Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios"

Transcrição

1 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios 2009 Manual de Entrevista - Suplemento Características de Segurança Alimentar dos Moradores do Domicílio Rio de Janeiro 2009

2

3 Sumário Apresentação...5 Introdução e Objetivo...7 Indicadores e Resultados de PARTE 21 Características de Segurança Alimentar dos Moradores do Domicílio Conceitos Básicos...13 Segurança Alimentar...13 Fome...13 Período de Referência...14 Quesitos 1 e 2 Quesito Quesito Os quesitos 3 a 9 referem-se a qualquer morador do domicílio. Quesito Quesito Quesito Quesito idade. Os quesitos 11 a 21 referem-se a qualquer um dos morador do domicílio com 18 anos ou mais de Quesito Quesito Quesito Quesito Quesito Quesito Quesito Os quesitos 23 a 34 referem-se a qualquer um dos morador do domicílio com menos de 18 anos de idade, caso exista. Quesito Quesito Quesito Quesito Quesito Quesito Quesito O quesito 36 refere-se a qualquer um dos moradores do domicílio. Quesito Períodos de referência para a Parte 21 Segurança Alimentar...31 Fluxo do Questionário...33

4

5 APRESENTAÇÃO A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - PNAD, implantada em 1967 tem se consolidado como um poderoso instrumento para subsidiar o planejamento econômico e social do País. A PNAD está estruturada para levantar temas: Básicos (habitação e trabalho que são associados às características demográficas, de educação e rendimento); Suplementares (migração, fecundidade, saúde e outros temas sócio econômicos que ampliem ou aprofundem a cobertura alcançada com os temas básicos); Especiais (devido à sua natureza podem demandar um tratamento especial, inclusive com um desenho de amostra distinto da pesquisa básica). Este Manual de Entrevista aborda aspectos e conceitos relacionados à Pesquisa Suplementar da PNAD 2009 Características de Segurança Alimentar dos Moradores do Domicílio, que foi investigada também em A Coordenação de Trabalho e Rendimento, da Diretoria de Pesquisas, responsável pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - PNAD - apresenta, neste documento, os procedimentos técnicos do trabalho de campo, que serão adotados na operação de entrevista destes suplementos, bem como os conceitos pertinentes. Marcia Maria Melo Quintslr Coordenação de Trabalho e Rendimento 5

6

7 INTRODUÇÃO E OBJETIVO A parte 21 do questionário destina-se à produção de informações sobre a segurança alimentar dos moradores do domicílio. Os quesitos desta parte buscam captar o acesso à alimentação de qualidade, em quantidade e regularidade adequada a um padrão de vida satisfatório. permitam: As informações contidas nesta parte têm como objetivo a obtenção de informações que delinear as condições de acesso a uma alimentação suficiente, segura e nutritiva que atenda às necessidades dietéticas para uma vida ativa e saudável; delinear as condições de segurança ou de insegurança alimentar existentes nos domicílios, avaliadas pelos moradores; identificar a segurança alimentar em dois níveis de intensidade: insegurança alimentar e fome; e em três dimensões: segurança alimentar no domicílio, segurança alimentar dos moradores de 18 anos ou mais do domicílio, e, segurança alimentar dos moradores de até 17 anos de idade do domicílio; fornecer elementos que permitam construir políticas públicas para erradicar a fome por meio de ações integradas que aliviem as condições de miséria da população. A parte 21 do questionário deverá ser respondida, uma única vez, por qualquer morador do domicílio ou por pessoa não moradora domicílio, desde que, capacitado para responder as perguntas. 7

8 INDICADORES E RESULTADOS DE 2004 A condição de segurança alimentar nos domicílios foi investigada, pela primeira vez, em âmbito nacional através da PNAD de Os resultados obtidos, propiciaram detectar, dimensionar e identificar as unidades domiciliares de acordo com sua condição de existência de Segurança Alimentar, permitindo, para os domicílios que estavam em Insegurança Alimentar, classificá-los segundo níveis de insegurança: leve, moderada ou grave (Segundo a Escala Brasileira de Insegurança Alimentar EBIA). A realização da pesquisa suplementar possibilitou a elaboração de diversos indicadores sobre o tema, potencializados pela demais variáveis já investigadas habitualmente pela PNAD. Como ilustração, o gráfico 1, a seguir, reproduzido da publicação de divulgação dos resultados de 2004, revela situação de insegurança alimentar grave para 6,5% dos domicílios brasileiros, naquele ano. Gráfico 1 Prevalência da situação de segurança alimentar em domicílios particulares, por Grandes Regiões ,2 72,9 76,5 68, ,6 46, ,0 12,3 6,5 18,3 17,1 10,9 19,5 21,6 12,4 14,9 8,4 3,8 12,7 7,3 3,5 16,2 10,2 4,7 Brasil Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-Oeste Segurança alimentar Insegurança alimentar moderada Insegurança alimentar leve Insegurança alimentar grave Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Trabalho e Rendimento, Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, Outros indicadores que podem ser calculados: 8

9 prevalência por situação de segurança alimentar segundo a situação do domicílio (urbana e rural); a composição da unidade domiciliar; a existência ou não de moradores menores de 18 anos de idade; o número de moradores; o sexo da pessoa de referência; o rendimento domiciliar per capita e segundo o recebimento de transferência de renda de programa social do governo. Para mais conhecer mais indicadores e resultados da Pesquisa Suplementar Características de Segurança Alimentar dos Moradores do Domicílio veja a publicação de divulgação dos resultados ou na internet em 9

10

11 Características de Segurança Alimentar dos Moradores Parte XXI Segurança Alimentar

12

13 CONCEITOS BÁSICOS Visando o entendimento dos objetivos desta parte, apresentamos a seguir algumas definições e conceitos utilizados pelos estudiosos do tema. SEGURANÇA ALIMENTAR A segurança alimentar é definida como a garantia de acesso contínuo à quantidade e qualidade suficientes de alimentos, obtidos por meio socialmente aceitável, de forma a assegurar o bem-estar e saúde dos indivíduos. FOME Entre as definições existentes sobre fome destacam-se duas: sensação fisiológica do organismo que gera o apetite e a vontade de comer. Trata-se de um fenômeno instintivo que leva à busca de alimentos para preservar a vida; e incapacidade ou incerteza de se obter o alimento em qualidade ou quantidade suficientes, por meios socialmente aceitos. Trata-se da insegurança alimentar que está relacionada com escassez de alimentos, falta de acesso aos alimentos, desnutrição e pobreza. A insegurança alimentar se expressa, também, pelo medo ou preocupação da pessoa em vir a ter fome. Esta segunda definição se enquadra no objetivo desta parte da pesquisa. 13

14 Período de Referência O período de referência dos últimos 3 meses, utilizado para esta parte 21, são os últimos 90 dias que antecedem ao dia da entrevista. QUESITOS 1 e 2 Estes quesitos não devem ser perguntados ao informante, são usados para controle da entrevista. Estes dois quesitos devem ser preenchidos antes de iniciar a entrevista desta parte. QUESITO 1 - O informante desta parte é: 1. Pessoa moradora do domicílio - quando algum morador do domicílio for responder às perguntas sobre as características de segurança alimentar do domicílio; ou 3. Pessoa não moradora do domicílio - quando pessoa não moradora do domicílio for responder às perguntas sobre as características de segurança alimentar do domicílio. QUESITO 2 - Número de ordem do informante desta parte Selecione o morador que for responder as perguntas sobre as características de segurança alimentar do domicílio, na Relação de moradores. 14

15 QUESITO 3 - Nos últimos 3 meses, os moradores deste domicílio tiveram a preocupação de que os alimentos acabassem antes de poderem comprar ou receber mais comida? Objetivo: captar se os moradores do domicílio (ou pelo menos um deles) ficaram preocupados por não terem certeza de que os alimentos que dispunham durassem até que fosse possível comprar ou receber mais comida que constitui a sua alimentação habitual. 1. Sim - quando, no período de referência, os moradores do domicílio (ou pelo menos um deles) tiveram a preocupação de que os alimentos que dispunham acabassem antes que pudessem comprar ou receber mais comida; ou 3. Não - quando, no período de referência, os moradores do domicílio não tiveram a preocupação de que os alimentos que dispunham acabassem antes que pudessem comprar ou receber mais comida. QUESITO 5 - Nos últimos 3 meses, os alimentos acabaram antes que os moradores deste domicílio tivessem dinheiro para comprar mais comida? Objetivo: captar se a comida disponível para os moradores do domicílio acabou antes que tivessem dinheiro para comprar mais alimentos que constituem as suas refeições habituais, sem considerar a existência dos alimentos secundários (óleo, manteiga, sal, açúcar etc.), pois estes sozinhos não constituem a alimentação básica. 15

16 1. Sim quando, no período de referência, os alimentos acabaram antes que os moradores do domicílio tivessem dinheiro para comprar mais comida; ou 3. Não - quando, no período de referência, os alimentos não acabaram até que os moradores tivessem dinheiro para comprar mais comida. QUESITO 7 - Nos últimos 3 meses, os moradores deste domicílio ficaram sem dinheiro para ter uma alimentação saudável e variada? Objetivo: captar se os moradores do domicílio ficaram sem dinheiro para ter uma alimentação saudável e variada. Entende-se por alimentação variada aquela composta por todo tipo de alimento, não incluindo o conceito de qualidade do alimento nem tão pouco restrições de uso por sua repercussão na saúde. A alimentação saudável inclui a preocupação com a qualidade. É aquela que não vai prejudicar a saúde das pessoas (é muito subjetivo, especialmente para pessoas em que a pobreza é tal que não têm dinheiro para comer). 1. Sim - quando, no período de referência, os moradores do domicílio ficaram sem dinheiro para ter uma alimentação saudável e variada; ou 16

17 3. Não - quando, no período de referência, os moradores do domicílio não ficaram sem dinheiro para ter uma alimentação saudável e variada. QUESITO 9 - Nos últimos 3 meses, os moradores deste domicílio comeram apenas alguns alimentos que ainda tinham porque o dinheiro acabou? Objetivo: captar se os moradores do domicílio comeram apenas alguns alimentos que ainda tinham porque o dinheiro acabou. 1. Sim - quando, no período de referência dos últimos 3 meses, os moradores do domicílio comeram apenas alguns alimentos que ainda tinham porque o dinheiro acabou; ou 1 3. Não - quando, no período de referência dos últimos 3 meses, os moradores do domicílio não tiveram que comer apenas alguns alimentos que ainda tinham porque não ficaram sem dinheiro. PARA PESSOAS DE 18 ANOS OU MAIS DE IDADE QUESITOS 11 A 21 Os quesitos 11 a 21 referem-se aos moradores com 18 anos ou mais de idade. Eles somente serão respondidos quando, em pelo menos um dos quesitos 3, 5, 7 ou 9, houver uma resposta SIM. Caso contrário, esta parte da entrevista será encerrada. 17

18 QUESITO 11 - Nos últimos 3 meses, algum morador de 18 anos ou mais de idade diminuiu, alguma vez, a quantidade de alimentos nas refeições porque não havia dinheiro para comprar comida? Objetivo: captar se algum morador do domicílio de 18 anos ou mais de idade (nascidos antes de 26/09/1991) diminuiu, alguma vez, a quantidade de alimentos nas refeições porque não havia dinheiro para comprar comida. 1. Sim - quando, no período de referência, algum morador de 18 anos ou mais de idade diminuiu, alguma vez, a quantidade de alimentos nas refeições porque não havia dinheiro para comprar comida; ou 3. Não - quando, no período de referência, nenhum morador de 18 anos ou mais de idade diminuiu, alguma vez, a quantidade de alimentos nas refeições porque não havia dinheiro para comprar comida. QUESITO 13 - Nos últimos 3 meses, algum morador de 18 anos ou mais de idade deixou de fazer alguma refeição porque não havia dinheiro para comprar comida? Objetivo: captar se algum morador do domicílio de 18 anos ou mais de idade (nascidos antes de 26/09/1991), deixou de fazer alguma refeição porque não havia dinheiro para comprar comida. Ou seja, se eliminou uma refeição durante o dia por não haver comida suficiente para todas as refeições, devido à falta de dinheiro. 1. Sim - quando, no período de referência, algum morador de 18 anos ou mais de idade deixou de fazer alguma refeição porque não havia dinheiro para comprar comida; ou 18

19 3. Não - quando, no período de referência, nenhum morador de 18 anos ou mais de idade deixou de fazer alguma refeição porque não havia dinheiro para comprar comida. QUESITO 15 - Nos últimos 3 meses, algum morador de 18 anos ou mais de idade, alguma vez, comeu menos porque não havia dinheiro para comprar comida? Objetivo: captar se algum morador de 18 anos ou mais de idade comeu menos porque não havia dinheiro suficiente para comprar comida. 1.Sim - quando, no período de referência, algum morador de 18 anos ou mais de idade comeu menos porque não havia dinheiro suficiente para comprar comida; ou 3. Não - quando, no período de referência, nenhum morador de 18 anos ou mais de idade comeu menos porque não havia dinheiro suficiente para comprar comida. QUESITO 17 - Nos últimos 3 meses, algum morador de 18 anos ou mais de idade, alguma vez, sentiu fome mas não comeu porque não havia dinheiro para comprar comida? Objetivo: captar se algum morador de 18 anos ou mais de idade sentiu fome mas não comeu porque não havia dinheiro para comprar comida. 1. Sim - quando, no período de referência, algum morador de 18 anos ou mais de idade sentiu fome, mas não comeu porque não havia dinheiro para comprar comida; ou 19

20 3. Não - quando, no período de referência, nenhum morador de 18 anos ou mais de idade sentiu fome ou não comeu porque não havia dinheiro para comprar comida suficiente. QUESITO 19 - Nos últimos 3 meses, algum morador de 18 anos ou mais de idade perdeu peso porque não comeu quantidade suficiente de comida devido à falta de dinheiro para comprar comida? Objetivo: captar se algum morador de 18 anos ou mais de idade perdeu peso porque não comeu quantidade suficiente de comida devido à falta de dinheiro para comprar comida. Ou seja, se foi percebido um possível emagrecimento de algum morador de 18 anos ou mais por não ter comido suficientemente, mesmo que essa perda de peso não seja expressiva ou mensurada por balança. 1. Sim - quando, no período de referência, algum morador de 18 anos ou mais de idade perdeu peso porque não comeu quantidade suficiente de comida devido à falta de dinheiro para comprar comida; ou 2. Não - quando, no período de referência, nenhum morador de 18 anos ou mais de idade perdeu peso porque não comeu quantidade suficiente de comida devido à falta de dinheiro para comprar comida. 20

21 QUESITO 20 - Nos últimos 3 meses, a quantidade de peso perdida por algum morador de 18 anos ou mais de idade porque não havia dinheiro para comprar comida foi: Objetivo: captar a quantidade de peso perdida por algum morador de 18 anos ou mais de idade porque não havia dinheiro para comprar comida. No caso de haver mais de um morador que perdeu peso porque não havia dinheiro para comprar comida, a avaliação deve ser feita em relação ao que apresentou perda de peso corporal mais expressiva. 2. Muita - quando, no período de referência, algum morador de 18 anos ou mais de idade, por não ter comido o suficiente devido à falta de dinheiro para comprar comida, teve perda de peso que qualificou como muita; 4. Média - quando, no período de referência, algum morador de 18 anos ou mais de idade, por não ter comido o suficiente devido à falta de dinheiro para comprar comida, teve perda de peso que qualificou como média; ou 6. Pouca - quando, no período de referência, algum morador de 18 anos ou mais de idade, por não ter comido o suficiente devido à falta de dinheiro para comprar comida, teve perda de peso que qualificou como pouca. 21

22 QUESITO 21 - Nos últimos 3 meses, algum morador de 18 anos ou mais de idade, alguma vez, fez apenas uma refeição ou ficou um dia inteiro sem comer porque não havia dinheiro para comprar comida? Objetivo: captar se algum morador de 18 anos ou mais de idade, alguma vez, fez apenas uma refeição ou ficou um dia inteiro sem comer porque não havia dinheiro para comprar comida.. 1. Sim - quando, no período de referência, algum morador de 18 anos ou mais de idade, alguma vez, fez apenas uma refeição ou ficou um dia inteiro sem comer porque não havia dinheiro para comprar comida; ou 3. Não - quando, no período de referência, nenhum morador de 18 anos ou mais de idade fez apenas uma refeição ou ficou um dia inteiro sem comer porque não havia dinheiro para comprar comida. QUESITO 23 Este quesito não deve ser perguntado ao informante. É usado para controle da entrevista. QUESITO 23 - Existência de morador de 0 a 17 anos de idade (nascidos de 26/09/1986 a 25/09/2004): 1. Tem - quando, no domicílio, existir algum morador de 0 a 17 anos de idade (nascido de 26/09/1991 a 25/09/2009); ou 22

23 3. Não tem - quando, no domicílio, não existir nenhum morador de 0 a 17 anos de idade (nascido de 26/09/1991 a 25/09/2009). PARA PESSOAS DE 0 a 17 ANOS DE IDADE QUESITOS 24 a 34 Os quesitos 24 a 34 devem ser perguntados somente se houver morador de 0 a 17 anos de idade no domicílio (nascidos de 26/09/1991 a 25/09/2009). QUESITO 24 - Nos últimos 3 meses, algum morador com menos de 18 anos de idade, alguma vez, deixou de ter uma alimentação saudável e variada porque não havia dinheiro para comprar comida? Objetivo: captar se algum morador com menos de 18 anos de idade, alguma vez, deixou de ter uma alimentação saudável e variada porque não havia dinheiro para comprar comida. Ver definição de alimentação saudável e variada no Quesito Sim - quando, no período de referência, algum morador com menos de 18 anos de idade, alguma vez, deixou de ter uma alimentação saudável e variada porque não havia dinheiro para comprar comida; ou 4. Não - quando, no período de referência, nenhum morador com menos de 18 anos de idade, alguma vez, deixou de ter uma alimentação saudável e variada porque não havia dinheiro para comprar comida. 23

24 QUESITO 26 - Nos últimos 3 meses, algum morador com menos de 18 anos de idade, alguma vez, não comeu quantidade suficiente de comida porque não havia dinheiro para comprar comida? Objetivo: captar se algum morador com menos de 18 anos de idade, alguma vez, não comeu quantidade suficiente de comida porque não havia dinheiro para comprar. 2. Sim - quando, no período de referência dos últimos 3 meses, algum morador com menos de 18 anos de idade, alguma vez, não comeu quantidade suficiente de comida porque não havia dinheiro para comprar; ou 4. Não - quando, no período de referência dos últimos 3 meses, nenhum morador com menos de 18 anos de idade deixou de comer a quantidade suficiente de comida porque não havia dinheiro para comprar QUESITO 28 - Nos últimos 3 meses, alguma vez foi diminuída a quantidade de alimentos das refeições de algum morador com menos de 18 anos de idade porque não havia dinheiro para comprar a comida? Objetivo: captar se alguma vez foi diminuída a quantidade de alimentos das refeições de algum morador com menos de 18 anos de idade porque não havia dinheiro para comprar a comida. 2. Sim - quando, no período de referência, alguma vez foi diminuída a quantidade de alimentos das refeições de algum morador com menos 24

25 de 18 anos de idade porque não havia dinheiro para comprar a comida; ou 4. Não - quando, no período de referência, nenhuma vez foi diminuída a quantidade de alimentos das refeições de algum morador com menos de 18 anos de idade porque não havia dinheiro para comprar a comida. QUESITO 30 - Nos últimos 3 meses, alguma vez algum morador com menos de 18 anos de idade deixou de fazer uma refeição porque não havia dinheiro para comprar a comida? Objetivo: captar se alguma vez, algum morador com menos de 18 anos de idade deixou de fazer uma refeição porque não havia dinheiro para comprar a comida. 2. Sim - quando, no período de referência, alguma vez, algum morador com menos de 18 anos de idade deixou de fazer uma refeição porque não havia dinheiro para comprar a comida; ou 4. Não - quando, no período de referência, nenhum morador com menos de 18 anos de idade deixou de fazer uma refeição porque não havia dinheiro para comprar a comida. QUESITO 32 - Nos últimos 3 meses, alguma vez algum morador com menos de 18 anos de idade sentiu fome, mas não comeu porque não havia dinheiro para comprar comida? Objetivo: captar se, alguma vez, algum morador com menos de 18 anos de idade teve fome, mas não comeu porque não havia dinheiro para comprar comida. 25

26 2. Sim - quando, no período de referência dos últimos 3 meses, alguma vez, algum morador com menos de 18 anos de idade sentiu fome, mas não comeu porque não havia dinheiro para comprar comida; ou 4. Não - quando, no período de referência dos últimos 3 meses, nenhum morador com menos de 18 anos de idade sentiu fome, mas não comeu porque não havia dinheiro para comprar comida. QUESITO 34 - Nos últimos 3 meses, alguma vez algum morador com menos de 18 anos de idade ficou sem comer por um dia inteiro porque não havia dinheiro para comprar comida? Objetivo: captar se alguma vez, algum morador com menos de 18 anos de idade ficou sem comer por um dia inteiro porque não havia dinheiro para comprar comida. 2. Sim - quando, no período de referência, alguma vez, algum morador com menos de 18 anos de idade ficou sem comer por um dia inteiro porque não havia dinheiro para comprar comida; ou 3. Não - quando, no período de referência, nenhum morador com menos de 18 anos de idade ficou sem comer por um dia inteiro porque não havia dinheiro para comprar comida. 26

27 QUESITO 36 O quesitos 36 refere-se a qualquer morador do domicílio. QUESITO 36 - Nos últimos 3 meses, alguma vez algum morador deste domicílio recebeu ajuda em alimentos de alguma instituição, de empregador ou de pessoa não moradora deste domicílio? Objetivo: captar se, alguma vez, algum morador do domicílio recebeu ajuda em alimentos de alguma instituição, de empregador ou de pessoa não moradora deste domicílio. 2. Sim - quando, no período de referência, alguma vez, algum morador do domicílio recebeu ajuda em alimentos de alguma instituição, de empregador ou de pessoa não moradora deste domicílio; 4. Não - quando, no período de referência, nenhum morador do domicílio recebeu ajuda em alimentos de alguma instituição, de empregador ou de pessoa não-moradora deste domicílio; ou 27

28

29 PERÍODOS DE REFERÊNCIA PARA A PARTE 21 SEGURANÇA ALIMENTAR

30

31 Últimos Data Últimos Data Últimos Três da Três da Três Meses Entrevista Meses Entrevista Meses 01 de outubro 03/07 a 30/09 01 de novembro 03/08 a 31/10 01 de dezembro 02/09 a 30/11 02 de outubro 04/07 a 01/10 02 de novembro 04/08 a 01/11 02 de dezembro 03/09 a 01/12 03 de outubro 05/07 a 02/10 03 de novembro 05/08 a 02/11 03 de dezembro 04/09 a 02/12 04 de outubro 06/07 a 03/10 04 de novembro 06/08 a 03/11 04 de dezembro 05/09 a 03/12 05 de outubro 07/07 a 04/10 05 de novembro 07/08 a 04/11 05 de dezembro 06/09 a 04/12 06 de outubro 08/07 a 05/10 06 de novembro 08/08 a 05/11 06 de dezembro 07/09 a 05/12 07 de outubro 09/07 a 06/10 07 de novembro 09/08 a 06/11 07 de dezembro 08/09 a 06/12 08 de outubro 10/07 a 07/10 08 de novembro 10/08 a 07/11 08 de dezembro 09/09 a 07/12 09 de outubro 11/07 a 08/10 09 de novembro 11/08 a 08/11 09 de dezembro 10/09 a 08/12 10 de outubro 12/07 a 09/10 10 de novembro 12/08 a 09/11 10 de dezembro 11/09 a 09/12 11 de outubro 13/07 a 10/10 11 de novembro 13/08 a 10/11 11 de dezembro 12/09 a 10/12 12 de outubro 14/07 a 11/10 12 de novembro 14/08 a 11/11 12 de dezembro 13/09 a 11/12 13 de outubro 15/07 a 12/10 13 de novembro 15/08 a 12/11 13 de dezembro 14/09 a 12/12 14 de outubro 16/07 a 13/10 14 de novembro 16/08 a 13/11 14 de dezembro 15/09 a 13/12 15 de outubro 17/07 a 14/10 15 de novembro 17/08 a 14/11 15 de dezembro 16/09 a 14/12 16 de outubro 18/07 a 15/10 16 de novembro 18/08 a 15/11 16 de dezembro 17/09 a 15/12 17 de outubro 19/07 a 16/10 17 de novembro 19/08 a 16/11 17 de dezembro 18/09 a 16/12 18 de outubro 20/07 a 17/10 18 de novembro 20/08 a 17/11 18 de dezembro 19/09 a 17/12 19 de outubro 21/07 a 18/10 19 de novembro 21/08 a 18/11 19 de dezembro 20/09 a 18/12 20 de outubro 22/07 a 19/10 20 de novembro 22/08 a 19/11 20 de dezembro 21/09 a 19/12 21 de outubro 23/07 a 20/10 21 de novembro 23/08 a 20/11 21 de dezembro 22/09 a 20/12 22 de outubro 24/10 a 21/10 22 de novembro 24/08 a 21/11 22 de dezembro 23/09 a 21/12 23 de outubro 25/07 a 22/10 23 de novembro 25/08 a 22/11 23 de dezembro 24/09 a 22/12 24 de outubro 26/07 a 23/10 24 de novembro 26/08 a 23/11 24 de dezembro 25/09 a 23/12 25 de outubro 27/07 a 24/10 25 de novembro 27/08 a 24/11 25 de dezembro 26/09 a 24/12 26 de outubro 28/07 a 25/10 26 de novembro 28/08 a 25/11 26 de dezembro 27/09 a 25/12 27 de outubro 29/07 a 26/10 27 de novembro 29/08 a 26/11 27 de dezembro 28/09 a 26/12 28 de outubro 30/07 a 27/10 28 de novembro 30/08 a 27/11 28 de dezembro 29/09 a 27/12 29 de outubro 31/07 a 28/10 29 de novembro 31/08 a 28/11 29 de dezembro 30/09 a 28/12 30 de outubro 01/08 a 29/10 30 de novembro 01/09 a 29/11 30 de dezembro 01/10 a 29/12 31 de outubro 02/08 a 30/10 31 de dezembro 02/10 a 30/12 31

32

33 FLUXO DO QUESTIONÁRIO SUPLEMENTAR SOBRE SEGURANÇA ALIMENTAR 3 Nos últimos 3 meses, os moradores deste domicílio tiveram a preocupação de que os alimentos acabassem antes de poderem comprar ou receber mais comida? Sim ou Não 5 Nos últimos 3 meses, os alimentos acabaram antes que os moradores destes domicílio tivessem dinheiro para comprar mais comida? 7 Nos últimos 3 meses, os moradores deste domicílio ficaram sem dinheiro para ter uma alimentação saudável e variada? 9 Nos últimos 3 meses, os moradores deste domicílio comeram apenas alguns alimentos que ainda tinham porque o dinheiro acabou? Se Q3=1 ou Q5=1 ou Q7= 1 siga 11.Caso contrário encerre a entrevista 13 Nos últimos 3 meses, algum morador de 18 anos ou mais de idade deixou de fazer alguma refeição porque não havia dinheiro para comprar comida? 17 - Nos últimos 3 meses, algum morador de 18 anos ou mais de idade, alguma vez, sentiu fome mas não comeu porque não havia dinheiro para comprar comida? 11 Nos últimos 3 meses, algum morador de 18 anos ou mais de idade diminuiu, alguma vez, a quantidade de alimentos nas refeições porque não havia dinheiro para comprar comida? 15 Nos últimos 3 meses, algum morador de 18 anos ou mais de idade, alguma vez, comeu menos do que achou que devia porque não havia dinheiro para comprar comida? 33

34 19 Nos últimos 3 meses, algum morador de 18 anos ou mais de idade perdeu peso porque não comeu quantidade suficiente de comida devido à falta de dinheiro para comprar comida? Sim 20 Nos últimos 3 meses, a quantidade de peso perdida por algum morador de 18 anos ou mais de idade porque não havia dinheiro para comprar comida foi: Não 21 Nos últimos 3 meses, algum morador de 18 anos ou mais de idade, alguma vez, fez apenas uma refeição ou ficou um dia inteiro sem comer porque não havia dinheiro para comprar comida? Muita Média Pouca Sim ou Não 23 Existência de morador de 0 a 17 anos de idade (nascidos de 26/09/1991 a 25/09/2009): Têm Não têm Passe ao Nos últimos 3 meses, algum morador com menos de 18 anos de idade, alguma vez, deixou de ter uma alimentação saudável e variada porque não havia dinheiro para comprar comida? Sim ou Não 26 - Nos últimos 3 meses, algum morador com menos de 18 anos de idade, alguma vez, não comeu quantidade suficiente de comida porque não havia dinheiro para comprar comida? 34

35 28 - Nos últimos 3 meses, alguma vez foi diminuída a quantidade de alimentos das refeições de algum morador com menos de 18 anos de idade porque não havia dinheiro para comprar comida? 30 Nos últimos 3 meses, alguma vez algum morador com menos de 18 anos de idade deixou de fazer uma refeição porque não havia dinheiro para comprar comida? 32 Nos últimos 3 meses, alguma vez algum morador com menos de 18 anos de idade sentiu fome, mas não comeu porque não havia dinheiro para comprar comida? 34 Nos últimos 3 meses, alguma vez, algum morador com menos de 18 anos de idade fez apenas uma refeição ao dia ou ficou sem comer por um dia inteiro porque não havia dinheiro para comprar comida? 36 - Nos últimos 3 meses, alguma vez, algum morador deste domicílio recebeu ajuda em alimentos de alguma instituição, de empregador ou de pessoa não moradora deste domicílio? Encerre o questionário 35

CARACTERÍSTICAS DE SEGURANÇA ALIMENTAR DOS MORADORES DO DOMICÍLIO

CARACTERÍSTICAS DE SEGURANÇA ALIMENTAR DOS MORADORES DO DOMICÍLIO Os quesitos e não devem ser perguntados ao informante. São de controle da entrevista Nos últimos meses, com que freqüência os alimentos acabaram antes que os moradores deste domicílio tivessem dinheiro

Leia mais

PESQUISA NACIONAL POR Amostra de domicílios IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

PESQUISA NACIONAL POR Amostra de domicílios IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística PESQUISA NACIONAL POR Amostra de domicílios T RABALHO I NFANTIL 2 0 0 1 IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento,

Leia mais

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros 1 of 5 11/26/2010 2:57 PM Comunicação Social 26 de novembro de 2010 PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009 Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros O número de domicílios

Leia mais

Informações em Saúde. Dados de Inquéritos. Zilda Pereira da Silva

Informações em Saúde. Dados de Inquéritos. Zilda Pereira da Silva Informações em Saúde Dados de Inquéritos Populacionais Zilda Pereira da Silva Inquéritos Populacionais Estudos de corte transversal, únicos ou periódicos, onde são coletadas informações das pessoas que

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Assunto: O perfil da Extrema Pobreza no Brasil com base nos dados preliminares do universo do Censo 2010. 1. INTRODUÇÃO O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Leia mais

Insegurança Alimentar no Brasil - PNDS 2006 MS- CEBRAP

Insegurança Alimentar no Brasil - PNDS 2006 MS- CEBRAP Insegurança Alimentar no Brasil - PNDS 2006 MS- CEBRAP Prof. Ana Maria Segall Corrêa Dra. Leticia Marín-León Departamento de Medicina Preventiva e Social FCM - UNICAMP segall@fcm.unicamp.br OBJETIVOS Apresentar

Leia mais

POBREZA, SEGURANÇA ALIMENTAR E SAÚDE NO BRASIL

POBREZA, SEGURANÇA ALIMENTAR E SAÚDE NO BRASIL POBREZA, SEGURANÇA ALIMENTAR E SAÚDE NO BRASIL Escrito por: Angela Kageyama Rodolfo Hoffmann Consultora: FECAMP Contrato: 206066 ÌNDICE Insegurança alimentar, educação e na PNAD de 2004... 3. Dados gerais

Leia mais

Sessão 4: Avaliação na perspectiva de diferentes tipos de organizações do setor sem fins lucrativos

Sessão 4: Avaliação na perspectiva de diferentes tipos de organizações do setor sem fins lucrativos Sessão 4: Avaliação na perspectiva de diferentes tipos de organizações do setor sem fins lucrativos Avaliação Econômica como instrumento para o aprimoramento da gestão das ações sociais 26/09/2013 Fundação

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012 Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012 Rio de Janeiro, 19 / 06 / 2013 1 - Introdução 2 - Objetivos 3 - Coleta dos Dados 4 - Instrumentos de Coleta 5 - Temas abordados 6 - Universo da Pesquisa 7 - Análise

Leia mais

3 O Panorama Social Brasileiro

3 O Panorama Social Brasileiro 3 O Panorama Social Brasileiro 3.1 A Estrutura Social Brasileira O Brasil é um país caracterizado por uma distribuição desigual de renda. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios

Leia mais

Dimensão social. Habitação

Dimensão social. Habitação Dimensão social Habitação Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 235 39 Adequação de moradia Este indicador expressa as condições de moradia através da proporção de domicílios com condições

Leia mais

PUBLICO ESCOLAR QUE VISITA OS ESPAÇOS NÃO FORMAIS DE MANAUS DURANTE A SEMANA DO MEIO AMBIENTE

PUBLICO ESCOLAR QUE VISITA OS ESPAÇOS NÃO FORMAIS DE MANAUS DURANTE A SEMANA DO MEIO AMBIENTE PUBLICO ESCOLAR QUE VISITA OS ESPAÇOS NÃO FORMAIS DE MANAUS DURANTE A SEMANA DO MEIO AMBIENTE Marcia Karina Santos Ferreira 1 ; Augusto Fachín Terán 2 ¹Licenciada em Pedagogia. Universidade do Estado do

Leia mais

Aula 3 Introdução à Avaliação de Impacto

Aula 3 Introdução à Avaliação de Impacto Aula 3 Introdução à Avaliação de Impacto Avaliação de Impacto Identifica se o projeto social afetou um ou mais indicadores de impacto Plano de Aula Conceito de Mensuração e Causalidade; Conceito de Contrafactual

Leia mais

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal Diretoria de Pesquisas Departamento Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal Data 06/04/16 Histórico INVESTIGAÇÃO DO TEMA TIC 2001... 2005 2008 2009 2011 2012

Leia mais

Efeitos das ações educativas do Curso de Qualificação Profissional Formação de Jardineiros na vida dos participantes.

Efeitos das ações educativas do Curso de Qualificação Profissional Formação de Jardineiros na vida dos participantes. Efeitos das ações educativas do Curso de Qualificação Profissional Formação de Jardineiros na vida dos participantes. Katiúcia Dias Fernandes 1 Silvério José Coelho 2 Introdução Entre os grandes temas

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome O Brasil assume o desafio de acabar com a miséria O Brasil assume o desafio de acabar com a

Leia mais

INTERPRETANDO A GEOMETRIA DE RODAS DE UM CARRO: UMA EXPERIÊNCIA COM MODELAGEM MATEMÁTICA

INTERPRETANDO A GEOMETRIA DE RODAS DE UM CARRO: UMA EXPERIÊNCIA COM MODELAGEM MATEMÁTICA INTERPRETANDO A GEOMETRIA DE RODAS DE UM CARRO: UMA EXPERIÊNCIA COM MODELAGEM MATEMÁTICA Marcos Leomar Calson Mestrando em Educação em Ciências e Matemática, PUCRS Helena Noronha Cury Doutora em Educação

Leia mais

5 Considerações finais

5 Considerações finais 5 Considerações finais 5.1. Conclusões A presente dissertação teve o objetivo principal de investigar a visão dos alunos que se formam em Administração sobre RSC e o seu ensino. Para alcançar esse objetivo,

Leia mais

12 DE JUNHO, DIA DE COMBATE A EXPLORAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA NO PIBID DE GEOGRAFIA

12 DE JUNHO, DIA DE COMBATE A EXPLORAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA NO PIBID DE GEOGRAFIA 12 DE JUNHO, DIA DE COMBATE A EXPLORAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA NO PIBID DE GEOGRAFIA Resumo O presente trabalho tem como objetivo relatar uma experiência desenvolvida no Programa

Leia mais

A APRENDIZAGEM DO ALUNO NO PROCESSO DE INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO DE CASO

A APRENDIZAGEM DO ALUNO NO PROCESSO DE INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO DE CASO ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 A APRENDIZAGEM DO ALUNO NO PROCESSO DE INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO DE CASO Alexsandra Magne Rubino

Leia mais

Resultados preliminares e análise do Indicador Multidimensional de Pobreza (MPI-OPHI) e IDH-M 2010 (PNUD)

Resultados preliminares e análise do Indicador Multidimensional de Pobreza (MPI-OPHI) e IDH-M 2010 (PNUD) Resultados preliminares e análise do Indicador Multidimensional de Pobreza (MPI-OPHI) e IDH-M 2010 (PNUD) Departamento de Monitoramento (DM) Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação (SAGI) Ministério

Leia mais

Educação Patrimonial Centro de Memória

Educação Patrimonial Centro de Memória Educação Patrimonial Centro de Memória O que é história? Para que serve? Ambas perguntas são aparentemente simples, mas carregam uma grande complexidade. É sobre isso que falarei agora. A primeira questão

Leia mais

BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE. 53

BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE. 53 CAPÍTULO6 BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE. 53 Aspectos de gênero O Programa Bolsa Família privilegia como titulares as mulheres-mães (ou provedoras de cuidados), público que aflui às políticas de assistência

Leia mais

Será uma carta entregue em mãos após uma marcha que terá início em São Paulo logo após a eleição e terminará no Palácio do Planalto em Brasília.

Será uma carta entregue em mãos após uma marcha que terá início em São Paulo logo após a eleição e terminará no Palácio do Planalto em Brasília. Pesquisa de Opinião CONTEXTO Carta de um Brasileiro é um movimento de mobilização social com objetivo de entregar à Presidente da República eleita em outubro de 2010 os principais desejos e necessidades

Leia mais

ESTATÍSTICA BÁSICA NO CURSO DE TÉCNICO INTEGRADO DE SEGURANÇA DO TRABALHO

ESTATÍSTICA BÁSICA NO CURSO DE TÉCNICO INTEGRADO DE SEGURANÇA DO TRABALHO ESTATÍSTICA BÁSICA NO CURSO DE TÉCNICO INTEGRADO DE SEGURANÇA DO TRABALHO Fabíola Nascimento dos Santos Paes Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco fabiola.paes@gmail.com Dorghisllany

Leia mais

DIFERENCIAIS SOCIODEMOGRÁFICOS ENTRE OS IDOSOS NO BRASIL

DIFERENCIAIS SOCIODEMOGRÁFICOS ENTRE OS IDOSOS NO BRASIL Seminário sobre Educação Superior e Envelhecimento Populacional no Brasil MEC - SESU/CAPES DIFERENCIAIS SOCIODEMOGRÁFICOS ENTRE OS IDOSOS NO BRASIL Maria Isabel Parahyba Coordenação de População e Indicadores

Leia mais

Modos de vida no município de Paraty - Ponta Negra

Modos de vida no município de Paraty - Ponta Negra Modos de vida no município de Paraty - Ponta Negra Resultados gerais Dezembro 2010 Projeto Community-based resource management and food security in coastal Brazil (Universidade Estadual de Campinas/UNICAMP)

Leia mais

Quinta-feira, 08.09.11

Quinta-feira, 08.09.11 Quinta-feira, 08.09.11 Veja os destaques de hoje e do feriado: 1. 1º FormaGoiás 2. Programa Bolsa Universitária 3. Artigo: Goiás, de maria-fumaça a trem-bala 4. Valéria Perillo será patronesse do Goiânia

Leia mais

Pesquisa de Orçamentos Familiares

Pesquisa de Orçamentos Familiares Pesquisa de Orçamentos Familiares IBGE (parte 1) Daniel Lourenço Silva, Lélio Lima Prado e Lívia Duarte Universidade Federal de Juiz de Fora Abril 2012 UFJF (Institute) ECONS - Laboratório de Economia

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Areado, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 282,6 km² IDHM 2010 0,727 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 13731 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Alto Boa Vista, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2248,35 km² IDHM 2010 0,651 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 5247 hab. Densidade

Leia mais

Avaliação Econômica. Relação entre Desempenho Escolar e os Salários no Brasil

Avaliação Econômica. Relação entre Desempenho Escolar e os Salários no Brasil Avaliação Econômica Relação entre Desempenho Escolar e os Salários no Brasil Objetivo da avaliação: identificar o impacto do desempenho dos brasileiros na Educação Básica em sua renda futura. Dimensões

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Botelhos, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 335,24 km² IDHM 2010 0,702 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 14920 hab. Densidade

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO DA INICIATIVA

DESCRIÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO DA INICIATIVA DESCRIÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO DA INICIATIVA Como é sabido existe um consenso de que é necessário imprimir qualidade nas ações realizadas pela administração pública. Para alcançar esse objetivo, pressupõe-se

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Santos, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 281,35 km² IDHM 2010 0,840 Faixa do IDHM Muito Alto (IDHM entre 0,8 e 1) (Censo 2010) 419400 hab. Densidade

Leia mais

Brasil avança em duas áreas da Matemática

Brasil avança em duas áreas da Matemática PISA 2003 - BRASIL O Brasil mostrou alguns avanços na segunda edição do Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa). Foi o que mais cresceu em duas das áreas avaliadas da Matemática, melhorou

Leia mais

Resultados da Pesquisa IDIS de Investimento Social na Comunidade 2004

Resultados da Pesquisa IDIS de Investimento Social na Comunidade 2004 Resultados da Pesquisa IDIS de Investimento Social na Comunidade 2004 Por Zilda Knoploch, presidente da Enfoque Pesquisa de Marketing Este material foi elaborado pela Enfoque Pesquisa de Marketing, empresa

Leia mais

OS SABERES PROFISSIONAIS PARA O USO DE RECURSOS TECNOLÓGICOS NA ESCOLA

OS SABERES PROFISSIONAIS PARA O USO DE RECURSOS TECNOLÓGICOS NA ESCOLA OS SABERES PROFISSIONAIS PARA O USO DE RECURSOS TECNOLÓGICOS NA ESCOLA Suzana Marssaro do Santos - suzanamarsaro@hotmail.com Priscila Moessa Bezerra - p-moessabezerra@hotmail.com Célia Regina de Carvalho

Leia mais

Pesquisa de Orçamentos Familiares Simplificada - POF Simplificada. 11º Fórum SIPD

Pesquisa de Orçamentos Familiares Simplificada - POF Simplificada. 11º Fórum SIPD Pesquisa de Orçamentos Familiares Simplificada - POF Simplificada 11º Fórum SIPD Rio de Janeiro 12 de dezembro de 2011 Conteúdo da apresentação Introdução Aspectos metodológicos Resultados preliminares

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese 2014 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese Dieese Subseção Força Sindical 19/09/2014 PESQUISA NACIONAL POR AMOSTRA DE DOMICILIOS - PNAD 2013 Síntese dos Indicadores POPULAÇÃO A Pesquisa

Leia mais

AULA 13 Dados verbais

AULA 13 Dados verbais 1 AULA 13 Dados verbais Ernesto F. L. Amaral 05 de maio de 2011 Metodologia (DCP 033) Fonte: Flick, Uwe. 2009. Desenho da pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed. pp.105-118. OBJETIVO DA AULA 2 Apresentar

Leia mais

Avaliação do plano de gerenciamento dos RCC em Santa Maria.

Avaliação do plano de gerenciamento dos RCC em Santa Maria. Avaliação do plano de gerenciamento dos RCC em Santa Maria. Resumo Mirdes Fabiana Hengen 1 1 Centro Universitário Franciscano (mirdes_hengen@yahoo.com.br) Com a Resolução nº 307, de 05 de Julho de 2002,

Leia mais

CURSO DE PSICOLOGIA. Trabalho de Conclusão de Curso Resumos 2011.2

CURSO DE PSICOLOGIA. Trabalho de Conclusão de Curso Resumos 2011.2 CURSO DE PSICOLOGIA Trabalho de Conclusão de Curso Resumos 2011.2 COORDENADORA DO CURSO: Prof.ª Mônica Ramos Daltro SALVADOR TEMA: Contribuições da Teoria do Pensamento Complexo Para a Área da Psicologia

Leia mais

O modelo lógico para um protocolo de atendimento à gestante. Gabriele dos Anjos e Isabel Rückert - FEE

O modelo lógico para um protocolo de atendimento à gestante. Gabriele dos Anjos e Isabel Rückert - FEE O modelo lógico para um protocolo de atendimento à gestante Gabriele dos Anjos e Isabel Rückert - FEE Apresentar os resultados da elaboração do modelo lógico para uma política de saúde. Trata-se da iniciativa

Leia mais

Resultado da Avaliação das Disciplinas

Resultado da Avaliação das Disciplinas Avaliação Curso Direito Imobiliário Registral Aplicado aos Bens Públicos DISCIPLINAS: 1- Propriedade e demais direitos reais 2- Modos de aquisição e perda da propriedade e demais direitos reais CARGA HORÁRIA:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA POLÍTICA CURSO DE GESTÃO PÚBLICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA POLÍTICA CURSO DE GESTÃO PÚBLICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA POLÍTICA CURSO DE GESTÃO PÚBLICA 1 Professor: Ernesto Friedrich de Lima Amaral Disciplina: Metodologia

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 234, DE 2010. Art. 1º A presente Lei regulamenta a profissão de Optometrista em todo o território nacional.

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 234, DE 2010. Art. 1º A presente Lei regulamenta a profissão de Optometrista em todo o território nacional. SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 234, DE 2010 Dispõe sobre a regulamentação da profissão de optometrista e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º A presente Lei regulamenta

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMEÇA NA ESCOLA: COMO O LIXO VIRA BRINQUEDO NA REDE PÚBLICA EM JUAZEIRO DO NORTE, NO SEMIÁRIDO CEARENSE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMEÇA NA ESCOLA: COMO O LIXO VIRA BRINQUEDO NA REDE PÚBLICA EM JUAZEIRO DO NORTE, NO SEMIÁRIDO CEARENSE EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMEÇA NA ESCOLA: COMO O LIXO VIRA BRINQUEDO NA REDE PÚBLICA EM JUAZEIRO DO NORTE, NO SEMIÁRIDO CEARENSE Emmanuelle Monike Silva Feitosa 1 Celme Torres Ferreira da Costa 2 Niraldo Muniz

Leia mais

GUIA DE AVALIAÇÃO DE CLIENTES PARA PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO PÓS-DESASTRE

GUIA DE AVALIAÇÃO DE CLIENTES PARA PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO PÓS-DESASTRE GUIA DE AVALIAÇÃO DE CLIENTES PARA PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO PÓS-DESASTRE Este documento é uma tradução do crioulo haitiano e alguns termos foram adaptados para facilitar sua relevância para um público mais

Leia mais

CAPÍTULO 25 COERÊNCIA REGULATÓRIA

CAPÍTULO 25 COERÊNCIA REGULATÓRIA CAPÍTULO 25 COERÊNCIA REGULATÓRIA Artigo 25.1: Definições Para efeito deste Capítulo: medida regulatória coberta significa a medida regulatória determinada por cada Parte a ser objeto deste Capítulo nos

Leia mais

Estudo Exploratório. I. Introdução. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Pesquisa de Mercado. Paula Rebouças

Estudo Exploratório. I. Introdução. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Pesquisa de Mercado. Paula Rebouças Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Pesquisa de Mercado Paula Rebouças Estudo Exploratório I. Introdução A Dislexia é uma síndrome caracterizada por problemas na leitura: ao ler a pessoa

Leia mais

Ajustes no questionário de trabalho da PNAD Contínua

Ajustes no questionário de trabalho da PNAD Contínua Ajustes no questionário de trabalho da PNAD Contínua 9º Fórum SIPD Rio de Janeiro 15 de dezembro de 2010 Introdução PROVÁVEIS AJUSTES NA PNAD CONTÍNUA, VISANDO A IMPLANTAÇÃO EM 2011 Foi visto, a partir

Leia mais

ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NO ENSINO SUPERIOR: um estudo sobre o perfil dos estudantes usuários dos programas de assistência estudantil da UAG/UFRPE

ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NO ENSINO SUPERIOR: um estudo sobre o perfil dos estudantes usuários dos programas de assistência estudantil da UAG/UFRPE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NO ENSINO SUPERIOR: um estudo sobre o perfil dos estudantes usuários dos programas de assistência estudantil da UAG/UFRPE José Albuquerque Constantino 1 Joselya Claudino de Araújo

Leia mais

1) Nome do Projeto Plano de Cargos, Carreira e Vencimentos do Município de Vitória

1) Nome do Projeto Plano de Cargos, Carreira e Vencimentos do Município de Vitória 1) Nome do Projeto Plano de Cargos, Carreira e Vencimentos do Município de Vitória 2) Caracterização da Situação Anterior O Plano de Cargos e Carreira é um estímulo para o servidor. O último plano de Cargos,

Leia mais

OS INDICADORES AMBIENTAIS COMO PARÂMETROS DE MELHORIAS DA QUALIDADE DE VIDA

OS INDICADORES AMBIENTAIS COMO PARÂMETROS DE MELHORIAS DA QUALIDADE DE VIDA OS INDICADORES AMBIENTAIS COMO PARÂMETROS DE MELHORIAS DA QUALIDADE DE VIDA Ana Rosa Salvalagio Edyane Silva de Lima 1 Micheli Cristine Schneider No século XX havia um certo orgulho dos cidadãos referentes

Leia mais

ACESSO E USO DE BASES PÚBLICAS DE DADOS SECUNDÁRIOS EM NUTRIÇÃO E SAÚDE: PESQUISA NACIONAL DE SAÚDE, 2013

ACESSO E USO DE BASES PÚBLICAS DE DADOS SECUNDÁRIOS EM NUTRIÇÃO E SAÚDE: PESQUISA NACIONAL DE SAÚDE, 2013 ACESSO E USO DE BASES PÚBLICAS DE DADOS SECUNDÁRIOS EM NUTRIÇÃO E SAÚDE: PESQUISA NACIONAL DE SAÚDE, 2013 CRISTIANO SIQUEIRA BOCCOLINI - ICICT/Fiocruz cristiano.boccolini@icict.fiocruz.br Concepção Metodologia

Leia mais

ESCOLAS PIBIDIANAS NO TEATRO

ESCOLAS PIBIDIANAS NO TEATRO ESCOLAS PIBIDIANAS NO TEATRO Bianca Ebeling Barbosa Murilo Furlan Jade Garisto Ramos Allan Luis Correia Leite 1 Taís Ferreira 2 EIXO TEMÁTICO: Ações com a comunidade. Palavras chave: Escolas; Carência;

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Sorriso, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 9382,37 km² IDHM 2010 0,744 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 66521 hab. Densidade

Leia mais

ITIL v3 - Operação de Serviço - Parte 1

ITIL v3 - Operação de Serviço - Parte 1 ITIL v3 - Operação de Serviço - Parte 1 É na Operação de Serviço que se coordena e realiza as atividades e processos necessários para fornecer e gerenciar serviços em níveis acordados com o usuário e clientes

Leia mais

Recomendada. A coleção apresenta eficiência e adequação. Ciências adequados a cada faixa etária, além de

Recomendada. A coleção apresenta eficiência e adequação. Ciências adequados a cada faixa etária, além de Recomendada Por quê? A coleção apresenta eficiência e adequação metodológica, com os principais temas relacionados a Ciências adequados a cada faixa etária, além de conceitos em geral corretos. Constitui

Leia mais

Censo Demográfico 2010 FAMÍLIA E DOMICÍLIO

Censo Demográfico 2010 FAMÍLIA E DOMICÍLIO Censo Demográfico 2010 FAMÍLIA E DOMICÍLIO Rio de Janeiro, 17 de outubro de 2012 FAMÍLIA A importância de se estudar FAMÍLIA Desempenha papel central na economia do país, como fonte de produção doméstica,

Leia mais

O PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: UM ESTUDO DE METODOLOGIAS FACILITADORAS PARA O PROCESSO DE ENSINO DE QUÍMICA

O PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: UM ESTUDO DE METODOLOGIAS FACILITADORAS PARA O PROCESSO DE ENSINO DE QUÍMICA O PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: UM ESTUDO DE METODOLOGIAS FACILITADORAS PARA O PROCESSO DE ENSINO DE QUÍMICA Bruna Tayane da Silva Lima; Eduardo Gomes Onofre 2 1 Universidade Estadual

Leia mais

Módulo 8 Estudos de Caso 5 e 6

Módulo 8 Estudos de Caso 5 e 6 Módulo 8 Estudos de Caso 5 e 6 Estudo de Caso 5 Restaurante Comida Mineira O restaurante Comida Mineira pretende implantar um sistema de gestão ambiental. O restaurante pode ser dividido para nosso estudo

Leia mais

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 INFORME

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 INFORME Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 INFORME 4º Fórum SIPD Rio de Janeiro 30 de junho de 2008 Objetivos Investigar os Orçamentos Familiares combinados com outras informações sobre as Condições de

Leia mais

11. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

11. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 11. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL A educação profissional no Brasil já assumiu diferentes funções no decorrer de toda a história educacional brasileira. Até a promulgação da atual LDBEN, a educação profissional

Leia mais

ANÁLISE DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: REFLEXÕES INICIAIS ACERCA DA PRODUÇÃO DE 2006 A 2014

ANÁLISE DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: REFLEXÕES INICIAIS ACERCA DA PRODUÇÃO DE 2006 A 2014 ANÁLISE DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: REFLEXÕES INICIAIS ACERCA DA PRODUÇÃO DE 2006 A 2014 Jéssica Lino Borges 1 geminhas_lin@hotmail.com Ana Lúcia Cardoso 2 anc@unesc.net

Leia mais

Características Em 2013, foram visitados 149 mil domicílios e entrevistadas 363 mil pessoas.

Características Em 2013, foram visitados 149 mil domicílios e entrevistadas 363 mil pessoas. Rio de Janeiro, 18/09/2014 1 Abrangência nacional Temas investigados: Características Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho e rendimento Trabalho infantil Fecundidade Características

Leia mais

Política de Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

Política de Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Política de Trabalho de Conclusão de Curso - TCC A FACULDADE DINÂMICA prevê mecanismos efetivos de acompanhamento e de cumprimento do Trabalho de Conclusão de Curso, que no momento da construção do seu

Leia mais

SEGUNDA OFICINA DE CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA IMPLANTAÇÃO DE COLETA SELETIVA REGIÃO DO SERTÃO

SEGUNDA OFICINA DE CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA IMPLANTAÇÃO DE COLETA SELETIVA REGIÃO DO SERTÃO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS HÍDRICOS SEGUNDA OFICINA DE CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA IMPLANTAÇÃO DE COLETA SELETIVA REGIÃO DO SERTÃO SUMÁRIO INFORMAÇÕES

Leia mais

Palestra. CPC 01 e IAS 36 Redução ao valor recuperável de ativos

Palestra. CPC 01 e IAS 36 Redução ao valor recuperável de ativos Palestra CPC 01 e IAS 36 Redução ao valor recuperável de ativos Agenda: Objetivo e alcance Processo de identificação de ativos desvalorizados Fontes externas observadas durante o período ou por ocasião

Leia mais

Entre 1998 e 2001, a freqüência escolar aumentou bastante no Brasil. Em 1998, 97% das

Entre 1998 e 2001, a freqüência escolar aumentou bastante no Brasil. Em 1998, 97% das INFORME-SE BNDES ÁREA PARA ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO AFE Nº 48 NOVEMBRO DE 2002 EDUCAÇÃO Desempenho educacional no Brasil: O que nos diz a PNAD-2001 Entre 1998 e 2001, a freqüência escolar aumentou

Leia mais

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional 08/09/2010-10h00 Pesquisa visitou mais de 150 mil domicílios em 2009 Do UOL Notícias A edição 2009 da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia

Leia mais

As tabulações foram realizadas por meio de computador e usando tabelas e gráficos do Microsoft Office Excel 2007.

As tabulações foram realizadas por meio de computador e usando tabelas e gráficos do Microsoft Office Excel 2007. A Pesquisa Suvey foi realizada com professores da rede publica de Petrolina-PE e Juazeiro-BA. Os dados foram coletados por meio de aplicação de Questionários Semi-Estruturados que versavam sobre a formação,

Leia mais

Conferência Internacional do Trabalho Convenção 159

Conferência Internacional do Trabalho Convenção 159 Conferência Internacional do Trabalho Convenção 159 Convenção sobre Reabilitação Profissional e Emprego de Pessoas Deficientes. A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho: Convocada em

Leia mais

Áudio GUIA DO PROFESSOR. Idéias evolucionistas e evolução biológica

Áudio GUIA DO PROFESSOR. Idéias evolucionistas e evolução biológica Teoria sintética da evolução Parte II Conteúdos: Tempo: Objetivos: Idéias evolucionistas e evolução biológica Duração do áudio 5 minutos O objetivo deste programa é tratar das idéias neodarwinistas e mostrar

Leia mais

Curso: Diagnóstico Comunitário Participativo.

Curso: Diagnóstico Comunitário Participativo. Curso: Diagnóstico Comunitário Participativo. Material referente ao texto do Módulo 3: Ações Básicas de Mobilização. O conhecimento da realidade é a base fundamental ao desenvolvimento social, que visa

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO POR MEIO DA WEB

ORIENTAÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO POR MEIO DA WEB ORIENTAÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO POR MEIO DA WEB 1 Com finalidade de auxiliar nas respostas às perguntas formuladas ou de esclarecer alguma dúvida sobre questões que não foram expressas

Leia mais

1. A adoção da auto avaliação como

1. A adoção da auto avaliação como Questionário de Auto avaliação da Saúde Vocal: * Aqui específico para professores, podendo ser adaptado para demais profissões que utilizem a voz. 1. A adoção da auto avaliação como parte integrante dos

Leia mais

Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO. 1- Como aderir à proposta AMQ?

Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO. 1- Como aderir à proposta AMQ? Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO 1- Como aderir à proposta AMQ? A adesão é realizada através do preenchimento e envio do Formulário de Cadastramento Municipal no site do projeto. O gestor municipal da saúde

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Local de atuação: Local de residência do candidato selecionado, com disponibilidade para viagens em todo o território nacional.

TERMO DE REFERÊNCIA. Local de atuação: Local de residência do candidato selecionado, com disponibilidade para viagens em todo o território nacional. TERMO DE REFERÊNCIA Denominação: Consultor(a) especializado(a) na área de suporte técnico para levantar e sistematizar as informações sobre os investimentos estrangeiros diretos e suas relações com os

Leia mais

6 A coleta de dados: métodos e técnicas utilizadas na pesquisa

6 A coleta de dados: métodos e técnicas utilizadas na pesquisa A coleta de dados: métodos e técnicas utilizadas na pesquisa 110 6 A coleta de dados: métodos e técnicas utilizadas na pesquisa 6.1. Introdução Neste capítulo pretende-se apresentar os métodos e as técnicas

Leia mais

Módulo K - Saúde dos indivíduos com 60 anos ou mais e cobertura de mamografia entre mulheres de 50 anos e mais

Módulo K - Saúde dos indivíduos com 60 anos ou mais e cobertura de mamografia entre mulheres de 50 anos e mais Módulo K - Saúde dos indivíduos com 60 anos ou mais e cobertura de mamografia entre mulheres de 50 anos e mais Para mulheres de 50 a 59 anos de idade realizar apenas as perguntas K40 a K43 e K62. Primeiramente,

Leia mais

Lançada pela Fundação Schlumberger em 2004, a Universidade para o Futuro cresceu para se tornar uma comunidade de 142 mulheres em 43 países.

Lançada pela Fundação Schlumberger em 2004, a Universidade para o Futuro cresceu para se tornar uma comunidade de 142 mulheres em 43 países. Próxima sessão de concessão de bolsas de estudo A sessão de concessão de bolsas de estudo de 2011 abrirá para inscrições a partir de 15 de setembro de 2010. Formulários de orientação e inscrição estarão

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ELABORAÇÃO DE PROJETOS Unidade II ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA Profa. Eliane Gomes Rocha Pesquisa em Serviço Social As metodologias qualitativas de pesquisa são utilizadas nas Ciências Sociais e também no Serviço Social,

Leia mais

Ministério Público Federal Ministério Público do Estado do Rio Grande

Ministério Público Federal Ministério Público do Estado do Rio Grande do Sul Ministério Público Federal Ministério Público do Estado do Rio Grande Procuradoria da República no Rio Grande do Sul Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão Promotoria de Defesa dos Direitos

Leia mais

Origem dos dados... 3. Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4. Variáveis de conteúdo... 4

Origem dos dados... 3. Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4. Variáveis de conteúdo... 4 Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Doenças Crônicas artrite/reumatismo, problema crônico de coluna, distúrbio osteomuscular relacionado ao trabalho (DORT), depressão e outros problemas mentais Notas

Leia mais

INTERVENÇÕES ESPECÍFICAS DE MATEMÁTICA PARA ALUNOS DO PROEJA: DESCOBRINDO E SE REDESCOBRINDO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA

INTERVENÇÕES ESPECÍFICAS DE MATEMÁTICA PARA ALUNOS DO PROEJA: DESCOBRINDO E SE REDESCOBRINDO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INTERVENÇÕES ESPECÍFICAS DE MATEMÁTICA PARA ALUNOS DO PROEJA: DESCOBRINDO E SE REDESCOBRINDO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA Área Temática: Educação Cláucia Honnef 1 (Coordenador da Ação de Extensão

Leia mais

TEXTO PRODUZIDO PELA GERÊNCIA DE ENSINO FUNDAMENTAL COMO CONTRIBUIÇÃO PARA O DEBATE

TEXTO PRODUZIDO PELA GERÊNCIA DE ENSINO FUNDAMENTAL COMO CONTRIBUIÇÃO PARA O DEBATE TEXTO PRODUZIDO PELA GERÊNCIA DE ENSINO FUNDAMENTAL COMO CONTRIBUIÇÃO PARA O DEBATE Avaliação institucional: potencialização do processo ensino e aprendizagem A avaliação institucional é uma prática recente

Leia mais

JUVENTUDE E TRABALHO: DESAFIOS PARA AS POLITICAS PÚBLICAS NO MARANHÃO

JUVENTUDE E TRABALHO: DESAFIOS PARA AS POLITICAS PÚBLICAS NO MARANHÃO JUVENTUDE E TRABALHO: DESAFIOS PARA AS POLITICAS PÚBLICAS NO MARANHÃO JONATHAN ROCHA GUIMARÃES Avaliar a Política de Trabalho e juventude torna-se de extrema importância na medida em que representa um

Leia mais

Esta política define:

Esta política define: Esta política define: OBJETIVO ABRANGÊNCIA DEFINIÇÕES SOLICITAÇÃO DE CONTRATAÇÃO E APROVAÇÕES RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE RECURSOS HUMANOS ADMISSÃO SALÁRIO ADMISSIONAL INTEGRAÇÃO OBJETIVO Definir uma política

Leia mais

COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO CEARÁ

COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO CEARÁ COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO CEARÁ 1. ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO (TCLE) A importância do TCLE. A Resolução CNS 196/96 afirma

Leia mais

6. Pronunciamento Técnico CPC 23 Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro

6. Pronunciamento Técnico CPC 23 Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 6. Pronunciamento Técnico CPC 23 Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro 1. Aplicação 1- As instituições

Leia mais

EDITAL EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA EMBRAPA EMBRAPA HORTALIÇAS

EDITAL EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA EMBRAPA EMBRAPA HORTALIÇAS EDITAL EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA EMBRAPA EMBRAPA HORTALIÇAS Processo de Recrutamento e Avaliação da Habilitação de Candidatos ao Cargo de Chefe-Geral da Embrapa Hortaliças O Presidente

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 5: ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 5.1 Conceito de ARH Sem as pessoas e sem as organizações não haveria ARH (Administração de Recursos Humanos). A administração de pessoas

Leia mais

Catálogo de Padrões de Dados

Catálogo de Padrões de Dados Governo Brasileiro Comitê Executivo de Governo Eletrônico Catálogo de Padrões de Dados CPD Volume 1 Princípios Gerais Versão 2 Junho de 2011 Sumário 1 APRESENTAÇÃO...3 2 INTRODUÇÃO...4 2.1 Fundamento Lógico...

Leia mais

PROGRAMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

PROGRAMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO 1 PROGRAMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO 2 PPRA Desde 1994, por exigência legal, as empresas são obrigadas a montar o PPRA (Programa de Prevenção de Riscos Ambientais). Esse programa foi definido pela

Leia mais

CARTILHA SOBRE DIREITO À APOSENTADORIA ESPECIAL APÓS A DECISÃO DO STF NO MANDADO DE INJUNÇÃO Nº 880 ORIENTAÇÕES DA ASSESSORIA JURIDICA DA FENASPS

CARTILHA SOBRE DIREITO À APOSENTADORIA ESPECIAL APÓS A DECISÃO DO STF NO MANDADO DE INJUNÇÃO Nº 880 ORIENTAÇÕES DA ASSESSORIA JURIDICA DA FENASPS CARTILHA SOBRE DIREITO À APOSENTADORIA ESPECIAL APÓS A DECISÃO DO STF NO MANDADO DE INJUNÇÃO Nº 880 ORIENTAÇÕES DA ASSESSORIA JURIDICA DA FENASPS 1. Que entidades conseguiram no Supremo Tribunal Federal

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2013. Lançamento da Coleta. Rio de Janeiro, 29/10/2013 1

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2013. Lançamento da Coleta. Rio de Janeiro, 29/10/2013 1 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2013 Lançamento da Coleta Rio de Janeiro, 29/10/2013 1 A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - PNAD investiga anualmente, de forma permanente: características

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 11 PESQUISA DE MERCADO

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 11 PESQUISA DE MERCADO PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 11 PESQUISA DE MERCADO Índice 1. Pesquisa de mercado...3 1.1. Diferenças entre a pesquisa de mercado e a análise de mercado... 3 1.2. Técnicas de

Leia mais

Gravidez precoce e a saúde da mulher. Geografia da Saúde Prof. Raul Borges Guimarães

Gravidez precoce e a saúde da mulher. Geografia da Saúde Prof. Raul Borges Guimarães Gravidez precoce e a saúde da mulher Geografia da Saúde Prof. Raul Borges Guimarães Gravidez indesejada? https://www.youtube.com/watch?v=fzg3mtvbhdu O que você acha desta charge? Essa imagem tem circulado

Leia mais