CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA"

Transcrição

1 1 CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA Prof. Carmem Haab Lutte Cavalcante

2 CONTABILIDADE SOCIETARIA 2

3 3 1 CONTABILIDADE Conceito de contabilidade, campo de atuação, usuários, objetivos e objeto, técnicas, finalidade. Método das partidas dobradas, livros de escrituração (razão e diário), balancete, encerramento e ajustes, DRE, BP. 2 OPERAÇÕES COM MERCADORIAS 2.1 Custo das mercadorias vendidas Podemos calcular o valor do custo das mercadorias vendidas por meio de dois sistemas: inventário periódico e inventário permanente Inventário permanente Quando controlamos de forma contínua o estoque de mercadorias, dando-lhe baixa, em cada venda, pelo custo dessas mercadorias vendidas. Nesse sistema, temos, preferencialmente, que registrar todas as compras diretamente na conta de mercadorias: Exemplo: Durante o período teve as seguintes operações: Compra de mercadorias para revenda, conforme NF 008, no valor de 2.000,00, a vista, com ICMS de 17% : Venda das mercadorias adquiridas em 02.04, conforme NF 234, no valor de 6.000,00, a vista, com ICMS de 17%. (fazer registros do diário) Atribuição de preços aos inventários: Preço específico Quando é possível fazer a determinação do preço especifico de cada unidade em estoque, pode-se dar baixa, em cada venda, por esse valor; com isto, no estoque final, seu valor será a soma de todos os custos específicos de cada unidade ainda existente. Tal tipo de apropriação de custos somente é possível em alguns casos, onde a quantidade, ou o valor, ou a própria característica da mercadoria o permite, por exemplo em um comercio de carros usados. Na maioria das vezes não é possível ou economicamente conveniente a identificação do custo especifico de cada unidade. PEPS ou FIFO Neste critério, o material utilizado é custeado pelos preços mais antigos, permanecendo os mais recentes em estoques. O primeiro a entrar é o primeiro a sair (first-in, first out). Com o uso do PEPS, há uma tendência de o produto ficar avaliado por custo menor do que quando do custo médio, tendo-se em vista a situação normal de preços correntes. Ao se utilizar o PEPS, acaba-se por apropriar ao produto, via de regra, o menor valor existente do material nos estoques. Essa subavaliação do custo do produto elaborado acaba por apropriar um resultado contábil maior para o exercício em que for vendido. É lógico que o material estocado, avaliado por preços maiores, será apropriado no futuro à produção, mas é provável que então o preço de venda também seja maior.

4 Exemplo: Considere-se a seguinte movimentação nos estoques durante o mês de Julho (os valores, para fins de exemplo, já estão líquidos do ICMS): Dia 03 - Compra de unidades pelo valor de ,00 Dia 15 Compra de unidades pelo valor de ,00 Dia 17 Venda de unidades Dia 23 Compra de unidades pelo valor de ,00 Dia 29 Venda de 1000 unidades Pede-se: elaborar a planilha de controle de estoque. Ficha de estoque com utilização do PEPS Data Entradas Saídas (utilização) Saldo Qtde Preço total Preço unit. Qtde Preço total Preço unit. Qtde Kg Preço total Preço unit ,00 10, ,00 10, ,00 11, ,00 11, ,00 10, ,00 11, ,00 13, ,00 13, ,00 11, ,00 13,00 Total , , ,00 13,00 Com o uso deste critério verifica-se um estoque final de 1000 unidades ao valor unitário de 13,00, e total de ,00. O custo dos produtos vendidos foi de ,00. UEPS ou LIFO O método de último a entrar primeiro a sair (last-in, first-out) provoca efeitos contrários ao PEPS. Com a adoção do UEPS, há tendência de apropriar custos mais recentes aos produtos feitos, o que provoca normalmente redução do lucro contábil. Provavelmente por essa razão, essa forma de apropriação não é admitida pelo Imposto de Renda Brasileiro. Existe um risco na adoção do UEPS; olhando o exemplo anterior, verificamos que todo o estoque de materiais está avaliado por preços antigos. No dia em que houver utilização desse estoque sem que tenha havido compras adicionais, será ele apropriado ao produto; este estará então subavaliado em comparação com preços recentes, e todo o resultado não apresentado anteriormente será contabilizado agora. Exemplo (os valores, para fins de exemplo, já estão líquidos do ICMS): Dia 03 - compra de kg pelo valor de ,00 Dia 15 compra de kg pelo valor de ,00 Dia 17 o setor de produção requisitou kg Dia 23 compra de kg pelo valor de ,00 Dia 29 o setor de produção requisitou kg 4

5 5 Pede-se: elaborar a planilha de controle de estoque. Ficha de estoque com utilização do UEPS Data Entradas Saídas (utilização) Saldo Qtde Preço total Preço unit. Qtde Preço total Preço unit. Qtde Preço total Preço unit. Kg Kg Kg ,00 10, ,00 10, ,00 11, ,00 11, ,00 11, ,00 10, ,00 13, ,00 13, ,00 13,00 Total , , ,00 10, ,00 13,00 Neste caso, o estoque final ficará: 800 un ao preço de 10,00 e 200 un ao preço de 13,00. Já o custo dos produtos vendidos érias é de ,00. Média Ponderada Móvel É assim chamado aquele mantido por empresa com controle constante de seus estoques e que por isso atualiza seu preço médio após cada aquisição. Exemplo: Considere-se a seguinte movimentação nos estoques durante o mês de Julho (os valores, para fins de exemplo, já estão líquidos do ICMS): Dia 03 - Compra de unidades pelo valor de ,00 Dia 15 Compra de unidades pelo valor de ,00 Dia 17 Venda de unidades Dia 23 Compra de unidades pelo valor de ,00 Dia 29 Venda de 1000 unidades Pede-se: elaborar a planilha de controle de estoque. Ficha de estoque com utilização do Preço Médio Móvel Data Entradas Saídas (utilização) Saldo Qtde Preço total Preço unit. Qtde Preço total Preço unit. Qtde Preço total Preço unit ,00 10, ,00 10, ,00 11, ,00 11, ,00 11, ,00 11, ,00 13, ,00 12, ,00 12, ,00 12,24 Total , , ,24 Com a ficha de estoque verifica-se que o dos produtos vendidos foi de ,00. O estoque final ficou em unidades, com um valor total de ,00.

6 2.2 IPI, ICMS, PIS, COFINS, abatimentos e descontos, devoluções de Compras e Vendas São considerados despesas operacionais, redutoras da receita bruta para fins de apuração da receita liquida: ICMS Imposto sobre circulação de mercadorias e prestação de serviços de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicações. ISS Imposto sobre serviços de qualquer natureza. COFINS Contribuição para financiamento da seguridade social na parcela incidente sobre a receita bruta de vendas e serviços. PIS Programa de integração social, na parcela incidente sobre a receita bruta de vendas e serviços. Não constitui despesa nem receita, seu controle é efetuado por meio de contas patrimoniais: IPI Imposto sobre produtos industrializados. Hipóteses de recuperação de impostos (Neves e Vicenconti, 2006, p.145): Operações Imposto a recuperar Compras para comercialização ou revenda ICMS Compras para industrialização ou ICMS e IPI transformação Lei complementar 114/2002: ICMS Entrada de energia elétrica utilizada no processo industrial Bens destinados ao Ativo Permanente ICMS (parcelado em 48 meses) (entradas a partir de ) Serviços de transporte substituição tributária A empresa compradora de mercadorias que contratar transportadora será a responsável pelo pagamento do ICMS relativo ao frete. A empresa compradora, nesta hipótese, somente terá direito ao crédito do ICMS caso promova a venda tributada da referida mercadoria. Assim, não terá direito ao crédito do ICMS sobre o valor do frete caso a venda seja efetuada com isenção do imposto (artigos 116 e 317 do regulamento do ICMS RICMS de 2000, aprovado pelo Decreto , de 2000) Direito ao crédito imposto Para que haja direito ao crédito do ICMS é necessário que as saídas sejam tributadas e que a mercadoria ou serviço adquirido não seja alheio à atividade do estabelecimento. Se houver credito pela entrada de mercadorias e posteriormente ocorrer venda com isenção a empresa compradora deverá efetuar o estorno do crédito (artigos 20, 21 e 33 da Lei Complementar 87/96 alterada pela Lei Complementar 102/2000) 6

7 Exemplo de compra de imobilizado: A empresa Comercial Silva Ltda adquiriu a prazo bens para o ativo permanente da sociedade PVSN Equipamentos Industriais, através da NF 1430: Valor bruto ,00 (+) IPI (8%) 2.240,00 (=) Total da NF ,00 ICMS destacado 5.443,20,00 Contabilização: D Maquinas e equipamentos ,80 D ICMS a recuperar* 5.443,20 C Contas a pagar ,00 * O ICMS será recuperado em 48 meses. Exemplo de compra de material de escritório para uso nas atividades comerciais da empresa: Nota fiscal de compra: Valor bruto 8.000,00 (+) IPI (25%) 2.000,00 (=) Total da NF ,00 ICMS destacado 18% 1.800,00 Contabilização: D Estoque de material de escritório C Contas a pagar ,00 A parcela do IPI deve ser incluída na base de cálculo do ICMS quando o produto for destinado a uso e consumo do adquirente, ainda que este seja contribuinte do imposto. 7

8 ICMS nas devoluções de compras e nas devoluções de vendas Ocorrendo devoluções de compras e vendas, a contabilização desses eventos será feita invertendo-se os lançamentos originais. Exemplo: Devolução de compras: a) A empresa comprou mercadorias no valor de 1.000,00, com ICMS 180,00 D Estoque mercadorias 820,00 C Caixa 1.000,00 D ICMS a recuperar 180,00 b) A empresa devolveu ao seu fornecedor mercadorias no valor de 1.000,00, com ICMS de 180,00. D Caixa 1.000,00 C Estoque 820,00 C ICMS a recuperar 180,00 (ou ICMS a recolher) Devolução de vendas: c) A empresa vendeu mercadorias no valor de 5.000,00, com ICMS 900,00, com custo de 1.000,00: D caixa 5.000,00 C Vendas 5.000,00 D ICMS vendas 900,00 C ICMS recolher 900,00 C Estoque 1.000,00 D CMV 1.000,00 d) Devolução de parte das mercadorias vendidas à vista por 5.000,00, com ICMS incidente de 900,00, com custo de 1.000,00. D Vendas anuladas 5.000,00 C Caixa 5.000,00 D ICMS a recolher 900,00 (ou ICMS a recuperar) C ICMS sobre vendas 900,00 D Estoque 1.000,00 C CMV 1.000,00

9 2.2.2 IPI IPI: Imposto sobre Produtos Industrializados. É um imposto de competência federal. Por incidir sobre produtos industrializados, é devido pelas empresas industriais e por algumas empresas a elas equiparadas. O IPI,ao contrário do ICMS, é considerado Imposto por Fora, o que significa que seu valor é calculado aplicando-se uma alíquota sobre o preço dos produtos; depois, os dois valores são somados. Ao adquirirmos um determinado produto por 600,00, com IPI incidente de 60,00, pagaremos a importância de 660,00, sendo 60,00 relativos ao custo do produto e 60,00, ao IPI. Neste caso o valor total da NF é de 660,00. O IPI também não é imposto cumulativo, isto é, o valor do imposto incidente em uma operação de compra será abatido do valor do imposto incidente na operação de venda subseqüente. Contabilização do IPI: A atividade principal de uma empresa industrial tradicional concentra-se nas seguintes operações: compra, transformação e venda. A empresa industrial compra materiais, transformaos em novos produtos e os vende. Assim, o IPI incidente na compras de materiais cujos valores foram pagos aos fornecedores será compensado do valor do IPI incidente na venda dos produtos fabricados com esses materiais. Como ocorre com o ICMS, o IPI também é apurado periodicamente, sendo o mais comum sua apuração mês a mês. Na venda: Sendo o IPI um imposto por fora, não integra a Receita Bruta de Vendas, podendo ser contabilizado em um lançamento só, registrando-se a receita bruta de vendas e o valor do imposto diretamente a crédito da conta IPI a Recolher. Exemplo: QUANDO A EMPRESA PODE RECUPERAR O VALOR DO IPI a) Compra de matéria-prima, a vista, da empresa Industrial Três Marias, conforme NF nº 250, no valorde 2.000,00, com IPI incidente de 200,00, perfazendo o total de 2.200,00: D Estoque matéria-prima C Caixa D IPI a recuperar 200 b) Venda de produtos, a vista, conforme NF 150, no valor de 7.000,00, com IPI incidente de 700,00, perfazendo do total de 7.700,00. D Caixa 7.700,00 C - Vendas 7.000,00 C IPI a recolher 700,00 Considerando apenas esses fatos no período, faz-se, no final do mesmo, o lançamento de ajuste para determinar o saldo do IPI (direito ou obrigação): C IPI recuperar 200 D IPI a recolher 200 IPI A RECOLHER saldo a recolher Após esse lançamento de ajuste, a conta IPI a recuperar, que possuía o menor saldo (200,00), ficou com saldo igual a zero; a conta IPI a recolher, que tinha o maior saldo (700,00), sendo debitada por 200,00, ficou com saldo credor de 500,00, refletindo assim a obrigação da empresa junto ao governo. 9

10 QUANDO A EMPRESA NÃO PODE RECUPERAR O VALOR DO IPI a) A empresa adquiriu as mercadorias para revender. Neste caso, somente o ICMS incidirá na venda das mercadorias, sendo recuperável. O IPI integrará o custo de aquisição. Compra de mercadorias por 1.000,00, com ICMS incluso de 180,00 e IPI adicionado no valor de 100,00. C caixa 1.100,00 D Estoque mercadorias 920,00 D ICMS a recuperar 180,00 OBSERVAÇÕES quanto ao ICMS e IPI: Para que a empresa tenha direito de recuperar o valor do ICMS pago aos fornecedores no momento da compra de mercadorias, é necessário que, ao serem vendidas, essas mercadorias sofram a incidência desse imposto. Caso contrário o valor do ICMS incidente nas compras integrará o custo de aquisição das referidas mercadorias. Para que a empresa possa recuperar o valor do IPI incidente nas compras de materiais, é necessário que os produtos fabricados com esses materiais sofram a incidência do referido imposto por ocasião das vendas. Caso contrário, a exemplo do ICMS, o valor do IPI incidente nas compras integrará o custo dos respectivos materiais. Como ocorre com o ICMS, também é comum a legislação do IPI isentar determinadas operações do imposto; por isso, uma empresa poderá adquirir materiais com incidência do IPI e revendê-los com isenção. Assim com no ICMS pode-se utilizar IPI CONTA CORRENTE ou adotar contas distintas para contabilização do IPI, isto é, IPI A RECUPERAR e IPI A RECOLHER. Importante: O IPI incidente sobre o valor total da operação, que compreende o preço do produto, acrescido do valor do frete e das demais despesas acessórias cobradas ou debitadas pelo contribuinte ao comprador ou destinatário. Os descontos, ainda que incondicionais, não podem ser deduzidos do valor da operação (Lei de ). O ICMS incide sobre o valor bruto menos o Desconto Incondicional Obtido FRETES E SEGUROS As despesas decorrentes de fretes e seguros incidentes sobre o produto também compõe o custo das mercadorias e, portanto, deverão ser contabilizados na mesma conta (Compras). Exemplos: a) Compra de mercadorias a vista no valor de 3.000,00. Foi pago à Transportadora X a importância de 100,00, correspondente ao valor do frete. D Estoque Mercadorias 3.100,00 C Caixa 3.100,00

11 2.2.4 PIS e COFINS PIS Programa de Integração Social. COFINS Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social. PIS sobre folha de pagamento entidades sem fins lucrativos, públicas ou particulares. PIS sobre faturamento pessoas jurídicas de direito privado e as que lhe são equiparadas pela legislação do imposto de renda, inclusive empresas prestadoras de serviços, empresas públicas e sociedades de economia mista e suas subsidiárias, excluídas as microempresas e as empresas de pequeno porte optantes pelo regime do Simples. COFINS sobre faturamento - pessoas jurídicas de direito privado, inclusive as pessoas a elas equiparadas pela legislação do imposto de renda, exceto as microempresas e as empresas de pequeno porte optantes pelo regime do Simples. Os valores das contribuição são calculados no final de cada mês mediante a aplicação de alíquotas sobre o faturamento que a empresa teve ou sobre o valor bruto da folha de pagamento. Deverão ser pagas até o ultimo dia útil da primeira quinzena do mês subseqüente dos fatos geradores. Faturamento = total da receita bruta decorrente da venda de bens e serviços nas operações em conta própria ou alheia, bem como as demais receitas auferidas pela empresa, independentemente de sua denominação ou classificação contábil. Podem ser excluídos valores como as vendas canceladas e os descontos incondicionais concedidos. PIS - Regime cumulativo = 0,65% PIS - Regime não cumulativo = 1,65% COFINS Regime cumulativo = 3,0% COFINS Regime não cumulativo = 7,6% O recolhimento deverá ser feito sempre no mês seguinte ao mês da ocorrência dos respectivos fatos geradores. Cálculos na modalidade cumulativa No ultimo dia do mês apura-se a base de calculo de cada um dos tributos, subtraindo-se os valores permitidos. Sobre essa base aplicam-se as alíquotas. As receitas devem ser separadas conforme a classificação contábil. A contabilização será debitando as contas que representam os encargos correspondentes (PIS sobre faturamento, PIS sobre receitas financeiras., etc), e creditando a conta PIS a recolher. A conta PIS sobre faturamento é redutora da receita bruta de vendas, e o seu saldo será transferido para a conta Resultado da Conta Mercadorias por ocasião da apuração do Resultado Bruto. As demais contas representativas de despesas terão seus saldos transferidos para a conta Resultado do Exercício por ocasião da apuração do Resultado Liquido do Exercício. O mesmo procedimento é aplicado ao COFINS. Exemplo (Ribeiro Contabilidade Comercial, 2009): Considere as seguintes informações relativas ao mês de fevereiro, extraídas dos registros contábeis de uma empresa: - Receita bruta auferida na venda de produtos (incluído ICMS) de ,00 - Receitas Financeiras de ,00 - Aluguéis ativos de ,00 Pede-se: com base nas receitas supra, calcule e contabilize as contribuições para o PIS/PASEP pela alíquota de 0,65% e para a COFINS pela alíquota de 3%, considerando que a empresa esta sujeita ao regime cumulativo de tributação dessas contribuições. C PIS a recolher ou PIS conta corrente ,00 D PIS sobre faturamento ,00 D PIS sobre receitas financeiras 195,00 11

12 D PIS sobre outras receitas oper. 130,00 Pela apropriação do PIS referente receitas do mês. 12 C COFINS a recolher ou PIS conta corrente ,00 D Cofins sobre faturamento ,00 D Cofins sobre receitas financ. 900,00 D Cofins sobre outras receitas operac. 600,00 Suponhamos agora que houve uma devolução de vendas no valor de ,00, com ICMS 17% e PIS e Cofins não cumulativos. Considere o custo de ,00. D Devolução de vendas C Clientes ,00 D Estoque C CMV ,00 D ICMS a recolher ou conta corrente C ICMS sobre vendas ,00 Dessa forma, ao apurar o faturamento para cálculo do PIS e COFINS deverá ser deduzido o valor das devoluções de vendas. Caso a devolução ocorra em mês seguinte ao da venda, tal devolução entrará no próximo cálculo. Cálculos na modalidade não cumulativa Suponhamos o seguinte fato ocorrido em uma empresa comercial, no mês de fevereiro: Compra de mercadorias, a prazo, conforme NF 272 de JC S.A., no valor de ,00 com ICMS incidente no montante de 7.200,00. Operação com direito a crédito do PIS pela alíquota de 1,65% e do COFINS pela alíquota de 7,6%. C Fornecedores ,00 D Estoque de mercadorias ,00 D ICMS a recuperar 7.200,00 D PIS a recuperar 660,00 D COFINS a recuperar 3.040,00 Histórico: Compra de mercadorias cf NF.272 JC S.A. Considerando que no mesmo mês a empresa contabilizou vendas de mercadorias no montante de ,00, rendimentos de aplicações financeiras no montante de ,00 e receitas de alugueis no valor de ,00, pede-se: a) Calcular e contabilizar o PIS/PASEP sobre o faturamento do mês, pela alíquota de 1,65% e COFINS pela alíquota de 7,6%. C PIS a recolher 2.145,00 D PIS sobre faturamento 1.650,00 D PIS sobre receitas financeiras 165,00 D PIS sobre outras receitas operac. 330,00 Histórico: Pela apropriação da contribuição referente faturamento do mês. C COFINS a recolher 9.880,00 D COFINS sobre faturamento 7.600,00 D COFINS sobre receitas financ. 760,00 D COFINS sobre outras receitas operac ,00 Histórico: Pela apropriação da contribuição referente faturamento do mês.

13 13 b) Ajustar os saldos das contas PIS/PASEP a recuperar e PIS/PASEP a recolher. Observe os saldos: PIS a recolher PIS a recuperar COFINS a recolher COFINS a recuperar Assim, deve-se zerar a conta de menor valor. Por exemplo, no PIS deve-se creditar PIS a recuperar e debitar PIS a recolher no valor de 660,00. Com isso, a conta PIS a recolher ficará com o saldo de 1.485,00 que representa a obrigação e deverá ser recolhido ao Governo Federal. Da mesma forma, deverá, neste caso, ser creditado COFINS a recuperar e debitado COFINS a recolher no valor de 3.040,00. Ficará assim, um saldo de 6.840,00 a ser recolhido. Suponhamos agora que houve uma devolução de vendas no valor de ,00, com ICMS 17% e PIS e Cofins não cumulativos. Considere o custo de ,00. D Devolução de vendas C Clientes ,00 D Estoque C CMV ,00 D ICMS a recolher ou conta corrente C ICMS sobre vendas ,00 D PIS a recolher ou conta corrente C PIS sobre faturamento 990,00 D Cofins a recolher ou conta corrente C Cofins sobre faturamento 4.560,00

14 ABATIMENTOS E DESCONTOS Abatimentos quando um comerciante se vê prejudicado ao receber certa mercadoria cujo tipo, qualidade, ou qualquer outro fator não esteja em conformidade com seu pedido, pode devolver a mercadoria ou pedir abatimento ao vendedor. Assim, no caso de abatimento: D Abatimento sobre vendas C Clientes Os saldo da conta Abatimentos, no fim do período, será jogado contra o saldo de Receita de Vendas, para apuração do valor das vendas liquidas. Abatimentos sobre vendas D Abatimentos sobre vendas C Clientes (no DRE, deduções) Abatimento recebido sobre compras D Fornecedores C Mercadorias - estoque Descontos comerciais são os concedidos pelo vendedor a favor do comprador no ato da compra, em função de vários motivos: quantidade, cliente especial... O procedimento mais comum é o registro da compra ou venda diretamente pelo valor liquido. Mas, também se pode abrir uma conta especial chamada Descontos Comerciais sobre Vendas ou Descontos Obtidos. a) Compra de mercadorias no valor de 2.000,00, com desconto de 200,00. D Estoque mercadorias 2.000,00 C Caixa 1.800,00 C Descontos obtidos 200,00 (no DRE nas receitas financeiras) b) Venda de mercadorias a vista no valor de 1.000,00 com desconto concedido de 50,00. D caixa 950,00 C Vendas 1.000,00 D Descontos concedidos 50,00 (no DRE nas deduções ) Descontos financeiros são os prêmios oferecidos pelo vendedor ao comprador por um pagamento antecipado de dívidas assumidas com transações de mercadorias. Não deve ser confundido com descontos comerciais. a) Venda de mercadorias no valor de ,00 para pagamento em 60 dias, com 5% de desconto se o pagamento for em 30 dias. O cliente resolveu aproveitar o desconto pagando antes: D Caixa 9.500,00 C Clientes ,00 D Descontos financeiros concedidos 500,00 b) Compra de mercadorias no valor de ,00 para pagamento em 60 dias, com 5% de desconto se o pagamento for em 30 dias. A empresa resolveu aproveitar o desconto pagando antes: D Fornecedores ,00 C Caixa 9.500,00 C Descontos financeiros obtidos 500,00

15 15 3. DESPESAS ANTECIPADAS As despesas do mês que foram pagas antecipadamente estão registradas em contas do Ativo Circulante. A apropriação no último dia do mês é feita debitando-se uma conta que represente a referida despesa e creditando-se a conta do Ativo Circulante que registrou a despesa paga antecipadamente. A mais comum dessas despesas é a Despesa com Seguros, a qual, no dia do pagamento, é registrada a débito da conta Prêmio de Seguro a Vencer; mensalmente, ou no último dia do ano, deve ser apropriada a importância correspondente à Despesa do mês ou do ano. Suponhamos que no dia 01 de agosto a empresa tenha efetuado um pagamento no valor de para a Companhia Seguradora X, referente a seguro contra incêndio, pelo período de um ano. Assim, no dia 01 de agosto, a empresa efetuou o seguinte registro no livro Diário: D Prêmios de Seguros a vencer ,00 C Caixa (ou banco) ,00 A conta debitada (Prêmios de Seguro a Vencer) é conta do Ativo Circulante que registra despesa paga antecipadamente. No final de cada mês, a empresa deverá apropriar o valor da despesa de seguro do referido mês, debitando uma conta que represente a despesa de seguro (Prêmios de Seguros) e creditando a conta do Ativo Circulante que registrou a despesa paga antecipadamente. A contabilização da apropriação mensal se faz da seguinte forma: D Prêmios de seguros ou Despesas com Seguros 3.041,67 (conta de resultado) C Prêmios de seguros a vencer 3.041,67

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1..

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1.. 1. INVENTÁRIOS 1..1 Periódico Ocorre quando os estoques existentes são avaliados na data de encerramento do balanço, através da contagem física. Optando pelo inventário periódico, a contabilização das

Leia mais

2.2 Resultado com mercadorias 2.3 Impostos que afetam as mercadorias 2.4 Critérios de avaliação do estoque

2.2 Resultado com mercadorias 2.3 Impostos que afetam as mercadorias 2.4 Critérios de avaliação do estoque Disciplina: Contabilidade Comercial I Período: 2º Tipo: I Professor: Evaldo Modesto de Ávila Curso: Ciências Contábeis Assunto: Texto Semestre: 2º Nome: Nº: Apostila : Turma: ÚNICA Turno: NOITE Data: 002

Leia mais

13. Operações com mercadoria

13. Operações com mercadoria MATERIAL DE APOIO - ENVIADO PELO PROFESSOR 13. Operações com mercadoria Na comercialização de mercadoria (principal objeto de empresa comercial) existirão os tributos; entre eles o ICMS que será estudado

Leia mais

http://www.itcnet.com.br/materias/printable.php

http://www.itcnet.com.br/materias/printable.php Página 1 de 5 1 de Setembro, 2011 Impresso por ANDERSON JACKSON TOASSI DEVOLUÇÃO DE MERCADORIAS COMPRADAS NAS OPERAÇÕES COMERCIAIS 1 - Introdução Nas relações comerciais as operações de devolução e retorno

Leia mais

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I).

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I). Comentários à nova legislação do P IS/ Cofins Ricardo J. Ferreira w w w.editoraferreira.com.br O PIS e a Cofins talvez tenham sido os tributos que mais sofreram modificações legislativas nos últimos 5

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL I

CONTABILIDADE GERAL I CONTABILIDADE GERAL I Operações com Mercadorias Prof. Martin Airton Wissmann P r o f. M a r t i n A i r t o n W i s s m a n n Página 1 SUMÁRIO 1. CONTABILIDADE GERAL I OPERAÇÕES COM MERCADORIAS... 3 1.1

Leia mais

DEVOLUÇÃO DE VENDAS DOS PERÍODOS ATUAL E ANTERIOR

DEVOLUÇÃO DE VENDAS DOS PERÍODOS ATUAL E ANTERIOR DEVOLUÇÃO DE VENDAS - DOS PERÍODOS ATUAL E ANTERIOR 745 DEVOLUÇÃO DE VENDAS DOS PERÍODOS ATUAL E ANTERIOR 1 - DEFINIÇÕES: (*) por Silvério das Neves 1.1 - RECEITA BRUTA A receita bruta das vendas e serviços

Leia mais

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de comunicação - ICMS BASE CONSTITUCIONAL E LEGAL Artigo 155,

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA. Profa. Divane Silva

Unidade II CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA. Profa. Divane Silva Unidade II CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Profa. Divane Silva Contabilidade tributária A disciplina está dividida em 02 Unidades: Unidade I 1. Introdução 2. Impostos Incidentes sobre o Valor Agregado 3. Impostos

Leia mais

Devolução de mercadoria vendida - Contabilização - Roteiro de Procedimentos

Devolução de mercadoria vendida - Contabilização - Roteiro de Procedimentos Devolução de mercadoria vendida - Contabilização - Roteiro de Procedimentos Neste Roteiro trataremos sobre a contabilização das mercadorias recebidas em devolução. O texto encontra-se atualizado à Resolução

Leia mais

CONTABILIDADE BÁSICA Aula: Operações com Mercadorias

CONTABILIDADE BÁSICA Aula: Operações com Mercadorias CONTABILIDADE BÁSICA Aula: Operações com Mercadorias Professora M. Sc. (Mestre) Crísley do Carmo Dalto Mestre em Ciências Contábeis- Contabilidade Gerencial Especialista em Contabilidade Gerencial Resultado

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade. Aula: 04 Prof.: Adelino Corrêa DATA: 26/10/2008. 13. Operações com mercadoria

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade. Aula: 04 Prof.: Adelino Corrêa DATA: 26/10/2008. 13. Operações com mercadoria 13. Operações com mercadoria Na comercialização de mercadoria (principal objeto de empresa comercial) existirão os tributos; entre eles o ICMS que será estudado na compra e venda da mercadoria. Impostos

Leia mais

CONTABILIDADE COMERCIAL I PROFESSOR Salomão Dantas Soares APOSTILA 3 Operações Típicas de Empresas Comerciais : Contabilização de Impostos e Taxas

CONTABILIDADE COMERCIAL I PROFESSOR Salomão Dantas Soares APOSTILA 3 Operações Típicas de Empresas Comerciais : Contabilização de Impostos e Taxas CONTABILIDADE COMERCIAL I PROFESSOR Salomão Dantas Soares APOSTILA 3 Operações Típicas de Empresas Comerciais : Contabilização de Impostos e Taxas TURMA: PECC Você estudará, nesta unidade, os principais

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito diferencial de alíquota no Ativo Imobilizado - SP

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito diferencial de alíquota no Ativo Imobilizado - SP Crédito 17/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Crédito do ICMS próprio adquirido do Simples Nacional com destino

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 46 IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS Dr. João Inácio Correia (advcor@mandic.com.br)

Leia mais

BONIFICAÇÃO EM MERCADORIAS - EMBALAGENS E CONJUNTOS PROMOCIONAIS

BONIFICAÇÃO EM MERCADORIAS - EMBALAGENS E CONJUNTOS PROMOCIONAIS MATÉRIA - CONTABILIDADE BONIFICAÇÃO EM MERCADORIAS - EMBALAGENS E CONJUNTOS PROMOCIONAIS SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Bonificação em Mercadorias 2.1. Tratamento da venda bonificada 2.2. Baixa do

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 Índice 1. Lucro presumido...3 2. Lucro real...4 2 Dentre os regimes tributários, os mais adotados são os seguintes: 1. LUCRO PRESUMIDO Regime de tributação colocado

Leia mais

No prazo de 11 (onze) meses, no caso de aquisições ocorridas em agosto de 2011;

No prazo de 11 (onze) meses, no caso de aquisições ocorridas em agosto de 2011; Créditos sobre ativo imobilizado novas regras: A MP 540 artigo 4, de 2 de agosto de 2011 introduz novas regras para a tomada de crédito sobre itens do ativo imobilizado, conforme destacamos a seguir: O

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO O artigo 187 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (Lei das Sociedades por Ações), instituiu a Demonstração do Resultado do Exercício. A Demonstração do Resultado

Leia mais

RECEITAS E SUBVENÇÕES

RECEITAS E SUBVENÇÕES III CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO ATUAL IBDT/AJUFE/FDUSP-DEF RECEITAS E SUBVENÇÕES CONCEITOS ANTES E DEPOIS DA LEI 12973 RICARDO MARIZ DE OLIVEIRA RECEITAS E INGRESSOS NEM TODO INGRESSO É

Leia mais

Contabilidade Comercial

Contabilidade Comercial Contabilidade Comercial Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Revisora: Divane A. Silva Sumário Contabilidade Comercial Unidade I 1 OPERAÇÕES COM MERCADORIAS...1 2 RESULTADO BRUTO COM MERCADORIAS

Leia mais

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente,

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente, Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Exercícios de Contabilidade Professora Niuza Adriane da Silva 1º A empresa XYZ adquire mercadorias para revenda, com promessa de pagamento em 3 parcelas iguais, sendo

Leia mais

Unidade III CONTABILIDADE COMERCIAL. Profa. Divane Silva

Unidade III CONTABILIDADE COMERCIAL. Profa. Divane Silva Unidade III CONTABILIDADE COMERCIAL Profa. Divane Silva A disciplina está dividida em 04 Unidades: Unidade I 1. Operações com Mercadorias 2. Resultado Bruto com Mercadorias (RCM) 3. Custo das Mercadorias

Leia mais

Palestra. Créditos Fiscais (ICMS/ IPI/ PIS e COFINS) Julho 2012. Elaborado por: Katia de Angelo Terriaga

Palestra. Créditos Fiscais (ICMS/ IPI/ PIS e COFINS) Julho 2012. Elaborado por: Katia de Angelo Terriaga Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Unidade IV CONTABILIDADE COMERCIAL. Profa. Divane Silva

Unidade IV CONTABILIDADE COMERCIAL. Profa. Divane Silva Unidade IV CONTABILIDADE COMERCIAL Profa. Divane Silva A disciplina está dividida em 04 Unidades: Unidade I 1. Operações com Mercadorias 2. Resultado Bruto com Mercadorias (RCM) 3. Custo das Mercadorias

Leia mais

AULA 10 - PIS E COFINS

AULA 10 - PIS E COFINS AULA 10 - PIS E COFINS O PIS É A CONTRIBUIÇÃO PARA O PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO SOCIAL. A COFINS ÉA CONTRIBUIÇÃO PARA O FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL. FATO DO PIS E DA COFINS SÃO OS MESMOS: a)a RECEITA

Leia mais

SIMPLES NACIONAL DEVOLUÇÃO DE MERCADORIAS TRATAMENTO FISCAL

SIMPLES NACIONAL DEVOLUÇÃO DE MERCADORIAS TRATAMENTO FISCAL Matéria São Paulo SIMPLES NACIONAL DEVOLUÇÃO DE MERCADORIAS TRATAMENTO FISCAL SUMÁRIO 1. Introdução 2. Devolução Conceito 3. Crédito do Imposto no Recebimento de Mercadorias em Devolução ICMS e IPI 4.

Leia mais

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66 Apresentação Parte I - CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE, 1 1 Introdução ao Estudo da Ciência Contábil, 3 1 Conceito, 3 2 Objeto, 3 3 Finalidade, 4 4 Técnicas contábeis, 4 5 Campo de aplicação, 5

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Nas questões de 31 a 60, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a folha de respostas, único documento válido para a correção das

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

CONTABILIDADE COMERCIAL MÓDULO 15

CONTABILIDADE COMERCIAL MÓDULO 15 CONTABILIDADE COMERCIAL MÓDULO 15 Índice 1. Abatimentos e descontos comerciais...3 2 1. ABATIMENTOS E DESCONTOS COMERCIAIS Abatimentos Nos casos de Compras: São registrados, os abatimentos e descontos

Leia mais

LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II

LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II A leitura complementar tem como objetivo reforçar os conteúdos estudados e esclarecer alguns assuntos que facilitem a compreensão e auxiliem na elaboração da atividade.

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA TRIBUTOS CARGA TRIBUTÁRIA FLS. Nº 1 O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 1. - INTRODUÇÃO A fixação do preço de venda das mercadorias ou produtos é uma tarefa complexa, onde diversos fatores

Leia mais

Pedro@ananadvogados.com.br

Pedro@ananadvogados.com.br Pedro@ananadvogados.com.br Sócio de Anan Advogados Especialista em Direito Empresarial pela PUC-SP MBA Controller pela FEA-USP Membro da Diretoria Jurídica da ANEFAC Diretor do Conselho Consultivo da APET

Leia mais

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo!

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo! SAD Gestor ERP Módulo Estoque Cadastro de Produto Escrita Fiscal Seja Bem Vindo! Introdução O planejamento tributário deve fazer parte do cotidiano da empresa. É uma decisão estratégica que pode determinar

Leia mais

Contabilidade Financeira e Gerencial. Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial

Contabilidade Financeira e Gerencial. Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial Contabilidade Financeira e Gerencial Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial Demonstração de Resultados A DRE é a apresentação, em forma resumida, das operações realizadas pela empresa,

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS/GERENCIAL PARA CONTÁBEIS/ADMINISTRAÇÃO REVISÃO: CUSTO DE MERCADORIAS E PRODUTOS VENDIDOS.

CONTABILIDADE DE CUSTOS/GERENCIAL PARA CONTÁBEIS/ADMINISTRAÇÃO REVISÃO: CUSTO DE MERCADORIAS E PRODUTOS VENDIDOS. CONTABILIDADE DE CUSTOS/GERENCIAL PARA CONTÁBEIS/ADMINISTRAÇÃO REVISÃO: CUSTO DE MERCADORIAS E PRODUTOS VENDIDOS. AVALIAÇÃO DE ESTOQUES Matérias-Primas e Mercadorias 1. CUSTO DE AQUISIÇÃO DE MERCADORIAS

Leia mais

Contabilidade Parte II

Contabilidade Parte II Contabilidade Parte II Módulo I - Operações com mercadorias, preço e lucro adaptado por Sylvia Culhari Lucro pelo inventário periódico Apurar o lucro utilizando-se do inventário periódico, ou seja: Sendo:

Leia mais

Contabilidade Empresarial e Comercial 27-08-2012 - ETEC GUARACY. Prof. Procópio 2º CONTAB Aula - 8

Contabilidade Empresarial e Comercial 27-08-2012 - ETEC GUARACY. Prof. Procópio 2º CONTAB Aula - 8 AULA 8 Sistema para Controle de Estoques o Inventário Periódico o Contabilização Fórmula do CMV/RCM Sistema para Controle de Estoques Devemos observar o método de avaliação escolhido, pois ele afetará

Leia mais

Jurisprudência. SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 47 de 12 de Novembro de 2012

Jurisprudência. SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 47 de 12 de Novembro de 2012 SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 143 de 20 de Novembro de 2012 ASSUNTO: Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social Cofins/ Contribuição para o PIS/Pasep EMENTA: CRÉDITOS VINCULADOS A RECEITA NÃO TRIBUTADA.

Leia mais

O que é Substituição Tributária de ICMS e sua contabilização

O que é Substituição Tributária de ICMS e sua contabilização O que é Substituição Tributária de ICMS e sua contabilização Prof. Francisco F da Cunha 1 A substituição tributária do ICMS está atualmente prevista no Artigo 150, da Constituição Federal de 1988, que

Leia mais

CURSOS ON-LINE CONTABILIDADE EM EXERCÍCIOS PROFESSOR ANTÔNIO CÉSAR

CURSOS ON-LINE CONTABILIDADE EM EXERCÍCIOS PROFESSOR ANTÔNIO CÉSAR AULA:2 OPERAÇÕES COM MERCADORIAS Nesta aula vamos tratar das OPERAÇÕES COM MERCADORIAS. Tendo em vista a relevância deste assunto, vou dividi-lo em duas etapas. Nesta Aula 2, vamos trabalhar com as operações

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Soma do IPI ao total da NF

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Soma do IPI ao total da NF Soma do 13/12/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1. Base de cálculo... 4 3.2. Emissão da Nota Fiscal com IPI... 5

Leia mais

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, LEI Nº 9.718, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1998. Altera a Legislação Tributária Federal. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º Esta Lei aplica-se

Leia mais

Prof. Carlos Barretto

Prof. Carlos Barretto Unidade IV CONTABILIDADE FINANCEIRA Prof. Carlos Barretto Objetivos gerais Capacitar os estudantes a adquirir conhecimentos necessários para o desenvolvimento das seguintes competências: consciência ética

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral. Operações com mercadorias / Preço de vendas

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral. Operações com mercadorias / Preço de vendas CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 14 CONTABILIDADE Operações com mercadorias / Preço de vendas Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico

Leia mais

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA REGIONAL DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CONTABILIDADE SOCIETÁRIA II

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA REGIONAL DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CONTABILIDADE SOCIETÁRIA II UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA REGIONAL DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CONTABILIDADE SOCIETÁRIA II EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO MATRIZ E FILIAL A empresa Comércio Vai Bem Ltda, optante

Leia mais

CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL

CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL Criada pela Lei Complementar nº 70/91, esta contribuição sofreu importantes alterações a partir da competência fevereiro de 1999,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação a conceitos, objetivos e finalidades da contabilidade, julgue os itens que se seguem. 51 Auxiliar um governo no processo de fiscalização tributária é uma das finalidades

Leia mais

ESTADO DO ACRE SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE AÇÃO FISCAL NOTA TÉCNICA

ESTADO DO ACRE SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE AÇÃO FISCAL NOTA TÉCNICA ESTADO DO ACRE SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE AÇÃO FISCAL NOTA TÉCNICA Tendo em vista a implantação das Áreas de Livre Comércio de Brasiléia,

Leia mais

PIS e COFINS. Um Estudo Comparativo entre as Sistemáticas de Apuração das Empresas Optantes pela Tributação do Lucro Real e Lucro Presumido

PIS e COFINS. Um Estudo Comparativo entre as Sistemáticas de Apuração das Empresas Optantes pela Tributação do Lucro Real e Lucro Presumido Um Estudo Comparativo entre as Sistemáticas de Apuração das Empresas Optantes pela Tributação do Lucro Real e Lucro Presumido Objetivo: Realizar um estudo comparativo entre as Sistemáticas de Apuração

Leia mais

TIRANDO DÚVIDAS E SOLUCIONANDO PROBLEMAS

TIRANDO DÚVIDAS E SOLUCIONANDO PROBLEMAS CONTABILIZAÇÃO DO PIS E DA COFINS 729 TIRANDO DÚVIDAS E SOLUCIONANDO PROBLEMAS Plantão Tributário Fisco e Contribuinte (*) por Silvério das Neves CONTABILIZAÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES NÃO-CUMULATIVAS AO PIS

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE APURAÇÃO DO ICMS RELATIVO AO CUSTO DAS SAÍDAS DE MERCADORIAS E PRESTAÇÕES DE

MANUAL DO SISTEMA DE APURAÇÃO DO ICMS RELATIVO AO CUSTO DAS SAÍDAS DE MERCADORIAS E PRESTAÇÕES DE GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria da Fazenda MANUAL DO SISTEMA DE APURAÇÃO DO ICMS RELATIVO AO CUSTO DAS SAÍDAS DE MERCADORIAS E PRESTAÇÕES DE SERVIÇOS Versão 1.0.0.2 do Anexo I da Portaria CAT83/2009

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas Realização: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE CURSO: BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Leia mais

Fundamentos da NF-e Exercícios Práticos. Luiz Campos

Fundamentos da NF-e Exercícios Práticos. Luiz Campos Fundamentos da NF-e Exercícios Práticos Luiz Campos 1 Livro de Apuração do IPI - CFOP CFOP DESCRIÇÃO 1.000 ENTRADAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS DO ESTADO 1.100 COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO, PRODUÇÃO RURAL,

Leia mais

Convém ressaltar, de início, que o benefício do diferimento não se confunde com a isenção ou com a suspensão do imposto.

Convém ressaltar, de início, que o benefício do diferimento não se confunde com a isenção ou com a suspensão do imposto. ICMS/SP - Diferimento - Tratamento fiscal 6 de Abril de 2010 Em face da publicação do Decreto nº 55.305/2009 - DOE SP de 31.12.2009, este procedimento foi atualizado (tópico 9 - bens do ativo imobilizado

Leia mais

Cada prova possuirá 20 (vinte) questões objetivas e 1 (uma) questão discursiva. A prova terá duração de 2 (duas) horas, com início às 9h.

Cada prova possuirá 20 (vinte) questões objetivas e 1 (uma) questão discursiva. A prova terá duração de 2 (duas) horas, com início às 9h. O Exame de Suficiência em Contabilidade aplicado aos alunos ingressantes nos cursos de pós graduação lato sensu da FECAP, abaixo listados, é requisito para a obtenção do certificado de conclusão de curso

Leia mais

IRPJ. Lucro Presumido

IRPJ. Lucro Presumido IRPJ Lucro Presumido 1 Características Forma simplificada; Antecipação de Receita; PJ não está obrigada ao lucro real; Opção: pagamento da primeira cota ou cota única trimestral; Trimestral; Nada impede

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

Lucro Presumido. Compensação da Cofins com a CSL

Lucro Presumido. Compensação da Cofins com a CSL Lucro Presumido Manifesto pelo Lucro Presumido: Esta opção é formalizada no decorrer do ano- calendário, se manifesta com o recolhimento no mês de abril, correspondente ao primeiro trimestre. A opção do

Leia mais

Noções de comércio e entidades mercantis; constituição de empresas mercantis; forma jurídica, registro de empresas nos Órgãos Competentes;

Noções de comércio e entidades mercantis; constituição de empresas mercantis; forma jurídica, registro de empresas nos Órgãos Competentes; CONTABILIDADE II Conteúdo Programático Noções de comércio e entidades mercantis; constituição de empresas mercantis; forma jurídica, registro de empresas nos Órgãos Competentes; Operações Mercantis com

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular.

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular. ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular. 13/02/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

Soluções de Consulta TAX

Soluções de Consulta TAX SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 174 de 04 de Dezembro de 2012 ASSUNTO: Contribuições Sociais Previdenciárias EMENTA: CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA (ART. 8º DA LEI Nº 12.546, DE 2011). BASE DE

Leia mais

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA TRIBUTOS INCIDENTES SOBRE VENDAS (COMPRAS), SERVIÇOS E OUTRAS RECEITAS PARTE I Prof. Emanoel Truta TRIBUTOS INCIDENTES SOBRE VENDAS, OUTRAS RECEITAS, SALÁRIOS E ENCARGOS Incidentes

Leia mais

Introdução l Resumo Exercícios 15 Demonstrações Contábeis

Introdução l Resumo Exercícios 15 Demonstrações Contábeis Introdução l 1. l Um breve histórico l l.2 Definição do termo Contabilidade 2 1.3 O processo contábil 3 1.3.1 Posicionamento do contador em relação à empresa 4 l.4 Ramos de atuação da Contabilidade 5 l.4.

Leia mais

TREINAMENTOS ABRACAF MÓDULO 1 PIS / COFINS

TREINAMENTOS ABRACAF MÓDULO 1 PIS / COFINS TREINAMENTOS ABRACAF MÓDULO 1 PIS / COFINS Base Constitucional: PIS E COFINS PIS: Art. 149 e 239 da Constituição Federal COFINS: Art. 195 da Constituição Federal 1 COFINS Art. 195. A seguridade social

Leia mais

AULA 3: OPERAÇÕES COM MERCADORIAS II

AULA 3: OPERAÇÕES COM MERCADORIAS II AULA 3: OPERAÇÕES COM MERCADORIAS II Pessoal, complementando a Aula 2, vamos tratar, agora, das Operações com Mercadorias relativamente às operações de Vendas e Apuração do Resultado dessas Vendas, o chamado

Leia mais

A questão da Cofins no regime de incidência não cumulativa. Vamos estudar os pontos principais.

A questão da Cofins no regime de incidência não cumulativa. Vamos estudar os pontos principais. Aula 8 Questões Comentadas e Resolvidas Tributos: conhecimentos básicos. Imposto de Renda Pessoa Jurídica e Contribuição social sobre o lucro. Imposto de Renda Retido na Fonte IRRF. Imposto sobre Circulação

Leia mais

1 Apresentação do Problema

1 Apresentação do Problema 1 Apresentação do Problema... 1 2 Proposta de Solução Regra Didática... 2 3 Adaptação da Solução Proposta à Critérios Internacionais de Elaboração de Demonstrações Contábeis.... 4 1 Apresentação do Problema

Leia mais

QUESTÕES POTENCIAIS DE PROVA TROPA DE ELITE CURSO AEP PROF. ALEXANDRE AMÉRICO

QUESTÕES POTENCIAIS DE PROVA TROPA DE ELITE CURSO AEP PROF. ALEXANDRE AMÉRICO QUESTÕES POTENCIAIS DE PROVA TROPA DE ELITE CURSO AEP PROF. ALEXANDRE AMÉRICO Considere que o sistema contábil da empresa comercial Zeta S.A. tenha se extraviado logo no primeiro exercício de constituição

Leia mais

Aula 3 Contextualização

Aula 3 Contextualização Custos Industriais Aula 3 Contextualização Profa. Me. Marinei Abreu Mattos Custos Industriais Uma vez compreendida a terminologia de custos e suas fases durante o processo produtivo, iremos delimitar os

Leia mais

EXERCÍCIOS DE AVALIAÇÃO

EXERCÍCIOS DE AVALIAÇÃO EXERCÍCIOS DE AVALIAÇÃO Planejamento Tributário Setembro de 2011 QUESTÃO 1 - RESPONDA AS QUESTÕES APRESENTADAS A SEGUIR: I - Cite algumas situações em que a pessoa jurídica estará obrigada à tributação

Leia mais

DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS E ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO

DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS E ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS E ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO Agosto de 2015 Palestra DIFERENCIAL DE ALÍQUOTA NA AQUISIÇÃO DE MERCADORIAS INTRERESTADUAIS Tributação do ICMS nas entradas de outra Unidade da Federação

Leia mais

Bens materiais para o Ativo Imobilizado

Bens materiais para o Ativo Imobilizado Bens materiais para o Ativo Imobilizado BENS MATERIAIS PARA O ATIVO IMOBILIZADO 1.Considerações Iniciais A aquisição de bens materiais para o ativo imobilizado envolve uma série de aspectos a serem analisados

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional 09/01/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Transferência de Crédito do ICMS pelos Optantes do... 4 3.2 Do Ressarcimento

Leia mais

CURSOS ON-LINE CONTABILIDADE EM EXERCÍCIOS ESAF PROFESSOR ANTONIO CÉSAR

CURSOS ON-LINE CONTABILIDADE EM EXERCÍCIOS ESAF PROFESSOR ANTONIO CÉSAR Amigos concursandos, É provável que alguns de vocês não me conheçam, pois normalmente não escrevo em sites. A pedido de meu amigo Vicente, resolvi participar deste projeto que acho muito interessante,

Leia mais

Configuração de Acumuladores

Configuração de Acumuladores Configuração de Acumuladores Os acumuladores são cadastro usados pelo Módulo Domínio Sistemas Fiscal para permitir a totalização dos valores lançados nos movimentos de entradas, saídas, serviços, outras

Leia mais

Imposto sobre Produtos Industrializados - IPI

Imposto sobre Produtos Industrializados - IPI Imposto sobre Produtos Industrializados - IPI BASE CONSTITUCIONAL E LEGAL Artigo 153, Inciso IV, da Constituição Federal. Decreto 4.544 de 26/12/2002: Regulamento do IPI vigência a partir de 27/12/2002.

Leia mais

1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP:

1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP: 1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP: a) Constituição de uma sociedade com capital totalmente integralizado de R$ 30.000 b) Compra à vista de mercadorias para

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS. Avaliação de Estoques

CONTABILIDADE DE CUSTOS. Avaliação de Estoques CONTABILIDADE DE CUSTOS Avaliação de Estoques IMPORTÂNCIA DO ESTUDO Importância do estudo dos critérios de avaliação dos estoques se justifica: a aquisição de um mesmo material em datas diferentes, com

Leia mais

Custos Industriais. Custo de aquisição. Custo de aquisição. Métodos de avaliação dos estoques

Custos Industriais. Custo de aquisição. Custo de aquisição. Métodos de avaliação dos estoques s Industriais Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 de aquisição O custo das mercadorias e materiais adquiridos deve incluir todos os gastos necessários para que a mercadoria ou material

Leia mais

AUDITORIA DE AVALIAÇÃO DE ESTOQUES

AUDITORIA DE AVALIAÇÃO DE ESTOQUES AUDITORIA DE AVALIAÇÃO DE ESTOQUES 1.0 - CONCEITO A auditoria de Avaliação de Estoques consiste na conferência e análise da avaliação monetária dos estoques de mercadorias destinadas à comercialização

Leia mais

Teoria e Exercícios Parte 03

Teoria e Exercícios Parte 03 PF Turmas Todas Teoria e Exercícios Parte 03 Prof. Anderson Data de impressão: 08/04/11 ELABORAÇÃO E PRODUÇÃO: UMA PARCERIA Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR/CURITIBA MATERIAL

Leia mais

AULA 9 - OPERAÇÕES COM MERCADORIAS

AULA 9 - OPERAÇÕES COM MERCADORIAS AS EMPRESAS COMERCIAIS SÃO AQUELAS CUJO OBJETO SOCIAL É A COMPRA E A REVENDA DE COM OBJETIVO DE LUCRO. O LUCRO OU PREJUÍZO OBTIDO NESSAS OPERAÇÕES É DENOMINADO RESULTADO COM. 21/11/2009 PROF. PAULO VICECONTI

Leia mais

FICHA DE CONTROLE DE ESTOQUE CRITÉRIO PEPS ENTRADA SAÍDA SALDO DATA Quanti Valor Total. Total ade Unitário

FICHA DE CONTROLE DE ESTOQUE CRITÉRIO PEPS ENTRADA SAÍDA SALDO DATA Quanti Valor Total. Total ade Unitário CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS DISCIPLINA: CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: JÚLIO CÉSAR PEREIRA MARTINS 1. AVALIAÇÃO DE ESTOQUES 1.1 INVENTÁRIO PERMANENTE É um sistema de controle de estoque onde controlamos

Leia mais

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS 1 DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS CUSTODIO ROCHA Você bem preparado para o futuro da 2profissão. 1 OBJETIVOS Identificação do Conteúdo de Custos Aplicado nas Provas de Suficiência Breve Revisão

Leia mais

CAPÍTULO 5 DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS - DLPA LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS

CAPÍTULO 5 DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS - DLPA LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO CAPÍTULOS 5,6,7 e 8 CAPÍTULO 5 DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS - DLPA LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS DESTINAÇÕES 1. Ajustes (-) Exerc. Anteriores 2. Transf. P/

Leia mais

OPERAÇÕES COM MERCADORIAS: INVENTÁRIO PERMANENTE INTRODUÇÃO

OPERAÇÕES COM MERCADORIAS: INVENTÁRIO PERMANENTE INTRODUÇÃO OPERAÇÕES COM MERCADORIAS: INVENTÁRIO PERMANENTE INTRODUÇÃO Se tiver dúvidas sobre um dos assuntos estudados até aqui, procure o professor, o colega, qualquer contador que conheça, Não fique pra trás!!!!

Leia mais

LAY-OUT ARQUIVOS DE INTEGRAÇÃO (Notas Fiscais e CTRC)

LAY-OUT ARQUIVOS DE INTEGRAÇÃO (Notas Fiscais e CTRC) EMPRESA: LAY-OUT ARQUIVOS DE INTEGRAÇÃO (Notas Fiscais e CTRC) NOME DO ARQUIVO Existem dois nomes possíveis: um para as notas de saída e outro para as notas de entrada. - Saídas : O nome do arquivo deve

Leia mais

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA! As mudanças no PIS e no Cofins! Lucro real e presumido! IR e CSLL! Simples Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante & Associados, empresa

Leia mais

Palestra. ICMS - Substituição Tributária - Atividades Sujeitas ao Regime. Julho 2010. Apoio: Elaborado por:

Palestra. ICMS - Substituição Tributária - Atividades Sujeitas ao Regime. Julho 2010. Apoio: Elaborado por: Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

AQUISIÇÕES INTERESTADUAIS INSTRUTORA: VALÉRIA PERES

AQUISIÇÕES INTERESTADUAIS INSTRUTORA: VALÉRIA PERES AQUISIÇÕES INTERESTADUAIS INSTRUTORA: VALÉRIA PERES 1 Entradas de mercadorias de outros Estados sujeitas ao regime da substituição tributária no Rio Grande do Sul ( ICMS ST pago na Entrada ) Procedimentos

Leia mais

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Mário Leitão Estrutura das Demonstrações Financeiras A análise das demonstrações financeiras exige conhecimento do que representa cada conta que nela figura. Há

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 8 Demonstração do Resultado do Exercício

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 8 Demonstração do Resultado do Exercício 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração do Resultado do Exercício Tópicos do Estudo Demonstração do Resultado do Exercício. Custo das Vendas. Despesas Operacionais. Resultados não Operacionais

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral 1. Em relação ao princípio contábil da Competência, é correto afirmar que (A) o reconhecimento de despesas deve ser efetuado quando houver o efetivo desembolso financeiro

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 03: ORIGEM E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA QUALIDADE A DRE tem por objetivo evidenciar a situação econômica de uma empresa,

Leia mais

Pergunte à CPA. Simples Nacional Regras Gerais para o ICMS

Pergunte à CPA. Simples Nacional Regras Gerais para o ICMS 1º/08/2014 Pergunte à CPA Simples Nacional Regras Gerais para o ICMS Apresentação: José A. Fogaça Neto Simples Nacional Criado pela Lei Complementar 123/06, reúne oito tributos em um recolhimento unificado

Leia mais