Inicialmente vamos entender a lógica em que a Contabilidade está alicerçada.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Inicialmente vamos entender a lógica em que a Contabilidade está alicerçada."

Transcrição

1 ENTENDENDO A LÓGICA DA CONTABILIDADE I - OBJETIVO O objetivo fim deste projeto é ensinar Contabilidade para aqueles que querem e precisam aprender, fazer um concurso público, ou simplesmente, aumentar seus conhecimentos sobre os controles de uma atividade econômica. II - INTRODUÇÃO O sistema moderno da Contabilidade, baseado no Método das Partidas Dobradas, já era conhecido e aplicado por empresas, porém foi sistematizado em 1494, com a publicação da obra de um matemático italiano chamado Luca Pacioli, "Summa de Arithmetica, Geometria Proportioni et Propornalità (colecção de conhecimentos de aritmética, geometria, proporção e proporcionalidade). Nesta obra, um capítulo que tratava sobre contabilidade, Particulario de computies et scripturis, onde é descrito pela primeira vez o Método das Partidas Dobradas, que deu eternamente fama ao autor. O Método das Partidas Dobradas é o de em uma simples equação de 1o. grau, em que os RECURSOS administrados, são concomitantemente, APLICAÇÕES e ORIGENS. Logo, a Contabilidade vai agir para controlar o que envolve este negócio ou empreendimento, apurando com precisão o montante do diversos componentes do patrimônio, e demonstrando de forma sistêmica os resultados da evolução ou involução destes recursos. Inicialmente vamos entender a lógica em que a Contabilidade está alicerçada. Todo e qualquer negócio, do mais simples ao mais complexo, necessita de recursos acumulados pelos donos para que possa ser iniciado, recursos estes, que podem ser representados por dinheiro, imóveis, veículos, etc. A palavra fluxo significa movimentação, circulação, consequentemente, FLUXO DOS RECURSOS é a movimentação ou circulação dos recursos necessários para a existência de determinado empreendimento. O tem apenas dois estados: as ORIGENS (FONTES) RECURSOS e as APLICAÇÕES DOS RECURSOS. DOS O diagrama abaixo resume esta explicação: E como estamos em um modelo matemático, uma equação, sinalizou-se os dois lados da equação: as APLICAÇÕES DOS RECURSOS foi sinalizada como DÉBITO, e as ORIGENS DOS RECURSOS teve a notação de CRÉDITO. O novo diagrama será:

2 APLICAÇÕES DOS RECURSOS iguais a ORIGENS DOS RECURSOS III - ESTUDO DE CASO Vamos começar com um "Estudo de Caso", no meu entendimento a fórmula mais eficaz de aprendizagem. O Sr. Fulano, após passar anos prestando serviços à uma empresa, resolve pedir demissão para trabalhar por conta própria. Recebe seus proventos indenizatórios que totalizam R$ ,00. Dias depois de um merecido descanso, o Sr. Fulano, resolve se tornar um microempreendedor individual, exercendo a atividade comercial da compra e venda de refrigerantes em lugares com grande concentração de pessoas, tais como: praia, arredores de eventos, etc. Para realizar o seu objetivo, o Sr. Fulano, faz o planejamento das decisões que irá tomar, orçando que precisará de R$ ,00. Após o planejamento, são efetivadas as 3 primeiras decisões: 1 - Faz o registro no órgão competente como Microempreendedor Individual, com o Capital Realizado de R$ ,00 em dinheiro; Neste momento será feito 1o. registro contábil desta empresa que efetivamente começou a existir, logo, o dinheiro do Sr Fulano já não pertence a ele, e sim a empresa. A Contabilidade registra o dinheiro em uma conta chamada Caixa. Logo temos a origem dos recursos registrada na conta chamada Capital Realizado e a aplicação dos recursos na conta Caixa. A Contabilidade registra os Fatos Contábeis, em um livro chamado Diário, na ordem em que ele ocorrem, consequentemente os registros serão feitos em ordem cronológica. O modelo deste registro terá esta configuração. Modelo do Livro Diário 1 Caixa Capital Realizado R$25.000,00 Valor da realização do capital Após a data 1" a demonstração do Fluxo de Recursos ficará assim: APLICAÇÕES DOS RECURSOS iguais a ORIGENS DOS RECURSOS Caixa ,00 Capital Realizado ,00 Total ,00 Total ,00

3 Em uma simples análise, a constatação que o total das origens são iguais as aplicações. Passemos agora para a segunda decisão do Sr. Fulano: 2 - Compra, pagando à vista, uma picape usada por R$ ,00; Para registrar a compra desta picape, a conta será nominada como Veículos, logo o lançamento contábil no Diário será: 2 Veículos Caixa R$20.000,00 Pago pela compra de uma picape. A demonstração do Fluxo de Recursos terá esta configuração, após a decisão 2: Caixa 5.000,00 Capital Realizado ,00 Veículos ,00 Total ,00 Total ,00 Na análise desta demonstração, verifica-se a mudança na natureza das aplicações, antes a empresa dispunha de R$ ,00 em dinheiro, após a decisão de aplicar estes recursos disponíveis na aquisição de um veículo, no valor de R$ ,00, o dinheiro disponível, que foi a origem para essa aplicação, passou para R$ 5.000,00. A totalidade das aplicações matem-se inalterada, o que mudou foi a estrutura dos bens. 3 - Compra, pagando à vista, uma caixa térmica por R$ 1.500,00. Para registrar a compra desta caixa, a conta será chamada de Móveis e Utensílios, logo o lançamento contábil no Diário será: 3 Móveis e Utensílios Caixa R$ 1.500,00 Pg compra de uma caixa térmica. É esta a nova configuração da demonstração do Fluxo de Recursos, após a decisão 3: Caixa 3.500,00 Capital Realizado ,00 Veículos ,00 Móveis e Utensílios 1.500,00 Total ,00 Total ,00

4 Verificamos que o crédito na conta Caixa foi a origem dos recursos para a aplicação na aquisição da caixa térmica, contabilizada na conta Móveis e Utensílios. Como pode ser observado ocorreu tão somente uma mudança estrutural nas aplicações dos recursos. 4 - Compra, pagando à vista, 500 latas de refrigerante, no valor de R$ 500,00. Para registrar a compra dos refrigerantes, a conta será nominada como Mercadorias, logo o lançamento contábil no Diário será: 4 Mercadorias Caixa R$ 500,00 Pg por 500 latas de refrigerantes. É esta a nova configuração da demonstração do Fluxo de Recursos, após a decisão 4: Caixa 3.000,00 Capital Realizado ,00 Veículos ,00 Móveis e Utensílios 1.500,00 Mercadorias 500,00 Total ,00 Total ,00 Constamos que novamente ocorreu uma mudança na estrutura, o caixa como fonte de recursos para a aplicação em mercadorias. Fazendo uma análise mais profunda no quadro acima, verificamos que neste momento 4, a empresa do Sr. Fulano encontra-se pronta para começar a executar seu objetivo social, que é vender refrigerantes, Domingo de sol, propício ao consumo de refrigerantes, o Sr. Fulano decide iniciar suas atividades comerciais. 5 - Abastece a picape de gasolina pagando à vista R$ 50, Compra 30 kg de gelo, pagando à vista R$ 50,00. Os lançamentos no livro Diário: 5 Combustível Caixa R$ 50,00 Pg pela compra de combustível. 6 Gelo Caixa R$ 50,00 Pg pela compra de gelo.

5 Verificamos que os recursos aplicados na compra de combustível e gelo, tiveram como origem o Caixa da empresa. A demonstração do fluxo dos recursos tem esta configuração: Caixa 2.900,00 Capital Realizado ,00 Veículos ,00 Móveis e Utensílios 1.500,00 Mercadorias 500,00 Combustível 50,00 Gelo 50,00 Total ,00 Total ,00 O Sr. Fulano decide vender cada lata de refrigerante por R$ 2,50, 7 - Depois do dia de trabalho vendendo refrigerantes, o Sr. Fulano verifica que vendeu 460 latas totalizando R$ 1.150,00. Destas. foi recebido em dinheiro R$ 1.100,00 e o apurado de 20 latas, montando em RS 50,00, foi concedido um prazo aos seus clientes de 30 dias para que seja efetivado o recebimento. A conta contábil usada para registrar as vendas efetuadas será denominada Vendas. Vendas é a origem dos recursos que foram aplicados na conta Caixa, e o valor que será recebido em 30 dias, numa conta chamada Clientes. Quando o Sr. Fulano, vende uma lata de refrigerante, obviamente esta lata é entregue ao consumidor, neste momento aquela lata, adquirida anteriormente por R$ 1,00, é o custo daquela venda feita por R$ 2,50, gerando um Lucro Bruto de R$ 1,50. A origem dos recursos aplicados no custo são provenientes do estoque de mercadorias. Esta aplicação é o Custo das Mercadorias Vendidas - CMV. No ato de vender mercadorias temos dois fatos contábeis que devem ser registrados: As Vendas e o CMV. Abaixo, os registros efetuados no Livro Diário: 7 Caixa Vendas R$ 1.100,00 Recebido pelas vendas. 7 Clientes Vendas R$ 50,00 Valor a receber em 30 dias. 7A CMV Mercadorias R$ 460,00 Valor do custo das vendas.

6 Agora, a demonstração do Fluxo de Recursos, terá esta configuração: Caixa 4.000,00 Capital Realizado ,00 Veículos ,00 Vendas 1.150,00 Móveis e Utensílios 1.500,00 Mercadorias 40,00 Combustível 50,00 Gelo 50,00 Clientes 50,00 CMV 460,00 Total ,00 Total ,00 Total , O Sr. Fulano repõe o estoque de refrigerantes, comprando 700 latas por R$ 700,00. O fornecedor concede à empresa um prazo de 30 dias para que seja efetuado o pagamento. A origem destes recursos foram provenientes de uma fonte fora da empresa, que concedeu um prazo de 30 dias para que a aplicação realizada na compra de Mercadorias, fosse paga. A conta que vai registrar esta origem é chamada de Fornecedores. O registro no Diário ou Lançamento Contábil será: 8 Mercadorias Fornecedores R$ 700,00 Valor compra à prazo de 700 latas de refrigerantes. Após as transações realizadas, decisões tomadas ou Fatos Contábeis, estas 3 expressões são sinônimas, o Fluxo dos Recursos da empresa do Sr. Fulano tem a seguinte configuração:

7 Caixa 4.000,00 Capital Realizado ,00 Veículos ,00 Vendas 1.150,00 Móveis e Utensílios 1.500,00 Fornecedores 700,00 Mercadorias 740,00 Combustível 50,00 Gelo 50,00 Clientes 50,00 CMV 460,00 Total ,00 Total ,00 IV - ANÁLISE DAS TRANSAÇÕES Agora vamos analisar os reflexos das decisões tomadas na estrutura da empresa: No momento 1, a empresa foi constituída com o Capital Realizado de R$ ,00 em dinheiro. Neste momento o Patrimônio da empresa é constituído pela quantidade de dinheiro disponível. Nos momentos 2, 3 e 4 o valor do Patrimônio continua sendo de R$ ,00, porém sofreu uma profunda mudança estrutural na composição de seus bens, a quantidade de dinheiro diminuiu mas passou a dispor de um veículo, de uma caixa térmica para acondicionar os refrigerantes e mantê-los na temperatura ideal para venda, e as mercadorias adquiridas para revenda. Estas aplicações foram necessárias para que a empresa pudesse realizar ao seu objetivo social, que é vender refrigerantes. Tudo está pronto, contudo ainda é necessário o deslocamento da picape até o local onde serão vendidos os refrigerantes gelados. Para isso foi necessário a aplicação de recursos no combustível e gelo, totalizando R$ 100,00, momentos 5 e 6. Esses tipos de aplicações são consumidas no ato da realização do objetivo social. O deslocamento da picape consome combustível e o ato de gelar refrigerantes consome gelo. Na hipótese que não fosse vendido nenhum refrigerante, o patrimônio da empresa teria diminuído em R$ 100,00 e estaria valendo ,00, pois o combustível seria queimado no deslocamento e o gelo, ao final do dia, teria derretido. Os momentos 7 e 7A, é quando a empresa executa seu objetivo social, com vendas à vista e à prazo. As vendas totalizaram R$ 1.150,00 ( 460 latas x R$ 2,50), o custo das mercadorias vendidas - CMV teve o montante de R$ 460,00 (460 latas x R$ 1,00). A diferença representa o Lucro Bruto de R$ 690,00 (460 latas x R$ 1,50), consequentemente o Patrimônio aumentou neste valor. No momento 8, repõe o estoque de mercadorias, com o prazo de 30 dias para pagar. Não ocorreu aumento do Patrimônio, pois apesar do aumento de mercadorias disponíveis para venda, ocorreu um aumento nas dívidas no mesmo valor. O lado esquerdo da demonstração do Fluxo de Recursos, onde estão as aplicações dos recursos da empresa e que, por definição do sistema contábil, estão relacionadas as contas com natureza de saldo devedora.

8 Verificamos que estas representam BENS (Caixa, Mercadorias, Móveis e Utensílios e Veículos), DIREITOS (Clientes) e DESPESAS (CMV, Combustível e Gelo). No lado direito estão representadas as origens ou fontes de recursos, onde todas as contas tem natureza de saldo credora, que registra o capital próprio (Capital Realizado), obrigações ou capitais de terceiros (Fornecedores) e as receitas (Vendas). Aqui temos o resumo de como está definido o sistema da Contabilidade. Independentemente de tamanho ou objetivo social, da mais simples, como a do nosso estudo de caso, à mais complexa empresa como a Petrobras ou Bradesco. RESUMO DO Aplicações ou D É B I T O S Origens ou C R É D I T O S Dec Bens + Direitos + Despesas = Obrigações + Capitais Próprios + Receitas ,00 50,00 560,00 700, , ,00 Tot , ,00 Vimos que para cada decisão tomada, houve o registro de forma cronológica, em um livro obrigatório pela legislação chamado DIÁRIO, onde informamos a conta debitada, a creditada, o valor da transação e o histórico, que é a descrição resumida do Fato Contábil. Após diversos lançamentos no Diário, fica impossível a visualização da situação patrimonial da empresa. A contabilidade utiliza um segundo livro, obrigatório para algumas empresas, chamado RAZÃO que organiza de forma sistêmica cada conta que recebeu lançamento contábil. Os registros lançados no Razão são concomitantes aos do Diário. Abaixo as contas do Razão, o destaque das cores é para ajudar à memorização destes conceitos fundamentais: Aplicações de Recursos, ou Débitos em Bens, Direitos, Despesas e Custos, e a as Origens dos Recursos ou Créditos oriundos do Capital Próprio, Capitais de Terceiros e Receitas. Razão da Conta Caixa Data Débito Crédito Saldo DV/ CR Histórico , ,00 DV Valor da realização do capital , ,00 DV Pago pela compra de uma picape , ,00 DV Pg compra de uma caixa térmica , ,00 DV Pg por 500 latas de refrigerantes. 5 50, ,00 DV Pg pela compra de combustível. 6 50, ,00 DV Pg pela compra de gelo , ,00 DV Recebido pelas vendas.

9 Razão da Conta Veículos Data Débito Crédito Saldo DV/ CR Histórico , ,00 DV Pago pela compra de uma picape. Razão da Conta Móveis e Utensílios Data Débito Crédito Saldo DV/ CR Histórico , ,00 DV Pg compra de uma caixa térmica. Razão da Conta Mercadorias 4 500,00 500,00 DV Pg por 500 latas de refrigerantes. 7a 460,00 40,00 DV Valor do custo das vendas ,00 740,00 DV Valor compra à prazo de 700 latas de refrigerantes. Razão da Conta Clientes 7 50,00 50,00 DV Valor a receber em 30 dias. Razão da Conta Combustível 5 50,00 50,00 DV Pg pela compra de combustível. Razão da Conta Gelo 6 50,00 50,00 DV Pg pela compra de gelo. Razão da Conta Custo das Mercadorias Vendidas - CMV 7A 460,00 460,00 DV Valor do custo das vendas. Razão da Conta Capital Realizado , ,00 CR Valor da realização do capital

10 Razão da Conta Fornecedores 8 700,00-700,00 CR Valor compra à prazo de 700 latas de refrigerantes. Razão da Conta Vendas , ,00 CR Recebido pelas vendas. 7 50, ,00 CR Valor a receber em 30 dias. Agora, vamos entender alguns conceitos utilizados: a) Patrimônio Líquido ou Situação Líquida; O sistema contábil está representado pela equação do Fluxo de Recursos: BENS + DIREITOS + DESPESAS = OBRIGAÇÕES + CAPITAL REALIZADO + VENDAS Por definição do lado esquerdo da equação, estão as aplicações dos recursos, as contas de natureza de saldo devedor, e no direito as origens de recursos, contas de natureza de saldo credor. O Patrimônio Líquido, ou Situação Líquida Patrimonial, em determinado momento da existência de uma empresa, é o seu valor líquido, é a diferença entre a soma de Bens e Direitos, menos as Obrigações, assim representada: PATRIMÔNIO LÍQUIDO = BENS + DIREITOS - OBRIGAÇÕES logo, o os outros ítens da equação também representam o Patrimônio Líquido: PATRIMÔNIO LÍQUIDO = CAPITAL REALIZADO + RECEITAS - DESPESAS retornando a equação: BENS + DIREITOS - OBRIGAÇÕES = CAPITAL REALIZADO + RECEITAS - DESPESAS Patrimônio Líquido ou Situação Líquida Dat a Bens +Direitos - Obrigaçõ es = Pat Liquido = Capital + Receitas - Despesas = Pat Líquido ,00-0,00 = ,00 = ,00 + 0,00-0,00 = , ,00-0,00 = ,00 = ,00 + 0,00-0,00 = , ,00-0,00 = ,00 = ,00 + 0,00-0,00 = , ,00-0,00 = ,00 = ,00 + 0,00-0,00 = , ,00-0,00 = ,00 = ,00 + 0,00-50,00 = , ,00-0,00 = ,00 = ,00 + 0,00-100,00 = , ,00-0,00 = ,00 = , ,00-100,00 = ,00 7a ,00-0,00 = ,00 = , ,00-560,00 = , ,00-700,00 = ,00 = , ,00-560,00 = ,00

11 b) Fatos Contábeis Cada decisão tomada por uma empresa para atingir o seu objetivo social e que possa ser mensurado monetariamente, é um FATO CONTÁBIL. Os FATOS CONTÁBEIS PERMUTATIVOS, são aqueles que movimentam tão somente as contas que representam Bens, Direitos e Obrigações. Os FATOS CONTÁBEIS MODIFICATIVOS, são os que afetam ou modificam o Patrimônio Líquido. O quadro anterior, informa o valor do Patrimônio Líquido a cada decisão tomada pelo Sr. Fulano: Na data 1 o ato de constituir a empresa integralizando o Capital é um fato contábil modificativo pois a partir desta decisão a empresa existe de fato. Nas datas 2, 3 4, 8, os fatos contábeis são permutativos, considerando que não ocorreu modificação do valor do Patrimônio Líquido anterior, somente alteração na estrutura, a troca de dinheiro por Veículos, Móveis e Utensílios e Mercadorias, e o aumento das mercadorias concomitante com o surgimento de uma obrigação. Nas datas 5, 6, 7 e 7a, os fatos contábeis são modificativos, pois diminuem ou aumentam o Patrimônio Líquido. Quando o PL diminui é pela ocorrência das despesas, diz-se que estes fatos contábeis são MODIFICATIVOS DIMINUTIVOS. O PL aumenta com as receitas auferidas, estes fatos contábeis são chamados de MODIFICATIVOS AUMENTATIVOS. Quando em uma única operação ocorrer modificações nos elementos bens, direitos, obrigações e a ocorrência de uma despesa ou receita, este é chamado de FATO CONTÁBIL MISTO, se deste registro resultar uma despesa será DIMINUTIVO, caso contrário uma receita será AUMENTATIVO. Abaixo um exemplo de FATO CONTÁBIL MISTO DIMINUTIVO: Na data 9, o Sr. Fulano paga duplicata do fornecedor no valor de R$ 700,00 acrescido de juros de mora no valor de R$ 10,00. Total do pagamento R$ 710,00. Abaixo a equação patrimonial: Data Bens +Direitos - Obrigaçõ es = Pat Liquido = Capital + Receitas - Despesas = Pat Líquido ,00-700,00 = ,00 = , ,00-560,00 = , ,00-0,00 = ,00 = , ,00-570,00 = ,00 O registro contábil da decisão 9 no Diário: 9 Fornecedores Caixa R$ 700,00 Pago dupl do fornecedor

12 9 Juros de Mora Caixa R$ 10,00 Pago juros s/ duplicata fornecedor O registro contábil da decisão 9 no Razão: Razão da Conta Caixa Data Débito Crédito Saldo DV/ CR Histórico , ,00 DV Valor da realização do capital , ,00 DV Pago pela compra de uma picape , ,00 DV Pg compra de uma caixa térmica , ,00 DV Pg por 500 latas de refrigerantes. 5 50, ,00 DV Pg pela compra de combustível. 6 50, ,00 DV Pg pela compra de gelo , ,00 DV Recebido pelas vendas , ,00 DV Pg duplicata e juros Razão da Conta Fornecedores 8 700,00-700,00 CR Valor compra à prazo de 700 latas de refrigerantes ,00 Pago duplicata do fornecedor Razão da Conta Juros de Mora 9 10,00 10,00 DV Pg juros s/ dupl. fornecedor Abaixo o Fluxo de Recursos:

13 Caixa 3.290,00 Capital Realizado ,00 Veículos ,00 Vendas 1.150,00 Móveis e Utensílios 1.500,00 Fornecedores 0,00 Mercadorias 740,00 Combustível 50,00 Gelo 50,00 Clientes 50,00 CMV 460,00 Juros de Mora 10,00 Total ,00 Total ,00 Abaixo um exemplo de FATO CONTÁBIL MISTO AUMENTATIVO: Na data 9, o Sr. Fulano paga duplicata do fornecedor no valor de R$ 700,00 com um abatimento no valor de R$ 20,00. Total do pagamento R$ 680,00. Data Bens +Direitos - Obrigaçõ es = Pat Liquido = Capital + Receitas - Despesas = Pat Líquido ,00-700,00 = ,00 = , ,00-560,00 = , ,00-0,00 = ,00 = , ,00-560,00 = ,00 O registro contábil da decisão 9 no Diário: 9 Fornecedores Caixa R$ 700,00 Pago dupl do fornecedor 9 Caixa Abatimentos R$ 20,00 Recebido abatimento fornecedor O registro contábil da decisão 9 no Razão:

14 Razão da Conta Caixa Data Débito Crédito Saldo DV/ CR Histórico , ,00 DV Valor da realização do capital , ,00 DV Pago pela compra de uma picape , ,00 DV Pg compra de uma caixa térmica , ,00 DV Pg por 500 latas de refrigerantes. 5 50, ,00 DV Pg pela compra de combustível. 6 50, ,00 DV Pg pela compra de gelo , ,00 DV Recebido pelas vendas , ,00 DV Pg duplicata e juros Razão da Conta Fornecedores 8 700,00-700,00 CR Valor compra à prazo de 700 latas de refrigerantes ,00 Pago duplicata do fornecedor Razão da Conta Abatimentos 9 20,00-20,00 CR Recebido abatimento dupl Abaixo o Fluxo de Recursos: Caixa 3.320,00 Capital Realizado ,00 Veículos ,00 Vendas 1.150,00 Móveis e Utensílios 1.500,00 Fornecedores 0,00 Mercadorias 740,00 Abatimentos 20,00 Combustível 50,00 Gelo 50,00 Clientes 50,00 CMV 460,00 Total ,00 Total ,00

Sistema de contas. Capítulo 2 Sistema de contas

Sistema de contas. Capítulo 2 Sistema de contas Sistema de contas Capítulo 2 Sistema de contas SUMÁRIO: 1. Conceito 2. Teoria das contas 2.1. Teoria personalística (ou personalista) 2.2. Teoria materialística (ou materialista) 2.3. Teoria patrimonialista

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL. Adquira esta e outras aulas em www.acheiconcursos.com.br CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO DA RECEITA FEDERAL

CONTABILIDADE GERAL. Adquira esta e outras aulas em www.acheiconcursos.com.br CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO DA RECEITA FEDERAL CONTABILIDADE GERAL Adquira esta e outras aulas em www.acheiconcursos.com.br AULA Nº 1: Resolução da prova de Contabilidade Geral do TRF-2000 CONTABILIDADE GERAL CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO DA RECEITA

Leia mais

Fundação Biblioteca Nacional ISBN 978-85-7638-769-5

Fundação Biblioteca Nacional ISBN 978-85-7638-769-5 Contabilidade Itamar Miranda Machado Contabilidade 1.ª edição 2007 IESDE Brasil S.A. É proibida a reprodução, mesmo parcial, por qualquer processo, sem autorização por escrito dos autores e do detentor

Leia mais

1º CASO Cia. INVESTIDORA S.A.

1º CASO Cia. INVESTIDORA S.A. 1º CASO Cia. INVESTIDORA S.A. O quadro a seguir apresenta o Balancete de Verificação da Cia. Investidora S.A. em 31/12/X1. Contas Saldo ($) Contas Saldo ($) Depósitos Bancários 182.000 Financiamentos L.

Leia mais

. Natureza de saldo das contas

. Natureza de saldo das contas . Natureza de saldo das contas Introdução Prezado candidato/aluno é de extrema importância entendermos a natureza de saldo das contas em contabilidade, em razão disse devemos separar as contas patrimoniais

Leia mais

Princípios Fundamentais Contabilidade

Princípios Fundamentais Contabilidade Princípios Fundamentais Contabilidade 1 Princípios Contábeis. Resolução CFC 750 de 29 de dezembro de 1993. Art. 3 São Princípios de Contabilidade:(2) I o da ENTIDADE; II o da CONTINUIDADE; III o da OPORTUNIDADE;

Leia mais

APURAÇÃO DO RESULTADO (1)

APURAÇÃO DO RESULTADO (1) APURAÇÃO DO RESULTADO (1) Isnard Martins - UNESA Rodrigo de Souza Freitas http://www.juliobattisti.com.br/tutoriais/rodrigosfreitas/conhecendocontabilidade012.asp 1 Apuração do Resultado A maioria das

Leia mais

Aula 2 - Técnicas contábeis e Demonstrações Financeiras. Prof Adelino Correia

Aula 2 - Técnicas contábeis e Demonstrações Financeiras. Prof Adelino Correia Tema: Técnicas Contábeis e Demonstrações Financeiras MATERIAL DE APOIO - ENVIADO PELO PROFESSOR Índice 1. Síntese Técnicas Contábeis e Demonstrações Financeiras 2. Simulado 3. Gabarito Aula 2 - Técnicas

Leia mais

Professor conteudista: Hildebrando Oliveira

Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Contabilidade Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Sumário CONTABILIDADE Unidade I 1 CONCEITO DE CONTABILIDADE...1 2 OBJETO DA CONTABILIDADE...2 3 O BALANÇO PATRIMONIAL...3 4 A CONTA...4 O RESULTADO...6

Leia mais

CONTABILIDADE BÁSICA

CONTABILIDADE BÁSICA CONTABILIDADE BÁSICA RESUMIDA on line http://www.grupoempresarial.adm.br 8/5/2014 21:32 Página 1 de 12 PARTE 1 / ASPECTOS TEÓRICOS INICIAIS Conteúdo sinótico 1. Estrutura Conceitual Básica da Contabilidade

Leia mais

Vamos à prova: Analista Administrativo ANEEL 2006 ESAF

Vamos à prova: Analista Administrativo ANEEL 2006 ESAF Pessoal, hoje trago a prova que a ESAF realizou recentemente para o concurso de Analista da ANEEL. A prova é interessante, pois houve várias questões mal formuladas, mas que não foram anuladas pela Banca.

Leia mais

Lista de Exercícios ENADE

Lista de Exercícios ENADE Curso: ADMINISTRAÇÃO Data: Goiânia 15/09/2012 Disciplina: Contabilidade Geral Turma: ADM 03 Turno: Noturno Carga Horária: 72 Professor: Esp. Erik Silva. Lista de Exercícios ENADE Exercício n.01 (IRB-2004-ESAF)

Leia mais

EXERCÍCIO PRÁTICO DE TEORIA DA CONTABILIDADE

EXERCÍCIO PRÁTICO DE TEORIA DA CONTABILIDADE EXERCICIO RESOLVIDO Nº DATA FATO 1 9/12/X1 Constituição da empresa com Capital Inicial de R$ 75.000,00, sendo R$ 50.000,00 em dinheiro e o restante em Mercadorias p/revenda. 2 19/12/X1 Compra de um Veículo

Leia mais

UM CONCEITO FUNDAMENTAL: PATRIMÔNIO LÍQUIDO FINANCEIRO. Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira Rio, 07/09/2014.

UM CONCEITO FUNDAMENTAL: PATRIMÔNIO LÍQUIDO FINANCEIRO. Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira Rio, 07/09/2014. UM CONCEITO FUNDAMENTAL: PATRIMÔNIO LÍQUIDO FINANCEIRO Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira Rio, 07/09/2014. Tanto as pessoas físicas quanto as jurídicas têm patrimônio, que nada mais é do que o conjunto

Leia mais

Questão 01 CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA

Questão 01 CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA Questão 01 CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA TÓPICO:Exercícios 02 (ICMS/Ceará Analista/ESAF): A empresa Comercial do Ponto Ltda., ao contabilizar a quitação por via bancária, de uma duplicata no valor de R$

Leia mais

CONTABILIDADE NA PRÁTICA, RÁPIDA E FÁCIL

CONTABILIDADE NA PRÁTICA, RÁPIDA E FÁCIL 1 CONTABILIDADE NA PRÁTICA, RÁPIDA E FÁCIL 2 SUMÁRIO CONTABILIDADE, INFORMAÇÃO CONTÁBIL...3 PATRIMÔNIO...3 METODOS DAS PARTIDAS DOBRADAS...7 BALANÇO PATRIMONIAL...7 FÓRUMULAS DE LANÇAMENTOS...7 RETIFICAÇÃO

Leia mais

Fundamentos de Contabilidade. Formação do Patrimônio. Professor Isnard Martins

Fundamentos de Contabilidade. Formação do Patrimônio. Professor Isnard Martins Fundamentos de Contabilidade Professor Isnard Martins Formação do Patrimônio Bibliografia Osni Moura Ribeiro, Contabilidade Fundamental 1Saraiva, 2011 1 Formação do Patrimônio Para constituir uma empresa,

Leia mais

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público www.qconcursos.com ]

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público www.qconcursos.com ] 01 - Q223454A contabilidade foi definida no I Congresso Brasileiro de Contabilidade como: a ciência que estuda e pratica as funções de orientação, controle e registro relativo aos atos e fatos da administração

Leia mais

Patrimônio Líquido. Investimentos = Financiamentos. Ativo. Passivo

Patrimônio Líquido. Investimentos = Financiamentos. Ativo. Passivo USP-FEA Disciplina: EAC0111 - Noções de Contabilidade para Administradores TEMA 3. Mecanismos Contábeis Profa. Dra. Joanília Cia (joanilia@usp.br) 1 Quais são os objetivos do tópico... Reconhecer o impacto

Leia mais

Comentários da prova SEFAZ-PI Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova SEFAZ-PI Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Olá amigos, Comentários da prova SEFAZ-PI ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE GERAL - SEFAZ-PI Trago para vocês os comentários da prova da SEFAZ-PI realizado no último

Leia mais

WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772

WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772 WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772 Receitas x Despesas Podemos conceituar receitas como todos os recursos, em princípio, provenientes da venda de

Leia mais

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade IV CONTABILIDADE

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade IV CONTABILIDADE Profa. Ma. Divane A. Silva Unidade IV CONTABILIDADE Contabilidade A disciplina está dividida em quatro unidades. Unidade I 1. Contabilidade Unidade II 2. Balanços sucessivos com operações que envolvem

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação a conceitos, objetivos e finalidades da contabilidade, julgue os itens que se seguem. 51 Auxiliar um governo no processo de fiscalização tributária é uma das finalidades

Leia mais

Contabilidade Geral e Avançada Correção da Prova AFRFB 2009 Gabarito 1 Parte 1 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA

Contabilidade Geral e Avançada Correção da Prova AFRFB 2009 Gabarito 1 Parte 1 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA 1. O Conselho Federal de Contabilidade, considerando que a evolução ocorrida na área da Ciência Contábil reclamava a atualização substantiva e adjetiva de seus princípios,

Leia mais

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente,

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente, Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Exercícios de Contabilidade Professora Niuza Adriane da Silva 1º A empresa XYZ adquire mercadorias para revenda, com promessa de pagamento em 3 parcelas iguais, sendo

Leia mais

QUESTÕES POTENCIAIS DE PROVA TROPA DE ELITE CURSO AEP PROF. ALEXANDRE AMÉRICO

QUESTÕES POTENCIAIS DE PROVA TROPA DE ELITE CURSO AEP PROF. ALEXANDRE AMÉRICO QUESTÕES POTENCIAIS DE PROVA TROPA DE ELITE CURSO AEP PROF. ALEXANDRE AMÉRICO Considere que o sistema contábil da empresa comercial Zeta S.A. tenha se extraviado logo no primeiro exercício de constituição

Leia mais

TÓPICO ESPECIAL DE CONTABILIDADE: IR DIFERIDO

TÓPICO ESPECIAL DE CONTABILIDADE: IR DIFERIDO TÓPICO ESPECIAL DE CONTABILIDADE: IR DIFERIDO! O que é diferimento?! Casos que permitem a postergação do imposto.! Diferimento da despesa do I.R.! Mudança da Alíquota ou da Legislação. Autores: Francisco

Leia mais

Contabilidade Empresarial

Contabilidade Empresarial Contabilidade Empresarial PROGRAMA DO CURSO Conceitos básicos de contabilidade Balanço patrimonial Demonstrativo de resultado de exercício Demonstrativo de fluxo de caixa Demonstrativo das Origens e Aplicações

Leia mais

Contabilidade Básica. Prof. Jackson Luis Oshiro joshiro@ibest.com.br. Escrituração. Conceito. Capítulo 5 Escrituração.

Contabilidade Básica. Prof. Jackson Luis Oshiro joshiro@ibest.com.br. Escrituração. Conceito. Capítulo 5 Escrituração. Contabilidade Básica Prof. Jackson Luis Oshiro joshiro@ibest.com.br Conceito É uma técnica contábil que consiste em registrar nos livros próprios todos os acontecimentos que ocorrem na empresa e que modifiquem

Leia mais

CURSOS ON-LINE CONTABILIDADE GERAL EM EXERCÍCIOS PROFESSOR ANTONIO CÉSAR AULA 11: EXERCÍCIOS (CONTINUAÇÃO)

CURSOS ON-LINE CONTABILIDADE GERAL EM EXERCÍCIOS PROFESSOR ANTONIO CÉSAR AULA 11: EXERCÍCIOS (CONTINUAÇÃO) AULA 11: EXERCÍCIOS (CONTINUAÇÃO) 11- (AFRE MG/ESAF 2005) Duas empresas coligadas avaliam seus investimentos pelo método da equivalência patrimonial. A primeira empresa tem Ativo Permanente de R$ 500.000,00,

Leia mais

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA REGIONAL DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CONTABILIDADE SOCIETÁRIA II

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA REGIONAL DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CONTABILIDADE SOCIETÁRIA II UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA REGIONAL DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CONTABILIDADE SOCIETÁRIA II EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO MATRIZ E FILIAL A empresa Comércio Vai Bem Ltda, optante

Leia mais

Contabilidade bem básica

Contabilidade bem básica Contabilidade bem básica Instruções simples para que você possa compreender todo o conteúdo do site. A contabilidade é uma base para os demais. Conceitos de contabilidade básica O que é contabilidade?

Leia mais

EXERCICIOS: MÉTODO DAS PARTIDAS DOBRADAS 2010 EXERCICIO Nº 02 _ CIA. MUZAMBINHO EXERCICIO Nº 01 _ CIA ATLANTIDA

EXERCICIOS: MÉTODO DAS PARTIDAS DOBRADAS 2010 EXERCICIO Nº 02 _ CIA. MUZAMBINHO EXERCICIO Nº 01 _ CIA ATLANTIDA EXERCICIO Nº 01 _ CIA ATLANTIDA Operações da Cia Atlântida no mês de janeiro de 20x1: 1) 03/jan Adquiriu móveis e utensílios a prazo por $ 800; 2) 08/jan - Comprou veiculo a vista por $ 5.000 (em cheque);

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS AMORTIZAÇÃO: Representa a conta que registra a diminuição do valor dos bens intangíveis registrados no ativo permanente, é a perda de valor de capital aplicado na aquisição

Leia mais

Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro. Contabilidade. História. Contabilidade e Balanço Patrimonial

Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro. Contabilidade. História. Contabilidade e Balanço Patrimonial Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro Contabilidade e Balanço Patrimonial Contabilidade É a ciência teórica e prática que estuda os métodos de cálculo e registro da movimentação financeira e patrimônio

Leia mais

Artigo 02 Exercício Comentado - Débito e Crédito PROFESSORA: Ivana Agostinho

Artigo 02 Exercício Comentado - Débito e Crédito PROFESSORA: Ivana Agostinho Caro(a) aluno(a), Tudo bem? Hoje vamos resolver um exercício que aborda o mecanismo contábil do débito e do crédito, assunto que costuma dar um pouquinho de dor de cabeça nos iniciantes... Vou simplificar

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE

NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE AUTOR: PROF. FRANCISCO GLAUBER LIMA MOTA E-MAIL: motaglauber@gmail.com CONCEITO: CONTABILIDADE CIÊNCIA QUE ESTUDA E PRATICA AS FUNÇÕES DE REGISTRO, CONTROLE E ORIENTAÇÃO

Leia mais

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro Faculdade Atenas Maranhense - FAMA Professor: Esp. CLEIDIANA SACCHETTO Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU

Leia mais

EXEMPLO COMPLETO DO CÁLCULO DO FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS

EXEMPLO COMPLETO DO CÁLCULO DO FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS EXEMPLO COMPLETO DO CÁLCULO DO FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS! O pagamento de juros conjunturais! O pagamento de juros estruturais! O recebimento de dividendos! A contratação de

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas Realização: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE CURSO: BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Leia mais

LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II

LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II A leitura complementar tem como objetivo reforçar os conteúdos estudados e esclarecer alguns assuntos que facilitem a compreensão e auxiliem na elaboração da atividade.

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES QUESTÕES 01) Fazem parte do grupo de contas do : A) Duplicatas a Receber Caixa Duplicatas a Pagar. B) Terrenos Banco Conta Movimento Credores Diversos. C) Duplicatas a Pagar Caixa Adiantamentos de Clientes.

Leia mais

Balanço Patrimonial: Grupo de Contas

Balanço Patrimonial: Grupo de Contas 3 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas 3.1 JUSTIFICATIVAS Como foi visto no capítulo anterior, o Balanço Patrimonial é constituído de Ativo, Passivo e Patrimônio Líquido. O Ativo, por sua vez, compõe-se

Leia mais

Obrigações. Fornecedores 45.000. Salários a pagar 75.000. Impostos a recolher 20.000. Patrimônio Líquido. Capital Social 100.000. Reservas 30.

Obrigações. Fornecedores 45.000. Salários a pagar 75.000. Impostos a recolher 20.000. Patrimônio Líquido. Capital Social 100.000. Reservas 30. Você acessou como Administrador Usuário (Sair) Info Resultados Visualização prévia Modificar Visualização prévia de Contabilidade Geral Iniciar novamente 1 Considerando: I- A contabilidade estuda e controla

Leia mais

Contabilidade Geral e Pública MPOG/2010

Contabilidade Geral e Pública MPOG/2010 Elias Cruz Toque de Mestre www.editoraferreira.com.br Curso de Contabilidade Básica com Prof Elias Cruz: maio/2010 (Manaus/AM); julho/2010 (Natal/RN);... Aguardem!!! Prova de (Prova elaborada pela ESAF

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro Unidade II CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Objetivo Conhecer a estrutura do balanço patrimonial: ativo; passivo. Conhecer a estrutura do DRE. Conhecer a estrutura do DFC: direto; indireto. Balanço patrimonial

Leia mais

Bens - É tudo aquilo suscetível de avaliação econômica servindo para satisfazer as necessidades humanas.

Bens - É tudo aquilo suscetível de avaliação econômica servindo para satisfazer as necessidades humanas. NOÇÕES DE CONTABILIDADE E FINANÇAS Prof. Adelino Correa 12/8/2011 Contabilidade: é a ciência que estudo o PATRIMÔNIO em suas variações quantitativas e qualitativas. - aspectos quantitativos = montante,

Leia mais

mhtml:file://c:\documents and Settings\6009\Meus documentos\glossário DE T...

mhtml:file://c:\documents and Settings\6009\Meus documentos\glossário DE T... Page 1 of 6 Portal de Obras Legislação Guias e Cursos Downloads GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS Compilado pela Equipe do Portal de Contabilidade AMORTIZAÇÃO: Representa a conta que registra a diminuição

Leia mais

Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA

Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA REVISANDO O CÁLCULO DO EVA QUAIS AS VANTAGENS DA UTILIZAÇÃO DA MÉTRICA EVA? COMO FAZER OS AJUSTES NA AVALIAÇÃO DOS S / INVESTIMENTOS?

Leia mais

PROVOU 2011 OBSERVAÇÕES IMPORTANTES:

PROVOU 2011 OBSERVAÇÕES IMPORTANTES: UNIOESTE Universidade Estadual do Oeste do Paraná Processo Seletivo para Ocupação de Vagas Remanescentes nos Cursos de Graduação PROVOU 2011 Candidato: inscrição - nome do candidato Curso: código - nome

Leia mais

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão A Análise das Demonstrações Financeiras Este artigo pretende apoiar o jovem empreendedor, informando-o de como utilizar os

Leia mais

Contabilidade Básica

Contabilidade Básica Contabilidade Básica 2. Por Humberto Lucena 2.1 Conceito O Patrimônio, sendo o objeto da Contabilidade, define-se como o conjunto formado pelos bens, pelos direitos e pelas obrigações pertencentes a uma

Leia mais

Fluxo de Caixa método direto e indireto

Fluxo de Caixa método direto e indireto Fluxo de Caixa método direto e indireto A empresa Claudio Zorzo S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: Banco 100.000 Duplicatas a receber 80.000 Financiamentos 80.000 Capital Social

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

Contas. Osni Moura Ribeiro ; Contabilidade Fundamental 1, Editora Saraiva- ISBN 9788502065901

Contas. Osni Moura Ribeiro ; Contabilidade Fundamental 1, Editora Saraiva- ISBN 9788502065901 Contas 2.1. Conceito Na sua linguagem cotidiana, o que representa a palavra conta? Você poderá responder: Uma operação aritmética de soma, subtração, multiplicação ou divisão; A conta de água e esgoto,

Leia mais

CONTABILIDADE E CUSTOS Atualizado em 14 de abril de 2009

CONTABILIDADE E CUSTOS Atualizado em 14 de abril de 2009 Conceito de Contabilidade CONTABILIDADE E CUSTOS Atualizado em 14 de abril de 2009 Processo de identificar, mensurar e comunicar informações econômicas para permitir julgamentos e decisões fundamentais

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade. Aula: 04 Prof.: Adelino Corrêa DATA: 26/10/2008. 13. Operações com mercadoria

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade. Aula: 04 Prof.: Adelino Corrêa DATA: 26/10/2008. 13. Operações com mercadoria 13. Operações com mercadoria Na comercialização de mercadoria (principal objeto de empresa comercial) existirão os tributos; entre eles o ICMS que será estudado na compra e venda da mercadoria. Impostos

Leia mais

Contabilidade Empresarial Demonstrações Financeiras: O Balanço Patrimonial. Prof. Dr. Dirceu Raiser

Contabilidade Empresarial Demonstrações Financeiras: O Balanço Patrimonial. Prof. Dr. Dirceu Raiser Contabilidade Empresarial Demonstrações Financeiras: O Balanço Patrimonial Prof. Dr. Dirceu Raiser O Balanço Patrimonial consiste em um conjunto de informações sistematizadas. Tais informações demonstram

Leia mais

Contabilidade Geral Correção da Prova APO 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL

Contabilidade Geral Correção da Prova APO 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL CONTABILIDADE GERAL 61- De acordo com a 750/93, do Conselho Federal de Contabilidade, foram aprovados os seguintes Princípios Fundamentais de Contabilidade: da Competência; da Prudência; do Denominador

Leia mais

AULA 9 - OPERAÇÕES COM MERCADORIAS

AULA 9 - OPERAÇÕES COM MERCADORIAS AS EMPRESAS COMERCIAIS SÃO AQUELAS CUJO OBJETO SOCIAL É A COMPRA E A REVENDA DE COM OBJETIVO DE LUCRO. O LUCRO OU PREJUÍZO OBTIDO NESSAS OPERAÇÕES É DENOMINADO RESULTADO COM. 21/11/2009 PROF. PAULO VICECONTI

Leia mais

Resolução. ALTERNATIVA: c. Comentário

Resolução. ALTERNATIVA: c. Comentário Receita Federal do Brasil 2012 Concurso para o cargo de Analista Tributário representa as origens de recursos (Passivo e Patrimônio Líquido), e o lado esquerdo as aplicações (Ativo). comentada da prova

Leia mais

Questões comentadas da prova para Técnico de Controle Externo do TCMRJ TERCEIRA PARTE

Questões comentadas da prova para Técnico de Controle Externo do TCMRJ TERCEIRA PARTE Questões comentadas da prova para Técnico de Controle Externo do TCMRJ TERCEIRA PARTE 08 - Constitui um exemplo de despesa extra-orçamentária: A) caução feita no decorrer do exercício financeiro B) transferência

Leia mais

Contabilidade Básica PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E OPERAÇÕES COM MERCADORIAS. Prof. Me. Antonio Luiz Santos

Contabilidade Básica PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E OPERAÇÕES COM MERCADORIAS. Prof. Me. Antonio Luiz Santos Contabilidade Básica PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E OPERAÇÕES COM MERCADORIAS Contabilidade Básica Controle de Estoque Inventário Permanente: Nesse sistema, o custo das mercadorias vendidas é apurado no momento

Leia mais

6/8/2012. Contabilidade Intermediária. Aula 1 Apuração do Resultado do Exercício. Objetivos. Objetivos. Profa. Ma. Simone Maria Menezes Dias

6/8/2012. Contabilidade Intermediária. Aula 1 Apuração do Resultado do Exercício. Objetivos. Objetivos. Profa. Ma. Simone Maria Menezes Dias Contabilidade Intermediária Aula 1 Apuração do Resultado do Exercício Profa. Ma. Simone Maria Menezes Dias Objetivos Entender a sistemática do Balancete de Verificação. Utilizar o Balancete de Verificação

Leia mais

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo 12. Demonstração do Fluxo de Caixa 2 12.1. Introdução 2 12.2. Conceitos Importantes 2 12.3. Atividades Operacionais 5 12.4. Atividades de Investimento 7

Leia mais

Correção da Prova. Questões: 1, 2, 3, 4, 5 Contabilidade Geral

Correção da Prova. Questões: 1, 2, 3, 4, 5 Contabilidade Geral Correção da Prova Questões: 1, 2, 3, 4, 5 Contabilidade Geral Questão 1 - Acerca das demonstrações contábeis, julgue os itens abaixo e, em seguida, assinale a opção CORRETA. I. O recebimento de caixa resultante

Leia mais

REGIMES CONTÁBEIS RECEITAS E DESPESAS

REGIMES CONTÁBEIS RECEITAS E DESPESAS CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA I ELEMENTOS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGIMES CONTÁBEIS RECEITAS E DESPESAS Prof. Emanoel Truta ELEMENTOS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Os Elementos das Demonstrações Contábeis

Leia mais

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR Classifique as contas que geralmente caem em concursos e, muitas vezes, geram dúvidas. Banco c/ Movimento Banco conta Empréstimo Empréstimos a Diretores ou Acionistas Numerários em Trânsito Adiantamento

Leia mais

ASPECTOS AVANÇADOS NA ANÁLISE

ASPECTOS AVANÇADOS NA ANÁLISE ASPECTOS AVANÇADOS NA ANÁLISE! O que é Necessidade de Capital de Giro (NCG)! Como se determina a NCG! Reclassificação das contas do Ativo e Passivo Circulante! Causas das variações da NCG Autores: Francisco

Leia mais

VARIAÇÕES DE PREÇOS NOS ESTOQUES E SEUS IMPACTOS NO FLUXO DE CAIXA DE EMPRESAS COMERCIAIS

VARIAÇÕES DE PREÇOS NOS ESTOQUES E SEUS IMPACTOS NO FLUXO DE CAIXA DE EMPRESAS COMERCIAIS VARIAÇÕES DE PREÇOS NOS ESTOQUES E SEUS IMPACTOS NO FLUXO DE CAIXA DE EMPRESAS COMERCIAIS Barbieri, Geraldo* Kume, Ricardo* Seidel, André* *Faculdade de Economia e Administração. Universidade de São Paulo

Leia mais

CAPÍTULO 5 DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS - DLPA LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS

CAPÍTULO 5 DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS - DLPA LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO CAPÍTULOS 5,6,7 e 8 CAPÍTULO 5 DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS - DLPA LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS DESTINAÇÕES 1. Ajustes (-) Exerc. Anteriores 2. Transf. P/

Leia mais

Palestra. Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) e Demonstração do Valor Adicionado (DVA) - Novas Normas Contábeis. Março 2012.

Palestra. Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) e Demonstração do Valor Adicionado (DVA) - Novas Normas Contábeis. Março 2012. Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

4. O balancete de verificação de uma certa empresa apresentava os seguintes saldos em 31.12.x1: $ 4.500 $ 2.750 $ 800 $ 4.250

4. O balancete de verificação de uma certa empresa apresentava os seguintes saldos em 31.12.x1: $ 4.500 $ 2.750 $ 800 $ 4.250 MÚLTIPLA ESCOLHA 1 Não integra o Ativo: a contas representativas de origem dos recursos b contas com saldo devedor c contas representativas de bens d contas representativas de direitos e capital fixo e

Leia mais

O mecanismo de débito x crédito.

O mecanismo de débito x crédito. O mecanismo de débito x crédito. Represente os fatos abaixo, utilizando os balanços sucessivos. 1- Os sócios integralizaram capital social, no valor de R$ 1.000.000, em dinheiro. 2- Compra de veículos,

Leia mais

Fundamentos Decifrados de Contabilidade

Fundamentos Decifrados de Contabilidade 1 Teoria Personalística... 1 1.1 Introdução... 1 1.2 Contas dos agentes consignatários... 3 1.3 Contas dos agentes correspondentes a débito... 4 1.4 Contas dos agentes correspondentes a crédito... 6 1.5

Leia mais

ÁREA DE CONHECIMENTOS CONTÁBEIS

ÁREA DE CONHECIMENTOS CONTÁBEIS ÁREA DE CONHECIMENTOS CONTÁBEIS 1. O Patrimônio Líquido divide-se em: a) Investimentos, Reservas de Capital, Reservas de Lucros e Lucros ou Prejuízos Acumulados. b) Capital Social, Reservas de Capital,

Leia mais

Contabilidade Decifrada. Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo

Contabilidade Decifrada. Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo Contabilidade Decifrada Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo Demonstrações Contábeis - balanço patrimonial; - demonstração do resultado do exercício; e, - demonstração de lucros ou prejuízos acumulados.

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I

GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I BALANÇO PATRIMONIAL 2 CONCEITO É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, o Patrimônio e o Patrimônio Líquido

Leia mais

Cada prova possuirá 20 (vinte) questões objetivas e 1 (uma) questão discursiva. A prova terá duração de 2 (duas) horas, com início às 9h.

Cada prova possuirá 20 (vinte) questões objetivas e 1 (uma) questão discursiva. A prova terá duração de 2 (duas) horas, com início às 9h. O Exame de Suficiência em Contabilidade aplicado aos alunos ingressantes nos cursos de pós graduação lato sensu da FECAP, abaixo listados, é requisito para a obtenção do certificado de conclusão de curso

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

FASF Faculdade Sagrada Família MÉTODO DAS PARTIDAS DOBRADAS

FASF Faculdade Sagrada Família MÉTODO DAS PARTIDAS DOBRADAS FASF Faculdade Sagrada Família MÉTODO DAS PARTIDAS DOBRADAS Introdução Sua premissa é de que a condição financeira e os resultados das operações de uma empresa ou organização são mais bem representadas

Leia mais

Unidade II ESTRUTURA DAS. Prof. Me. Alexandre Saramelli

Unidade II ESTRUTURA DAS. Prof. Me. Alexandre Saramelli Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Me. Alexandre Saramelli Estrutura das demonstrações contábeis Relatório Anual Porto Seguro Introdução Processo de Convergência Contábil Internacional

Leia mais

Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC. Renato Tognere Ferron

Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC. Renato Tognere Ferron Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC Renato Tognere Ferron Relatórios Contábeis Relatórios Contábeis Obrigatórios Exigidos pela Lei das Sociedades por ações Sociedade Anônima Deverão ser publicados Ltdas.

Leia mais

10. Balanço Patrimonial. 10.1 Plano de Contas

10. Balanço Patrimonial. 10.1 Plano de Contas 10. Balanço Patrimonial 10.1 Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio plano de contas de acordo com suas

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO. Contabilidade. Origem da Contabilidade. Sônia Maria de Araújo

CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO. Contabilidade. Origem da Contabilidade. Sônia Maria de Araújo CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO 01 Contabilidade Origem da Contabilidade Sônia Maria de Araújo Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação a Distância SEDIS equipe sedis

Leia mais

ATIVIDADE ESTRUTURADA

ATIVIDADE ESTRUTURADA ATIVIDADE ESTRUTURADA Disciplina: Análise das Demonstrações Financeiras Curso: Administração Prof.: Marcelo Valverde Período: 5º Pontos: de 0 a 2,0p AV1 Pede-se: 1) A análise financeira se utiliza de dois

Leia mais

Análise Econômico-Financeira

Análise Econômico-Financeira Universidade Federal do Pará Curso de Ciências Contábeis Departamento de Contabilidade Análise Econômico-Financeira Gilvan Pereira Brito 0301007601 Belém-Pará 2007 1 Universidade Federal do Pará Curso

Leia mais

Contabilidade Financeira

Contabilidade Financeira Contabilidade Financeira 1 Carlos Antônio Maciel Meneses 01 Uma sociedade empresária adquiriu mercadorias para revenda por R$ 5.000,00, estando incluso neste valor ICMS de R$ 1.000,00. No mesmo período,

Leia mais

1. Noções Introdutórias. Contabilidade é a ciência que estuda e controla o patrimônio em suas variações quantitativas e qualitativas.

1. Noções Introdutórias. Contabilidade é a ciência que estuda e controla o patrimônio em suas variações quantitativas e qualitativas. 1.1 Definições de Contabilidade 1. Noções Introdutórias Contabilidade é a ciência que estuda e controla o patrimônio em suas variações quantitativas e qualitativas. 1.2 Objeto da Contabilidade O Patrimônio

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA

GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA Pág. 1 Índice 1. BALANCETE... 3 2. BALANÇO... 5 3. DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS... 10 4. RESUMO... 12 Pág. 2 1. BALANCETE O balancete é um documento contabilístico

Leia mais

6 O SignificadO do LucrO

6 O SignificadO do LucrO 6 O Significado do Lucro Para que haja uma compreensão total e absoluta do processo de apuração de resultados econômicos Lucro ou Prejuízo é mister que entendamos porque a apuração de resultados é tão

Leia mais

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto Olá, pessoal! Aqui estou eu de novo, para continuar o assunto da aula passada: Fluxo de Caixa e Demonstração do Fluxo de Caixa. Assunto da maior importância, que está sendo cobrado nos atuais concursos

Leia mais

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1 Exercícios de Fixação (Questões de concurso) 1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1.1.1 Concurso para AFRF 2000 prova de contabilidade avançada - Questão 15 ENUNCIADO 15- Aplicações em Investimentos

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo. Conceito, Débito, Crédito e Saldo. Maria Selma da Costa Cabral

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo. Conceito, Débito, Crédito e Saldo. Maria Selma da Costa Cabral CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 05 CONTABILIDADE Sônia Maria de Araújo Conceito, Débito, Crédito e Saldo Maria Selma da Costa Cabral Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria

Leia mais

Prof. Walter Dominas

Prof. Walter Dominas Unidade II CONTABILIDADE AVANÇADA Prof. Walter Dominas Consolidação das demonstrações contábeis A Consolidação das Demonstrações Contábeis é uma técnica que permite conhecer a posição financeira de um

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO Olá, pessoal! Hoje trago uma aula sobre a Demonstração do Valor Adicionado DVA, que foi recentemente tornada obrigatória para as companhias abertas pela Lei 11.638/07, que incluiu o inciso V ao art. 176

Leia mais

Fones: 33829772/3383 1562 1 Av. Fernando Correa da Costa 1010, sala 22

Fones: 33829772/3383 1562 1 Av. Fernando Correa da Costa 1010, sala 22 I - APURAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (SIMPLIFICADA) 1 - CONCEITO A Apuração do Resultado do Exercício também chamado de Rédito - consiste em verificar o resultado econômico atingido pela empresa em determinado

Leia mais

Como representar em termos monetários a riqueza de uma organização em determinado momento?

Como representar em termos monetários a riqueza de uma organização em determinado momento? USP-FEA Disciplina: EAC0111 - Noções de Contabilidade para Administradores TEMA 2. (BP) Profa. Dra. Joanília Cia (joanilia@usp.br) Quais são os objetivos do tópico... - Reconhecer os componentes e os grupos

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 15

PROVA ESPECÍFICA Cargo 15 14 PROVA ESPECÍFICA Cargo 15 QUESTÃO 31 O Ativo representa um conjunto de: a) bens intangíveis. b) dinheiro na empresa. c) bens para investimento. d) bens e direitos da empresa. QUESTÃO 32 Um pagamento

Leia mais

CONTABILIDADE TÓPICOS AVANÇADOS

CONTABILIDADE TÓPICOS AVANÇADOS CONTABILIDADE TÓPICOS AVANÇADOS Olá, pessoal. Com a autorização para a realização do concurso da Receita Federal, vários candidatos que já fizeram algum tipo de curso de contabilidade (inclusive conosco),

Leia mais