Survey de Satisfação de Clientes 2009

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Survey de Satisfação de Clientes 2009"

Transcrição

1 Survey de Satisfação de Clientes Fevereiro de 2010

2 Índice 1. Sumário Executivo 4 2. Metodologia 6 3. Estratificação da Amostra 7 4. Classificação das pontuações 8 5. Apresentação de Resultados das Urgências 5A. Processo de Amostragem 10 5B. Amostra Triagem Tempo de Espera Global Pessoal Auxiliar Corpo de Enfermagem Corpo Médico Processo Administrativo Visitas Satisfação Global Médias das variáveis de satisfação Índice de Qualidade de Serviço Apresentação de Resultados do Internamento Hospitalar 6A. Processo de Amostragem 45 6B. Amostra Admissão Corpo Médico Corpo de Enfermagem Pessoal Auxiliar Visitas Alimentação Processo de Alta Satisfação Global 73 PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 2

3 Índice 6.9. Médias das variáveis de satisfação Índice de Qualidade de Serviço Apresentação de Resultados das Consultas, Exames ou Tratamentos 7A. Processo de Amostragem 81 7B. Amostra Marcação da Consulta/ Exame ou Tratamento Antes da Consulta/ Exame ou Tratamento Pessoal Administrativo Corpo Técnico ou de Enfermagem Corpo Médico Depois do Exame (se fez exames) Satisfação Global Médias das variáveis de satisfação Índice de Qualidade de Serviço Índice de Qualidade de Serviço Global Conclusões 109 9A. Conclusões Urgências 110 9B. Conclusões Internamento Hospitalar 114 9C. Conclusões Consultas/ Exames/ Tratamentos 118 PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 3

4 1. Sumário Executivo No âmbito da proposta nº 9285 Survey Satisfação de Clientes apresentada pela Neves de Almeida ao Hospital Divino Espírito Santo, foi nos solicitada a realização de um Survey junto dos utentes do HDES, através do qual se pudesse conhecer a percepção geral dos utentes sobre a utilização de determinados serviços. Este survey consiste na medição da Qualidade de Serviço em 3 áreas distintas de prestação de cuidados de saúde: Urgências Internamentos Consultas externas/ MCD e Terapêutica. Posteriormente, será obtido um Índice de Qualidade de Serviço para cada uma dessas áreas, e depois integrado num Índice da Qualidade de Serviço Global do Hospital (IQS G). Este survey teve também como objectivo a comparação com os resultados obtidos em 2007 e. As entrevistas telefónicas decorreram entre os dias 7 a 29 de Janeiro, das 10h às 18h, e obtivemos 1275 respostas. Essas respostas encontram se distribuídos pelas 3 áreas acima referidas. Depois de se apresentar a estratificação da amostra (ponto 3) e a classificação das pontuações (ponto 4), seguem se os resultados das Urgências (ponto 5), os resultados dos Internamentos (ponto 6), e por fim os resultados das Consultas/ Exames ou Tratamentos (ponto 7). Após a apresentação do Índice de Qualidade de Serviço Global, terão lugar as conclusões, onde se apresentará o Indicador de Prioridade de Acção (IPA) em cada uma das três áreas analisadas. PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 4

5 1. Sumário Executivo Verificou se que o Índice de Qualidade de Serviço Global tem vindo a progredir desde 2007, tendo aumentado 4,20 p.p. em, e 5,49 p.p. em. Este facto confirma a validade da metodologia que foi implementada, que combina Surveys de satisfação junto dos utentes + Acções de melhoria internas. Os resultados nos três serviços mostram o seguinte: Urgências As variáveis que obtiveram níveis médios superiores foram o grau de simpatia do pessoal de admissão (82,89), a facilidade de acompanhamento por um familiar/amigo no momento em que foi admitido (82,85), a competência e profissionalismo do corpo médico (82,62) e o grau de simpatia e disponibilidade do corpo de enfermagem (82,52). Por outro lado, o tempo de espera desde a chegada às urgências até ser atendido pelo médico foi o item pior avaliado, obtendo uma média de 61,61. As urgências obtiveram um Índice de Qualidade de Serviço de 78,11%, situando se 4,11p.p. acima do resultado alcançado no ano anterior. Quanto aos itens que revelaram um IPA (Índice de Prioridade de Acção) superior, ou seja, aqueles que devem ser prioritariamente aperfeiçoados foram: o tempo de espera, desde a chegada às urgências até ser atendido pelo médico, a atenção e disponibilidade demonstradas pelo corpo médico, a competência e profissionalismo do corpo médico e a forma como o corpo médico explicou a condição do utente. Internamento Hospitalar As variáveis melhor avaliadas foram a competência e profissionalismo do corpo de enfermagem (91,09) e o grau de simpatia e disponibilidade do corpo de enfermagem (90,93). Por outro lado, a qualidade das refeições foi o item pior avaliado, obtendo uma média de 69,90. Os internamentos obtiveram um Índice de Qualidade de Serviço de 83,88%, situando se 3,38p.p. acima do resultado alcançado no ano anterior. Quanto aos itens que revelaram um IPA (Índice de Prioridade de Acção) superior, foram: ainformação disponibilizada em termos de cuidados e práticas a seguir em casa, o apoio durante a refeição em caso de necessidade, as explicações fornecidas sobre os medicamentos prescritos e cuidados a seguir e a qualidade da informação fornecida. Consultas, Exames ou Tratamentos A variável que foi melhor avaliada nas Consultas, Exames ou Tratamentos foi a simpatia e disponibilidade do corpo técnico, com uma média de 92,05. Os indicadores que obtiveram médias de satisfação inferiores foram: o tempo de espera entre a hora previamente marcada para a consulta e o seu atendimento (71,07), a facilidade de marcação da consulta/ exame (77,07) e a rapidez na entrega dos resultados (77,38). Este serviço obteve um Índice de Qualidade de Serviço de 84,57%, situando se 9,07p.p. acima do resultado alcançado no ano anterior. Quanto aos itens que revelaram uma maior prioridade de acção foram: o tempo de espera entre a hora previamente marcada para a consulta/ exame e o seu atendimento, a rapidez na entrega dos resultados, a informação fornecida sobre o Exame/ Tratamento a realizar e a facilidade de marcação da Consulta/ Exame. PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 5

6 2. Metodologia Em termos metodológicos, optou se por entrevistar os utentes telefonicamente a partir de uma base de contactos fornecida pelo Hospital Divino Espírito Santo. Estes encontravam se divididos em três áreas de serviço distintas: Urgências, Internamentos e Consultas/ Exames ou Tratamentos. As bases de dados incluíam os utentes que utilizaram cada um dos serviços nos meses de Outubro, Novembro e Dezembro de, e cada uma continha o número de doente, nome, género, morada, data de nascimento, número telefónico, data de realização do serviço e descrição do mesmo. Os inquéritos foram elaborados pela Neves de Almeida, e posteriormente validados pelo HDES. Comparativamente com os questionários utilizados nos anos anteriores (2007/ ), foi apenas alterada uma questão no questionário das Consultas/ Exames ou Tratamentos, isto é, onde estava o tempo de espera para a realização de consulta/ exame passou a constar o tempo de espera entre a hora previamente marcada para a consulta/ exame e o seu atendimento. As entrevistas telefónicas decorreram entre os dias 7 a 29 de Janeiro, das 10h às 18h. Os entrevistadores foram devidamente seleccionados pela sua experiência e formados para o efeito. Um responsável pela supervisão do call center garantiu a qualidade da informação recolhida. A análise descritiva dos dados incide sobre a apresentação da distribuição de frequências e cálculo de médias, medianas, modas e desvios padrão. Foi calculado o Índice de Qualidade de Serviço para cada uma das três áreas analisadas, e posteriormente o Índice de Qualidade de Serviço Global. Por fim, de forma a identificar quais as variáveis sobre as quais devem ser implementados planos de acção para promover a melhoria da satisfação dos clientes, calculou se o Indicador de Prioridade de Acção (IPA). PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 6

7 3. Estratificação da Amostra Do total da base de dados enviada, com a listagem de utentes que utilizaram cada Amostra um dos serviços que serão alvo de análise, inquiriram se: 35,3% 35,3% n % Urgências ,3 Internamento Hospitalar ,4 Consultas/ Exames ou Tratamentos ,3 Total ,4% Urgências Internamento Hospitalar Consultas/ Exames ou Tratamentos PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 7

8 4. Classificação das pontuações A classificação das pontuações obtidas foi feita em função da convenção expressa na tabela seguinte: Classificação Padrões de Resposa Intervalos Muito Bom 100% 95% a 100% Bom 75% 75% a 94% Razoável 50% 50% a 74% Mau 25% 25% a 49% Muito Mau 0% 0% a 24% PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 8

9 5. Apresentação de Resultados das Urgências PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 9

10 5. Apresentação de Resultados das Urgências 5A. Processo de amostragem Critério de selecção: Utentes que utilizaram as Urgências, pelo menos uma vez no mês de Dezembro de Universo: 6161 em Amostra: 450 entrevistas válidas, com um nível de confiança de 95% e um erro amostral de 4,61% PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 10

11 5. Apresentação de Resultados das Urgências 5B. Amostra Idade Habilitações Literárias Sexo 20,7% 6,0% 19,1% 14,0% 6,9% 0,4% 54,2% 24,9% 48,4% 27,3% 32,2% 45,8% < > 60 Sem escolaridade Ensino Obrigatório (9º ano) Ensino Superior Ensino Primário (4º ano) 12º ano N/R Feminino Masculino Idade n % < , , ,7 > Total Habilitações Literárias n % Sem escolaridade ,2 Ensino Primário (4º ano) ,3 Ensino Obrigatório (9º ano) 86 19,1 12º ano Ensino Superior 31 6,9 N/R 2 0,4 Total Sexo n % Feminino ,8 Masculino ,2 Total Nota: No ficheiro recebido dos clientes das Urgências, cerca de 2995 tinham idade inferior a 25 anos. Nota: No ficheiro recebido dos clientes das Urgências, cerca de 890 utentes tinham idade inferior a 10 anos, e cerca de 2278 tinham 65 ou mais anos. PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 11

12 5. Apresentação de Resultados das Urgências 5.1. Triagem Dados 2007 Classificação 2007 Média 62,28 71,97 74,16 Mediana O tempo de espera antes da triagem? 44,0% 40,0% Moda ,21 0,20 0,22 8,0% 6,0% 2,0% Muito Bom Bom Razoável Mau Muito Mau N/ A Dados Dados O tempo de espera antes da triagem? O tempo de espera antes da triagem? 51,6% 48,9% 19,8% 23,1% 27,1% 18,2% 3,3% 0,7% 1,6% 3,1% 2,0% 0,7% PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 12

13 5. Apresentação de Resultados das Urgências 5.1. Triagem Dados 2007 Classificação 2007 O grau de simpatia do pessoal de admissão? Média 69,30 76,17 82,89 61,0% Mediana Moda ,17 0,17 0,21 9,0% Muito Bom 27,0% 2,0% 0,0% 1, 0 % Bom Razoável Mau Muito Mau N/ A Dados Dados O grau de simpatia do pessoal de admissão? O grau de simpatia do pessoal de admissão? 60,7% 44,0% 44,7% 22,4% 14,9% 0,7% 0,4% 0,9% 9,1% 1,1% 0,4% 0,7% PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 13

14 5. Apresentação de Resultados das Urgências 5.1. Triagem Dados 2007 Classificação 2007 A qualidade da informação fornecida? Média 67,11 75,22 76,48 63,0% Mediana Moda ,0% 0,17 0,16 0,21 4,0% 3,0% 1, 0 % 1,0 % Dados Dados A qualidade da informação fornecida? A qualidade da informação fornecida? 60,9% 48,7% 30,4% 20,0% 16,9% 0,9% 0,0% 1,3% 14,4% 2,4% 1,8% 2,2% PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 14

15 5. Apresentação de Resultados das Urgências 5.1. Triagem Dados 2007 Classificação 2007 O apoio/informações a si ou familiares? 56,0 % Média 65,07 73,93 76,50 Mediana ,0% Moda ,20 0,17 0,21 4,0% 3,0% 1, 0 % 3,0% M uito Bom Bom Razoável M au M uito M au N/ A Dados Dados O apoio/informações a si ou familiares? 57,6% O apoio/ informações a si ou familiares? 48,7% 18,9% 21,1% 30,4% 14,4% 0,9% 0,0% 1,6% 2,4% 1,8% 2,2% PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 15

16 5. Apresentação de Resultados das Urgências 5.2. Tempo de Espera Global Dados 2007 Classificação 2007 Média 43,20 64,83 61,61 Mediana Moda ,26 0,50 0,28 3,0% O tempo de espera, desde a chegada às urgências até ser atendido pelo médico? 20,0% 38,0% 24,0% 14, 0 % 1, 0 % Muito Bom Bom Razoável Mau Muito Mau N/ A Dados Dados O tempo de espera, desde a chegada às urgências até ser atendido pelo médico? O tempo de espera, desde a chegada às urgências até ser atendido pelo médico? 39,1% 36,7% 31,6% 29,3% 12,9% 7,8% 3,1% 0,4% 19,8% 12,9% 6,0% 0,4% PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 16

17 5. Apresentação de Resultados das Urgências 5.3. Pessoal Auxiliar Dados 2007 Classificação 2007 O grau de simpatia e disponibilidade do pessoal auxiliar? Média 72,05 76,03 78,25 Mediana ,0% Moda ,19 0,17 0,17 22,0% 14, 0 % 2,0% 0,0% 2,0% Muit o Bom Bom Razoável Mau Muit o Mau N/ A Dados Dados O grau de simpatia e disponibilidade do pessoal auxiliar? O grau de simpatia e disponibilidade do pessoal auxiliar? 54,2% 54,7% 21,1% 15,6% 8,2% 0,7% 0,2% 25,1% 9,1% 9,3% 1,1% 0,7% PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 17

18 5. Apresentação de Resultados das Urgências 5.3. Pessoal Auxiliar Dados 2007 Classificação 2007 O grau de profissionalismo do pessoal auxiliar? Média 72,84 75,67 78,80 63,0% Mediana Moda ,19 0,16 0,17 19, 0 % 14, 0 % 2,0% 0,0% 2,0% Muit o Bom Bom Razoável Mau Muit o Mau N/ A Dados Dados O grau de profissionalismo do pessoal auxiliar? O grau de profissionalismo do pessoal auxiliar? 57,3% 54,4% 25,8% 19,1% 13,6% 8,4% 1,6% 0,0% 9,3% 9,3% 0,7% 0,4% PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 18

19 5. Apresentação de Resultados das Urgências 5.4. Corpo de Enfermagem Dados 2007 Classificação 2007 Média 74,83 79,23 82,52 O grau de simpatia e disponibilidade do corpo de enfermagem? 67,0% Mediana Moda ,18 0,17 0,17 16, 0 % 14, 0 % 1, 0 % 0,0% 2,0% Muito Bom Bom Razoável Mau Muito Mau N/ A Dados Dados O grau de simpatia e disponibilidade do corpo de enfermagem? O grau de simpatia de simpatia e disponibilidade do corpo de enfermagem? 55,8% 35,1% 43,8% 30,2% 11,6% 0,7% 0,2% 1,6% 13,6% 6,4% 0,7% 0,4% PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 19

20 5. Apresentação de Resultados das Urgências 5.4. Corpo de Enfermagem Dados 2007 Classificação 2007 Média 69,60 75,46 77,79 Mediana A rapidez de resposta do serviço de enfermagem nos momentos de necessidade? 66,0% Moda ,19 0,18 0,20 7,0% 22,0% 2,0% 1, 0 % 2,0% Muito Bom Bom Razoável Mau Muito Mau N/ A Dados Dados A rapidez de resposta do serviço de enfermagem nos momentos de necessidade? A rapidez de resposta do serviço de enfermagem nos momentos de necessidade? 53,6% 42,4% 28,2% 23,8% 17,8% 11,8% 14,4% 1,8% 0,2% 2,9% 2,4% 0,7% PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 20

21 5. Apresentação de Resultados das Urgências 5.4. Corpo de Enfermagem De seguida, apresentam se as razões fornecidas pelos utentes para justificar a classificação atribuída ao item Rapidez de resposta do serviço de enfermagem nos momentos de necessidade, agrupados por categorias: Rapidez de resposta Corpo de Enfermagem Razões Muito Mau Mau Razoável Bom Muito Bom Espera Demorada 0,0% 72,7% 79,2% 3,7% 0,0% Eficiência 0,0% 0,0% 5,7% 52,4% 69,3% Serviço Não Satisfatório 66,7% 18,2% 7,5% 0,5% 0,0% Rapidez 0,0% 0,0% 1,9% 31,6% 22,0% Simpatia;Disponibilidade;Atenção 0,0% 0,0% 1,9% 7,0% 7,1% Outros 0,0% 0,0% 1,9% 2,1% 0,8% Falta de atenção/disponibilidade 33,3% 0,0% 1,9% 1,6% 0,8% Má assistência a familiares 0,0% 9,1% 0,0% 1,1% 0,0% PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 21

22 5. Apresentação de Resultados das Urgências 5.4. Corpo de Enfermagem Dados 2007 Classificação 2007 A competência e profissionalismo do corpo de enfermagem? Média 75,62 78,50 81,87 69,0% Mediana Moda ,16 0,16 0,16 16, 0 % 14, 0 % 0,0% 0,0% 1, 0 % Muito Bom Bom Razoável Mau Muito Mau N/ A Dados Dados A competência e profissionalismo do corpo de enfermagem? A competência e profissionalismo do corpo de enfermagem? 62,0% 49,6% 25,8% 9,3% 1,3% 0,0% 1,6% 30,4% 5,1% 0,2% 0,4% 14,2% PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 22

23 5. Apresentação de Resultados das Urgências 5.4. Corpo de Enfermagem Dados 2007 Classificação 2007 Média 71,08 76,48 77,94 Mediana O apoio/informação a si ou familiares (do corpo de enfermagem)? 66,0% Moda ,0% 0,18 0,16 0,20 9,0% 1, 0 % 2,0% 0,0% Muit o Bom Bom Razoável Mau Muit o Mau N/ A Dados Dados O apoio/informações a si ou familiares (do corpo de enfermagem) em geral? O apoio/ informações a si ou familiares (do corpo de enfermagem) em geral? 62,4% 21,3% 12,7% 1,1% 0,2% 2,2% 46,7% 25,3% 16,9% 7,8% 2,2% 1,1% PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 23

24 5. Apresentação de Resultados das Urgências 5.4. Corpo de Enfermagem Classificação Média 71,70 76,95 Mediana Moda ,15 0,19 Dados Dados Periodicidade da informação disponibilizada aos seus familiares/ amigos pelo corpo de enfermagem? 61,1% Periodicidade da informação disponibilizada aos seus familiares/ amigos pelo corpo de enfermagem? 46,9% 11,6% 22,4% 0,9% 0,0% 4,0% 23,1% 9,8% 1,8% 1,1% 17,3% PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 24

25 5. Apresentação de Resultados das Urgências 5.4. Corpo de Enfermagem Classificação Média 72,10 77,35 Mediana Moda ,16 0,19 Dados Dados Qualidade da informação disponibilizada aos seus familiares/ amigos pelo corpo de enfermagem? Qualidade da informação disponibilizada aos seus familiares/ amigos pelo corpo de enfermagem? 61,6% 47,6% 12,2% 20,7% 1,3% 0,0% 4,2% 23,3% 9,1% 1,6% 1,1% 17,3% PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 25

26 5. Apresentação de Resultados das Urgências 5.5. Corpo Médico Dados 2007 Classificação 2007 Média 75,33 79,14 79,29 Mediana A atenção e disponibilidade demonstradas pelo corpo médico? 61,0% Moda ,17 0,17 0,22 21,0% Muito Bom 17, 0 % 1, 0 % 0,0% 0,0% Bom Razoável Mau Muito Mau N/ A Dados Dados A atenção e disponibilidade demonstradas pelo corpo médico? A atenção e disponibilidade demonstradas pelo corpo médico? 55,8% 39,1% 44,0% 30,4% 12,2% 0,4% 0,2% 0,9% 10,2% 3,3% 1,8% 1,6% PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 26

27 5. Apresentação de Resultados das Urgências 5.5. Corpo Médico Dados 2007 Classificação 2007 A competência e profissionalismo do corpo médico? Média 76,11 78,69 82,62 Mediana ,0% Moda ,17 0,18 0,22 23,0% 16, 0 % 2,0% 0,0% 0,0% Muito Bom Bom Razoável Mau Muito Mau N/ A Dados Dados A competência e profissionalismo do corpo médico? A competência e profissionalismo do corpo médico? 52,2% 49,1% 31,8% 36,0% 13,3% 1,3% 0,4% 0,9% 9,3% 2,2% 1,8% 1,6% PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 27

28 5. Apresentação de Resultados das Urgências 5.5. Corpo Médico Dados 2007 Classificação 2007 A forma como o corpo médico explicou a condição do utente? Média 70,70 77,57 79,02 Mediana ,0 % Moda ,18 0,19 0,23 25,0% 13, 0 % 3,0% 0,0% 0,0% M uito Bom Bom Razoável M au M uito M au N/A Dados Dados A forma como o corpo médico explicou a condição do utente? A forma como o corpo médico explicou a condição do utente? 52,7% 40,7% 40,2% 29,8% 14,4% 1,3% 0,9% 0,9% 12,2% 2,7% 2,4% 1,8% PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 28

29 5. Apresentação de Resultados das Urgências 5.5. Corpo Médico Classificação Média 71,93 77,72 Mediana Moda ,17 0,22 Dados Dados Periodicidade da informação disponibilizada aos seus familiares/ amigos pelo corpo médico? Periodicidade da informação disponibilizada aos seus familiares/ amigos pelo corpo médico? 58,9% 35,1% 44,4% 13,8% 20,9% 1,6% 0,4% 4,4% 14,4% 2,0% 2,0% 2,0% PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 29

30 5. Apresentação de Resultados das Urgências 5.5. Corpo Médico Classificação Média 72,63 77,15 Mediana Moda ,17 0,23 Dados Dados Qualidade da informação disponibilizada aos seus familiares/ amigos pelo corpo médico? Qualidade da informação disponibilizada aos seus familiares/ amigos pelo corpo médico? 60,0% 36,2% 40,4% 14,9% 19,3% 1,3% 0,7% 3,8% 16,9% 2,4% 2,0% 2,0% PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 30

31 5. Apresentação de Resultados das Urgências 5.5. Corpo Médico Dados 2007 Classificação 2007 Média 70,92 75,00 79,02 Mediana As explicaçães fornecidas sobre os medicamentos prescritos e cuidados a seguir em casa? 63,0% Moda ,18 0,18 0,22 12,0% Muito Bom 21,0% 3,0% 0,0% Bom Razoável Mau Muito Mau 1,0% N/A Dados Dados As explicações fornecidas sobre os medicamentos prescritos e cuidados a seguir em casa? As explicações fornecidas sobre os medicamentos prescritos e cuidados a seguir em casa? 57,6% 37,6% 42,9% 21,1% 16,9% 0,9% 0,9% 2,7% 12,9% 0,9% 2,4% 3,3% PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 31

32 5. Apresentação de Resultados das Urgências 5.5. Corpo Médico Dados 2007 Classificação 2007 Média 67,19 72,88 78,00 O grau atingido em termos de cura ou redução do seu sofrimento? Mediana ,0% Moda ,0% 0,18 0,19 0,21 7,0% 4,0% 0,0% 1, 0 % Muit o Bom Bom Razoável Mau Muit o Mau N/ A Dados Dados No entender do paciente, o grau atingido em termos de cura ou redução do seu sofrimento? O grau atingido em termos de cura ou redução do seu sofrimento? 57,3% 33,8% 48,2% 17,3% 19,1% 1,8% 1,1% 3,3% 12,2% 1,6% 2,2% 2,0% PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 32

33 5. Apresentação de Resultados das Urgências 5.6. Processo Administrativo Dados 2007 Classificação 2007 Média 63,82 69,45 74,66 O fluxo de comunicação entre os diferentes serviços pelos quais passou? Mediana ,0% 39,0% Moda ,21 0,17 0,18 3,0% 3,0% 0,0% 5,0% Muito Bom Bom Razoável Mau Muito Mau N/ A Dados Dados O fluxo de comunicação entre os diferentes serviços pelos quais passou? O fluxo de comunicação entre os diferentes serviços pelos quais passou? 56,0% 60,2% 11,1% 27,8% 1,8% 0,4% 2,9% 19,6% 13,1% 3,6% 0,2% 3,3% PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 33

34 5. Apresentação de Resultados das Urgências 5.6. Processo Administrativo Dados 2007 Classificação 2007 Média 61,42 69,23 76,87 Mediana A informação disponibilizada em termos das práticas burocráticas a seguir? 41,0% 46,0% Moda ,21 0,16 0,17 4,0% 4,0% 0,0% 5,0% Muit o Bom Bom Razoável Mau Muit o Mau N/ A Dados Dados 55,8% A informação disponibilizada em termos das práticas burocráticas a seguir? A informação disponibilizada em termos das práticas burocráticas a seguir? 55,6% 9,8% 28,9% 1,3% 0,2% 4,0% 24,0% 13,8% 1,6% 5,1% Muito Bom Bom Razoável Mau N/A PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 34

35 5. Apresentação de Resultados das Urgências 5.7. Visitas Classificação Média 70,49 82,85 Mediana Moda ,19 0,23 Dados Dados A facilidade de acompanhamento por um familiar/ amigo no momento em que foi admitido no serviço de urgências? A facilidade de acompanhamento por um familiar/ amigo no momento em que foi admitido no serviço de urgência? 48,9% 44,2% 24,9% 15,3% 7,6% 2,9% 0,4% 22,4% 8,4% 4,0% 0,9% 0,2% PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 35

36 5. Apresentação de Resultados das Urgências 5.7. Visitas Classificação Média 69,44 80,72 Mediana Moda ,20 0,24 Dados Dados A facilidade de visita do seu familiar/amigo durante a sua permanência no serviço de urgência? A facilidade de visita do seu familiar/ amigo durante a sua permanência no serviço de urgência? 48,7% 39,3% 14,2% 24,4% 3,8% 0,9% 8,0% 20,4% 10,9% 4,2% 0,9% 24,2% PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 36

37 5. Apresentação de Resultados das Urgências 5.8. Satisfação Global Classificação 2007 Média 67,69 72,50 77,11 Mediana Moda Dados 2007 Como classifica a qualidade global do serviço de Urgências no Hospital do Divino Espírito Santo? 54,0% 32,0% 0,18 0,17 0,20 10, 0 % 4,0% 0,0% 0,0% Muit o Bom Bom Razoável Mau Muit o Mau N/ A Dados Dados 60,7% Como classifica a qualidade global do serviço de Urgências no Hospital do Divino Espírito Santo? Como classifica a qualidade global do serviço de Urgências no Hospital do Divino Espírito Santo? 49,8% 16,0% 21,1% 30,9% 17,3% 1,8% 0,4% 0,0% 0,9% 1,1% Muito Bom Bom Razoável Mau Muito Mau PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 37

38 5. Apresentação de Resultados das Urgências 5.9. Médias das variáveis de satisfação Médias das Variáveis (Urgências) V1.1 O tempo de espera antes da Triagem V1.2 O grau de simpatia do pessoal de admissão? V1.3 A qualidade da informação fornecida? V1.4 O apoio/ informações a si ou familiares (pessoal de admissão)? V2.1 O tempo de espera, desde a chegada às urgências até ser atendido pelo médico? V3.1 O grau de simpatia e disponibilidade do Pessoal Auxiliar? V3.2 O grau de profissionalismo (do Pessoal Auxiliar)? V4.1 O grau de simpatia e disponibilidade do Corpo de Enfermagem? V4.2 A rapidez de resposta do serviço de enfermagem nos momentos de necessidade? V 4.3 A competência e profissionalismo do corpo de enfermagem? V4.4 O apoio/ informações a si ou familiares (do corpo de enfermagem) em geral? V4.5.1 Periodicidade da informação disponibilizada aos seus familiares/amigos pelo corpo de V4.5.2 Qualidade da informação disponibilizada aos seus familiares/amigos pelo corpo de enfermagem V5.1 A atenção e disponibilidade demonstradas pelo Corpo Médico? V5.2A competência e profissionalismo do Corpo Médico? V5.3A forma como o Corpo Médico explicou a condição do Utente? V5.4.1 Periodicidade da informação disponibilizada aos seus familiares/ amigos pelo corpo médico? V5.4.2 Qualidade da informação disponibilizada aos seus familiares/ amigos pelo corpo médico? V5.5 As explicações fornecidas sobre os medicamentos prescritos e cuidados a seguir em casa? V5.6 O grau atingido em termos de cura ou redução do seu sofrimento? V6.1 O fluxo de comunicação entre os diferentes serviços pelos quais passou? V6.2 A informação disponibilizada em termos das práticas burocráticas a seguir? V7.1 A facilidade de acompanhamento por um familiar/ amigo no momento em que foi admitido no V7.2 A facilidade de visita do seu familiar/amigo durante a sua permanência no serviço de urgência? V8.1 Satisfação Global Média das Urgências 61,61 74,16 76,48 76,50 82,89 78,25 78,80 82,52 77,79 81,87 77,94 76,95 77,35 79,29 82,62 79,02 77,72 77,15 79,02 78,00 74,66 76,87 82,85 80,72 77,11 77,96 PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 38

39 5. Apresentação de Resultados das Urgências Índice de Qualidade de Serviço Para obter o valor do Índice de Qualidade de Serviço, foram calculados os coeficientes de correlação de Spearman entre as várias variáveis e a variável V8.1 (Satisfação Global com as Urgências). Optou se pelo cálculo destes coeficientes devido ao facto de termos variáveis qualitativas ordinais, isto é, a natureza das variáveis édo tipo Muito Bom, Bom,, Muito Mau, logo estão a medir se qualidades que estão ordenadas por níveis. Na tabela seguinte apresentam se os coeficientes de Spearman. Este coeficiente de correlação consiste numa medida de associação entre duas variáveis ordinais, e quanto maior o valor, maior a associação. V1.1 O tempo de espera antes da Triagem 0,335 V1.2 O grau de simpatia do pessoal de admissão? 0,431 V1.3 A qualidade da informação fornecida? 0,441 V1.4 O apoio/ informações a si ou familiares (pessoal de admissão)? 0,402 V2.1 O tempo de espera, desde a chegada às urgências até ser atendido pelo médico? 0,419 V3.1 O grau de simpatia e disponibilidade do Pessoal Auxiliar? 0,417 V3.2 O grau de profissionalismo (do Pessoal Auxiliar)? 0,396 V4.1 O grau de simpatia e disponibilidade do Corpo de Enfermagem? 0,487 V4.2 A rapidez de resposta do serviço de enfermagem nos momentos de necessidade? 0,507 V4.3 A competência e profissionalismo do corpo de enfermagem? 0,451 V4.4 O apoio/ informações a si ou familiares (do corpo de enfermagem) em geral? 0,421 V4.5.1 Periodicidade da informação disponibilizada aos seus familiares/amigos pelo corpo de enfermagem 0,45 V4.5.2 Qualidade da informação disponibilizada aos seus familiares/amigos pelo corpo de enfermagem 0,445 V5.1 A atenção e disponibilidade demonstradas pelo Corpo Médico? 0,594 V5.2 A competência e profissionalismo do Corpo Médico? 0,578 V5.3 A forma como o Corpo Médico explicou a condição do Utente? 0,536 V5.4.1 Periodicidade da informação disponibilizada aos seus familiares/ amigos pelo corpo médico? 0,494 V5.4.2 Qualidade da informação disponibilizada aos seus familiares/ amigos pelo corpo médico? 0,487 V5.5 As explicações fornecidas sobre os medicamentos prescritos e cuidados a seguir em casa? 0,471 V5.6 O grau atingido em termos de cura ou redução do seu sofrimento? 0,496 V6.1 O fluxo de comunicação entre os diferentes serviços pelos quais passou? 0,35 V6.2 A informação disponibilizada em termos das práticas burocráticas a seguir? 0,367 V7.1 A facilidade de acompanhamento por um familiar/ amigo no momento em que foi admitido no serviço de urgência? 0,339 V7.2 A facilidade de visita do seu familiar/amigo durante a sua permanência no serviço de urgência? 0,374 PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 39

40 5. Apresentação de Resultados das Urgências Índice de Qualidade de Serviço Para obter o peso que cada variável tem sobre a Satisfação Global com o serviço, dividiu se cada coeficiente de correlação (anteriormente apresentado) pela soma de todos os coeficientes, de modo a que a soma dos pesos dê o valor um, com o objectivo de inferir a influência de cada variável no grau global de satisfação. Na tabela seguinte encontram se os resultados obtidos, sendo que estão destacadas as variáveis que mais influenciam o grau de satisfação global com as Urgências. Quanto maior for o coeficiente de correlação ajustado, maior será a influência da variável no grau global de satisfação. V1.1 O tempo de espera antes da Triagem 0,0313 V1.2 O grau de simpatia do pessoal de admissão? 0,0403 V1.3 A qualidade da informação fornecida? 0,0413 V1.4 O apoio/ informações a si ou familiares (pessoal de admissão)? 0,0376 V2.1 O tempo de espera, desde a chegada às urgências até ser atendido pelo médico? 0,0392 V3.1 O grau de simpatia e disponibilidade do Pessoal Auxiliar? 0,0390 V3.2 O grau de profissionalismo (do Pessoal Auxiliar)? 0,0371 V4.1 O grau de simpatia e disponibilidade do Corpo de Enfermagem? 0,0456 V4.2 A rapidez de resposta do serviço de enfermagem nos momentos de necessidade? 0,0474 V4.3 A competência e profissionalismo do corpo de enfermagem? 0,0422 V4.4 O apoio/ informações a si ou familiares (do corpo de enfermagem) em geral? 0,0394 V4.5.1 Periodicidade da informação disponibilizada aos seus familiares/amigos pelo corpo de enfermagem 0,0421 V4.5.2 Qualidade da informação disponibilizada aos seus familiares/amigos pelo corpo de enfermagem 0,0416 V5.1 A atenção e disponibilidade demonstradas pelo Corpo Médico? 0,0556 V5.2 A competência e profissionalismo do Corpo Médico? 0,0541 V5.3 A forma como o Corpo Médico explicou a condição do Utente? 0,0501 V5.4.1 Periodicidade da informação disponibilizada aos seus familiares/ amigos pelo corpo médico? 0,0462 V5.4.2 Qualidade da informação disponibilizada aos seus familiares/ amigos pelo corpo médico? 0,0456 V5.5 As explicações fornecidas sobre os medicamentos prescritos e cuidados a seguir em casa? 0,0441 V5.6 O grau atingido em termos de cura ou redução do seu sofrimento? 0,0464 V6.1 O fluxo de comunicação entre os diferentes serviços pelos quais passou? 0,0327 V6.2 A informação disponibilizada em termos das práticas burocráticas a seguir? 0,0343 V7.1 A facilidade de acompanhamento por um familiar/ amigo no momento em que foi admitido no serviço de urgência? 0,0317 V7.2 A facilidade de visita do seu familiar/amigo durante a sua permanência no serviço de urgência? 0,0350 PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 40

41 5. Apresentação de Resultados das Urgências Índice de Qualidade de Serviço Em seguida apresentam se por ordem decrescente de importância, as variáveis e os respectivos coeficientes de correlação ajustados, obtidos no estudo realizado em 2007, e Dados 2007 Dados Coeficientes Variáveis de correlão ajustado V11 0,0703 V5 0,0699 V7 0,0691 V6 0,0666 V8 0,0666 V12 0,0647 V10 0,0631 V2 0,0604 V9 0,0567 V13 0,0567 V14 0,0538 V3 0,0501 V4 0,0496 V18 0,0470 V16 0,0463 V17 0,0409 V15 0,0407 V1 0,0275 Descrição das Variaveis O apoio/ informação a si ou familiares (do corpo de enfermagem) O tempo de espera, desde a chegada às urgências até ser atendido pelo médico O grau de profissionalismo (do pessoal auxiliar) O grau de simpatia e disponibilidade do pessoal auxiliar O grau de simpatia e disponibilidade do corpo de enfermagem A atenção e disponibilidade demonstradas pelo corpo médico A competência e profissioinalismo do corpo de infermagem Ograu de simpatia do pessoal de admissão A rapidez de resposta do serviço de enfermagem nos momentos de necessidade A competência e profissionalismo do corpo médico A forma como o corpo médico explicou a condição do utente A qualidade da informação fornecida O apoio/ informação a si ou familiares (pessoal de admissão) A informação disponibilizada em termos das práticas burocráticas a seguir Ograu atingido em termos de cura ou redução do seu sofrimento O fluxo de comunicação entre os diferentes serviços pelos quais passou As explicações fornecidas sobre os medicamentos prescritos e cuidados a seguir em casa O tempo de espera antes da triagem Coeficientes Variáveis de correlão ajustado V4.3 0,0523 V4.2 0,0497 V4.4 0,0489 V ,0471 V2.1 0,0457 V7.1 0,0453 V ,0447 V6.1 0,0447 V4.1 0,0446 V5.2 0,0445 V1.2 0,0430 V7.2 0,0427 V5.1 0,0404 V5.3 0,0404 V1.3 0,0400 V3.2 0,0395 V1.4 0,0390 V3.1 0,0390 V5.6 0,0389 V ,0368 V ,0365 V6.2 0,0355 V1.1 0,0322 V5.5 0,0284 Descrição das Variaveis A competência e profissionalismo do corpo de enfermagem A rapidez de resposta do serviço de enfermagem nos momentos de necessidade O apoio/informações a si ou familiares (do corpo de enfermagem) Qualidade da info. que foi disponibilizada aos seus familiares/amigos pelo corpo de enfermagem O tempo de espera, desde a chegada às urgências até ser atendido pelo médico A facilidade de acomp. por um familiar/ amigo no momento em que foi admitido no serv. de urgência Periodicidade da info. que foi disponibilizada aos seus familiares/amigos pelo corpo de enfermagem O fluxo de comunicação entre os diferentes serviços pelos quais passou O grau de simpatia e disponibilidade do corpo de enfermagem A competência e profissionalismo do corpo médico O grau de simpatia do pessoal de admissão A facilidade de visita do seu familiar/ amigo durante a sua permanência no serviço de urgência A atenção e disponibilidade demonstradas pelo corpo médico A forma como o corpo médico explicou a condição do utente A qualidade da informação fornecida O grau de profissionalismo (do pessoal auxiliar) O apoio/ informações a si ou familiares (pessoal de admissão) O grau de simpatia e disponibilidade do pessoal auxiliar O grau atingido em termos de cura ou redução do seu sofrimento Periodicidade da informação que foi disponibilizada aos seus familiares/amigos pelo corpo médico Qualidade da informação que foi disponibilizada aos seus familiares/amigos pelo corpo médico A informação disponibilizada em termos das práticas burocráticas a seguir O tempo de espera antes da triagem As explicações fornecidas sobre os medicamentos prescritos e cuidados a seguir em casa PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 41

42 5. Apresentação de Resultados das Urgências Índice de Qualidade de Serviço Dados Coeficientes Variáveis de correlão ajustado V5.1 0,0556 V5.2 0,0541 V5.3 0,0501 V4.2 0,0474 V5.6 0,0464 V ,0462 V4.1 0,0456 V ,0456 V5.5 0,0441 V4.3 0,0422 V ,0421 V ,0416 V1.3 0,0413 V1.2 0,0403 V4.4 0,0394 V2.1 0,0392 V3.1 0,0390 V1.4 0,0376 V3.2 0,0371 V7.2 0,0350 V6.2 0,0343 V6.1 0,0327 V7.1 0,0317 V1.1 0,0313 Descrição das Variaveis A atenção e disponibilidade demonstradas pelo Corpo Médico? A competência e profissionalismo do Corpo Médico? A forma como o Corpo Médico explicou a condição do Utente? A rapidez de resposta do serviço de enfermagem nos momentos de necessidade? O grau atingido em termos de cura ou redução do seu sofrimento? Periodicidade da informação disponibilizada aos seus familiares/ amigos pelo corpo médico? O grau de simpatia e disponibilidade do Corpo de Enfermagem? Qualidade da informação disponibilizada aos seus familiares/ amigos pelo corpo médico? As explicações fornecidas sobre os medicamentos prescritos e cuidados a seguir em casa? A competência e profissionalismo do corpo de enfermagem? Periodicidade da informação disponibilizada aos seus familiares/amigos pelo corpo de enfermagem Qualidade da informação disponibilizada aos seus familiares/amigos pelo corpo de enfermagem A qualidade da informação fornecida? O grau de simpatia do pessoal de admissão? O apoio/ informações a si ou familiares (do corpo de enfermagem) em geral? O tempo de espera, desde a chegada às urgências até ser atendido pelo médico? O grau de simpatia e disponibilidade do Pessoal Auxiliar? O apoio/ informações a si ou familiares (pessoal de admissão)? O grau de profissionalismo (do Pessoal Auxiliar)? A facilidade de visita do seu familiar/amigo durante a sua permanência no serviço de urgência? A informação disponibilizada em termos das práticas burocráticas a seguir? O fluxo de comunicação entre os diferentes serviços pelos quais passou? A facilidade de acomp. por um familiar/ amigo no momento em que foi admitido no serv. de urgência O tempo de espera antes da Triagem PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 42

43 5. Apresentação de Resultados das Urgências Índice de Qualidade de Serviço Para obter o Índice desejado, multiplicaram se os coeficientes de correlação ajustados (apresentados nas tabelas dos slides anteriores) pela média obtida por cada variável e somaram se os respectivos produtos. A qualidade do serviço de urgências melhorou 4.11 p.p. face ao ano de. PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 43

44 6. Apresentação de Resultados do Internamento Hospitalar PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 44

45 6. Apresentação de Resultados do Internamento Hospitalar 6A. Processo de amostragem Critério de selecção: Utentes que tenham tido um período de internamento no mínimo de 2 dias nos últimos 3 meses. Universo: 3741 em. Amostra: 375 entrevistas válidas, com um nível de confiança de 95% e um erro amostral de 4,99%. PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 45

46 6. Apresentação de Resultados do Internamento Hospitalar 6B. Amostra Idade 18,9% 16,3% Habilitações Literárias 7,2% 6,7% 40,3% Sexo 17,1% 34,7% 41,6% 35,2% 22,4% < >60 Sem escolaridade Ensino Obrigatório (9º ano) Ensino Superior Ensino Primário (4º ano) 12º ano Feminino 59,7% Masculino Idade n % < , , ,1 > ,9 Total Habilitações Literárias n % Sem escolaridade ,2 Ensino Primário (4º ano) ,7 Ensino Obrigatório (9º ano) 61 16,3 12º ano 27 7,2 Ensino Superior 25 6,7 Total Sexo n % Feminino ,7 Masculino ,3 Total Nota: No ficheiro recebido dos clientes do Internamento Hospitalar, cerca de 1149 tinham idade inferior a 25 anos. Nota: No ficheiro recebido dos clientes do Internamento Hospitalar, cerca de 736 utentes tinham idade inferior a 10 anos, e cerca de 917 tinham 65 ou mais anos. PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 46

47 6. Apresentação de Resultados do Internamento Hospitalar 6.1. Admissão Dados Dados Foi admitido por quem? Foi admitido por quem? 60% 8,0% 28,8% 63,2% 40% Enfermeira Pessoal do Secretariado Enfermeira Pessoal do Secretariado NA/ NR Admissão n % Enfermeira ,3 Pessoal do Secretariado ,7 Total Admissão n % Enfermeira ,2 Pessoal do Secretariado ,8 NA/ NR 30 8 Total PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 47

48 6. Apresentação de Resultados do Internamento Hospitalar 6.1. Admissão Dados Dados Por que serviço foi admitido? 42% Por que serviço foi admitido? 6,1% 43,2% 50,7% 58% Medicina Cirurgia NA/ NR Medicina Cirurgia Admissão n % Medicina ,1 Cirurgia ,9 Total Admissão n % Medicina ,2 Cirurgia ,7 NA/ NR 23 6,1 Total PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 48

49 6. Apresentação de Resultados do Internamento Hospitalar 6.1. Admissão Dados 2007 Classificaçã o 2007 A rapidez no atendimento (do pessoal de admissão)? Média 74,46 84,20 83,19 49,8% Mediana Moda ,7% 17,6 % 0,22 0,17 0,21 4,0% 1,1% 0,8% M uito Bom Bom Razoável M au M uito M au N/A Dados Dados A rapidez no atendimento (do pessoal de Admissão)? A rapidez no atendimento (do pessoal de admissão)? 45,9% 46,9% 49,9% 30,9% 5,9% 0,8% 0,5% 0,0% 11,5% 1,6% 1,3% 4,8% PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 49

50 6. Apresentação de Resultados do Internamento Hospitalar 6.1. Admissão Com o intuito de verificar se existia diferença entre os níveis médios de rapidez na admissão, entre quem foi admitido por uma enfermeira e quem foi admitido pelo pessoal do secretariado, realizou se um teste estatístico onde se concluiu, à semelhança do estudo realizado com dados de, que não existem diferenças significativas entre os dois grupos. Desta forma, o facto de o paciente ser admitido pela enfermagem ou pelo pessoal do secretariado não têm influência na percepção do paciente de uma boa ou má rapidez do atendimento na admissão. De facto, observando o gráfico abaixo apresentado, verifica se que não existem grandes diferenças nos níveis médios de rapidez, entre quem foi admitido por uma enfermeira, e quem foi admitido por pessoal do secretariado, apesar deste último grupo apresentar, ainda assim, um média ligeiramente superior. Média da rapidez no atendimento, segundo o tipo de admissão 82,69 84,05 Enfermeira Pessoal do Secretariado PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 50

51 6. Apresentação de Resultados do Internamento Hospitalar 6.1. Admissão Realizou se o mesmo teste estatístico para verificar se existia diferença entre os níveis médios de rapidez na admissão entre quem foi admitido pela medicina e pela cirurgia, e mais uma vez concluiu se que não existem diferenças significativas entre os dois grupos. O mesmo se verificou no estudo realizado com dados de, onde se constatou que o facto de o paciente ser admitido pela medicina ou cirurgia não tem influência na percepção do paciente no nível médio atribuído àrapidez do atendimento na admissão. De facto, observando o gráfico abaixo apresentado, verifica se que não existem grandes diferenças nos níveis médios de rapidez de quem foi admitido na medicina, e de quem foi admitido na cirurgia, apesar deste último grupo apresentar, ainda assim, um média ligeiramente superior. Média da rapidez no atendimento, segundo o serviço de admissão 81,33 84,63 Medicina Cirurgia PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 51

52 6. Apresentação de Resultados do Internamento Hospitalar 6.1. Admissão Rapidez no atendimento Admissão Razões Muito Mau Mau Razoável Bom Muito Bom Rapidez 0,0% 0,0% 14,0% 72,6% 60,2% Espera demorada 80,0% 66,7% 58,1% 2,7% 0,0% Eficiência 0,0% 0,0% 2,3% 16,8% 35,4% Outros 20,0% 33,3% 14,0% 7,1% 4,4% Confusão na admissão 0,0% 0,0% 11,6% 0,9% 0,0% Relativamente às razões que levaram o paciente a classificar a rapidez do atendimento, observa se que quem atribuiu a classificação de Muito Mau, Mau ou Razoável fê lo principalmente devido àespera demorada. Quem classificou de Bom ou Muito Bom a rapidez no atendimento, fê lo devido ao facto do atendimento ter sido efectivamente rápido. De notar que na categoria outros obtivemos respostas como cesariana e já estava marcada, CTG marcado e ficou logo no bloco de partos, foi conforme o que esperava e só houve atrasos no processo de alta. PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 52

53 6. Apresentação de Resultados do Internamento Hospitalar 6.1. Admissão Dados 2007 Classificaçã o 2007 Média 81,70 81,73 88,10 38,1% O grau de simpatia do pessoal de admissão? 51,0% Mediana Moda ,18 0,14 0,16 Muito Bom 9,3% 1,1% 0,0% Bom Razoável Mau Muito Mau 0,5% N/A Dados Dados O grau de simpatia de quem o admitiu? 65,6% O grau de simpatia de quem o admitiu? 56,0% 30,9% 33,3% 3,2% 0,0% 0,3% 0,0% 4,5% 0,5% 0,3% 5,3% PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 53

54 6. Apresentação de Resultados do Internamento Hospitalar 6.1. Admissão Dados 2007 Classificaçã o 2007 Média 77,22 80,73 82,57 A qualidade da informação fornecida? 50,7% Mediana Moda ,19 0,13 0,20 29,3% Muito Bom 17,9% 1,3% Bom Razoável Mau Muito Mau 0,0% 0,8% N/A Dados Dados A qualidade da informação fornecida? 70,1% A qualidade da informação fornecida? 46,1% 26,7% 2,7% 0,5% 0,0% 0,0% 31,2% 14,4% 1,3% 0,3% 6,7% PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 54

55 6. Apresentação de Resultados do Internamento Hospitalar 6.1. Admissão Dados 2007 Classificaçã o 2007 Média 78,15 81,20 81,13 O apoio/informação a si ou familiares (do pessoal de admissão)? 55,4% Mediana ,1% Moda ,18 0,13 0,21 13,6% 1,1% 0,3% 0,5% Dados Dados O apoio/informações a si ou familiares (da Admissão)? 69,6% O apoio/ informações a si ou familiares (do pessoal de admissão)? 28,0% 42,7% 34,4% 1,6% 0,8% 0,0% 0,0% 14,1% 1,6% 0,8% 6,4% PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 55

56 6. Apresentação de Resultados do Internamento Hospitalar 6.2. Corpo Médico Dados 2007 Classificaçã o 2007 Média 82,53 80,83 86,04 A atenção e disponibilidade demonstradas pelo corpo médico? 43,5% 45,0% Mediana Moda ,18 0,14 0,21 Muito Bom 9,9% 1,3% Bom Razoável Mau Muito Mau 0,3% 0,0% N/A Dados Dados A atenção e disponibilidade demostradas pelo 65,9% corpo médico? A atenção e disponibilidade demonstradas pelo corpo médico? 59,5% 29,1% 26,9% 3,7% 0,3% 0,5% 0,5% 8,0% 2,1% 1,3% 2,1% PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 56

57 6. Apresentação de Resultados do Internamento Hospitalar 6.2. Corpo Médico Dados 2007 Classificaçã o 2007 Média 83,96 81,43 89,96 A competência e profissionalismo do corpo médico? 46,7% 44,0% Mediana Moda ,18 0,13 0,16 Muito Bom 7,7% 0,8% Bom Razoável Mau Muito Mau 0,5% 0,3% N/A Dados Dados A competência e profissionalismo do corpo médico? 68,0% A competência e profissionalismo do corpo médico? 65,1% 28,5% 2,9% 0,0% 0,0% 0,5% 27,5% 4,0% 0,5% 0,5% 2,4% PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 57

58 6. Apresentação de Resultados do Internamento Hospitalar 6.2. Corpo Médico Dados 2007 Classificaçã o 2007 Média 81,08 80,70 83,64 Mediana Moda ,19 0,14 0,22 41,1% Muito Bom A forma como o corpo médico explicou a condição do utente? 43,1% 14,4% 0,8% Bom Razoável Mau Muito Mau 0,3% 0,3% N/A Dados Dados A forma como o corpo médico explicou a condição do utente? 68,0% A forma como o corpo médico explicou a condição do utente? 50,9% 27,5% 3,5% 0,3% 0,3% 0,5% 29,1% 11,2% 5,9% 1,6% 1,3% PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 58

59 6. Apresentação de Resultados do Internamento Hospitalar 6.2. Corpo Médico Dados 2007 Classificaçã o 2007 As explicações fornecidas sobre os medicamentos prescritos e cuidados a seguir? Média 82,09 81,12 84,59 Mediana ,7% 48,3% Moda ,19 0,12 0,21 Muito Bom 9,9% 0,5% 0,3% 1,3% Bom Razoável Mau Muito Mau N/A Dados Dados As explicações fornecidas sobre os medicamentos prescritos e cuidados a seguir? 70,1% As explicações fornecidas sobre os medicamentos prescritos e cuidados a seguir? 51,2% 26,7% 2,4% 0,0% 0,0% 0,8% 26,1% 10,7% 9,6% 1,3% 1,1% PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 59

60 6. Apresentação de Resultados do Internamento Hospitalar 6.2. Corpo Médico Dados 2007 Classificaçã o 2007 Média 77,74 79,31 76,47 O grau atingido em termos de cura ou redução do seu sofrimento? 57,0% Mediana ,4% Moda ,21 0,13 0,23 Muito Bom 12,3% 1,3% 0,3% Bom Razoável Mau Muito Mau 2,7% N/A Dados Dados Em seu entender, o grau atingido em termos de cura ou redução do 73,6% seu sofrimento? O grau atingido em termos de cura ou redução do seu sofrimento? 37,1% 32,8% 21,9% 2,4% 0,8% 0,3% 1,1% 21,1% 3,2% 1,3% 4,5% PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 60

61 6. Apresentação de Resultados do Internamento Hospitalar 6.3. Corpo de Enfermagem Dados 2007 Classificaçã o 2007 Média 84,83 81,60 90,93 O grau de simpatia e disponibilidade do corpo de enfermagem? 48,5% 44,3% Mediana Moda ,18 0,13 0,16 Muito Bom 5,3% 0,8% 0,8% Bom Razoável Mau Muito Mau 0,3% N/A Dados Dados O grau de simpatia e disponibilidade do corpo de 65,9% enfermagem? O grau de simpatia e disponibilidade do corpo de enfermagem? 30,4% 70,1% 25,1% 3,5% 0,3% 0,0% 0,0% 3,5% 1,1% 0,3% Muito Bom Bom Razoável Mau Muito Mau PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 61

62 6. Apresentação de Resultados do Internamento Hospitalar 6.3. Corpo de Enfermagem Dados 2007 Classificaçã o 2007 A rapidez de resposta do serviço de enfermagem nos momentos de necessidade? Média 79,16 81,07 83,13 Mediana Moda ,21 0,14 0,23 37,3% Muito Bom 44,5% 15,5% 1,1% 1,1% 0,5% Bom Razoável Mau Muito Mau N/A Dados Dados A rapidez de resposta do serviço de enfermagem nos momentos de necesidade? 66,7% A rapidez de resposta do serviço de enfermagem nos momentos de necessidade? 55,5% 29,3% 25,9% 2,9% 1,1% 0,0% 0,0% 13,1% 4,3% 0,5% 0,8% PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 62

63 6. Apresentação de Resultados do Internamento Hospitalar 6.3. Corpo de Enfermagem Dados 2007 Classificaçã o 2007 Média 84,43 81,80 91,09 Mediana ,3% A competência e profissionalismo do corpo de enfermagem? 44,5% Moda ,18 0,13 0,14 Muito Bom 15,5% 1,1% 1,1% 0,5% Bom Razoável Mau Muito Mau N/A Dados Dados A competência e profissionalismo do corpo de enfermagem? 67,7% A competência e profissionalismo do corpo de enfermagem? 68,3% 29,9% 2,1% 0,3% 0,0% 0,0% 27,5% 3,2% 0,5% 0,5% Muito Bom Bom Razoável Mau N/A PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 63

64 6. Apresentação de Resultados do Internamento Hospitalar 6.3. Corpo de Enfermagem Dados 2007 Classificaçã o 2007 Média 82,39 81,60 87,47 Mediana ,0% O apoio/informações a si ou familiares (do corpo de enfermagem)? 51,4% Moda ,19 0,13 0,17 Muito Bom 5,9% 0,8% 1,1% Bom Razoável Mau Muito Mau 0,8% N/A Dados Dados O apoio/informações a si ou familiares (do corpo de enfermagem)? 67,5% O apoio/ informações a si ou familiares (do corpo de enfermagem)? 29,6% 57,3% 34,1% 2,7% 0,3% 0,0% 0,0% 7,5% 0,5% 0,5% Muito Bom Bom Razoável Mau N/A PROJECTO: Survey Satisfação de Clientes Página 64

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT 2014

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT 2014 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT Março 2015 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES CANAL INERNET AT AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT Autoridade

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Entidade Promotora Concepção e Realização Enquadramento Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Índice RESUMO EXECUTIVO...

Leia mais

Inquérito aos Alunos que frequentaram o AEGE

Inquérito aos Alunos que frequentaram o AEGE Inquérito aos Alunos que frequentaram o AEGE Inquérito em outubro de 2015 Índice I- INTRODUÇÃO... 3 II- OUTROS ESTUDOS EFETUADOS ANTERIORMENTE... 3 III- OBJETIVOS... 4 IV- METODOLOGIA... 4 V- ANÁLISE DOS

Leia mais

CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE

CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE O questionário do IDS de 1997 conteve várias questões para investigar as preferências reprodutivas da população entrevistada. Foi recolhida

Leia mais

REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA

REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA Índice Capítulo I Disposições gerais Secção I Noção, âmbito e objectivos Art.º 1 - Noção e âmbito material Art.º 2 - Objectivos

Leia mais

À amostra global do estudo corresponde um intervalo de confiança de 95% para uma margem de erro de ± 2,5%.

À amostra global do estudo corresponde um intervalo de confiança de 95% para uma margem de erro de ± 2,5%. Ficha Técnica: e-health: Inovação em Portugal 2012 Universo: Totalidade de Médicos, Farmacêuticos e Enfermeiros a exercer actividade profissional em Portugal; Amostra: 1.507 questionários (foram realizados

Leia mais

Documento Metodológico

Documento Metodológico Documento Metodológico Registo Predial ( Modelo 287 Mapa de actividade mensal) Código: 502 Versão: 1.0 Introdução O Registo Predial destina-se essencialmente a dar publicidade à situação jurídica dos prédios,

Leia mais

2.1 Plano do inquérito Frequência do inquérito: Anual; Período do inquérito: De 2 de Janeiro a 28 de Fevereiro de 2014.

2.1 Plano do inquérito Frequência do inquérito: Anual; Período do inquérito: De 2 de Janeiro a 28 de Fevereiro de 2014. Fundo de Pensões Relatório Final do Inquérito do Grau de Satisfação dos Serviços Prestados no âmbito do Regime de Aposentação e Sobrevivência, referente ao ano de 2013 1. Objectivos do Seguindo os conceitos

Leia mais

Comunicação e Educação na Formação de Professores (um estudo de caso)

Comunicação e Educação na Formação de Professores (um estudo de caso) Comunicação e Educação na Formação de Professores (um estudo de caso) Lucília Maria P. T. Santos Universidade de Aveiro Resumo O uso e a aplicação de tecnologias da comunicação e informação, TIC, integram

Leia mais

Escola Secundária de Jácome Ratton

Escola Secundária de Jácome Ratton Escola Secundária de Jácome Ratton Ano Lectivo 2010/2011 Matemática Aplicada às Ciências Sociais Amostragem Sondagem Uma sondagem pressupõe a escolha de uma amostra. A selecção da amostra é uma das fases

Leia mais

RELATÓRIO. Avaliação da satisfação dos utilizadores do BAV. Relatório. Resultados do inquérito de satisfação do Balcão de Atendimento Virtual

RELATÓRIO. Avaliação da satisfação dos utilizadores do BAV. Relatório. Resultados do inquérito de satisfação do Balcão de Atendimento Virtual Relatório Resultados do inquérito de satisfação do Balcão de Atendimento Virtual Direcção Municipal da Presidência Gabinete do Munícipe Divisão Municipal de Gestão da Qualidade Porto, 29 de Junho de 2011

Leia mais

7 de Maio de 2009. Contacto Netsonda : Departamento Comercial Tiago Cabral 91.7202203 Estudo NE253

7 de Maio de 2009. Contacto Netsonda : Departamento Comercial Tiago Cabral 91.7202203 Estudo NE253 Contacto Netsonda : Departamento Comercial Tiago Cabral 91.7202203 Estudo NE253 Netsonda Network Research Travessa do Jasmim 10 1º Andar 1200-230 Lisboa Tel. 21.3429318 Fax 21.3429868 Estudo Número N de

Leia mais

Estudo sobre situação profissional dos. jovens enfermeiros em Portugal

Estudo sobre situação profissional dos. jovens enfermeiros em Portugal Ordem dos Enfermeiros Rede de Jovens Enfermeiros Estudo sobre situação profissional dos jovens enfermeiros em Portugal Autores: Raul Fernandes (Coordenador) Beto Martins, Bruno Maurício, Daniela Matos,

Leia mais

CENSOS 2001 Análise de População com Deficiência Resultados Provisórios

CENSOS 2001 Análise de População com Deficiência Resultados Provisórios Informação à Comunicação Social 4 de Fevereiro de 2002 CENSOS 2001 Análise de População com Deficiência Resultados Provisórios A disponibilização destes resultados provisórios dos Censos 2001 sobre a população

Leia mais

ELEMENTOS DA FICHA TÉCNICA DE SONDAGEM A DISPONIBILIZAR PUBLICAMENTE 1 (de acordo com o artigo 6º da Lei nº 10/2000 de 21 de Junho)

ELEMENTOS DA FICHA TÉCNICA DE SONDAGEM A DISPONIBILIZAR PUBLICAMENTE 1 (de acordo com o artigo 6º da Lei nº 10/2000 de 21 de Junho) ELEMENTOS DA FICHA TÉCNICA DE SONDAGEM A DISPONIBILIZAR PUBLICAMENTE 1 (de acordo com o artigo 6º da Lei nº 10/2000 de 21 de Junho) 1. Entidade responsável pela realização da sondagem: art.º 6/1/a: A denominação

Leia mais

Pesquisa sobre o Grau de Satisfação da População relativamente à Carta de Qualidade da Polícia Judiciária de Macau (2013)

Pesquisa sobre o Grau de Satisfação da População relativamente à Carta de Qualidade da Polícia Judiciária de Macau (2013) Pesquisa sobre o Grau de Satisfação da População relativamente à Carta de Qualidade da Polícia Judiciária de Macau (2013) Grupo de Estudo das Relações entre a Polícia e a População Em 2013, foi feita esta

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO BANCO DE AJUDAS TÉCNICAS

REGULAMENTO INTERNO BANCO DE AJUDAS TÉCNICAS REGULAMENTO INTERNO BANCO DE AJUDAS TÉCNICAS ENTIDADE PROMOTORA: SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO ENTIDADES PARCEIRAS: MUNICÍPIO DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO E CENTRO DE SAÚDE DE SOBRAL

Leia mais

A Ergonomia e os Sistemas de Informação. Ivo Gomes

A Ergonomia e os Sistemas de Informação. Ivo Gomes A Ergonomia e os Sistemas de Informação Ivo Gomes A Ergonomia e os Sistemas de Informação Para a maior parte das pessoas, a ergonomia serve para fazer cadeiras mais confortáveis, mobiliário de escritório

Leia mais

música dança teatro circo performance e muito mais...

música dança teatro circo performance e muito mais... VI FEIRA SANTA MARIA DA FEIRA NORMAS DO CONCURSO 15 APRESENTAÇÃO PÚBLICA 20 MARÇO LOCAL CINE TEATRO ANTÓNIO LAMOSO CONCURSO 02 Concurso Normas 1. Inserido no Programa da Feira de Artes Performativas, a

Leia mais

Anexo I - Questionário

Anexo I - Questionário Anexo I - Questionário Joana Alexandra de Jesus Amorim, aluna do 4º ano da Licenciatura em Enfermagem da Universidade Fernando Pessoa, encontra-se a realizar um trabalho de investigação com o título Cirurgia

Leia mais

Desenvolvimento de indicadores em saúde estado da arte

Desenvolvimento de indicadores em saúde estado da arte Universidade Nova de Lisboa Escola Nacional de Saúde Pública Desenvolvimento de indicadores em saúde estado da arte Carlos Costa Estatística e Qualidade na Saúde 2008 VI Conferência Lisboa, 20 de Novembro

Leia mais

RESULTADOS DO INQUÉRITO (ONLINE) DE SATISFAÇÃO AO SERVIÇO PRESTADO ATRAVÉS DOS CANAIS ELETRÓNICO, TELEFÓNICO E DE ENVIO DE SMS

RESULTADOS DO INQUÉRITO (ONLINE) DE SATISFAÇÃO AO SERVIÇO PRESTADO ATRAVÉS DOS CANAIS ELETRÓNICO, TELEFÓNICO E DE ENVIO DE SMS RESULTADOS DO INQUÉRITO (ONLINE) DE SATISFAÇÃO AO SERVIÇO PRESTADO ATRAVÉS DOS CANAIS ELETRÓNICO, TELEFÓNICO E DE ENVIO DE SMS 2014 Ficha Técnica IFAP Instituto de Financiamento da Agricultura e Pescas,

Leia mais

Soluções Web Centradas no Utilizador. Ivo Gomes

Soluções Web Centradas no Utilizador. Ivo Gomes Soluções Web Centradas no Utilizador Ivo Gomes 1 Soluções Web Centradas no Utilizador Os interfaces gráficos foram desenvolvidos para dar controlo às pessoas sobre os seus computadores. Colmatar as necessidades

Leia mais

MATRÍCULA ELECTRÓNICA. Manual do Utilizador ESCOLAS / DRE

MATRÍCULA ELECTRÓNICA. Manual do Utilizador ESCOLAS / DRE MATRÍCULA ELECTRÓNICA Manual do Utilizador ESCOLAS / DRE ÍNDICE 1 PREÂMBULO... 2 2 UTILIZAÇÃO PELOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS DOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO... 3 2.1 Matrícula Electrónica - Acesso através

Leia mais

MÉDIA ARITMÉTICA MÉDIA PONDERADA MODA MEDIANA

MÉDIA ARITMÉTICA MÉDIA PONDERADA MODA MEDIANA MÉDIA ARITMÉTICA MÉDIA PONDERADA MODA MEDIANA Em um amostra, quando se têm os valores de uma certa característica, é fácil constatar que os dados normalmente não se distribuem uniformemente, havendo uma

Leia mais

PARECER N.º 103/CITE/2010

PARECER N.º 103/CITE/2010 PARECER N.º 103/CITE/2010 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora lactante, por facto imputável à trabalhadora, nos termos do n.º 1 e da alínea a) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho,

Leia mais

ESTATÍSTICA. Prof. Ari Antonio, Me. Ciências Econômicas. Unemat Sinop 2012

ESTATÍSTICA. Prof. Ari Antonio, Me. Ciências Econômicas. Unemat Sinop 2012 ESTATÍSTICA Prof. Ari Antonio, Me Ciências Econômicas Unemat Sinop 2012 1. Introdução Concepções de Estatística: 1. Estatísticas qualquer coleção consistente de dados numéricos reunidos a fim de fornecer

Leia mais

Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais Exame Final Nacional do Ensino Secundário Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 835/2.ª Fase 15 Páginas Duração

Leia mais

As modalidades de contrato de trabalho admissíveis na administração local são: Contrato de trabalho com termo resolutivo: certo ou incerto;

As modalidades de contrato de trabalho admissíveis na administração local são: Contrato de trabalho com termo resolutivo: certo ou incerto; 10. PESSOAL A Lei n.º 12-A/2008, de 27 de Fevereiro, veio estabelecer os regimes de vinculação, de carreiras e de remunerações dos trabalhadores que exercem funções públicas. A relação jurídica de emprego

Leia mais

Relatório de Avaliação do Grau de Satisfação dos Clientes da Creche, do Pré-escolar e do CATL da ABLA

Relatório de Avaliação do Grau de Satisfação dos Clientes da Creche, do Pré-escolar e do CATL da ABLA Relatório de Avaliação do Grau de Satisfação dos Clientes da Creche, do Pré-escolar e do CATL da ABLA Junho 2013 Página 1 de 20 Introdução Entre os dias 20 e 31 de Maio de 2013, foi aplicado o Questionário

Leia mais

Relatório formação b-on 2009

Relatório formação b-on 2009 Índice Índice...2 Índice de Tabelas...2 Índice de Figuras...2 Índice de Gráficos...3 1 Sumário...4 1.1 Enquadramento...4 2 Formadores...4 2.1 Objectivos...4 2.1.1 Utilizadores finais...5 2.1.2 Profissionais

Leia mais

DOSSIER DE ACREDITAÇÃO PARA FORMAÇÃO EM TAT

DOSSIER DE ACREDITAÇÃO PARA FORMAÇÃO EM TAT Instituto Nacional de Emergência Médica, I.P. DOSSIER DE ACREDITAÇÃO PARA FORMAÇÃO EM TAT Maio de 2012 Departamento de Formação em Emergência Médica Rua Almirante Barroso, n.º 36, 4º Piso 1000-013 Lisboa

Leia mais

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO EFECTIVIDADE DA AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS PROJECTO ESSE Orientações para as visitas às escolas 1 Introdução As visitas às escolas realizadas segundo o modelo

Leia mais

REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM MEDICINA DENTÁRIA

REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM MEDICINA DENTÁRIA REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM MEDICINA DENTÁRIA a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos 1. Habilitações de acesso São admitidos como candidatos à inscrição: a) os titulares de grau de mestre ou

Leia mais

e-health Inovação em Portugal 2012 (1ª edição) Resultados Estudo Barómetro Prof. Paulo Moreira (Escola Nacional de Saúde Pública)

e-health Inovação em Portugal 2012 (1ª edição) Resultados Estudo Barómetro Prof. Paulo Moreira (Escola Nacional de Saúde Pública) Execução e responsabilidade técnica: Direcção Científica: Prof. Paulo Moreira (Escola Nacional de Saúde Pública) Patrocinador: Resultados Estudo Barómetro e-health Inovação em Portugal 2012 Apoios: (1ª

Leia mais

UNIDADE 3 MEDIDAS DE POSIÇÃO E DISPERSÃO OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM

UNIDADE 3 MEDIDAS DE POSIÇÃO E DISPERSÃO OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM Unidade 2 Distribuições de Frequências e Representação Gráfica UNIDADE 3 MEDIDAS DE POSIÇÃO E DISPERSÃO OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM Ao finalizar esta Unidade, você deverá ser capaz de: Calcular

Leia mais

9 Como o aluno (pré)adolescente vê o livro didático de inglês

9 Como o aluno (pré)adolescente vê o livro didático de inglês Cap. 9 Como o aluno (pré)adolescente vê o livro didático de inglês 92 9 Como o aluno (pré)adolescente vê o livro didático de inglês Nesta parte do trabalho, analisarei alguns resultados da análise dos

Leia mais

Índice de Satisfação dos Munícipes de Cascais 2013

Índice de Satisfação dos Munícipes de Cascais 2013 Índice de Satisfação dos Munícipes de Cascais 2013 Atendimento Municipal Outubro de 2013 Elaborado por Divisão de Sistemas de Suporte à Divisão e Divisão de Marca e Comunicação SUMÁRIO EXECUTIVO... 3 OBJETIVO...

Leia mais

Avaliação da Qualidade das Unidades de Internamento da Rede Nacional de Cuidados Continuados

Avaliação da Qualidade das Unidades de Internamento da Rede Nacional de Cuidados Continuados Avaliação da Qualidade das Unidades de Internamento da Rede Nacional de Cuidados Continuados Março de 2009 Índice 0. Resumo Executivo... 2 1. Introdução... 4 2. Resultados das visitas de diagnóstico...

Leia mais

Anexo 2 - Avaliação de necessidades de formação em H.S.T.

Anexo 2 - Avaliação de necessidades de formação em H.S.T. Anexo 2 - Avaliação de necessidades de formação em H.S.T. 54 3Inquérito às necessidades de formação profissional em higiene e segurança do trabalho 59 Inquérito às necessidades de formação profissional

Leia mais

Critérios de seleção e seriação de candidatos ao Programa Erasmus + 2º Ciclo - 2014/2015. a.condições de acesso

Critérios de seleção e seriação de candidatos ao Programa Erasmus + 2º Ciclo - 2014/2015. a.condições de acesso Critérios de seleção e seriação de candidatos ao Programa Erasmus + 2º Ciclo - 2014/2015 Cursos Análises Químicas Ambientais Critérios a.condições de acesso i) aprovação a um total de unidades curriculares

Leia mais

LANÇAMENTO DA 1ª PEDRA DO NOVO CENTRO DE SAÚDE DE PONTA DELGADA

LANÇAMENTO DA 1ª PEDRA DO NOVO CENTRO DE SAÚDE DE PONTA DELGADA LANÇAMENTO DA 1ª PEDRA DO NOVO CENTRO DE SAÚDE DE PONTA DELGADA Ponta Delgada, 28 de janeiro de 2014 Transcrição das declarações do Presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro Permitam-me

Leia mais

BARÓMETRO NACIONAL SAÚDE ORAL 2014. Ordem dos Médicos Dentistas

BARÓMETRO NACIONAL SAÚDE ORAL 2014. Ordem dos Médicos Dentistas BARÓMETRO NACIONAL SAÚDE ORAL 2014 Ordem dos Médicos Dentistas índice 1 2 3 4 6 Enquadramento página 3 Hábitos de saúde oral página 4 Perceções e motivações página 12 Honorários e formas de pagamento página

Leia mais

Banco de Ajudas Técnicas Regulamento

Banco de Ajudas Técnicas Regulamento Banco de Ajudas Técnicas Regulamento Nota introdutória No âmbito das novas políticas sociais activas a Junta de Freguesia de Fridão elaborou o Diagnóstico Social da Freguesia. Face à realidade local encontrada

Leia mais

COMPETÊNCIAS E FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS AUTÁRQUICOS

COMPETÊNCIAS E FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS AUTÁRQUICOS Validade Válido JURISTA MARTA ALMEIDA TEIXEIRA ASSUNTO COMPETÊNCIAS E FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS AUTÁRQUICOS QUESTÃO A autarquia pretende que a CCDR LVT se pronuncie relativamente à possibilidade de existência

Leia mais

BARREIRAS QUEBRADAS PARA A APRENDIZAGEM UNEMAT CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE TANGARÁ DA SERRA MATO GROSSO.

BARREIRAS QUEBRADAS PARA A APRENDIZAGEM UNEMAT CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE TANGARÁ DA SERRA MATO GROSSO. BARREIRAS QUEBRADAS PARA A APRENDIZAGEM UNEMAT CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE TANGARÁ DA SERRA MATO GROSSO. Resumo NETTO, Marcos Augusto SANTOS, Paulo Ricardo Junges dos MENDES, Rafael Müller BICHOFF, Regina

Leia mais

Regulamento Interno IP

Regulamento Interno IP Regulamento Interno IP EQUIPA LOCAL DE INTERVENÇÃO DE ESTREMOZ DO SISTEMA NACIONAL DE INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (SNIPI) REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Natureza 1 - A

Leia mais

PROCESSO DE TRABALHO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ENQUANTO MORADOR E TRABALHADOR DE SAÚDE INSERIDO NO MESMO TERRITÓRIO

PROCESSO DE TRABALHO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ENQUANTO MORADOR E TRABALHADOR DE SAÚDE INSERIDO NO MESMO TERRITÓRIO 1322 PROCESSO DE TRABALHO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ENQUANTO MORADOR E TRABALHADOR DE SAÚDE INSERIDO NO MESMO TERRITÓRIO Janyelle Silva Mendes¹;Juliana Alves Leite Leal² 1. Graduanda do Curso de Enfermagem,

Leia mais

Gabinete de Apoio ao Estudante e Inserção na Vida Ativa (GAEIVA)

Gabinete de Apoio ao Estudante e Inserção na Vida Ativa (GAEIVA) e Inserção na Vida Ativa (GAEIVA) O e Inserção na Vida Ativa (GAEIVA) visa especialmente a integração dos estudantes, dá resposta às necessidades de aprendizagem no sentido de incrementar o sucesso escolar,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM COMUNICAÇÃO SOCIAL

AVALIAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM COMUNICAÇÃO SOCIAL AVALIAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM COMUNICAÇÃO SOCIAL Dezembro ÍNDICE 1. Introdução 4 2. População e Amostra 4 3. Questionário de Satisfação dos Alunos 5 3.1. Caracterização dos inquiridos 5 3.2. Apresentação

Leia mais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais Prova de Exame Nacional de Matemática Aplicada às Ciências Sociais Prova 835 2011 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Para: Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento

Leia mais

PARECER N.º 135/CITE/2009

PARECER N.º 135/CITE/2009 PARECER N.º 135/CITE/2009 Assunto: Parecer prévio nos termos do n.º 1 e da alínea a) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro Despedimento por facto

Leia mais

Índice. Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação?

Índice. Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação? Índice Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação? Como efectuar uma operação de confirmação de estimativas? Como aceder ao Serviço de Certificação

Leia mais

Reitoria. No plano orçamental para 2009 foi definida uma provisão no valor de 300.000 euros para o Programa - Qualidade.

Reitoria. No plano orçamental para 2009 foi definida uma provisão no valor de 300.000 euros para o Programa - Qualidade. Reitoria Circular RT-05/2009 Programa Qualidade 2009 Apesar dos constrangimentos financeiros impostos pelo orçamento atribuído para 2009, é importante garantir que são apoiadas as experiências e os projectos

Leia mais

APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA

APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA 1 de Abril de 2004 População e Sociedade Educação e Formação 2003 (Dados provisórios) APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA No último ano, mais de um milhão e meio de indivíduos com 15 ou mais anos, ou seja, 18,7,

Leia mais

Inquérito Portais Portugueses

Inquérito Portais Portugueses Inquérito Portais Portugueses Janeiro 2001 O estudo promovido pela Netsonda revela dados muito interessantes sobre os hábitos dos utilizadores portugueses da Internet. Depois de uma sucessão de modas por

Leia mais

RELATÓRIO PROJECTO DA TESE DE DOUTORAMENTO EM PSICOLOGIA CLÍNICA O TRABALHO PSICOTERAPÊUTICO NOS CUIDADOS PRIMÁRIOS VIVÊNCIAS DOS UTENTES

RELATÓRIO PROJECTO DA TESE DE DOUTORAMENTO EM PSICOLOGIA CLÍNICA O TRABALHO PSICOTERAPÊUTICO NOS CUIDADOS PRIMÁRIOS VIVÊNCIAS DOS UTENTES RELATÓRIO PROJECTO DA TESE DE DOUTORAMENTO EM PSICOLOGIA CLÍNICA O TRABALHO PSICOTERAPÊUTICO NOS CUIDADOS PRIMÁRIOS VIVÊNCIAS DOS UTENTES Doutoranda: Cecília Rodrigues Medeiros Orientador: Prof. Dr. Rui

Leia mais

da Uniiversiidade de Évora

da Uniiversiidade de Évora Universidade de Évora Rellatóriio sobre o Inquériito aos Liicenciiados da Uniiversiidade de Évora Pró-Reitoria para a Avaliação e Política da Qualidade Jacinto Vidigal da Silva Luís Raposo Julho de 2010

Leia mais

GIAE ONLINE GIAE ONLINE. J.P.M & Abreu, Lda.

GIAE ONLINE GIAE ONLINE. J.P.M & Abreu, Lda. GIE ONLINE 1 Índice Índice 2 Índice de Figuras 3 1. Introdução 4 2. Novas funcionalidades 5 2.1. Mensagens 5 2.1.1. Recebidas 6 2.1.2. Enviadas 6 2.1.3. Enviar Mensagem 6 2.2. Consulta de Extracto 9 2.3.

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 08 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 08 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 08 Complementar do Regime Jurídico de SCIE RESUMO Definir o tempo de resposta exigido ao socorro e os meios humanos e materiais adequados ao combate a incêndios (grau de prontidão), para

Leia mais

Licenciatura de Análises Clínicas e Saúde Pública. Universidade Atlântica. 4.º Ano. - Investigação Aplicada

Licenciatura de Análises Clínicas e Saúde Pública. Universidade Atlântica. 4.º Ano. - Investigação Aplicada Licenciatura de Análises Clínicas e Saúde Pública Universidade Atlântica 4.º Ano - Investigação Aplicada AVALIAÇÃO DO GRAU DE SENSIBILIZAÇÃO PARA A AMAMENTAÇÃO Projecto de Investigação Docente: Ana Cláudia

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO Circular n.º 023/2014 Portal F.P.T. - Inscrições Exmo. Sr. Presidente, No seguimento da Circular Nº 021/2014 Inscrições em Provas F.P.T. e depois de disponibilizarmos a possibilidade de testar/treinar

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Residentes com o Meio Envolvente

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Residentes com o Meio Envolvente Avaliação da Satisfação dos Residentes com o Meio Envolvente 2011 Entidade Promotora Concepção e Realização Enquadramento Vice-Presidência Avaliação da Satisfação dos Residentes com o Meio Envolvente

Leia mais

Manual de Utilizador Plataforma de Estágios TIC. www.estagiostic.gov.pt

Manual de Utilizador Plataforma de Estágios TIC. www.estagiostic.gov.pt Manual de Utilizador Plataforma de Estágios TIC www.estagiostic.gov.pt 1 Índice 1 Introdução 3 1.1 Programa de Estágios TIC 3 1.2 Objectivo da plataforma 3 1.3 Perfis 4 1.3.1 Escola 4 1.3.2 Empresa 4 1.3.3

Leia mais

Interacções número 5. pp. 179-188. do Autor 2003 CONSUMO DE ÁLCOOL NA ADOLESCÊNCIA E RELAÇÕES PARENTAIS. Maria Manuela Pereira

Interacções número 5. pp. 179-188. do Autor 2003 CONSUMO DE ÁLCOOL NA ADOLESCÊNCIA E RELAÇÕES PARENTAIS. Maria Manuela Pereira Escola Superior de Altos Estudos 179 CONSUMO DE ÁLCOOL NA ADOLESCÊNCIA E RELAÇÕES PARENTAIS Maria Manuela Pereira Dissertação de Mestrado em Sociopsicologia da Saúde - Consumo de Álcool na Adolescência

Leia mais

REGULAMENTO DE SÓCIOS (Artigo 4º dos Estatutos) ADMISSÃO DE SÓCIO EFECTIVO

REGULAMENTO DE SÓCIOS (Artigo 4º dos Estatutos) ADMISSÃO DE SÓCIO EFECTIVO REGULAMENTO DE SÓCIOS (Artigo 4º dos Estatutos) ADMISSÃO DE SÓCIO EFECTIVO Artigo 1º (Disposições estatutárias) 1. Poderão filiar-se na Associação como sócios efectivos quaisquer empresas, singulares ou

Leia mais

REPOSIÇÃO DO SISTEMA SEMI-AUTOMÁTICO PYXIS NUM HOSPITAL CENTRAL UNIVERSITÁRIO: AVALIAÇÃO DO NÚMERO DE UNIDADES REPOSTAS

REPOSIÇÃO DO SISTEMA SEMI-AUTOMÁTICO PYXIS NUM HOSPITAL CENTRAL UNIVERSITÁRIO: AVALIAÇÃO DO NÚMERO DE UNIDADES REPOSTAS REPOSIÇÃO DO SISTEMA SEMI-AUTOMÁTICO PYXIS NUM HOSPITAL CENTRAL UNIVERSITÁRIO: AVALIAÇÃO DO NÚMERO DE UNIDADES REPOSTAS Pedro Miranda 1 ; Mónica Pinto 2 ; Rui Pereira 2 ; Eduarda Ribeiro, 2 ; Sónia Ferreira

Leia mais

Avaliação do Encerramento dos Blocos de Partos

Avaliação do Encerramento dos Blocos de Partos Por iniciativa da Administração Regional de Saúde do Norte (ARSN), foram avaliados, a 9 de Outubro passado os primeiros três meses do processo de encerramento dos Blocos de Partos do Hospital Santa Maria

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS OBJETIVO - Conhecer a intenção de voto para prefeito de Porto Alegre LOCAL Porto Alegre PERÍODO DE COLETA De 11 a 16 de setembro de 2015. UNIVERSO Eleitores de ambos os sexos, de

Leia mais

Inquérito aos Estabelecimentos de Ensino: TIC e Educação MANUAL DO COORDENADOR ESCOLAR

Inquérito aos Estabelecimentos de Ensino: TIC e Educação MANUAL DO COORDENADOR ESCOLAR Inquérito aos Estabelecimentos de Ensino: TIC e Educação MANUAL DO COORDENADOR ESCOLAR European Schoolnet Service d Approches Quantitatives des faits éducatifs Índice Introdução... 2 1. VISÃO GERAL DA

Leia mais

Problemas de Otimização. Problemas de Otimização. Solução: Exemplo 1: Determinação do Volume Máximo

Problemas de Otimização. Problemas de Otimização. Solução: Exemplo 1: Determinação do Volume Máximo UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I Eemplo 1: Determinação

Leia mais

A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010

A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010 Estatísticas do Emprego 4º trimestre de 2010 16 de Fevereiro de 2011 A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010 A taxa de desemprego estimada para o 4º trimestre de 2010 foi de 11,1%. Este

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2014

PROCESSO SELETIVO 2014 PROCESSO SELETIVO 2014 EDITAL N 47/2014 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM URGÊNCIA E EMERGÊNCIA: GESTÃO E ATENÇÃO NO SUS - LATO SENSU O Centro de Educação Tecnológica e Pesquisa em Saúde Escola GHC e o Instituto

Leia mais

Observação das aulas Algumas indicações para observar as aulas

Observação das aulas Algumas indicações para observar as aulas Observação das aulas Algumas indicações para observar as aulas OBJECTVOS: Avaliar a capacidade do/a professor(a) de integrar esta abordagem nas actividades quotidianas. sso implicará igualmente uma descrição

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO MISSÃO SORRISO DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE/CONTINENTE. Artigo 1.º. Objecto

REGULAMENTO DO CONCURSO MISSÃO SORRISO DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE/CONTINENTE. Artigo 1.º. Objecto REGULAMENTO DO CONCURSO MISSÃO SORRISO DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE/CONTINENTE Artigo 1.º Objecto A Direcção-Geral da Saúde e a Modelo Continente Hipermercados S.A (adiante Continente ), conferem anualmente,

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS CONCESSÃO DE USO PRIVADO DE ESPAÇO DO DOMÍNIO PÚBLICO NO JARDIM MUNICIPAL PARA INSTALAÇÃO E EXPLORAÇÃO DE DIVERSÕES

CADERNO DE ENCARGOS CONCESSÃO DE USO PRIVADO DE ESPAÇO DO DOMÍNIO PÚBLICO NO JARDIM MUNICIPAL PARA INSTALAÇÃO E EXPLORAÇÃO DE DIVERSÕES CADERNO DE ENCARGOS CONCESSÃO DE USO PRIVADO DE ESPAÇO DO DOMÍNIO PÚBLICO NO JARDIM MUNICIPAL PARA INSTALAÇÃO E EXPLORAÇÃO DE DIVERSÕES Cláusula 1ª Princípio geral O presente Caderno de Encargos compreende

Leia mais

Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2013 1º fase

Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2013 1º fase Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2013 1º fase Resumo: A pesquisa de Qualidade de Vida é organizada pela ACIRP e pela Fundace. Teve início em 2009, inspirada em outros projetos já desenvolvidos em grandes

Leia mais

A percepção dos enfermeiros na contextualização dos Fundamentos de Enfermagem

A percepção dos enfermeiros na contextualização dos Fundamentos de Enfermagem A percepção dos enfermeiros na contextualização dos Fundamentos de Enfermagem Isabel Lourenço / Professora Adjunta Instituto Politécnico de Castelo Branco Escola Superior de Saúde Drº Lopes Dias ilourenco@ess.ipcb.pt

Leia mais

ANÁLISE DE ASPECTOS NUTRICIONAIS EM IDOSOS ADMITIDOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

ANÁLISE DE ASPECTOS NUTRICIONAIS EM IDOSOS ADMITIDOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA ANÁLISE DE ASPECTOS NUTRICIONAIS EM IDOSOS ADMITIDOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Belarmino Santos de Sousa Júnior¹ ; Fernando Hiago da Silva Duarte²; Ana Elza da Silva Mendonça³ ¹ Acadêmico de Enfermagem

Leia mais

Revisão: Noções básicas de estatística aplicada a avaliações de imóveis

Revisão: Noções básicas de estatística aplicada a avaliações de imóveis Curso de Avaliações Prof. Carlos Aurélio Nadal cnadal@ufpr.br 1 AULA 03 Revisão: Noções básicas de estatística aplicada a avaliações de imóveis 2 OBSERVAÇÃO: é o valor obtido durante um processo de medição.

Leia mais

PARECER N.º 1/CITE/2003

PARECER N.º 1/CITE/2003 PARECER N.º 1/CITE/2003 Assunto: Direito ao gozo da licença por maternidade, no caso de nascimento de nado-morto e morte de nado-vivo Processo n.º 56/2002 I - OBJECTO 1.1. Em 22 de Novembro de 2002, a

Leia mais

Processo de arbitragem. Sentença

Processo de arbitragem. Sentença Processo de arbitragem Demandante: A Demandada: B Árbitro único: Jorge Morais Carvalho Sentença I Processo 1. O processo correu os seus termos em conformidade com o Regulamento do Centro Nacional de Informação

Leia mais

PARECER N.º 190/CITE/2011

PARECER N.º 190/CITE/2011 PARECER N.º 190/CITE/2011 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora lactante, por extinção do posto de trabalho, nos termos do n.º 1 e da alínea c) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho,

Leia mais

Se sim passar para apresentação 2 abaixo, se não passar para A2 A2 Será possível falar com essa pessoa numa outra altura?

Se sim passar para apresentação 2 abaixo, se não passar para A2 A2 Será possível falar com essa pessoa numa outra altura? Entrevistador: Nome: Data: Número de telefone: Prefixo: Sufixo: Hora de início da entrevista: Apresentação 1 Bom dia/tarde, o meu nome é.. A Faculdade de Medicina da Universidade do Porto está a realizar

Leia mais

FAQ s para os Administradores do Sistema

FAQ s para os Administradores do Sistema FAQ s para os Administradores do Sistema Este documento disponibiliza FAQ s sobre vários temas. Clique sobre o tema que lhe interessa para aceder às respetivas FAQ s. FAQ s sobre a credenciação do Administrador

Leia mais

Introdução... 3. 1ª Parte - Acesso à Aplicação Avaliação Online... 4 I Aceder à Aplicação... 4 1. Inscrição... 4 2. Acesso à Aplicação...

Introdução... 3. 1ª Parte - Acesso à Aplicação Avaliação Online... 4 I Aceder à Aplicação... 4 1. Inscrição... 4 2. Acesso à Aplicação... Índice Introdução... 3 1ª Parte - Acesso à Aplicação Avaliação Online... 4 I Aceder à Aplicação... 4 1. Inscrição... 4 2. Acesso à Aplicação... 4 II Entrada na Aplicação... 5 1. Informações... 6 1. Avaliação

Leia mais

Diagnóstico de Situação em 2015. Diagnóstico de Situação em 2015 Prioridade II: Reforço da Segurança dos Doentes. Entidade: *

Diagnóstico de Situação em 2015. Diagnóstico de Situação em 2015 Prioridade II: Reforço da Segurança dos Doentes. Entidade: * Página 1 de 6 Entidade: * Centro Hospitalar do Porto, EPE Morada: Código Postal - N.º de camas: ARS: Tipologia: * ACES Hospital/Centro Hospitalar Unidade Local de Saúde PLANO DE ATIVIDADES Preenchimento

Leia mais

Visita a familiares e amigos e alojamento gratuito impulsionam deslocações dos residentes

Visita a familiares e amigos e alojamento gratuito impulsionam deslocações dos residentes PROCURA TURÍSTICA DOS RESIDENTES 4º Trimestre 2012 02 maio de 2013 Visita a familiares e amigos e alojamento gratuito impulsionam deslocações dos residentes No 4º trimestre de 2012, os residentes efetuaram

Leia mais

Ministério da Defesa Nacional Marinha. Escola Naval REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS DISCENTES DOS CICLOS DE ESTUDOS DA ESCOLA NAVAL

Ministério da Defesa Nacional Marinha. Escola Naval REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS DISCENTES DOS CICLOS DE ESTUDOS DA ESCOLA NAVAL Ministério da Defesa Nacional Marinha Escola Naval REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS DISCENTES DOS CICLOS DE ESTUDOS DA ESCOLA NAVAL Dezembro 2015 Índice por artigos CAP I Princípios gerais 1 Corpo discente

Leia mais

3 Método 3.1. Entrevistas iniciais

3 Método 3.1. Entrevistas iniciais 3 Método 3.1. Entrevistas iniciais Os primeiros passos para elaboração do questionário foram entrevistas semiestruturadas feitas pelo telefone com o objetivo de descobrir o tempo máximo de lembrança das

Leia mais

Avaliação do Pessoal Não Docente SIADAP

Avaliação do Pessoal Não Docente SIADAP Avaliação do Pessoal Não Docente SIADAP Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro com as alterações introduzidas pela Lei n.º 66-B/2012, de 31 de dezembro Page 1 SIADAP: PERIODICIDADE: bianual Requisitos para

Leia mais

A finalidade dos testes de hipóteses paramétrico é avaliar afirmações sobre os valores dos parâmetros populacionais.

A finalidade dos testes de hipóteses paramétrico é avaliar afirmações sobre os valores dos parâmetros populacionais. Prof. Janete Pereira Amador Introdução Os métodos utilizados para realização de inferências a respeito dos parâmetros pertencem a duas categorias. Pode-se estimar ou prever o valor do parâmetro, através

Leia mais

Medicamentos que contêm dextropropoxifeno com Autorização de Introdução no Mercado na União Europeia. Romidon 75mg/2ml Solução injectável

Medicamentos que contêm dextropropoxifeno com Autorização de Introdução no Mercado na União Europeia. Romidon 75mg/2ml Solução injectável ANEXO I LISTA DAS DENOMINAÇÕES FORMAS FARMACÊUTICAS, DOSAGENS, VIA DE ADMINISTRAÇÃO DOS MEDICAMENTOS, DOS TITULARES DAS AUTORIZAÇÕES DE INTRODUÇÃO NO MERCADO NOS ESTADOS-MEMBROS 1 Medicamentos que contêm

Leia mais

ELETRICIDADE ELETRICIDADE 1 DEZEMBRO 2014. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento

ELETRICIDADE ELETRICIDADE 1 DEZEMBRO 2014. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento ELETRICIDADE 1 DEZEMBRO 2014 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador Todos os consumidores de energia elétrica em Portugal continental podem livremente escolher o seu fornecedor desde

Leia mais

Estudo Sobre a Disseminação e Adopção das Variedades de Batata Doce de Polpa Alaranjada em Moçambique

Estudo Sobre a Disseminação e Adopção das Variedades de Batata Doce de Polpa Alaranjada em Moçambique Estudo Sobre a Disseminação e Adopção das Variedades de Batata Doce de Polpa Alaranjada em Moçambique Por: Maria Isabel Andrade, Abdul Naico e Jose Ricardo INIA/IITA-Moçambique, Tel.258 1 461610, e-mail:

Leia mais

ENFERMAGEM HUMANITÁRIA COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO

ENFERMAGEM HUMANITÁRIA COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO S. Tomé e Príncipe ENFERMAGEM HUMANITÁRIA COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO São Tomé e Príncipe A República Democrática de São Tomé e Príncipe, é um estado insular localizado no Golfo da Guiné. Composto

Leia mais

REGULAMENTO DO RANKING PARAIBANO 2015

REGULAMENTO DO RANKING PARAIBANO 2015 REGULAMENTO DO RANKING PARAIBANO 2015 DO RANKING, DOS OBJETIVOS E DENOMINAÇÕES Artigo 01. O Ranking Paraibano de Tênis será realizado pelo sistema portal do tênis paraibano, localizado no endereço eletrônico

Leia mais

FICHA TÉCNICA AUTORIA DESIGN IMPRESSÃO TIRAGEM ISBN DEPÓSITO LEGAL EDIÇÃO. Relatório Síntese. Rita Espanha, Patrícia Ávila, Rita Veloso Mendes

FICHA TÉCNICA AUTORIA DESIGN IMPRESSÃO TIRAGEM ISBN DEPÓSITO LEGAL EDIÇÃO. Relatório Síntese. Rita Espanha, Patrícia Ávila, Rita Veloso Mendes Relatório Síntese FICHA TÉCNICA AUTORIA Rita Espanha, Patrícia Ávila, Rita Veloso Mendes DESIGN IP design gráfico, Lda. IMPRESSÃO Jorge Fernandes, Lda. TIRAGEM 200 exemplares ISBN 978-989-8807-27-4 DEPÓSITO

Leia mais