UNIFEI Universidade Federal de Itajubá. Custos Industriais. Prof. Edson de Oliveira Pamplona, Dr.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIFEI Universidade Federal de Itajubá. Custos Industriais. Prof. Edson de Oliveira Pamplona, Dr. http://www.iem.efei.br/edson"

Transcrição

1 UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Custos Industriais Prof. Edson de Oliveira Pamplona, Dr Custos Industriais Programa 1. Introdução 2. Classificação dos custos 3. Esquema básico 4. Departamentalização 5. Aplicação dos custos indiretos 6. Materiais diretos (PEPS, UEPS e Custo Médio) 7. Mão de obra direta 8. Problemas especiais de produção por ordem 9. Problemas especiais de produção contínua 10. Custeio direto - Margem de Contribuição 11. Análise custo - volume - lucro 12. Custo - padrão Bibliografia 13. Custeio ABC - ABM - TCM 2

2 1. Introdução Objetivos dos Sistemas de Custos: Cálculo do custo dos produtos Controle de custos Elaboração de demonstrações financeiras Relação custo e preço: Preço = custo + lucro? Lucro = preço - custo? Custo = preço - lucro? Lucro Custo Preço 3 Terminologia: 1. Introdução Gasto Investimento Custo Despesa Perda Desembolso 4

3 Terminologia: Gastos: 1. Introdução Custo Investimento Despesa 5 1. Introdução Demonstração de Resultados: Receita bruta de vendas devoluções, abatimentos, impostos -120 Receita líquida de vendas custo dos produtos vendidos -400 Lucro bruto despesas operacionais -300 Lucro operacional resultado não operacional 0 Lucro antes do imposto de renda imposto de renda - 60 Lucro líquido 120 6

4 1. Introdução Balanço Patrimonial ATIVO Circulante Disponível, Estoques, Contas a receber Permanente Investimentos Imobilizado Terrenos, Edificações, Máq. e Equipamentos, Veículos, Móveis e utensílios -(Depreciação acumulada) Diferido PASSIVO Circulante Fornecedores, Contas a pagar Exigível a Longo Prazo Financiamentos, Contas a pagar a longo prazo Patrimônio Líquido Capital Social Lucros acumulados 7 2. Classificação de Custos Classificação em Direto e Indireto: Custo Direto: facilmente atribuível ao produto Custo Indireto: certa dificuldade de atribuição Apropriação estimada e muitas vezes arbitrária. Exemplos: Matéria prima Embalagens Materiais de consumo Mão de obra Salários da supervisão Depreciação das máquinas Energia elétrica Aluguel do prédio 8

5 2. Classificação de Custos Classificação em Fixo e Variável: Custo Variável: varia com o volume de produção Custo Fixo: Independe do volume de produção Exemplos: Matéria prima Embalagens Materiais de consumo Mão de obra Salários da supervisão Depreciação das máquinas Energia elétrica Aluguel do prédio 9 2. Classificação de Custos Outra nomenclatura Custo da Produção do Período Custo da produção acabada Custo dos produtos vendidos Custo dos produtos em elaboração Custo de transformação ( MOD + CIF) Custo primário (MP + MOD) 10

6 3. Esquema Básico de Custos Custos Indiretos Custos Diretos Despesas Rateio Produtos CPV Resultados Receitas 11 Esquema básico absorção parcial MP MOD CIP PA Receita Vendas -Impostos prop Receita Líquida -CPV Lucro Bruto -Despesas Lucro Operac -Desp não oper LAIR IR/CS LL 12

7 Exemplo Comissões de vendedores $ Salários de Fábrica Matéria prima consumida Salários da administração Depreciação na fábrica Seguros na fábrica Despesas financeiras Honorários da diretoria Materiais diversos - fábrica Energia elétrica - fábrica Manutenção - fábrica Despesas de entrega Correios, telefone e telex Material de consumo - escritório Despesa Custo (Direto e indireto) Custo direto Despesa Custo indireto Custo indireto Despesa Despesa Custo indireto Custo direto e indireto Custo indireto Despesa Despesa Despesa Gastos totais - abril Exemplo Sabe-se que os custos diretos para os produtos são: Produtos Matéria prima Mão de Obra Energia elétrica Total requisitada direta anotada consumida A B C Total Solução: Despesas: $ ,00 Custos Indiretos: $ ,00 Custos diretos: $ ,00 Produto: MOD % Custos Custos Total indiretos diretos A , B , C , Total ,

8 Exemplo Custos Indiretos: Diretos: Despesas: Rateio: base MOD Prod. A: , B: , C: Total: CPV Resultados Receitas 15 Exercício 1 (5.3) A Cia. Porto Eucaliptos apresentava o seguinte balancete em X1 : Compra de matérias primas: $ Vendas de produtos acabados: $ Supervisão geral da produção: $ Aluguel da fábrica: $ 600 Despesas comerciais e administrativas: $ Consumo de lubrificantes nos equip.de produção: $ 350 Seguro dos equipamentos de fábrica: $ 340 Veículo: $ Clientes: $ Supervisão do almoxarifado de matéria-prima: $ Depreciação de equip. Produção: $ 300 Caixa (460) e Bancos (1000): $ Despesas financeiras: $ 200 Deprec. acumulada equip. prod.: ( $ 300) Deprec. acumulada veículo: ( $ 100) Empréstimos curto prazo: $ Equipamentos de produção: $ Capital Social: $ Mão-de-obra Direta: $ Manutenção preventiva de maquinas produção: $ 500 Energia elétrica consumida na produção: $ 790 Ativo Receita de Vendas Custo indireto Custo indireto Despesa Custo indireto Custo indireto Ativo Ativo Custo indireto Custo indireto Ativo Despesa Ativo Ativo Passivo Ativo Passivo (PL) Custo direto Custo indireto Custo direto 16

9 Exercício 1 (5.3) A empresa fabricou os produtos X, Y e Z nas seguintes quantidades: X = Kg; Y = Kg e Z = Kg O preço médio de vendas/unid. é de: X=$270; Y=$350 e Z=$500 A matéria-prima é a mesma para cada produto e o consumo é de 1kg MP por unid. acabada. O tempo de produção requerido por unidade de produto é o seguinte: Tempo de MOD - 1,0hh, 2,0hh e 2,5hh para os produtos X,Y e Z respectivamente. Tempo de máquina - 0,60hm, 1,50hm e 3,75hm respectivamente para os produtos X,Y e Z. O consumo de energia elétrica é o mesmo em termos de kwh e seu custo é diretamente proporcional ao tempo de utilização das máquinas. O custo de supervisão geral apresenta correlação com o de MOD e os demais custos indiretos são correlacionados ao tempo de utilização das máquinas. O estoque de matérias primas no final de X1 foi de $ O volume de vendas, em unidades, foi de , e para os produtos X,Y e Z respectivamente. O Imposto de renda (IR) é de 30% sobre o lucro. Pede-se: 1. Determine o custo unitário e total de cada tipo de produto. 2. Determine o custo dos produtos vendidos no período e o estoque final de PA. 3. Elabore um quadro demonstrando o custo direto total por produto e um mapa de rateio dos CIP. 4. Elabore a Demonstração de Resultados e o Balanço Patrimonial de 31/12/X1 17 Exercício 1 Solução (5.3) Ativos: Estoque de matérias primas: $ ($ ) Veículos: $ Clientes: $ Caixa e Bancos: $ Deprec. acumulada equip. prod.: ( $ 300) Deprec. acumulada veículos.: ( $ 100) Equipamentos de produção: $ Passivos: Empréstimos a curto prazo: $ Capital: $ Vendas: $

10 Exercício 1 (5.3) Despesas: Despesas comerciais e administrativas: $ Despesas financeiras: $ 200 Total das despesas: $ Custos Diretos: Matérias primas consumidas: $ ($ ) Mão-de-obra Direta: $ Energia elétrica consumida na produção: $ 790 Total dos Custos Diretos: $ Custos Indiretos: Supervisão geral da Fábrica: $ Depreciação de equip. Produção: $ 300 Aluguel da Fábrica: $ 600 Consumo de lubrificantes: $ 350 Manutenção preventiva: $ 500 Supervisão do almoxarifado: $ Seguro dos Equipamentos de Fábrica: $ 340 Total dos Custos Indiretos: $ Exercício 1 (5.3) Apuração do Custo por produto: Produto: Volume de produção proporção custo de MP X % Y % Z % Total % Produto: Ajuste do tempo proporção custo de MOD X x 1 = ,25% Y x 2 = ,50% Z x 2,5 = ,25 % Total %

11 Exercício 1 (5.3) Apuração do Custo por produto: Produto: Ajuste do tempo proporção custo de Energia X x 0,60 = % 158 Y x 1,50 = % 237 Z x 3,75 = % 395 Total % 790 Custos: Diretos Indiretos Total A B C Mat. prima Mão obra dir Energia Elétrica Sup.Geral de fab Demais C. Ind.: TOTAL X Y Z 21 Exercício 1 (5.3) 1. Apuração do Custo total e unitário por produto: Produto: Sup. Geral Outros Custos Custos Custos Total Indiretos indiretos diretos X 900,00 706, , ,00 Y 1.080, , , ,00 Z 900, , , ,00 Total 2.880, , , ,00 Custo Unitário 0, , , Estoque final de cada produto: X: x 0,14278 = $ 1.427,80 Y: x 0,22420 = $ 2.690,40 Z: x 0,31675 = $ 1.267,00 Custo dos produtos vendidos: X: 7.139, ,80 = $ 5.711,20 Y: 6.726, ,40 = $ 4.035,60 Z: 6.335, ,00 = $ 5.068,00 3. Demonstração de Resultados: Vendas $ ,00 - CPV ($ ,80) Lucro bruto $ ,20 - Despesas ($ 8.300,00) Lucro antes IR $ 1.985,20 IR (30%) $ (595,56) Lucro Líquido $ 1.389,6422

12 4. Balanço Patrimonial: Ativo Exercício 1 (5.3) Passivo Cx e Bcos: 1.460,00 Clientes.: 6.060,00 estoque mp: 5.000,00 estoque pa: 5.385,20 Veículos.: 1.000,00 - dep. acum.: 100,00 equip. prod.: 2.000,00 - dep. acuml.: 300,00 Total do ativo: ,20 empréstimos: 3.520,00 IR a pagar 595,56 Capital.: ,00 lucros acum.: 1.389,64 Total do passivo: , Esquema Básico de Custos 2 Por Quê Departamentalizar Exemplo ( Sem Departamentalização): Produto D: Usa 400 horas - máquina - 40% Produto E: Usa 200 horas - máquina - 20% Produto F: Usa 400 horas - máquina - 40% Custos Indiretos: $ Base de rateio adotada: Horas - máquina Produto D Custos Diretos: $ Custos Indiretos 40% $ Produto E Custos Diretos: $ Custos Indiretos 20% $ Produto F Custos Diretos: $ Custos Indiretos 40% $ $ $ $

13 D E F 4. Esquema Básico de Custos 2 Departamentalização Com Departamentalização: Corte Montagem Acabamento 100 hs 50 hs 250 hs 200 hs 250 hs 150 hs D: 400 hs F: 400 hs E: 200 hs Corte Montagem Acabamento CIF H. máq. 300 hs 300 hs 400 hs 1000 hs Custo/hora $1.500 / h $500 / h $1.375 / h / h Esquema Básico de Custos 2 Departamentalização Com Departamentalização: Corte Montagem Acabamento Custo/hora $1.500 / h $500 / h $1.375 / h CIF: D 100 hs x 1500 $ hs x 500 $ hs x 1375 $ D $ E 200 hs x 1500 $ hs x 500 $ hs x 1375 $ F $ F E $ $

14 Sem Departamentalização: 4. Esquema Básico de Custos 2 Departamentalização Produto D Custos Diretos: $ Custos Indiretos 40% $ Produto E Custos Diretos: $ Custos Indiretos - 20% $ Produto F Custos Diretos: $ Custos Indiretos 40% $ $ $ $ Com Departamentalização: Produto D Custos Diretos: $ Custos Indiretos $ Produto E Custos Diretos: $ Custos Indiretos $ Produto F Custos Diretos: $ Custos Indiretos $ CT= $ $ $ Esquema Básico de Custos - Departamentalização Departamento Unidade mínima administrativa para a contabilidade de custos desenvolvendo atividades homogêneas Departamentos de Produção Atuam sobre os produtos Apropriam custos aos produtos Exemplos: Fundição Usinagem Montagem Pintura Departamentos de Serviços Também chamados de Auxiliares Transferem seus custos aos Deptos de Produção Exemplos: Manutenção Controle da Qualidade Almoxarifado Administração Geral da Fábrica Centros de Custos: Unidade mínima de acumulação de custos. Um departamento pode ser dividido em centros de custos para melhorar a distribuição de custos 28

15 4. Esquema Básico de Custos Departamentalização Custos Indiretos Custos Diretos Despesas Centro de Custos Aux. 1 Centro de Custos Aux. 2 Centro de Custos Prod. 1 Base: Volume Centro de Custos Prod. 2 Produtos CPV Resultados Receitas 29 CIP MP MOD PA Sistema Tradicional de Custos Absorção Parcial Receita Vendas -Impostos prop Receita Líquida -CPV Lucro Bruto -Despesas Lucro Operac -Desp não oper LAIR IR/CS LL 30

16 Mapa de rateio de CIF Soma Área ( ) Ptos luz/força (40.000) N o pes ( ) superv. Soma horas manut ( ) equitativa ( ) N o testes ( ) CIF Horas-máq. 350 h 300 h 193 h Custo/hm 880/hm 730/hm 1.000/hm Produto G Hora-máq Produto H Hora-máq Produto I Hora-máq Total Exercício 2 (Proposto) Mapa de rateio dos custos Indiretos: Custos Indir. Bases Departamentos de Produção Departamentos de Serviços Custos Bases de Usinagem Cromeação Montagem Controle Almoxarifadtenção Manu- Admin. Total Indiretos rateio qualidade geral Aluguel Energia Mater. Indir M. O. Ind Deprec Estamparia Furação Montagem Almoxa rifado Manu tenção Admin. Geral Total Aluguel Mat. Ind Energia Mão O. I Soma CIP Nº Func ( ) H/Maq (69.300) Nº Req Dobradiça Fechadura Total

17 Exercício 2 (Proposto) Apurar o custo indireto de cada departamento e de cada produto com base no seguinte: Os custos da administração geral da fábrica são distribuídos com base no nº de funcionários - Estamparia 35 funcionários, Montagem 15, Furação 30 e o restante é igual para Almoxarifado e manutenção. A Manutenção presta serviços aos deptos de produção e o rateio é feito à base tempo de máq.: Estamparia h/m, Montagem h/m e Furação h/m. O almoxarifado distribui seus custos: 1/2 para Estamparia, 1/4 para Montagem e o restante para Furação. A empresa produz dobradiças e fechaduras. A dobradiça ( unidades no mês) passa apenas pela estamparia e furação e a fechadura (4.000 unidades) por todos os deptos. A distribuição dos custos indiretos aos respectivos produtos é feita na mesma proporção que os materiais diretos. Custos Diretos do mês: Dobradiça Fechaduras Total Matéria-prima Mão-de-obra direta Total Exercício 2 (Proposto) Mapa de rateio dos custos Indiretos: Custos Indir. Bases Estamparia Furação Montagem Almoxarifado Manutenção Admin. Geral Total Aluguel Mat. Ind Energia Mão O. I Soma Nº Func (4.580) H/maq (69.300) (980) Nº Req (928) CIP Dobradiça Fechadura Total

18 Exercício 2 (Proposto) Quadro de Custos Totais: Produto: Custos indiretos Custos diretos Total Dobradiças Fechaduras Total Custos unitários: Dobradiças: $ / = $ 1,63/unid. Fechaduras: $ / = $ 4,00/unid Aplicação dos Custos Indiretos de Fabricação Usada para: Acompanhamento dos custos durante o mês Apropriação homogênea dos custos (que ocorrem com mais intensidade em certas épocas do ano: Manutenção, Férias coletivas) Elaboração de orçamentos Previsão da taxa de aplicação de CIF: Previsão do volume de produção Ex: 400 hmod Previsão dos CIF variáveis Ex: $ / hmod Previsão dos CIF fixos Ex: $ Fixação do critério de apropriação Ex: Horas de MOD CIF Estimado: $ $ x 400 = $ Taxa de aplicação do CIF: $ / 400 = $ / hmod 36

19 5. Aplicação dos Custos Indiretos de Fabricação CIF Estimado: $ $ x 400 = $ Taxa de aplicação do CIF: $ / 400 = $ / hmod Prod. Prevista Centro custo CIF estimado $ hmod Taxa aplicação MP $ / hmod CIF MOD Pro du tos Aplicação dos Custos Indiretos de Fabricação CIF Estimado: $ Taxa de aplicação: $ / hmod No final do mês a empresa apresenta os seguintes resultados reais: Volume de produção real: 380 hmod CIF totais reais: $ CIF Aplicado: $ x 380 hmod = $ Subaplicação = $ (desfavorável) Esta diferença deve ser corrigida, sendo somada ao Custo do Produto Vendido do período. 38

20 5. Aplicação dos Custos Indiretos de Fabricação Exemplo: Previsão de CIF para a empresa Y: Deptos CIF fixos previstos CIF variáveis previstos Distribuição dos CIF Previstos: Critérios de rateio Administração da fábrica $ Aos deptos: Almox.:15%, Mist.:60% Ensac.:25% (base: n o de pessoas) Almoxarifado $ $10/kg de matériaprima movimentada 80% dos fixos à mistura 20% dos fixos ao ensacamento (Obs: os variáveis apenas à mistura) Mistura $ $50/hora MOD Aos produtos (base: Horas-MOD) Ensacamento $ $20/kg ensacado Aos produtos (base: kgs ensacados) Custo Indir. Ensacam. Mistura Almoxar. Administ. Total Fixos: Variáveis: Soma: ( ) ( ) ( ) Soma: Aplicação dos Custos Indiretos de Fabricação Critérios de apropriação dos CIF: Depto de ensacamento: Quantidade em Kgs Depto de Mistura: Horas de MOD Mistura Ensacamento CIF $ $ Prod. Prevista hmod kgs Taxa aplicação $ 201,50 / hmod $ 39,40 / kg CIF CIF MP MOD Pro du tos 40

21 Exercício 3 (9.2) Os Custos indiretos orçados da empresa Ki-delícia produtora de sorvetes para um nível de horas são: Fixos: $ Variáveis: $ Em virtude do intenso verão registrado no ano, a empresa trabalhou horas, incorrendo num total de $ de custos indiretos. Calcular: a. Taxa de aplicação no período b. Qual seria esta taxa se já se estimassem horas de trabalho? c. Quais foram os custos indiretos aplicados? f. Qual a variação total de CIF (sub ou sobre aplicação)? 41 Exercício 3 (9.2) a) Taxa de aplicação: $ / = $ 587,50 / hora b) CIF estimados para horas: ( /16000) = Taxa de aplicação para horas: / = $ 549,01 / hora c) Custos indiretos aplicados no ano: 587,5 x = $ f) Custos Aplicados: $ Custos Reais: $ Subaplicação: $ (desf) 42

22 6. Aspectos dos Materiais Diretos Critérios de Avaliação de Estoques: Qual o custo da matéria-prima para Consumo de 4 unidades? Preço Médio: Preço médio = 3 x x x 15 = 12,375 Custo da MP = 4 x 12,375 = $ 49,50 Estoque: 4 x 12,375 = $ 49,50 PEPS: Custo da MP = 3 x x 12 = $ 42,00 Estoque: 1 x x 15 = $ 57,00 UEPS: Custo da MP = 3 x x 12 = $ 57,00 Estoque: 1 x x 10 = $ 42,00 44 Critérios de Avaliação de Estoques: Exemplo: Qual o custo da matéria-prima consumida? Ficha de Estoque do Produto N Compras Utilização Dia Quantidade (kg) Preço unitário $ Total $ Quantidade (kg) , , , Preço médio móvel: Dia 17: Preço médio do estoque = / 3000 = 11,11 Custo da MP consumida = kg x $ 11,11 = $ Dia 29: Preço médio do estoque = (800 x 11, )/2.000 = 12,24 Custo da MP consumida = kg x 12,24 = $ Matéria-prima consumida no mês = $ $ = $ Estoque final = 1000 x 12,24 = $

23 Critérios de Avaliação de Estoques: Exemplo: Qual o custo da matéria-prima consumida? Ficha de Estoque do Produto N Compras Utilização Dia Quantidade (kg) Preço unitário $ Total $ Quantidade (kg) , , , Preço médio fixo: Preço médio do estoque do mês = / 4200 = 11,643 Dia 17: Custo da MP consumida = kg x $ 11,643 = $ Dia 29: Custo da MP consumida = kg x 11,643 = $ Matéria-prima consumida no mês = $ $ = $ Estoque final = 1000 x 11,643 = $ Critérios de Avaliação de Estoques: Exemplo: Qual o custo da matéria-prima consumida? Ficha de Estoque do Produto N Compras Utilização Dia Quantidade (kg) Preço unitário $ Total $ Quantidade (kg) , , , PEPS: Dia 17: Custo da MP consumida = kg x $ 10 = $ kg x $ 11,65 = $ Dia 29: Custo da MP consumida = 800 kg x $ 11,65 = $ kg x $ 13 = $ Matéria-prima consumida no mês = $ Estoque final = 1000 x 13 = $

24 Critérios de Avaliação de Estoques: Exemplo: Qual o custo da matéria-prima consumida? Ficha de Estoque do Produto N Compras Utilização Dia Quantidade (kg) Preço unitário $ Total $ Quantidade (kg) , , , UEPS: Dia 17: Custo da MP consumida = kg x $ 11,65 = $ kg x $ 10,00 = $ Dia 29: Custo da MP consumida = kg x $ 13,00 = $ Matéria-prima consumida no mês = $ Estoque final = 800 x x 13 = $ Critérios de Avaliação de Estoques: Custo MP Média móvel Média fixa PEPS UEPS 49

25 Exercício 4 (10.3) Durante o mês a empresa Doceria Formiga comprou e consumiu diferentes quantidades de matéria prima: Dia Compra Consumo Quantidade Preço Total Quantidade , , , ,8 7680, Total , Caso utilizasse o UEPS teria tido um lucro bruto na venda de seus produtos de $39548,00. Os demais custos incorridos (MOD, CIP) totalizaram $ 41350,00? Qual seria o lucro bruto se ela utilizasse o PEPS, Custo médio ponderado móvel e custo médio ponderado fixo? Qual a razão da não aceitação do UEPS por parte do fisco 50 no Brasil? Exercício 4 (10.3) Dia Compra Consumo Quantidade Preço Total Quantidade , ,5 5670, ,8 1680, Total , UEPS (LIFO) Consumo = 210 x x 13, x 12,8 = $ ,00 Receita da empresa = 41350, , ,00 = $ 92550,00 PEPS (FIFO) Consumo = 210 x x x x 13,5 = $ ,00 Lucro da empresa = 92550, , ,00 = $ ,00 51

26 Exercício 4 (10.3) Dia Compra Consumo Quantidade Preço Total Quantidade , ,5 5670, ,8 1680, Total , Custo médio ponderado móvel Consumo = 210 x x 11, x 12,28 = $ ,20 Lucro da empresa = 92550, , ,00 = $ ,80 Custo médio ponderado fixo Consumo = 930 x (23250/1920) = 930 x 12,11 = $ ,30 Lucro da empresa = 92550, , ,00 = $ , Aspectos dos Materiais Diretos Tratamento das perdas de materiais: Perdas normais: Inerentes ao processo de fabricação, previsíveis Consideradas como custo do produto fabricado Perdas Anormais: Ocorrem de forma involuntária Consideradas como perdas do período Tratamento dos subprodutos e sucatas: Subprodutos: Nascem de forma normal, com venda estável, mas com participação pequena no faturamento total Não são custeados e sua receita é abatida do custo dos produtos Sucatas: venda esporádica, Não recebem custos e sua venda é considerada receita não operacional 53

27 7. Aspectos da Mão-de-Obra Direta (MOD) MOD: relativa ao pessoal que trabalha diretamente sobre o produto, desde que seja possível a mensuração do tempo e a identificação do executor. CONSIDERAÇÃO DOS ENCARGOS SOCIAIS: Exemplo: Operário contratado por $ 10,00 por hora Número máximo de horas, por ano: Número de dias por ano 365 dias (-) repousos semanais remunerados 48 dias (-) Férias 30 dias (-) Feriados 12 dias = Número máximo de dias à disposição 275 dias Horas por dia: 44 / 6 = 7,3333 horas Número máximo de horas à disposição 2.016,7 horas Aspectos da Mão-de-Obra Direta (MOD) REMUNERAÇÃO ANUAL DO EMPREGADO: Salários: 2.016,7 x 10,00 $ ,00 Repousos semanais: 48 x 7,3333 x 10,00 $ 3.520,00 Férias: 30 x 7,3333 = 220 x 10,00 $ 2.200,00 13o salário: 220 x 10,00 $ 2.200,00 Adicional constitucional de férias (1/3) $ 733,00 Feriados: 12 x 7,3333 = 88h x 10,00 $ 880,00 Total $ ,33 + CONTRIBUIÇÕES DO EMPREGADOR (36,8 %) Previdência social (20 %), FGTS (8%), Seguro acidentes (3%), Salário educação (2,5%), SESI ou SESC (1,5%), SENAI ou SENAC (1%), INCRA (0,2%), SEBRAE (0,6%) Custo total anual para o empregador $ ,05 Custo por hora $ 20,14 / hora 55

28 7. Aspectos da Mão-de-Obra Direta (MOD) A empresa deve atribuir por hora: Custo por hora com encargos E não: Custo por hora sem encargos $ 20,14 / hora $ 10,00 / hora ENCARGOS SOCIAIS MÍNIMOS: 101,47 % Sem considerar ainda: tempo de dispensa aviso prévio, 50% do FGTS na despedida, faltas abonadas. Outros gastos decorrentes da Mão-de-obra: Vestuário, alimentação, transporte, assistência médica espontânea, etc. 56 Produção por Ordem x Produção Contínua Produção por ordem: Produção sob encomenda Exemplos: Indústrias pesadas, Fabricantes de equipamentos especiais, Algumas industrias de móveis, Construção civil, Empresas de consultoria, de engenharia Produção Contínua: Produtos iguais de forma contínua Exemplos: Indústrias de cimento, automobilística, de alimentos, serviços de telefonia, energia elétrica 57

29 8. Custos por ordem de produção Os custos são acumulados por ordem de produção ou de serviços A ordem só para de receber custos quando encerrada No fim de um exercício, o valor das ordens não terminadas são produtos em elaboração Departamento 1 Departamento 2 Ordem de Produção N o. Ordem de Produção N o. Cliente: Produto: Lote n o Data início: Data término: Cliente: Produto: Lote n o Data início: Data término: MD MOD CIF Total MD MOD CIF Total Custos por ordem de produção Danificações de materiais dentro da normalidade: Custo da ordem ou Custo indireto rateados à produção do período Danificações de ordens inteiras: Perdas do período Encomendas de longo prazo: Reconhece-se o custo incorrido por período e apropria-se parte da receita por período 59

30 Exercício 5 (12.3) A indústria de móveis Pica-Pau S.A. fabrica móveis de escritório sob encomenda. Ao receber uma, prevê os custos que são incorridos e, a partir daí, calcula o preço de venda. No dia 2 de setembro de 19X9 recebeu 3 encomendas de escrivaninhas (160 grandes, 92 médias e 95 pequenas). É normal haver perda de algumas unidades no processo de produção; por isso a empresa resolveu iniciar as ordens com os seguintes totais: 165, 95 e 98, respectivamente; provavelmente serão mesmo perdidos estes adicionais. Sua previsão foi a seguinte para essas quantidades: Mat-primas: $4.950 (p/ as grandes), $2.375 (médias) e $1.764 (peq.) Outros Custos: Custos Parte fixa Parte variável Supervisão da fábrica $ Depreciação $ Energia elétrica - $ 2 /hora-máq Mão-de-obra Direta $10 /hora de MOD Outros $ $ 8 /hora-máq Tempo estimado de fabricação: Grandes 1,8 hm e 1,4 hmod; Médias 1,4 hm e 1,0 hmod; Pequenas 1,0 hm e 1,0 hmod Pede-se: a) Qual o custo de cada encomenda, e seu preço de venda, se a empresa ratear os custos indiretos à base de horas máquinas e desejar um lucro bruto de 50% sobre o custo? b) E se ratear à base de horas de mão-de-obra direta? 60 Exercício 5 (12.3) OP Escrivaninhas Grandes 165 unid MP $ MOD 165 x 1,4 x 10 = $ CIF 165 x 1,8 x 2 (EE) x 1,8 x 2 (CIPVar) x 1,8 x / 528 = $ Total Total $ ,00 OP Escrivaninhas Médias 95 unid MP $ MOD 95 x 10 x 1,0 = $ 950 CIF 95 x 1,4 x 2 (EE) + 95 x 1,4 x 8 (CIPVar) + 95 x 1,4 x / 528 = $5.864,20 $ 9.189,20 Preço de venda: $20.355,00 x 1,5 = $ ,50 Preço de venda: $9.189,20 x 1,5 = $ ,80 61

31 Exercício 5 (12.3) OP Escrivaninhas Pequenas 98 unid MP $ MOD 98 x 1 x 10 = $ 980 CIF 98 x 1 x 2 (EE) + 98 x 1 x 8 (CIPVar) + 98 x 1 x / 528 = $ 4.320,80 Total $ 7.064,80 Preço de venda: $ 7.064,80 x 1,5 = $ ,20 b) Se a base for Horas MOD: Escrivaninhas Grandes: Custo $20.036,40 Preço $30.054,60 Escrivaninhas Médias: Custo $ 8.688,80 Preço $13.033,20 Escrivaninhas Peq. : Custo $ 7.883,80 Preço $11.750, Custos por processos (produção contínua) Custos acumulados por processos Custos apurados por período Produto acabado de um processo é matéria-prima do processo posterior MP MOD CIF MOD MP CIF MP MOD CIF MP Processo 1 Processo 2 Processo 3 PA Custo do processo no período Produção Equivalente do período = Custo unitário 63

32 9. Custos por processos (produção contínua) Produção equivalente: Início do período Transferidos para Produtos Acabados Final do período Produção equivalente do período no processo = 4-2*0,5 + 1* 0,5 = 3,5 unidades Custos por processos - Produção equivalente Exemplo: 1o Período - Sem estoque inicial ou final no período no processo: Custos de produção do período = $ Unidades produzidas (completamente produzidas no período) = Custo unitário = $ o Período - Com estoque no final do período: Custos de produção do período = $ Unidades acabadas e transferidas para Prod. Acab. = Em elaboração no final do período: (50%) Produção equivalente = * 0,5 = Custo unitário = / = $ o Período - Com estoque no início e final do período: Custos de produção no período = $ Unidades acabadas e transferidas = Em elaboração no início do período = 2000 (50%) Em elaboração no final do período = 1800 (1/3 acabadas) Produção equivalente = * 0, * (1/3) = Custo unitário = / = $

Contabilidade de Custos

Contabilidade de Custos Contabilidade de Custos EDITORA ATLAS S.A. Rua Conselheiro Nébias, 1384 (Campos Elísios) 01203-904 São Paulo (SP) Tel.: (0 11) 3357-9144 (PABX) www.editoraatlas.com.br Eliseu Martins Welington Rocha Contabilidade

Leia mais

EXERCÍCIO 01. Classificar em: Custos de Fabricação Despesas Administrativas Despesas Comerciais ou de Vendas Lucro

EXERCÍCIO 01. Classificar em: Custos de Fabricação Despesas Administrativas Despesas Comerciais ou de Vendas Lucro EXERCÍCIO 01 Classificar em: Custos de Fabricação Despesas Administrativas Despesas Comerciais ou de Vendas Lucro - Despesas de viagens 1.000 - Material direto 35.000 - Salário da administração 14.000

Leia mais

6 Materiais Diretos. 6.1 Tipos de Material Direto

6 Materiais Diretos. 6.1 Tipos de Material Direto 6 Materiais Diretos Material Direto é o custo de qualquer material diretamente identificável com o produto e que se torne parte integrante deste. Exemplos:- matéria-prima, embalagens. 6.1 Tipos de Material

Leia mais

Mecânica de acumulação Grau de absorção

Mecânica de acumulação Grau de absorção ADM - 033 ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS - II Prof. Luiz Guilherme Azevedo Mauad, Dr. mauad@unifei.edu.br 2010 Classificação dos sistemas de custeio Característica Mecânica de acumulação Grau de absorção Momento

Leia mais

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS 1 DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS CUSTODIO ROCHA Você bem preparado para o futuro da 2profissão. 1 OBJETIVOS Identificação do Conteúdo de Custos Aplicado nas Provas de Suficiência Breve Revisão

Leia mais

BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE -

BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE - BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE - 1. Uma empresa produziu, no mesmo período, 100 unidades de um produto A, 200 unidades de um produto

Leia mais

11 MODELO DE PLANO DE CONTAS

11 MODELO DE PLANO DE CONTAS 11 MODELO DE PLANO DE CONTAS Apresentamos a seguir uma sugestão de plano de contas, para as empresas de construção civil, utilizável também por aquelas que trabalham com obras por empreitada MODELO DE

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS. Nome: RA: Turma: Assinatura:

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS. Nome: RA: Turma: Assinatura: UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS Nome: RA: Turma: Assinatura: EXERCÍCIO 1 Classifique os itens abaixo em: Custos, Despesas ou Investimentos a) Compra de Matéria Prima b) Mão de

Leia mais

AULA CUSTOS PARA FINS CONTÁBEIS CONTABILIDADE DE CUSTOS

AULA CUSTOS PARA FINS CONTÁBEIS CONTABILIDADE DE CUSTOS AULA CUSTOS PARA FINS CONTÁBEIS CONTABILIDADE DE CUSTOS Professora Mestre M. Sc. Crísley do Carmo Dalto Especialista em Contabilidade Gerencial Mestre em Ciências Contábeis- Contabilidade Gerencial O QUE

Leia mais

Pessoal, ACE-TCU-2007 Auditoria Governamental - CESPE Resolução da Prova de Contabilidade Geral, Análise e Custos

Pessoal, ACE-TCU-2007 Auditoria Governamental - CESPE Resolução da Prova de Contabilidade Geral, Análise e Custos Pessoal, Hoje, disponibilizo a resolução da prova de Contabilidade Geral, de Análise das Demonstrações Contábeis e de Contabilidade de Custos do Concurso para o TCU realizado no último final de semana.

Leia mais

FACULDADE SAGRADA FAMÍLIA

FACULDADE SAGRADA FAMÍLIA FACULDADE SAGRADA FAMÍLIA CURSO: BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANOTAÇÕES DE AULA: PARTE I DISCIPLINA: CONTABILIDADE E ANÁLISE DE CUSTOS II 5º PERIODO- 2014_2 PROF. JOCIMAR D. PRADO, MS E MAIL: JECONTPRADO@GMAIL.COM

Leia mais

APOSTILA DE CONTABILIDADE DE CUSTOS

APOSTILA DE CONTABILIDADE DE CUSTOS Esta apostila foi produzida por ACHEI CONCURSOS PÚBLICOS http://www.acheiconcursos.com.br email: acheiconcursos@acheiconcursos.com.br Aqui você encontra aulas, apostilas, simulados e material de estudo

Leia mais

GESTÃO DE CUSTOS. Prof. Dr. Constantino de Gaspari Gonçalves CASO 1 A EMPRESA BOA DE CUSTOS INCORREU NOS SEGUINTES GASTOS ABAIXO:

GESTÃO DE CUSTOS. Prof. Dr. Constantino de Gaspari Gonçalves CASO 1 A EMPRESA BOA DE CUSTOS INCORREU NOS SEGUINTES GASTOS ABAIXO: GESTÃO DE CUSTOS Prof. Dr. Constantino de Gaspari Gonçalves CASO 1 A EMPRESA BOA DE CUSTOS INCORREU NOS SEGUINTES GASTOS ABAIXO: Nº GASTOS VALOR 01 Compra de um computador 2.400 02 Compra de matéria-prima

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS PUCCAMP

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS PUCCAMP PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS PUCCAMP FORMAÇÃO DE PREÇOS DE VENDA JOSÉ VICENTE DE SOUZA FILHO CAMPINAS SP 2009 SUMÁRIO Introdução...2 Ramos da Contabilidade...3 Contabilidade Financeira...3

Leia mais

Taxa de Aplicação de CIP (Custos Indiretos de Produção)

Taxa de Aplicação de CIP (Custos Indiretos de Produção) Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação MBA em Engenharia de Produção Custos Industriais Aplicação de Custos Diretos e Indiretos Luizete Fabris Introdução tema. Assista à videoaula do professor

Leia mais

Departamento de Desenvolvimento Profissional

Departamento de Desenvolvimento Profissional Departamento de Desenvolvimento Profissional Contabilidade de Custos Renata Sol Costa renatasolcosta@hotmail.com Rio de Janeiro Agosto/2014 Departamentalização exemplo: Uma indústria automobilística

Leia mais

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO É a etapa do processo do planejamento estratégico em que se estima (projeta) e determina a melhor relação entre resultados e despesas para atender às necessidades

Leia mais

Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações:

Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações: Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações: 1) Antecipação do pagamento de uma duplicata de $ 140.000 a um de seus fornecedores, com 2% de desconto. i 2) Efetuou os seguintes

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ Gestão de Custos - PECC/2010.1

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ Gestão de Custos - PECC/2010.1 CUSTOS 1 1. Conceitos Contabilidade de custos é o processo ordenado de usar os princípios da contabilidade geral para registrar os custos de operação de um negócio, de tal maneira que, com os dados da

Leia mais

1.4 - CUSTOS São os gastos relativos a bens ou serviços utilizados na produção de outros bens ou serviços.

1.4 - CUSTOS São os gastos relativos a bens ou serviços utilizados na produção de outros bens ou serviços. CONTABILIDADE GERAL E DE CUSTOS MÓDULO (1): CONTABILIDADE DE CUSTOS 1. CONCEITOS 1.1 CONTABILIDADE DE CUSTOS É a área da contabilidade que estuda os gastos referentes à produção de bens e serviços. Abrange

Leia mais

Gestão de Custos. Profº F abrizio Scavassa. Gestão de Custos. P rof o F abrizio Scavassa. Turma: 3º Semestre

Gestão de Custos. Profº F abrizio Scavassa. Gestão de Custos. P rof o F abrizio Scavassa. Turma: 3º Semestre 1 Profº F abrizio Scavassa Turma: 3º Semestre 2 Ementa 1. Contabilidade de Custos: Natureza, importância, objetivos, princípios contábeis; 2. Custos Diretos: Definição, material direto, custos do material,

Leia mais

CUSTOS e Formação do preço de Venda

CUSTOS e Formação do preço de Venda CUSTOS e Formação do preço de Venda Definição de custo: Somatório das remunerações percebidas por todas as classes de pessoas envolvidas no processo produtivo de um bem, desde a fase inicial até a fase

Leia mais

Sistema de Custos ABC. As Inadequações do Sistema Tradicional de custos ao Novo Ambiente de Produção

Sistema de Custos ABC. As Inadequações do Sistema Tradicional de custos ao Novo Ambiente de Produção Sistema de Custos ABC 85 As Inadequações do Sistema Tradicional de custos ao Novo Ambiente de Produção 86 80% 70% 60% 50% 40% As Inadequações do Sistema Tradicional de custos ao Novo Ambiente de Produção

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

Bases para o conhecimento de custos

Bases para o conhecimento de custos capítulo 1 Bases para o conhecimento de custos OBJETIVO O objetivo deste capítulo é apresentar os principais conceitos relacionados a custos, possibilitando ao leitor: identificar os métodos de custeio

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS. A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas.

CONTABILIDADE DE CUSTOS. A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas. CONTABILIDADE DE CUSTOS A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas. A Contabilidade de Custos que atende essa necessidade

Leia mais

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 RELATÓRIO DE PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: UM ESTUDO DE CASO EM EMPRESA QUE ATUA NO RAMO DE SITUADA NO MUNICÍPIO DE

Leia mais

CURSO: CONTABILIDADE DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS PROF.ESP.JOÃO EDSON F. DE QUEIROZ DILHO

CURSO: CONTABILIDADE DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS PROF.ESP.JOÃO EDSON F. DE QUEIROZ DILHO Composição e Mecanismos de Determinação do Custo do Produto O Custo de cada produto lançado no estoque é composto de matéria-prima consumida (MPC), mão-de-obra diretamente relacionada com a produção (MOD)

Leia mais

Professora conteudista: Divane A. da Silva

Professora conteudista: Divane A. da Silva Análise de Custos Professora conteudista: Divane A. da Silva Sumário Análise de Custos Unidade I 1 CUSTOS PARA CONTROLE...2 1.1 Conceitos e aplicação...3 2 DEPARTAMENTALIZAÇÃO...4 2.1 Conceitos e aplicação...

Leia mais

Contabilidade de Custos

Contabilidade de Custos Contabilidade de Custos 111 Contabilidade de Custos 6E Desenvolvimento de conteúdo, mediação pedagógica e design gráfico Equipe Técnico Pedagógica do Instituto Monitor Monitor Editorial Ltda. Rua dos Timbiras,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Nas questões de 31 a 60, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a folha de respostas, único documento válido para a correção das

Leia mais

Exercícios - Rateio dos Custos Indiretos

Exercícios - Rateio dos Custos Indiretos Exercícios - Rateio dos Custos Indiretos Exercício 1 A empresa Tico e Teco apresentou os seguintes gastos no período de janeiro de 200x: Supervisão da fábrica R$ 23.000,00 Mão-de-obra do produto X R$ 220.000,00

Leia mais

expert PDF Trial Estoques (Métodos de Avaliação do Estoque pelas Normas Contábeis e Fiscais)

expert PDF Trial Estoques (Métodos de Avaliação do Estoque pelas Normas Contábeis e Fiscais) Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400 - ramal 1529 (núcleo de relacionamento) Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva, 60 Higienópolis

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção - Era mercantilista: Receita (-) Custo das mercadorias vendidas (comprada de artesãos) = Lucro Bruto (-) Despesas = Lucro Líquido - Empresas

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS Mostra o fluxo de eventos ocorridos em um determinado período de tempo. Quanto a empresa lucrou no ano passado? BALANÇO PATRIMONIAL Fotografia

Leia mais

PLANO DE CONTAS. - Plano 000001 FOLHA: 000001 0001 - INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA DA USP DATA: 18/08/2009 PERÍODO: 01/2007

PLANO DE CONTAS. - Plano 000001 FOLHA: 000001 0001 - INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA DA USP DATA: 18/08/2009 PERÍODO: 01/2007 PLANO DE S FOLHA: 000001 1 - ATIVO 1.1 - ATIVO CIRCULANTE 1.1.1 - DISPONÍVEL 1.1.1.01 - BENS NUMERÁRIOS 1.1.1.01.0001 - (0000000001) - CAIXA 1.1.1.02 - DEPÓSITOS BANCÁRIOS 1.1.1.02.0001 - (0000000002)

Leia mais

Contabilidade Gerencial Ativo imobilizado

Contabilidade Gerencial Ativo imobilizado Contabilidade Gerencial Ativo imobilizado O Ativo Imobilizado é formado pelo conjunto de bens e direitos necessários à manutenção das atividades da empresa, caracterizados por apresentar-se na forma tangível

Leia mais

Esquema Básico da Contabilidade de Custos

Esquema Básico da Contabilidade de Custos Tema Esquema Básico da Contabilidade De Custos Projeto Curso Disciplina Tema Professor Engenharia de Produção Custos Industriais Esquema Básico da Contabilidade de Custos Luizete Aparecida Fabbris Kenedy

Leia mais

CURSOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS

CURSOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS FAPAN 1 Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte CURSOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS DISCIPLINA DE CONTABILIDADE DE CUSTOS 3º SEMESTRE Prof. Célia Martelli Paraíso do Norte 2010

Leia mais

Administração Financeira: princípios,

Administração Financeira: princípios, Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Ana Paula Mussi Szabo Cherobim Antônio Barbosa Lemes Jr. Claudio Miessa Rigo Material de apoio para aulas Administração Financeira:

Leia mais

SUMÁRIO. Prof. Edson de Oliveira Pamplona http://www.iepg.unifei.edu.br/edson. www.iepg.unifei.edu.br/edson. Universidade Federal de Itajubá

SUMÁRIO. Prof. Edson de Oliveira Pamplona http://www.iepg.unifei.edu.br/edson. www.iepg.unifei.edu.br/edson. Universidade Federal de Itajubá 1 www.iepg.unifei.edu.br/edson Avaliação de Projetos e Negócios Prof. Edson de Oliveira Pamplona http://www.iepg.unifei.edu.br/edson 2011 SUMÁRIO 1. Introdução 2. Matemática Financeira 3. Análise de Alternativas

Leia mais

ESTUDO DE CASO HIGIENEX SRL (Solução Parcial)

ESTUDO DE CASO HIGIENEX SRL (Solução Parcial) UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

21 de Maio de 2015 Hotel Fiesta

21 de Maio de 2015 Hotel Fiesta 21 de Maio de 2015 Hotel Fiesta Sejam bem-vindos Patrocínio Realização Programação 08:00 h Café de boas vindas 08:30 h Abertura 08:40 h Bloco K, sua empresa está preparada? 09:00 h Gestão de custos: a

Leia mais

CAPÍTULO 2 - MATERIAIS QUESTÕES TEÓRICAS

CAPÍTULO 2 - MATERIAIS QUESTÕES TEÓRICAS QUESTÕES TEÓRICAS 1. Qual a condição básica para que se possa caracterizar um material como matéria-prima? R: Ser componente físico principal do produto. 2. Em que condição os impostos (ICMS/IPI) não são

Leia mais

1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200

1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200 EXERCÍCIOS EXTRAS 1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200 S.DEVEDORES (APLICAÇÕES)............ S.CREDORES (ORIGENS)...... t o t a

Leia mais

O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável

O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável por Carlos Alexandre Sá Existem três métodos de apuração dos Custos das Vendas 1 : o método de custeio por absorção, o método de custeio

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS DE CUSTOS INDUSTRIAIS

LISTA DE EXERCÍCIOS DE CUSTOS INDUSTRIAIS LISTA DE EXERCÍCIOS DE CUSTOS INDUSTRIAIS 1) O desembolso à vista ou a prazo para obtenção de bens ou serviços, independentemente de sua destinação dentro da empresa, denomina-se : a) gasto b) investimento

Leia mais

Curso Online Contabilidade Concurso do BDMG Teoria e Exercícios Prof. Jaildo Lima

Curso Online Contabilidade Concurso do BDMG Teoria e Exercícios Prof. Jaildo Lima AULA 10 Contabilidade de Custos Parte 2 1. Introdução Nessa aula, estudaremos os critérios de avaliação de estoque, identificando o reflexo que tais critérios tem na apuração dos resultados das empresas.

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇO

CONTABILIDADE DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇO 1 Conselho Regional de Contabilidade CRC-CE Prof.Esp. João Edson F. de Queiroz Filho CONTABILIDADE DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇO Outubro / 2008 2 SUMÁRIO Conceitos de Contabilidade de Custos, 03 Contabilidade

Leia mais

ANEXO II ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE PROJETO TÉCNICO ECONÔMICO FINANCEIRO PARA PLEITOS DE INCENTIVO TRIBUTÁRIO

ANEXO II ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE PROJETO TÉCNICO ECONÔMICO FINANCEIRO PARA PLEITOS DE INCENTIVO TRIBUTÁRIO ANEXO II ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE PROJETO TÉCNICO ECONÔMICO FINANCEIRO PARA PLEITOS DE INCENTIVO TRIBUTÁRIO 1 CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA 1.1. Razão Social: 1.2. Endereços: Fone: - Escritório - Fábrica 1.3.

Leia mais

4a. Depreciação do Ativo Imobilizado

4a. Depreciação do Ativo Imobilizado 4a. Depreciação do Ativo Imobilizado 4a. Depreciação do Ativo Imobilizado Balanço Patrimonial: ATIVO PASSIVO Circulante Circulante Realiz. Longo Prazo Exigível a Longo Prazo Permanente Patrimônio Líquido

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS E ANÁLISE DE CUSTOS UM JEITO FÁCIL DE APRENDER APONTAMENTO DE AULAS

CONTABILIDADE DE CUSTOS E ANÁLISE DE CUSTOS UM JEITO FÁCIL DE APRENDER APONTAMENTO DE AULAS CONTABILIDADE DE CUSTOS E ANÁLISE DE CUSTOS UM JEITO FÁCIL DE APRENDER APONTAMENTO DE AULAS Noélia Neves, Inacilma Andrade e Grazziele Balbino PROFA. MSC INACILMA ANDRADE 2009 1 CONTABILIDADE DE CUSTOS

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

Custeio por Absorção. Prof. Laércio Juarez Melz

Custeio por Absorção. Prof. Laércio Juarez Melz Custeio por Absorção Prof. Laércio Juarez Melz Introdução Método que apropria os custos diretos e indiretos ao produto. Os custos diretos são atribuídos com ajuda de controles específicos: Controle de

Leia mais

Seminário. Contabilidade de Custos Conceitos Societários e Gerenciais. Setembro 2012. Elaborado por: Sidney Leone

Seminário. Contabilidade de Custos Conceitos Societários e Gerenciais. Setembro 2012. Elaborado por: Sidney Leone Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Análise e Avaliação Financeira de Investimentos

Análise e Avaliação Financeira de Investimentos 1 Análise e Avaliação Financeira de Investimentos O objetivo desse tópico é apresentar uma das metodologias de análise e avaliação financeira de investimentos. A análise de investimentos depende do ramo

Leia mais

CONTABILIDADE E ANÁLISE DE CUSTOS Planejando e determinando preços baseados no mercado. Mônica Brandão Marques

CONTABILIDADE E ANÁLISE DE CUSTOS Planejando e determinando preços baseados no mercado. Mônica Brandão Marques CONTABILIDADE E ANÁLISE DE CUSTOS Planejando e determinando preços baseados no mercado Mônica Brandão Marques 2010 Marques, Mônica Brandão. Contabilidade e Análise de Custos Planejando e determinando preços

Leia mais

Prof. Carlos Barretto

Prof. Carlos Barretto Unidade IV CONTABILIDADE FINANCEIRA Prof. Carlos Barretto Objetivos gerais Capacitar os estudantes a adquirir conhecimentos necessários para o desenvolvimento das seguintes competências: consciência ética

Leia mais

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente,

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente, Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Exercícios de Contabilidade Professora Niuza Adriane da Silva 1º A empresa XYZ adquire mercadorias para revenda, com promessa de pagamento em 3 parcelas iguais, sendo

Leia mais

CONTABILIDADE. Conceito. Campo de Aplicação. Instrumento informações úteis tomada de decisões

CONTABILIDADE. Conceito. Campo de Aplicação. Instrumento informações úteis tomada de decisões Conceito Instrumento informações úteis tomada de decisões Campo de Aplicação Comércio - Indústria - Entidades Públicas - Hospitais Agropecuárias - Seguradoras - etc. Finalidade da Contabilidade Controle

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROVAS 3 ANTERIORES DE CUSTOS INDUSTRIAIS ENG 3040 1) Uma empresa asfáltica fechou com o Governo um contrato

Leia mais

Grupo I. de custeio das saídas utilizado no caso de haver mais de um lote entrado em armazém de produtos acabados.

Grupo I. de custeio das saídas utilizado no caso de haver mais de um lote entrado em armazém de produtos acabados. Exame de Contabilidade Analítica (A que se refere alínea f) do nº 1 do artº15º do Decreto de Lei 452/99 de 5 de Novembro) 15/Outubro/2005 VERSÃO A Grupo I 1. Diga qual das afirmações está correcta: a)

Leia mais

Prof. Me. Alexandre Saramelli

Prof. Me. Alexandre Saramelli Unidade II CONTABILIDADE DE CUSTOS Prof. Me. Alexandre Saramelli Basketball - 1962 Alexander Alexandrovich Deyneka Contabilização dos custos DRE Receita de vendas $ ( - ) Custo dos Produtos Vendidos (CPV)

Leia mais

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA E CONTÁBIL

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA E CONTÁBIL MBA EM GESTÃO FINANCEIRA E CONTÁBIL Disciplina: Teoria Contábil do Lucro Prof. Paulo Arnaldo OLAK E-mail: olak@uel.br MODELO DE DECISÃO BASEADO EM RESULTADOS ECONÔMICOS (): receitas e custos valorados

Leia mais

Balanço Patrimonial e DRE

Balanço Patrimonial e DRE Balanço Patrimonial e DRE Administração financeira e orçamentária Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com 2 Demonstrações Financeiras (Contábeis) Dados Dados Coletados Coletados

Leia mais

CUSTOS E FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA. Antonio Zanin- MS.c zanin@unochapeco.edu.br

CUSTOS E FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA. Antonio Zanin- MS.c zanin@unochapeco.edu.br CUSTOS E FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Antonio Zanin- MS.c zanin@unochapeco.edu.br Custos... afinal, o que é isto? São essencialmente medidas monetárias dos sacrifícios com os quais uma organização tem que

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 8 Demonstração do Resultado do Exercício

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 8 Demonstração do Resultado do Exercício 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração do Resultado do Exercício Tópicos do Estudo Demonstração do Resultado do Exercício. Custo das Vendas. Despesas Operacionais. Resultados não Operacionais

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16 Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

GESTÃO & ANALISE DE CUSTO Prof. Dr. Constantino de Gaspari Gonçalves Ciclo do Desenvolvimento Profissional INFORMAÇÕES Ouvi como fazer CONHECIMENTOS Entendi como fazer MUDANÇAS APRENDIZAGEM Estou Aplicando

Leia mais

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66 Apresentação Parte I - CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE, 1 1 Introdução ao Estudo da Ciência Contábil, 3 1 Conceito, 3 2 Objeto, 3 3 Finalidade, 4 4 Técnicas contábeis, 4 5 Campo de aplicação, 5

Leia mais

GESTÃO DE CUSTOS. Professor Mestre Roberto de O. Sant Anna

GESTÃO DE CUSTOS. Professor Mestre Roberto de O. Sant Anna GESTÃO DE CUSTOS Professor Mestre Roberto de O. Sant Anna AULA 4 Gestão de Custos 2 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Aula 4 Custos dos produtos vendidos Conceito Apuração Decisão sobre Rateios Gestão de Custos 3

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

Normalmente, o custo-padrão é dividido em dois tipos: padrão ideal e padrão corrente.

Normalmente, o custo-padrão é dividido em dois tipos: padrão ideal e padrão corrente. CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ Professor: Salomão Soares Turma: Contabilidade Gerencial CUSTO PADRÃO O que significa ter um padrão de custos ou um custo-padrão? Como a empresa pode se beneficiar

Leia mais

EXERCICIOS: MÉTODO DAS PARTIDAS DOBRADAS 2010 EXERCICIO Nº 02 _ CIA. MUZAMBINHO EXERCICIO Nº 01 _ CIA ATLANTIDA

EXERCICIOS: MÉTODO DAS PARTIDAS DOBRADAS 2010 EXERCICIO Nº 02 _ CIA. MUZAMBINHO EXERCICIO Nº 01 _ CIA ATLANTIDA EXERCICIO Nº 01 _ CIA ATLANTIDA Operações da Cia Atlântida no mês de janeiro de 20x1: 1) 03/jan Adquiriu móveis e utensílios a prazo por $ 800; 2) 08/jan - Comprou veiculo a vista por $ 5.000 (em cheque);

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - DFC

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - DFC DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA DFC A DFC é uma demonstração que tem por finalidade evidenciar as transações ocorridas em determinado período e que provocaram modificações nas disponibilidades da empresa

Leia mais

Contabilidade Geral e de Custos Correção da Prova Fiscal de Rendas do Estado do Rio de Janeiro Prof. Moraes Junior. CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS

Contabilidade Geral e de Custos Correção da Prova Fiscal de Rendas do Estado do Rio de Janeiro Prof. Moraes Junior. CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS 81 Assinale a alternativa que apresente a circunstância em que o Sistema de Custeio por Ordem de Produção é indicado. (A) O montante dos custos fixos é superior ao valor

Leia mais

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ):

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Contabilidade Gerencial e Controladoria Prof. Oscar Scherer Dia 23/03/2012. AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Parte importante da administração financeira, devendo

Leia mais

7. Análise da Viabilidade Econômica de Projetos

7. Análise da Viabilidade Econômica de Projetos 7. Análise da Viabilidade Econômica de Projetos Exemplos de Aplicação de Projetos Cálculo do Valor de um Negócio ou Empresa; Avaliar Viabilidade de Projetos; Projetos para solicitação de Financiamentos.

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 03: ORIGEM E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA QUALIDADE A DRE tem por objetivo evidenciar a situação econômica de uma empresa,

Leia mais

PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL

PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL Braulino José dos Santos TERMINOLOGIAS Terminologia em custos Gasto Investimento Custo

Leia mais

Contabilidade Financeira e Gerencial. Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial

Contabilidade Financeira e Gerencial. Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial Contabilidade Financeira e Gerencial Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial Demonstração de Resultados A DRE é a apresentação, em forma resumida, das operações realizadas pela empresa,

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

PROVA ESCRITA PROCESSO SELETIVO 2016 Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES

PROVA ESCRITA PROCESSO SELETIVO 2016 Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS MESTRADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROVA ESCRITA PROCESSO

Leia mais

Unidade IV CONTABILIDADE COMERCIAL. Profa. Divane Silva

Unidade IV CONTABILIDADE COMERCIAL. Profa. Divane Silva Unidade IV CONTABILIDADE COMERCIAL Profa. Divane Silva A disciplina está dividida em 04 Unidades: Unidade I 1. Operações com Mercadorias 2. Resultado Bruto com Mercadorias (RCM) 3. Custo das Mercadorias

Leia mais

Contabilidade Básica Prof. Jackson Luis Oshiro joshiro@ibest.com.br Conceito Conta Nome dado aos componentes patrimoniais (bens, direitos, obrigações e Patrimônio Líquido) e aos elementos de resultado

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Mão-de-obra. Prof. Me. Laércio Juarez Melz www2.unemat.br/laerciomelz laercio@unemat.br

Mão-de-obra. Prof. Me. Laércio Juarez Melz www2.unemat.br/laerciomelz laercio@unemat.br UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS DE TANGARÁ DA SERRA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Mão-de-obra Prof. Me. Laércio Juarez Melz www2.unemat.br/laerciomelz laercio@unemat.br Considere que:

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 6 Grupo de contas do Balanço Patrimonial

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 6 Grupo de contas do Balanço Patrimonial 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Grupo de contas do Balanço Patrimonial Tópicos do Estudo Grupo de Contas do Ativo. Ativo Circulante Realizável a Longo Prazo Permanente Grupo de Contas do Passivo.

Leia mais

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar A seguir um modelo de Plano de Contas que poderá ser utilizado por empresas comerciais, industriais e prestadoras de serviços, com as devidas adaptações: 1 Ativo 1.1 Ativo Circulante 1.1.1 Disponível 1.1.1.01

Leia mais

NOÇÕES DE CUSTO Receita Custo (Despesa) Investimento Encaixe (Embolso) Desencaixe (Desembolso)

NOÇÕES DE CUSTO Receita Custo (Despesa) Investimento Encaixe (Embolso) Desencaixe (Desembolso) NOÇÕES DE CUSTO Receita Entrada de elementos para a empresa (dinheiro ou direitos a receber) Custo (Despesa) É todo o gasto realizado pela empresa para auferir receita Investimento É a aplicação de recursos

Leia mais

C R U S R O S DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

C R U S R O S DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. Rua: Barão de Camargo, nº. 695 Centro Uberlândia/MG. Tele fax: (34) 3223-2100 CURSO DE CIÊNCIAS

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA

CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA 1 CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA Prof. Carmem Haab Lutte Cavalcante 2012 2 CONTABILIDADE SOCIETARIA 2 3 1 CONTABILIDADE Conceito de contabilidade, campo de atuação, usuários, objetivos

Leia mais

Bacharelado CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Parte 6

Bacharelado CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Parte 6 Bacharelado em CIÊNCIAS CONTÁBEIS Parte 6 1 NBC TG 16 - ESTOQUES 6.1 Objetivo da NBC TG 16 (Estoques) O objetivo da NBC TG 16 é estabelecer o tratamento contábil para os estoques, tendo como questão fundamental

Leia mais

1º LISTA DE EXERCÍCIOS EM SALA ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS - Prof. Pablo Rogers

1º LISTA DE EXERCÍCIOS EM SALA ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS - Prof. Pablo Rogers OBS: Exercícios selecionados do livro de exercícios de Contabilidade de Custos dos autores Eliseu Martins e Welington Rocha publicado em 2007 pela Editora Atlas. 1. Assinalar Falso (F) ou Verdadeiro (V):

Leia mais

Contabilidade Comercial

Contabilidade Comercial Contabilidade Comercial Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Revisora: Divane A. Silva Sumário Contabilidade Comercial Unidade I 1 OPERAÇÕES COM MERCADORIAS...1 2 RESULTADO BRUTO COM MERCADORIAS

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

Sumário. Parte 1 Contabilidade de Custos 1. Capítulo 1 Aspectos gerais 3

Sumário. Parte 1 Contabilidade de Custos 1. Capítulo 1 Aspectos gerais 3 Sumário Parte 1 Contabilidade de Custos 1 Capítulo 1 Aspectos gerais 3 1 Áreas da Contabilidade 3 2 Contabilidade de Custos 3 3 Contabilidade de Serviços 4 4 Contabilidade Industrial 4 5 Campo de aplicação

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ALCANCE 1.... estabelece critérios e procedimentos específicos a serem observados pelas entidades

Leia mais

SIND-UFLA SIND. TEC. ADM. EDUC. INSTIUIÇÕES FED. DE ENSINO DE LAVRAS BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31/12/2014 A T I V O

SIND-UFLA SIND. TEC. ADM. EDUC. INSTIUIÇÕES FED. DE ENSINO DE LAVRAS BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31/12/2014 A T I V O SIND-UFLA SIND. TEC. ADM. EDUC. INSTIUIÇÕES FED. DE ENSINO DE BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31/12/2014 ATIVO CIRCULANTE A T I V O DISPONIVEL Banco c/ Movimento 10.043,15 10.043,15 OUTROS CRÉDITOS Adiantamentos

Leia mais