RESUMO: A agilidade e nível de atividade física em adolescentes da rede pública e particular de ensino.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESUMO: A agilidade e nível de atividade física em adolescentes da rede pública e particular de ensino."

Transcrição

1 1 RESUMO: A agilidade e nível de atividade física em adolescentes da rede pública e particular de ensino. Objetivo: verificar e comparar a agilidade e o nível de atividade física em adolescentes da rede pública e particular de ensino. Metodologia: este estudo foi realizado com 20 escolares da rede particular (Escola São Teodoro de Nossa Senhora de SION) e 20 escolares da rede pública (EMEF João Domingues Sampaio), do sexo masculino. Os dados coletados para agilidade foram feitos através de uma variação do teste Shuttle Run, já para o nível de atividade física foi utilizado o Questionário de atividade física YOUTH, RBS. Obtido os dados do teste de agilidade aplicaram-se a análise descritiva de média e desvio padrão, além da análise inferencial comparativa com o teste T (Student), entre as duas instituições, o nível de atividade física foi elaborado através de um score para o questionário, para assim poder obter as classificações do nível de atividade física e realizar a análise descritiva de freqüência e porcentagem das respostas obtidas, assim como o teste T (Student) entre as duas instituições. A agilidade e o nível de atividade física foram elaborados com os dados de ambas as escolas para verificar a correlação de Person (r) entre ambas as variáveis. Resultados: A agilidade e o nível de atividade física de ambas as escolas possuíram uma correlação fraca. A classificação do nível de atividade física indicou melhores resultados dos escolares da rede particular, entretanto esta diferença não foi significativa. A agilidade possuiu uma diferença significativa entre os escolares da rede particular e pública, indicando melhor desempenho para os escolares da rede particular. Conclusão: A agilidade e nível de atividade física não indicaram como o esperado, que seria quanto maior o nível de atividade física, maior a agilidade. O nível de atividade física foi praticamente semelhante entre os escolares, entretanto os escolares da rede particular obtiveram os resultados no nível de atividade física abaixo (fraco) e acima (bom) melhores quando comparados aos escolares da rede pública, mas esta diferença não foi significativa. Para a agilidade foi constatada uma diferença significativa entre as escolas, indicando melhor desempenho dos escolares da rede particular.

2 2 I. INTRODUÇÃO O número de praticantes de atividade física no mundo está em crescente devido à grande divulgação da mídia a respeito da importância e benefícios que esta pode trazer ao indivíduo. Entretanto este número de praticantes ainda está abaixo do ideal, fato notado pelo grande número de indivíduos com sobrepeso e obesidade. Outro fator de fundamental importância é o aumento de praticantes de atividade física sobre a orientação de um profissional de educação física. A agilidade costuma ser confundida constantemente com a velocidade, tanto que muitas pessoas a consideram como sinônimos, mas a agilidade se diferencia por ser uma corrida com mudança de direção, no qual ocorre uma diminuição da velocidade seguida de uma nova aceleração. A agilidade não possui importância quando relacionada aos componentes da aptidão física, isto para não atletas. Para atletas a agilidade mostra-se imprescindível na prática de alguns esportes como Basquetebol, Futebol, Handebol, entre outros. O nível de atividade física dos adolescentes vem decaindo nas ultimas décadas devido a uma tendência ao sedentarismo e com certeza influenciará na sua agilidade e de outras capacidades motoras condicionais. O baixo nível social predomina na rede pública de ensino quando comparadas aos alunos das escolas particulares, por isso seus estilos de vida mostram-se diferentes podendo comprometer no seu nível de atividade física e na sua agilidade. Devido aos adolescentes de nível socioeconômico mais privilegiado possuir acesso a jogos virtuais e internet, surge à questão, será que estes apresentam um nível de atividade física e agilidade menores do que os adolescentes da rede pública que estão presentes em maior parte em brincadeiras de rua? Ou os adolescentes da escola particular, pelo seu nível socioeconômico mais privilegiado, possuem um maior nível de atividade física e agilidade, já que estes têm a possibilidade de praticarem uma atividade física organizada e planejada? A escola que possui o papel de possibilitar a participação e estimular os alunos a pratica de atividade física sem a busca de performance, também pode ser um instrumento para seleção de possíveis talentos em diversas modalidades esportivas para a prática em um período pós aula, mas devido as conseqüências da modernização muitos adolescentes estão abaixo do nível esperado com relação a

3 3 agilidade e o nível de atividade física, comprometendo assim a seleção de futuros talentos, além da sua própria saúde. O presente estudo tem por objetivo verificar e comparar a agilidade e o nível de atividade física em adolescentes da rede pública e particular de ensino.

4 4 II. REVISÃO DE LITERATURA 2.1 Aptidão física e saúde Segundo a ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (1978) citado por GUISELINI (2006), aptidão física deve ser entendida como a capacidade de realizar trabalho muscular de maneira satisfatória. Os componentes da aptidão física são a resistência cardiorrespiratória, força muscular, resistência muscular localizada, flexibilidade, coordenação motora, relaxamento e a composição corporal (GUISELINI 2006). CYRILO et al. (2004) que analisou o comportamento da flexibilidade após 10 semana de um programa sistematizado de treinamento com peso, com 16 homens entre 21 e 25 anos, utilizando 11 exercícios que compuseram o programa, seguidas pelo teste Post Hoc de Tukey. Os resultados mostraram aumentos significantes na flexibilidade entre os momentos pré e pós-experimento no grupo de treinamento nos movimentos de flexibilidade do ombro, extensão do quadril, extensão do tronco, flexão do tronco e flexão lateral do tronco. A autopercepção corporal de indivíduos não atletas em algumas variáveis morfofuncionais constituintes da aptidão física, além de verificar se a margem de acerto ou erro nessa autopercepção corporal depende dos resultados obtidos nessas mesmas variáveis morfofuncionais e verificar se os indivíduos com maior autopercepção corporal são mais aptos fisicamente como colocado por ARAÚJO e ARAÚJO, com 63 adultos (51 homens) entre 22 e 85 anos, tendo sido medido e testado VO2max, flexibilidade, força de preensão manual, potência muscular máxima absoluta e relativa, localização predominante de gordura corporal e poso de referência, habilidade de sentar e levantar do solo e relação peso/altura, além da altura e peso corporal e uma avaliação de autopercepção corporal foi realizada pela comparação entre os resultados percebidos e os obtidos para cada uma das variáveis estudadas. Os resultados mostram que os indivíduos tendem a errar mais do que acertar, em média a autopercepção corporal é 60% de erro e 40% de acerto. A autopercepção é mais incorreta para a flexibilidade 84% de e mais precisa para a habilidade de levantar do solo 66% de acerto. A autopercepção tendia a ser maior nos que alcançavam maior VO2max. O sedentarismo era quase 3 vezes mais

5 5 prevalente nos indivíduos com pior autopercepção. Os 20% com maiores escores de autopercepção tendiam a melhores resultados nas variáveis de aptidão física. A autopercepção foi maior nos indivíduos mais flexíveis e nos que possuíam maior força de preensão manual. Para CASPERSEN et al. (1985) citado por GUISELINI (2006) defini-se atividade física como qualquer movimento corporal, produzido pelos músculos esqueléticos, sendo, portanto, voluntário, e resultando em gasto energético maior do que os níveis de repouso. As recomendações de prática de atividade para a saúde, o gasto energético semanal deve ser superior a Kcal ou aproximadamente 150Kcal por dia (GUISELINI 2006; USDHH 1996). O treinamento físico é benéfico apenas se obriga o organismo a adaptarse ao estresse provocado pelo esforço, acarretando na soma das transformações estruturais e fisiológicas (BOMPA 2002). Segundo SILVA et al. (2005) que avaliou a distância percorrida em 9 minutos, a freqüência cardíaca de repouso e a força dos músculos abdominais e respiratórios, antes e depois de 4 meses de participação num programa de exercícios com crianças que possuem asma moderada e idade entre 8 e 11 anos, sendo feita a comparação pré e pós-treinamento físico. Os resultados mostraram que ocorreu melhora significativa na distância percorrida em 9 minutos, número de flexões abdominais, pressão inspiratória máxima, pressão expiratória máxima e freqüência cardíaca de repouso. 2.2 Aptidão física na infância e adolescência GUISELINI (2006) citando MEYER e MERLOVICKS (1985) afirma que as doenças hipocinéticas são encontradas com maior freqüência entre os sedentários e obesos. De acordo com VASCONCELOS e SILVA (2003) que determinou a prevalência do sobrepeso e da obesidade em um período de 20 anos no nordeste, em adolescentes do sexo masculino na faixa etária de 17 a 19 anos, aplicando um exame médico que selecionou as variáveis idades, peso, altura e IMC. Os resultados demonstraram que a curva é ascensional, a razão de prevalência ao final do estudo

6 6 foi 2,47 vezes maior para o sobrepeso e 4,41 vezes maior para a obesidade, além disto observou um maior incremento para a obesidade do que para o sobrepeso e observou-se uma estatura maior de obesos do que não obesos. CARNEIRO et al. (2000) que determinou associações entre a obesidade na adolescência e alterações clínico-metabólicas indicadoras de morbi-mortalidade com 66 adolescentes, sendo 38 obesos (25 do sexo feminino e 13 do masculino) e 28 não obesos (23 do sexo feminino e 5 do masculino), sendo aplicado um questionário padrão abordando hábitos alimentares e de vida, o diagnóstico da lesão dermatológica se deu através de exame clínico, glicemia foi dosada pelo método enzimático colorimétrico automatizado, o colesterol pelo colesterol-estearase e os triglicerídeos pelo método enzimático colorimétrico GPO/PAP. Os resultados mostraram que a relação cintura-quadril foi maior no grupo dos obesos do que nos não obesos (0,86±0,08 vs. 0,74±0,04), a pressão arterial sistólica e diastólica foi maior no grupo obeso, sendo 120,2±12,1 vs. 105,4±9,1mmHg e não obesos 74,3±7,7 vs. 65,5±9,4mmHg. Os obesos apresentaram valores de HDL-colesterol inferiores aos dos não obesos (36,5+10,5 vs. 43,0±9,2mg/dl, respectivamente). Os níveis de triglicerídeos e ácido úrico foram maiores no grupo dos obesos se comparado aos não obesos (124,6±80,0 vs. 74,2±31,4mg/dl, respectivamente). Os componentes da aptidão física que possuem cada um uma relação direta com a boa saúde e, conseqüentemente, há um menor risco das pessoas serem portadoras de doenças hipocinéticas, cada um deles é considerado importante, pois o objetivo é a promoção da saúde e bem-estar de acordo com GUISELINI (2006). FERNANDEZ (2004) et al. que avaliou o efeito do exercício anaeróbio na massa e gordura corporal de adolescentes obesos, comparando-o com exercício aeróbio e a um grupo controle sem prescrição de qualquer tipo de exercício em 28 adolescentes do sexo masculino com idades entre 15 e 19 anos, além de voluntários com obesidade grave, utilizando uma avaliação antropométrica, clínica, de composição corporal e de aptidão física. Os resultados mostram que não foram detectadas diferenças entre os grupos para os valores de percentagem de gordura corporal de corpo total e massa corporal inicial e final. Mas quando comparados os períodos inicial e final de intervenção foram observadas reduções nas variáveis

7 7 massa corporal, IMC, na massa de gordura corporal total, membros inferiores e na percentagem de gordura corporal de tronco nos grupos de exercício. Segundo LEMARI (2007) et al. que verificou a flexibilidade anterior do tronco após o pico de velocidade de crescimento em estatura, sexo, velocidade de execução e dos dados antropométricos em 102 adolescentes, sendo 45 moças e 57 rapazes entre 16 e 20 anos de idade, utilizando o teste de sentar-e-alcançar e medidas antropométricas lineares. Os resultados apontam que a forma rápida apresenta melhores resultados quando aproximadamente 50% dos adolescentes conseguem tocar os pés. Constataram-se correlações significantes, porém não fortes, entre a velocidade lenta e rápida de execução, independente do sexo. Maior comprimento dos MMSS e MMII indicam menores índices de Flexibilidade anterior do tronco em ambos os sexos, independente da velocidade de execução. O mesmo ocorre com a estatura apenas no sexo feminino, bem como na envergadura, nesta apenas o movimento rápido. O peso corporal e a altura tronco-cefálica não se correlacionam o teste sentar-e-alcançar. SCHNEIDER et al. (2004), que descreveu e comparou a força muscular (isométrica e isocinética) com dinamometria computadorizadas em atletas de voleibol saudáveis, de ambos os gêneros e nos diferentes graus maturacionais com 66 voluntários entre 09 e 18 anos, sendo 37 meninos e 29 meninas, utilziando um dinamômetro computadorizado para medir a força isocinética de flexão do cotovelo e de extensão do joelho, nas velocidade de 60 e 90.s-¹ e a força isométrica foi medida nos mesmo exercícios e nos ângulos de 60 e 90.s-¹ e 45 e 60.s-¹, além do teste de Post Hoc de Tockey. Os resultados mostraram que os meninos foram mais fortes do que as meninas apenas no grupo pós-púberes, nos dois ângulos dos testes isométricos de flexão do cotovelo e no teste isocinético em 90.s-¹. Nos teste isométricos de extensão do joelho, os valores não foram significativamente diferentes para meninos e meninas, independente do grau maturacional. Nos testes isocinéticos, os meninos foram mais fortes do que as meninas nos grupos prépúberes e pós-púberes em 60 e 90.s-¹. Já o estilo de vida são os padrões de comportamentos ou os modos que o indivíduo tipicamente vive (GUISELINI 2006; CORBIN 1994). A mudança no estilo de vida no que diz respeito a exercício regular, sono adequado, um bom café da manha, refeições regulares, controle de peso, abstinência de cigarros e drogas e

8 8 uso moderado de álcool poderiam adicionar 11 anos de vida aos homens e 7 anos as mulheres (GUISELINI 2006; SHARKEY 1998). O estudo de SILVA e MALINA (2000) que investigou o nível de atividade física de adolescentes do Niterói entre 325 alunos (123 meninos e 202 meninas) com 14 e 15 anos de idade, sendo avaliado o nível de aptidão física através do questionário de atividade física para crianças, dados antropométricos e horas que assistem televisão. Os resultados mostraram que a média de televisão foi de 4,4 e 4,9 horas/dia para o sexo masculino e feminino. Os meninos praticam mais o futebol e as meninas a caminhada. O nível de atividade física ocorre em maior proporção ao final de semana. O questionário classificou 85% dos meninos e 94% das meninas como sedentárias. O nível de prática de atividade física habitual, mediante registro de informações relacionadas as atividades do cotidiano e estimativas da demanda energética/dia, de adolescentes matriculados em escolas da rede estadual de ensino médio do município de Londrina, Paraná analisado por GUEDES et al. (2001) com adolescentes entre 15 e 18 anos de idade de ambos os sexos, sendo 281 adolescentes (157 moças e 124 rapazes), estabelecendo uma estimativa quanto a demanda energética (Kcal/Kg/Dia) com base no gasto calórico associado no tipo e a duração das atividades registradas pelos adolescentes. Os resultados mostraram que os rapazes foram mais ativos fisicamente que moças. Os rapazes mostraram maior envolvimento na prática de exercícios físicos e de esportes que moças. Os níveis de prática de atividade física habitual tenderam a se reduzir com a idade, sobretudo entre moças. Rapazes pertencentes a classe socioeconômica familiar mais baixa mostraram ser menos ativos fisicamente que seus pares de classe socioeconômica mais privilegiada. A maioria dos adolescentes não atendem as recomendações de atividade física parar alcançar impacto a saúde (94% moças e 74% dos rapazes). HALLAL et al. (2006) que descreve os níveis de atividade física em diversos domínios/deslocamento, escola, lazer e determinar a prevalência de sedentarismo e fatores associados entre adolescentes de anos de idade, participantes do estudo de Coorte de Nascimento de 1993 em Pelotas, Rio Grande do sul com 4451 adolescentes, aplicando-se um questionário para a mãe e para o adolescente, além de serem medidos e pesados. Os resultados mostraram que

9 9 72,8% utilizam regularmente um modo de transporte ativo (caminhada ou bicicleta). O deslocamento a pé associa-se negativamente com o nível socioeconômico, sendo o percentual de caminha entre os adolescentes do nível E, 6 vezes maior do que o observado no nível A, já a utilização do carro ou moto mostrou-se 63 vezes maior do que os de nível E. O IMC dos adolescentes foi de 18,6 Kg/m². A média diária de tempo gasto assistindo a TV foi de 3,3 horas e jogar vídeo-game por 1 hora ou mais por dia foi de 22,4% e 9,7% de computador. A participação em atividade física com instrutor na escola foi mais freqüente entre as meninas, e em adolescentes de nível socioeconômico alto. A prática de atividade física no lazer foi mais freqüente entre os meninos, de nível socioeconômico alto. 2.3 Agilidade Para BARBANTI (2003) agilidade é a capacidade de executar movimentos rápidos e ligeiros com mudança de direção. BARROS, citado por OLIVEIRA (2000), a agilidade é uma variável neuromotora caracterizada pela capacidade de realizar trocas rápidas de direção, sentido e deslocamento da altura do centro de gravidade de todo corpo ou parte dela. O estudo de ALMEIDA e ROCATTO (2007) que investigou os efeitos do treinamento pliométrico sobre a força explosiva, agilidade, e velocidade de jogadores de futsal com 16 adolescentes do sexo feminino entre 13 e 15 anos, aplicando os testes de impulsão vertical, impulsão horizontal, agilidade e a velocidade de deslocamento. Os resultados a partir da impulsão horizontal favoreceram a força explosiva de membros inferiores. Já os resultados do teste de agilidade, que melhorou, pode-se dizer que o treinamento pliométrico para membros inferiores, possibilitou uma melhora da coordenação intermuscular. SANTO et al. (1997) que identificou os efeitos do treino pliométrico nos indicadores da força explosiva (velocidade, agilidade, salto a partir de uma posição estática, salto com contra-movimento e potência mecânica média dos membros inferiores) e perceber os efeitos do destreino específico e da aplicação de um treino pliométrico reduzido, nos ganhos anteriormente obtidos com 19 jovens basquetebolistas com idade entre 14 e 15 anos do sexo masculino, aplicando os testes de velocidade 20 m (CARVALHO, 1993); agilidade (FACDEX MARQUES,

10 10 COSTA, MAIA, OLIVEIRA& GOMES, 1990); salto a partir de uma posição estática, salto com contra-movimento e potência mecânica média dos membros inferiores (BOSCO, 1982; SALE, 1991), tendo-se recorrido à plataforma eletromecânica Ergojump para a realização dos testes salto estático, salto com contra-movimento e potência mecânica média. Os resultados revelaram que um programa de treino pliométrico com a duração de oito semanas e uma freqüência de três vezes por semana, no final deste período, incrementos estatisticamente significativos ocorreram em todos os indicadores da força explosiva. O grupo que cumpriu um programa de treino pliométrico reduzido em simultâneo com os treinos regulares de basquetebol houve incrementos estatisticamente significativos para a velocidade e agilidade, tendo as restantes variáveis mantidas os níveis anteriormente atingidos. O grupo que teve um período de treino específico de quatro semanas mantendo, contudo, os treinos regulares de basquetebol houve melhorias estatisticamente significativas na velocidade, no salto a partir de uma posição estática e no salto com contra-movimento, mantendo praticamente inalterados os valores referentes à agilidade e à potência mecânica média. Segundo RÉ et al. (2005) que comparou o desempenho motor e características antropométricas de adolescentes participantes de um programa de iniciação esportiva, de diferentes estágios maturacionais, em faixas etárias específicas verificou a contribuição relativa conjunta de características antropométricas, das idades cronológica e biológica (estágio de pilosidade) e de medidas de desempenho motor, na agilidade, força explosiva de membros inferiores e velocidade com 268 jovens de 10 a 16 anos de idade, utilizando testes indicadores da agilidade (teste de SEMO), força explosiva de membros inferiores (salto horizontal), velocidade (corrida de 30 m), flexibilidade do quadril (sentar e alcançar), força da musculatura abdominal (número máximo de repetições em 30 segundos) e resistência aeróbia (corrida de nove minutos). Os resultados mostraram uma tendência dos jovens com maior massa corporal e estatura, portanto mais velhos e mais maturos apresentarem resultados superiores nos testes de desempenho motor. Controlando-se o efeito da idade cronológica, as correlações entre as variáveis antropométricas e os testes de aptidão deixam de ser significantes nas medidas de flexibilidade, força abdominal e agilidade. Os jovens com maior idade cronológica apresentaram valores superiores nas características antropométricas e nos testes de

11 11 desempenho motor, mas nestes testes não houve diferença significante na maioria das comparações entre os indivíduos da mesma faixa etária em diferentes estágios maturacionais.

12 12 III. METODOLOGIA 3.1 Amostra A amostra desse estudo foi constituída de 40 indivíduos do sexo masculino com idades de 11 e 12 anos. Estes indivíduos foram pertencentes a dois grupos, um grupo possuirá apenas escolares da Escola São Teodoro de Nossa Senhora de SION que possui um nível socioeconômico mais privilegiado, já que pertence à rede de ensino particular e o outro grupo constituiu de escolares da EMEF João Domingues Sampaio que apresenta um nível socioeconômico mais desfavorecido, pertencente à rede de ensino público. 3.2 Técnica de coleta de dados a) Teste (Shuttle run) Os dados coletados para a agilidade foram feitos através de uma variação do teste Shuttle Run (JOHNSON & NELSON, 1979). Este teste constitui de duas linhas que deverão estar marcadas no chão a uma distância de 9,14 metros estando atrás de uma delas 2 blocos de 5x5x10cm. O teste aplicado apenas diferiu quanto à distância que foi adotada de 9 metros. O atleta partirá em direção a linha que possui os blocos para pegar um e em seguida colocá-lo no terreno atrás linha de partida. O atleta então pegará o segundo bloco e irá deixar este atrás da linha de partida. O cronômetro é iniciado sobre o comando vai, e parado quando o atleta cruza a linha deixando os blocos. Os blocos devem ser colocados no chão e não arremessados. Neste caso o teste será repetido. Foram dadas duas tentativas com um intervalo de descanso entre elas e utilizado o menor tempo para o estudo. b) Questionário Para a obtenção dos dados do nível de atividade física foi utilizado o Questionário de Atividade Física YOUTH. RBS, 2005, composto por perguntas abertas e fechadas que determinou o quanto o indivíduo é ativo. Entretanto, para o

13 13 estudo utilizamos apenas perguntas fechadas com um score elaborado para cada alternativa, variando de um, que seria uma resposta de tendência negativa, a uma pontuação crescente de acordo com o número de alternativas, indicando uma tendência positiva. 3.3 Análise dos dados a) Teste (Shuttle run) Análise descritiva de média e desvio padrão. E análise inferencial comparativa com o teste T (Student), entre as duas instituições. b) Questionário Análise descritiva de freqüência e porcentagem das respostas obtidas, além do teste T (Student) entre as duas instituições. O nível de atividade física foi elaborado utilizando-se do score para determinarmos à média e desvio padrão, sendo que quem estiver abaixo do desvio padrão foi considerado fraco, entre o desvio padrão regular e acima bom. Sendo assim, a classificação do nível de atividade física foi utilizado como parâmetro a média de 19,4 e o desvio padrão de 4,51, conforme tabela 1. O indivíduo abaixo de 14,89 foi considerado abaixo (fraco), entre 14,89 a 23,91 média (regular) e acima de 23,91 foi considerado acima (bom). Foi utilizado o teste de correlação de Pearson (r) para a agilidade e o nível de atividade física, sem distinguir as instituições, já que calculou-se uma única média e desvio padrão com os dados de ambas as escolas.

14 14 IV. RESULTADOS E DISCUSSÂO Tabela 1: Média, desvio padrão e correlação de Person entre agilidade e nível de atividade física em escolares de 11 e 12 anos de escola pública e particular. Média Desvio padrão Correlação Agilidade 11,92 0,97-0,187 Nível de atividade física *p<0,05 19,4 4,51 Os alunos das escolas particulares e publicas tiveram seus tempos do teste de agilidade e pontos do questionário de atividade física somadas para a elaboração da média e desvio padrão. Os resultados mostraram que a agilidade teve uma média de 11,92 e desvio padrão 0,97, enquanto o nível de atividade física obteve uma média de 19,4 e desvio padrão de 4,51. Com estes valores pudemos obter a correlação -0,187, indicando que a agilidade e o nível de atividade física possuem uma correlação negativa fraca (ver tabela 1). O estudo de VASCONCELOS e SILVA (2003) demonstrou que a razão de prevalência para o sobrepeso foi 2,47 vezes maior e 4,41 vezes maior para a obesidade. Tabela 2: Freqüência (f) e percentual (%) do nível de atividade física em escolares de 11 e 12 anos de escola pública e particular Nível de atividade física Pública (n=20) Particular (n=20) f % f % 1-Abaixo (fraco) Média (regular) Acima (bom) A classificação do nível de atividade mostrou que os alunos da escola particular tiveram melhores indicadores quando comparados o nível de atividade

15 15 física acima (bom) que obteve 25% e escolares da rede pública 20%, assim como o nível de atividade física abaixo (fraco) dos escolares da rede particular foi menor em comparação com os escolares da publica, 15% e 20% respectivamente. Já o nível de atividade física média (regular) foi igual para ambos os escolares com 60% (ver tabela 2). O estudo de GUEDES et al. (2001) demonstrou também que rapazes pertencentes a classe socioeconômica familiar mais baixa mostraram ser menos ativos fisicamente que seus pares de classe socioeconômica mais privilegiada, entretanto com adolescentes entre 15 e 18 anos de idade. SILVA e MALINA (2000) constataram que o nível de atividade física de adolescentes com 14 e 15 anos de idade do Niterói, mostrou ocorrer em maior proporção ao final de semana. O questionário aplicado classificou 85% dos meninos e 94% das meninas como sedentárias Fraco (%) Regular (%) Bom (%) Pública Particular Figura 1: Percentual (%) do nível de atividade física em escolares de 11 e 12 anos de escola pública e particular. A figura 1 apresenta o percentual do nível de atividade física de ambas as escolas e facilita a visualização do melhor nível de atividade física abaixo (fraco) e acima (bom) dos alunos da rede particular quando comparados com os alunos da rede pública.

16 16 Tabela 3: Média, desvio padrão e teste T (Student) entre agilidade e nível de atividade física em escolares de 11 e 12 anos de escola pública e particular. Pública Particular Média Desvio padrão Média Desvio padrão t Agilidade 12,2 0,73 11,64 1,11 2,035* Nível de atividade física 18,85 4,5 19,95 4,56 0,77 *p<0,05 A agilidade possuiu uma diferença significativa ao ser aplicada o teste T (Student), adotando-se o nível de significância 0,05, indicando que os escolares da rede particular possuem uma melhor agilidade do que os escolares da rede pública (ver tabela 3). O nível de atividade física não possuiu diferença significativa para os escolares da rede pública e particular, adotando-se o nível de significância 0,05 (ver tabela 3). Entretanto os escolares da rede particular tiveram uma melhor média do nível de atividade física, como pode ser visto na tabela 3. HALLAL et al. (2006) demonstrou que adolescentes de anos de idade possuíram participação em atividade física com instrutor na escola mais freqüente entre as meninas, e em adolescentes de nível socioeconômico alto, além da prática de atividade física no lazer ter sido mais freqüente entre os meninos, de nível socioeconômico alto.

17 17 V. CONCLUSÃO A agilidade e nível de atividade física possuíram uma correlação negativa fraca, não indicando como o esperado, que seria quanto maior o nível de atividade física, maior a agilidade. O nível de atividade física não indicou grandes diferenças entre os escolares da rede particular e pública, ou seja, foram praticamente semelhantes os resultados, entretanto os escolares da rede particular obtiveram os resultados no nível de atividade física abaixo (fraco) e acima (bom) melhores quando comparados aos escolares da rede pública indicando um melhor nível de atividade física, mas esta diferença não foi significativa. Sendo assim, o diferente estilo de vida dos escolares do nível socioeconômico mais privilegiado e dos mais desfavorecidos não influenciou de maneira significativa no nível de atividade física, que se manteve praticamente semelhante. A agilidade demonstrou uma diferença significativa entre os escolares da rede particular e pública, indicando melhor desempenho dos escolares da rede particular. Um motivo possível poderia ser à participação em atividades com um instrutor na escola, porém mais estudos deverão ser feitos com o intuito de descobrir a razão desta diferença de agilidade encontrada.

18 18 IV. REFERÊNCIAS 1) ALMEIDA GT, ROGATTO GP. Efeitos do método pliométrico de treinamento sobre a força explosiva, agilidade e velocidade de deslocamento de jogadoras de futsal. Revista Brasileira de Educação Física, Esporte, Lazer e Dança. 2007;2: ) ARAÚJO DSMS, ARAÚJO S. Autopercepção corporal de variáveis da aptidão física relacionada à saúde. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. 2002;8: ) BARBANTI VJ. Dicionário de Educação Física e Esporte. Barueri, Manole, ) BOMPA TO. Periodização: teoria e metodologia do treinamento. 4ª ed. São Paulo: Phorte Editora, ) CARNEIRO JRI, KUSBNIR MC, CLEMENTE ELS, BRANDÃO MG, GOMES MB. Obesidade na adolescência: Fator de risco para complicações clínicometabólicas. Arquivo Brasileiro de Endocrinologia Metabólica. 2000;44: ) CYRINO ES, OLIVEIRA AR, LEITE JC, PORTO DB, DIAS RMR, SEGANTIN AQ, MATTANÓ RS, SANTOS VA. Comportamento da flexibilidade após 10 semanas de treinamento com pesos. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. 2004;10: ) FERNANDES AC, MELLO MT, TUFIK S, CASTRO PM, FISBERG M. Influência de treinamento aeróbio e anaeróbio na massa de gordura corporal de adolescentes obesos. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. 2004;10: ) GUEDES DP, GUEDES JERP, BARBOSA DS, OLIVEIRA JÁ. Níveis de prática de atividade física habitual em adolescentes. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. 2001;7: ) GUISELINI M. Aptidão física saúde bem estar: fundamentos teóricos e exercícios práticos. 2ª ed. São Paulo: Phorte Editora, ) HALLAL PD, BERTOLDI AD, GONÇALVES H, VICTORIA CG. Prevalência de sedentarismo e fatores associados em adolescentes de anos de idade. Caderno Saúde Pública. 2006;22(6):

19 19 11) LEMARI N, MARINO LC, CORDEIRO JÁ, PELLEGRINI AM. Flexibilidade anterior do tronco no adolescente após o pico da velocidade de crescimento em estatura. Acta Ortopédica Brasileira. 2007;15(1): ) MENZEL HJ, CHAGAS MH, SIMPLÍCIO AT, MONTEIRO AD, ANDRADE AGP. Relação entre força muscular de membros inferiores e capacidade de aceleração em jogadores de futebol. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte. 2005;19: ) MOMESSO C, ARAÚJO TL, SANTOS M, MATSUDO VKR, MATSUDO SMM. Validação do questionário youth risk behavior survey system (YRBSS) de atividade física em escolares entre 10 e 12 anos: Estudo piloto. In: Anais XXX Simpósio Internacional de Ciências do Esporte mitos e evidencia na atividade física e no esporte ; 2007 out São Paulo, Brasil. CELAFISCS; 2007b. p ) OLIVEIRA, MC. Influência do ritmo na agilidade em futebol. In: XXIII Simpósio Internacional de Ciências do esporte: São Paulo. Simpósio do Milênio. São Caetano do Sul. Revista Brasileira de Ciência e Movimento; p ) RÉ AHN, BOJIKIAN LP, TEIXEIRA CP, BOHME MTS. Relações entre crescimento, desempenho motor, maturação biológica e idade cronológica em jovens do sexo masculino. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte. 2005;19: ) SANTO E, JANEIRA MA, MAIA JAR. Efeitos do treino e do destreino específicos na força explosiva: em estudo em jovens basquetebolistas do sexo masculino. Revista Paulista de Educação Física. 1997;11(2): ) SCHNEIDER P, BENETTI G, MEYER F. Força muscular de atletas de voleibol de 9 a 18 anos através da dinamometria computadorizada. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. 2004;10: ) SILVA CS, TORERS LAGMM, RAHAL A, FILHO JT, VIANNA EO. Avaliação de um programa de treinamento físico por quatro meses para crianças asmáticas. Jornal Brasileiro de Pneumologia. 2005;31(4): ) SILVA RCR, MALINA RM. Nível de atividade física em adolescentes do município de Niterói, Rio de Janeiro, Brasil. Caderno Saúde Pública. 2000;16(4):

20 20 20) VASCONSELOS VL, SILVA GAP. Prevalência de sobrepeso e obesidade em adolescentes masculinos, no Nordeste do Brasil, Caderno Saúde Pública. 2003;19(5):

21 21 VII. ANEXOS Resultados do teste de agilidade e do nível de atividade física dos escolares da rede pública e particular. Escola: EMEF João Domingues Sampaio (Pública). Nome do aluno: Idade: Sexo: Quest.: CLassif. N.A.F. Tempo de agilidade: Adriano 11 Masculino ,21 Alisson 11 Masculino ,32 Anderson Alves 11 Masculino ,96 Anderson Ribeiro 12 Masculino ,66 Caio 12 Masculino ,95 Daniel 11 Masculino ,81 Danilo 12 Masculino ,46 Erick 12 Masculino ,28 Felipe 11 Masculino ,81 Gabriel Nayder 12 Masculino ,40 Geraldo 11 Masculino ,19 Guilherme 11 Masculino ,44 Hernan 12 Masculino ,52 Jonas 12 Masculino ,89 Leonardo 12 Masculino ,33 Lucas 12 Masculino ,90 Mateus 12 Masculino ,87 Paulo 12 Masculino ,76 Raul 12 Masculino ,58 Rodrigo da Silva 11 Masculino ,56 Agilidade: Questionário: Média: 12,2 Média: 18,85 Desvio padrão: 0,73 Desvio padrão: 4,5

22 22 Escola: Escola São Teodoro de Nossa Senhora de SION (Particuar). Nome do aluno: Idade: Sexo: Questi. N.A.F. Tempo: André Mitsuo 12 Masc ,26 Arthur Monteiro 11 Masc ,25 Guilio Serra de Oliveira 12 Masc ,49 Guilheme Vinícius Pignatari 12 Masc ,37 Gustavo Torres 11 Masc ,79 Leonardo Pereira da Rocha 11 Masc ,44 Marcus Vinicius Geroldo 11 Masc ,18 Matheus Juliano Carrasco 11 Masc ,50 Plácido Capp Campos 11 Masc ,52 Victor Ricardo Gonçalves 12 Masc ,55 André Costa Pinho 11 Masc ,43 Felipe Lopes 11 Masc ,49 Gabriel Mendonça 12 Masc ,07 Guilherme Arbulu Oliveira 11 Masc ,50 Gustavo Ricardo Gonçalves 12 Masc ,12 Leandro Souza dos Santos 11 Masc ,62 Leonardo Tavares Meirinho 12 Masc ,75 Lucas Almeida 12 Masc ,38 Marcus Rosalen 11 Masc ,05 Yan Oliveira 11 Masc ,94 Agilidade: Média: 11,64 Desvio padrão: 1,11 Questionário: Média: 19,95 Desvio padrão: 4,56

4.6 Análise estatística

4.6 Análise estatística 36 4.6 Análise estatística Na análise dos dados, foi utilizado o programa estatístico SPSS, versão 11.5 (Windows). Inicialmente, apresentou-se o resultado geral do grupo dos adolescentes obesos e de eutróficos,

Leia mais

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Object 1 Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Curso de Educação Física. Centro Universitário Toledo de Araçatuba - UNITOLEDO. (Brasil) Prof. Mário Henrique

Leia mais

Dist. da linha saída à 1ª barreira

Dist. da linha saída à 1ª barreira TÉCNICA DAS CORRIDAS COM BARREIRAS Antes de mais nada podemos dizer que as corridas com barreiras são provas de velocidade rasa porque, muito embora o barreiristas se depare com uma série de barreiras

Leia mais

ESTUDO LONGITUDINAL SOBRE O ESTILO DE VIDA DE JOVENS DE PELOTAS/RS. NATAN FETER ¹; THAIS BURLANI NEVES²; FELIPE FOSSATI REICHERT²

ESTUDO LONGITUDINAL SOBRE O ESTILO DE VIDA DE JOVENS DE PELOTAS/RS. NATAN FETER ¹; THAIS BURLANI NEVES²; FELIPE FOSSATI REICHERT² ESTUDO LONGITUDINAL SOBRE O ESTILO DE VIDA DE JOVENS DE PELOTAS/RS. NATAN FETER ¹; THAIS BURLANI NEVES²; FELIPE FOSSATI REICHERT² ¹ GRADUAÇÃO EM LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA/UFPEL nfeter.esef@ufpel.edu.br

Leia mais

PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM TREINAMENTO DE FORÇA NO CRESCIMENTO LONGITUDINAL DE ADOLESCENTES

PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM TREINAMENTO DE FORÇA NO CRESCIMENTO LONGITUDINAL DE ADOLESCENTES PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM TREINAMENTO DE FORÇA NO CRESCIMENTO LONGITUDINAL DE ADOLESCENTES Bianca Fernandes Di Toro¹; Josiane Lopes Pires 1 ; João Pedro Arantes 2 ; Eduardo Günther Montero 2 Estudante do

Leia mais

Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com

Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com Esquema de Aula Atividade Física Bioenergética - Sistemas Produtores de Energia Princípio do Treinamento Identificação de Índices Fisiológicos Capacidade

Leia mais

ANÁLISE DOS NÍVEIS DE APTIDÃO FÍSICA DE MENINOS PRATICANTES DE FUTSAL NA CATEGORIA SUB 12 13 DA CIDADE DE GUARAPUAVA PR

ANÁLISE DOS NÍVEIS DE APTIDÃO FÍSICA DE MENINOS PRATICANTES DE FUTSAL NA CATEGORIA SUB 12 13 DA CIDADE DE GUARAPUAVA PR Os textos são de responsabilidade de seus autores. ANÁLISE DOS NÍVEIS DE APTIDÃO FÍSICA DE MENINOS PRATICANTES DE FUTSAL NA CATEGORIA SUB 12 13 DA CIDADE DE GUARAPUAVA PR RESUMO Daiane Grando 1 2 O propósito

Leia mais

ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM

ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM 1. Curso: Missão do Colégio: Promover o desenvolvimento do cidadão e, na sua ação educativa,

Leia mais

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte Prof. Antonio Carlos Fedato Filho Prof. Guilherme Augusto de Melo Rodrigues Monitorando e conhecendo melhor os trabalhos

Leia mais

Modalidades esportivas Sesc

Modalidades esportivas Sesc Faça sua carteira COMERCIÁRIO: TITULAR: CPTS atualizada, Comp. de residência, GFIP (Guia de Recolhimento e Informações do FGTS), Taxa CONVENIADOS: TITULAR: Comp.de residência, documento que comp. de vínculo

Leia mais

UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF

UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF Artigo apresentado ao Curso de graduação em Educação Física da Universidade

Leia mais

Abordagens pedagógicas no ensino de Educação Física. Prof.ª Sara Caixeta

Abordagens pedagógicas no ensino de Educação Física. Prof.ª Sara Caixeta Abordagens pedagógicas no ensino de Educação Física Prof.ª Sara Caixeta Objetivo: Conhecer as diferentes tendências e abordagens pedagógicas da Educação física Brasileira identificando seus fundamentos

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ESCOLARES E A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NO CONSUMO DE ALIMENTOS

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ESCOLARES E A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NO CONSUMO DE ALIMENTOS AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ESCOLARES E A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NO CONSUMO DE ALIMENTOS CARNEIRO, Alessandra Rosa de Araújo ARAÚJO, Ana Cristina Tomaz (UNITRI) anacrisnutricao@yahoo.com.br RESUMO: Introdução:

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA INICIAÇÃO DESPORTIVA DO FUTEBOL NO DESENVOLVIMENTO MOTOR DE CRIANÇAS DO SEXO MASCULINO COM IDADES ENTRE 11 A 13 ANOS.

A INFLUÊNCIA DA INICIAÇÃO DESPORTIVA DO FUTEBOL NO DESENVOLVIMENTO MOTOR DE CRIANÇAS DO SEXO MASCULINO COM IDADES ENTRE 11 A 13 ANOS. A INFLUÊNCIA DA INICIAÇÃO DESPORTIVA DO FUTEBOL NO DESENVOLVIMENTO MOTOR DE CRIANÇAS DO SEXO MASCULINO COM IDADES ENTRE 11 A 13 ANOS. Introdução AUTOR: JOÃO EDUARDO BICCA CARMO CORONEL Faculdade Metodista

Leia mais

ANÁLISE DAS CARGAS E MÉTODOS DE TREINAMENTO UTILIZADOS NA PREPARAÇÃO FÍSICA DO FUTSAL FEMININO AMAZONENSE

ANÁLISE DAS CARGAS E MÉTODOS DE TREINAMENTO UTILIZADOS NA PREPARAÇÃO FÍSICA DO FUTSAL FEMININO AMAZONENSE ANÁLISE DAS CARGAS E MÉTODOS DE TREINAMENTO UTILIZADOS NA PREPARAÇÃO FÍSICA DO FUTSAL FEMININO AMAZONENSE INTRODUÇÃO AGNELO WEBER DE OLIVEIRA ROCHA RONÉLIA DE OLIVEIRA MELO VIANA UFAM UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

Fitness II PROF. FABIO DUTRA

Fitness II PROF. FABIO DUTRA Fitness II PROF. FABIO DUTRA Revisão Histórica O conceito de totalidade orgânica tem ganho adeptos desde a antiga Grécia. CLARKE (1976) cita que no século V antes de Cristo, os atenienses reconheciam a

Leia mais

INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO

INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO ROGER MARCHESE INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO Artigo apresentado como Trabalho de Conclusão de Curso em Especialização em Ciência do Treinamento Desportivo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: PROFESSOR NÍVEL III EDUCAÇÃO FÍSICA CADERNO DE PROVAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: PROFESSOR NÍVEL III EDUCAÇÃO FÍSICA CADERNO DE PROVAS CADERNO DE PROVAS 1 A prova terá a duração de duas horas, incluindo o tempo necessário para o preenchimento do gabarito. 2 Marque as respostas no caderno de provas, deixe para preencher o gabarito depois

Leia mais

CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA OBESIDADE

CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA OBESIDADE 01 CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA OBESIDADE A obesidade é uma doença crónica que se caracteriza pelo excesso de gordura corporal e que atinge homens, mulheres e crianças de todas as etnias e idades. A sua prevalência

Leia mais

PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM VOLEIBOL

PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM VOLEIBOL PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM VOLEIBOL Gabriel Weiss Maciel Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil Henrique Cabral Faraco Universidade do Estado de Santa Catarina,

Leia mais

Projeto Esporte Brasil e a Detecção do Talento Esportivo: Adroaldo Gaya CENESP/UFRGS

Projeto Esporte Brasil e a Detecção do Talento Esportivo: Adroaldo Gaya CENESP/UFRGS Projeto Esporte Brasil e a Detecção do Talento Esportivo: Adroaldo Gaya CENESP/UFRGS Temas orientadores: 1) O conceito de talento esportivo 2) Procedimentos de detecção do talento esportivo 3) Aspectos

Leia mais

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Unidade II Controle e Prescrição do Treinamento Prof. Esp. Jorge Duarte Prescrição de Atividades Físicas Condições de saúde; Estado geral do aluno (cliente);

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA INCIDÊNCIA DE LESÕES ESPORTIVAS DURANTE OS 53º JOGOS REGIONAIS

CARACTERIZAÇÃO DA INCIDÊNCIA DE LESÕES ESPORTIVAS DURANTE OS 53º JOGOS REGIONAIS CARACTERIZAÇÃO DA INCIDÊNCIA DE LESÕES ESPORTIVAS DURANTE OS 53º JOGOS REGIONAIS Beatriz de Vilas Boas de Oliveira 1, Keyleytonn Sthil Ribeiro 2 1 Faculdade de Pindamonhangaba, Curso de Fisioterapia, biavilasboas@yahoo.com.br

Leia mais

Atividade física em adolescentes do ensino médio: um estudo de caso em uma escola estadual em Belo Horizonte (MG)

Atividade física em adolescentes do ensino médio: um estudo de caso em uma escola estadual em Belo Horizonte (MG) Atividade física em adolescentes do ensino médio: um estudo de caso em uma escola estadual em Belo Horizonte (MG) Resumo Este estudo teve como objetivo investigar o nível de atividade física em alunos

Leia mais

PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E DE OBESIDADE EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL I DA ESCOLA ESTADUAL ANTONIA DE FARIAS RANGEL

PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E DE OBESIDADE EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL I DA ESCOLA ESTADUAL ANTONIA DE FARIAS RANGEL ARTIGO PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E DE OBESIDADE EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL I DA ESCOLA ESTADUAL ANTONIA DE FARIAS RANGEL Flávio Petrônio Cabral de Castro Docente da Escola Estadual Antonia Rangel

Leia mais

SALTO EM E M DISTÂNCIA

SALTO EM E M DISTÂNCIA SALTO EM DISTÂNCIA Salto em Distância O salto em distancia é uma prova de potência, sua performance está diretamente relacionada com a velocidade de impulso O saltador deve produzir o máximo de velocidade

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

ATIVIDADE PARA O IDOSO. Prof. Dr. Denilson de Castro Teixeira

ATIVIDADE PARA O IDOSO. Prof. Dr. Denilson de Castro Teixeira ATIVIDADE PARA O IDOSO Prof. Dr. Denilson de Castro Teixeira O MOVIMENTO HUMANO Movimento é vida Maneira concreta de estarmos presentes no mundo Interação com o ambiente, com as pessoas e consigo mesmo

Leia mais

11 EXERCÍCIOS PARA PREVENIR LESÕES

11 EXERCÍCIOS PARA PREVENIR LESÕES 11 EXERCÍCIOS PARA PREVENIR LESÕES O futsal, como outras modalidades, está associado a certos riscos de lesões por parte dos jogadores. No entanto, estudos científicos comprovaram que a incidência de lesões

Leia mais

AUTOPERCEPÇÃO DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO BACHARELADO FEFF - UFAM SOBRE ATIVIDADES DE LOCOMOÇÃO, MANIPULAÇÃO E COMBINAÇÃO.

AUTOPERCEPÇÃO DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO BACHARELADO FEFF - UFAM SOBRE ATIVIDADES DE LOCOMOÇÃO, MANIPULAÇÃO E COMBINAÇÃO. AUTOPERCEPÇÃO DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO BACHARELADO FEFF - UFAM SOBRE ATIVIDADES DE LOCOMOÇÃO, MANIPULAÇÃO E COMBINAÇÃO. JOHN LENNON MOURA LIMA JOSÉ CARDOSO NETO RITA MARIA DOS SANTOS PUGA BABOSA

Leia mais

fitness 94 SPORT LIFE

fitness 94 SPORT LIFE 94 SPORTLIFE o torracalorias O kettlebell, que chegou ao país no ano passado, queima, em 10 minutos, tanto quanto correr na esteira por 45 minutos Texto Lygia Haydée Fotos Bruno Guerreiro Uma bola de ferro

Leia mais

Perfil nutricional de crianças de 6 a 10 anos de idade das escolas municipais na cidade de Picos/PI.

Perfil nutricional de crianças de 6 a 10 anos de idade das escolas municipais na cidade de Picos/PI. Perfil nutricional de crianças de 6 a 10 anos de idade das escolas municipais na cidade de Picos/PI. Professor Assistente da Universidade Federal do Piauí Gilvo de Farias Júnior Nutricionistas: Francilany

Leia mais

Pós-graduação Lato-Sensu em Atividades Motoras para Promoção da Saúde e qualidade de Vida Escola de Educação Física de Caratinga.

Pós-graduação Lato-Sensu em Atividades Motoras para Promoção da Saúde e qualidade de Vida Escola de Educação Física de Caratinga. Pós-graduação Lato-Sensu em Atividades Motoras para Promoção da Saúde e qualidade de Vida Escola de Educação Física de Caratinga. ANÁLISE DE DADOS ANTROPOMÉTRICOS E MOTIVOS DA DESISTÊNCIA EM PRATICANTES

Leia mais

Os programas de promoção da qualidade de vida buscam o desenvolvimento

Os programas de promoção da qualidade de vida buscam o desenvolvimento 9 Estilo de Vida Ativo: A Importância do Estímulo por parte dos Adultos Erika da Silva Maciel Mestre em Ciência e Tecnologia de Alimentos - USP Os programas de promoção da qualidade de vida buscam o desenvolvimento

Leia mais

Desenvolvimento das capacidades motoras

Desenvolvimento das capacidades motoras Desenvolvimento das capacidades motoras Capacidades motoras Todos nós possuímos capacidades motoras ou físicas e é através delas que conseguimos executar ações motoras, desde as mais básicas às mais complexas

Leia mais

PROJETO E REGULAMENTO GERAL

PROJETO E REGULAMENTO GERAL OLIMPÍADAS DO INSTITUTO EDUCACIONAL NOVOS TEMPOS PROJETO E REGULAMENTO GERAL Ensino Fundamental II e Médio OUTUBRO DE 2015 APRESENTAÇÃO: As Olimpíadas do Instituto Educacional Novos Tempos (OLIENT), visam

Leia mais

CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS

CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS Diego de Faria Sato 1 ; Sonia Maria Marques Gomes Bertolini 2 RESUMO: A obesidade é considerada

Leia mais

OS INDICADORES TÉCNICOS DO JOGO E A CLASSIFICAÇÃO: UM ESTUDO SOBRE O 16º CAMPEONATO NACIONAL DE BASQUETEBOL MASCULINO.

OS INDICADORES TÉCNICOS DO JOGO E A CLASSIFICAÇÃO: UM ESTUDO SOBRE O 16º CAMPEONATO NACIONAL DE BASQUETEBOL MASCULINO. OS INDICADORES TÉCNICOS DO JOGO E A CLASSIFICAÇÃO: UM ESTUDO SOBRE O 16º CAMPEONATO NACIONAL DE BASQUETEBOL MASCULINO. Resumo *João Paulo Ferreira Dantas **José Carlos de B. V. Filho Os objetivos deste

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO FISIOLÓGICA DA CARGA DE TRABALHO EM ESPORTES AQUÁTICOS: EFICÁCIA PARA A VITÓRIA ESPORTIVA *

QUANTIFICAÇÃO FISIOLÓGICA DA CARGA DE TRABALHO EM ESPORTES AQUÁTICOS: EFICÁCIA PARA A VITÓRIA ESPORTIVA * QUANTIFICAÇÃO FISIOLÓGICA DA CARGA DE TRABALHO EM ESPORTES AQUÁTICOS: EFICÁCIA PARA A VITÓRIA ESPORTIVA * Estélio H. M. Dantas * INTRODUÇÃO Graças à democratização e à abertura que ocorreu na Rússia com

Leia mais

METODOLOGIAS DE ENSINO SINTÉTICA E ANALÍTICA APLICADA AOS FUNDAMENTOS TÉCNICOS DO TOQUE E SAQUE NO VOLEIBOL

METODOLOGIAS DE ENSINO SINTÉTICA E ANALÍTICA APLICADA AOS FUNDAMENTOS TÉCNICOS DO TOQUE E SAQUE NO VOLEIBOL METODOLOGIAS DE ENSINO SINTÉTICA E ANALÍTICA APLICADA AOS FUNDAMENTOS TÉCNICOS DO TOQUE E SAQUE NO VOLEIBOL Fábio H. A. Okazaki; Priscila M. Caçola; Victor H. A.Okazaki; Ricardo W. Coelho UFPR / PR CECOM

Leia mais

III JOGOS INTERNOS DA EDUCAÇÃO FÍSICA JIEF

III JOGOS INTERNOS DA EDUCAÇÃO FÍSICA JIEF III JOGOS INTERNOS DA EDUCAÇÃO FÍSICA JIEF REGULAMENTO GERAL I. Das Finalidades: O III Jogos Internos da Educação Física JIEF, tem por finalidade estimular a prática desportiva aos alunos do curso de Educação

Leia mais

Programa Corporativo Fitness Timbu

Programa Corporativo Fitness Timbu Programa Corporativo Fitness Timbu O que é? Series de exercícios físicos que utilizam movimentos naturais do ser humano, como pular, correr, puxar, agachar, girar e empurrar. O praticante ganha força,

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012 Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012 Rio de Janeiro, 19 / 06 / 2013 1 - Introdução 2 - Objetivos 3 - Coleta dos Dados 4 - Instrumentos de Coleta 5 - Temas abordados 6 - Universo da Pesquisa 7 - Análise

Leia mais

Informação - Prova de Equivalência à Frequência

Informação - Prova de Equivalência à Frequência Informação - Prova de Equivalência à Frequência Prova de Equivalência à Frequência de EDUCAÇÃO FÍSICA Código: 28 Ano de escolaridade: 6º ano (Decreto Lei n.º 139/2012, de 5 de julho e Despacho Normativo

Leia mais

Por que devemos avaliar a força muscular?

Por que devemos avaliar a força muscular? Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Docência Personal Trainer Por que devemos avaliar a força muscular? Desequilíbrio Muscular;

Leia mais

TREINAMENTO DE FORÇA RELACIONADO A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

TREINAMENTO DE FORÇA RELACIONADO A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA TREINAMENTO DE RELACIONADO A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Como regra geral, um músculo aumenta de força quando treinado próximo da sua atual capacidade de gerar força. Existem métodos de exercícios que são

Leia mais

Plano de preparação desportiva

Plano de preparação desportiva Plano de preparação desportiva COMPONENTES DO PLANO Técnico Tático Físico-fisiológico Psicológico Administrativo Socioeducacional Clínico Metas curto, médio, longo prazos Categorias de Base ABC-FC Departamento

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHARELADO (Currículo de início em 2015)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHARELADO (Currículo de início em 2015) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHARELADO (Currículo de início em 2015) ANATOMIA HUMANA C/H 102 3248 Estudo da estrutura e função dos órgãos em seus respectivos sistemas no corpo

Leia mais

O SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL PARA ATLETAS PORTADORES DE PARALISIA CEREBRAL

O SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL PARA ATLETAS PORTADORES DE PARALISIA CEREBRAL O SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL PARA ATLETAS PORTADORES DE PARALISIA CEREBRAL Prof. MsC Cláudio Diehl Nogueira Professor Assistente do Curso de Educação Física da UCB Classificador Funcional Sênior

Leia mais

O KTK COMO MÉTODO DE AVALIAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA MENTAL NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA

O KTK COMO MÉTODO DE AVALIAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA MENTAL NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA O KTK COMO MÉTODO DE AVALIAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA MENTAL NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DANIELA CRISTINA DE SOUZA HELBERT RIBEIRO E SILVA ORIENTADOR: Ms. CARLOS HENRIQUE SAMPAIO MOREIRA Fundação

Leia mais

CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA

CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA 1 CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2012.2 BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA... 4 02 BIOLOGIA HUMANA... 4 03 NATAÇÃO... 4 04 ESPORTE

Leia mais

CARACTERÍSTICAS ESPECIFICAS E FATORES FISIOLÓGICOS DO TREINAMENTO DO VOLEIBOL DE ALTO N ~ L

CARACTERÍSTICAS ESPECIFICAS E FATORES FISIOLÓGICOS DO TREINAMENTO DO VOLEIBOL DE ALTO N ~ L CARACTERÍSTICAS ESPECIFICAS E FATORES FISIOLÓGICOS DO TREINAMENTO DO VOLEIBOL DE ALTO N ~ L JOSÉ ALBERTO PINT~* LEONARDO RAPOSO ROCHA GOMES. 1 ' SUMO uma anáiise das características espedficas do voleiboi,

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Percepção do estado de saúde Autoavaliação da saúde A avaliação do estado de saúde consiste na percepção que os indivíduos possuem de sua própria saúde. Por conseguinte, é um indicador

Leia mais

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL NECESSIDADE DO MELHOR CONHECIMENTO EM ÁREAS COMO: CRESCIMENTO NORMAL, DESENVOLVIMENTO, EFEITOS DO EXERCÍCIO EM CRIANÇAS

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec: PROFª NAIR LUCCAS RIBEIRO Código: 156 Município: TEODORO SAMPAIO Área de conhecimento: Área de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias

Leia mais

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR Revisando conceitos... Músculo-esquelética Força Resistência Flexibilidade Motora Agilidade Equilíbrio Potência Velocidade Revisando conceitos... Isométricas (estática)

Leia mais

Os gráficos estão na vida

Os gráficos estão na vida Os gráficos estão na vida A UUL AL A Nas Aulas 8, 9 e 28 deste curso você já se familiarizou com o estudo de gráficos. A Aula 8 introduziu essa importante ferramenta da Matemática. A Aula 9 foi dedicada

Leia mais

PESQUISA 1 PESQUISA 2 PESQUISA 3 PESQUISA 4 PESQUISA 5 PESQUISA 6

PESQUISA 1 PESQUISA 2 PESQUISA 3 PESQUISA 4 PESQUISA 5 PESQUISA 6 Monique e Rita PESQUISA 1 PESQUISA 2 PESQUISA 3 PESQUISA 4 PESQUISA 5 PESQUISA 6 TÍTULO DA PESQUISA AUTORES/ANO Uso de tabaco por estudantes adolescentes portugueses e fatores associados. Fraga, S., Ramos,

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHAELADO (Currículo de início em 2015)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHAELADO (Currículo de início em 2015) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHAELADO (Currículo de início em 2015) ANATOMIA HUMANA C/H 102 Estudo da estrutura e função dos órgãos em seus respectivos sistemas no corpo humano,

Leia mais

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO APLICADA À SAÚDE E AO CONDICIONAMENTO FÍSICO

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO APLICADA À SAÚDE E AO CONDICIONAMENTO FÍSICO FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO APLICADA À SAÚDE E AO CONDICIONAMENTO FÍSICO DISCIPLINA: Fisiologia neural: estrutura, funcionamento e adaptações ao treinamento EMENTA: Arranjo funcional das unidades motoras e

Leia mais

PROVA PROCESSO SELETIVO 003/2013 PROFESSOR ENSINO FUNDAMENTAL EDUCAÇÃO FÍSICA

PROVA PROCESSO SELETIVO 003/2013 PROFESSOR ENSINO FUNDAMENTAL EDUCAÇÃO FÍSICA PROVA PROCESSO SELETIVO 003/2013 PROFESSOR ENSINO FUNDAMENTAL EDUCAÇÃO FÍSICA Considere o texto abaixo e responda a questão 1. Texto A comunicação é muito mais que o uso das palavras, ou simplesmente a

Leia mais

EDUARDA CRISTINA ROQUE DE ARAÚJO ANDRADE

EDUARDA CRISTINA ROQUE DE ARAÚJO ANDRADE 1 EDUARDA CRISTINA ROQUE DE ARAÚJO ANDRADE ANÁLISE DO NÍVEL DE RESISTÊNCIA MUSCULAR LOCALIZADA ABDOMINAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL COM IDADE ENTRE 11 E 16 ANOS DO PROJETO AMIGOS DO VÔLEI DE TAGUATINGA-DF

Leia mais

Circuito de Atletismo em Pavilhão Games and Fun

Circuito de Atletismo em Pavilhão Games and Fun 2014 Circuito de Atletismo em Pavilhão Games and Fun Departamento Técnico Associação de Atletismo do Porto Introdução O Circuito de Torneios de Atletismo em Pavilhão tem como propósito o combate dos modelos

Leia mais

APOSTILA DE VOLEIBOL

APOSTILA DE VOLEIBOL APOSTILA DE VOLEIBOL O voleibol é praticado em uma quadra retangular dividida ao meio por uma rede que impede o contato corporal entre os adversários. A disputa é entre duas equipes compostas por seis

Leia mais

RESOLUÇÃO. Bragança Paulista, 30 de maio de 2005. Prof. Milton Mayer Presidente

RESOLUÇÃO. Bragança Paulista, 30 de maio de 2005. Prof. Milton Mayer Presidente RESOLUÇÃO CONSEAcc-BP 9/2005 ALTERA AS EMENTAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho Acadêmico por Câmpus, do câmpus de Bragança

Leia mais

Palavras-chave: Aptidão Física. Saúde. Projeto Esporte Brasil.

Palavras-chave: Aptidão Física. Saúde. Projeto Esporte Brasil. APTIDÃO FÍSICA RELACIONADA Á SAÚDE DE CRIANÇAS E JOVENS DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL EM APODI/RN Jorge Alexandre Maia de Oliveira Maria Lúcia Lira de Andrade Maikon Moisés de Oliveira

Leia mais

RELAÇÃO DA CONDIÇÃO SOCIOECONÔMICA DE GESTANTES E SEUS HÁBITOS ALIMENTARES E POSSÍVEL INFLUÊNCIA NO PESO AO NASCER

RELAÇÃO DA CONDIÇÃO SOCIOECONÔMICA DE GESTANTES E SEUS HÁBITOS ALIMENTARES E POSSÍVEL INFLUÊNCIA NO PESO AO NASCER ISBN 978-85-61091-05-7 EPCC VI EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 RELAÇÃO DA CONDIÇÃO SOCIOECONÔMICA DE GESTANTES E SEUS HÁBITOS ALIMENTARES E POSSÍVEL

Leia mais

FACULDADE LEÃO SAMPAIO VI SEMANA ACADÊMICA DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA II ENCONTRO DE PESQUISA, ESPORTE, ARTE E INCLUSÃO LISTA DE TRABALHO

FACULDADE LEÃO SAMPAIO VI SEMANA ACADÊMICA DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA II ENCONTRO DE PESQUISA, ESPORTE, ARTE E INCLUSÃO LISTA DE TRABALHO FACULDADE LEÃO SAMPAIO VI SEMANA ACADÊMICA DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA II ENCONTRO DE PESQUISA, ESPORTE, ARTE E INCLUSÃO LISTA DE TRABALHO GT1 Atividade Física e Saúde 03 04 05 ES Thiago sobreira de Araújo

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS HABILIDADES MOTORAS FUNDAMENTAIS EM CRIANÇAS DE 10 A 12 ANOS: UM ESTUDO COMPARATIVO

AVALIAÇÃO DAS HABILIDADES MOTORAS FUNDAMENTAIS EM CRIANÇAS DE 10 A 12 ANOS: UM ESTUDO COMPARATIVO AVALIAÇÃO DAS HABILIDADES MOTORAS FUNDAMENTAIS EM CRIANÇAS DE 10 A 12 ANOS: UM ESTUDO COMPARATIVO JORGE LOPES CAVALCANTE NETO DAYSE CÁSSIA ALVES MEDEIROS MÁRCIA RAFAELLA GRACILIANO DOS SANTOS VIANA Universidade

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA

PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA SÉRIE: 7º ANO PROFESSORA:

Leia mais

APTIDÃO FÍSICA PARA O DESEMPENHO ESPORTIVO DE ESCOLARES DO PIBID/ UNICRUZ/EDUCAÇÃO FÍSICA 1

APTIDÃO FÍSICA PARA O DESEMPENHO ESPORTIVO DE ESCOLARES DO PIBID/ UNICRUZ/EDUCAÇÃO FÍSICA 1 APTIDÃO FÍSICA PARA O DESEMPENHO ESPORTIVO DE ESCOLARES DO PIBID/ UNICRUZ/EDUCAÇÃO FÍSICA 1 FUHRMANN, Marlon 2 KRUG, Rodrigo De Rosso 3 PANDA, Maria Denise Justo 4 Resumo: Com o objetivo avaliar a aptidão

Leia mais

Atletismo O ARREMESSO DO PESO

Atletismo O ARREMESSO DO PESO Atletismo O ARREMESSO DO PESO A maior característica do lançamento do peso, é a de ser reservada para pessoas fortes, em todas as épocas. Tanto isto é verdade, que os povos antigos praticavam o arremesso

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: PROFª NAIR LUCCAS RIBEIRO Código: 156 Município: TEODORO SAMPAIO Área de conhecimento: Área de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL 2014

PLANEJAMENTO ANUAL 2014 PLANEJAMENTO ANUAL 2014 Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA Período: Anual Professor: THIAGO BAPTISTA Série e segmento: 6º ANO 1º TRIMESTRE 2º TRIMESTRE 3º TRIMESTRE Objetivo Geral Estimular a participação de

Leia mais

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet MENSURAÇÃO DAS CAPACIDADES ENERGÉTICAS Existe um nível mínimo de energia necessária para manter as funções vitais do organismo no estado

Leia mais

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO... 2 SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...12 OUTROS HÁBITOS SAUDÁVEIS...14 ATIVIDADE FÍSICA...14 CUIDADOS

Leia mais

Conselhos Úteis Para a Realização das Provas Físicas

Conselhos Úteis Para a Realização das Provas Físicas Conselhos Úteis Para a Realização das Provas Físicas A escolha destas provas teve, por finalidade, garantir que os alunos e futuros oficiais respondam satisfatoriamente a uma profissão que também é exigente

Leia mais

ANÁLISE FUNCIONAL DO FITNESS

ANÁLISE FUNCIONAL DO FITNESS ANÁLISE FUNCIONAL DO FITNESS Sobre a Avaliação: O profissional conecta os sensores nos dedos do cliente para que possam captar os sinais do sistema nervoso e enviá-los ao computador, gerando resultados

Leia mais

O ensino aprendizagem da matemática no basquete

O ensino aprendizagem da matemática no basquete Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência Centro de Ensino Superior do Seridó-Campus Caicó Matemática Licenciatura Plena O ensino aprendizagem da matemática no basquete Caicó-RN 2013 Deisy

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO.

CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO. MATEUS RIBEIRO SANTANELLI RENAN JÚLIO SILVA CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO. Trabalho de Conclusão de

Leia mais

Quesitos da função prática. Antropometria

Quesitos da função prática. Antropometria Quesitos da função prática Antropometria breve histórico Filósofos, teóricos, artistas e arquitetos estudaram, ao longo da história, as proporções do corpo humano; antropometria física: viagens de Marco

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE ALTERAÇÕES DE EQUILÍBRIO E A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS

A RELAÇÃO ENTRE ALTERAÇÕES DE EQUILÍBRIO E A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS A RELAÇÃO ENTRE ALTERAÇÕES DE EQUILÍBRIO E A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS Autor José André Ramos Gouveia; Orientadora: Isabella Dantas da Silva; Co-autores: Lorena Maria Brito Neves Pereira; Gabriela Brasileiro

Leia mais

DOMÍNIOS SUBDOMÍNIOS CONTEÚDOS OBJETIVOS. 1.º Período: ATIVIDADES DESPORTIVAS

DOMÍNIOS SUBDOMÍNIOS CONTEÚDOS OBJETIVOS. 1.º Período: ATIVIDADES DESPORTIVAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA 5.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO Metas Intermédias Atividades Desportivas O aluno cumpre o nível introdutório de quatro matérias diferentes: Um nível introdutório na categoria

Leia mais

PROJETO ALÉM DAS RODAS: a prática do handebol em cadeira de rodas em Maceió - Alagoas

PROJETO ALÉM DAS RODAS: a prática do handebol em cadeira de rodas em Maceió - Alagoas PROJETO ALÉM DAS RODAS: a prática do handebol em cadeira de rodas em Maceió - Alagoas Lucas Roberto dos Santos 1 ; Maria Natálha Gomes da Silva 2 ; Renato Vitor da Silva Tavares 3 ; Flávio Anderson Pedrosa

Leia mais

Foram estabelecidos critérios de inclusão, exclusão e eliminação. Critérios de inclusão: todos os dançarinos com síndrome da dor femoropatelar.

Foram estabelecidos critérios de inclusão, exclusão e eliminação. Critérios de inclusão: todos os dançarinos com síndrome da dor femoropatelar. Figura 11a - Posição inicial: 1ª posição paralela. Figura 11b - demi-plié: 1ª posição paralela. Figura 12a - Posição inicial: 2ª posição paralela. Figura 12b- Demi-plié: 2ª posição paralela. 35 Figura

Leia mais

CRISTOVÃO PEDRO MAIA

CRISTOVÃO PEDRO MAIA CRISTOVÃO PEDRO MAIA COMPARAÇÃO A MOTIVAÇÃO PARA A PRÁTICA ESPORTIVA ETRE DUAS EQUIPES PROFISSIOAIS DE FUTSAL DA CATEGORIA ADULTO Artigo apresentado como Trabalho de Conclusão de Curso em Especialização

Leia mais

ATIVIDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA 3º E.M.

ATIVIDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA 3º E.M. Nome: n.º Barueri, / / 2009 1ª Postagem Disciplina: Educação Física 3ª série E.M ATIVIDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA 3º E.M. Orientações para desenvolvimento da atividade: Esse será um texto a ser utilizado no

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO E REABILITAÇÃO CARDIORRESPIRATÓRIA (PROCOR)

PROGRAMA DE PREVENÇÃO E REABILITAÇÃO CARDIORRESPIRATÓRIA (PROCOR) PROGRAMA DE PREVENÇÃO E REABILITAÇÃO CARDIORRESPIRATÓRIA (PROCOR) Priscila Bendo Acadêmica do Curso de Educação Física da UFSC Luiza Borges Gentil Acadêmica do Curso de Medicina da UFSC José Henrique Ramos

Leia mais

Ana Clara de Oliveira¹; Luís Henrique Sales Oliveira²

Ana Clara de Oliveira¹; Luís Henrique Sales Oliveira² COMPARAÇÃO DO EFEITO DO TREINAMENTO MUSCULAR INSPIRATÓRIO E SUA INFLUÊNCIA NA CAPACIDADE FUNCIONAL DE SADIOS SEDENTÁRIOS MENSURADO PELO TESTE DE CAMINHADA DE SEIS MINUTOS Ana Clara de Oliveira¹; Luís Henrique

Leia mais

REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL

REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL ÍNDICE CAPITULO I - O JOGO DE MINIVOLEIBOL - REGRA 1 - Concepção do Jogo - REGRA 2 - A quem se dirige - REGRA 3 - Finalidade do Jogo CAPITULO II - INSTALAÇÕES E MATERIAL - REGRA

Leia mais

DESEMPENHO MOTOR DE IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADES FÍSICAS EM ACADEMIAS DA TERCEIRA IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ, PARANÁ

DESEMPENHO MOTOR DE IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADES FÍSICAS EM ACADEMIAS DA TERCEIRA IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ, PARANÁ DESEMPENHO MOTOR DE IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADES FÍSICAS EM ACADEMIAS DA TERCEIRA IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ, PARANÁ Francieli Furlan de Souza 1, Sonia Maria Marques Gomes Bertolini 2 RESUMO: As Academias

Leia mais

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*.

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*. EMENTÁRIO As disciplinas ministradas pela Universidade Federal de Viçosa são identificadas por um código composto por três letras maiúsculas, referentes a cada Departamento, seguidas de um número de três

Leia mais

Biomecânica como ferramenta ergonômica para análise do trabalho florestal

Biomecânica como ferramenta ergonômica para análise do trabalho florestal Biomecânica como ferramenta ergonômica para análise do trabalho florestal Autores Angelo Casali de Moraes - Eng. Florestal - UFV (angelo.moraes@ufv.br) Luciano José Minette - Eng. Florestal UFV (minette@ufv.br)

Leia mais

BARREIRAS QUEBRADAS PARA A APRENDIZAGEM UNEMAT CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE TANGARÁ DA SERRA MATO GROSSO.

BARREIRAS QUEBRADAS PARA A APRENDIZAGEM UNEMAT CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE TANGARÁ DA SERRA MATO GROSSO. BARREIRAS QUEBRADAS PARA A APRENDIZAGEM UNEMAT CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE TANGARÁ DA SERRA MATO GROSSO. Resumo NETTO, Marcos Augusto SANTOS, Paulo Ricardo Junges dos MENDES, Rafael Müller BICHOFF, Regina

Leia mais

Efeitos dos exercícios resistidos nos indicadores de normalidade de força dos músculos respiratórios de idosos

Efeitos dos exercícios resistidos nos indicadores de normalidade de força dos músculos respiratórios de idosos Efeitos dos exercícios resistidos nos indicadores de normalidade de força dos músculos respiratórios de idosos VANDERSON CUNHA DO NASCIMENTO 1 JOSIANE DA SILVA TRINDADE 2 EDILÉA MONTEIRO DE OLIVEIRA 3

Leia mais

Por que devemos avaliar a força muscular?

Por que devemos avaliar a força muscular? Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Docência Personal Trainer Por que devemos avaliar a força muscular? Desequilíbrio Muscular;

Leia mais

REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL

REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL ÍNDICE CAPITULO I - O JOGO DE MINIVOLEIBOL - REGRA 1 - Concepção do Jogo - REGRA 2 - A quem se dirige - REGRA 3 - Finalidade do Jogo CAPITULO II - INSTALAÇÕES E MATERIAL - REGRA

Leia mais

Sumário Executivo. Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI

Sumário Executivo. Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI Fundação Euclides da Cunha FEC/Data UFF Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação Ministério

Leia mais

Departamento de Educação Física, Faculdade de Ciências e Tecnologia. UNESP - Presidente Prudente. E-mail: rafael_espindola92@homail.

Departamento de Educação Física, Faculdade de Ciências e Tecnologia. UNESP - Presidente Prudente. E-mail: rafael_espindola92@homail. 1275 QUALIDADE DE VIDA NA INFÂNCIA: HÁBITOS SAUDÁVEIS E O LÚDICO. Rafael José Espindola, Alan Alves Rocha, José Milton de Lima, Marcia Regina Canhoto de Lima, Cristiane Maria Zambelli, Janaína Bolssone

Leia mais

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*.

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*. EMENTÁRIO As disciplinas ministradas pela Universidade Federal de Viçosa são identificadas por um código composto por três letras maiúsculas, referentes a cada Departamento, seguidas de um número de três

Leia mais