administradores clientes de escritórios de contabilidade, que também necessitam de informações, sua configuração chega a ser incompreensível. Daí existirem conflitos em que de um lado cada setor reclama a elaboração de relatórios específicos mais adequados às suas necessidades e, do outro, o contabilista que, diante da inviabilidade de elaborar um determinado número de relatórios, tenta padronizar modelos que atendam a usuários com interesses diversos. Os relatórios destinados aos demais setores de uma mesma empresa ou para clientes de escritórios de contabilidade devem ter uma linguagem mais simplificada e proporcionar uma leitura ágil. Essa tarefa requer domínio da técnica contábil e, também, com-preensão das dificuldades e necessidades do usuário da informação. Nessa hora, o contabilista deve usar seu bom senso e ser criativo. Também é verdade que, em grandes empresas, esses modelos já estão definidos e formatados, muitas vezes cabendo ao pessoal da contabilidade apenas preencher formulários. Mas isso não deve ser um inibidor da capacidade do profissional para melhorar a qualidade da informação que ele pode reportar. Sempre que possível, sugestões de aprimoramento dos modelos existentes devem ser apresentadas. Neste texto, observaremos os procedimentos constantes da norma emitida pelo Conselho Federal de Contabilidade (CFC), NBC T 2.7 Balancete, aprovada pela Resolução CFC nº 685/90, de 14/12/1990, e faremos alguns exercícios de transformação da informação contábil em informação destinada a leigos. 2. Balancetes NBC T

2 A NBC T 2.7 aprovada pela Resolução CFC nº 685/90 tem o seguinte enunciado: NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 2.7 Do Balancete 1. O balancete de verificação do razão é a relação de contas, com seus respectivos saldos, extraída dos registros contábeis em determinada data. 2. O grau de detalhamento do balancete deverá ser consentâneo com sua finalidade. 3. Os elementos mínimos que devem constar do balancete são: a) identificação da Entidade; b) data a que se refere; c) abrangência; d) identificação das contas e respectivos grupos; e) saldos das contas, indicando se devedores ou credores; f)soma dos saldos devedores e credores. 4. O balancete que se destinar a fins externos à Entidade deverá conter nome e assinatura do contabilista responsável, sua categoria profissional e número de registro no CRC. 5. O balancete deve ser levantado, no mínimo, mensalmente. 3. Modelos de Balancetes De acordo com as exigências observadas na NBC T 2.7, podemos elaborar o modelo básico de balancete a seguir: Comercial Vende Tudo Ltda. CNPJ XX.XXX.XXX/0001-XX Balancete de Verificação de 01/01/2010 a 31/03/2010 Contas Saldos 31/03/2010 Devedores Credores R$ R$ ATIVO Circulante Disponível Caixa 1.000,00 Bancos Conta Movimento Banco do Brasil S.A ,00 Caixa Econômica Federal ,00 Clientes ,00 (-) Duplicatas Descontadas ,00 (-) Provisão para Devedores Duvidosos ,00 Estoques Mercadorias para Revenda ,00 Almoxarifado 4.500,00 Adiantamentos a Fornecedores 5.400,00 Importações em Andamento 7.500,00 Outros Créditos Tributos a Recuperar 5.250,00 Adiantamentos a Funcionários 4.600,00 Despesas Antecipadas Seguros a Apropriar 2.400,00 Assinatura de Livros, Jornais e Revistas a Apropriar 1.600,00 Não Circulante Realizável a Longo Prazo Conta Corrente com Sócios ,00 Imposto de Renda Diferido 3.100,00 Investimentos Participações Societárias Avaliadas pelo Custo de Aquisição 4.200,00 Participações Societárias Avaliadas pelo MEP ,00 Imobilizado Veículos ,00 Móveis e Utensílios ,00 Instalações ,00 Computadores e Periféricos ,00 Softwares ,00 2

3 Contas Saldos 31/03/2010 Devedores Credores R$ R$ Edificações e Benfeitorias ,00 Terrenos ,00 Direito de Uso de Marcas e Patentes ,00 (-) Depreciação/Amortização Acumulada Veículos ,00 Móveis e Utensílios ,00 Instalações ,00 Computadores e Periféricos ,00 Softwares ,00 Edificações e Benfeitorias ,00 Diferido Despesas Pré-Operacionais ,00 (-) Amortização Acumulada de Despesas Pré-Operacionais ,00 PASSIVO Circulante Fornecedores Nacionais ,00 Fornecedores Estrangeiros ,00 Contas a Pagar ,00 Empréstimos e Financiamentos ,00 Tributos a Pagar ,00 Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias ,00 Não Circulante Empréstimos e Financiamentos ,00 Provisão para o Imposto de Renda ,00 Patrimônio Líquido Capital Social ,00 Reservas de Capital ,00 Reservas de Lucros ,00 Prejuízos Acumulados ,00 CONTAS DE RESULTADO RECEITAS Receita Bruta de Vendas de Mercadorias ,00 (-) Devoluções e Cancelamentos 3.560,00 (-) Impostos e Contribuições sobre Vendas ICMS ,00 PIS/PASEP ,26 COFINS ,44 Receitas Financeiras Variações Cambiais Ativas 5.200,00 Juros Ativos 7.555,00 CONTAS DE RESULTADO DESPESAS Custo das Mercadorias Vendidas ,00 Despesas com Vendas Comissões ,00 Telefone ,00 Depreciação e Amortização ,00 Aluguel e Arrendamento ,00 Gastos com Pessoal ,00 Propaganda e Marketing ,00 Serviços de Terceiros ,00 Devedores Duvidosos 7.500,00 Combustíveis 7.000,00 Manutenção de Veículos 1.500,00 Viagens e Estadias 9.850,00 Despesas Administrativas Honorários da Diretoria ,00 Gastos com Pessoal ,00 Aluguel 4.000,00 Depreciação/Amortização ,00 Água/Luz/Telefone 1.823,00 Manutenção de Veículos 840,00 Viagens e Estadias 1.560,00 Despesas Financeiras Juros Passivos 5.465,00 Descontos Concedidos 665,00 Variações Cambiais Passivas 1.257,00 Provisão para o IRPJ/CSLL Provisão para o IRPJ 3.322,55 Provisão para a CSLL 1.757,90 Total , ,00 3

4 Os balancetes mensais também podem trazer o saldo anterior, a movimentação do mês e saldo atual, conforme exemplo resumido a seguir: Comercial Vende Tudo Ltda. CNPJ XX.XXX.XXX/0001-XX Balancete de Verificação de 01/03 a 31/03/2010 Contas Saldo em 28/02/2010 Movimentação do mês Saldo em 31/03/2010 Devedor Credor Débitos Créditos Devedor Credor ATIVO Circulante Disponível , , , ,00 Duplicatas a Receber de Clientes , , , ,00 Estoques , , , ,00 Outros Créditos 7.388, , , ,00 Despesas Antecipadas 3.000, , , ,00 Não Circulante Realizável a Longo Prazo , , ,00 Investimentos , ,00 Imobilizado Custo de Aquisição , ,00 (-) Depreciação/Amortização , , ,00 Acumulada Diferido Despesas Pré-Operacionais , ,00 (-) Amortização Acumulada , , ,00 Total do Ativo , , , , , ,00 PASSIVO Circulante Fornecedores , , , ,00 Contas a Pagar 8.940, , , ,00 Empréstimos e Financiamentos , , , ,00 Tributos a Pagar , , , ,00 Obrigações Trabalhistas e , , , ,00 Previdenciárias Não Circulante Empréstimos e Financiamentos , , ,00 Provisão para o Imposto de Renda , , ,00 Patrimônio Líquido Capital Social , ,00 Reservas de Capital , ,00 Reservas de Lucros , ,00 Prejuízos Acumulados , ,00 Total do Passivo , , , , , ,00 RECEITAS Receita Bruta de Vendas de , , ,00 Mercadorias (-) Devoluções e Cancelamentos 2.670,00 890, ,00 (-) Impostos e Contribuições sobre , , ,70 Vendas Receitas Financeiras 9.566, , ,00 Total de Receitas , , , , , ,00 DESPESAS Custo das Mercadorias Vendidas , , ,00 Despesas com Vendas , , ,00 Despesas Administrativas , , ,00 Despesas Financeiras 5.540, , ,00 Provisão para o IRPJ/CSLL 3.713, , ,45 Total de Despesas , , ,45 Total Geral , , , , , ,00 O modelo de balancete apresentado contém todas as informações exigidas pela NBC T 2.7, mas tem poder informativo apenas para a contabilidade. Para os demais setores da empresa ou para clientes de escritórios de contabilidade ou, ainda, para finalidade externa, o balancete elaborado de acordo com conteúdo mínimo exigido pelo CFC não representa uma fonte de informações claras e precisas em razão da falta de compreensão da linguagem técnica contábil. Devemos observar que o próprio CFC prevê a necessidade de detalhamento de acordo com a finalidade do balancete. Portanto, o contador deverá trabalhar as informações de forma mais adequada às suas finalidades. 4

5 4. Relatórios A elaboração de balancetes para outros setores da empresa, e até para finalidades externas, deve observar, atentamente, as necessidades de informação de cada usuário, para que não sejam verificados escassez ou excesso de informações. Em alguns casos, os saldos mensais acumulados não representam a informação principal, dando-se maior atenção à movimentação do período. Também deve ser observada a necessidade de correlação entre saldos ou movimentações, até mesmo a inclusão de análises específicas por meio das quais seja possível tirar conclusões sobre a evolução de despesas, de receitas, endividamento, rentabilidade, etc Relatórios por área de responsabilidade Dependendo do organograma da empresa e das respectivas distribuições de áreas de responsabilidades, setores específicos não necessitam receber informações dos demais setores sobre os quais não têm ascensão e, portanto, não podem interferir nas decisões. Por exemplo, o setor comercial não controla os gastos administrativos, logo o interesse da diretoria comercial está voltado para as receitas de vendas, os custos das mercadorias vendidas e as despesas comerciais. área. Já a diretoria administrativa poderá receber tão somente relatórios sobre os gastos pertinentes à sua Os saldos e movimentações das disponibilidades das contas a pagar, das contas a receber, das receitas e despesas financeiras normalmente são de responsabilidade da diretoria financeira. Por sua vez, a diretoria-geral (presidência) recebe informações de todos os setores da empresa, mas de forma condensada (macro). Esses relatórios devem ser bastante claros e resumidos, pois devemos lembrar que diretores normalmente dispõem de pouco tempo. Empresas mais bem estruturadas utilizam relatórios por centros de custos para gerarem essas informações automaticamente, havendo, inclusive, a identificação de gastos, receitas e recursos disponíveis por gerência Exemplos Vejamos um balancete que mostra apenas aquelas contas que entendemos ser de interesse da área comercial: Relatório Receitas/Custos/Despesas de Vendas Receitas/Despesas Saldo em 28/02/2010 Movimentação março/2010 Saldo em 31/03/2010 Devedor Credor Débitos Créditos Devedor Credor Receita de Vendas , , ,00 (-) Deduções da Receita Bruta Devoluções e Abatimentos 2.670,00 890, ,00 Impostos e Contribuições s/ Vendas ICMS , , ,0 0 PIS/PASEP , , ,26 COFINS , , ,44 (-) Custo das Mercadorias Vendidas , , ,0 0 Despesas Comerciais Comissões , , ,00 Telefone 6.800, , ,00 Depreciação e Amortização , , ,00 Aluguel e Arrendamento , , ,00 Gastos com Pessoal , , ,00 Propaganda e Marketing , , ,00 Serviços de Terceiros , , ,00 Devedores Duvidosos 3.600, , ,00 Combustíveis 5.050, , ,00 Manutenção de Veículos 590,00 910, ,00 Viagens e Estadias 5.495, , ,00 5

6 Conforme já dissemos, o formato contábil não é o mais adequado para a leitura das informações pelo pessoal da área comercial. Vejamos essas mesmas informações dispostas de forma diferente: No formato da DRE, com análise vertical: Receitas e despesas Março/2010 % Janeiro a março/2010 % Receita de Vendas ,00 137,94% ,00 137,94% (-) Deduções da Receita Bruta 0% 0% Devoluções e Abatimentos (890,00) 0,39% (3.560,00) 0,39% Impostos e Contribuições s/ Vendas 0% 0% ICMS (56.250,00) -24,83% ( ,00) -24,83% PIS/PASEP (5.141,56) -2,27% (20.566,26) -2,27% COFINS (23.682,36) -10,45% (94.729,44) -10,45% = Receita Líquida ,08 100% ,40 100% (-) Custo das Mercadorias Vendidas ( ,00) -58,33% ( ,00) -58,33% = Lucro Bruto ,10 41,66% ,40 41,66% (-) Despesas Comerciais 0% 0% Comissões (21.750,00) -9,60% (75.000,00) -8,27% Telefone (3.700,00) -1,63% (10.500,00) -1,15% Depreciação e Amortização (4.063,00) -1,79% (32.500,00) -3,58% Aluguel e Arrendamento (2.900,00) -1,28% (15.000,00) -1,65% Gastos com Pessoal (6.800,00) -3% (35.478,00) -3,91% Propaganda e Marketing (6.100,00) -2,69% (25.275,00) -2,78% Serviços de Terceiros (2.100,00) -0,92% (14.505,00) -1,60% Devedores Duvidosos (3.900,00) -1,72% (7.500,00) -0,82% Combustíveis (1.950,00) -0,86% (7.000,00) -0,77% Manutenção de Veículos (910,00) -0,40% (1.500,00) -0,16% Viagens e Estadias (4.355,00) -1,92% (9.850,00) -1,08% (58.528,00) -25,83% ( ,00) -25,83% = Resultado com Vendas ,08 15,83% ,40 15,83% Observe que a análise vertical consiste em dividir todos os valores de receitas e de despesas pelo valor da receita líquida, obtendo-se uma relação percentual de cada item em relação a essa receita. No formato de relatório comparativo: a) com períodos anteriores: Receitas/Despesas Períodos Fevereiro/2010 Março/2009 Março/2010 Em relação ao mês anterior Variação Receita de Vendas , , ,00 12,06% 25,60% Devoluções e Abatimentos (1.042,10) (832,55) (890,00) -14,60% 6,90% ICMS (50.197,50) (44.786,25) (56.250,00) 12,06% 25,60% PIS/PASEP (4.584,24) (4.091,67) (5.141,56) 12,15% 25,65% COFINS (21.115,30) (18.846,48) (23.682,36) 12,15% 25,65% = Receita Líquida , , ,08 12,18% 25,67% (-) Custo das Mercadorias Vendidas ( ,84) ( ,02) ( ,00) 13,08% 26,24% = Lucro Bruto , , ,08 10,94% 24,89% (-) Despesas Comerciais Comissões (20.107,50) (17.666,25) (21.750,00) 8,17% 23,12% Telefone (2.543,00) (2.566,50) (3.700,00) 45,50% 44,17% Depreciação e Amortização (4.063,00) (3.453,55) (4.063,00) 0,00% 17,65% Aluguel e Arrendamento (2.900,00) (2.465,00) (2.900,00) 0,00% 17,65% Gastos com Pessoal (6.802,00) (5.781,00) (6.800,00) -0,03% 17,63% Propaganda e Marketing (4.679,00) (4.474,50) (6.100,00) 30,37% 36,33% Serviços de Terceiros (1.119,00) (1.294,50) (2.100,00) 87,67% 62,22% Devedores Duvidosos (2.100,00) (2.415,00) (3.900,00) 85,71% 61,49% Combustíveis (1.700,00) (1.532,50) (1.950,00) 14,71% 27,24% Manutenção de Veículos (609,90) (623,45) (910,00) 49,20% 45,96% Viagens e Estadias (1.550,00) (2.299,25) (4.355,00) 180,97% 89,41% (48.173,40) (44.571,50) (58.528,00) 21,49% 31,31% = Resultado com Vendas , , ,08-2,82% 15,67% b) com orçamento: Despesas/receitas De Janeiro a Março/2010 Real Orçado Variação Receita de Vendas , ,00-8,26% (-) Deduções da Receita Bruta - Devoluções e Abatimentos (3.560,00) (3.880,40) -8,26% Impostos e Contribuições s/ Vendas - ICMS ( ,00) ( ,00) -8,26% PIS/PASEP (20.566,26) (22.481,25) -8,52% COFINS (94.729,44) ( ,00) -7,12% = Receita Líquida , ,35-8,36% Em relação ao mesmo mês do ano anterior 6

7 Despesas/receitas De Janeiro a Março/2010 Real Orçado Variação (-) Custo das Mercadorias Vendidas ( ,00) ( ,22) -0,99% = Lucro Bruto , ,13-17,02% (-) Despesas Comerciais Comissões (75.000,00) (72.500,00) 3,45% Telefone (10.500,00) (9.935,00) 5,69% Depreciação e Amortização (32.500,00) (32.600,00) -0,31% Aluguel e Arrendamento (15.000,00) (15.000,00) 0,00% Gastos com Pessoal (35.478,00) (34.163,66) 3,85% Propaganda e Marketing (25.275,00) (24.266,75) 4,15% Serviços de Terceiros (14.505,00) (13.819,85) 4,96% Devedores Duvidosos (7.500,00) (3.750,00) 100,00% Combustíveis (7.000,00) (6.540,00) 7,03% Manutenção de Veículos (1.500,00) (1.205,00) 24,48% Viagens e Estadias (9.850,00) (9.304,50) 5,86% ( ,00) ( ,76) 4,94% = Resultado com Vendas , ,37-38,15% Em cada um dos relatórios nos é possível fazer observações sobre as vendas e respectivas despesas necessárias para obtê-las. O detalhamento dessas informações deve ser feito de acordo com os principais desequilíbrios. Por meio desses relatórios, podemos observar, entre outros aspectos, que: a) algumas despesas de vendas atingiram nível superior à evolução das receitas; b) o CMV manteve-se proporcionalmente estável em relação às receitas; c) o nível de devoluções é decrescente; d) as receitas não atingiram a meta orçamentária; e) os itens propaganda e marketing e devedores duvidosos tiveram uma elevação superior à esperada. f) os gastos com pessoal e a despesa de depreciação manti-veram-se, praticamente, inalteradas e, ainda, estão dentro das previsões orçamentárias, o que significa que não foram feitos e, de fato, não estavam previstos novos investimentos de capital para suportar a expansão de vendas. Isso pode significar que houve um maior esforço de vendas, revelado por maior investimento publicitário. No entanto, além de não ter sido atingida a meta orçamentária, houve um volume de inadimplência maior do que era esperado. Os gestores de vendas, diante dos dados obtidos, poderão analisar mais profundamente os fatos e identificar os motivos de as metas não serem atingidas e tomarem providências cabíveis, tais como: a) reavaliar a política de concessão de crédito, em trabalho conjunto com o setor financeiro; b) identificar quais campanhas publicitárias não alcançaram o retorno desejado e avaliar as condições para o redirecionamento de novas campanhas; c) avaliar as condições de atendimento da nova demanda suportada pelo pessoal de vendas e, também, pelas instalações e demais equipamentos existentes. Aspectos sobre a conjuntura econômica também devem ser levados em consideração, como, por exemplo, aumento do desemprego e elevação de taxas de juros que podem provocar elevação de inadimplência. Em época de retração econômica, o maior investimento em publicidade é necessário para ter o nome da empresa em maior evidência e atrair o consumidor que está mais seletivo no momento de gastar seus recursos. Se o momento é de retração do mercado, a não expansão dos investimentos de capital, que está refletido na não elevação da depreciação também se justifica quando a empresa quer se manter numa posição conservadora e não adotar políticas agressivas num ambiente pouco favorável. 7

8 O leitor poderá imaginar que tais comentários extrapolam a esfera contábil, mas observe que é a partir de relatórios organizados com dados contábeis que foi possível observar os fatos e fazer tais considerações. Portanto, recomendamos não substimar a capacidade informativa de dados contábeis. 5. Balancetes para Finalidades Externas Os balancetes para finalidades externas, apesar de receberem esse nome, na verdade, na maioria das vezes tratam-se de balanços de períodos intermediários. Devem, portanto, ser elaborados na forma tradicional de balanço patrimonial e demonstração do resultado do exercício ou de qualquer outra demonstração solicitada, observando-se, nesses casos, a necessidade de identificação do contabilista responsável, conforme exigido pela NBC T 2.7: nome e assinatura do contabilista responsável; categoria profissional; número de registro no CRC. 6. Relatórios para Clientes de Escritórios de Contabilidade Os clientes de escritórios de contabilidade podem ser de portes diversos, desde micro e pequenas empresas, até empresas de médio ou grande portes que terceirizam os serviços contábeis. É comum alguns escritórios de contabilidade se especializarem em determinado seguimento ou tipo de empresa. Há escritórios que trabalham apenas com micro e pequenas empresas de determinado ramo de atividade, outros trabalham com empresas de médio porte e há, inclusive, aqueles que vivem de uns poucos clientes de porte mais elevado, assim como existem os escritórios que atendem a todo tipo de clientela. Nesse universo eclético, é difícil estabelecer um modelo padrão de relatórios. Em alguns casos, será necessário valer-se de modelos por área de responsabilidade, em outros, um fluxo de caixa feito de forma simplificada irá surtir mais efeito do que um balancete nos moldes tradicionais. Vejamos um exemplo: Saldo de caixa/bancos em 28/02/ R$ 1.200,00 Recebimentos e vendas à vista efetuadas no mês... R$ 5.400,00 Soma... R$ 6.600,00 Pagamentos efetuados no mês: A fornecedores de mercadorias... R$ 1.500,00 A empregados... R$ 2.000,00 A prestadores de serviços... R$ 500,00 Aos Fiscos Municipal/Estadual/Federal (Tributos)... R$ 700,00 Encargos sociais sobre a folha de salários (INSS e FGTS)... R$ 690,00 Outros pagamentos R$ 250,00 (R$ 5.640,00) Saldo de caixa/bancos em 31/03/2010: Banco X... R$ 860,00 Caixa... R$ 100,00 R$ 960,00 7. Conclusão Os balancetes contábeis devem ser elaborados mensalmente, de acordo com as normas e os procedimentos constantes da NBC T 2.7. Além de serem úteis para a realização dos trabalhos internos da contabilidade, os balancetes também são a base para a confecção de relatórios para diversas finalidades. Os modelos apresentados neste texto são apenas sugestões e exemplos que podem ser adaptados e utilizados pelo leitor como ponto de partida de modo que, mediante avaliação das possibilidades e necessidades em conjunto com clientes ou chefias e responsáveis pelos diversos setores e departamentos da empresa, modelos próprios possam ser elaborados. A confecção de relatórios é uma forma de o contador valorizar seu trabalho e mostrar que a contabilidade é uma ferramenta bastante útil e indispensável no auxílio à gerência dos negócios. 8

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação a conceitos, objetivos e finalidades da contabilidade, julgue os itens que se seguem. 51 Auxiliar um governo no processo de fiscalização tributária é uma das finalidades

Leia mais

Contabilidade Decifrada. Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo

Contabilidade Decifrada. Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo Contabilidade Decifrada Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo Demonstrações Contábeis - balanço patrimonial; - demonstração do resultado do exercício; e, - demonstração de lucros ou prejuízos acumulados.

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro Unidade II CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Objetivo Conhecer a estrutura do balanço patrimonial: ativo; passivo. Conhecer a estrutura do DRE. Conhecer a estrutura do DFC: direto; indireto. Balanço patrimonial

Leia mais

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal após a Lei 11638/07 Quando informado o registro: as instituições sujeitas

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas Realização: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE CURSO: BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Leia mais

Demonstrações Financeiras Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração - ABM

Demonstrações Financeiras Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração - ABM Demonstrações Financeiras Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração - ABM Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes... 1 Demonstrações financeiras auditadas

Leia mais

PLANO DE CONTAS ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO

PLANO DE CONTAS ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO PLANO DE CONTAS O plano de Contas normalmente é composto de cinco grupos. ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO

Leia mais

Professor conteudista: Hildebrando Oliveira

Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Contabilidade Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Sumário CONTABILIDADE Unidade I 1 CONCEITO DE CONTABILIDADE...1 2 OBJETO DA CONTABILIDADE...2 3 O BALANÇO PATRIMONIAL...3 4 A CONTA...4 O RESULTADO...6

Leia mais

Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas em 31 de dezembro de 2014

Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas em 31 de dezembro de 2014 Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas Demonstrações financeiras em IFRS e baseadas nos Pronunciamentos Técnicos emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC em

Leia mais

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar A seguir um modelo de Plano de Contas que poderá ser utilizado por empresas comerciais, industriais e prestadoras de serviços, com as devidas adaptações: 1 Ativo 1.1 Ativo Circulante 1.1.1 Disponível 1.1.1.01

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE JUNDIAÍ

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE JUNDIAÍ Prof.º Alexandre Schuster Apostila - 3 8. APURAÇÃO DO RESULTADO CONTABILIDADE A cada exercício social (normalmente um ano) a empresa deve apurar o resultado dos seus negócios. Para saber se obteve lucro

Leia mais

Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p. Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa):

Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p. Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa): Pesquisa Industrial Anual Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa): Aluguéis e arrendamentos Despesas com

Leia mais

http://www.portaldecontabilidade.com.br/guia/clientes/comercial/imobi... ATIVO IMOBILIZADO

http://www.portaldecontabilidade.com.br/guia/clientes/comercial/imobi... ATIVO IMOBILIZADO 1 de 6 31/01/2015 14:40 ATIVO IMOBILIZADO O Ativo Imobilizado é formado pelo conjunto de bens e direitos necessários à manutenção das atividades da empresa, caracterizados por apresentar-se na forma tangível

Leia mais

Princípios Fundamentais Contabilidade

Princípios Fundamentais Contabilidade Princípios Fundamentais Contabilidade 1 Princípios Contábeis. Resolução CFC 750 de 29 de dezembro de 1993. Art. 3 São Princípios de Contabilidade:(2) I o da ENTIDADE; II o da CONTINUIDADE; III o da OPORTUNIDADE;

Leia mais

Contabilidade Geral e Avançada Correção da Prova AFRFB 2009 Gabarito 1 Parte 1 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA

Contabilidade Geral e Avançada Correção da Prova AFRFB 2009 Gabarito 1 Parte 1 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA 1. O Conselho Federal de Contabilidade, considerando que a evolução ocorrida na área da Ciência Contábil reclamava a atualização substantiva e adjetiva de seus princípios,

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO Olá, pessoal! Hoje trago uma aula sobre a Demonstração do Valor Adicionado DVA, que foi recentemente tornada obrigatória para as companhias abertas pela Lei 11.638/07, que incluiu o inciso V ao art. 176

Leia mais

Obrigações. Fornecedores 45.000. Salários a pagar 75.000. Impostos a recolher 20.000. Patrimônio Líquido. Capital Social 100.000. Reservas 30.

Obrigações. Fornecedores 45.000. Salários a pagar 75.000. Impostos a recolher 20.000. Patrimônio Líquido. Capital Social 100.000. Reservas 30. Você acessou como Administrador Usuário (Sair) Info Resultados Visualização prévia Modificar Visualização prévia de Contabilidade Geral Iniciar novamente 1 Considerando: I- A contabilidade estuda e controla

Leia mais

ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL - REGRAS APLICÁVEIS PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE

ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL - REGRAS APLICÁVEIS PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL - REGRAS APLICÁVEIS PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE Matéria Elaborada com Base na Legislação Vigente em: 26/12/2012. Sumário: 1 - INTRODUÇÃO 2 - ALCANCE DA ITG 1000 3

Leia mais

Código Grau Título Legenda 1 Ativo. 1.1.1 Caixa e Equivalentes de Caixa (A)

Código Grau Título Legenda 1 Ativo. 1.1.1 Caixa e Equivalentes de Caixa (A) 6. PLANO DE CONTAS É apresentada abaixo a estrutura do Plano de Contas elaborada para o Manual de Contabilidade do Serviço Público de Exploração da Infraestrutura Rodoviária Federal. Legenda: (A) Rubrica

Leia mais

PLANO DE CONTAS - GÁS NATURAL

PLANO DE CONTAS - GÁS NATURAL 1 Ativo 1.1 Ativo Circulante 1.1.1 Disponibilidades 1.1.1.1 Caixa e Equivalentes de Caixa 1.1.1.1.01 Caixa 1.1.1.1.02 Depósitos Bancários em Moeda Nacional 1.1.1.1.03 Contas de Poupança 1.1.1.1.04 Numerários

Leia mais

ISS/Niterói 2015 Simulado 2 Resolução da Prova de Contabilidade Geral Professor Feliphe Araújo

ISS/Niterói 2015 Simulado 2 Resolução da Prova de Contabilidade Geral Professor Feliphe Araújo ISS/Niterói 2015 Simulado 2 Resolução da Prova de Contabilidade Geral Professor Feliphe Araújo Prof. Luciano Moura 1 de 6 (Questão Inédita ) As contas escrituradas no livro razão da empresa Aprovados S/A,

Leia mais

ÁREA DE CONHECIMENTOS CONTÁBEIS

ÁREA DE CONHECIMENTOS CONTÁBEIS ÁREA DE CONHECIMENTOS CONTÁBEIS 1. O Patrimônio Líquido divide-se em: a) Investimentos, Reservas de Capital, Reservas de Lucros e Lucros ou Prejuízos Acumulados. b) Capital Social, Reservas de Capital,

Leia mais

Plano de Contas RECURSOS NO EXTERIOR DECORRENTES DE EXPO 01 CONTAS BANCÁRIAS SUBVENÇÕES 01 CONTAS BANCÁRIAS DOAÇÕES 01

Plano de Contas RECURSOS NO EXTERIOR DECORRENTES DE EXPO 01 CONTAS BANCÁRIAS SUBVENÇÕES 01 CONTAS BANCÁRIAS DOAÇÕES 01 1 1.00.00.00.000000 10000 **** A T I V O **** 01 1 1.01.00.00.000000 10050 CIRCULANTE 01 1.01 1.01.01.00.000000 10100 DISPONIBILIDADES 01 1.01.01 1.01.01.01.000000 10150 CAIXA 01 1.01.01.01.00 1.01.01.02.000000

Leia mais

Demonstrações Financeiras Externas

Demonstrações Financeiras Externas P A R T E I D e m o n s t r a ç õ e s F i n a n c e i r a s p a r a G e r e n t e s 16 C A P Í T U L O 2 Demonstrações Financeiras Externas O que o mundo sabe sobre sua empresa As demonstrações financeiras

Leia mais

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_...

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... Página 1 de 14 CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Considerações ROTEIRO 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

Leia mais

EXEMPLO COMPLETO DO CÁLCULO DO FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS

EXEMPLO COMPLETO DO CÁLCULO DO FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS EXEMPLO COMPLETO DO CÁLCULO DO FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS! O pagamento de juros conjunturais! O pagamento de juros estruturais! O recebimento de dividendos! A contratação de

Leia mais

1º CASO Cia. INVESTIDORA S.A.

1º CASO Cia. INVESTIDORA S.A. 1º CASO Cia. INVESTIDORA S.A. O quadro a seguir apresenta o Balancete de Verificação da Cia. Investidora S.A. em 31/12/X1. Contas Saldo ($) Contas Saldo ($) Depósitos Bancários 182.000 Financiamentos L.

Leia mais

Cada prova possuirá 20 (vinte) questões objetivas e 1 (uma) questão discursiva. A prova terá duração de 2 (duas) horas, com início às 9h.

Cada prova possuirá 20 (vinte) questões objetivas e 1 (uma) questão discursiva. A prova terá duração de 2 (duas) horas, com início às 9h. O Exame de Suficiência em Contabilidade aplicado aos alunos ingressantes nos cursos de pós graduação lato sensu da FECAP, abaixo listados, é requisito para a obtenção do certificado de conclusão de curso

Leia mais

CNPJ 47.902.648/0001-17. CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 (Em R$ Mil)

CNPJ 47.902.648/0001-17. CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 (Em R$ Mil) CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 CNPJ 47.902.648/0001-17 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE Caixa e Equivalentes de Caixa 1.829 Fornecedores 58.422 Contas a Receber 238.880

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade. Aula: 04 Prof.: Adelino Corrêa DATA: 26/10/2008. 13. Operações com mercadoria

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade. Aula: 04 Prof.: Adelino Corrêa DATA: 26/10/2008. 13. Operações com mercadoria 13. Operações com mercadoria Na comercialização de mercadoria (principal objeto de empresa comercial) existirão os tributos; entre eles o ICMS que será estudado na compra e venda da mercadoria. Impostos

Leia mais

Elenco de Contas Prof. Me. Laércio Juarez Melz 1

Elenco de Contas Prof. Me. Laércio Juarez Melz 1 Elenco de Contas Prof. Me. Laércio Juarez Melz 1 Classificação CONTA 1. ATIVO 1. 1. ATIVO CIRCULANTE 1. 1. 1. DISPONIBILIDADES 1. 1. 1. 01. CAIXA GERAL 1. 1. 1. 01. 1001 Caixa 1. 1. 1. 02. BANCOS CONTA

Leia mais

COMO CONVERTER DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS PARA A MOEDA AMERICANA (FAS 52)

COMO CONVERTER DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS PARA A MOEDA AMERICANA (FAS 52) COMO CONVERTER DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS PARA A MOEDA AMERICANA (FAS 52)! As principais diferenças entre as normas contábeis brasileiras e americanas (US GAAP)! As taxas de conversão a serem

Leia mais

Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes

Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes Em 31 de dezembro de 2012 Índice Página Relatório dos auditores

Leia mais

REGIMES CONTÁBEIS RECEITAS E DESPESAS

REGIMES CONTÁBEIS RECEITAS E DESPESAS CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA I ELEMENTOS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGIMES CONTÁBEIS RECEITAS E DESPESAS Prof. Emanoel Truta ELEMENTOS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Os Elementos das Demonstrações Contábeis

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em reais)

DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em reais) DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO Adiantamento para futuro Capital Prejuízos aumento Explicativa n o social acumulados Subtotal de capital Total SALDO EM 01 DE DEZEMBRO DE 2010 255.719.100

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Em cada um dos próximos itens, é apresentada uma situação hipotética, seguida de uma assertiva a ser julgada acerca de escrituração e análise e conciliações contábeis. 51 Um cliente liquidou antecipadamente

Leia mais

10. Balanço Patrimonial. 10.1 Plano de Contas

10. Balanço Patrimonial. 10.1 Plano de Contas 10. Balanço Patrimonial 10.1 Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio plano de contas de acordo com suas

Leia mais

Prof. Walter Dominas

Prof. Walter Dominas Unidade II CONTABILIDADE AVANÇADA Prof. Walter Dominas Consolidação das demonstrações contábeis A Consolidação das Demonstrações Contábeis é uma técnica que permite conhecer a posição financeira de um

Leia mais

Conta Descrição 30/06/2012 31/12/2011. 1 Ativo Total 13.041.716 13.025.168. 1.01 Ativo Circulante 955.080 893.603

Conta Descrição 30/06/2012 31/12/2011. 1 Ativo Total 13.041.716 13.025.168. 1.01 Ativo Circulante 955.080 893.603 Conta Descrição 0/06/0 //0 Ativo Total.0.76.05.68.0 Ativo Circulante 955.080 89.60.0.0 Caixa e Equivalentes de Caixa 5.8 7.9.0.0.0 Bens Numerários.0.0.0 Depósitos Bancários.69 6..0.0.0 Aplicações Financeiras.9.5.0.0

Leia mais

Palestra. Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) e Demonstração do Valor Adicionado (DVA) - Novas Normas Contábeis. Março 2012.

Palestra. Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) e Demonstração do Valor Adicionado (DVA) - Novas Normas Contábeis. Março 2012. Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Ativo Não Circulante e Depreciação

Ativo Não Circulante e Depreciação ATIVO NÃO CIRCULANTE IMOBILIZAÇÃO E DEPRECIAÇÃO Contabilidade Geral - 3º Período - ADM Ativo Não Circulante e Depreciação Imobilizado. Depreciação. Taxa Anual de Depreciação. Depreciação Acelerada. Amortização

Leia mais

Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis

Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis Autoria: Clóvis Luís Padoveze Resumo As demonstrações publicadas de acordo com o formato aprovado pelos órgãos regulatórios, tanto

Leia mais

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR Classifique as contas que geralmente caem em concursos e, muitas vezes, geram dúvidas. Banco c/ Movimento Banco conta Empréstimo Empréstimos a Diretores ou Acionistas Numerários em Trânsito Adiantamento

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Texto para as questões de 31 a 35 conta saldo despesa de salários 10 COFINS a recolher 20 despesas de manutenção e conservação 20 despesa de depreciação 20 PIS a recolher 30 despesas

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

CENTRO DE APOIO AOS PEQUENOS EMPREENDIMENTOS DO PIAUÍ CEAPE/PI

CENTRO DE APOIO AOS PEQUENOS EMPREENDIMENTOS DO PIAUÍ CEAPE/PI c Aos Conselheiros e Diretores do CENTRO DE APOIO AOS PEQUENOS EMPREENDIMENTOS DO PIAUÍ CEAPE/PI C.N.P.J.(MF): 01.668.749/0001-74 Teresina - PI PARECER DE AUDITORIA R e f e r e n t e a o e x e r c í c

Leia mais

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN 2016.1 CONTABEIS - Campus Mossoró) 3ª série

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN 2016.1 CONTABEIS - Campus Mossoró) 3ª série ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN 2016.1 CONTABEIS - Campus Mossoró) 3ª série CONTABILIDADE INTRODUTORIA II DIREITO TRIBUTARIO LEGISLAÇÃO SOCIAL E TRABALHISTA ORÇAMENTO PUBLICO TEORIA DA CONTABILIDADE CONTEÚDO

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS página 1 07. Onde é classificado o Subgrupo Estoques no plano de contas? 01. São acontecimentos que ocorrem na empresa e que não provocam alterações no Patrimônio: A) Atos Administrativos

Leia mais

Instituto Odeon - Filial Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório de revisão dos auditores independentes

Instituto Odeon - Filial Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório de revisão dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de e relatório de revisão dos auditores independentes Relatório de revisão dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Administradores

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06. Operações de Arrendamento Mercantil

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06. Operações de Arrendamento Mercantil COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 Operações de Arrendamento Mercantil Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 17 (IASB) PRONUNCIAMENTO Índice Item OBJETIVO

Leia mais

Sumário. Capítulo 1. Conceitos Básicos...1. Cap00.indd 17 15/02/2016 10:18:53

Sumário. Capítulo 1. Conceitos Básicos...1. Cap00.indd 17 15/02/2016 10:18:53 Sumário Capítulo 1 Conceitos Básicos...1 1. Contabilidade...1 1.1. Conceitos...1 1.2. Campo de Aplicação...2 1.3. Funções da Contabilidade...2 1.4. Usuários da Informação Contábil...3 1.5. Técnicas Contábeis

Leia mais

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 5

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 5 Aula 5 Provisões. Depreciação, Amortização e Exaustão. Conteúdo 6. Provisões; 2 6.1. Provisões em Geral 2 6.2. Provisões do Ativo 3 6.2.1. Provisão para Ajuste ao Valor de Mercado 4 6.2.1.1. Instrumentos

Leia mais

ADE COFIS nº 31 - DOU DE 08/09/2011

ADE COFIS nº 31 - DOU DE 08/09/2011 ADE COFIS nº 31 - DOU DE 08/09/2011 Anexo II TABELAS DE CÓDIGO E plano de contas referencial INTRODUÇÃO As tabelas de códigos internas ao Sped terão o seguinte leiaute (separados por ; ponto e vírgula):

Leia mais

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL Renara Tavares da Silva* RESUMO: Trata-se de maneira ampla da vitalidade da empresa fazer referência ao Capital de Giro, pois é através deste que a mesma pode

Leia mais

FLUXO DE CAIXA: UMA ABORDAGEM GERENCIAL

FLUXO DE CAIXA: UMA ABORDAGEM GERENCIAL FLUXO DE CAIXA: UMA ABORDAGEM GERENCIAL Renato Lopes da Silva (G UEM) Cristiani Passolongo Noveli (UEM) RESUMO O caixa da empresa é formado por seus ativos circulantes montantes depositados em contas bancárias

Leia mais

Ref.: Demonstrações Contábeis de 2013

Ref.: Demonstrações Contábeis de 2013 Ao Morro do Chapéu Golfe Clube Belo Horizonte, 28 de fevereiro de 2014. Ref.: Demonstrações Contábeis de 2013 Anexamos às seguintes demonstrações: 1. Balanço Patrimonial: apresenta a situação patrimonial

Leia mais

MESTRE MARCENEIRO Conceitos básicos para Formação de preço na marcenaria

MESTRE MARCENEIRO Conceitos básicos para Formação de preço na marcenaria Importância da formação do preço. A intensificação da concorrência entre as marcenarias, indústria de móveis em série e lojas de móveis modulares exige, por parte dos Marceneiros, a apuração eficaz das

Leia mais

Contabilidade Financeira

Contabilidade Financeira Contabilidade Financeira 1 Carlos Antônio Maciel Meneses 01 Uma sociedade empresária adquiriu mercadorias para revenda por R$ 5.000,00, estando incluso neste valor ICMS de R$ 1.000,00. No mesmo período,

Leia mais

Bens - É tudo aquilo suscetível de avaliação econômica servindo para satisfazer as necessidades humanas.

Bens - É tudo aquilo suscetível de avaliação econômica servindo para satisfazer as necessidades humanas. NOÇÕES DE CONTABILIDADE E FINANÇAS Prof. Adelino Correa 12/8/2011 Contabilidade: é a ciência que estudo o PATRIMÔNIO em suas variações quantitativas e qualitativas. - aspectos quantitativos = montante,

Leia mais

2.2 Resultado com mercadorias 2.3 Impostos que afetam as mercadorias 2.4 Critérios de avaliação do estoque

2.2 Resultado com mercadorias 2.3 Impostos que afetam as mercadorias 2.4 Critérios de avaliação do estoque Disciplina: Contabilidade Comercial I Período: 2º Tipo: I Professor: Evaldo Modesto de Ávila Curso: Ciências Contábeis Assunto: Texto Semestre: 2º Nome: Nº: Apostila : Turma: ÚNICA Turno: NOITE Data: 002

Leia mais

ATIVO Notas 2009 2008

ATIVO Notas 2009 2008 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE ATIVO Notas 2009 2008 CIRCULANTE Caixa e bancos 20.723 188.196 Contas a receber 4 903.098 806.697 Outras contas a receber 5 121.908 115.578 Estoques 11.805 7.673

Leia mais

ANEXO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2)

ANEXO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS Deliberação CVM nº 640, de 7 de outubro de 2010 (Pág. 57) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 02(R2) do Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC sobre efeitos das mudanças

Leia mais

ASPECTOS AVANÇADOS NA ANÁLISE

ASPECTOS AVANÇADOS NA ANÁLISE ASPECTOS AVANÇADOS NA ANÁLISE! O que é Necessidade de Capital de Giro (NCG)! Como se determina a NCG! Reclassificação das contas do Ativo e Passivo Circulante! Causas das variações da NCG Autores: Francisco

Leia mais

Relação de Documentos para Análise. Constam os documentos PESSOA JURIDICA: SIM NÃO

Relação de Documentos para Análise. Constam os documentos PESSOA JURIDICA: SIM NÃO Nome da Empesa: CNPJ: Contato: Telefone: Relação de Documentos para Análise Constam os documentos PESSOA JURIDICA: SIM NÃO 1 Ficha cadastral e Autorização de Consulta de Restritivos assinada (Anexo); 2

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I

GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I BALANÇO PATRIMONIAL 2 CONCEITO É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, o Patrimônio e o Patrimônio Líquido

Leia mais

CAPÍTULO 5 DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS - DLPA LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS

CAPÍTULO 5 DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS - DLPA LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO CAPÍTULOS 5,6,7 e 8 CAPÍTULO 5 DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS - DLPA LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS DESTINAÇÕES 1. Ajustes (-) Exerc. Anteriores 2. Transf. P/

Leia mais

As Demonstrações Contábeis para Pequenas e Médias Empresas (PMEs) NBC T 19.41 Resolução 1255/09 do CFC

As Demonstrações Contábeis para Pequenas e Médias Empresas (PMEs) NBC T 19.41 Resolução 1255/09 do CFC As Demonstrações Contábeis para Pequenas e Médias Empresas (PMEs) NBC T 19.41 Resolução 1255/09 do CFC Profa Marcia Ferreira Neves Tavares Prof. Severino Ramos da Silva O que vamos conversar... Por quê

Leia mais

Comentários da prova SEFAZ-PI Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova SEFAZ-PI Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Olá amigos, Comentários da prova SEFAZ-PI ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE GERAL - SEFAZ-PI Trago para vocês os comentários da prova da SEFAZ-PI realizado no último

Leia mais

Data-Base - 31/03/1999 01763-9 TELE CELULAR SUL PARTICIPAÇÕES S.A. 02.558.115/0001-21

Data-Base - 31/03/1999 01763-9 TELE CELULAR SUL PARTICIPAÇÕES S.A. 02.558.115/0001-21 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Data-Base - 31/3/1999 Divulgação Externa O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA,

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS AMORTIZAÇÃO: Representa a conta que registra a diminuição do valor dos bens intangíveis registrados no ativo permanente, é a perda de valor de capital aplicado na aquisição

Leia mais

Departamento de Desenvolvimento Profissional

Departamento de Desenvolvimento Profissional Departamento de Desenvolvimento Profissional IFRS PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Luiz Alves Lalves01@gmail.com Rio de Janeiro Outubro de 2014 Rua 1º de Março, 33 Centro Rio de Janeiro/RJ Cep: 20.010-000

Leia mais

0001 CNPJ: Código T Classificação Nome

0001 CNPJ: Código T Classificação Nome 000..678/000-9 S ATIVO S. ATIVO CIRCULANTE S.. DISPONIVEL S...0 CAIXA...0.00 CAIXA GERAL 6...0.00 FUNDO FIXO DE CAIXA 7 S...0 BANCOS CONTA MOVIMENTO 8...0.00 BANCO DO BRASIL 9...0.00 CAIXA ECONOMICA FEDERAL

Leia mais

CONTABILIDADE NA PRÁTICA, RÁPIDA E FÁCIL

CONTABILIDADE NA PRÁTICA, RÁPIDA E FÁCIL 1 CONTABILIDADE NA PRÁTICA, RÁPIDA E FÁCIL 2 SUMÁRIO CONTABILIDADE, INFORMAÇÃO CONTÁBIL...3 PATRIMÔNIO...3 METODOS DAS PARTIDAS DOBRADAS...7 BALANÇO PATRIMONIAL...7 FÓRUMULAS DE LANÇAMENTOS...7 RETIFICAÇÃO

Leia mais

CONTABILIZAÇÃO DE OPERAÇÕES FINANCEIRAS

CONTABILIZAÇÃO DE OPERAÇÕES FINANCEIRAS CONTABILIZAÇÃO DE OPERAÇÕES FINANCEIRAS 1) Desconto de Duplicatas O desconto de duplicatas é uma operação muito comum nos dias atuais, por conta da grande necessidade de se fazer caixa. Nesta operação

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO OCPC 01 (R1) Entidades de Incorporação Imobiliária

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO OCPC 01 (R1) Entidades de Incorporação Imobiliária COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO OCPC 01 (R1) Entidades de Incorporação Imobiliária Índice Objetivo e alcance 1 Formação do custo do imóvel, objeto da incorporação imobiliária 2-9 Despesa

Leia mais

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos 5 Plano Financeiro Investimento total Nessa etapa, você irá determinar o total de recursos a ser investido para que a empresa comece a funcionar. O investimento total é formado pelos: investimentos fixos;

Leia mais

QUESTÕES POTENCIAIS DE PROVA TROPA DE ELITE CURSO AEP PROF. ALEXANDRE AMÉRICO

QUESTÕES POTENCIAIS DE PROVA TROPA DE ELITE CURSO AEP PROF. ALEXANDRE AMÉRICO QUESTÕES POTENCIAIS DE PROVA TROPA DE ELITE CURSO AEP PROF. ALEXANDRE AMÉRICO Considere que o sistema contábil da empresa comercial Zeta S.A. tenha se extraviado logo no primeiro exercício de constituição

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Dantas Soares AULA Apostila nº

Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Dantas Soares AULA Apostila nº Disciplina Estrutura e Análise das Demonstrações Contábeis CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 6º CCN Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Dantas Soares AULA Apostila

Leia mais

Lista de Exercícios ENADE

Lista de Exercícios ENADE Curso: ADMINISTRAÇÃO Data: Goiânia 15/09/2012 Disciplina: Contabilidade Geral Turma: ADM 03 Turno: Noturno Carga Horária: 72 Professor: Esp. Erik Silva. Lista de Exercícios ENADE Exercício n.01 (IRB-2004-ESAF)

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01999-2 TOTVS S/A 53.113.791/0001-22 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01999-2 TOTVS S/A 53.113.791/0001-22 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/6/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Reapresentação Espontânea O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL. FASF - Faculdade Sagrada Família - Curso de Administração - Disciplina Contabilidade Geral - 3º periodo

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL. FASF - Faculdade Sagrada Família - Curso de Administração - Disciplina Contabilidade Geral - 3º periodo ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

Boletimj. Manual de Procedimentos. Temática Contábil e Balanços. Auditoria. Contabilidade Geral. Veja nos Próximos Fascículos. Fascículo N o 19/2014

Boletimj. Manual de Procedimentos. Temática Contábil e Balanços. Auditoria. Contabilidade Geral. Veja nos Próximos Fascículos. Fascículo N o 19/2014 Boletimj Manual de Procedimentos Fascículo N o 19/2014 // Auditoria Implicações práticas e particularidades da utilização do trabalho do auditor interno.... 01 // Contabilidade Geral Perdas decorrentes

Leia mais

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa V Pagamento de fornecedores Retenção de IRF sobre serviços Retenção de IRF sobre salários Pró-labore Integralização de capital em dinheiro Integralização de capital em bens Depreciação ICMS sobre vendas

Leia mais

Vamos à prova: Analista Administrativo ANEEL 2006 ESAF

Vamos à prova: Analista Administrativo ANEEL 2006 ESAF Pessoal, hoje trago a prova que a ESAF realizou recentemente para o concurso de Analista da ANEEL. A prova é interessante, pois houve várias questões mal formuladas, mas que não foram anuladas pela Banca.

Leia mais

Unidade II ESTRUTURA DAS. Prof. Me. Alexandre Saramelli

Unidade II ESTRUTURA DAS. Prof. Me. Alexandre Saramelli Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Me. Alexandre Saramelli Estrutura das demonstrações contábeis Relatório Anual Porto Seguro Introdução Processo de Convergência Contábil Internacional

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 4T05 e 2005

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 4T05 e 2005 DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 4T05 e 2005 Americana SP, 23 de março de 2005 A VIVAX S.A. (Bovespa: VVAX11), ou Companhia, segunda maior operadora de TV a Cabo do Brasil, em número de assinantes, e uma das principais

Leia mais

Balanço Patrimonial: Grupo de Contas

Balanço Patrimonial: Grupo de Contas 3 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas 3.1 JUSTIFICATIVAS Como foi visto no capítulo anterior, o Balanço Patrimonial é constituído de Ativo, Passivo e Patrimônio Líquido. O Ativo, por sua vez, compõe-se

Leia mais

FUNDAÇÃO DAS ESCOLAS UNIDAS DO PLANALTO CATARINENSE LAGES - SC BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE. Valores expressos em Reais ATIVO

FUNDAÇÃO DAS ESCOLAS UNIDAS DO PLANALTO CATARINENSE LAGES - SC BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE. Valores expressos em Reais ATIVO BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE ATIVO CIRCULANTE Notas 6.637.617 7.393.842 Disponibilidades 1.048.777 742.707 Créditos a receber de clientes 4.1 1.832.535 2.646.556 Créditos a receber - outros

Leia mais

ASPECTOS GERAIS NA ELABORAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS EMPRESAS

ASPECTOS GERAIS NA ELABORAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS EMPRESAS ASPECTOS GERAIS NA ELABORAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS EMPRESAS Resolução CFC nº 1.418/2012 ITG 1000. CONVÊNIO CRCGO / SCESGO NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE MODELO CONTÁBIL PARA MICROEMPRESA

Leia mais

6/8/2012. Contabilidade Intermediária. Aula 1 Apuração do Resultado do Exercício. Objetivos. Objetivos. Profa. Ma. Simone Maria Menezes Dias

6/8/2012. Contabilidade Intermediária. Aula 1 Apuração do Resultado do Exercício. Objetivos. Objetivos. Profa. Ma. Simone Maria Menezes Dias Contabilidade Intermediária Aula 1 Apuração do Resultado do Exercício Profa. Ma. Simone Maria Menezes Dias Objetivos Entender a sistemática do Balancete de Verificação. Utilizar o Balancete de Verificação

Leia mais

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo 12. Demonstração do Fluxo de Caixa 2 12.1. Introdução 2 12.2. Conceitos Importantes 2 12.3. Atividades Operacionais 5 12.4. Atividades de Investimento 7

Leia mais

RAZÃO DAS CONTAS CONTÁBEIS E NÃO FINACEIRAS DEPRECIAÇÃO, AMORTIZAÇÃO, EXAUSTÃO, REC/DESP. EQUIV. PATRIMONIAL

RAZÃO DAS CONTAS CONTÁBEIS E NÃO FINACEIRAS DEPRECIAÇÃO, AMORTIZAÇÃO, EXAUSTÃO, REC/DESP. EQUIV. PATRIMONIAL EXERCÍCIO DE DFC 02 RAZÃO DAS CONTAS DO CAIXA E EQUIVALENTES (DISPONÍVEL) CAIXA, BANCOS, APLICAÇÕES DE CURTÍSSIMO PRAZO (ATÉ 90 DIAS) CONTA BCO C/MOVIM Saldo Inicial: 1.000.000,00 10/01 Pela Aquisição

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA: ASPECTOS ESTRATÉGICOS E OPERACIONAIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE

CICLO DE PALESTRAS GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA: ASPECTOS ESTRATÉGICOS E OPERACIONAIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE CICLO DE PALESTRAS GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA: ASPECTOS ESTRATÉGICOS E OPERACIONAIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE Objetivo: Apresentar aos participantes os principais pontos a serem considerados no planejamento

Leia mais

DR - Empresa de Distribuição e Recepção de TV Ltda. Laudo de avaliação do patrimônio líquido contábil em 30 de Setembro de 2009 para fins de

DR - Empresa de Distribuição e Recepção de TV Ltda. Laudo de avaliação do patrimônio líquido contábil em 30 de Setembro de 2009 para fins de Laudo de avaliação do patrimônio líquido contábil em 30 de Setembro de 2009 1. Globalconsulting Assessoria Contábil Ltda., empresa devidamente inscrita no Conselho Regional de Contabilidade de São Paulo

Leia mais

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO Aos Srs. Acionistas Investco S.A. Anexo I - Comentários dos Diretores da Companhia Contas dos Administradores referentes ao exercício social encerrado em 31.12.2012.

Leia mais

INSTITUTO SÃO PAULO CONTRA A VIOLÊNCIA. Relatório dos auditores independentes. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2012 e 2011

INSTITUTO SÃO PAULO CONTRA A VIOLÊNCIA. Relatório dos auditores independentes. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2012 e 2011 INSTITUTO SÃO PAULO CONTRA A VIOLÊNCIA Relatório dos auditores independentes Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2012 e 2011 JSL/TMF/AB/APM 1294/13 Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de

Leia mais

JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR

JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR Mestre em Controladoria e Contabilidade Estratégica e Bacharel em Ciências Contábeis. Professor de cursos de MBA da Fundação Getulio Vargas - RJ. Professor das Faculdades Atibaia

Leia mais