CONTABILIDADE NA PRÁTICA, RÁPIDA E FÁCIL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTABILIDADE NA PRÁTICA, RÁPIDA E FÁCIL"

Transcrição

1 1 CONTABILIDADE NA PRÁTICA, RÁPIDA E FÁCIL

2 2 SUMÁRIO CONTABILIDADE, INFORMAÇÃO CONTÁBIL...3 PATRIMÔNIO...3 METODOS DAS PARTIDAS DOBRADAS...7 BALANÇO PATRIMONIAL...7 FÓRUMULAS DE LANÇAMENTOS...7 RETIFICAÇÃO OU CORREÇÃO...8 CAPITAL SUBSCRITO E CAPITAL A REALIZAR...9 CONTABILIZAÇÃO DE JUROS...10 CONTABILIZAÇÃO DESCONTOS...12 FÓRMULA PRÊMIO DE SEGURO...14 FÓRMULA DE MATERIAL DE EXPEDIENTE...15 FÓRMULA DE CUSTO DE MERCADORIA VENDIDA (CMV)...15 FÓRMULA DO RESULTADO DA CONTA DE MERCADORIAS (RCM)...17 DEPRECIAÇÃO...19 AMORTIZAÇÃO...20 BIBLIOGRAFIA...21

3 3 Contabilidade, informação contábil Primeiramente devemos ter em mente o básico do básico, mas também um pouco de teoria para complementar as informações. Contabilidade é uma ciência social, e seu objeto é o Patrimônio, e seu objetivo é fornecer informações aos interessados. Interessados esses como: usuários internos, usuários externos, investidores, fornecedores, governos, sócios e administradores ou público em geral. A contabilidade é um instrumento fundamental para auxiliar a administração moderna de uma empresa, e como principal objetivo, fornecer informações úteis para tomada de decisões. Informações essas, de forma estruturada e de um planejamento contábil em que um sistema de informação é desenhado. Seguindo esses conceitos, chegamos ao Plano de Contas, esse o qual deve ser muito bem elaborado e estruturado para que não haja problemas periodicamente ou futuramente. Cada usuário tem uma necessidade de informação contábil o qual se resume em seguida: Empregados Interesse em informações sobre a estabilidade e lucratividade da empresa, dentre outras, como avaliar a capacidade que a empresa tem em fornecer remuneração, benefícios, aposentadoria e/ou oportunidades de emprego. Público Se a empresa tem capacidade de fornecer contribuição à economia local, dentro de uma sociedade. Governo e Agências Seu interesse é na destinação de recursos e atividades da empresa. Também se interessam pelo motivo de regulamentar as atividades da empresa, estabelecendo políticas fiscais, também servir de base para determinar a renda nacional. Clientes Interesse sobre a continuidade operacional da empresa, onde tem um relacionamento de longo prazo ou de depender da empresa como fornecedor. Fornecedores (credores) Interesse em informações para avaliar se a empresa tem capacidade de cumprir com seus respectivos vencimentos. Bancos Interesse em informações sobre a empresa e se a mesma tem condições de pagar por empréstimos e jutos no respectivo vencimento. Investidores Principal interesse é se a empresa tem condições de pagar seus dividendos, oferecendo oportunidades e condições de novos investimentos. Patrimônio Patrimônio é um conjunto de Bens, Direitos e Obrigações avaliado em moeda. Resumindo de uma maneira simples, Patrimônio é tudo o que uma empresa possui. Bens: Estoque de Mercadorias, Veículos, Moveis e Utensílios, Computadores e Periféricos, Terrenos, etc. Direitos: Duplicatas a Receber, Promissórias a Receber, uma venda ocorrida de um valor o qual a empresa tem Direito a receber. Obrigações: Seus pagamentos a Fornecedores, Salários, Impostos a Recolher, exemplo: Duplicatas a Pagar, Promissórias a Pagar, Salários a Pagar, etc. Patrimônio Líquido o qual pode ser caracterizado como a diferença entre o Ativo e Passivo. [Bens + Direitos] [Obrigações] = Patrimônio Líquido, onde Bens e Direitos = ATIVO e Obrigações = PASSIVO.

4 4 Abaixo alguns exemplos de elementos de Ativos e Passivos. ATIVO ELEMENTOS EXPRESSÃO Duplicatas a Receber Promissórias a Receber Aluguéis a Receber PASSIVO ELEMENTOS EXPRESSÃO Duplicatas a Pagar Promissórias a Pagar Aluguéis a Pagar Impostos a Pagar Salários a Pagar Aspectos qualitativos e quantitativos, são dois aspectos que a contabilidade leva em conta para representar os elementos que compõem o Patrimônio. Aspecto Qualitativo: onde podemos especificar a natureza de cada Bens, Direitos e Obrigações. Exemplo: PATRIMÔNIO Bens: Dinheiro/Caixa Veículos Computadores e Periféricos Direitos: Duplicatas a Receber Promissórias a Receber Obrigações: Duplicatas a Pagar Salários a Pagar Aspecto Quantitativo: consiste em colocar valor em cada aspecto qualitativo, ou seja, dar valor as naturezas de Bens, Direitos e Obrigações. PATRIMÔNIO Bens: Dinheiro/Caixa Veículos Computadores

5 5 Direitos: Duplicatas a Receber Promissórias a Receber Obrigações: Duplicatas a Pagar Salários a Pagar Vamos ver agora a representação gráfica do Patrimônio, muito simplificada para ilustrar é denominada conta em T ou Razonete. Veja abaixo: Título da Conta Débito Crédito Ativo Título da Conta Passivo Débito Bens Direitos Crédito Obrigações No lado esquerdo, temos o Ativo, seguido dos Bens e Direitos, o qual são contas Devedoras, ou seja, todos os seus lançamentos a Débito. No lado direito, temos o Passivo, seguido das Obrigações, o qual são contas Credoras, todos os lançamentos a crédito. Por quê? Vamos lá! Regras do Débito e Crédito: Para contas do Ativo todo lançamento que gera aumento no Ativo, é denominado como Débito, todo lançamento que gera diminuição no Ativo, é denominado como Crédito. Ao contrário de sua conta no banco, que quando o dinheiro entra na sua conta (aumenta) é denominado como Crédito, quando sai da sua conta (diminui) é denominado como Débito. Para contabilidade, esse conceito é ao contrário. Vejamos na imagem abaixo: Ativo Título da Conta Débito Crédito Aumento Diminuição (+) (-)

6 6 Para contas do Passivo, os lançamentos seguem o mesmo conceito, porém, quando á aumento no Passivo, o lançamento será á Crédito, quando houver diminuição do Passivo, o seu lançamento será á Débito. Passivo Título da Conta Débito Crédito Diminuição Aumento (-) (+) O mesmo conceito serve para lançamentos no Patrimônio Líquido, quando houver aumento, credita o valor, quando houver diminuição, debitamos o valor. Patrimônio Líquido Título da Conta Débito Crédito Diminuição Aumento (-) (+) Lançamentos das contas de resultado, Despesas, Receitas, Custos: Despesas: Sempre à Débito; Custos: Sempre à Débito; Receitas: Sempre à Crédito. Contas de Resultado Receita Crédito Aumento (+) Contas de Resultado Despesas/Custos Débito Diminuição (-) Para fixar: Todo aumento que ocorrer no Ativo: Lançamento no lado esquerdo do razonete à Débito; Quando houver diminuição no Ativo: Lançamento no lado direito do razonete à Crédito. Todo aumento que ocorrer no Passivo e no Patrimônio: Lançamento no lado direito do razonete à Crédito; Quando houver diminuição do Passivo: Lançamento no lado esquerdo do razonete à Débito. Outra dica: Despesas sempre a Débito Receita sem a Crédito.

7 7 Métodos das partidas dobradas. Ao ouvir sobre esse método, você sempre irá assemelhar essas palavras com essa frase Suma de aritmética, geometria, proportioni et proportionalita que nada mais é do grande autor e um dos Pai da Contabilidade. Luca Pacioli, um Frade Franciscano, que em 1494 consolidou o método das partidas dobradas, expressando causa/efeito com os termos débito e crédito, da seguinte forma, para cada débito um crédito de igual valor. Houve muitos outros autores, precursores, e nomes da contabilidade, porém iremos tratar dos lançamentos mais práticos aqui. Por esse princípio, ao elaborar um balanço patrimonial, os saldos das contas do ativo (lado esquerdo) deve se igualar com o saldo das contas do passivo e patrimônio líquido (lado direito) do balanço. Balanço Patrimonial É a peça fundamental que retrata a posição das contas de uma empresa após todos os seus lançamentos, e operações de um período (provisões, depreciações, devedores, credores, etc) e ajustados depois do encerramento das contas de Despesas e Receitas. É a mais importante demonstração contábil. Básico e rápido, Balanço Patrimonial se resume em: a soma dos débitos é sempre igual dos créditos, e a soma de todos os saldos devedores será sempre igual a soma dos saldos credores. A contabilidade utiliza o método das partidas dobradas para representar débitos por créditos do mesmo valor, indicando a conta onde foi feita a aplicação do recurso para creditar a conta de origem. Débito -> Aplicação do Recurso Crédito -> Origem do Recurso Fórmulas de Lançamentos. Lançamentos efetuados no Livro Diário (iremos tratar em outro documento em breve) onde registramos os lançamentos a Débito e a Crédito conforme imagem abaixo: Exemplo de Livro Diário D C Caixa Banco conta movimento Conta Descrição Débito Crédito 101 Caixa 1.000,00 a Saque em dinheiro no Banco X (102) 1.000,00 Neste exemplo temos um lançamento de 1º Fórmula, onde: 1º Fórmula: um Débito para um Crédito; 2º Fórmula: um Débito para dois ou mais Crédito; 3º Fórmula: dois ou mais Débito para um só Crédito; 4º Fórmula: dois ou mais Débito para dois ou mais Crédito;

8 8 Na imagem acima, o lançamento a Crédito é sinalizado com a letra a não sendo necessário estar na coluna Crédito pois o a já indica que o lançamento é a Crédito. Em algumas empresas ainda se utiliza o a e não é registrado na coluna crédito, mas já sabendo que se trata de um registro a Crédito. Devemos ficar atentos, pois se os lançamentos não se igualarem, podem estar com algum problema já no registro do Livro Diário e poderá ser analisado e se possível efetuar a sua correção. Retificação ou Correção É um processo técnico de correção de um registro realizado com erro na escrituração contábil da empresa, podemos chamar também de: Estorno, Transferência ou complementação. Estabelecido através de normas do CFC (Conselho Federal de Contabilidade) e NBC o qual trata de escrituração contábil, não devendo conter rasuras, emendas, escritos entre linhas ou raspaduras. Com essas informações decoradas, já podemos começar a exercitar os lançamentos. Utilizaremos um exemplo de situação líquida positiva, onde o Patrimônio Líquido será positivo. Registros nos razonetes: Caixa 200,00 Móveis e Utensílios 300,00 Duplicatas a Pagar R4 170,00 Veículos 30,00 Salários a Pagar 20,00 Duplicatas a Receber 70,00 CAIXA Móveis e Utensílios 200,00 300,00 30,00 Veículos Salários a Pagar Duplicatas a Receber Duplicatas a Pagar 20,00 70,00 170,00

9 9 BALANCETE DE VERIFICAÇÃO CONTA DESCRIÇÃO DÉBITO CRÉDITO DEVEDOR CREDOR 100 CAIXA 200,00 200, MÓVEIS E UTENSÍLIOS 300,00 300, VEÍCULOS 30,00 30, DUPLICATAS A RECEBER 70,00 70, DUPLICATAS A PAGAR 170,00 170, SALÁRIOS A PAGAR 20,00 20, RESERVAS DE LUCRO 410,00 410,00 TOTAL 600,00 600,00 600,00 600,00 BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO PASSIVO CAIXA 200,00 Duplicatas a Pagar 170,00 Móveis e Utensílios 300,00 Salários a Pagar 20,00 Veículos 30,00 190,00 Duplicatas a Receber 70,00 Patrimônio Líquido Reservas de Lucros 410,00 TOTAL ATIVO 600,00 TOTAL PASSIVO 600,00 Neste exemplo utilizamos valores simbólicos apenas para demonstrar que esse Balanço Patrimonial é um balanço de Situação Líquida Positiva, pois o valor do Patrimônio Líquido é maios que zero 0 (PL>0), sendo que se o mesmo for menor que zero 0 (PL<0) seria uma Situação Líquida Negativa ou se o Patrimônio Líquido for igual a zero 0 (PL=0) seria uma Situação Líquida Neutra ou Nula. Capital Subscrito e Capital a Realizar Para constituição de uma empresa, precisamos de um Capital, podendo ser composto por dinheiro ou Bens e/ou Direitos. Capital subscrito e/ou Capital a Realizar, vem nos dizer que, na constituição da empresa o proprietário investe todo o seu dinheiro na empresa, ou na Integralização (Capital a Realizar) o proprietário, investe uma parte em dinheiro e outras partes em Bens ou Direitos. Exemplo: Na subscrição de uma empresa o Capital seria no valor de ,00 sendo a sua integralização Capital Subscrito, em: ,00 em Dinheiro (Caixa), ,00 em Móveis e Utensílios e ,00 em Veículos. Os registros desses lançamentos ficariam da seguinte forma:

10 10 Capital Móveis e Utensílios* Caixa* , , ,00 Capital a Realizar , ,00 M* , ,00 C* ,00 V* , ,00 Veículos* Contabilização de Juros Temos duas formas de contabilizar Juros: Juros Ativos e Juros Passivos, ao contrário dos registros de lançamentos de Ativo (quando aumenta debita) Passivo (quando aumenta credita), Juros estão em Contas de Resultados como Receitas e Despesas*. Juros Ativos: Podendo ser considerado em um plano de contas como sendo, Receita Operacional Financeira. É quando a empresa Recebe Juros, ou seja, no Recebimento de uma Duplicata em atraso onde a mesma tem juros de 5% após o vencimento. Nesse caso, contabilizamos da seguinte forma: Duplicatas a Receber no valor de 5.000,00 com juros de 5%. Recebimento na Conta do Banco X. Duplicatas a Receber Juros Ativos Banco conta Movimento , ,00 250, ,00 No exemplo acima, suponhamos que a empresa tem ,00 em Duplicatas a Receber, o qual está registrado em Débito da Conta Duplicatas a Receber (Aumento do ativo = Débito). Recebemos então, o valor de 5.000,00 com juros de 5% o qual o valor dos Juros é de 250,00 (5.000,00 x 5% = 250,00). E o recebimento irá ocorrer com depósito em conta. Para Recebimento Creditamos da Conta Duplicatas a Receber o valor de 5.000,00, em seguida registramos o valor dos juros como crédito na conta Juros Ativo (estamos gerando uma receita de um Direito) para finalizar somamos os valores dos créditos de suas respectivas contas e registramos em Débito na Conta Banco conta Movimento. Totalizando o valor da Duplicata a Receber com os Juros. Duplicatas a Receber , ,00

11 11 Juros Ativos 250,00 Banco conta Movimento 5.250,00 Sendo este um lançamento de 2º Fórmula: um Débito para dois ou mais Crédito Juros Passivos: Podendo ser considerado em um plano de contas como sendo, Despesas Financeiras. É quando a empresa Paga Juros, ou seja, no Pagamento de uma Duplicata em atraso onde a mesma tem juros de 5% após o vencimento. Nesse caso, contabilizamos da seguinte forma: Duplicatas a Pagar no valor de ,00 com juros de 3%. Pagamento em Cheque do Banco X. Duplicatas a Pagar Juros Passivos Banco conta Movimento , ,00 300, ,00 No exemplo acima, suponhamos que a empresa tem ,00 em Duplicatas a Pagar, o qual está registrado em Crédito da Conta Duplicatas a Pagar (Aumento do Passivo = Crédito). Pagamos então, o valor de ,00 com juros de 3% o qual o valor dos Juros é de 300,00 (10.000,00 x 3% = 300,00). E o pagamento irá ocorrer com cheque do Banco X. Para Pagamento Debitamos da Conta Duplicatas a Pagar o valor de ,00, em seguida registramos o valor dos juros como débito na conta Juros Passivo (está ocorrendo uma despesa de uma Obrigação) para finalizar somamos os valores dos débitos de suas respectivas contas e registramos em Crédito na Conta Banco conta Movimento. Totalizando o valor da Duplicata a Pagar com os Juros. Duplicatas a Pagar , ,00

12 12 Juros Passivos 300,00 Banco conta Movimento ,00 Sendo este um lançamento de 3º Fórmula: dois ou mais Débito para um só Crédito Contabilizando Descontos Primeiro vamos diferenciar dois tipos de descontos, que são: Descontos Incondicionais e Descontos Condicionais. Descontos Incondicionais: a empresa oferece ao cliente sem lhe impor condições. Exemplo na venda de mercadorias será destacado na Nota Fiscal o valor do Desconto. Descontos Condicionais: Quando a empresa concede o desconto impondo alguma condição. Exemplo: A empresa concede o desconto se o cliente antecipar o recebimento antes da data de vencimento. Quando ocorre o pagamento de Duplicatas temos também os Descontos Obtidos, no pagamento de uma Duplicata antecipada (ou negociada) ganhamos um desconto. Nesse caso, contabilizamos da seguinte forma: Pagamento de uma Duplicata em dinheiro no valor de 5.000,00 com desconto de 10%. Duplicatas a Pagar Descontos Obtidos Caixa 5.000,00 500, ,00 Nesse exemplo ganhamos um desconto ao pagar uma Duplicata, onde debitamos o valor da Duplicata a Pagar em sua respectiva conta, (diminuição do Passivo=Débito) creditamos o valor do desconto em sua respectiva conta Descontos Obtidos (gerou uma Receita, pois deixamos de pagar esse valor) e creditamos a conta Caixa (diminuição do Ativo=Crédito) subtraindo o valor de Duplicatas menos o Desconto.

13 13 Duplicatas a Pagar 5.000,00 Descontos Obtidos 500,00 Caixa 4.500,00 Quando ocorre o recebimento de Duplicatas temos também os Descontos Concedidos, no recebimento de uma Duplicata antecipada (ou negociada) oferecemos um desconto. Nesse caso, contabilizamos da seguinte forma: Recebimento de uma Duplicata em dinheiro no valor de 8.000,00 com desconto concedido de 5%. Caixa Descontos Concedidos Duplicatas a Receber 7.600,00 400, ,00 Nesse exemplo perdemos um valor a receber, onde creditamos o valor da Duplicata a Receber em sua respectiva conta, (diminuição do Ativo=Crédito) debitamos o valor do desconto em sua respectiva conta Descontos Concedidos (gerou uma Despesa, pois deixamos de receber esse valor) e debitamos a conta Caixa (aumento do Ativo=Crédito) subtraindo o valor de Duplicatas menos o Desconto ,00 Caixa Descontos Concedidos 400,00

14 14 Duplicatas a Receber 8.000,00 Fórmula de Prêmio de Seguro Algumas regras para apropriação de Prêmios de Seguros, onde o prêmio de seguro ocorre no número x de meses utilizados durante o ano exercício. Regras de utilização no mês vigente: De 01(dia) a 15(dia) considere o mês vigente; De 16(dia) a 31(dia) não considere o mês vigente. Exemplo: Contabilização de Prêmio de Seguro, com assinatura em 07/04/XX valor pago pelo Seguro 500,00. Prêmio de Seguro a Apropriar 500,00 375,00 125,00 Prêmio de Seguro O que ocorreu neste lançamento? Temos um Seguro o qual foi assinado na data de 07/04/XX (seguir as regras acima), ou seja, consideramos o mês vigente para apropriação do Seguro, então faremos o seguinte: (500,00 / 12 = 41,666) * (41,666 x 9meses = 375,00) Por que nove meses? Pois o dia 07 ainda está dentro do mês considerado, (do dia 01 ao dia 15 -> considerar o mês). Prêmio de Seguro a Apropriar é que teremos que pagar até o final do ano. Relacione a palavra Apropriar com A vencer. Prêmio de Seguro a Apropriar 500,00 375,00 Da mesma forma podemos proceder para um Seguro assinado após o 16º dia do mês vigente, onde os registros ocorrerão da mesma maneira, porém, não considerando o mês vigente e realizando o cálculo a partir do mês seguinte. Contabilização de Prêmio de Seguro, com assinatura em 16/04/XX valor pago pelo Seguro 500,00. Prêmio de Seguro a Apropriar 500,00 333,33 166,67 Prêmio de Seguro

15 15 Temos um Seguro o qual foi assinado na data de 16/04/XX (seguir as regras acima), ou seja, não consideramos o mês vigente para apropriação do Seguro, então faremos o seguinte: (500,00 / 12 = 41,666) * (41,666 x 8 meses = 333,33) Por que oito meses? Pois o dia 16 não está dentro do mês considerado, (do dia 16 ao dia 31 -> não considerar o mês). Prêmio de Seguro a Apropriar 500,00 333,33 Fórmula do Material de Expediente Uma empresa de grande ou médio porte sempre tem em grandes quantidades de materiais de expediente. O que são considerados materiais de expediente? São considerados materiais de expedientes: Canetas, Elásticos, Pastas, Grampeador, etc. Fórmula para cálculo: ME= EI EF ME: Material de Expediente; EI: Estoque Inicial; EF: Estoque Final ou Inventário de Material de Expediente. Material de Expediente Estoque de Material de Expediente 700, ,00 700,00 300,00 Primeiro registramos o Estoque Inicial 1.000,00 em seguidas temo o Inventário de 300,00 ou seja Material de Expediente utilizado 700,00 com um saldo de 300,00. A conta Material de Expediente é uma conta de Despesas, sendo, todavia como Débito, a conta Estoque de Material de Expediente é uma conta do Ativo, Bens da Empresa, o que tem disponível em estoque. Fórmula de Custo de Mercadorias Vendidas (CMV) Como o próprio nome diz, Custo de Mercadorias Vendidas, com essa fórmula iremos apurar o custo de mercadorias, de uma forma simples e rápida, prática e fácil de entender. Aqui teremos dois exemplos simples da fórmula CMV: 1º: CMV = EI + (C + FC CA DOI) EF EI: ESTOQUE INICIAL C: COMPRAS DE MERCADORIAS FC: FRETES SOBRE COMPRAS CA: COMPRAS ANULADAS

16 16 DOI: DESCONTOS OBTIDOS INCONDICIONAIS EF: ESTOQUE FINAL 2º: CMV = EI + C CA EF EI: ESTOQUE INICIAL C: COMPRAS DE MERCADORIAS CA: COMPRAS ANULADAS EF: ESTOQUE FINAL Esses são alguns fatos que alteram o valor das compras de mercadorias, Compras anuladas, Descontos Obtidos Incondicionalmente e Fretes e Seguros sobre compras. Exemplo prático: - Estoque de Mercadorias (inicial) de 500,00; - Compras de Mercadorias no valor de 700,00; - Compras anuladas no valor de 50,00; - Estoque Final de Mercadorias (inventário) no valor de 300,00 Aplicamos a fórmula e representamos no razonete os lançamentos logo abaixo. Estoque de Mercadorias (EI) Compras de Mercadorias Compras Anuladas 500,00 700,00 50,00 EF 300,00 Temos na imagem acima um estoque inicial de 500,00 com Compras de Mercadorias a 700,00, Compras Anuladas de 50,00 e um estoque final ou inventário de 300,00. Fórmula: CMV = EI + C CA EF CMV = 500, ,00 50,00 300,00 CMV = 850,00 No razonete da conta Custo de Mercadorias Vendidas ficaria dessa forma: Custo de Mercadorias Vendidas 500,00 50,00 700,00 300, ,00 350,00 CMV 850,00 Onde encerramos as contas Compras de Mercadorias, Compras Anuladas o Estoque Inicial e transferimos o valor do Inventário a Crédito na conta de Custo de Mercadorias Vendidas. Assim,

17 17 teremos o valor de CMV de 850,00. Esse valor será transferido logo em seguida para a conta de Resultado da Conta de Mercadorias (RCM). Estoque de Mercadorias (EI) Compras de Mercadorias Compras Anuladas 500,00 500,00 700,00 700,00 50,00 50,00 EF 300,00 Fórmula do Resultado da Conta de Mercadorias (RCM) Com essa fórmula começamos obter os resultados de nosso lucro ou prejuízo antes das contribuições, deduções, participações e distribuições de lucros. Para isso temos a seguinte fórmula: RMC = (V VA DCI ICMS PIS COFINS) CMV RCM = Resultado da Conta de Mercadorias; V = Vendas VA = Vendas Anuladas DCI = Desconto Concedido Incondicionalmente; ICMS = Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços; PIS = Programa de Integração Social; COFINS = Contribuição Social sobre Faturamento; CMV = Custo de Mercadorias Vendidas. Seguindo os mesmos procedimentos da conta de Custo de Mercadorias Vendidas, iremos realizar os lançamentos das seguintes contas que compõem a fórmula do Resultado da Conta de Mercadorias: Exemplo prático (complemento do exemplo anterior): - Vendas de Mercadorias 3.000,00 - ICMS sobre vendas 200,00 - PIS sobre faturamento 50,00 - COFINS 80,00 - Vendas Anuladas 100,00 - Descontos Concedidos Incondicionalmente 30,00 Vendas de Mercadorias Vendas Anuladas 3.000,00 100,00 30,00 Descontos Concedido Incondicional ICMS 200,00 50,00 80,00 PIS COFINS

18 18 Após lançar os registros em suas devidas contas, vamos fazer os encerramentos transferindoos para a conta de Resultado da Conta de Mercadorias. Para isso, abrimos uma conta com o nome RCM conforme abaixo: Resultado da Conta de Mercadorias Encerrando os lançamentos. Vendas de Mercadorias Vendas Anuladas Descontos Concedido Incondicional 3.000, ,00 100,00 100,00 30,00 30,00 ICMS COFINS 200,00 200,00 50,00 50,00 80,00 80,00 PIS Custo de Mercadorias Vendidas 500,00 50,00 700,00 300, ,00 350,00 850,00 850,00 Resultado da Conta de Mercadorias 100, ,00 30,00 200,00 50,00 80,00 850, , , ,00 Neste caso tivemos um lucro e esse lucro pode ser chamado de Lucro Bruto o qual este valor deverá ser transferido para a conta de Resultado do Exercício. Se o saldo da conta Resultado da

19 19 Conta de Mercadoria for devedor, então a empresa teve Prejuízo sobre Vendas, se o saldo for credor, então a empresa obteve Lucro sobre Vendas (Lucro Bruto). As deduções sobre Receita Bruta, são representadas pelas contas de Vendas Anuladas, abatimentos e Impostos incidentes sobre vendas. Como, Vendas anuladas o qual a conta é Devedora onde deve-se incluir as devoluções sobre vendas e/ou serviços. Abatimentos podem ser considerados os descontos sobre vendas e/ou serviços onde são concedidos incondicionalmente. Impostos incidentes sobre vendas, devem ser deduzidos da receita bruta da venda. Receita Bruta, deve ser registrada pelo valor total, incluindo impostos. Depreciação Incide sobre os Bens do Ativo Imobilizado onde ocorre a diminuição parcelada de seu valor. Pode ser considerado pelo desgaste pelo uso, ação da natureza e/ou obsolescência normal. Desgaste por uso: Quando um Bem perde sua capacidade de produção e/ou há desgaste. Exemplo: um veículo utilizado todos os dias durante cinco anos. Ação do tempo: Quando um Bem fica exposto ao sol ou chuva sofrendo desgaste pela ação do tempo. Obsolescência: Quando máquinas, equipamentos e instalações mecânicas, elétricas e eletrônicas vão se tornando obsoletas, em função de evolução tecnológica. O tempo e vida de um Bem é determinado em função do prazo o qual é possível a sua utilização econômica, normalmente as taxas de depreciação utilizadas são fixadas por legislação do imposto de renda que seguem exemplos abaixo: DEPRECIAÇÃO CONTAS PRAZO TAXA Computadores e Periféricos 5 anos 20% Edificios e Benfeitorias 25 anos 4% Motociclos 4 anos 25% Móveis e Utensílios, Instalações e Máquinas 10 anos 10% Veículos de passageiros e cargas 5 anos 20% A depreciação pode ser calculada de duas formas, Quotas Anuais ou Quotas Mensais. Quota anual, quando calculada e contabilizada em uma única vez ao ano, aplica-se a taxa normal de depreciação sobre o valor do Bem. Quota mensal, quando calculada e contabilizada mensalmente, aplica-se a taxa dividindo quota anual por 12. Exemplo: Depreciação de Veículos no valor de ,00 a taxa de depreciação a ser aplicada é de 20% a.a. acima. - 1ºLançamento: Temos a conta Veículos o qual será utilizada para o cálculo, vide tabela

20 20 VEÍCULOS ,00 20% a.a Após sofrer o cálculo de Depreciação de 20% a.a, temos o seguinte lançamento na conta de Depreciação (Despesas Administrativas). Depreciação 2.000,00 Está conta precisa ser encerrada no final do exercício então os lançamentos ficariam conforme abaixo: , , , ,00 20% a.a VEÍCULOS (-) Depreciação Acumulada Depreciação Se for mensal, divide o valor de 2.000,00 / 12 = 166,67. A conta veículo não sofre alteração no valor, porém o cálculo base dessa conta deve ser registrado em Depreciação [Despesas] em seguida no fechamento da conta Depreciação, deve-se creditar o valor e transferir para conta do Balanço Patrimonial (-) Depreciação Acumulada, este será o valor anual da depreciação do Bem. Observação: Não será permitido o registro de depreciação dos seguintes bens: Terrenos, salvo em relação aos melhoramentos e construções; Prédios e construções não alugados nem utilizados por seu proprietário na produção de seus rendimentos ou imóveis destinados à venda; Bens que normalmente aumentam de valor com o tempo, como obras de arte ou antiguidade. Amortização Amortização são despesas do ativo diferido, ou seja, a diminuição do valor dos Bens imateriais em razão do tempo, como Fundo de Comércio, Direitos autorais, Marcas e Patentes. O cálculo é semelhante ao cálculo da Depreciação. A taxa de amortização é fixada de acordo com o número de anos de permanência do direito amortizável. Como exemplo vamos utilizar a taxa de 10% a.a sobre o valor do Bem.

21 21 anos. AMORTIZAÇÃO CONTAS VALOR TAXA Fundo de Comércio 2.000,00 10% Marcas e Patentes 5.000,00 10% Usualmente o prazo mínimo para amortização é de cinco anos, e o prazo máximo, de dez Os lançamentos ficariam conforme abaixo: 5.000,00 500,00 500,00 500,00 10% Marcas e Patentes (-) Amortização Acumulada Amortização Débito na conta Marcas e Patentes, após o cálculo, debita a conta Amortização em seguida após encerrar a conta de Despesa Amortização, credita-se o valor em (-) Amortização Acumulada. A diferença entre Amortização e Depreciação, é que, enquanto a Depreciação é utilizada para os Bens Materiais (Tangíveis) a Amortização é utilizada para Bens Imateriais (Intangíveis). Bom até aqui aprendemos a realizar os lançamentos básicos na contabilidade e suas devidas contas, vamos comentar um pouco sobre os encerramentos das contas de Receita e Despesas, porém trataremos com mais detalhes em um próximo e-book. As contas de receita e despesa são contas temporárias, pois são encerradas a fim de se apurar o resultado do exercício. O lucro ou prejuízo de um determinado exercício (lembrando que exercício significa o período contábil) o qual é determinado através do confronto de receita e despesa, e esse resultado líquido apurado na conta é denominado de Apuração do Resultado do Exercício (ARE). Após esse confronto chegamos a Demonstração do Resultado do Exercício, que tem como objetivo apresentar de forma resumida o resultado apurado durante o período contábil de doze meses. Esperamos que tenha gostado e aguarde que logo estaremos enviando um novo para você. Bibliografia consultada Ribeiro, Osni Moura. Contabilidade Básica Fácil 26º edição: Saraiva Marion, José Carlos. Introdução à Contabilidade com Ênfase em Teoria: Campinas/SP: Alínea Marion, José Carlos e Fahl, Alessandra Cristina. Contabilidade Financeira: Valinos/SP: Anhanguera Publicações LTDA Barros, Sidney Ferro. Entendendo a Contabilidade 2º Edição São Paulo/SP: Thomson, 2004 coleção IOB.

Professor conteudista: Hildebrando Oliveira

Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Contabilidade Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Sumário CONTABILIDADE Unidade I 1 CONCEITO DE CONTABILIDADE...1 2 OBJETO DA CONTABILIDADE...2 3 O BALANÇO PATRIMONIAL...3 4 A CONTA...4 O RESULTADO...6

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação a conceitos, objetivos e finalidades da contabilidade, julgue os itens que se seguem. 51 Auxiliar um governo no processo de fiscalização tributária é uma das finalidades

Leia mais

Princípios Fundamentais Contabilidade

Princípios Fundamentais Contabilidade Princípios Fundamentais Contabilidade 1 Princípios Contábeis. Resolução CFC 750 de 29 de dezembro de 1993. Art. 3 São Princípios de Contabilidade:(2) I o da ENTIDADE; II o da CONTINUIDADE; III o da OPORTUNIDADE;

Leia mais

Obrigações. Fornecedores 45.000. Salários a pagar 75.000. Impostos a recolher 20.000. Patrimônio Líquido. Capital Social 100.000. Reservas 30.

Obrigações. Fornecedores 45.000. Salários a pagar 75.000. Impostos a recolher 20.000. Patrimônio Líquido. Capital Social 100.000. Reservas 30. Você acessou como Administrador Usuário (Sair) Info Resultados Visualização prévia Modificar Visualização prévia de Contabilidade Geral Iniciar novamente 1 Considerando: I- A contabilidade estuda e controla

Leia mais

Contabilidade Básica. Prof. Jackson Luis Oshiro joshiro@ibest.com.br. Escrituração. Conceito. Capítulo 5 Escrituração.

Contabilidade Básica. Prof. Jackson Luis Oshiro joshiro@ibest.com.br. Escrituração. Conceito. Capítulo 5 Escrituração. Contabilidade Básica Prof. Jackson Luis Oshiro joshiro@ibest.com.br Conceito É uma técnica contábil que consiste em registrar nos livros próprios todos os acontecimentos que ocorrem na empresa e que modifiquem

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade. Aula: 04 Prof.: Adelino Corrêa DATA: 26/10/2008. 13. Operações com mercadoria

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade. Aula: 04 Prof.: Adelino Corrêa DATA: 26/10/2008. 13. Operações com mercadoria 13. Operações com mercadoria Na comercialização de mercadoria (principal objeto de empresa comercial) existirão os tributos; entre eles o ICMS que será estudado na compra e venda da mercadoria. Impostos

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro Unidade II CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Objetivo Conhecer a estrutura do balanço patrimonial: ativo; passivo. Conhecer a estrutura do DRE. Conhecer a estrutura do DFC: direto; indireto. Balanço patrimonial

Leia mais

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro Faculdade Atenas Maranhense - FAMA Professor: Esp. CLEIDIANA SACCHETTO Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU

Leia mais

APURAÇÃO DO RESULTADO (1)

APURAÇÃO DO RESULTADO (1) APURAÇÃO DO RESULTADO (1) Isnard Martins - UNESA Rodrigo de Souza Freitas http://www.juliobattisti.com.br/tutoriais/rodrigosfreitas/conhecendocontabilidade012.asp 1 Apuração do Resultado A maioria das

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL. Adquira esta e outras aulas em www.acheiconcursos.com.br CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO DA RECEITA FEDERAL

CONTABILIDADE GERAL. Adquira esta e outras aulas em www.acheiconcursos.com.br CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO DA RECEITA FEDERAL CONTABILIDADE GERAL Adquira esta e outras aulas em www.acheiconcursos.com.br AULA Nº 1: Resolução da prova de Contabilidade Geral do TRF-2000 CONTABILIDADE GERAL CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO DA RECEITA

Leia mais

Fundação Biblioteca Nacional ISBN 978-85-7638-769-5

Fundação Biblioteca Nacional ISBN 978-85-7638-769-5 Contabilidade Itamar Miranda Machado Contabilidade 1.ª edição 2007 IESDE Brasil S.A. É proibida a reprodução, mesmo parcial, por qualquer processo, sem autorização por escrito dos autores e do detentor

Leia mais

2.2 Resultado com mercadorias 2.3 Impostos que afetam as mercadorias 2.4 Critérios de avaliação do estoque

2.2 Resultado com mercadorias 2.3 Impostos que afetam as mercadorias 2.4 Critérios de avaliação do estoque Disciplina: Contabilidade Comercial I Período: 2º Tipo: I Professor: Evaldo Modesto de Ávila Curso: Ciências Contábeis Assunto: Texto Semestre: 2º Nome: Nº: Apostila : Turma: ÚNICA Turno: NOITE Data: 002

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS AMORTIZAÇÃO: Representa a conta que registra a diminuição do valor dos bens intangíveis registrados no ativo permanente, é a perda de valor de capital aplicado na aquisição

Leia mais

Contabilidade Decifrada. Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo

Contabilidade Decifrada. Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo Contabilidade Decifrada Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo Demonstrações Contábeis - balanço patrimonial; - demonstração do resultado do exercício; e, - demonstração de lucros ou prejuízos acumulados.

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas Realização: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE CURSO: BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Leia mais

Vamos à prova: Analista Administrativo ANEEL 2006 ESAF

Vamos à prova: Analista Administrativo ANEEL 2006 ESAF Pessoal, hoje trago a prova que a ESAF realizou recentemente para o concurso de Analista da ANEEL. A prova é interessante, pois houve várias questões mal formuladas, mas que não foram anuladas pela Banca.

Leia mais

6/8/2012. Contabilidade Intermediária. Aula 1 Apuração do Resultado do Exercício. Objetivos. Objetivos. Profa. Ma. Simone Maria Menezes Dias

6/8/2012. Contabilidade Intermediária. Aula 1 Apuração do Resultado do Exercício. Objetivos. Objetivos. Profa. Ma. Simone Maria Menezes Dias Contabilidade Intermediária Aula 1 Apuração do Resultado do Exercício Profa. Ma. Simone Maria Menezes Dias Objetivos Entender a sistemática do Balancete de Verificação. Utilizar o Balancete de Verificação

Leia mais

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR Classifique as contas que geralmente caem em concursos e, muitas vezes, geram dúvidas. Banco c/ Movimento Banco conta Empréstimo Empréstimos a Diretores ou Acionistas Numerários em Trânsito Adiantamento

Leia mais

QUESTÕES POTENCIAIS DE PROVA TROPA DE ELITE CURSO AEP PROF. ALEXANDRE AMÉRICO

QUESTÕES POTENCIAIS DE PROVA TROPA DE ELITE CURSO AEP PROF. ALEXANDRE AMÉRICO QUESTÕES POTENCIAIS DE PROVA TROPA DE ELITE CURSO AEP PROF. ALEXANDRE AMÉRICO Considere que o sistema contábil da empresa comercial Zeta S.A. tenha se extraviado logo no primeiro exercício de constituição

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO Olá, pessoal! Hoje trago uma aula sobre a Demonstração do Valor Adicionado DVA, que foi recentemente tornada obrigatória para as companhias abertas pela Lei 11.638/07, que incluiu o inciso V ao art. 176

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I

GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I BALANÇO PATRIMONIAL 2 CONCEITO É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, o Patrimônio e o Patrimônio Líquido

Leia mais

CAPÍTULO 5 DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS - DLPA LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS

CAPÍTULO 5 DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS - DLPA LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO CAPÍTULOS 5,6,7 e 8 CAPÍTULO 5 DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS - DLPA LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS DESTINAÇÕES 1. Ajustes (-) Exerc. Anteriores 2. Transf. P/

Leia mais

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 5

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 5 Aula 5 Provisões. Depreciação, Amortização e Exaustão. Conteúdo 6. Provisões; 2 6.1. Provisões em Geral 2 6.2. Provisões do Ativo 3 6.2.1. Provisão para Ajuste ao Valor de Mercado 4 6.2.1.1. Instrumentos

Leia mais

Contas. Osni Moura Ribeiro ; Contabilidade Fundamental 1, Editora Saraiva- ISBN 9788502065901

Contas. Osni Moura Ribeiro ; Contabilidade Fundamental 1, Editora Saraiva- ISBN 9788502065901 Contas 2.1. Conceito Na sua linguagem cotidiana, o que representa a palavra conta? Você poderá responder: Uma operação aritmética de soma, subtração, multiplicação ou divisão; A conta de água e esgoto,

Leia mais

PLANO DE CONTAS ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO

PLANO DE CONTAS ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO PLANO DE CONTAS O plano de Contas normalmente é composto de cinco grupos. ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO

Leia mais

Ativo Não Circulante e Depreciação

Ativo Não Circulante e Depreciação ATIVO NÃO CIRCULANTE IMOBILIZAÇÃO E DEPRECIAÇÃO Contabilidade Geral - 3º Período - ADM Ativo Não Circulante e Depreciação Imobilizado. Depreciação. Taxa Anual de Depreciação. Depreciação Acelerada. Amortização

Leia mais

Cada prova possuirá 20 (vinte) questões objetivas e 1 (uma) questão discursiva. A prova terá duração de 2 (duas) horas, com início às 9h.

Cada prova possuirá 20 (vinte) questões objetivas e 1 (uma) questão discursiva. A prova terá duração de 2 (duas) horas, com início às 9h. O Exame de Suficiência em Contabilidade aplicado aos alunos ingressantes nos cursos de pós graduação lato sensu da FECAP, abaixo listados, é requisito para a obtenção do certificado de conclusão de curso

Leia mais

Sistema de contas. Capítulo 2 Sistema de contas

Sistema de contas. Capítulo 2 Sistema de contas Sistema de contas Capítulo 2 Sistema de contas SUMÁRIO: 1. Conceito 2. Teoria das contas 2.1. Teoria personalística (ou personalista) 2.2. Teoria materialística (ou materialista) 2.3. Teoria patrimonialista

Leia mais

BALANCETES E RELATÓRIOS

BALANCETES E RELATÓRIOS Matéria - Contabilidade SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Balancetes NBC T 2.7 3. Modelos de Balancetes 4. Relatórios 4.1. Relatórios por área de responsabilidade BALANCETES E RELATÓRIOS 5. Balancetes

Leia mais

1. Noções Introdutórias. Contabilidade é a ciência que estuda e controla o patrimônio em suas variações quantitativas e qualitativas.

1. Noções Introdutórias. Contabilidade é a ciência que estuda e controla o patrimônio em suas variações quantitativas e qualitativas. 1.1 Definições de Contabilidade 1. Noções Introdutórias Contabilidade é a ciência que estuda e controla o patrimônio em suas variações quantitativas e qualitativas. 1.2 Objeto da Contabilidade O Patrimônio

Leia mais

Contabilidade Empresarial e Comercial 27-08-2012 - ETEC GUARACY. Prof. Procópio 2º CONTAB Aula - 8

Contabilidade Empresarial e Comercial 27-08-2012 - ETEC GUARACY. Prof. Procópio 2º CONTAB Aula - 8 AULA 8 Sistema para Controle de Estoques o Inventário Periódico o Contabilização Fórmula do CMV/RCM Sistema para Controle de Estoques Devemos observar o método de avaliação escolhido, pois ele afetará

Leia mais

mhtml:file://c:\documents and Settings\6009\Meus documentos\glossário DE T...

mhtml:file://c:\documents and Settings\6009\Meus documentos\glossário DE T... Page 1 of 6 Portal de Obras Legislação Guias e Cursos Downloads GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS Compilado pela Equipe do Portal de Contabilidade AMORTIZAÇÃO: Representa a conta que registra a diminuição

Leia mais

Balanço Patrimonial: Grupo de Contas

Balanço Patrimonial: Grupo de Contas 3 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas 3.1 JUSTIFICATIVAS Como foi visto no capítulo anterior, o Balanço Patrimonial é constituído de Ativo, Passivo e Patrimônio Líquido. O Ativo, por sua vez, compõe-se

Leia mais

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade IV CONTABILIDADE

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade IV CONTABILIDADE Profa. Ma. Divane A. Silva Unidade IV CONTABILIDADE Contabilidade A disciplina está dividida em quatro unidades. Unidade I 1. Contabilidade Unidade II 2. Balanços sucessivos com operações que envolvem

Leia mais

Contabilidade Geral e Avançada Correção da Prova AFRFB 2009 Gabarito 1 Parte 1 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA

Contabilidade Geral e Avançada Correção da Prova AFRFB 2009 Gabarito 1 Parte 1 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA 1. O Conselho Federal de Contabilidade, considerando que a evolução ocorrida na área da Ciência Contábil reclamava a atualização substantiva e adjetiva de seus princípios,

Leia mais

WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772

WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772 WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772 Receitas x Despesas Podemos conceituar receitas como todos os recursos, em princípio, provenientes da venda de

Leia mais

Lista de Exercícios ENADE

Lista de Exercícios ENADE Curso: ADMINISTRAÇÃO Data: Goiânia 15/09/2012 Disciplina: Contabilidade Geral Turma: ADM 03 Turno: Noturno Carga Horária: 72 Professor: Esp. Erik Silva. Lista de Exercícios ENADE Exercício n.01 (IRB-2004-ESAF)

Leia mais

ÁREA DE CONHECIMENTOS CONTÁBEIS

ÁREA DE CONHECIMENTOS CONTÁBEIS ÁREA DE CONHECIMENTOS CONTÁBEIS 1. O Patrimônio Líquido divide-se em: a) Investimentos, Reservas de Capital, Reservas de Lucros e Lucros ou Prejuízos Acumulados. b) Capital Social, Reservas de Capital,

Leia mais

Inicialmente vamos entender a lógica em que a Contabilidade está alicerçada.

Inicialmente vamos entender a lógica em que a Contabilidade está alicerçada. ENTENDENDO A LÓGICA DA CONTABILIDADE I - OBJETIVO O objetivo fim deste projeto é ensinar Contabilidade para aqueles que querem e precisam aprender, fazer um concurso público, ou simplesmente, aumentar

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Texto para as questões de 31 a 35 conta saldo despesa de salários 10 COFINS a recolher 20 despesas de manutenção e conservação 20 despesa de depreciação 20 PIS a recolher 30 despesas

Leia mais

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente,

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente, Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Exercícios de Contabilidade Professora Niuza Adriane da Silva 1º A empresa XYZ adquire mercadorias para revenda, com promessa de pagamento em 3 parcelas iguais, sendo

Leia mais

13. Operações com mercadoria

13. Operações com mercadoria MATERIAL DE APOIO - ENVIADO PELO PROFESSOR 13. Operações com mercadoria Na comercialização de mercadoria (principal objeto de empresa comercial) existirão os tributos; entre eles o ICMS que será estudado

Leia mais

Bens - É tudo aquilo suscetível de avaliação econômica servindo para satisfazer as necessidades humanas.

Bens - É tudo aquilo suscetível de avaliação econômica servindo para satisfazer as necessidades humanas. NOÇÕES DE CONTABILIDADE E FINANÇAS Prof. Adelino Correa 12/8/2011 Contabilidade: é a ciência que estudo o PATRIMÔNIO em suas variações quantitativas e qualitativas. - aspectos quantitativos = montante,

Leia mais

Prof. Walter Dominas

Prof. Walter Dominas Unidade II CONTABILIDADE AVANÇADA Prof. Walter Dominas Consolidação das demonstrações contábeis A Consolidação das Demonstrações Contábeis é uma técnica que permite conhecer a posição financeira de um

Leia mais

Contabilidade Geral e Pública MPOG/2010

Contabilidade Geral e Pública MPOG/2010 Elias Cruz Toque de Mestre www.editoraferreira.com.br Curso de Contabilidade Básica com Prof Elias Cruz: maio/2010 (Manaus/AM); julho/2010 (Natal/RN);... Aguardem!!! Prova de (Prova elaborada pela ESAF

Leia mais

CONTABILIZAÇÃO DE OPERAÇÕES FINANCEIRAS

CONTABILIZAÇÃO DE OPERAÇÕES FINANCEIRAS CONTABILIZAÇÃO DE OPERAÇÕES FINANCEIRAS 1) Desconto de Duplicatas O desconto de duplicatas é uma operação muito comum nos dias atuais, por conta da grande necessidade de se fazer caixa. Nesta operação

Leia mais

Boletim. Contabilidade Internacional. Manual de Procedimentos

Boletim. Contabilidade Internacional. Manual de Procedimentos Boletim Manual de Procedimentos Contabilidade Internacional Custos de transação e prêmios na emissão de títulos e valores mobiliários - Tratamento em face do Pronunciamento Técnico CPC 08 - Exemplos SUMÁRIO

Leia mais

LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II

LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II A leitura complementar tem como objetivo reforçar os conteúdos estudados e esclarecer alguns assuntos que facilitem a compreensão e auxiliem na elaboração da atividade.

Leia mais

CONTABILIDADE BÁSICA

CONTABILIDADE BÁSICA CONTABILIDADE BÁSICA Professora M. Sc. Crísley do Carmo Dalto Graduação em Ciências Contábeis (UFES) Especialista em Contabilidade Gerencial (UFES) Mestre em Ciências Contábeis- Contabilidade Gerencial

Leia mais

10. Balanço Patrimonial. 10.1 Plano de Contas

10. Balanço Patrimonial. 10.1 Plano de Contas 10. Balanço Patrimonial 10.1 Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio plano de contas de acordo com suas

Leia mais

Balanço Patrimonial e DRE

Balanço Patrimonial e DRE Balanço Patrimonial e DRE Administração financeira e orçamentária Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com 2 Demonstrações Financeiras (Contábeis) Dados Dados Coletados Coletados

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

Centro de Ciências Empresariais e Sociais Aplicadas CCESA. Bacharelado em Ciências Contábeis CONTABILIDADE GERAL. Profª. Cristiane Yoshimura

Centro de Ciências Empresariais e Sociais Aplicadas CCESA. Bacharelado em Ciências Contábeis CONTABILIDADE GERAL. Profª. Cristiane Yoshimura Centro de Ciências Empresariais e Sociais Aplicadas CCESA Bacharelado em Ciências Contábeis CONTABILIDADE GERAL Profª. Cristiane Yoshimura 2013 CONTABILIZAÇÃO DAS CONTAS PATRIMONIAIS DÉBITO E CRÉDITO RAZONETE

Leia mais

Patrimônio Líquido. Investimentos = Financiamentos. Ativo. Passivo

Patrimônio Líquido. Investimentos = Financiamentos. Ativo. Passivo USP-FEA Disciplina: EAC0111 - Noções de Contabilidade para Administradores TEMA 3. Mecanismos Contábeis Profa. Dra. Joanília Cia (joanilia@usp.br) 1 Quais são os objetivos do tópico... Reconhecer o impacto

Leia mais

EXERCICIOS: MÉTODO DAS PARTIDAS DOBRADAS 2010 EXERCICIO Nº 02 _ CIA. MUZAMBINHO EXERCICIO Nº 01 _ CIA ATLANTIDA

EXERCICIOS: MÉTODO DAS PARTIDAS DOBRADAS 2010 EXERCICIO Nº 02 _ CIA. MUZAMBINHO EXERCICIO Nº 01 _ CIA ATLANTIDA EXERCICIO Nº 01 _ CIA ATLANTIDA Operações da Cia Atlântida no mês de janeiro de 20x1: 1) 03/jan Adquiriu móveis e utensílios a prazo por $ 800; 2) 08/jan - Comprou veiculo a vista por $ 5.000 (em cheque);

Leia mais

CONTABILIDADE BÁSICA

CONTABILIDADE BÁSICA CONTABILIDADE BÁSICA RESUMIDA on line http://www.grupoempresarial.adm.br 8/5/2014 21:32 Página 1 de 12 PARTE 1 / ASPECTOS TEÓRICOS INICIAIS Conteúdo sinótico 1. Estrutura Conceitual Básica da Contabilidade

Leia mais

COMO CONVERTER DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS PARA A MOEDA AMERICANA (FAS 52)

COMO CONVERTER DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS PARA A MOEDA AMERICANA (FAS 52) COMO CONVERTER DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS PARA A MOEDA AMERICANA (FAS 52)! As principais diferenças entre as normas contábeis brasileiras e americanas (US GAAP)! As taxas de conversão a serem

Leia mais

Naquele artigo, de maneira elucidativa, como de costume, o Vale ministrou que:

Naquele artigo, de maneira elucidativa, como de costume, o Vale ministrou que: Olá, meus amigos. Como estão? Sejam bem-vindos ao Estratégia Concursos. Hoje, aproveitaremos o gancho do artigo postado pelo mestre Ricardo Vale (link a seguir), e falaremos sobre a incidência do IPI sobre

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA

GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA Pág. 1 Índice 1. BALANCETE... 3 2. BALANÇO... 5 3. DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS... 10 4. RESUMO... 12 Pág. 2 1. BALANCETE O balancete é um documento contabilístico

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES QUESTÕES 01) Fazem parte do grupo de contas do : A) Duplicatas a Receber Caixa Duplicatas a Pagar. B) Terrenos Banco Conta Movimento Credores Diversos. C) Duplicatas a Pagar Caixa Adiantamentos de Clientes.

Leia mais

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo 12. Demonstração do Fluxo de Caixa 2 12.1. Introdução 2 12.2. Conceitos Importantes 2 12.3. Atividades Operacionais 5 12.4. Atividades de Investimento 7

Leia mais

Contabilidade Básica PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E OPERAÇÕES COM MERCADORIAS. Prof. Me. Antonio Luiz Santos

Contabilidade Básica PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E OPERAÇÕES COM MERCADORIAS. Prof. Me. Antonio Luiz Santos Contabilidade Básica PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E OPERAÇÕES COM MERCADORIAS Contabilidade Básica Controle de Estoque Inventário Permanente: Nesse sistema, o custo das mercadorias vendidas é apurado no momento

Leia mais

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1..

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1.. 1. INVENTÁRIOS 1..1 Periódico Ocorre quando os estoques existentes são avaliados na data de encerramento do balanço, através da contagem física. Optando pelo inventário periódico, a contabilização das

Leia mais

Guia Personnalité IR 2011

Guia Personnalité IR 2011 Guia Personnalité IR 2011 Índice Imposto de Renda 2011... 03 Obrigatoriedade de entrega da declaração... 04 Orientações gerais... 04 Formas de entrega... 05 Multa pelo atraso na entrega... 05 Imposto a

Leia mais

Palestra. Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) e Demonstração do Valor Adicionado (DVA) - Novas Normas Contábeis. Março 2012.

Palestra. Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) e Demonstração do Valor Adicionado (DVA) - Novas Normas Contábeis. Março 2012. Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Pesquisa sobre bens a serem ativados Contabilizados no Ativo Imobilizado

Pesquisa sobre bens a serem ativados Contabilizados no Ativo Imobilizado Pesquisa sobre bens a serem ativados Contabilizados no Ativo Imobilizado ATIVO IMOBILIZADO O Ativo Imobilizado é formado pelo conjunto de bens e direitos necessários à manutenção das atividades da empresa,

Leia mais

CONCEITO BALANÇO PATRIMONIAL 24/8/2012. Renato Tognere Ferron

CONCEITO BALANÇO PATRIMONIAL 24/8/2012. Renato Tognere Ferron BALANÇO PATRIMONIAL Renato Tognere Ferron CONCEITO É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, o Patrimônio e o Patrimônio Líquido da Entidade.

Leia mais

Comentários da prova SEFAZ-PI Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova SEFAZ-PI Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Olá amigos, Comentários da prova SEFAZ-PI ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE GERAL - SEFAZ-PI Trago para vocês os comentários da prova da SEFAZ-PI realizado no último

Leia mais

APOSTILA PROCESSO DE OPERAÇOES CONTABEIS

APOSTILA PROCESSO DE OPERAÇOES CONTABEIS APOSTILA PROCESSO DE OPERAÇOES CONTABEIS PROF: ANDRE GONINI 1 1 a PARTE - CONTABILIDADE OBS: antes de começar a estudar contabilidade e para maior entendimento você deve imaginar que você e a empresa,

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE JUNDIAÍ

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE JUNDIAÍ Prof.º Alexandre Schuster Apostila - 3 8. APURAÇÃO DO RESULTADO CONTABILIDADE A cada exercício social (normalmente um ano) a empresa deve apurar o resultado dos seus negócios. Para saber se obteve lucro

Leia mais

ATIVO PERMANENTE. Sendo assim, o Ativo Permanente está dividido em três grupos a saber:

ATIVO PERMANENTE. Sendo assim, o Ativo Permanente está dividido em três grupos a saber: 1. Conceito ATIVO PERMANENTE No Ativo as contas devem estar dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez dos elementos nela registrados, nos seguintes grupos: ~ Ativo Circulante; ~ Ativo Realizável

Leia mais

Unidade III CONTABILIDADE COMERCIAL. Profa. Divane Silva

Unidade III CONTABILIDADE COMERCIAL. Profa. Divane Silva Unidade III CONTABILIDADE COMERCIAL Profa. Divane Silva A disciplina está dividida em 04 Unidades: Unidade I 1. Operações com Mercadorias 2. Resultado Bruto com Mercadorias (RCM) 3. Custo das Mercadorias

Leia mais

Artigo para uso exclusivo do IPEC.RJ REGISTRO CONTÁBIL DAS SUBVENÇÕES PARA INVESTIMENTOS E O TRATAMENTO FISCAL E SOCIETÁRIO

Artigo para uso exclusivo do IPEC.RJ REGISTRO CONTÁBIL DAS SUBVENÇÕES PARA INVESTIMENTOS E O TRATAMENTO FISCAL E SOCIETÁRIO www.ipecrj.com.br CONTABILIZANDO A LEITURA nº 01 Dia 05/JUL/2010 REGISTRO CONTÁBIL DAS SUBVENÇÕES PARA INVESTIMENTOS E O TRATAMENTO FISCAL E SOCIETÁRIO ANTES DA INTRODUÇÃO: HOMENAGEM A GEBARDO Acho importante,

Leia mais

1º CASO Cia. INVESTIDORA S.A.

1º CASO Cia. INVESTIDORA S.A. 1º CASO Cia. INVESTIDORA S.A. O quadro a seguir apresenta o Balancete de Verificação da Cia. Investidora S.A. em 31/12/X1. Contas Saldo ($) Contas Saldo ($) Depósitos Bancários 182.000 Financiamentos L.

Leia mais

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal após a Lei 11638/07 Quando informado o registro: as instituições sujeitas

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Em cada um dos próximos itens, é apresentada uma situação hipotética, seguida de uma assertiva a ser julgada acerca de escrituração e análise e conciliações contábeis. 51 Um cliente liquidou antecipadamente

Leia mais

Contabilidade Básica

Contabilidade Básica Contabilidade Básica 2. Por Humberto Lucena 2.1 Conceito O Patrimônio, sendo o objeto da Contabilidade, define-se como o conjunto formado pelos bens, pelos direitos e pelas obrigações pertencentes a uma

Leia mais

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações Contabilidade: é objetivamente um sistema de informação e avaliação, destinado a prover seus usuários com demonstrações e análise de natureza econômica financeira. tratar as informações de natureza repetitiva

Leia mais

31/03/2015. Aspectos contábeis aplicados ao Terceiro Setor: Escrituração e plano de contas

31/03/2015. Aspectos contábeis aplicados ao Terceiro Setor: Escrituração e plano de contas Aspectos contábeis aplicados ao Terceiro Setor: Escrituração e plano de contas 1 ITG 2000: Escrituração Contábil (Resolução CFC n 1.330/11) Objetivo: 1. Esta Interpretação estabelece critérios e procedimentos

Leia mais

CARTILHA. Previdência. Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO. www.sulamericaonline.com.br

CARTILHA. Previdência. Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO. www.sulamericaonline.com.br CARTILHA Previdência Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO www.sulamericaonline.com.br Índice 1. Os Planos de Previdência Complementar e o Novo Regime Tributário 4 2. Tratamento Tributário Básico 5 3. Características

Leia mais

CONTABILIDADE BÁSICA Aula: Operações com Mercadorias

CONTABILIDADE BÁSICA Aula: Operações com Mercadorias CONTABILIDADE BÁSICA Aula: Operações com Mercadorias Professora M. Sc. (Mestre) Crísley do Carmo Dalto Mestre em Ciências Contábeis- Contabilidade Gerencial Especialista em Contabilidade Gerencial Resultado

Leia mais

Apostila 2 de Contabilidade Geral I. Prof. Ivã C Araújo

Apostila 2 de Contabilidade Geral I. Prof. Ivã C Araújo Apostila 2 de Contabilidade Geral I Prof. Ivã C Araújo 2013 Sumário 1 Procedimentos Contábeis... 3 1.1 Escrituração contábil... 3 1.1.1 Lançamentos Contábeis... 3 1.1.1.1 Fórmulas de Lançamentos... 3 1.2

Leia mais

REGIMES CONTÁBEIS RECEITAS E DESPESAS

REGIMES CONTÁBEIS RECEITAS E DESPESAS CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA I ELEMENTOS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGIMES CONTÁBEIS RECEITAS E DESPESAS Prof. Emanoel Truta ELEMENTOS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Os Elementos das Demonstrações Contábeis

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Escrituração e o Método das Partidas Dobradas. Sônia Maria de Araújo

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Escrituração e o Método das Partidas Dobradas. Sônia Maria de Araújo CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 08 CONTABILIDADE Escrituração e o Método das Partidas Dobradas Sônia Maria de Araújo Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação

Leia mais

Aula 00 Curso: Contabilidade Geral p/ ICMS RJ Professor: Luciano Moura

Aula 00 Curso: Contabilidade Geral p/ ICMS RJ Professor: Luciano Moura Aula 00 Curso: Contabilidade Geral p/ ICMS RJ Professor: Luciano Moura Prof. Luciano Moura 1 de 46 Apresentação Curso: Contabilidade Geral p/ ICMS RJ Olá querido aluno, Bem vindo ao curso on-line preparatório

Leia mais

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa V Pagamento de fornecedores Retenção de IRF sobre serviços Retenção de IRF sobre salários Pró-labore Integralização de capital em dinheiro Integralização de capital em bens Depreciação ICMS sobre vendas

Leia mais

Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA

Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA REVISANDO O CÁLCULO DO EVA QUAIS AS VANTAGENS DA UTILIZAÇÃO DA MÉTRICA EVA? COMO FAZER OS AJUSTES NA AVALIAÇÃO DOS S / INVESTIMENTOS?

Leia mais

CONTABILIDADE E CUSTOS Atualizado em 14 de abril de 2009

CONTABILIDADE E CUSTOS Atualizado em 14 de abril de 2009 Conceito de Contabilidade CONTABILIDADE E CUSTOS Atualizado em 14 de abril de 2009 Processo de identificar, mensurar e comunicar informações econômicas para permitir julgamentos e decisões fundamentais

Leia mais

EXEMPLO COMPLETO DO CÁLCULO DO FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS

EXEMPLO COMPLETO DO CÁLCULO DO FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS EXEMPLO COMPLETO DO CÁLCULO DO FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS! O pagamento de juros conjunturais! O pagamento de juros estruturais! O recebimento de dividendos! A contratação de

Leia mais

1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200

1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200 EXERCÍCIOS EXTRAS 1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200 S.DEVEDORES (APLICAÇÕES)............ S.CREDORES (ORIGENS)...... t o t a

Leia mais

Resolução. ALTERNATIVA: c. Comentário

Resolução. ALTERNATIVA: c. Comentário Receita Federal do Brasil 2012 Concurso para o cargo de Analista Tributário representa as origens de recursos (Passivo e Patrimônio Líquido), e o lado esquerdo as aplicações (Ativo). comentada da prova

Leia mais

Aula 2 - Técnicas contábeis e Demonstrações Financeiras. Prof Adelino Correia

Aula 2 - Técnicas contábeis e Demonstrações Financeiras. Prof Adelino Correia Tema: Técnicas Contábeis e Demonstrações Financeiras MATERIAL DE APOIO - ENVIADO PELO PROFESSOR Índice 1. Síntese Técnicas Contábeis e Demonstrações Financeiras 2. Simulado 3. Gabarito Aula 2 - Técnicas

Leia mais

Prof. Carlos Barretto

Prof. Carlos Barretto Unidade IV CONTABILIDADE FINANCEIRA Prof. Carlos Barretto Objetivos gerais Capacitar os estudantes a adquirir conhecimentos necessários para o desenvolvimento das seguintes competências: consciência ética

Leia mais

CURSOS ON-LINE CONTABILIDADE GERAL EM EXERCÍCIOS PROFESSOR ANTONIO CÉSAR AULA 11: EXERCÍCIOS (CONTINUAÇÃO)

CURSOS ON-LINE CONTABILIDADE GERAL EM EXERCÍCIOS PROFESSOR ANTONIO CÉSAR AULA 11: EXERCÍCIOS (CONTINUAÇÃO) AULA 11: EXERCÍCIOS (CONTINUAÇÃO) 11- (AFRE MG/ESAF 2005) Duas empresas coligadas avaliam seus investimentos pelo método da equivalência patrimonial. A primeira empresa tem Ativo Permanente de R$ 500.000,00,

Leia mais

Contabilidade Decifrada

Contabilidade Decifrada Contabilidade Decifrada Depreciação / Amortização / Exaustão Luiz Eduardo Santos Depreciação / Amortização / Exaustão Roteiro Geral Depreciação Conceito Definições necessárias ao cálculo da depreciação

Leia mais

TÉCNICO(A) DE CONTABILIDADE JÚNIOR

TÉCNICO(A) DE CONTABILIDADE JÚNIOR 34 EDITAL N o 1 PETROBRAS / PSP RH - 1/2012 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material: LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. a) este caderno, com o enunciado das 60 (sessenta) questões objetivas,

Leia mais

MÉTODO, PRINCÍPIOS E CONVENÇÕES CONTÁBEIS

MÉTODO, PRINCÍPIOS E CONVENÇÕES CONTÁBEIS MÉTODO, PRINCÍPIOS E CONVENÇÕES CONTÁBEIS Problema básico : registrar quantitativamente os eventos (as origens, como os recursos são aplicados na empresa e como ela os transforma). Registro dos eventos

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte TEORIA DA CONTABILIDADE 1. CONTA: Conta é o nome técnico que identifica cada componente patrimonial (bem, direito ou obrigação), bem como identifica um componente de resultado (receita ou despesas). As

Leia mais

Contabilidade Geral Correção da Prova APO 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL

Contabilidade Geral Correção da Prova APO 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL CONTABILIDADE GERAL 61- De acordo com a 750/93, do Conselho Federal de Contabilidade, foram aprovados os seguintes Princípios Fundamentais de Contabilidade: da Competência; da Prudência; do Denominador

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL. FASF - Faculdade Sagrada Família - Curso de Administração - Disciplina Contabilidade Geral - 3º periodo

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL. FASF - Faculdade Sagrada Família - Curso de Administração - Disciplina Contabilidade Geral - 3º periodo ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais