Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro"

Transcrição

1 Faculdade Atenas Maranhense - FAMA Professor: Esp. CLEIDIANA SACCHETTO Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS DLPA DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO DMPL Atividades Práticas 1. Responda: a) Pesquise a diferença entre Reservas e Provisões? b) Pesquise e cite cada uma das reservas e suas subdivisões? c) Pesquise e dê a diferença entre Reserva e Provisão para Contingências? d) Qual a diferença entre DLPA e DMPL? 2. Relacione a coluna da direita com a da esquerda. 1. Capital social subscrito ( ) Constituída com base em 5% do lucro líquido no exercício 2. Capital social realizado ( ) Conta onde são debitados os dividendos distribuídos 3. Reserva de ágio ( ) Crédito referente a contabilização de um ativo recebido gratuitamente pela empresa 4. Reserva de alienação de ( ) Parte do capital social assumida pelos acionistas para de partes beneficiárias integralização no futuro 5. Reserva de prêmios de ( ) Reserva estabelecida no estatuto da companhia debêntures 6. Reserva de doações ( ) Títulos negociáveis emitidos pela companhia 7. Reserva de reavaliação ( ) Aquisição de ações da própria companhia 8. Reserva legal ( ) Parte do capital social já integralizada pelos acionistas 9. Reserva estatutária ( ) Ágio na colocação de títulos 10. Reserva para contingência ( ) Reserva que retém lucros 11. Reserva de retenção ( ) Reserva para cobrir perda julgada provável e cujo valor lucros possa ser estimado 12. Reserva de lucros a realizar ( ) Reserva que absorve as contrapartidas de ativos avaliados ao valor de mercado 13. Lucros acumulados ( ) Acumulação de lucros para construção de uma nova fábrica 14. Ações em tesouraria ( ) Valor excedente ao valor nominal de ações emitidas 3. Faça a correlação: A: Demonstração do Resultado do Exercício B: Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados ( ) deduz a Custo da mercadoria vendida ( ) reversão de reservas; ( ) destina o lucros do exercício; ( ) dividendos recebidos; ( ) dividendos distribuídos; ( ) apura o lucro do exercício. 4. Marque Certo ou Errado Reservas de Reavaliação são a contrapartida de aumentos de valores atribuídos a elementos do Ativo em

2 virtude de novas aplicações, com base em laudo de avaliação. ( ) Certo ( ) Errado

3 5. Nos exemplos descritos abaixo verifique o que deve ser considerado mudança critério contábil mudança de situação nota explicativa ou retificação de erros exercícios anteriores, explique: a) Uma empresa tem por prática constituir uma provisão para devedores duvidosos que seja suficiente para cobrir perdas esperadas na cobrança das contas a receber. Digamos que em 20X7 constituiu tal provisão na base de 3% do saldo das contas a receber. Em 20X8, todavia, por uma crise no mercado comprador, a empresa espera por perdas bem maiores, e constituiu uma provisão de 15% sobre as contas a receber. b) Um erro grosseiro de soma ou de cálculo na apuração dos estoques de determinado exercício somente foi constatado no ano seguinte, após o encerramento e publicação do balanço anterior. c) O fato de uma empresa estar depreciando um bem pela taxa de 20% ao ano (considerando sua vida útil de 5 anos)e, após passados, digamos, 2 anos, alterar sua depreciação para 10%a.a. d) Suponhamos que uma empresa viesse contabilizando até o ano 2007 a despesa com férias do pessoal no regime de caixa, ou seja lançando a despesa pelo pagamento, na proporção das férias gozadas; passou entretanto, em 2008, ao regime de competência, pela constituição de uma Provisão para férias, englobando as férias vencidas e as proporcionais, e os encargos sociais correspondentes. e) Ao contabilizar a provisão para Imposto de Renda no final do ano, comete-se um erro grosseiro no programa do computador. Quando da elaboração da declaração correspondente, no ano seguinte, identifica-se o erro, constatando-se o registro da Provisão por $ a mais que o devido. 6. Com os saldos fornecidos pela empresa Alfa elabore a Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados. Saldo inicial de Lucros Acumulados ( 20X7) $ 880 Transferência para a conta Capital $ 800 Reforço de Reserva Legal $40 Reversão (parcial) da Reserva para Contingências $ 20 Dividendos obrigatórios $ 180 Resultado líquido do Período (20X8) $500 Saldo final conta lucros ou Prejuízos Acumulados (20X8) $270 Depreciação contabilizada a menor em anos anteriores $ 110 Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados Saldo inicial = Saldo inicial ajustado = Saldo final 42

4 7. Com os saldos fornecidos pela empresa Beta elabore a Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados. Saldo final de Lucros Acumulados 20X8) $1.600 Transferência para a conta Capital $ 800 Reforço de Reserva Legal $140 Reversão (parcial) da Reserva para Contingências $ 60 Dividendos obrigatórios $ 180 Resultado líquido do Período (20X8) $2.000 Saldo final conta lucros ou Prejuízos Acumulados (20X7) $550 Diferença mudança de critério contábil - Avaliação de $ 110 Estoques (a maior) Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados Saldo inicial = Saldo inicial ajustado = Saldo final 8. A Empresa Agrícola do Brasil Ltda apresentava o seguinte Patrimônio Líquido em 31/12/2007: Capital Social : $ ,00 Reserva de Capital $ 2.050,00 Prejuízos Acumulados ( $ 910,00) Total do Patrimônio Líquido $ ,00 No ano de 2008 foram registrados as seguintes contas de resultado: Receita líquida $ ,00 Despesas diversas $ ,00 Lucro líquido $ ,00 Os sócios definiram em reunião que, se o resultado fosse positivo, os prejuízos seriam absorvidos e o restante do lucro feito as seguintes transferências para reservas: reserva de Contingência $ 1.500; reserva de capital $ 1.200; reserva legal $ 900; e dividendos à distribuir ($0,15 por ação) total $ A Empresa Agrícola do Brasil Ltda apresentou ajustes de exercícios anteriores (ano 2007) sendo: Efeitos de mudança critérios contábeis $ 300 (no estoque) ; retificação de erro exercício anterior $ 500 (Depreciação Acumulada). Ambos a maior. Pede-se:

5 a) Apresente nos razonetes a contas do Patrimônio Líquido no anos de b ) Elabore a Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados para Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados Saldo inicial = Saldo inicial ajustado = Saldo final 9. Com base nos dados abaixo, elabore: a) Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados; b) Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido Patrimônio Líquido Cia Exemplo em 20X7. Capital Social : $13.800; Reserva Legal : $300; Reserva Estatutária: $1.000; Reserva Contingência $500; Reserva Orçamentária : $400; Reserva Lucros à Realizar : $600; Lucros Acumulados : $800; Total do PL : $ A Cia Exemplo teve um lucro líquido no período de $ 2.500; - Aumento de Capital no início do exercício com transferência $ 1.200, de reserva legal ($200) e reserva estatutária $ $ 1.000; 44

6 - Proposta para distribuição do lucro. Reserva Legal 5%; reserva estatutária 10%, reserva p/ contingências $ 200; reserva orçamentária 6% e reserva de lucros a realizar $ e dividendos de $ Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados Saldo inicial = Saldo inicial ajustado = Saldo final Saldos em 31/12/2007 Saldos em 31/12/2007 Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido para o ano : Capital Reserva Reservas Reservas Reserva Reserva Lucros Estatutári Social Legal a Contingências Orçamentári a Lucros a Acumulados realizar TOTA L Saldos em 31/12/ A cia Itapipoca, apurou em sua Demonstração do Resultado do Exercício em 31/12/2008, um lucro líquido de $ 5.500, onde foram feitas as seguintes transferências para reservas: - Reserva Legal : $ 100; - Reserva Estatutária: $ 300; - Reserva para Contingências: $ 255; - Reserva Orçamentaria : $ 180; - Reserva de Lucros a Realizar : $ 85 Assim o Patrimônio líquido desta empresa ficou constituído nos dois últimos exercícios: Patrimônio Líquido 31/12/ /12/2008 Capital Social Reserva de Capital Reserva Legal 50 Reserva Estatutária Reserva Contingência 100 Reserva Orçamentária 20 Reserva Lucros a Realizar 10

7 Lucros Acumulados 950 Total do PL

8 a) Complete o Patrimônio Líquido ano de b) Elabore a Demonstração de Lucrou ou Prejuízos Acumulados em 31/12/2008. c) Elabore a Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido. Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados Saldo inicial = Saldo inicial ajustado = Saldo final Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido para o ano : Capital Reservas Reserva Reservas Reservas Reserva Reserva Lucros TOTAL Social Capital Legal Estatutária Contingências Orçamentária Lucros Acumulados a realizar Saldos em 31/12/2007 Saldos em 31/12/2007 Saldos em 31/12/ Preencher as linhas pontilhadas das Demonstrações Financeiras da Cia. Goiaba. BALANÇO PATRIMONIAL Cia Goiaba Em $ mil ATIVO PASSIVO e PATRIMÔNIO LÍQUIDO X X X X8 Circulante Circulante Caixa IR a Pagar Não Circulante Patrimônio Líquido Investimentos Capital Imobilizado Res. de Reavaliação Lucros Acum Total Total

9 46

10 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO Cia Goiaba Em $ mil Discriminação 20X8 Receita Bruta ( - ) Custo dos Serviços Prestados Lucro Bruto... ( - ) Despesas Operacionais Vendas 400 Administrativas Lucro Operacional... ( - ) Imposto de Renda... Lucro Líquido... Observação: A Receita, a Despesa e os Custos foram a vista. O Imposto de Renda foi de 15% sobre o Lucro de $ Não houve aquisição de Imobilizado nem aumento de Capital em 20X8. Houve uma Reavaliação no Imobilizado de $ DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS E PREJUÍZOS ACUMULADOS Saldo no início do exercício Lucro Líquido do Exercício 850 Saldo no final do exercício A Cia Bandeirantes possui os seguintes saldo em Dezembro/X7: Banco da Praça S/a (conta corrente) Financiamentos (vencimento 02/X9) Estoques Clientes (vencimento 05/X9) Banco da Esquina Aplicação Financeira ( 30 dias) Veículos Lucro líquido do exercício Computadores Salários à Pagar Móveis e Utensílios Depreciação Acumulada Veículos Ações (outras empresas) Depreciação Acumulada computadores Clientes (curto prazo) Lucro Acumulado exercício anterior Depreciação Acumulada. Móveis e Utensílios Capital Social A distribuição do Lucro do exercício será da seguinte forma: Reserva Legal - 10% Reserva Estatutária - 5% Reserva p/contingência 6% Reserva Orçamentária - 6% Reserva de Lucros a Realizar $ ; Distribuição de dividendos 50% (número de ações ). Pede-se: a) Elaborar o Balanço Patrimonial com todos os grupos de contas. b) Elaborar a Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados em 31/12/X7. c) Elaborar a Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido em 31/12/X7.

11 47

12 BALANÇO PATRIMONIAL DA CIA EM / / ATIVO R$ PASSIVO R$ PATRIMÔNIO LÍQUIDO TOTAL ATIVO TOTAL PASSIVO + PL Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados Saldo inicial = Saldo inicial ajustado = Saldo final Saldos em 31/12/X6 Saldos em 31/12/X6 Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido para o ano : Capital Reserva Reservas Reservas Reserva Reserva Lucros TOTAL Social Legal Estatutária Contingências Orçamentária Lucros a Acumulados realizar Saldos em 31/12/X7 48

13 ATIVIDADES PRÁTICAS 01) As informações a seguir foram retiradas do livro-razão da companhia antes da Elaboração do Balanço Patrimonial. Ações em tesouraria 950,00 Ajustes patrimoniais (saldo credor) 500,00 Capital Social 5.000,00 Provisão para contingências 350,00 Reserva Legal 650,00 Retenção de Lucros 50,00 Considerando exclusivamente as informações acima, após a elaboração do balanço. Patrimonial, o total do patrimônio líquido, em reais, é. (A) 5.200,00 (B) 5.250,00 (C) 5.650,00 (D) 5.700,00 (E) 7.150,00 02) O valor da diferença entre o total das vendas efetuadas num determinado período e o Valor do custo das mercadorias vendidas nesse mesmo período recebe o nome de (A) Lucro Líquido do Exercício (B) Receita Operacional Bruta (C) Receita Operacional Líquida (D) Resultado Operacional Bruto (E) Resultado Operacional Líquido 03) O Patrimônio Líquido, também chamado de capital próprio ou situação líquida, divide se, de acordo com a legislação contábil vigente, nas seguintes contas: (A) Capital social, Reservas de Capital, Ajustes de Avaliação Patrimonial, Reservas de. Lucros, Ações em Tesouraria e Lucros Acumulados. (B) Capital social, Reservas de Capital, Ajustes de Avaliação Patrimonial, Reservas de. Lucros, Ações em Tesouraria e Lucros/Prejuízos Acumulados. (C) Capital social, Reservas de Capital, Ajustes de Avaliação Patrimonial, Ações em. Tesouraria e Prejuízos Acumulados. (D) Capital social, Reservas de Capital, Ajustes de Avaliação Patrimonial, Reservas de Lucros, Ações em Tesouraria e Prejuízos Acumulados. (E) Ajustes de Avaliação Patrimonial, Reservas de Lucros, Ações em Tesouraria e Prejuízos Acumulados. 04) De acordo com a legislação contábil vigente no país, as principais Demonstrações Contábeis são: (A) Balancete de Verificação, Demonstração do Resultado do Exercício, Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados, Demonstração do Fluxo de Caixa e Demonstração do Valor Adicionado. (B) Balancete de Verificação, Balanço Patrimonial, Demonstração do Resultado do Exercício, Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados, Demonstração do Fluxo de Caixa e Livro Diário. (C) Balanço Patrimonial, Demonstração do Resultado do Exercício, Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados, Demonstração do Fluxo de Caixa e Demonstração do Valor Adicionado. (D) Balanço Patrimonial, Demonstração do Resultado do Exercício, Livro Razão, Livro Diário, Demonstração do Fluxo de Caixa e Demonstração do Valor Adicionado. (E) Balanço Patrimonial, Demonstração do Resultado do Exercício, Livro Razão, Livro Caixa e Livro Diário 05)As demonstrações contábeis (financeiras) são o produto final da contabilidade. Elas permitem a evidenciação de informações úteis para os usuários, tanto internos quanto externos à empresa que as elaborou, e que têm interesse nessas informações.

14 Entre as demonstrações contábeis, aquela que se destina a evidenciar qualitativa e quantitativamente a posição patrimonial e financeira é o(a) (A) Balanço Patrimonial (B) Demonstração do Valor Agregado (C) Demonstração do Resultado do Exercício (D) Demonstração do Lucro ou Prejuízo Acumulado (E) Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido 06) No final de cada exercício social, as sociedades por ações devem elaborar e divulgar algumas demonstrações contábeis de acordo com a legislação societária e com os princípios fundamentais de contabilidade. Dentre as demonstrações obrigatórias, tem-se o Balanço Patrimonial, cuja finalidade é (A) evidenciar os negócios sociais e os principais fatos administrativos ocorridos no exercício. (B) apresentar a posição financeira e patrimonial da Companhia em determinada data. (C) apresentar o resultado final da Companhia, evidenciando, entre outros resultados, receitas, despesas e lucro líquido. (D) demonstrar como ocorreram as movimentações de disponibilidades em determinado período de tempo. (E) informar o valor da riqueza criada pela Companhia em determinado período e a forma de sua distribuição. 07) A Comercial Farol Ltda. apresentou, em julho de 2010, os seguintes dados: Vendas brutas R$ ,00 Devolução de compras R$ ,00 Estoque inicial de mercadorias R$ ,00 Compras do mês R$ ,00 Abatimento sobre vendas R$ ,00 Abatimento sobre compras R$ 9.000,00 Devolução de vendas R$ ,00 Estoque final de mercadorias R$ ,00 Desconsiderando-se os efeitos de qualquer tipo de tributação, o lucro bruto apurado em 31/07/2010 na Comercial Farol Ltda., em reais, é de (A) ,00 (B) ,00 (C) ,00 (D) ,00 (E) ,00 08) A Empresa Comercial Caramuru S/A fechou uma operação de seguros com a Seguradora Pacífica S/A, em junho de 2010, por um período de três anos, a contar de julho de 2010, pagando antecipadamente R$ ,00. A classificação dessa operação no Balanço Patrimonial, a ser extraído em 31/12/2010, deverá ser, em reais, a seguinte: Prêmios de Seguros a Apropriar no Ativo Circulante - Valor Prêmios de Seguros a Apropriar no Realizável a Longo Prazo - Valor (A) , ,00 (B) , ,00 (C) , ,00 (D) 9.000, ,00 (E) ,00 09) As informações sobre o desempenho da empresa são fornecidas, basicamente, pela demonstração (A) do Valor Adicionado. (B) do Lucro ou Prejuízo Acumulado. (C) do Resultado do Exercício. (D) dos Fluxos de Caixa. (E) das Mutações do Patrimônio Líquido.

15 10) No que se refere ao balanço de uma empresa, analise os itens a seguir. I Posição econômica II Posição financeira III Posição patrimonial IV Mutações da posição financeira O balanço de uma empresa tem por finalidade apresentar, em um determinado momento, APENAS os itens (A) I e II. (B) II e III. (C) III e IV. (D) I, II e III. (E) II, III e IV. 11) A Empresa Irmãos Cabral S/A apresentou o seguinte balancete de verificação em : Contas Amortização Acumulada 500,00 Banco Conta Movimento ,00 Caixa ,00 Capital ,00 Custo das Mercadorias Vendidas (CMV) ,00 Depreciações Acumuladas 5.000,00 Despesa de Aluguel 300,00 Despesa de Energia Elétrica 300,00 Despesa de Juros 2.700,00 Despesa de Prêmio de Seguros 500,00 Despesa de Salários ,00 Despesa de Telefone, Fax e Telex 400,00 Despesa Pré-operacional 7.000,00 Duplicatas a Pagar 6.000,00 Duplicatas a Receber ,00 Edificações ,00 Empréstimos a Pagar Curto Prazo ,00 Empréstimos a Pagar Longo Prazo ,00 Estoque de Mercadorias ,00 Fornecedores ,00 Impostos a Pagar 5.000,00 Máquinas e Equipamentos ,00 Móveis e Utensílios ,00 Provisão para Créditos de Difícil Liquidação 1.000,00 Prêmio de Seguros Antecipado 3.500,00 Receita de Juros 200,00 Receita de Vendas ,00 Reserva de Capital ,00 Reserva Legal 9.000,00 Salários e Encargos a Pagar ,00 Terrenos ,00 Com base nos dados, pode-se afirmar que as obrigações para com terceiros da Empresa Irmãos Cabral alcançou, em , o montante, em reais, de (A) ,00 (B) ,00 (C) ,00 (D) ,00 (E) ,00 12) Na elaboração da Demonstração dos Fluxos de Caixa, são classificados como itens das atividades de financiamentos:

16 (A) pagamentos de parte de financiamentos de imobilizados e aquisições de títulos patrimoniais de outras empresas. (B) a venda de ações emitidas e o pagamento de dividendos e juros sobre o capital próprio. (C) aquisições de bens não de uso e o valor obtido com a venda de ativos fixos utilizados na produção. (D) os ingressos relativos a dividendos decorrentes da participação no patrimônio de outras empresas. (E) as despesas relativa 13) Das assertivas a seguir, indique aquela que é formada por fatores que provocam movimentações do caixa geradas pelas atividades de investimentos. (A) Contratação de financiamentos de longo prazo e aumento de capital com utilização de reservas. (B) Acréscimos de capital por subscrição firme de ações ordinárias e reversão de reserva contingencial. (C) Reversão de provisão para devedores duvidosos e alienação de imobilizado operacional. (D) Alienação de imobilizado e aquisições de controle acionário de outras companhias. (E) Aumento de capital com utilização de saldo de reservas de lucro e aquisição de investimentos permanentes. 14) Na Demonstração do Fluxo de Caixa, constitui uma entrada de caixa classificada nas atividades de financiamento: (A) venda de ações emitidas. (B) venda de mercadorias a prazo. (C) alienação de participações societárias permanentes (D) venda de imobilizado a longo prazo. (E) dividendos recebidos. 15) Aponte abaixo a opção que contém uma assertiva incorreta. (A) Ativo é um recurso controlado pela entidade como resultado de eventos passados e do qual se espera que resultem futuros benefícios econômicos para a entidade. (B) Passivo é uma obrigação presente da entidade, derivada de eventos já ocorridos, cuja liquidação se espera que resulte em saída de recursos capazes de gerar benefícios econômicos para a entidade. (C)) Patrimônio Líquido é o valor residual dos ativos da entidade depois de deduzidos todos os resultados. (D) Muitos ativos têm uma substância física. Entretanto, substância física não é essencial à existência de um ativo. (E) Muitos ativos estão ligados a direitos legais, inclusive a direito de propriedade. Ao determinar a existência de um ativo, entretanto, o direito de propriedade não é essencial. 16) Nos termos do Pronunciamento Conceitual Básico do CPC que dispõe sobre a Estrutura Conceitual para a Elaboração e Apresentação das Demonstrações Contábeis, essas demonstrações retratam os efeitos patrimoniais e financeiros das transações e outros eventos, agrupando-os em classes de acordo com as suas características econômicas, sendo essas classes chamadas de elementos das demonstrações contábeis. Os elementos diretamente relacionados à mensuração da posição patrimonial e financeira são APENAS os seguintes: (A) ativo e passivo (B) ativo, receitas e despesas (C) ativo, passivo, receitas e despesas (D) ativo, passivo e patrimônio líquido (E) passivo e patrimônio líquido 17)A Cia. Maranhão prestou serviços para um cliente localizado no exterior durante o mês de outubro de Essa é a primeira operação efetuada com um cliente internacional. A empresa irá receber 90% do valor no mês de novembro e 10% no mês de dezembro. Quando a Cia. Maranhão deve reconhecer contabilmente a receita com a prestação de serviços? (A) Em virtude de ser um cliente no exterior, deve reconhecer no momento do recebimento definitivo, ou seja, em dezembro de (B) Em virtude de ser um cliente no exterior, deve reconhecer no momento do recebimento de cada parcela, ou seja, 90% do valor em novembro e 10% em dezembro de (C) Mesmo sendo um cliente no exterior, deve reconhecer quando o serviço foi prestado, ou seja, em outubro de 2009.

17 (D) Mesmo sendo um cliente internacional, deve reconhecer de acordo com o recebimento, ou seja, 90% do valor em novembro e 10% em dezembro de (E) Em virtude de ser um cliente no exterior e a primeira negociação, deve constituir uma Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa em outubro e baixá-la conforme o recebimento 18) As demonstrações financeiras obrigatórias são as seguintes: a) Balanço Patrimonial, Demonstração do Resultado do Exercício, Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados, Demonstração do Fluxo de Caixa e Demonstração do Valor Adicionado, em alguns casos. b) Balanço Patrimonial, Demonstração do Resultado do Exercício, Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados, Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos. c) Balanço Patrimonial, Demonstração do Resultado do Exercício, Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados, Demonstração das Mutações do Patrimônio Liquido e Demonstração do Valor Adicionado, em alguns casos. d) Balanço Patrimonial, Demonstração do Resultado do Exercício, Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados, Demonstração do Fluxo de Caixa. e) Balanço Patrimonial, Demonstração do Resultado do Exercício, Demonstração do Fluxo de Caixa e Demonstração do Valor Adicionado, em alguns casos. 19) Por ocasião da publicação das demonstrações financeiras, a Sociedade Anônima poderá: (A) agrupar, sob uma designação genérica, contas semelhantes, com pequenos saldos individuais cujo valor total não exceda 10% do respectivo grupo. (B) eliminar os três últimos dígitos dos valores e os centavos, incluindo, no cabeçalho de cada demonstração, a expressão em R$ milhares. (C) incluir a eliminação dos três últimos dígitos dos valores e dos centavos, em nota explicativa própria, no conjunto das notas explicativas. (D) publicar somente os valores do ultimo exercício social de todas as demonstrações financeiras, obrigatórias pela Lei das Sociedades Anônimas. (F) publicar todas as demonstrações, sob o titulo genérico de Demonstrações. 20) A Companhia Z apresentava os seguintes saldos das contas patrimoniais em 31/12/X0: Caixa: ; Provisão para Riscos de Contingencias: ; Provisão para Creditos de Liquidação Duvidosa: ; Contas a Receber ; Reserva de Lucros: ; Contas a pagar: ; Estoques: ; Despesas Antecipadas: Considerando que todas as contas serão realizadas dentro de um ano, o valor do Ativo Circulante, em 31/12/X0, e de: (A) (B) (C) (D) (E) )A Companhia Sousa e Sousa disponibilizou alguns dados a seguir, elabore a Demonstração da Mutação do Patrimônio Líquido (DMPL), e, em seguida, assinale a opção CORRETA. Patrimônio Líquido Capital Social R$ ,00 Reservas de Lucro R$65.000,00 Reserva Legal R$10.000,00 Reservas de Lucros para Expansão R$30.000,00 Reservas para Contingências R$25.000,00 Total do Patrimônio Líquido R$ ,00

18 Informações adicionais: - O lucro do Exercício foi de R$70.000,00. - A Reserva Legal é de 5% do Lucro do Exercício. - Houve reversão total das Reservas para Contingências por deixarem de existir as razões que justificaram a sua constituição. - Foram constituídas Reservas de lucros para Expansão de R$50.000,00. O valor destinado para dividendos é de: a) R$91.500,00. b) R$45.000,00. c) R$66.500,00. d) R$41.500,00. ABRAÇOS

10. Balanço Patrimonial. 10.1 Plano de Contas

10. Balanço Patrimonial. 10.1 Plano de Contas 10. Balanço Patrimonial 10.1 Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio plano de contas de acordo com suas

Leia mais

1º CASO Cia. INVESTIDORA S.A.

1º CASO Cia. INVESTIDORA S.A. 1º CASO Cia. INVESTIDORA S.A. O quadro a seguir apresenta o Balancete de Verificação da Cia. Investidora S.A. em 31/12/X1. Contas Saldo ($) Contas Saldo ($) Depósitos Bancários 182.000 Financiamentos L.

Leia mais

Lista de Exercícios ENADE

Lista de Exercícios ENADE Curso: ADMINISTRAÇÃO Data: Goiânia 15/09/2012 Disciplina: Contabilidade Geral Turma: ADM 03 Turno: Noturno Carga Horária: 72 Professor: Esp. Erik Silva. Lista de Exercícios ENADE Exercício n.01 (IRB-2004-ESAF)

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação a conceitos, objetivos e finalidades da contabilidade, julgue os itens que se seguem. 51 Auxiliar um governo no processo de fiscalização tributária é uma das finalidades

Leia mais

A seguir, a correção da prova de Contador da Prefeitura de Niterói. Não vislumbramos possibilidade de recursos.

A seguir, a correção da prova de Contador da Prefeitura de Niterói. Não vislumbramos possibilidade de recursos. Olá, meus amigos! A seguir, a correção da prova de Contador da Prefeitura de Niterói. Não vislumbramos possibilidade de recursos. Forte abraço. Gabriel Rabelo/Luciano Rosa. Sigam nossas redes sociais!

Leia mais

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR Classifique as contas que geralmente caem em concursos e, muitas vezes, geram dúvidas. Banco c/ Movimento Banco conta Empréstimo Empréstimos a Diretores ou Acionistas Numerários em Trânsito Adiantamento

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS AMORTIZAÇÃO: Representa a conta que registra a diminuição do valor dos bens intangíveis registrados no ativo permanente, é a perda de valor de capital aplicado na aquisição

Leia mais

mhtml:file://c:\documents and Settings\6009\Meus documentos\glossário DE T...

mhtml:file://c:\documents and Settings\6009\Meus documentos\glossário DE T... Page 1 of 6 Portal de Obras Legislação Guias e Cursos Downloads GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS Compilado pela Equipe do Portal de Contabilidade AMORTIZAÇÃO: Representa a conta que registra a diminuição

Leia mais

Palestra. Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) e Demonstração do Valor Adicionado (DVA) - Novas Normas Contábeis. Março 2012.

Palestra. Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) e Demonstração do Valor Adicionado (DVA) - Novas Normas Contábeis. Março 2012. Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Obrigações. Fornecedores 45.000. Salários a pagar 75.000. Impostos a recolher 20.000. Patrimônio Líquido. Capital Social 100.000. Reservas 30.

Obrigações. Fornecedores 45.000. Salários a pagar 75.000. Impostos a recolher 20.000. Patrimônio Líquido. Capital Social 100.000. Reservas 30. Você acessou como Administrador Usuário (Sair) Info Resultados Visualização prévia Modificar Visualização prévia de Contabilidade Geral Iniciar novamente 1 Considerando: I- A contabilidade estuda e controla

Leia mais

CNPJ 47.902.648/0001-17. CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 (Em R$ Mil)

CNPJ 47.902.648/0001-17. CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 (Em R$ Mil) CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 CNPJ 47.902.648/0001-17 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE Caixa e Equivalentes de Caixa 1.829 Fornecedores 58.422 Contas a Receber 238.880

Leia mais

Prof. Fernando Oliveira Boechat

Prof. Fernando Oliveira Boechat Prof. Fernando Oliveira Boechat Prof. Fernando Oliveira Boechat Sumário: 1. Introdução 2. Prof. Fernando Oliveira Boechat 2 Introdução: ENTENDENDO AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS Prof. Fernando

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Texto para as questões de 31 a 35 conta saldo despesa de salários 10 COFINS a recolher 20 despesas de manutenção e conservação 20 despesa de depreciação 20 PIS a recolher 30 despesas

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL. Adquira esta e outras aulas em www.acheiconcursos.com.br CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO DA RECEITA FEDERAL

CONTABILIDADE GERAL. Adquira esta e outras aulas em www.acheiconcursos.com.br CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO DA RECEITA FEDERAL CONTABILIDADE GERAL Adquira esta e outras aulas em www.acheiconcursos.com.br AULA Nº 1: Resolução da prova de Contabilidade Geral do TRF-2000 CONTABILIDADE GERAL CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO DA RECEITA

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL PARA MPU 2010 - Curso de Resolução de Questões 1 - ÍNDICE

CONTABILIDADE GERAL PARA MPU 2010 - Curso de Resolução de Questões 1 - ÍNDICE CONTABILIDADE GERAL PARA MPU 2010 - Curso de Resolução de Questões 1 - ÍNDICE Princípios Fundamentais de Contabilidade...02 Patrimônio: Ativo, Passivo e PL...04 Fatos Contábeis e Respectivas Variações

Leia mais

Tomando como base apenas os dados acima fornecidos, responder as questões 102 a 104:

Tomando como base apenas os dados acima fornecidos, responder as questões 102 a 104: Tomando como base apenas os dados acima fornecidos, responder as questões 102 a 104: Dados da Cia. Comercial Santarém: 1 Balanço Patrimonial de 19x8 e 19x9 19x8 19x9 Disponibilidades 2.000 4.000 Estoques

Leia mais

QUESTÕES POTENCIAIS DE PROVA TROPA DE ELITE CURSO AEP PROF. ALEXANDRE AMÉRICO

QUESTÕES POTENCIAIS DE PROVA TROPA DE ELITE CURSO AEP PROF. ALEXANDRE AMÉRICO QUESTÕES POTENCIAIS DE PROVA TROPA DE ELITE CURSO AEP PROF. ALEXANDRE AMÉRICO Considere que o sistema contábil da empresa comercial Zeta S.A. tenha se extraviado logo no primeiro exercício de constituição

Leia mais

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo 12. Demonstração do Fluxo de Caixa 2 12.1. Introdução 2 12.2. Conceitos Importantes 2 12.3. Atividades Operacionais 5 12.4. Atividades de Investimento 7

Leia mais

Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações:

Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações: Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações: 1) Antecipação do pagamento de uma duplicata de $ 140.000 a um de seus fornecedores, com 2% de desconto. i 2) Efetuou os seguintes

Leia mais

Sistema de contas. Capítulo 2 Sistema de contas

Sistema de contas. Capítulo 2 Sistema de contas Sistema de contas Capítulo 2 Sistema de contas SUMÁRIO: 1. Conceito 2. Teoria das contas 2.1. Teoria personalística (ou personalista) 2.2. Teoria materialística (ou materialista) 2.3. Teoria patrimonialista

Leia mais

Contabilidade Decifrada. Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo

Contabilidade Decifrada. Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo Contabilidade Decifrada Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo Demonstrações Contábeis - balanço patrimonial; - demonstração do resultado do exercício; e, - demonstração de lucros ou prejuízos acumulados.

Leia mais

Princípios Fundamentais Contabilidade

Princípios Fundamentais Contabilidade Princípios Fundamentais Contabilidade 1 Princípios Contábeis. Resolução CFC 750 de 29 de dezembro de 1993. Art. 3 São Princípios de Contabilidade:(2) I o da ENTIDADE; II o da CONTINUIDADE; III o da OPORTUNIDADE;

Leia mais

Comentários da prova SEFAZ-PI Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova SEFAZ-PI Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Olá amigos, Comentários da prova SEFAZ-PI ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE GERAL - SEFAZ-PI Trago para vocês os comentários da prova da SEFAZ-PI realizado no último

Leia mais

1 Demonstrações Obrigatórias - Lei das S/A x Pronunciamentos Técnicos CPC

1 Demonstrações Obrigatórias - Lei das S/A x Pronunciamentos Técnicos CPC Sumário 1 Demonstrações Obrigatórias - Lei das S/A x Pronunciamentos Técnicos CPC... 1 1.1 Base Normativa... 1 1.2 Balanço Patrimonial... 2 1.3 Demonstração do Resultado, e do Resultado Abrangente... 4

Leia mais

REGIMES CONTÁBEIS RECEITAS E DESPESAS

REGIMES CONTÁBEIS RECEITAS E DESPESAS CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA I ELEMENTOS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGIMES CONTÁBEIS RECEITAS E DESPESAS Prof. Emanoel Truta ELEMENTOS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Os Elementos das Demonstrações Contábeis

Leia mais

Professor conteudista: Hildebrando Oliveira

Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Contabilidade Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Sumário CONTABILIDADE Unidade I 1 CONCEITO DE CONTABILIDADE...1 2 OBJETO DA CONTABILIDADE...2 3 O BALANÇO PATRIMONIAL...3 4 A CONTA...4 O RESULTADO...6

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA

GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA Pág. 1 Índice 1. BALANCETE... 3 2. BALANÇO... 5 3. DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS... 10 4. RESUMO... 12 Pág. 2 1. BALANCETE O balancete é um documento contabilístico

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP:

1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP: 1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP: a) Constituição de uma sociedade com capital totalmente integralizado de R$ 30.000 b) Compra à vista de mercadorias para

Leia mais

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 5

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 5 Aula 5 Provisões. Depreciação, Amortização e Exaustão. Conteúdo 6. Provisões; 2 6.1. Provisões em Geral 2 6.2. Provisões do Ativo 3 6.2.1. Provisão para Ajuste ao Valor de Mercado 4 6.2.1.1. Instrumentos

Leia mais

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público www.qconcursos.com ]

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público www.qconcursos.com ] 01 - Q223454A contabilidade foi definida no I Congresso Brasileiro de Contabilidade como: a ciência que estuda e pratica as funções de orientação, controle e registro relativo aos atos e fatos da administração

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

ATIVIDADE ESTRUTURADA

ATIVIDADE ESTRUTURADA ATIVIDADE ESTRUTURADA Disciplina: Análise das Demonstrações Financeiras Curso: Administração Prof.: Marcelo Valverde Período: 5º Pontos: de 0 a 2,0p AV1 Pede-se: 1) A análise financeira se utiliza de dois

Leia mais

Básico Fiscal. Contabilidade Avançada. Módulo 1. 20 Exercícios de Apoio. Prof. Cláudio Cardoso

Básico Fiscal. Contabilidade Avançada. Módulo 1. 20 Exercícios de Apoio. Prof. Cláudio Cardoso Básico Fiscal Contabilidade Avançada Módulo 1 20 Exercícios de Apoio Prof. Cláudio Cardoso 1. (Analista CVM/2003 FCC Adaptada) A Cia. Omega comprou, à vista, ações representativas de 20% do capital votante

Leia mais

Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC. Renato Tognere Ferron

Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC. Renato Tognere Ferron Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC Renato Tognere Ferron Relatórios Contábeis Relatórios Contábeis Obrigatórios Exigidos pela Lei das Sociedades por ações Sociedade Anônima Deverão ser publicados Ltdas.

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I

GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I BALANÇO PATRIMONIAL 2 CONCEITO É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, o Patrimônio e o Patrimônio Líquido

Leia mais

Questão 01 CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA

Questão 01 CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA Questão 01 CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA TÓPICO:Exercícios 02 (ICMS/Ceará Analista/ESAF): A empresa Comercial do Ponto Ltda., ao contabilizar a quitação por via bancária, de uma duplicata no valor de R$

Leia mais

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_...

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... Página 1 de 14 CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Considerações ROTEIRO 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte BALANÇO PATRIMONIAL 1. CRITÉRIO DE DISPOSIÇÃO DAS CONTAS NO ATIVO E NO PASSIVO (ART. 178 DA LEI 6.404/76): a. No ativo, as contas serão dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez dos elementos

Leia mais

ÁREA DE CONHECIMENTOS CONTÁBEIS

ÁREA DE CONHECIMENTOS CONTÁBEIS ÁREA DE CONHECIMENTOS CONTÁBEIS 1. O Patrimônio Líquido divide-se em: a) Investimentos, Reservas de Capital, Reservas de Lucros e Lucros ou Prejuízos Acumulados. b) Capital Social, Reservas de Capital,

Leia mais

IBRACON NPC nº 20 - DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

IBRACON NPC nº 20 - DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA IBRACON NPC nº 20 - DEMONSTRAÇÃO DOS FLUOS DE CAIA Princípios Contábeis Aplicáveis 1. A 'Demonstração dos Fluxos de Caixa' refletirá as transações de caixa oriundas: a) das atividades operacionais; b)

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 00839-7 MANGELS INDUSTRIAL S.A. 61.065.298/0001-02 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 00839-7 MANGELS INDUSTRIAL S.A. 61.065.298/0001-02 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 31/3/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS

Leia mais

Análise Financeira. Universidade do Porto Faculdade de Engenharia Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão

Análise Financeira. Universidade do Porto Faculdade de Engenharia Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão Análise Financeira Universidade do Porto Faculdade de Engenharia Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão Introdução Objectivos gerais avaliar e interpretar a

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte DLPA DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS A DLPA expõe as variações ocorridas, durante o exercício, na conta Lucros ou Prejuízos Acumulados. Ela pode ser incluída na DMPL Demonstração das Mutações

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO Olá, pessoal! Hoje trago uma aula sobre a Demonstração do Valor Adicionado DVA, que foi recentemente tornada obrigatória para as companhias abertas pela Lei 11.638/07, que incluiu o inciso V ao art. 176

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL. FASF - Faculdade Sagrada Família - Curso de Administração - Disciplina Contabilidade Geral - 3º periodo

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL. FASF - Faculdade Sagrada Família - Curso de Administração - Disciplina Contabilidade Geral - 3º periodo ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais

Contabilidade Empresarial

Contabilidade Empresarial Contabilidade Empresarial PROGRAMA DO CURSO Conceitos básicos de contabilidade Balanço patrimonial Demonstrativo de resultado de exercício Demonstrativo de fluxo de caixa Demonstrativo das Origens e Aplicações

Leia mais

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto Olá, pessoal! Aqui estou eu de novo, para continuar o assunto da aula passada: Fluxo de Caixa e Demonstração do Fluxo de Caixa. Assunto da maior importância, que está sendo cobrado nos atuais concursos

Leia mais

FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO CIÊNCIAS CONTÁBEIS SIMULADO MULTIDISCIPLINAR - SiM 6 Período - 2º SEMESTRE 2009.

FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO CIÊNCIAS CONTÁBEIS SIMULADO MULTIDISCIPLINAR - SiM 6 Período - 2º SEMESTRE 2009. FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO CIÊNCIAS CONTÁBEIS SIMULADO MULTIDISCIPLINAR - SiM 6 Período - 2º SEMESTRE 2009 Aluno(a): Turma: Data: 14/12/2009 Avaliação Contabilidade Avançada II 1ª Questão

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cespe Cebraspe FUB2015 Aplicação: 2015 Julgue os itens a seguir, com relação aos fatos descritos e seus efeitos nas demonstrações contábeis, elaboradas conforme a Lei n.º 6.404/1976

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro Unidade II CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Objetivo Conhecer a estrutura do balanço patrimonial: ativo; passivo. Conhecer a estrutura do DRE. Conhecer a estrutura do DFC: direto; indireto. Balanço patrimonial

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

Unidade II ESTRUTURA DAS. Prof. Me. Alexandre Saramelli

Unidade II ESTRUTURA DAS. Prof. Me. Alexandre Saramelli Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Me. Alexandre Saramelli Estrutura das demonstrações contábeis Relatório Anual Porto Seguro Introdução Processo de Convergência Contábil Internacional

Leia mais

EXERCICIOS: MÉTODO DAS PARTIDAS DOBRADAS 2010 EXERCICIO Nº 02 _ CIA. MUZAMBINHO EXERCICIO Nº 01 _ CIA ATLANTIDA

EXERCICIOS: MÉTODO DAS PARTIDAS DOBRADAS 2010 EXERCICIO Nº 02 _ CIA. MUZAMBINHO EXERCICIO Nº 01 _ CIA ATLANTIDA EXERCICIO Nº 01 _ CIA ATLANTIDA Operações da Cia Atlântida no mês de janeiro de 20x1: 1) 03/jan Adquiriu móveis e utensílios a prazo por $ 800; 2) 08/jan - Comprou veiculo a vista por $ 5.000 (em cheque);

Leia mais

Boletim. Contabilidade Internacional. Manual de Procedimentos

Boletim. Contabilidade Internacional. Manual de Procedimentos Boletim Manual de Procedimentos Contabilidade Internacional Custos de transação e prêmios na emissão de títulos e valores mobiliários - Tratamento em face do Pronunciamento Técnico CPC 08 - Exemplos SUMÁRIO

Leia mais

TÉCNICO(A) DE CONTABILIDADE JÚNIOR

TÉCNICO(A) DE CONTABILIDADE JÚNIOR 34 EDITAL N o 1 PETROBRAS / PSP RH - 1/2012 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material: LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. a) este caderno, com o enunciado das 60 (sessenta) questões objetivas,

Leia mais

É expressamente proibido cópia, reprodução parcial, reprografia, fotocópia ou qualquer forma de extração de informações deste sem prévia autorização

É expressamente proibido cópia, reprodução parcial, reprografia, fotocópia ou qualquer forma de extração de informações deste sem prévia autorização É expressamente proibido cópia, reprodução parcial, reprografia, fotocópia ou qualquer forma de extração de informações deste sem prévia autorização dos autores conforme legislação vigente. Janeiro/2008

Leia mais

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA www.editoraferreira.com.br CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Professor Humberto Fernandes de Lucena 6.1. Balanço Patrimonial Desde o início de nosso curso, vimos tratando sobre Balanço Patrimonial apenas

Leia mais

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO Aos Srs. Acionistas Investco S.A. Anexo I - Comentários dos Diretores da Companhia Contas dos Administradores referentes ao exercício social encerrado em 31.12.2012.

Leia mais

BR Towers SPE1 S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes

BR Towers SPE1 S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes Demonstração do resultado Exercício/período findo em 31 de dezembro Receita líquida (Nota 14) 13.913 Custo

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES QUESTÕES 01) Fazem parte do grupo de contas do : A) Duplicatas a Receber Caixa Duplicatas a Pagar. B) Terrenos Banco Conta Movimento Credores Diversos. C) Duplicatas a Pagar Caixa Adiantamentos de Clientes.

Leia mais

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007 80 Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007 Parecer dos Auditores Independentes 81 Aos Acionistas da Inepar Telecomunicações S.A Curitiba - PR 1. Examinamos

Leia mais

Aula 2 - Técnicas contábeis e Demonstrações Financeiras. Prof Adelino Correia

Aula 2 - Técnicas contábeis e Demonstrações Financeiras. Prof Adelino Correia Tema: Técnicas Contábeis e Demonstrações Financeiras MATERIAL DE APOIO - ENVIADO PELO PROFESSOR Índice 1. Síntese Técnicas Contábeis e Demonstrações Financeiras 2. Simulado 3. Gabarito Aula 2 - Técnicas

Leia mais

CONTABILIDADE NA PRÁTICA, RÁPIDA E FÁCIL

CONTABILIDADE NA PRÁTICA, RÁPIDA E FÁCIL 1 CONTABILIDADE NA PRÁTICA, RÁPIDA E FÁCIL 2 SUMÁRIO CONTABILIDADE, INFORMAÇÃO CONTÁBIL...3 PATRIMÔNIO...3 METODOS DAS PARTIDAS DOBRADAS...7 BALANÇO PATRIMONIAL...7 FÓRUMULAS DE LANÇAMENTOS...7 RETIFICAÇÃO

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Em cada um dos próximos itens, é apresentada uma situação hipotética, seguida de uma assertiva a ser julgada acerca de escrituração e análise e conciliações contábeis. 51 Um cliente liquidou antecipadamente

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS página 1 07. Onde é classificado o Subgrupo Estoques no plano de contas? 01. São acontecimentos que ocorrem na empresa e que não provocam alterações no Patrimônio: A) Atos Administrativos

Leia mais

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO 2 -DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS. OBJETIVO E CONTEÚDO Os objetivos da Análise das Demonstrações Contábeis podem ser variados. Cada grupo de usuários pode ter objetivos específicos para analisar as Demonstrações

Leia mais

Resolução. ALTERNATIVA: c. Comentário

Resolução. ALTERNATIVA: c. Comentário Receita Federal do Brasil 2012 Concurso para o cargo de Analista Tributário representa as origens de recursos (Passivo e Patrimônio Líquido), e o lado esquerdo as aplicações (Ativo). comentada da prova

Leia mais

MÉTODO, PRINCÍPIOS E CONVENÇÕES CONTÁBEIS

MÉTODO, PRINCÍPIOS E CONVENÇÕES CONTÁBEIS MÉTODO, PRINCÍPIOS E CONVENÇÕES CONTÁBEIS Problema básico : registrar quantitativamente os eventos (as origens, como os recursos são aplicados na empresa e como ela os transforma). Registro dos eventos

Leia mais

ATIVO Notas 2009 2008

ATIVO Notas 2009 2008 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE ATIVO Notas 2009 2008 CIRCULANTE Caixa e bancos 20.723 188.196 Contas a receber 4 903.098 806.697 Outras contas a receber 5 121.908 115.578 Estoques 11.805 7.673

Leia mais

UNIP - UNIVERSIDADE PAULISTA - SP CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Izilda Lorenzo. Resumo 3

UNIP - UNIVERSIDADE PAULISTA - SP CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Izilda Lorenzo. Resumo 3 UNIP - UNIVERSIDADE PAULISTA - SP CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Izilda Lorenzo Resumo 3 DLPAC Demonstração dos Lucros e Prejuízos Acumulados Estrutura do DLPAC

Leia mais

Aula 2 Contextualização

Aula 2 Contextualização Planejamento Financeiro Aula 2 Contextualização Profa. Claudia Abramczuk Definição da quantidade de capital para investimento Movimentações financeiras constituem o patrimônio da empresa O bom planejamento

Leia mais

Exercício Elaboração da DOAR e da DFC passo a passo

Exercício Elaboração da DOAR e da DFC passo a passo UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UERJ FAF / DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DOAR e DFC Exercício Elaboração da DOAR e da DFC passo a passo Com base nas demonstrações contábeis que seguem,

Leia mais

6/8/2012. Contabilidade Intermediária. Aula 1 Apuração do Resultado do Exercício. Objetivos. Objetivos. Profa. Ma. Simone Maria Menezes Dias

6/8/2012. Contabilidade Intermediária. Aula 1 Apuração do Resultado do Exercício. Objetivos. Objetivos. Profa. Ma. Simone Maria Menezes Dias Contabilidade Intermediária Aula 1 Apuração do Resultado do Exercício Profa. Ma. Simone Maria Menezes Dias Objetivos Entender a sistemática do Balancete de Verificação. Utilizar o Balancete de Verificação

Leia mais

Contabilidade Geral e de Custos Correção da Prova Fiscal de Rendas do Estado do Rio de Janeiro Prof. Moraes Junior. CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS

Contabilidade Geral e de Custos Correção da Prova Fiscal de Rendas do Estado do Rio de Janeiro Prof. Moraes Junior. CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS 81 Assinale a alternativa que apresente a circunstância em que o Sistema de Custeio por Ordem de Produção é indicado. (A) O montante dos custos fixos é superior ao valor

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS 1.1 - CONCEITO A Demonstração das Origens e Aplicações de recursos (DOAR) deixou de ser obrigatória por força da lei

Leia mais

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados (DLPA) na Lei das S.A. 3. Demonstração

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01047-2 SARAIVA S.A. LIVREIROS EDITORES 60.500.139/0001-26 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01047-2 SARAIVA S.A. LIVREIROS EDITORES 60.500.139/0001-26 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 31/3/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Divulgação Externa O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES

Leia mais

Pessoal, ACE-TCU-2007 Auditoria Governamental - CESPE Resolução da Prova de Contabilidade Geral, Análise e Custos

Pessoal, ACE-TCU-2007 Auditoria Governamental - CESPE Resolução da Prova de Contabilidade Geral, Análise e Custos Pessoal, Hoje, disponibilizo a resolução da prova de Contabilidade Geral, de Análise das Demonstrações Contábeis e de Contabilidade de Custos do Concurso para o TCU realizado no último final de semana.

Leia mais

Como representar em termos monetários a riqueza de uma organização em determinado momento?

Como representar em termos monetários a riqueza de uma organização em determinado momento? USP-FEA Disciplina: EAC0111 - Noções de Contabilidade para Administradores TEMA 2. (BP) Profa. Dra. Joanília Cia (joanilia@usp.br) Quais são os objetivos do tópico... - Reconhecer os componentes e os grupos

Leia mais

Comentários da prova ISS-SJC/SP Disciplina: Contabilidade Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova ISS-SJC/SP Disciplina: Contabilidade Professor: Feliphe Araújo Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Olá amigos, Comentários da prova ISS-SJC/SP ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE - ISS-SJC/SP Trago para vocês os comentários da prova do concurso de Auditor Tributário

Leia mais

FCPERJ UCAM Centro. Contabilidade Empresarial DFC. Prof. Mônica Brandão

FCPERJ UCAM Centro. Contabilidade Empresarial DFC. Prof. Mônica Brandão FCPERJ UCAM Centro Contabilidade Empresarial DFC Prof. Mônica Brandão DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA É uma demonstração que tem por finalidade evidenciar as transações ocorridas em determinado período

Leia mais

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1 Exercícios de Fixação (Questões de concurso) 1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1.1.1 Concurso para AFRF 2000 prova de contabilidade avançada - Questão 15 ENUNCIADO 15- Aplicações em Investimentos

Leia mais

Pronunciamentos Contábeis (CPCs): esquematizados, resumidos e anotados. CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa

Pronunciamentos Contábeis (CPCs): esquematizados, resumidos e anotados. CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa Pronunciamentos Contábeis (CPCs): esquematizados, resumidos e anotados CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa Pessoal, no artigo de hoje daremos continuidade ao nosso projeto Detonando os CPCs. Caso você

Leia mais

SIDERÚRGICA J. L. ALIPERTI S/A. INSTRUÇÃO CVM Nº 481 Anexo 9-1-II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO

SIDERÚRGICA J. L. ALIPERTI S/A. INSTRUÇÃO CVM Nº 481 Anexo 9-1-II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO SIDERÚRGICA J. L. ALIPERTI S/A INSTRUÇÃO CVM Nº 481 Anexo 9-1-II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO 1 Informar o lucro líquido do exercício - O montante do lucro líquido do exercício é de R$ 8.511.185,59 (oito

Leia mais

Contabilidade Geral Correção da Prova 2 Analista Técnico Controle e Fiscalização - Susep 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL

Contabilidade Geral Correção da Prova 2 Analista Técnico Controle e Fiscalização - Susep 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL CONTABILIDADE GERAL 1 - A legislação vigente sobre as sociedades anônimas estabelece o que deve ser computado na determinação do resultado do exercício. Diz a lei que devem ser incluídas as receitas e

Leia mais

As Demonstrações Contábeis para Pequenas e Médias Empresas (PMEs) NBC T 19.41 Resolução 1255/09 do CFC

As Demonstrações Contábeis para Pequenas e Médias Empresas (PMEs) NBC T 19.41 Resolução 1255/09 do CFC As Demonstrações Contábeis para Pequenas e Médias Empresas (PMEs) NBC T 19.41 Resolução 1255/09 do CFC Profa Marcia Ferreira Neves Tavares Prof. Severino Ramos da Silva O que vamos conversar... Por quê

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

Contabilidade Geral Correção da Prova APO 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL

Contabilidade Geral Correção da Prova APO 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL CONTABILIDADE GERAL 61- De acordo com a 750/93, do Conselho Federal de Contabilidade, foram aprovados os seguintes Princípios Fundamentais de Contabilidade: da Competência; da Prudência; do Denominador

Leia mais

Fiscal - Exercícios Contabilidade Exercício Alexandre Américo. 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

Fiscal - Exercícios Contabilidade Exercício Alexandre Américo. 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Fiscal - Exercícios Contabilidade Exercício Alexandre Américo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 01 (ESAF/MDIC 2012) O lançamento contábil apropriado para registrar

Leia mais

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Montando o fluxo de caixa pelo método indireto Situações especiais na montagem do fluxo de caixa Caso prático completo Como utilizar os quadros

Leia mais

CAPÍTULO 5 DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS - DLPA LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS

CAPÍTULO 5 DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS - DLPA LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO CAPÍTULOS 5,6,7 e 8 CAPÍTULO 5 DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS - DLPA LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS DESTINAÇÕES 1. Ajustes (-) Exerc. Anteriores 2. Transf. P/

Leia mais

Patrimônio Líquido. Investimentos = Financiamentos. Ativo. Passivo

Patrimônio Líquido. Investimentos = Financiamentos. Ativo. Passivo USP-FEA Disciplina: EAC0111 - Noções de Contabilidade para Administradores TEMA 3. Mecanismos Contábeis Profa. Dra. Joanília Cia (joanilia@usp.br) 1 Quais são os objetivos do tópico... Reconhecer o impacto

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF))

MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF)) CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA CAPÍTULO 2: PASSIVO EXIGÍVEL E RECEITAS DIFERIDAS MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF))

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - DFC

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - DFC DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA DFC A DFC é uma demonstração que tem por finalidade evidenciar as transações ocorridas em determinado período e que provocaram modificações nas disponibilidades da empresa

Leia mais

COMO CONVERTER DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS PARA A MOEDA AMERICANA (FAS 52)

COMO CONVERTER DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS PARA A MOEDA AMERICANA (FAS 52) COMO CONVERTER DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS PARA A MOEDA AMERICANA (FAS 52)! As principais diferenças entre as normas contábeis brasileiras e americanas (US GAAP)! As taxas de conversão a serem

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 28. Propriedade para Investimento

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 28. Propriedade para Investimento COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 28 Propriedade para Investimento Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 40 Índice OBJETIVO 1 Item ALCANCE 2 4 DEFINIÇÕES

Leia mais

Cada prova possuirá 20 (vinte) questões objetivas e 1 (uma) questão discursiva. A prova terá duração de 2 (duas) horas, com início às 9h.

Cada prova possuirá 20 (vinte) questões objetivas e 1 (uma) questão discursiva. A prova terá duração de 2 (duas) horas, com início às 9h. O Exame de Suficiência em Contabilidade aplicado aos alunos ingressantes nos cursos de pós graduação lato sensu da FECAP, abaixo listados, é requisito para a obtenção do certificado de conclusão de curso

Leia mais