No prazo de 11 (onze) meses, no caso de aquisições ocorridas em agosto de 2011;

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "No prazo de 11 (onze) meses, no caso de aquisições ocorridas em agosto de 2011;"

Transcrição

1 Créditos sobre ativo imobilizado novas regras: A MP 540 artigo 4, de 2 de agosto de 2011 introduz novas regras para a tomada de crédito sobre itens do ativo imobilizado, conforme destacamos a seguir: O artigo 4º. da Lei /2008 criou a possibilidade das pessoas jurídicas tomarem créditos do PIS / Cofins, na hipótese de aquisição de máquinas e equipamentos destinados à produção de bens e serviços, apurados mediante a aplicação, a cada mês, das alíquotas correspondentes aos referidos tributos sobre 1/12 (um doze avos) do custo de aquisição do bem, para bens novos adquiridos a partir do mês de maio de Através da MP 540, de 02 de agosto de 2011, que alterou o artigo 4º. da Lei /2008 as pessoas jurídicas, nas hipóteses de aquisição no mercado interno ou de importação de máquinas e equipamentos destinados à produção de bens e prestação de serviços, poderão optar pelo desconto dos créditos da Contribuição para o PIS/Pasep e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social - COFINS da seguinte forma (aplica-se somente aos bens adquiridos ou recebidos a partir da data de publicação desta MP 540/2011): No prazo de 11 (onze) meses, no caso de aquisições ocorridas em agosto de 2011; No prazo de 10 (dez) meses, no caso de aquisições ocorridas em setembro de 2011; No prazo de 9 (nove) meses, no caso de aquisições ocorridas em outubro de 2011; No prazo de 8 (oito) meses, no caso de aquisições ocorridas em novembro de 2011; No prazo de 7 (sete) meses, no caso de aquisições ocorridas em dezembro de 2011; No prazo de 6 (seis) meses, no caso de aquisições ocorridas em janeiro de 2012; No prazo de 5 (cinco) meses, no caso de aquisições ocorridas em fevereiro de 2012; No prazo de 4 (quatro) meses, no caso de aquisições ocorridas em março de 2012; No prazo de 3 (três) meses, no caso de aquisições ocorridas em abril de 2012; No prazo de 2 (dois) meses, no caso de aquisições ocorridas em maio de 2012; No prazo de 1 (um) mês, no caso de aquisições ocorridas em junho de 2012; e Imediatamente, no caso de aquisições ocorridas a partir de julho de Os créditos serão tomados mediante a aplicação dos percentuais sobre:

2 1. O valor correspondente ao custo de aquisição do bem, no caso de aquisição no mercado brasileiro, conforme determina o art. 1º. da Lei /2002 e no caput do art. 2º. da Lei 10833/03; 2. Na forma prevista no 3º. do art. 15 da Lei /2004, no caso de importação. Para melhor controle dos créditos a serem aproveitados, até o mês de julho de 2012, uma vez que a partir da referida data os créditos podem ser tomados imediatamente, sugerimos que seja criada planilha na tomada de créditos tributários, conforme demonstramos a seguir: Tomando-se como base a aquisição de uma máquina para o processo produtivo em outubro de 2011 no valor de R$ , com ICMS embutido no preço a uma alíquota de 18%, o procedimento será: (crédito do ICMS, em regra geral tomado em 48 meses). Exemplo Registro contábil dos créditos aquisição: Débito - Máquinas e Equipamentos (imobilizado) Débito - ICMS a Recuperar (ativo circulante e Longo Prazo) Débito - Cofins a Recuperar s/ Imobilizado (ativo circulante) Débito - PIS a Recuperar s/ Imobilizado (ativo circulante) Bem: Máquina Modelo XPTO Data da Aquisição: Valor : R$ Vida útil da máquinas: Estimado em 10 anos = 120 meses. Uso: Industrial Mês do Crédito Crédito da Cofins Crédito do Pis Out/ Nov/ Dez/ Jan/ Fev/ Mar/ Abr/ Mai/ Jun/ Total Registro contábil - aproveitamento do crédito Ano base de 2011 Cofins Outubro Novembro Dezembro Déb. Cofins a Recolher (PC) Créd. Cofins a Recuperar sobre imobilizado (AC) Pis Outubro Novembro Dezembro Déb. Pis a Recolher (PC) Créd. Pis a Recuperar sobre imobilizado (AC) Nota:

3 Quando o crédito era tomado via depreciação, conforme quadro de controle sugerido anteriormente, o crédito do PIS/COFINS era apurado mediante o lançamento de redução do encargo de depreciação ou amortização. Com base nas novas regras, deve-se apurar o valor do crédito dos referidos tributos, no momento da aquisição do imobilizado, como acontece com o crédito na aquisição de mercadorias para revenda. 1ª. REVISÃO CGT 7ª. EDIÇÃO PAG Localização Consta Alterar para 226 Item 22 As receitas decorrentes... até 31 de dezembro de 2010 As receitas decorrentes... até 31 de dezembro de 2015 (artigo 9º. Da MP nr. (artigo 8º. da Lei de 451/2008) ). 230 Última linha Tributos a Recuperar vide abaixo Tributos a Recuperar vide a seguir: 241 1º. Quadro ( ) Contribuição Social sobre ( ) Despesa com CSLL Penúltima linha o Lucro Líquido 244 1º. Quadro linha ( ) Contribuição Social sobre ( ) Despesa com CSLL do meio o Lucro Líquido 245 Último quadro 2ª. ( ) Contribuição Social sobre ( ) Despesa com CSLL Linha o Lucro Líquido 245 Último quadro 4ª. ( ) Provisão para Imposto de ( ) Despesa com IRPJ Linha Renda 247 5ª. Linha Contribuição Social sobre o Despesa com CSLL (vide Lucro Líquido (vide acima) acima) 248 Contabilização Déb. Provisão para Imposto de Déb. Despesa com IRPJ Renda (resultado) (resultado) 248 1º. Quadro linha 2 ( ) Contribuição Social sobre ( ) Despesa com CSLL o Lucro Líquido 248 1º. Quadro linha 4 ( ) Provisão para Imposto de ( ) Despesa com IRPJ Renda 251 Último quadro 2ª. ( ) Contribuição Social sobre ( ) Despesa com CSLL Linha o Lucro Líquido 251 Último quadro 4ª. ( ) Provisão para Imposto de ( ) Despesa com IRPJ Linha Renda 252 No quadro antes ( ) PCS ( ) DCS do RAIR 252 No quadro ( ) PIR ( ) DIR penúltima linha 255 3ª. Linha PCS Provisão para CSLL DCS Despesa com CSLL 255 4ª. Linha PIR Provisão para Imposto DIR Despesa com IRPJ de Renda 257 No quadro: Após ( ) Provisão para CSLL ( ) Despesas com CSLL RESULTADO ANTES DA CSLL 257 No quadro: Após ( ) Provisão para IRPJ ( ) Despesa com IRPJ RESULTADO ANTES DO IRPJ 1ª. REVISÃO CGT 7ª. EDIÇÃO

4 PAG Localização Consta Alterar para 257 CSLL e IRPJ após contabilização: Déb. Provisão para CSLL (resultado) Déb. Provisão para IRPJ (resultado) Déb. Despesa com CSLL (Resultado) Déb. Despesa com IRPJ (Resultado) 258 No quadro ( ) Tributos sobre o Lucro ( ) Despesas com Tributos penúltima linha sobre o Lucro 261 2º. Parágrafo CFC, item 5.4), que veremos adiante. CFC, item 5.4), que veremos no item adiante. 263 Quadro Substituir o quando e todo o enunciado da página 264 Substituir todo o quadro da página 263 e enunciado da página 264 pelos abaixo.

5 Página 263 Consta: quadro Alterar: conforme quando abaixo DEMONSTRAÇÃO RESULTADO DO EXERCÍCIO RES. CFC 1255/09 Descrição Notas RECEITA DE VENDAS ( - ) Deduções de Vendas 1 RECEITA LÍQUIDA DE VENDAS ( - ) Custo das Mercadorias / Serviços Vendidos LUCRO BRUTO ( - ) Despesas Operacionais ( - ) Despesas com Vendas ( - ) Despesas Administrativas ( - ) Despesas Tributárias 2 ( - ) Despesas Gerais ( - ) Despesas com Investimentos em outras sociedades 3 ( +) Receitas Operacionais Receitas com Investimentos em outras sociedades 3 Outras Receitas Operacionais RES. ANTES RECEITAS E DESPESAS FINANCEIRAS ( - ) Despesas Financeiras 4 (+ ) Receitas Financeiras 4 RES. ANTES DOS TRIBUTOS SOBRE O LUCRO ( - ) Despesa com CSLL 5 ( - ) Despesa com IRPJ 5 RES. LÍQUIDO DAS OPERAÇÕES CONTINUADAS ( +) Venda do ativo não circulante 6 ( - ) Custo do ativo não circulante vendido 6 ( +) Resultado do ajuste a valor justo 6 ( +) Outros resultados de operações descontinuadas 6 RESULTADO DAS OPERAÇÕES DESCONTINUADAS ( - ) Despesa com CSLL Operações Descontinuadas 5 ( - ) Despesa com IRPJ Operações Descontinuadas 5 RES. LÍQUIDO DAS OPERAÇÕES DESCONTINUADAS RESULTADO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO Página 264

6 Nota 1... até...tais resultados Alterar para: substituir tudo conforme enunciado abaixo: Nota 1 Deduções de Vendas: Essa linha não é contemplada pela DRE elaborada pelas regras internacionais (Res. CFC 1255/2009). Porém como as deduções com vendas representam uma parcela expressiva do total das vendas, ainda que não contemplada tal linha na DRE, entendemos ser muito interessante a sua evidenciação. Nota 2 Despesas Tributárias: Essa linha não é contemplada pela DRE elaborada pelas regras internacionais (Res. CFC 1255/2009). Porém como as despesas tributárias evidenciadas nessa linha não representam tributos sobre o lucro (linhas específicas para CSLL e IRPJ) e o valor pode ser expressivo, é de bom grado que tal informação seja evidenciada na DRE, como subsídio de informações da referida demonstração para fins gerenciais. Nota 3 Resultado com Investimento em outras Sociedades: Evidencia o resultado (receitas e/ou despesas) em investimentos avaliado pelo MEP Método da Equivalência Patrimonial, os resultados na alienação, bem como a amortização de ágio e/ou deságio na aquisição de investimentos. Nota 4 Resultado Financeiro Líquido: Há a necessidade de evidenciação em grupos distintos de despesas financeiras e receitas financeiras para a apuração do resultado líquido dos referidos grupos. Pode se notar que o grupo (Resultado Financeiro Líquido) está incluído no resultado das operações continuadas, conhecido anteriormente como Resultado Operacional. Não há novidades com relação a classificação do referido grupo com as novas regras contábeis, pois assim, já era classificado pela Lei 6.404/76, antes das alterações de Nota 5 Despesa com CSLL e IRPJ: A regra determina que os tributos sobre o lucro devem figurar no mesmo componente em que a transação ou outro evento que resultou da despesa tributária foi reconhecida. Assim, os tributos sobre o lucro gerados pelas atividades continuadas devem figurar no referido grupo. Sabemos também que a CSLL bem como o IRPJ não são calculados sobre o resultado contábil, e sim, sobre o resultado contábil ajustado, conforme determina a legislação fiscal. Na DRE seguinte, será demonstrado em exemplo, o cálculo o dos referidos tributos, considerando os ajustes fiscais previstos em lei, bem como a sua segregação em atividade continuada e descontinuada. Nota 6 Resultado de Operações Descontinuadas: O grupo de Resultado de Operações Descontinuadas na prática, substitui o grupo de Resultado não Operacional e passa a ter um rol maior de contas, tais como venda e custo da venda de ativo não circulante, resultado de mensuração ao valor justo, baixa de ativos ou grupo de ativos à disposição para venda que constituem a unidade operacional descontinuada e as provisões tributárias sobre os resultado das referidas operações descontinuadas.

7 1ª. REVISÃO CGT 7ª. EDIÇÃO PAG Localização Consta Alterar para 265 Quadro após ( ) Provisão para CSLL Vide ( ) Despesa com CSLL Vide RESULTADO ANTES cálculo abaixo cálculo a seguir DOS TRIBUTOS ( ) Provisão para IRPJ vide ( ) Despesa com IRPJ vide SOBRE O LUCRO cálculo abaixo cálculo a seguir 265 Quadro após ( ) Provisão para CSLL Vide ( ) Despesa com CSLL RESULTADO DAS Operações Descontinuadas Oper. Descontinuadas vide OPERAÇÕES vide abaixo a seguir DESCONTINUADAS ( ) Provisão para IRPJ ( ) Despesa com IRPJ Operações Descontinuadas vide abaixo Oper. Descontinuadas vide a seguir º. Parágrafo última linha 268 No quadro, logo após o Lucro Líquido do Exercicio 269 No Quadro logo após RESULTADO DAS OPERAÇÕES CONTINUADAS 269 1º. Quadro 1ª. Linha...as DREs das duas maneiras. ( +) Ajustes positivos de valores abrangentes ( ) Ajustes negativos de valores abrangentes. ( ) Provisão para CSLL Operações Descontinuadas vide abaixo ( ) Provisão para IRPJ Operações Descontinuadas vide abaixo RES. LÍQUIDO DAS OPERAÇÕES CONTINUADAS as DREs das duas maneiras ou mesclá las de forma a atender a referida lei e a Resolução CFC 1255/2009. ( +) Ajustes positivos de valores abrangentes (sem trânsito pela DRE) ( ) Ajustes de valores abrangentes (sem trânsito pela DRE) ( ) Despesa com CSLL Oper. Descontinuadas vide a segur ( ) Despesa com IRPJ Oper. Descontinuadas vide a segur. RES. LÍQUIDO DAS OPERAÇÕES CONTINUADAS º. QUADRO LOGO APÓS RESULTADO DAS OPERAÇÕES DESCONTINUADAS 269 1º. QUADRO Ultima linha º. QUADRO 2ª. Linha 269 2º. QUADRO 3ª,E 4ª. Linhas ( ) Provisão para CSLL vide abaixo ( ) Provisão para IRPJ vide abaixo RESULTADO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO RESULTADO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO (+) Ajustes de anos anteriores ( ) Ganhos e Perdas Atuariais... ( ) ( ) Despesa com CSLL vide a seguir ( ) Despesa com IRPJ vide a seguir RESULTADO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO RESULTADO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO (+) Ajustes de anos anteriores ( ) Ganhos e Perdas Atuariais... ( )

8 1ª. REVISÃO CGT 7ª. EDIÇÃO PAG Localização Consta Alterar para 269 2º. QUADRO 5ª. Linha 269 2º. QUADRO linhas 6 e 7 (+) Ganhos e Perdas com entidades coligadas/controladas ( ) Provisão para CSLL 9% (hipótese) (+) Ganhos e Perdas com entidades coligadas/controladas ( ) Despesa com CSLL 9% (hipótese anos anteriores) 269 2º. QUADRO linhas 8, 9 e 12 ( ) Provisão para IRPJ 15% (hipótese) Resultado Abrangente do Período RESULTADO ABRANGENTE TOTAL ( ) Destinação para Reservas de Lucros Retidos... ( ) ( ) Despesa com IRPJ 15% (hipótese anos anteriores) Resultado Abrangente do Período RESULTADO ABRANGENTE TOTAL ( ) Destinação para Reservas de Lucros Retidos... ( ) 269 2º. QUADRO LINHAS 16,17,18, 19 E 20 Acionistas não controladores 20% Acionistas controladores Acionistas não controladores 20% Acionistas não controladores 20% Acionistas controladores 80% Acionistas não controladores 20% Acionistas controladores... Acionistas controladores... RESULTADO ABRANGENTE TOTAL º. PARÁGRAFO Linhas sublinhadas em vermelho sem negritar 282 Item 8.2..ajuste é feito pelo CONTROLE menos... a legislação. PERIÓDICO DE ESTOQUE 2º. PARÁGRAFO 282 Última linha...doria Vendida (CMV), conforme demonstrado abaixo: RESULTADO ABRANGENTE TOTAL Negritar somente as palavras que estão sublinhadas...ajuste é feito pelo menos... a legislação fiscal....doria Vendida (CMV), conforme demonstrado a seguir:

9 1ª. REVISÃO CGT 7ª. EDIÇÃO PAG Localização Consta Alterar para 284 1ª. Nota: Vide Vide exemplo a abaixo: Vide exemplo a seguir: exemplo a abaixo 284 Item ª. Linha... abril de abril de Último quadro NOTA FISCAL DE COMPRA NOTA FISCAL DE COMPRA º. Quadro NOTA FISCAL Compras NOTA FISCAL Compras canceladas canceladas º. Quadro NOTA FISCAL DE VENDAS NOTA FISCAL DE VENDAS º. QUADRO NOTA FISCAL Vendas NOTA FISCAL DE VENDAS canceladas Quadro 1ª. Coluna a esquerda º. Quadro NOTA FISCAL DE COMPRA NOTA FISCAL DE COMPRA º. QUADRO NOTA FISCAL Compras NOTA FISCAL DE COMPRA canceladas º. Quadro NOTA FISCAL DE VENDAS NOTA FISCAL DE COMPRA º. QUADRO NOTA FISCAL Vendas NOTA FISCAL DE COMPRA Canceladas Item ª. Linha... meras maneiras. Podemos destacas as seguintes meras maneiras. Podemos destacar as seguintes Logo após o item entradas; entradas. Ainda que não nr. 2 UEPS ou permitido pelas regras fiscais Lifo 3ª. Linha brasileiras e internacionais, pode ser uma ferramenta interessante para fins gerenciais.

10 Página 299 imediatamente anterior ao item Acrescentar logo após a última palavra incorridos : Regras internacionais Conforme item e da Res. CFC 1255/2009, a entidade deve avaliar o custo de estoques de itens que não são comumente intercambiáveis, e bens ou serviços produzidos e segregados por projetos específicos pelo uso de identificação específica de seus custos individuais. Representa a avaliação individual para cada bem adquirido ou produzido, nos casos em que não faz sentido trabalhar com preço médio ou preço PEPS. Exemplo: Seria irreal trabalhar com preço médio ou PEPS em um estoque de esteiras produzidas ou adquiridas com 200 metros e 500 metros, como também seria irreal aplicar os mesmos critérios quando em um mesmo prédio temos apartamentos construídos com 60 m2 e 150 m2. A entidade deve avaliar o custo de estoques, usando o primeiro a entrar, o primeiro a sair (PEPS ou FIFO), ou o método do custo médio ponderado. O mesmo método de avaliação do custo para todos os estoques que tenham natureza e uso similar para a entidade. Para estoques com natureza ou uso diferente, métodos de custo diferentes podem ser justificados. O método último a entrar, primeiro a sair (UEPS ou LIFO) não é permitido pela legislação fiscal brasileira, bem como pelas regras internacionais. Página 299 Acrescentar imediatamente anterior ao item Legislação Fiscal - Avaliação Integra o custo das mercadorias Com base no item 13 da Resolução CFC 1255/2009 Contabilidade para Pequena e Média empresa, a entidade avalia estoques pelo menor valor entre o custo e o preço de venda estimado diminuído dos custos para completar a produção e despesas de venda. A entidade inclui no custo de estoques todos os custos de compra, custos de transformação e outros custos incorridos para trazer os estoques para sua localização e condição atuais. Os custos de aquisição de estoques abrangem o preço de compra, tributos de importação e outros tributos (com exceção daqueles posteriormente recuperáveis pela entidade), transporte, manuseio e outros custos diretamente atribuíveis à aquisição de bens acabados, materiais e serviços. Descontos comerciais, abatimentos e outros itens similares são deduzidos na determinação dos custos de compra.

11 A entidade pode adquirir estoques em condições de pagamento em data futura. Em alguns casos o acordo contém, efetivamente, elemento financeiro não declarado, por exemplo, uma diferença entre o preço de compra para termos normais de crédito e o valor para pagamento em data futura. Nesses casos, a diferença é reconhecida como despesa com juros durante o período do financiamento e não somada ao custo dos estoques. Exemplo: Determinada empresa adquire mercadorias a prazo pelo valor de R$ a serem pagas em 10 meses, com uma taxa mensal de juros de 1,50%, e cálculo efetuado de acordo com a tabela price, conforme política de juros definida pelo fornecedor. Valor total da dívida com juros Parc. Nr. Prestação Juros Amortização Saldo devedor ,00 01/ , , , ,16 02/ , , , ,03 03/ , , , ,38 04/ , , , ,96 05/ , , , ,44 06/ , , , ,41 07/ , , , ,41 08/ ,84 947, , / ,84 636, , ,34 10/ ,84 320, ,00 Total , , ,00 - Fórmula: Onde: pmt: Valor da parcela PV: Valor Presente (do inglês Present Value) i: Taxa de juros n: Número de períodos No caso do exemplo, o cálculo da pmt: é: Pmt = ,00 x 0,015_ = 3.000,00_ = $ , ,13833 (1,015) Com base nos dados acima: Valor presente = $ ,00 Valor futuro = $ ,36 = valor da nota fiscal Parcela = $ ,84 Pela aquisição de mercadorias - nota fiscal = $ ,36

12 Débito: Mercadorias (AC) ,36 Crédito: Fornecedores (PC) ,36 Pelo ajuste a valor presente data de aquisição - $ ,36 Débito: Fornecedores (PC) ,36 Crédito: Mercadorias (AC) ,36 Pagamento das parcelas registro contábil Contabilização Parcela 01 Parcela 02 Parcela 03 Déb. Fornecedores , , ,65 Déb. Despesas com Juros 3.000, , ,19 Créd. Caixa ou Bancos , , ,84 Nota: No exemplo acima foi utilizada a tabela price, mas poderia ser financiada a operação dentro de outra política de juros, inclusive com a adoção de juros lineares, juros exponenciais, etc. Vale lembrar que qualquer que seja a modalidade, nas vendas de longo prazo, deve-se efetuar o AVP Ajuste a Valor Presente e pela Lei das S/A, aplica-se também o AVP nas operações de curto prazo, quando o valor for relevante. A entidade deve avaliar em cada data de publicação (divulgação das demonstrações contábeis por qualquer meio) se quaisquer estoques estão desvalorizados. A avaliação deve ser feita por meio da comparação do valor contábil de cada item do estoque (ou grupo de itens similares) com seu preço de venda menos os custos para completar e vender. Se o valor do estoque for superior ao valor recuperável, a redução é uma perda por desvalorização e é reconhecida imediatamente no resultado. Exemplo: No final de determinado período de apuração, a entidade que trabalha com dois tipos de mercadoria efetuou a contagem física e observou que haviam no estoque, avaliadas ao Custo Médio (CM) de aquisição, as mercadorias a seguir: Mercadoria CM aquisição Qtde Saldo estoque Preço venda estimado A B Avaliação do estoque final Descrição Mercadoria A $ Mercadoria B $ Preço de venda ( - ) Impostos sobre as vendas 27,25% (4.905) (19.075) ( - ) Despesas com comissões (540) (2.500) ( - ) Despesas com fretes e seguros (300) (1.500) ( - ) Outras despesas com vendas (150) (500) Sub Total valor recuperável Custo médio de aquisição Avaliar por menor valor Quantidade em estoque Estoque final Contábil Ajuste na perda de estoque -o

13 Com base no quadro acima, notamos que o valor da mercadoria B está superavaliada, pois será recuperado apenas $ , no entanto o valor contábil é de $ A diferença no montante de R$ ($ ) deve ser reconhecido como perda, com o seguinte lançamento contábil: Débito - Perdas de Estoque (resultado) Crédito- Ajuste por Perdas de Estoque (ativo circulante) Perdas por desvalorização Caso seja impraticável determinar o preço de venda menos os custos para completar e vender dos estoques item a item, a entidade pode agrupar itens do estoque relacionados com a mesma linha de produto que possuem propósitos ou utilizações finais similares e são produzidos e vendidos na mesma área geográfica para os propósitos de avaliação da redução ao valor recuperável. Reversão de redução ao valor recuperável A entidade deve fazer nova avaliação do preço de venda menos custos para completar e vender em cada data de divulgação subsequente. Quando as circunstâncias que originaram anteriormente a desvalorização dos estoques não existirem mais ou quando existir evidência clara do aumento do preço de venda menos custos para completar e vender em razão de mudanças nas circunstâncias econômicas, a entidade deve reverter o valor da desvalorização (isto é, a reversão é limitada ao valor da perda por desvalorização original) de forma que o novo valor contábil seja o menor entre o custo e o valor revisado do preço de venda menos custos para completar e vender. 1ª. REVISÃO CGT 7ª. EDIÇÃO PAG Localização Consta Alterar para 300 1º. Quadro 1º. Coluna a esquerda 301 1º. Quadro segunda linha 301 1º. Quadro 1ª. Coluna a esquerda 301 2º. Quadro 1ª. Coluna a esquerda em 12 linhas 302 1º. E 2º. Quadro 1ª. Coluna a esquerda conforme sugestão em vermelho único produto, de...único produto, de janeiro/2001 janeiro/2012 Consta 2001 em 8 linhas Alterar todas as 8 linhas para

14 1ª. REVISÃO CGT 7ª. EDIÇÃO PAG Localização Consta Alterar para 303 Item Integra o Custo das mercadorias Item integra o custo das mercadorias Excluir todo o item e todo o enunciado dele. 303 Item CONTA CONTA MISTA CONTA MISTA MISTA 303 PENÚLTIMA LINHA Exemplo: a Cia Ebolus...do Exemplo: a Cia Ebolus...do exercício de 2000, tinha... exercício de 2011, tinha Primeira linha Durante o período base de 2001, Durante o período base de a Cia , a Cia LOGO APÓS A NADA ACRESCENTAR A QUESTÃO 25, QUESTÃO e 27 Dados para as questões 25 e 26 Determinada empresa possui em seu estoque as mercadorias X com unidades e Y com unidades para revenda, ao custo médio de aquisição de $ e $ respectivamente. Dados adicionais Venda estimada da mercadoria X = $ ; despesas das vendas = $ 2.160; Venda estimada da mercadoria Y = $ ; despesas das vendas = $ ; 25. Com base nos dados acima, podemos afirmar que o saldo do estoque de mercadorias no final do período é de: a) $ ; b) $ ; c) $ ; d) $ ; e) $ Com base nos dados acima, podemos afirmar que o valor do ajuste destinado à perda por desvalorização do estoque no período foi de: a) $ b) $ c) $ ; d) $ ; e) $

15 27. Assinalar a alternativa incorreta: a) Descontos incondicionais (comerciais) obtidos não compõem o custo de aquisição de mercadorias; b) Os abatimentos sobre compra de mercadorias não compõem o custo de aquisição de mercadorias; c) Os juros cobrados nas compras a prazo não compõem o custo da mercadoria adquirida; d) O estoque poderá ser avaliado pelo preço PEPS ou Preço Médio; e) O custo de aquisição de mercadorias é sempre o valor total da Nota Fiscal de compra.

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1..

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1.. 1. INVENTÁRIOS 1..1 Periódico Ocorre quando os estoques existentes são avaliados na data de encerramento do balanço, através da contagem física. Optando pelo inventário periódico, a contabilização das

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos MP627 Alterações Fiscais sobre o Ajuste a Valor Presente

Parecer Consultoria Tributária Segmentos MP627 Alterações Fiscais sobre o Ajuste a Valor Presente 11/03/2014 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas Pelo Cliente... 4 3. Análise da Legislação... 5 a. Ajuste a Valor Presente no Contas a Receber... 5 b. Ajuste

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO Olá, pessoal! Hoje trago uma aula sobre a Demonstração do Valor Adicionado DVA, que foi recentemente tornada obrigatória para as companhias abertas pela Lei 11.638/07, que incluiu o inciso V ao art. 176

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA Sumário 1. Considerações Iniciais 2. Estrutura da Demonstração do Valor Adicionado 2.1 - Grupo de Receita Bruta - Outras Receitas 2.2 - Grupo de Insumos Adquiridos

Leia mais

13. Operações com mercadoria

13. Operações com mercadoria MATERIAL DE APOIO - ENVIADO PELO PROFESSOR 13. Operações com mercadoria Na comercialização de mercadoria (principal objeto de empresa comercial) existirão os tributos; entre eles o ICMS que será estudado

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ALCANCE 1.... estabelece critérios e procedimentos específicos a serem observados pelas entidades

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA

CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA 1 CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA Prof. Carmem Haab Lutte Cavalcante 2012 2 CONTABILIDADE SOCIETARIA 2 3 1 CONTABILIDADE Conceito de contabilidade, campo de atuação, usuários, objetivos

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação a conceitos, objetivos e finalidades da contabilidade, julgue os itens que se seguem. 51 Auxiliar um governo no processo de fiscalização tributária é uma das finalidades

Leia mais

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I).

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I). Comentários à nova legislação do P IS/ Cofins Ricardo J. Ferreira w w w.editoraferreira.com.br O PIS e a Cofins talvez tenham sido os tributos que mais sofreram modificações legislativas nos últimos 5

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito PIS - Cofins - Baixa do ativo

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito PIS - Cofins - Baixa do ativo Crédito PIS - Cofins - Baixa do ativo 09/12/2013 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 5 5. Informações

Leia mais

Tributos sobre o Lucro Seção 29

Tributos sobre o Lucro Seção 29 Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

2.2 Resultado com mercadorias 2.3 Impostos que afetam as mercadorias 2.4 Critérios de avaliação do estoque

2.2 Resultado com mercadorias 2.3 Impostos que afetam as mercadorias 2.4 Critérios de avaliação do estoque Disciplina: Contabilidade Comercial I Período: 2º Tipo: I Professor: Evaldo Modesto de Ávila Curso: Ciências Contábeis Assunto: Texto Semestre: 2º Nome: Nº: Apostila : Turma: ÚNICA Turno: NOITE Data: 002

Leia mais

Bacharelado CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Parte 6

Bacharelado CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Parte 6 Bacharelado em CIÊNCIAS CONTÁBEIS Parte 6 1 NBC TG 16 - ESTOQUES 6.1 Objetivo da NBC TG 16 (Estoques) O objetivo da NBC TG 16 é estabelecer o tratamento contábil para os estoques, tendo como questão fundamental

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16 Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO CFC N.º 1.418/12 Aprova a ITG 1000 Modelo Contábil para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais e com

Leia mais

http://www.itcnet.com.br/materias/printable.php

http://www.itcnet.com.br/materias/printable.php Página 1 de 5 1 de Setembro, 2011 Impresso por ANDERSON JACKSON TOASSI DEVOLUÇÃO DE MERCADORIAS COMPRADAS NAS OPERAÇÕES COMERCIAIS 1 - Introdução Nas relações comerciais as operações de devolução e retorno

Leia mais

Comentários da prova SEFAZ-PI Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova SEFAZ-PI Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Olá amigos, Comentários da prova SEFAZ-PI ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE GERAL - SEFAZ-PI Trago para vocês os comentários da prova da SEFAZ-PI realizado no último

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral 1. Em relação ao princípio contábil da Competência, é correto afirmar que (A) o reconhecimento de despesas deve ser efetuado quando houver o efetivo desembolso financeiro

Leia mais

expert PDF Trial Estoques (Métodos de Avaliação do Estoque pelas Normas Contábeis e Fiscais)

expert PDF Trial Estoques (Métodos de Avaliação do Estoque pelas Normas Contábeis e Fiscais) Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400 - ramal 1529 (núcleo de relacionamento) Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva, 60 Higienópolis

Leia mais

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66 Apresentação Parte I - CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE, 1 1 Introdução ao Estudo da Ciência Contábil, 3 1 Conceito, 3 2 Objeto, 3 3 Finalidade, 4 4 Técnicas contábeis, 4 5 Campo de aplicação, 5

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO ATUAL IBDT/AJUFE/FDUSP-DEF LEI 12.973/14. O que foi alterado na apuração do IRPJ?

III CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO ATUAL IBDT/AJUFE/FDUSP-DEF LEI 12.973/14. O que foi alterado na apuração do IRPJ? III CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO ATUAL IBDT/AJUFE/FDUSP-DEF LEI 12.973/14 O que foi alterado na apuração do IRPJ? Alberto Pinto DL 1598/77 LEI 12.973/14 Alterações Art 6º - Lucro real é o

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Principais Aspectos da Regulação da Lei 12.973/14

Principais Aspectos da Regulação da Lei 12.973/14 Principais Aspectos da Regulação da Lei 12.973/14 pela IN 1.515/14 Julio Chamarelli Sócio de Consultoria Tributária da KPMG jcepeda@kpmg.com.br Sergio André Rocha Professor Adjunto de Direito Financeiro

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2014 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 03: ORIGEM E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA QUALIDADE A DRE tem por objetivo evidenciar a situação econômica de uma empresa,

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa V Pagamento de fornecedores Retenção de IRF sobre serviços Retenção de IRF sobre salários Pró-labore Integralização de capital em dinheiro Integralização de capital em bens Depreciação ICMS sobre vendas

Leia mais

Prof. Carlos Barretto

Prof. Carlos Barretto Unidade IV CONTABILIDADE FINANCEIRA Prof. Carlos Barretto Objetivos gerais Capacitar os estudantes a adquirir conhecimentos necessários para o desenvolvimento das seguintes competências: consciência ética

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos Tópicos do Estudo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (Doar). Uma primeira tentativa de estruturar

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

SEÇÃO 27 REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVOS. Dezembro 2011. Elaborado por:

SEÇÃO 27 REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVOS. Dezembro 2011. Elaborado por: Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Telefones: 11 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento); fax 11 3824-5487 E-mail: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, LEI Nº 9.718, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1998. Altera a Legislação Tributária Federal. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º Esta Lei aplica-se

Leia mais

Pedro@ananadvogados.com.br

Pedro@ananadvogados.com.br Pedro@ananadvogados.com.br Sócio de Anan Advogados Especialista em Direito Empresarial pela PUC-SP MBA Controller pela FEA-USP Membro da Diretoria Jurídica da ANEFAC Diretor do Conselho Consultivo da APET

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO O artigo 187 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (Lei das Sociedades por Ações), instituiu a Demonstração do Resultado do Exercício. A Demonstração do Resultado

Leia mais

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar A seguir um modelo de Plano de Contas que poderá ser utilizado por empresas comerciais, industriais e prestadoras de serviços, com as devidas adaptações: 1 Ativo 1.1 Ativo Circulante 1.1.1 Disponível 1.1.1.01

Leia mais

Contabilidade Avançada

Contabilidade Avançada Contabilidade Avançada Estoques Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis sobre Estoques: No IASB: IAS 2 Inventories No CPC: CPC 16 (R1) Estoques Fundamentação no Brasil: Quem já aprovou o CPC 16 (R1)?

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade. Aula: 04 Prof.: Adelino Corrêa DATA: 26/10/2008. 13. Operações com mercadoria

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade. Aula: 04 Prof.: Adelino Corrêa DATA: 26/10/2008. 13. Operações com mercadoria 13. Operações com mercadoria Na comercialização de mercadoria (principal objeto de empresa comercial) existirão os tributos; entre eles o ICMS que será estudado na compra e venda da mercadoria. Impostos

Leia mais

CONSELHO REGIONAL CONTABILIDADE RIO GRANDE DO SUL PALESTRA

CONSELHO REGIONAL CONTABILIDADE RIO GRANDE DO SUL PALESTRA CONSELHO REGIONAL CONTABILIDADE RIO GRANDE DO SUL PALESTRA ATIVIDADE IMOBILIÁRIA Compra e Venda, Incorporação, Loteamento e Construção para Venda de Imóveis Aspectos Contábeis e Tributários Sergio Renato

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS GERÊNCIAIS E ECONÔMICAS Ciências Contábeis Contabilidade em moeda constante e conversão de demonstrações contábeis para moeda estrangeira

Leia mais

Contabilidade Empresarial e Comercial 27-08-2012 - ETEC GUARACY. Prof. Procópio 2º CONTAB Aula - 8

Contabilidade Empresarial e Comercial 27-08-2012 - ETEC GUARACY. Prof. Procópio 2º CONTAB Aula - 8 AULA 8 Sistema para Controle de Estoques o Inventário Periódico o Contabilização Fórmula do CMV/RCM Sistema para Controle de Estoques Devemos observar o método de avaliação escolhido, pois ele afetará

Leia mais

ASSUNTOS CONTÁBEIS EXEMPLOS DE APURAÇÃO DO IRPJ - LUCRO REAL. Balancete encerrado em 31.08.2007

ASSUNTOS CONTÁBEIS EXEMPLOS DE APURAÇÃO DO IRPJ - LUCRO REAL. Balancete encerrado em 31.08.2007 SUPERAVIT - Boletim Eletrônico Fiscal Consultoria TRIBUTÁRIA: (84) 3331-1310 E-Mail: jorge@superavitcontabil@com.br MSN: superavit.contabil@hotmail.com SITE: www.superavitcontabil.com.br ASSUNTOS CONTÁBEIS

Leia mais

DVA Demonstração do Valor Adicionado

DVA Demonstração do Valor Adicionado DVA Demonstração do Valor Adicionado A DVA foi inserida pela Lei nº 11.638/2007, (artigo 176, inciso V), no conjunto de demonstrações financeiras que as companhias abertas devem apresentar ao final de

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA. Profa. Divane Silva

Unidade II CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA. Profa. Divane Silva Unidade II CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Profa. Divane Silva Contabilidade tributária A disciplina está dividida em 02 Unidades: Unidade I 1. Introdução 2. Impostos Incidentes sobre o Valor Agregado 3. Impostos

Leia mais

De acordo com a NBC TG16(R1), estoques, seu item número 9 define como os estoques devem ser mensurados, assim transcrito abaixo:

De acordo com a NBC TG16(R1), estoques, seu item número 9 define como os estoques devem ser mensurados, assim transcrito abaixo: PROVA BACHAREL PRIMEIRO EXAME DE SUFICIÊNCIA 2014. TESE PARA RECURSOS Questão 1 De acordo com a NBC TG16(R1), estoques, seu item número 9 define como os estoques devem ser mensurados, assim transcrito

Leia mais

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Mário Leitão Estrutura das Demonstrações Financeiras A análise das demonstrações financeiras exige conhecimento do que representa cada conta que nela figura. Há

Leia mais

RAZÃO DAS CONTAS CONTÁBEIS E NÃO FINACEIRAS DEPRECIAÇÃO, AMORTIZAÇÃO, EXAUSTÃO, REC/DESP. EQUIV. PATRIMONIAL

RAZÃO DAS CONTAS CONTÁBEIS E NÃO FINACEIRAS DEPRECIAÇÃO, AMORTIZAÇÃO, EXAUSTÃO, REC/DESP. EQUIV. PATRIMONIAL EXERCÍCIO DE DFC 03 RAZÃO DAS CONTAS DO CAIXA E EQUIVALENTES (DISPONÍVEL) CAIXA, BANCOS, APLICAÇÕES DE CURTÍSSIMO PRAZO (ATÉ 90 DIAS) CONTA BCO C/MOVIM Saldo Inicial: 2.270.700,00 10/01 Pela Aquisição

Leia mais

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 RELATÓRIO DE PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: UM ESTUDO DE CASO EM EMPRESA QUE ATUA NO RAMO DE SITUADA NO MUNICÍPIO DE

Leia mais

2.2. Tratamento tributário dos juros e Imposto de Renda na Fonte

2.2. Tratamento tributário dos juros e Imposto de Renda na Fonte EXERCÍCIOS PRÁTICOS - PLANILHAS DE CÁLCULOS CONTABILIZAÇÕES 1. Empréstimo Bancário Contabilização de empréstimo (Planilha 1), considerando que não houve despesas incrementais de captação, como taxas e

Leia mais

1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP:

1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP: 1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP: a) Constituição de uma sociedade com capital totalmente integralizado de R$ 30.000 b) Compra à vista de mercadorias para

Leia mais

AULA 9 - OPERAÇÕES COM MERCADORIAS

AULA 9 - OPERAÇÕES COM MERCADORIAS AS EMPRESAS COMERCIAIS SÃO AQUELAS CUJO OBJETO SOCIAL É A COMPRA E A REVENDA DE COM OBJETIVO DE LUCRO. O LUCRO OU PREJUÍZO OBTIDO NESSAS OPERAÇÕES É DENOMINADO RESULTADO COM. 21/11/2009 PROF. PAULO VICECONTI

Leia mais

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_...

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... Página 1 de 14 CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Considerações ROTEIRO 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz 18/12/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade II DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 3 INTRODUÇÃO 1 2 A demonstração dos fluxos de caixa (DFC), a partir de 01/01/08, passou a ser uma demonstração obrigatória, conforme estabeleceu a lei

Leia mais

EXERCÍCIOS DE AVALIAÇÃO

EXERCÍCIOS DE AVALIAÇÃO EXERCÍCIOS DE AVALIAÇÃO Planejamento Tributário Setembro de 2011 QUESTÃO 1 - RESPONDA AS QUESTÕES APRESENTADAS A SEGUIR: I - Cite algumas situações em que a pessoa jurídica estará obrigada à tributação

Leia mais

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero).

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero). 1. (SEFAZ-PI-2015) Uma empresa, sociedade de capital aberto, apurou lucro líquido de R$ 80.000.000,00 referente ao ano de 2013 e a seguinte distribuição foi realizada no final daquele ano: valor correspondente

Leia mais

1 Apresentação do Problema

1 Apresentação do Problema 1 Apresentação do Problema... 1 2 Proposta de Solução Regra Didática... 2 3 Adaptação da Solução Proposta à Critérios Internacionais de Elaboração de Demonstrações Contábeis.... 4 1 Apresentação do Problema

Leia mais

Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro. Contabilidade. História. Contabilidade e Balanço Patrimonial

Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro. Contabilidade. História. Contabilidade e Balanço Patrimonial Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro Contabilidade e Balanço Patrimonial Contabilidade É a ciência teórica e prática que estuda os métodos de cálculo e registro da movimentação financeira e patrimônio

Leia mais

Devolução de mercadoria vendida - Contabilização - Roteiro de Procedimentos

Devolução de mercadoria vendida - Contabilização - Roteiro de Procedimentos Devolução de mercadoria vendida - Contabilização - Roteiro de Procedimentos Neste Roteiro trataremos sobre a contabilização das mercadorias recebidas em devolução. O texto encontra-se atualizado à Resolução

Leia mais

Banrisul Armazéns Gerais S.A.

Banrisul Armazéns Gerais S.A. Balanços patrimoniais 1 de dezembro de 2012 e 2011 Nota Nota explicativa 1/12/12 1/12/11 explicativa 1/12/12 1/12/11 Ativo Passivo Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 17.891 18.884 Contas

Leia mais

19. Patrimônio líquido 19.1 Capital 20. Balanço patrimonial de acordo com a Lei n.º 6.404/76 e alterações Questões de provas comentadas

19. Patrimônio líquido 19.1 Capital 20. Balanço patrimonial de acordo com a Lei n.º 6.404/76 e alterações Questões de provas comentadas Sumário CAPÍTULO 1 CONCEITOS BÁSICOS 1. Conceito de contabilidade 1.1 Ciência social 1.1.1 Princípios de contabilidade 1.2 Objeto da contabilidade 1.3 Objetivo da contabilidade 1.4 Finalidade da contabilidade

Leia mais

TIRANDO DÚVIDAS E SOLUCIONANDO PROBLEMAS

TIRANDO DÚVIDAS E SOLUCIONANDO PROBLEMAS CONTABILIZAÇÃO DO PIS E DA COFINS 729 TIRANDO DÚVIDAS E SOLUCIONANDO PROBLEMAS Plantão Tributário Fisco e Contribuinte (*) por Silvério das Neves CONTABILIZAÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES NÃO-CUMULATIVAS AO PIS

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

Fiscal - ECF. Me. Fábio Luiz de Carvalho. Varginha-MG, 31.julho.2015

Fiscal - ECF. Me. Fábio Luiz de Carvalho. Varginha-MG, 31.julho.2015 Escrituração Contábil Fiscal - ECF Me. Fábio Luiz de Carvalho Varginha-MG, 31.julho.2015 Causa & Efeito A Lei n. 11.638/07 combinada com os Pronunciamentos emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis

Leia mais

Teste de recuperabilidade Impairment test

Teste de recuperabilidade Impairment test 1 Teste de recuperabilidade Impairment test A informação tem sido considerada o principal insumo para a obtenção de um conhecimento maior acerca das decisões que devem ser tomadas no âmbito das organizações.

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 Índice 1. Lucro presumido...3 2. Lucro real...4 2 Dentre os regimes tributários, os mais adotados são os seguintes: 1. LUCRO PRESUMIDO Regime de tributação colocado

Leia mais

Comparações entre Práticas Contábeis

Comparações entre Práticas Contábeis IAS 12, SIC-21, SIC-25 SFAS 109, I27, muitas questões EITF NPC 25 do Ibracon, Deliberação CVM 273/98 e Instrução CVM 371/02 Pontos-chave para comparar diferenças D i f e r e n ç a s S i g n i f i c a t

Leia mais

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL Ana Beatriz Nunes Barbosa Em 31.07.2009, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou mais cinco normas contábeis

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 Aprova a NBC T 19.2 - Tributos sobre Lucros. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA TRIBUTOS CARGA TRIBUTÁRIA FLS. Nº 1 O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 1. - INTRODUÇÃO A fixação do preço de venda das mercadorias ou produtos é uma tarefa complexa, onde diversos fatores

Leia mais

REGIMES CONTÁBEIS RECEITAS E DESPESAS

REGIMES CONTÁBEIS RECEITAS E DESPESAS CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA I ELEMENTOS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGIMES CONTÁBEIS RECEITAS E DESPESAS Prof. Emanoel Truta ELEMENTOS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Os Elementos das Demonstrações Contábeis

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

CONTABILIZAÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES NÃO-CUMULATIVAS AO PIS E COFINS

CONTABILIZAÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES NÃO-CUMULATIVAS AO PIS E COFINS 513 CONTABILIZAÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES NÃO-CUMULATIVAS AO PIS E COFINS (*) por Silvério das Neves 1 - INTRODUÇÃO - DISCUSSÃO TRIBUTÁRIA: 1.1 - CRÉDITOS DAS CONTRIBUIÇÕES NÃO-CUMULATIVAS AO PIS E A COFINS

Leia mais

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente,

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente, Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Exercícios de Contabilidade Professora Niuza Adriane da Silva 1º A empresa XYZ adquire mercadorias para revenda, com promessa de pagamento em 3 parcelas iguais, sendo

Leia mais

IRPJ. Lucro Presumido

IRPJ. Lucro Presumido IRPJ Lucro Presumido 1 Características Forma simplificada; Antecipação de Receita; PJ não está obrigada ao lucro real; Opção: pagamento da primeira cota ou cota única trimestral; Trimestral; Nada impede

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 8 Demonstração do Resultado do Exercício

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 8 Demonstração do Resultado do Exercício 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração do Resultado do Exercício Tópicos do Estudo Demonstração do Resultado do Exercício. Custo das Vendas. Despesas Operacionais. Resultados não Operacionais

Leia mais

AMÉRICAS AMIGAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES

AMÉRICAS AMIGAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES AMÉRICAS AMIGAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES AMERICAS AMIGAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 CONTEÚDO Relatório dos auditores

Leia mais

CAPÍTULO 5 DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS - DLPA LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS

CAPÍTULO 5 DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS - DLPA LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO CAPÍTULOS 5,6,7 e 8 CAPÍTULO 5 DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS - DLPA LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS DESTINAÇÕES 1. Ajustes (-) Exerc. Anteriores 2. Transf. P/

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.265/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.265/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Interpretação de IT 12 para ITG 12 e de outras normas citadas: de NBC T 19.1 para NBC TG 27; de NBC T 19.7 para NBC TG 25; de NBC

Leia mais

Palestra. Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) e Demonstração do Valor Adicionado (DVA) - Novas Normas Contábeis. Março 2012.

Palestra. Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) e Demonstração do Valor Adicionado (DVA) - Novas Normas Contábeis. Março 2012. Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

IRPJ - REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS

IRPJ - REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS Page 1 of 14 IRPJ - REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS A Lei 6.404/76 (também chamada Lei das S/A), em seu artigo 8 º, admite a possibilidade de se avaliarem os ativos

Leia mais

Amortização de ágio ou deságio somente influenciará o resultado quando da alienação do investimento

Amortização de ágio ou deságio somente influenciará o resultado quando da alienação do investimento Conheça o tratamento fiscal aplicável ao ágio e ao deságio apurados na aquisição dos investimentos avaliados pelo Método de Equivalência Patrimonial - MEP AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS - Ágio ou Deságio na

Leia mais

Plano de Contas RECURSOS NO EXTERIOR DECORRENTES DE EXPO 01 CONTAS BANCÁRIAS SUBVENÇÕES 01 CONTAS BANCÁRIAS DOAÇÕES 01

Plano de Contas RECURSOS NO EXTERIOR DECORRENTES DE EXPO 01 CONTAS BANCÁRIAS SUBVENÇÕES 01 CONTAS BANCÁRIAS DOAÇÕES 01 1 1.00.00.00.000000 10000 **** A T I V O **** 01 1 1.01.00.00.000000 10050 CIRCULANTE 01 1.01 1.01.01.00.000000 10100 DISPONIBILIDADES 01 1.01.01 1.01.01.01.000000 10150 CAIXA 01 1.01.01.01.00 1.01.01.02.000000

Leia mais

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS 1 DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS CUSTODIO ROCHA Você bem preparado para o futuro da 2profissão. 1 OBJETIVOS Identificação do Conteúdo de Custos Aplicado nas Provas de Suficiência Breve Revisão

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito diferencial de alíquota no Ativo Imobilizado - SP

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito diferencial de alíquota no Ativo Imobilizado - SP Crédito 17/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Crédito do ICMS próprio adquirido do Simples Nacional com destino

Leia mais

LEI N 12.973/14 (IRPJ/CSLL/PIS-PASEP E COFINS)

LEI N 12.973/14 (IRPJ/CSLL/PIS-PASEP E COFINS) LEI N 12.973/14 (IRPJ/CSLL/PIS-PASEP E COFINS) Miguel Silva RTD REGIME TRIBUTÁRIO DEFINITIVO (Vigência e Opção pela Antecipação de seus Efeitos) 1 Para efeito de determinação do IRPJ, CSLL, PIS-PASEP e

Leia mais

2. Esta Norma não se aplica também à mensuração dos estoques mantidos por:

2. Esta Norma não se aplica também à mensuração dos estoques mantidos por: NBC TSP 12 Estoques Objetivo 1. O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer o tratamento contábil para os estoques. Uma questão fundamental na contabilização dos estoques é quanto ao valor do custo a

Leia mais

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o XX/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Fevereiro de 2015 CONTA

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o XX/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Fevereiro de 2015 CONTA Seção 5. Anexos Seção 5.1. Planos de Contas Referenciais Seção 5.1.1. Lucro Real Seção 5.1.1.1. Contas Patrimoniais Seção 5.1.1.1.1. L100A - PJ em Geral Código: Chave da linha. Ordem: Ordem de apresentação

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

219 Ciências Contábeis

219 Ciências Contábeis UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROCESSO DE OCUPAÇÃO DE VAGAS REMANESCENTES NÚCLEO DE CONCURSOS Edital n 06/2015 UOVR/COPAP/NC/PROGRAD / UFPR Prova Objetiva 18/10/2015 219 Ciências Contábeis INSTRUÇÕES

Leia mais

Contabilidade Comercial

Contabilidade Comercial Contabilidade Comercial Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Revisora: Divane A. Silva Sumário Contabilidade Comercial Unidade I 1 OPERAÇÕES COM MERCADORIAS...1 2 RESULTADO BRUTO COM MERCADORIAS

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS. CPC 12 Ajuste a Valor Presente.

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS. CPC 12 Ajuste a Valor Presente. COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS - CPC CPC 12 Ajuste a Valor Presente. Estabelece a obrigatoriedade do ajuste a valor presente nos realizáveis e exigíveis a longo prazo e, no caso de efeito relevante,

Leia mais

Elaborado e apresentado por:

Elaborado e apresentado por: A CONSTRUÇÃO CIVIL E AS REGRAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE - ALTERAÇÕES CONTÁBEIS E TRIBUTÁRIAS: LEIS 11.638/2007, 11.941/2009 e 12.973/2014 UMA VISÃO CONTÁBIL E TRIBUTÁRIA Elaborado e apresentado

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Adoção Inicial a Lei nº 12.973/2014 contabilização mantida em subcontas

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Adoção Inicial a Lei nº 12.973/2014 contabilização mantida em subcontas Adoção Inicial a Lei nº 12.973/2014 contabilização mantida em subcontas 24/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 3.1

Leia mais

CNPJ 47.902.648/0001-17. CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 (Em R$ Mil)

CNPJ 47.902.648/0001-17. CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 (Em R$ Mil) CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 CNPJ 47.902.648/0001-17 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE Caixa e Equivalentes de Caixa 1.829 Fornecedores 58.422 Contas a Receber 238.880

Leia mais