PONTO DE EQUILÍBRIO (PE) - RESPOSTAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PONTO DE EQUILÍBRIO (PE) - RESPOSTAS"

Transcrição

1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS Procuramos com este trabalho de resolução dos 10 (dez) exercícios propostos no site: levar aos alunos, de maneira simples e didática os cálculos para responder cada uma das questões. Sempre é bom lembrar a importância do estudo sobre MARGEM DE CONTRIBUIÇÃ e sua utilização. Reafirmamos que, a margem de contribuição, deve sempre ser considerada na sua acepção ampla: é a diferença do preço de venda menos custos e despesas variáveis e não somente de custos variáveis. Quando estudamos custos diretos constatamos que não podemos afirmar que a sua composição é apenas mão-de-obra direta e a matéria prima, isto é custo primário, que sem dúvida é um custo direto de fabricação, pois, quando nos referimos a custos diretos em relação aos produtos, estamos falando de todos os custos que conseguimos identificar por unidade produzida, portanto, outros custos podemos identificar, como por exemplo, material de embalagem utilizado no processo produtivo e outros que acompanham o produto acabado (certificado de garantia, manual de instrução, etc...). Por definição de custos variáveis podemos afirmar que, todos os custos diretos serão variáveis, e analisando os custos indiretos, aqueles que não conseguimos mensurar por unidade produzida, parte dos mesmos tem o comportamento de variáveis bastando para tanto que seja oscilante em relação ao volume de produção. Se o custo indireto se modificar conforme o aumento ou redução de produção, falamos que este custo é indireto e variável, todos os demais que permanecerem inalterados na sua totalidade, afirmamos que serão denominados como indiretos fixos. Assim como os custos são classificados como variáveis e fixos, dependendo do seu comportamento diante do volume de produção, podemos determinar a classificação das despesas, como variáveis e fixas, dependendo ao seu comportamento diante da receita sobre vendas. Havendo, modificações monetária da despesa, com o crescimento ou decrescimento de suas vendas, estamos diante de uma despesa variável caso contrário a despesa será denominada fixa (na sua totalidade, não se alterará, independente do volume de vendas). Antes das resoluções dos exercícios propostos vamos apresentar uma demonstração gráfica do ponto de equilíbrio contábil. 1

2 V A L O R E S EM R$ PONTO DE EQUILÍBRIO (PE) - RESPOSTAS DEMONSTRAÇÃO GRÁFICA DO PONTO DE EQUILIBRIO CONTABIL RECEITA TOTAL R$ R$ R$ R$ , , , ,00 0 PEC CUSTOS VARIÁVEIS R$ ,00 CUSTOS FIXOS R$ , QUANTIDADES R$ ,0000 CUSTOS E DESPESAS TOTAIS CUSTOS VARIÁVEIS R$ ,00 CUSTOS E DESPESAS FIXAS CUSTOS FIXOS R$ ,00 Figura 1: Ponto de Equilíbrio e demonstração de Prejuízo x Lucro (autor: C. Araújo) É de suma importância que todo contador conheça profundamente o assunto que hora abordamos. Será, sem duvida alguma, uma ótima ferramenta para orientação aos seus clientes, para em determinados momentos tomarem decisões importantes dentro das organizações. O contador, trabalhando dentro de uma empresa, será a pessoa procurada para esclarecimento de dúvidas e muitas vezes para tomada de decisão sobre o destino da entidade. Importante, portanto, que além das técnicas contábeis ele deverá conhecer profundamente os produtos fabricados pela empresa desde a matéria prima ate o momento da finalização de sua fabricação incluindo o seu processo produtivo. Somente dessa forma poderá, com conhecimento de causa, dar sua opinião sobre os destinos da organização a que pertence. Como consultor, muitas vezes, o seu cliente tem como expectativa a sua orientação. É o momento de fazer a diferença, quando, mesmo não sendo interrogado, levar a informação correta e orientação para o desenvolvimento e crescimento da empresa para a qual presta consultoria. Não podemos esperar a empresa quebrar para depois afirmarmos: eu já sabia há muito tempo que o fim seria este...seria lamentável se algo assim ocorresse. 2

3 Exercício 01 Dados para responder as questões sugeridas: Informações: Custos Fixos: R$ ,00 Custo Variável Unitário: R$ 300,00 Receita Unitária: R$ 700,00 1) O ponto de equilíbrio é igual a: MC/Un. = PV CDV/Un. MC/Un. = R$ 700,00 R$ 300,00 MC/Un. = R$ 400,00 CDF R$ ,00 PE ( Q MC/Un. ) R$ 400, Unidades a. ( X ) unidades. É a resposta correta 2) A receita total do ponto de equilíbrio é de: Quant.(PE) X Preço de Venda RT (no PE) X R$ 700,00 R$ ,00 c. ( X ) R$ ,00 É a resposta correta 3) O Resultado Operacional, no ponto de equilíbrio, é de: No ponto de Equilíbrio Contábil o Resultado Operacional será sempre NULO = Zero a. ( X ) zero. É a resposta correta 3

4 4) Se a produção (ou vendas) passar para unidades, o lucro será de: Considerando que o ponto de equilíbrio é de unidades e que o Resultado Operacional nesse nível de produção e vendas será NULO (igual a zero), as unidades produzidas e vendidas acima estarão com a sua Margem de Contribuição colaborando na formação de lucro. Podemos afirmar, portanto, que: as 250 unidades (unidades acima do PEC em quantidades) multiplicadas pela MC/Un. Será o Resultado Operacional da empresa. Proposta de Produção e Vendas Unidades ( - )PEC em Quantidades Unidades ( = )Quantidades acima do PEC 250 Unidades O Result. Operac. será: 250 Unds. X R$ 400,00 R$ ,00 b. ( X ) R$ ,00 É a resposta correta 5) A utilização do ponto crítico mostra o equilíbrio entre as variações que compõem o seu cálculo. Se juros forem imputados sobre o Capital Imobilizado, acrescido aos custos fixos, e mantidos os valores das demais variações, como nas questões anteriores, o ponto de equilíbrio: Matematicamente, sempre que houver um acréscimo no numerador sem alteração no denominador o resultado tenderá a um acréscimo. a. ( X ) aumenta. É a resposta correta 4

5 Exercício 02 - O caso da Empresa Equilibrada. Informações: Custo do equipamento R$ ,00 Vida útil 20 anos Despesas Administrativas: R$ 5.000,00 /ano Aluguel da fábrica: R$ 1.000,00 /ano Custo Primário: por unidade R$ 60,00 Comissões s/vendas: por unidade R$ 20,00 Preço de venda: por unidade R$ 400,00 A Empresa Equilibrada tem uma capacidade de produção e vendas anual nominal de 100 unidades. Seu gerente quer saber: a) Quantas unidades terá que Produzir e vender para cobrir seus custos fixos? Em primeiro lugar vamos calcular o valor da Depreciação anual do equipamento: Custo do equipamento R$ ,00. Vida útil 20 anos, portanto, a taxa anual será de 5% (cinco por cento). Despesas de Depreciação por ano será de R$ ,00. (R$ ,00 X 5%) CUSTOS E DESPESAS FIXAS Valor por Ano Despesas Administrativas: R$ 5.000,00 Aluguel da fábrica: R$ 1.000,00 Despesas de Depreciação R$ ,00 T O T A L R$ ,00 * Para cobrir a totalidade de custos e despesas fixas a empresa terá que obter uma Margem de Contribuição igual aos mesmos (R$ ,00). Voltando ao conceito de Margem de Contribuição, teremos: MC/Un. = PV CDV/Un. MC/Un. = R$ 400,00 R$ 80,00 MC/Un. = R$ 320,00 5

6 * Em tal situação a empresa estará no seu Ponto de Equilíbrio Contábil (seu resultado operacional será NULO). O que foi solicitado, foi o Ponto de Equilíbrio Contábil em quantidades... CDF = PE ( Q ) R$ ,00 MC/Un. R$ 320,00 R: Terá que Produzir e vender 50 unidades b) Quanto precisará ganhar no ano para começar a ter lucro? Vamos calcular o Ponto de equilíbrio em valor: = 50 Unidades Quant.(PE) X Preço de Venda RT (no PE) 50 X R$ 400,00 R$ ,00 Com uma receita total de R$ ,00 a empresa estará cobrindo a totalidade dos seus custos e despesas (o seu Resultado Operacional será nulo). R: Precisará, portanto, ganhar no ano valor superior a R$ ,00 (vinte mil reais) para começar a ter lucro. c) Qual será seu lucro se trabalhar a plena carga? A Empresa Equilibrada tem uma capacidade de produção anual de 100 unidades. Se a empresa trabalhar em plena carga (capacidade total de produção), produzirá e venderá 100 unidades, portanto, estará acima do seu PE ( Q ) Podemos afirmar, portanto, que: as 50 unidades (unidades acima do PEC (em quantidades) multiplicadas pela MC/Un. será o Resultado Operacional da empresa. Proposta de Produção e Vendas 100 Unidades ( - )PEC em Quantidades 50 Unidades ( = )Quantidades acima do PEC 50 Unidades O Result. Operac. será: 50 Unds. X R$ 50,00 R$ ,00 R: Seu lucro se trabalhar a plena carga será de R$ ,00. 6

7 Exercício 03 A empresa Surpresa, vendeu unidades e obteve o seguinte resultado: Vendas: R$ ,00 Custos Variáveis: R$ ,00 Custos Fixos: R$ ,00 Calcule: a. Ponto de Equilíbrio Contábil Em primeiro lugar vamos calcular a margem de contribuição unitária: ITEM VALOR TOTAL QUANTIDADES CUSTO/Un. Vendas: R$ , Unidades = R$ 25,00 Custos Variáveis: R$ , Unidades = R$ 15,00 MC/Un. = PV CDV/Un. MC/Un. = R$ 25,00 R$ 15,00 MC/Un. = R$ 10,00 CDF R$ ,00 = PE ( Q ) MC/Un. R$ 10,00 = Unidades Quant.(PE) X Preço de Venda RT (no PE) X R$ 10,00 R$ ,00 R: 1) Ponto de Equilíbrio Contábil em Quantidades será = Unds. 2) Ponto de Equilíbrio Contábil em Valor será = R$ ,00 7

8 b. Margem de Contribuição em % da receita VALOR/Un. % Preço de Venda R$ 25, Custos e Despesas Variáveis R$ 15,00 60 Margem de Contribuição R$ 10,00 40 R: Margem de Contribuição em % da receita = 40% c. Resultado da operação se fossem vendidas unidades (prove) ITEM QUANTIDADES VALOR/Un. VALOR TOTAL MCT R$ 10,00 R$ ,00 CUSTOS E DESPESAS FIXAS TOTAIS R$ ,00 RESULTADO OPERACIONAL (LUCRO) R$ ,00 R: Resultado da operação se fossem vendidas unidades será = R$ ,00. Prova: unidades acima do ponto de equilíbrio X MC/Un. Quantidades MC/Un. R.O R$ 10,00 R$ ,00 d. Para obter R$ ,00 de lucro, quantas unidades deveria vender? Qual a receita que será obtida? Para obter um lucro de R$ ,00 a empresa terá que Obter uma margem de Contribuição Total de R$ ,00. (vide abaixo) Margem de Contribuição Total R$ ,00 Custos e Despesas Fixas R$ ,00 Resultado Operacional R$ ,00 M. C. Total M. C. / Un. Quantidades(Unids.) R$ ,00 R$ 10, R: 1- Para obter R$ ,00 de lucro, deveria vender Unidades. 2- A receita a ser obtida será de X R$ R$ 25,00 = R$ ,00. 8

9 Exercício 04 Com base nos seguintes dados da empresa Modesta: Preço de Venda: R$ 20,00 Custos Variáveis: R$ 15,00 Custos Fixos: R$ 8.000,00/mês Calcule: A. Ponto de Equilíbrio (unidades / valor) Preço de Venda: R$ 20,00 Custos Variáveis: R$ 15,00 MC/Un. R$ 5,00 CDF R$ 8.000,00 = PE ( Q ) MC/Un. R$ 5,00 = Unidades Quant.(PE) X Preço de Venda RT (no PE) X R$ 20,00 R$ ,00 R: 1) Ponto de Equilíbrio (unidades) = Unidades 2) Ponto de Equilíbrio (valor) = R$ ,00 B. Resultado da Operação (lucro / prejuízo) R: O Resultado da Operação no ponto de equilíbrio é NULO (= R$ 0,00). PROVA: ITEM R$ / Un. X Quant. = T O T A L Preço de Venda: R$ 20,00 X =RT R$ ,00 Custos Variáveis: R$ 15,00 X =CV R$ ,00 MC/Un. R$ 5,00 X =MCT R$ 8.000,00 ( - ) CDF R$ 8.000,00 ( = ) R.O. NULO = Ø 9

10 Exercício 05 Uma empresa vendeu unidades no exercício de 2013, tendo apresentado o demonstrativo de resultados a seguir: Vendas R$ ,00 Custos Variáveis R$ ,00 Custos Fixos R$ ,00 R$ ,00 L.A.I.R. R$ ,00 I.R. 40% R$ ,00 Lucro Líquido R$ ,00 Em 2014, desejando melhorar a qualidade de seu produto, a empresa substitui uma peça (componente do produto) que custa R$ 500,00 por outra que custa R$ 900,00 por unidade. Adicionalmente, com o intuito de aumentar a sua capacidade de produção e vendas, efetua investimentos de R$ ,00 em uma máquina, cuja vida útil está estimada em seis anos (valor residual nulo). Todos os ativos da empresa são depreciados pelo método da linha reta (depreciação linear). Determine: a) O ponto de equilíbrio em unidades (base números do exercício de 2013). CALCULO DO VALOR UNITÁRIO Vendas R$ , Unids. = R$ 2.500,00 Custos Variáveis R$ , Unids. = R$ 1.500,00 M.C. por Unid. R$ , Unids. = R$ 1.000,00 CDF R$ ,00 = PE ( Q ) MC/Un. R$ 1.000,00 = Unidades R: O ponto de equilíbrio em unidades no ano de 2013 = Unidades. 10

11 b) Quantas unidades a empresa teria que ter vendido em 2013, se desejasse obter lucro de R$ ,00 após o imposto de renda? ITEM VALOR TOTAL % Receitas de Vendas R$ , ( - ) Custos Variáveis R$ ,00 60 ( = ) M.C.T. R$ ,00 40 ( - ) Custos Fixos R$ ,00 20 % ( = ) L.A.I.R. R$ , ( - ) I.R. 40% R$ ,00 40 ( = ) Lucro Líquido R$ ,00 60 INDEPENDENTE DAS QUANTIDADES PRODUZIDAS E VENDIDAS OS % NÃO MUDARÃO NÃO DEVEREMOS ESQUECER QUE OS CUSTOS E DESPEAS FIXAS PERMANECERÃO COM O MESMO VALOR TOTAL ITEM VALOR TOTAL % Receitas de Vendas R$ , ( - ) Custos Variáveis R$ ,00 60 ( = ) M.C.T. R$ ,00 40 ( - ) Custos Fixos R$ ,00 % C. Fixos + L.A.I.R. % 40 ( = ) L.A.I.R. R$ , R$ ,00 40/RT ( - ) I.R. 40% R$ ,00 40 ( = ) Lucro Líquido R$ ,00 60 Custos Fixos + L.A.I.R. RECEITA TOTAL R$ ,00 40% R$ ,00 R$ ,00 R$ 2.500,00 / Unid. = Unidades R: A empresa teria que ter produzido e vendido em 2013, unidades. 11

12 c) Mantendo-se o preço de venda do ano anterior, quantas unidades terão que ser vendidas para que a empresa alcance o ponto de equilíbrio no exercício de 2014? Em 2014, desejando melhorar a qualidade de seu produto, a empresa substitui uma peça (componente do produto) que custa R$ 500,00 por outra que custa R$ 900,00 por unidade. Investimentos de R$ ,00 em uma máquina, cuja vida útil está estimada em seis anos (depreciação linear). AJUSTANDO A ESTRUTURA DE CUSTOS, TEREMOS: VALOR UNITÁRIO % Preço de Venda R$ 2.500, Custos Variáveis R$ 1.500,00 (-) Baixa de Variáveis R$ 500,00 (+) Acréscimo em Variáveis R$ 900,00 Novo C.V. R$ 1.900,00 76 M.C. por Unid. R$ 600,00 24 ( - ) Custos Fixos R$ ,00 (+) Acréscimo de Deprec. R$ ,00 (=) Novo Custos Fixos R$ ,00 CDF R$ ,00 = PE ( Q ) MC/Un. R$ 600,00 = ,33... Unidades R: A empresa alcançará o ponto de equilíbrio no exercício de 2014 com ,33...Unidades produzidas e vendidas. Prova: No PEC o Total de CDF corresponderá a 24% da Receita total, portanto, podemos afirmar: CDF R$ ,00 24% = Rec. Total R$ ,33 Rec.Total R$ ,33 Prç. de Venda R$ 2.500,00 = ,33... Unids. 12

13 d) Mantendo-se o mesmo preço de venda do exercício de 2013, quantas unidades terão que ser vendidas em 2014 para que a empresa alcance o mesmo lucro de 2013? ITEM VALOR TOTAL % Receitas de Vendas R$ , ( - ) Custos Variáveis R$ ,00 76 ( = ) M.C.T. R$ ,00 24 ( - ) Custos Fixos R$ ,00 % 24 ( = ) L.A.I.R. R$ , ( - ) I.R. 40% R$ ,00 40 ( = ) Lucro Líquido R$ ,00 60 R: Rec.Total R$ ,00 Prç. Venda R$ 2.500,00/Un.= Unids. e) Se a empresa mantiver o mesmo índice de margem de contribuição aplicado em 2013, qual deverá ser o novo preço de venda para cobrir o aumento dos Custos Variáveis? VALOR UNITÁRIO % Preço de Venda R$ 3.166, Novo C.V. R$ 1.900,00 60 M.C. por Unid. R$ 1.266,67 40 R: O novo preço de venda será de R$ 3.166,67. O novo Custo Variável, irá permanecer também, com o mesmo mesmo índice (percentual sobre o Preço de Venda) 60%. Prova: R$ 1.900,00 60% R$ 3.166,67 13

14 Exercício 06 Seja uma empresa dimensionada para uma produção anual máxima de Toneladas/ano, e seja ainda sua equação de custo total de produção igual a: CT = R$ ,00 (Custo Fixo) + R$ 5.250,00 (Custo Variável unitário) x. Considerando que o preço de mercado de seu produto seja R$ 9.000,00/tonelada e admitindo-se uma despesa de venda de 5% da receita, determine: a) Ponto de equilíbrio DETERMINAÇÃO DA MC/UN. VALOR UNITÁRIO % Preço de Venda R$ 9.000, Custos e Despesas Variáveis Custos Variáveis R$ 5.250,00 Despesas Variáveis R$ 450,00 TOTAL DE C.D.V. R$ 5.700,00 76 M.C. por Unid. R$ 3.300,00 24 PONTO DE EQUILÍBRIO EM QUANTIDADES: CDF R$ ,00 = PE ( Q ) MC/Un. R$ 3.300,00 = 7.272,73... Toneladas PONTO DE EQUILÍBRIO EM VALOR: Quant.(PE) X Preço de Venda RT (no PE) 7.272,73... X R$ 9.000,00 R$ ,46 R: 1) Ponto de Equilíbrio (unidades) = 7.272,73... Toneladas 2) Ponto de Equilíbrio (valor) = R$ ,46 14

15 b) Lucro máximo Lucro máximo = Unidades acima do PEC X MC/Un. Produção e Vendas ,000. Toneladas ( - )PEC em Quantidades 7.272,73... Toneladas ( = )Quantidades acima do PEC 7.727, 727. Toneladas Cálculo do lucro máximo: 7.727, 727. Toneladas X R$ 3.300,00 = R$ ,00 R: O lucro máximo será de R$ ,00 PROVA PROVA: ITEM R$ / Un. X Quant. Tn. = T O T A L MC/Un. R$ 3.300,00 X ,000 =MCT R$ ,00 ( - ) CDF R$ ,00 ( = ) R.O. R$ ,00 c) Ponto de equilíbrio para um preço de mercado de R$ 6.850,00/tonelada. DETERMINAÇÃO DA MC/UN. VALOR UNITÁRIO % Preço de Venda R$ 6.850,00 100,000 Custos e Despesas Variáveis Custos Variáveis R$ 5.250,00 Despesas Variáveis R$ 342,50 TOTAL DE C.D.V. R$ 5.592,50 81,642 M.C. por Unid. R$ 1.257,50 18,358 15

16 PROVA: PONTO DE EQUILÍBRIO EM QUANTIDADES: CDF R$ ,00 = PE ( Q ) MC/Un. R$ 1.257,50 = ,4871 Toneladas PONTO DE EQUILÍBRIO EM VALOR: Quant.(PE) X Preço de Venda RT (no PE) ,4871 Tn. X R$ 6.850,00 R$ ,48 R: 1) Ponto de Equilíbrio (unidades) = , Toneladas 2) Ponto de Equilíbrio (valor) = R$ ,48 Exercício 07 A Empresa J. Lopes Indústria e Comércio fabrica e vende apenas um único tipo de lanterna manual a lanterna Fim do Poço. Sabemos que o preço de venda unitário da lanterna é de R$ 20,00. Recorrendo-se aos registros da Contabilidade de Custos, verificamos que os custos Variáveis por unidade chegam a R$ 10,00 e que os custos fixos montam a R$ ,00. As despesas comerciais são iguais a R$ 5,00 por unidade e as despesas fixas comerciais e administrativas somam R$ ,00. Diante desses dados, a gerência pede que sejam preparadas as seguintes informações: a) o ponto de equilíbrio; DETERMINAÇÃO DE CUSTOS E DESPESAS VARIÁVEIS VALOR UNITÁRIO % Custos Variáveis R$ 10,00 70 Despesas Comerciais R$ 5,00 30 T O T A L R$ 15,

17 DETERMINAÇÃO DA MC/UN. VALOR UNITÁRIO % Preço de Venda R$ 20,00 100,000 Custos e Despesas Variáveis R$ 15,00 75 M.C. por Unid. R$ 5,00 25 PONTO DE EQUILÍBRIO EM QUANTIDADES: CDF R$ ,00 = PE ( Q ) MC/Un. R$ 5,00 = Lanternas PONTO DE EQUILÍBRIO EM VALOR: Quant.(PE) X Preço de Venda RT (no PE) Lanternas X R$ 20,00 R$ ,00 R: 1) Ponto de Equilíbrio (unidades) = Lanternas 2) Ponto de Equilíbrio (valor) = R$ ,00 b) o resultado líquido caso as vendas fossem de R$ ,00 R.O. PARA VENDAS PROPOSTAS % RECEITA TOTAL R$ , ( - ) Custos e Despesas Variáveis R$ ,00 75 ( = ) M.C. TOTAL R$ ,00 25 ( - ) Custos e Despesas Fixas R$ ,00 30 ( = ) R. O. (Prejuizo) (R$ ,00) ( 5 ) R: O resultado líquido seria um Prejuízo de R$ ,00 17

18 c) o resultado líquido se as vendas baixassem para R$ ,00 e se os custos fixos fosse reduzido em 50% e se todos os custos variáveis permanecessem com suas taxas inalteradas. R.O. PARA VENDAS PROPOSTAS % RECEITA TOTAL R$ , ( - ) Custos e Despesas Variáveis R$ ,00 75 ( = ) M.C. TOTAL R$ ,00 25 ( - ) Custos e Despesas Fixas (50%) R$ ,00 20 ( = ) R. O. = Lucro R$ ,00 5 R: O resultado líquido seria um Lucro de R$ ,00 Exercício 8 Para fabricar um produto de sua linha normal de produção, uma empresa faz os seguintes gastos: Custos Variáveis Custos Fixos Despesas Variáveis Despesas Fixas R$ 120,00 por unidade R$ ,00 por mês R$ 80,00 por unidade R$ ,00 por mês Sabendo-se que o preço de venda do produto é de R$ 250,00 por unidade, quantas unidades a empresa deverá produzir e vender para atingir o ponto de equilíbrio? DETERMINAÇÃO DA MC/UN. VALOR UNITÁRIO % Preço de Venda R$ 250,00 100,000 Custos e Despesas Variáveis Custos Variáveis R$ 120,00 Despesas Variáveis R$ 80,00 TOTAL DE C.D.V. R$ 200,00 80 M.C. por Unid. R$ 50,

19 PONTO DE EQUILÍBRIO EM QUANTIDADES: CDF R$ ,00 = PE ( Q ) MC/Un. R$ 50,00 = Unidades PONTO DE EQUILÍBRIO EM VALOR: Quant.(PE) X Preço de Venda RT (no PE) Unidades X R$ 250,00 R$ ,00 R: A empresa deverá produzir e vender para atingir o ponto de equilíbrio Unidades Prova: No PEC Custos e despesas Fíxas representarão 20% da Receita Total. R$ ,00 20% R$ ,00 (PEC em valor) Em quantidades: R$ R$ 250,00 = Unidades (PEC em quantidades ou unidades) EXERCÍCIO 9 A empresa RLL é uma fabricante de sapatos e, em um período típico, o custo unitário do produto é: Descrição Valor Unitário Materiais: R$ 3,00 Mão-de-obra direta: R$ 2,00 Despesas indiretas: R$ 2,00 Custo total: R$ 7,00 O preço de venda do par de sapatos é de R$ 10,00 e a capacidade de funcionamento normal da empresa é de pares de sapatos por período. A capacidade de funcionamento normal é a mesma de sua capacidade plena. As despesas fixas indiretas têm consistentemente registrado o valor de R$ ,00 por período. A direção está projetando uma queda de vendas de 30% do funcionamento normal, devido à recessão oriunda de decisões governamentais recentes. 19

20 Apesar da previsão de recessão no mercado que atua, a Prefeitura do Rio de Janeiro acaba de convidar a RLL para uma concorrência de pares de botas. Os materiais a serem empregados na produção não são os mesmos dos sapatos e o custo unitário é mais barato em R$ 1,50. O tempo de produção de um par de botas é idêntico ao do par de sapatos; portanto, os outros custos não se modificam. O vencedor da concorrência terá de produzir e entregar os pares de botas. A alta administração da RLL acha que esta é uma oportunidade para recuperar 50% da perda esperada com o lucro. Esta perda é baseada na suposição de que a empresa não terá outra oportunidade a não ser produzir os costumeiros pares de sapatos e sua demanda será 30% inferior ao funcionamento normal. Pede-se: Comportamento de custos das Despesas Indiretas; Em primeiro lugar vamos analisar quanto dos Custos Indiretos, são variáveis: ABERTURA DAS DESPESAS INDIRETAS % VALOR Total de Desp. indiretas: R$ 2,00 X pares: 100 R$ ,00 Fixas: (R$ 1,20 por Par) 70 R$ ,00 Desp. indiretas: Variáveis: (R$ 0,80 por Par) 30 R$ ,00 ITEM Por Par Materiais: R$ 3,00 Mão-de-obra direta: R$ 2,00 Custo Direto: R$ 5,00 Desp. indiretas: R$ 0,80 R$ ,00/ Pares Custos e Despesas Variáveis R$ 5,80 Materiais: R$ 3,00/par Mão-de-obra direta: R$ 2,00/par Despesas Variáveis: R$ 0,80/par Variáveis: R$ 5,80/par. Despesas Fixas / Mês: R$ , Pares X R$ 1,20 20

21 Fórmula do comportamento de custos; Materiais: R$ 3,00/par Mão-de-obra direta: R$ 2,00/par Despesas Variáveis: R$ 0,80/par Variáveis: R$ 5,80/par Despesas Fixas / Mês: R$ ,00 Lucro operando a capacidade normal; Preço de Venda Variáveis: MC / Unidade R$ 10,00/par R$ 5,80/par R$ 4,20/par Despesas Fixas / Mês: R$ ,00 Quantidades Vendidas = pares. MCT = X R$ 4,20 = R$ ,00 MCT R$ ,00 Despesas Fixas / Mês: R$ ,00 R.O. (Lucro) R$ ,00 Lucro operando a capacidade de 30% inferior à capacidade normal; Quantidades Vendidas (70% da capacidade)= X 70% = Pares MCT = X R$ 4,20 = R$ ,00 MCT R$ ,00 Despesas Fixas / Mês: R$ ,00 R.O. (Lucro) R$ ,00 Perda no lucro por operar a 70% da capacidade normal; R.O. (Lucro) 1 R$ ,00 R.O. (Lucro) 2 R$ ,00 Perda no Lucro R$ ,00 21

22 EXERCÍCIO 10 Eis o demonstrativo de resultados de um fabricante de calças compridas: DRE Ano a ser encerrado de 31 de dezembro de 20x1 TOTAL Por Unidade VENDAS R$ ,00 R$ 50,00 (-) Custo de Fabricação do período R$ ,00 R$ 40,00 Lucro Bruto R$ ,00 R$ 10,00 A empresa tinha fabricado unidades, apesar de sua capacidade ser bem maior (ou seja, funcionava com ociosidade). A produção foi vendida em sua totalidade a vários atacadistas de roupas e lojas de departamentos. Entretanto a empresa ainda não tinha utilizado total a capacidade fabril, tendo uma ociosidade de unidades. No final de 20x1 a empresa recebe uma proposta de comercializar unidades. A proposta é de uma empresa varejista que pretende pagar R$ 30,00 por unidade. Ao analisar toda a proposta a empresa preferiu reconsiderar toda a aplicação do método absorção para utilizar o método variável. Através de um estudo, descobriu-se que 70 % dos custos são variáveis. Deve a empresa aceitar a proposta ou não?! ANALISE DE CUSTOS DA EMPRESA Através de um estudo, descobriu-se que 70 % dos custos são variáveis, portanto, efetuando a aberturas dos Custos de Fabricação do período teremos:(consta no texto) PRODUÇÃO DE UNIDADES TOTAL Por Unidade % Custo de Fabric. do período R$ ,00 R$ 40, CUSTOS VAIAV. R$ 28,00 70 CUSTOS FIXOS R$ 12,

23 MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO PROPOSTA DA EMPRESA VAREJISTA: Por Unidade VENDAS R$ 30,00 (-) Custo Variável de Fabricação do período R$ 28,00 Margem de Contribuição (para o pedido) R$ 2,00 M. C. (pedido) R$ 2,00 X unids. = R$ 2.000,00 R: Deve a empresa aceitar a proposta, pois com o pedido adicional conseguirá ter um acréscimo no lucro de R$ 2.000,00. CONCIDERAÇÕES FINAIS Espero ter, mais uma vez colaborado com o aprendizado dos interessados pelo assunto. Estaremos sempre, em sala de aula ou através do site, a disposição de todos para esclarecimentos adicionais. Não nasci para acumular conhecimentos sem saber compartilhar com todos aqueles que têm o mesmo objetivo. Erros e acertos fazem parte da vida, os acertos devem ser transferidos, e sobre os erros, devem ser alertados para que outros não os cometam. Como afirma o Prof. Dr. José Carlos Marion,...o contador é o médico das pessoas jurídicas. Não devemos, portanto, sermos clínicos gerais, deveremos ser especialistas no que se diz respeito aos assuntos contábeis. Procurem ser especialistas, existe um grande leque de opções dentro da área de Ciências Contábeis Prof. Esp. Valbertone C. Araújo Manaus, AM. 23

PONTO DE EQUILÍBRIO (PE)

PONTO DE EQUILÍBRIO (PE) Exercício 01 PONTO DE EQUILÍBRIO (PE) Dados para responder as questões sugeridas: Informações: Custos Fixos: R$ 800.000,00 Custo Variável Unitário: R$ 300,00 Receita Unitária: R$ 700,00 1) O ponto de equilíbrio

Leia mais

EXERCÍCIOS EXTRAS COM RESPOSTA GESTÃO DE CUSTOS

EXERCÍCIOS EXTRAS COM RESPOSTA GESTÃO DE CUSTOS EXERCÍCIOS EXTRAS COM RESPOSTA GESTÃO DE CUSTOS SUMÁRIO 1 Exercício 01...2 2 Exercício 02 - O caso da Empresa Equilibrada....4 3 Exercício 03...5 4 Exercício 04...6 5 Exercício 05...7 6 Exercício 06...9

Leia mais

Custos fixos São aqueles custos que não variam em função das alterações dos níveis de produção da empresa. Exemplo: aluguel depreciação

Custos fixos São aqueles custos que não variam em função das alterações dos níveis de produção da empresa. Exemplo: aluguel depreciação 1 Alguns conceitos de custos... gasto, despesa ou custo? Gasto: Sacrifício financeiro com que a entidade arca para a obtenção de um produto ou qualquer serviço 1. Investimento: Gasto ativado em função

Leia mais

ANÁLISE AVANÇADA DO PONTO DE EQUILÍBRIO DE UMA EMPRESA

ANÁLISE AVANÇADA DO PONTO DE EQUILÍBRIO DE UMA EMPRESA ANÁLISE AVANÇADA DO PONTO O que é Ponto de Equilíbrio? Quais são as hipóteses consideradas para análise do Ponto de Equilíbrio? Como determinar as várias modalidades do Ponto de Equilíbrio? Como elaborar

Leia mais

EXEMPLO COMPLETO DO CÁLCULO DO FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS

EXEMPLO COMPLETO DO CÁLCULO DO FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS EXEMPLO COMPLETO DO CÁLCULO DO FLUXO DE CAIXA COM BASE EM DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS! O pagamento de juros conjunturais! O pagamento de juros estruturais! O recebimento de dividendos! A contratação de

Leia mais

Ponto de Equilíbrio Contábil

Ponto de Equilíbrio Contábil CONTABILIDADE DE CUSTOS Prof. Viviane da Costa Freitag 3. ANÁLISE CUSTO X VOLUME X LUCRO A análise da relação Custo x Volume x Lucro, busca apresentar o comportamento dos custos e do lucro em função do

Leia mais

Aula Escrita Gestão de Custos

Aula Escrita Gestão de Custos Aula Escrita Gestão de Custos Uma das maiores dificuldades da precificação baseada em custo é o próprio cálculo do custo propriamente dito. A contabilidade possui basicamente dois modelos: absorção e variável.

Leia mais

PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL

PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL Braulino José dos Santos TERMINOLOGIAS Terminologia em custos Gasto Investimento Custo

Leia mais

A NÃO CORREÇÃO DA DEPRECIAÇÃO: O EFEITO SOBRE O FLUXO DE CAIXA

A NÃO CORREÇÃO DA DEPRECIAÇÃO: O EFEITO SOBRE O FLUXO DE CAIXA A NÃO CORREÇÃO DA DEPRECIAÇÃO: O EFEITO SOBRE O Qual o efeito da não correção da depreciação sobre o fluxo de caixa Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante Associados,

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS DE CUSTOS INDUSTRIAIS

LISTA DE EXERCÍCIOS DE CUSTOS INDUSTRIAIS LISTA DE EXERCÍCIOS DE CUSTOS INDUSTRIAIS 1) O desembolso à vista ou a prazo para obtenção de bens ou serviços, independentemente de sua destinação dentro da empresa, denomina-se : a) gasto b) investimento

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS PARA O 3 0 PERÍODO DE ADMINISTRAÇÃO PROFESSOR: ONILZO FARIAS EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO

CONTABILIDADE DE CUSTOS PARA O 3 0 PERÍODO DE ADMINISTRAÇÃO PROFESSOR: ONILZO FARIAS EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO CONTABILIDADE DE CUSTOS PARA O 3 0 PERÍODO DE ADMINISTRAÇÃO PROFESSOR: ONILZO FARIAS EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO Classifique os itens abaixo como custos (fixos ou variáveis) ou despesas. C= custos CV=custo variável

Leia mais

Boletim. Contabilidade Internacional. Manual de Procedimentos

Boletim. Contabilidade Internacional. Manual de Procedimentos Boletim Manual de Procedimentos Contabilidade Internacional Custos de transação e prêmios na emissão de títulos e valores mobiliários - Tratamento em face do Pronunciamento Técnico CPC 08 - Exemplos SUMÁRIO

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE GERENCIAL. Profa. Divane Silva

Unidade II CONTABILIDADE GERENCIAL. Profa. Divane Silva Unidade II CONTABILIDADE GERENCIAL Profa. Divane Silva A disciplina está dividida em 02 Unidades: Unidade I 1. Noções Preliminares 2. Fundamentos da Contabilidade de Custos Unidade II 4. Relação Custo

Leia mais

2º LISTA DE EXERCÍCIOS EM SALA ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS - Prof. Pablo Rogers

2º LISTA DE EXERCÍCIOS EM SALA ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS - Prof. Pablo Rogers OBS: Exercícios selecionados do livro de exercícios de Contabilidade de Custos dos autores Eliseu Martins e Welington Rocha publicado em 2007 pela Editora Atlas. 1. Observar as sentenças a seguir: I O

Leia mais

2 2 pts) Inicialmente vamos calcular os custos variáveis (CV) e custos fixos (CF) e depois implementar a nova condição (redução do custo

2 2 pts) Inicialmente vamos calcular os custos variáveis (CV) e custos fixos (CF) e depois implementar a nova condição (redução do custo 2 2 pts) A Cia Roupas de Festa coloca no mercado seu produto principal ao preço unitário de R$ 86,75 isento de IPI, mas com ICMS de 17%. O custo variável nessa produção alcança R$ 54,00. A Cia está conseguindo

Leia mais

Gestão dos Pequenos Negócios

Gestão dos Pequenos Negócios Gestão dos Pequenos Negócios x Rangel Miranda Gerente Regional do Sebrae Porto Velho, RO, 20 de outubro de 2015 A Conjuntura Atual Queda na produção industrial Desemprego Alta dos juros Restrição ao crédito

Leia mais

Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura

Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura 1 de 9 Olá queridos alunos, Hoje faremos alguns comentários acerca da prova para o cargo de Auditor Fiscal Tributário Municipal da

Leia mais

INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital

INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital 5 INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital 1.1 Processo de decisão de orçamento de capital A decisão de investimento de longo prazo é a decisão financeira mais

Leia mais

Contabilidade. Demonstrações Contábeis. Curso: Adm. Geral. Estrutura de Capital, Alavancagem e Ponto de Equilíbrio. Prof. Marcelo dos Santos

Contabilidade. Demonstrações Contábeis. Curso: Adm. Geral. Estrutura de Capital, Alavancagem e Ponto de Equilíbrio. Prof. Marcelo dos Santos Curso: Adm. Geral Prof. Marcelo dos Santos Estrutura de Capital, Alavancagem e Ponto de Equilíbrio Contabilidade É a ciência teórica e prática que estuda os métodos de cálculo e registro da movimentação

Leia mais

Princípios Fundamentais Contabilidade

Princípios Fundamentais Contabilidade Princípios Fundamentais Contabilidade 1 Princípios Contábeis. Resolução CFC 750 de 29 de dezembro de 1993. Art. 3 São Princípios de Contabilidade:(2) I o da ENTIDADE; II o da CONTINUIDADE; III o da OPORTUNIDADE;

Leia mais

Lâmina de Informações Essenciais do. Título Fundo de Investimento Multimercado Longo Prazo (Título FIM-LP) CNPJ/MF: 02.269.

Lâmina de Informações Essenciais do. Título Fundo de Investimento Multimercado Longo Prazo (Título FIM-LP) CNPJ/MF: 02.269. Lâmina de Informações Essenciais do Informações referentes à Dezembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o TÍTULO FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO - LONGO PRAZO (Título

Leia mais

ICMS/PE 2014 Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura

ICMS/PE 2014 Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura ICMS/PE 2014 Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura 1 de 9 Olá queridos alunos, ICMS PE 2014: Resolução da prova de Hoje farei alguns comentários acerca da prova da Secretaria

Leia mais

1º CASO Cia. INVESTIDORA S.A.

1º CASO Cia. INVESTIDORA S.A. 1º CASO Cia. INVESTIDORA S.A. O quadro a seguir apresenta o Balancete de Verificação da Cia. Investidora S.A. em 31/12/X1. Contas Saldo ($) Contas Saldo ($) Depósitos Bancários 182.000 Financiamentos L.

Leia mais

! Revisão de conceitos importantes! Fluxo com VRG diluído! Fluxo com VRG no final do contrato! Comparação com outras alternativas de financiamento

! Revisão de conceitos importantes! Fluxo com VRG diluído! Fluxo com VRG no final do contrato! Comparação com outras alternativas de financiamento CAVALCANTE & COMO MONTAR O FLUXO DE CAIXA EM! Revisão de conceitos importantes! Fluxo com VRG diluído! Fluxo com VRG no final do contrato! Comparação com outras alternativas de financiamento Autores: Francisco

Leia mais

CUSTO DIRETO 1 - INTRODUÇÃO

CUSTO DIRETO 1 - INTRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL CTAE CUSTO

Leia mais

IFRS TESTE DE RECUPERABILIDADE CPC 01 / IAS 36

IFRS TESTE DE RECUPERABILIDADE CPC 01 / IAS 36 IFRS TESTE DE RECUPERABILIDADE CPC 01 / IAS 36 1 Visão geral O CPC 01 é a norma que trata do impairment de ativos ou, em outras palavras, da redução ao valor recuperável de ativos. Impairment ocorre quando

Leia mais

CURSOS ON-LINE CONTABILIDADE GERAL EM EXERCÍCIOS PROFESSOR ANTONIO CÉSAR AULA 11: EXERCÍCIOS (CONTINUAÇÃO)

CURSOS ON-LINE CONTABILIDADE GERAL EM EXERCÍCIOS PROFESSOR ANTONIO CÉSAR AULA 11: EXERCÍCIOS (CONTINUAÇÃO) AULA 11: EXERCÍCIOS (CONTINUAÇÃO) 11- (AFRE MG/ESAF 2005) Duas empresas coligadas avaliam seus investimentos pelo método da equivalência patrimonial. A primeira empresa tem Ativo Permanente de R$ 500.000,00,

Leia mais

EXERCÍCIO 01. Classificar em: Custos de Fabricação Despesas Administrativas Despesas Comerciais ou de Vendas Lucro

EXERCÍCIO 01. Classificar em: Custos de Fabricação Despesas Administrativas Despesas Comerciais ou de Vendas Lucro EXERCÍCIO 01 Classificar em: Custos de Fabricação Despesas Administrativas Despesas Comerciais ou de Vendas Lucro - Despesas de viagens 1.000 - Material direto 35.000 - Salário da administração 14.000

Leia mais

Eliminando todas as suas dúvidas sobre Margem de Contribuição

Eliminando todas as suas dúvidas sobre Margem de Contribuição Eliminando todas as suas dúvidas sobre Margem de Contribuição O que é Margem de Contribuição? Quais as técnicas para o cálculo da Margem de Contribuição? Qual a diferença entre a Margem de Contribuição

Leia mais

7.3.1 Receitas a Serem Reconhecidas Proporcionalmente a Certo Período Contábil Decorrido

7.3.1 Receitas a Serem Reconhecidas Proporcionalmente a Certo Período Contábil Decorrido Os PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE - O CUSTO, A MOEDA,... 10, 7.3.1 Receitas a Serem Reconhecidas Proporcionalmente a Certo Período Contábil Decorrido DOIS PERÍODOS CONTÁBEIS Alguns serviços,

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS e GERENCIAL

CONTABILIDADE DE CUSTOS e GERENCIAL Centro Universitário Padre Anchieta CONTABILIDADE DE CUSTOS e GERENCIAL Professor: Josué Centro Universitário Padre Anchieta 1. INTRODUÇÃO À CONTABILIDADE DE CUSTOS Professor: Josué CAP. 1 do Livro Suficiência

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO PREÇO NA EMPRESA

DETERMINAÇÃO DO PREÇO NA EMPRESA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO 1 Informações sobre o responsável pela proposta. Nome : Identidade: Órgão Emissor: CPF: Endereço: Bairro: Cidade: Estado: CEP: Telefone: FAX: E-mail Formação Profissional: Atribuições

Leia mais

QUESTÕES POTENCIAIS DE PROVA TROPA DE ELITE CURSO AEP PROF. ALEXANDRE AMÉRICO

QUESTÕES POTENCIAIS DE PROVA TROPA DE ELITE CURSO AEP PROF. ALEXANDRE AMÉRICO QUESTÕES POTENCIAIS DE PROVA TROPA DE ELITE CURSO AEP PROF. ALEXANDRE AMÉRICO Considere que o sistema contábil da empresa comercial Zeta S.A. tenha se extraviado logo no primeiro exercício de constituição

Leia mais

Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI

Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI Módulo 12 Gerenciamento Financeiro Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a

Leia mais

Lista de exercícios: Funções de 1ºgrau Problemas Gerais Prof ºFernandinho. Questões:

Lista de exercícios: Funções de 1ºgrau Problemas Gerais Prof ºFernandinho. Questões: Lista de exercícios: Funções de 1ºgrau Problemas Gerais Prof ºFernandinho Questões: 01.(UNESP) Apresentamos a seguir o gráfico do volume do álcool em função de sua massa, a uma temperatura fixa de 0 C.

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas Realização: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE CURSO: BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Leia mais

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público www.qconcursos.com ]

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público www.qconcursos.com ] 01 - Q223454A contabilidade foi definida no I Congresso Brasileiro de Contabilidade como: a ciência que estuda e pratica as funções de orientação, controle e registro relativo aos atos e fatos da administração

Leia mais

Vamos à prova: Analista Administrativo ANEEL 2006 ESAF

Vamos à prova: Analista Administrativo ANEEL 2006 ESAF Pessoal, hoje trago a prova que a ESAF realizou recentemente para o concurso de Analista da ANEEL. A prova é interessante, pois houve várias questões mal formuladas, mas que não foram anuladas pela Banca.

Leia mais

1 PREPARAÇÃO PARA INÍCIO DO JOGO... 2 1.1 Cadastro pessoal... 2. 1.2 - Cadastrando -se na empresa... 2

1 PREPARAÇÃO PARA INÍCIO DO JOGO... 2 1.1 Cadastro pessoal... 2. 1.2 - Cadastrando -se na empresa... 2 Sumário 1 PREPARAÇÃO PARA INÍCIO DO JOGO... 2 1.1 Cadastro pessoal... 2 1.2 - Cadastrando -se na empresa... 2 2. CENÁRIO... 3 2.1 Localização da Fábrica... 4 2.2 Produtos... 4 2.3 Demanda... 5 2.4 Eventos...

Leia mais

Aula 11 Teoria das restrições Decisões com base no custeio variável em cenários com restrição da capacidade produtiva.

Aula 11 Teoria das restrições Decisões com base no custeio variável em cenários com restrição da capacidade produtiva. CONTABILIDADE GERENCIAL Aula 11 Teoria das restrições Decisões com base no custeio variável em cenários com restrição da capacidade produtiva. Prof.: Marcelo Valverde Plano de Ensino da Disciplina: CONTABILIDADE

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação a conceitos, objetivos e finalidades da contabilidade, julgue os itens que se seguem. 51 Auxiliar um governo no processo de fiscalização tributária é uma das finalidades

Leia mais

Matemática. Aula: 02/10. Prof. Pedro. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Matemática. Aula: 02/10. Prof. Pedro. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Matemática Aula: 02/10 Prof. Pedro UMA PARCERIA Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistadeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO PARA ALUNOS

Leia mais

Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4

Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4 CUSTEIO VARIÁVEL COMO SUPORTE À TOMADA DE DECISÃO EMPRESARIAL Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4 RESUMO: Inicialmente a contabilidade tinha o objetivo de controlar

Leia mais

PASSO 8 IMPLANTANDO OS CONTROLES

PASSO 8 IMPLANTANDO OS CONTROLES PASSO 8 IMPLANTANDO OS CONTROLES Ter o controle da situação é dominar ou ter o poder sobre o que está acontecendo. WWW.SIGNIFICADOS.COM.BR Controle é uma das funções que compõem o processo administrativo.

Leia mais

Gestão de Custos. Aula 6. Contextualização. Instrumentalização. Profa. Me. Marinei Abreu Mattos. Vantagens do custeio variável

Gestão de Custos. Aula 6. Contextualização. Instrumentalização. Profa. Me. Marinei Abreu Mattos. Vantagens do custeio variável Gestão de Custos Aula 6 Contextualização Profa. Me. Marinei Abreu Mattos Instrumentalização Tomar decisões não é algo fácil, por isso a grande maioria dos gestores procuram utilizar as mais variadas técnicas

Leia mais

Custeio Variável e Margem de Contribuição

Custeio Variável e Margem de Contribuição Tema Custeio Variável e Margem de Contribuição Projeto Curso Disciplina Tema Professora Pós-graduação MBA em Engenharia da Produção Custos Industriais Custeio Variável e Margem de Contribuição Luizete

Leia mais

ANÁLISE CUSTO - VOLUME - LUCRO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS.

ANÁLISE CUSTO - VOLUME - LUCRO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. ANÁLISE CUSTO - VOLUME - LUCRO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. Thaisa Rodrigues Marcondes 1, Maria Auxiliadora Antunes 2 ¹ Universidade do Vale do Paraíba/Faculdade de Ciências

Leia mais

TÓPICO ESPECIAL DE CONTABILIDADE: IR DIFERIDO

TÓPICO ESPECIAL DE CONTABILIDADE: IR DIFERIDO TÓPICO ESPECIAL DE CONTABILIDADE: IR DIFERIDO! O que é diferimento?! Casos que permitem a postergação do imposto.! Diferimento da despesa do I.R.! Mudança da Alíquota ou da Legislação. Autores: Francisco

Leia mais

Como utilizar a margem de contribuição para tomar decisão quando existe limitação na capacidade produtiva Parte 2

Como utilizar a margem de contribuição para tomar decisão quando existe limitação na capacidade produtiva Parte 2 Como utilizar a margem de contribuição para tomar decisão quando existe! Revendo o conceito de margem de contribuição! Existência de limitação na capacidade de produção! Margem de contribuição e fator

Leia mais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Capitulo I Disposições gerais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Capitulo I Disposições gerais 1 TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Capitulo I Disposições gerais Artigo 1º Objecto O presente regulamento estabelece a metodologia de Cálculo, Revisão e Ajuste do tarifário para o serviço de Transporte Colectivo

Leia mais

Formação do Preço de Venda

Formação do Preço de Venda CURSO DE ADM - 5º PERÍODO - FASF Objetivo Refletir sobre a importância de se conhecer e identificar a FORMAÇÃO DE PREÇO, como fator determinante para a sobrevivência da exploração da atividade da empresa.

Leia mais

Artigo para uso exclusivo do IPEC.RJ REGISTRO CONTÁBIL DAS SUBVENÇÕES PARA INVESTIMENTOS E O TRATAMENTO FISCAL E SOCIETÁRIO

Artigo para uso exclusivo do IPEC.RJ REGISTRO CONTÁBIL DAS SUBVENÇÕES PARA INVESTIMENTOS E O TRATAMENTO FISCAL E SOCIETÁRIO www.ipecrj.com.br CONTABILIZANDO A LEITURA nº 01 Dia 05/JUL/2010 REGISTRO CONTÁBIL DAS SUBVENÇÕES PARA INVESTIMENTOS E O TRATAMENTO FISCAL E SOCIETÁRIO ANTES DA INTRODUÇÃO: HOMENAGEM A GEBARDO Acho importante,

Leia mais

FUNÇÃO DE 1º GRAU. = mx + n, sendo m e n números reais. Questão 01 Dadas as funções f de IR em IR, identifique com um X, aquelas que são do 1º grau.

FUNÇÃO DE 1º GRAU. = mx + n, sendo m e n números reais. Questão 01 Dadas as funções f de IR em IR, identifique com um X, aquelas que são do 1º grau. FUNÇÃO DE 1º GRAU Veremos, a partir daqui algumas funções elementares, a primeira delas é a função de 1º grau, que estabelece uma relação de proporcionalidade. Podemos então, definir a função de 1º grau

Leia mais

[ GUIA ] GESTÃO FINANCEIRA PARA EMPREENDEDORES

[ GUIA ] GESTÃO FINANCEIRA PARA EMPREENDEDORES [ GUIA ] GESTÃO FINANCEIRA PARA EMPREENDEDORES D e s c u b r a c o m o m a n t e r o c a p i t a l d a e m p r e s a s o b c o n t r o l e p a r a f a z e r o n e g ó c i o c r e s c e r. Uma boa gestão

Leia mais

Neste artigo comentarei 06 (seis) questões da ESAF, para que vocês, que estão estudando para a Receita Federal, façam uma rápida revisão!!

Neste artigo comentarei 06 (seis) questões da ESAF, para que vocês, que estão estudando para a Receita Federal, façam uma rápida revisão!! Olá concurseiros (as)! Neste artigo comentarei 06 (seis) questões da ESAF, para que vocês, que estão estudando para a Receita Federal, façam uma rápida revisão!! Vamos lá!!! 01. (ESAF Analista da Receita

Leia mais

Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA

Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA REVISANDO O CÁLCULO DO EVA QUAIS AS VANTAGENS DA UTILIZAÇÃO DA MÉTRICA EVA? COMO FAZER OS AJUSTES NA AVALIAÇÃO DOS S / INVESTIMENTOS?

Leia mais

ipea políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 117 GASTOS SOCIAIS: FOCALIZAR VERSUS UNIVERSALIZAR José Márcio Camargo*

ipea políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 117 GASTOS SOCIAIS: FOCALIZAR VERSUS UNIVERSALIZAR José Márcio Camargo* GASTOS SOCIAIS: FOCALIZAR VERSUS UNIVERSALIZAR José Márcio Camargo* Como deve ser estruturada a política social de um país? A resposta a essa pergunta independe do grau de desenvolvimento do país, da porcentagem

Leia mais

A Cobertura de Advance Loss of Profits e Delay in Start-up

A Cobertura de Advance Loss of Profits e Delay in Start-up ARTIGO TÉCNICO A Cobertura de Advance Loss of Profits e Delay in Start-up Francisco de Assis Braga (*) brfa@uol.com.br O risco em questão Por detrás de toda a azáfama que cerca a construção de uma grande

Leia mais

Ativo Não Circulante e Depreciação

Ativo Não Circulante e Depreciação ATIVO NÃO CIRCULANTE IMOBILIZAÇÃO E DEPRECIAÇÃO Contabilidade Geral - 3º Período - ADM Ativo Não Circulante e Depreciação Imobilizado. Depreciação. Taxa Anual de Depreciação. Depreciação Acelerada. Amortização

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I

GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I BALANÇO PATRIMONIAL 2 CONCEITO É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, o Patrimônio e o Patrimônio Líquido

Leia mais

APURAÇÃO DO RESULTADO (1)

APURAÇÃO DO RESULTADO (1) APURAÇÃO DO RESULTADO (1) Isnard Martins - UNESA Rodrigo de Souza Freitas http://www.juliobattisti.com.br/tutoriais/rodrigosfreitas/conhecendocontabilidade012.asp 1 Apuração do Resultado A maioria das

Leia mais

UNIP - UNIVERSIDADE PAULISTA - SP CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Izilda Lorenzo. Resumo 3

UNIP - UNIVERSIDADE PAULISTA - SP CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Izilda Lorenzo. Resumo 3 UNIP - UNIVERSIDADE PAULISTA - SP CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Izilda Lorenzo Resumo 3 DLPAC Demonstração dos Lucros e Prejuízos Acumulados Estrutura do DLPAC

Leia mais

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Julho de 2007. Todos os

Leia mais

Unidade II MATEMÁTICA APLICADA. Profa. Maria Ester Domingues de Oliveira

Unidade II MATEMÁTICA APLICADA. Profa. Maria Ester Domingues de Oliveira Unidade II MATEMÁTICA APLICADA À CONTABILIDADE Profa. Maria Ester Domingues de Oliveira Receita Total A receita é o valor em moeda que o produtor recebe pela venda de x unidades do produto produzido e

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIO. Roteiro Financeiro. Prof. Fábio Fusco

PLANO DE NEGÓCIO. Roteiro Financeiro. Prof. Fábio Fusco PLANO DE NEGÓCIO Roteiro Financeiro Prof. Fábio Fusco ANÁLISE FINANCEIRA INVESTIMENTO INICIAL O investimento inicial expressa o montante de capital necessário para que a empresa possa ser criada e comece

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO NO PLANO DE NEGÓCIOS Prof. Ms. Marco Arbex

ELEMENTOS DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO NO PLANO DE NEGÓCIOS Prof. Ms. Marco Arbex ELEMENTOS DO PLANEJAMENTO FINANCEIRO NO PLANO DE NEGÓCIOS Prof. Ms. Marco Arbex Alguns conceitos Custos fixos: aqueles que não sofrem alteração de valor em caso de aumento ou diminuição da produção. Independem

Leia mais

ASPECTOS GERAIS NA ELABORAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS EMPRESAS

ASPECTOS GERAIS NA ELABORAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS EMPRESAS ASPECTOS GERAIS NA ELABORAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS EMPRESAS Resolução CFC nº 1.418/2012 ITG 1000. CONVÊNIO CRCGO / SCESGO NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE MODELO CONTÁBIL PARA MICROEMPRESA

Leia mais

UNIDADE IV : ANÁLISE DE INVESTIMENTOS (A.I.) (ENGENHARIA ECONÔMICA) CONCEITO:

UNIDADE IV : ANÁLISE DE INVESTIMENTOS (A.I.) (ENGENHARIA ECONÔMICA) CONCEITO: UNIDADE IV : ANÁLISE DE INVESTIMENTOS (A.I.) (ENGENHARIA ECONÔMICA) 1 CONCEITO: Quando da realização de um determindado investimento, levantamos várias alternativas para sua execução final. Ao conjunto

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06. Operações de Arrendamento Mercantil

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06. Operações de Arrendamento Mercantil COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 Operações de Arrendamento Mercantil Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 17 (IASB) PRONUNCIAMENTO Índice Item OBJETIVO

Leia mais

COMO CALCULAR O PONTO DE EQUILÍBRIO NA PRÁTICA

COMO CALCULAR O PONTO DE EQUILÍBRIO NA PRÁTICA COMO CALCULAR O PONTO DE EQUILÍBRIO O tratamento dos juros fixos. O tratamento do IR/CSLL. O tratamento do lucro econômico. Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante

Leia mais

Comentários da prova SEFAZ-PI Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova SEFAZ-PI Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Olá amigos, Comentários da prova SEFAZ-PI ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE GERAL - SEFAZ-PI Trago para vocês os comentários da prova da SEFAZ-PI realizado no último

Leia mais

Cada prova possuirá 20 (vinte) questões objetivas e 1 (uma) questão discursiva. A prova terá duração de 2 (duas) horas, com início às 9h.

Cada prova possuirá 20 (vinte) questões objetivas e 1 (uma) questão discursiva. A prova terá duração de 2 (duas) horas, com início às 9h. O Exame de Suficiência em Contabilidade aplicado aos alunos ingressantes nos cursos de pós graduação lato sensu da FECAP, abaixo listados, é requisito para a obtenção do certificado de conclusão de curso

Leia mais

CUSTO FIXO, LUCRO E MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO. Atividades Práticas

CUSTO FIXO, LUCRO E MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO. Atividades Práticas CUSTO FIXO, LUCRO E MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO 1 Assinalar Falso (F) ou Verdadeiro (V): Atividades Práticas ( ) Os custos fixos são totalmente dependentes dos produtos e volumes de produção executados no período.

Leia mais

ÍNDICES DE LUCRATIVIDADE E DESEMPENHO: IMPORTANTES FERRAMENTAS PARA ANÁLISE FINANCEIRA DA EMPRESA

ÍNDICES DE LUCRATIVIDADE E DESEMPENHO: IMPORTANTES FERRAMENTAS PARA ANÁLISE FINANCEIRA DA EMPRESA ÍNDICES DE LUCRATIVIDADE E DESEMPENHO: IMPORTANTES FERRAMENTAS PARA ANÁLISE FINANCEIRA DA EMPRESA KELLY RIBEIRO DE SOUZA Graduanda do Curso de Ciências Contábeis da Universidade Federal do Pará. kellysouza@oi.com.br

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA: UM INSTRUMENTO AO PROCESSO DECISÓRIO

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA: UM INSTRUMENTO AO PROCESSO DECISÓRIO DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA: UM INSTRUMENTO AO PROCESSO DECISÓRIO Priscila Rubbo 1 Paulo Roberto Pegoraro 2 Resumo: O demonstrativo do fluxo de caixa tem como finalidade a projeção das entradas e saídas

Leia mais

Palestra Avaliação do Preço de Venda e Ponto de Equilíbrio. 1o Café com os festeiros de São Paulo WAGNER VIANA PEREIRA

Palestra Avaliação do Preço de Venda e Ponto de Equilíbrio. 1o Café com os festeiros de São Paulo WAGNER VIANA PEREIRA Palestra Avaliação do Preço de Venda e Ponto de Equilíbrio WAGNER VIANA PEREIRA Apresentação Wagner Viana Pereira Consultor financeiro do Sebrae-SP; Professor titular das Faculdades Oswaldo Cruz; Graduado

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 3 15 Rendimentos a distribuir 412 366 Aplicações financeiras de renda fixa 28 8

Leia mais

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO José Roberto Santana Alexandre Ripamonti Resumo: Com a globalização da economia, as empresas, enfrentam

Leia mais

Pesquisa sobre bens a serem ativados Contabilizados no Ativo Imobilizado

Pesquisa sobre bens a serem ativados Contabilizados no Ativo Imobilizado Pesquisa sobre bens a serem ativados Contabilizados no Ativo Imobilizado ATIVO IMOBILIZADO O Ativo Imobilizado é formado pelo conjunto de bens e direitos necessários à manutenção das atividades da empresa,

Leia mais

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto Olá, pessoal! Aqui estou eu de novo, para continuar o assunto da aula passada: Fluxo de Caixa e Demonstração do Fluxo de Caixa. Assunto da maior importância, que está sendo cobrado nos atuais concursos

Leia mais

CONCEITO BALANÇO PATRIMONIAL 24/8/2012. Renato Tognere Ferron

CONCEITO BALANÇO PATRIMONIAL 24/8/2012. Renato Tognere Ferron BALANÇO PATRIMONIAL Renato Tognere Ferron CONCEITO É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, o Patrimônio e o Patrimônio Líquido da Entidade.

Leia mais

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 SUR - REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS QUADRO I - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO Nota Nota ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes

Leia mais

Princípios Fundamentais

Princípios Fundamentais Graduação Curso de Engenharia de Produção 20/5/2012 Prof. Dr. Mário Luiz Evangelista Princípios Fundamentais Todas as Decisões são Tomadas a Partir de Alternativas É necessário um denominador comum a fim

Leia mais

SUMÁRIO. Prof. Edson de Oliveira Pamplona http://www.iepg.unifei.edu.br/edson. www.iepg.unifei.edu.br/edson. Universidade Federal de Itajubá

SUMÁRIO. Prof. Edson de Oliveira Pamplona http://www.iepg.unifei.edu.br/edson. www.iepg.unifei.edu.br/edson. Universidade Federal de Itajubá 1 www.iepg.unifei.edu.br/edson Avaliação de Projetos e Negócios Prof. Edson de Oliveira Pamplona http://www.iepg.unifei.edu.br/edson 2011 SUMÁRIO 1. Introdução 2. Matemática Financeira 3. Análise de Alternativas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO SÓCIO ECONÔMICO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS II CEF ARTIGO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO SÓCIO ECONÔMICO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS II CEF ARTIGO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO SÓCIO ECONÔMICO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS II CEF ARTIGO Alavancagem Operacional: Uma breve visão sobre a relação custo, volume

Leia mais

ASPECTOS AVANÇADOS NA ANÁLISE

ASPECTOS AVANÇADOS NA ANÁLISE ASPECTOS AVANÇADOS NA ANÁLISE! O que é Necessidade de Capital de Giro (NCG)! Como se determina a NCG! Reclassificação das contas do Ativo e Passivo Circulante! Causas das variações da NCG Autores: Francisco

Leia mais

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO No Modelo de Plano de Negócio, disponível no seu ambiente do Concurso você terá um passo a passo para elaborar o seu Plano, bem como todo o conteúdo necessário

Leia mais

O exercício final consiste de um estudo de caso, exposto neste documento. Devem ser gerados, como resultados

O exercício final consiste de um estudo de caso, exposto neste documento. Devem ser gerados, como resultados Prof. Leonardo A. M. Moraes Exercício Final 1 Instruções O exercício final consiste de um estudo de caso, exposto neste documento. Devem ser gerados, como resultados uma pequena apresentação em Microsoft

Leia mais

OBJETIVO VISÃO GERAL SUAS ANOTAÇÕES

OBJETIVO VISÃO GERAL SUAS ANOTAÇÕES OBJETIVO Assegurar a satisfação do cliente no pós-venda, desenvolvendo um relacionamento duradouro entre o vendedor e o cliente, além de conseguir indicações através de um sistema de follow-up (acompanhamento).

Leia mais

Balanço Patrimonial: Grupo de Contas

Balanço Patrimonial: Grupo de Contas 3 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas 3.1 JUSTIFICATIVAS Como foi visto no capítulo anterior, o Balanço Patrimonial é constituído de Ativo, Passivo e Patrimônio Líquido. O Ativo, por sua vez, compõe-se

Leia mais

GASTOS VARIÁVEIS, FIXOS E SEMI-VARIÁVEIS (alguns conhecimentos indispensáveis para quem trabalha com análises econômicas e financeiras) ASSOCIADOS

GASTOS VARIÁVEIS, FIXOS E SEMI-VARIÁVEIS (alguns conhecimentos indispensáveis para quem trabalha com análises econômicas e financeiras) ASSOCIADOS UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 45 GASTOS VARIÁVEIS, FIXOS E SEMI-VARIÁVEIS (alguns conhecimentos indispensáveis para quem trabalha com análises econômicas e financeiras)! Gasto variável se associa ao produto!

Leia mais

Adoção e Aplicação da IFRS

Adoção e Aplicação da IFRS IFRS Normas internacionais de contabilidade PARTE I Adoção e Aplicação da IFRS AULA 2 Prof. MSc. Márcio de Souza e Silva Objetivos: Compreender como adotar e implementar pela primeira vez as normas internacionais

Leia mais

Como está a saúde de sua Clínica de

Como está a saúde de sua Clínica de Como está a saúde de sua Clínica de Hemodiálise? Algumas considerações sobre hemodiálise Um bom plano de negócio deve permitir a recuperação do capital investido no menor espaço de tempo possível (Pay

Leia mais

Prof. Walter Dominas

Prof. Walter Dominas Unidade II CONTABILIDADE AVANÇADA Prof. Walter Dominas Consolidação das demonstrações contábeis A Consolidação das Demonstrações Contábeis é uma técnica que permite conhecer a posição financeira de um

Leia mais

OS EFEITOS DOS CUSTOS NA INDÚSTRIA

OS EFEITOS DOS CUSTOS NA INDÚSTRIA 3 OS EFEITOS DOS CUSTOS NA INDÚSTRIA O Sr. Silva é proprietário de uma pequena indústria que atua no setor de confecções de roupas femininas. Já há algum tempo, o Sr. Silva vem observando a tendência de

Leia mais

Abaixo segue a demonstração dos resultados da empresa.

Abaixo segue a demonstração dos resultados da empresa. Exercício de Acompanhamento II A NAS Car produz acessórios esportivos personalizados para automóveis. Ela se especializou em manoplas de câmbio, tendo desenvolvida uma linha padronizada em alumínio polido

Leia mais

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos 5 Plano Financeiro Investimento total Nessa etapa, você irá determinar o total de recursos a ser investido para que a empresa comece a funcionar. O investimento total é formado pelos: investimentos fixos;

Leia mais

Unidade: Aspectos contábeis na determinação dos fluxos de caixa. Unidade I:

Unidade: Aspectos contábeis na determinação dos fluxos de caixa. Unidade I: Unidade: Aspectos contábeis na determinação dos fluxos de caixa Unidade I: 0 Unidade: Aspectos contábeis na determinação dos fluxos de caixa 2. Aspectos contábeis e tributários 2. 1. Fundamentos de depreciação

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS LONG AND SHORT FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS LONG AND SHORT FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CNPJ/MF: Informações referentes a Dezembro de 2014 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o BNP PARIBAS LONG AND SHORT FUNDO DE INVESTIMENTO

Leia mais