ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NO ENSINO SUPERIOR: um estudo sobre o perfil dos estudantes usuários dos programas de assistência estudantil da UAG/UFRPE

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NO ENSINO SUPERIOR: um estudo sobre o perfil dos estudantes usuários dos programas de assistência estudantil da UAG/UFRPE"

Transcrição

1 ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NO ENSINO SUPERIOR: um estudo sobre o perfil dos estudantes usuários dos programas de assistência estudantil da UAG/UFRPE José Albuquerque Constantino 1 Joselya Claudino de Araújo 2 Simone Muniz da Silva INTRODUÇÃO Esta pesquisa traçou o perfil sócio-econômico dos estudantes de graduação da Universidade Federal Rural de Pernambuco/UFRPE da Unidade Acadêmica de Garanhuns/UAG que foram usuários do Programa de Bolsas de Permanência no ano de Na UFRPE a política de Assistência Estudantil é implementada através da Pró- Reitoria de Gestão Estudantil PROGEST. Dentre as ações desenvolvidas há o Programa de Bolsas de Permanência que consiste na transferência de um valor monetário aos estudantes em situação de vulnerabilidade social. Esse programa dispõe de quatro modalidades de bolsas, quais sejam: apoio acadêmico, informática, alimentação e transporte. Nas duas primeiras o estudante presta sessenta horas mensais de serviço na 1 Assistente Social. Universidade Federal Rural de Pernambuco. 2 Especialista. Universidade Federal Rural de Pernambuco. 3 Assistente Social. Universidade Federal Rural de Pernambuco. 1

2 instituição, em atividades vinculadas a sua área de formação ou em algum setor administrativo. Nas demais modalidades não existe contrapartida por parte do estudante. Na UAG o Programa de Bolsas de Permanência é desenvolvido pelo Núcleo de Assistência Social, o qual foi o responsável pela elaboração dessa pesquisa. Os dados foram coletados a partir dos questionários sócio-econômicos preenchidos pelos 167 bolsistas no momento de inscrição no processo seletivo do Programa. Esse quantitativo corresponde a aproximadamente 18% do total de estudantes matriculados no segundo semestre de A pesquisa demonstrou tanto o perfil do discente (faixa etária, sexo, estado civil, situação econômica, trajetória escolar, local de origem e curso), como o contexto familiar (renda per capta, número de membros da família, principal provedor, origem da renda, situação da moradia e grau de escolaridade dos pais). 2.0 ANÁLISE DOS DADOS O acesso à educação superior no Brasil, apesar do aumento da oferta nos últimos anos, ainda se caracteriza pelo reduzido ingresso a esse nível de ensino. Além disso, boa parte das vagas é oferecida em instituições privadas. Segundo Pinto, em 2002 o setor privado correspondia por 70% das matrículas nessa modalidade de ensino. Esse dado demonstra que para uma parcela considerável da população a realização de um curso superior torna-se impossível, pois, muitas famílias não têm condições de arcar com as mensalidades nas entidades privadas, e as instituições públicas não têm capacidade de atender toda a demanda. No entanto, as dificuldades para a realização de um curso superior não se encontram somente no momento de ingresso na universidade. A permanência do estudante e a conclusão do curso no período regular é outro desafio, já que os universitários, mesmo aqueles das entidades públicas, têm gastos com transporte, alimentação, material didático entre outras coisas. De acordo com o Fórum Nacional de Pró-Reitores de Assuntos Comunitários e Estudantis FONAPRACE 14% dos casos de evasão e retenção no ensino superior nas instituições públicas estão associados a dificuldades econômicas e sociais enfrentadas pelo estudante e sua família. (FINATTI, 2008). Sob esse aspecto, a política de assistência estudantil é fundamental para assegurar aos alunos com dificuldades econômicas o direito de concluir o curso em condições de igualdade com os demais. Além disso, ela contribui para a eficácia dos gastos públicos no 2

3 sistema educacional - ao diminuir o índice de evasão e retenção - e garante o aproveitamento acadêmico. Dessa forma, conhecer o perfil sócio-econômico daqueles que são atendidos pelos programas de assistência estudantil é imprescindível para a construção de propostas adequadas à realidade dos mesmos. De acordo com a pesquisa realizada os números obtidos revelam que 74% dos bolsistas estão na faixa etária entre 17 e 24 anos (ver gráfico 1). Esses ultrapassaram a dificuldade de acesso ao nível superior de ensino, uma vez que no Brasil em 2006 menos de 10% dos jovens entre 20 e 24 anos estavam matriculados em universidades, segundo a Secretaria de Educação Superior do Ministério da Educação (SESu/MEC). Gráfico 01- Faixa Etária 21% 5% 74% Entre 17 e 24 anos Entre 25 e 30 anos Acima de 30 Com relação às pessoas com quem os bolsistas residem os dados mostram que 74% deles moram com a família, 20% em república/pensão e 5% com amigos ou parentes. Neste caso 25% necessitaram se deslocar do contexto familiar ao ingressar na universidade, já que apenas 33% são provenientes de Garanhuns e 67% são oriundos das demais cidades do Agreste Meridional e/ou de outras regiões do Estado. Dentre esses 25% residem na zona rural. Considerando as deficiências existentes no sistema de ensino público no país, a trajetória escolar é um dos indicadores que demonstra as dificuldades enfrentadas pelos bolsistas para o acesso à universidade e o bom desempenho acadêmico, uma vez que 43% cursaram o nível fundamental na rede pública e 44% o ensino médio também em escolas públicas. Referente à situação econômica dos bolsistas, o estudo indica que 88% não possuem nenhuma fonte de renda, dentre os quais 68% nunca trabalharam com vínculo 3

4 empregatício e 20% estão desempregados. Portanto, eles dependem exclusivamente do apoio financeiro de suas famílias, as quais, por sua vez, possuem em 85% dos casos uma renda mensal per capita de até ½ salário e 12% entre ½ e 1 salário mínimo 4 (ver gráfico 02). Gráfico 02- Renda Familiar Per Capita 12% 3% Até ½ salário mínimo 85% Entre ½ e 1 salário mínimo Entre 1 e 2 salários mínimos De acordo com o Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos DIEESE o valor do salário mínimo necessário para atender as necessidades de uma família com moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social, como prever a Constituição Federal de 1988, sendo essa família composta por dois adultos e duas crianças, deveria ser em outubro de 2008 R$ 2.014,73. Está evidente a discrepância entre a renda familiar dos bolsistas e a indicada pelo DIEESE como necessária para suprir as necessidades básicas. Nas famílias pesquisadas 44% são chefiadas pelas mulheres com a presença do companheiro/marido, sendo as mães as principais provedoras da renda 5. O pai aparece como principal provedor em 27% e o(a) próprio(a) discente em 8% das famílias (ver gráfico 03). O quantitativo expressivo de mães chefes de família reflete o crescimento nos últimos anos do número de domicílios cujo principal provedor é a mulher. Do total de famílias pesquisadas observou-se também que 29% são monoparentais, tendo a mulher como única responsável. 4 Foi identificado em alguns casos que a renda familiar além de ser baixa, ainda é comprometida devido aos empréstimos consignados. Vale salientar que na pesquisa o cálculo da renda não levou em consideração o desconto desses empréstimos. 5 A metodologia utilizada na pesquisa não fornece condições para identificar se o fato das mães serem as principais provedoras da renda reflete nas relações de poder no âmbito familiar, por isso utiliza-se o termo família chefiada por mulher relacionado estritamente ao principal provedor da renda. 4

5 Gráfico 03- Principal Provedor 4% 4% 8% Pai 27% Mãe 8% Pais Cônjuge 5% Avós Irmão(a) 44% Discente Com relação à origem da renda do principal provedor 29% advém de atividades informais, ou seja, vivem na instabilidade financeira, sem a garantia de qualquer direito trabalhista. Os benefícios sociais (Bolsa Família e Auxílio doença) aparecem como fonte principal de renda em 18% dos casos 6 e as aposentadorias/pensões em 23%, sendo essas basicamente de trabalhadores rurais. Além disso, foi identificado que em 27,5% das famílias pelo menos um dos responsáveis está há mais de 2 anos desempregado. 7 Ao observar o grau de escolaridade dos pais fica evidente a dificuldade para eles retornarem ao mercado formal de trabalho, cada vez mais competitivo e exigente quanto à qualificação profissional, já que entre os homens 17% são analfabetos, apenas 11% concluíram o ensino médio e nenhum deles possui nível superior. No caso das mulheres 12% são analfabetas, 29% têm ensino médio completo e 5% concluíram curso superior. Na composição familiar foi constatado que 75% das famílias são compostas de 03 a 05 membros e 16% por 06 ou mais membros, ou seja, há uma parcela considerável de famílias numerosas. Com relação à condição de registro de nascimento dos bolsistas foi identificado que 17% deles foram registrados após 01 ano de nascimento, sendo na maioria dos casos um período superior a cinco anos. Entende-se, portanto, que eles ficaram fora do alcance das políticas sociais já que não tinham certidão de nascimento, ou seja, não existiam oficialmente. 6 Desses benefícios sociais 94,7% correspondem ao Programa Bolsa Família, o qual adota critérios rigorosos para ingresso dos usuários, sendo a exigência de renda per capita de até R$ 60,00 para famílias sem crianças e de até R$ 120,00 per capita para famílias com crianças. 7 Na pesquisa considera-se desempregado aquele que já teve registro de contrato na carteira de trabalho, portanto, não foram contabilizados os que nunca tiveram vínculo empregatício formal. 5

6 3.O CONCLUSÃO Como visto, uma parte considerável das famílias são chefiadas exclusivamente pelas mulheres, que na sua maioria tem baixa qualificação profissional, o que se traduz em baixos salários. Os pais, ausentes em grande parte dos casos, não pagam pensão alimentícia, sendo da mulher unicamente a responsabilidade pela manutenção da família. No entanto, não é somente a renda que reflete as dificuldades enfrentadas pelas famílias para manter seus filhos na universidade, mas um conjunto de variáveis que desenha o quadro de vulnerabilidade ao qual estão submetidas. O baixo capital cultural dos pais associado à renda insuficiente, ou o fato dos discentes já terem constituído família, contribui para que o estudante priorize em alguns casos o trabalho remunerado, mesmo os de baixo rendimento, em detrimento da conclusão do curso. Como também o desenvolvimento de estratégias para driblar as dificuldades, quando muitos deles percorrem a pé longas distâncias até a universidade e se alimentam de forma inadequada. A Política de Assistência Estudantil desenvolvida na UFRPE/UAG ao mesmo tempo em que se propõe garantir aos estudantes em vulnerabilidade social o direito à educação superior - o qual foi conquistado através da luta do movimento estudantil para garantir não apenas o acesso, mas a permanência na universidade atende aos interesses da instituição, uma vez que o trabalho prestado pelos bolsistas nos setores administrativos supre a carência de pessoal no quadro de funcionários. A utilização da mão de obra do bolsista representa uma economia para a instituição, pois o valor da bolsa é baixo e não é assegurado nenhum direito trabalhista. Essa contradição é característica da política social no modo de produção capitalista, e na conjuntura atual é agravada pela disseminação do ideário neoliberal que prevê a redução dos investimentos nas políticas sociais. Isso ocasiona a focalização das ações nos estritamente pobres e a diminuição do número de usuários atendidos. A presença da Universidade pode contribuir para a melhoria dos indicadores sociais da região do Agreste Meridional pernambucano, uma vez que a instituição tem um papel estratégico para o desenvolvimento científico, tecnológico, cultural e social da região, tanto pela formação de mão-de-obra qualificada, quanto pela garantia do acesso e da permanência no ensino superior dos estudantes com dificuldades sócio-econômicas. Esses vivem a possibilidade de romper o ciclo intergeracional de baixa escolaridade, pobreza e marginalidade em relação ao mercado formal de trabalho. Para tal, é imprescindível que a 6

7 política de assistência estudantil assegure as condições para que eles possam concluir os cursos em condições de igualdade com os demais estudantes. 4.0 REFERÊNCIAS BRASIL. EDUCAÇÃO SUPERIOR: OS CAMINHOS DA EMANCIPAÇÃO SOCIAL. Secretaria de Educação Superior Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Superior, DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICAS E ESTUDOS DIEESE. Disponível em:< Acesso em 15/12/2008; FINATTI, Betty Elmir. O perfil sócio-econômico e cultural dos estudantes da Universidade Estadual de Londrina PR. Disponível em: < Acesso em 15/12/2008; PINTO, José Marcelino de Rezende. O acesso à educação superior no Brasil. Educação e Sociedade, Campinas/SP, V. 25, Nº 88, p , especial outubro, Disponível em: < Acesso em 16/12/2008; 7

ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: UMA ANÁLISE DAS DEMANDAS NO IFPI

ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: UMA ANÁLISE DAS DEMANDAS NO IFPI ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: UMA ANÁLISE DAS DEMANDAS NO IFPI Amanda Marques de Oliveira 1 Guiomar de Oliveira Passos 2 RESUMO : Esse texto analisa o perfil dos estudantes que demandaram

Leia mais

BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE. 53

BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE. 53 CAPÍTULO6 BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE. 53 Aspectos de gênero O Programa Bolsa Família privilegia como titulares as mulheres-mães (ou provedoras de cuidados), público que aflui às políticas de assistência

Leia mais

PROGRAMA TÉMATICO: 6214 TRABALHO, EMPREGO E RENDA

PROGRAMA TÉMATICO: 6214 TRABALHO, EMPREGO E RENDA PROGRAMA TÉMATICO: 6214 TRABALHO, EMPREGO E RENDA OBJETIVO GERAL: Estimular o crescimento e o desenvolvimento econômico e social do DF, por meio do fortalecimento do Sistema Público de Emprego, garantindo

Leia mais

ipea políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 117 GASTOS SOCIAIS: FOCALIZAR VERSUS UNIVERSALIZAR José Márcio Camargo*

ipea políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 117 GASTOS SOCIAIS: FOCALIZAR VERSUS UNIVERSALIZAR José Márcio Camargo* GASTOS SOCIAIS: FOCALIZAR VERSUS UNIVERSALIZAR José Márcio Camargo* Como deve ser estruturada a política social de um país? A resposta a essa pergunta independe do grau de desenvolvimento do país, da porcentagem

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Santos, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 281,35 km² IDHM 2010 0,840 Faixa do IDHM Muito Alto (IDHM entre 0,8 e 1) (Censo 2010) 419400 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Areado, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 282,6 km² IDHM 2010 0,727 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 13731 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Alto Boa Vista, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2248,35 km² IDHM 2010 0,651 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 5247 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Botelhos, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 335,24 km² IDHM 2010 0,702 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 14920 hab. Densidade

Leia mais

PED ABC Novembro 2015

PED ABC Novembro 2015 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 Novembro 2015 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO DO ABC Diferenciais de inserção de negros e não negros no mercado de trabalho em 2013-2014 Dia

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Sorriso, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 9382,37 km² IDHM 2010 0,744 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 66521 hab. Densidade

Leia mais

EDITAL DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL Nº 01/2012. Seção 1 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

EDITAL DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL Nº 01/2012. Seção 1 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES EDITAL DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL Nº 01/2012 O Diretor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano IF Baiano de Teixeira de Freitas, criado pela Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008,

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Assunto: O perfil da Extrema Pobreza no Brasil com base nos dados preliminares do universo do Censo 2010. 1. INTRODUÇÃO O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Leia mais

O EMPREGO DOMÉSTICO. Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Região Metropolitana de São Paulo. Abril 2007

O EMPREGO DOMÉSTICO. Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Região Metropolitana de São Paulo. Abril 2007 O EMPREGO DOMÉSTICO Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Abril 2007 Perfil de um emprego que responde por 17,7% do total da ocupação feminina e tem 95,9% de seus postos de trabalho

Leia mais

REGULAMENTO PROPOSITIVO 2014

REGULAMENTO PROPOSITIVO 2014 REGULAMENTO PROPOSITIVO 2014 1 NO QUE CONSISTE O PROPOSITIVO 1.1 O ProPositivo - Programa de Bolsas de Estudos do Centro Tecnológico Positivo - é um programa de responsabilidade social do Centro Tecnológico

Leia mais

Programa de Fomento às Atividades Produtivas Rurais

Programa de Fomento às Atividades Produtivas Rurais Programa de Fomento às Atividades Produtivas Rurais Informe nº 4 Informações sobre a renda familiar do Cadastro Único O que é o Programa de Fomento? O Programa de Fomento às Atividades Produtivas Rurais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE GESTÃO ESTUDANTIL PROGEST PROGRAMA DE APOIO A GESTANTE - PAG EDITAL 06/2015

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE GESTÃO ESTUDANTIL PROGEST PROGRAMA DE APOIO A GESTANTE - PAG EDITAL 06/2015 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE GESTÃO ESTUDANTIL PROGEST PROGRAMA DE APOIO A GESTANTE - PAG EDITAL 06/2015 Seleção Pública para Programa de Apoio a Gestante PAG para Estudantes

Leia mais

Conheça as 20 metas aprovadas para o Plano Nacional da Educação _PNE. Decênio 2011 a 2021. Aprovado 29/05/2014

Conheça as 20 metas aprovadas para o Plano Nacional da Educação _PNE. Decênio 2011 a 2021. Aprovado 29/05/2014 Conheça as 20 metas aprovadas para o Plano Nacional da Educação _PNE Decênio 2011 a 2021. Aprovado 29/05/2014 Meta 1 Educação Infantil Universalizar, até 2016, o atendimento escolar da população de 4 e

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE AVALIAÇÃO SOCIOECONÔMICA DOS ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO E PÓS- GRADUAÇÃO PRESENCIAIS E REGULARES

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE AVALIAÇÃO SOCIOECONÔMICA DOS ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO E PÓS- GRADUAÇÃO PRESENCIAIS E REGULARES PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS E COMUNITÁRIOS COORDENADORIA DE PROGRAMAS SOCIAIS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE AVALIAÇÃO SOCIOECONÔMICA DOS ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO E PÓS- GRADUAÇÃO PRESENCIAIS E REGULARES

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sertão Pernambucano Campus Petrolina Zona Rural EDITAL Nº 08/2012 EDITAL

Leia mais

OS SENTIDOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA CONTEMPORANEIDADE Amanda Sampaio França

OS SENTIDOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA CONTEMPORANEIDADE Amanda Sampaio França OS SENTIDOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA CONTEMPORANEIDADE Amanda Sampaio França amandi'a_07@hotmail.com Jaqueline dos Santos Costa santoscosta_jaqueline@hotmail.com Mirsa Gabriela gabiflorosa@hotmail.com

Leia mais

REGULAMENTO PARA RECADASTRO NOS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA UFES 2012/01

REGULAMENTO PARA RECADASTRO NOS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA UFES 2012/01 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE INCLUSÃO SOCIAL CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO NÚCLEO DE ATENÇÃO À SAUDE E ASSISTÊNCIA SOCIAL REGULAMENTO PARA RECADASTRO NOS PROGRAMAS

Leia mais

NOVAS PERSPECTIVAS E NOVO OLHAR SOBRE A PRÁTICA DA ADOÇÃO:

NOVAS PERSPECTIVAS E NOVO OLHAR SOBRE A PRÁTICA DA ADOÇÃO: NOVAS PERSPECTIVAS E NOVO OLHAR SOBRE A PRÁTICA DA ADOÇÃO: Andreia Winkelmann Ineiva Teresinha Kreutz Louzada INTRODUÇÃO: O tema da adoção instiga muita curiosidade e torna-se extremamente necessário à

Leia mais

Educação. em territórios de alta. vulnerabilidade

Educação. em territórios de alta. vulnerabilidade Educação em territórios de alta vulnerabilidade 1 A pesquisa procura responder à seguinte questão: A vulnerabilidade social do território inf luencia a qualidade da escola? Como? Por que foi feita a pesquisa?

Leia mais

ANÁLISE DO EMPREGO E DESEMPREGO A PARTIR DO CADASTRO DA CAT Andréia Arpon* Adriana Fontes *

ANÁLISE DO EMPREGO E DESEMPREGO A PARTIR DO CADASTRO DA CAT Andréia Arpon* Adriana Fontes * ANÁLISE DO EMPREGO E DESEMPREGO A PARTIR DO CADASTRO DA CAT Andréia Arpon* Adriana Fontes * Pesquisas indicam que o desemprego é um dos maiores problemas, senão o maior, enfrentados pela população brasileira

Leia mais

Assistência Social da USP, com valor equivalente a um salário mínimo.

Assistência Social da USP, com valor equivalente a um salário mínimo. 1 O ENSINO NOTURNO EM UMA UNIVERSIDADE PÚBLICA: CARÁTER INCLUDENTE? BRANCALEONI, Ana Paula Leivar UNESP PIOTTO, Débora Cristina USP PINTO, José Marcelino de Rezende USP GT-11: Política de Educação Superior

Leia mais

PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPROMISSOS E DESAFIOS

PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPROMISSOS E DESAFIOS PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPROMISSOS E DESAFIOS Letícia Luana Claudino da Silva Discente de Psicologia da Universidade Federal de Campina Grande. Bolsista do Programa de Saúde. PET/Redes

Leia mais

O Ensino Superior Brasileiro na Década de 90

O Ensino Superior Brasileiro na Década de 90 O Ensino Superior Brasileiro na Década de 90 Paulo Corbucci* O presente texto aborda alguns aspectos do desenvolvimento do ensino superior brasileiro na década de 90, tendo, como eixos de análise, a oferta,

Leia mais

Gráfico 1 Jovens matriculados no ProJovem Urbano - Edição 2012. Fatia 3;

Gráfico 1 Jovens matriculados no ProJovem Urbano - Edição 2012. Fatia 3; COMO ESTUDAR SE NÃO TENHO COM QUEM DEIXAR MEUS FILHOS? UM ESTUDO SOBRE AS SALAS DE ACOLHIMENTO DO PROJOVEM URBANO Rosilaine Gonçalves da Fonseca Ferreira UNIRIO Direcionado ao atendimento de parcela significativa

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007 MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ESPECIAL NEGROS Novembro de 2008 NOVEMBRO de 2008 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007 Na Região Metropolitana de Belo Horizonte

Leia mais

A Fundação concederá apenas bolsas de estudo integrais (100%).

A Fundação concederá apenas bolsas de estudo integrais (100%). ENEM 1 - Quando serão feitas as inscrições para o Enem 2014? Do dia 12 de maio até às 23h59 do dia 23 de maio, observado o horário oficial de Brasília-DF. 2 - Quando será a aplicação das provas do Enem

Leia mais

Edital 001/2015 Inscrição PAEVS 2º sem.

Edital 001/2015 Inscrição PAEVS 2º sem. Edital 001/2015 Inscrição PAEVS 2º sem. Prezado Estudante, Este questionário tem como objetivo conhecer a realidade socieconômica de quem solicita Assistência Estudantil através do Programa de Atendimento

Leia mais

Avaliação Econômica. Relação entre Desempenho Escolar e os Salários no Brasil

Avaliação Econômica. Relação entre Desempenho Escolar e os Salários no Brasil Avaliação Econômica Relação entre Desempenho Escolar e os Salários no Brasil Objetivo da avaliação: identificar o impacto do desempenho dos brasileiros na Educação Básica em sua renda futura. Dimensões

Leia mais

ANÁLISE DE UMA POLÍTICA PÚBLICA VOLTADA PARA A EDUCAÇÃO: PROGRAMA BRASIL ALFABETIZADO

ANÁLISE DE UMA POLÍTICA PÚBLICA VOLTADA PARA A EDUCAÇÃO: PROGRAMA BRASIL ALFABETIZADO 1 ANÁLISE DE UMA POLÍTICA PÚBLICA VOLTADA PARA A EDUCAÇÃO: PROGRAMA BRASIL ALFABETIZADO AUTORES Antônio Roberto Silva Santos arsilvasantos@gmail.com Elisângela Santana Nascimento esna_1@yahoo.com.br Fânia

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA DE CONFORMIDADE N 02/2014 REITORIA / PROAD / DGP GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS

RELATÓRIO DE AUDITORIA DE CONFORMIDADE N 02/2014 REITORIA / PROAD / DGP GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas Auditoria Interna do IFAM Rua Ferreira Pena nº. 1109, Centro, Manaus/AM

Leia mais

PERFIL EMPREENDEDOR DOS APICULTORES DO MUNICIPIO DE PRUDENTÓPOLIS

PERFIL EMPREENDEDOR DOS APICULTORES DO MUNICIPIO DE PRUDENTÓPOLIS PERFIL EMPREENDEDOR DOS APICULTORES DO MUNICIPIO DE PRUDENTÓPOLIS Elvis Fabio Roman (Bolsista programa universidade sem fronteiras/projeto associativismo apícola no município de Prudentópolis), e-mail:

Leia mais

Produtividade no Brasil: desempenho e determinantes 1

Produtividade no Brasil: desempenho e determinantes 1 Produtividade no Brasil: desempenho e determinantes 1 Fernanda De Negri Luiz Ricardo Cavalcante No período entre o início da década de 2000 e a eclosão da crise financeira internacional, em 2008, o Brasil

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2003 (Do Sr. Eliseu Padilha) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE 2003 (Do Sr. Eliseu Padilha) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE 2003 (Do Sr. Eliseu Padilha) Institui o Programa de Estímulo ao Terceiro Setor, o Fundo Nacional de Estímulo ao Terceiro Setor e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

A porta de entrada para você receber os benefícios dos programas sociais do Governo Federal.

A porta de entrada para você receber os benefícios dos programas sociais do Governo Federal. A porta de entrada para você receber os benefícios dos programas sociais do Governo Federal. Para que serve o Cadastro Único? O Cadastro Único serve para que as famílias de baixa renda possam participar

Leia mais

PROPOSTAS PARA O COMBATE À ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO

PROPOSTAS PARA O COMBATE À ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO PROPOSTAS PARA O COMBATE À ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO 2 PROPOSTAS PARA O COMBATE À ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO Nos últimos anos, várias medidas adotadas

Leia mais

O que é Programa Rio: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher? Quais suas estratégias e ações? Quantas instituições participam da iniciativa?

O que é Programa Rio: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher? Quais suas estratégias e ações? Quantas instituições participam da iniciativa? Destaque: Somos, nós mulheres, tradicionalmente responsáveis pelas ações de reprodução da vida no espaço doméstico e a partir da última metade do século passado estamos cada vez mais inseridas diretamente

Leia mais

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS A POPULAÇÃO IDOSA NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE SETEMBRO - 2008 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

Leia mais

A ESCOLHA DOS TRABALHADORES

A ESCOLHA DOS TRABALHADORES A ESCOLHA DOS TRABALHADORES Economia A escolha dos trabalhadores Em princípio, são duas as escolhas relevantes aqui: Trabalhar ou não trabalhar? Trabalhar quanto? A escolha dos trabalhadores Benefícios

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA. Relatório da Auto Avaliação Institucional 2014

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA. Relatório da Auto Avaliação Institucional 2014 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA Relatório da Auto Avaliação Institucional 2014 1 FACULDADE SENAI CETIQT COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO O SENAI CETIQT, atento ao seu compromisso com a excelência de ensino,

Leia mais

Perfil Educacional SEADE 72

Perfil Educacional SEADE 72 Perfil Educacional A análise da situação educacional do Estado de Santa Catarina fundamentase nos indicadores de instrução da população (taxa de analfabetismo para 1991), de escolarização (taxa líquida

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL PARANAGUA PROVA PARA ASSISTENTE SOCIAL

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL PARANAGUA PROVA PARA ASSISTENTE SOCIAL PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL PARANAGUA PROVA PARA ASSISTENTE SOCIAL 01 - A Constituição de 1988 consagrou na área social o (a): a) paradigma do mérito e da solidariedade;

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PARA INGRESSO NO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA UNIFEI 2014

EDITAL DE SELEÇÃO PARA INGRESSO NO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA UNIFEI 2014 1 EDITAL DE SELEÇÃO PARA INGRESSO NO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA UNIFEI 2014 A Pró-Reitoria de Graduação (PRG) e a (DAE) tornam público o lançamento do presente edital e convoca os discentes

Leia mais

INSTRUÇÕES DE MATRÍCULA PARA OS CANDIDATOS APROVADOS E DA LISTA DE ESPERA SISTEMA DE SELEÇÃO UNIFICADA SiSU - 2º SEMESTRE DE 2015

INSTRUÇÕES DE MATRÍCULA PARA OS CANDIDATOS APROVADOS E DA LISTA DE ESPERA SISTEMA DE SELEÇÃO UNIFICADA SiSU - 2º SEMESTRE DE 2015 INSTRUÇÕES DE MATRÍCULA PARA OS CANDIDATOS APROVADOS E DA LISTA DE ESPERA SISTEMA DE SELEÇÃO UNIFICADA SiSU - 2º SEMESTRE DE 2015 VAGAS RESERVADAS - COTAS (CONFORME EDITAL Nº 203 - DIPS/UFLA, de 19/05/2015)

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO PARA O ACESSO À PÓS-GRADUAÇÃO FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO

CURSO DE FORMAÇÃO PARA O ACESSO À PÓS-GRADUAÇÃO FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA UFBA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO - PROEXT FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - FFCH PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS - PPGS PROGRAMA A COR DA BAHIA CURSO

Leia mais

Entre 1998 e 2001, a freqüência escolar aumentou bastante no Brasil. Em 1998, 97% das

Entre 1998 e 2001, a freqüência escolar aumentou bastante no Brasil. Em 1998, 97% das INFORME-SE BNDES ÁREA PARA ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO AFE Nº 48 NOVEMBRO DE 2002 EDUCAÇÃO Desempenho educacional no Brasil: O que nos diz a PNAD-2001 Entre 1998 e 2001, a freqüência escolar aumentou

Leia mais

Resultados da Pesquisa IDIS de Investimento Social na Comunidade 2004

Resultados da Pesquisa IDIS de Investimento Social na Comunidade 2004 Resultados da Pesquisa IDIS de Investimento Social na Comunidade 2004 Por Zilda Knoploch, presidente da Enfoque Pesquisa de Marketing Este material foi elaborado pela Enfoque Pesquisa de Marketing, empresa

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DO RECIFE

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DO RECIFE OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DO RECIFE RELATÓRIO DO PROCESSO DE DIÁLOGO SOCIAL COM OS CONSELHEIROS DA COMISSÃO MUNICIPAL DE EMPREGO DO RECIFE Contrato de Prestação de Serviços Nº 123 Prefeitura do Recife /

Leia mais

Será uma carta entregue em mãos após uma marcha que terá início em São Paulo logo após a eleição e terminará no Palácio do Planalto em Brasília.

Será uma carta entregue em mãos após uma marcha que terá início em São Paulo logo após a eleição e terminará no Palácio do Planalto em Brasília. Pesquisa de Opinião CONTEXTO Carta de um Brasileiro é um movimento de mobilização social com objetivo de entregar à Presidente da República eleita em outubro de 2010 os principais desejos e necessidades

Leia mais

Lacunas tema ticas, diferenças conceituais e demandas

Lacunas tema ticas, diferenças conceituais e demandas Lacunas tema ticas, diferenças conceituais e demandas Após cada instituição produtora ter apontado as lacunas de informação em suas bases de dados, foi feito um segundo esforço para identificação de lacunas,

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP CAPÍTULO I DOS FUNDAMENTOS LEGAIS Artigo 1º- O presente regulamento de estágios do Centro Universitário do Norte Paulista

Leia mais

Opinião N13 O DEBATE SOBRE AÇÕES AFIRMATIVAS NO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL E NA ÁFRICA DO SUL 1

Opinião N13 O DEBATE SOBRE AÇÕES AFIRMATIVAS NO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL E NA ÁFRICA DO SUL 1 Opinião N13 O DEBATE SOBRE AÇÕES AFIRMATIVAS NO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL E NA ÁFRICA DO SUL 1 GRAZIELLA MORAES SILVA 2 O debate sobre ações afirmativas no Brasil é geralmente tratado como uma questão

Leia mais

Sistema de cotas na Uerj - uma análise quantitativa dos dados de ingresso

Sistema de cotas na Uerj - uma análise quantitativa dos dados de ingresso Ano 1, n. 2, 2008 Seção Artigos 03/10/2008 Sistema de cotas na Uerj - uma análise quantitativa dos dados de ingresso Stella Amadei Stella Amadei é psicóloga e Coordenadora Acadêmica do Departamento de

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Inclusão, Diversidades e EJA

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Inclusão, Diversidades e EJA Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Inclusão, Diversidades e EJA Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE GESTÃO ESTUDANTIL - PROGEST PROGRAMA DE RESIDÊNCIA ESTUDANTIL EDITAL 03/2015

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE GESTÃO ESTUDANTIL - PROGEST PROGRAMA DE RESIDÊNCIA ESTUDANTIL EDITAL 03/2015 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE GESTÃO ESTUDANTIL - PROGEST PROGRAMA DE RESIDÊNCIA ESTUDANTIL EDITAL 03/2015 Seleção Pública para Ocupação de vagas nas residências para Estudantes

Leia mais

Notas sobre a exclusão social e as suas diferenças

Notas sobre a exclusão social e as suas diferenças Notas sobre a exclusão social e as suas diferenças Ana Paula Gomes Daniel e-mail: anapauladnl@gmail.com Acadêmica do curso de Ciências Econômicas /UNICENTRO Flavia Diana Marcondes dos Santos e-mail: flaviadianam@gmail.com

Leia mais

MELHORIA DA INFRAESTRUTURA FÍSICA ESCOLAR

MELHORIA DA INFRAESTRUTURA FÍSICA ESCOLAR MELHORIA DA INFRAESTRUTURA FÍSICA ESCOLAR Este projeto visa investir na melhoria da infraestrutura escolar, por meio de construção, ampliação e reforma, bem como dotá-las com equipamentos e mobiliários

Leia mais

Docente: Willen Ferreira Lobato willenlobato@yahoo.com.br

Docente: Willen Ferreira Lobato willenlobato@yahoo.com.br Docente: Willen Ferreira Lobato willenlobato@yahoo.com.br Natal 29/02/2012 1 Considerações Gerais; Principais conceitos demográficos; Gráficos de indicadores sociais; Estrutura das populações mundiais:

Leia mais

O Sindicato de trabalhadores rurais de Ubatã e sua contribuição para a defesa dos interesses da classe trabalhadora rural

O Sindicato de trabalhadores rurais de Ubatã e sua contribuição para a defesa dos interesses da classe trabalhadora rural O Sindicato de trabalhadores rurais de Ubatã e sua contribuição para a defesa dos interesses da classe trabalhadora rural Marcos Santos Figueiredo* Introdução A presença dos sindicatos de trabalhadores

Leia mais

POR QUE FAZER ENGENHARIA FÍSICA NO BRASIL? QUEM ESTÁ CURSANDO ENGENHARIA FÍSICA NA UFSCAR?

POR QUE FAZER ENGENHARIA FÍSICA NO BRASIL? QUEM ESTÁ CURSANDO ENGENHARIA FÍSICA NA UFSCAR? POR QUE FAZER ENGENHARIA FÍSICA NO BRASIL? QUEM ESTÁ CURSANDO ENGENHARIA FÍSICA NA UFSCAR? Póvoa, J. M, Ducinei Garcia Departamento de Física - Universidade Federal de São Carlos Via Washington Luiz, Km

Leia mais

BARREIRAS QUEBRADAS PARA A APRENDIZAGEM UNEMAT CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE TANGARÁ DA SERRA MATO GROSSO.

BARREIRAS QUEBRADAS PARA A APRENDIZAGEM UNEMAT CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE TANGARÁ DA SERRA MATO GROSSO. BARREIRAS QUEBRADAS PARA A APRENDIZAGEM UNEMAT CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE TANGARÁ DA SERRA MATO GROSSO. Resumo NETTO, Marcos Augusto SANTOS, Paulo Ricardo Junges dos MENDES, Rafael Müller BICHOFF, Regina

Leia mais

Projeto QUALIDADE DE VIDA APG-IMPA

Projeto QUALIDADE DE VIDA APG-IMPA Projeto QUALIDADE DE VIDA APG-IMPA INTRODUÇÃO Para estudar matemática é necessário dedicação e disciplina. Devido a isto, até o século XVI apenas membros da aristocracia e do clero poderiam despender tempo

Leia mais

REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR SETEMBRO DE 2008 TAXA DE DESEMPREGO MANTÉM DECLÍNIO NA RMS

REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR SETEMBRO DE 2008 TAXA DE DESEMPREGO MANTÉM DECLÍNIO NA RMS REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR SETEMBRO DE 2008 E TAXA DE DESEMPREGO MANTÉM DECLÍNIO NA RMS m setembro, a Pesquisa de Emprego e Desemprego, realizada na Região Metropolitana de Salvador (RMS), apresentou

Leia mais

Mais da metade dos brasileiros pagam compras com o cartão de crédito, principalmente roupas, calçados e eletrodomésticos

Mais da metade dos brasileiros pagam compras com o cartão de crédito, principalmente roupas, calçados e eletrodomésticos USO DO CARTÃO DE CRÉDITO Mais da metade dos brasileiros pagam compras com o cartão de crédito, principalmente roupas, calçados e eletrodomésticos Mais da metade dos brasileiros (53%) faz uso do cartão

Leia mais

IMPLANTANDO O ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE ESTADUAL DE ENSINO

IMPLANTANDO O ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE ESTADUAL DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA A GARANTIA DO PERCURSO ESCOLAR DO ALUNO NA CONVIVÊNCIA DOS DOIS REGIMES DE ENSINO: ENSINO FUNDAMENTAL COM DURAÇÃO DE OITO ANOS E ENSINO FUNDAMENTAL COM DURAÇÃO DE NOVE ANOS. IMPLANTANDO

Leia mais

O TRABALHO POR CONTA PRÓPRIA NA CONSTRUÇÃO CIVIL

O TRABALHO POR CONTA PRÓPRIA NA CONSTRUÇÃO CIVIL Nº 5 Fevereiro 2011 O TRABALHO POR CONTA PRÓPRIA NA CONSTRUÇÃO CIVIL O desenvolvimento capitalista no Brasil alcançou um impulso formidável no século passado, dotando, em curto espaço de tempo, uma economia

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DO IFBA PROGRAMA DE ASSITÊNCIA E APOIO AOS ESTUDANTES EDITAL Nº 003/2015

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DO IFBA PROGRAMA DE ASSITÊNCIA E APOIO AOS ESTUDANTES EDITAL Nº 003/2015 POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DO IFBA PROGRAMA DE ASSITÊNCIA E APOIO AOS ESTUDANTES EDITAL Nº 003/2015 1. ABERTURA O Diretor Geral do IFBA Campus Jacobina, no uso de suas atribuições, faz saber que,

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 - Gestão 2009/2012

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 - Gestão 2009/2012 LEI Nº 266/2011 Data: 14 de Dezembro de 2011 SÚMULA: Dispõe sobre a regulamentação e critérios para a concessão de benefícios eventuais de assistência social no âmbito do município. O Prefeito Municipal

Leia mais

Biblioteca Digital Comunitária

Biblioteca Digital Comunitária Biblioteca Digital Comunitária Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Sicoob Norte do Paraná Cidade: Londrina

Leia mais

Nº 07 / 13 TEMA: As Crianças em Goiás

Nº 07 / 13 TEMA: As Crianças em Goiás TEMA: As Crianças em Goiás O dia das crianças foi instituído em 1924 pelo então presidente Arthur Bernardes, mas a data passou várias anos desprezada e apenas ganhou notoriedade na década de 1960. Infelizmente

Leia mais

O Sr. ÁTILA LIRA (PSB-OI) pronuncia o seguinte. discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores. Deputados, estamos no período em que se comemoram os

O Sr. ÁTILA LIRA (PSB-OI) pronuncia o seguinte. discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores. Deputados, estamos no período em que se comemoram os O Sr. ÁTILA LIRA (PSB-OI) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, estamos no período em que se comemoram os vinte anos de promulgação da Constituição Cidadã de

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos 2ª ETAPA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos 2ª ETAPA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos PAAES - Programa de Ação Afirmativa de Ingresso no Ensino Superior

Leia mais

PESQUISA DATAPOPULAR: PERCEPÇÃO SOBRE A QUALIDADE DA EDUCAÇÃO NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE SÃO PAULO

PESQUISA DATAPOPULAR: PERCEPÇÃO SOBRE A QUALIDADE DA EDUCAÇÃO NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE SÃO PAULO PESQUISA DATAPOPULAR: PERCEPÇÃO SOBRE A QUALIDADE DA EDUCAÇÃO NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE SÃO PAULO OBJETIVOS QUALIDADE NAS ESCOLAS Mapear percepções de Professores, Pais e Alunos de São Paulo sobre o que

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Leia com atenção e fique atento a todas as datas do processo. Saia na frente e boa sorte!

APRESENTAÇÃO. Leia com atenção e fique atento a todas as datas do processo. Saia na frente e boa sorte! APRESENTAÇÃO Descomplicando o ProUni é um guia que detalha o edital do Programa Universidade para Todos, o ProUni, do Governo Federal, que concede bolsas de estudo integrais e parciais para candidatos

Leia mais

Cartilha do ALUNO EMPREENDEDOR POLITÉCNICA

Cartilha do ALUNO EMPREENDEDOR POLITÉCNICA 1 Cartilha do ALUNO EMPREENDEDOR POLITÉCNICA Diretor Acadêmico: Edison de Mello Gestor do Projeto: Prof. Marco Antonio da Costa 2 1. APRESENTAÇÃO Prepare seus alunos para explorarem o desconhecido, para

Leia mais

ATENÇÃO! www.enem.inep.gov.br

ATENÇÃO! www.enem.inep.gov.br Cursos Presenciais Manual do Processo de Isenção do Pagamento da Taxa de Inscrição das Provas a serem realizadas pela UFSCar ATENÇÃO! Candidatos ao Vestibular da UFSCar para 2010, precisam fazer as provas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 015/2009-CONSUNIV-UEA ESTÁGIO SUPERVISIONADO

RESOLUÇÃO Nº 015/2009-CONSUNIV-UEA ESTÁGIO SUPERVISIONADO RESOLUÇÃO Nº 015/2009-CONSUNIV-UEA ESTÁGIO SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DA NATUREZA DO ESTÁGIO Art. 1º. Os estágios obrigatórios ou não-obrigatórios, de estudantes de curso de graduação da Universidade do

Leia mais

um novo foco para as mudanças

um novo foco para as mudanças reforma da previdência um novo foco para as mudanças Durante o Fórum Técnico Reforma da Previdência, a professora Eli Iola, em sua exposição, retoma a história da implantação do sistema previdenciário

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA SOLICITAÇÃO DE BOLSA DE ESTUDO NÃO RESTITUÍVEL (BOLSA FILANTRÓPICA) 2016

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA SOLICITAÇÃO DE BOLSA DE ESTUDO NÃO RESTITUÍVEL (BOLSA FILANTRÓPICA) 2016 RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA SOLICITAÇÃO DE BOLSA DE ESTUDO NÃO RESTITUÍVEL (BOLSA FILANTRÓPICA) 2016 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1 Será concedida a Bolsa Filantrópica com base nos critérios básicos consignados

Leia mais

Emprego doméstico na Região Metropolitana de Porto Alegre em 2013

Emprego doméstico na Região Metropolitana de Porto Alegre em 2013 EMPREGO DOMÉSTICO NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE ABRIL 2014 Emprego doméstico na Região Metropolitana de Porto Alegre em Em, diminuiu o número de empregadas domésticas na

Leia mais

COORDENADORIA DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA

COORDENADORIA DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA COORDENADORIA DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA Nome do Projeto: Cadastro Único (Cadúnico) Bolsa familia Coordenador: Elenara Muneron CRESS 5027 Metas do Cadúnico: atender todas as famílias com renda percapita

Leia mais

Balanço social: diversidade, participação e segurança do trabalho

Balanço social: diversidade, participação e segurança do trabalho João Sucupira* INDICADORES Balanço social: diversidade, participação e segurança do trabalho O balanço social está se tornando uma peça importante não só para prestar contas à sociedade das ações das empresas

Leia mais

Escola Bilíngüe. O texto que se segue pretende descrever a escola bilíngüe com base nas

Escola Bilíngüe. O texto que se segue pretende descrever a escola bilíngüe com base nas Escola Bilíngüe É uma escola unique Diana Mandelert Diana Cerdeira Apresentação O texto que se segue pretende descrever a escola bilíngüe com base nas informações obtidas na página da escola na Internet,

Leia mais

POBREZA, SEGURANÇA ALIMENTAR E SAÚDE NO BRASIL

POBREZA, SEGURANÇA ALIMENTAR E SAÚDE NO BRASIL POBREZA, SEGURANÇA ALIMENTAR E SAÚDE NO BRASIL Escrito por: Angela Kageyama Rodolfo Hoffmann Consultora: FECAMP Contrato: 206066 ÌNDICE Insegurança alimentar, educação e na PNAD de 2004... 3. Dados gerais

Leia mais

(MAPAS VIVOS DA UFCG) PPA-UFCG RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES

(MAPAS VIVOS DA UFCG) PPA-UFCG RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES 1 PPA-UFCG PROGRAMA PERMANENTE DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES (MAPAS VIVOS DA UFCG) 2 DIMENSÃO MISSÃO E PDI MAPAS VIVOS DE

Leia mais

PROCESSO SELETIVO COMPLEMENTAR PARA PROVIMENTO DE VAGAS NOS CURSOS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DO PROGRAMA NACIONAL MULHERES MIL EDITAL Nº 61 /2013

PROCESSO SELETIVO COMPLEMENTAR PARA PROVIMENTO DE VAGAS NOS CURSOS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DO PROGRAMA NACIONAL MULHERES MIL EDITAL Nº 61 /2013 PROCESSO SELETIVO COMPLEMENTAR PARA PROVIMENTO DE VAGAS NOS CURSOS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DO PROGRAMA NACIONAL MULHERES MIL EDITAL Nº 61 /2013 O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

O BRASIL SEM MISÉRIA E AS MUDANÇAS NO DESENHO DO BOLSA FAMÍLIA

O BRASIL SEM MISÉRIA E AS MUDANÇAS NO DESENHO DO BOLSA FAMÍLIA O BRASIL SEM MISÉRIA E AS MUDANÇAS NO DESENHO DO BOLSA FAMÍLIA Rafael Guerreiro Osorio e Sergei S. D. Soares O Programa Bolsa Família é uma transferência de renda mensal do governo federal para famílias

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome O Brasil assume o desafio de acabar com a miséria O Brasil assume o desafio de acabar com a

Leia mais

SENADO FEDERAL Gabinete do Senador Donizeti Nogueira PARECER Nº, DE 2015. Relator: Senador DONIZETI NOGUEIRA

SENADO FEDERAL Gabinete do Senador Donizeti Nogueira PARECER Nº, DE 2015. Relator: Senador DONIZETI NOGUEIRA SENADO FEDERAL Gabinete do Senador Donizeti Nogueira PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 426, de 2015, da Comissão de Direitos Humanos e

Leia mais

Relatório de Pesquisa. Março 2013

Relatório de Pesquisa. Março 2013 Relatório de Pesquisa SONDAGEM CONJUNTURAL DO VAREJO BRASILEIRO Março 2013 SONDAGEM CONJUNTURAL DO VAREJO BRASILEIRO Pesquisa realizada pela CNDL e SPC Brasil. Foram ouvidos em todo o país 615 varejistas.

Leia mais

PBQP-H QUALIDADE HABITACIONAL OBRAS DE EDIFICAÇÕES

PBQP-H QUALIDADE HABITACIONAL OBRAS DE EDIFICAÇÕES PBQP-H QUALIDADE HABITACIONAL OBRAS DE EDIFICAÇÕES PBQP-H O que é PBQP-H? O PBQP-H (Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat), é um instrumento do governo federal que tem como meta organizar

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA. Desde a criação do primeiro Programa de NA PÓS-GRADUAÇÃO

FORMAÇÃO PLENA. Desde a criação do primeiro Programa de NA PÓS-GRADUAÇÃO FORMAÇÃO PLENA NA PÓS-GRADUAÇÃO Desde a criação do primeiro Programa de Pós- Sricto Sensu, em Fitotecnia, em 1975, a UFLA ocupou-se de pautar as suas ações em fundamentos morais sólidos e em valores que

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIOS. Lei de estágio 11.788/08

MANUAL DE ESTÁGIOS. Lei de estágio 11.788/08 MANUAL DE ESTÁGIOS Lei de estágio 11.788/08 O QUE É ESTÁGIO O estágio tem por finalidade proporcionar a complementação da formação acadêmica e permite que o estudante tenha acesso ao campo de sua futura

Leia mais

3 O Panorama Social Brasileiro

3 O Panorama Social Brasileiro 3 O Panorama Social Brasileiro 3.1 A Estrutura Social Brasileira O Brasil é um país caracterizado por uma distribuição desigual de renda. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios

Leia mais