Indicadores da Semana

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Indicadores da Semana"

Transcrição

1 Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira com recursos direcionados totalizou 26,5% do PIB e 48,7% do total de operações do SFN. A taxa de inadimplência do Sistema Financeiro alcançou 3,0%. Leia mais/página 5 O IBGE divulgou o resultado do PIB do primeiro trimestre de O dado confirmou que o país está, oficialmente, em "recessão técnica" ao apresentar recuo de 1,9% em relação ao período imediatamente anterior, já descontada o efeito sazonal. Em relação ao mesmo trimestre de 2014 o PIB caiu 2,6% e em 4 trimestres registrou queda de 1,2%. Leia mais/página 7 31 de agosto de 2015 Índice ICC e ICI 2 PNAD 3 Setor Externo 4 Crédito 5 Política Fiscal 6 PIB 7 Principais variáveis - Brasil previsão** Atividade PIB real (%)* 2,50 0,10-1,90 2º trimestre -2,26 Produção Industrial (%)* 2,10-3,20-5,00 junho -5,57 Comércio Varejista (%)* 4,30 2,20-0,80 junho - Taxa de Desemprego (% do PEA) 5,40 4,30 7,50 julho - Inflação IPCA (%)* 5,90 6,41 9,56 julho 9,28 IGP-M (%)* 5,50 3,69 6,97 julho 7,61 Taxa de juros e câmbio Taxa Selic (%) 10,0 11,8 14,25 julho 14,25 TJLP (%) 5,00 5,00 6,50 3º trimestre - R$ / US$ 2,34 2,66 3,58 28/08/15 3,50 Setor Externo Balança Comercial (US$ blihões)* 2,50-3,90-0,90 julho Transações Correntes (% do PIB)* -3,70-4,47-4,17 julho - Investimento Estrangeiro Direto (% do PIB)* 2,86 4,13 4,12 julho - Reservas Internacionais (US$ bilhões) /08/15 - Necessidade de Financiamento do Setor Público Primário (% do PIB)* -1,90-0,60 0,89 julho - Nominal (% do PIB)* 3,05 6,23 8,81 julho - Dívida Líquida do Setor Público (% do PIB) 33,6 36,7 34,2 julho 36,2 Crédito do SFN Taxa de juros (% a.a.) 22,4 23,7 28,4 julho - Spreads (p.p.) 13,8 14,9 18,4 julho - Prazo das concessões (meses) 99,4 106,7 111,9 julho - Inadimplência (%) 2,84 2,73 3,00 julho - *Acumulado em 12 meses último dado 2015 **Focus

2 Índice de confiança do consumidor e índice de confiança da indústria têm queda O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) teve queda de 1,7 em agosto, passando de 82,0 para 80,6 pontos. Trata-se do menor nível na série histórica e da quarta queda consecutiva. O ICC acumula perda de 16,2% e 2,0% no acumulado no ano e em 12 meses, respectivamente. Já na comparação com julho de 2014, a queda é de 21,6%. Segundo Viviane Seda Bittencourt, Coordenadora da Sondagem do Consumidor da FGV/IBRE, Os consumidores estão cada vez mais pessimistas em relação ao futuro da economia. A mediana de inflação projetada para os próximos 12 meses atingiu 10% em agosto, e as perspectivas para o mercado de trabalho é uma das piores dos últimos 10 anos. Esses fatores vêm afetando negativamente as decisões de consumo das famílias. O ICC é composto pelo Índice da Situação Atual (ISA), que mede a satisfação dos consumidores com o momento presente, e pelo Índice de Expectativas (IE), que mede as expectativas em relação aos meses seguintes. No mês, o ISA ficou praticamente estável em relação ao mês anterior, passando de 79,2 para 79,1 pontos (0,3%). O IE, por sua vez, teve a quarta queda negativa consecutiva, passando de 86,5 para 85,7 (-0,9%), na mesma base de comparação. Como pode ser observado no gráfico, tanto o ICC quanto o ISA e o IE estão patamares historicamente baixos. A confiança do consumidor continua apresentando tendência baixista. O Índice de Confiança da Indústria (ICI), após ter subido em julho, voltou a cair em agosto quando comparado ao mês anterior (-1,6%), passando de 69,1 para 68,0 pontos. Trata-se do menor patamar da série mensal iniciada em O ICI é composto pelo Índice da Situação Atual (ISA) e pelo Índice de Expectativas (IE). O resultado no mês foi determinado pela queda no ISA, que recuou 1,6% na comparação com julho (passando de 70,3 para 69,2 pontos), e no IE, que também caiu 1,6% na mesma base de comparação (de 67,9 para 66,8 pontos). Os resultados do mês para o IE e para o ISA são os segundos menores da série histórica. Fonte: IBRE/FGV Segundo Aloisio Campelo Jr., Superintendente Adjunto de Ciclos Econômicos da FGV/IBRE, a queda do ICI em agosto sugere que a alta do mês passado teria sido um evento passageiro. Fatores desfavoráveis, como os estoques excessivos e a demanda interna fraca, ainda predominam amplamente sobre os favoráveis, como a desvalorização cambial, na construção de expectativas em relação aos próximos meses. O Nível de capacidade instalada (NUCI) caiu 0,5 p.p. em relação a julho, atingindo 77,7%. Esse é o menor patamar desde outubro de

3 Desemprego fica em 8,3% A Taxa de desocupação divulgada pelo IBGE e medida pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua no trimestre encerrado em junho foi estimada em 8,3%, resultado acima do trimestre que encerrou em março de 2015 (7,9%) e ao mesmo período de 2014 (6,8%). Trata-se do maior resultado para o período desde o início da pesquisa, em Havia no país cerca de 8,4 milhões de pessoas desocupadas no período de referência, crescimento de 5,3% quando comparado com o trimestre anterior (de janeiro de 2015 a março de 2015) e de 23,5% quando comparado com o mesmo período do ano passado. Já as pessoas ocupadas foram estimadas em 92,2 milhões no trimestre, ficando estável tanto em relação ao trimestre anterior quanto na comparação com o mesmo período do ano passado. O nível da ocupação (percentuais de pessoas ocupadas entre aquelas em idade de trabalhar) atingiu 56,2% no trimestre encerrado em junho, resultado estável na comparação com o trimestre anterior e menor em relação ao mesmo período do ano anterior. A taxa de participação (percentual de pessoas na força de trabalho em relação às pessoas em idade de trabalhar), por sua vez, foi estimada em 61,3% no segundo trimestre de 2015, registrando um pequeno crescimento quando comparado com o primeiro trimestre de 2015 e sem variações significativas em relação ao mesmo período do ano passado. Indicador (%) Abr Jun 2014 Jan Mar 2015 Abr Jun 2015 Taxa de desocupação 6,8 7,9 8,3 Nível de ocupação 56,9 56,2 56,2 Taxa de participação na força de trabalho 61,1 61,0 61,3 Ainda, segundo a PNAD, o número de empregados do setor privado com e sem carteira não teve variação significativa na comparação com o trimestre anterior, mas teve queda quando comparado com o mesmo período do ano passado, conforme tabela abaixo: Emprego no setor privado (em mil pessoas) Abr Jun 2014 Jan Mar 2015 Abr Jun 2015 Com Carteira Sem Carteira Por fim, o rendimento médio real recebido pelas pessoas ocupadas atingiu R$ 1.882, mantendo certa estabilidade nas comparações com o trimestre anterior e com o mesmo período de Período Rendimento médio real habitualmente recebido pelas pessoas ocupadas (R$) Abr Jun Jan Mar Abr Jun Na semana passada, o IBGE divulgou a Pesquisa Mensal de Emprego (PME). Na PME, a taxa de desocupação atingiu 7,5% (ante 8,3% na PNAD), a população ocupada teve queda de 0,9% (contra crescimento de 0,2% na PNAD) e, por fim, a população desocupada avançou de forma acentuando, alcançando 38,7% (23,5% na PNAD). Vale destacar que existem diferenças metodológicas importantes entre as duas pesquisas, mas os resultados de ambas reforçam o desempenho ruim do mercado de trabalho. Fonte: IBGE 3

4 Banco Central divulga dados do setor externo Em julho, as transações correntes foram deficitárias em US$ 6,2 bilhões (contra US$ 9,3 bilhões no mesmo período de 2014), acumulando saldo negativo de US$ 44,1 bilhões no ano. Já na conta financeira, as captações líquidas superaram as concessões líquidas, gerando déficit de US$ 5,7 bilhões (contra US$ 9,7 bilhões em julho de 2014). No ano o resultado acumulado também é negativo, em US$ 42,7 bilhões. Transações correntes: a conta de serviços registrou despesas líquidas de US$ 3,3 bilhões no mês, acumulando saldo negativo no ano de US$ 23,7 bilhões. Em julho, na comparação com o mesmo período de 2014, houve queda nas despesas líquidas com transportes (US$ 513 milhões) e no item viagens internacionais (US$ 1,2 bilhão). O destaque ficou por conta da retração de 30,4% nos gastos de turistas brasileiros em viagens ao exterior e de 40,4% nas despesas de viajantes estrangeiros ao Brasil. Vale ressaltar que no ano passado houve a Copa do Mundo, elevando a base de comparação dos gastos de turistas estrangeiros no Brasil. Por sua vez, a conta renda primária (antes denominada rendas ) apresentou no mês déficit de US$ 5,2 bilhões, totalizando, em 2015, saídas de US$ 25,1 bilhões. As despesas líquidas de lucros e dividendos atingiram US$ 623 milhões, enquanto as despesas líquidas de juros somaram US$ 4,6 bilhões. Conta Capital e Financeira: Os investimentos diretos no exterior apresentaram resultado negativo de US$ 1,5 bilhão, sendo R$ 1,6 bilhão em participação no capital e US$ 156 milhões de retornos provenientes de operações intercompanhias. Em julho, os investimentos diretos no país (IDP) foram de US$ 6,0 bilhões (contra US$ 9,5 bilhões em 2014), sendo US$ 3,5 bilhões em participação no capital e US$ 219 milhões em operações intercompanhias. Após dois meses consecutivos, o ingresso de IDP não foi suficiente para cobrir os gastos em transações correntes (US$ 6,2 bilhões). Isso significa que a necessidade de financiamento externo do Brasil voltou a ficar positiva, dependendo da entrada dos investimentos em carteira, que têm característica mais volátil, para manter o balanço de pagamentos no terreno positivo. No ano, os ingressos líquidos dos investimentos diretos no país somaram US$ 36,9 bilhões (enquanto o déficit em transações correntes é de US$ 44,1 bilhões). As reservas internacionais no conceito liquidez totalizaram US$ 370,8 bilhões em julho, redução de US$ 1,4 bilhão em relação ao mês anterior. Fonte: BCB 4

5 Operações de crédito do sistema financeiro cresce 0,3% em julho Em julho, o saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) atingiu R$ bilhões (54,5% do PIB). O valor representa um avanço de 0,3% no mês e 9,9% em doze meses. Do total, 52,8% corresponde ao saldo de crédito destinado a pessoas jurídicas e 47,2% a pessoas físicas. Ainda, R$ bilhões (ou 53% do total) do saldo é destinado a atividades econômicas, divididos da seguinte forma: 1,5% à agricultura, 45,8% à indústria, 50,3% ao setor de serviços e 2,4% a outros setores. A taxa de inadimplência (atrasos superiores a 90 dias) do Sistema Financeiro permaneceu estável em relação tanto ao mês anterior quanto ao mesmo mês de 2014, em 3,0%. A carteira com recursos direcionados, que engloba as operações do BNDES, os financiamentos imobiliários, o crédito rural e recursos ao microcrédito, entre outros, manteve desempenho significativo, chegando a R$ 1.516,0 bilhões (26,5% do PIB e 48,7% do total de operações do SFN). O crescimento de 0,8% no mês quando comparado a junho (alta de 15,3% em relação a julho de 2014) foi impulsionado, principalmente, pelo crédito imobiliário que totalizou R$ 547 bilhões (9,6% do PIB, com avanços de 1,2% em relação ao mês anterior e 20,9% na comparação com julho de 2014), e pelo saldo com recursos do BNDES, que atingiu R$ 660 bilhões (11,6% do PIB e crescimento de 0,8%, na comparação com junho, e de 13,8%, em relação a julho de 2014). As operações de crédito de instituições financeiras públicas alcançaram R$ 1.720,1 bilhões (55,3% do total de operações do SFN), crescimento de 0,9% no mês. A inadimplência das instituições sob controle público segue oscilando abaixo da média do Sistema Financeiro Nacional, alcançando 2,4% no mês. Fonte: BCB 5

6 Setor público tem déficit de R$ 10 bilhões em julho O setor público consolidado registrou déficit primário de R$ 10 bilhões em julho, acumulando saldo positivo no ano de R$ 6,2 bilhões (contra R$ 24,7 bilhões no mesmo período de 2014). No fluxo de doze meses, registrou-se déficit primário de R$ 51 bilhões (- 0,89% do PIB), ante saldo negativo de R$ 45,7 bilhões (- 0,70% do PIB) em junho. Por sua vez, os juros nominais totalizaram R$ 62,8 bilhões em julho, acumulando no ano gastos de R$ 288,6 bilhões e em doze meses R$ 451,8 bilhões (7,92% do PIB, elevando-se 0,57 p.p. do PIB em relação ao observado em junho). Ainda, o resultado nominal, que inclui o resultado primário e os juros nominais, foi deficitário em R$ 72,8 bilhões no mês. Em 2015, o déficit nominal soma R$ 282,4 bilhões e no acumulado em doze meses o resultado nominal deficitário alcançou R$ 502,8 bilhões (8,81% do PIB). A dívida líquida do setor público alcançou 34,2% do PIB, reduzindo-se 0,4 p.p. do PIB em relação ao mês anterior. A desvalorização cambial de 9,4% registrada no mês respondeu pela redução de R$ 90,7 bilhões no estoque da dívida. A Dívida Bruta do Governo Geral (Governo Federal, INSS, governos estaduais e governos municipais) totalizou R$ bilhões (64,6% do PIB), elevando-se 1,4 p.p. do PIB em relação ao mês anterior. O Resultado Primário do Governo Central (RPGC) registrou em julho déficit de R$ 7,2 bilhões, frente a saldo negativo de R$ 2,2 bilhão no mesmo mês de Tratase do terceiro déficit consecutivo e pior resultado para meses de julho desde Do total, o Tesouro Nacional registrou déficit de R$ 1,7 bilhão, a previdência social mostrou saldo negativo de R$ 5,7 bilhões e o Banco Central teve superávit de R$ 174,3 milhões. O resultado se deve, em parte, à redução na receita líquida, enquanto a despesa total se manteve praticamente no mesmo patamar de No acumulado do ano, o déficit é de R$ 9,1 bilhões (ante superávit de R$ 15,1 bilhões no mesmo período de 2014). Trata-se do pior resultado nesse tipo de análise desde Do total, o Tesouro Nacional registrou superávit de R$ 30,7 bilhões, a previdência social mostrou déficit de R$ 39,4 bilhões e o Banco Central totalizou resultado negativo de R$ 347,1 milhões. O déficit se deve, principalmente, à redução de 3,7% da receita líquida no acumulado do ano, já descontados os efeitos da inflação. A queda é fruto dos efeitos da desaceleração econômica na arrecadação tributárias, das compensações tributárias e da queda da receita de dividendos e de cota parte de compensações financeiras. É importante destacar o decréscimo real de R$ 4,1 bilhões (1,1%) nas despesas do Tesouro Nacional, que foi mais que compensado pelo aumento real de R$ 6,3 bilhões (2,7%) nas despesas da Previdência Social. Em contrapartida, a despesa total registrou certa estabilidade em relação ao mesmo período do ano passado, já que registrou alta de apenas 0,4%, também em termos reais. No fluxo de 12 meses, o RPGC totalizou déficit de R$ 41,4 bilhões (-0,73% do PIB), contra superávit de R$ 53,8 bilhões (0,80% do PIB) em período homólogo do ano anterior. Fonte: BCB e Secretaria do Tesouro Nacional 6

7 PIB brasileiro apresenta variação negativa de 1,9% em relação ao primeiro trimestre O IBGE divulgou o resultado do Produto Interno Bruto (PIB) do primeiro trimestre de O dado confirmou que o país está, oficialmente, em "recessão técnica" ao apresentar recuo de 1,9% em relação ao período imediatamente anterior, já descontada o efeito sazonal. Recessão técnica se configura quando ocorre diminuição marginal por dois trimestres consecutivos da atividade econômica. Em relação ao mesmo trimestre de 2014 o PIB caiu 2,6% e em 4 trimestres registrou queda de 1,2%. Primeiro trimestre de 2015 em relação ao trimestre anterior (série com ajuste Sazonal) O PIB do segundo trimestre registrou queda de 1,9% em relação ao primeiro trimestre de 2015, já descontada do efeito sazonal. Pelo lado da oferta, a Indústria (-4,3%), o setor Agropecuário (-2,7%) e o setor de Serviços (-0,7%) tiveram queda. Pela ótica da demanda, destacamos a Formação Bruta de Capital Fixo (FBKF), que caiu 8,1% em relação ao trimestre anterior (oitavo trimestre consecutivo de queda) e o Consumo das Famílias, que teve queda de 2,1% (segundo trimestre consecutivo de queda e pior resultado desde o terceiro trimestre de 2001). Além desses, o Consumo da Administração Pública teve crescimento de 0,7%. Em relação ao setor externo, a Exportação cresceu 3,4%, enquanto a Importação de Bens e Serviços caiu 8,8%. O PIB alcançou, em valores correntes, R$ 1.428,3 bilhões no trimestre. A taxa de investimento no primeiro trimestre de 2015 correspondeu a 17,8% do PIB. Segundo trimestre de 2015 em relação ao segundo trimestre de 2014 Considerando o mesmo período do ano anterior, o PIB caiu 2,6%. Pelo lado da oferta, a Agropecuária apresentou expansão de 1,8%, enquanto a Indústria e o setor de Serviços tiveram queda de 5,2% e 1,4%, respectivamente. Pela ótica da demanda o destaque foi para a FBKF, cuja variação negativa foi de 11,9% (a maior taxa desde o primeiro trimestre de 1996). O recuo se deve, em grande parte, pela queda das importações e pelo desempenho negativo da produção interna. O Consumo das Famílias caiu 2,7% (segunda queda consecutiva e pior resultado desde o quarto trimestre de 1997), assim como o Consumo da Administração Pública cujo resultado foi negativo foi de 1,1%. No Setor Externo, por sua vez, as Exportação de Bens e Serviços apresentaram expansão de 7,5%, enquanto que as Importação de Bens e Serviços caíram 11,7%, ambas influenciadas pela desvalorização cambial. Acumulado em quatro trimestres Se considerarmos o acumulado em quatro trimestres, o PIB caiu 1,2%, em relação aos quatro trimestres imediatamente anteriores. Pelo lado da oferta, a Agropecuária teve aumento de 1,6%. Já a Indústria e o setor de Serviços recuaram 2,9% e 0,5%, respectivamente. Pelo lado da demanda, todos os componentes tiveram queda. O destaque, mais uma vez, foi para a FBKF registrou queda de 7,9%. O Consumo das Famílias e o Consumo da Administração Pública caíram 0,6% e 0,3%, respectivamente. Em relação ao Setor Externo, a Exportação de Bens e Serviços cresceram 1,0%, ao passo que a Importações de Bens e Serviços tiveram queda de 4,7%. Fonte: IBGE 7

8 Calendário Mensal - Brasil Agosto e Setembro Data Indicador Último dado Fonte 31/08 seg Boletim Focus - BCB Sondagem do Comércio -1,0 IBRE Sondagem de Serviços -2,9 IBRE 01/09 Ter Balança Comercial Mensal US$ bilhões MDIC 02/09 qua Copom 14,25 BCB PIM: Produção física -0,3 IBGE 04/09 sex IGP-DI 0,68 FGV 07/09 seg Boletim Focus - BCB 09/09 qua PIM: Produção Industrial Regional - IBGE 10/09 qui IPCA 0,62 IBGE INPC 0,58 IBGE 11/09 sex Produção Agrícola - IBGE 14/09 seg Boletim Focus - BCB 16/09 qua PMC: Pesquisa Mensal de Comércio -0,4 IBGE 18/09 sex Pesquisa Industrial Mensal: Emprego e Salário 7,5 IBGE PMS: Pesquisa Mensal de Serviços 2,1 IBGE 21/09 seg Boletim Focus - BCB 22/09 ter IPCA-15 0,43 IBGE 23/09 qua Setor Externo - BCB 24/09 qui PME: Pesquisa Mensal de Emprego 7,5 IBGE Sondagem do Consumidor -1,7 FGV 25/09 sex IPP: Índice de Preços ao Produtor - Indústrias de Transformação 0,31 IBGE Política Monetária - BCB Gerência de Estudos Econômicos - Gesec Fernanda Feil Dayane Tavares Telefone: / Esse boletim é produzido pela Gerência de Estudos Econômicos da Associação Brasileira de Desenvolvimento (ABDE). As edições passadas estão disponíveis para consulta em

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O Copom decidiu, por unanimidade, elevar a taxa de juros Selic em 0,5 p.p., a 14,25% ao ano, conforme esperado pelo mercado. A decisão ocorreu após elevação de 0,5 p.p no último encontro.

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

Balanço de Pagamentos

Balanço de Pagamentos Balanço de Pagamentos Agosto/2015 22 de setembro de 2015 Resumo dos Resultados Em agosto de 2015, o déficit em Transações Correntes foi de US$ 2,5 bilhões, resultado superior ao observado em agosto de

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC FORTALEZA, Agosto de 2013 SUMÁRIO 1. Fundamentos da Análise de Conjuntura. 2. Tipos

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Setembro de 213 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação 2 I. Introdução 3 Missão

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2015, em cumprimento

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil 1 A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil Guido Mantega Outubro de 2008 1 2 Gravidade da Crise Crise mais forte desde 1929 Crise mais grave do que as ocorridas nos anos 1990 (crise de US$ bilhões

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

Panorama Econômico Abril de 2014

Panorama Econômico Abril de 2014 1 Panorama Econômico Abril de 2014 Alerta Esta publicação faz referência a análises/avaliações de profissionais da equipe de economistas do Banco do Brasil, não refletindo necessariamente o posicionamento

Leia mais

Notícias Economia Internacional. e Indicadores Brasileiros. Nº 1/2 Julho de 2012

Notícias Economia Internacional. e Indicadores Brasileiros. Nº 1/2 Julho de 2012 Notícias Economia Internacional e Indicadores Brasileiros Nº 1/2 Julho de 2012 Sindmóveis - Projeto Orchestra Brasil www.sindmoveis.com.br www.orchestrabrasil.com.br Realização: inteligenciacomercial@sindmoveis.com.br

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação Nesta 17ª Carta de Conjuntura da Saúde Suplementar, constam os principais indicadores econômicos de 2011 e uma a n á l i s e d o i m p a c t o d o crescimento da renda e do emprego sobre o

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL

ECONOMIA INTERNACIONAL No mês de fevereiro foram divulgadas as estatísticas das principais economias mundiais. Cabe ressaltar ainda, o efeito negativo da crise na Ucrânia nos mercados internacionais, uma vez que o grau de tensão

Leia mais

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008 1 Crise Financeira Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo Nelson Barbosa Novembro de 20 1 2 Impactos da Crise Financeira nas Economias Avançadas Primeiro impacto: grandes perdas patrimoniais, crise

Leia mais

OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO BRASIL 30 de julho de 2015

OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO BRASIL 30 de julho de 2015 OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO BRASIL 30 de julho de 2015 (dados junho de 2015) A SPE não é a fonte primária das informações disponibilizadas nesta apresentação. A SPE apenas consolida e organiza as informações

Leia mais

Classificação da Informação: Uso Irrestrito

Classificação da Informação: Uso Irrestrito Cenário Econômico Qual caminho escolheremos? Cenário Econômico 2015 Estamos no caminho correto? Estamos no caminho correto? Qual é nossa visão sobre a economia? Estrutura da economia sinaliza baixa capacidade

Leia mais

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 Desde março do ano passado, a partir da reversão das expectativas inflacionárias e do início da retomada do crescimento econômico, os juros

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

5 MOEDA E CRÉDITO. ipea SUMÁRIO

5 MOEDA E CRÉDITO. ipea SUMÁRIO 5 MOEDA E CRÉDITO SUMÁRIO Na reunião de fevereiro último, o Comitê de Política Monetária (Copom) elevou a meta para a taxa Selic em 25 pontos-base (pb), fazendo-a chegar a 10,75% ao ano (a.a.). Essa redução

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 22-10-08) Edição de 27 de Outubro de 08 Crise não teve impacto significativo nas operações

Leia mais

Introdução. PIB varia 0,4% em relação ao 1º trimestre e chega a R$ 1,10 trilhão

Introdução. PIB varia 0,4% em relação ao 1º trimestre e chega a R$ 1,10 trilhão 16 a 31 de agosto de 2012 As principais informações da economia mundial, brasileira e baiana Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia Diretoria de Indicadores e Estatísticas Coordenação

Leia mais

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO 18 de Agosto de 2006 Demian Fiocca Presidente do BNDES www.bndes.gov.br 1 BRASIL: NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO Um novo ciclo de desenvolvimento teve início em 2004.

Leia mais

SÍNTESE DA CONJUNTURA

SÍNTESE DA CONJUNTURA SÍNTESE DA CONJUNTURA O quadro geral da economia brasileira, que já se mostrava bastante difícil nos primeiros meses do ano, sofreu deterioração adicional no terceiro trimestre, com todos os indicadores

Leia mais

Panorama Econômico. Principais Fatos da Semana. 04 de Maio de 2015. Sumário. Acompanhamento De 27 de Abril a 01 de Maio

Panorama Econômico. Principais Fatos da Semana. 04 de Maio de 2015. Sumário. Acompanhamento De 27 de Abril a 01 de Maio Panorama Econômico 04 de Maio de 2015 Sumário Principais Fatos da Semana 1 Economia EUA 2 Economia Brasileira 3 Índices de Mercado 5 Calendário Semanal 5 Acompanhamento Principais Fatos da Semana Nos Estados

Leia mais

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Esta apresentação foi preparada pelo Grupo Santander Banespa (GSB) e o seu conteúdo é estritamente confidencial. Essa apresentação não poderá ser reproduzida,

Leia mais

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013 Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013 Política e Economia Atividade Econômica: Os indicadores de atividade, de forma geral, apresentaram baixo desempenho em maio. A produção industrial

Leia mais

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

(com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009

(com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009 Relatório Febraban - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009 Em Abril de 2009, operações de crédito atingiram

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

Persistência da desaceleração e ligeira elevação na inadimplência

Persistência da desaceleração e ligeira elevação na inadimplência Persistência da desaceleração e ligeira elevação na inadimplência Em maio, a carteira de crédito do SFN totalizou aproximadamente 56,2% do PIB, indicando crescimento de 12,7% em 12 meses. O maior dinamismo

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Márcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda Caxias do Sul, RG 03 de dezembro de 2012 1 O Cenário Internacional Economias avançadas: baixo crescimento

Leia mais

15 a 30 de setembro de 2015

15 a 30 de setembro de 2015 15 a 30 de setembro de 2015 As principais informações da economia mundial, brasileira e baiana Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia Diretoria de Indicadores e Estatísticas Coordenação

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 Data: 29/04/2014 Participantes Efetivos: Edna Raquel Rodrigues Santos Hogemann Presidente, Valcinea Correia da Silva Assessora Especial,

Leia mais

Conjuntura Dezembro. Boletim de

Conjuntura Dezembro. Boletim de Dezembro de 2014 PIB de serviços avança em 2014, mas crise industrial derruba taxa de crescimento econômico Mais um ano de crescimento fraco O crescimento do PIB brasileiro nos primeiros nove meses do

Leia mais

Figura 38 - Resultado global do Balanço de Pagamentos (US$ bilhões acum. Em 12 meses) Dez/95-Mar/07

Figura 38 - Resultado global do Balanço de Pagamentos (US$ bilhões acum. Em 12 meses) Dez/95-Mar/07 113 6. SETOR EXTERNO Fernando Ribeiro de Leite Neto 6.1 Balanço de Pagamentos 6.1.1 Resultado Global do Balanço de Pagamentos Ao longo de 2006, o setor externo da economia brasileira logrou registrar o

Leia mais

Pesquisa FEBRABAN de Projeções Macroeconômicas e Expectativas de Mercado

Pesquisa FEBRABAN de Projeções Macroeconômicas e Expectativas de Mercado Pesquisa FEBRABAN de Projeções Macroeconômicas e Expectativas de Mercado Variáveis Macroeconômicas Pesquisa de Projeções Macroeconômicas (Média) Efetivos Efetivos Pesquisas anteriores 2012 2013 Pesquisa

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Fevereiro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Fevereiro de 2015...

Leia mais

ANO 1 NÚMERO 03 NOVEMBRO 2011 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 1 NÚMERO 03 NOVEMBRO 2011 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 1 NÚMERO 03 NOVEMBRO 2011 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO CONSIDERAÇÕES INICIAIS Aos poucos as turbulências no mercado financeiro europeu e seus impactos nas atividades econômicas

Leia mais

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC)

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Situação da economia e perspectivas Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Recessão se aprofunda e situação fiscal é cada vez mais grave Quadro geral PIB brasileiro deve cair 2,9% em 2015 e aumentam

Leia mais

O AMBIENTE ECONÔMICO. Boletim n.º 05 1º trimestre de 2013. Taxa de juros - SELIC (fixada pelo Comitê de Política Monetária COPOM)

O AMBIENTE ECONÔMICO. Boletim n.º 05 1º trimestre de 2013. Taxa de juros - SELIC (fixada pelo Comitê de Política Monetária COPOM) Boletim n.º 05 1º trimestre de O AMBIENTE ECONÔMICO Taxa de juros - SELIC (fixada pelo Comitê de Política Monetária COPOM) Atividade econômica A economia brasileira, medida pelo desempenho do Produto Interno

Leia mais

Programação Monetária para o segundo trimestre e para o ano de 2015

Programação Monetária para o segundo trimestre e para o ano de 2015 Março Programação Monetária para o segundo trimestre e para o ano de A. A economia brasileira no primeiro trimestre de 1. O PIB cresceu 0,1% no terceiro trimestre de, em relação ao anterior, após dois

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Crise não afeta lucratividade dos principais bancos no Brasil 1 Lucro dos maiores bancos privados

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008

AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008 AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Senhor acionista e demais interessados: Apresentamos o Relatório da Administração e as informações

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Abril de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março de 2015... 5 3.

Leia mais

Volume de crédito segue em expansão em 2008

Volume de crédito segue em expansão em 2008 Relatório Febraban - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 25-03-2008) Edição de 25 de março de 2008 Volume de crédito segue em expansão em 2008 O ritmo

Leia mais

INDX avança 4,71% em Fevereiro

INDX avança 4,71% em Fevereiro INDX avança 4,71% em Fevereiro Dados de Fevereiro/15 Número 95 São Paulo O Índice do Setor Industrial (INDX), composto pelas ações mais representativas do segmento, encerrou o mês de fevereiro com elevação

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA

PRESTAÇÃO DE CONTAS DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA 2.1 - DESEMPENHO DA ECONOMIA BRASILEIRA E DA POLÍTICA ECONÔMICA-FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL 2.1.1. Panorama Econômico em 2009 O ano de 2009 transcorreu sob os efeitos da crise financeira internacional

Leia mais

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Segundo Trimestre de 2013 Energia Geração, Transmissão e Distribuição Conjuntura Projeto Banco Macroeconômica do Brasil Energia Geração, Transmissão e Distribuição

Leia mais

Ativa Corretora. Novembro de 2010

Ativa Corretora. Novembro de 2010 Ativa Corretora Novembro de 2010 Roteiro A economia global passa por ajustes severos, quase que simultaneamente, o que torna o trabalho de previsão ainda mais complexo do que o normal. Existem ainda questões

Leia mais

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 22 de maio de 2012 1 A situação da economia internacional

Leia mais

Boletim Econômico e do Setor Portuário. Sumário

Boletim Econômico e do Setor Portuário. Sumário Boletim Econômico e do Setor Portuário Junho de 2014 Sumário Indicadores da Economia Nacional... 2 O Produto Interno Bruto PIB no primeiro trimestre de 2014... 2 Os Índices de Inflação... 3 O Mercado de

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Retornos % Dia % Mês % Ano PREFIXADO IDkA Pré 2A 3.117,66 0,2326 0,0484 2,2339 IPCA IDkA IPCA 2A 3.361,41 0,0303 1,1342 4,33

Retornos % Dia % Mês % Ano PREFIXADO IDkA Pré 2A 3.117,66 0,2326 0,0484 2,2339 IPCA IDkA IPCA 2A 3.361,41 0,0303 1,1342 4,33 RENDA VARÍAVEL O Ibovespa principal indicador da bolsa de valores brasileira fechou o mês de março em queda (-0,84%). A Bovespa segue bastante vulnerável em meio à desaceleração econômica e a mudança de

Leia mais

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base Cenário Econômico Internacional & Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda antonio.lacerda@siemens.com São Paulo, 14 de março de 2007

Leia mais

Atravessando a Turbulência

Atravessando a Turbulência 1 Atravessando a Turbulência Guido Mantega Novembro de 20 1 2 Crise financeira sai da fase aguda A Tempestade financeira amainou. Há luz no fim do túnel. Crise não acabou, mas entra em nova fase. As ações

Leia mais

Panorama da Economia Brasileira. Carta de Conjuntura do IPEA

Panorama da Economia Brasileira. Carta de Conjuntura do IPEA : Carta de Conjuntura do IPEA Apresentadoras: PET - Economia - UnB 25 de maio de 2012 1 Nível de atividade 2 Mercado de trabalho 3 4 5 Crédito e mercado financeiro 6 Finanças públicas Balanço de Riscos

Leia mais

Evitar a recessão no Brasil

Evitar a recessão no Brasil Evitar a recessão no Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda Federação Nacional dos Engenheiros - FNE São Paulo, 12 de Março de 2015 1 2 3 4 5 O quadro internacional A economia brasileira Comércio,

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Tópicos Economia Americana: Confiança em baixa Pág.3 EUA X Japão Pág. 4 Mercados Emergentes: China segue apertando as condições monetárias Pág.5 Economia Brasileira:

Leia mais

BRASIL: SUPERANDO A CRISE

BRASIL: SUPERANDO A CRISE BRASIL: SUPERANDO A CRISE Min. GUIDO MANTEGA Setembro de 2009 1 DEIXANDO A CRISE PARA TRÁS A quebra do Lehman Brothers explicitava a maior crise dos últimos 80 anos Um ano depois o Brasil é um dos primeiros

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Informativo Semanal de Economia Bancária

Informativo Semanal de Economia Bancária 1 Comentário Semanal A semana começa ainda sob impacto do debate acerca da evolução do quadro fiscal e seus possíveis efeitos sobre o crescimento da economia e, conseqüentemente, sobre os juros em 2010.

Leia mais

CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 SUMÁRIO Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita de

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Ajuste Macroeconômico na Economia Brasileira

Ajuste Macroeconômico na Economia Brasileira Ajuste Macroeconômico na Economia Brasileira Fundação Getúlio Vargas 11º Fórum de Economia Ministro Guido Mantega Brasília, 15 de setembro de 2014 1 Por que fazer ajustes macroeconômicos? 1. Desequilíbrios

Leia mais

Programação monetária para o segundo trimestre de 1997

Programação monetária para o segundo trimestre de 1997 Março 1 Programação monetária para o segundo trimestre de A. A economia no primeiro trimestre de 1. A taxa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) atingiu 2,91% em, refletindo a retomada PIB trimestral

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 24-06-2008) Edição de 25 de junho de 2008 Operações de crédito à pessoa física apresentam

Leia mais

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013 Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013 Política e Economia Atividade Econômica: Os indicadores de atividade, de forma geral, apresentaram bom desempenho em abril. A produção industrial

Leia mais

1. Atividade Econômica

1. Atividade Econômica Julho/212 O Núcleo de Pesquisa da FECAP apresenta no seu Boletim Econômico uma compilação dos principais indicadores macroeconômicos nacionais que foram publicados ao longo do mês de referência deste boletim.

Leia mais

O crédito ao setor privado atingiu R$1.948 bilhões no final de 2011, após acréscimos de 2,2% no mês e de 18,9% em relação a dezembro de 2010.

O crédito ao setor privado atingiu R$1.948 bilhões no final de 2011, após acréscimos de 2,2% no mês e de 18,9% em relação a dezembro de 2010. O volume total de crédito do sistema financeiro, computadas as operações com recursos livres e direcionados, atingiu R$2.030 bilhões em dezembro, após crescimento mensal de 2,3%. Ao longo de 2011, o crédito

Leia mais

CAPITALIZAÇÃO DA PETROBRAS E DÚVIDAS SOBRE A ECONOMIA GLOBAL

CAPITALIZAÇÃO DA PETROBRAS E DÚVIDAS SOBRE A ECONOMIA GLOBAL Julio Hegedus Assunto: Balanço Semanal InterBolsa BALANÇO SEMANAL 24 DE SETEMBRO DE 2010 BALANÇO SEMANAL 20 A 24/09 CAPITALIZAÇÃO DA PETROBRAS E DÚVIDAS SOBRE A ECONOMIA GLOBAL Capitalização da Petrobras

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS CENTRO DE ESTUDOS DE CEMEC

MERCADO DE CAPITAIS CENTRO DE ESTUDOS DE CEMEC 10º. SEMINÁRIO CEMEC DE MERCADO DE CAPITAIS CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC Financiamento de Investimentos no Brasil e nas Empresas São Paulo 29/Novembro/2011 10º. SEMINÁRIO CEMEC DE MERCADO

Leia mais

Cenário Macroeconômico

Cenário Macroeconômico INSTABILIDADE POLÍTICA E PIORA ECONÔMICA 24 de Março de 2015 Nas últimas semanas, a instabilidade política passou a impactar mais fortemente o risco soberano brasileiro e o Real teve forte desvalorização.

Leia mais

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Agenda 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Cenário Internacional Cenário Internacional Mundo cresce, mas pouco. Preocupação com China 4 EUA

Leia mais

Considerações Iniciais

Considerações Iniciais ANO 2 NÚMERO 6 ABRIL 212 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO RABELO Considerações Iniciais Neste primeiro trimestre de 212 a economia brasileira apresenta índices econômicos preocupantes

Leia mais

Especial Lucro dos Bancos

Especial Lucro dos Bancos Boletim Econômico Edição nº 90 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Especial Lucro dos Bancos 1 Tabela dos Lucros em 2014 Ano Banco Período Lucro 2 0 1 4 Itaú Unibanco

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

RELATÓRIO TESE CENTRAL

RELATÓRIO TESE CENTRAL RELATÓRIO Da audiência pública conjunta das Comissões de Assuntos Econômicos, de Assuntos Sociais, de Acompanhamento da Crise Financeira e Empregabilidade e de Serviços de Infraestrutura, realizada no

Leia mais

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito Portal de Informações FEBRABAN Módulo I Crédito Módulo de dados I: Crédito Sumário Este módulo de dados abrange as operações de crédito com recursos livres e direcionados (taxas de juros administradas)

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 29-07-2008) Edição de 30 de julho de 2008 Crédito à pessoa jurídica permanece forte Em junho

Leia mais

Vendas recuam, mas acumulam alta de 1,46% no ano

Vendas recuam, mas acumulam alta de 1,46% no ano Associação Brasileira de Supermercados Nº51 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Abril de 2015 Vendas recuam, mas acumulam alta de 1,46% no ano Crescimento moderado

Leia mais

Prefeitura Municipal de Castro

Prefeitura Municipal de Castro ANEXO DE METAS FISCAIS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2015 (Art. 4º, 1º, inciso II do 2º da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000) DEMONSTRATIVO I ANEXO DE METAS ANUAIS Em cumprimento ao disposto

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Oper. Crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) em julho/2015 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3,11 trilhões em julho/15, após alta de 0,3% no

Leia mais

A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional

A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional Gráfico 1 Produção da construção civil e PIB Variações anuais % 1 8 6 4 2-2 -4 1999 2 21 22 23 24 25 26 27 28 Construção civil PIB A indústria

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Conjuntura - Saúde Suplementar 25º Edição - Abril de 2014 SUMÁRIO Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação 3 Seção Especial 5 Nível de Atividade 8 Emprego 9 Emprego direto em planos de saúde 10 Renda

Leia mais

inflação de 2001. Supera a Meta 15 C ONJUNTURA FLÁVIA SANTOS DA SILVA* LUIZ ALBERTO PETITINGA**

inflação de 2001. Supera a Meta 15 C ONJUNTURA FLÁVIA SANTOS DA SILVA* LUIZ ALBERTO PETITINGA** 15 C ONJUNTURA Inflação de 2001 Supera a Meta A inflação em 2001, medida pelo IPCA, atingiu o patamar de 7,67%, superando a meta de 6% estabelecida pelo Banco Central. Choques internos e externos à economia

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA HENRIQUE MARINHO MAIO DE 2013 Economia Internacional Atividade Econômica A divulgação dos resultados do crescimento econômico dos

Leia mais

Índices de Preços. Em 12

Índices de Preços. Em 12 Indicadores econômicos Índices de Preços IPC/FIPE IPCA Período Em 12 Em 12 Mensal No ano Mensal No ano meses meses Jan. 0,52 0,52 4,27 0,54 0,54 4,56 Fev. 0,19 0,71 4,12 0,49 1,03 4,61 Mar. 0,31 1,02 4,33

Leia mais

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO Sergio Vale Economista-chefe I. Economia Internacional II. Economia Brasileira Comparação entre a Grande Depressão de 30 e a Grande Recessão de 08/09 Produção

Leia mais

Informe Econômico N 3

Informe Econômico N 3 Conjuntura Econômica Gerente Legislativa: Sheila Tussi da Cunha Barbosa Analista Legislativa: Cláudia Fernanda Silva Almeida Assistente Administrativa: Quênia Adriana Camargo Ferreira Estagiário: Tharlen

Leia mais