Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR"

Transcrição

1 CUSTOS DOS PRODUTOS I NOÇÕES GERAIS 1. CLASSIFICAÇÃO DOS CUSTOS Existem diversas classificações de custos, as quais variam em função das finalidades a que se destinam. As principais classificações são: RELAÇÃO AO PRODUTO Custos Diretos: São custos que podem ser diretamente identificados e objetivamente mensurados no produto. Custos Indiretos: São os custos que, ou não são diretamente identificados, ou não são objetivamente mensurados no produto. São os custos que não podem ser diretamente apropriados aos produtos ou não oferecem uma medida objetiva de consumo. Qualquer tentativa de alocação de tais custos aos produtos tem de ser feita de maneira estimativa e de forma arbitrária RELAÇÃO AO PERÍODO DE APLICAÇÃO Custos Do Produto: São os custos atribuídos pelos insumos contidos na produção terminada, porém ainda em estoque. Custos Dos Produtos Vendidos: É quando, pela venda, a receita é realizada e o produto é transferido ou colocado à disposição do cliente. Na realidade neste momento não existe Custo pois considerando conceito de Custos enunciado acima, os recursos econômicos já foram utilizados na produção dos bens e serviços. Na realidade, pelo princípio da confrontação entre Despesas e Receitas, o Custo dos Produtos Vendidos é reconhecido como tal no momento da venda, mas não tem muita diferença em relação às demais despesas. Trata-se na verdade de subdivisão de dois grupos: a) Gastos especificamente incorridos para a consecução das receitas que estão sendo reconhecidas pela venda (Custo) b) Gastos incorridos genericamente para a obtenção de receitas, além das que estão sendo reconhecidas pela venda RELAÇÃO AO VOLUME DE ATIVIDADE Custos Fixos: São os custos que permanecem inalterados em função das variações dos volumes de produção. Ex.: o valor do aluguel do prédio da fábrica é independente do volume de produção alcançado num determinado mês. Custos Variáveis: São custos que variam em relação ao volume de produção. Ex.: Custos dos Materiais Diretos. Explo: Tecido para a fábrica de confecções. Quanto maior a produção maior a quantidade de tecido consumida. Custos Semifixos Ou Semi Variáveis

2 São custos que permanecem inalterados em função das variações dos volumes de produção, obedecidos determinados intervalos de relevância. Após este intervalo passam a variar. São também chamados de custos de capacidade ou custos por degraus. 2. ELENTOS QUE COMPÕ OS CUSTOS DO PRODUTO MATERIAIS DIRETOS MATERIA PRIMA São aqueles que permitem identificação direta e uma mensuração objetiva em relação ao produto. Características 1. Utilização no produto; 2. Identificação direta do material consumido com o produto; 3. Mensuração objetiva no produto, do material utilizado. Classificação Matérias-primas Materiais que serão aplicados diretamente e totalmente transformados na fabricação dos produtos. Exemplo: Tecidos para a fabricação de camisas. Componentes Materiais diretos que serão agregados, montados, colocados, diretamente nos produtos. São montados aos produtos sem que sejam transformados, modificados ou alterados, permitindo desta forma, que ao serem desmontados ou desagregados do produto, permaneçam com suas características básicas iniciais intactas. Ex.: Ao retirarmos um botão de uma camisa já pronta, podemos reutilizá-lo na confecção de outra peça, visto que tal botão mantém todas as suas características básicas iniciais. Material de Embalagem Materiais diretos utilizados para embalar, empacotar os produtos, mantendo-se as características de identificação direta e mensuração objetiva com os produtos. Tais materiais de embalagem são utilizados para estocagem e transporte dos produtos acabados. Exemplo: As caixas de papelão, nas quais as camisas são embaladas e armazenadas. Os gastos com embalagens tanto podem ser considerados custos quanto despesas, dependendo de sua aplicação. Quando um produto pode ser colocado à venda sem a embalagem, então terão tratamento em separado. Quando um produto para ser colocado à venda intrinsecamente exige a embalagem então esta faz parte dos custos. No exemplo anterior, a camisa pode perfeitamente ser vendida sem am caixa. Já se o produto fosse óleo comestível, por exemplo, a embalagem é essencial à comercialização do produto. Materiais de acondicionamento Materiais diretos utilizados para acondicionar, manter em boas condições, os produtos, permanecendo as características de identificação direta e mensuração objetiva com os produtos. Tais materiais de acondicionamento são utilizados para garantir a perfeita integridade do produto, protegendo-o contra eventuais danos ou acidentes. Exemplo: Os sacos plásticos, os alfinetes e o papelão nos quais as camisas são acondicionadas antes de serem embaladas em caixas. Os conceitos dos materiais de embalagens e dos materiais de acondicionamento como materiais diretos estão relacionados com os produtos até o momento em que esses são entregues à comercialização O QUE INTEGRA O CUSTO DOS MATERIAIS DIRETOS Nos custos dos materiais diretos serão incluídos todos os gastos para sua obtenção e colocação na produção em condições de utilização. Preço Líquido de Aquisição - Integra o custo dos materiais diretos. Fretes, Seguros, Impostos e Transporte - Quando específico de cada material (diretamente identificados e objetivamente mensurados no material direto), integram os custos de materiais diretos. 2

3 Descontos Comerciais - Quando constam na Nota Fiscal (diretamente identificados e objetivamente mensurados no material direto), integram os custos dos materiais diretos. Descontos Financeiros - Não integram os custos dos materiais diretos, visto terem um caráter eventual e o seu aproveitamento está vinculado à situação financeira da empresa como um todo, num dado período e não com o material direto adquirido. Gastos Alfandegários - Quando diretamente identificados e objetivamente mensurados nos materiais diretos adquiridos, integram os custos destes. Impostos Recuperáveis - Não integram os custos dos materiais diretos. Ex: ICMS, IPI. a - Materiais diretos tributados na compra e os produtos tributados na venda. Neste caso a empresa funciona como intermediária entre o pagador final dos impostos e o recolhimento ao governo, e, portanto, tais impostos não integram os custos dos materiais diretos. b - Os materiais diretos tributados na compra e os produtos finais isentos ou não tributados na venda. Neste caso a empresa não irá se recuperar dos impostos pagos pela aquisição dos materiais diretos, quando da venda de seus produtos; ou seja, os encargos são exclusivamente da empresa e, portanto, tais impostos são parte integrante dos custos dos materiais diretos consumidos. c - Materiais diretos tributados na compra e os produtos finais incentivados na venda. Situações como essa ocorrem, por exemplo, com os produtos exportados, onde, por motivo de incentivos fiscais, os preços de venda dos produtos finais não são acrescidos destes impostos, porém a empresa compensa essa redução de preços com outras obrigações fiscais. Neste caso, os impostos não integram os custos dos materiais diretos, e os incentivos fiscais concedidos pelo Governo deverão ser tratados como uma receita adicional às vendas incentivadas MÃO-DE-OBRA DIRETA Representa valor financeiro do trabalho humano para a produção de bens ou de serviços; desde que diretamente identificados e objetivamente mensurados no produto final. Características 1. Utilização de recursos sob a forma de trabalho humano na produção de bens ou serviços; 2. Possibilita a identificação direta com o produto; 3. Permite mensuração objetiva. Diferenciação Entre O Custo Da Mão-De-Obra E A Folha De Pagamento Os gastos com mão-de-obra geralmente representam uma considerável parcela dos gastos totais incorridos por uma empresa na produção, comercialização, administração e distribuição de seus produtos. Isto nos leva a uma consideração de que um operário ligado diretamente à produção de bens ou serviço e que tenha cumprido efetivamente todas as horas estabelecidas, irá receber o seu salário por completo ao final do mês, independente do seu nível de produção e mesmo que tenha dedicado seu tempo integralmente à produção de bens ou serviço. Fica claro que uma coisa é folha de pagamento e outra coisa é Custo da mão-de-obra Direta; a primeira está vinculada ao tempo que um operário/funcionário ficou à disposição da empresa (observadas a regras da legislação trabalhistas) e a segunda está relacionada com o tempo diretamente identificado e objetivamente mensurado na produção de bens ou serviços. A apuração dos custos com Mão-de-obra só é possível depois de equacionados os dois tópicos básicos: Quanto tempo foi gasto na produção do bem ou do serviço? 3

4 Qual o custo estabelecido por unidade de tempo? O QUE INTEGRA O CUSTO DA MÃO-DE-OBRA DIRETA Fundamentalmente, o custo da Mão-de-obra consiste no salário acrescido de outros fatores, tais como: Prêmios de Produção - Pagamento adicional à título de recompensa por se ter superado algum parâmetro previamente estabelecido. Encargos Sociais Encargos por conta da empresa., tais como, FGTS, INSS, etc... Benefícios Parcelas por conta da empresa, tais como, plano de saúde, programa de alimentação, etc... Horas Extras - Seu custo integra o valor da Mão-de-obra Direta. 2.3 CUSTOS INDIRETOS DE FABRICAÇÃO O terceiro elemento do custo da produção é o item Custo Indireto de Fabricação, também denominado Gastos Gerais de Fabricação ou inadequadamente Despesas Gerais de Fabricação. Enquanto os Custos dos Materiais Diretos consumidos e o Custo da Mão-de-obra Direta incorrida são relativamente fáceis de se registrar e coletar, o mesmo não ocorre com os Custos Indiretos de Fabricação, pois estes não possuem uma relação direta com os produtos fabricados. Conceito Custos Indiretos de Fabricação representam a utilização de recursos necessários à produção de bens ou serviços, os quais não são passíveis de identificação direta ou mensuração objetiva em relação aos produtos fabricados. Características Utilização na Fabricação dos Bens ou Serviços; Inviável a identificação direta ou a mensuração objetiva destes custos em relação ao produto Necessária a adoção de rateios para apropriação destes custos aos produtos. II - SISTAS DE CUSTEIO Custeio é o método utilizado para apropriar custos aos produtos. Exitem varios tipos de custeio, como o Custeio por absorção, Custeio Direto (ou Variável) Custeio Padrão, Custeio ABC, RKW, etc. Ao interpretarmos o resultado de determinado período contábil de qualquer empresa industrial, haverá destaque na Demonstração do Resultado do Exercício para o valor dos Custos dos Produtos Vendidos normalmente podem surgir dúvidas, tais como: quais custos compõem os valores dos produtos elaborados? Como avaliar os estoques não vendidos? O que deve ser descarregado para o resultado do exercício? Dentre os diversos métodos de Custeio estudaremos aqueles mais presentes em Editais de Concursos Públicos. 1 - CUSTEIO POR ABSORÇÃO Custeio por absorção é um método de custeio, segundo o qual os produtos fabricados absorvem parcelas de todos os custos incorridos no processo de fabricação. Consiste na apropriação de todos os custos de produção aos bens elaborados. O Custo do período é simplesmente dividido pelo número de unidades produzidas. 4

5 Podemos verificar que comporão os custos dos produtos tanto os custos diretamente vinculados aos produtos, como os custos indiretos de fabricação; tanto os custos variáveis (que só existem quando cada unidade é fabricada) quanto os custos fixos (que independem da fabricação das unidades, estando relacionados com a criação das condições de se produzir). A legislação brasileira obriga que empresas adotem o método de custeio por absorção para avaliação dos estoques e apuração de resultado do exercício APURAÇÃO DOS CUSTOS DOS PRODUTOS VENDIDOS PELO CUSTEIO POR ABSORÇÃO Pelo Custeio por Absorção, a apuração dos Custos dos Produtos Vendidos é realizada conforme segue: (+) Estoque Inicial De Materiais Diretos - MD (+) Compras (Líquidas) De Materiais Diretos (-) Estoque Final De Materiais Diretos = Custos Dos Materiais Diretos Consumidos (MDa) (+) Custos Da Mão-De-Obra Direta (+) Custos Indiretos De Fabricação = Custos De Produção Do Período (CPP) (+) Estoque Inicial de Produtos Em Processo (-) Estoque Final de Produtos Em Processo = Custos Da Produção Acabada (CPA) (+) Estoque Inicial Produtos Acabados (-) Estoque Final Produtos Acabados = Custos Dos Produtos Vendidos (CPV) Roteiro para Apuração do Custo dos Produtos Vendidos 1 - Verifica-se pelo quadro acima que a primeira providência a ser tomada é o cálculo dos Materiais Diretos que foram consumidos no processo de fabricação. Este cálculo é feito considerando-se o estoque de materiais existentes no início do período, adicionando-se o valor das compras líquidas, considerando os valores que integram o materiais conforme estudado no item e subtraindo-se o estoque dos materiais que vai para o período seguinte. Traduzindo em fórmula teríamos: MDa = EI + C - EF MD MD MD Onde : MDa - Materiais Diretos Aplicados EI - Estoque Inicial de Materiais MD C - Compras de Materiais (Líquidas) MD EF - Estoque Final de Materiais MD 5

6 2 - A etapa seguinte é calcular o Custo do Período, isto é, verificar todos os gastos incorridos na produção. Para tanto adiciona-se aos MDa calculados anteriormente, o valor da Mão de Cobra Direta e dos Custos Indiretos de Fabricação. Em termos de fórmula, teríamos: CPP = MDa + MOD + CIF Onde : CPP - Custo de Produção do Período MDa - Custo dos Materiais Diretos Aplicados CIF - Custos Indiretos de Fabricação (*) (*) Salientamos que os Custos Indiretos de fabricação, poderão também ser denominados Gastos Gerais de Fabricação ou inadequadamente de Despesas Gerais de Fabricação. Neste trabalho, adotaremos sempre a expressão Custos Indiretos de Fabricação CIF 3 Neste ponto calcula-se o Custo Unitário do Período. É um cálculo essencial para se determinar as etapas seguintes, visto que o custo unitário do período irá determinar o valor a ser atribuído aos estoques nas etapas seguintes. Para cálculo do custo unitário, divide-se o CPP (todo o custo do período, pelo número de unidades que foram produzidas no período, tendi sido completadas ou não. Assim temos: Cunit = CPP N Onde : CPP- Custo de Produção do Período N - Número de Unidades Produzidas no Período (Completas ou não) 4 A etapa seguinte é a apuração do Custo dos Produtos Acabados ou Custo da Produção Acabada CPA. Isto porque nem todas as unidades que são iniciadas num período, ficam totalmente prontas, sendo, portanto consideradas como unidades Elaboração, Fabricação, Processo. Qualquer uma das expressões é válida. O importante é saber que trata-se de unidades que foram iniciadas e não concluídas. Assim temos : CPA = CPP + EI - EF Onde : CPA - Custo dos Produtos Acabados EI - Est. Inic. Produtos Em Elaboração EF - Est. Final dos Produtos Em Elaboração 4.1 Determinação do Valor dos Estoques de Produtos Em Elaboração Equivalente de Produção 6

7 Na determinação do valor dos produtos que ficam inacabados, utiliza-se um artifício denominado EQUIVALENTE DE PRODUÇÃO. Equivalentes de produção em resumo pode ser conceituada como o quanto uma unidade inacabada equivale (percentualmente) em termos de custos quando comparada com uma unidade totalmente acabada. Não esqueça que no Custeio por absorção todas as unidades absorvem custos, mesmo aquelas não totalmente acabadas. O equivalente de produção é dado em termos físicos, levando em conta o etágio de produção que a unidade inacabada está em relação a uma unidade totalmente acaba. Por isso que na determinação do número de unidades (N) estudado no item anterior indicamos que incluem-se tanto as unidades acabadas, quanto as inacabadas, estas, é claro, em termos percentuais. 5 A determinação do Custo dos Produtos Vendidos - CPV, dá-se somando-se o Custo das unidades acabadas no período ao Custo das unidades em estoque do período anterior, excluindo-se o estoque das unidades acabadas que vão para o período seguinte. Assim temos: CPV = CPA + EI - EF AC AC Onde : CPV - Custo do Produtos Vendidos EI - Est. inicial dos produtos acabados AC EF - Est. final dos produtos acabados AC DONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO PELO CUSTEIO POR ABSORÇÃO A Demonstração do Resultado do Exercício segue as determinações da Lei das S/As. e de forma reduzida é a abaixo apresentada: Vendas Brutas (-) Deduções de Vendas (Imp, Desc., Dev. Abat.) (=) Vendas Líquidas (-) Custo dos Produtos Vendidos = Lucro Bruto (-) Despesas Operacionais (+) Outras Receitas Operacionais (=) Lucro Operacional (+ / -) Resultado não operacional = Lucro antes o Imp.Renda e CSLL - Imposto de renda e CSLL - Participações = Lucro Líquido do Exercício a. APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DE CUSTEIO POR ABSORÇÃO Um Exemplo Prático 7

8 Para aplicação dos conceitos estudados para o Custeio por Absorção, será desenvolvido um exemplo completo. Suponhamos que a empresa Industrial Céu Azul, tenha iniciado suas operações neste mês (M 1), apresentando os seguintes dados: Dados de Mês 1: Compras de matéria prima e outros materiais diretos (2.000 un x $ 25) $ Mão de Obra Direta $ Aluguel do Galpão da fábrica $ Água, Luz e outros gastos da fábrica $ Depreciação Máq. e Equipamentos $ Despesas Administ. e de Vendas $ Número de unid. fabricadas no mês un Número de unid. vendidas no mês 650 un Preço de venda unitário $ 100 Estoque Final de mat. prima outros 800 un Dados Mês 2 : Compras de Matéria prima e outros materiais Diretos (1500 unidades x $ 30) $ Mão de Obra Direta $ Aluguel do Galpão da Fábrica $ Água, e outros gastos da Fábrica $ Depreciação Máq. e Equipamentos $ Despesas Admin. e de Vendas $ Num. de unid. Inic. e acabadas no mês u Número unidades inic. e não terminadas 1 u Número de unidades vendidas u Preço unitário de venda $ 150 Est. Final de matéria prima e outros 400 u Dados Mês 3 : Compras de Matéria prima e outros materiais Diretos unidades x $ Mão de Obra Direta $ Aluguel do Galpão da Fábrica $ Água, e outros gastos da Fábrica $ Depreciação Máq. e Equipamentos $ Despesas Admin. e de Vendas $ Num. de unid. Inic. e acabadas no mês 800 u Núm. de unid. Inic. e não terminadas 10 u Número de unidades vendidas 830 u Preço unitário de venda $ 200 Estoque Final de matéria prima e outros 200 u i. Cálculo do CPV para o primeiro mês M 1 a) Cálculo da Matéria Prima e Materiais Diretos aplicados na produção 8

9 MDa = EI + C - EF MD MD MD MDa M 1 = 0+(2.000 u x $ 25) (800 u x $ 25)* MDa M 1 = $ $ MDa M 1 = $ (*) O estoque final foi avaliado pelo método PEPS b) Cálculo do Custo de Produção do Período (CPP) CPP = MDa + MOD + CIF CPP=$ $ ($8.000+$1.000+$2.000) CPP M 1 = $ c ) Cálculo do Custo Unitário. Cunit = CPP N C.unit. M 1 = $ = $ u d) Cálculo do Custo da Produção Acabada Fórmula: CPA = CPP + EI - EF CPA M 1 = $ Não existem unidades Elaboração pois todas foram acabadas dentro do mês. e) Cálculo do Custo dos Produtos Vendidos 9

10 CPV = CPA + EI - EF AC AC CPV M1 = $ (350 un x $ 80)* CPV M1 = $ $ CPV M1 = $ As unidades em estoque final foram determinadas da seguinte forma : Unidades produzidas unidades vendidas = = 350 O custo de $ 80 foi o custo unitário do período calculado conforme item c A demonstração completa do CPV para o primeiro mês ficaria assim: (+) Est. Inic. De Mat. Diretos - MD 0 (+) Compras (Líquidas) Mat. Diretos (-) Estoque Final Materiais Diretos =Custos Mt.D.Consumidos (MDa) (+) Custos Da Mão-De-Obra Direta (+) Custos Indiretos De Fabricação = Custos Produção Período (CPP) (+) Est.Inic.de Produtos Em Processo 0 (-) Est.Final de Prod. Em Processo 0 = Custos Prod. Acabada (CPA) (+) Est. Inicial Produtos Acabados 0 (-) Estoque Final Produtos Acabados = Custos Prod. Vendidos (CPV) ii. - Demonstração do Resultado do Período para M 1 : Vendas Brutas (-) Deduções de Vendas 0 (=) Vendas Líquidas (-) Custo dos Prod. Vendidos = Lucro Bruto (-) Despesas Operacionais (+) Outras Receitas Operacionais 0 (=) Lucro Operacional (+ / -) Resultado não operacional 0 = Lucro antes do IR e CSLL ( - ) Imposto de renda e CSLL 0 ( - ) Participações 0 = Lucro Líquido do Exercício iii. Cálculo do CPV para o Segundo mês M 2 a) Cálculo da Matéria Prima e Materiais Diretos aplicados na produção 10

11 MDa = EI + C - EF MD MD MD MDa M 2 = (800u x $25)+(1.500u x $30) (400 u x $ 30)* MDa M 2 = $ $ $ MDa M 2 = $ (*) O estoque final foi avaliado pelo método PEPS b) Cálculo do Custo de Produção do Período (CPP) CPP = MDa + MOD + CIF CPP M 2 =$ $ ($8.000+$ $ 2.500) CPP M 2 = $ $ CPP M 2 = $ c ) Cálculo do Custo Unitário. Cunit = CPP N C.unit. M 2 = $ = $ ,40 * Neste mês ficou unidade em elaboração. Para se definir o número de unidades produzidas (N), é necessário se estabelecer o EQUIVALENTE DE PRODUÇÃO para a unidade inacabada, isto é, quanto esta unidade quando comparada com outra totalmente acabada representa em termos percentuais. Como exemplo, atribuímos que esta unidade está num estágio de 40 %. Assim para determinarmos o N, temos : u.100%(acabadas) =1.200x 1,00 = 1.200,00 Mais 1 u a 40% (Inacabada) =1 x 0,40 = 0,40 Total de Unidades do Mês = 1.200,40 d) Cálculo do Custo da Produção Acabada Fórmula: 11

12 CPA = CPP + EI - EF CPA M 2 = $ (0,40 x $ 100) * CPA M 2 = $ $ 40 CPA M 2 = $ ** * Neste mês o Estoque de Produtos em Elaboração é representado por aquela unidade inacabada (estágio de 40%) multiplicado pelo custo unitário do mês, calculado conforme item c. ** De fato o custo das unidades acabadas corresponde a completamente acabadas multiplicado pelo custo do mês (1.200 x $ 100 = ) e) Cálculo do Custo dos Produtos Vendidos CPV = CPA + EI - EF AC AC CPV M 2=(1.200u x $100)+(350u x $80) (50 u x $ 100) * CPV M 2= $ $ $ CPV M 2= $ * As unidades em estoque final foram determinadas da seguinte forma : Unidades produzidas no mês + unidades do mês anterior unidades vendidas = = 50 ** O custo do estoque final foi $ 100 porque adotado o método PEPS A demonstração completa do CPV para o segundo mês ficaria assim: (+) Est.Inic.Mat. Diretos - MD (+)Compras (Líquidas)Mat.Diretos (-) Est. Final De Materiais Diretos =Custos Mt.Dir.Consumidos MDa) (+) Custos Da Mão-De-Obra Direta (+) Custos Indiretos De Fabricação = Custos Produção Período (CPP) (+) Est. In. de Produtos Em Processo 0 (-) Est.Final Produtos Em Processo 40 = Custos Prod. Acabada (CPA) (+) Est. Inicial Produtos Acabados (-) Estoque Final Produtos Acabados =Custos Produtos Vendidos (CPV) iv. - Demonstração do Resultado do Período para M 2 : Vendas Brutas (-) Deduções de Vendas 0 12

13 (=) Vendas Líquidas (-) Custo Prod. Vendidos = Lucro Bruto (-) Despesas Operacionais (+)Outras Rec. Operacionais 0 (=) Lucro Operacional (+/-) Resultado não operacional 0 = Lucro antes do IR e CSLL ( - ) Imposto de renda e CSLL 0 ( - ) Participações 0 = Lucro Líquido do Exercício v. Cálculo do CPV para o Terceiro mês M 3 a) Cálculo da Matéria Prima e Materiais Diretos aplicados na produção MDa = EI + C - EF MD MD MD MDa M 3=(400u x $30)+(1.000u x $40) (200 u x $ 40)* MDa M 3 = $ $ $ MDa M 3 = $ (*) O estoque final foi avaliado pelo método PEPS b) Cálculo do Custo de Produção do Período (CPP) CPP = MDa + MOD + CIF CPP M 3=$ $ ($ $ $ 2.500) CPP M 3 = $ $ $ CPP M 3 = c ) Cálculo do Custo Unitário. Cunit = CPP N C.unit. M 3 = $ = $ ,60 * * Neste mês o número de unidades produzidas, fica determinado da seguinte forma: 13

14 a - Foi terminada a unidade inacabada do período anterior. Como no mês passado ela estava num estágio de 40%, este mês foi necessário acrescentar os 60% restante para completar a unidade. = 1 x 0,60 = 0,60 b Foram iniciadas e terminadas 800 u, portanto a um estágio de 100% = 800 x 1,00 = 800 c Foram iniciadas mas não terminadas 10 unidades. Vamos estabelecer que estas 10 unidades estão todas num estágio de 70% = 10 x 0,70 = 7,00 Assim, somando-se o calculado em a + b + c, temos: 0,60 800,00 7,00 807,60 d) Cálculo do Custo da Produção Acabada Fórmula: CPA = CPP + EI - EF CPA M 3 = $ $ 40 (7 u x $ 150) * CPA M 3 = $ $ 40 - $ CPA M 3 = $ Este custo da produção acabada de M 3, estará assim composto: a -1 unidade ao custo de $ 130 (40% x $ 100 = 40 que é o custo do segundo mês, mais os 60% x $ 150 que é o custo deste mês) b 800 unidades ao custo de $ 150 (Iniciadas e acabadas neste mês, portando ao custo deste mês. = 800 x $ 150 = $ Somando-se a + b, têm-se o custo das acabadas deste mês e) Cálculo do Custo dos Produtos Vendidos CPV = CPA + EI - EF AC AC CPV M3=$ (50 x $ 100) (21u x $ 150)* CPV M3 = $ $ $ CPV M3 = $ * As unidades em estoque final foram determinadas da seguinte forma : Unidades produzidas no mês + unidades em estoque no mês anterior unidades vendidas = = 21 * O custo de $ 150 foi considerado em função do método PEPS. A demonstração completa do CPV para o terceiro mês ficaria assim: 14

15 (+)Est. Inicial Mat.Diretos - MD (+)Compras (Líquidas)Mt.Diretos (-) Est.Final De Materiais Diretos =CustosMt.Dir.Consumidos (MDa) (+) Custos Da Mão-De-Obra Direta (+) Custos Indiretos De Fabricação = Custos Produção Período (CPP) (+) Est. In. de Produtos Em Processo 40 (-) Est.Final de Produtos Em Processo = Custos Produção Acabada (CPA) (+)Estoque Inicial Produtos Acabados (-) Estoque Final Produtos Acabados = Custos Produtos Vendidos (CPV) vi. - Demonstração do Resultado do Período para M 3 : Vendas Brutas (-) Deduções de Vendas 0 (=) Vendas Líquidas (-) Custos Produtos Vendidos = Lucro Bruto (-) Despesas Operacionais (+)Outras Rec. Operacionais 0 (=) Lucro Operacional (+/-) Resultado não operacional 0 = Lucro antes do IR e CSLL ( - ) Imposto de renda e CSLL 0 ( - ) Participações 0 = Lucro Líquido do Exercício QUESTÕES DE CONCURSOS ANTERIORES CONCURSO INSS 2002 ESAF CUSTOS 1 - (AUDITOR INSS ESAF) No segundo trimestre de 2002, a Indústria Esse de Produtos Fabris concluiu a produção de 600 unidades do item X2, tendo logrado vender 400 dessas unidades, ao preço unitário de R$ 120,00. No mesmo período foram coletadas as informações abaixo: - Custo Variável unitário R$ 20,00. - Total de Custos Fixos R$ ,00. - Despesas variáveis de vendas de R$ 2,00 por unidade. - Inexistência de Estoque Inicial de Produtos no período. Com base nas informações acima, feitas as devidas apurações, pode-se dizer que: o Custo dos Produtos Vendidos; o Estoque Final de Produtos e 15

16 o Lucro Líquido do período, calculados, respectivamente, por meio do Custeio por Absorção e do Custeio Variável, alcançaram os seguintes valores: a) R$ ,00; R$ 6.000,00; R$ 8.000,00; R$ 6.000,00; R$ ,00; R$ ,00. b) R$ ,00; R$ 4.000,00; R$ ,00; R$ 3.000,00; R$ ,00; R$ ,00. c) R$ ,00; R$ 8.000,00; R$ ,00; R$ 4.000,00; R$ ,00; R$ ,00. d) R$ ,00; R$ 5.000,00; R$ ,00; R$ 8.000,00; R$ ,00; R$ ,00. e) R$ ,00; R$ ,00; R$ ,00; R$ 6.000,00; R$ ,00; R$ ,00. 16

PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL

PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL Braulino José dos Santos TERMINOLOGIAS Terminologia em custos Gasto Investimento Custo

Leia mais

Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura

Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura 1 de 9 Olá queridos alunos, Hoje faremos alguns comentários acerca da prova para o cargo de Auditor Fiscal Tributário Municipal da

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO Olá, pessoal! Hoje trago uma aula sobre a Demonstração do Valor Adicionado DVA, que foi recentemente tornada obrigatória para as companhias abertas pela Lei 11.638/07, que incluiu o inciso V ao art. 176

Leia mais

1- METODOLOGIA DE ORÇAMENTO DE OBRAS. NOVO CONCEITO PARA O BDI

1- METODOLOGIA DE ORÇAMENTO DE OBRAS. NOVO CONCEITO PARA O BDI 1- METODOLOGIA DE ORÇAMENTO DE OBRAS. NOVO CONCEITO PARA O BDI 1.1- INTRODUÇÃO Para a elaboração de orçamentos consistentes de serviços de engenharia, entende-se que algumas premissas devam prevalecer.

Leia mais

Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p. Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa):

Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p. Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa): Pesquisa Industrial Anual Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa): Aluguéis e arrendamentos Despesas com

Leia mais

CAPÍTULO 2 - MATERIAIS QUESTÕES TEÓRICAS

CAPÍTULO 2 - MATERIAIS QUESTÕES TEÓRICAS QUESTÕES TEÓRICAS 1. Qual a condição básica para que se possa caracterizar um material como matéria-prima? R: Ser componente físico principal do produto. 2. Em que condição os impostos (ICMS/IPI) não são

Leia mais

Formação do Preço de Venda

Formação do Preço de Venda CURSO DE ADM - 5º PERÍODO - FASF Objetivo Refletir sobre a importância de se conhecer e identificar a FORMAÇÃO DE PREÇO, como fator determinante para a sobrevivência da exploração da atividade da empresa.

Leia mais

CONTABILIDADE BÁSICA Aula: Operações com Mercadorias

CONTABILIDADE BÁSICA Aula: Operações com Mercadorias CONTABILIDADE BÁSICA Aula: Operações com Mercadorias Professora M. Sc. (Mestre) Crísley do Carmo Dalto Mestre em Ciências Contábeis- Contabilidade Gerencial Especialista em Contabilidade Gerencial Resultado

Leia mais

Contabilidade Empresarial e Comercial 27-08-2012 - ETEC GUARACY. Prof. Procópio 2º CONTAB Aula - 8

Contabilidade Empresarial e Comercial 27-08-2012 - ETEC GUARACY. Prof. Procópio 2º CONTAB Aula - 8 AULA 8 Sistema para Controle de Estoques o Inventário Periódico o Contabilização Fórmula do CMV/RCM Sistema para Controle de Estoques Devemos observar o método de avaliação escolhido, pois ele afetará

Leia mais

2.2 Resultado com mercadorias 2.3 Impostos que afetam as mercadorias 2.4 Critérios de avaliação do estoque

2.2 Resultado com mercadorias 2.3 Impostos que afetam as mercadorias 2.4 Critérios de avaliação do estoque Disciplina: Contabilidade Comercial I Período: 2º Tipo: I Professor: Evaldo Modesto de Ávila Curso: Ciências Contábeis Assunto: Texto Semestre: 2º Nome: Nº: Apostila : Turma: ÚNICA Turno: NOITE Data: 002

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS DE CUSTOS INDUSTRIAIS

LISTA DE EXERCÍCIOS DE CUSTOS INDUSTRIAIS LISTA DE EXERCÍCIOS DE CUSTOS INDUSTRIAIS 1) O desembolso à vista ou a prazo para obtenção de bens ou serviços, independentemente de sua destinação dentro da empresa, denomina-se : a) gasto b) investimento

Leia mais

Esquema Básico da Contabilidade de Custos

Esquema Básico da Contabilidade de Custos Tema Esquema Básico da Contabilidade De Custos Projeto Curso Disciplina Tema Professor Engenharia de Produção Custos Industriais Esquema Básico da Contabilidade de Custos Luizete Aparecida Fabbris Kenedy

Leia mais

Contabilidade Decifrada. Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo

Contabilidade Decifrada. Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo Contabilidade Decifrada Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo Demonstrações Contábeis - balanço patrimonial; - demonstração do resultado do exercício; e, - demonstração de lucros ou prejuízos acumulados.

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas Realização: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE CURSO: BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Leia mais

PLANO DE CONTAS ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO

PLANO DE CONTAS ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO PLANO DE CONTAS O plano de Contas normalmente é composto de cinco grupos. ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS e GERENCIAL

CONTABILIDADE DE CUSTOS e GERENCIAL Centro Universitário Padre Anchieta CONTABILIDADE DE CUSTOS e GERENCIAL Professor: Josué Centro Universitário Padre Anchieta 1. INTRODUÇÃO À CONTABILIDADE DE CUSTOS Professor: Josué CAP. 1 do Livro Suficiência

Leia mais

Palestra. Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) e Demonstração do Valor Adicionado (DVA) - Novas Normas Contábeis. Março 2012.

Palestra. Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) e Demonstração do Valor Adicionado (DVA) - Novas Normas Contábeis. Março 2012. Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Contabilidade Básica PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E OPERAÇÕES COM MERCADORIAS. Prof. Me. Antonio Luiz Santos

Contabilidade Básica PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E OPERAÇÕES COM MERCADORIAS. Prof. Me. Antonio Luiz Santos Contabilidade Básica PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E OPERAÇÕES COM MERCADORIAS Contabilidade Básica Controle de Estoque Inventário Permanente: Nesse sistema, o custo das mercadorias vendidas é apurado no momento

Leia mais

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS ANACLETO G. 1 1. INTRODUÇÃO Este estudo tem a finalidade de apuração dos resultados aplicados pelos

Leia mais

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos 5 Plano Financeiro Investimento total Nessa etapa, você irá determinar o total de recursos a ser investido para que a empresa comece a funcionar. O investimento total é formado pelos: investimentos fixos;

Leia mais

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Paula Michelle Purcidonio (UTFPR) ppurcidonio@ig.com.br Kazuo Hatakeyama (UTFPR) hatakeyama@pg.cefetpr.br Resumo Com a atual competitividade

Leia mais

CURSO: CONTABILIDADE DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS PROF.ESP.JOÃO EDSON F. DE QUEIROZ DILHO

CURSO: CONTABILIDADE DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS PROF.ESP.JOÃO EDSON F. DE QUEIROZ DILHO Composição e Mecanismos de Determinação do Custo do Produto O Custo de cada produto lançado no estoque é composto de matéria-prima consumida (MPC), mão-de-obra diretamente relacionada com a produção (MOD)

Leia mais

APOSTILA DE ANÁLISE DE CUSTOS

APOSTILA DE ANÁLISE DE CUSTOS APOSTILA DE ANÁLISE DE CUSTOS Prof Fabio Uchôas de Lima São Paulo 2013 Não é permitida a cópia ou reprodução, no todo ou em parte, sem o expresso consentimento deste autor com base na Lei 9.610/92. Contato:

Leia mais

REGIMES CONTÁBEIS RECEITAS E DESPESAS

REGIMES CONTÁBEIS RECEITAS E DESPESAS CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA I ELEMENTOS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGIMES CONTÁBEIS RECEITAS E DESPESAS Prof. Emanoel Truta ELEMENTOS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Os Elementos das Demonstrações Contábeis

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade. Aula: 04 Prof.: Adelino Corrêa DATA: 26/10/2008. 13. Operações com mercadoria

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade. Aula: 04 Prof.: Adelino Corrêa DATA: 26/10/2008. 13. Operações com mercadoria 13. Operações com mercadoria Na comercialização de mercadoria (principal objeto de empresa comercial) existirão os tributos; entre eles o ICMS que será estudado na compra e venda da mercadoria. Impostos

Leia mais

Professor Gabriel Rabelo Contabilidade 15 QUESTÕES SOBRE ESTOQUES PARTE DO E-BOOK CONTABILIDADE FACILITADA PARA A ÁREA FISCAL PROVAS COMENTADAS

Professor Gabriel Rabelo Contabilidade 15 QUESTÕES SOBRE ESTOQUES PARTE DO E-BOOK CONTABILIDADE FACILITADA PARA A ÁREA FISCAL PROVAS COMENTADAS Professor Gabriel Rabelo Contabilidade 15 QUESTÕES SOBRE ESTOQUES PARTE DO E-BOOK CONTABILIDADE FACILITADA PARA A ÁREA FISCAL PROVAS COMENTADAS 1 PROVA 1 ANALISTA DE MERCADO DE CAPITAIS CVM 2010 ESAF 1.

Leia mais

Tutorial Rotinas de Custos

Tutorial Rotinas de Custos Tutorial Rotinas de Custos Tela de Parâmetros (Cadastro de Parâmetros) Linha 20 autoriza o sistema a atualizar os Valores de Custos e Médios através do lançamento de Notas Fiscais de Entrada. Linha 21

Leia mais

Unidade II ESTRUTURA DAS. Prof. Me. Alexandre Saramelli

Unidade II ESTRUTURA DAS. Prof. Me. Alexandre Saramelli Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Me. Alexandre Saramelli Estrutura das demonstrações contábeis Relatório Anual Porto Seguro Introdução Processo de Convergência Contábil Internacional

Leia mais

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA TRIBUTOS CARGA TRIBUTÁRIA FLS. Nº 1 O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 1. - INTRODUÇÃO A fixação do preço de venda das mercadorias ou produtos é uma tarefa complexa, onde diversos fatores

Leia mais

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS 1 DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS CUSTODIO ROCHA Você bem preparado para o futuro da 2profissão. 1 OBJETIVOS Identificação do Conteúdo de Custos Aplicado nas Provas de Suficiência Breve Revisão

Leia mais

6 Materiais Diretos. 6.1 Tipos de Material Direto

6 Materiais Diretos. 6.1 Tipos de Material Direto 6 Materiais Diretos Material Direto é o custo de qualquer material diretamente identificável com o produto e que se torne parte integrante deste. Exemplos:- matéria-prima, embalagens. 6.1 Tipos de Material

Leia mais

Elenco de Contas Prof. Me. Laércio Juarez Melz 1

Elenco de Contas Prof. Me. Laércio Juarez Melz 1 Elenco de Contas Prof. Me. Laércio Juarez Melz 1 Classificação CONTA 1. ATIVO 1. 1. ATIVO CIRCULANTE 1. 1. 1. DISPONIBILIDADES 1. 1. 1. 01. CAIXA GERAL 1. 1. 1. 01. 1001 Caixa 1. 1. 1. 02. BANCOS CONTA

Leia mais

Cada prova possuirá 20 (vinte) questões objetivas e 1 (uma) questão discursiva. A prova terá duração de 2 (duas) horas, com início às 9h.

Cada prova possuirá 20 (vinte) questões objetivas e 1 (uma) questão discursiva. A prova terá duração de 2 (duas) horas, com início às 9h. O Exame de Suficiência em Contabilidade aplicado aos alunos ingressantes nos cursos de pós graduação lato sensu da FECAP, abaixo listados, é requisito para a obtenção do certificado de conclusão de curso

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE JUNDIAÍ

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE JUNDIAÍ Prof.º Alexandre Schuster Apostila - 3 8. APURAÇÃO DO RESULTADO CONTABILIDADE A cada exercício social (normalmente um ano) a empresa deve apurar o resultado dos seus negócios. Para saber se obteve lucro

Leia mais

DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS

DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS Resumo A proposta deste trabalho é realizar um estudo de programação linear para definir a viabilidade da produção, assim

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação a conceitos, objetivos e finalidades da contabilidade, julgue os itens que se seguem. 51 Auxiliar um governo no processo de fiscalização tributária é uma das finalidades

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS. Avaliação de Estoques

CONTABILIDADE DE CUSTOS. Avaliação de Estoques CONTABILIDADE DE CUSTOS Avaliação de Estoques IMPORTÂNCIA DO ESTUDO Importância do estudo dos critérios de avaliação dos estoques se justifica: a aquisição de um mesmo material em datas diferentes, com

Leia mais

Seminário. Contabilidade de Custos Conceitos Societários e Gerenciais. Setembro 2012. Elaborado por: Sidney Leone

Seminário. Contabilidade de Custos Conceitos Societários e Gerenciais. Setembro 2012. Elaborado por: Sidney Leone Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_...

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... Página 1 de 14 CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Considerações ROTEIRO 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

Leia mais

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES 1 INCIDÊNCIAS TRIBUTÁRIAS NAS EXPORTAÇÕES Optantes do SIMPLES Os transformadores plásticos exportadores optantes do SIMPLES devem analisar a conveniência da continuidade

Leia mais

2 2 pts) Inicialmente vamos calcular os custos variáveis (CV) e custos fixos (CF) e depois implementar a nova condição (redução do custo

2 2 pts) Inicialmente vamos calcular os custos variáveis (CV) e custos fixos (CF) e depois implementar a nova condição (redução do custo 2 2 pts) A Cia Roupas de Festa coloca no mercado seu produto principal ao preço unitário de R$ 86,75 isento de IPI, mas com ICMS de 17%. O custo variável nessa produção alcança R$ 54,00. A Cia está conseguindo

Leia mais

CUSTO DIRETO 1 - INTRODUÇÃO

CUSTO DIRETO 1 - INTRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL CTAE CUSTO

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade II CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro Unidade II CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Objetivo Conhecer a estrutura do balanço patrimonial: ativo; passivo. Conhecer a estrutura do DRE. Conhecer a estrutura do DFC: direto; indireto. Balanço patrimonial

Leia mais

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Julho de 2007. Todos os

Leia mais

Contabilidade Básica II

Contabilidade Básica II Administração Professor Flávio Crepardi Brustelo Contabilidade Básica II Razonetes Representação gráfica em forma de "T, bastante utilizada pelos contadores. É um instrumento didático para desenvolver

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA. Profa. Divane Silva

Unidade II CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA. Profa. Divane Silva Unidade II CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Profa. Divane Silva Contabilidade tributária A disciplina está dividida em 02 Unidades: Unidade I 1. Introdução 2. Impostos Incidentes sobre o Valor Agregado 3. Impostos

Leia mais

REGIMES ADUANEIROS ESPECIAIS Parte II

REGIMES ADUANEIROS ESPECIAIS Parte II São Paulo Rio de Janeiro Brasília Curitiba Porto Alegre Recife Belo Horizonte Londres Lisboa Shanghai Miami Buenos Aires REGIMES ADUANEIROS ESPECIAIS Parte II Luis Guilherme B. Gonçalves 05 de Agosto de

Leia mais

O QUE É ORÇAMENTO? QUAIS SÃO SUAS CARACTERÍSTICAS?

O QUE É ORÇAMENTO? QUAIS SÃO SUAS CARACTERÍSTICAS? O QUE É ORÇAMENTO? QUAIS SÃO SUAS CARACTERÍSTICAS? OBJETIVOS DA EMPRESA LUCRO? BEM ESTAR DA COLETIVIDADE? MISSÃO? VISÃO? O ORÇAMENTO E O ELEMENTO HUMANO O ORÇAMENTO E A TOMADA DE DECISÕES SLIDE 01 A INCERTEZA

Leia mais

Custos Industriais. Custo de aquisição. Custo de aquisição. Métodos de avaliação dos estoques

Custos Industriais. Custo de aquisição. Custo de aquisição. Métodos de avaliação dos estoques s Industriais Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 de aquisição O custo das mercadorias e materiais adquiridos deve incluir todos os gastos necessários para que a mercadoria ou material

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS. A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas.

CONTABILIDADE DE CUSTOS. A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas. CONTABILIDADE DE CUSTOS A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas. A Contabilidade de Custos que atende essa necessidade

Leia mais

Contabilidade Decifrada

Contabilidade Decifrada Contabilidade Decifrada Depreciação / Amortização / Exaustão Luiz Eduardo Santos Depreciação / Amortização / Exaustão Roteiro Geral Depreciação Conceito Definições necessárias ao cálculo da depreciação

Leia mais

TÓPICO ESPECIAL DE CONTABILIDADE: IR DIFERIDO

TÓPICO ESPECIAL DE CONTABILIDADE: IR DIFERIDO TÓPICO ESPECIAL DE CONTABILIDADE: IR DIFERIDO! O que é diferimento?! Casos que permitem a postergação do imposto.! Diferimento da despesa do I.R.! Mudança da Alíquota ou da Legislação. Autores: Francisco

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS PARA O 3 0 PERÍODO DE ADMINISTRAÇÃO PROFESSOR: ONILZO FARIAS EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO

CONTABILIDADE DE CUSTOS PARA O 3 0 PERÍODO DE ADMINISTRAÇÃO PROFESSOR: ONILZO FARIAS EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO CONTABILIDADE DE CUSTOS PARA O 3 0 PERÍODO DE ADMINISTRAÇÃO PROFESSOR: ONILZO FARIAS EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO Classifique os itens abaixo como custos (fixos ou variáveis) ou despesas. C= custos CV=custo variável

Leia mais

Inovação Tecnológica

Inovação Tecnológica Inovação Tecnológica Cliente AAA Ltda. Mensagem: O empresário que necessita de uma tecnologia tem duas opções: ele pode ou desenvolvê-la, ou adquiri-la. Agenda Introdução Arcabouço Legal Conceitos Incentivos

Leia mais

INFORMÁTICA PRODUTOS E PROGRAMAS

INFORMÁTICA PRODUTOS E PROGRAMAS atualizado em 06/01/2016 alterados os itens 1.1.2, 1.2, 1.3, 1.4, 2.1, 2.2 e 2.3.3 2 ÍNDICE INTRODUÇÃO...5 1. PROGRAMA DE COMPUTADOR ( SOFTWARE ) NÃO PERSONALIZADO...7 1.1. Saída Interna...7 1.1.1. Isenção...7

Leia mais

RECEITA BRUTA ( ) Deduções de Receitas = RECEITA LÍQUIDA ( ) Custos = LUCRO BRUTO ( ) Despesas = LUCRO LÍQUIDO

RECEITA BRUTA ( ) Deduções de Receitas = RECEITA LÍQUIDA ( ) Custos = LUCRO BRUTO ( ) Despesas = LUCRO LÍQUIDO MÓDULO V CONTABILIDADE GERENCIAL FATOS CONTÁBEIS QUE AFETAM A SITUAÇÃO LÍQUIDA INTRODUÇÃO Neste módulo iremos fazer uma abordagem sobre os elementos que ocasionam as mutações na situação patrimonial líquida.

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

http://www.itcnet.com.br/materias/printable.php

http://www.itcnet.com.br/materias/printable.php Página 1 de 5 1 de Setembro, 2011 Impresso por ANDERSON JACKSON TOASSI DEVOLUÇÃO DE MERCADORIAS COMPRADAS NAS OPERAÇÕES COMERCIAIS 1 - Introdução Nas relações comerciais as operações de devolução e retorno

Leia mais

Terminologias e Classificações

Terminologias e Classificações Terminologias e Classificações Ramos da Contabilidade Definições Contabilidade Financeira: ciência social aplicada que capta, registra, resume, interpreta e evidencia fenômenos que afetam a situação financeira

Leia mais

DICAS DE ECONOMIA TRIBUTÁRIA - PJ Por Júlio César Zanluca Verifique se as dicas se aplicam ou não a sua empresa, pois pode haver restrições quanto a

DICAS DE ECONOMIA TRIBUTÁRIA - PJ Por Júlio César Zanluca Verifique se as dicas se aplicam ou não a sua empresa, pois pode haver restrições quanto a DICAS DE ECONOMIA TRIBUTÁRIA - PJ Por Júlio César Zanluca Verifique se as dicas se aplicam ou não a sua empresa, pois pode haver restrições quanto a aplicabilidade, de acordo com a forma de tributação

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cespe Cebraspe FUB2015 Aplicação: 2015 Julgue os itens a seguir, com relação aos fatos descritos e seus efeitos nas demonstrações contábeis, elaboradas conforme a Lei n.º 6.404/1976

Leia mais

Comentários da prova SEFAZ-PI Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova SEFAZ-PI Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Olá amigos, Comentários da prova SEFAZ-PI ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE GERAL - SEFAZ-PI Trago para vocês os comentários da prova da SEFAZ-PI realizado no último

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS EXERCÍCIOS CONTABILIDADE DE CUSTOS Prof. Roberto Biasio Contabilidade de Custos Professor Roberto Biasio 1 QUESTÕES DO CONCURSO AFTN 1989 1)A empresa Alfa, fabricante do produto

Leia mais

7.3.1 Receitas a Serem Reconhecidas Proporcionalmente a Certo Período Contábil Decorrido

7.3.1 Receitas a Serem Reconhecidas Proporcionalmente a Certo Período Contábil Decorrido Os PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE - O CUSTO, A MOEDA,... 10, 7.3.1 Receitas a Serem Reconhecidas Proporcionalmente a Certo Período Contábil Decorrido DOIS PERÍODOS CONTÁBEIS Alguns serviços,

Leia mais

ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL - REGRAS APLICÁVEIS PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE

ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL - REGRAS APLICÁVEIS PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL - REGRAS APLICÁVEIS PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE Matéria Elaborada com Base na Legislação Vigente em: 26/12/2012. Sumário: 1 - INTRODUÇÃO 2 - ALCANCE DA ITG 1000 3

Leia mais

FACULDADE SAGRADA FAMÍLIA

FACULDADE SAGRADA FAMÍLIA FACULDADE SAGRADA FAMÍLIA CURSO: BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANOTAÇÕES DE AULA DISCIPLINA: CONTABILIDADE E ANÁLISE DE CUSTOS I 4º PERIODO- 2013_2 PROF. JOCIMAR D. PRADO, MS E MAIL: JECONTPRADO@GMAIL.COM

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 SIDNEY SOARES DE LIMA 05010004401 TURMA: 01030 TURNO: NOITE PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

ICMS/PE 2014 Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura

ICMS/PE 2014 Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura ICMS/PE 2014 Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura 1 de 9 Olá queridos alunos, ICMS PE 2014: Resolução da prova de Hoje farei alguns comentários acerca da prova da Secretaria

Leia mais

Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4

Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4 CUSTEIO VARIÁVEL COMO SUPORTE À TOMADA DE DECISÃO EMPRESARIAL Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4 RESUMO: Inicialmente a contabilidade tinha o objetivo de controlar

Leia mais

GESTÃO DE CUSTOS. Professor Mestre Roberto de O. Sant Anna

GESTÃO DE CUSTOS. Professor Mestre Roberto de O. Sant Anna GESTÃO DE CUSTOS Professor Mestre Roberto de O. Sant Anna AULA 4 Gestão de Custos 2 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Aula 4 Custos dos produtos vendidos Conceito Apuração Decisão sobre Rateios Gestão de Custos 3

Leia mais

MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009

MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009 MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009 Informativo 19 - Página 285 - Ano 2009 ORIENTAÇÃO MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Opção pelo SIMEI Conheça as condições para recolhimento

Leia mais

Economia 2º Período. Fundamentos de Macroeconomia (Aula-V) 19/10/2014. Fundamentos de Macroeconomia. Fundamentos de Macroeconomia. Prof.

Economia 2º Período. Fundamentos de Macroeconomia (Aula-V) 19/10/2014. Fundamentos de Macroeconomia. Fundamentos de Macroeconomia. Prof. (Aula-V) 19/10/2014 UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Economia 2º Período Noções de Contabilidade Nacional e Cálculo do PIB Professor : Johnny Luiz Grando Johnny@unochapeco.edu.br 5. Noções

Leia mais

Boletim. Contabilidade Geral. Manual de Procedimentos. 13 o salário - Provisão e pagamento. Temática Contábil e Balanços 2. CLASSIFICAÇÃO CONTÁBIL

Boletim. Contabilidade Geral. Manual de Procedimentos. 13 o salário - Provisão e pagamento. Temática Contábil e Balanços 2. CLASSIFICAÇÃO CONTÁBIL Boletim Manual de Procedimentos Contabilidade Geral 13 o salário - Provisão e pagamento SUMÁRIO 1. Provisão mensal 2. Classifi cação contábil 3. Ajustes da provisão 4. Baixa da provisão por ocasião da

Leia mais

Prof. Walter Dominas

Prof. Walter Dominas Unidade II CONTABILIDADE AVANÇADA Prof. Walter Dominas Consolidação das demonstrações contábeis A Consolidação das Demonstrações Contábeis é uma técnica que permite conhecer a posição financeira de um

Leia mais

Aula 2 Contextualização

Aula 2 Contextualização Custos Industriais Aula 2 Contextualização Profa. Me. Marinei A. Mattos Além da terminologia de custos, existe a necessidade de comprender sua classificação Instrumentalização diante deste contexto Conceitos

Leia mais

Vamos à prova: Analista Administrativo ANEEL 2006 ESAF

Vamos à prova: Analista Administrativo ANEEL 2006 ESAF Pessoal, hoje trago a prova que a ESAF realizou recentemente para o concurso de Analista da ANEEL. A prova é interessante, pois houve várias questões mal formuladas, mas que não foram anuladas pela Banca.

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA Sumário 1. Considerações Iniciais 2. Estrutura da Demonstração do Valor Adicionado 2.1 - Grupo de Receita Bruta - Outras Receitas 2.2 - Grupo de Insumos Adquiridos

Leia mais

Pesquisa sobre bens a serem ativados Contabilizados no Ativo Imobilizado

Pesquisa sobre bens a serem ativados Contabilizados no Ativo Imobilizado Pesquisa sobre bens a serem ativados Contabilizados no Ativo Imobilizado ATIVO IMOBILIZADO O Ativo Imobilizado é formado pelo conjunto de bens e direitos necessários à manutenção das atividades da empresa,

Leia mais

11 A redução nas taxas de juros que afetem o retorno necessário. 12 O cálculo do valor em uso de uma unidade geradora de caixa

11 A redução nas taxas de juros que afetem o retorno necessário. 12 O cálculo do valor em uso de uma unidade geradora de caixa De acordo com o comando a que cada um dos itens a seguir se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com o

Leia mais

De acordo com a NBC TG16(R1), estoques, seu item número 9 define como os estoques devem ser mensurados, assim transcrito abaixo:

De acordo com a NBC TG16(R1), estoques, seu item número 9 define como os estoques devem ser mensurados, assim transcrito abaixo: PROVA BACHAREL PRIMEIRO EXAME DE SUFICIÊNCIA 2014. TESE PARA RECURSOS Questão 1 De acordo com a NBC TG16(R1), estoques, seu item número 9 define como os estoques devem ser mensurados, assim transcrito

Leia mais

FLUXO DE CAIXA: UMA ABORDAGEM GERENCIAL

FLUXO DE CAIXA: UMA ABORDAGEM GERENCIAL FLUXO DE CAIXA: UMA ABORDAGEM GERENCIAL Renato Lopes da Silva (G UEM) Cristiani Passolongo Noveli (UEM) RESUMO O caixa da empresa é formado por seus ativos circulantes montantes depositados em contas bancárias

Leia mais

BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE -

BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE - BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE - 1. Uma empresa produziu, no mesmo período, 100 unidades de um produto A, 200 unidades de um produto

Leia mais

ANTÓNIO BALTAZAR MORTAL PROFESSOR ADJUNTO DA ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO HOTELARIA E TURISMO DA UNIVERSIDADE DO ALGARVE

ANTÓNIO BALTAZAR MORTAL PROFESSOR ADJUNTO DA ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO HOTELARIA E TURISMO DA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ANTÓNIO BALTAZAR MORTAL PROFESSOR ADJUNTO DA ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO HOTELARIA E TURISMO DA UNIVERSIDADE DO ALGARVE GLOSSÁRIO DE CONTABILIDADE ANALÍTICA NOVEMBRO 2001 NOTA PRÉVIA O principal objectivo

Leia mais

Acordo de Participação nos Resultados das empresas Telemar Norte Leste S/A - Filial AM, TNL PCS S/A - Filial AM e Brasil Telecom S/A - Filial AM

Acordo de Participação nos Resultados das empresas Telemar Norte Leste S/A - Filial AM, TNL PCS S/A - Filial AM e Brasil Telecom S/A - Filial AM Acordo de Participação nos Resultados das empresas Telemar Norte Leste S/A - Filial AM, TNL PCS S/A - Filial AM e Brasil Telecom S/A - Filial AM PLACAR 2011 Acordo Coletivo de Participação nos Resultados

Leia mais

CARTILHA. Previdência. Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO. www.sulamericaonline.com.br

CARTILHA. Previdência. Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO. www.sulamericaonline.com.br CARTILHA Previdência Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO www.sulamericaonline.com.br Índice 1. Os Planos de Previdência Complementar e o Novo Regime Tributário 4 2. Tratamento Tributário Básico 5 3. Características

Leia mais

O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável

O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável por Carlos Alexandre Sá Existem três métodos de apuração dos Custos das Vendas 1 : o método de custeio por absorção, o método de custeio

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07 Subvenção e Assistência Governamentais Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 20 (IASB) Índice Item OBJETIVO E ALCANCE

Leia mais

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo 12. Demonstração do Fluxo de Caixa 2 12.1. Introdução 2 12.2. Conceitos Importantes 2 12.3. Atividades Operacionais 5 12.4. Atividades de Investimento 7

Leia mais

Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas em 31 de dezembro de 2014

Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas em 31 de dezembro de 2014 Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas Demonstrações financeiras em IFRS e baseadas nos Pronunciamentos Técnicos emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC em

Leia mais

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais:

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Núcleo de Pós-Graduação e Pesquisa em Economia Mestrado Profissional em Desenvolvimento Regional e Gestão de Empreendimentos Locais

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO OCPC 01 (R1) Entidades de Incorporação Imobiliária

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO OCPC 01 (R1) Entidades de Incorporação Imobiliária COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO OCPC 01 (R1) Entidades de Incorporação Imobiliária Índice Objetivo e alcance 1 Formação do custo do imóvel, objeto da incorporação imobiliária 2-9 Despesa

Leia mais

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO 1 Informações sobre o responsável pela proposta. Nome : Identidade: Órgão Emissor: CPF: Endereço: Bairro: Cidade: Estado: CEP: Telefone: FAX: E-mail Formação Profissional: Atribuições

Leia mais

Assunto: Softwares reconhecimento, mensuração, avaliação e evidenciação.

Assunto: Softwares reconhecimento, mensuração, avaliação e evidenciação. Nota Técnica n 010/2011/GECON Vitória, 28 de dezembro de 2011. Assunto: Softwares reconhecimento, mensuração, avaliação e evidenciação. Prezados (as) Senhores (as), A presente Nota Técnica foi desenvolvida

Leia mais

ASPECTOS CONCEITUAIS OBJETIVOS planejamento tomada de decisão

ASPECTOS CONCEITUAIS OBJETIVOS planejamento tomada de decisão FACULDADES INTEGRADAS DO TAPAJÓS DISCIPLINA: CONTABILIDADE GERENCIAL PROFESSOR: JOSÉ DE JESUS PINHEIRO NETO ASSUNTO: REVISÃO CONCEITUAL EM CONTABILIDADE DE CUSTOS ASPECTOS CONCEITUAIS A Contabilidade de

Leia mais

Permite registrar as compras de mercadoria lançando entradas no estoque, recalculando o custo médio e gerando o contas a pagar.

Permite registrar as compras de mercadoria lançando entradas no estoque, recalculando o custo médio e gerando o contas a pagar. 1-4-1-Compras (1-Movimentos, 4-Compras, 1-Registrar) Permite registrar as compras de mercadoria lançando entradas no estoque, recalculando o custo médio e gerando o contas a pagar. Há duas rotinas para

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS página 1 07. Onde é classificado o Subgrupo Estoques no plano de contas? 01. São acontecimentos que ocorrem na empresa e que não provocam alterações no Patrimônio: A) Atos Administrativos

Leia mais

Instituto Odeon - Filial Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório de revisão dos auditores independentes

Instituto Odeon - Filial Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório de revisão dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de e relatório de revisão dos auditores independentes Relatório de revisão dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Administradores

Leia mais

CURSOS ON-LINE CONTABILIDADE EM EXERCÍCIOS ESAF PROFESSOR ANTONIO CÉSAR

CURSOS ON-LINE CONTABILIDADE EM EXERCÍCIOS ESAF PROFESSOR ANTONIO CÉSAR Amigos concursandos, É provável que alguns de vocês não me conheçam, pois normalmente não escrevo em sites. A pedido de meu amigo Vicente, resolvi participar deste projeto que acho muito interessante,

Leia mais

Naquele artigo, de maneira elucidativa, como de costume, o Vale ministrou que:

Naquele artigo, de maneira elucidativa, como de costume, o Vale ministrou que: Olá, meus amigos. Como estão? Sejam bem-vindos ao Estratégia Concursos. Hoje, aproveitaremos o gancho do artigo postado pelo mestre Ricardo Vale (link a seguir), e falaremos sobre a incidência do IPI sobre

Leia mais

Balanço Patrimonial: Grupo de Contas

Balanço Patrimonial: Grupo de Contas 3 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas 3.1 JUSTIFICATIVAS Como foi visto no capítulo anterior, o Balanço Patrimonial é constituído de Ativo, Passivo e Patrimônio Líquido. O Ativo, por sua vez, compõe-se

Leia mais