Mercados: Economia Global desacelerando

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mercados: Economia Global desacelerando"

Transcrição

1 03/06/11 Mercados: Economia Global desacelerando O mês de junho começa com a constatação de que a economia global está desacelerando. Depois de toda a decepção com os dados recentes dos Estados Unidos, novas informações da China e da Europa apontam para uma moderação do nível de atividade no segundo trimestre. Além do rumo da atividade mundial, os investidores internacionais continuam aguardando um novo pacote de socorro para a Grécia e tiveram conhecimento de novo rebaixamento do rating do país, pela Moody`s Finalizando a semana, os dados do PIB do 1T11 no Brasil não trouxeram novidades relevantes e, nos EUA, os dados sobre o emprego alimentaram ainda mais as incertezas ao redor do mundo sobre o ritmo de retomada global. Neste contexto, a Bovespa fechou a semana com leve alta de 0,07% e o dólar variou -1,4%% no mesmo período Ibovespa Dow Jones Fonte: Ágora Corretora de Valores e Bradesco Corretora de Valores Pesquisa Focus: Afastando-se do limite superior da meta Um relatório sem brilho, com apenas alguns pequenos ajustes para a previsão do IPCA de 2011, tendo em vista que as previsões de inflação melhoraram para o meio do ano. A expectativa de inflação agora é de chegar a 6,23% em 2011 (a partir de 6,27% na semana passada). Para 2012, a estimativa do mercado permanece em 5,1%. O PIB deverá crescer 4% em 2011 (o número deverá mudar somente na próxima semana, depois da leitura do número do 1º trimestre de 2011 na última sexta-feira). Com relação ao PIB em 2012, houve um pequeno aumento para 4,2%, exatamente onde a projeção de expansão da economia estava há um mês. O consenso para a taxa Selic se manteve inalterado: 12,5% para 2011 e 12,25% para o próximo ano. No mercado de câmbio, o aumento recente na volatilidade não provocou grandes revisões. Para o final do ano de 2011, a expectativa é agora de R$ 1.61/US$ 1 (um pouco abaixo dos R$ 1.62/US$ 1 da semana passada). Para 2012, o consenso permanece em R$ 1,70/US$ 1. Jose Francisco Cataldo Ferreira - Economista & Estrategista

2 Pesquisa Focus Projeção 2011 Projeção 2012 Anterior Atual Anterior Atual IPCA (%) 6,23 6,27 5,10 5,10 IGP-M (%) 6,80 6,80 5,00 5,00 Selic (%) 12,50 12,50 12,25 12,25 Produção Industrial (%) 3,73 3,73 4,55 4,60 PIB (%) 4,00 4,00 4,10 4,20 Câmbio 1,61 1,62 1,70 1,70 Déficit em Conta Corrente (US$ bilhões) 60,00 60,00 70,00 70,00 Superávit comercial (US$ bilhões) 20,00 20,00 10,00 10,00 IEDs (US$ bilhões) 50,00 50,00 45,00 45,00 Fonte: Banco Central, Ágora Corretora de Valores e Bradesco Corretora de Valores IGP-M de Maio tem variação mais baixa desde Julho de 2010 O IGP-M de maio ficou em +0,43%, ante +0,45% em abril. O resultado ficou abaixo do piso calculado por economistas. Com relação aos três sub-indicadores que compõe o IGP-M, o IPA-M avançou 0,03% este mês, após subir 0,29% no quarto mês do ano. Por sua vez, o IPC-M apresentou alta de 0,90% em maio, em comparação com o aumento de 0,78% no mês passado. Já o INCC-M registrou taxa positiva de 2,03% este mês, em comparação com a elevação de 0,75% em abril IGP-M (comparação com o mesmo mês do ano anterior, em %) , Fonte: FGV, Ágora Corretora de Valores e Bradesco Corretora de Valores IPC-Fipe desacelera para 0,31% em Maio O Índice de Preço ao Consumidor (IPC) da FIPE fechou o mês de Maio com alta de 0,31%, depois de ter avançado 0,70% em abril. O indicador ficou abaixo da mediana das estimativas, de 0,38%. O IPC também desacelerou em relação a terceira quadrissemana do mês passado, quando havia ficado em 0,47%. O IPC da FIPE acumula alta de 3,14% nos cinco meses de 2011 e de 6,49% nos últimos doze meses, ate maio.

3 1,4 IPC da Fipe (Semanal) 1,2 1 0,8 0,6 0,4 0,2 0,31 0-0, Fonte: FIPE, Ágora Corretora de Valores e Bradesco Corretora de Valores IPP de Abril desacelera e fica em 0,34%, O Índice de Preços ao Produtor do IBGE ficou em 0,34% em abril de 2011, na comparação com março, quando a taxa foi de 0,39%. Em 2011 o IPP acumula alta de 1,74%. No acumulado de 12 meses a variação do indicador e de 6,73%. No acumulado do ano, as atividades que tiveram as maiores variações percentuais foram: têxteis, produtos químicos, refino de petróleo e produtos de alcool. Estes mesmos setores e ainda o grupo alimentos são os que tem maior peso no índice. Os preços de alimentos pesquisados no IPP registraram queda de 1,21% em abril ante março. No ano, os alimentos já recuaram 1,50%, mas comparativamente a abril de 2010, ainda acumulam alta de 16,80%. Crescimento do crédito permaneceu forte em Abril Em abril, o total de crédito em circulação cresceu 21% em relação a igual mês de 2010 (em linha com as nossas projeções de 20,8% nesse período) e 1,3% na comparação com o mês de maio, para R$ 1.78 trilhões, equivalente a 46,6% do PIB (46,5% em março). Esta foi à terceira alta consecutiva, desde a implementação das medidas de macro-prudenciais em dezembro, bem como do aumento da taxa Selic. Tal como em março, registrou-se a desaceleração no crédito às pessoas físicas (que subiu 18,2% em abril, após os 18,4% reportado em março), o qual foi mais que compensado pelo aumento do crédito às empresas (que avançou 18,5% na comparação anual em abril, comparativamente a 17,8% em março). Além disso, os empréstimos com recursos direcionados (compreendendo os empréstimos do BNDES e financiamentos imobiliários) subiram 26,3% na comparação anual em abril, mais do que 26,2% apresentado em

4 março. As medidas macro-prudenciais, ao que tudo indica, tiveram impacto concentrado nas modalidades de crédito para pessoas físicas. Mas mesmo nesse caso, os efeitos são discutíveis. Na verdade, o financiamento de veículos continuou a desacelerar no mês (16,1% em relação a igual mês de 2010, incluindo as operações de leasing, a segunda desaceleração consecutiva desde o pico de crescimento de 18,5% na comparação anual apresentada em fevereiro). No entanto, esta desaceleração tem sido parcialmente compensada pela utilização mais intensa das linhas de crédito para contingências (tais como cheque especial e cartões de crédito, especialmente a modalidade não-rotativo, usado para comprar bens em prestações). O problema com o crescimento dessas modalidades é que normalmente antecipa o aumento da inadimplência das operações de crédito. Neste contexto, a taxa de inadimplência nas operações com pessoas físicas subiu para 6,1%, a terceira alta consecutiva (o que, para nós, já é uma tendência, especialmente considerando a perda do salário real que os trabalhadores enfrentam, devido ao elevado nível de inflação). No que se refere ao crédito para as empresas, o crescimento poderia ter sido ainda maior não fosse a valorização de 3,4% do Real no mês. Isso ocorre porque o crescimento foi puxado por um repique no financiamento das exportações (que é ajustado pela taxa de câmbio, cotado em R$), provavelmente como um substituto mais barato para o agora mais caro IOF que incide sobre os empréstimos externos de curto prazo. Em resumo, apesar de alguns sinais de moderação (em algumas modalidades de crédito a pessoas físicas e considerando a manutenção do nível de desembolsos do BNDES), o processo de criação de crédito no Brasil continua forte (na verdade, o crédito continua a crescer mais que o PIB nominal). No entanto, uma parte do crescimento do crédito é um mero reflexo do aumento da inflação. Em termos reais, o crescimento do crédito em abril foi de 13,6%, o mesmo percentual apresentado em março e abaixo do avanço de 14% apresentado ao longo de Continuamos a ver a desaceleração do crédito como um processo gradual. Desta forma, a inflação deve permanecer em níveis elevados ainda durante algum tempo. Operações de Crédito Percentual do PIB Taxa de crescimento em 12 meses ,6% 35,0 30, ,9% 20,8% 25,0 20,0 15,0 10,0 25 5,0 20 0,0 mar-09 set-09 mar-10 set-10 mar-11 Fonte: Banco Central, Ágora Corretora de Valores e Bradesco Corretora de Valores

5 Produção Industrial de abril mostra queda forte Confiança da indústria cai 1,2% em maio ante abril. Em abril/2011, a produção industrial caiu 1,3% na comparação com igual período de Considerando dados ajustados pela sazonalidade, a produção industrial registrou um declínio de 2,1% no mês, abaixo de nossas estimativas (+0,4% de variação no mês) e do consenso de mercado (+0,2% de variação mensal). Quando observado o declínio mensal acentuado reportado em abril devemos levar em conta, no entanto, que houve uma revisão em alta do crescimento mensal de março para 1,1% (anteriormente +0,5%). A queda no mês foi generalizada, sendo liderada por bens de consumo duráveis, que caiu 10,1% na comparação mensal, refletindo uma queda na produção de eletrodomésticos e veículos. A produção de bens de capital caiu 2,9% no mês, após ter crescido mais de 7% no 1T11, quando a produção foi estimulada pelas perspectivas do encerramento de algumas das linhas de financiamento do BNDES. A produção de bens de consumo não-duráveis caiu 1,5% no mês e a de bens intermediários -0,6%. Com o declínio no mês, a produção industrial está mais uma vez abaixo do pico pré-crise de setembro de Apesar da ainda decente disponibilidade de crédito, um Real forte e maiores custos de produção (incluindo salários) deve ainda conter o crescimento da produção industrial. Mantemos a nossa visão de que a desaceleração da economia está avançando (nossas previsões para o crescimento do PIB para 2011 e 2012 são de 3,5% e 3,7%, respectivamente O Índice de Confiança da Indústria (ICI) aprofundou trajetória de queda e mostrou recuo de 1,2% em maio ante abril, segundo a Fundação Getúlio Vargas (FGV). No mês passado, o índice caiu 1,1% contra março. Esta foi a quinta queda consecutiva do indicador. A avaliação dos empresários sobre situação atual é a pior em 18 meses. PIB do 1T11 no Brasil não traz novidade O Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil subiu 1,3% no primeiro trimestre de 2011 na comparação com o quarto trimestre de 2010, de acordo com o IBGE. O resultado ficou em linha com a mediana das estimativas dos analistas, de 1,30%. Na comparação com o primeiro trimestre de 2010, o PIB apresentou expansão de 4,2% nos três primeiros meses de 2011, também próximo a mediana das estimativas, de 4,36%. O aumento da taxa de 0,6% no consumo das famílias no 1T11 ante o 4T10 foi o mais fraco desde o 4T08. O consumo das famílias mostrou crescimento mais moderado, numa reação as medidas macroprudenciais lançadas pelo governo a partir de dezembro de 2010, que restringiu a oferta de credito no pais. A formação bruta de capital fixo (FBCF) subiu 1,2% no 1T11 contra o 4T10. Na mesma base de comparação, o PIB da industria avançou 2,2% e o PIB de serviços 1,1%

6 ,85 PIB (Crescimento acumulado em 12 meses) 6,32 5,67 5,87 5,96 5,30 4,84 5,08 3,11 1,00 2,25 5,26 7,51 7,49 4, ,68-0,64 1T07 2T07 3T07 4T07 1T08 2T08 3T08 4T08 1T09 2T09 3T09 4T09 1T10 2T10 3T10 4T10 1T11 Dados Norte- Americanos Preço de moradias cai 3,6% em Março O índice S&P Case-Shiller de preços de moradias nas 20 maiores cidades dos EUA caiu 3,6% em março, em comparação com o mesmo mês do ano passado, enquanto o índice para as 10 maiores cidades teve queda de 2,9%. As expectativas eram que o índice para 20 cidades cairia 3,2%. Em relação a fevereiro, o índice de preços em 20 cidades diminuiu 0,8% e o de 10 cidades recuou 0,6%. A pesquisa mostrou que a maioria das grandes áreas viram declínio nos preços das moradias em março ante fevereiro. Índice de atividade manufatura cai 0,9% em Abril O Federal Reserve de Chicago disse que o índice de atividade no setor de manufatura caiu 0,9% em abril, para o nível sazonalmente ajustado de 83,6, a partir de 84,4 em março. A primeira retração em sete meses reflete problemas na cadeia de produção de automóveis após o terremoto e tsunami no Japão. Em relação a abril do ano passado, o índice de atividade subiu 8,6%. A produção regional de automóveis cedeu 5% em abril frente a março. A produção de aço também caiu 0,3% em abril. Em relação a abril de 2010, a produção regional de automóveis subiu 8,6% e a de aço avançou 17,5%. O índice dos gerentes de compras de atividade do setor de manufatura do Instituto para Gestão de Oferta (ISM) de Chicago caiu para 56,6 em maio, a partir de 67,6 em abril. A previsão dos economistas era de que o índice cairia para 63 em maio.

7 Confiança do consumidor cai a 60,8 em Maio O índice de confiança do consumidor dos EUA medido pelo Conference Board caiu para 60,8 em maio, do dado revisado de 66,0 em abril. O resultado de abril havia sido calculado inicialmente em 65,4. O dado de maio foi o mais baixo desde novembro do ano passado e ficou muito abaixo das estimativas de 66,4 dos economistas. ADP: Setor Privado cria 38 mil vagas em maio O setor privado norte-americano criou 38 mil vagas em maio, em base sazonalmente ajustada, segundo a mais recente pesquisa ADP. A previsão do mercado era de aumento de 190 mil vagas de trabalho no setor privado em maio. Os números oficiais do governo para maio, que incluem vagas do setor público constam no relatório de emprego (payroll) dos EUA. 400 ADP: Criação de Empregos ( Em mil) Fonte: Bloomberg, Ágora Corretora de Valores e Bradesco Corretora de Valores Investimentos em construção sobem 0,4% em Abril Os investimentos em construção nos EUA subiram em abril, mas a leitura do mês anterior foi revisada acentuadamente em baixa, confirmando que o setor continua a ser um peso para a economia norte-americana. Os investimentos em construção nos EUA aumentaram 0,4% em abril, na comparação com março, para a taxa anual sazonalmente ajustada de US$ 765 bilhões, segundo o Departamento de Comércio do país. A expectativa era de alta de 0,2%. Em abril, os investimentos em construção residencial aumentaram 3,1%, para US$ 241 bilhões, após recuarem por dois meses consecutivos. Os investimentos em construção não residencial, ou comercial, caíram 0,8%. Por setor, os investimentos privados em construção subiram 1,7% em abril, para US$ 483 bilhões. Os investimentos públicos em construção diminuíram 1,9%, para US$ 282 bilhões.

8 ISM Industrial cai a 53,5 em Maio Encomendas à indústria caem 1,2% em Abril O índice de atividade industrial do Instituto para Gestão de Oferta (ISM) caiu para 53,5 em maio, de 60,4 em abril. O resultado ficou abaixo da estimativa de queda para 57,0. O índice de preços recuou para 76,5 em maio, de 85,5 em abril, enquanto o indicador de emprego cedeu para 58,2, de 62,7, e o indicador de novas encomendas declinou para 51,0, de 61,7. O índice de produção teve queda para 54,0, de 63,8, e o de estoques diminuiu para 48,7, de 53,6. As encomendas à indústria dos EUA caíram 1,2% em abril, em comparação com março, para US$ 440,4 bilhões, de acordo com o Departamento do Comércio. A expectativa do mercado era uma queda de 1,0%. O declínio de abril foi o mais forte em quase um ano e o segundo nos últimos três meses. O dado de março foi revisado para mostrar aumento de 3,8% nas encomendas, em vez de 3,0% como calculado inicialmente. Excluindo transportes, as encomendas à indústria caíram 0,2% em abril, depois de diminuírem 2,9% em março. O setor de transportes foi o que registrou a maior queda nas encomendas. Pedidos de auxilio desemprego caem 6 mil na semana O número de trabalhadores norte-americanos que entraram pela primeira vez com pedido de auxílio-desemprego caiu 6 mil, para 422 mil, após ajustes sazonais, na semana até 28 de maio. A expectativa era de queda de 4 mil solicitações. O número da semana anterior foi revisado em alta para 428 mil, dos 424 mil informados na primeira leitura. EUA criam 54 mil postos de trabalho em maio, muito abaixo da expectativa Taxa de desemprego sobe a 9,1% em maio. A economia dos EUA criou 54 mil empregos em maio, com o setor privado registrando o menor aumento nas vagas em quase um ano. O resultado ficou abaixo dos 160 mil postos de trabalho esperados pelo mercado.os números dos relatórios do mercado de trabalho dos EUA, dos dois meses anteriores foram revisados para baixo num total de 39 mil empregos, para mostrar aumento de 232 mil vagas em abril e de 194 mil em março.o setor privado, que corresponde a cerca de 70% da força de trabalho dos EUA, criou apenas 83 mil empregos em maio, o menor ganho desde junho de O governo cortou 29 mil postos de trabalho, a sétima queda seguida. O relatório também mostrou que 45,1% dos norte-americanos desempregados, ou mais de 6 milhões de pessoas, estão sem trabalho há mais de seis meses. A taxa de desemprego norte-americana subiu para 9,1% em maio, a partir de 9% em abril. A taxa superou a previsão do mercado que era de queda da taxa para 8,9%. De acordo com as estimativas ha. cerca de 13,9 milhões de norte-americanos que não conseguem obter emprego.

9 Índice de Atividade- ISM sobe a 54,6 em maio O índice ISM de atividade do setor não industrial dos EUA subiu para 54,6 em maio, de 52,8 em abril. A estimativa dos analistas era de uma leitura de 54,0. O índice de negócios teve leve queda para 53,6 em maio, de 53,7 em abril, enquanto o índice de emprego aumentou para 54,0, de 51,9. O índice de preços diminuiu para 69,6 em maio, de70,1 em abril. Na mesma comparação, o índice de encomendas subiu para 56,8, de 52,7. Dados Europeus Zona do Euro: CPI inesperadamente se desacelera para 2,7% em Maio A inflação anual na zona do euro inesperadamente diminuiu em maio, no primeiro declínio em nove meses. O índice de preços ao consumidor (CPI) da região subiu 2,7% neste mês, depois de aumentar 2,8% em abril. A expectativa era que a alta do CPI ficaria inalterada em 2,8% em maio. Apesar da inesperada queda no CPI em maio, a taxa de inflação na zona do euro permanece bem acima da meta do BCE de menos de 2,0%. O banco central elevou os juros em 0,25 ponto porcentual em abril, para 1,25%, no primeiro aumento desde meados de 2008, para evitar que a alta dos preços ao consumidor provocasse uma inflação mais elevada. Na nossa visão é improvável que a desaceleração impeça o Banco Central Europeu (BCE) de apertar mais a política monetária nos próximos meses. Zona do Euro: Taxa de desemprego fica inalterada a 9,9% em Abril A taxa de desemprego na zona do euro ficou inalterada em abril, mas foi a menor em um ano e meio. Segundo a Eurostat, a taxa de desemprego ficou em 9,9% entre os 17 países do bloco, mesmo porcentual de março e fevereiro. É a menor taxa desde setembro de A taxa de desemprego é inferior à taxa de 10,2% de abril do ano passado. A leitura ficou em linha com a expectativa. Os números divergem, entretanto, com as maiores economias como Alemanha, França e Itália apresentando queda no desemprego, enquanto em economias como Irlanda, Espanha e Portugal os números subiram. A taxa de desemprego ajustada da Alemanha recuou para uma mínima recorde em maio e o número total de desempregados caiu abaixo da marca sensível de 3 milhões, segundo o escritório de trabalho federal. A taxa de desemprego ajustada diminuiu para 7,0%, de 7,1% em abril, a menor desde que os registros começaram a ser feitos, em 1999.

10 Setor de manufatura da Zona do Euro teve forte desaceleração em Maio O crescimento do setor de manufatura da zona do euro teve a maior desaceleração em dois anos e meio em maio. O índice dos gerentes de compras (PMI) industrial caiu para a mínima em sete meses de 54,6, a partir de 58,0 em abril. A queda no índice foi a mais forte desde novembro de O setor de manufatura da Alemanha teve em maio o menor crescimento em sete meses, segundo dados finais sobre o índice dos gerentes de compras (PMI) industrial. A atividade das indústrias da Itália registrou o menor avanço em seis meses e a da França se desacelerou para uma mínima em quatro meses. Mas a desaceleração foi ainda mais pronunciada em países que vêm sofrendo com problemas econômicos e de dívida, o que destaca a divergência entre as taxas de crescimento do setor de manufatura dentro da zona do euro. No caso da Europa, não se pode concluir tão rapidamente que o Banco Central Europeu irá desistir de subir os juros. Com a inflação ainda bem acima da meta, os dados sobre a atividade não são suficientes para mudar a visão do BCE sobre os riscos para a estabilidade dos preços. Dados Asiáticos Produção industrial do Japão cresceu 1% em Abril Na noite de 30/05 foi anunciado que a produção industrial do Japão cresceu 1% em abril, na comparação com o mês anterior, liderada por uma recuperação nos setores de maquinário elétrico e geral, de acordo com o Ministério da Economia, Comércio e Indústria. Isso sinaliza que as fábricas estão se recuperando mais rapidamente do que o esperado da devastação causada pelo terremoto. No entanto, as empresas cortaram postos de trabalho. A taxa de desemprego subiu para 4,7% em abril, de 4,6% em março. O dado possivelmente subestima o impacto da tragédia, pois exclui os números dos municípios mais atingidos. A produção e as exportações de automóveis do Japão sofreram quedas recordes em abril, uma vez que a falta de peças após o terremoto de 11 de março interrompeu as operações das fábricas por todo o mês. A produção de veículos encolheu 60,1% em relação a abril do ano passado. PMI oficial da China caiu pelo segundo mês consecutivo. A atividade industrial da China se desacelerou em maio, de acordo com dois índices de gerentes de compras (PMI) divulgados nesta quarta-feira. O PMI oficial caiu pelo segundo mês consecutivo, para 52,0 em maio, de 52,9 em abril. O PMI medido pelo HSBC baixou para uma mínima de 10 meses, de 51,8 em abril para 51,6 em maio. Uma leitura acima de 50 indica expansão da atividade manufatureira, enquanto uma leitura abaixo desse patamar indica contração da atividade. A leitura do mercado é que ainda é improvável que a China tenha uma desaceleração econômica acentuada e o banco central deve seguir em frente com sua estratégia de aperto monetário, pelo menos no curto prazo.

11 Indicadores Econômicos Data Horário Indicador Referência Consenso Anterior 06/06/ :30 Pesquisa Focus /06/ :30 Vendas de veículos (Anfavea) Mai /06/ :30 Produção de veículos (Anfavea) Mai /06/ :30 Exportação de veículos (Anfavea) Mai /06/ :00 Balança comercial (FOB) semanal 5-jun - - $286M 07/06/ :00 FGV Inflação IGP-DI Mai 0,50% 0,50% 07/06/ :00 IBGE Inflação IPCA (% no mês) Mai 0,48% 0,77% 07/06/ :00 IBGE Inflação IPCA (A/A) Mai 6,57% 6,51% 07/06/ :00 CNI Utilização capacidade Abr ,40% 08/06/ :00 FGV IPC-S-Índ preços ao consumidor 3-jun - - 0,51% 08/06/ Meta do SELIC-Banco Central 8-jun 12,25% 12,00% 09/06/ :00 FIPE IPC-Índice de preços ao consumidor semanal 7-jun 0,20% 0,47% 09/06/ :00 FGV Previsão da inflação IGP-M 8-jun 0,45% 0,70% 10/06/ :00 Venda ampla varejo (A/A) Abr ,50% 10/06/ :00 Vendas a varejo (M/M) Abr 0,40% 1,20% 10/06/ :00 Vendas a varejo (A/A) Abr 11,80% 4,10% Fonte: Bloomberg; Ágora Corretora de Valores e Bradesco Corretora EUA Data Horário Indicador Referência Consenso Anterior 07/06/ :00 IBD/TIPP Otimismo econômico Jun 42 42,8 07/06/ :00 Ofertas de emprego JOLTs Abr /06/ :00 Crédito ao consumidor Abr $5.000B $6.016B 08/06/ :00 MBA-Solicitações de empréstimos hipotecários 3-jun ,00% 08/06/ :00 Livro Bege do FED /06/ :30 Novos pedidos seguro-desemprego 3-jun K 09/06/ :30 Seguro-desemprego 28-mai K 09/06/ :30 Balança comercial Abr -$48.6B -$48.2B 09/06/ :45 Nível de conforto do consumidor Bloomberg 5-jun ,1 09/06/ :00 Estoques no atacado Abr 1,00% 1,10% 10/06/ :30 Índice preços de importação (M/M) Mai -0,70% 2,20% 10/06/ :30 Índice preços de importação (A/A) Mai 11,20% 11,10% 10/06/ :00 Orçamento mensal Mai -$160.0B - - Fonte: Bloomberg; Ágora Corretora de Valores e Bradesco Corretora China Data Horário Indicador Referência Consenso Anterior 09/06/ :00 Balança comercial (US$) Mai $18.15B $11.42B 09/06/ :00 Exportações (A/A) Mai 22,50% 29,90% 09/06/ :00 Importações (A/A) Mai 22,50% 21,80% 09/06/ :00 Investimentos diretos estrangeiros real (A/A) Mai ,20% Cenário Econômico Ano E 2011 E 2012 E Contas Nacionais Crescimento Real do PIB (%) 2,9 4 5,4 5,1-0,2 7,5 3,5 3,7 Câmbio Taxa de câmbio final 2,34 2,14 1,77 2,33 1,74 1,67 1,70 1,8 Índice de preços IPCA (% aa) 5,69 3,14 4,46 5,9 4,31 5,9 5,5 4,5 IGP-M (% aa) 1,2 3,85 7,39 9,81-1,72 11,3 6,6 4,8 Atividade Econômica Produção Industrial 3,13 2,7 6 3,1-7,4 10,9 4 4,3 Juros Meta SELIC - Final (%) 18 13,25 11,25 13,75 8,75 10,75 12,5 12,5 Juros reais - SELIC/IPCA (%) 11,65 9,8 6,5 7,41 4,26 3,3 4,9 7,2 Balanço de Pagamentos Saldo comercial (US$ bilhões) 44,75 46,08 40,03 24,73 25,34 20,3 13,5 10,8 Saldo em conta corrente (US$ bilhões) 13,98 13, ,3-24, Contas públicas Superávit primário (% do PIB) 4,35 3,88 3,98 4,07 2 2,8 2,9 3 Dívida líquida total (% do PIB) 46,45 44,91 43, ,6 39,1 37,5 Fonte: Ágora Corretora de Valores e Bradesco Corretora de Valores

12 Este relatório foi preparado pela equipe de análise de investimentos da Bradesco S.A. Corretora de Títulos e Valores Mobiliários ( Bradesco Corretora ), que é uma sociedade controlada pelo Banco Bradesco BBI S.A. ( BBI ), mesmo controlador da Ágora Corretora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. ( Ágora ). O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, fotocopiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Ágora ou da Bradesco Corretora. Este relatório é distribuído somente com o objetivo de prover informações e não representa uma oferta de compra e venda ou solicitação de compra e venda de qualquer instrumento financeiro. As informações contidas neste relatório são consideradas confiáveis na data em que este relatório foi publicado. Entretanto, as informações aqui contidas não representam por parte da Ágora ou da Bradesco Corretora garantia de exatidão dos dados factuais utilizados. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento, envolvido(s) na elaboração deste relatório ( analistas de investimento ) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações dos analistas de investimento envolvidos na elaboração deste relatório, limitadas às companhias objeto de sua análise, nos termos do art. 17 da Instrução CVM 483: Os analistas de investimento declaram que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre a companhia e seus valores mobiliários e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Ágora, à Bradesco Corretora, ao BBI e demais empresas do Grupo Bradesco. A remuneração dos analistas de investimento está, direta ou indiretamente, influenciada pelo resultado proveniente dos negócios e operações financeiras realizadas pela Ágora, Bradesco Corretora e BBI. Declarações nos termos do art. 18 da Instrução CVM 483, referentes às empresas cobertas pelos analistas de investimento da Ágora e Bradesco Corretora: O Banco Bradesco S.A. tem participação direta acima de 5% nas empresas Cielo e Odontoprev. A Bradseg Participações, empresa do Grupo Bradesco, têm participação indireta acima de 5% no Fleury. A BRADESPAR, cujo grupo controlador é composto pelos mesmos acionistas que controlam o Banco Bradesco S.A., tem participação indireta acima de 5% na VALE. Àgora, Bradesco Corretora, BBI e demais empresas do Grupo Bradesco têm interesses financeiros e comerciais relevantes em relação ao emissor ou aos valores mobiliários objeto de análise. O Bradesco BBI está atuando como assessor financeiro do Fleury na operação com a Labs D'Or, como coordenador da oferta pública de distribuição de ações da Brazil Pharma, BR Properties, Inbrands, LG Agronegócios e Participações, Qualicorp e units da Kroton Educacional. A Ágora e a Bradesco Corretora estão participando como instituições intermediárias na oferta de ações da Magazine Luiza. Nos últimos 12 meses, o Bradesco BBI participou como coordenador nas ofertas públicas de distribuição de títulos e valores mobiliários das companhias: AES Tietê, Amil, Banco BMG, Banco do Brasil, Banco Panamericano, Banco Votorantim, Bandeirante Energia, BM&FBovespa, BNDESPAR, Bradesco, Braskem, Brookfield Incorporações, BR Malls, BR Properties, Camargo Correa, CELPE, CESP, Cetip, Companhia de Participações em Concessões (CPC), Concessionárias Autovias e Intervias (Grupo OHL Brasil), CR2, Cyrela Commercial Properties, Ecopistas, Eletropaulo, Embratel, Fertilizantes Heringer, FIDC Chemical VI, FIDC Lojas Renner, Gafisa, Gerdau, Helbor, Helio Boreinstein, Hypermarcas, International Meal Company Holdings, JBS, Julio Simões, Light SESA, Light Energia, Magnesita Refratários, Marfrig, Minerva, Natura, OSX, PDG Realty, Petrobras, Rodobens, Rota das Bandeiras, Santher, Santos Brasil, Soares Penido, Suzano Papel e Celulose, T4F, Unidas, Votorantim Cimentos. Também atuou como assessor financeiro da CETIP na aquisição da GRV Solutions. Nos últimos 12 meses, a Ágora e/ou a Bradesco Corretora participaram, como instituições intermediárias, das ofertas públicas de títulos e valores mobiliários das companhias: Anhangüera Educacional, Arezzo, Autometal, Banco do Brasil, BNDESPAR, Brasil Brokers, Brasil Insurance, BR Malls, BR Properties, Direcional Engenharia, Ecorodovias, Estácio, Even, Gerdau, HRT, International Meal Company, JBS, Julio Simões, LPS, Magnesita Refratários, Mills, OSX, Petrobras, Raia, Renova Energia, QGEP Participações, Sonae Sierra, Tecnisa e T4F. A Bradesco Corretora recebe remuneração por serviços prestados como formador de mercado de ações da Eucatex (EUCA4) e de debêntures da American Banknote, BNDESPAR e USIMINAS. Informações adicionais sobre quaisquer ações recomendadas podem ser obtidas por meio de solicitação. Os relatórios publicados pela equipe de análise de investimento da Bradesco Corretora também podem ser encontrados no site https://www.bradescocorretora.com.br.

13 ANÁLISE DE INVESTIMENTOS Head de Análise & Pesquisa & Estrategista Marco Melo Petróleo, Petroquímico, Papel & Celulose e Logística Luiz Otávio Broad Siderurgia & Mineração e Construção Civil Cristiane Viana Bancos, Seguros e Serviços Financeiros Aloisio Villeth Lemos Energia Elétrica, Saúde e Educação Filipe Acioli Telecom, Shopping Center, Consumo e Aviação Marcos Mattos Assistente de Análise Ian Dunker Lyra Wilson Lapa Santos Júnior Economista & Estrategista Jose Francisco Cataldo Ferreira

Pair Trading Idea Operações Estruturadas Friday, May 13, 2011

Pair Trading Idea Operações Estruturadas Friday, May 13, 2011 Oportunidades C/V Ativo 1 Ativo 2 Ativo 1 (R$) Ativo 2 (R$) Fator de Troca Spread atual Ponto de Venda Ponto de Compra Target Spread Ganho esperado Stop Duração estimada Operações em andamento 12-Apr V

Leia mais

Pair Trading Idea Operações Estruturadas quarta-feira, 6 de abril de 2011

Pair Trading Idea Operações Estruturadas quarta-feira, 6 de abril de 2011 Pair Trading Idea Oportunidades C/V Ativo 1 Ativo 2 Ativo 1 (R$) Ativo 2 (R$) Fator de Troca atual Ponto de Venda Ponto de Compra Target Ganho esperado Duração estimada Operações em andamento 09/mar C

Leia mais

OPERAÇÃO ENTRADA TARGET STOP $39,83 $40,90 $39,09

OPERAÇÃO ENTRADA TARGET STOP $39,83 $40,90 $39,09 Recomendação do Dia ATIVO OPERAÇÃO ENTRADA TARGET STOP CONDIÇÃO RSID3 Compra $39,83 $40,90 $39,09 IMEDIATA Comentário O papel continua esboçando alguma melhora, precisando do rompimento dos R$ 9,23 para

Leia mais

Boletim Diário MERCADOS. Índices, Câmbio e Commodities. Bolsa. Altas e Baixas do Ibovespa. Câmbio. Juros. Ibovespa x Dow Jones (em dólar)

Boletim Diário MERCADOS. Índices, Câmbio e Commodities. Bolsa. Altas e Baixas do Ibovespa. Câmbio. Juros. Ibovespa x Dow Jones (em dólar) MERCADOS Bolsa A Bovespa já iniciou o ano novo indicando que será mais um período de muita volatilidade para as ações. Diante de um cenário de grandes incertezas do lado doméstico e de olho nos acontecimentos

Leia mais

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA HENRIQUE MARINHO MAIO DE 2013 Economia Internacional Atividade Econômica A divulgação dos resultados do crescimento econômico dos

Leia mais

Panorama Econômico Abril de 2014

Panorama Econômico Abril de 2014 1 Panorama Econômico Abril de 2014 Alerta Esta publicação faz referência a análises/avaliações de profissionais da equipe de economistas do Banco do Brasil, não refletindo necessariamente o posicionamento

Leia mais

Relatório - Análise Gráfica/BMF Análise de Dados Técnicos terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Relatório - Análise Gráfica/BMF Análise de Dados Técnicos terça-feira, 10 de janeiro de 2012 Ibovespa Futuro INDG12 59640 0,84% 59.790 59.100 59.594 56.855 55.700 61.395 62.160 WING12 59680 0,88% 59.785 59.060 59.594 56.855 55.700 61.395 62.160 Oíndice futurosegue dentrode sua congestão maior

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

12 de setembro de 2014

12 de setembro de 2014 Capacidade de promover mudanças Para o rating brasileiro a recuperação econômica conduzida por investimento e o rígido cumprimento das metas de superávit primário entre 2% e 3% são essenciais. Por outro

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO 09/10/2012

RENDA FIXA TESOURO DIRETO 09/10/2012 DESTAQUES DO RELATÓRIO: Carteira Recomendada A nossa carteira para este mês de Outubro continua estruturada considerando a expectativa de aumento da taxa de juros a partir do próximo ano. Acreditamos que

Leia mais

Introdução. PIB varia 0,4% em relação ao 1º trimestre e chega a R$ 1,10 trilhão

Introdução. PIB varia 0,4% em relação ao 1º trimestre e chega a R$ 1,10 trilhão 16 a 31 de agosto de 2012 As principais informações da economia mundial, brasileira e baiana Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia Diretoria de Indicadores e Estatísticas Coordenação

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 29 de maio de 2015

INFORME ECONÔMICO 29 de maio de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Atividade econômica mostra reação nos EUA. No Brasil, o PIB contraiu abaixo do esperado. Nos EUA, os dados econômicos mais recentes sinalizam que a retomada da atividade

Leia mais

Spinelli Panorama Diário

Spinelli Panorama Diário Spinelli Panorama Diário 09 de fevereiro de 2010 Indicadores Variação - % Pontos dia semana mês Bolsas Ibovespa 63.153 0,62 0,62-3,44 IBX 19.989 0,47 0,47-3,70 S&P500 1.056-0,89-0,89-1,60 Dow Jones 9.908-1,04-1,04-1,58

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Setembro de 213 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação 2 I. Introdução 3 Missão

Leia mais

Análise de Empresas 27/02/2015. Ambev: Resultado do 4T14 e Revisão de Estimativas ABEV3. Recomendação: Preço-alvo: 18,00 Upside: -1,9%

Análise de Empresas 27/02/2015. Ambev: Resultado do 4T14 e Revisão de Estimativas ABEV3. Recomendação: Preço-alvo: 18,00 Upside: -1,9% : Resultado do 4T14 e Revisão de Estimativas A AmBev registrou um crescimento do Ebitda de 5% em relação a igual período do ano anterior no 4T14, 3% acima da nossa estimativa, impulsionada pela alta dos

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

Panorama Econômico. Principais Fatos da Semana. 04 de Maio de 2015. Sumário. Acompanhamento De 27 de Abril a 01 de Maio

Panorama Econômico. Principais Fatos da Semana. 04 de Maio de 2015. Sumário. Acompanhamento De 27 de Abril a 01 de Maio Panorama Econômico 04 de Maio de 2015 Sumário Principais Fatos da Semana 1 Economia EUA 2 Economia Brasileira 3 Índices de Mercado 5 Calendário Semanal 5 Acompanhamento Principais Fatos da Semana Nos Estados

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O Copom decidiu, por unanimidade, elevar a taxa de juros Selic em 0,5 p.p., a 14,25% ao ano, conforme esperado pelo mercado. A decisão ocorreu após elevação de 0,5 p.p no último encontro.

Leia mais

Atualizado em 14/04/2014

Atualizado em 14/04/2014 Atualizado em 14/04/2014 Calendário de Divulgação de Balanços do 1T14, sujeito a alteração* Calendário de Balanços por ordem de data de divulgação Data Empresa Evento 16/Abr Localiza Balanço, após o fechamento

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Boletim Diário MERCADOS. Índices, Câmbio e Commodities. Bolsa. Altas e Baixas do Ibovespa. Câmbio. Juros. Ibovespa x Dow Jones (em dólar)

Boletim Diário MERCADOS. Índices, Câmbio e Commodities. Bolsa. Altas e Baixas do Ibovespa. Câmbio. Juros. Ibovespa x Dow Jones (em dólar) MERCADOS Bolsa A queda das bolsas internacionais não ajudou a pressionar o mercado doméstico em dia de indicadores fracos na China e nos Estados Unidos. A aversão ao risco aumentou nos últimos dias com

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

Boletim Diário MERCADOS. Índices, Câmbio e Commodities. Bolsa. Câmbio. Altas e Baixas do Ibovespa. Juros. Ibovespa x Dow Jones (em dólar)

Boletim Diário MERCADOS. Índices, Câmbio e Commodities. Bolsa. Câmbio. Altas e Baixas do Ibovespa. Juros. Ibovespa x Dow Jones (em dólar) 07 de Junho de 2013 MERCADOS Bolsa A Bolsa segue influenciada pela fragilidade do cenário externo e somente conseguiu uma recuperação no final da tarde, com alta de 0,16%, aos 52.845 pontos. O giro financeiro

Leia mais

Segunda-feira 01 de Dezembro de 2014. DESTAQUES

Segunda-feira 01 de Dezembro de 2014. DESTAQUES DESTAQUES Bovespa tem queda, mas encerra mês em alta Mercado vê inflação maior e PIB baixo em 2015 Casino vai acelerar expansão do Pão de Açúcar Minério de ferro cai 48% e tem pior cenário Brokers fecha

Leia mais

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Relatório Mensal 2015 Março Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Composição da Carteira Ativos Mobiliários, Imobiliários e Recebíveis

Leia mais

Boletim Diário MERCADOS. Índices, Câmbio e Commodities. Bolsa. Câmbio. Altas e Baixas do Ibovespa. Juros. Ibovespa x Dow Jones (em dólar)

Boletim Diário MERCADOS. Índices, Câmbio e Commodities. Bolsa. Câmbio. Altas e Baixas do Ibovespa. Juros. Ibovespa x Dow Jones (em dólar) MERCADOS Bolsa O Ibovespa não conseguiu sustentar o movimento de alta do começo da tarde e terminou o dia em queda de 0,15% aos 53.100 pontos, com baixo volume financeiro de R$ 4,7 bilhões, acumulando

Leia mais

Relatório Mensal Agosto/2015

Relatório Mensal Agosto/2015 1. Cenário Econômico Relatório Mensal GLOBAL: A ata da reunião de julho do FOMC (Federal Open Market Committee) trouxe um tom mais conciliador. Embora a avaliação em relação à atividade econômica tenha

Leia mais

Informativo Semanal de Economia Bancária

Informativo Semanal de Economia Bancária 1 Comentário Semanal A semana começa ainda sob impacto do debate acerca da evolução do quadro fiscal e seus possíveis efeitos sobre o crescimento da economia e, conseqüentemente, sobre os juros em 2010.

Leia mais

O desafio da competitividade. Maio 2012

O desafio da competitividade. Maio 2012 O desafio da competitividade Maio 2012 ECONOMY RESEARCH Roberto Padovani Economista-Chefe (55 11) 5171.5623 roberto.padovani@votorantimcorretora.com.br Rafael Espinoso Estrategista CNPI-T (55 11) 5171.5723

Leia mais

INDX avança 4,71% em Fevereiro

INDX avança 4,71% em Fevereiro INDX avança 4,71% em Fevereiro Dados de Fevereiro/15 Número 95 São Paulo O Índice do Setor Industrial (INDX), composto pelas ações mais representativas do segmento, encerrou o mês de fevereiro com elevação

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL

ECONOMIA INTERNACIONAL No mês de fevereiro foram divulgadas as estatísticas das principais economias mundiais. Cabe ressaltar ainda, o efeito negativo da crise na Ucrânia nos mercados internacionais, uma vez que o grau de tensão

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Agosto 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

set/12 mai/12 jun/12 jul/11 1-30 jan/13

set/12 mai/12 jun/12 jul/11 1-30 jan/13 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 jan/12 fev/12 mar/12 abr/12 mai/12 jun/12 jul/12 ago/12 set/12 out/12 nov/12 1-30 jan/13 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 jan/12 fev/12 mar/12 abr/12

Leia mais

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 CENÁRIO INTERNACIONAL ESTADOS UNIDOS Ø Abrandamento da política monetária para promover o crescimento sustentável. Ø Sinais

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

Spinelli Panorama Diário

Spinelli Panorama Diário Spinelli Panorama Diário 18 de setembro de 2009 Indicadores Análise Gráfica Ibovespa: Após o teste do suporte de 55.300 pontos, o Ibovespa registrou forte recuperação, superou a resistência de 57.300 pontos,

Leia mais

Atualizado em 20/03/2012

Atualizado em 20/03/2012 Atualizado em 20/03/2012 Calendário de Divulgação de Balanços do 4T11, sujeito a alteração* Calendário de Balanços por ordem de data de divulgação Data Empresa Evento 19/3 Alpargatas Teleconferência, às

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 9 de outubro de 2015

INFORME ECONÔMICO 9 de outubro de 2015 Aug-10 Feb-11 Aug-11 Feb-12 Aug-12 Feb-13 Aug-13 Feb-14 Aug-14 Feb-15 Aug-15 INFORME ECONÔMICO RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Alta de juros nesse ano ainda é o cenário base do FED. No Brasil, a inflação

Leia mais

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento 12 de janeiro de 2015 Relatório Semanal de Estratégia de Investimento Destaques da Semana Economia internacional: Deflação na Europa reforça crença no QE (22/11); Pacote de U$1 trilhão em infraestrutura

Leia mais

15 a 30 de setembro de 2015

15 a 30 de setembro de 2015 15 a 30 de setembro de 2015 As principais informações da economia mundial, brasileira e baiana Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia Diretoria de Indicadores e Estatísticas Coordenação

Leia mais

1 a 15 de setembro de 2011

1 a 15 de setembro de 2011 1 a 15 de setembro de 2011 As principais informações da economia mundial, brasileira e baiana Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia Diretoria de Indicadores e Estatísticas Coordenação

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV São Paulo, 06 de julho de 2010. CENÁRIO ECONÔMICO EM JUNHO A persistência dos temores em relação à continuidade do processo de recuperação das economias centrais após a divulgação dos recentes dados de

Leia mais

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio MB ASSOCIADOS Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012 Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio 26 de Maio de 2011 1 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Impactos no Agronegócio 2 Crescimento

Leia mais

Boletim Diário MERCADOS. Índices, Câmbio e Commodities. Bolsa. Câmbio. Altas e Baixas do Ibovespa. Juros. Ibovespa x Dow Jones (em dólar)

Boletim Diário MERCADOS. Índices, Câmbio e Commodities. Bolsa. Câmbio. Altas e Baixas do Ibovespa. Juros. Ibovespa x Dow Jones (em dólar) MERCADOS Bolsa Ontem, a Bovespa não conseguiu acompanhar os mercados internacionais, com o peso das principais ações do índice - OGX, Vale e Petrobras - além de bancos e siderúrgicas. O Ibovespa encerrou

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 24 de abril de 2015

INFORME ECONÔMICO 24 de abril de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Economia global não dá sinais de retomada da atividade. No Brasil, o relatório de crédito apresentou leve melhora em março. Nos EUA, os dados de atividade seguem compatíveis

Leia mais

MERCADO. EMPRESAS E SETORES SER EDUCACIONAL Aquisição. MACRO China Vendas no Varejo (abrl), Produção Industrial abril),

MERCADO. EMPRESAS E SETORES SER EDUCACIONAL Aquisição. MACRO China Vendas no Varejo (abrl), Produção Industrial abril), Agenda Sumário 20 de maio de 2014 MACRO China Vendas no Varejo (abrl), Produção Industrial abril), Investimento Estrangeiro (abril); EUA Vendas no Varejo (abril), Estoques de Negócios (março); Alemanha

Leia mais

Informativo Semanal de Economia Bancária

Informativo Semanal de Economia Bancária Comentário Semanal A pesquisa Focus desta semana trouxe uma nova rodada de elevação das projeções para o IPCA, tanto para este ano como para 2011. Para 2010, a mediana das estimativas subiu para 5,29%

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Oper. Crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) em julho/2015 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3,11 trilhões em julho/15, após alta de 0,3% no

Leia mais

Boletim Diário MERCADOS. Bolsa. Índices, Câmbio e Commodities. Câmbio. Altas e Baixas do Ibovespa. Juros. Ibovespa x Dow Jones (em dólar)

Boletim Diário MERCADOS. Bolsa. Índices, Câmbio e Commodities. Câmbio. Altas e Baixas do Ibovespa. Juros. Ibovespa x Dow Jones (em dólar) MERCADOS Bolsa Ontem a Bovespa não seguiu o ritmo dos mercados internacionais que tiveram dia de alta. A queda de Vale, Petrobras e dos principais bancos, contribuiu para o fechamento em baixa de 0,53%,

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL

ECONOMIA INTERNACIONAL O cenário de estagflação, ou seja, um fraco crescimento econômico somado a uma inflação elevada da economia brasileira, não mudou no mês de abril e deve seguir assim até o final de 2015, segundo dados

Leia mais

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas 1 O conturbado cenário nacional Economia em recessão: queda quase generalizada do PIB no 2º trimestre de 2015, com expectativa de

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest

Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest SUMÁRIO PANORAMA 3 ATUAL CONTEXTO NACIONAL 3 ATUAL CONTEXTO INTERNACIONAL 6 CENÁRIO 2015 7 CONTEXTO INTERNACIONAL 7 CONTEXTO BRASIL 8 PROJEÇÕES 9 CÂMBIO 10

Leia mais

Boletim Diário MERCADOS. Índices, Câmbio e Commodities. Bolsa. Câmbio. Juros. Altas e Baixas do Ibovespa. Ibovespa x Dow Jones (em dólar)

Boletim Diário MERCADOS. Índices, Câmbio e Commodities. Bolsa. Câmbio. Juros. Altas e Baixas do Ibovespa. Ibovespa x Dow Jones (em dólar) MERCADOS Bolsa A Bovespa não conseguiu sustentar o movimento de alta dos últimos dias com movimento de realização de lucro em importantes empresas do Índice. O Ibovespa terminou o dia em baixa de 0,45%,

Leia mais

1º a 15 de agosto de 2011

1º a 15 de agosto de 2011 1º a 15 de agosto de 2011 As principais informações da economia mundial, brasileira e baiana Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia Diretoria de Indicadores e Estatísticas Coordenação

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

Boletim Diário MERCADOS. Índices, Câmbio e Commodities. Bolsa. Altas e Baixas do Ibovespa. Câmbio. Juros. Ibovespa x Dow Jones (em dólar)

Boletim Diário MERCADOS. Índices, Câmbio e Commodities. Bolsa. Altas e Baixas do Ibovespa. Câmbio. Juros. Ibovespa x Dow Jones (em dólar) 13 de Junho de 2013 MERCADOS Bolsa A Bovespa seguiu em queda ontem, desta vez influenciada pelo exercício de Ibovespa futuro e de opções sobre o Ibovespa e mau humor no mercado externo, com as bolsas norte-americanas

Leia mais

Na sexta-feira (24), são aguardados os resultados de Fibria, Hypermarcas, Souza Cruz e Tractebel.

Na sexta-feira (24), são aguardados os resultados de Fibria, Hypermarcas, Souza Cruz e Tractebel. Page 1 of 5 20/4/2015 07:41:42 - EMPRESAS E SETORES CALENDÁRIO DE BALANÇOS: USIMINAS, FIBRIA E HYPERMARCAS INAUGURAM SAFRA DE DIVULGAÇÃO DO 1TRI15 São Paulo, 20/04/2015 - A temporada de divulgação de balanços

Leia mais

Desempenho de vendas do setor segue forte

Desempenho de vendas do setor segue forte Macro Setorial segunda-feira, 20 de maio de 2013 Veículos Desempenho de vendas do setor segue forte Depois de obter recorde na venda de automóveis e comerciais leves em 2012, impulsionado por incentivos

Leia mais

Empresa Setor Avaliação

Empresa Setor Avaliação Empresa Setor Avaliação São Martinho Açúcar e Alcool Bom Minerva Alimentos / Abatedouros Bom JBS Alimentos / Abatedouros Bom BRF Foods Alimentos / Abatedouros Bom M. Diasbranco Alimentos / Massas e Farináceos

Leia mais

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Agenda 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Cenário Internacional Cenário Internacional Mundo cresce, mas pouco. Preocupação com China 4 EUA

Leia mais

Carteira Recomendada RENDA FIXA segunda-feira, 1 de junho de 2015

Carteira Recomendada RENDA FIXA segunda-feira, 1 de junho de 2015 1. Alocação recomendada para Junho de 2015 Classe de Ativo Carteira Conservadora* Carteira Moderada* Carteira Agressiva* Curto Prazo Longo Prazo Curto Prazo Longo Prazo Curto Prazo Longo Prazo Pós-Fixado

Leia mais

Calendário de Eventos Econômicos

Calendário de Eventos Econômicos Calendário de Eventos Econômicos Horário Eventos Previsão Comentários SegundaFeira 05/10 08:25 Bacen: Boletim Focus (semanal) 10:00 Markit: Índice PMI composto 15:00 MDIC: Balança comercial (semanal) 04:55

Leia mais

Boletim Diário MERCADOS. Índices, Câmbio e Commodities. Bolsa. Câmbio. Altas e Baixas do Ibovespa. Juros. Ibovespa x Dow Jones (em dólar)

Boletim Diário MERCADOS. Índices, Câmbio e Commodities. Bolsa. Câmbio. Altas e Baixas do Ibovespa. Juros. Ibovespa x Dow Jones (em dólar) MERCADOS Bolsa A Bovespa encerrou ontem em queda de 0,34% aos 50.993 pontos com volume reduzido de R$ 4,2 bilhões. Os investidores estão fora do mercado aproveitando o noticiário fraco e agenda econômica

Leia mais

Boletim Diário MERCADOS. Índices, Câmbio e Commodities. Bolsa. Câmbio. Altas e Baixas do Ibovespa. Juros. Ibovespa x Dow Jones (em dólar)

Boletim Diário MERCADOS. Índices, Câmbio e Commodities. Bolsa. Câmbio. Altas e Baixas do Ibovespa. Juros. Ibovespa x Dow Jones (em dólar) MERCADOS Bolsa A Bovespa registrou o terceiro pregão em alta na terça-feira, (+1,53%) fechando aos 50.890 pontos, mais uma vez ajudada pelas ações de Petrobras e Vale. O volume financeiro fraco (R$ 4,56

Leia mais

Boletim Diário MERCADOS. Índices, Câmbio e Commodities. Bolsa. Câmbio. Altas e Baixas do Ibovespa. Juros. Ibovespa x Dow Jones (em dólar)

Boletim Diário MERCADOS. Índices, Câmbio e Commodities. Bolsa. Câmbio. Altas e Baixas do Ibovespa. Juros. Ibovespa x Dow Jones (em dólar) MERCADOS Bolsa O Ibovespa voltou a subir ontem refletindo os dados positivos da China que vieram na contramão da expectativa do mercado e também os indicadores dos Estados Unidos, que ajudaram a Bovespa

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2015, em cumprimento

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 Data: 29/04/2014 Participantes Efetivos: Edna Raquel Rodrigues Santos Hogemann Presidente, Valcinea Correia da Silva Assessora Especial,

Leia mais

O BRASIL NO NOVO MANDATO PRESIDENCIAL (2015-2019) 02 de Dezembro de 2014 IFHC

O BRASIL NO NOVO MANDATO PRESIDENCIAL (2015-2019) 02 de Dezembro de 2014 IFHC O BRASIL NO NOVO MANDATO PRESIDENCIAL (2015-2019) 02 de Dezembro de 2014 IFHC 1 1. Economia Internacional 2. Economia Brasileira 2 Cenário Internacional: importante piora nas últimas semanas Zona do Euro

Leia mais

Boletim Diário MERCADOS. Índices, Câmbio e Commodities. Bolsa. Câmbio. Altas e Baixas do Ibovespa. Juros. Ibovespa x Dow Jones (em dólar)

Boletim Diário MERCADOS. Índices, Câmbio e Commodities. Bolsa. Câmbio. Altas e Baixas do Ibovespa. Juros. Ibovespa x Dow Jones (em dólar) MERCADOS Bolsa A Bovespa registrou, na sexta-feira, mais um pregão de baixo volume financeiro (R$ 5,5 bilhões) em dia de agenda fraca. O mercado já vem há vários dias operando com baixo volume e com predomínio

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 20 de março de 2015

INFORME ECONÔMICO 20 de março de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS FED reduz projeções de crescimento e inflação nesse ano, e mostra cautela em relação ao início do aperto monetário nos EUA. No Brasil, inflação se mantém pressionada. O Comitê

Leia mais

EconoWeek Relatório Semanal. EconoWeek 24/08/2015

EconoWeek Relatório Semanal. EconoWeek 24/08/2015 24/08/2015 EconoWeek DESTAQUE INTERNACIONAL Mais uma semana bastante volátil de mercado, com as tensões se elevando conforme os indicadores econômicos chineses demonstram um crescimento aquém do projetado

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional Dez/14 e 2014 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3.022 bilhões em dezembro de 2014, após expansão

Leia mais

PANORAMA EUA VOL. 3, Nº 5, JUNHO DE 2013

PANORAMA EUA VOL. 3, Nº 5, JUNHO DE 2013 PANORAMA EUA VOL. 3, Nº 5, JUNHO DE 2013 PANORAMA EUA OBSERVATÓRIO POLÍTICO DOS ESTADOS UNIDOS INSTITUTO NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARA ESTUDOS SOBRE OS ESTADOS UNIDOS INCT-INEU ISSN 2317-7977 VOL.

Leia mais

Boletim Diário MERCADOS. Índices, Câmbio e Commodities. Bolsa. Câmbio. Altas e Baixas do Ibovespa. Juros. Ibovespa x Dow Jones (em dólar)

Boletim Diário MERCADOS. Índices, Câmbio e Commodities. Bolsa. Câmbio. Altas e Baixas do Ibovespa. Juros. Ibovespa x Dow Jones (em dólar) MERCADOS Bolsa A Bovespa registrou mais um dia de recuperação, mesmo com as bolsas internacionais do lado negativo. O Ibovespa terminou a sessão em alta de 0,65%, aos 56.034 pontos. O giro financeiro totalizou

Leia mais

1 a 15 de setembro de 2015

1 a 15 de setembro de 2015 1 a 15 de setembro de 2015 As principais informações da economia mundial, brasileira e baiana INTRODUÇÃO Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia Diretoria de Indicadores e Estatísticas

Leia mais

EconoWeek Relatório Semanal. EconoWeek 18/05/2015

EconoWeek Relatório Semanal. EconoWeek 18/05/2015 18/05/2015 EconoWeek DESTAQUE INTERNACIONAL Semana bastante volátil de mercado, com uma agenda mais restrita em termos de indicadores macroeconômicos. Entre os principais destaques, os resultados de Produto

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: PIB e Juros... Pág.3 Europa: Recuperação e Grécia... Pág.4

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional em fev/2015 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3,03 trilhões em fev/15, após alta de 0,5% no mês

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

Cenário Macroeconômico

Cenário Macroeconômico INSTABILIDADE POLÍTICA E PIORA ECONÔMICA 24 de Março de 2015 Nas últimas semanas, a instabilidade política passou a impactar mais fortemente o risco soberano brasileiro e o Real teve forte desvalorização.

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Fevereiro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Fevereiro de 2015...

Leia mais

A ELETROS SOB A ÓTICA DE SEUS INVESTIMENTOS. Abril/2013

A ELETROS SOB A ÓTICA DE SEUS INVESTIMENTOS. Abril/2013 A ELETROS SOB A ÓTICA DE SEUS INVESTIMENTOS Abril/2013 Índice Cenário Macroeconômico; Renda Fixa e Renda Variável; Investimentos; Rentabilidade dos Planos; Resumo do Processo de Perfis de Investimento

Leia mais

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento 17 de novembro de 2014 Relatório Semanal de Estratégia de Investimento Destaque da Semana Economia internacional: Bancos Centrais dominam atenção dos mercados. BCE sinaliza política monetária expansionista;

Leia mais

Informativo Semanal de Economia Bancária

Informativo Semanal de Economia Bancária Comentário Semanal Os números do IPCA de novembro e do PIB do 3T13 repercutiram sobre as previsões dos analistas para 213, conforme a pesquisa Focus divulgada nessa segunda-feira. A variação de,54% no

Leia mais

Boletim Diário MERCADOS. Índices, Câmbio e Commodities. Bolsa. Câmbio. Altas e Baixas do Ibovespa. Juros. Ibovespa x Dow Jones (em dólar)

Boletim Diário MERCADOS. Índices, Câmbio e Commodities. Bolsa. Câmbio. Altas e Baixas do Ibovespa. Juros. Ibovespa x Dow Jones (em dólar) MERCADOS Bolsa A Bovespa encerrou a quinta-feira em baixa de 0,76%, aos 52.239 pontos e segue registrando volume financeiro muito baixo, ficando em R$ 4,53 bilhões. Ontem a pressão foi do lado de Petrobras,

Leia mais

Boletim Diário MERCADOS. Índices, Câmbio e Commodities. Bolsa. Altas e Baixas do Ibovespa. Câmbio. Juros. Ibovespa x Dow Jones (em dólar)

Boletim Diário MERCADOS. Índices, Câmbio e Commodities. Bolsa. Altas e Baixas do Ibovespa. Câmbio. Juros. Ibovespa x Dow Jones (em dólar) MERCADOS Bolsa O dia foi de queda acentuada na Bovespa encerrando com queda de 1,82% aos 56.204 pontos, com volume financeiro de R$ 10,7 bilhões, sendo R$ 2,92 bilhões do exercício de opções sobre ações.

Leia mais

PANORAMA INTERNACIONAL. Embora inibida pelos efeitos do câmbio valorizado, atividade segue forte

PANORAMA INTERNACIONAL. Embora inibida pelos efeitos do câmbio valorizado, atividade segue forte PANORAMA INTERNACIONAL EUA Grande revisão do PIB Performance do 2º trimestre (1,3%), pior do que esperada (1,8%)...e forte revisão do passado Recessão de 2008/2009 foi mais forte Mais modesta formação

Leia mais

Pesquisa FEBRABAN de Projeções Macroeconômicas e Expectativas de Mercado

Pesquisa FEBRABAN de Projeções Macroeconômicas e Expectativas de Mercado Pesquisa FEBRABAN de Projeções Macroeconômicas e Expectativas de Mercado Variáveis Macroeconômicas Pesquisa de Projeções Macroeconômicas (Média) Efetivos Efetivos Pesquisas anteriores 2012 2013 Pesquisa

Leia mais

Boletim Diário MERCADOS. Índices, Câmbio e Commodities. Bolsa. Altas e Baixas do Ibovespa. Câmbio. Juros. Ibovespa x Dow Jones (em dólar)

Boletim Diário MERCADOS. Índices, Câmbio e Commodities. Bolsa. Altas e Baixas do Ibovespa. Câmbio. Juros. Ibovespa x Dow Jones (em dólar) MERCADOS Bolsa A Bovespa fechou o dia em ligeira alta (0,17%) aos 47.364 pontos, com os investidores avaliando as propostas do governo federal e também a reação dos políticos ao pacote. Os cortes de despesas

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Banco Central do Brasil: Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) em agosto de 2015 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3,13 trilhões

Leia mais

Boletim Diário MERCADOS. Índices, Câmbio e Commodities. Bolsa. Altas e Baixas do Ibovespa. Câmbio. Juros. Ibovespa x Dow Jones (em dólar)

Boletim Diário MERCADOS. Índices, Câmbio e Commodities. Bolsa. Altas e Baixas do Ibovespa. Câmbio. Juros. Ibovespa x Dow Jones (em dólar) MERCADOS Bolsa A Bovespa voltou a mostrar força ontem, suportada pelo mesmo motivo: a corrida eleitoral. Enquanto os mercados internacionais mostram espaço para a continuidade da realização de lucros a

Leia mais

ConjunturaSemanal. Sinais de menor inflação e atividade fraca explicam queda dos juros futuros;

ConjunturaSemanal. Sinais de menor inflação e atividade fraca explicam queda dos juros futuros; 06-jun-2014 Sinais de menor inflação e atividade fraca explicam queda dos juros futuros; Dólar encerra semana em alta diante de expectativa de retirada de operações de swap; Ibovespa recuou 2,6% na semana,

Leia mais

Boletim Diário MERCADOS. Bolsa. Índices, Câmbio e Commodities. Altas e Baixas do Ibovespa. Câmbio. Juros. Ibovespa x Dow Jones (em dólar)

Boletim Diário MERCADOS. Bolsa. Índices, Câmbio e Commodities. Altas e Baixas do Ibovespa. Câmbio. Juros. Ibovespa x Dow Jones (em dólar) MERCADOS Bolsa A Bovespa chegou a operar em queda na parte da manhã, mas passou por recuperação na parte da tarde acompanhando o avanço das bolsas dos EUA, e fechou em alta de 1,13% aos 54,236 pontos.

Leia mais

Ativa Corretora. Novembro de 2010

Ativa Corretora. Novembro de 2010 Ativa Corretora Novembro de 2010 Roteiro A economia global passa por ajustes severos, quase que simultaneamente, o que torna o trabalho de previsão ainda mais complexo do que o normal. Existem ainda questões

Leia mais